DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA"

Transcrição

1 DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura de 9 polegadas Capacidade de medição de vazão de até 250 L/s Gradiente de velocidade para mistura rápida de cerca de 600 s -1 Portanto: um canal com: Largura = 0.7 m Comprimento = 4.0 m Altura = 0.9 m Com calha Parshall de fibra de vidro com dimensões padrão para garganta com largura de 9". 2 - Floculação Adota-se tempo de detenção hidráulico = 30 min p/ Q dim = 50 L/s ou 3 m³/min V total = 90 m³ Adotam-se 2 conjuntos em paralelo, cada um com 4 câmaras em série: V conjunto = 45 m³ V Câmara = 11 m³ Formato quadro com: Lado = 2.2 m Profundidade útil = 2.4 m Borda livre = 0.3 m Dimensões finais: 2 conjuntos formados, cada um, por 4 câmaras em série com: Lado = 2.2 m Profundidade útil = 2.4 m Borda livre = 0.3 m Cada câmara deverá ser equipada com um floculador mecânico com turbina de fluxo axial capaz de imprimir à massa líquida gradiante máximo de velocidade da ordem de 80 s -1, sendo dotado de inversor de frequência para variação de sua rotação. 3 - Decantação Dimensões Básicas Adotam-se decantadores lamelares de alta taxa Adota-se taxa de aplicação superficial = 120 m³/m² x dia

2 p/ Q dim = 50 L/s ou 4320 m³/dia Área necessária de decantação = 36 m² Adotam-se dois decantadores em paralelo, de formato retangular, com: Largura útil = 3.7 m Comprimento = 5.0 m Área útil efetiva = 18.7 m² por decantador Taxa de aplicação efetiva = 116 m³/m² x dia Determinação das Dimensões do Elemento de Distribuição de Água Floculada Adota-se número de aberturas = Portanto: 10 aberturas 5 aberturas de cada lado p/ comprimento decantador = 5.00 m distância entre aberturas = 1.00 m Critério de dimensionamento: Número Froude canal = Número Froude abertura Fc = Fa F = v / (g x h) 1/2 vc / va = (n x Aa) / Ac n x Aa / Ac <= 1,0 Adota-se: n x Aa / Ac = 1.0 Adota-se seção de início do canal de formato retangular com: Altura = 1.00 m Largura = 0.60 m Ac = 0.60 m² Portanto p/ n = 10 aberturas Aa = 0.06 m² p/ formato circular: Diâmetro = 0.28 m Portanto: Seção início do canal Ac = 0.60 m² Altura = 1.00 m Largura = 0.60 m Aberturas circulares com Aa = 0.06 m² Diâmetro = 0.28 m Dimensionamento da seção intermediária do canal: p/ n x Aa / Ac = 1 Aa = 0.06 m² n = 5 aberturas Ac = 0.3 m² Altura = 0.50 m Largura = 0.60 m Seção intermediária com: Ac = 0.3 m² Altura = 0.50 m Largura = 0.60 m

3 3.3 - Dimensionamento e Verificação Hidráulica dos Módulos Laminares Características dos módulos: Comprimento (l) = 100 cm Espaçamento entre laminas (esp) = 6 cm Ângulo de inclinação = 60 graus L útil = l - eh x cos α onde: L útil = L é o comprimento das lâminas (cm) eh é a projeção horizontal do espaçamento entre lâminas (cm) α é o ângulo das lâminas em relação à horizontal (graus) cm L = Lútil / esp L = cm A = Q / (F x vs) onde: A é a área útil superficial (m²) Q é a vazão de dimensionamento (m³/s) F é um fator de correção vs é a velocidade de sedimentação (m/s) Adota-se vs = adota-se vs = 1.7 cm/min ou 2.83E-04 m/s F = sen α x ( (sen α + L x cos α) / s ) onde: s = 1.3 (módulos laminares) F = 5.94 A = m² Determinação do número de canais laminares: N = (A x sen α) / (w útil x esp) w útil = N = 3.13 m 69 canais Determinação do comprimento total do decantador: C = l cos α + ( (N x esp + (N + 1) x e) / sen α ) onde: e é a espessura das placas formadoras das lâminas em (m) adota-se e = m C = 5.33 m Adota-se C = 5.00 m Determinação do número de canais efetivo:

4 C = l cos α + ( (N x esp + (N + 1) x e) / sen α ) p/ C = 5.00 m N efetivo = 64 canais Determinação da área efetiva: N = (A x sen α) / (w útil x esp) p/ N efetivo = 64 canais A efetiva = m² Determinação da velocidade longitudinal no interior dos elementos tubulares: vo = Q / (A efet. x sen α) vo = m/s ou 0.21 cm/s Número de Reynolds resultante a 20 graus centígrados: N R = (4 R H x vo) / ν ν = 0.01 R H = 3.16 cm N R = 263 OK Velocidade Longitudinal Crítica: vo crit. = (N R /8) 0,5 x vcs vo crit. = 5.74 x vcs vcs = (2 x ν x L) / esp vcs = vo crit. = cm/s 0.31 cm/s p/ vo = 0.21 OK Dimensionamento dos Poços de Armazenamento de Lodo Número de fileiras de poços pela largura = 2 Número de fileiras de poços pelo comprimento = 2 Largura = Comprimento = 4.3 m 5.0 m Dimensões em planta dos poços: 2.17 por 2.50 m Fundo quadrado com lado = 0.30 m

5 Declividade mínima das paredes inclinadas = 60 graus Altura dos poços = 1.91 m Dimensões finais base maior: comprimento = 2.50 m de cada poço: largura = 2.17 m base menor: lado = 0.30 m altura = 1.91 m Total de 4 poços de lodo por decantador Altura total do decantador: altura poço de lodo = distância entre poço e duto água floculada = distância entre base duto e base módulos laminares = altura dos módulos laminares = distância entre módulos e tubos de coleta = Borda livre = altura total = 1.91 m 0.50 m 0.50 m 0.87 m 0.30 m 0.40 m 4.48 m Dimensionamento das Tubulações de Coleta de Líquido Decantado Adota-se altura das tubulações em relação aos módulos laminares = 0.3 m Determinação da distância entre tubos: d max / h = 432 / v asc onde: d max é a distância máxima entre tubos (m) h é a altura em relação aos módulos laminares (m) V asc é a velocidade ascencional da água no decantador (m³/m² x dia) p/ A efetiva decantador = m² p/ 2160 m³/dia tx sup efetiva = 156 m³/m² x dia d max = 0.83 m p/ comprimento decantador = 5.00 m Adota-se número de tubos = 8 Distância efetiva entre tubos = 0.63 m Portanto adotam-se: Número total de tubos = 16 Distância entre tubos = 0.63 m Diâmetro dos tubos = 100 mm 4 - Filtração Dimensões Básicas Adotam-se filtros rápidos de fluxo descendente com leito misto de areia e antracito

6 Adota-se taxa de filtração = 150 m³/m² x dia p/ Q dim = 50 L/s ou 4320 m³/dia Área total = 28.8 m² Adotam-se 5 filtros em paralelo: A cada filtro = 5.76 m² Comprimento = 3.29 m Largura = 1.75 m Altura total do filtro: Adota-se: Fundo falso com difusores. Altura do fundo falso = 0.6 m Espessura da camada suporte = 0.7 m Espessura da camada filtrante = 1.0 m Lâmina de água sobre o leito filtrante = 2.2 m Borda livre = 0.5 m Altura total = 5.0 m Quantitativos para distribuição de fundo e camadas suporte e filtrante Adota-se densidade de difusores de fundo = 30 peças /m² para A filtração = 28.8 m² Quantidade de difusores = 864 peças Adota-se: Espessura da camada de pedregulho = 0.7 m Espessura da camada de areia = 0.3 m Espessura da camada de antracito = 0.7 m para A filtração = 28.8 m² Volume de pedregulho = 23.2 m³ Volume de areia = 9.9 m³ Adota-se folga de 15 % Volume de antracito = 23.2 m³ Sistema de Lavagem a Contra-corrente Adota-se lavagem com ar e água Lavagem com água (dimensionamento do tanque de água para lavagem e das bombas de lavagem): Adota-se v ascencional para lavagem = 0.90 m/min Para área de um filtro = 5.76 m² Q lavagem = 5.2 m³/min ou 86 L/s Adota-se tempo máximo de lavagem = 8 min V água filtrada necessário = 41 m³ O reservatório elevado atualmente usado para a lavagem dos filtros possui volume estimado

7 de 50 m³, o que atende a demanda necessária para a lavagem dos filtros propostos. Portanto, adota-se lavagem por gravidade a partir do reservatório elevado existente na cobertura da casa de química. Ou seja, adota-se na integra a estrutura de lavagem atualmente instalada. Lavagem com ar (dimensionamento dos sopradores): Adota-se Taxa de aplicação de ar = 1.2 m 3 /min.m 2 de filtro Área de filtração = 5.76 m² Vazão de ar = 6.91 m³/min ou 415 m³/h Pressão necessária = 4 mca Adotam-se dois ( de reserva) sopradores do tipo roots, próprios para o seguinte ponto de operação: Q ar = 450 Nm³ ar/h Pressão de trabalho = 4 mca 5 - Câmara de Contato Para Condicionamento Final da Água Tratada Adota-se td = 30 min p/ Q dim = 50 L/s ou 3 m³/min V necessário = 90 m³ Adota-se formato retangular com: Comprimento = 8.0 m Largura = 4.0 m Profundidade útil = 3.0 m Borda livre = 0.5 m Espaçamento entre chicanas = 1.0 m V efetivo = 96 m³ 6 - Casa de Química Armazenamento e Dosagem de Coagulante Armazenamento dosagem p/ armazenamento = 30 mg/l (adotado) 50 l/s Q prod ativo = 1.5 g/s ou 5.4 kg/h Para solução comercial a 40 % 400 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1400 kg/m³ Teor de produto ativo = 560 kg/m³

8 Q solução = m³/h ou 9.6 l/h Consumo diário para a dosagem média = l/dia Atualmente estão sendo implantados dois tanques estacionários verticais, cada um com volume útil de 12 m³, perfazendo total de 24 m³ decaacidade de armazenamento. Consumo mensal = 6943 litros ou 7 m³ Portanto, os tanques em implantação atendem à futura demanda relativa a mais de 3 meses de consumo. Dosagem dosagem máxima = 50 mg/l (adotado) 50 l/s Q prod ativo = 2.5 g/s ou 9 kg/h Para solução comercial a 40 % 400 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1400 kg/m³ Teor de produto ativo = 560 kg/m³ Q solução = m³/h ou 16.1 l/h Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal (1 + 1 de reserva) cada uma com capacidade para dosagem de até 20 L/h de solução comercial de sulfato e alumínio Preparo e Dosagem de Alcalinizante Adota-se o emprego de barrilha como substância alcalinizante Preparo da Solução dosagem p/ preparo = 30 mg/l (adotado) 50 l/s Q prod ativo = 1.5 g/s ou 5.4 kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou l/h Para autonomia do tanque de preparo de 24 horas: V tanque de preparo = 2880 litros Adotam-se dois tanques em paralelo para operação alternada, cada um com V útil = 3 m³. Dotados de misturadores mecânicos de eixo vertical, do tipo turbina. Dosagem

9 Ajuste ph de coagulação: dosagem p/ aplicação = 20 mg/l (dosagem máxima adotada) 50 l/s Q prod ativo = 1 g/s ou 3.6 kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou 80.0 l/h Ajuste ph da água tratada: dosagem p/ aplicação = 30 mg/l (dosagem máxima adotada) 50 l/s Q prod ativo = 1.5 g/s ou 5.4 kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou l/h Adotam-se 3 bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, sendo 1 para o ajuste do ph de coagulação, 1 para o ajuste do ph da água tratada e uma de reserva comum, cada uma com capacidade para a dosagem de até 150 L/h de solução de barrilha a 5 % Armazenamento, Preparo e Dosagem de Polímero Auxiliar de Floculação dosagem = 0.2 mg/l 50.0 L/s Q prod ativo = 0.0 g/s ou kg/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 % Q solução = m³/h ou 37 l/h Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 40 L/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 40 L/h de polímero a 0,1 % Armazenamento e Dosagem de Hipoclorito de Sódio

10 Armazenamento Dosagem média = 4.0 mg/l 50 l/s Consumo de cloro = 200 mg Cl / s ou 17.3 kg Cl / dia Consumo mensal = 518 kg Cl / mês Para solução comercial a 12 % 120 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1200 kg/m³ Teor de produto ativo = 144 kg/m³ V solução = 4 m³ Adota-se 1 tanque estacionário com capacidade para armazenar 5 m³ de solução concentrada de hipoclorito de sódio. Dosagem para Desinfecção: dosagem máxima = 6.0 mg/l 50 l/s Q dosagem cloro ativo = 300 mg/s ou 1.08 kg/h Q solução = m³/h ou 7.5 l/h Adotam-se 2 bombas dosadoras do tipo helicoidais (1 + 1 de reserva), com capacidade mínima de dosagem de 10 L/h Armazenamento e Dosagem de Ácido Fluossilícico Dosagem dosagem = 1.0 mg/l (adotado) 0.0 l/s ou 0 l/h Q dos = ( R x Q (l/h) x dosagem (mg/l)) / C fluoreto (mg/l) Concentração de fluoreto no ácido (C fluoreto) = 235 mg/l Relação entre peso molecular do ácido e do fluor no ácido (R) = Q dos = 0.00 l/h Adotam-se 2 bombas dosadoras (1 + 1 de reserva), próprias para dosar ácido fluossilícico, que atenda a dosagem de até 1 L/h. Armazenamento

11 Consumo diário de solução comercial = 0.0 l/dia Autononia de armazenamento = 30 dias Volume de ácido necessário = 0 litros ou m³ Adota-se um tanque estacionário horizontal com capacidade de 1,0 m³. 7 - Tratamento de Efluentes Definição do Regime Crítico de Geração de Efluentes Efluentes Gerados na Lavagem dos Filtros Número de filtros = 5 unidades Dimensões de cada célula de lavagem : Comprimento = 3.3 m Largura = 1.75 m Área = 5.76 m² Adota-se v asc para lavagem = 0.8 m/min Vazão de água p/ lavagem de um filtro (Vf) = Tempo de lavagem adotado = 4.6 m³/min 8 min Volume de água para a lavagem de um filtro (Vf) = 37 m³ Número de filtros (nf) = 5 un Carreira de filtração (cf) = 24 horas (adotado) Frequência de lavagem: f = cf (h) / nf (un) f = 4.80 horas V total diário efluente filtros = 184 m³ Número de descartes = 5 descartes/dia V por descarte = 37 m³ Efluentes Gerados nos Descartes dos Decantadores Adota-se o Emprego da Expressão: Ts = [ (dos Al 2 SO 4. 0,26) + (Turbidez da água bruta x 1,5) ] Onde: dosagem de sulfato de alumínio em mg/l turbidez da água bruta em ut Ts é a produção de sólidos (g SST/m 3 de água tratada)

12 dos sulfato de alumínio = 40.0 mg/l (adotado) Turbidez da água bruta = 500 ut (*) (*) - Adota-se média dos valores máximos dos meses do período úmido Ts = gsst/m 3 água tratada p/ volume diário de água tratada = 4320 m³/dia Ts diária = gsst/dia ou 3285 kgsst/dia Supondo que: parcela retida nos decantadores = 70 % parcela retida nos filtros = 30 % SS retido nos decantadores = SS retido nos filtros = 2299 kgss/dia 985 kgss/dia Estimativa do volume de lodo descartado dos decantadores: Adota-se concentração dos lodos sedimentados = 10 kgss/m³ Para SS = 2299 kgss/m³ Volume diário de lodo descartado = 230 m³ Estação Elevatória dos Efluentes Descartados Vazão de efluente da lavagem dos filtros = 5 m³/min ou 77 L/s Vazão de efluente do descarte de lodo: V diário lodo = 230 m³ Para 4 descartes diários: V descarte = 57 m³ Para Q recalque bombas = 77 L/s ou 276 m³/h Tempo de descarte de lodo decantadores = 0.2 horas ou 12 minutos Adotam-se duas bombas (1 + 1 de reserva) do tipo submersíveis de eixo vertical, com capacidade para: Q recalque = 80 L/s AMT = 10 mca Dimensionamento do Sistema de Regularização de Vazão e Homogeneização dos Efluentes da lavagem dos filtros Determinação da vazão de regularização para o estabelecimento de um fluxo contínuo V total efluentes = 414 m³/dia

13 Qr (m³/h) = V diário ef (m³) / 24 (horas) Qr = 17.3 m³/h 4.8 l/s Dimensionamento do Volume de Regularização Necessário V lavagem de um filtro = 37 m³ Adotam-se dois descartes diários de lodo dos decantadores. Portanto: Número de descartes diários = 4 V por descarte decantador = 57 m³ Adota-se por segurança, volume de regularização igual a soma dos descartes simultâneos de um filtro e um decantador V tanque de regularização = 94 m³ Os 4 decantadores existentes e a serem desativados, possuem, cada um, volume útil de cerca de 240 m³. Portanto, uma unidade pode ser adaptada para a função de regularização das decargas do efluentes, atendendo com bastante folga a demanda prevista para a condição crítica de máxima geração de efluentes. Para a regularização dos efluentes, deverão ser instalados: 2 (1 + 1 de reserva) motobombas para: Q rec = 5.0 L/s AMT = 20.0 mca 1 misturador submersível Dimensionamento do Sistema de Clarificação e Adensamento dos Efluentes Adota-se taxa de aplicação superficial (ts) = 12 m³/m² x dia Vazão de regularização dos efluentes (Qr) = 5.0 L/s 432 m³/dia Área de decantação necessária = Qr (m³/dia) / ts (m³/m²x dia) Ad = 36.0 m² Para um tanque: Área necessária = 36.0 m Adota-se tanque quadrado com lado igual a 6.0 m Adotam-se 4 poços de lodo com: base maior quadrada com lado = base menor quadrada com lado = inclinação de parede = altura útil = 3.00 m 0.30 m 60 graus 2.40 m Adota-se um decantador com: Formato quadrado com lado = Altura útil na porção vertical = 6.0 m 2.5 m

14 quatro poços de lodo com : base maior L = 3.00 m base menor L = 0.30 m Inclinação das paredes = 60 graus altura útil = 2.40 m borda livre com 0.3 m altura total = 5.2 Verificação como adensador: M SS aduzida ao tanque: MSS = gss/dia ou 3285 kgss/dia A decantador = m² taxa de aplicação de sólidos = kgss/m²xdia ou 3.80 kgss/m²xh Dimensionamento do Sistema de Desaguamento do Lodo Tanque de Armazenamento de Lodo Adensado Critério de dimensionamento: Adota-se capacidade para armazenar V diário de lodo gerado MSS gerado = 3285 kgsst/dia Concentração do lodo adensado = 20 kgsst/m³ ou 2 % V lodo diário = 164 m³/dia Os 4 decantadores existentes e a serem desativados, possuem, cada um, volume útil de cerca de 240 m³. Portanto, uma unidade pode ser adaptada para a função de armazenamento do lodo, atendendo com folga a demanda de armazenamento diária para condição crítica de geração de lodo adensado. Adota-se a instalação de 1 misturador submersível para a hogeneização do lodo adensado Dimensionamento dos Desaguadores MSS = 3285 kgss/dia concentração do lodo adensado = 20 kgss/m³ (Adotado) volume de lodo diário = 164 m³/dia período de desaguamento diário = 16 h/dia (Adotado) Vazão de lodo para as centrífugas = 10.3 m³/h Adotam-se dois desaguadores cada um com capacidade de desaguamento de: 5.0 m³ de lodo por hora, sendo que o lodo de entrada apresenta uma concentração de 20 kgss/m³. O lodo desaguado deverá apresentar uma concentração de SS de cerca de 250 kgss/m³.

15 Os 2 desaguadores deverão operar em paralelo, em quantidade compatível com o momento em termos de quantidade de lodo gerado. Dimensionamento das Bombas de Alimentação das Centrífugas Adotam-se 3 (2 + 1 reserva) bombas do tipo deslocamento positivo helicoidal para a alimentação das centrífugas, cada bomba deverá atender o seguinte ponto operacional: Vazão de alimentação = 5.0 m³/h Altura manometrica = 5.0 mca Polímero para a Sedimentação e Adensamento do Lodo dosagem = 2 mg/l 18.0 m³/h Q prod ativo = 36.0 g/h ou kg/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 % Q solução = m³/h ou 37 l/h Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 40 l/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 40 L/h de polímero a 0,1 %. Polímero para o Desaguamento do Lodo dosagem = MSS = 5.0 g pol/kg SS 3285 kgss/dia Vazão mássica p/ centrífuga = 205 kgss/h Vazão mássica de polímero = 1027 g pol/h ou kg pol/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 % Q solução = m³/h ou 1047 l/h Adotam-se 3 (2 + 1 reserva) bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 550 l/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 1100 L/h de polímero a 0,1 %.

16 DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 156 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura de 1 pé Capacidade de medição de vazão de até 450 L/s Gradiente de velocidade para mistura rápida de cerca de 750 s -1 Portanto: um canal com: Largura = 1.0 m Comprimento = 6.0 m Altura = 1.0 m Com calha Parshall de fibra de vidro com dimensões padrão para garganta com largura de 1 pé. 2 - Floculação Adota-se tempo de detenção hidráulico = 30 min p/ Q dim = 156 L/s ou 9.36 m³/min V total = m³ Adotam-se 2 conjuntos em paralelo, cada um com 4 câmaras em série: V conjunto = 140 m³ V Câmara = 35 m³ Formato quadro com: Lado = 3.2 m Profundidade útil = 3.5 m Borda livre = 0.3 m Dimensões finais: 2 conjuntos formados, cada um, por 4 câmaras em série com: Lado = 3.2 m Profundidade útil = 3.5 m Borda livre = 0.3 m Cada câmara deverá ser equipada com um floculador mecânico com turbina de fluxo axial capaz de imprimir à massa líquida gradiante máximo de velocidade da ordem de 80 s -1, sendo dotado de inversor de frequência para variação de sua rotação. 3 - Decantação Dimensões Básicas Adotam-se decantadores lamelares de alta taxa Adota-se taxa de aplicação superficial = 120 m³/m² x dia

17 p/ Q dim = 156 L/s ou m³/dia Área necessária de decantação = m² Adotam-se dois decantadores em paralelo, de formato retangular, com: Largura útil = 5.7 m Comprimento = 10.0 m Área útil efetiva = 57.3 m² por decantador Taxa de aplicação efetiva = 118 m³/m² x dia Determinação das Dimensões do Elemento de Distribuição de Água Floculada Adota-se número de aberturas = Portanto: 20 aberturas 10 aberturas de cada lado p/ comprimento decantador = m distância entre aberturas = 1.00 m Critério de dimensionamento: Número Froude canal = Número Froude abertura Fc = Fa F = v / (g x h) 1/2 vc / va = (n x Aa) / Ac n x Aa / Ac <= 1,0 Adota-se: n x Aa / Ac = 1.0 Adota-se seção de início do canal de formato retangular com: Altura = 1.00 m Largura = 0.60 m Ac = 0.60 m² Portanto p/ n = 20 aberturas Aa = 0.03 m² p/ formato circular: Diâmetro = 0.20 m Portanto: Seção início do canal Ac = 0.60 m² Altura = 1.00 m Largura = 0.60 m Aberturas circulares com Aa = 0.03 m² Diâmetro = 0.20 m Dimensionamento da seção intermediária do canal: p/ n x Aa / Ac = 1 Aa = 0.03 m² n = 10 aberturas Ac = 0.3 m² Altura = 0.50 m Largura = 0.60 m Seção intermediária com: Ac = 0.3 m² Altura = 0.50 m Largura = 0.60 m

18 3.3 - Dimensionamento e Verificação Hidráulica dos Módulos Laminares Características dos módulos: Comprimento (l) = 100 cm Espaçamento entre laminas (esp) = 6 cm Ângulo de inclinação = 60 graus L útil = l - eh x cos α onde: L útil = L é o comprimento das lâminas (cm) eh é a projeção horizontal do espaçamento entre lâminas (cm) α é o ângulo das lâminas em relação à horizontal (graus) cm L = Lútil / esp L = cm A = Q / (F x vs) onde: A é a área útil superficial (m²) Q é a vazão de dimensionamento (m³/s) F é um fator de correção vs é a velocidade de sedimentação (m/s) Adota-se vs = adota-se vs = 1.7 cm/min ou 2.83E-04 m/s F = sen α x ( (sen α + L x cos α) / s ) onde: s = 1.3 (módulos laminares) F = 5.94 A = m² Determinação do número de canais laminares: N = (A x sen α) / (w útil x esp) w útil = N = 5.13 m 130 canais Determinação do comprimento total do decantador: C = l cos α + ( (N x esp + (N + 1) x e) / sen α ) onde: e é a espessura das placas formadoras das lâminas em (m) adota-se e = m C = 9.69 m Adota-se C = m Determinação do número de canais efetivo:

19 C = l cos α + ( (N x esp + (N + 1) x e) / sen α ) p/ C = m N efetivo = 135 canais Determinação da área efetiva: N = (A x sen α) / (w útil x esp) p/ N efetivo = 135 canais A efetiva = m² Determinação da velocidade longitudinal no interior dos elementos tubulares: vo = Q / (A efet. x sen α) vo = m/s ou 0.19 cm/s Número de Reynolds resultante a 20 graus centígrados: N R = (4 R H x vo) / ν ν = 0.01 R H = 3.16 cm N R = 237 OK Velocidade Longitudinal Crítica: vo crit. = (N R /8) 0,5 x vcs vo crit. = 5.44 x vcs vcs = (2 x ν x L) / esp vcs = vo crit. = cm/s 0.29 cm/s p/ vo = 0.19 OK Dimensionamento dos Poços de Armazenamento de Lodo Número de fileiras de poços pela largura = 2 Número de fileiras de poços pelo comprimento = 4 Largura = Comprimento = 6.3 m 10.0 m Dimensões em planta dos poços: 3.17 por 2.50 m Fundo quadrado com lado = 0.30 m

20 Declividade mínima das paredes inclinadas = 60 graus Altura dos poços = 2.48 m Dimensões finais base maior: comprimento = 3.17 m de cada poço: largura = 2.50 m base menor: lado = 0.30 m altura = 2.48 m Total de 8 poços de lodo por decantador Altura total do decantador: altura poço de lodo = distância entre poço e duto água floculada = distância entre base duto e base módulos laminares = altura dos módulos laminares = distância entre módulos e tubos de coleta = Borda livre = altura total = 2.48 m 0.50 m 0.50 m 0.87 m 0.30 m 0.40 m 5.05 m Dimensionamento das Tubulações de Coleta de Líquido Decantado Adota-se altura das tubulações em relação aos módulos laminares = 0.3 m Determinação da distância entre tubos: d max / h = 432 / v asc onde: d max é a distância máxima entre tubos (m) h é a altura em relação aos módulos laminares (m) V asc é a velocidade ascencional da água no decantador (m³/m² x dia) p/ A efetiva decantador = m² p/ 6739 m³/dia tx sup efetiva = 140 m³/m² x dia d max = 0.92 m p/ comprimento decantador = m Adota-se número de tubos = 12 Distância efetiva entre tubos = 0.83 m Portanto adotam-se: Número total de tubos = 24 Distância entre tubos = 0.83 m Diâmetro dos tubos = 100 mm 4 - Filtração Dimensões Básicas Adotam-se filtros rápidos de fluxo descendente com leito misto de areia e antracito

21 Adota-se taxa de filtração = 150 m³/m² x dia p/ Q dim = 156 L/s ou m³/dia Área total = m² Adotam-se 5 filtros em paralelo: A cada filtro = 18.0 m² Comprimento = 7.2 m Largura = 2.5 m Altura total do filtro: Adota-se: Fundo falso com difusores. Altura do fundo falso = 0.6 m Espessura da camada suporte = 0.7 m Espessura da camada filtrante = 1.2 m Lâmina de água sobre o leito filtrante = 2.0 m Borda livre = 0.5 m Altura total = 5.0 m Quantitativos para distribuição de fundo e camadas suporte e filtrante Adota-se densidade de difusores de fundo = 30 peças /m² para A filtração = 90 m² Quantidade de difusores = 2696 peças Adota-se: Espessura da camada de pedregulho = 0.7 m Espessura da camada de areia = 0.3 m Espessura da camada de antracito = 0.7 m para A filtração = 90 m² Volume de pedregulho = 72.3 m³ Volume de areia = 31.0 m³ Adota-se folga de 15 % Volume de antracito = 72.3 m³ Sistema de Lavagem a Contra-corrente Adota-se lavagem com ar e água Lavagem com água (dimensionamento do tanque de água para lavagem e das bombas de lavagem): Adota-se v ascencional para lavagem = 0.90 m/min Para área de um filtro = m² Q lavagem = 16.2 m³/min ou 270 L/s Adota-se tempo máximo de lavagem = 8 min V água filtrada necessário = 129 m³ O reservatório elevado atualmente usado para a lavagem dos filtros possui volume estimado

22 de 50 m³, o que representa apenas cerca da metada da demanda necessária para a lavagem dos filtros propostos. Portanto, adota-se lavagem direta por recalque, a ser feita por dois conjuntos motobomba (1 + 1 de reserva), cada um com capacidade para: Q recalque = 270 L/s AMT = 15 mca Potência teórica = 77 CV Potência do motor = 100 CV Esses conjuntos de recalque deverão usar como poço de sucção o reservatório de 700 m³ existente no CR ETA e atualmente utilizado como poço de sucção dos sistemas de recalque responsáveis pela adução de água tratada para o sistema de distribuição. Lavagem com ar (dimensionamento dos sopradores): Adota-se Taxa de aplicação de ar = 1.2 m 3 /min.m 2 de filtro Área de filtração = m² Vazão de ar = m³/min ou 1294 m³/h Pressão necessária = 4 mca Adotam-se dois ( de reserva) sopradores do tipo roots, próprios para o seguinte ponto de operação: Q ar = 1300 Nm³ ar/h Pressão de trabalho = 4 mca 5 - Câmara de Contato Para Condicionamento Final da Água Tratada Adota-se td = 30 min p/ Q dim = 156 L/s ou 9.36 m³/min V necessário = m³ Adota-se formato retangular com: Comprimento = 12.0 m Largura = 8.0 m Profundidade útil = 3.0 m Borda livre = 0.5 m Espaçamento entre chicanas = 1.0 m V efetivo = 288 m³ 6 - Casa de Química Armazenamento e Dosagem de Coagulante Armazenamento

23 dosagem p/ armazenamento = 30 mg/l (adotado) 156 l/s Q prod ativo = 4.68 g/s ou kg/h Para solução comercial a 40 % 400 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1400 kg/m³ Teor de produto ativo = 560 kg/m³ Q solução = m³/h ou 30.1 l/h Consumo diário para a dosagem média = l/dia Atualmente estão sendo implantados dois tanques estacionários verticais, cada um com volume útil de 12 m³, perfazendo total de 24 m³ decaacidade de armazenamento. Consumo mensal = litros ou 22 m³ Portanto, os tanques em implantação atendem à futura demanda mensal. Dosagem dosagem máxima = 50 mg/l (adotado) 156 l/s Q prod ativo = 7.8 g/s ou kg/h Para solução comercial a 40 % 400 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1400 kg/m³ Teor de produto ativo = 560 kg/m³ Q solução = m³/h ou 50.1 l/h Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal (1 + 1 de reserva) cada uma com capacidade para dosagem de até 50 L/h de solução comercial de sulfato e alumínio Preparo e Dosagem de Alcalinizante Adota-se o emprego de barrilha como substância alcalinizante Preparo da Solução dosagem p/ preparo = 30 mg/l (adotado) 156 l/s Q prod ativo = 4.68 g/s ou kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou l/h Para autonomia do tanque de preparo de 24 horas:

24 V tanque de preparo = 8986 litros Adotam-se dois tanques em paralelo para operação alternada, cada um com V útil = 10 m³. Dotados de misturadores mecânicos de eixo vertical, do tipo turbina. Dosagem Ajuste ph de coagulação: dosagem p/ aplicação = 20 mg/l (dosagem máxima adotada) 156 l/s Q prod ativo = 3.12 g/s ou kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou l/h Ajuste ph da água tratada: dosagem p/ aplicação = 30 mg/l (dosagem máxima adotada) 156 l/s Q prod ativo = 4.68 g/s ou kg/h Concentração da solução de dosagem = 5 % 50 kg/m³ Pureza do produto = 90 % Q solução = m³/h ou l/h Adotam-se 3 bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, sendo 1 para o ajuste do ph de coagulação, 1 para o ajuste do ph da água tratada e uma de reserva comum, cada uma com capacidade para a dosagem de até 400 L/h de solução de barrilha a 5 % Armazenamento, Preparo e Dosagem de Polímero Auxiliar de Floculação dosagem = 0.2 mg/l L/s Q prod ativo = 0.0 g/s ou kg/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 % Q solução = m³/h ou 115 l/h

25 Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 120 L/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 120 L/h de polímero a 0,1 % Armazenamento e Dosagem de Hipoclorito de Sódio Armazenamento Dosagem média = 4.0 mg/l 156 l/s Consumo de cloro = 624 mg Cl / s ou 53.9 kg Cl / dia Consumo mensal = 1617 kg Cl / mês Para solução comercial a 12 % 120 kg/m³ Para densidade da solução comercial = 1200 kg/m³ Teor de produto ativo = 144 kg/m³ V solução = 11 m³ Adotam-se 2 tanques estacionários com capacidade para armazenar 5 m³ de solução concentrada de hipoclorito de sódio, cada um. Dosagem para Desinfecção: dosagem máxima = 6.0 mg/l 156 l/s Q dosagem cloro ativo = 936 mg/s ou 3.37 kg/h Q solução = m³/h ou 23.4 l/h Adotam-se 2 bombas dosadoras do tipo helicoidais (1 + 1 de reserva), com capacidade mínima de dosagem de 25 L/h Armazenamento e Dosagem de Ácido Fluossilícico Dosagem dosagem = 1.0 mg/l (adotado) l/s ou l/h Q dos = ( R x Q (l/h) x dosagem (mg/l)) / C fluoreto (mg/l) Concentração de fluoreto no ácido (C fluoreto) = 235 mg/l Relação entre peso molecular do ácido e do fluor no ácido (R) = 1.263

26 Q dos = 3.02 l/h Adotam-se 2 bombas dosadoras (1 + 1 de reserva), próprias para dosar ácido fluossilícico, que atenda a dosagem de até 3 L/h. Armazenamento Consumo diário de solução comercial = 72.4 l/dia Autononia de armazenamento = 30 dias Volume de ácido necessário = 2173 litros ou m³ Adota-se um tanque estacionário horizontal com capacidade de 3,0 m³. 7 - Tratamento de Efluentes Definição do Regime Crítico de Geração de Efluentes Efluentes Gerados na Lavagem dos Filtros Número de filtros = 5 unidades Dimensões de cada célula de lavagem : Comprimento = 7.2 m Largura = 2.5 m Área = m² Adota-se v asc para lavagem = 0.8 m/min Vazão de água p/ lavagem de um filtro (Vf) = Tempo de lavagem adotado = 14.4 m³/min 8 min Volume de água para a lavagem de um filtro (Vf) = 115 m³ Número de filtros (nf) = 5 un Carreira de filtração (cf) = 24 horas (adotado) Frequência de lavagem: f = cf (h) / nf (un) f = 4.80 horas V total diário efluente filtros = 575 m³ Número de descartes = 5 descartes/dia V por descarte = 115 m³ Efluentes Gerados nos Descartes dos Decantadores Adota-se o Emprego da Expressão:

27 Ts = [ (dos Al 2 SO 4. 0,26) + (Turbidez da água bruta x 1,5) ] Onde: dosagem de sulfato de alumínio em mg/l turbidez da água bruta em ut Ts é a produção de sólidos (g SST/m 3 de água tratada) dos sulfato de alumínio = 40.0 mg/l (adotado) Turbidez da água bruta = 500 ut (*) (*) - Adota-se média dos valores máximos dos meses do período úmido Ts = gsst/m 3 água tratada p/ volume diário de água tratada = m³/dia Ts diária = gsst/dia ou kgsst/dia Supondo que: parcela retida nos decantadores = 70 % parcela retida nos filtros = 30 % SS retido nos decantadores = SS retido nos filtros = 7174 kgss/dia 3075 kgss/dia Estimativa do volume de lodo descartado dos decantadores: Adota-se concentração dos lodos sedimentados = 10 kgss/m³ Para SS = 7174 kgss/m³ Volume diário de lodo descartado = 717 m³ Estação Elevatória dos Efluentes Descartados Vazão de efluente da lavagem dos filtros = 14 m³/min ou 240 L/s Vazão de efluente do descarte de lodo: V diário lodo = 717 m³ Para 4 descartes diários: V descarte = 179 m³ Para Q recalque bombas = 240 L/s ou 863 m³/h Tempo de descarte de lodo decantadores = 0.2 horas ou 12 minutos Adotam-se duas bombas (1 + 1 de reserva) do tipo submersíveis de eixo vertical, com capacidade para: Q recalque = 250 L/s AMT = 10 mca

28 7.3 - Dimensionamento do Sistema de Regularização de Vazão e Homogeneização dos Efluentes da lavagem dos filtros Determinação da vazão de regularização para o estabelecimento de um fluxo contínuo V total efluentes = 1293 m³/dia Qr (m³/h) = V diário ef (m³) / 24 (horas) Qr = 53.9 m³/h 15.0 l/s Dimensionamento do Volume de Regularização Necessário V lavagem de um filtro = 115 m³ Adotam-se dois descartes diários de lodo dos decantadores. Portanto: Número de descartes diários = 4 V por descarte decantador = 179 m³ Adota-se por segurança, volume de regularização igual a soma dos descartes simultâneos de um filtro e um decantador V tanque de regularização = 294 m³ Os 4 decantadores existentes e a serem desativados, possuem, cada um, volume útil de cerca de 240 m³. Portanto, duas unidades podem ser adaptadas para a função de regularização das descargas dos efluentes, atendendo com bastante folga a demanda prevista para a condição crítica de máxima geração de efluentes. Para a regularização dos efluentes, deverão ser instalados: 2 (1 + 1 de reserva) motobombas para: Q rec = 15.0 L/s AMT = 20.0 mca 2 misturadores submersíveis (um para cada tanque) Dimensionamento do Sistema de Clarificação e Adensamento dos Efluentes Adota-se taxa de aplicação superficial (ts) = 12 m³/m² x dia Vazão de regularização dos efluentes (Qr) = 15.0 L/s 1296 m³/dia Área de decantação necessária = Qr (m³/dia) / ts (m³/m²x dia) Ad = m² Para um tanque: Área necessária = m Adota-se tanque quadrado com lado igual a 10.4 m Adotam-se 4 poços de lodo com: base maior quadrada com lado = base menor quadrada com lado = inclinação de parede = 5.00 m 0.30 m 60 graus

29 altura útil = 4.10 m Adota-se um decantador com: Formato quadrado com lado = 10.0 m Altura útil na porção vertical = 2.5 m quatro poços de lodo com : base maior L = 5.00 m base menor L = 0.30 m Inclinação das paredes = 60 graus altura útil = 4.10 m borda livre com 0.3 m altura total = 6.9 Verificação como adensador: M SS aduzida ao tanque: MSS = gss/dia ou kgss/dia A decantador = m² taxa de aplicação de sólidos = kgss/m²xdia ou 4.27 kgss/m²xh Dimensionamento do Sistema de Desaguamento do Lodo Tanque de Armazenamento de Lodo Adensado Critério de dimensionamento: Adota-se capacidade para armazenar V diário de lodo gerado MSS gerado = kgsst/dia Concentração do lodo adensado = 20 kgsst/m³ ou 2 % V lodo diário = 512 m³/dia Os 4 decantadores existentes e a serem desativados, possuem, cada um, volume útil de cerca de 240 m³. Portanto, duas unidades podem ser adaptadas para a função de armazenamento do lodo, perfazendo uma capacidade total de cerca de 480 m³ que praticamente atende a demanda de armazenamento diária para condição crítica de geração de lodo adensado. Adota-se a instalação de 2 misturadores submersíveeis para a hogeneização do lodo adensado (1 em cada tanque de lodo) Dimensionamento dos Desaguadores MSS = kgss/dia concentração do lodo adensado = 20 kgss/m³ (Adotado) volume de lodo diário = 512 m³/dia

30 período de desaguamento diário = 20 h/dia (Adotado) Vazão de lodo para as centrífugas = 25.6 m³/h Adotam-se cinco desaguadores cada um com capacidade de desaguamento de: 5.0 m³ de lodo por hora, sendo que o lodo de entrada apresenta uma concentração de 20 kgss/m³. O lodo desaguado deverá apresentar uma concentração de SS de cerca de 250 kgss/m³. Os desaguadores deverão operar em paralelo, em quantidade compatível com o momento em termos de quantidade de lodo gerado. Dimensionamento das Bombas de Alimentação das Centrífugas Adotam-se 6 (5 + 1 reserva) bombas do tipo deslocamento positivo helicoidal para a alimentação das centrífugas, cada bomba deverá atender o seguinte ponto operacional: Vazão de alimentação = 5.0 m³/h Altura manometrica = 5.0 mca Polímero para a Sedimentação e Adensamento do Lodo dosagem = 2 mg/l 54.0 m³/h Q prod ativo = g/h ou kg/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 % Q solução = m³/h ou 110 l/h Adotam-se duas bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 110 l/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 100 L/h de polímero a 0,1 %. Polímero para o Desaguamento do Lodo dosagem = MSS = 5.0 g pol/kg SS kgss/dia Vazão mássica p/ centrífuga = 641 kgss/h Vazão mássica de polímero = 3203 g pol/h ou kg pol/h Adota-se solução de dosagem com concentração de 0.1 % 1.0 kg/m³ Pureza do produto comercial = 98 %

31 Q solução = m³/h ou 3268 l/h Adotam-se 6(5 + 1 reserva) bombas dosadoras do tipo deslocamento positivo helicoidal, próprias para solução de polímero, que atendam a dosagem de até 700 l/h. Adota-se equipamento automático de preparo e dosagem de polímero com capacidade para preparo de 3500 L/h de polímero a 0,1 %.

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

T R A T A M E N T O D E Á G U A

T R A T A M E N T O D E Á G U A T R A T A M E N T O D E Á G U A Estações de Tratamento de Água ( ETA ): Têm pôr objetivo transformar água bruta, imprópria para consumo humano, em água potável, própria para este fim. O tratamento da água

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO. Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA

PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO. Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA OBJETIVOS DO TRATAMENTO DE ÁGUA Remover ou inativar patogênicos Remover substâncias em suspensão ou dissolvidas(cor,

Leia mais

Pulsapak. Planta Compacta de Tratamento de Água Potável

Pulsapak. Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Pulsapak Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Pulsapak Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Cidade de Plantagenet, Ontário. Vazão: 70 m3/h (308 US GPM). O Pulsapak, uma planta compacta

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

Cálculo da Velocidade na Secção de Medida

Cálculo da Velocidade na Secção de Medida DIMENSIONAMENTO DAS UNIDADES DE MISTURA RÁPIDA E LENTA Dados do Projeto Vazão: 1,0 /s Mistura rápida: Calha Parshall Mistura lenta: Sistea de floculação hidráulico ou ecanizado 1. Diensionaento da Calha

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante.

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. 61 Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. Coagulação/Floculação: Logo na chegada da água bruta ocorre

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010

LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo a ceder ao Serviço de Água e Esgoto de Rio Branco SAERB, o imóvel, benfeitorias e bens móveis que compõem a Segunda Estação de Tratamento

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Coagulação e Floculação 1 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA NÃO POTÁVEL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA NÃO POTÁVEL SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA NÃO POTÁVEL 0 Emissão inicial. Nº Revisões Aprovação Data Cliente Projeto: Endereço Assunto Sistema de tratamento de água não potável Memorial de Cálculo Documento Data: Índice

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. REVISÃO: 01 FEVEREIRO

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 13 Coagulação e Floculação Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESPECIFICAÇÕES

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESECIFICAÇÕES 1- Caracterização dos Efluentes a) arâmetros do rojeto opulação 300 funcionários. Consumo per Capta 62,5 l/dia Taxa de retorno 80% Carga Orgânica por Litro

Leia mais

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 2 INTRODUÇÃO Na saída do floculador espera-se: que toda a matéria em suspensão esteja aglutinada,

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 1 Medição de Vazão João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Definição Vazão: Refere-se a quantidade volumétrica de um fluido que escoa por um duto ou canal em unidade de tempo

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Ricardo Lazzari Mendes (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP).

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 060

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 060 IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO DE FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO EM SUBSTITUIÇÃO AO PROCESSO DE DECANTAÇÃO DE ALTA TAXA NO PRÉ-TRATAMENTO DA ÁGUA BRUTA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE MANTENÓPOLIS - ES Sílvio

Leia mais

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Luciana MENDONÇA 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 2 ; Laureilton José Almeida BORGES 3 ; Haroldo Machado de OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

Termo de Referência 12/2015

Termo de Referência 12/2015 (ISO Em Processo de Implantação) Itapira, 25 de Setembro de 2015. Termo de Referência 12/2015 Especificações para a contratação de empresa especializada para execução, com fornecimento de materiais, equipamento

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA 1.OBJETIVO: O presente memorial visa descrever os serviços e materiais a serem empregados para a execução de abastecimento de água potável a ser implantado

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito).

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). SISTEMA GURJAÚ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 9% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS S CALHA PARSHALL REV 0-2012 MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS 1- INTRODUÇÃO O medidor Parshall desenvolvido pelo engenheiro Ralph L. Parshall, na década de 1920, nos Estados Unidos, é uma melhoria realizada

Leia mais

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. 10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água MS ECO RA 3.000 AUTO ESTAÇÃO COMPACTA PARA TRATAMENTO E REÚSO DE EFLUENTES Cliente: VIACÃO SALUTARIS E TURISMO

Leia mais

Capítulo 1 Aplicações dos sistemas de bombeamento

Capítulo 1 Aplicações dos sistemas de bombeamento 10 Capítulo 1 Aplicações dos sistemas de bombeamento 1.1. NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA Em geral, um sistema convencional de abastecimento público de água potável possui as seguintes etapas: captação de água

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais RECICLAGEM DE ÁGUA CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais Junho/2014 PROCESSO PRODUTIVO Preparo do Cavaco Cozimento e Branqueamento Secagem e Enfardamento Gerador de Energia Evaporação Caldeira de Recuperação

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A 3366ªª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE Título: Redução de consumo de alcalinizante e coagulante com a mudança do ponto de aplicação da cal hidratada no processo de tratamento de água para consumo humano.

Leia mais

6 Mistura Rápida. Continuação

6 Mistura Rápida. Continuação 6 Mistura Rápida Continuação 2 Ressalto em medidor Parshall (calha Parshall): Foi idealizado por R.L. Parshall, engenheiro do Serviço de Irrigação do Departamento de Agricultura dos EUA. Originalmente

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna PSA Plano de Segurança da Água Sistema Passaúna Centro de Treinamento Sala Lago Itaipú Curitiba, 02.jul.2012 Descrição do Sistema de Abastecimento Passaúna Item Processo Descrição 2 Captação É o início

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO:

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: 1 34 a ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO TRABALHO TÉCNICO: TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO COM O USO DE TABLETES DE ÁCIDO TRICLOROISOCIANÚRICO

Leia mais

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do diagnóstico e não Conformidades

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do diagnóstico e não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE AMPARO PRESTADOR: SAAE SANEAMENTO AMBIENTAL AMPARO Relatório R3 Continuação do diagnóstico e não Conformidades Americana,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Filtração. João Karlos Locastro contato:

Filtração. João Karlos Locastro contato: 1 Filtração João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Definição Processo de separação sólido-líquido utilizado para promover a remoção de material particulado presente na fase líquida.

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CATÁLOGO 2014 Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CISTERNAS VERTICAIS Nossa linha de Cisternas Verticais foi desenvolvida para se adaptar às mais diversas estruturas e, atráves de vasos comunicantes,

Leia mais

DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS

DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS Os dosadores de produtos químicos MixRite são acionados unicamente por meio da água, sem outro requerimento adicional de energia. Dosadores Um passo adiante tubos

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 1 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Todos os cálculos e detalhamentos estão de acordo com o prescrito nas normas NBR 6118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto -

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Decantação e Flotação Filtração e desinfecção 1 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Decantação. João Karlos Locastro contato:

Decantação. João Karlos Locastro contato: 1 Decantação João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Definição Literatura Processo de separação sólidolíquido que tem como força propulsora a ação da gravidade (partículas discretas).

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 800 REV.02 SUMÁRIO 2 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com

FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com FAIRBANKS NIJHUIS Introdução Estações de bombeamento sem acompanhamento exigem

Leia mais