MAURO FONSECA ANDRADE PROMOTOR DE JUSTIÇA DESIGNADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAURO FONSECA ANDRADE PROMOTOR DE JUSTIÇA DESIGNADO"

Transcrição

1 Exmo. Sr. Presidente da 1ª Câmara Criminal Processo n O MINISTÉRIO PÚBLICO, por seu signatário, vem, perante Vossa Excelência, apresentar CONTRA-RAZÕES AO RECURSO interposto por Ademar Milton Trentini. Em 31 de janeiro de MAURO FONSECA ANDRADE PROMOTOR DE JUSTIÇA DESIGNADO

2 1ª Câmara Criminal Processo nº Apelante: Ademar Milton Trentini Apelado: Ministério Público CONTRA-RAZÕES DE APELAÇÃO Colenda Câmara: O Ministério Público ofereceu denúncia contra o recorrente, porque incurso no artigo 12, caput, da Lei nº 6.368/76; no artigo 229 do Código Penal; no artigo 224-A da Lei nº 8.069/90 (05 vezes); no artigo 214, c/c o artigo 224, letra a, e artigo 9º da Lei nº 9.072/90 (02 vezes); tudo na forma do artigo 69 do Código Penal. Instruído o feito, a sentença julgou parcialmente procedente a denúncia, reconhecendo a prática dos crimes previstos no artigo 12, caput, da Lei nº 6.368/76 e no artigo 224-A da Lei nº 8.069/90. Por esta razão, foi o apelante condenado à pena de 09 anos e 06 meses de reclusão, fixada no 2

3 regime integralmente fechado, bem como à pena de multa fixada em 80 diasmulta, a ser calculado o dia-multa na razão de 2/30 do salário mínimo da época dos fatos. Inconformado, apresenta recurso, com base no artigo 593, inciso I, do Código de Processo Penal. Na ocasião, argüiu, em preliminar, a nulidade absoluta do feito, em razão da alegada inobservância do devido processo legal, especificamente no que diz respeito ao juízo haver recebido o rol de testemunhas da acusação fora do prazo previsto. Ademais disso, nulo também seria o processo por alegado excesso de acusação, ocorrido em razão de o Ministério Público haver apresentado suas alegações finais a destempo. Por fim, a nulidade da sentença também restou pretendida, por suposta falta de motivação da decisão judicial, bem como por haver acolhido denúncia inepta. Quanto ao mérito, afirmou não haver provas suficientes para sua condenação, além da alegada atipicidade de sua conduta. Também postulou a redução da pena privativa de liberdade, bem como a exclusão da impossibilidade de progressão de regime ao apenamento aplicado ao crime previsto no artigo 244-A da Lei n.º 8.069/90. Por fim, requereu a reforma da decisão, a fim de que seja reconhecida a possibilidade de progressão no regime de pena dos crimes hediondos. Autos ao Ministério Público para suas contra-razões. É o relato. 3

4 1. PRELIMINARMENTE Em um primeiro momento, poderia chamar a atenção deste nobre órgão colegiado a questão temporal atinente à apresentação das contrarazões ministeriais, uma vez que mais de 30 dias se passaram desde o recebimento do feito até sua devida devolução ao juízo ad quem. No entanto, de bom tom esclarecer que foi o processo recebido em 29 de dezembro de 2004, e que, dois dias após, todos os feitos de réu solto tiveram suspensa a vigência de seus prazos processuais, em razão do início das férias forenses (artigo 187 do Código de Organização Judiciária do Estado do Rio Grande do Sul). Para que não reste qualquer dúvida quanto ao alegado, trazemos à colação as seguintes decisões de nosso próprio Tribunal de Justiça: FÉRIAS FORENSES. SUSPENSÃO DO PRAZO. Em se tratando de réu solto, nos termos do artigo 68 da Loman, e da praxe forense já consagrada, os prazos processuais são suspensos nas férias forenses. A regra de que os prazos são peremptórios, comporta exceções. O duplo grau, o direito ao recurso, o controle interno das decisões preponderam sobre a instrumentalidade das formas. Recurso em sentido estrito provido (TJRS, Recurso em Sentido Estrito nº , 8ª Câmara Criminal, rel. Des. Nereu José Giacomolli, julgado em 29/05/2002). APELAÇÃO. QUEIXA CRIME. SUSPENSÃO DO PROCESSO POR OCASIÃO DAS FÉRIAS FORENSES ART. 187 DO COJE (LEI ESTADUAL Nº 7356/80). O art. 4

5 187 do COJE (Lei Estadual nº 7.356/80 determina que apenas os processos de réus presos não são suspensos pela fluência das férias forenses (TJRS, Apelação nº , 8ª Câmara Criminal, rel. Des. Marco Antônio Ribeiro de Oliveira, julgado em 04/10/2000). Feitos os devidos esclarecimentos sobre a tempestividade de nossa manifestação, passemos então à análise dos argumentos recursais. 2. NULIDADES ARGÜIDAS 2.1. Nulidade por Inobservância do Devido Processo Penal Segundo o recorrente, o juízo a quo não respeitou o disposto no artigo 41 do Código de Processo Penal, em razão de haver recebido o rol de testemunhas de acusação em peça apartada da denúncia e em prazo superior ao previsto legalmente. Em sua ótica, ao assim proceder, o nobre juízo também haveria infringido o disposto no artigo 129, inciso I, da Constituição Federal, uma vez que teria atuado como verdadeiro acusador, perdendo a imparcialidade exigida pelo sistema acusatório. Em uma primeira análise desta preliminar, nos parece que o recorrente invoca argumentos frontalmente contraditórios à hora de invocar a nulidade pretendida. E assim se diz porque, ou o suposto erro do juiz foi no sentido de receber as testemunhas da acusação disto advindo a infringência ao artigo 41 da lei adjetiva, ou este mesmo erro foi no sentido de ouvi-las de ofício, como o fez, o que levaria à pretendida inobservância do artigo 129, inciso 5

6 I, da Constituição Federal, que, segundo entende, haveria implantado o sistema acusatório em nosso país. Assim posta a questão, e para que posteriormente a defesa não nos acuse de omissão quanto ao exame de suas teses, analisaremos a estas duas linhas de argumentação: a de que o juízo procedeu à oitiva das testemunhas da acusação como sendo propriamente testemunhas do Ministério Público, apesar de o respectivo rol haver sido apresentado a destempo; e a de que o juízo, ao determinar de ofício a oitiva das testemunhas arroladas intempestivamente, teria agido como se fosse um verdadeiro acusador, infringindo a norma constitucional que, segundo entende, estabelece o sistema acusatório como vigente em nosso país Infringência ao Disposto no Artigo 41 do Código de Processo Penal Afirma o recorrente que deve o processo ser nulo, em razão de o juízo a quo haver recebido intempestivamente o rol de testemunhas da acusação. No entanto, o que se observa da decisão de fl. 337 (reproduzida pela defesa em sua própria apelação) é que claramente o rol de testemunhas não foi admitido como peça da acusação, mas sim como testemunhas que deveriam ser ouvidas de ofício pelo juízo. Conforme diz o seu texto: Inobstante a intempestividade do rol apresentado pelo Ministério Público, de ofício, procederei a inquirição das vítimas e testemunhas arroladas a fls. 332/334, eis que seus depoimentos são necessários para o deslinde do feito. 6

7 Assim, em que pese em sua sentença o magistrado a quo haver afirmado que se utilizou do artigo 156 do Código de Processo Penal (que se refere a diligências), o que se observa é que, na verdade, ele lançou mão do direito que lhe assiste em ouvir testemunhas de ofício, exatamente através de um permissivo legal geralmente utilizado para subsanar a ocorrência de eventual revelia por parte do réu, ou preclusão, por parte da parte acusadora, em não oferecer o rol de testemunhas juntamente com a peça acusatória, como ocorreu no presente feito. Tal permissivo é o artigo 209, caput, do Código de Processo Penal, que assim dispõe: O juiz, quando julgar necessário, poderá ouvir outras testemunhas, além das indicadas pelas partes. Aliás, sobre a licitude desta conduta judicial, encontramos o seguinte acórdão do E. Superior Tribunal de Justiça: RECURSO ESPECIAL RÉU REVEL ADMISSÃO DE ARROLAR TESTEMUNHAS FORA DO TRÍDUO LEGAL DO ART. 395, DO CPP AFRONTA À TAXATIVIDADE DO ART. 798, DO MESMO DIPLOMA LEGAL OITIVA QUE PODE SER DETERMINADA NA FORMA DO ART. 209, DO CPP. 1. Os prazos fixado no processo penal são contínuos e peremptórios (art. 798, do CPP), devendo, em obediência ao princípio da igualdade, serem respeitados pelas partes. Logo, não pode o juiz alterá-los, a seu talante, quebrando o equilíbrio que deve persistir no decorrer do feito. Isso não significa que, a busca da verdade real, fique o magistrado impedido de ouvir as testemunhas arroladas a 7

8 destempo (mormente em casos de revelia, onde mais dificultoso se torna o contato entre defensor e acusado), o que poderá fazê-lo se utilizando da faculdade que lhe permite o art. 209, do mesmo estatuto (STJ, RESP nº /GO, 6ª Turma, rel. Min. Anselmo Santiago, julgado em 02 de junho de 1998, DJ de 29 de junho de 1998, p ). Em sentido similar, encontramos: RHC PROCESSO PENAL PROVA REPRODUÇÃO AMPLIAÇÃO O processo penal, ao contrário do civil, não transige com a busca da verdade real. O juiz pode determinar a reprodução de provas e colher as que sejam úteis à instrução (STJ, RHC nº 1330/RJ, 6ª Turma, rel. Min. Luiz Vicente Cernicchiaro, julgado em 20 de agosto de 1991, DJ de 09 de setembro de 1991, p ). Portanto, claro está que não houve qualquer infringência à norma adjetiva invocada, uma vez que nitidamente o juízo não recebeu o rol de testemunhas do Ministério Público. O que fez ele, em verdade, foi tomá-las como na condição de testemunhas do juízo o que pode ser feito a qualquer momento do processo, a fim de que os graves fatos narrados na peça inaugural fossem esclarecidos. Inobstante isso, e apenas a título de argumentação, não se pode dizer que o juízo a quo também procederia mal se, de fato, houvesse 8

9 admitido a presença no processo daquelas vítimas e testemunhas como se fossem realmente provas apresentadas pela parte acusadora. Isto porque, uma vez constatada a falha ministerial em omitir da denúncia o necessário rol de suas testemunhas, poderia tal omissão ser corrigida a qualquer tempo desde que antes da sentença, como o fez o representante do Ministério Público já no início do processo. Isto é o que prevê o próprio Código de Processo Penal, tantas vezes invocado pelo recorrente, que, em seu artigo 569 dispõe: As omissões da denúncia ou da queixa, da representação, ou, nos processos das contravenções penais, da portaria ou do auto de prisão em flagrante, poderão ser supridas a todo o tempo, antes da sentença. Neste sentido, aliás, já se manifestou o E. Superior Tribunal de Justiça, ao examinar argumentação semelhante à levantada pelo ora recorrente. Na ocasião, quase ao final do acórdão se disse que:... a postulação do representante estadual do parquet, no que tange ao equívoco na apresentação do rol de testemunhas pela peça acusatória, pode ser argüida a qualquer tempo, antes da sentença condenatória, como prescreve o artigo 569, do CPP (STJ, Habeas Corpus nº 7.949/RS (Reg ), rel. Min. Vicente Leal, julgado em 18 de março de 1999). 9

10 Em sentido ainda mais esclarecedor foi o parecer da Subprocuradoria-Geral da República, acolhido em sua íntegra naquela decisão, e que dizia: No caso concreto, havia omissão e erro na denúncia. Omissão porque não foram arroladas as testemunhas que prestaram depoimento no inquérito. E erro porque o Promotor pediu a oitiva de pessoas que inquiridas em procedimento inquisitorial diverso, nada sabiam dos fatos descritos na peça vestibular. Assim, não há que se reconhecer qualquer nulidade no procedimento adotado pelo juízo a quo, por suposta inobservância ao artigo 41 do Código de Processo Penal Infringência ao Disposto no Artigo 129, Inciso I, da Constituição Federal Conforme se viu acima, o juízo a quo não recebeu o rol das vítimas e testemunhas de acusação, mas admitiu a oitiva daquelas pessoas como fontes de informação do próprio juízo. E assim o fez com base no artigo 209 do Código de Processo Penal, já que o artigo 156 deste mesmo diploma legal se refere especificamente a diligências, e não à produção de prova oral. Assim posta a questão, o que se vê, ao longo do arrazoado apresentado pelo recorrente, é que entende ele que o artigo 129, inciso I, da Constituição Federal teria a força de derrogar tal possibilidade de o juiz atuar de ofício, já que haveria implantado o sistema acusatório em nosso país. E, em 10

11 virtude disso, toda e qualquer iniciativa probatória manifestada pelo juízo seria flagrantemente inconstitucional, uma vez que, na ótica do recorrente, o sistema acusatório somente admite a figura do juiz passivo, pois o juiz ativo seria um típico representante do sistema inquisitivo. Para tanto, citou doutrina e jurisprudência, onde, neste sentido, se destaca a posição adotada reiteradamente pela 5ª Câmara Criminal de nosso Tribunal de Justiça. Em sendo assim, nos parece que devemos desmembrar os pontos levantados pelo recorrente, a fim de que se possa deixar clara a ausência de correção de seus argumentos Real Conteúdo do Inciso I do Artigo 129 da Constituição Federal Pretende o recorrente fazer valer a tese de que o inciso I do artigo 129 da Constituição Federal determinou a implantação do sistema acusatório em nosso processo penal. Diante disso, o primeiro que devemos fazer é analisar o seu texto, de modo a ver se razão lhe assiste. Portanto, diz a norma invocada: São funções institucionais do Ministério Público: I promover, privativamente, a ação penal, na forma da lei. Sendo este o real teor da norma invocada, não há como negar que nos seria muito conveniente admitir como verdadeira a tese esposada pelo recorrente, uma vez que, ao fim e ao cabo, o Ministério Público sairia reforçado com a interpretação do texto constitucional que ele realiza. No entanto, o que em realidade diz o inciso reproduzido é tão-somente que, no que se refere às ações penais públicas, o único que poderá intentá-las é o acusador público por excelência (leia-se, o Ministério Público), e não outras pessoas ou 11

12 autoridades (judiciais ou administrativas). Ou seja, em momento algum tal inciso aponta qual sistema processual penal foi implantado em nosso país. E assim se diz porque a existência de um acusador no processo não é, e nunca foi, um privilégio do sistema acusatório, como parece querer fazer crer o recorrente. Na realidade, esta exclusividade da acusação em mãos do Ministério Público também esteve presente no Code d Instruction Criminelle de 1808, que foi a legislação napoleônica responsável pela queda do sistema inquisitivo, e principal difusor do sistema misto junto ao Direito Continental. Neste sentido, era claro o artigo 22 do Code, que assim dispunha: Les procureues impériaux sont chargés la recherche et de la poursuitede tous les délits dont la connaissance appartient aux tribunaux de police correctionnelle, ou aux cours spéciales, ou aux cours d assises 1. Não bastasse isso, se formos examinar a legislação atual, não podemos nos esquecer que este mesmo sistema misto é adotado pela Espanha 2 através do juizado de instrução, cuja legitimidade acusatória está compartida entre acusadores públicos 3, particulares e populares 4. E, em nosso país, este mesmo juizado de instrução se faz presente através do inquérito 1 Code d Instruction Criminelle. Codes de L Empire Français. Paris : Chez Le Prieur, Libraire, 1811, p SOLAESA, José R. de Prada. España. In Sistema de Proceso Penal en Europa. Barcelona : Cedecs, 1998, p Diz o artigo da Constituição espanhola: El Ministerio Fiscal, sin perjuicio de las funciones encomendadas a otros órganos, tiene por misión promover la acción de la justicia en defensa de la legalidad de los derechos de los ciudadanos y del interés público tutelado la ley, de ofico o a petición de los interesados, así como velar por la independencia de los Tribunales y procurar ante éstos la satisfacción del interés social. 4 Diz o artigo 125 da Constituição espanhola: Los ciudadanos españoles podrán ejercer la acción popular y particular en la Administración de Justicia mediante la institución del Jurado, en la forma y con respecto a aquellos procesos penales que la ley determine, así como en los Tribunales consuetudinarios y tradicionales. 12

13 judicial da falência 5, onde vigora, como o próprio recorrente já tratou de lembrar, a exclusividade da ação penal em mãos do Ministério Público. Por fim, todo aquele que tem o estudo da história como profissão ou simples hobby, sabe que o processo inquisitivo católico espanhol foi o exemplo mais forte e sanguinário deste sistema, o que determinou que a inquisição católica vigente naquele país fosse chamada de Inquisição Espanhola, para diferenciá-la das Inquisições Medieval e Romana 6. Por isso, não há qualquer exagero em considerar o processo inquisitivo católico espanhol como o modelo por excelência de sistema inquisitivo. Dito isso, quando se procede ao exame de todos os modelos de processos inquisitivos que vigoraram na Europa da Idade Média tanto os de natureza católica 7, como os de natureza laica 8, claramente se vê que todos eles admitiam a figura de um acusador, pois previam que seus processos poderiam começar de três maneiras distintas: por acusação, por denúncia (que significa notitia criminis) ou de ofício pelo juiz, sendo que esta acusação poderia ser apresentada por qualquer pessoa do povo. A única exceção a esta prática era encontrada justamente na Inquisição Espanhola, pois excluiu o acusador popular desta legitimidade acusatória, concedendo-a, com caráter exclusivo a 5 TJRS, RHC 27253, 1ª Câmara Criminal, rel. Des. Jorge Alberto de Moraes Lacerda, julgado em CAPUTO, Giuseppe. Inquisizione. Enciclopedia del Diritto. Tomo XXI. Milano: Giuffrè, 1971, p BERNARD GUI. Manuel de L Inquisiteur. Tomo I. Les Classiques de L Histoire de France au Moyen Age. 10ª edição. Paris : Société D Édition «Les Belles Lettres», EYMERICH, Nicolau. Manuale dell Inquisitore A. D Seconda Edizione. Traduzido por Rio Cammilleri. Casale Monferrato (Italia): Piemme, KRAMER, Heinrich. SPRENGER, James. O Martelo das Feiticeiras. 16 edición. Traduzido por Paulo Fróes. Tradução de Malleus Maleficarum. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, Espanha: Las Siete Partidas del Rey Don Alfonso El Sabio, cotejada con varios codices antiguos por la Real Academia de Historia. Madrid: Atlas, Portugal: Ordenações Afonsinas. Coimbra : Real Imprensa da Universidade, Alemanha: Carolina (La). Enciclopedia Giuridica Italiana. Volume III. Parte I. Milano: Società Editrice Libraria, 1903, pp França: Code Louis. Ordonnance Criminelle, Testi e Documenti per la Storia del Proceso. A cura di Nicola Picardi e Alessandro Giuliani. Milano: Giuffrè, 1996, tomo II. 13

14 um funcionário do Santo Ofício conhecido como Fiscal, que correspondia à figura do Promotor de Justiça aliás, ainda hoje o Ministério Público na Espanha é chamado de Ministerio Fiscal. Neste sentido, encontramos as instruções emitidas pelos dois Inquisidores-Gerais mais famosos da Inquisição Espanhola, que foram Tomás de Torquemada 9 e Fernando de Valdés 10. Em suma, a Inquisição Espanhola também conferiu a titularidade da ação penal pública à figura do Fiscal, e isso jamais se mostrou em fator determinante para que seu processo perdesse a condição de representante do sistema inquisitivo. Com este pequeno e singelo passeio pela história do processo penal, queremos deixar claro que a atribuição ao Ministério Público da titularidade da ação penal não é, e nunca foi, uma realidade encontrada somente no sistema acusatório. Logo, o inciso I do artigo 129 da Constituição Federal não quer dizer nada mais do que suas próprias palavras já dizem, ou seja, que a ação penal pública, no Brasil, só pode ser ajuizada pelo Ministério Público, e ninguém mais. Em outras palavras, este inciso não expurgou qualquer sistema processual de nosso país, e muito menos identificou como pensa o recorrente, o sistema processual penal pretendido pelo legislador constituinte, já que o critério que define se um sistema é acusatório ou inquisitivo não é o utilizado pelo recorrente. Por tais motivos, não há que se dizer que nosso processo penal tenha adotado o sistema acusatório, por determinação do artigo 129, inciso I, da Constituição Federal. 9 Copilacion delas Inftructiones del Officio dela fancta Inquificion hechas por el muy Reuerendo feñor Thomas de Torquemada Prior del monafterio de fanta cruz de Segouia, primero Inquifidor general delos reynos y feñoríos de Efpaña,

15 Passividade do Juiz como Característica do Sistema Acusatório Se o inciso I do artigo 129 da Constituição Federal não define qual sistema processual penal devemos adotar em nosso país, da mesma forma não se pode tirar de suas palavras que tenha ele determinado qual postura poderá ser adotada pelo juiz durante da fase de instrução. Não obstante isso, merece aplauso a intenção do recorrente em querer ver instalado o sistema acusatório entre nós, em razão das festejadas garantias que alegadamente ele traz consigo. No entanto, o que se observa da argumentação apresentada pelo recorrente embasada em doutrina nacional e jurisprudência de nosso Estado é que, na sua ótica, o sistema acusatório exige uma conduta totalmente passiva por parte do juiz, sob pena de se cair em uma prática que aponta como sendo exclusiva do sistema inquisitivo. Portanto, novamente nos vemos obrigados a analisar separadamente tais argumentos, de modo a saber se o juiz do sistema inquisitivo sempre atuou ativamente, e se o juiz passivo é o único modelo de julgador possível de existir no sistema acusatório A Passividade Judicial no Sistema Inquisitivo Apesar do comportamento ativo ou passivo do juiz ser eleito pelos defensores da inércia judicial como sendo o critério diferenciador dos 10 Copilación delas Inftrutiones del Officio dela fanta Inquificion, fechas en Toledo, año de mil y quinientos y fefenta y un años. 15

16 sistemas acusatório e inquisitivo 11, o estudo dos textos representativos deste último sistema novamente não nos permite chegar às mesmas conclusões do recorrente. E, para tanto, novamente lançaremos mão das instruções da Inquisição Católica Espanhola. Como se viu, o regramento inquisitorial espanhol destoava em alguns pontos das demais manifestações inquisitivas vigentes em outros países da Europa, mas nem por isso deixava de pertencer ao sistema inquisitivo. Ao contrário, a prática inquisitiva espanhola era a mais violenta da Europa medieval. No entanto, a cultura inquisitiva vigente na Espanha obrigava os inquisidores a adotar uma conduta eminentemente passiva no curso do processo, conduta que até então somente era encontrada no sistema acusatório do sistema clássico (especificamente no direito ático e no direito romano do período republicano). Ou seja, em pleno processo inquisitivo havia a determinação superior para que os julgadores adotassem uma conduta que não era seguida pelas outras duas manifestações da inquisição católica (Medieval e Romana), e que tampouco se ajustava às descrições de sistema inquisitivo que atualmente encontramos em sede doutrinal. Neste sentido, encontramos as instruções de nº 18, 19, 21, 27 e 29 emitidas em 1561 por Fernando de Valdés, famoso Inquisidor-Geral espanhol do século XVI, que não só estabeleceu a exclusividade acusatória ao 11 MITTERMAIER, C. J. A. Tratado da Prova em Matéria Criminal. 2ª tiragem. Traducido por Herbert Wüntzel Heinrich. Campinas (São Paulo): Bookseller, 1997, p. 34. BAUMANN, Jürgen. Derecho Procesal Penal. Conceptos Fundamentales y Principios Procesales. Introducción sobre la Base de Casos. Traducido por Conrado A. Finzi. Traducción de Grundbegriffe und Verfahrensprinzipien des Strafprozessrects. Eine Einführung an Hand von Fällen. 3ª edición, Buenos Aires: Depalma, 1986, p. 76. DE MIRANDA COUTINHO, Jacinto José. Introdução aos Princípios Gerais do Direito Processual Penal Brasileiro. Revista de Estudos Criminais. Nº 1, 2001, Porto Alegre, p. 29. LOPES JÚNIOR, Aury. (Re)Discutindo o Objeto do Processo Penal com Jaime Guasp e James Goldschmidt. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, año 10, julio-septiembre, 2003, nº 39, p

17 Fiscal, como também determinou aos inquisidores de hierarquia inferior que o julgador ou julgadores não poderiam atuar de ofício, praticando certos atos que não fossem expressamente requeridos pelo acusador 12. Desta forma, o julgador da Inquisição Espanhola, no que diz respeito às restrições impostas por seus superiores hieráricos, foi tão passivo quanto o juiz do sistema acusatório ático e romano. Portanto, também neste sentido não só as pretensões, como o próprio embasamento teórico e jurisprudencial firmados pelo recorrente, não encontram qualquer fundamento científico que os ampare, constatação que nos permite excluir a passividade judicial como critério diferenciador entre os sistemas acusatório e inquisitivo, como o faz o apelante A Passividade Judicial no Sistema Acusatório Ao que se viu até o momento, o inciso I do artigo 129 da Constituição Federal não fixa o sistema processual penal que deve ser adotado em nosso país, e tampouco restringe as condutas que podem ser tomadas pelo julgador ao longo da fase de instrução de um processo criminal. Além disso, também restou afastada a passividade judicial como uma característica exclusiva do sistema acusatório, esvaziando por completo toda a base teórica e jurisprudencial apresentada pelo recorrente. Em outras palavras, podemos afirmar, sem medo de cometer qualquer equívoco ou excesso, que todos os textos invocados por ele como sustentáculo de suas pretensões (doutrina e jurisprudência), possuem um 12 Copilación delas Inftrutiones del Officio dela fanta Inquificion, fechas en Toledo, año de mil y quinientos y fefenta y un años. 17

18 forte e claro teor ideológico, pois vêem no sistema acusatório o símbolo supremo do bem no processo penal, assim como vêem no sistema inquisitivo o representante de todo o mal que neste último possa existir. Prova disso é que os autores e acórdãos citados pelo recorrente jamais se reportaram a qualquer documento histórico do sistema inquisitivo que lhes tenha permitido chegar às conclusões que divulgam em âmbito nacional e estadual. Se tal busca histórica fosse realizada, fatalmente teriam que rever todos os seus conceitos, para não realizarem o que FERRAJOLI chamou de operaciones ideológicas de falsificación histórica, o construcciones teóricas lógicamente inconsistentes y axiológicamente inservibles 13 Assim posta a questão, se já sabemos que a passividade não é um critério seguro para identificar um sistema como acusatório, o que nos resta agora é saber se o sistema acusatório admite a figura de um juiz ativo na fase probatória. Ou seja, se a passividade pode fazer parte do sistema inquisitivo, também há que se saber se a atividade do juiz, ao longo da instrução, pode ser encontrada no sistema acusatório. Com efeito, todo o exame que fizemos acima nos leva a concluir que o problema referente à atividade o passividade do juiz, durante a fase de instrução, está na maneira como entendemos o processo penal. Ao fim e ao cabo, isto se resumiria a uma simples opção político-ideológica, onde ou se adotaria um processo com uma visão nitidamente privatista pois esta é a conseqüência de o futuro do processo estar exclusivamente nas mãos das partes, ou um processo com função pública. 13 FERRAJOLI, Luigi. Derecho y Razón. Teoría del Garantismo Penal. 5ª edición. Traducido por Perfecto Andrés Ibáñez, Alfonso Ruiz Miguel, Juan Carlos Bayón Mohino, Juan Terradillo Basoco y Rocío Cantarero Bandrés. Traducción de Diritto e Ragione. Teoria del Garantismo Penale. Madrid: Trotta, 2001, p

19 Entre estas opções políticas, que dizem respeito à conduta do juiz, encontramos duas situações antagônicas em âmbito doutrinal: o adversarial system, existente em países de cultura anglo-saxônica, e o inquisitorial system, cuja vigência se destaca entre os países seguidores do modelo continental de direito. Os dois se manifestam no sistema acusatório 14 e não no sistema inquisitivo, disto não devendo fazer-se confusão quanto ao nome do segundo, com vinculações inexatas ao sistema ou ao princípio inquisitivos. A diferença entre ambos é que, no adversarial system, as partes é que se encarregam da marcha do processo e da produção probatória. Há, portanto, uma total adoção do modelo estruturado pelo sistema acusatório clássico (ático e romano) e do sistema acusatório dos países integrantes da Common Law, onde prevalece a passividade do órgão encarregado de julgar, trazendo consigo problemas como a falta de controle sobre a atividade das partes (conluio para fraudar o resultado do processo e privatização do processo penal), o que levou a doutrina internacional a ironicamente batizar a esta teoria do juiz passivo como sendo a teoria esportiva da justiça 15, ou então como a regra do não te metas 16. Já, no que diz respeito ao inquisitorial system também chamado de processo de desenvolvimento oficial 17, regra da inquisitividade 18 ou 14 PELLEGRINI GRINOVER, Ada. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal Acusatório. Revista Brasileira de Ciências Criminais. Nº 27, Año 7, jul-set, São Paulo, 1999, p. 72. COELHO ZILLI, Marcos Alexandre. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal. São Paulo: RT, 2003, p AMODIO, Ennio. O Modelo Acusatório no Novo Código de Processo Penal Italiano. Revista de Processo. Nº 59, Año 15, jul-set, 1990, p RUBIANES, Carlos J. Manual de Derecho Procesal Penal. Volumen I. 1ª edición, 1ª reimpresión. Buenos Aires: De Palma, 1978, p PELLEGRINI GRINOVER, Ada. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal Acusatório. Revista Brasileira de Ciências Criminais, p

20 princípio de instrução 19, estes atos são de responsabilidade do juiz, e não exclusivamente das partes, que atuaria no processo penal movido pelo interesse de aplicar a justiça, que seria representada pela busca de uma verdade equivocadamente considerada como material 20. Muitas vezes, o inquisitorial system não é corretamente compreendido por setores da doutrina, que manifestam um profundo repúdio à figura de um juiz mais ativo e que participe na obtenção da prova. Todavia, o que tem que ficar claro é que um juiz pertencente a este sistema não converte sua atividade jurisdicional em inquisitiva 21, pois ela somente se destina a impedir que as parte ocultem fatos ou provas, ou que deles disponham, em um tema que é de interesse público. Ademais, este modelo de juiz não possui poderes absolutos 22, e tampouco estará atuando a favor de uma ou outra parte, mas sim na averiguação da verdade e verificação da justiça 23. Por isso, acertadamente já disse ALCALÁ-ZAMORA que Aumentar los poderes de dirección procesal del juez es una cosa, y otra totalmente distinta erigirle en burócrata-dictador y dejar de lado el principio del contradictorio LAURIA TUCCI, Rogério. Princípios e Regras Orientadoras do Novo Processo Penal Brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1986, p BAUMANN, Jürgen. Derecho Procesal Penal. Conceptos Fundamentales y Principios Procesales. Introducción sobre la Base de Casos. Traducido por Conrado A. Finzi. Traducción de Grundbegriffe und Verfahrensprinzipien des Strafprozessrects. Eine Einführung an Hand von Fällen. 3ª edición, Buenos Aires: Depalma, 1986, p PELLEGRINI GRINOVER, Ada. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal Acusatório, p. 72. COELHO ZILLI, Marcos Alexandre. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal, p. 43 e DE BARROS, Marco Antônio. A Busca da Verdade no Processo Penal. São Paulo: RT, 2002, p RIBEIRO SCHOLZ, Leônidas. Sistemas Processuais Penais e Processo Penal Brasileiro. Revista dos Tribunais. Nº 764, São Paulo, 1999, p PELLEGRINI GRINOVER, Ada. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal Acusatório, p GOLDSCHMIDT, James. Principios Generales del Proceso. Tomo II. Buenos Aires: EJEA, 1961, p ALCALÁ-ZAMORA Y CASTILLO, Niceto. Proceso, Autocomposición y Autodefensa. 3ª edición. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1991, p Em sentido similar, encontramos CANUTO, quando diz que, neste modelo de processo, não se quee conferir um monopólio ao juiz, mas 20

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 762.072 -RS (2005/0103061-5) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : AIRTON HANDLER ADVOGADO : DANILO KNIJNIK

Leia mais

Número: 0020259-07.2013.5.04.0751

Número: 0020259-07.2013.5.04.0751 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região - 2º Grau PJe - Processo Judicial Eletrônico Consulta Processual Número: 0020259-07.2013.5.04.0751 Classe: RECURSO ORDINÁRIO - Relator: JURACI GALVAO JUNIOR 09/07/2014

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

Ribeiro R E L A T Ó R I O

Ribeiro R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de recurso em sentido estrito interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra Decisão que, desclassificando a imputação descrita na denúncia (fls. 292/294), rejeitou a denúncia

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.187.146 - MT (2010/0053786-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : ELÓI BRUNETTA : EUCLIDES RIBEIRO S JUNIOR E OUTRO(S) : BUNGE ALIMENTOS S/A : FÁBIO SCHNEIDER E OUTRO(S) RELATÓRIO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS. EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Ordem de Habeas Corpus PAULA xxxxx, brasileira, casada, do lar, CPF n.xxxx, residente na Rua xxxx, por

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 43.213 - MG (2013/0400356-8) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : SAMUEL JHON DE JESUS (PRESO) ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : MINISTÉRIO

Leia mais

4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA

4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA 4ª Câmara Cível AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 55413-2/180 (200701476731) COMARCA DE URUANA AGRAVANTE MAFRE VERA CRUZ SEGURADORA S/A AGRAVADA MARIA FRANCISCA DE OLIVEIRA RELATOR Juiz GILMAR LUIZ COELHO RELATÓRIO

Leia mais

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer.

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer. SÚMULA ABERTURA DE VISTA DOS AUTOS, EM SEGUNDA INSTÂNCIA, PARA A DEFENSORIA PÚBLICA APÓS A APRESENTAÇÃO DO PARECER PELO MINISTÉRIO PÚBLICO PARIDADE DE ARMAS - HOMENAGEM AO CONTRADITÓRIO E À AMPLA DEFESA

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO O EXMO. SR. DESEMBARGADOR FEDERAL CÂNDIDO RIBEIRO: O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Marcelo Henrique Belonsi, imputando-lhe

Leia mais

ACÓRDÃO. Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2008. DES. ARMANDO FREIRE - Relator NOTAS TAQUIGRÁFICAS O SR. DES. ARMANDO FREIRE: VOTO

ACÓRDÃO. Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2008. DES. ARMANDO FREIRE - Relator NOTAS TAQUIGRÁFICAS O SR. DES. ARMANDO FREIRE: VOTO Número do processo: 1.0637.07.046005-9/001(1) Relator: ARMANDO FREIRE Relator do Acordão: ARMANDO FREIRE Data do Julgamento: 26/02/2008 Data da Publicação: 23/04/2008 Inteiro Teor: EMENTA: ESTATUTO DA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

Procuradora de Justiça Coordenadora de Recursos Judiciais

Procuradora de Justiça Coordenadora de Recursos Judiciais EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR VICE-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE Feito : Recurso Especial na Apelação Criminal nº 0013021-76.1999.8.01.0001 (2010.001490-7) Órgão : Câmara

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELANTES J.B. D.S. e OUTRA APELADO J. F. A. S. RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER CÂMARA 4ª CÍVEL RELATÓRIO J. B. D. S. e sua esposa, qualificados

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.375.078 - MT (2010/0221460-4) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : ESTADO DE MATO GROSSO : ULINDINEI ARAÚJO BARBOSA E OUTRO(S) : CERÂMICA NOVA

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. DIREITO: Conjunto de normas e princípios que regula a vida do homem na sociedade.

DIREITO DO TRABALHO. DIREITO: Conjunto de normas e princípios que regula a vida do homem na sociedade. DIREITO DO TRABALHO DIREITO: Conjunto de normas e princípios que regula a vida do homem na sociedade. DIREITO DO TRABALHO: Conjunto de princípios e normas relacionados à relação de trabalho subordinado

Leia mais

<CABBCBBCCADACABCCBBABBCCACBABCADBCAAA DDADAAAD> EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO DE DROGAS CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO RECURSO NÃO PROVIDO. - O crime previsto no art. 35 da Lei

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Gabinete do Desembargador Fausto Moreira Diniz 6ª Câmara Cível

Gabinete do Desembargador Fausto Moreira Diniz 6ª Câmara Cível APELAÇÃO CÍVEL Nº 398279-07.2008.8.09.0174 (200893982792) COMARCA DE SENADOR CANEDO APELANTE : JOAQUIM CÂNDIDO DA SILVA APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : DES. FAUSTO MOREIRA DINIZ RELATÓRIO Trata-se

Leia mais

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI. 1 AUTOS DE APELAÇÃO CRIMINAL DE N.º 1231245-7, DE FOZ DO IGUAÇU 1ª VARA CRIMINAL. APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME CONTRA O PATRIMÔNIO. ESTELIONATO. RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO PELA PENA EM CONCRETO. RECURSO DEFENSIVO PREJUDICADO. Transcorridos mais de 04 (quatro)

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli R E L A T Ó R I O A Exmª Des. Federal MARGARIDA CANTARELLI (Relatora): Cuida-se de mandado de segurança impetrado pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra decisão do Juízo da 8ª Vara Federal do Rio Grande

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA IMPTTE IMPTDO PACTE ORIGEM RELATOR : CLÁUDIO PIO DE SALES CHAVES E OUTRO : JUÍZO DA 12ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (GUARABIRA) : SAULO GONÇALVES COELHO : 12ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (GUARABIRA - PB) : DESEMBARGADOR

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

ACÓRDÃO. oes i n'ítiu v.5

ACÓRDÃO. oes i n'ítiu v.5 o AI no 037.2010.002.240-1/001, oes i n'ítiu v.5 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO AGRAVO INTERNO No

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 APELAÇÃO CIVEL Nº 0020860-15.2004.8.08.0024 (024040208605) - VITÓRIA - VARA ESPECIALIZADA

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Gabinete do Desembargador Joás de Brito Pereira Filho

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Gabinete do Desembargador Joás de Brito Pereira Filho o PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL N. 010.2007.000127-5 / 001 BREJO DO CRUZ Relator : Des. Joás de Brito Pereira Filho Apelante : Ministério Público Estadual

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - DPVAT - AUSÊNCIA DE PROCURAÇÃO - INTIMAÇÃO PARA REGULARIZAÇÃO PROCESSUAL - INTELIGÊNCIA DO ART. 13 DO CPC - NÃO ATENDIMENTO - PRELIMINAR SUSCITADA DE OFÍCIO - POSSIBILIDADE -

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS f.- ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 018.2010.001180-0/001 r Vara da Comarca de Guarabira RELATOR: Dr. João Batista Barbosa,

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O Agravo Regimental em Agravo Regimental em Apelação Cível 437320-59.2008.8.09.0051 (200894373200) Comarca de Goiânia Agravante : Pienge Construtora Ltda Agravada : Agência Municipal do Meio Ambiente Amma

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO 5 4 ESTADO DA PARAÍBA é - kno.-.k PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação criminal n. 2004.007188-9 Comarca de Remígio Relator : O Exmo. Des. José Martinho Lisboa Apelante : Maria Margarete Viana

Leia mais

1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA.

1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. 1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. Fundamento legal: Art. 840 CLT Subsidiariamente: 282 do CPC. Partes: Reclamante (autor), Reclamada (ré). Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz do Trabalho da ª Vara

Leia mais

1. RECURSO DE APELAÇÃO

1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Sentença condenatória. - Sentença absolutória. - Sentença de absolvição sumária no âmbito do Tribunal do Júri, nos termos do art. 415 do CPP. - Decisão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 27.317 - RJ (2009/0240403-0) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRO GILSON DIPP : P M DA C R : KATUSUKE IKEDA E OUTRO(S) : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO ORIGEM : 37ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO - PE RELATÓRIO O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): Tratam-se de apelações criminais interpostas por ROMERO SANTOS VERAS e ROMERO SALES GOMES em face de sentença

Leia mais

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP * Marcel Brasil de Souza 1 Introdução No presente artigo, busca-se discutir o acórdão proferido pela Terceira Turma do

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Santa Cruz do Sul/RS Interessado(s) 1: SINDITAXI Sindicato dos Taxistas de Santa Cruz do Sul Interessado(s) 2: Município de Sobradinho Assunto(s): Liberdade e Organização Sindical

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL CID MARCONI: Embargos de Declaração desafiados por Ana Paula Dias Gomes Barbosa e Roberto Abraham Abrahamian Asfora em face do Acórdão de fls. 642/657, cuja ementa tem

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO DE APELAÇÃO nº 2006.2579-1/0, DO 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DE LONDRINA Recorrente...: ATAIDIO ANTONIO MEDEIROS Recorrido...: MINISTÉRIO PÚBLICO PENAL. INFRAÇÃO AO ART. 16, CAPUT DA LEI 6.368/76.

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - JOSÉ LUIZ BARRETO VIVAS 8 de abril de 2015 AGRAVO DE EXECUÇÃO PENAL Nº 0010605-96.2012.8.08.0030 - LINHARES - 2ª VARA CRIMINAL

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AGRAVO DE INSTRUMENTO 854.226 MINAS GERAIS RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROSA WEBER :INDÚSTRIA DE MÓVEIS PYA LTDA :MARCELO TOSTES DE CASTRO MAIA :UNIÃO :PROCURADOR-GERAL

Leia mais

A apreciação das provas no processo do trabalho

A apreciação das provas no processo do trabalho A apreciação das provas no processo do trabalho Ricardo Damião Areosa* I. Introdução Segundo Aroldo Plínio Gonçalves, processualista mineiro e juiz do trabalho, Nulidade é a conseqüência jurídica prevista

Leia mais

ACÓRDÃO. ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS e agravado MESQUITA BARROS ADVOGADOS, ACORDAM

ACÓRDÃO. ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS e agravado MESQUITA BARROS ADVOGADOS, ACORDAM AGRAVO INOMINADO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019225-16.2014.8.19.0000 AGTE. CAMARA DIBE E ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS AGDO. MESQUITA BARROS ADVOGADOS RELATOR: DESEMBARGADOR MAURICIO CALDAS LOPES Ação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

(ft.." 4 Án 41. sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS

(ft.. 4 Án 41. sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS (ft.." 4 Án 41 sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 076.2008.000525-9/001 Comarca de

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL II PROFESSOR: GUSTAVO SENNA MIRANDA TURMA: 3º AI UNIDADES

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 4 ê% ESTADO DA PARAÍBA poder JUDICIÁRIO Apelação Criminal n 035.1998.000012-5 / 001 1 a Vara Sapé Relator : Excelentíssimo Desembargador José Martinho Lisboa 1 Apelante : Carlos Francisco de Oliveira Filho

Leia mais

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA ANTES DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. REVELIA. COMPARECIMENTO DO PREPOSTO. AUSÊNCIA DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 957.779 - GO (2007/0014985-3) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADVOGADO : ANTÔNIO RICARDO REZENDE ROQUETE E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL No. 200.2008.032784-0/001 ia Vara Criminal da Comarca da Capital RELATOR: Marcos William

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - L,, n ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Criminal n 200.2007.001711-2/001 8 a Vara Criminal de João Pessoa Relator : O Excelentíssimo Desembargador José Maninho Lisboa Apelante : Darcilene

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho , 1. " ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO. APELAÇÃO CÍVEL N 076.2005.000115-5/001 Comarca de Gurinhém RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 1.201.791 - SP (2013/0340189-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA : M O M DE B A : ADRIANA CHIECO E OUTRO(S)

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af RECURSO DE REVISTA. EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. SÚMULA Nº 114 DO TST. Viola o art. 5º, XXXVI, da Constituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.190.426 - SP (2010/0068750-3) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA : JOÃO FERNANDO ALVES

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES NO PROCESSO PENAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I A INTIMAÇÃO DA SENTENÇA AO RÉU DISSONÂNCIA DA DOUTRINA

Leia mais

Faculdade de Direito de Franca. Processo Penal II. I Plano de ensino. II - Programa

Faculdade de Direito de Franca. Processo Penal II. I Plano de ensino. II - Programa Faculdade de Direito de Franca Processo Penal II I Plano de ensino II - Programa 2015 2 I PLANO DE ENSINO 1. INFORMAÇÕES GERAIS: 1.1 Professor: Antonio Milton de Barros 1.2 Departamento: Direito Público

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.133.986 - RS (2009/0133788-0) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO JORGE MUSSI : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : WILER DA LUZ DOS REIS : LÉA BRITO

Leia mais

Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças

Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças José Carlos Fragoso 1. Não é infreqüente que nos deparemos no foro criminal com sentenças nulas, por absoluta ausência de fundamentação. Isto ocorre quando

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO EMBTE : INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE EMBGDO : RIVADALVI BORBA DA SILVA ADV/PROC : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS REMTE RELATOR : JUÍZO DA 3ª

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO E SEU INERENTE EFEITO INTERRUPTIVO DO PRAZO RECURSAL

DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO E SEU INERENTE EFEITO INTERRUPTIVO DO PRAZO RECURSAL DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO E SEU INERENTE EFEITO INTERRUPTIVO DO PRAZO RECURSAL Athos Gusmão Carneiro Ministro aposentado do STJ Ex-desembargador do TJRS Advogado 8.950/94: 1. Dispõe o art. 538 do CPC,

Leia mais

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL 2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL O inquérito policial é um procedimento (não é processo) que tem por escopo a produção de provas, tudo para abalizar a denúncia (se for o caso) do membro do Ministério Público.

Leia mais