O Papel do SESMT no Auxílio da Gestão de Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel do SESMT no Auxílio da Gestão de Empresas"

Transcrição

1 1 O Papel do SESMT no Auxílio da Gestão de Empresas Angelica Regina BAPTISTA 1 RGM Fernanda Cristina da SILVA RGM Marcio Roberto Pereira da LUZ RGM Naiara VERONEZ RGM Resumo Aparecido Francisco PALMIERI 2 A saúde e a segurança do trabalho são de fundamental importância para a garantia da dignidade da pessoa humana, sendo assim um parâmetro a ser conquistado, tendo no trabalho a melhor forma para se atingir tal objetivo. Todavia, torna-se impossível o alcance dessa dignidade sem que no meio ambiente do trabalho haja a plena valorização do direito à vida. O grande número de pessoas afastadas do trabalho, sejam por acidentes ou doenças, tem ocorrido em paralelo ao crescente desenvolvimento tecnológico do parque industrial brasileiro. Percebe-se que com as novas tecnologias, as novas atividades laborais desenvolvidas e as novas condições de trabalho, têm surgido novas causas de afastamentos do trabalho. Por esses fatores, torna-se explícita a importância da gestão de empresas nas atividades relacionadas ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT). Palavras-chave: trabalho; saúde; medicina do trabalho; segurança do trabalho; SESMT Introdução O SESMT corresponde a Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. No Brasil um país colônia, por mais de três séculos não houve preocupações com o trabalhador, por esta mão de obra ser facilmente conseguida através do tráfico de escravos negros e aprisionamento de índios. O Brasil, como o restante da América Latina, teve sua Revolução Industrial ocorrendo bem mais tarde do que nos países europeus e norte-americanos, por volta de 1930, e, embora tivéssemos em menor escala a experiência de outros países, passamos pelas mesmas fases, tanto que em 1970, se falava ser o Brasil o campeão mundial de acidentes do trabalho. Após muito tempo observando o aumento nos números de acidentes, viu-se a necessidade da criação de normas e sistemas com o objetivo de redução dos mesmos. Surgiu ao longo dos anos, conforme a evolução da gestão nas empresas uma tendência de 1 graduandos de Administração do CEUNSP (ano de conclusão 2011) 2 Professor do CEUNSP, mestrando em Educação pela UNISAL, orientador do trabalho de TCC

2 2 preocupação com a qualidade de vida no ambiente de trabalho. As primeiras iniciativas no Brasil para a prevenção de acidentes foram de empresas estrangeiras de geração e distribuição de energia elétrica Light and Power em São Paulo. A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) de 1943 prescreveu a existência nas empresas de Serviços Especializados em Segurança, em seu artigo 164. No entanto, isso ocorreu somente através da portaria 3237, de 27/06/1972, do Ministério do Trabalho. Esta portaria teve várias alterações, mas nenhuma substancial, quando em 1978 foi revogada, revisando o capítulo V da CLT levada a efeito pela Lei 6514/77 e a edição da portaria 3214/78, quando a matéria abordada pela 3237/72 passou a ser assunto específico da NR4: Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT). O SESMT é um setor que faz parte do organograma interno das empresas, sendo que o mesmo está submetido às ordens da empresa contratante, bem como à constante fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), pois a sua estrutura, os seus profissionais e as suas respectivas finalidades estão submetidos à legislação de segurança do trabalho. Ássim, não é possivel ter um SESMT constituido e estruturado fora das normas estabelecidas pelo MTE., de acordo com Marco Antonio de Sousa Souza. Cabe assim ao SESMT, com o apoio do empregador e através da ampla conscientização dos empregados, a implementação de uma política de segurança do trabalho que propicie aos trabalhadores o direito ao exercício de suas funções de forma segura e digna, evitando a exposição dos mesmos a condições prejudiciais a sua integridade física, moral e psicológica (Moraes, 2002). A existência de um serviço especializado passou a ser obrigatoriedade nas empresas privadas e públicas, nos órgãos públicos da administração direta e indireta e dos poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho. Para que uma empresa seja obrigada a manter o SESMT, dependerá do grau de risco de sua atividade principal e do número de empregados registrados pela CLT. A NR-4 tem a sua existência jurídica assegurada, em nível de legislação ordinária, através do artigo 162 da CLT que traz: Art A empresa, de acordo com as normas a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, estarão obrigadas a manter serviços especializados em segurança e em medicina do trabalho. Parágrafo único. As normas a que se refere este artigo estabelecerão:

3 3 a) Classificação das empresas segundo o número de empregados e a natureza do risco de suas atividades; b) O número mínimo de profissionais especializados exigido de cada empresa, segundo o grupo em que se classifique, na forma da alínea anterior; c) A qualificação exigida para profissionais em questão e seu regime de trabalho; d) As demais características e atribuições dos serviços especializados em segurança e em medicina do trabalho, nas empresas. Dos principios de valorização do trabalho e dignidade da pessoa humana surge o direito ao meio ambiente do trabalho saúdavel que, por sua vez, decorre do próprio direito à proteção ao meio ambiente geral. (art. 225, caput, CF/88). Meio ambiente protegido é direito de todos, dentro de um sistema biológico equilibrado e sustentável, bem juridico protegido pela Lei Maior. (www.jurisway.org.br) Segundo Marco Antonio de Sousa Souza, o direito à saúde a segurança não deve estar substanciado apenas no meio ambiente do trabalho, mas também, no meio ambiente como um todo e para que seja alcançado o sucesso na prevenção dos infortúnios do trabalho, é necessário que o Estado e as empresas se direcionem na busca da valorização do homem, tanto no aspecto social como profissional, pois é o homem o tema central da prevenção dos infortúnios do trabalho, seja ele operário, técnico, administrador, empresário ou servidor público. Hoje não se pode dizer que as empresas só têm os serviços especializados em segurança porque são obrigadas. Já existe uma preocupação com a segurança e saúde dos trabalhadores. O desenvolvimento econômico e a busca pelo aprimoramento dos sistemas produtivos estão conduzindo as empresas a terem maior planejamento, menor desperdício, e a valorizar mais os seus recursos humanos e o meio ambiente, sendo que os recursos da informática passaram a ser uma arma fundamental dentro dos SESMT s. As perdas, decorrentes de acidentes, financeiras, materiais, dias de trabalho improdutivos, interrupção na produção, custo de serviço médico, custo de reabilitação profissional e custos de capacitação, equivalem a 4% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Os objetivos do serviço especializado em segurança do trabalho tratam do interesse coletivo, visando a promoção da saúde e a proteção da integridade física do trabalhador em seu local de trabalho. Para isso, regulamenta procedimentos, medidas de precaução, apura e

4 4 mantém dados dos acontecimentos, atua para que as medidas sejam respeitadas, sempre atendendo a legislação e aplicando as melhores práticas. Os Profissionais que compõem o SESMT A composição dos profissionais especializados na área de segurança e medicina do trabalho dá-se da seguinte forma: técnico em segurança no trabalho, engenheiro de segurança no trabalho, médico do trabalho, enfermeiro e auxiliar de enfermagem do trabalho. A grande maioria das empresas, conforme prevê a legislação e critérios definidos e citados anteriormente, acabam tendo a obrigatoriedade de ter um técnico de segurança do trabalho. Este é o profissional que cuida da prevenção de acidentes, na expectativa de reduzir os riscos profissionais, ou até mesmo eliminá-los. Desenvolve suas atividades e promove a adoção de meios e recursos técnico-administrativos, capazes de criar e desenvolver ações de prevenção aos acidentes de trabalho. Em relação ao Engenheiro de Segurança do Trabalho, ele precisa ser graduado em engenharia, agronomia ou arquitetura e ser pós-graduado na especialização de engenharia de segurança do trabalho, suas atribuições são: assessorar empresas industriais e de outros gêneros, examinando locais e condições de trabalho, instalações em geral, métodos e processos de fabricação adotados pelo trabalhador. O Médico do Trabalho é o médico que possui pós-graduação, especialização em medicina do trabalho. Suas atribuições são executar exames admissional, periódicos e demissional em todos os empregados ou exames especiais em aqueles que estão expostos a fatores insalubres, coordenar o programa de controle médico de saúde ocupacional, fazer tratamentos de urgência em casos de acidentes do trabalho, avaliar juntamente com outros profissionais as condições de trabalho. Enfermeiro do Trabalho é o portador de certificado de conclusão de curso de pósgraduação, especialização em enfermagem do trabalho, sendo suas atribuições elaborar e executar planos e programas de proteção à saúde dos empregados, prestar primeiros socorros no local de trabalho, em caso de acidentes ou doença, proporcionar atendimento ambulatorial aos trabalhadores. Para o cargo de Auxiliar de Enfermagem do Trabalho, devem ser portadores do certificado de conclusão de curso de qualificação de Auxiliar de Enfermagem do Trabalho, sendo suas atribuições desempenhar tarefas similares às que realiza o auxiliar de enfermagem, em geral, porém atua em dependências de fabricas, indústrias ou outros estabelecimentos que justifiquem a sua presença.

5 5 Novos profissionais começam a integrar a equipe de saúde ocupacional, como os psicólogos, terapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas e dentistas. O incentivo a uma ação participativa dentro da empresa integra todos os atores que intervém nesta realidade. Muda também a própria forma de composição do SESMT, que antigamente procurava apenas cumprir a legislação. Percebe-se agora, pelos classificados dos jornais, que se exigem requisitos maiores para preencher a função, como o grau de especialização e experiência. As atividades dos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho são essencialmente prevencionistas, embora não seja vedado o atendimento de emergência, quando tornar-se necessário. Entretanto, a elaboração de planos de controle de efeitos de catástrofes, de disponibilidade de meios que visem ao combate a incêndios e ao salvamento e de imediata atenção à vítima deste ou de qualquer outro tipo de acidente estão incluídos em suas atividades. (www.sso.com.br) Compete aos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho: a) aplicar os conhecimentos de engenharia de segurança e de medicina do trabalho ao ambiente de trabalho e a todos os seus componentes, inclusive máquinas e equipamentos, de modo a reduzir até eliminar os riscos ali existentes à saúde do trabalhador; b) determinar, quando esgotados todos os meios conhecidos para a eliminação do risco e este persistir, mesmo reduzido, a utilização, pelo trabalhador, de Equipamentos de Proteção Individual - EPI; c) colaborar, quando solicitado, nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas da empresa; d) responsabilizar-se tecnicamente pela orientação quanto ao cumprimento do disposto nas NR aplicáveis às atividades executadas pela empresa e/ou seus estabelecimentos; e) manter permanente relacionamento com a CIPA, valendo-se ao máximo de suas observações, além de apoiá-la, treiná-la e atendê-la; f) promover a realização de atividades de conscientização, educação e orientação dos trabalhadores para a prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, tanto através de campanhas quanto de programas de duração permanente; g) esclarecer e conscientizar os empregadores sobre acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, estimulando-os em favor da prevenção; h) analisar e registrar em documento(s) específico(s) todos os acidentes ocorridos na empresa ou estabelecimento, com ou sem vítima, e todos os casos de doença ocupacional, descrevendo a história e as características do acidente e/ou da doença ocupacional, os fatores ambientais,

6 6 as características do agente e as condições do(s) indivíduo(s) portador(es) de doença ocupacional ou acidentado(s); i) registrar mensalmente os dados atualizados de acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade. (www.cmt.com.br/nr4.htm). Como Implantar o SESMT A NR4 diz o que deve ser feito para a implantação do SESMT seus requisitos e não como fazer. Deverá ser modelado um processo para cada um dos requisitos que devem ser atendidos pelo SESMT, em relação à realidade do negócio. São competências do SESMT, em resumo: Aplicar conhecimentos de engenharia para reduzir até eliminar os riscos no ambiente de trabalho; Determinar o uso de EPIs (Equipamento de Proteção Individual), quando necessário; Atuar nos projetos físicos e tecnológicos; Responsabilidade técnica pela orientação ao cumprimento da devidas NRs; Interagir com a CIPA e dar todo suporte necessário: treinar, apoiar e atender; Desenvolver programas de educação e capacitação dos trabalhadores (prevenção de acidentes e doenças ocupacionais); Atuar como conscientizador do empregador, desenvolvendo a cultura da prevenção; Analisar e registrar todos acidentes em documentação específica; Consolidar e registrar mensalmente dados sobre acidente de trabalho. A verdade é que não há uma fórmula pronta para a implantação do SESMT. Pode-se utilizar como referências as melhores práticas de uma outra organização (benchmarking), adaptando-as para sua realidade empresarial e necessidades. Organização na Empresa As ações de segurança e saúde no trabalho no âmbito da empresa podem ser sistematizadas em um tripé formado pela NR5, CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, pela NR9, PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e pela NR7, PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Um passo significativo em direção ao enraizamento da cultura de Segurança e Saúde no Trabalho junto aos trabalhadores foi dado com a criação da CIPA. A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes é formada por funcionários da empresa, composta por representantes do empregador e dos empregados. Conforme Portaria 3214 de 08 de junho de 1978, todas as empresas privadas e públicas são obrigadas a organizar e manter em funcionamento, por estabelecimento, uma CIPA.

7 7 Tem por objetivo prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a presença da vida e a promoção da saúde do trabalhador. A missão do cipeiro é observar e relatar as condições inseguras no ambiente de trabalho; solicitar medidas para reduzir e até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizar os mesmos; discutir os acidentes ocorridos e solicitar medidas que previnam acidentes; orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidentes. Essa prevenção de acidentes deve obedecer a um processo dinâmico e constante, que se caracteriza por ações efetivamente prevencionistas, devem ser tomadas no sentido de evitar, eliminar, controlar ou impedir a evolução/consolidação dos riscos no ambiente de trabalho. Assim, a ação prevencionista correta e ideal é aquela que procura eliminar ou minimizar as causas dos acidentes, antes que os mesmos aconteçam, proporcionando aos trabalhadores condições eficazes de sobrevivência no exercício do trabalho. No entanto, mesmo dentro desse sistema, os acidentes poderão ocorrer e caberá a CIPA estudar suas causas, circunstâncias e conseqüências. A diferença básica entre o SESMT e a CIPA é que o primeiro é composto exclusivamente por profissionais especialistas em segurança e saúde no trabalho; enquanto o segundo é constituído por empregados que desempenham suas atividades normais e acumulam o serviço de segurança (geralmente leigos). Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho deverão manter entrosamento permanente com a CIPA, dela valendo-se como agente multiplicador, e deverão estudar suas observações e solicitações, propondo soluções corretivas e preventivas. (www.cmt.com.br/nr4.htm) A Semana Interna de Prevenção de Acidente do Trabalho - SIPAT - É obrigatória. Tem como finalidade básica divulgar, orientar e promover a prevenção de acidentes, segurança e saúde no trabalho. Tem o propósito de desenvolver a consciência da importância de se eliminar os acidentes do trabalho e de criar uma atitude vigilante permitindo reconhecer e corrigir condições e práticas nocivas ao ambiente de trabalho. A maioria das empresas opta pela realização das SIPATs no segundo semestre pelo fato de se possuir um maior número de informações sobre as condições de segurança, como por exemplo, as estatísticas de acidentes do ano anterior. Pelo menos 30 dias antes da realização da Semana, uma comissão deve ser criada para elaborar a programação a ser desenvolvida.

8 8 Simulações, competições esportivas e peças de teatro são algumas das práticas que vem sendo utilizadas nas empresas para realizar SIPATs criativas e realmente participativas. (www.sso.com.br) Em relação ao PPRA e o PCMSO, devem ser elaborados e implementados por todas as empresas, independentemente do número de empregados ou do grau de risco da atividade, em conformidade com a Norma Regulamentadora nº 9 da Portaria nº 3214/78. A elaboração e implementação do PPRA podem ser realizadas pelo SESMT da empresa, ou por pessoa, ou equipe de pessoas que, a critério do empregador, sejam capazes de desenvolver o disposto na norma. Apesar de seu caráter multiprofissional, o PPRA é considerado um programa de higiene ocupacional que tem como objetivo o reconhecer e controlar os riscos ambientais existentes nos locais de trabalho. Consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos. Entre os agentes físicos destacam-se o ruído, a vibração, o calor, o frio, as radiações. Os agentes químicos incluem os produtos e substâncias químicas que podem penetrar no organismo pela via respiratória, através da pele ou por ingestão. Os agentes biológicos são representados pelas bactérias, fungos, parasitas, vírus, entre outros. A estes riscos ambientais, devem ser acrescentados ainda os riscos mecânicos (ou de acidentes) e os denominados riscos ergonômicos, que incluem aspectos relacionados à organização do trabalho, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho, levantamento e transporte de materiais, que podem levar ao aparecimento das lesões por esforços repetitivos (as LER/DORT). O PCMSO deve ser elaborado por um médico do trabalho e deve ter caráter de prevenção e diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho. Na elaboração do PCMSO, o mínimo requerido é um estudo prévio para reconhecimento dos riscos ocupacionais existentes na empresa, através de visitas aos locais de trabalho, baseando-se nas informações contidas no programa ambiental (PPRA) e no Mapa de Riscos. A partir deste reconhecimento de riscos, deve ser estabelecido um conjunto de exames clínicos e complementares específicos para cada grupo de trabalhadores da empresa. É responsável pelo fornecimento de prontuários ASO (Atestado de Saúde Ocupacional). Entre as ações do PCMSO incluem-se, obrigatoriamente, a realização de cinco diferentes exames médicos: o admissional, o periódico, o de retorno ao trabalho, o de mudança de função e o demissional. Esses exames devem compreender a avaliação clínica (consulta médica) e os exames laboratoriais complementares (os indicadores biológicos).

9 9 Figura 1. Fluxograma de Atividades Fonte: Riscos no Ambiente de Trabalho Meio ambiente de trabalho é o local onde o homem realiza a prestação de serviço, desenvolvendo atividade profissional em favor de uma atividade econômica. Consideram-se riscos ambientais, tudo que tem potencial para gerar acidentes ou doenças no trabalho, em função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de exposição. Os riscos dividem-se em: Riscos biológicos: são microorganismos presentes no ambiente de trabalho, tais como as bactérias, os fungos, os vírus, entre outros. Riscos ergonômicos: são conhecimentos fundamentais ao planejamento de tarefas, postos e ambiente de trabalho, ferramentas, máquinas e sistema de produção, a fim de que sejam utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficiência. Riscos físicos: são representados pelas condições físicas, tais como vibrações, radiações, ruído, calor e frio, que podem causar danos a saúde. Riscos mecânicos: relacionados a máquinas inadequadas, maquinas e equipamentos mal dispostos, móveis sem boa localização, a ordem e a limpeza, entre outros.

10 10 Riscos químicos: os agentes químicos são produtos que podem penetrar no organismo. Quando absorvidos, produzem na grande maioria dos casos, reações diversas, dependendo da natureza, da quantidade e da forma da exposição à substância. Apesar dessas classificações, o risco mais danoso atualmente é o comportamental, onde o indivíduo deixa de cumprir com as normas de segurança impostas pela empresa, alterando seu ambiente de trabalho de forma prejudicial, ou deixa de usar os equipamentos e sistemas implantados para sua proteção. Figura 2 - Mapa de Risco Simplificado de uma Instalação Industrial Fonte: Figura 3 Cores Usadas no Mapa de Risco Fonte:

11 11 TIPO DE RISCO Químico Físico Biológico Ergonômico Mecânico COR Vermelho Verde Marrom Amarelo Azul Fumos metálicos e vapores Ruído e ou som muito alto Microrganismos (Vírus, bactérias, protozoários) Má postura do corpo em relação ao posto de trabalho Equipamentos inadequados, defeituosos ou inexistentes Gases asfixiantes H, He, N eco 2 Oscilações e vibrações mecânicas Lixo hospitalar, doméstico e de animais Trabalho estafante e ou excessivo Máquinas e equipamento sem Proteção e ou manutenção Risco de queda de Pinturas e Ar rarefeito Esgoto, sujeira, Falta de Orientação nível, névoas em geral e ou vácuo dejetos e treinamento lesões por impacto de objetos Agentes Causadores Solventes (em especial os voláteis) Pressões elevadas Objetos contaminados Jornada dupla e ou trabalho sem pausas Mau planejamento do layout e ou do espaço físico Ácidos, bases, sais, álcoois, éter, etc Frio e ou calor e radiação Contágio pelo ar e ou insetos Movimentos repetitivos Cargas e transportes em geral Reações químicas Picadas de animais (cães, insetos, repteis, roedores, aracnídeos, etc.) Lixo em geral, fezes de animais, fezes e urina de animais, contaminação do solo e água Equipamentos inadequados e não ergonômicos Risco de fogo, detonação de explosivos, quedas de objetos Ingestão de produtos durante pipetagem Aerodispersóides no ambiente (poeiras de vegetais e minerais) Alergias, intoxicações e queimaduras causadas por vegetais Fatores psicológicos (não gosta do trabalho, pressão do chefe, etc.) Risco de choque elétrico (correte contínua e alternada) Quadro 1 Quadro Descritivo dos Riscos Fonte: Acidente de Trabalho O conceito de acidente de trabalho é qualquer ocorrência não programada, inesperada, que interfere ou interrompe o processo normal de uma atividade, trazendo como conseqüência perda de tempo, dano material ou lesões ao homem. (www.apes.eng.br/engseg/02acidentes.htm)

12 12 Os acidentes de trabalho são aqueles ocorridos durante o horário de trabalho, em conseqüência de: Agressão física; Ato de sabotagem; Brincadeiras; Conflitos; Desabamento; Inundação; Incêndio; Ato de imprudência; Ato de imperícia; Ato de negligência. Os acidentes ocorridos fora do local de trabalho também são considerados acidentes de trabalho. Podemos citar como exemplos: Quando o empregado estiver executando ordem ou realizando serviço sob o mando do empregador; Quando o emprega estiver em viagem, a serviço da empresa; Durante o percurso da residência para o local de trabalho ou vice-versa. É mais conhecido como acidente de trajeto; Nos períodos de descanso, ou por ocasião da satisfação de necessidades fisiológicas no local de trabalho. Estatísticas de Acidentes Gráfico 1 Acidentes Registrados no Brasil Fonte: Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) A Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) é um documento emitido para reconhecer um acidente de trabalho ou uma doença ocupacional. Deve ser emitida pela empresa no prazo de 24 horas, ou, se ocorreu óbito, imediatamente. Pode também ser emitida - mesmo fora do prazo - pelo médico, pelo familiar, por um dependente do segurado, pelo sindicato ou por uma autoridade pública; nesse caso o INSS/ enviará uma carta à empresa para que emita sua CAT. (http://pt.wikipedia.org) Ocorrendo agravamento da lesão ou doença, a empresa deverá emitir uma CAT de reabertura. Se emitir uma CAT inicial (para negar continuidade de exposição a riscos), esta

13 13 poderá ser desqualificada pelo médico-perito, que tomará as medidas acima para o nexo técnico. A empresa fica sujeita a multa se o segurado continuou exposto aos agentes nocivos mesmo após o acidente ou a doença. EPI S X EPC S Os EPI s são os equipamentos de proteção individual, com a finalidade de proteger a integridade física do trabalhador durante a atividade de trabalho. Sua função é neutralizar ou atenuar um possível agente agressivo, contra o corpo do trabalhador que o usa. Evitam lesões ou minimizam a sua gravidade, nos casos de acidentes ou exposições à riscos, podem também nos proteger contra efeitos de substâncias tóxicas, alérgicas e/ou agressivas, que podem causar as chamadas doenças ocupacionais. A empresa é obrigada a fornecer ao empregado, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias: Sempre que as medidas de ordem geral não forneçam completa proteção contra os riscos de acidentes de trabalho ou doenças ocupacionais; Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; Para atender situações de emergência. (www.fundacentro.gov.br) Os EPI's podem ser classificados em 4 grupos: Proteção para a cabeça; Proteção do tronco; Proteção das vias respiratórias e cintos de segurança; Proteção para os membros superiores e membros inferiores; Figura 4 Equipamentos de Proteção Individual Fonte: EPC s são todos dispositivos de uso coletivo, destinados a proteger as integridades física dos trabalhadores. O EPC serve para neutralizar a ação dos agentes ambientais,

14 14 evitando acidentes, protegendo contra danos à saúde e a integridade física dos trabalhadores, uma vez que o ambiente de trabalho não deve oferecer riscos à saúde ou à a segurança do trabalhador (http://pt.wikipedia.org) Deve-se usá-los apenas para a finalidade que se destina; Responsabiliza-se por sua guarda e conservação; Comunicar qualquer alteração que o torne impróprio para o uso; Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado; Treinar o trabalhador sobre seu uso adequado e tornar obrigatório seu uso; Substituí-lo quando danificado ou extraviado. São exemplos de EPC s: extintores de incêndio, lava-olhos, capelas. Figura 5 Equipamentos de Proteção Coletiva Fonte: Fatores de Fracasso do SESMT São alguns dos fatores de fracasso do SESMT: Selecionar mal a equipe do SESMT; Posicionar mal o SESMT no organograma; Remunerar mal a equipe; Isolar o SESMT; A organização promover o desvio de função; Não existir investimento na atualização profissional do SESMT; A organização desautorizar o SESMT; Designar pessoas sem expressão para a CIPA; Inibir ao máximo a atividade do cipeiro; A prevenção não ser vista de forma sistematizada.

15 15 Eficácia do SESMT Em relação à eficiência da NR-4, no seu modelo atual, e sua contribuição de maneira significativa, o principal ponto levado em consideração é referente à vontade que as empresas devem ter para que o SESMT realmente cumpra ao seu papel dentro delas, uma vez observado que para um bom funcionamento do mesmo devem partir ordens em nível de diretoria. Não há muito interesse por parte de algumas empresas para que se tenha uma atuação eficaz nesta área. Quando a empresa tem vontade política e leva a sério, o SESMT irá funcionar de maneira correta, pois profissionais qualificados serão contratados e farão parte do quadro funcional, o que irá contribuir de uma forma muito valiosa com aquilo que a norma propõe. Em alguns casos não há eficiência nenhuma, pois a empresa constitui o SESMT somente no papel, o que acaba fazendo com que este serviço fique totalmente sem valor. A maneira utilizada para ter um parâmetro de quem realmente leva a NR-4 a sério e quem somente cumpre a legislação no papel é fiscalizando as outras normas regulamentadoras que se encaixam no perfil das empresas e verificando se estão sendo cumpridas. Por este método pode-se ter uma visão certa de como o SESMT está atuando. Com a Segurança no Trabalho, soma-se o conhecimento necessário para fazer a empresa mais eficiente, segura, organizada e produtiva. OHSAS A OHSAS consiste em um Sistema de Gestão, assim como a ISO 9000 e ISO 14000, porém com o foco voltado para a saúde e segurança ocupacional. Em outras palavras, a OHSAS é uma ferramenta que permite uma empresa atingir e sistematicamente controlar e melhorar o nível do desempenho da Saúde e Segurança do Trabalho por ela mesma estabelecido. OHSAS é uma sigla em inglês para Occupational Health and Safety Assessment Services, cuja tradução é Serviços de Avaliação de Saúde e Segurança Ocupacional. Assim como os Sistemas de Gerenciamento Ambiental e de Qualidade, o Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional também possui objetivos, indicadores, metas e planos de ação. (http://pt.wikipedia.org) Entrou em vigor em 1999, após estudos de um grupo de organismos certificadores e de entidades de normalização da Irlanda, Austrália, África do Sul, Espanha e Malásia. A norma é voltada à saúde e segurança ocupacional. É passível de auditoria e certificação. Visa auxiliar as empresas a controlar os riscos de acidentes no local de trabalho. É uma norma para sistemas de gestão da Segurança e da Saúde no Trabalho (SST). A

16 16 certificação por essa norma garante o compromisso da empresa com a redução dos riscos ambientais e com a melhoria contínua de seu desempenho em saúde ocupacional e segurança de seus colaboradores. A norma se baseia no conceito de que a companhia deve periodicamente analisar e avaliar seu sistema de gestão da SST, de maneira a sempre identificar melhoras e implementar as ações necessárias. Por isso, ela não estabelece requisitos absolutos para o desempenho da Segurança e Saúde no Trabalho mas exige que a empresa atenda integralmente à legislação e regulamentos aplicáveis e se comprometa com o aperfeiçoamento contínuo dos processos. Por não estabelecer padrões rígidos, duas organizações que desenvolvam atividades similares, mas que apresentem níveis diferentes de desempenho da SST, podem, simultaneamente, atender aos requisitos da norma. A norma OHSAS integra-se no mesmo modelo das normas ISO 9000 e ISO 14000, apresentando uma abordagem por processo. Estas normas são baseadas na utilização do ciclo de Deming, que permitem uma melhoria contínua dos desempenhos. A OHSAS compõe-se de um sistema de gestão que integra: O compromisso de seguir uma política de gestão dos riscos; A identificação e a avaliação dos fatores e áreas de riscos; A identificação de objetivos e programas; A formação do pessoal; A implantação de processos de controle; A preparação a situações de emergência; O estabelecimento de procedimentos de medida de vigilância; A implantação de medidas de prevenção dos acidentes; A instauração de um procedimento regular de verificação. O procedimento de certificação desenvolve-se em três etapas: A pré-avaliação efetuada pelo organismo responsável pela auditoria de certificação; O estudo dos documentos fornecidos pela empresa; A auditoria de certificação a fim de examinar e verificar a implantação efetiva dos procedimentos por parte da empresa. Figura 7. Espiral do Sistema de Segurança e Saúde no Trabalho Fonte: OHSAS 2007

17 17 Considerações Finais Através da elaboração deste trabalho, pudemos observar a evolução do SESMT nas organizações. Iniciou-se apenas como uma idéia de proteção à integridade física do trabalhador, a qual as empresas não aderiram. Viu-se, então, a necessidade de forçar a implantação dos processos de segurança do trabalho, através da legislação. Devido a obrigatoriedade, as empresas instalaram o SESMT, no entanto, ele não atingiu sua plena funcionalidade, já que as mesmas visavam apenas cumprir a lei, sem se importar com os benefícios que a atuação do mesmo traria. O que vemos hoje, por parte das empresas mais evoluídas, é uma consciência muito maior no que diz respeito ao recursos humanos, o que colaborou para o SESMT ser executado, visando o seu real objetivo, de assegurar o bem estar e a integridade dos trabalhadores. As próprias empresas criaram comissões internas, com o intuito de prevenir acidentes. Dentro dessas comissões, os colaboradores ficam responsáveis por fiscalizar uns aos outros, em relação ao uso de equipamentos de proteção e utilização consciente das ferramentas e máquinas de trabalho, evitando consideravelmente os números de acidentes. Algumas empresas ainda acreditam que o SESMT não funciona e precisa passar por reformas. No entanto, mesmo que isso aconteça e hajam mudanças na teoria, nada adianta se não for colocado em prática, não for monitorado e se não buscar uma melhoria contínua ideal à realidade daquela empresa. Essas organizações usam esse pensamento como uma desculpa, enquanto outras já se adaptaram a aplicação correta do programa de segurança do trabalho e estão saindo à frente da concorrência. Uma sugestão, para a redução dos acidentes de trabalho, seria contar com a contribuição do governo, para oferecer incentivos fiscais às empresas que atingissem metas relacionadas à prevenção dos mesmos. Seria necessário fiscalização contínua para assegurar um SESMT atuante. Assim, possivelmente, as empresas menos conscientes iriam, de alguma forma, aderir ao SESMT. A segurança dentro de uma organização não é prioridade, mas é necessário cuidar do seu maior bem, que é o recurso humano, que por sua vez, tem o SESMT que regulamenta os procedimentos dentro da empresa, visando a segurança na mesma e atualizando dados de acontecimentos para que novas medidas de precaução sejam tomadas, ajudando que todos os acontecimentos sejam respeitados, e apurados de fato, para o bem estar de todos. Estamos presenciando uma nova era no mundo empresarial, voltada à preocupação ambiental e humana, então entende-la e trabalhá-la com discernimento é com certeza o

18 18 melhor caminho para aqueles que desejam um futuro melhor para a prevenção de acidentes no Brasil. Referências Bibliográficas AMARAL, L.S.; CORRÊA, M.A.C.; RIANI, R.R; SALIBA. T.M., Higiene do trabalho e programa de prevenção de riscos ambientais. 2ª ed. São Paulo: LTr, ARAUJO, Giovanni Moraes de. Normas Regulamentadoras comentadas. 5ª ed. Vol. 1. Rio de Janeiro: Gerenciamento Verde, Manual de Legislação ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho. 55ª ed. São Paulo: Editora Atlas SA, 2004 MORAES, Monica Maria Lauzid de. O Direito à Saúde e a Segurança no Meio Ambiente do Trabalho. 1ª ed. São Paulo: LTr, SOUZA, Marco Antonio de Sousa. O Papel do SESMT nas Empresas Privadas e no Serviço Público. 1ª ed. Brasília, Acidente de Trabalho. Disponível em : < Acesso em 23 set Assessoria em Segurança e Saúde Ocupacional. Disponível em: <http://www.sso.com.br> Acesso em 22 set Equipamentos de Proteção Individual. Disponível em : <http://www.fundacentro.gov.br> Acesso em 05 out Grupo CIPA Disponível em: <http://www.cipanet.com.br>. Acesso em 26 ago Jurisway: Direito e Justtiça. Disponível em: <http://www.jurisway.org.br> Acesso em 12 set Mapa de Riscos. Disponível em <http://www.bauru.unesp.br> Acesso em 20 out Medicina e Segurança do Trabalho. Disponível em: <http://www.gampmed.com.br> Acesso em 14 nov MPAS. Acidente de Trabalho. Disponível em: <http://www.mpas.gov.br/pg_secundarias/paginas_perfis/perfil_empregador_10_04-a5.asp> Acesso em 07 set MPAS. CAT. Disponível em: <http://www.mpas.gov.br/pg_secundarias/paginas_perfis/perfil_empregador_10_04.asp> Acesso em 25 ago MTE. Lei n o /77. Portaria 3.214/78. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/default.asp> Acesso em 20 set NR 04 - SESMT. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/13613> Acesso em 24 ago OHSAS. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org> Acesso em 01 ago

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) são mantidos, obrigatoriamente, pelas

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT)

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Zelãene dos Santos SEGURANÇA DO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 4.1. As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos

Leia mais

HIGIENE OCUPACIONAL 10/03/2011 CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL HISTÓRIA DA HIGIENE OCUPACIONAL

HIGIENE OCUPACIONAL 10/03/2011 CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL HISTÓRIA DA HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL A Higiene do Trabalho é uma das ciências que atuam no campo da Saúde Ocupacional. Aplica os princípios e recursos da Engenharia, da Medicina,

Leia mais

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012 RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Aluna: Thalita Ripardo Ximenes Orientadora: Profª.. Dra. Ana Barbara de Araujo Nunes Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito LEI Nº0138/2014, DE 20 JANEIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE: INSTITUI O SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHOR E DA TRABALHADORA - SESST NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

TEMA NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO

TEMA NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO TEMA NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO 4.1. Empresas privadas e públicas, órgãos públicos, que possuam empregados regidos pela CLT, manterão, obrigatoriamente,

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C.I.P.A. COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CURSO DE FORMAÇÃO DE CIPEIROS ÍNDICE PÁGINA INTRODUÇÃO 002 RISCOS AMBIENTAIS 003 MAPA DE RISCOS 004 ACIDENTE DO TRABALHO 006 CAUSAS DOS ACIDENTES 007

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 9

Data de Vigência: Página 1 de 9 Data de Vigência: Página 1 de 9 1- Objetivo: Realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais e de retorno ao trabalho respeitando os critérios estabelecidos na NR 7. 2- Aplicação: Este procedimento

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*)

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) Dispõe sobre as diretrizes para a realização de ações de promoção da saúde ocupacional e de prevenção de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE ACORDO COM AS NORMAS REGULAMENTADORES NA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO PEDRO DO IGUAÇU

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL

OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL Prezado Cliente, Por determinação legal, se faz necessário à apresentação de laudos técnicos, como por exemplo: PPRA, PCMSO, CIPA, SESMT, PCA e o PPP, e os exames que

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

ALUNO: C I P A C o m i s s ã o I n t e r n a d e P r e v e n ç ã o d e A c i d e n t e s

ALUNO: C I P A C o m i s s ã o I n t e r n a d e P r e v e n ç ã o d e A c i d e n t e s 1 Consultoria e Assessoria em Segurança e Medicina do Trabalho Ltda. Visite nosso site: www.cipamed.com e-mail: cipamed@cipamed.com cipamed@uol.com.br ALUNO: Matriz: Av. Humaitá, 420 - Zona 04 - Maringá

Leia mais

Segurança Do Trabalho Descomplicada

Segurança Do Trabalho Descomplicada Autor: Antônio Carlos Zeferino www.segurancadotrabalhoacz.com.br - Página 1 de 19 PRINCIPAIS TÓPICOS - NR 04 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO (SESMT). QUADRO

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA ADMINISTRATIVO FINANCEIRA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Gerência de Segurança Ocupacional SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Virtual Machine ME CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200

Leia mais

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Higiene e Segurança do Trabalho Código: Pré-requisito:

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov. Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.br Marco Teórico O campo de estudo da Saúde do Trabalhador

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Rede Completa Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2011 3 de Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS ( NR ) PORTARIA Nº 3.214, DE 08 DE JUNHO DE 1978 O MINISTRO DO ESTADO, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 200, da Consolidação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

NR 5. C I P A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 5. C I P A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 5 C I P A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 5, cujo título é Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO UNESP-2014 DANIELLE VARGAS E-mail:danielle@franca.unesp.br COSTSA Grupo de Segurança e Sustentabilidade Ambiental -7 (sete) TST -1 engenheiro de Segurança -1 engenheiro eletricista

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 QUESTÃO 26 Considerando o disposto na NR-4, observadas as exceções previstas, deve-se considerar para o dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

II SEMINÁRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA SME

II SEMINÁRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA SME Prefeitura Municipal de Curitiba Instituto Municipal de Administração Pública - IMAP Plano de Desenvolvimento de Competências II SEMINÁRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA SME Curitiba 2009 Beto Richa Prefeito

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Enfermagem e Saúde NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Enfermagem do Trabalho

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais