CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS"

Transcrição

1 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012

2 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo são aquelas que o escoamento flui continuamente e operam transformações de energias do tipo mecânica em cinética e de pressão. 1.2 FUNCIONAMENTO O conjunto girante se movimentando faz com que o rotor puxe o líquido, que geralmente está num depósito conhecido como cisterna ou reservatório inferior, para a entrada da bomba, mais conhecida como sucção, através de tubos e conexões. Ao chegar no rotor, o líquido é jogado pelo rotor nas paredes internas da carcaça, onde ele é pressionado para saída da bomba, chamada de descarga, elevação ou recalque. A partir da saída o líquido pressionado é conduzido a outro depósito chamado de caixa d água ou reservatório superior. BOMBAS CENTRÍFUGAS: 1.3 COMPOSIÇÃO Instalação Residencial: Abastecimento de Residências Parte fixa: carcaça, intermediária, venturi, difusor, etc Parte móvel: rotor, eixo, acoplamento, etc. 1.4 PERFORMANCE Podemos resumir dizendo que performance de uma bomba, é o número de litros por hora que a bomba fornece, altura de coluna de água que a bomba eleva, e eficiência que ela possui Vazão: O volume do líquido bombeado pela bomba em um segundo. Q= VOLUME (m³) Unidades: m³; L/h; GPM TEMPO (s) Relações Importantes: 1,0m³/h = L/h 1,0m³/h = 4,4 GPM

3 TABELA 01: SELEÇÃO DO TUBO PELA VAZÃO (PERCENTUAL DE PERDA DE 10%) BITOLA DP TUBO POLEGADAS ( ) VAZÃO m³/h ¾ (25mm) 0 a (32mm) 1000 a ¼ (40mm) 2000 a ½ (50mm) 4000 a (60mm) 8000 a ½ (75mm) a (85mm) a Obs: Verificar na tabela anexada o valor certo do percentual Altura manométrica: Bomba: Fornece energia de pressão ao líquido bombeado Instalação: altura estática + altura dinâmica Altura Manométrica de Sucção (AMS): - É representada pela soma do desnível de sucção, mais a perda de carga nos tubos e conexões. - Sucção pode ser negativa ou positiva (bomba afogada). Altura Manométrica de Recalque (AMT): - É representada pela soma do desnível do recalque, mais a perda de carga nos tubos e conexões. Altura Manométrica Total (AMT): AMT= AMS + AMR Energia de Pressão: P = FORÇA (N) Unidades: kgf/cm (Bar); m.c.a.; lib/pol (PSI); Atm; mmhg; etc. ÁREA (m ) Relações Importantes: 1,0kgf/cm = 10 m.c.a. = 14,22 lib/pol = 100 kpa Pressão de uma coluna de água: Va Vb Vc H Pa Pb Pc P = δ x H (m.c.a.) Experiência 1 a) Va < Vb < Vc b) Pa = Pb = Pc

4 Experiência 2 Pressão Estática e Pressão Dinâmica: a) 2m /h 1 c) 10m 1 b) 1 10m 5m 10m 2m /h 2m /h Veja na tabela em anexo (10%) AMT = PD + PE AMT = 1,0m + 0m = 1,0m AMT = 1,0m + 5m = 6,0m AMT = 1,0m + 10m = 11m Cálculo da Perda de carga: - Perda de carga contínua tubos de ferro galvanizado ou PVC (veja tabela). - Perda de carga localizada conexões (veja tabela) Potência (Pu): potência utilizada no recalque da vazão Q a altura total de elevação H. Relações importantes: 1 CV = 75 kgfm/s 1 W = 0,102 kgfm/s 1 CV = 736 W 1 CV = 0,736 KW Rendimento (η): é a relação percentual entre a potência útil fornecida (hidráulica) e a potência absorvida pela bomba (eixo). η = Pu (%) P (BOMBA)

5 2- SELEÇÃO DA BOMBA HIDRÁULICA Diâmetro das tubulações de recalque: Desenho da instalação: Determinação dos parâmetros: AMS - Altura Manométrica de Sucção Desnível de Sucçã... m Comprimento do tubo... m Válvula de pé... m Curva de m + + Registro de gaveta... m Comprimento equivalente... m Perda de carga...= x = m 100 AMS... mca AMR - Altura Manométrica de Recalque: Desnível de Recalque... m Comprimento do tubo... m Válvula de retenção... m Curva de m + + Curva de m Registro de gaveta... m... m Comprimento equivalente... m Perda de carga...= x = m 100 AMR... mca AMT - Altura Manométrica Total: AMS AMR + AMT Bomba Modelo: Pot: cv (Catálogo)

6 3- INSTALAÇÃO: 3.1 HIDRÁULICA: NBR 5626 (INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUA FRIA) Projeto dos reservatórios: Superior: 2/5 do volume total; Inferior: 3/5 do volume total. Vazão mínima: 15 % do consumo diário. Incêndio: A capacidade do reservatório elevado deve ser suficiente para garantir o suprimento de água, no mínimo durante meia hora, para alimentação de dois hidrantes trabalhando simultaneamente em zona de menor pressão. PRESSÕES DINÂMICA E ESTÁTICA: - Pressão estática máxima de 400 kpa (40 mca) - Pressão dinâmica mínima de 5 kpa (0,5 mca) VELOCIDADES MÁXIMAS NAS TUBULAÇÕES: 3,0 m/s 3.2 HIDRÁULICA: NBR 7198 (INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE) ÁGUA QUENTE TEMPERATURAS USUAIS DE UTILIZAÇÃO: - Uso pessoal : 40 a 50º C - Cozinha : 60 a 74º C - Lavanderia: 75 a 85º C - Esterilização Clínica: a 100º C - Bombas Dancor: 60º C 3.3 HIDRÁULICA: NBR 8160 (INSTALAÇÃO PREDIAL DE ESG. SANITÁRIO) Motores de 2 pólos (3450 rpm): - Bombas submersíveis (SDE) água servida; - Bomba autoaspirante (AAE) água servida. Motores de 4 pólos (1750 rpm): - Bombas verticais (VAS) água servida.

7 3.4 ELÉTRICA: NBR 5410 (INSTALAÇÕES PREDIAIS DE BAIXA TENSÃO) Variação da Energia Elétrica: ± 10% Fase: - Monofásica (110 ou 220V) e (220 ou 440 V) - Trifásica (220 ou 380V) Cabos Elétricos (Dimensionamento Tabela em Anexo); Sistema de Proteção: - Disjuntores: são dispositivos de proteção contra curto-circuito e sobrecarga de longa duração. - Disjuntor Motor: são dispositivos de proteção contra curto-circuito e sobrecarga. - Partida Direta: Chave Magnética: contém fusíveis, contator e rele térmico. - Partidas Indiretas: - Chave Estrela-Triângulo (Sem Carga) - Chave Compensadora (Com Carga) - Partidas Eletrônicas: Soft-Starter - Inversores de Frequência - Aterramento: TN / TT / IT (Resistência de 10 Ω) - DR: Disjuntor Residual (30mA)

8 4 - APLICAÇÃO: AGRÍCOLA, PREDIAL, RESIDENCIAL E INDUSTRIAL 4.1 AGRÍCOLA: 4.2 PREDIAL: Sulcos Inundação Faixas Irrigação: Aspersão;: Pressões (1 A 7 Atm) (15 Atm) Microaspersores: (0,5 A 4 Atm) Vazão (70 E 120L/H) Gotejamento: Pressão (Até 1 Atm) Pulverização Ferti-Irrigação Hidroponia Piscicultura Lavagem De Estábulos E Máquinas Esgotamento De Silos E Granjas Abastecimento De Prédios Piscinas Hidromassagem Combate A Incêndio Sistema De Pressurização Drenagem E Esgotamento 4.3 RESIDENCIAL: Abastecimento De Residências Redes De Baixa Pressão Piscinas Hidromassagem Poços Artesianos Sistema De Pressurização Jardinagem E Paisagismo 4.4 INDUSTRIAL: Osmose Reversa (Desalinizadores) Hemodialise Refrigeração

9 5- EXEMPLOS DE APLICAÇÃO POR MODELOS 5.1 BOMBAS CENTRÍFUGAS CONEXÕES: Válvula de Pé Curva 90o Plug Válvula de Retenção Registro Tê União Joelho 90o Tubo (Sucção/Elevação) VEDAÇÃO TEFLON 2 ISOLAMENTO Fita Isolante 9 1 Dimensionamento: Reservatórios: Poços, Cisternas, Rios, etc. 1- Vazão do projeto: m³/h 2- Bitola dos tubos e conexões de sucção e recalque 3- Cálculo da AMS (profundidade: 0 a 6 metros): a) desnível de sucção (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMS = desnível + perda de carga (mca) 4- Cálculo do AMR: a) desnível de recalque (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMR = desnível + perda de carga (mca) 5- Cálculo da AMT AMT = AMS + AMR (mca) Usando o catálogo, selecione a bomba que apresenta melhor performance: Vazão: m³/h AMT: mca Potência: cv

10 5.2 BOMBAS AUTOASPIRANTES P atm Dimensionamento: Reservatórios: Poços, Poços Tubulares, Ponteiras, Cisternas, Rios, etc. 1- Vazão do projeto: m³/h 2- Bitola dos tubos e conexões de sucção e recalque 3- Cálculo da AMS (profundidade: 0 a 9m e na horizontal até 90m sem desnível): a) desnível de sucção (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMS = desnível + perda de carga (mca) 4- Cálculo do AMR: a) desnível de recalque (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMR = desnível + perda de carga (mca) 5- Cálculo da AMT AMT = AMS + AMR (mca) Usando o catálogo, selecione a bomba que apresenta melhor performance: Vazão: m³/h AMT: mca Potência: cv

11 5.3 BOMBAS EJETORAS Válvula de Retenção Ø ¾ Bujão Registro de Gaveta Ø ¾ União Dimensionamento: Reservatórios: Poços Tubulares (Ø 75mm ou Ø 100mm). 1- Vazão do projeto: m³/h 2- Bitola dos tubos e conexões de sucção e recalque 3- Cálculo da AMS (profundidade até o nível dinâmico: de 9 a 40m) 4- Cálculo do AMR: a) desnível de recalque (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMR = desnível + perda de carga (mca) 5- Cálculo da AMT AMT = AMR (mca) Usando o catálogo, selecione a bomba que apresenta melhor performance: Vazão: m³/h AMT: mca Potência: cv Ejeotr nº ( ) 0 ou ( ) 1

12 5.4 BOMBAS SUBMERSAS Dimensionamento: Reservatórios: Poços Tubulares de 4 no mínimo. Profundiade de 18 a 250 metros. 1- Vazão do projeto: m³/h 2- Bitola dos tubos e conexões de sucção e recalque 3- Nível estático: (metros) 4- Nível dinâmico: (metros) 5- Cálculo do AMR: a) desnível de recalque (metros) b) comprimento dos tubos e conexões em equivalência (metros) c) cálculo da perda de carga d) cálculo da AMR = desnível + perda de carga (mca) 5- Cálculo da AMT AMT = AMR (mca) Usando o catálogo, selecione a bomba que apresenta melhor performance: Vazão: m³/h AMT: mca Potência: cv Nível Dinâmico Submergência Nível de Rebaixamento Nível Estático

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

Centro de Treinamento Dancor. módulo II - bombas

Centro de Treinamento Dancor. módulo II - bombas Centro de Treinaento Dancor ódulo II - bobas DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 www.dancor.co.br exercíci os Diensionaento 1) Bobas Centrífugas Esquea: Vazão do Projeto = 20,0³/h

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Bomba centrífuga de média pressão. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição. 4. Dados de operação. Manual Técnico Nº A 2751.0P/4 KSB HYDROBLOC M

Bomba centrífuga de média pressão. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição. 4. Dados de operação. Manual Técnico Nº A 2751.0P/4 KSB HYDROBLOC M Manual Técnico Nº A 2751.0P/4 KSB HYDROBLOC M Bomba centrífuga de média pressão Linha: Multiestágio 1. Aplicação 3. Denominação A bomba KSB Hydrobloc M é apropriada para abastecimento de água, instalação

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO Motobombas para combate a incêndio ÍNDICE FSGIN Pg. 3 FIN Pg. 13 Pg. 33 A Famac tem a solução certa em Bombas para sistemas de combate a incêndio. CONJUNTOS

Leia mais

www.dancor.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS REV. - ABR/2010 Pág- 1

www.dancor.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS REV. - ABR/2010 Pág- 1 REV. - ABR/21 Pág- 1 Índice Vista Geral das Curvas de Desempenho...4-5 Série HBI(N) - Centrífugas Multi-estágios HBI(N) - 2...6-7 HBI(N) - 4...8-9 Série CB(I) - Centrífugas Multi-estágios CB(I) - 2...1-11

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

TABELA DE SELEÇÃO 60 Hz

TABELA DE SELEÇÃO 60 Hz Bombas Hidráulicas Filtros para Piscinas Bombas Submersas Sistemas de Pressurização TABELA DE SELEÇÃO 60 Hz Edição 2014 Soluções Inteligentes em Bombeamento e Tratamento de Líquidos www.dancor.com.br

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. Autor: João Batista de Azevedo Dutra Engenheiro Eletricista Engenharia Elétrica Consultoria

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

LANÇAMENTO LANÇAMENTO TABELA PARA SELEÇÃO DE BOMBAS E MOTOBOMBAS LANÇAMENTO 2010-A

LANÇAMENTO LANÇAMENTO TABELA PARA SELEÇÃO DE BOMBAS E MOTOBOMBAS LANÇAMENTO 2010-A LANÇAMENTO LANÇAMENTO TABELA PARA SELEÇÃO DE BOMBAS E MOTOBOMBAS LANÇAMENTO -A Prezado Usuário, A Schneider criou esta Tabela com o objetivo de facilitar o processo de escolha das bombas e motobombas.

Leia mais

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Introdução Uma das vantajosas aplicações para energia solar é o bombeamento d água. Em sistemas que requerem bombeamento constante ou durante o período

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd)

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) AULA 4 para ter acesso às tabelas e ábacos de cálculo 5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) Cálculo da Perda de Carga - Exemplo Calcular a perda de carga do trecho

Leia mais

S A TANQUE DE PRESSÃO. Manual de Utilização e Instalação. Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021 9290 www.dancor.com.

S A TANQUE DE PRESSÃO. Manual de Utilização e Instalação. Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021 9290 www.dancor.com. TANQUE DE PRESSÃO Manual de Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021 9290 www.dancor.com.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

Noções de Hidráulica

Noções de Hidráulica Noções de Hidráulica 1- INTRODUÇÃO - PRESSÃO - PRESSÃO DA ÁGUA 4- PRESSÃO ATMOSFÉRICA OU BAROMÉTRICA 5- VAZÃO 6- VELOCIDADE 7- TRABALHO 8- POTÊNCIA 9- ENERGIA 10- RENDIMENTO 11- CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Equipamentos e sistemas para fertirrigação

Equipamentos e sistemas para fertirrigação Equipamentos e sistemas para fertirrigação FERTIRRIGAÇÃO é a aplicação de fertilizantes através da água de irrigação (EMBRAPA UVA E VINHO) Não só adubos são aplicados por meio da água de irrigação pois

Leia mais

Tabela para seleção de bombas e motobombas

Tabela para seleção de bombas e motobombas TAP- CPW ASP-9 Tanques de pressão a litros BC-9 BC-9 Tabela para seleção de bombas e motobombas ME-N BT VME Submersas e BC MBV ME BCS MSA BCA MDC-FVA Multiplic BC BPI ME BAR MCI MBI Prezado Usuário, A

Leia mais

indice CAPITULO 1 INTRODUCAO

indice CAPITULO 1 INTRODUCAO indice CAPITULO 1 INTRODUCAO Paulo S. Nogami Generalidades Objetivo Recomendações gerais relativas à utilização dos sistemas de recalque Aplicações tipicas de sistema de recalque em obras de Saneamento

Leia mais

FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com

FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com FAIRBANKS NIJHUIS BOMBAS VERTICAIS TIPO TURBINA PARA BOMBEAMENTO DE LÍQUIDOS COM SÓLIDOS (VTSH ) www.fairbanksnijhuis.com FAIRBANKS NIJHUIS Introdução Estações de bombeamento sem acompanhamento exigem

Leia mais

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load) Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para trás (Limit Load) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 065-0 Fazendinha Santana do Parnaíba SP 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características

Leia mais

PS200 PS600 PS1200 ETAPUMP Altura manométrica 0-50 0-180 0-240

PS200 PS600 PS1200 ETAPUMP Altura manométrica 0-50 0-180 0-240 SISTEMAS DE BOMBAS SOLARES Existe uma relação natural entre a disponibilidade de energia solar e as necessidades de água. A necessidade de água cresce em dias de radiação elevada de sol, por outro lado

Leia mais

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Bibliografia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Prentice Hall, 007. Equação da Energia em Regime Permanente com

Leia mais

Tabela para seleção de bombas e motobombas

Tabela para seleção de bombas e motobombas SP ASP-9 Solaris BC-9 BCS-S Tabela para seleção de bombas e motobombas -A SubDrive Inline TAP- CPW BPI ME-N BT VME Submersas e BC MBV ME MSA BCA MDC-FVA Multiplic BC ME BPI BAR MBI BCS MCI Prezado Usuário,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O

TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O TERMO DE REFERÊNCIA DRP 007/2011 ANEXO A DESCRIÇÃO TÉCNICA DAS AÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SISTEMA SAAE S U M Á R I O 01. POSTO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA, EM BALSA, NO RIO MACHADO...

Leia mais

Figura 5.2 Foto da Montagem Experimental.

Figura 5.2 Foto da Montagem Experimental. 53 5 Montagem Experimental Os dados sobre as características dinâmicas de uma válvula de alívio comercial foram levantados em uma bancada de ensaios especialmente construída para este fim. A montagem experimental

Leia mais

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS 1. Introdução Carlos Rogério de Mello 1 Tadayuki Yanagi Jr. 2 Com a evolução dos processos produtivos agrícolas, demonstrada principalmente pela presença cada vez maior da

Leia mais

UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO DE BOMBAS

UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO DE BOMBAS UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO DE BOMBAS Manual de Utilização e Instalação S A Desd e1 9 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.: 0800 021

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

Catálogo geral Fancoil

Catálogo geral Fancoil Catálogo geral Fancoil 1 Catálogo Técnico de unidades Intercambiadoras de calor Índice 1- Características Construtivas 3 2- Nomenclatura 4 3- Dados Nominais 5 4- Diâmetro dos coletores 7 5- Peso dos equipamentos

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário Bomba Circuladora SLX-PMP/6A Manual do Usuário Manual do Usuário SOLX - Bomba Circuladora - SLX-PMP/6A Reservados os direitos de alteração sem prévio aviso. Versão 1 - outubro/2013 Permitida a reprodução

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA Manual do usuário, funcionamento e garantia 03 IMPORTANTE -Antes de instalar o pressurizador leia atentamente todos os itens deste manual

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPIO DE SCHROEDER ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 26/2013. Página: 1/6

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPIO DE SCHROEDER ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 26/2013. Página: 1/6 Página: 1/6 2 MOTOBOMBA SUBMERSÍVEL DE ROTOR SEMI-ABERTO Motobomba submersível de rotor semi-aberto em ferro fundido GG 15, corpo e tampa da bomba em ferro fundido GG 15. Selo mecânico ¾"de carbeto de

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015

Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015 Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015 Desejando praticar a certeza que o engenheiro precisa resolver problemas, pede-se verificar a possibilidade de instalar um certo aparelho

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp.

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp. Shurflo série 8000 A shurflo série 8000 é ideal para aplicações residenciais e rurais que necessitem de alta pressão com fluxo superior a 4,6 l/min com baixa amperagem, podendo recalcar até 42,0 metros.

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR Manual do Proprietário Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCOS CNPJ: 14.222.012/0001-75

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCOS CNPJ: 14.222.012/0001-75 2º EXTRATO DE PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 196/2014 originado no Processo Licitatório Pregão Presencial 45/2014, Objeto: registro de preços para eventual serviço e aquisição de Material

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO 1!" AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também chamado bomba de aríete hidráulico, balão de ar, burrinho, etc., foi inventado em 1796 pelo cientista francês Jacques

Leia mais

Grupo 30.24 - Material hidráulico

Grupo 30.24 - Material hidráulico O catálogo do grupo 30.24 contém as especificações de material hidráulico. Os itens que estão destacados com a mesma coloração significam que possuem a mesma descrição, no entanto, possuem diferentes unidades

Leia mais

SISTEMA DE BOMBEAMENTO SOLAR

SISTEMA DE BOMBEAMENTO SOLAR SISTEMA DE BOMBEAMENTO SOLAR Motobomba acionada pela energia gerada por painéis solares. Permite também conexão com baterias, gerador ou rede elétrica. www.franklin-electric.com.br solar.franklin-electric.com

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 17 Bombas Hidráulicas Tópicos Abordados Nesta Aula Características das Bombas Hidráulicas. Definição São Máquinas Hidráulicas Operatrizes, isto é, máquinas que recebem energia potencial (força motriz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO-

ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO- ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO- Secretaria de Recursos Hídricos 1) IDENTIFICAÇÃO Folha 01/15 Processo N o : 1.1) CONTRATANTE: Nome Completo : CPF / CNPJ: ; CPF

Leia mais

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CATÁLOGO 2014 Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CISTERNAS VERTICAIS Nossa linha de Cisternas Verticais foi desenvolvida para se adaptar às mais diversas estruturas e, atráves de vasos comunicantes,

Leia mais

HIGRA TECNOLOGIA TECNOL EM BOMBEAMENTO BOMBEAMENT

HIGRA TECNOLOGIA TECNOL EM BOMBEAMENTO BOMBEAMENT HIGRA TECNOLOGIA EM BOMBEAMENTO HIGRA TECNOLOGIA EM BOMBEAMENTO Política da Sustentabilidade A HIGRA, através de sua Política Integrada da Gestão da Sustentabilidade, visa oferecer soluções para movimentação

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Medição de Pressão. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Pressão. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Pressão Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Pressão é definida como a força normal por unidade de área e pode ser expressa nas unidades: psi (libras por polegada quadrada); bar; atm (atmosfera);

Leia mais

MINUTA ANEXO VIII MINUTA DO CONTRATO. Pregão PRESENCIAL. Contrato de Compras

MINUTA ANEXO VIII MINUTA DO CONTRATO. Pregão PRESENCIAL. Contrato de Compras Página nº 1 de 5 ANEXO VIII DO CONTRATO Pregão PRESENCIAL Contrato de Compras CONTRATO DE COMPRA Nº /2014 QUE ENTRE SI CELEBRAM A/O SEIE/Companhia de água e esgotos da paraíba, E A EMPRESA .

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

NCP ULTRANORMA BOMBA CENTRÍFUGA HORIZONTAL. Características construtivas: Principais aplicações

NCP ULTRANORMA BOMBA CENTRÍFUGA HORIZONTAL. Características construtivas: Principais aplicações BOMBA CETRÍFUGA ORIZOTAL CP ULTRAORMA Características construtivas: - Construída conforme as normas DI e ISO * - Altura de recalque de a mca - Rotação e trabalho - / rpm - Sistema de desmontagem "back-pull-out"

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

Linha. Booster. Soluções em Bombeamento

Linha. Booster. Soluções em Bombeamento Linha Booster Booster ESTAÇÃO PRESSURIZADORA TIPO BOOSTER MOVÉL As Estações Pressurizadoras IMBIL do tipo Booster Móvel são utilizadas nos segmentos de Saneamento, Empresas Estaduais, Municipais, SAAEs,

Leia mais

Resumo de exercícios de bombas. Exercício 1

Resumo de exercícios de bombas. Exercício 1 Resumo de exercícios de bombas Exercício 1 Considere uma bomba centrífuga cuja geometria e condições de escoamento são : Raio de entrada do rotor = 37,5 mm, raio de saída = 150 mm, largura do rotor = 12,7

Leia mais

CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS

CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS leao.com.br 1 CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS Grandeza Para converter Para Obter Símbolo da unidade Multiplicar por Dividir por Símbolo da unidade Para Obter Para converter Comprimento Metros m 3,281

Leia mais

Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação. Linha : Submersível

Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido. 1. Aplicação. 3. Denominação. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação. Linha : Submersível Folheto Descritivo A2750.1P/1 KSB KRT DRAINER Bomba Submersível para Instalação em Poço Úmido Linha : Submersível 1. Aplicação A bomba submersível KRT DRAINER é recomendada para aplicação em drenagem de

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Linha turbo atomizadores. Prof.: Brandão

Linha turbo atomizadores. Prof.: Brandão Linha turbo atomizadores Prof.: Brandão Arbus - 200 Arbus 200 - Rotação da TDP: 540/1100 rpm - Peso vazia/com direcionador: 186 kg - Tanque de defensivos: 200 L - Tanque de água limpa: 15 L - Filtro: FVS

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA, PhD Florianópolis, Março de 2004 2 Sumário 1. Instalações Prediais

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE HIDRÁULICA Tratamento da água Medição da água Medição da água PLANTA VISTA FRONTAL CORTE Dimensões da Caixa de Hidrômetro Tipos de Abastecimento Abastecimento direto Tipos de Abastecimento Abastecimento

Leia mais

Professor Rafael Tavares HIDRÁULICA ÁGUA FRIA. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ

Professor Rafael Tavares HIDRÁULICA ÁGUA FRIA. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ ÁGUA FRIA Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Construção UFRJ ÍNDICE 1. CONCEITOS BÁSICOS... 02 1.1 O Princípio dos Vasos Comunicantes... 02 1.2 Unidades de Medida de Pressão

Leia mais