A INTERNACIONALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERNACIONALIZAÇÃO"

Transcrição

1

2

3 A INTERNACIONALIZAÇÃO NA CPLP E NOS PALOP A Gaiurb,EM está a realizar uma forte aposta de divulgação e promoção dos serviços da empresa, junto da Comunidade dos Países de Lingual Oficial Portuguesa (CPLP) e os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Mais-valias da nossa empresa : Facilidade de comunicação linguística. Transmissão de conhecimento especializado a apoio no crescimento de países dos PALOP. Proximidade de culturas e facilidade de contacto interpessoal. Motivação das equipas técnicas da Gaiurb,EM nos trabalhos com a CPLP e os PALOP. Conhecimento profundo dos procedimentos de gestão municipal. 3

4 SERVIÇOS DE CONSULTADORIA Prestamos serviços e consultadoria a entidades externas nas áreas de: PLANEAMENTO URBANÍSTICO CONSULTADORIA NA GESTÃO DE HABITAÇÃO SOCIAL INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO DA GESTÃO MUNICIPAL FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DESIGN DE COMUNICAÇÃO 4

5 SERVIÇOS DE CONSULTADORIA EM ANGOLA A Gaiurb celebrou em 2013 um contrato de consultoria na Sistematização Organizativa e Operativa do Gabinete Técnico de Reconversão Urbana do Cazenga e Sambizanga na Província de Luanda, numa área com cerca de 2,5 milhões de habitantes. A missão, já em execução, que decorrerá durante o período de um ano, renovável por mais um, contempla quatro fases distintas: diagnóstico, planeamento, concepção e implementação, abrangendo as áreas de Informação Geográfica, Tecnologias de Informação, Planeamento Urbanístico, Licenciamento e Fiscalização de Obras, Gestão Sócio-Habitacional, Assessoria Jurídica, Administração e Finanças. 5

6 OS CONTACTOS INICIAIS E A VISITA TÉCNICA O contacto inicial com origem nos procedimentos e aplicações de SIG com a visita do Sr. Director Geral do Gabinete Técnico de Reconversão Urbana do Cazenga e Sambizanga de Luanda, Angola. Visita do GTRUCS às instalação da Gaiurb, em Setembro 2011 e Janeiro de A convite do GTRUCS os técnicos da Gaiurb, realizam em Março 2012 uma visita técnica aos municípios do Cazenga e Sambizanga e Rangel em Luanda, Angola. 6

7 OS CONTACTOS INICIAIS E A VISITA TÉCNICA 7

8 ÁREA DE INTERVENÇÃO O GTRUCS é um serviço de apoio técnico que tem por missão fundamental a execução, coordenação, acompanhamento, controlo e fiscalização do processo de implementação dos projectos de reconversão dos Municípios do Cazenga e dos anteriores municípios de Sambizanga e Rangel, agora integrados no novo município de Luanda, situados na Cidade de Luanda. Ao GTRUCS incumbe dirigir, planear e supervisionar as operações administrativas, técnicas e financeiras relativas à implementação da estratégia de reconversão dos Municípios do Cazenga e Sambizanga, para a execução contínua e, consequentemente, para a conclusão da Fase destes projectos nos prazos definidos contratualmente. 8

9 OS DESAFIOS INICIAIS DO GTRUCS Reconversão Urbana e Social 9

10 OS OBJECTIVOS FUTUROS DO GTRUCS Implementação do Plano Director Geral do Cazenga Sambizanga e Rangel. Melhores condições de vida para as populações. Melhores serviços ao cidadão. Habitação Social e Infra-estruturas. https://www.facebook.com/gtrucs 10

11 OS TRABALHOS DA GAIURB A Gaiurb,EM tem por missão no GTRUCS a prestação de serviços de Consultoria para Sistematização Organizativa e Operativa no âmbito da reconversão urbana do C.S.R. nas áreas 8 áreas operativas de: Informação Geográfica Tecnologias de Informação Planeamento Urbanístico Assuntos Jurídicos Gestão Socio-habitacional Administração e Finanças Execução de Obras Licenciamento e Fiscalização Urbanística 11

12 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS 12

13 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Definição do parque computacional A Gaiurb, em conjunto com os recursos tecnológicos da organização, estuda e desenha o melhor cenário para o parque computacional a instalar ou o plano de modernização caso já exista infraestrutura. Definição do parque aplicacional De acordo com o diagnóstico desenvolvido, a Gaiurb define qual a tipologia de aplicações é a mais adequada para a organização, colaborando ou liderando o processo de contratação. 13

14 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Desenvolvimento aplicacional A Gaiurb desenvolve aplicações de sistemas de informação geográfica que permitem aos técnicos a visualização, a inserção e tratamento de informação georeferenciada. Fluxos de trabalho A Gaiurb define fluxos de trabalho dos procedimentos das organizações, adequados à realidade dos técnicos e da legislação local. São definidos os passos de cada procedimento, os prazos, os intervenientes e as componentes documentais associadas. 14

15 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Organização de informação digital A Gaiurb estrutura e cria normas de organização da informação digital, garantindo a sua eficácia e salvaguarda. Organização de informação em papel A Gaiurb estabelece regras e normas de tratamento de informação em papel, quer do ponto de vista da sua tramitação quer do ponto de vista arquivístico. 15

16 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Levantamento e organização de informação A Gaiurb é também responsável pela criação de mecanismos de levantamento e organização de informação, disponibilizando ferramentas informáticas para a sua visualização e tratamento. Definição de procedimentos A Gaiurb estuda, normaliza e estabelece procedimentos e normas internas de atuação nos diferentes sectores da empresa. 16

17 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Definição de minutas de documentos Definição de minutas de documentos, como ofícios, contratos, declarações de recursos humanos, etc. Templates de informações técnicas Definição de templates de informações técnicas, adequadas aos procedimentos de cada organização. 17

18 ENQUADRAMENTO OS TRABALHOS Formação Sobre todas as matérias trabalhadas a Gaiurb presta serviços de formação em sala ou contexto de trabalho. Transferência de conhecimento A prática de trabalho da Gaiurb promove a transferência de conhecimento para o capital humano da organização, integrando-o em todos os processos de trabalho executados no período de consultadoria à organização. 18

19 EXECUÇÃO DOS TRABALHOS FASES DO CRONOGRAMA DE TRABALHOS ANUAL FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Planeamento Concepção Implementação Avaliação 19

20 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 20

21 EXECUÇÃO OS CONSULTORES A1 Informação Geográfica Eng. Marco Lima Carvalho (coordenação) Eng. Pedro Guimarães Eng. Paulo Sampaio A2 Tecnologias de Informação Eng. Angelo Estrela (coordenação) Eng. António Matos Tec. Amândio Guedes A3 Planeamento Urbanístico Arq. Alberto Simões (coordenação) Administração e Direcção Geral Arq. Daniel Couto Dr. André Correia Arq.ª Manuela Juncal A4 A5 A6 Licenciamento e Fiscalização Gestão Socio- Habitacional Assessoria Jurídica Arq.ª Ana Filipa Fernandes (coordenação) Arq.ª Ana Patricia Baptista Dr.ª Cristina Vilas Boas (coordenação) Dr.ª Maria João Nogueira (coordenação) A7 Administração e Finanças Dr.ª Ana Paula Torres (RH) Dr.ª Pedro Santos (DAF) Dr.ª Ana Vieira (DAF) Dr.ª Maria João Azevedo (DAF) A8 Execução de Obras Eng.ª Helga Nair (coordenação) Arq.ª Isabel Sena Eng.ª Susana Silva 21

22 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 22

23 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA FASES DO PROCESSO DE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Sistematização Organização de toda a cartografia de base, PDM, Planos, Infra-estruturas. Definição do quadro de competências em SIG. Elaboração de metadados da informação geográfica. Disponibilização Disponibilização de toda a base cartografia e temática num modo partilhado pora todo o Gabinete. Elaboração e disponibilização de um GeoPortal interactivo para consulta de dados SIG em Open Source, GeoGTRUCS. Formação e Inovação Sessões de formação e acompanhamento on-job. Criação de Manuais de Procedimento e Manuais Formativos. Assessoria na implementação de novas soluções tecnológicas de SIG. 23

24 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Produtos Finais Desenvolvidos e Apresentados 1. Informação cartográfica sistematizada 2. Visualizador de Dados SIG 3. Informação temática tratada e produzida 4. Metadados 5. Manuais Formativos produzidos 6. Manuais de Procedimentos de Apoio produzidos 7. Vídeos de ajuda produzidos 8. Templates de impressão 9. Planos Estruturais de Organização 10. Acções de Formação 24

25 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 2. GeoPortal e Visualizador de Dados SIG Ferramenta Open Source Construção e implementação da aplicação geogtrucs Implementação de ferramentas de confrontação e impressão PORTAL geogtrucs Visualização do Plano Director Geral Cartografia vetorial Identificação de Cadastros Confrontação do Cadastro com PDG Calculo de áreas e distâncias 25

26 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 2. Visualizador de Dados SIG Construção e implementação da aplicação geogtrucs Implementação de ferramentas de confrontação e impressão 26

27 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 3. Informação temática tratada e produzida Infra-Estruturas Plano Diretor Geral Usos Existentes Edificado em polígonos Divisão administrativa e MDT Eixos de via e toponímia 27

28 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Edição e criação de eixos de via e toponímia. Elaboração de Metadados Geográficos Elaboração de Manuais Formativos e Manuais de Procedimentos 28

29 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 5. Manuais de Boas-Práticas e de Procedimentos 29

30 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 10. Acções de formação formal e on-job 30

31 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA CONSULTADORIA E APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO DAS SOLUÇÕES TECNOLOGICAS DE SIG - GISMAT 31

32 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA GISMAT EPL Emissão de Plantas de Localização Emissão de planta de localização Impressão em papel e digital Consulta de cartografia e Toponímia GISMAT GU Gestão Urbanística Consulta de Cartografia Gestão da georreferenciação de Processos Integração com SIGMA Consulta de PMOT s Confrontação com PMOT S Consulta de Regulamentos de Planos 32

33 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA GISMAT FISC Fiscalização Consulta de Cartografia Gestão e Georreferenciação de Processos de Fiscalização Integração com SIGMA GISMAT RV Rede Viária Consulta de Cartografia Gestão da georreferenciação da Rede Viária Formulários pormenorizados de caracterização da rede viária Registo de Intervenções Emissão de Relatórios 33 33

34 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA GISMAT IRM Infraestruturas de Redes Municipais Consulta de Cartografia Gestão e Georreferenciação das Infra-Estruturas de Rede Municipais. Redes de água, saneamento, telecomunicações, etc. Formulários pormenorizados de caracterização das redes de infra-estruturas GISMAT HS Habitação Social Consulta de Cartografia Gestão da georreferenciação dos Empreendimentos Sociais, fogos isolados Formulários pormenorizados de caracterização dos empreendimentos, fogos e agregados

35 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA GISMAT LEV Levantamentos Consulta de Cartografia Formulários pormenorizados e parametrizados em função das necessidades para a realização de levantamentos de campo. Integração e ligação directa da aplicação com as aplicações GISMAT desktop WebMIC Mapa Interativo Consulta de Cartografia Gestão da georreferenciação dos Empreendimentos Sociais, fogos isolados Formulários pormenorizados de caracterização dos empreendimentos, fogos e agregados

36 INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA GISMAT VIEWER Visualizador intranet das aplicações GISMAT Consulta de Cartografia Consulta de todas as aplicações GISMAT instalada na organização. Licenças de utilizadores em rede ilimitada Capacidade de impressão de relatórios e modelos de impressão pré-definidos

37 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 37

38 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Definição do parque computacional A Gaiurb, em conjunto com os recursos tecnológicos da organização, estuda e desenha o melhor cenário para o parque computacional a instalar ou o plano de modernização caso já exista infraestrutura. Mediante o resultado do diagnóstico é definido: 1. Arquitetura de rede; 2. Sistemas de segurança; 3. Centro de dados; 4. Computadores de trabalho; 5. Sistemas operativos; 6. Métodos de licenciamento; 7. Política de segurança; 8. Normas de trabalho nos sistemas de informação; 9. Formação específica 38

39 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Definição do parque aplicacional De acordo com o diagnóstico desenvolvido, a Gaiurb define qual a tipologia de aplicações é a mais adequada para a organização, colaborando ou liderando o processo de contratação. Mediante o resultado do diagnóstico são definidas: 1. Especificações das aplicações; 2. Tipologia e quantidade de aplicações desktop 3. Modelos de aquisição; 4. Acompanhamento do processo de decisão; 5. Especificações com vista à parametrização; 6. Validação de instalações; 7. Acompanhamento no processo de formação; 8. Acompanhamento em produção. 39

40 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Processo de desmaterialização A área de tecnologias de informação assume uma importância relevante no processo de desmaterialização das organizações, articulando este objetivo com as restantes áreas de trabalho, nomeadamente ao nível de definição de fluxos e procedimentos. 40

41 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Comunicação e internet Do ponto de vista tecnológico é analisada a componente de comunicação na internet, do ponto de vista de: 1. Diagnóstico; 2. Objectivos de comunicação da organização; 3. Perfis de utilizadores; 4. Serviços on-line; 5. Comunicações multiplataforma; 6. Plano de comunicação; 41

42 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Formação Na área tecnológica é dado enfoque numa metodologia de formação assente em: Definição de estratégia da área tecnológica; definição e alinhamento de objetivos; organização e planeamento de actividades; Sessões participativas e em contexto de trabalho; entrega de documentação. 42

43 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 43

44 PLANEAMENTO E GESTÃO FASES DO PROCESSO DE SISTEMATIZAÇÃO DAS ÁREAS DE PLANEAMENTO E GESTÃO Diagnóstico - Análise da situação existente, desde a constituição da equipa ao tipo de tarefas executadas; - Sistematização das tarefas e procedimentos; - Análise dos documentos produzidos; - Identificação de intervenientes; - Identificação de problemas. Concepção - Tipificação das tipologias de processos; - Definição de procedimentos e tramitação de processos; - Definição de prazos; - Sistematização do tipo de análise técnica, de decisões e notificações; - Formação. Implementação - Implementação dos procedimentos e fluxos; - Implementação de modelos de informação; - Acompanhamento das tarefas; - Identificar dificuldades e promover acções de melhoria; - Avaliar o desempenho dos serviços. 44

45 PLANEAMENTO E GESTÃO Elaboração de Fluxos de Procedimentos, Minutas de Documentos Técnicos 45

46 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 46

47 GESTÃO SOCIO- HABITACIONAL O Departamento Social, na área da gestão socio habitacional tem como missão assegurar o cumprimento da política e gestão da habitação e alojamento das populações e trabalha em torno dos seguintes objectivos: Dotar o Departamento com instrumentos de trabalho e procedimentos facilitadores da gestão das fases pré-realojamento e realojamento. Criar uma base de dados, num sistema informático facilitador da caracterização socio económica e habitacional, resultante do recenseamento e cadastro das populações que serão afectadas pelo desenvolvimento dos projectos de reconversão. Ao mesmo tempo que permite fazer um diagnóstico social e institucional para planeamento das intervenções. Identificar as vulnerabilidades e potencialidades, quer das pessoas quer das instituições locais e bem como de potenciais interlocutores privilegiados entre as populações. 47

48 GESTÃO SOCIO- HABITACIONAL Realizar sessões de esclarecimento sobre o processo de realojamento (informações socais, legais e técnicas) de modo a dotar as famílias de informação para resolver os seus problemas de vivência em comunidade. Promover e acompanhar o realojamento - acompanhar a sua adaptação aos novos contextos físicos e humanos. Elaborar e distribuir o Regulamento para as Habitações; o Manual do Morador; o Contrato de Arrendamento Social (principio da Igualdade: estabelecer regras gerais e abstractas no acesso à habitação e sua permanência). Analisar a fixação e cobrança de rendas com regras pré-definidas (garantir a preservação responsabilizando o utilizador da responsabilidade social e patrimonial. Elaboração de projectos de desenvolvimento social e económico sustentável, com articulação de parcerias. 48

49 GESTÃO SOCIO- HABITACIONAL Sistematização e melhoria dos procedimentos no levantamento do cadastro social 49

50 GESTÃO SOCIO- HABITACIONAL Disponibilização de indicadores geoespaciais do levantamento cadastral 50

51 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 51

52 ASSUNTOS JURÍDICOS Âmbito das acções na área Jurídica 1. Sistematização de procedimentos jurídicos; 2. Uniformização de procedimentos e de interpretação técnico-jurídica; 3. Sistematização de documentos; 4. Sistematização de requerimentos; 5. Assessoria na criação de formas de controlo e uniformização de respostas aos Tribunais, Autoridades Judiciárias; 6. Aconselhamento na forma de uniformização, em matéria de interpretação, das posições; 7. Organização de uma base de dados jurídica; 8. Promoção de mecanismos de divulgação da legislação. 9. Aconselhamento na estrutura orgânica do Gabinete 10. Aconselhamento na definição do Regime Jurídico do Gabinete 11. Sistematização dos procedimentos de contratação publica. 52

53 ASSUNTOS JURÍDICOS Elaboração de documentação regulamentar e organizacional 53

54 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 54

55 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS OBJECTIVOS DA ASSESSORIA: Na área da administração e finanças, tendo em consideração os termos de referência acordados, os objectivos estão distribuídos por 3 grandes grupos de trabalho: GRUPOS DE TRABALHO OBJECTIVOS COMUNS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DEPARTAMENTO FINANCEIRO I. Diagnóstico ao funcionamento da estrutura orgânica do GTRUCS em geral, das metodologias e procedimentos aplicados II. Análise e diagnóstico à estrutura de quadros existentes no GTRUCS, suas qualificações e competências III. Definição de uma estrutura orgânica de quadros técnicos qualificados, assim como definição de missão, objectivos e competências IV. Preparação de metodologias, procedimentos e minutas que podem ser utilizadas no exercício das suas competências V. Elaboração de Planos de Formação I. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Gestão de Recursos Humanos, Controlo de Assiduidade e Controlo de Férias II. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Avaliação de Desempenho III. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Formação IV. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho I. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Gestão da Frota Automóvel II. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Aquisição de Bens e Serviços III. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Gestão da Documentação e Arquivo de Documentos IV. Implementação no GTRUCS de procedimentos internos de Gestão de Compras I. Implementação no GTRUCS de metodologias, procedimentos e minutas que podem ser utilizadas para: a. Controlo Financeiro e Prestação de Contas do GTRUCS b. Elaboração de procedimento para a Actividade Tributária c. Apoio na Auditoria Interna e Fiscalização d. Elaboração do Plano Plurianual e Anual de Investimento e. Elaboração do Orçamento Anual de Investimento f. Elaboração do Orçamento Anual de Tesouraria 55

56 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Desenvolvidos mais de 40 tipos de documentos para Procedimentos de Apoio e Manuais Formativos 56

57 ÁREAS DE CONSULTORIA Socio-habitacional Informação Geográfica Assuntos Jurídicos Tecnologias Informação Consultoria de Sistematização Organizativa Administração e Finanças Execução de Obras Planeamento e Gestão 57

58 EXECUÇÃO DE OBRAS Na Área de Execução de Obras os objectivos da consultadoria centram-se na: - Definição de procedimentos e momentos de interacção entre esta Área e a restante estrutura organizativa do gabinete. - Implementação das propostas metodológicas - Definição de funções / competências de cada técnico dentro da unidade orgânica e sua integração no organigrama do gabinete. - fluxos de organização dos processos de obras - fluxos para tramitação documental 58

59 EXECUÇÃO DE OBRAS Visitas técnicas às obras em curso para definição de procedimentos e fluxos ZANGO CAZENGA SAMBIZANGA 59

60 EXECUÇÃO DE OBRAS Registo do processo de obras Organização de Processos e Fluxos Procedimentais Tramitação e georreferenciação do processo de obras 60

61

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães processo de modernização administrativa prestação de um melhor serviço aos cidadãos utilização mais eficiente dos seus recursos no

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Balanço das do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Dr. Hugo Brás ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Academia INSS Transferência de Conhecimento Apoio Operacional

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos.

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos. Agenda Objectivo Enquadramento Historial Equipa Arquitectura MuniSIG Web Casos Práticos ArcGIS Mobile Futuro Objectivo Criar uma infra-estrutura de suporte a todas as aplicações de informação geográfica

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Tarefas Geográficas. uma solução para atualização cartográfica num município. Alexandrina Meneses Engª Geógrafa

Tarefas Geográficas. uma solução para atualização cartográfica num município. Alexandrina Meneses Engª Geógrafa Tarefas Geográficas uma solução para atualização cartográfica num município Alexandrina Meneses Engª Geógrafa SUMÁRIO 1. GABINETE DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 2. TAREFAS GEOGRÁFICAS 3. CONCLUSÕES 1. GABINETE

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Evolução da última década Manuela Sampayo Martins (Eng.ª) Sistemas de Informação Sistemas de Geográfica, Informação Lda. Geográfica,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Experiência da Gaiurb em Angola

Experiência da Gaiurb em Angola Governação Integrada: um desafio para a Administração Pública Reconversão Urbana e Social 14 Julho 2015 Daniel Couto, arquiteto Presidente Conselho de Administração Pode o trabalho da Gaiurb em Luanda

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Estruturas Físicas Imagem TIT Serviços Gestão e Processos

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social

Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social Dr. Hugo Brás Chefe do Departamento de Recursos Humanos do Instituto Nacional de Segurança Social Workshop Protecção Social Obrigatória:

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

Infra-Estrutura Regional de Informação Geográfica

Infra-Estrutura Regional de Informação Geográfica www.geocidmadeira.com www.irig-madeira.com Não necessito saber tudo. Apenas preciso de saber onde encontrar o que me faz falta, no momento em que necessito. (Albert Einstein) Estrutura 1. Princípios 2.

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação NATURA-ITP, L.da Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação Elaborado por Revisto por Aprovado por GT - MSGQF - 01 Coordenador pedagógico Director Formação 17 de Julho de 2014 Código do Documento:

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei www.leiriareg iaodig ital.p t U M ONLINE COM A R E G I Ã O A VIDA Leiria Região Digital Serviços on-line para cidadãos e empresas Nerlei Sumário Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação

modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação síntese [temas]: diagnóstico; objetivo: plataforma tecnológica sistema

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais