Jornal das Reuniões Científicas / APP On line

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornal das Reuniões Científicas / APP On line"

Transcrição

1 Jornal das Reuniões Científicas / APP On line Fevereiro 2013 n.2 Editorial da Diretoria Científica Cristina Maria Filomena Monzoni Prestes Apresentamos neste segundo número do jornal das Reuniões Científicas o texto: Expansão e Ruptura de nosso colega Ricardo Trinca, fruto de sua tese de doutorado, e as ideias advindas da apresentação deste precioso trabalho, realizada na nossa reunião científica de 24/11/2012. Nesta ocasião estavam presentes como comentaristas o nosso orientador científico, Prof. Dr. Ryad Simon e a Psicanalista Rosa Broner Worcman, Professora do CEPSI. Nesta edição contamos com a contribuição do Professor Dr. Ryad Simon, que nos brinda com um valioso texto: Entre a solidão e Vazio, em que sistematiza e fundamenta suas considerações no evento. E temos também a oportunidade especial de publicar os comentários da professora Rosa Broner Worcman: À procura de si mesmo, que compreendem a tese de doutorado de Ricardo, questões da Psicanálise, a condição do psicanalista e outros temas que foram surgindo no decorrer da nossa reunião. O público, presente à reunião, constituiu-se de associados da APP, alunos do Curso de Introdução à Psicoterapia Psicanalítica e ainda, o que muito nos honrou, a presença dos pais de Ricardo, os Professores Doutores: Ana Maria e Walter Trinca. Dando inicio a reunião, Ricardo sugeriu a leitura do texto: Expansão e Ruptura. Ele foi lendo e conversando conosco, e gradativamente nos esclarecia sempre que se fazia necessário. Seus estudos tratam originalmente da apreensão da realidade psíquica de um ponto de vista palimpsestico, e começaram com sua monografia para conclusão do Curso do CEPSI, no qual acompanhava um paciente que vivia uma impossibilidade de observação da cena primária, e o reescreveu na sua tese de doutorado. E generosamente compartilhou conosco um delicado e profundo acontecimento de sua vida: o nascimento de sua filha. Assim nos levou a pensar a ruptura, e a visitação do Real. O Prof. Dr. Ryad Simon foi o primeiro a comentar o trabalho e nos mostra no seu artigo: Entre a solidão e o vazio, a relação entre a angustia de estar só e a triangulação edípica. Explicou, na ocasião, que processos invejosos destroem a cena primaria, e também que o ciúme é muito mais destrutivo que a inveja. E esclareceu ainda a questão do sentimento de vazio na modernidade. A Professora Rosa Broner Worcman, em seguida, nos apontou como o paciente descrito por Ricardo estava à procura de si mesmo, e que então o trabalho poderia ter o título: À procura de si mesmo. Ela assinalou que a disponibilidade para o desconhecido, sem censuras e críticas é fundamental para o desenvolvimento e o crescimento mental. E nos presenteou com a declamação de um haikai de sua autoria,

2 premiado em primeiro lugar em um concurso: A verdade é o agora, passado, futuro, estilhaços da vida. O momento em que o público pode participar foi intenso, pois praticamente todos os presentes no auditório participaram com perguntas, questionamentos, depoimentos e esclarecimentos. Um dos nossos colegas que é pediatra nos informou sobre a situação clínica da filha de Trinca na circunstancia do seu nascimento, nos esclareceu sobre as questões médicas subjacentes, e considerou do seu ponto de vista como o inesperado pode se apresentar. O Prof. Dr. Walter Trinca e Ricardo conversaram sobre as questões da relação do esvaziamento do fóbico, e a relação com uma base amorosa. Enfim, tivemos a oportunidade de uma reflexão profunda e conjunta entre os presentes, em que Ricardo atentamente respondeu pacientemente a todos. EXPANSÃO E RUPTURA Ricardo Trapé Trinca 1. Apresentação Caro Prof. Ryad, estimada Prof.ª Rosa e queridos colegas presentes, gostaria, antes de tudo, de agradecer a cada um de vocês pela presença aqui hoje para essa conversa; uma conversa sobre a possibilidade de um aprendizado em comum, sobre a possibilidade de que todos, ao seu final, possamos ter aprendido sobre algo que poderá surgir dessa conversa, algo cuja origem é o trabalho que iremos discutir, um trabalho que já foi escrito, algo que poderá ser, no entanto, a fonte de nossas atenções durante essa conversa, algo que é indeterminado. Este trabalho, que trata originalmente da apreensão da realidade psíquica de um ponto de vista palimpsestico, do ponto de vista de um psiquismo multifacetado, foi concebido como um modo de tentar criar uma ampliação, de um ponto de vista psicanalítico, desta realidade composta por um sem número de camadas de escritos ou de registros inconscientes, que fora formulada inicialmente por Freud (1930/1996) e desenvolvida posteriormente por Bion (1992[1960] /2000), para aquilo que parece ser necessário justamente recobrir por meio destes pensamentos: o Real. Tratei neste trabalho sobre o desenvolvimento de uma ideia; ela nasceu, no entanto, de uma experiência pessoal, uma experiência de ruptura, ou como vim a designar posteriormente, de visitação: visitação do Real. Falei, assim, de uma realidade psíquica caracterizada como palimpséstica, por ser vista como uma realidade psíquica que podia ser compreendida, pelos casos clínicos, como multifacetada, como composta por diversos pensamentos oníricos inconscientes, muitas vezes dissociados uns dos outros. Essa compreensão da realidade psíquica foi articulada com a formulação sobre o significado de O para Bion, pesquisado mais atentamente em seu livro Transformações. O palimpsesto, a partir de um ponto de vista bioniano, passou a ser visto ou mirado como um conjunto de registros inconscientes que são, em última instância, incognoscíveis. Essa impossibilidade de conhecimento da realidade última dos registros inconscientes fez com que pesquisássemos mais sobre a própria

3 natureza disso. Assim, aliado a noção de acontecimento, desenvolvido pelo Prof. Luis Claudio Figueiredo e da noção de Real, desenvolvida pelo Prof. Gilberto Safra, escrevi sobre a noção de Real nos fatos clínicos psicanalíticos. Este desenvolvimento significou, no entanto, apreender uma ruptura, que compreendemos como uma visitação; uma visitação do Real nas sessões em que ocorre a psicanálise. No entanto, muitas vezes, o que percebemos não é uma visitação, mas um esquecimento do Real. A sugestão de que fosse lido para esse encontro científico o capítulo 3 da tese de doutorado tem em vista essa ideia: as sessões psicanalíticas podem ser um modo de obter uma visitação do Real ou serem um modo de encobrimento, ou melhor, de esquecimento do Real. O trabalho da monografia, orientado pelo nosso querido Prof. Paulo Sandler, que agradeço novamente neste momento, me possibilitou observar como havia no paciente analisado, ou melhor, no paciente da monografia, que foi reescrito como o segundo paciente relatado no capítulo 3, uma impossibilidade de observação da cena primária, de modo que ele parecia estar preso a um determinado senso de realidade que era justamente um senso em que não era possível ocorrer nenhuma forma de imaginação ou de apreensão da realidade psíquica. Identifiquei a situação vivida com o paciente nas sessões como a situação vivida pelos protagonista de Esperando Godot, de Beckett. Com esse paciente pude vislumbrar que, quando não é possível alguma tolerância com a vida mental, com a vida mental inconsciente, então não parece ser possível justamente conceber a realidade psíquica como palimpséstica, ou seja, como produtora de inúmeras possibilidades de sentido inconsciente, que significam a própria riqueza da vida mental. 2. Expansão Este trabalho, eu acho, se trata de um estudo sobre a caracterização do inconsciente. Digo eu acho porque penso que posso estar ainda redondamente enganado. Mas, ainda acho que se trata de um estudo sobre o inconsciente na psicanálise, levando em conta que o inconsciente pode ser pensado não apenas como o recalcado, mas como o não recalcado. Trata-se assim de um trabalho sobre o inconsciente não recalcado, sobre o que seria esse inconsciente e sobre sua relação com o recalcado. O recalque foi apresentado por nós como um conjunto palimpsestico de pensamentos oníricos inconscientes, que coexistem simultaneamente na forma de camadas ou cadeias de pensamentos oníricos que coexistem simultaneamente e buscam encontrar expressão autonomamente por meio de nossa linguagem contingente, do discurso manifesto. Este conjunto palimpséstico é tratado no final de nosso trabalho como articulações ou tessituras necessárias do psiquismo para o psiquismo, um manto assimétrico tecido para recobri-lo do Real, o impossível. Esse Real é pensado a partir de suas demandas, mas antes disso ele é extraído de três narrativas clínicas que tem o propósito de explorarem a dimensão da quaternidade negativa do Real, presente nas sessões, mesmo que esquecido. Essa quaternidade negativa é uma quaternidade que nos visita, na forma de uma orfandade, de uma solidão, do desterro e do nada, caracterizações ontológicas do Real que assumem o caráter de visitações, de passagem do Real na sua alteridade radical, nas sessões de psicanálise. E após descrever estes aspectos ontológicos, o trabalho caminhou na direção de articulá-los com a noção de acontecimento e de trauma, para pensar sobre o problema das bordas, de nossa quaternidade positiva, ou seja, daquilo que é possível para nós ter como experiência ôntica, factual, fenomênica, e depois da transicionalidade e da função alfa. E a discussão sobre a função alfa nos levou a pensar sobre a difícil relação do Real com a

4 palavra e, para isso, procurou pensar na noção de ícone para desenvolver a tese de que o Real está presente na palavra quando ela pode conservar seu aspecto ausente, retraído do pensar, ao mesmo tempo que é apenas por meio dessa palavra que esse aspecto ausente pode se anunciar. Parece ser assim que uma palavra, como ícone, assinala o registro do Real ou, pelo menos, indica a sua presença negativa. Assim, pensamos na relação do Real com a castração, tema que já era desenvolvido desde os casos clínicos, mas que assumem uma nova e importante caracterização. O final do trabalho é sobre o caminho de uma análise como o caminho de uma destituição do eu mesmo, da mudança catastrófica, da possibilidade de ser visitado pelo Real sem que essa visitação seja marcada apenas pela ruptura, mas como um modo de experimentar uma correspondência de um pensar que demanda ser. Trata-se, assim, da encarnação de O, estar uno com o Real. Parecem ser diversos temas desarticulados, mas que vão encontrando relação entre eles ao longo do trabalho. Mas o que parece ser importante dizer, é que esse trabalho nasceu de uma experiência de ruptura ou de acontecimento. O Prof. Luis Claudio Figueiredo, em um trabalho intitulado Fala e Acontecimento em Análise (1994) nos indica que um acontecimento é uma ruptura na trama de representações e das rotinas, uma quebra no tecido de realidade, no costumeiro, no comum, de um modo que destroça e, ao mesmo tempo, funda um novo modo dos sentidos se estabelecerem. Um exemplo contumaz disso é o próprio mito de Édipo, em que Édipo, em determinado momento, após o acontecimento do desvelamento do fato de ser filho de Jocasta e de ter sido o assassino de seu pai, se percebe numa nova e perturbadora condição, com novos sentidos surgindo, antes encobertos e impossibilitados de serem apreendidos por ele. 3. Ruptura Há aproximadamente quatro anos e meio atrás nasceu minha filha. Seu nascimento ocorreu no dia em que fiz a prova de francês para ingresso no programa de pósgraduação em psicologia clínica. Hoje ela é francesa. Mas antes de ser francesa, ela foi morta. Nasceu morta. Sou o único pai que conheço que foi assistir ao nascimento de uma filha morta. No entanto, incrivelmente, após retirarem-na do ventre materno e tirarem-na da sala, com vinte e quatro semanas de gestação e 635 gramas, sem qualquer cuidado que se deve ter com um nascimento assim, alguém disse tratar-se de um bebê. Corri para vê-la pelos corredores daquele hospital, pois não sabia que havia em algum lugar naqueles corredores e salas um bebê nascido, a minha filha; e, de repente, lá estava ela diante de mim, viva, sendo reanimada por uma médica, por uma médica que ao reanimá-la me dizia para aproveitar seus últimos instantes. Aproveite, papai, aproveite, enquanto ela está aqui ela me dizia com uma voz metálica e impassível, feita de ferro. Aturdido e confuso, não sabia se a tratava como uma filha ou como uma impossibilidade. Mas, apesar do cálculo médico, não vieram estes últimos instantes. Vi, dois dias depois, com estes meus olhos, os seus olhos, ainda sem fossa palpebral, se abrirem diante dos meus; os olhos mais lindos que já havia visto, e que se transformaram meses depois em dois sóis azuis, enquanto suas pequenas mãos seguravam firmemente, com toda sua força, o seu tubo de oxigênio, talvez para que não caísse, para que se mantivesse firme, atada à vida, e não despencasse na profunda inexistência. Sua insistência por sobreviver, por viver, marcou profundamente a minha vida, a vida da minha família e a dos amigos, bem como os anos de doutorado e de minha escrita. Enquanto o cálculo dizia, e as estatísticas reafirmavam, que um bebê não sobrevive em tais condições de nascimento, com sepse, derrame nível três, convulsões, pulmões prematuros, cirurgia cardíaca, uso de drenos, meningite, rins paralizados e centenas de exames de sangue em pequenas

5 veias que não aguentavam e se rompiam, de tão pequenas... Havia uma aposta dela, mesmo sem saber, e nossa, por outro lado, de que isso seria possível. Uma aposta entre o que já era dito e entre aquilo que seria possível. Uma aposta que furou e rompeu com todo o cálculo, com todo o pensado, com tudo aquilo que já se sabia. Uma aposta que resguardou, assim, uma experiência emocional inominável: a de um bebê que se segura para não cair; a de um bebê que falou por todos nós, de nossa condição, de nossa vida. Heidegger havia notado muito bem isso ao dizer que sabemos demais e acreditamos com demasiada rapidez no que sabemos, e por isso pode ser tão difícil adquirirmos familiaridade com algo nascido de uma verdadeira experiência (Heidegger, 1952/2006, p. 228), de uma experiência marcada pelo nada. Gostaria de ter conseguido perseguir, neste trabalho, este nascimento. Bion foi muito claro quando disse que o analista deveria ficar apavorado antes de cada nova sessão de psicanálise. Ele realmente não sabe o que poderá acontecer naquele instante, naquele tempo vindouro, naquela experiência emocional; naquele acontecimento. Há uma aposta ou fé de que há uma simetria de pensamentos inconscientes que se comunicam, que querem falar por meio das palavras, que querem furá-las, rompê-las por meio de atos falhos, chistes, equívocos e sonhos; mas também por uma visitação inesperada e não programada de ausência de sentido, do Real: um nascimento do nada. Talvez essa aposta tenha realmente a ver com a fé nesse inconsciente, nessa presença ausente que não se esgota em proposições e em palavras que tentam cercá-lo, talvez com propósitos realmente escusos, como de dominação e poder. Pensamos que a psicanálise pode ser uma atividade também de resistência, uma tarefa verdadeiramente política, e ética, de resistência a certos aspectos da nossa mente, presentes na sociedade, que tendem a saturar a vida mental, tornando a vida uma espécie de concretização de um cálculo, de uma engenharia que faz cessar aquilo que (ainda) não pode ser pensado e existir em nós, tornando-nos, por meio disso, espécies de simulacros que tendem a sucumbir à determinação de uma palavra dura e alienante: a realidade. Naquela madrugada insone, nos corredores do hospital, deparava-me com a médica obstetra que me dizia como aquela vida era impossível, e em como a sobrevida daquele feto seria a manutenção de uma vã esperança para nós. Suas palavras não eram frias, suas palavras me mostraram como podemos nos enganar em relação ao que ocorre psiquicamente com as pessoas. Hoje percebo que ela se assustava com a vida, e com a aposta que a bebê fazia por sua própria vida: ela se assustava com aquilo que ela não sabia, mas que estava acontecendo diante dela sob a forma de um profundo espanto, pois naquele momento se desfaziam suas crenças e convicções em seu conhecimento, tanto pela sobrevivência do bebê como pelo parto prematuro inesperado. Aquele bebê devia morrer, ela apenas pensava e sabia isso, não duvidava disso; um saber da saturação e do cálculo, que também pode estar presente na psicanálise hoje, de inúmeras formas; mas também nas artes, na política, na filosofia e na literatura. Certamente não se tratava de um saber do inconsciente. A pergunta que podemos nos fazer agora e que também esteve no cerne deste meu trabalho é: como fazer para que este cálculo, esta saturação excessiva, possa se deparar com uma resistência verdadeiramente forte, pelo menos dentro da psicanálise? Do nosso ponto de vista, a resistência talvez esteja na própria ação psicanalítica, de poder fazer psicanálise e responder ao apelo de um pensar inconsciente que pede não só para ser pensado, mas para existir na sua alteridade/diferença, na heterogeneidade da experiência emocional de uma sessão de psicanálise que rompe incessantemente com a realidade conhecida por nós. Estar correspondendo a um apelo de um pensar marcado pelo heterogêneo parece ser o prenúncio de uma palavra que pode resistir a uma

6 enxurrada de verdades alienantes, de cálculos antecipatórios, que são, finalmente, delírios que se impõe frente à experiência viva que surge desta correspondência. Penso que este trabalho foi uma tentativa de manter esta correspondência e, assim, uma expressão do método que pretendemos descrever, de um método que se opõe ao cálculo porque não concebe um fundamento do discurso que seja determinado, mas necessário por um lado e, por outro, impossível. Talvez seja importante lembrarmonos que Heidegger assinalou que o incalculável, em oposição, é aquilo que, apesar de estar fora do alcance da representação, se manifesta no ente e assinala o ser oculto. Do nosso ponto de vista, assim como não podíamos fazer um cálculo sobre o nascimento de nossa filha, resta-nos apostar que o trabalho consumado possa ter cultivado a abertura para aquilo que (ainda) não pôde ser pensado por nós e que, com isso, um futuro se anuncie e venha ao nosso encontro, enquanto caminhamos para ele, pelo cultivo da possibilidade de pensar pensamentos não pensados, pelo cultivo de poder dar abrigo àqueles nascimentos não calculados, ou melhor, incalculáveis. Pensamos, assim, que um movimento de ruptura implica na possibilidade de uma nova expansão, e que um movimento de ruptura, pela visitação daquilo que desconstrói nossa teia de sentidos prévios pela visitação do Real pode ser o prenúncio para uma correspondência, diante da qual sempre estaremos em débito, em falta, com aquilo que clama em nós falar, por meio das palavras: trata-se da alteridade inconsciente, que surge após ser desfeita a composição dessa teia de sentidos previamente estabelecidos sobre a realidade comum. Corresponder a essa alteridade inconsciente, mesmo estando sempre em débito em relação a ela, parece ser o caminho tempestuoso da psicanálise e de uma escrita sobre a psicanálise, que essa tese procurou expressar. Esse capítulo sugerido para a leitura aqui hoje tem, portanto, essa marca: a marca de uma visita inesperada daquilo que nos destitui, para que possamos aprimorar nossa escuta, sempre débil em relação ao clamor do inconsciente. E se a visitação do Real não acontece, resta-nos nos perguntar justamente sobre isso: sobre o esquecimento do Real nas sessões em que ocorre a psicanálise e seus fatos clínicos.obrigado. ENTRE A SOLIDÃO E O VAZIO Comentários sobre o trabalho de Ricardo Trinca contido no capítulo 3:2 Cena Primária e Realidade Perdida 1 Ryad Simon Ao apreciar o trabalho muito bem escrito e bem desenvolvido de Ricardo Trinca, proposto para nossa Reunião Científica de 24/11/2012, surgiram-me ideias para elucubrações sobre tema que tem me intrigado muito nos últimos anos. Lembrei-me de um ditado: donde menos se piensa salta la liebre citado num livro para estudo de 1 Ricardo Trapé Trinca: Tese de Doutorado: O Real nos fatos clínicos psicanalíticos: entre o esquecimento e a sua visitação. -- São Paulo, Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. capítulo 3.2 (págs. 123/150).

7 Espanhol no meu primeiro ano colegial. O tema que tem me intrigado é o sentimento de vazio, relatado pelos pacientes (e não só pelos pacientes) nos últimos tempos. De que modo o trabalho de Trinca tem a ver com isso? Vamos por partes. Trinca, no capítulo do título acima, se utiliza da peça Esperando Godot (Beckett, 1976), no qual se desenvolvem as vicissitudes de dois personagens Estragon e Vladimir, que esperam a chegada de Godot. Trinca assim os descreve: Nessa peça de teatro, somos convidados, ao acompanhá-la, a sentir, como espectadores, uma angústia interminável de seus protagonistas, que esperam a salvação que a eventual chegada do Sr. Godot poderá trazer. (p 124). Na página 129 destaco: Se pudermos caracterizar o sofrimento de seus personagens diríamos: trata-se da angústia de se estar só, na impossibilidade de aceitação da solidão originária que a triangulação edípica ressalta e explicita; seria esse o sofrimento (grifos meus). A meu ver, se uma pessoa aceita a triangulação da cena primária, surge o protótipo do sentimento de estar só. Se uma pessoa não aceita essa triangulação, algo de mais sério está acontecendo. No final da mesma página 129 reproduzo: o sentimento de exclusão e de solidão decorrente da exclusão tornar-se-ia o fundamento da agressão invejosa. Penso que a inveja do prazer desfrutado pela dupla parental pode provocar uma agressão invejosa; mas creio que o ciúme despertado pelo envolvimento amoroso na cena primária é muito violento, e, se não for suportado pela criança, poderia levar à destruição das imagos do pai e da mãe. Faço aqui uma digressão para salientar que, a meu ver, o ciúme é muito mais destrutivo do que a inveja. A inveja aleija, mas o ciúme mata! O ciúme mata porque o sentimento de ficar privado do amor que é dado ao outro é um dos sofrimentos mais intoleráveis de ser vivido por um ser humano (e não só humano; observem os animais). Se ficássemos mais atentos a esse fato ajudaríamos os pacientes a compreenderem melhor seu sofrimento e buscarem formas mais adequadas de lidar com o ciúme 2. Voltando à questão da solidão ou do vazio: Se existe o sentimento de estar só, existe a imagem da cena primária no mundo interno da pessoa, da qual decorre a solidão por estar excluído. Para tanto é necessário que a criança suporte o ódio provocado pelo ciúme e preserve a existência dos pais unidos. Quando não se suporta o ciúme e se destrói a cena primária, o que resta é o vazio que é diferente do estar só. Estar só subentende alguém ausente, mas presente no mundo mental. No vazio não há ninguém só o nada. O mundo interno sem os pais se torna um deserto sem amor; provavelmente povoado apenas pelos objetos parciais da posição esquizo-paranóide de Melanie Klein. Esta seria, talvez, a etiologia do vazio, que estive procurando há tempos, e que o trabalho de Ricardo Trinca me inspirou. Outra questão suscitada por essa teoria: por que esse quadro psíquico é mais frequente nos últimos anos? Suponho que o fato das mães estarem ausentes de casa trabalhando para o sustento da família, ou aperfeiçoamento pessoal coisa que se ampliou muito depois da Segunda Guerra despertou nos filhos, primeiramente, um sentimento de solidão e de ciúme; e, pela insuportabilidade deste, a exclusão destrutiva, por ódio dos pais, acarretando o sentimento do vazio. Esperar Godot 3 pode ser a alegoria de esperar o pai ideal que vai trazer o Paraíso: alguns esperam a vida toda, e, como crianças, conservam a ilusão; 2 Vide meu recente artigo: O ciúme, esse desdenhado: transpondo labirintos na psicoterapia psicanalítica (Simon, 2010). 3 Imagino que Godot deriva de God designação de Deus nas línguas anglo-germânicas.

8 outros, se desiludem, compreendem que terão de contar consigo mesmos para viver a realidade e se tornam adultos; outros, ainda, descreem de tudo e se tornam perversos. A questão que se segue a essa hipótese de que o vazio interior é consequência do devastador ciúme da dupla parental é: como trabalhar tecnicamente esse desastre? Ocorre-me a sugestão de interpretar a reprodução das dificuldades do paciente de entrar em contato com o vácuo interno que se estabelece na relação transferencial. Essa dificuldade seria gerada pelo pavor de uma catástrofe se o paciente começar a sentir seu envolvimento com o terapeuta. Pois, então, estaria se reproduzindo a angústia provocada pela destrutividade do ciúme no lado infantil do paciente em decorrência do afeto incipiente entre este e o terapeuta. Essa angústia pode despertar ímpetos de abandonar o tratamento, como será visto na descrição do caso em apreço. Após essas considerações inspiradas no trabalho de Ricardo Trinca volto-me para sua descrição do atendimento em psicoterapia psicanalítica de um paciente peculiar, que se inicia na página 134 da tese em apreço. O paciente, cuja idade não é mencionada, é assim indicado: Carlos veio nos procurar porque queria que alguém pudesse conversar com seu namorado; vinha procurando análise para um outro. Dizia que ele estava precisando muito conversar com alguém, que estava muito sozinho e precisando muito. Essa queixa deixou o terapeuta muito intrigado: o que Carlos estava fazendo aqui? Quem deveria se tratar, ele ou o seu outro? (p 134/135) A perplexidade do terapeuta prossegue em outro trecho da página 135: O paciente fenômeno, de queixas imprecisas, parecia o avesso do paciente habitual: esse nosso paciente parecia que não deveria estar ali. Minha impressão, ao ler esse relato, era que talvez tivesse havido uma projeção do self do paciente no namorado. O que ele via no outro só e sofrendo muito, era ele mesmo. Se fosse meu paciente eu diria: O sofredor que você vê no seu namorado é você mesmo. Enquanto você estiver enfiado dentro dele você não pode estar aqui. Saia de dentro dele e ocupe seu lugar aqui, comigo. (Mas é claro que o paciente só vai poder fazer isso depois de elaborar os motivos para ter se enfiado dentro do outro.). Na mesma página 135, mais adiante: Ao se deitar, não punha os pés no divã, permanecendo com uma das pernas fora dele: parecia que estava sempre prestes a correr, prestes a se levantar. Nesse momento eu diria: A perna fora do divã é você dentro do seu namorado e fora daqui procurando com isso chamar a atenção para o fato da dissociação mental: o que estava no divã estava ausente; e o que estava fora a perna era ele dentro do outro, e por isso não podia estar presente. Procurando, dessa forma, dar conhecimento da intrusão de seu self dentro do outro, e a consequente impossibilidade de estar dentro da sessão. Seguem-se relatos da desolação do terapeuta com a impossibilidade de analisar o paciente. Em seguida, um novo comportamento do paciente, de permanecer em silêncio no início da sessão, mas, ao ser rompido o silêncio, um retorno ao costume anterior de perguntar sobre o que se falar hoje. O respeito que o terapeuta demonstrou pelo silêncio do paciente funcionou, provavelmente, como uma interpretação mutativa. Embora esse estado meditabundo fosse frequentemente rompido e parecesse que não era extraído nada dele, permanecemos em silêncio, interpretando, também silenciosamente, que ele queria se certificar de que era possível ter um contato mais delicado consigo mesmo [e, suponho, também com o terapeuta] sem que isso fosse perturbado. (p 137) Imagino que essa mudança de postura do terapeuta contribuiu também para uma mudança de paradigma. O psicoterapeuta evoluiu para uma atitude

9 psicanalítica recomendada por Bion. É o que se pode ver na página 141: A disciplina de banimento da memória e do desejo apenas tornou-se possível quando as sessões passaram a ter um desenvolvimento nelas mesmas, ou seja, quando foi possível compreender que aquele paciente que entra na sessão não é o mesmo que lá esteve na sessão passada. Na página 143 a nova postura se evidencia pela proposição: Suas narrativas passaram a ter, assim, uma tonalidade crítica, que passamos a ouvir atentamente, sem realizar grandes intervenções: apenas demonstrávamos que estávamos ali e acompanhávamos aquilo que ele nos falava do modo mais atento que podíamos. Ouvir sem a preocupação de interpretar. Essa mudança, induzida pelas posições refratárias do paciente constituem um desafio para o terapeuta: ou este tem imaginação criativa e evolui, ou se desfaz do paciente Por isso digo que o paciente é o nosso melhor mestre; desde que sejamos capazes de aprender com ele, naturalmente. A postura de mais atenção pelo paciente e menos preocupação com as teorias deve ter influenciado o paciente a mobilizar rudimentos de reparação. Na página 144 há a informação de que o paciente faz curso sobre restauração e voltou a desenhar, uma atividade importante e renegada. Resolveu fazer ambas as coisas sem conversar antes conosco sobre esses assuntos e também sem conversar com ninguém.. Esse movimento de reparação sugere que a mente começa a se integrar, mas está cindida em compartimentos não comunicantes. Na p 145: No ano seguinte de análise (...) mas no fim desse ano (grifos meus) começou a se questionar sobre a função de sua análise e sobre o sentido de sua ida às sessões (...) disse que não via sentido em continuar, pois, na verdade, a análise pouco prestava para ele (...) que isso não tinha relevância em sua vida (...). Em resumo: não via razão de continuar vindo. A restauração do self e dos objetos devido à evolução da análise provocou um efeito paradoxal. À medida que aumenta a integração, acentua-se a ambivalência. A junção da parte que odeia e da parte que ama o terapeuta, a culpa e a angústia que isso suscita, provocam um estado difícil de suportar. E mais, o fato dessa reação contra a análise ocorrer perto do fim do ano como sublinhei acima indica também outro efeito da integração: o estabelecimento da posição depressiva, que instala a angústia de separação, cujo sofrimento induz á ruptura como forma de alívio de uma relação conflituosa. Aquilo que parece o fim da análise é na verdade o efeito da sua eficácia. Se ambos não se amedrontam, e permanecem firmes na intenção de evoluir, atravessa-se incólume a tempestade e uma nova configuração da personalidade restaurada se apresenta. O final do relato da experiência terapêutica com esse paciente, na página 150, é assim descrita: contou-nos uma história que havia lido e que o tinha tocado muito. Tratavase de uma história de As mil e uma noites, em que um gênio maligno, após ter aprisionado uma princesa, permanecia poderoso e onipotente. Ninguém conseguia salvá-la, até que um herói descobriu que o gênio maligno poderia ser derrotado caso o herói descobrisse sua fraqueza, que era apagar uma vela que ficava acesa dentro de uma montanha, escondida de todos. Assim, destruído o gênio, o herói e a princesa puderam ficar juntos e ser um casal feliz. Após contar sua história, falou-nos com grande emoção que nunca antes tinha se emocionado com uma história de amor. Dissemos-lhe, então, que ele podia ficar mais emotivo e cheio de esperança quando pudesse imaginar a existência desse casal unido e quando seu gênio maligno invejoso pudesse parar de aprisionar a sua possibilidade de anseio por pessoas e de ligação amorosa (grifo meu). Entendo essa história como uma alegoria sobre o ciúme possessivo. O gênio poderoso seria uma alusão ao poder de manter a capacidade de amar (a princesa) aprisionada

10 dentro de si mesmo, transformada numa vela acesa escondida, um processo defensivo narcísico. Essa defesa narcísica seria consequência de uma regressão devida à insuportabilidade do ciúme provocado pela união dos pais. Por isso o paciente pode ter um namorado, mas não pode ter um relacionamento sexual (amoroso) com ele; só pode ter um relacionamento masturbatório. Na psicoterapia dá-se o mesmo: o paciente aprisiona o terapeuta num palavrório estéril e não deixa que o processo evolua. Se o herói procurar a vela que está escondia dentro da montanha isto é, se o analista se despojar de seu narcisismo teórico e demonstrar interesse genuíno (amor) pelo paciente e achar a escondida vela do narcisismo defensivo inconsciente do paciente. E, simultaneamente, libertar a princesa - favorecer a capacidade de relação amorosa do paciente que resista ao ciúme possessivo do lado infantil da personalidade, será possível ficar juntos e ser um casal feliz. Ou, como disse o paciente: nunca tinha antes se emocionado com uma história de amor. Comentários de Rosa Broner Worcman À procura de si mesmo Fui convidada a fazer um comentário oral à tese de doutorado de Ricardo Trinca. Encontro-me agora frente a uma questão já que foi decidido que os comentários seria publicados: transformar em texto escrito um material pensado para ser falado ou elaborar um novo texto? Conversar frente a frente com uma plateia que nos ouve e responde é bem diferente de colocar os pensamentos por escrito, inclusive porque aumenta a necessidade de que os leitores tenham conhecimento da tese de Ricardo. Resolvi ater-me ao apresentado. Foi um privilégio entrar em contato com material tão consistente com o qual me deparei ao ler seu trabalho, pois abre espaço para o pensar sobre nós e nossa função de vir a ser psicanalista. Adentrar na riqueza de sua dissertação trouxe-me grande responsabilidade e preocupação: falar sobre material tão denso, complexo foi tarefa árdua. Muitos pontos mereciam atenção. Minha curiosidade não permitiu que me limitasse ao item sugerido pelo autor que talvez temesse um desânimo diante das muitas páginas do seu escrito e debrucei-me sobre a tese toda. Ao me deparar com a imensidão do que aí existia consultei-o e disse que me propunha sonhar sobre o material. Parece que ele aprovou a proposta, pois disse que sonharíamos juntos. Estendo isso a todos os que se dispuserem a brincar com o material no sentido do Play de Frank Phillips, isto é, entregarmo-nos gostosamente a digerir o material, tentar expandir um pouco nossas ideias, refletir, questionar. E, para o encontro, Ricardo nos surpreende com essa maravilha que chamou de resumo do trabalho, no meu entender um estímulo emocionante para aqueles que ainda não leram sua tese empenharem-se nisso. Espero que seja também publicado na revista. Optei então por trazer um subtexto, sonhar. Nos sonhos ousa-se. Afinal, como diz Calderón de la Barca, a vida é sonho. Sonhar não só com o escrito, mas principalmente

