VARIABILIDADE DO PRÊMIO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VARIABILIDADE DO PRÊMIO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS KARINE RAQUEL ANDRES VARIABILIDADE DO PRÊMIO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS IJUÍ (RS) 2012

2 1 KARINE RAQUEL ANDRES VARIABILIDADE DO PRÊMIO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis junto a Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI. Orientador: Msc. Teodoro Clebsch IJUÍ (RS) 2012

3 2 O sonho Sonhe com aquilo que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passaram por suas vidas. Clarice Lispector

4 3 AGRADECIMENTOS Primeiramente, a Deus, pelo ontem, pelo hoje e pelo amanhã, na certeza de que Ele está conosco em cada momento de nossas vidas. A meus pais e a minha Irmã pelo apoio, incentivo, sempre me ajudando a superar as dificuldades. A meu namorado que muitas vezes teve que suportar a minha ausência, falta de carinho e atenção. Aos professores envolvidos no desenvolvimento deste trabalho, principalmente ao meu orientador, professor Msc. Teodoro Clebsch, pelo empenho, competência, dedicação e flexibilidade de horários com que me atenderam. E, em especial a colega Keila, por todos os anos de amizade e companheirismo.

5 4 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Normas Legais e sua Descrição Quadro 2: Norma Brasileira de Contabilidade Quadro 3: Coberturas Básicas e suas Garantias Quadro 4: Coberturas Básicas e Adicionais Quadro 5: Prêmio de Seguro Conforme o Grau de Periculosidade Quadro 6: Prêmio de Seguro Conforme o Valor das Peças de Reposição Quadro 7: Comparação da Desvalorização do Veículo Automotor com a Redução do Prêmio Quadro 8: Prêmio do Seguro Conforme o Sexo Quadro 9: Prêmio do Seguro Segundo o Estado Civil Quadro 10: Prêmio do Seguro Conforme a Idade Quadro 11: Prêmio do Seguro Conforme a Idade dos Dependentes Quadro 12: Prêmio do Seguro Segundo a Utilização ou Não de Garagem Quadro 13: Prêmio do Seguro Conforme a Franquia Quadro 14: Prêmio do Seguro Conforme o Bônus... 83

6 5 LISTA DE ANEXOS ANEXO A: ANEXO B: ANEXO C:... 97

7 6 LISTA DE SIGLAS ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores; APP Seguro de Acidentes Pessoais de Passageiros; BACEN Banco Central do Brasil; CEP Código de Endereçamento Postal; CFC Conselho Federal de Contabilidade; CMN Conselho Monetário Nacional; CNSP Conselho Nacional de Seguros Privados; CPC Comitê de Pronunciamentos Contábeis; CPF Cadastro de Pessoa Física; CRC Conselho Regional de Contabilidade; CRV Certificado de Registro do Veículo; CVM Comissão de Valores Mobiliários; DAMS - Despesas de Assistência Médica e Suplementares; DPVAT Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres; FENACOR Federação Nacional dos Corretores de Seguros; FENASEG Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização; FIPE Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas; FUNENSEG Escola de Seguros do Brasil; G M - General Motors; IRB Instituto de Resseguradores do Brasil; LMG Limite Máximo de Garantia; LMI - Limite Máximo de Indenização; LMR - Limite Máximo de Responsabilidade; NBC T Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas; NBC TG Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas Convergentes; PC Princípios de Contabilidade; PFC - Princípios Fundamentais de Contabilidade; PIB Produto Interno Bruto; RCF-V Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos;

8 7 RCTR-VI Seguro de Responsabilidade Civil em Transporte Rodoviário em Viagem Internacional; SUSEP Superintendência de Seguros Privados; SUV Sport Utility Vehicle; VD Valor Determinado; VMR Valor de Mercado Referenciado;

9 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Área de Conhecimento Contemplada Caracterização da Organização Problematização do Tema Objetivos Justificativa Metodologia do trabalho REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONTABILIDADE Objeto da contabilidade Finalidades da contabilidade Usuários da contabilidade Áreas de Atuação do Contador Princípios de Contabilidade SEGUROS O mercado atual de seguros Estrutura do mercado segurador brasileiro Principais conceitos, elementos e definições de seguros Legislação de seguros Principais Instrumentos do Contrato de Seguros Tipos de Seguros O papel do atuário no que diz respeito ao ramo de seguros Contabilidade aplicada nas empresas do ramo de seguros ESTUDO APLICADO... 58

10 9 3.1 CARACTERIZAÇÃO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS SEGMENTOS DO SEGURO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES: AUTOMÓVEIS, CAMINHÕES, MOTOS ESPÉCIES DE SEGUROS DE VEÍCULOS AUTOMOTORES Seguros Obrigatórios Seguros Facultativos SEGUROS DE VEÍCULOS AUTOMOTORES DE PASSEIO DE PESSOAS FÍSICAS: SEGMENTOS E FAIXAS MODALIDADES DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS Valor de Mercado Referenciado (VMR): Tabela FIPE Valor Determinado (VD) ELEMENTOS DE COBERTURA DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS Cobertura Básica n 1 - Colisão, Incêndio e Roubo (Compreensiva) Cobertura Básica n 2 Incêndio e Roubo Seguro de responsabilidade civil facultativa de veículos (RCF-V) Cobertura de Garantia de Indenização pelo Valor de Novo (0 km) Riscos Excluídos do Seguro Pacotes de seguro automóvel FATORES DETERMINANTES DA VARIABILIDADE DO PRÊMIO DO SEGURO DE AUTOMÓVEIS Grau de periculosidade da cidade: índice de roubos Valor das peças de reposição do veículo: cobertura por colisão Probabilidade de ocorrência de incêndio no veículo Idade do Veículo Perfil do motorista Franquia Bônus CONCLUSÃO... 85

11 REFERÊNCIAS

12 11 INTRODUÇÃO O transporte de pessoas e de cargas, a percepção dos riscos envolvidos nessa operação e as conseqüentes medidas tomadas para sua diluição, acompanham a humanidade há muito tempo. Conforme Souza (2007) iniciou com os babilônios por volta de 1800 a.c, quando surgiu o código de Hamurabi, o qual estabelecia a criação de uma associação de comerciantes que deveria ressarcir o comerciante com um novo burro caso tivesse perdido um ou com um novo barco se um tivesse sido destruído em uma tempestade. Com o passar do tempo a atividade de seguros foi evoluindo, sendo criadas companhias especializadas ou na estipulação dos prêmios ou na corretagem de seguros e também estatutos e órgãos de fiscalização destas atividades. O crescimento dos seguros e particularmente, do seguro de veículos automotores, acelerou-se, ramificou-se e especializou-se a partir da invenção do motor à combustão, em plena era industrial, dando origem à multiplicidade de veículos automotores que fazem parte de nosso cotidiano até os dias de hoje. Conforme Womack, Jones e Roos (1992), a fabricação de automóveis, ou, melhor dizendo, de veículos automotores, a princípio de forma artesanal, teve início no princípio da década de 1890, na fábrica Panhard e Levassor, onde foram montados centenas de automóveis por ano. Junto com o automóvel, surgiu a percepção dos riscos envolvendo sua posse e uso: o risco de causar danos materiais e pessoais (dada à velocidade maior dos veículos automotores comparativamente aos veículos movidos à tração animal) e o risco de furto e roubo (dado o significativo valor econômico dos veículos). O primeiro relato de acidente automobilístico da história, foi por volta de 1901, quando devido à ausência de freios, o Sr. Cygnot, ao fazer uma curva, perdeu o controle da direção e bateu no muro do pátio de manobras do Quartel Real de Vicenes (França). Tal percepção dos riscos levou cedo à contratação de seguros específicos: o primeiro contrato de seguros foi escrito por volta de 1347, em Genova, no final do século XIV, já era comum a emissão de apólices de seguros. Da produção inicial de centenas de veículos evoluiu-se para a fabricação de milhares de veículos e, mais recentemente, de milhões de veículos segundo a CARTA DA ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos

13 12 Automotores, Edição 303, de agosto de 2011): de julho de 2010 a julho de 2011 foram produzidos mais de 3,46 milhões de veículos automotores no Brasil. Com a produção e consumo em grande escala de veículos automotores, também se multiplicaram os riscos e cresceu significativamente o mercado de seguros de automóveis. Principalmente após o Plano Real, quando a economia se estabilizou, o mercado de seguros duplicou e assim, a cada ano, vem crescendo significativamente a sua participação no PIB (Produto Interno Bruto) com o faturamento dos prêmios de seguros. O conceito de veículos automotores abrange, na verdade, uma ampla gama de veículos terrestres (automóveis, caminhões, motocicletas, etc.), aquáticos (navios, lanchas, jet-skis,etc.) e aéreos (aviões, helicópteros e planadores). Em decorrência, o ramo de seguros de veículos automotores também se especializou: o seguro de veículos terrestres pode ser obrigatório, (DPVAT Seguro de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) ou facultativo, pode abranger danos materiais ou pessoais em veículos próprios ou de terceiros, e pode cobrir ainda indenizações decorrentes de responsabilidade civil ou penal do condutor do veículo. Ainda, a título introdutório, cabe mencionar que com relação à produção e uso de veículos automotores ocorre um paradoxo: enquanto as fábricas de automóveis se esforçam em produzir veículos cada vez mais seguros, porém, cada vez mais potentes e velozes, sua comercialização intensa nos últimos anos, facilitada pela oferta de crédito fácil, com prestações diluídas em até oito anos, vem causando congestionamentos e acidentes com maior freqüência e extensão dos danos, quer materiais, quer pessoais, obrigando as Companhias de Seguro a reavaliar ano a ano os riscos envolvidos e, em decorrência, recalcular os prêmios cobrados sempre maiores. Nesse sentido o presente trabalho de conclusão de curso aborda os elementos e fatores determinantes da variabilidade do prêmio do seguro de automóveis em função do risco segurado em cotações realizadas no programa de cálculos da Companhia Bradesco Seguros Auto, que hoje é uma das maiores e melhores seguradoras do Brasil, segundo a revista DINHEIRO & DIREITOS de dezembro de O trabalho de conclusão de curso terá a seguinte composição: No primeiro capítulo de contextualização do estudo, estão evidenciadas a área do conhecimento

14 13 contemplada, a caracterização da organização, a problematização do tema, os objetivos, a justificativa e a metodologia do trabalho. O segundo capítulo é de revisão bibliográfica, momento em que estão em evidência os principais conceitos, da área das Ciências Contábeis e do Mercado Segurador Brasileiro, que foram utilizados durante o desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso. No capítulo três consta o estudo aplicado, com o desenvolvimento das cotações e comparativos entre as mesmas, onde se chegou ao objetivo deste trabalho que foi evidenciar os diferentes elementos que influenciam a variabilidade do prêmio de seguro. E por fim, é apresentada a conclusão do trabalho, as referências consultadas ao longo do estudo e alguns anexos. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Num primeiro momento define-se área de conhecimento, a caracterização e a problematização do tema desse trabalho para posteriormente esclarecer os objetivos e a justificativa do trabalho que se apresenta na área de seguros, dando maior ênfase ao prêmio do seguro de automóveis, no qual se verifica diferentes valores de prêmios pagos em função da variabilidade do risco segurado Área de Conhecimento Contemplada As ciências contábeis abrangem vários ramos de atuação, sendo um deles a contabilidade atuarial, que é responsável pela contabilidade de empresas seguradoras. Dentro das companhias de seguros ocorre um grande ciclo econômico, que vai desde a proposta, a análise dos dados, a aceitação do risco, a emissão da apólice, o recebimento do prêmio e, quando necessário, até o pagamento da indenização. Este ciclo é acompanhado pela Contabilidade Atuarial. Por isso, as Companhias de Seguro recebem um tratamento contábil diferenciado, que se reflete, entre outros, num plano de contas específico, padronizado para todas as seguradoras e na emissão de normas específicas perante o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), como a que rege a contabilização dos contratos de seguros (NBCTG 11, aprovado pela Resolução CFC nº 1.150/2009). O mercado atual de seguros no Brasil, segundo Souza (2007), possui cerca

15 14 de 130 companhias de seguros, 35 empresas de previdência privada aberta, 10 empresas de capitalização, 32 mil corretores de seguros pessoas físicas e 12 mil pessoas jurídicas. O sistema nacional de seguros privados é composto por cinco grupos: o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP); a Superintendência de Seguros Privados (Susep); o IRB Brasil Resseguros S.A.(atualmente é denominado IRB Brasil Resseguros S.A, com redação atualizada pelo Decreto-Lei nº 73/1996); as sociedades seguradoras autorizadas e os corretores habilitados. Souza (2007, p ) conceituou cada um dos componentes do Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional de Seguros Privados é o órgão Máximo do setor de seguros, responsável pela fixação de diretrizes e normas da política de seguros e resseguros, regulando e fiscalizando a orientação básica e o funcionamento dos componentes do sistema. Superintendência de Seguros Privados (Susep) é o órgão governamental de atuação colegiada e competência normativa responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguros. Resseguradores são entidades, constituídas sob a forma de sociedades anônimas, que têm por objeto exclusivo a realização de operações de resseguro e retrocessão. O Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) é empresa resseguradora vinculada ao Ministério da Fazenda Seguradoras são entidades jurídicas que, por meio dos recursos dos prêmios cobrados dos segurados, comprometem-se a indenizá-los no caso de ocorrer o evento contra o qual se seguraram. Corretagem de Seguros é a intermediação feita por profissionais habilitados na colocação de seguros, mediante o recebimento de uma comissão percentual sobre o prêmio auferido pela seguradora. De acordo com a natureza dos riscos, os seguros podem ser classificados em seguros de pessoas, de danos patrimoniais e de prestação de serviços. Conforme Souza (2007, p.60): Seguros de pessoas: o pagamento da indenização não tem relação com o valor do dano produzido pela ocorrência do sinistro e sim com o valor da cobertura contratada pelo segurado. As principais modalidades são: seguro de vida e de acidentes pessoais. Seguros de danos patrimoniais: tem como principal finalidade reparar, ao segurado, a perda financeira ocasionada pelo sinistro. Os danos patrimoniais estão divididos em dois grandes grupos: seguro de responsabilidade e de bens. Seguro de prestação de serviços: o segurado busca proteção e o ressarcimento dos gastos referentes à prestação de serviços, tais como assistência médica, cirúrgica e hospitalar e assessoria jurídica. São exemplos de seguros contratados nesta modalidade: assistência a viagem e seguros de defesa.

16 15 No presente trabalho a área contemplada é o seguro de danos patrimoniais de veículos automotores. O seguro de automóveis tem como função cobrir perdas ou danos dos veículos terrestres de população a motor e a seus reboques desde que não trafeguem sobre trilhos. (SOUZA, 2007, p.65) Segundo Souza (2007) para que a seguradora assuma a responsabilidade por um determinado risco será necessário o pagamento de um prêmio à companhia. O prêmio é o preço ou custo do seguro especificado no contrato, ou seja, a soma em dinheiro paga pelo segurado à seguradora. O valor do prêmio do seguro de automóvel se altera em função de diversos fatores: o grau de índices de roubos, o valor das peças de reposição do veículo, se o carro é importado ou não, o valor da franquia, porém, o fator que mais influencia o prêmio do seguro de automóvel é o perfil do motorista: dependendo do sexo, do estado civil, da faixa etária, do tempo de habilitação do condutor, de haver ou não garagem para guarda do veículo, o prêmio pode ser maior ou menor. E foi neste contexto que a pesquisa buscou verificar a variabilidade dos prêmios de seguro de automóveis em função dos diferentes perfis de segurados Caracterização da Organização As cotações dos prêmios de seguros de automóveis existentes nesse trabalho foram efetuadas através do programa de cálculos do Bradesco Seguros Auto. A Companhia Bradesco Seguros Auto foi fundada em 2004 e hoje já é uma das maiores seguradoras do Brasil, possuindo uma carteira de seguros de mais de 1,3 milhões veículos segurados. Além desse segmento o grupo Bradesco Seguros também atua em outros ramos, como o seguro residencial, de equipamentos, empresarial, de vida e de saúde Problematização do Tema Para o cálculo do prêmio dos seguros de automóveis são considerados diversos fatores, sendo o principal o risco da probabilidade da ocorrência ou não de um evento futuro que poderá causar danos ao veículo.

17 16 Mas, para a análise das probabilidades são levados em consideração dados estatísticos que revelam a que risco que determinado bem está exposto, como o índice de roubos em determinada região, modelos mais visados pelos ladrões, capital segurado, perfil dos principais condutores do veículo. Segundo Souza (2007) o atuário é responsável pela determinação e tarifação dos prêmios de seguros, de forma a dar sustentação às operações para as partes envolvidas no contrato: segurado e segurador. O atuário, resumidamente, é o profissional academicamente capacitado para solucionar as questões relativas às aplicações de seguros mediante a aplicação da Ciência Atuarial. (SOUZA, 2007, p. 132). Souza (2007) fornece o conceito de Ciências Atuariais: Ciências Atuariais é o ramo do conhecimento que lida com matemática de seguro, incluindo probabilidades, usadas para garantir que os riscos sejam cuidadosamente avaliados, os prêmios sejam estabelecidos adequadamente pelos classificadores de riscos e a provisão para os pagamentos futuros de benefícios seja adequada. (SOUZA, 2007, p. 132) A incerteza que caracteriza a vida das pessoas em termos de espaço e tempo, foi desde o início a razão de ser do atuário e, por conseqüência, da matemática Atuarial. (SOUZA, 2007, p. 131). Diante disto: Qual foi o veículo e perfil de motorista que geraram o menor prêmio de seguro de automóvel a ser pago e qual o grau de risco envolvido em cada operação? Objetivos O estabelecimento do objetivo de uma pesquisa é a etapa que indica e caracteriza o que o pesquisador tem em vista alcançar com sua investigação. (MEDEIROS, 2010, p. 222) Objetivo geral Analisar os diferentes prêmios pagos no seguro de automóveis em função dos diferentes riscos e perfis dos segurados, levando em consideração a importância da contratação do seguro automóvel.

18 Objetivos específicos Fundamentar teoricamente todos os aspectos envolvidos na contratação de uma apólice de seguro. Verificar quais são os fatores determinantes no perfil do segurado. Analisar os diferentes riscos envolvidos na contratação do seguro de automóveis Justificativa O presente trabalho de conclusão de curso vem para aprofundar os conhecimentos numa área que é pouco trabalhada no decorrer do curso de Ciências Contábeis a área de seguros. O estudo foi de grande valia para a acadêmica, por estar direcionado as atividades profissionais da mesma e permitir melhor aprofundamento teórico e prático desta área. Para a Corretora de Seguros em que trabalha e para as demais corretoras do mercado, o estudo justifica-se, pois, os profissionais que nelas trabalham conseguirão identificar mais facilmente os fatores de risco no momento da contratação do seguro de automóvel. E, se pensou também na pessoa do segurado, que conseguirá entender melhor como funciona a análise de risco no momento da contratação do seguro de automóvel e o porquê da variação do prêmio a ser pago em função das características do veículo e do perfil do segurado. Para todos e, em especial, para os alunos do Curso de Ciências Contábeis, fica uma importante fonte de pesquisa numa área pouco estudada, mas de grande valia e utilidade no cotidiano das pessoas, pois, o seguro de automóvel, ou qualquer outro ramo de seguros acaba se tornando um investimento na proteção do patrimônio e não numa simples despesa Metodologia do trabalho Metodologia segundo Cruz e Ribeiro (2003) é a forma de como deverá ser explicada, qual a natureza da pesquisa, o tipo de problema, a forma de coleta dos dados e o resultado final a que se quer chegar com a pesquisa.

19 Classificação da pesquisa A pesquisa deste trabalho de conclusão de curso classifica-se conforme os seguintes aspectos: a) Do Ponto de Vista de Sua Natureza Este trabalho apresenta-se do ponto de vista de sua natureza como pesquisa aplicada, pois através de cálculos com diferentes variáveis constatar-se-á diversos prêmios de seguros a serem pagos. A pesquisa aplicada é fundamentalmente motivada pela necessidade de resolver problemas concretos, mais imediatos, ou não. Tem finalidade Prática. (VERGARA, 2004, p.47). b) Do Ponto de Vista de Seus Objetivos A classificação da pesquisa com base em seus objetivos, segundo Santos (2004) ocorre em três formas: pesquisas exploratórias, pesquisas descritivas e pesquisas explicativas. Para esta pesquisa serão utilizadas as três formas. Segundo Gil (2002, p. 41): Pesquisas Exploratórias: têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a constituir hipóteses. Pode-se dizer que estas pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições. Seu planejamento é, portanto, bastante flexível, de modo que possibilite a consideração dos mais variados aspectos relativos ao fato estudado. Num primeiro momento, foi feito um estudo em livros, revistas e na internet, para a acadêmica se familiarizar com o assunto em questão, que ainda é pouco explorado academicamente. As pesquisas descritivas, segundo Gil (2002, p. 41): Têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. São inúmeros os estudos que podem ser classificados sob este título e uma de suas características mais significativas está na utilização de técnicas padronizadas de coleta de dados, tais como o questionário e a observação sistemática.

20 19 A pesquisa descritiva buscou identificar os diferentes perfis de segurados e diversos modelos de veículos automotores, para que, possam ser realizadas as cotações de propostas de seguro de automóveis, através do programa de cálculo do Bradesco Seguros Auto. De acordo com Gil (2002, p. 42): As Pesquisas Explicativas têm como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Esse é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da realidade, porque explica a razão, o porquê das coisas. Por isso mesmo, é o tipo mais complexo e delicado, já que o risco de cometer erros aumenta consideravelmente. Foi feita uma análise de todos os valores de prêmios encontrados e identificados os fatores relevantes na formação do preço dos prêmios de seguros. c) Do Ponto de Vista de Seus Procedimentos Técnicos Os procedimentos técnicos, segundo Gil (2002) são a forma pela qual será planejada a pesquisa, apontando onde serão obtidos os dados e as formas de controle das variáveis envolvidas, que podem ser dos tipos: pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, pesquisa experimental, a pesquisa ex-post facto, o levantamento e estudo de caso. O trabalho proposto classifica-se em: Pesquisa bibliográfica: é o estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral. (VERGARA, 2004, p. 48) A pesquisa bibliográfica busca conhecer e analisar contribuições científicas sobre determinado tema. MARTINS e LINTZ (2010, p.15) Sendo retirados de livros e revistas conceitos importantes para o entendimento do assunto abordado no trabalho. Pesquisa Documental: vale-se de materiais que não receberam ainda tratamento analítico, ou que ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetos da pesquisa. (GIL, 2002, p. 45) Há algumas informações que foram utilizadas para a elaboração do trabalho que ainda não foram publicadas em livros e revistas constando somente nas

21 20 apólices emitidas pelas seguradoras ou na internet. Levantamento: caracteriza-se pela interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer [...] para, em seguida, mediante análise quantitativa, obterem-se as conclusões correspondentes aos dados coletados. (GIL, 2002, p. 50) Para a coleta dos dados, não foi utilizada a interrogação direta de pessoas, mas sim, a análise das propostas de seguros que foram elaboradas pelo programa de cálculo. Estudo de caso: consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento. (GIL, 2002, p. 54) Como a área de seguros de automóveis ainda é pouco explorada, foi feito um estudo detalhado para a resolução do problema proposto no objetivo do trabalho. d) Quanto a Forma de Abordagem do Problema Existem duas formas de abordagem do problema, segundo Martins e Lintz (2010) dependendo do objeto de estudo, a abordagem poderá ser de avaliação qualitativa, que buscará descrever comportamentos de variáveis e situações, e de avaliação quantitativa, em que se irá medir, ou mensurar, variáveis. A abordagem quantitativa caracteriza-se pelo emprego de instrumentos estáticos, tanto para a coleta quanto para o tratamento dos dados. (BEUREN, 2004, p. 94) Abordaremos as duas formas, sendo avaliado quantitativamente a influência de determinada variável no prêmio do seguro de automóvel, pela condição ceterisparibus (termo proveniente do latim que significa tudo o mais constante, mantido) e por dados estatísticos, e avaliado qualitativamente através da análise dos diferentes perfis de segurados Coleta de dados A coleta de dados ocorre após a definição clara do tema, ou problema, que se pretende investigar, definição dos objetivos, revisão bibliográfica, identificação das variáveis e da opção sobre o tipo de estudo que se vai empreender. (MARTINS

22 21 e LINTZ, 2010 p. 31) Para a realização da parte teórica desse trabalho foi utilizada a pesquisa bibliográfica em material já publicado em livros, artigos, revistas, material disponibilizado na internet, mais especificamente nos sites da SUSEP (Superintendência de Seguros privados) e ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores). E a parte prática foi realizada por meio do programa de cálculo do Bradesco Seguros Auto, através do qual foram realizadas diversas simulações de cotações de seguros de automóveis, com diferentes perfis de segurados e de veículos Instrumentos de Coleta de Dados Para se estabelecer um instrumento de coleta de dados devem ser levados em consideração os seguintes itens: a) Listar as variáveis que se pretende medir ou descrever; b) Revisar o significado e a definição conceitual de cada variável listada; c) Revisar como, operacionalmente, cada variável foi definida. Isto é, como será medida, ou descrita, cada variável; d) Escolher uma das técnicas e iniciar a construção do instrumento de coleta de dados. (MARTINS e LINTZ, 2010 p. 31) Nesse trabalho a técnica utilizada foi a Observação Sistemática onde: Observação é uma técnica de coleta de dados que utiliza os sentidos para obtenção de determinados aspectos da realidade. Toda observação deve ser precedida de alguma teoria que lhe dê fundamento e embasamento suficientes para que a técnica seja adequadamente aplicada aos propósitos do estudo. (MARTINS e LINTZ, 2010 p.32) Observação sistemática recebe várias designações: Estruturada, Planejada, Controlada. Utiliza instrumentos para a coleta de dados ou fenômenos observados e realiza-se em condições controladas, para responder a propósitos preestabelecidos. Porém, as normas não devem ser rígidas ou padronizadas, pois situações, objetivos podem ser diferentes. (MARCONI e LAKATOS, 2010 p.276) Para se fazer a coleta de dados é necessária que sejam definidas as formas e os meios de como irá se realizar essa busca, para que se consigam as informações necessárias.

23 A análise e interpretação dos dados A interpretação dos dados coletados na parte prática do trabalho foi feita através de planilhas eletrônicas e da análise de cotações elaboradas em programas de cálculos, onde se verificou os diferentes prêmios de seguro de automóveis, encontrados com diferentes perfis de segurados.

24 23 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste capítulo estão evidenciados os principais conceitos da área das Ciências Contábeis e do Mercado Segurador Brasileiro, que foram utilizados para fundamentar a pesquisa do trabalho de conclusão de curso. 2.1 CONTABILIDADE A contabilidade vem evoluindo conforme o desenvolvimento econômico. No início os registros eram simples, efetuados com instrumentos rústicos e, atualmente, através de sistemas cada vez mais complexos e ágeis. Hoje, a Contabilidade atua como ferramenta fundamental no processo de tomada de decisões das empresas. A seguir relacionam-se alguns conceitos sobre a contabilidade: A Contabilidade, na qualidade de ciência social aplicada, com metodologia especialmente concebida para captar, registrar, acumular, resumir e interpretar os fenômenos que afetam as situações patrimoniais, financeiras e econômicas de qualquer ente, seja este pessoa física, entidade de finalidades não lucrativas, empresa, seja mesmo pessoa de Direito Público, tais como Estado, Município, União, Autarquia etc., tem um campo de atuação muito amplo. (FEA/USP, 2010, p.1) Contabilidade é o conjunto ordenado de conhecimentos próprios, leis científicas, princípios e métodos de evidenciação próprios, é a ciência que estuda, controla e observa o patrimônio das entidades nos seus aspectos quantitativo (monetário) e qualitativo (físico), e que, como conjunto de normas, preceitos, regras e padrões gerais, se constitui na técnica de coletar, catalogar e registrar informações de suas variações e situação, especialmente de natureza econômica e financeira. (BASSO, 2011, p. 26) Contabilidade é o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade, ela coleta todos os dados econômicos, mensurandoos monetariamente, registrando-os e sumarizando-os em forma de relatórios ou de comunicados, que contribuem sobremaneira para tomada de decisões. (IUDÍCIBUS e MARION, 2006, p. 42) Objeto da contabilidade O objeto da contabilidade é o patrimônio de toda e qualquer entidade. (IUDÍCIBUS e MARION, 2006, p. 56) Segundo Basso (2011) o patrimônio é formado pelos bens, direitos e obrigações da entidade, sendo visto pela contabilidade sob dois aspectos: qualitativos e quantitativos.

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC n.º 750/93 (Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº 1111/07). Dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC). Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01 Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Princípios de contabilidade: Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo valor original

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS NA EMPRESA EPN

APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS NA EMPRESA EPN PONTÍFICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis ênfase em Controladoria APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS NA EMPRESA EPN Paula Gonçalves Santos Belo Horizonte 2011 Paula Gonçalves

Leia mais

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Prof.: Humberto Lucena 2.8 Princípios e convenções contábeis Com o fim de obter a uniformização dentro do campo de atuação profissional em que se

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE 1. Introdução No dia 28 de maio de 2010 houve uma atualização na Resolução CFC 750/93 para a Resolução CFC 1282/10, com o intuito de assegurar a aplicação correta das normas

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais.

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 13º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA JUNHO/2013 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA

Leia mais

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização.

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. CIRCULAR SUSEP Nº 395, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. O

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático 1. Estrutura dos Sistemas de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Saúde Suplementar 1.1 Estrutura do Sistema de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade CAPÍTULO I Noções de Contabilidade SUMÁRIO: 1. Noções de contabilidade; 1.1. Conceitos, objetivos, campo de aplicação, usuários e finalidades da contabilidade; 1.2. Princípios de

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560.

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560. - IMPRESSÃO DE PÁGINA - http://www.cosif.com... Page 1 of 6 Cosif Eletrônico - http://www.cosif.com.br/ Documento impresso a partir de http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=especializ2, em 12:34:42

Leia mais

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Nota Técnica nº 001/2013 Florianópolis, 24 de junho de 2013. Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Senhor Diretor de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) antigo Conselho de Gestão da P. Complementar é o órgão responsável

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 457, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui o Teste de Adequação de Passivos para fins de elaboração das demonstrações financeiras e define regras e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP Circular nº 266 de 25.08.2004 Dispõe sobre instruções complementares para a operação do seguro obrigatório de danos pessoais causados por

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 Dispõe sobre procedimentos operacionais para emissão de seguro em moeda estrangeira e para contratação de seguro no exterior, e dá outras

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE CIÊNCAS CONTÁBEIS THAÍS TEIXEIRA PINTO ORIENTADOR:

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro julho/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência...

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC)

Leia mais

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicada no DOU de 25/08/2011 e retificada no DOU de 26/08/2011) Atualizada em 02/05/2012 Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Instituto Jundiaiense Luiz Braille De Assistência ao Deficiente da Visão, também designada Braille, fundada em 20 de dezembro de 1941, é uma Associação Civil, educacional beneficente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE A Norma Contábil é necessária para padronizar o registro das operações do mercado de saúde. O principal objetivo da padronização é monitorar a solvência desse mercado. Solvência é a capacidade de uma operadora

Leia mais

Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis Especialista em Contabilidade Gerencial Mestre em Ciências Contábeis-

Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis Especialista em Contabilidade Gerencial Mestre em Ciências Contábeis- Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis Especialista em Contabilidade Gerencial Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial A contabilidade brasileira tradicionalmente

Leia mais

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO 1 Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil 1º de abril de 2014 Roteiro 2 Alterações na Norma Contábil Principais justificativas para as alterações na norma contábil Alterações promovidas

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002.

RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002. RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002. Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares e dos corretores de seguros de vida, capitalização e previdência, bem como seus prepostos. A SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais