F ENACON. O Bug da DCTF. Congestionamento no sistema estabelece caos na transmissão da DCTF on-line no último dia de entrega.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "F ENACON. O Bug da DCTF. Congestionamento no sistema estabelece caos na transmissão da DCTF on-line no último dia de entrega."

Transcrição

1 Ano V - Edição 50 F ENACON Fevereiro de 2000 O Bug da DCTF Congestionamento no sistema estabelece caos na transmissão da DCTF on-line no último dia de entrega

2 Sindicatos das Empresas de Serviços Contábeis, Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas filiados à FENACON Home Page: SESCON/ Alagoas Pres.: Anastácio Costa Mota R. Dr.Albino Magalhães, Bairro Farol Maceió/AL Tel. (082) / Fax (082) SESCON/ Bahia Pres.: José Rosenvaldo Evangelista Rios Praça Onze de Dezembro, 5 - sl Calçada Salvador/BA Tel. (071) Fax (071) SESCON/ Blumenau Pres.: Carlos Roberto Victorino R.15 de novembro, o and - Sl Blumenau/SC Telefax. (047) SESCON/ Caxias do Sul Pres.: Flávio Jair Zanchin R. Ítalo Victor Bersani, Jd. América Caxias do Sul/RS Tel. (054) Fax: (054) SESCON/ Ceará Pres.: Cleodon de Brito Saraiva Av. Sn. Virgílio Távora, º andar - sl Bairro Aldeota Fortaleza/CE Tel. (085) Fax (085) SESCON/ Distrito Federal Pres.: Antônio Gutenberg Moraes de Anchiêta CRS 504 Bloco C - Subsolo, 64 Asa Sul - Entrada W Brasília/DF Telefax (061) SESCON/ Espírito Santo Pres.: Haroldo Santos Filho R. Alceu Aleixo, Térreo - Jucutuquara Vitória/ES Tel. (027) Fax:(027) SESCON/ Goiás Pres.: Antonino Ferreira Neves Av. Goiás, Ed. Bradesco - 10º and. sl Centro Goiânia/GO Telefax (062) SESCON/ Grande Florianópolis Pres.: Antonio José Papior R. Araújo Figueiredo, Centro Executivo Veloso - sl Florianópolis/SC Tel. (048) Fax: (048) / SESCON/ Londrina Pres.: Osmar Tavares de Jesus R. Senador Souza Naves, sobreloja Ed. Euclides Machado Londrina/PR Telefax. (043) SESCON/ Maranhão Pres.: José Ribamar Pires de Castro Filho Av. Gerônimo de Albuquerque, S/N, sala Retorno do Calhau São Luís/MA Telefax: (098) SESCON/ Mato Grosso Pres.: Elynor Rey Parrado R. São Benedito, Bairro Lixeira Cuiabá/MT Tel. (065) / Fax SESCON/ Minas Gerais Pres.: João Batista de Almeida Av.Afonso Pena, º andar Belo Horizonte/MG Telefax (031) SESCON/Pará Pres.: Carlos Alberto do Rego Correa Travessa 9 de Janeiro, Cremação Belém/PA Tel. (091) Fax (091) SESCON/ Paraíba Pres.: Aderaldo Gonçalves do Nascimento Jr. Av. Tabajaras, João Pessoa/PB Telefax (083) SESCAP/ Paraná Pres.: Valdir Pietrobon R.Marechal Deodoro, º andar - Ed. Império Curitiba/PR Telefax. (041) SESCON/ Pernambuco Pres.: Geraldo de Paula Batista Filho R. General Joaquim Inácio, sl Recife/PE Tel. (081) / Fax. (081) SESCON/ Piauí Pres.: Tertulino Ribeiro Passos R. Honório de Paiva, Piçarra Teresina/PI Telefax: (086) SESCON/ Ponta Grossa Pres.: Luiz Valdir Slompo de Lara R. Comendador Miró, 860-1º andar Ponta Grossa/PR Tel. (042) Fax: (042) SESCON/ Rio de Janeiro Pres.: José Augusto de Carvalho Av. Presidente Vargas, Centro - sl Rio de Janeiro/RJ Tel (021) Telefax - (021) SESCON/ Rio Grande do Norte Pres.: Rui Cadete R. Princesa Izabel, Cidade Alta Natal/RN Telefax. (084) SIECONT/ Rondônia Pres.: Antonio Sivaldo Canhin R. Joaquim Nabuco, Altos - sl.4 - Bairro São Cristovão Porto Velho/RO Tel. (069) Fax: (069) SESCON/ Roraima Pres.: Maria de Fátima Bezerra da Silva Av.Getútio Vargas, 687-W - Centro/Anexo Boa Vista/RR Telefax. (095) SESCON/ Santa Catarina Pres.: Roberto Wuthstrack Av. Juscelino Kubitschek, 410-3º andar - bl.b - sl Joinville/SC Telefax (047) /1131 SESCON/ São Paulo Pres.: AparecidaTerezinha Falcão R. Formosa, º andar São Paulo/SP Tel. (011) Fax (011) SESCON/ Sergipe Pres.: Jodoval Luiz dos Santos R. Siriri, sl. 4-1º andar - Centro Aracaju/SE Tel (079) Fax (079) SESCON/ Sul Fluminense Pres. William de Paiva Motta R. Orozimbo Ribeiro, 14 - sl Centro Barra Mansa/RJ Telefax (024) SESCON/ Tocantins Pres.: Antônio Luiz Amorim Araújo ACSVNE-12 Lote 9 - Sala Palmas/TO Telefax (063) Empresário, mantenha contato com o seu sindicato ou com a Fenacon através da Internet. É mais rápido, mais cômodo e mais barato. Mande suas sugestões, reivindicações e, o mais importante, informações para que os líderes sindicais possam trabalhar melhor para sua empresa. 2 - Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de 2000

3 FENACON Ano V - Edição 50 Fevereiro de 2000 CONSENSO NA REFORMA Deputado Germano Rigoto prefere não falar em datas mas, a expectativa é de que até o fim do primeiro semestre a tramitação da proposta no Congresso já esteja concluída Pág.13 REVISTA FENACON PESQUISA No final do ano passado, o Governo lançou um alento para empresas que mantêm dívidas tributárias na esfera federal: o Programa de Recuperação Fiscal Refis, trazido por meio de Medida Provisória. A informação teve um impacto positivo, em primeiro momento, e foi devidamente repassada pelas empresas contábeis a suas respectivas empresas-clientes devedoras, ansiosas por ver sua situação regularizada. Mas Pesquisa feita pela Revista Fenacon, via Internet, mostrou que poucos ou nenhum dos clientes endividados de empresas contábeis optaram pelo Programa. AGENDA Eventos em CARTAS & S Refis REFORMA TRIBUTÁRIA Câmara prepara-se para votar texto de consenso Prestadoras de serviço tentam evitar a criação do IVV À LUZ DO DIREITO Multa emdenúncia espontânea e novas exigências na regulamentação RECUPERAÇÃO FISCAL Segmento empresarial se mobiliza para tornal viável opção pelo Refis...13 MOBILIZAÇÃO Fenacon solicita e Receita muda prazo para entrega da DCTF...14 MINI-GUIA WEB Sites de interesse do empresário contábil...16 INTERNET Programas disponíveis no site da Fenacon...17 EDUCAÇÃO Contabilistas enfrentam primeiro exame de suficiência para exercer profissão LIVROS Lançamentos editoriais REGIONAIS Notícias de todo o país Esta é a quinquagésima edição da Revista Fenacon e para comemorar, a equipe de redação preparou uma pesquisa para saber o que você leitor pensa a respeito dela. O formulário de pesquisa encontra-se nas duas últimas páginas e, após preenchido, poderá ser encaminhado à Fenacon por fax, correio ou internet. Os primeiros 500 formulários que chegarem darão direito ao leitor a um CD contendo uma sínteses das principais palestras que ocorreram na 8 a Conesc em 1999 Pág 25 COLUNA NIVALDO CLETO A coluna sobre Internet do empresário contábil Nivaldo Cleto chama a atencão sobre as facilidades oferecidas pelo site da Fenacon com a opção de downloads de programas antigos de IR. Pág 17 Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de

4 Agenda Março Sescon/Gde Florianópolis - Reunião Plenária & Palestra 21 de março Florianópolis - SP Informações: Tel.: (48) Maio Congresso Anual da Qualidade 8 a 10 de maio Indianápolis - EUA Multieventos Informações: redregional.org/spanish/ cadastro.html III Convenção Estadual das Empresas de Serviços Contábeis, Auditoria e Perícia do Estado de Sergipe III Coescap/SE 18 a 20 de maio Auditório do Espaço Sebrae Multieventos - Aracaju - SE Informações: Tel.: (79) Junho Seminário Regional Interamericano 14 a 16 de junho Fortaleza - CE Informações: Associação Interamericana de Contabilidade Site: XV Convenção dos Contabilistaas e II Encontro das Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo 21 a 23 de junho Centro de Convenções de Vitória Informações: Tel.: (47) (Sescon/ES) I Encontro das Empresas de Serviços Contábeis - Região Sul - I Enesc/Sul 22 a 23 de junho Hotel Laje de Pedra Canela - RS Informações: Tel.: (47) (Sescon/SC) Agosto III Encontro de Empresas de Serviços Contábeis - Região Nordeste - Enesc a 25 de agosto Centro de Convenções da Bahia - Salvador - BA Informações: Tel.: (71) (Sescon/BA) 50 a Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro 24 a 26 de agosto Hotel Glória Rio de Janeiro RJ Informações: (21) XVII Encontro das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo 17 a 19 de agosto Campos do Jordão SP Informações: (11) (Sescon/SP) Setembro III Encontrodas Empresas de Serviços Contábeis de Roraima 20 de setembro Boa Vista - RR Informações: Tel.: (95) (Sescon/RR) Outubro XVI Congresso Brasileiro de Contabilidade 15 a 20 de outubro Centro de Convenções de Goiânia GO Informações: Tel.: (61) / (61) (CFC) Novembro VIII Seresc - Seminário Regional das Empresas de Serviços Contábeis Novembro (data não definida) Caxias do Sul - RS Informações: Tel.: (54) Informações para coluna Agenda podem ser enviadas para o seguinte Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de 2000

5 Cartas & s Cartas & s FENACON R. Augusta, Cjs 42 e São Paulo - SP Telefax (011) A Revista Fenacon é uma publicação mensal da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis, Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas. Home Page: Tiragem: 50 mil exemplares Jornalista Responsável: Diva de Moura Borges. Produção Editorial: JV & BST Comunicação - Telefax (011) R. Cristiano Viana, 561-1º andar São Paulo - SP Conselho Editorial: Eliel Soares de Paula, Annibal de Freitas, Helio Cezar Donin, Pedro Coelho Neto, Carlos Kinas Sobrinho, Luiz Antônio Schmidt Travaína e Euclides Locatelli. Diretoria da Fenacon Presidente: Eliel Soares de Paula; Vice-Presidente - Região Sudeste: Annibal de Freitas; Vice-Presidente - Região Nordeste: Pedro Coelho Neto; Vice-Presidente - Região Sul: Carlos Kinas Sobrinho; Vice-Presidente - Região Centro-Oeste/Norte: Luiz Antônio Schmidt Travaína; 1º Diretor Financeiro: Moacir Corso; 2º Diretor Financeiro: Durval Alves; 1º Diretor Administrativo: Helio Cezar Donin; 2º Diretor Administrativo: Euclides Locatelli; Diretor de Relações Interentidades: José Antônio de Godoy. Suplentes Gerivaldo Pereira da Silva; Izabel Rodrigues Liipke; Jodoval Luiz dos Santos; Moisés Antônio Bortolotto; José Geraldo Lins de Queiroz; Horizon Donizett Faria de Almeida; Aguinaldo Mocelin; Mauro Gonçalves Cardoso. Conselho Fiscal Iracélio Perez; José Rojo Alonso; Paulo Bento. Suplentes: Alfredo Alexandre de Miranda Coutinho; Aluizio Bezerra de Mendonça; Flávio Jair Zanchin. Delegados Confederativos Eliel Soares de Paula Irineu Thomé Revista Fenacon Fale com a Redação Telefax: (011) JV & BST Comunicação R. Cristiano Viana, São Paulo - SP Refis I Excelente artigo da Dra. Mônica Aquino de Muro, sobre o Refis. Esclarecedor, mostra o outro lado das intenções reais do Governo arrecadador. Romério Donagio Righetti Alvorada Contabilidade Ribeirão Preto SP Refis II Gostaria de agradecer por ter recebido mais uma edição da Revista Fenacon, janeiro Parabéns pela edição, primeiríssima. Gostaria também de fazer o seguinte comentário: até quando sonegadores terão o direito de não Ter suas verdadeiras movimentações econômicofinanceiras auditadas pelo poder público? Até quando iremos usar o direito ao sigilo bancário ou a invasão a privacidade do contribuinte a fim de proteger sonegadores neste País? Não vejo o porquê de o Estado não poder averiguar a movimentação econômico-fiscal dos cidadãos. Quem não deve não teme. Polion Medeiros Maia Rio Grande do Norte Acervo universitário Recebemos e agradecemos a edição 47 da Revista Fenacon. Gostaríamos de receber números posteriores para enriquecimento do nosso acervo. Maria do Céu Lopes de Andrade Univ. Est. de Feira de Santana Feira de Santana BA Mercado para formandos Estou me formando em Ciências Contábeis pela Fundação de Estudos Sociais do Paraná FESP e tenho uma grande preocupação com o futuro da contabilidade no Brasil. Hoje, trabalho em escritório de contabilidade com mais de 60 clientes e o que eu vejo é assustador. Analisem comigo um fato real que acontece diariamente no Brasil todo. Em frente ao escritório que trabalho, uma pessoa que acabou de se tornar técnico em contabilidade abriu uma firma individual, colocou seus honorários contábeis bem abaixo do escritório e muito mais baixo ainda da tabela do sindicato e roubou muitos clientes. Essa firma não dá emprego a ninguém e o escritório tem 6 empregados. Essa firma individual paga um valor fixo de ISS e o escritório emite NF, paga ISS, PIS e Cofins. Essa firma individual faz suas escritas pelo lucro presumido, então executa somente um livro caixa - desconhecendo a lei que obriga a escrituração fiscal do Diário, Balanço e outras demonstrações financeiras -, enquanto que o escritório opera em maior conformidade com a lei. O escritório está demitindo 4 empregados, teve que reduzir seus honorários e os contadores que lá estão e que passaram 5 anos dentro de uma faculdade estão perdendo para um rapaz que passou 3 anos num cursinho profissionalizante. (...) Quero também elogiar a Conesc e a Fenacon pelo importante papel desempenhado, (...) Ricardo Jamil Nota da Redação: A revista Fenacon considera pertinente e importante o questionamento do estudante e salienta que esta é uma preocupação constante dos dirigentes da Fenacon, que têm procurado através de eventos e da própria revista, acenar para o correto caminho da valorização profissional e empresarial. Parabeniza também o estudante pela preocupação com a causa e salienta que, atitudes como esta só tem a contribuir para o engrandecimento da classe empresarial contábil. À Luz do Direito Gostaríamos de parabenizá-los pela excelente matéria sobre a isenção da Cofins, que li na Revista Fenacon, edição 49, de janeiro de 2000, no item Cartas & s. Gostaria de receber por o artigo da seção À luz do Direito, sobre o não pagamento da Cofins por parte das empresas prestadoras de serviços de profissão regulamentada. Organização Contábil Polachini Nota da Redação: O leitor poderá recuperar a íntegra do artigo pela internet, consultando o site da Fenacon (http:// Neste endereço é possível fazer download da íntegra desta edição da revista assim como números anteriores. Seguro profissional Solicitamos a gentileza de fornecer-nos o endereço eletrônico e/ou telefone do Sr. Antônio Aparecido Teixeira, autor da coluna Responsabilidade civil e erro técnico do contador, página 12, Revista Fenacon, edição 48, dezembro de Nelson Gonsalves Vida Assessoria de Seguros Ltda. Nota da Redação: Antônio Aparecido Teixeira é diretor-presidente das empresas Valoração Assessoria Contábil e CMP Corretora de Seguros. O telefone é o (11) e o E- mail: Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de

6 Cartas & s Estudo da contabilidade Tive acesso à Revista Fenacon, informativo de muito boa qualidade, abordando temáticas de relevante interesse da classe contábil no País. Muitos de seus artigos utilizei em sala de aula, com os meus alunos da disciplina Ética Geral e Profissional. Razão pela qual, embora não seja empresária da contabilidade, mas professora em duas instituições de ensino superior local, solicito a especial gentileza de enviarem-me periodicamente um exemplar desse precioso instrumento. Ginaira Lene de Amorim Cuiabá MT Revista Fenacon Com os cumprimentos da Universidade Cruzeiro do Sul, agradecemos o exemplar da Revista Fenacon, ano IV, edição 48, dezembro de Wilson João Zampieri Reitor - Univ.Cruzeiro do Sul São Miguel Paulista SP Instrumento de trabalho Gostaria de receber a revista Fenacon, pois a mesma é muito útil em meu trabalho e no trabalho do meu marido (analista de sistemas contábeis). Se possível; gostaria de receber a de janeiro Irene R.Damasceno de Oliveira Contadora Taubaté SP Pedidos de Inclusão no Cadastro A revista Fenacon ainda recebeu e atendeu as seguintes solicitações de inclusão no cadastro de leitores da publicação: Gostaria de externar os meus parabens a todos voces e especialmente ao presidente da Fenacom por ter conseguido a prorrogação da entrega das DCTFs, isto demonstra que estamos cada vez mais ativos. Sentimo-nos honrados em ter representante de tal nivel e competência. Parabéns. Paulo Duarte Jataí - GO Parabéns! A prorrogação da DCTF foi mais uma conquista da classe contábil, em especial da Fenacon através de seus dirigentes. A classe empresarial contábil brasileira realmente tem representantes a altura da profissão. Agradecemos em nome dos empresários de contabilidade de nosso estado. Jádson Ricarte Ricarte Contabilidade S/C Ltda Aracaju-SE Gostaria de Parabenizar a toda a equipe da Fenacon e especialmente seu presidente o Sr Eliel Soares de Paula. Tal empenho de toda a equipe, vem solidificando cada vez mais a imagem de nós contabilistas. Um dos exemplos mais recentes foi a prorrogação da entrega da DCTF. A agilidade e união da classe contábil também foi de grande importância. Nos sentimos muito seguros e honrados em termos um parceiro tão competente como a Fenacon. Prorrogação na entrega da DCTF E não poderia deixar de citar dois instrumentos de fantástica qualidade: a revista Fenacon e seus s diários, contribuindo e agilizando cada vez mais as nossas informações. Adilson Cordeiro Conselheiro do CRC/SC Logos Contabilidade SC Ltda São José - Santa Catarina O Sescon-PE., na figura do seu Presidente Geraldo de Paula Batista Filho, vem pelo presente, louvar a inestimável colaboração do Presidente desta entidade, Sr. Eliel de Paula, no episódio da prorrogação do prazo da entrega do DCTF. Valeu a garra!nós, empresários contábeis pernambucanos vibramos com mais esta vitória. Parabenizo a Fenacon por mais uma vitória. Concordo quando o presidente diz que é assim que se constrói uma entidade. Realmente, a soma do esforço e a determinação de vocês é que tem feito grande a Feacon Nossa categoria só tem a agradcer e a se rejubilar por sermos tão bem representados. Acredito que o Anastácio e os demais colegas de Alagoas concordam comigo. Muito obrigado a vocês todos. Carlos José Pedrosa Maceio - AL Nota da Redação: A Fenacon, através de seu presidente Eliel Soares de Paula, agradece a todas as manifestações recebidas de empresários de contabilidade de todo o Brasil relativas à mobilização da entidade para a prorrogação no prazo de entrega da DCTF, que teve seu prazo dilatado conforme explica reportagem à página 14 desta ediçãod a revista Fenacon. Acabei de colar grau (09/02/2000) em ciências contábeis pela PUC-PR e pretendo fazer pós-graduação em direito tributário ainda este ano. Gostaria de saber como efetuar a assinatura da Revista Fenacon já a partir da edição de fevereiro de 2000 (edição 50). Aguardo contato pelo endereço: redram.com.br. Elisete Campestrini Curitiba PR Sou estudante do curso de Ciências Contábeis, na Faculdade Compacto de Ciências Contábeis, em Brasília, e gostaria de receber a Revista Fenacon. Jonas Camelo de Paiva Somos uma instituição de ensino. Estamos recebendo a Revista Fenacon. Gostaríamos de saber se a mesma é doação ou assinatura. Geneci Manzke Univers. Des. Alto Vale do Itajaí. Sou estudante de Ciências Contábeis da Univ. Católica de Salvador UCSal, curso o 3 o semestre e desejo receber a conceituada revista. Lucimário Mota Santos Salvador BA Sou estudante do curso de Pós Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Mato Grosso-Campus Universitário de Rondonópolis e gostaria de receber a Revista Fenacon. Maria da Penha Araújo Brito Rondonópolis - MT s para esta seção devem ser enviados para 6 - Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de 2000

7 Reforma Tributária Câmara prepara-se para votar texto de consenso por Aline Aguiar, de Brasília A Comissão Especial da Reforma Tributária iniciou o ano 2000 em plena atividade. Com um calendário estrangulado, apesar das intensas atividades que marcaram o ano de 1999, a comissão aproveitou a convocação extraordinária para avançar nos debates em torno dos impasses criados pelo governo federal sobre o substitutivo elaborado pelo relator da comissão, deputado Mussa Demes (PFL-PI). Aproposta inicial de reforma tributária, depois de ter sido aprovada pela comissão por 35 votos contra um, em novembro do ano passado, sofreu uma série de ataques do governo federal, dos estados e municípios que se viram ameaçados de perder suas fontes de receitas. As críticas giraram principalmente em torno do aumento da carga tributária que o relatório aparentemente sugeria e da retirada da competência dos tributos para estados e municípios. O trabalho intensivo da Comissão nesse início de ano trazia a intenção de conseguir fechar e aprovar o texto final acrescido das emendas aglutinativas, antes do fim da convocação extraordinária. Isto para que o texto fosse enviado para a votação em plenário logo no início das atividades normais da casa. Mas, pelo andar da carruagem, a comissão já acena que a votação ocorrerá somente no final de maio. Governo presente Ao contrário do que vinha acontecendo anteriormente, nessa nova fase de negociações o governo federal participou intensamente das discussões colocando os seus posicionamentos, o que, aparentemente, vai resultar em Deputado Germano Rigoto prefere não falar em datas mas, a expectativa é de que até o fim do primeiro semestre a tramitação da proposta no Congresso já esteja concluída alterações significativas na proposta inicial. A criação de uma comissão tripartite, formada por representantes do Executivo (federal, estadual e municipal) para discutir os pontos mais polêmicos da proposta, deu um novo enfoque aos debates que vinham ocorrendo no âmbito da Comissão. Neste novo cenário estão sendo discutidas principalmente a proposta de criação do IVA - Imposto sobre Valor Agregado (que viria substituir um total de sete tributos) e as formas de arrecadação desse novo imposto, além da inclusão da CPMF como um imposto permanente, o IMF - Imposto sobre Movimentação Financeira. Os estados reinvindicam a criação de um imposto separado do IVA, de arrecadação exclusiva dos estados, diferentemente da proposta inicial, que criava um único IVA, cuja arrecadação seria dividida entre união e estados. IVA Federal e Estadual Com isso, a proposta ganhou um novo texto em que aparecem o IVA federal em substituição atual ao IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e o IVA estadual que vai abranger o ICMS e o ISS, cuja receita será dos estados. De acordo com o texto original de Mussa Demes, a arrecadação desse imposto seria feita no estado de destino e não no de origem proposta que se mantém inalterada nesse novo texto. Essa modificação do lugar da arrecadação, no entanto, será feita num período de transição de sete anos, segundo o acordo entre estados e comissão, e estará submetida a uma lei federal e a um conselho regulador integrado pelos estados. Tributacão seletiva A tributação de mercadorias e serviços será seletiva, ou seja, haverá alíquotas diferentes definidas de acordo com a natureza dos produtos. Inicialmente serão estabelecidas cinco quotas de tributação. Produtos de primeira necessidade, como alimentos que compõem a cesta básica, estarão numa faixa de tributação menor, a chamada alíquota super reduzida. Já produtos considerados supérfluos, como cigarro, álcool estarão numa faixa superior de tributação. Essas definições sobre a categorização dos produtos e das alíquotas serão feitas em lei complementar, após a aprovação do proposta de emenda à constituição. O consenso em torno de combustíveis, serviços de energia elétrica e de telecomunicações é de que estes produtos serão tributados exclusivamente pelos estados. Sugere-se também Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de

8 Reforma Tributária a criação de um imposto específico que vai incidir sobre a circulação de combustíveis automotivos, o ICA. Estados satisfeitos Na avaliação do deputado Federal Germano Rigotto, que preside a comissão, os estados agora sairão satisfeitos das negociações pois as definições que aparecem no novo texto, que deve ser submetido a aprovação da Comissão até o final de fevereiro, foram feitas em acordo com o interesse dos governos estaduais que não admitem a perda de receitas. Na verdade, não é a intenção da proposta da comissão diminuir a arrecadação da União e nem dos estados, afirma o deputado, mas estabelecer parâmetros para a arrecadação e acabar com o efeito de tributação em cascata, que prejudica o sistema produtivo brasileiro, colocando-o em desvantagem com relação aos produtos importados. ISS (IVV) a 4% Os municípios também fizeram suas exigências pois não queriam perder a receita obtida pelo ISS. Assim será estabelecido o IVV - Imposto sobre Vendas à Varejo cuja alíquota de tributação, até que seja definida em lei complementar, será de 4% para todos os municípios. O governo federal, além de arrecadar o IVA, também deverá arrecadar uma única cota de contribuição social, compreendendo o PIS, a Cofins e o salário educação. No novo texto, essa contribuição será cobrada sobre o faturamento das empresas e não deverá incidir sobre as exportações. CPMF: o dilema O grande impasse ainda se dá em torno da instituição da CPMF como um imposto permanente, o IMF, posição da qual o governo federal não abre mão. Para o presidente da Comissão, esse impasse deverá ser resolvido de acordo com duas alternativas que circulam na Comissão. A primeira seria a de que a alíquota máxima, definida na constituição, seria dedutível de outros impostos, e a segunda, é de que o imposto pudesse fazer parte da contribuição do empregador. Essa discussão, segundo Rigotto ainda está sendo conduzida. O presidente da comissão prefere não falar em datas mas, a expectativa é de que até o fim do primeiro semestre a tramitação da proposta no Congresso já esteja concluída para que, no segundo semestre, possam ser implementadas as leis complementares. Prestadoras de serviços tentam evitar a criação do IVV Documento entregue ao Ministério da Fazenda argumenta que o IVV será um imposto cumulativo, de difícil controle, arrecadação e fiscalização, representando maiores obrigações aos contribuintes, principalmente para os de de pequeno e médio porte Representantes de entidades do setor de serviços entrega ram, no dia 20 de janeiro, ao secretário executivo do Ministério da Fazenda, Amaury Bier, proposta de reforma tributária, destinada ao ministro Pedro Malan, com sugestões visando o aprimoramento do substitutivo do relator Mussa Demes à Proposta de Emenda Constitucional 175-A/95. A audiência, em Brasília, teve a presença do presidente da Fenacon, Eliel Soares de Paula, e do deputado federal Max Rosenmann, presidente do Núcleo Parlamentar de Estudos Contábeis e Tributários - NPECT. Bier ouviu a defesa das sugestões elaboradas pelo Grupo de Debates e Entendimento sobre Reforma Tributária e expôs sua visão sobre os principais pontos do documento. Reconheço na proposta do fórum, além de trabalho sério e desprendido, vários pontos de convergência com a proposta que se vai consolidando no âmbito da Comissão Tripartite, em torno de uma emenda aglutinativa ao substitutivo do relator, disse Bier. Ele afirmou ainda que o Ministério da Fazenda está disposto ao diálogo e à cooperação, inclusive em nível técnico. Vejo amplo espaço de entendimento com os participantes do fórum, confirmou. Uma das sugestões do documento é a de que se evite a criação do novo IVV - Imposto sobre Vendas a Varejo. Trata-se de imposto cumulativo, de difícil controle, arrecadação e fiscalização, representando maiores obrigações aos contribuintes, notadamente os de pequeno e médio porte, o que contraria a simplificação pretendida para o novo modelo tributário, argumenta o Grupo, no texto. A proposta conclui que as sugestões apresentadas representam as experiências e convicções de múltiplos segmentos da sociedade que integram o fórum e estão embasadas em números reais das receitas do atual sistema tributário. Histórico O Grupo se reuniu pela primeira vez, no dia 31 de agosto do ano passado, com o objetivo de chegar a um modelo de reforma tributária que representasse o consenso do setor sobre o tema, através do debate dos pontos convergentes e divergentes das propostas já elaboradas pelas entidades de serviços. O encontro teve a presença do presidente da Comissão de Reforma Tributária, deputado federal, Germano Rigotto. Ele defendeu que, a elaboração de uma proposta conjunta, refletindo os anseios deste importante segmento econômico do País, traria peso político e influência sobre a opinião dos parlamentares. 8 - Revista Fenacon - Edição 50 - Fevereiro de 2000

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Fernando Martins Vaz Chabert Diretor de Relações com Investidores da Hotéis Othon S/A Rua Teófilo Otoni, 15, sala 1201, Centro

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

AQUISIÇÃO DO GOVERNO FEDERAL -AGF

AQUISIÇÃO DO GOVERNO FEDERAL -AGF AQUISIÇÃO DO GOVERNO FEDERAL -AGF O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014. Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138

DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014. Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138 DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014 Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138 1) Efetuando o desenquadramento da estimativa até 20/03/14, a partir de quando o contribuinte irá pagar

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

RELAÇÃO DAS SECRETARIAS ESTADUAIS DE SAÚDE

RELAÇÃO DAS SECRETARIAS ESTADUAIS DE SAÚDE RELAÇÃO DAS SECRETARIAS ESTADUAIS DE SAÚDE Secretaria de Estado da Saúde do Acre SUELY DE SOUZA MELO DA COSTA Rua Benjamim Constant, 830 - Centro Rio Branco/AC. CEP: 69908-520 Telefone: (68) 3212-4141

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL 2004 RELAÇÃO DOS COORDENADORES ESTADUAIS

PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL 2004 RELAÇÃO DOS COORDENADORES ESTADUAIS PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL 2004 RELAÇÃO DOS COORDENADORES ESTADUAIS ACRE FÂNIA FREITAS CORDEIRO Técnica em Educação Gerência Pedagógica do Ensino Fundamental SEED Rua Rio Grande do Sul, 1907

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

ENDEREÇOS E TELEFONES DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DOS ESTADOS

ENDEREÇOS E TELEFONES DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DOS ESTADOS ENDEREÇOS E TELEFONES DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DOS ESTADOS Tribunal de Contas da União SAFS Q.04 Lote 01 Ed. Sede Sala 275 CEP: 70042-900 - Brasília-DF Pabx: (61) 3316-7222 Telex: (61) 1064 Fax: (61) 3316-7502

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

Boletos VSM. Atendimento VSM

Boletos VSM. Atendimento VSM 1 3 7 8 9 Boletos VSM SAT (Sistema de Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal Eletrônico) Versão 2.8 para o estado de MT e MS Atendimento VSM 2 BOLETOS VSM Os boletos das mensalidades do sistema e demais

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COBRANÇA DE TERCEIROS E DOAÇÕES, ATRAVÉS DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA HEITOR LUIZ BREDA CELESC CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada.

Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada. Unidos convergindo para um só ideal. O crescimento e a produtividade dos segmentos de asseio e conservação e segurança privada. ASSIM É O A IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO DOS EXECUTIVOS DOS SEAC S E SINDESP S

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO por RODOLFO MACHADO MOURA 1 em 30 de janeiro de 2014 Consulta o Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE RÁDIO E TELEVISÃO DO PARANÁ SERT PR, o SR.

Leia mais

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 27/01/2015 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

MAILING TVs PÚBLICAS

MAILING TVs PÚBLICAS MAILING TVs PÚBLICAS Associação Brasileira das Emissoras Públicas Educativas e Culturais ABEPEC foi criada oficialmente em abril de 1998, a entidade tem personalidade jurídica de direito privado, sem fins

Leia mais

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO)

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Novo Hamburgo, 22 de julho de 2014. INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Conforme anunciado no Informativo nº 05/2014, por meio da Lei nº 12.996, de

Leia mais

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CARTILHA PARA CONDOMINIOS DAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS CONDOMÍNIOS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Os condomínios comerciais e residenciais devem proceder à retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviços

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 Dispõe sobre a aplicação do 5º do art. 150 da Constituição Federal, para que os consumidores sejam esclarecidos acerca dos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS - EQUALIZAÇÃO DE ALÍQUOTAS DECRETOS nºs 442/2015 E 953/2015 ÍNDICE

PERGUNTAS E RESPOSTAS - EQUALIZAÇÃO DE ALÍQUOTAS DECRETOS nºs 442/2015 E 953/2015 ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS - EQUALIZAÇÃO DE ALÍQUOTAS DECRETOS nºs 442/2015 E 953/2015 (Versão 2.0-21/09/2015) ÍNDICE 1. AUTORREGULARIZAÇÃO, CONCEITO. O que é autorregularização? 2. BASE LEGAL. Qual a base

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009 PARECER: 41 / 2009 ASSUNTO: Descabimento da exigência de nota fiscal de serviços para pagamento de valores de aluguel contratados com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: UESPI- Universidade

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Porto Alegre 26 de Julho de 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO presidencia.cft@camara.gov.br

Leia mais

EMENDA AO PROJETO DE LEI 212/2015. Dá a diversos artigos do Projeto de Lei 212/2015 a seguinte redação:

EMENDA AO PROJETO DE LEI 212/2015. Dá a diversos artigos do Projeto de Lei 212/2015 a seguinte redação: EMENDA Nº AO PROJETO DE LEI Nº 212/2015 Dá a diversos artigos do Projeto de Lei 212/2015 a seguinte redação: Art. 1º. Os créditos tributários relativos ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI A S S I P I ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI Os dados apresentados a seguir constam do texto da Emenda Substitutiva 5, aprovada no Senado Federal e publicada no Diário Oficial

Leia mais

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%.

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%. IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União Pernambuco está em situação confortável se comparado a outros estados. Confira os números O Instituto Brasileiro de Executivos de

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a 36,6% dos empresários gaúchos julgam que o faturamento é a melhor base tributária para a contribuição patronal. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que a medida contribuirá parcialmente ou será fundamental

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 303, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Sem eficácia Texto para impressão Dispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais O sistema eletrônico de cruzamento de dados, denominado Gestão do Malha Fina foi instituído, no âmbito da Secretaria da Fazenda, considerando a necessidade

Leia mais

EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002.

EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002. EXIGÊNCIA DE INSCRIÇÃO DE EMPRESA ESTRANGEIRA NO CADASTRO NACIONAL DE PESSOA JURÍDICA (CNPJ), SEGUNDO A INSTRUÇÃO NORMATIVA (SRF) N 200 DE 2002. Em 13 de setembro de 2002, a Secretaria da Receita Federal

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 01 /12 /2005 Fls. Processo nº: E04/261.891/1998 Data: 11/09/1998 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 Ao terceiro dia de abril do ano de dois mil e quatorze, às dez horas, reuniu-se, ordinariamente, a diretoria da AJUT Associação dos Servidores na Justiça do Trabalho

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12

A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12 Anexo Biblioteca Informa nº 2.235 A nova Consolidação das Regras para Compensação de Tributos Federais: In nº 1.300/12 Autores Luiz Roberto Peroba Rodrigo Martone Mariana Monte Alegre de Paiva Sócio e

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais

Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações.

Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações. Of. Circ. Nº 269/15 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015. Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações. Senhor(a)

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a Lei Complementar 147/14 Impactos para o mercado de crédito. Glauco Alves Martins Objetivo geral: aperfeiçoamento do SIMPLES e modificações

Leia mais

Recife (PE) Maio 2014

Recife (PE) Maio 2014 Recife (PE) Maio 2014 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Art. 170 A ordem econômica... tem por fim... existência digna, conforme os ditames da justiça social... observados os seguintes princípios:... VII - redução

Leia mais