Weather Search System

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Weather Search System"

Transcrição

1 Weather Search System PROJECTO DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM RELATÓRIO Grupo 2 Gonçalo Carito - Nº57701 Bernardo Simões - Nº63503 Guilherme Vale - Nº64029

2 Índice Weather Search System A Solução Implementada Overview Requisitos Principais MapReduce no Weather Search System (processamento de dados) Aplicação Web para sistema amostragem e pesquisa no Weather Search System Requisitos Adicionais Capacidade de processamento elástico (Amazon EC2) e Load Balancing Armazenamento de dados na cloud (DynamoDB) Armazenamento no Amazon S Elastic MapReduce Testes 3. Conclusão 4. Bibliografia

3 1. A Solução Implementada 1.1. Overview No projecto de Computação em Nuvem implementámos um site a correr em Ruby on Rails numa instancia EC2 que comunica com uma base de dados dynamodb para obter os resultados de querys relacionadas com o estado do tempo que são processadas pelo Elastic Map Reduce da Amazon. O elastic-mapreduce (que pode ser executado uma vez por dia) vai buscar as funções de map e reduce ao S3 e coloca tambem lá o output do mesmo. Num passo seguinte este output é tirado do S3 para um pc local, feito parse e introduzido na dynamodb.

4 1.2. Requisitos Principais MapReduce no Weather Search System (processamento de dados) Um dos principais requisitos do projecto era desenvolver uma aplicação MapReduce que corresse o algoritmo de processamento dos dados de tempo - como tal, desenvolvemos duas funções: uma para o mapper e outra para o reducer. De forma a desenvolvermos e testarmos, primeiro num ambiente local, escolhemos a instalação do Apache Hadoop em modo cluster virtualizando assim na nossa máquina local uma cluster a correr o MapReduce divindo as tasks pelas várias instâncias virtualizadas. De forma a permitir a escrita de funções de map/reduce em outras linguagens (que não Java) o Hadoop fornece uma API - o Hadoop Streaming. Este usa fluxos standard de Unix como interface entre o Hadoop e o MapReduce permitindo assim usar qualquer linguagem de programação que seja capaz de ler de um stdin e escrever para um stdout : foi esta API que usamos para suporte à nossa aplicação de MapReduce - desenvolvida em Ruby. O streaming é adequado para o processamento de dados em formato texto. Os dados de input são passados através do input (stdin) para a função de Map que processaos linha-a-linha e escreve as linhas para o output (stdout). O output do map - que é no formato pares de chave-valor - é escrito como uma simples linha com as chaves-valor separadas por tab. O input da função de Reduce é, naturalmente, no mesmo formato e passado, também, pelo stdin. A função de Reduce lê as linhas através do stdin e escreve no output (stdout). A própria framework garante que os dados estão ordenados pela chave. Como precisamos de identificar valores com o dia, cidade e tipo de valor usamos a seguinte configuração em streaming : -jobconf stream.num.map.output.key.fields=3 \ -jobconf stream.num.reduce.output.key.fields=3 \ Assim os 3 primeiras palavras de output do mapper e reducer para o stdou são tratados como uma só chave e a ultima como valor. O funcionamento do mapreduce pode ser visto na imagem seguinte, na entrada do mapper temos bastantes valores que são removidos pelo reducer de forma a ficarmos com um output na forma: {tipo de valor}/t{dia}/t{cidade}/t{valor} Neste caso o tipo de valor, dia, e cidade são uma key e o valor dessa key é o valor.

5 Depois de implementarmos o hadoop localmente movemo-lo para a amazon usando o elastic mapreduce este topico será abordado em mais profundidade mais à frente Aplicação Web para sistema amostragem e pesquisa no Weather Search System De forma a cumprirmos mais uma vez os requisitos do projecto (neste caso: uma aplicação web a permitir simples pedidos de pesquisa ao output da aplicação MapReduce) implementamos num servidor web Ruby on Rails uma framework Model View Controller (não utilizámos modelos neste projecto) que funciona por pedidos REST e que foi desenvolvido e testado localmente. O servidor Rails recebe pedidos REST sempre que se faz uma query no site, esta query passa inicialmente por uma cache que que é organizada por pesos. As querys mais frequentes são guardadas num vector e retornadas sem se aceder à dynamodb reduzindo assim a latência (e preço) de múltiplos acessos à base de dados. Este vector de cache é reiniciado todos os dias quando são adicionados novos resultados à base de dados dynamodb.

6 1.3. Requisitos Adicionais Capacidade de processamento elástico (Amazon EC2) e Load Balancing A Amazon disponibiliza serviços que permitem fazer escalabilidade de máquinas e balanceamento da carga das maquinas. Estes serviços são denominados por Load Balancer e Auto Scaling. O Load Balancer encarrega-se de agrupar máquinas e estabelecer um nome de DNS comum e ao receber pedidos HTTP, distribui os pedidos entre as maquinas de uma forma balanceada. O Auto Scaling permite fazer a escalabilidade de máquinas, ou seja, adiciona máquinas ou remove de acordo com as politicas definidas. Usando estes dois serviços da Amazon é possível ter um serviço com uma boa disponibilidade - gastando o mínimo de recursos possíveis. Para implementar estes serviços em uma instancia é necessário: Criação de um Load Balancer, configurada para a zona eu-west-1; Criação de uma Launch Configuration para Auto Scaling, para definir como lançar uma instância nova. Na Lauch Configuration é passada uma AMI que é usada como base a novas instâncias; Criação de um Grupo Auto Scaling para estabelecer os limites, mínimo (1 instância) e máximo (8 instâncias) de máquinas, e realizar a ligação com o Load Balancer; Criação de Políticas de escalabilidade Auto Scaling para definir como se aumenta ou diminui o número de máquinas. Foram criadas duas politicas: uma para adicionar e outra para remover máquinas; Criação de Alarmes CloudWatch que executem as políticas criadas anteriormente: logo foram criados dois alarmes. No Auto Scaling escolhemos a métrica de utilização de processador, associada ao Auto Scaling Group. Quando a utilização de processador ultrapassa os 60% de utilização durante 5 minutos é criada uma nova instancia. Por outro lado, quando a utilização de processador é inferior a 20% de utilização durante 5 minutos é retirada uma instância. Escolhemos os limites de 60% e 20%, máximo e mínimo respectivamente, para permitir uma boa disponibilidade e um serviço eficiente. O valor de 5 minutos evita flutuações constantes no número de Instâncias no grupo aquando a existência de picos de utilização Armazenamento de dados na cloud (DynamoDB) Para armazenar os dados na dynamodb utilizamos um script que assim que acaba de correr o elastic-mapreduce faz download do ficheiro para a nossa máquina e fazemos parse do ficheiro de forma a adiciona-lo á base de dados. Cada tabela é identificada é identificada da seguinte maneira: o nome da tabela: Cidade Hash-Key: dia

7 valor humidade média valor chuva total valor temperatura máxima valor temperatura minima valor tempretura média Cada tabela é criada com 150 unidade de leitura e 100 de escrita pois meter todos os dados do sample input na dynamo demora bastante tempo. Decidimos as unidades de leitura serem superiores às de escrita para que seja possível fazer querys à dynamo mesmo quando estamos a inserir centenas ou milhões de valores novos. Devido a organizarmos os outputs do mapreduce desta maneira a nossa a aplicação do tempo torna-se super escalável pois é muito fácil adicionar novos dias às cidades, adicionar novos parâmetros caso sejam precisos. Para alem disso é tambêm possível mover tabelas de dias que seja menos acedidos para o S3 ou mesmo baixar as velocidades de escrita e leitura e forma a reduzirmos custos. Por exemplo é normal termos mais acessos na área de Lisboa do que em Ponta Delgada e em função disto é possível adaptar velocidades de leitura/escrita. Dias que sejam menos acedidos ou comecem a ficar desactualizados podem ser movidos para o S Armazenamento no Amazon S3 No nosso projecto utilizamos o S3 para guardar os mappers, reducers, logs e output do elastic mapreduce Elastic MapReduce O elastic-mapreduce é controlado por um script Ruby que depois de o mandar executar fica à espera que o job esteja completo e logo de seguida faz download do output do S3 e começa a enviar dados para a dynamodb. Tivemos problemas a utilizar o EMR da Amazon: se corressemos o Hadoop com mais do que uma máquina dava um erro de configurações. Estas configurações não podem ser alteradas devido ao encapsulamento que a Amazon faz das suas ferramentas. 2. Testes 3. Pico de carga Para fazer testes de elasticidade, fizemos subrecarga no sistema de maneira a aumentar a utilização de processador, para isso usamos a ferramenta Siege. Com esta ferramenta foi possível verificar que os alarmes colocados no CloudWatch fazem com que o Auto Scaling Group aumente o numero de instancias dinamicamente.

8 4. Conclusão Fazer analise de big data com Hadoop e utilizar bases de dados não relacionais foi uma experiencia bastante diferente, tal como utilizar servidores virtualizados na Amazon. No entanto grande parte dos problemas que tivemos foram devido à muito fraca documentação e até por vezes errada da parte da Amazon. Os foruns são mais utilizados para se submeter bugs do que para se esclarecer problemas - existe mesmo código metido por funcionários da Amazon que não corre. Isto deve ser devido ao facto dos serviços serem bastante recentes e com o tempo deve melhorar. Outro problema que tivemos foi que grande parte dos devellopers de ruby usam o Heroku para meterem as suas aplicações devido à sua simplicidade e facilidade de escalar, o que fez com que erros que tivemos não fossem fáceis de encontrar na Web: quando os erros não são fáceis de encontrar quer dizer que vamos perder bastante tempo a perceber o que é que se passa de errado. 5. Bibliografia Hadoop - The Definitive Guide, Tom White, O Reilly Programming Amazon EC2, Jurg van Vliet & Flavia Paganielli, O Reilly Programing Ruby 1.0 Dave Thomas O Reilly

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Glauber Cassiano Batista Ricardo Sohn Membros Colméia Roteiro Geral Definições Virtualização Data center Computação em Nuvem Principais classificações: Modelos

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Glauber Cassiano Batista Membro Colméia glauber@colmeia.udesc.br Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Ricardo R. Lecheta. Novatec

Ricardo R. Lecheta. Novatec Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

MERC. Aplicações e Implementações de Algoritmos Criptográficos. Relatório Pormenorizado. Grupo 1 : Bernardo Simões 63503 Guilherme Vale 64029

MERC. Aplicações e Implementações de Algoritmos Criptográficos. Relatório Pormenorizado. Grupo 1 : Bernardo Simões 63503 Guilherme Vale 64029 MERC Aplicações e Implementações de Algoritmos Criptográficos Relatório Pormenorizado Grupo 1 : Bernardo Simões 63503 Guilherme Vale 64029 Introdução No projecto de AISS foi nos pedido para desenvolver

Leia mais

AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT. Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294

AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT. Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294 AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294 Sobre o paper Novia Nurain, Hasan Sarwar, Md.Pervez Sajjad United

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros na Caixa Mágica Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Este site é propriedade da Johnson & Johnson Limitada. Esta Política de Privacidade foi concebida para o informar das nossas regras no que respeita à recolha, utilização e divulgação

Leia mais

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas Agenda Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas FALAR da SAMBA FALAR da SAMBA HACKWEEKS Reporting & Analytics No Início - Report Fornecer informações

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SERVER

DNS DOMAIN NAME SERVER DNS DOMAIN NAME SERVER INTRODUÇÃO Quando você navega na internet ou manda uma mensagem de e-mail, você estará utilizando um nome de domínio. Por exemplo, a URL "http://www.google.com.br" contém o nome

Leia mais

BIG DATA: UTILIZANDO A INTERNET PARA TOMADA DE DECISÕES

BIG DATA: UTILIZANDO A INTERNET PARA TOMADA DE DECISÕES BIG DATA: UTILIZANDO A INTERNET PARA TOMADA DE DECISÕES Alex Travagin Chatalov¹, Ricardo Ribeiro Rufino ¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alex_tr1992@hotmail.com ricardo@unipar.br

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3

Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3 Tutorial de Instalação do CentOS Versão 3.3 Jamilson Dantas (jrd@cin.ufpe.br) Maria Clara Bezerra (mcsb@cin.ufpe.br) Rosângela Melo (rmm3@cin.ufpe.br) Recife, outubro de 2013. Finalidade do Tutorial O

Leia mais

Lab 2 MapReduce e o Console Web

Lab 2 MapReduce e o Console Web Lab 2 MapReduce e o Console Web Objetivos do Laboratório Neste laboratório você irá praticar o que você aprendeu nesta lição, mais especificamente você ira praticar as operações de MapReduce e aprender

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L. Plataforma Office 365. Alojamento de ficheiros - OneDrive para Empresas

SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L. Plataforma Office 365. Alojamento de ficheiros - OneDrive para Empresas SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L Plataforma Office 365 Alojamento de ficheiros - OneDrive para Empresas Conteúdo Nota prévia... 2 Alojamento de ficheiros o OneDrive para Empresas... 2 Funcionalidades do

Leia mais

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET.

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 1 2 Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 3 Por todo o documento subentende-se: todos os seus componentes já anteriormente carregados: imagens,

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal Encontro de Utilizadores Esri 2013 ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal ArcGIS Server Administração e Configuração João Ferreira Agenda Arquitectura Instalação do ArcGIS

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

A.S.P. Servidores Windows

A.S.P. Servidores Windows A.S.P. Servidores Windows Servidores TCP/IP O mercado de servidores de rede é dominado essencialmente por duas linhas de produtos: Open Source: Linux, BSD, e seus derivados Proprietários: Microsoft Windows

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SERVER

DNS DOMAIN NAME SERVER DNS DOMAIN NAME SERVER INTRODUÇÃO Quando você navega na internet ou manda uma mensagem de e-mail, você estará utilizando um nome de domínio. Por exemplo, a URL "http://www.google.com.br" contém o nome

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS

SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS SEGURANÇA EM SISTEMAS INFORMÁTICOS SENHAS DE UTILIZAÇÃO ÚNICA GRUPO 12 DAVID RIBEIRO FÁBIO NEVES EI06053@FE.UP.PT EI06102@FE.UP.PT Porto, 7 de Dezembro de 2010 Índice Resumo O presente relatório tem como

Leia mais

Como funciona a MEO Cloud?

Como funciona a MEO Cloud? Boas-vindas O que é a MEO Cloud? A MEO Cloud é um serviço da Portugal Telecom, lançado a 10 de Dezembro de 2012, de alojamento e sincronização de ficheiros. Ao criar uma conta na MEO Cloud fica com 16

Leia mais

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 3 2.1 INSTALAÇÃO 3 Instalar o Pacweb 3 Alterar o Ficheiro Default.htm 3 Criar um Virtual Directory 3 2.2 CONFIGURAÇÃO

Leia mais

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Um novo processo de desenvolvimento O uso de componentes traz mudanças no processo de desenvolvimento Além de desenvolver um produto, queremos

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Existe um limite dado pelo administrador da Rede para que ele não armazene tudo.

Existe um limite dado pelo administrador da Rede para que ele não armazene tudo. Proxy Cache e Reverso Ele possui várias funções que, se trabalhadas junto com o firewall, podem trazer ótimos resultados em relação ao compartilhamento, controle e segurança de acesso à internet. Proxy

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros no Ubuntu Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

Arquiteturas Java Pragmá1cas para usar Big Data na Nuvem. Fabiane Bizinella Nardon (@fabianenardon) Fernando Babadopulos (@babadopulos)

Arquiteturas Java Pragmá1cas para usar Big Data na Nuvem. Fabiane Bizinella Nardon (@fabianenardon) Fernando Babadopulos (@babadopulos) Arquiteturas Java Pragmá1cas para usar Big Data na Nuvem Fabiane Bizinella Nardon (@fabianenardon) Fernando Babadopulos (@babadopulos) Nós e Big Data BigDataTailTargetDataScienceMachineLearningHiveHadoopCrunchMongoDBRedisAWS

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel

Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel Começando com Ruby on Rails @gibsongabriel Yukiriho 'Matz' Matsumoto http://ruby-lang.org/pt/ Ruby é uma linguagem de programação interpretada, com tipagem forte e dinâmica, que tem como foco a simplicidade

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Manual do KDE su. Geert Jansen Tradução: José Pires

Manual do KDE su. Geert Jansen Tradução: José Pires Geert Jansen Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usar o KDE su 6 3 Detalhes Internos 8 3.1 Autenticação X....................................... 8 3.2 Interface para o su.....................................

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Rui Gaspar, Ricardo Clemente {ruiandre, ricjorge}@student.dei.uc.pt Resumo: Com este projecto pretende-se desenvolver um motor de pesquisa, que implemente conceitos

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

HadoopDB. Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO

HadoopDB. Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO HadoopDB Edson Ie Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO Motivação Grandes massas de dados precisam ser processadas em clusters: 1 nó: 100TB@59MB/s = 23 dias Cluster com 1000 nós 33 min!!!

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

ATUALIZAÇÃO AUTOMÁTICA: MODO ONLINE (Exemplo: WINDOWS 7-32 bits):

ATUALIZAÇÃO AUTOMÁTICA: MODO ONLINE (Exemplo: WINDOWS 7-32 bits): ATUALIZAÇÃO AUTOMÁTICA: MODO ONLINE (Exemplo: WINDOWS 7-32 bits): Após instalado o software de PC da TRS5000, inicia-se o programa quer automaticamente a partir do próprio instalador (launch TRS5000) ou

Leia mais

Equipa PTE. Janeiro 2012

Equipa PTE. Janeiro 2012 Janeiro 2012 Equipa PTE Índice Introdução... 3 Registo Online... 3 Instalação... 6 Dropbox Online... 9 Separador Files (Ficheiros)... 10 Restaurar arquivos... 11 Recuperar arquivos... 11 Separador "Events"...

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1 Capitulo 1 Montagem de duas pequenas redes com a mesma estrutura. Uma é comandada por um servidor Windows e outra por um servidor linux, os computadores clientes têm o Windows xp Professional instalados.

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros no Dropbox Índice Índice... 1 Introdução... 2 Instalação do Dropbox... 3 Partilha de ficheiros...

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

Índice. Manual do programa Manage and Repair

Índice. Manual do programa Manage and Repair Manual do programa Manage and Repair Índice 1 Menu Ficheiro... 3 1.1 Entrar como... 3 1.2 Opções do utilizador... 3 2 Administração... 5 2.1 Opções do Programa... 5 2.1.1 Gerais (1)... 5 2.1.2 Gerais (2)...

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi)

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Este módulo irá ensinar-lhe como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica usando o programa Prezi. A produção de uma apresentação

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

P HC XL - Nem calcula o produto que temos para si...

P HC XL - Nem calcula o produto que temos para si... P HC XL - Nem calcula o produto que temos para si... Documento FAQs Poderão ser contemplados campos de utilizadores da ML? Essa possibilidade não existe. Os campos disponíveis são os campos base da tabela

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO ZOPE / PLONE Escalando o Zope Definida configuração de hardware, existem três maneiras de aumentar o desempenho de um site Plone: Diminuir a carga no Zope usando mecanismos de cache

Leia mais

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Instalação do Windows 2003 Server quarta-feira, 3 de dezembro de 2013 Índice Introdução...

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: José Pires

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: José Pires Krishna Tateneni Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Java e JavaScript 4 1.1 Java............................................. 4 1.2 JavaScript.......................................... 4 3 1 Java e JavaScript

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Fábio Magalhães RA015998

Fábio Magalhães RA015998 Fábio Magalhães RA015998 Exercício-7 (Track: Big Data) Considere os pontos tratados nos caps. 5 a 7. a. Escreva um texto (1 página) sobre pontos em comum e distintos entre Standards e Specifications. Cite

Leia mais

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado Manual Profissional Comandos Rádio X64 V2011-Certificado 1 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. Configuração inicial... 3 4. Configurações X64... 5 a) Definições Gerais... 5 b) Documentos e Periféricos... 8

Leia mais

LINUX EDUCACIONAL 3.0

LINUX EDUCACIONAL 3.0 Manual Instalação de Impressora no LINUX EDUCACIONAL 3.0 Instalação da impressora Via CUPS e KDE Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Instalação

Leia mais

Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML...

Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML... Boas Práticas em Sistemas Web muito além do HTML... Adriano C. Machado Pereira (adrianoc@dcc.ufmg.br) De que Web estamos falando? De que Web estamos falando? A Web foi concebida para ser uma biblioteca

Leia mais

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi

Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi 5 Conclusão Esta dissertação apresentou duas abordagens para integração entre a linguagem Lua e o Common Language Runtime. O objetivo principal da integração foi permitir que scripts Lua instanciem e usem

Leia mais

SIMCAP Simpósio de Computação Aplicada Cloud Computing

SIMCAP Simpósio de Computação Aplicada Cloud Computing SIMCAP Simpósio de Computação Aplicada Cloud Computing A importância da nuvem na indústria dos games. Fábio Araújo Quintas / 2009027846 Micaely Bernardo Freire/2009036250 Ana Carolina M. Castro / 2008117299

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM.

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM. INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES INFORMÁTICAS EFA NS/NÍVEL III UFCD 5 FORMADOR: PAULO RELVAS Fontes: http://www.formatds.org/instalar-ubuntu-no-virtualbox/ MANUAL DE INSTALAÇÃO UBUNTU 8.10 SOBRE VBOX DA SUN

Leia mais

Oportunidades 30/05/2014

Oportunidades 30/05/2014 Oportunidades 30/05/2014 Sobre a Daitan: A Daitan é uma empresa brasileira voltada para exportação de Serviços de Outsourcing em P&D e Serviços Profissionais em Telecomunicações, TI, Sistemas Móveis e

Leia mais

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem 1 JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem orientada a objectos. Tal como em ASP e PHP, os ficheiros

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF)

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) Sessão Prática II JPA entities e unidades de persistência 1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) a) Criar um Web Application (JPAsecond) como anteriormente:

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo:

Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo: O smartmessage torna muito fácil a tarefa de enviar ou receber mensagens de texto SMS (ou emails). Com o smartmessage podemos de forma muito fácil e usando um qualquer cliente de email, como por exemplo:

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Aviso de privacidade de dados

Aviso de privacidade de dados Aviso de privacidade de dados 1. Introdução Nós somos a Supplies Distributors SA, a nossa sede está localizada na Rue Louis Blériot 5, 4460 Grâce-Hollogne, está inscrita no Registo do Comércio Liége com

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro Volume de dados muito grande Principais problemas em relação aos SGBD Relacionais é conciliar o tipo de modelo com a demanda da escalabilidade. Exemplo -Facebook Um crescimento

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais