Dimensionamento dos Transformadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dimensionamento dos Transformadores"

Transcrição

1 BEV.LAS Data execução.0.0 Revisão 00 Dimensionamento dos Transformadores Localização: Geral Cliente: Aliança Engenheiros Associados S/S Ltda Projetista: CEA Av. de Maio,, andar, salas 0/0 Eng. Resp.: HVR Centro, CEP, 0-0 Jaboticabal, SP página - 0

2 o m. SUBESTAÇÃO - CAPTAÇÃO /0/00 00% (CV) Bomba centrífuga de captação de água 00 0,, 0,0 Bomba centrífuga de captação de água 00 0,,,0 Bomba centrífuga de captação de água 00 0,,,0 Ventilador adiabático 0 0,,0,0 Bomba de água adiabático 0, 0,,,0 Bomba submersa água pluvial 0, 0,,, Iluminação,00, Tomadas de solda 0,,0, TOTAL 0,, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA,0%, POTÊNCIA D0 TRAFO(), TOTAL CARGA(), Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 00,0 In TR (A),0 0,

3 o m SUBESTAÇÃO - TRATAMENTO DE CALDO SETOR Q /0/00 00% (CV) Bomba de Condensado de vapor vegetal 0 0,,0,0 Bomba de Condensado de vapor vegetal 0 0,,, Bomba de Condensado de vapor vegetal 0 0,,0,0 Bomba centrífuga liquidação 0,, 0,0 Bomba helicoidal lodo, 0,,, Bomba helicoidal lodo, 0,,, Bomba centrífuga clarificação de caldo 0 0,,, Bomba centrífuga clarificação de caldo 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga clarificaçâo de caldo 0 0,,, Bomba centrífuga de caldo pré evaporação 0,,, Bomba centrífuga de caldo pré evaporação 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de condensado de VE 0,,, Bomba centrífuga de condensado de VE 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de condensado de VE 0 0,,, Bomba centrífuga de condensado de VE 0 0,,, Decantador 0m, 0, 0, 0, Decantador 0m, 0, 0, 0, Bomba de água adiabático 0, 0,,,0 Ventilador adiabático 0 0,,0,0 Bomba submersa água pluvial 0, 0,,, Alimentador painel limpeza de tubos 0,, 0,0 Bomba de vácuo 0 0,,, Bomba helicoidal lodo 0 0,,0,0 Bomba helicoidal lodo 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de água embebição 0 0,,, Bomba centrífuga de água embebição 0 0,,, Bomba centrífuga de caldo filtrado 0 0,,0,0 Bomba centrífuga de caldo filtrado 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de leite de cal para o tq pulmão 0, 0,,, Bomba helicoidal de leite de cal para dosagem 0, 0,,,0 Bomba helicoidal de leite de cal para dosagem 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba helicoidal de leite de cal p/ tanque de lodo 0, 0, 0, 0, Bomba centrífuga de leite de cal p/ mesa aliment. 0, 0,,, Bomba centrífuga de leite de cal p/ tq de preparo 0, 0,,,0 Bomba helicoidal de solução polímero 0,0% 0, 0, 0, 0, Bomba helicoidal de solução polímero 0,0% 0, 0, 0, 0, Filtro rotativo motor do tambor com inversor 0 0,,, Motor agitador do filtro rotativo, 0,,, Rosca transportadora de bagacilho 0 0,,, Agitador tanque de lodo de m 0, 0,,,0 Tanque de polímero m 0, 0,,,0 Tanque de polímero m 0, 0,,,0 Tanque de pré preparo de cal de 0m 0 0,,, Tanque de pré preparo de cal de 0m 0 0,,, Tanque de pré preparo de cal de 0m 0 0,,, Hidratador de cal 000kg/h 0, 0,,,0 Moega de cal virgem 0, 0,,,0 Iluminação,0, Tomadas de máquinas de solda,0, 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 TOTAL 0, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA 0,0%, POTÊNCIA D0 TRAFO() 0,0 TOTAL CARGA() 0,0 Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 00,0 In TR (A), 0,

4 .co m BEVAP PARACATU SUBESTAÇÃO - FERMENTAÇÃO/ DESTILARIA SETOR Q CCM /0/00 00% (CV) Bomba Centrífuga de Fermento 0 0,,, Bomba Centrífuga de Fermento 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba Centrífuga vinho bruto de recirculação 0 0,,, Bomba Centrífuga vinho bruto de recirculação 0 0,,, Bomba Centrífuga vinho bruto de recirculação 0 0,,, Bomba centrífuga de fundo de dorna 0 0,,, Bomba centrífuga de fundo de dorna 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de vinho bruto 0,, 0,0 Bomba centrífuga de vinho bruto 0,, 0,0 Bomba centrífuga de álcool hidratado 0 0,,0,0 Bomba centrífuga de álcool hidratado 0 0 0, 0,00 0,00 Centrífugas de vinho de 0m/h 00 0,,,0 Centrífugas de vinho de 0m/h 00 0,,,0 Centrífugas de vinho de 0m/h 00 0,,,0 Centrífugas de vinho de 0m/h 00 0,,,0 Bomba centrífuga de vinhaça para sedimentação 0 0,,0, Bomba centrífuga de vinhaça para sedimentação 0 0,,0, Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0, 0,,,0 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de efluente 0 0,,, Bomba centrífuga de efluente 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0,, 0,0 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de lavagem de óleo fúsel 0, 0,,, Bomba centrífuga de lavagem de óleo fúsel 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de óleo fusel 0, 0,,, Bomba centrífuga de óleo fusel 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de álcool produto 0 0,,0,0 Bomba centrífuga de álcool produto 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga flegmaça 0 0,,, Bomba centrífuga flegmaça 0 0,,, Bomba centrífuga soda 0, 0,,, Bomba centrífuga soda 0, 0,,, Bomba centrífuga de vinhaça para sedimentação 0 0,,0, Bomba centrífuga de vinhaça para sedimentação 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0, 0,,,0 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de efluente 0 0,,, Bomba centrífuga de efluente 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0,, 0,0 Bomba centrífuga de refluxo dos condensados 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de lavagem de óleo fúsel 0, 0,,, Bomba centrífuga de lavagem de óleo fúsel 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de óleo fusel 0, 0,,, Bomba centrífuga de óleo fusel 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga álcool - produto 0 0,,0,0 Bomba centrífuga álcool - produto 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga flegmaça 0 0,,, Bomba centrífuga flegmaça 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga soda 0, 0,,, Bomba centrífuga amônia 0, 0,,, Bomba centrífuga de óleo fusel 0,,0, Bomba dosadora de ácido sulfúrico 0, 0, 0, 0, 0, Bomba dosadora de ácido sulfúrico 0, 0, 0, 0, 0, Bomba dosadora de ácido sulfúrico 0 0, 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de álcool de primeira 0 0,,0,0 Bomba centrífuga de alcool de primeira 0 0,,0,0 Bomba centrífuga de álcool de segunda 0, 0, 0, 0, Bomba centrífuga de álcool de segunda 0 0, 0, 0,00 0,00 Bomba dosadora de dispersante 0, 0, 0, 0, 0, Bomba dosadora de dispersante 0 0, 0, 0, 0,00 0,00 Bomba dosadora de anti-espumante 0, 0, 0, 0, 0, Bomba dosadora de anti-espumante 0 0, 0, 0, 0,00 0,00 w

5 .co m 0 Bomba dosadora de nutriente 0, 0, 0, 0, 0, Bomba dosadora de nutriente 0 0, 0, 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de soda concentrada, 0, 0, 0, Bomba centrífuga de soda concentrada 0, 0, 0, 0,00 0,00 Bomba de CIP felgmaça 0 0,,0, Bomba de CIP felgmaça 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba de CIP soda diluida para trocadores 0,, 0,0 Bomba de CIP soda diluida para trocadores 0 0, 0,00 0,00 Bomba de água sistema adiabático 0, 0,,,0 Ventilador sistema adiabático 0 0,,0,0 Bomba submersa água pluvial 0, 0,,, Iluminação,00, Tomadas de solda 0,,0, TOTAL,, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA 0,0%, POTÊNCIA D0 TRAFO(), TOTAL CARGA() Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 00,0 In TR (A) 0,0 0, w w w.

6 o m 0 SUBESTAÇÃO - FERMENTAÇÃO/ DESTILARIA SETOR Q CCM /0/00 00% (CV) Bomba Centrífuga vinho bruto de recirculação 0 0,,, Bomba Centrífuga vinho bruto de recirculação 0 0,,, Bomba centrífuga vinho bruto para os filtros 0 0,,, Bomba centrífuga vinho bruto para os filtros 0 0 0, 0,00 0,00 Bomba centrífuga de vinho delevedurado 0,,, Bomba centrífuga de vinho delevedurado 0 0, 0,00 0,00 Cubas 00m/h 0 0,, 0, Cubas 00m/h 0 0,, 0, Cubas 00m/h 0 0,, 0, Cubas 00m/h 0 0,, 0, Centrífugas de vinho de 0m/h ,,, Filtro autolimpante 00m/h 0, 0,,,0 tanque de diluição de soda 0, 0,,,0 Iluminação,00, 0, 0,00 0,00 TOTAL,, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA 00,0% 0, POTÊNCIA D0 TRAFO(),0 TOTAL CARGA(),0 Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 000,0 In TR (A), 0,

7 m SUBESTAÇÃO - DIFUSOR SETOR Q CCM- /0/00 00% (CV) Mesa alimentadora de cana simples - lado esq. 00 0,,,0 Mesa alimentadora de cana simples - lado dir. 00 0,,,0 Bomba de água lavagem mesa p/ peneira rotativa 0 0,,, Separador de palha lateral mesa alim., 0,,, Esteira transportadora de cana " 0,, 0,0 Espalhador de cana " com acionamento 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana A 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana B 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana C 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana D 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana E 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana F 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana G 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana H 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana I 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana J 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana K 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0A 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0B 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0C 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0D 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0E 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0F 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0G 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0H 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0I 0 0,,, Estação descompactadora do colchão de cana 0J 0 0,,, Estação descompactadora A ao 0 0,,, Bomba de caldo embebição para aquecedor 0,,, Bomba de caldo misto controle de flood 0,, 0,0 Bomba de leite de cal 0, 0,,, Bomba de leite de cal 0, 0,,, Agitador de leite de cal 0, 0,,, sistema de pré redução de umidade de bagaço 0 0,,, sistema de pré redução de umidade de bagaço 0 0,,, sistema de pré redução de umidade de bagaço 0 0,,, Alimentador hillo 0 0,,, Alimentador da ponte rolante 0,, Triturador de palha tipo faca fixa 0 0,, 0,0 Triturador de palha tipo faca fixa 0 0,,,0 Esteira metálica alimentadora de cana 0,,, Esteira metálica alimentadora de cana 0,,, Espalhador de cana para as esteiras 0 0,,, Espalhador de cana para as esteiras 0 0,,, Ventilador para câmara de separação de palha 0,,, Ventilador para câmara de separação de palha 0,,, Transportador de palha, e, 0,,, Transportador de palha, e, 0,,, Transportador de palha, e, 0,,, Transportador de palha e 0 0,,, Transportador de palha e 0 0,,, Transportador de palha TCP,, e 0,,0, Transportador de palha TCP,, e 0,,0, Transportador de palha TCP,, e 0,,0, Transportador de palha TCP,, e 0,,0, Transportador de palha TCP 0 0 0,,, Peneira vibratória de palha 0,, 0,0 Peneira vibratória de palha 0,, 0,0 Transportador de terra, 0,,, 0 Transportador de terra 0,,0, Iluminação,00, Tomadas para máquina de solda,00, TOTAL,,0 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA,0%,0 POTÊNCIA D0 TRAFO() TOTAL CARGA(), Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 00,0 In TR (A) 0,0 0,

8 SUBESTAÇÃO - DIFUSOR SETOR Q CCM- /0/00 00% (CV) Nivelador de cana " com acionamento 00 0,,,0 Tambor de alimentação forçada do desfibrador 0 0,,, Eletroímã " tipo pendente 0 0,, 0, Esteira rápida de borracha " 0,,, Esteira de alimentação do difusor tipo arraste 0 0,,, Desagregador de colchão 0,,, Movimentação do colchão de cana lado direito 00 0,,,0 Movimentação do colchão de cana lado esquerdo 00 0,,,0 Bomba de caldo misto para peneira 0 0,,, Bomba de caldo misto para peneira 0 0,,, Bomba de caldo embebição para aquecedor 0,,, Bomba de caldo embebição para aquecedor 0,,, Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba embebição de caldo 0,, 0,0 Bomba água de secagem RA 0 0,,, Bomba água de secagem RA 0 0,,, Bomba água de secagem RA 0 0,,, Bomba água limpeza das correntes 0,, 0,0 Transporte saída de bagaço do difusor 0 0,, 0, Transporte alimentação pré-redução umidade 0 0,,, Transporte alimentação pré-redução umidade 0 0,,, Peneira rotativa 0m/h 0 0,,, Bomba de caldo misto 00 0, 0,00, Bomba de caldo misto 00 0, 0,00, Ventilador 0,,, Ventilador 0,,, Ventilador 0,,, Ventilador 0,,, Esteira de cana de correia TCC 0,,, Esteira de cana de correia TCC 0 0,,0, Triturador de palha tipo faca fixa 0 0,, Triturador de palha tipo faca fixa 0 0,,,0 Bomba água sistema adiabático 0, 0,,,0 Ventilador sitema adiabático 0 0,,0,0 Iluminação,00, Tomadas para máquina de solda 0 0,00, TOTAL, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA,0%, POTÊNCIA D0 TRAFO(), TOTAL CARGA() 0, Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 00,0 In TR (A) 0,0 0,

9 0 SUBESTAÇÃO - TORRES DE RESFRIAMENTO CCM- SETOR Q0 /0/00 00% (CV) Bomba centrífuga de água resfriamento dornas 00 0,,0, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Bomba centrífuga de água de resfriamento dornas , 0,00 0,00 Bomba de água sistema adiabático 0, 0,,,0 Ventilador sistema adiabático 0 0,,0,0 Bomba submersa para água pluvial 0, 0,,, Iluminação,00, Tomadas de solda 0,,0, TOTAL, 00,0 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA,0% 0, POTÊNCIA D0 TRAFO(), TOTAL CARGA(), Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 000,0 In TR (A), 0,

10 m 0 SUBESTAÇÃO - TORRES DE RESFRIAMENTO CCM- SETOR Q0 (FUTURO) /0/00 00% (CV) Bomba centrífuga de água resfriamento dornas 00 0,,0, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Hélice 0 0,,, Iluminação 0 0,00, Tomadas de solda 0 0, 0,00, TOTAL 0,, 0 PREVISÃO DE AUMENTO DE CARGA 0,0%, POTÊNCIA D0 TRAFO(),0 TOTAL CARGA() 0,,0 Icarga (A), POTÊNCIA D0 TRAFO() 000,0 In TR (A), 0,

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A.

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A. Palestra UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03 TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚA ÇÚCAR Sulfitação ou

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Caso de Sucesso Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Eng. Evaristo Orellana Alves Gerente de Produto - Divisão de Marketing - SMAR evaristo@smar.com.br

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

ANEXO 10 GARANTIAS A SEREM RATIFICADAS E CONSTITUÍDAS EM FAVOR DO BNDES HIPOTECA S OBRE IMÓVEIS ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM GARANTIA S OBRE EQUIPAMENTOS

ANEXO 10 GARANTIAS A SEREM RATIFICADAS E CONSTITUÍDAS EM FAVOR DO BNDES HIPOTECA S OBRE IMÓVEIS ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM GARANTIA S OBRE EQUIPAMENTOS ANEXO 10 GARANTIAS A SEREM RATIFICADAS E CONSTITUÍDAS EM FAVOR DO BNDES HIPOTECA S OBRE IMÓVEIS conjunto industrial, constituído pelo terreno e demais benfeitorias, situado no lugar chamado de Córrego

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

VALIDADE ATÉ : 24/11/2016 COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03

VALIDADE ATÉ : 24/11/2016 COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03 Processo 59/159/14 IDENTIFICAÇÃO DA Nome CNPJ COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03 Logradouro Cadastro na CETESB PARQUE PARQUE IND. DR. CAMILO CALAZAN 503-11-9 Número

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA i REDUÇÃO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ETANOL:

Leia mais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais

RECICLAGEM DE ÁGUA. CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais RECICLAGEM DE ÁGUA CENIBRA Belo Oriente Minas Gerais Junho/2014 PROCESSO PRODUTIVO Preparo do Cavaco Cozimento e Branqueamento Secagem e Enfardamento Gerador de Energia Evaporação Caldeira de Recuperação

Leia mais

Capítulo 3. Automação microeletrônica na indústria sucroalcooleira

Capítulo 3. Automação microeletrônica na indústria sucroalcooleira Capítulo 3 Automação microeletrônica na indústria sucroalcooleira O capítulo 2 tratou a automação industrial para controle de processos em seus aspectos conceituais. Neste capítulo, a ênfase estará centrada

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo

5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo 5.1.2.6. Água para condensador barométrico do filtro rotativo Utiliza-se água, nesta seção, para a condensação dos vapores do filtro rotativo com vácuo e na coluna barométrica do condensador, selando o

Leia mais

EVAPORADORES E CONDENSADORES

EVAPORADORES E CONDENSADORES EVAPORADORES E CONDENSADORES A Fundação: abril de 1999 Localização: Araraquara SP Brasil Fone: 55 16 3334 2111 Skype: loffredo.moretti E.mail: lme@lme.com.br Website: www.lme.com.br Áreas de atuação: indústrias

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial AGRADECIMENTOS INICIAIS CONVITE EVENTO PALESTRANTES PARTICIPANTES APRESENTAÇÃO Engenheiro Mecânico Universidade de Brasília 1982 Setor Sucroenergético 1984 MBA FGV Gestão de Projetos - 2011 MBA Agroenergia

Leia mais

Tecnologia e tradição. Parceria imbatível

Tecnologia e tradição. Parceria imbatível Tecnologia e tradição Destilaria ZS Zanini Sermatec, instalada na Bioenergética Vale do Paracatu (Bevap) Capacidade: 1.000m3 por dia. Parceria imbatível Com o objetivo de oferecer ao mercado o que há de

Leia mais

Soluções em Equipamentos Industriais

Soluções em Equipamentos Industriais Soluções em Equipamentos Industriais QUEM SOMOS Com atuação a nível nacional e internacional, a Jemp Equipamentos é a maior empresa brasileira na área de equipamentos industriais, acumulando uma experiência

Leia mais

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Plantas completas Modernas e eficientes Quando o assunto é fornecimento de plantas completas para o processamento da cana-de-açúcar,

Leia mais

A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA

A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA Compromisso da Diretoria A GTECC tem como foco atender às expectativas do cliente de forma planejada, oferecendo soluções de Engenharia, Construção

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS QUÍMICOS II PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS DEFINIÇÃO: É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA SIMPLIFICADA POR MEIO DE FIGURAS E LETRAS, DE ESTRUTURA E DO FUNCIONAMENTO DE INSTALAÇÕES DE PROCESSAMENTO. CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS:

PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS: PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS: Ano 2014 Cliente: Usina São João Araras (SP) Serviços: Montagem completa de uma caldeira APU-67-6GI-PSE x 200tvh. Cliente: DVPA Paracatu (MG) Serviços: Montagem completa

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MSN são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido nodular, e um elemento poliuretano alojado entre eles

Leia mais

Sistema de Limpeza de Cana

Sistema de Limpeza de Cana Sistema de Limpeza de Cana Edgar S Tsunoda, Elias Vicente, Lucas Glad, Reginaldo K Shiguedomi, Sérgio L Corinto, Tiago J R Alves Introdução: A matéria prima cana-de-açúcar vem mudando com a introdução

Leia mais

Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas

Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas Proposta de Indicadores para Avaliação do Desempenho Ambiental dos Processos Produtivos de Usinas Sucroenergéticas REBELATO, M. G. a, MADALENO, L. L. b, RODRIGUES, A. M. c a. Universidade Estadual Paulista

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

Termo de Referência 12/2015

Termo de Referência 12/2015 (ISO Em Processo de Implantação) Itapira, 25 de Setembro de 2015. Termo de Referência 12/2015 Especificações para a contratação de empresa especializada para execução, com fornecimento de materiais, equipamento

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

Relação dos Bens do Grupo Infinity a Serem Dados em Garantia aos Credores

Relação dos Bens do Grupo Infinity a Serem Dados em Garantia aos Credores Relação dos Bens do Grupo Infinity a Serem Dados em Garantia aos Credores 2 ALCANA ALCANA - Equipamentos Industriais BALANÇAS RODOVIÁRIAS NÚMERO/QUANTIDADE 1 2 USO Geral Geral CAPACIDADE DE PESAGEM (Ton)

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO 14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO VISÃO ATUALIZADA SOBRE A PRODUÇÃO DE VAPOR EM USINAS E DESTILARIAS ERICSON MARINO 30/10/2013 TEMAS DA APRESENTAÇÃO TRANSIÇÃO, DAS PRESSÕES E TEMPERATURAS DE VAPOR PRODUZIDO

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

Sumário. Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática...

Sumário. Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática... Sumário Sobre a VLC... Planta para recuperação das águas de uso industrial... Peneira Rotativa Linear... Peneira de Cesto... Peneira Estática... Clarificadores e Decantadores... Filtro de Lodo SCF... Prensa

Leia mais

ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS

ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS Portaria nº 1.873/05 Redação dada ao Anexo Único pelo Decreto 999/08, efeitos a partir de 06.05.08. ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS ITEM G-TAG DESCRIÇÃO LOCAL UNIDADE QUANTIDADE

Leia mais

LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010

LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 LEI N. 2.401, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo a ceder ao Serviço de Água e Esgoto de Rio Branco SAERB, o imóvel, benfeitorias e bens móveis que compõem a Segunda Estação de Tratamento

Leia mais

EVAPORADOR T.A.S.T.E.

EVAPORADOR T.A.S.T.E. ETAL/PROFIT etal@etaltecnologia.com.br EVAPORADOR T.A.S.T.E. CONCENTRADOR DE BAIXA TEMPERATURA (BT) PARA SUCOS TROPICAIS Tel.: 16 3322-0458 Celular: 16 8133-5100 EVAPORADOR T.A.S.T.E. DE BAIXA TEMPERATURA

Leia mais

Transmissor de Concentração e Densidade

Transmissor de Concentração e Densidade GUIA DE INSTALAÇÃO Transmissor de Concentração e Densidade ABR / 09 DT300 D T 3 0 0 G P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

PORTFÓLIO. Os principais serviços oferecidos são:

PORTFÓLIO. Os principais serviços oferecidos são: PORTFÓLIO A JCT Manutenção é uma empresa voltada à execução de serviços em áreas de utilidades em empresas industriais e comerciais. A gama de serviços abrange desde o projeto de instalações até a manutenção

Leia mais

Relatório de inspeção por termografia

Relatório de inspeção por termografia Reativa Service Rua Coronel Bittencourt, 326 - centro CEP 84010-290 - Ponta Grossa/PR Fone (42) 3222-3500 www.reativa.com Relatório de inspeção por termografia Instalações elétricas industriais Elaborado

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro. Produção de Açúcar. Oscar F T Paulino

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro. Produção de Açúcar. Oscar F T Paulino Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Produção de Açúcar Oscar F T Paulino CONCEITOS GERAIS Conceitos Básicos Caldo Misto Caldo obtido no processo de extração

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho USINA DE RESULTADOS Redução do consumo de vapor x Cogeração Aproveitamento da água Saúde, segurança e meio ambiente na indústria Reginaldo Carvalho A LDCSEV - Números 2 A LDCSEV - Unidades 3 A LDCSEV -

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL LAR UIA - UIS CATÁLOGO DE MÁQUINAS/EQUIPAMENTOS PARA VENDA

COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL LAR UIA - UIS CATÁLOGO DE MÁQUINAS/EQUIPAMENTOS PARA VENDA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL LAR UIA - UIS CATÁLOGO DE MÁQUINAS/EQUIPAMENTOS PARA VENDA 2014 2 SUMÁRIO Sumário ALIMENTADOR CHOAITEC... 5 BALANÇA CLASSIFICADORA... 5 BALANÇA E EMBALADORA - SPEED BATCHER...

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO RESUMO

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO RESUMO GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA NO SETOR DE FEREMENTAÇÃO E DESTILAÇÃO Diego Pinheiro Fatarelli dpfatarelli@hotmail.com Ariane Comparetti Silva acomparetti@hotmail.com Amanda

Leia mais

Análise de Segurança para a Destilação e Tanques de Armazenamento em Usinas de Açúcar e Álcool. Autor: Diego de Sousa Bernardes

Análise de Segurança para a Destilação e Tanques de Armazenamento em Usinas de Açúcar e Álcool. Autor: Diego de Sousa Bernardes UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Análise de Segurança para a Destilação e Tanques de Armazenamento em Usinas de Açúcar e Álcool

Leia mais

Vantagens e aplicações na instrumentação no processamento da cana de açúcar em açúcar

Vantagens e aplicações na instrumentação no processamento da cana de açúcar em açúcar Vantagens e aplicações na instrumentação no processamento da cana de açúcar em açúcar Tatiana Hitomy Rezende Diniz Introdução O artigo tem como objetivo apresentar as análises e estudos realizados para

Leia mais

ANEXO ÚNICO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ITEM QTD. DISCRIMINAÇÃO NCM AQUECEDORES PARA TRATAMENTO DE CALDO PARA FÁBRICA

ANEXO ÚNICO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ITEM QTD. DISCRIMINAÇÃO NCM AQUECEDORES PARA TRATAMENTO DE CALDO PARA FÁBRICA Decreto nº 2.740/06 ANEXO ÚNICO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ITEM QTD. DISCRIMINAÇÃO NCM 1 02 AQUECEDORES PARA TRATAMENTO DE CALDO PARA FÁBRICA 8438.30.00 2.9 FÁBRICA DE AÇÚCAR PLANUSI - 8000 SACOS/DIA 2.1

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS NA MEDIDA CERTA PARA SUA EMPRESA

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS NA MEDIDA CERTA PARA SUA EMPRESA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS NA MEDIDA CERTA PARA SUA EMPRESA É uma empresa Fabricante de Equipamentos e Prestação de Serviços com atuação principal na região norte e nordeste que em parceria com outras empresas

Leia mais

TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA. Carlos A. Tambellini

TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA. Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA Carlos A. Tambellini PRÉ TRATAMENTO DE CALDO Limpeza da Cana Peneiramento de Caldo Bruto Regeneração de Calor TRATAMENTO DE CALDO Sulfitação Calagem / Dosagem por

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias.

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Introdução São comuns as aplicações industriais em que há presença de vapores, mudança de densidade e temperatura do processo,

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

PRODUTOS. Projetamos todos os equipamentos descritos ou fabricamos mediante projetos de terceiros.

PRODUTOS. Projetamos todos os equipamentos descritos ou fabricamos mediante projetos de terceiros. PRODUTOS Hilo mecânico móvel ou fixo com capacidade de 25 a 50 toneladas; Mesa alimentadora de 15º a 45º, simples ou conjugada totalmente vedada; Esteira de cana; Cush-cush de palha; Picadores; Desfibradores;

Leia mais

Ampla estrutura para melhor atendê-lo.

Ampla estrutura para melhor atendê-lo. Ampla estrutura para melhor atendê-lo. A Usimarch Equipamentos Industriais é uma empresa que vem crescendo constantemente, pois está baseada na experiência de seus diretores, que atuam no setor industrial

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Aproveitamento da energia da água de chillers

Aproveitamento da energia da água de chillers Aproveitamento da energia da água de chillers Gessen Souza Teixeira¹ Michel Brondani 2 Ademar Michels³ Flávio Dias Mayer 4 Ronaldo Hoffmann 5 Resumo: Apesar de grande parte da matriz energética brasileira

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Curso Teórico e Pratico da Fermentação Etanólica UNESP/UFSCar 20 a 24 de fevereiro de 2006 Prof. Dr. Octávio Antonio Valsechi DTAISER/CCA/UFSCar vico@power.ufscar.br

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Diretoria

INTRODUÇÃO. A Diretoria DADOS DA EMPRESA INTRODUÇÃO É com imensa responsabilidade que através dos anos buscamos a melhoria continua de nossos serviços e resultados, sempre olhando para o futuro mas com as ações voltadas para

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP AVALIAÇÕES INDUSTRIAIS: APLICAÇÃO PRATICA DA AVALIAÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA PAULISTA YOSHIMURA, EDUARDO KOITI ENGº CIVIL

Leia mais

MANUSEIO DE FLUIDOS E ENGENHARIA DE PROCESSOS

MANUSEIO DE FLUIDOS E ENGENHARIA DE PROCESSOS MANUSEIO DE FLUIDOS E ENGENHARIA DE PROCESSOS Atuando no segmento de fabricação de Bombas, Sistemas de Dosagem e Skids para Transferência de Fluidos, Selos mecânicos, Acessórios e Peças industriais, propomos

Leia mais

Caderno de plantas didáticas

Caderno de plantas didáticas Caderno de plantas didáticas PLANTAS DIDÁTICAS Projetos e estudos realizados por instituições que necessitam de qualidade e precisão a baixo custo, tornam-se mais viáveis e precisos com a utilização das

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

DECRETO Nº 331, DE 21 DE AGOSTO DE 2003.

DECRETO Nº 331, DE 21 DE AGOSTO DE 2003. DECRETO Nº 331, DE 21 DE AGOSTO DE 2003. Publicado no DOE(Pa) de 15.09.03. ADIN Nº 3.246 DE 19.04.06, STF declarou inconstitucional o art. 5º. I da Lei 6.489/02, com a publicação do Acórdão no DJ de 01.09.06,

Leia mais

Conexões, Válvulas, Bombas, Filtros e Acessórios em aço inox sanitário

Conexões, Válvulas, Bombas, Filtros e Acessórios em aço inox sanitário Metal Limpo Conexões Sanitárias Ltda. Rua Sargento Jeter Augusto Pereira,341 - CEP 02188-070 Parque Novo Mundo - São Paulo - SP Fone: + 55 (11) 2207-7476 - Fax 2636-4069 www.metallimpo.com.br - metallimpo@metallimpo.com.br

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP)

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP) REGIONAIS 5.9.8.1 Executar rotina geral de manutenção da ETE REGIONAIS 5.9.8.2 Executar a manutenção geral das elevatórias das ETEs REGIONAIS 5.9.8.3 Executar a manutenção dos conjuntos motobombas Executar

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

DECRETO Nº 1.514, DE 14 DE JANEIRO DE 2005.

DECRETO Nº 1.514, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. DECRETO Nº 1.514, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. Publicado no DOE(Pa) de 19.01.05. Retificação no DOE(Pa) de 30.06.05. ADIN Nº 3.246 DE 19.04.06, STF declarou inconstitucional o art. 5º. I da Lei 6.489/02,

Leia mais

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto Ar Condicionado Linha Mini Split VOCÊ CRIA O AMBIENTE, NÓS CRIAMOS O CLIMA. CASSETE piso teto Linha Completa para o Conforto Térmico Cassete Apresentação Os aparelhos Cassete são discretos tanto por seu

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

Usinas Batatais e Lins

Usinas Batatais e Lins Usinas Batatais e Lins Lins Batatais Moagem: 3.787.000tcs; Moagem máxima:19.245tcd Moagem média: 18.500tcd Dias de Safra: 283 Açúcar: 5.476.000scs Álcool: 140.780m³ Energia: (Não Coogera); Colaboradores:

Leia mais

32º SEMINÁRIO ABES EXPERIÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA O SANEAMENTO. Porto Alegre - RS

32º SEMINÁRIO ABES EXPERIÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA O SANEAMENTO. Porto Alegre - RS 32º SEMINÁRIO EXPERIÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA O SANEAMENTO ABES Porto Alegre - RS PROMINAS BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA. Fundação : 1953 - Localização : São Carlos - SP Área Total : 57.000

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. REVISÃO: 01 FEVEREIRO

Leia mais

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto Conger S.A. Equipamentos e Processos Departamento de Engenharia do Produto A Empresa 1962 2012 = 50 Anos Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Química/Petroquímica/Papel

Leia mais

Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema

Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema Claudio Cezar Meneguetti 1 (FECILCAM) silvana_mez@hotmail.com Silvana Mezaroba

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais