O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1"

Transcrição

1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo foi assinado em 1990, em Lisboa, Portugal e instituído oficialmente no Brasil através de decretos datados em 1995 e Passou a vigorar oficialmente no Brasil desde A partir desta data, o Brasil tem convivido com a dupla ortografia, fato que terá continuidade somente até 31 de dezembro de A perspectiva deste artigo é a da Análise de Discurso de linha francesa, perspectiva esta amplamente difundida nos trabalhos de Eni Orlandi aqui no Brasil. Palavras-chave: acordo ortográfico; ortografia; linguística Introdução O propósito deste texto é o de apresentar uma reflexão acerca da reforma ortográfica que seja útil a estudantes da área da Educação, da Comunicação Social, de Gestão e Negócios, etc., assinalando mais o aspecto político do que a reforma em si mesma, ou seja, a regra pela regra. Não trataremos aqui de nossa questão do ponto de vista puramente normativo, mas discutiremos o novo acordo ortográfico enquanto um acontecimento linguísticodiscursivo ligado à história da língua nacional. Trata-se, portanto, de um acontecimento que significa muito mais do que simplesmente estar ou não de acordo com tais mudanças, isto é, não é apenas uma questão de concordar ou não com as novas reformas. Antes, levaremos em consideração essas discussões sobre a reforma para uma compreensão sobre os efeitos que tal medida teve em nosso meio, isto é, as interpretações que tal acontecimento provocou. A interpretação que é dada à reforma vincula-se a uma memória de que a nossa língua deve se aproximar, se igualar ao português de Portugal, pois este português, 1 Mestre e doutor em Linguística pela UNICAMP. Professor de Linguística, Língua Portuguesa e Comunicação Empresarial do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio.

2 2 segundo este ponto de vista, é o mais puro, é o mais clássico, no sentido de ser o modelo a ser seguido. Historicamente falando, esta é uma memória que ressoa em nossa língua, visto que ela é defendida por um grupo mais conservador, tradicional do estudo da língua. Dessa perspectiva, a reforma reforça a ideia de unificação, uniformização, padronização do português. No entanto, essa interpretação fica somente numa descrição normativa da língua portuguesa, isto é, o que é fato linguístico, torna-se uma norma, uma regra da língua, em outras palavras, ao fato se sobrepõe a regra. Este texto abordará a reforma ortográfica enquanto um fato, um acontecimento linguístico que será analisado da perspectiva discursiva, conforme anunciamos no início deste texto. Dessa perspectiva, interessa compreender a constituição deste discurso, levando-se em consideração fatores históricos, ideológicos e políticos que estão na base da compreensão do mesmo para descrever o seu funcionamento. Pretendemos com este texto sair do lugar de evidência em que este discurso (da reforma ortográfica) se encontra para descrever como esta evidência foi construída, levando-se em conta as ideologias que fixaram sentidos no estabelecimento deste discurso. Quando falamos em ortografia, uma memória ressoa inevitavelmente, a da gramática normativa, e que nos leva a considerar a questão dessa perspectiva. Difícil falar de ortografia de outro lugar, isto é, sem mencionar regras para uma escrita correta. Por outro lado, quando falamos em reforma, temos um acontecimento, temos algo novo sendo concebido e ao mesmo tempo esse algo de novo poderá repetir o mesmo discurso. Cada reforma constitui um acontecimento que tem a sua singularidade e que, portanto, não se trata apenas de uma mera unificação do português nos países em que se fala esta língua. Este sentido de unificação se sobrepõe a questões de cunho sóciopolítico mais abrangentes, acerca deste fenômeno linguístico, reafirmando a ideia de que esta unificação garantiria uma forma de expressão e consequentemente a correta para a língua portuguesa. O sentido que se evidencia com este discurso (da reforma ortográfica) é o sentido de unificação, ou seja, é este sentido que se sobressai, se sobrepõe. Enfim, falar do novo acordo ortográfico quase sempre implica em falar de unificação da língua portuguesa. Entretanto, é necessário compreender como este sentido de unificação se destaca, se apresenta como próprio deste discurso. É justamente esta a questão que problematizaremos neste texto.

3 3 Entendemos que esta reforma, do modo mesmo como ela se deu, foi motivada por fatores políticos, econômicos e sociais que podem ser observados na natureza das próprias mudanças em questão. Tratam-se de mudanças ortográficas (principalmente, relativas ao emprego ou não do hífen em palavras compostas e de algumas regras de acentuação), parte da língua mais passível de negociação, de acordo, isto é, é como se a ortografia fosse o lugar de acordo, de homogeneização linguística dos países falantes do português. A ortografia é o lugar da unificação. Mas uma língua é muito mais que suas regras ortográficas e seria reduzir demais esta questão, considerando-a apenas do ponto de vista ortográfico e normativo. Desconsiderar-se-iam fatos históricos, ideológicos, etc, para destacar a ortografia como sendo o lugar em que a língua homogeneiza-se, unificase. Esta reforma tem um sentido econômico evidente, pois ela nasceu em um quadro de circunstâncias em que temos a língua portuguesa buscando destaque no cenário econômico mundial, uma vez que os principais países que falam esta língua Brasil e Portugal precisam divulgar sua língua como forma de inserção neste mercado financeiro. Esta reforma, portanto, representou força, união dos países falantes de português para terem visibilidade neste mercado financeiro. Lançar a língua portuguesa neste cenário representou ganhar força na economia mundial. E esta reforma deu visibilidade para a língua portuguesa, enquanto uma língua que crescia e possibilitava uma comunicação maior entre as nações. Portanto, essa reforma constituiu-se em um discurso que difundia a unidade da língua portuguesa e o seu prestígio internacional. Para além do sentido de unificação, essa reforma representou a unidade dos países em que se fala o português. Essa unidade dava a visibilidade de uma língua com expressividade junto aos organismos internacionais. No entanto, não concordamos com este discurso de lusofonia difundido, que remete a uma ideia de homogeneidade da língua portuguesa. Pensamos, segundo Orlandi (2009) que se deve respeitar e considerar as singularidades da língua portuguesa nestes diferentes países. É necessário compreender melhor no que consistiu tal reforma. Não era apenas uma questão de uniformização linguística entre os países em que o português é língua oficial. Esta reforma reforça a nossa tese de que uma língua é uma questão política, isto é, implica em tomada de decisões, em direcionar leituras, em estabelecer padrões, enfim, em uniformizá-la. Os efeitos desse discurso da reforma ortográfica pode ser observado na própria formulação dessas novas regras que visaram uma maior facilidade de seu uso e consequentemente do uso da própria língua portuguesa.

4 4 Queremos chamar a atenção não apenas para a reforma em si mesma, mas também para os seus efeitos de sentido que nos afetam na forma mesma de constituição de nossa identidade linguística. Desse ponto de vista, a reforma mexe com a nossa relação com a língua. É como se tivéssemos que aprender novamente a nossa língua, pois o efeito que se tem é o de que a ortografia é a própria língua A ortografia é um dos aspectos da língua em que podemos verificar, com maior evidência, o efeito da normatividade como manifestação do jurídico na língua. Por isso é tão comum o sujeito se mostrar inseguro ao escrever, efeito dessa determinação jurídica, ele não se expressa naturalmente nessa língua, cujas regras ortográficas têm um forte apelo jurídico de penalizar o sujeito por errar, por grafar incorretamente as palavras. Desse modo, o sujeito tem uma relação com sua língua, construída com base em princípios morais, jurídicos que o intimida ao escrever a sua própria língua. A gramática é um instrumento de poder do Estado. É dessa maneira que eu vejo a relação do sujeito com a sua língua, em nossa época. A língua é um espaço de normatização não só para se escrever, mas também, e principalmente, para moralizar os sujeitos, submetendo-os a leis que, também no caso da ortografia, têm suas punições. Ou seja, as regras gramaticais não são apenas regras para normatizar a língua, elas estão revestidas de determinações jurídicas, elas visam a disciplinarização do sujeito, este sujeito-dedireito, de que estamos falando. É essa a forma-sujeito histórica que vemos construída na gramática: um sujeito-de-direito. Falar em reforma, no caso do português, significa dizer que não se trata de reformas que levem em consideração a especificidade da nossa língua, mas que se referem à busca de unidade linguística com Portugal (na realidade, não somente com Portugal, pois em nossa época fala-se em quebrar as fronteiras e fortalecer o português no quadro político da globalização). Essa afirmação revela o caráter político-social dessa questão, ou seja, não se trata de um fato linguístico apenas, mas ele está relacionado também a fatores externos que estão na base da própria reforma, tornando-a um fato linguístico-discursivo. Outro ponto importante a ser discutido é a normatização da língua portuguesa quando tratamos dessa questão, visto que o acordo visa à unificação da língua escrita nos países que falam o português. Desse ponto de vista, a reforma constitui uma medida que, para além de um acordo (meramente um acordo linguístico), representa um estado atual de questões

5 5 políticas, históricas que demanda interpretação. Mais do que aprender ou apreender tal reforma (acordo), o mais válido seria interpretá-la dentro das condições históricas em que ela surgiu para que tenhamos uma visão mais ampla de seu funcionamento entre nós. Considerações Finais A normatização de uma língua passa por questões de ordem política (estabelecer a sua unidade para iniciar-se o processo de ensino desta língua), portanto, este fato deve ser compreendido dentro desse quadro político e social. Já passamos por outras reformas, o que assinala que este fato não é novo, ele tem uma memória, porém dadas as condições históricas próprias deste novo acordo, ele constitui-se em um acontecimento com outro significado, pois se trata de outras regularidades discursivas, ou seja, este novo acordo foi regulado por outras condições de produção. Ele surge de outras necessidades históricas e políticas. As condições históricas dessa nova reforma ortográfica incluem a posição da língua portuguesa no cenário político atual, como língua oficial da União Européia e do Mercosul. Com este acordo, facilita-se a inserção do português como uma das línguas oficiais da Organização das Nações Unidas, o ensino do português como língua estrangeira em qualquer outra parte do mundo etc. Finalizando, procuramos realizar uma reflexão que tratou da nova reforma ortográfica enquanto um fenômeno linguístico, buscando uma interpretação mais complexa dos fatores que propiciaram o seu surgimento, sem perder de vista a memória desse fenômeno e a sua representação histórica no contexto nacional. Este acontecimento linguístico-discursivo constrói sentidos relacionados à nossa identidade/subjetividade linguística; na realidade, nós, sujeitos falantes do português, estamos buscando uma resposta para tais mudanças, uma explicação para elas. Com este texto, pretendemos dar algumas explicações para tal problema, pois se trata de um acontecimento que exige uma interpretação mais complexa, por se referir à própria língua e foi isso que procuramos fazer: elucidar um pouco mais essa questão à luz do dispositivo teórico da Análise de Discurso, nosso referencial teórico.

6 6 Referência Bibliográfica ABAURRE, Maria B. M. Considerações sobre o novo acordo ortográfico. In: Língua, Literatura e Ensino volume IV. Campinas, IEL/UNICAMP, BECHARA, Evanildo. O que muda com o novo acordo ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Decreto Legislativo nº 54 de 18\04\1995. Decreto nº de 29\09\2008. GUIMARÃES, Eduardo e ORLANDI, Eni P. (orgs.) Língua e Cidadania o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes, HAROCHE, Claudine. Fazer dizer, querer dizer. São Paulo, SP: Editora Hucitec, LEMLE, Miriam. Reforma ortográfica: uma questão linguística ou política? In: Boletim da ABRALIN 1, pp , ORLANDI, Eni P. Língua brasileira e outras histórias discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas, SP: Editora RG, SILVA, Maurício. O novo acordo ortográfico da língua portuguesa o que muda e o que não muda. 2ª ed., 2ª reimpressão, São Paulo: Contexto, TUFANO, Douglas. Guia prático da nova ortografia saiba o que mudou na ortografia brasileira. São Paulo, SP: Melhoramentos, 2008.

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul Edgard Fernando Viana da Cruz Dissertação de Mestrado em Ensino do Português como Língua Segunda e Estrangeira

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Senhor Presidente: Requer informações ao Ministro da Educação sobre quais as medidas que estão sendo desenvolvidas pela COLIP (Comissão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação Plano de Trabalho Docente 010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Jurídico

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO Luciana de Carvalho 1 Este estudo propõe refletir sobre o funcionamento discursivo

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO. A língua é um objeto especial para a Análise do Discurso, pois constitui a condição de

LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO. A língua é um objeto especial para a Análise do Discurso, pois constitui a condição de LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO Déborah Maria Labandeira Universidade de Passo Fundo (UPF ) ( Pós-Graduanda Mestrado ) Língua, Hiperlíngua e Arquivo Coordenadoras: Marisa Grigoletto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR 25*$1,6026(1250$6,17(51$&,21$,6'(&217$%,/,'$'( 8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR INTRODUÇÃO Com o crescente avanço tecnológico, facilidades de comunicação, rapidez no processamento de informações e mobilidade internacional

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA: RESENHA: FERRÃO, João. O ordenamento do território como política pública. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011. 146p. Hélio Carlos Miranda de Oliveira Prof. do Curso de Geografia da Faculdade de

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

CURSO: BIBLIOTECONOMIA

CURSO: BIBLIOTECONOMIA CURSO: BIBLIOTECONOMIA CONHECIMENTOS BÁSICOS: LINGUA PORTUGUESA 1. De acordo com a gramática da Língua Portuguesa, a Concordância é o processo sintático em que certas palavras se combinam. Tal combinação

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Turma Nome da Disciplina - Curso SEMANAL MENSAL 04 16 Pedagogia Economia af Língua Portuguesa I 1 EMENTA Acentuação gráfica. Paráfrase. O novo acordo

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq Este trabalho é parte da minha tese de doutorado que

Leia mais

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários Verli PETRI vpetri@terra.com.br Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) O processo de prefaciamento/apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG PROJETO DE ENSINO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA: PRÁTICAS DOCENTES E MATERIAIS DIDÁTICOS IDENTIFICAÇÃO DA AÇÃO: COORDENADOR

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1.

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. Antonio Veras Nunes 2 RESUMO - O presente artigo pretende compreender o que são crenças no ensino de Língua Estrangeira, nas escolas

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com Prof. Demóstenes Farias, MSc Demóstenes Moreira de Farias, MSc Graduação em Administração, UECE Especialização em Gestão de Negócios, USP/BNB Especialização em Geografia, FFM/PB Programa de Desenvolvimento

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS?

E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS? E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS? Sabrina Fernandes de Castro Cleonice Machado de Pellegrini Soraia Napoleão Freitas Universidade Federal de Santa Maria O que ora iremos apresentar são

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

As Conseqüências do Novo Acordo Ortográfico para o Brasil 1

As Conseqüências do Novo Acordo Ortográfico para o Brasil 1 As Conseqüências do Novo Acordo Ortográfico para o Brasil 1 Autores: Caroline Luciano CAVALCANTE, Jeanne Gomes FERREIRA, Liana Cristina Vilar DODT e Lygia de Azevedo FREIRE (UFC) 2. Resumo Este trabalho

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ

SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 SENTIDOS DISCURSIVOS DA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA JORNALÍSTICO NO SITE DA FENAJ Francisco Verri 1 ; Renata Marcelle Lara Pimentel 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

2. Diálogo com a Literatura

2. Diálogo com a Literatura A DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA: UM ESTUDO SOBRE A SUA CONSTRUÇÃO E AS RELAÇÕES CTS LA ASIGNATURA DE BIOLOGÍA APLICADA: UN ESTUDIO DE SU CONSTRUCCIÓN Y DE SUS RELACIONES CTS Denise de Freitas * (Departamento

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Estudos da Linguagem. Lingüística - Processo Seletivo 2008 Edital

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Estudos da Linguagem. Lingüística - Processo Seletivo 2008 Edital Lingüística - Processo Seletivo 2008 Edital DOUTORADO EM LINGÜÍSTICA DINTER Unicamp/Capes/Unemat INSCRIÇÕES: de 04 a 29 de fevereiro 2008 DINTER CAPES/UNICAMP/UNEMAT O presente programa Dinter tem o objetivo

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO

MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO Numa breve consulta da página dedicada ao Multilinguismo no site oficial do Parlamento Europeu (www.europarl.europa.eu), deparamos

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor Movimento incentiva a escolha pelos pequenos negócios na hora da compra A iniciativa visa conscientizar o consumidor que comprar dos pequenos é um ato de cidadania que contribui para gerar mais empregos,

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA José de Jesus de Oliveira 1 (Fac. Signorelli) Siderlene Muniz-Oliveira 2 (UTFPR) Resumo: Esta comunicação tem como objetivo

Leia mais

INTEGRALIDADE EM SAÚDE. Integralidade como princípio do direito à saúde

INTEGRALIDADE EM SAÚDE. Integralidade como princípio do direito à saúde caleidoscópio contemporâneo da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 553-565, 2007. RIPS. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores Básicos de Saúde no Brasil:

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais