RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA"

Transcrição

1 DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria

2 ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1 Quais os mecanismos de renúncia fiscal 1.2 Quem pode contribuir e qual o limite 1.3 Infográfico 2 CONHECENDO A FORMA DE FUNCIONAMENTO DOS MECANISMOS DE RENÚNCIA FISCAL 2.1 Fundo da Infância e Adolescência (FIA) e/ou FMDCA Conselhos de Direitos da Infância e Adolescência Banco de Projetos Quem pode utilizar, quando e como fazer a destinação 2.2 Incentivo à Cultura Lei Roaunet Quem pode utilizar, quando e como fazer a destinação Infográfico 2.3 Pronon (Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica) Quem pode utilizar, quando e como fazer a destinação 2.4 Pronas (Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência) Quem pode utilizar, quando e como fazer a destinação 2.5 Outros Idoso Esporte 2

3 DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IR RENúNCIA FISCAL Uma oportunidade para contribuir com a transformação social Há mais de oito anos utilizamos o benefício da renúncia fiscal para projetos de garantia de direitos com foco em saúde e em humanização. Os projetos já beneficiaram milhares de crianças, adolescentes e familiares. Empresas e pessoas que destinaram parte do Imposto de Renda a nossos projetos contribuíram efetivamente com a transformação social da nossa comunidade. As dicas aqui reunidas têm o objetivo de divulgar e esclarecer, de maneira prática e objetiva, o mecanismo de utilização desse benefício. Hospital Pequeno Príncipe Parceria 3

4 1) O que é renúncia fiscal A legislação brasileira permite que empresas e cidadãos contribuam com projetos sociais destinando parte do Imposto de Renda devido. Esse mecanismo de destinação é conhecido como renúncia fiscal. A renúncia fiscal é uma forma de viabilizar projetos relevantes para a comunidade, contribuindo com a transformação social, além de possibilitar que o contribuinte participe ativamente do processo de garantia e promoção de direitos sociais e melhoria da sociedade. Para o contribuinte basta destinar parte do Imposto de Renda devido, sem custos, e assim ajudar a viabilizar a execução dos projetos em benefício da sociedade. Assim, parte do imposto que iria para a Receita Federal será destinada a projetos desenvolvidos nas áreas da cultura, direitos de crianças e adolescentes, saúde, esporte, pessoa idosa, pessoas com câncer e com deficiência. 1.1 QUAIS OS MECANISMOS DE RENÚNCIA FISCAL NO BRASIL O mecanismo de funcionamento e os percentuais que podem ser destinados para cada fundo, programa ou projeto são diferentes. Abaixo trataremos detalhadamente de cada um. Fundo da Infância e Adolescência (FIA) e/ou FMDCA Incentivo à Cultura Lei Rouanet Pronas (Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência) Pronon (Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica) Esporte Idosos 1.2 QUEM PODE CONTRIBUIR E QUAL O LIMITE DE DESTINAÇÃO DO IR PESSOAS JURÍDICAS Tributadas por lucro real e que estejam recolhendo imposto. 9% ao Fundo para a Infância e Adolescência (FIA) 4% pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura para o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) para o Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) Fundo do Idoso Lei do Esporte Não há limite unificado. Os projetos Lei Rouanet têm limite de 4%, e para os projetos FIA (Fundo da Infância e Adolescência), Pronon e Pronas, o limite é de cada, podendo ser somados. Com isso, a pessoa jurídica pode destinar até 7% do imposto devido. Caso a empresa destine também para lei do Esporte () e do Idoso (), o limite passa a ser 9%. 4

5 PESSOAS FÍSICAS Que declarem por formulário completo, com Imposto de Renda devido, a pagar ou retido na fonte. 1.3 RENÚNCIA FISCAL UMA FORMA DE EXERCER A CIDADANIA RESPONSÁVEL 6% compartilhado o Fundo para a Infância e Adolescência (FIA) e a Lei Rouanet de Incentivo à Cultura para o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) para o Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) 8% Fundos, programas, ações e projetos são propostos por instituições de várias áreas. Projetos são avaliados por diferentes órgãos do poder público. Quando aprovados recebem aval/certificado para iniciar captação de recursos com empresas e comunidade, utilizando o benefício da renúncia fiscal. O limite de 6% é compartilhado entre projetos de FIA e Lei Rouanet. Os projetos aprovados no Pronon e no Pronas possuem limite de cada e podem ser somados aos 6% do FIA e Lei Rouanet, totalizando em 8% o limite de renúncia fiscal. 4 5 Após a captação, inicia-se o plano de aplicação parcial dos recursos para execução dos projetos. A fiscalização da aplicação e o gerenciamento dos recursos são realizados por diversos entes públicos: ministérios, Secretaria da Receita Federal do Brasil, agências reguladoras, Tribunal de Contas, Ministério Público, entre outros. 6 A comunidade, pessoas físicas e jurídicas, pode acompanhar a execução dos projetos e a transformação social gerada por eles. Vale ressaltar: o apoiador nunca será responsabilizado por problemas na execução do projeto ou pela prestação de contas, pois essa responsabilidade é sempre do proponente. 5

6 2. Conhecendo a forma de funcionamento de cada um dos mecanismos 2.1 FUNDO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA (FIA) E/OU FMDCA (LEI FEDERAL 8.069/1990) Fundo especial instituído pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e criado por leis específicas nas três esferas nacional, estadual e municipal. Os recursos dos fundos são destinados à implementação de programas e de projetos que atendam diretamente às necessidades das crianças e dos adolescentes, especialmente aqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade pessoal ou social. As ações desenvolvidas abrangem as áreas de proteção e defesa dos direitos da população infantojuvenil. Esses recursos são geridos pelos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente, órgãos responsáveis pela aprovação dos programas e dos projetos que receberão os recursos de acordo com a política deliberada. Os recursos são repassados por meio de convênios, e a execução recebe a fiscalização do Poder Executivo, dos próprios conselhos e dos Tribunais de Contas CONSELHOS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente são espaços de democracia participativa, compostos por representantes de órgãos públicos e de entidades que atuam no atendimento ou na defesa de direitos das crianças e adolescentes. Os conselhos têm a função de deliberar e fiscalizar as ações de promoção, proteção e defesa dos direitos da população infantojuvenil BANCO DE PROJETOS No Paraná e em Curitiba, os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente possuem um Banco de Projetos, composto de muitos projetos de instituições sociais que foram aprovados pelos conselhos para captação dirigida de recursos do Imposto de Renda, a partir de prioridades estabelecidas pelos próprios conselhos e do apoio aos projetos propostos pelas entidades. Assim as doações podem ser feitas por meio do Comtiba (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) e pelo CEDCA (Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente). Importante: a dedução dos valores destinados ao FIA não prejudica outras deduções, como as declaradas no IR, relativas a dependentes, saúde, educação e pensão alimentícia. Lei nº 8.069/90 - Institui o Estatuto da Criança e do Adolescente (Dedução de IR Art. 260) 6

7 2.1.3 QUEM PODE UTILIZAR, QUANDO E COMO FAZER A DESTINAÇÃO Pessoa física que declara em formulário completo pode destinar até 6% do Imposto de Renda devido a pagar ou retido na fonte. Quando A partir de 2012, a data-limite de destinação do Imposto de Renda pessoa física foi prorrogada, e se alterou o percentual que pode ser direcionado. Até o último dia útil do ano limitada a 6% do imposto devido. Ou No momento de declaração do IR (até abril) limitada a 3% do imposto devido, observado o limite global de 6% do IR, se ainda não o fez no ano anterior. A destinação deve ser feita no ano-base da declaração (27/12), ou até 30 de abril do ano subsequente (vencimento da 1ª quota ou quota única do IR). Alteração aprovada pela Lei nº /2012, art. 87 art. 8º A da IN RFB nº 1.131/11. Pessoa jurídica tributada pelo lucro real, que declara em formulário completo, pode destinar até do Imposto de Renda a pagar*. Quando Até o último dia útil do ano. Lembre É importante lembrar que nos casos dos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente e dos Fundos do Idoso, os respectivos órgãos gestores são os responsáveis por emitir o comprovante da doação aos contribuintes e também por repassar as informações sobre os recursos recebidos para a Receita Federal, conforme normativas específicas. O não cumprimento incorre em penalidades a eles. *A empresa não pode deduzir a doação como despesa operacional na apuração do lucro real, devendo adicioná-la ao lucro líquido tributável apurado no Lalur. Lembre No mês de abril do ano seguinte, na sua Declaração de Ajuste Anual, faça a dedução do IR, menos o valor das contribuições ao FIA no exercício anterior. Amparada pela Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 e pela Lei nº /2012, art. 87. Amparada pela Instrução Normativa 267 da Receita Federal de 23/12/2002, alterada pela IN RFB nº 1.187/2011 de 29/8/

8 2.2 PROJETOS CULTURAIS LEI ROUANET (Nº 8.313/1991) Permite doação ou patrocínio a projetos culturais apresentados por pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos, de natureza cultural. As iniciativas culturais foram divididas em dois grupos, indicados nos artigos 18 e 26 da lei. No artigo 18 estão reunidas as áreas com maior incentivo: a) artes cênicas; b) livros de valor artístico, literário ou humanístico; c) música erudita ou instrumental; d) exposições de artes visuais; e) doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e aquisição de equipamentos para manutenção desses acervos; f) filmes de curta e média metragem e preservação e difusão de acervo audiovisual; g) preservação do patrimônio cultural material e imaterial; h) construção de salas de cinema e de teatro em municípios com menos de cem mil habitantes. No artigo 26 se encontram as demais iniciativas culturais que não se enquadram no artigo 18, como projetos de música popular brasileira, oficinas artísticas e folclore QUEM PODE UTILIZAR, QUANDO E COMO FAZER A DESTINAÇÃO Pessoa física Para patrocínios a projetos relacionados no artigo 18 Pessoa física pode deduzir o valor total do apoio do Imposto de Renda devido no limite de até 6%. Para patrocínios e doações a projetos relacionados no artigo 26 Podem deduzir 60% do valor do apoio se optarem por patrocínio, ou seja, com publicidade, mas esse percentual sobe para 80% se a forma de apoio for doação, sem retorno publicitário. Em qualquer dos casos, o valor deduzido não poderá superar 6% do Imposto de Renda devido. Pessoa jurídica Para patrocínios a projetos relacionados no artigo 18 Empresas tributadas pelo lucro real podem destinar até 4% do Imposto de Renda devido, sendo vedado lançar o valor como despesa para fins de apuração do imposto e da Contribuição Social sobre o Lucro. Para patrocínios e doações a projetos relacionados no artigo 26 O percentual de dedução é de 30% do valor do apoio para patrocínios e de 40% para doações, mas a empresa pode deduzir o valor como despesa operacional, reduzindo assim o Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o Lucro. As empresas devem ser tributadas pelo lucro real. As doações nesta área são reguladas pela Lei nº 8.313/91, conhecida como Lei Rouanet de Incentivo à Cultura. Essa foi alterada pela Lei nº 9.874/99, pela Medida Provisória /01 e pelas leis 9.999/00, /06, /08. Está regulamentada pelo Decreto nº 5.761/06. 8

9 DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IR LEI DE INCENTIVO À CULTURA APRESENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Os projetos e a documentação são avaliados por pareceristas das instituições coligadas (Funarte, Ancine, Biblioteca Nacional, entre outras) conforme a área cultural objeto do projeto. 1 Após a primeira avaliação o projeto é encaminhado à Comissão Nacional de Incentivo à Cultura para validação ou não do parecer da coligada. 2 Publicação em Diário Oficial da União após aprovação. 3 Abertura de conta corrente para cada projeto Cabe ao Ministério da Cultura proceder à abertura de contas correntes de cada projeto aprovado, no Banco do Brasil, sendo uma conta para captação e outra para movimentação. 4 Captação dos recursos A captação dos recursos pode ser iniciada a partir da publicação da aprovação do projeto no Diário Oficial da União. Utilização dos recursos Os recursos captados são depositados na conta do projeto, e as ações podem ser iniciadas com base no projeto aprovado. Prestação de contas Concluído o projeto, o proponente presta contas diretamente ao Ministério da Cultura, conforme as regras estabelecidas

10 2.3 PRONON (PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À ATENÇÃO ONCOLÓGICA LEI /2012) O Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica tem o objetivo de captar recursos para o combate e prevenção ao câncer (art. 1º, Lei nº /2012). Os projetos e os programas devem ser desenvolvidos por instituições sem fins lucrativos, certificadas como entidades beneficentes de assistência social ou qualificadas como Organização Social Federal ou como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) QUEM PODE UTILIZAR, QUANDO E COMO FAZER A DESTINAÇÃO Pessoa física que declara em formulário completo pode destinar até do Imposto de Renda devido a pagar ou retido na fonte. Quando: a partir do ano-calendário de 2012 até o ano-calendário de 2015, conforme prevê o art. 16 do Decreto de 17/4/2013. Pessoa jurídica tributada pelo lucro real pode destinar até do imposto a pagar. Quando: a partir do ano-calendário de 2013 até o ano-calendário de 2016, conforme prevê o art. 16 do Decreto de 17/4/2013. É vedado lançar o valor como despesa para fins de apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro. 2.4 PRONAS (PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À ATENÇÃO DA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI /2012) O Pronas tem o objetivo de captar recursos para estimular e desenvolver a prevenção e a reabilitação da pessoa com deficiência. Os projetos devem ser desenvolvidos por instituições sem fins lucrativos, certificadas como entidades beneficentes de assistência social ou qualificadas como Organização Social Federal ou como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) QUEM PODE UTILIZAR, QUANDO E COMO FAZER A DESTINAÇÃO Pessoa física que declara em formulário completo pode destinar até do Imposto de Renda devido a pagar ou retido na fonte. Quando: a partir do ano-calendário de 2012 até o ano-calendário de 2015, conforme prevê o art. 16 do Decreto de 17/4/2013. Pessoa jurídica tributada pelo lucro real pode destinar até do imposto a pagar. Quando: a partir do ano-calendário de 2013 até o ano-calendário de 2016, conforme prevê o art. 16 do Decreto de 17/4/2013. É vedado lançar o valor como despesa para fins de apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro. 10

11 2.5 OUTROS FUNDOS DOS DIREITOS DO IDOSO (LEI FEDERAL Nº ) O Fundo Nacional do Idoso tem o objetivo de destinar recursos para a implementação de programas e projetos que atendam diretamente às necessidades dos idosos. Tais programas e projetos são implementados no âmbito da política de promoção, proteção, defesa e atendimento dos direitos do idoso, definidos pelo Conselho do Idoso. É competência do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa (CNDI) gerir o Fundo Nacional Idoso e fixar os critérios para sua utilização (art. 4º da Lei nº /2010). Pessoa física que declara em formulário completo pode destinar até 6% do Imposto de Renda devido a pagar ou retido na fonte. Lei nº /10, art. 2º (art. 12 da Lei 9.250/95) LEI DO ESPORTE (Nº /2006) Permite o patrocínio a projetos desportivos e paradesportivos em três modalidades: educacional (projetos com alunos de instituições de ensino), de participação (projetos abertos à comunidade em geral), e de rendimento (atletas de alto desempenho, amadores ou profissionais). Pessoa física que declara em formulário completo pode destinar 6% do Imposto de Renda devido a pagar ou retido na fonte. Pessoa jurídica tributada pelo lucro real pode destinar até do imposto a pagar. É vedado lançar o valor como despesa para fins de apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro. Pessoa jurídica tributada pelo lucro real pode destinar até do imposto a pagar. IN SRF Nº 267/2002, alterada pela IN SRF Nº 1.187/11. É vedado lançar o valor como despesa para fins de apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro. Aprovada pelo Ministério do Esporte e fundamentada na Lei de Incentivo ao Esporte (nº /06, regulamentada pelo Decreto nº 6.180/07). 11

12 resumindo: Pessoa física Pessoa jurídica Você pode destinar até 8% do IR devido, respeitando os seguintes limites de cada área: FIA/PRONAC/AUDIOVISUAL/ESPORTE/IDOSO até 6% PRONAS até PRONON até Total: 8% O limite é sempre o global de 6% (vide art. nº 55 da IN RFB nº 1.131/2011), podendo adicionar do Pronas e do Pronon, totalizando até 8%, em decorrência de que os descontos do Pronas e do Pronon não prejudicam outros benefícios 8º, Art. 4º da Lei / % 8% Você pode destinar até 9% do IR devido, respeitando os seguintes limites de cada área: PRONAC/AUDIOVISUAL até 4% inciso ii do artigo 6º da Lei nº 9532/97 FIA até IN SRF nº 267/02 art. 11, 1º IDOSO até único do art. 3º da Lei nº /2010 ESPORTES até inciso i, 1º, art. 1º da Lei /2006 PRONAS/PCD até inciso ii letra d do 6º do artigo 4º da Lei /12 PRONON até inciso ii letra d do 6º do artigo 4º da Lei /12 Total: 9% Todos os limites levam em conta a alíquota-base de 15% do IR e não se estendem ao adicional de 10% (quer dizer que o percentual de dedução é somente sobre o IRPJ cuja alíquota é 15%. A dedução não atinge o adicional de 10% que é aplicado às empresas considerando o volume de lucro que ultrapassa R$ 20 mil mensais em conformidade ao regulamento do IR). 4% 9% 12

13 LEGISLAÇÃO 1. Estatuto da Criança e do Adolescente lei federal 8.069/ Fundo Nacional do Idoso Lei Federal nº / Incentivo fiscal a projetos culturais (Lei Rouanet) Lei Federal 8.313/ Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) Lei Federal / Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) Lei Federal / Incentivo fiscal a projetos esportivos (Lei do Esporte) Lei Federal / Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995 altera a legislação do Imposto de Renda das pessoas físicas e dá outras providências. 8. Lei nº , de 18 de janeiro de 2012 altera a Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente). 9. Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011 dispõe sobre os procedimentos a ser adotados para fruição dos benefícios fiscais relativos ao imposto sobre a renda das pessoas físicas nas doações efetuadas. 10. Instrução Normativa SRF nº 267, de 23 de dezembro de 2002 dispõe sobre os incentivos fiscais decorrentes do imposto sobre a renda das pessoas jurídicas. Alterada pela Instrução Normativa RFB nº 1.187, de 29 de agosto de ALGUNS LINKS INTERESSANTES: 13

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 INCENTIVOS FISCAIS Cultura Esporte - Saúde - Social Legislação, Benefícios e Oportunidades Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 CENÁRIO ATUAL Os mecanismos de incentivo fiscal federal, estaduais e municipais

Leia mais

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5 Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania Sedpac 2015 Apresentação Criado pela Lei nº 21.144, de 14 de janeiro de 2014, o Fundo Estadual dos Direitos do Idoso tem o objetivo

Leia mais

Copyright 2015 Declarando.

Copyright 2015 Declarando. Este Guia tem como objetivo democratizar o conhecimento em relação ao Imposto de Renda Pessoa Física, trazendo informações claras mas sem perder a seriedade com as fontes e o compromisso com a construção

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI No 451, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI No 451, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI No 451, DE 2011 Institui o Programa Nacional de Apoio à Assistência Social PRONAS e dá outras providências. Autor: Deputado THIAGO PEIXOTO Relator:

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções. principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor.

Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções. principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor. Histórico Criada em 1999 em Campinas, a Direção Cultura Produções realiza projetos em diversificados setores, atendendo principalmente empresas, artistas e entidades do terceiro setor. Em 2010 abriu escritório

Leia mais

Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Uma iniciativa que visa contribuir com o Pacto Global SISTEMA CFA/CRAs CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHOS REGIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente COMO INVESTIR

Leia mais

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências.

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o incentivo fiscal de âmbito federal para projetos de atividades de caráter desportivo, procedemos ao

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET. produções

PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET. produções PASSO A PASSO PATROCÍNIO CULTURAL LEI ROUANET produções A CULTURA NO BRASIL Os últimos dados do MINISTÉRIO DA CULTURA destacam que: - Apenas 14% dos brasileiros frequentam as salas de CINEMA; - 92% da

Leia mais

Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres. Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados

Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres. Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados Incentivos Fiscais Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados Incentivos fiscais para doações a fundos públicos Incentivos

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI Nº 13.918, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria da Fazenda e o sujeito passivo dos tributos estaduais, altera a Lei

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA Programa de Voluntariado da Classe Contábil Com o objetivo de incentivar o Contabilista a promover trabalhos sociais e, dessa forma, auxiliar

Leia mais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais

Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais A B B C Projetos Culturais, Esportivos e Sociais: como aproveitar melhor os incentivos fiscais MARCELO DE AGUIAR COIMBRA Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia, Alemanha.

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS

INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS INCENTIVOS FISCAIS PARA PROJETOS SOCIAIS, CULTURAIS E ESPORTIVOS MARCONDES WITT Auditor-Fiscal e Delegado-Adjunto da Receita Federal do Brasil em Joinville I like to pay taxes, with them I buy civilization.

Leia mais

a questão das leis de incentivo à cultura

a questão das leis de incentivo à cultura a questão das leis de incentivo à cultura 25/10/2004 Dia 25/10 - das 8h30 às 11h Tema: A questão das leis de incentivo à cultura Palestrante: Gilberto Gil Ministro da Cultura a questão das leis de incentivo

Leia mais

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios.

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. O Instituto Abramundo é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e com isso pode receber doações e incentivos para a execução de seus

Leia mais

Lei Federal de Incentivo ao Esporte. 1. Introdução

Lei Federal de Incentivo ao Esporte. 1. Introdução A associada Silvana Regina Echer (02631), de Porto Alegre, é especialista na lei federal de incentivo ao esporte, que possibilita que empresas e indivíduos doem para projetos esportivos elaborados por

Leia mais

Doações ao FMDCA-JUNDIAÍ podem ser feitas na Declaração do IR 2015

Doações ao FMDCA-JUNDIAÍ podem ser feitas na Declaração do IR 2015 Doações ao FMDCA-JUNDIAÍ podem ser feitas na Declaração do IR 2015 O Fundo Municipal dos Direitos da Infância e Adolescência FMDCA¹ são recursos públicos oriundos de repasses orçamentários, de doações

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento da Dependência Química. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa Nacional

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/ins/2011/in11312011.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/ins/2011/in11312011.htm Page 1 of 12 Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011 DOU de 22.2.2011 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para fruição dos benefícios fiscais relativos ao Imposto sobre

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações importantes para o Contador da Empresa

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações importantes para o Contador da Empresa Informações importantes para o Contador da Empresa É a lei que institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura PRONAC, visando à captação de recursos para investimentos em projetos culturais. As pessoas

Leia mais

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OS PROMOTORES DE JUSTIÇA PROGRAMA INFÂNCIA EM 1º LUGAR 2ª ETAPA O Fundo dos Direitos da Criança e do Gestão e Captação de Recursos Fernando Carlos Almeida Fernando Carlos Almeida

Leia mais

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA INTRODUÇÃO: Poderão utilizar os INCENTIVOS FISCAIS objetos desta apresentação: As pessoas físicas que entregarem

Leia mais

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD Brasília, 07 de agosto de 2014. Considerações sobre a Portaria

Leia mais

PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI

PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI LEI N.º 064/2013. Dispõe sobre a Reorganização do Fundo Municipal para os Direitos da Criança e do Adolescente-FMDCA de Aracati, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008. RESOLUÇÃO SEC Nº 201 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008. RESTABELECE O RECEBIMENTO DE PROJETOS CULTURAIS CUJA REALIZAÇÃO ESTEJA PREVISTA PARA O PERIODO COMPREENDIDO ENTRE JANEIRO E ABRIL DE 2009, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Thiago Peixoto) Institui o Programa Nacional de Apoio à Assistência Social PRONAS e dá outras providências O Congresso Nacional decreta: CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 MANUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS DOAÇÕES EFETUADAS À FFM São Paulo SP 2014 Índice Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 1. Doações a Entidades sem Fins Lucrativos... 5 1.1. Imposto de Renda e Contribuições

Leia mais

DOAÇÕES ao FIA. TODOS PODEM DOAR, porém...

DOAÇÕES ao FIA. TODOS PODEM DOAR, porém... DOAÇÕES ao FIA TODOS PODEM DOAR, porém... Somente AS DOAÇÕES que atendem ao disposto no artigo 260 do ECRIAD, poderão ser deduzidas na DECLARAÇÃO ANUAL DA PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA Art. 260. Os contribuintes

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito privado, associativas ou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard

LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard LEI DE INCENTIVO À CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Tatiana Richard INCENTIVO À CULTURA O Governo do Estado do Rio de Janeiro investe no setor cultural através de diferentes mecanismos de fomento. Assim

Leia mais

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br As mudanças no funcionamento do Fundo da Criança e do Adolescente trazidas pela lei nº 12.594 de 18 de janeiro de 2012, que institui o SINASE, e as implicações para diferentes atores do Sistema de Garantia

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Incentivo à Educação Escolar Básica Gratuita (PRONIE). O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Programa Nacional de

Leia mais

É Simples e Não Tem Custos

É Simples e Não Tem Custos INVESTIR EM CULTURA É Simples e Não Tem Custos TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA PATROCINAR PROJETOS NA LEI ROUANET 1 SUMÁRIO Direção Cultura 3 Investir em Cultura Antoine Kolokathis 4 Afinal, o que é

Leia mais

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS:

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS: INCENTIVOS FISCAIS PONTOS ABORDADOS: Incentivos Fiscais 1. Aspectos Gerais; 2. Doações a Entidade Cíveis; 3. Lei Rouanet; 4. Lei do Esporte; 5. Lei nº. 12.715/12 (Câncer e Deficiência); 6. Fundo Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil 9ª Região Fiscal - Paraná e Santa Catarina DRF Cascavel - PR CONHECER PARA GERENCIAR

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PIRACICABA Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS

Leia mais

Incentivo à Cultura. Investir em Cultura é um Bom Negócio

Incentivo à Cultura. Investir em Cultura é um Bom Negócio Incentivo à Cultura Investir em Cultura é um Bom Negócio O que é Incentivo Cultural? Trata-se de um instrumento complementar, que dinamiza e impulsiona o fazer cultural, ao envolver o conjunto da sociedade,

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Alterações relativas ao livro Estatuto da Criança e do Adolescente LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012

Alterações relativas ao livro Estatuto da Criança e do Adolescente LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012 Alterações relativas ao livro Estatuto da Criança e do Adolescente LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012 Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das

Leia mais

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO?

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO? PROMOVER A DOAÇÃO/DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA O IEPTB-MG AGIR, TAMBÉM, NO CONTEXTO SOCIAL! Dando continuidade a proposta apresentada no III

Leia mais

Incentivos Fiscais ao Esporte

Incentivos Fiscais ao Esporte Incentivos Fiscais ao Esporte Lei nº 11.438/06 (Lei Federal de Incentivo ao Esporte) José Ricardo Rezende Advogado e Profissional de Ed. Física Autor do Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte MECÂNICA

Leia mais

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL

CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL CONTEÚDO JURÍDICO DAS LEIS DE INCENTIVO FISCAL DEMAREST ADVOGADOS - CARLOS EDUARDO ORSOLON (CEORSOLON@DEMAREST.COM.BR) - RICARDO VALIM (RVALIM@DEMAREST.COM.BR) 29 DE MAIO DE 2014 INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 LEI N 2.295 DE 19 DE OUTUBRO DE 1999. Dispõe sobre o Incentivo Fiscal para a cultura, cria o Fundo Municipal da Cultura - FMC no Município de Dourados - MS e dá

Leia mais

Art. 227, Constituição Federal, 1988

Art. 227, Constituição Federal, 1988 Art. 227, Constituição Federal, 1988 É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Instituto CSHG Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Dezembro de 2014 Lei do Esporte Para projetos via Lei do Esporte PASSO 1 PASSO 2 PASSO 3 Entre em contato com

Leia mais

Prefeitura Municipal De Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal De Belém Secretaria Municipal de Finanças DECRETO MUNICIPAL N 35416, DE 25 DE JUNHO DE 1999. 02/07/99. Regulamenta a Lei n 7.850,17 de Outubro de 1997, que dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para a realização de Projetos Culturais

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento da Dependência Química. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa Nacional de Apoio ao Tratamento

Leia mais

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Instituto CSHG Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Você sabia que pode destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social? A legislação brasileira

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES. 3. Como é acompanhada a evolução do processo de apoio?

DÚVIDAS FREQUENTES. 3. Como é acompanhada a evolução do processo de apoio? DÚVIDAS FREQUENTES 1. O que é o Programa Amigo de Valor? R: O Amigo de Valor pretende fortalecer programas de atendimento à criança e ao adolecente em situação de vulnerabilidade, e, em alguns casos, às

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA RESOLUÇÃO Nº. 007/11, de 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a Captação de Recursos através do Fundo da Infância e Adolescência

Leia mais

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP 2. Doação/Patrocínio de Projeto Cultural por pessoa jurídica (art. 18 da Lei Rouanet) e 3. Doação/Patrocínio

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA Dispõe sobre a Autorização para Captação de Recursos Financeiros para o Fundo Municipal para Atendimento dos

Leia mais

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Mobilização de Recursos e Legislação Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Introdução CAPTAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada

Leia mais

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE O Superintendente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer de Itajaí, no uso de

Leia mais

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores Secretaria da Receita Federal do Brasil Missão Exercer a administração tributária e o controle aduaneiro, com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade. Respeito ao cidadão Integridade

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho

Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho Manual do adestrador de leões: Transforme a fera Em um gatinho Veja no rosto do irmão, a Face de Deus! 1. Renúncia fiscal Em 1990, sob a inspiração democrática da Constituição de 1988, foi elaborado o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.084, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput,

Leia mais

Transforme seu imposto em música

Transforme seu imposto em música LEI FEDERAL DE INCETIVO À CULTURA LEI ROUANET Transforme seu imposto em música Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco O QUE É A LEI ROUANET A Lei Rouanet (Lei 8.313/1991), instituiu o Programa

Leia mais

2.1. Poderão ser incentivados projetos culturais abrangidos nas seguintes áreas:

2.1. Poderão ser incentivados projetos culturais abrangidos nas seguintes áreas: EDITAL Nº 001/2014 - EXECUÇÃO 2015 - FEPAC/FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPO MOURÃO/FUNDACAM APRESENTAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA MODALIDADE FEPAC A Fundação Cultural de Campo

Leia mais

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014)

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010 (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica-NFS-e NOTA CARIOCA e dá outras providências.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação n.º 919/2012 AS/CMDCA

SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação n.º 919/2012 AS/CMDCA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Deliberação n.º 919/2012 AS/CMDCA Dispõe sobre o Certificado de Autorização para Captação de Recursos

Leia mais

HOSPITAL DE CANCER DE BARRETOS

HOSPITAL DE CANCER DE BARRETOS Hospital de Cancer Barretos -DE 120.000 m2 construídos HOSPITAL DEdeCANCER BARRETOS HOSPITAL DE CANCER DE BARRETOS A Fundação Pio XII foi instituída em 27 de novembro de 1967 e tem como objetivos primordiais:

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE A Lei nº 11.438/06, regulamentada pelo Decreto nº 6.180/07, possibilita a: Pessoa Jurídica tributada com base no lucro real - deduzir até 1% do imposto devido (art. 1º, 1º, I da Lei 11.438/06). - Esse

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA

LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA CULTURA E INVESTIMENTO PANORAMA E PERSPECTIVAS LEI ROUANET POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO INVESTIMENTO POR PESSOA FÍSICA PORTO ALEGRE, 26 DE MARÇO DE 2015 Retrato da Doação no Brasil (Fevereiro/2014) Estudo

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O que é uma OSCIP Uma OSCIP está situada no Terceiro Setor (considerando-se que o Primeiro Setor é formado pelo Estado e o Segundo Setor pelo Mercado,

Leia mais

perfil São utilizadas modernas ferramentas, atuantes nas seguintes áreas: Formatação de ações culturais, ambientais e sociais;

perfil São utilizadas modernas ferramentas, atuantes nas seguintes áreas: Formatação de ações culturais, ambientais e sociais; perfil A D'color Produções Culturais é uma empresa que tem como objetivo assessorar, planejar e executar projetos ambientais, sociais e culturais, em parceria com instituições, produtoras e artistas dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Guia para 1 Definir o destino de parte do imposto que você vai, obrigatoriamente, pagar é uma possibilidade legítima e acessível. Basta escolher qual projeto, seja ele cultural, esportivo ou social, você

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA PROJETO DE LEI Institui o Regime de Tributação Unificada - RTU na importação, por via terrestre, de mercadorias procedentes do Paraguai. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Cartilha de Incentivo Fiscal via Lei da Oscip

Cartilha de Incentivo Fiscal via Lei da Oscip INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O idestra Instituto para o Desenvolvimento dos Sistemas de Transportes é uma organização civil de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em maio de 2012, com efetivo

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O Chamado Novo Marco Regulatório do Terceiro Setor, fundamentado através da Lei 13.019/2014, traz

Leia mais

V&G News Informativo nº 174 19 a 30 de dezembro de 2011

V&G News Informativo nº 174 19 a 30 de dezembro de 2011 Velloza Girotto De: Velloza & Girotto Enviado em: quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 11:36 Para: Velloza & Girotto Assunto: V&G News - Informativo nº 174-19 a 30 de dezembro de 2011 V&G News Informativo

Leia mais