A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO?

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO?"

Transcrição

1 PROMOVER A DOAÇÃO/DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA O IEPTB-MG AGIR, TAMBÉM, NO CONTEXTO SOCIAL! Dando continuidade a proposta apresentada no III Encontro Estadual do Instituto de Estudos de Protestos do Brasil - seção Minas Gerais, tenho o prazer de me dirigir aos associados do IEPTB-MG, novamente, com o objetivo de firmarmos o compromisso de assumir a responsabilidade social. Nas linhas abaixo, seguem as orientações para que essa importante oportunidade seja aproveitada por todos vocês. Então, mais uma vez, convido-os a fazerem a diferença na vida daqueles que serão beneficiados por essa ATITUDE! A PROPOSTA: Destinar, de maneira conjunta, de 3% até 8% do Imposto de Renda Apurado Anualmente a uma ou a mais Entidades escolhidas pelo IEPTB-MG, dentre aquelas que recebam doações efetuadas aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente, ou aos Fundos do Idoso, ou a Projetos de Incentivo à Cultura, ou a Projetos de Incentivo à Atividade Audiovisual, ou ainda aos Programas: Pronas Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência; Pronon Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica. QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO? Todos os contribuintes que entregam a DIRPF Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física, no modelo completo (por deduções legais). POR QUE FAZER? 1º - Porque vocês estarão aproveitando a oportunidade de destinar uma parte do altíssimo imposto que pagam, à entidades/projetos sociais que trarão benefícios diretos à sociedade. E poderão acompanhar os resultados. 2º - Porque estarão cumprindo com a Responsabilidade Social e permitindo que essa ação conjunta possa ser utilizada como Marketing Social pelo IEPTB-MG. A IMPORTÂNCIA DE ASSUMIRMOS A RESPONSABILIDADE SOCIAL: Assumir a Responsabilidade Social é, senão outra coisa, perceber que existe uma ratoeira em nossa cozinha. Vocês se lembram da história da ratoeira na cozinha? Quando há uma ratoeira na cozinha o problema é de TODOS! Então, é melhor nos comprometermos com a solução, não é mesmo?

2 DE QUE MANEIRA ISSO PODE SER FEITO? A partir da definição do Projeto a ser beneficiado, a destinação poderá ocorrer de duas formas: 1ª Opção Até 31/12, de cada ano, poderão ser doados até 8% do total de IR apurado no exercício. Sendo a doação efetuada diretamente ao Fundo Municipal, Estadual ou Federal a que o Projeto/Entidade estiver vinculado, respeitados os limites de: Até 6% se direcionados a: - Fundos da Infância e da Adolescência; - Fundos do Idoso; - Investimentos e Patrocínios em: obras audiovisuais; projetos culturais; projetos desportivos e paradesportivos. Cumulativamente aos anteriores + 1%, para cada, se direcionados a: - Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) - Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) As doações efetuadas diretamente aos Fundos/Projetos, até 31/12 de cada ano, deverão ser comprovadas por documentação fornecida pelos Conselhos Gestores desses Fundos. Ressalta-se que a doação deverá ser efetuada por meio de documento de arrecadação/depósito específico, sendo direcionada ao Fundo Municipal, Estadual ou Federal a que a entidade beneficiária estiver vinculada. (Não é diretamente para a entidade e sim ao respectivo Fundo) Nesses casos, o doador deverá receber do Conselho Gestor - responsável pelo Fundo o comprovante da doação; onde estará especificado o nome, o número do CNPJ ou CPF do doador, a data e o valor efetivamente recebido em dinheiro; além do número de ordem do comprovante, o nome, o número do CNPJ, o endereço do emitente e ser firmado por pessoa competente para dar a quitação da operação. As doações efetuadas no decorrer do ano, diretamente aos Fundos, de acordo com as entidades e projetos escolhidos, devem ser lançadas na opção Doações, na Declaração Anual de Imposto de Renda. Conforme tela a seguir:

3 2ª Opção Até 30/04, de cada exercício, na própria Declaração Anual do Imposto de Renda, poderão ser doados ao Fundo da Infância e da Adolescência até 3% do IR apurado, respeitado o limite global de 6% ao ano. Ou seja, se durante o ano já tiverem sido doados 6% a algum Fundo e ou Projeto, essa opção não poderá ser realizada. No entanto, se durante o ano tiver sido doado menos do que o limite global de 6%, na DIRPF poderão ser doados ao Fundo da Infância e da Adolescência até 3% do IR apurado. O próprio programa da DIRPF, após completar o preenchimento de todos os dados, informa qual o limite poderá ser doado na própria Declaração Anual. Por isso, para a doação na própria declaração é necessário completar o preenchimento de todas as informações inerentes à renda, às despesas e às demais deduções. Somente depois de fazer isso será possível determinar o limite da doação/destinação. É importante destacar que a modalidade de doação/destinação de até 3% do IR apurado, na própria Declaração de Imposto de Renda Anual, somente será dedutível se efetivada por meio do recolhimento do DARF, até 30/04 (data limite para transmissão da DIRPF e vencimento da cota única e ou 1ª cota do IR). Lembrando que a entrega da DIRPF também deverá obedecer à mesma data. A destinação/doação na Declaração Anual poderá ser efetuada ainda que o resultado tenha sido IR a ser restituído, desde que tenha sido apurado IR devido. Ou seja, se o contribuinte tiver recolhido durante o ano, por meio do Carnê Leão, ou sofrido retenções de IR em valor total superior àquele apurado como devido, terá direito a restituição. Nesse caso, como o limite de 3% é definido com base no IR devido, poderá ser efetuada a destinação/doação ao Fundo da Infância e da Adolescência sobre tal base de cálculo. Em razão de ser recolhido um novo DARF à parte, referente à destinação/doação, esse valor somar-se-á ao da restituição. Sendo assim, o valor a restituir será maior. Vejamos os exemplos no quadro a seguir:

4 COMPARATIVO IMPOSTO DE RENDA COM E SEM DESTINAÇÃO/DOAÇÃO IR A PAGAR SEM DOAÇÃO IR A PAGAR COM DOAÇÃO RESTITUIÇÃO SEM DOAÇÃO RESTITUIÇÃO COM DOAÇÃO IR APURADO , , , ,00 IR RETIDO (IRRF) , , , ,00 DOAÇÃO 0,00 (ZERO) 3.000,00 * (3% X ) 0,00 (ZERO) 3.000,00 (3% X ) RESULTADO IR A PAGAR OU A RESTITUIR , , , ,00 * AS DOAÇÕES EFETUADAS NA DIRPF SÃO RECOLHIDAS POR MEIO DE DARF. SOMENTE PODEM SER DEDUTÍVEIS SE RECOLHIDAS ATÉ 30/04/2014 E SE A DECLARAÇÃO FOR ENTREGUE DENTRO DESSE PRAZO.

5 COMO DEFINIR QUAL O PROJETO A SER BENEFICIADO? No caso da proposta do IEPTB-MG os critérios de definição, para a doação conjunta, serão avaliados por vocês. Acredito que possam ser levadas ao conhecimento da diretoria do Instituto, pelos próprios associados, sugestões de projetos a serem beneficiados pela ação conjunta de Responsabilidade Social, a ser promovida pelo IEPTB-MG. Nesse sentido, a cada ano poderia ser escolhido um novo projeto. Para facilitar essa definição, basta procurar informações nos Conselhos Gestores. Os Conselhos Gestores dos Direitos da Criança e do Adolescente Nacional, Estaduais ou Municipais, por exemplo, são obrigados a divulgar amplamente o calendário das reuniões; as ações prioritárias para aplicação das políticas de atendimento à criança e ao adolescente; os requisitos para apresentação de projetos a serem beneficiados e o valor dos recursos previstos para implementação das ações. Além do total dos recursos recebidos e a respectiva destinação, por projeto atendido, inclusive com cadastramento na base de dados do Sistema de Informações sobre a Infância e a Adolescência; e ainda, a avaliação dos resultados dos projetos beneficiados com recursos dos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente. Lembrando que todas essas ações são fiscalizadas pelo Ministério Público. Todas as destinações\doações cujo limite total pode ser de até 6% são direcionadas aos Fundos, controlados por Conselhos Gestores constituídos por representantes da administração pública e da sociedade civil, que têm a função de acompanhar as aplicações das destinações/doações subsidiadas e demais receitas. Já as destinações/doações limitadas a 1%, nos âmbitos do: Pronon Instituições de combate e prevenção ao câncer, e Pronas/PCD Instituições destinadas ao tratamento de deficiências físicas, motoras, auditivas, visuais, mentais, intelectuais, múltiplas e de autismo, são efetuadas diretamente a essas entidades. Nesse caso, para que sejam dedutíveis é importante certificar-se que os projetos foram previamente aprovados pelo Ministério da Saúde, por ato do Poder Executivo. Além disso, estas entidades deverão: Estar certificadas como entidades beneficentes de assistência social, na forma da Lei /2009; Estar qualificadas como organizações sócias, na forma da Lei 9.637/1998; Estar qualificadas/constituídas como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSIP), na forma da Lei 9.790/1999, e E no caso específico do Pronas/PCD: além de atender as exigências acima, prestar atendimento direto e gratuito às pessoas com deficiência, cadastradas no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde. CONHECIDAS AS REGRAS O QUE FALTA? ATITUDE! Sejam os atores principais da Responsabilidade Social, não esperem que as coisas se resolvam sozinhas. Façam acontecer e influenciem os outros a fazerem o mesmo! No final, o bem será para todos! (Lembram-se do vídeo em que o menino tem a atitude de retirar o tronco da árvore que impedia a rua?) Então, vamos fazer o mesmo? Vejam abaixo como é fácil efetuar a destinação de até 3% do IR apurado, ao Fundo da Infância e da Adolescência, na própria Declaração Anual do Imposto de Renda: Se não for você quem faz a sua Declaração do Imposto de Renda, informe ao seu Contador ou a quem tenha a atribuição de fazer a sua DIRPF, os dados do Fundo (Municipal, Estadual ou Nacional) inerente ao Projeto definido pelo IEPTB-MG para receber a doação/destinação, bem como as demais informações específicas que a entidade julgar necessárias. E solicite-o a seguir os seguintes passos:

6 1º Com a Declaração aberta, depois de preenchida, na barra lateral, clique em RESUMO DA DECLARAÇÃO, em seguida escolha a opção DOAÇÕES DIRETAMENTE NA DECLARAÇÃO ECA. (OBS.: Ao abrir a ficha, antes mesmo de preenchê-la, já aparecerá o valor disponível para doação que poderá ser deduzido do imposto devido.) 2º - Preencha a ficha com os dados do Projeto definido pelo IEPTB-MG (Valor: Informe o valor da doação veja que o próprio programa já calcula o limite da doação/destinação que poderá ser dedutível do imposto)

7 3º - Imprima e Pague o DARF inerente à doação/destinação: No canto superior esquerdo da tela, clique em: DECLARAÇÃO, depois clique em: IMPRIMIR, posteriormente clique na opção: DARF Doações Diretamente na Declaração ECA. Imprima o DARF e pague na rede bancária, impreterivelmente, até 30/04. (Verifique se a entidade solicitou que seja enviada cópia do DARF pago e ou se é necessário anotar alguma informação no DARF, após o pagamento. Geralmente é solicitado anotar o número do projeto e enviar cópia do DARF pago a entidade, para que essa possa conferir e solicitar a liberação da doação perante o Conselho Gestor do Fundo) Feito isso, parabéns por ter cumprido com a Responsabilidade Social!

8 PERGUNTAS E RESPOSTAS: 1 É possível fazer uma doação durante o ano, de até 3%, e depois na Declaração Anual efetuar outra doação de 3% ao Fundo da Infância e da Adolescência? Sim. Desde que obedecido ao limite máximo de 6%, o contribuinte poderá efetuar uma doação a qualquer dos Fundos, durante o ano. Se não houver atingido o limite global (6%) por ano, poderá doar até 3% ao Fundo da Infância e da Adolescência, na Declaração Anual. Veja que nesse caso essa possibilidade é restrita a esse tipo de Fundo. 2 As doações referidas nessa publicação são isentas ou não incidentes de ITCMD? Sim. Ocorre a não incidência de ITCMD. 3 Se for efetuada a entrega da DIRPF dentro do prazo, mas o DARF da doação/destinação não for recolhido até 30/04 o que acontece? Se isso ocorrer, a doação/destinação não poderá ser dedutível. Nesse caso, o contribuinte deverá retificar a sua DIRPF e retirar as informações da doação/destinação e recolher a diferença do imposto a pagar, se for o caso. 4 Se o valor do DARF for pago no prazo, e a declaração não for entregue no prazo o que acontece? O valor da doação será destinado ao Fundo, mas a declaração deverá ser retificada e o referido valor não poderá ser considerado como dedução. 5 Ao optar pela doação/destinação ao Fundo da Infância e da Adolescência, na própria Declaração Anual do Imposto de Renda, ainda que o resultado da minha declaração tenha sido IR a restituir deverei imprimir e pagar o DARF até 30/04? Sim. O DARF inerente à doação/destinação não se confunde com o IR a pagar ou a restituir. Uma vez tendo optado pela doação/destinação o DARF deverá ser recolhido, até 30/04, obrigatoriamente. 6 Se eu entregar a DIRPF antes de 30/04 e após ter recolhido o DARF da doação/destinação descobrir que o valor pago foi menor do que o que poderia, poderei retificar a DIRF e pagar um novo DARF complementar? Sim. Desde que faça esse procedimento até 30/04. 7 Se após pagar o DARF de doação/destinação descobrir que a minha DIRPF deverá ser retificada e que por isso o valor passível de doação/destinação dedutível ficará menor do que aquele anteriormente pago, o que deverei fazer? Você deverá retificar a declaração e alterar o valor passível da dedução. Se houver diferença no IR a pagar você terá de recolher o referido valor. O valor da doação/destinação pago no DARF será totalmente convertido ao Fundo escolhido, sem direito a devolução da parte excedente àquela passível de dedução. Ou seja, você terá doado mais do que poderá aproveitar como dedução. Embasamento Legal: Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999 Regulamento do Imposto sobre a Renda (RIR/1999), arts. 90 a 102; Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990; Lei nº 8.242, de 12 de outubro de 1991;Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, art. 12; Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, art. 22; Lei nº 9.874, de 23 de novembro de 1999, art. 1º; Lei nº 8.685, de 20 de julho de 1993; com redação dada pelo arts. 12 e 13 da Lei nº , de 30 de dezembro de 2010; Medida Provisória nº , de 6 de setembro de 2001, Lei nº , de 13 de maio de 2002; Lei nº , de 19 de julho de 2006, art. 1º; Lei nº , de 28 de dezembro de 2006; Lei nº , de 29 de dezembro de 2006; Lei nº , de 2 de maio de 2007; Lei nº , de 18 de janeiro de 2012, art. 87; Lei nº , de 17 de setembro de 2012, arts. 1º a 7º, 10,13 e 14; Medida Provisória nº 582, de 20 de setembro de 2012; Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, alterada pelas Instruções Normativas RFB nºs 1.196, de 27 de setembro de 2011 e 1.311, de 28 de dezembro de 2012.

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Transforme seu imposto em música

Transforme seu imposto em música FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA Transforme seu imposto em música Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco O QUE É O FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA O Fundo da Infância e da Adolescência

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA INTRODUÇÃO: Poderão utilizar os INCENTIVOS FISCAIS objetos desta apresentação: As pessoas físicas que entregarem

Leia mais

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Instituto CSHG Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Você sabia que pode destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social? A legislação brasileira

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios.

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. O Instituto Abramundo é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e com isso pode receber doações e incentivos para a execução de seus

Leia mais

Passo a Passo Destinação de 6% IR Devido - CMDCA

Passo a Passo Destinação de 6% IR Devido - CMDCA Passo a Passo Destinação de 6% IR Devido - CMDCA Procedimentos para o CMDCA de Campinas Atualizado até 10-nov-2011 PNEF Programa Nacional de Educação Fiscal GDIR - Grupo de Destinação do Imposto de Renda

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências.

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o incentivo fiscal de âmbito federal para projetos de atividades de caráter desportivo, procedemos ao

Leia mais

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP 2. Doação/Patrocínio de Projeto Cultural por pessoa jurídica (art. 18 da Lei Rouanet) e 3. Doação/Patrocínio

Leia mais

FIA O QUE É O FIA. Os Fundos da Infância e da Adolescência FIA. Como sua empresa pode fazer uma doação. Como as pessoas físicas podem fazer uma doação

FIA O QUE É O FIA. Os Fundos da Infância e da Adolescência FIA. Como sua empresa pode fazer uma doação. Como as pessoas físicas podem fazer uma doação FIA O QUE É O FIA De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, os Conselhos Municipais, Estaduais ou Federal são órgãos ou instâncias colegiadas de caráter deliberativo, de composição paritária

Leia mais

FUMCAD. Como investir na educação de crianças e adolescentes usando seu Imposto de Renda

FUMCAD. Como investir na educação de crianças e adolescentes usando seu Imposto de Renda FUMCAD Como investir na educação de crianças e adolescentes usando seu Imposto de Renda Esta cartilha foi elaborada pela Associação Arte Despertar Fevereiro de 2014 Já imaginou se em vez de pagar seu imposto

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores Secretaria da Receita Federal do Brasil Missão Exercer a administração tributária e o controle aduaneiro, com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade. Respeito ao cidadão Integridade

Leia mais

DESTINAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PARA CRIANÇA E ADOLESCENTE E IDOSO: UMA FORMA DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL. Programa Nacional de Educação Fiscal

DESTINAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PARA CRIANÇA E ADOLESCENTE E IDOSO: UMA FORMA DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL. Programa Nacional de Educação Fiscal DESTINAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PARA CRIANÇA E ADOLESCENTE E IDOSO: UMA FORMA DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL Programa Nacional de Educação Fiscal Superintendência da Receita Federal do Brasil em São Paulo Outubro

Leia mais

VEJA AQUI, DE QUE FORMA: DEDUTIBILIDADE DE IMPOSTO DE RENDA DAS SOCIEDADES DOADORAS PARA OSCIPS:

VEJA AQUI, DE QUE FORMA: DEDUTIBILIDADE DE IMPOSTO DE RENDA DAS SOCIEDADES DOADORAS PARA OSCIPS: FAÇA UMA DOAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA (IRPJ) DE SUA EMPRESA AO ESPORTE CLUBE 2014 ( OSCIP- ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE INTERESSE PÚBLICO) CNPJ 09.146.936/0001-08 QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP- MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente A THOMSON COMPANY INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Direitos autorais cedidos

Leia mais

DOAÇÕES ao FIA. TODOS PODEM DOAR, porém...

DOAÇÕES ao FIA. TODOS PODEM DOAR, porém... DOAÇÕES ao FIA TODOS PODEM DOAR, porém... Somente AS DOAÇÕES que atendem ao disposto no artigo 260 do ECRIAD, poderão ser deduzidas na DECLARAÇÃO ANUAL DA PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA Art. 260. Os contribuintes

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007.

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento,

Leia mais

É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda.

É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda. Pessoa Física III Encontro Nacional Brasil Solidário É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda. Existe um benefício fiscal que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas

Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas APRESENTAÇÃO... A empresa M. A. Máquinas Agrícolas Ltda. sempre levou muito a sério sua responsabilidade social. Sempre acreditou e pregou entre seus funcionários

Leia mais

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais:

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: A. Doação à AMARRIBO, que possui o título de OSCIP; B. Doação/Patrocínio de Projeto

Leia mais

PASSO A PASSO DOAÇÃO AO PROJETO AABB ESPORTES E REGISTRO DA DOAÇÃO NA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA

PASSO A PASSO DOAÇÃO AO PROJETO AABB ESPORTES E REGISTRO DA DOAÇÃO NA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PASSO A PASSO DOAÇÃO AO PROJETO AABB ESPORTES E REGISTRO DA DOAÇÃO NA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA É simples contribuir para a promoção do esporte dentro do Sistema AABB, com o Projeto AABB Esportes.

Leia mais

Transforme seu imposto em música

Transforme seu imposto em música FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA Transforme seu imposto em música Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco O QUE É O FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA O Fundo da Infância e da Adolescência

Leia mais

Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho

Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho Veja no rosto do irmão, a Face de Deus! 1. Renúncia fiscal Em 1990, sob a inspiração democrática da Constituição de 1988, foi elaborado o

Leia mais

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS:

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS: INCENTIVOS FISCAIS PONTOS ABORDADOS: Incentivos Fiscais 1. Aspectos Gerais; 2. Doações a Entidade Cíveis; 3. Lei Rouanet; 4. Lei do Esporte; 5. Lei nº. 12.715/12 (Câncer e Deficiência); 6. Fundo Nacional

Leia mais

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ASSISTIDOS COM INÍCIO DO RECEBIMENTO DO BENEFÍCIO NO PERÍODO DE JAN.2008 A DEZ.2012 Perguntas e respostas para entendimento

Leia mais

DIRF. Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte DIRF 2014. Ano Base:2013. Copyright 2013 1

DIRF. Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte DIRF 2014. Ano Base:2013. Copyright 2013 1 DIRF Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte DIRF 2014 Ano Base:2013 Copyright 2013 1 O que é DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte: É a declaração feita pela FONTE PAGADORA [Empresa],

Leia mais

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais:

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: A. Doação à AMARRIBO, que possui o título de OSCIP; B. Doação/Patrocínio de Projeto

Leia mais

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO:

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: No sítio da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br), acesse o Portal e-cac, usando Certificado Digital

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Direcione parte do Imposto de Renda devido à uma instituição séria s e comprometida com objetivos sociais e desenvolvimento humano;

Direcione parte do Imposto de Renda devido à uma instituição séria s e comprometida com objetivos sociais e desenvolvimento humano; FUMCAD - FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA A E DO ADOLESCENTE. Associação Benção de Paz Projeto José de Anchieta. Saiba como fazer doações com incentivos de redução d0 Imposto de Renda Devido; Direcione

Leia mais

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007.

Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. Lei Federal de Incentivo ao Esporte Lei n 11.438, de 29/12/2006 Decreto Lei n 6.180, de 3/8/2007 Portaria n 177, de 11/9/2007. O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento,

Leia mais

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 MANUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS DOAÇÕES EFETUADAS À FFM São Paulo SP 2014 Índice Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 1. Doações a Entidades sem Fins Lucrativos... 5 1.1. Imposto de Renda e Contribuições

Leia mais

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5 Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania Sedpac 2015 Apresentação Criado pela Lei nº 21.144, de 14 de janeiro de 2014, o Fundo Estadual dos Direitos do Idoso tem o objetivo

Leia mais

Copyright 2015 Declarando.

Copyright 2015 Declarando. Este Guia tem como objetivo democratizar o conhecimento em relação ao Imposto de Renda Pessoa Física, trazendo informações claras mas sem perder a seriedade com as fontes e o compromisso com a construção

Leia mais

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Sumário 1. Acesso ao sistema... 3 2. Funcionalidades do sistema... 5 3. Como tratar manifestações... 14 3.1 Detalhar...

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

Roteiro de orientações para uso do Contas Online

Roteiro de orientações para uso do Contas Online FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro para registro de Prestação de Contas PNAE/2013 no SiGPC Contas Online Atualização: Agosto de 2013 Roteiro de orientações para uso do Contas Online

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Passo-a-passo. para doação de 3% do IR de Pessoas Físicas aos Fundos para a Infância e Adolescência (FIA).

Passo-a-passo. para doação de 3% do IR de Pessoas Físicas aos Fundos para a Infância e Adolescência (FIA). Passo-a-passo para doação de 3% do IR de Pessoas Físicas aos Fundos para a Infância e Adolescência (FIA). É simples contribuir para a promoção, proteção e defesa dos direitos da criança e do adolescente

Leia mais

Material de apoio. Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo.

Material de apoio. Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo. Material de apoio Material de apoio Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo. Informações Gerais O sistema CNES/MJ

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

PROJETO FUMCAD 2011 RODA DE CONVERSA: O QUE EU QUERO SER QUANDO CRESCER? COMO DOAR

PROJETO FUMCAD 2011 RODA DE CONVERSA: O QUE EU QUERO SER QUANDO CRESCER? COMO DOAR PROJETO FUMCAD 2011 RODA DE CONVERSA: O QUE EU QUERO SER QUANDO CRESCER? COMO DOAR O projeto pretende atingir 22.000 alunos, professores, dirigentes e familiares por meio de atividades lúdicas, artísticas

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

Cartilha de Incentivo Fiscal via Lei da Oscip

Cartilha de Incentivo Fiscal via Lei da Oscip INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O idestra Instituto para o Desenvolvimento dos Sistemas de Transportes é uma organização civil de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em maio de 2012, com efetivo

Leia mais

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro Atualizado: 22 / 04 / 2013 - FAQ - AI 1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro 1.2. Informações gerais 1.3. Tabela Ação

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

A) Acessar o site da RFB: http://receita.fazenda.gov.br, no menu EMPRESA clicar em CADASTRO CNPJ

A) Acessar o site da RFB: http://receita.fazenda.gov.br, no menu EMPRESA clicar em CADASTRO CNPJ PARA CRIAR CNPJ DA DIREÇÃO MUNICIPAL: 1. É preciso preencher o formulário de inscrição, pela internet 2. Aguardar que a Receita analise a inscrição (é preciso ir consultando pelo site) 3. Quando estiver

Leia mais

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário 1) Como é o Regime de Tributação Progressiva? Sobre os benefícios previdenciais pagos pelos fundos de pensão, o cálculo do imposto de renda devido obedece ao regulamento aplicável, por exemplo, aos rendimentos

Leia mais

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 Passo 1 - Tipo de declaração Nesta tela, o contribuinte escolhe se deseja fazer a declaração de ajuste anual, para prestar conta sobre seus rendimentos e despesas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA) 24/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar?

IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar? IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar? A ACIS-SL está incentivando as empresas, associadas ou não, a informar seu quadro funcional a destinar parte do seu Imposto de Renda para instituições beneficentes

Leia mais

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES.

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Portaria

Leia mais

Solicitação de transferência do aluno

Solicitação de transferência do aluno Solicitação de transferência do aluno 1 Conteúdo Conteúdo... 2 Introdução... 3 Solicitação de transferência de aluno... 4 Aba Solicitação de Transferência:... 5 Aba Acompanhamento de Solicitações:... 12

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

ParticiPar SEMGaStar

ParticiPar SEMGaStar Participar SEMGASTAR Parte do seu imposto de renda pode transformar sonhos em realidade Você sabia que seu Imposto de Renda pode ajudar muitas crianças e jovens? Foi pensando neste mecanismo que a Rede

Leia mais

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS MARCONDES WITT Auditor-Fiscal e Delegado-Adjunto da Receita Federal do Brasil em Joinville I like to pay taxes, with them I buy civilization.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Considerando a publicação da Instrução Normativa (IN) nº 1.343 em 08 de abril de 2013 pela Receita

Leia mais

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual de utilização do sistema pelo cartório IEPTB-MG Belo Horizonte, 2015 Índice 1. Introdução... 4 2. Acesso ao sistema... 5 3. Visualização das declarações de anuência...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SERVIÇOS PRESTADOS

DECLARAÇÃO DE SERVIÇOS PRESTADOS DECLARAÇÃO DE SERVIÇOS PRESTADOS RESUMO DA DECLARAÇÃO NA ESCRITA FISCAL Menu: Declaração de Serviços/Prestados/Homologados Tela de Declaração de Serviços prestados no FISCAL WEB (ISSQN por homologação)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO

IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO FOCO DE ATUAÇÃO DA RMS PÚBLICO PRIORITÁRIO CONTEXTO Incentivos Fiscais FIA: Fomentar a participação da sociedade visando fortalecer os fundos das infâncias e adolescências. Pessoa

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NOTA FISCAL AVULSA ÍNDICE 1. Acesso ao Portal do Sistema...6 2. Requerimento de Acesso para os novos usuários...6 2.1 Tipo

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais, contanto que as cópias sejam feitas

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS OS INCENTIVOS FISCAIS Incentivos fiscais são instrumentos utilizados pelo governo para estimular atividades específicas, por prazo determinado (projetos). Existem

Leia mais

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Fundamentação legal: A entidade estará obrigada a atualizar no CNPJ qualquer alteração referente aos seus dados cadastrais até o último dia útil

Leia mais

Como destinar parte do seu Imposto de Renda Devido a Instituições de Apoio à Criança e ao Adolescente

Como destinar parte do seu Imposto de Renda Devido a Instituições de Apoio à Criança e ao Adolescente Como destinar parte do seu Imposto de Renda Devido a Instituições de Apoio à Criança e ao Adolescente VOCÊ PODE DOAR SEM GASTAR O SEU DINHEIRO! Você tem perfil para contribuir nesta ação? Se você tem o

Leia mais

Manual para DIRF. Manual de Procedimentos - WFOLHA

Manual para DIRF. Manual de Procedimentos - WFOLHA Para gerar o arquivo da DIRF, existem algumas informações importantes a serem revisadas antes de qualquer processo. Desta forma dividimos o manual em sequencias as quais estão explicadas a diante: Prazo:

Leia mais

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE O que é? Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte - DIRF é a declaração feita pela FONTE PAGADORA, com o objetivo de informar à Secretaria da Receita

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. Orienta os procedimentos necessários para o pagamento de honorários aos professores dos cursos de Pós-Graduação promovidos pelo IEDUCORP

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS NOVIDADES DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2013

SAFRAS & CIFRAS NOVIDADES DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2013 NOVIDADES DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2013 *Ana Paiva * Jacqueline Abreu *Mariana Roza O contribuinte, ao baixar o programa para preencher a sua Declaração de Imposto de Renda Pessoa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

1.1. Usuários com e sem vínculos de representação. 1.3. Como consultar os dados do gestor de segurança e saber quem ele é

1.1. Usuários com e sem vínculos de representação. 1.3. Como consultar os dados do gestor de segurança e saber quem ele é Atualizado: 22 / 04 / 2013 - FAQ - AI 1. Gestor de segurança da empresa 1.1. Usuários com e sem vínculos de representação 1.2. O que significa ser gestor de segurança 1.3. Como consultar os dados do gestor

Leia mais

COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3

COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3 1 INDÍCE 1. COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3 1.1. PRIMEIRO ACESSO... 3 1.2. SOLICITAR NOVA SENHA... 4 2. COMO INFORMAR A SITUAÇÃO DOS ALUNOS?...6 2.1. DADOS DO DIRETOR/RESPONSÁVEL...6 2.2.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Aprova o formulário Resumo de Apuração de Ganhos - Renda Variável, para o exercício de 2004, ano-calendário de 2003. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL,

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL - PORTOCRED EMPRÉSTIMO PESSOAL COM GARANTIA DE CHEQUE I - Site Portocred

ROTEIRO OPERACIONAL - PORTOCRED EMPRÉSTIMO PESSOAL COM GARANTIA DE CHEQUE I - Site Portocred I - Site Portocred Para acessar o site Portocred, devemos entrar no link: extranet.portocred.com.br/cp e após clicar na opção Crédito Pessoal Perto Check. *Lançar o usuário e a senha que serão informadas

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

05 - Como faço para acessar um curso no Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle/UFGD.

05 - Como faço para acessar um curso no Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle/UFGD. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE CURSOS DE CAPACITAÇÃO 01 - O que é o Plano Anual de Capacitação? O Plano Anual de Capacitação tem como norteador o Decreto 5.707/06 que institui a Política e as Diretrizes para

Leia mais

Treinamento de. Linx Pos

Treinamento de. Linx Pos Treinamento de caixa Linx Pos Será instalados no terminal da loja, o ícone, conforme imagem abaixo: Linx POS ÍNDICE Abertura de caixa e leitura X Lançamentos Cancelamento de itens Consulta preços no ato

Leia mais

Orçamento 2013 e Sicom

Orçamento 2013 e Sicom Orçamento 2013 e Sicom Abertura do Orçamento 2013 Lançamento das Receitas e suas fontes Lançamento das fichas e suas fontes Relatórios de conferência IN 15 de 2011 Sicom Nesta tela selecionaremos os

Leia mais

ESTOU NESSA! Equipe de Educação Fiscal Alfândega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos Delegacia da Receita Federal do Brasil em Santos

ESTOU NESSA! Equipe de Educação Fiscal Alfândega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos Delegacia da Receita Federal do Brasil em Santos Incentivos fiscais do Imposto de Renda em benefício de Crianças e Adolescentes ESTOU NESSA! Equipe de Educação Fiscal Alfândega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos Delegacia da Receita Federal

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE ESTÁGIO PROBATÓRIO Quadro do Magistério QM GDAE Decreto nº 52.344 de 09/11/2007 - Dispõe sobre o Estágio Probatório dos integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação. Lembramos que: 1.

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Se você ou sua empresa deseja patrocinar um projeto cultural aprovado pelo Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, isso significa

Leia mais

Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Fernando Elias Gerente de Projetos Sociais Instituto Telemig Celular 2007 TÓPICOS: Visão geral dos Conselhos e FIA em MG.

Leia mais

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OS PROMOTORES DE JUSTIÇA PROGRAMA INFÂNCIA EM 1º LUGAR 2ª ETAPA O Fundo dos Direitos da Criança e do Gestão e Captação de Recursos Fernando Carlos Almeida Fernando Carlos Almeida

Leia mais