11 com o que a leitura me estimulou, tentando não cair em absurdos. Apoiando-me em Shakespeare: como a imaginação esboça uma forma para coisas desconhecidas, a pluma do poeta as forjam dando ao que é nada uma moradia e um nome. Afinal, literatura, música, pintura, arte em geral descomprometidas com o conhecido, corajosas em ser a partir da intuição criadora, livre de censuras abrem cesuras por onde podemos reconhecer em nós mesmos o mundo de conteúdos ocultos, a apreensão de uma realidade psíquica plural e multifacetada. Eis o perigo. Embora a psicanálise possa ser considerada além de ciência também uma arte será que tudo cabe? Poderemos preencher o desconhecido com qualquer nome? Lembrei-me do filme O Ditador de Sacha Cohen, onde a locutora de um canal de televisão se sentia obrigada e capaz de dar interpretações que ela considerava lógicas, coerentes, mas na verdade estapafúrdias, às ações do sósia do ditador, uma pessoa recolhida entre a multidão, escolhida somente pela semelhança física. Tendo que se apresentar diante de uma grande assembleia, não sabia o que fazer ou falar. Passou reto pelo estrado ao querer escapar da situação, a locutora partiu do pressuposto de ser uma ação intencional, querer atrair a atenção de todos. Ele caiu; significava que o mundo e os outros representantes da ONU desmoronavam diante dele. Bebeu direto da jarra pois não sabia o que era aquilo, foi explicado como querendo demonstrar que não obedecia as regras do Ocidente, etc. Eu vi nisso um alerta; o perigo que nós psicoterapeutas incorremos com interpretações ao entrar no campo das paramnésias para ocultar a ignorância. Espero estar embasada no material para as minhas considerações mesmo sabendo que explicações não passam de racionalizações, isto é, explicações razoáveis. Assim como Ricardo, também falarei de uma experiência que tive. Tenho por costume ao ler um livro, um artigo, um trabalho, fazer uma primeira leitura sem me deter, deixando-me invadir por imagens, emoções, diria pensamentos selvagens, para em leituras posteriores, deter-me a pensar, discutir. Deixar que algo escorra para dentro e de dentro de mim. Assim estava eu imersa no encantamento, na poesia do trabalho, pois Ricardo é um poeta, deliciando-me com os versos profundos de Tagore, na praia de mundos sem fim, crianças se encontram. A tempestade vaga no céu intransitável, navios naufragam na água sem deixar rastros morrem no estrangeiro, enquanto as crianças brincam. Na praia de mundos sem fim elas vão-se encontrando grandiosamente Imersa no poema, capturada pela profundidade dos versos que despertaram lembranças, reminiscências de pessoas queridas ausentes, buscando encontros, de repente viro a folha, me defronto não mais com a poética que Ricardo vinha desenvolvendo, mas com uma página imensa totalmente em branco. É um tanto quanto difícil, para não dizer impossível, relatar o desenrolar de um acontecimento. A não ser que se abandone o desejo de descrever acontecimentos indescritíveis e se tome um caminho sabidamente certo de que a comunicação possível não alcançará as nuances e os meandros do que acontece, tornando a escrita ou a fala apenas um pálido reflexo do que se passa numa experiência. Susto. Estaquei. Fiquei paralisada com o impacto. Eu, totalmente nua, desamparada frente à realidade desconhecida. Estranheza. Enigma. Surpresa. Desconhecido. Medo.

12 A frase de Pascal caiu como uma luva: O silêncio dos espaços infinitos me apavora. Palavras são escassas. Poetas saberiam expressar melhor a gama de emoções, a revolução, o caos que se apossou de mim naquele momento. Vocês poderiam dizer: grande coisa, porque tanto carnaval por uma página em branco no meio de um trabalho? Não sei. Só sei que aconteceu. Momentos depois, quantos não sei, porque estaquei mumificada um bom tempo olhando aquela página à procura de um significado oculto, testemunhando a defesa contra a estranheza e a realidade desconhecida, querendo que aquela página falasse comigo, resolvesse meu conflito. Sem despregar os olhos dela. Quanto tempo fiquei assim? Não sei dizer, mas precisei de espaço para tolerar o duelo, para aguentar o não saber, o não entender. Capacidade negativa? O que fazer? Virarei a folha? Desvendarei o mistério? Sabemos que se originou em algum lugar e por algo, mas desconhecemos quase tudo, abre-se um universo de possibilidades, a luz de um passado pode chegar até nós e ser recontada no tempo presente. Qual luz de um passado pode ter chegado até mim naquele instante e me fez estacar estarrecida? Esse susto de onde veio? Da presença simultânea de níveis arcaicos e de níveis evoluídos da mente? Onto e filogenéticos? O medo congênito que vem da percepção de nossa fragilidade, impotência? O Real se fez presente naquilo que ainda falta se dizer? Surgiu como aquilo que rompe com o sentimento de continuidade do ser, decorrente da ameaça que não foi pressentida? Tendo um caráter disruptivo por conduzir a uma abertura do eu mesmo? Como pesquisar a cesura, o espaço entre o nascimento e a morte? Dei-me conta da fragmentação caótica seguida das infinitas possibilidades de desenvolvimento daquele fato. Saramago diz: dentro de nós há alguma coisa que não tem nome. Essa coisa é o que somos. Estaquei diante da impotência de prosseguir sozinha, do reconhecimento da necessidade constante de um outro, o Eu e Tu, (como fala Buber) na busca da veracidade. O que me vai ao íntimo e a realidade (qual delas?) são dois ambiciosos que se digladiam à procura da verdade e que esbarram nos limites do humano. Solidão. Ao sair do mundo invisível, já mais calma, preferi indagar o propósito da página branca. Intrigada, criei algumas hipóteses. Teria sido engano? De quem? Do Ricardo ou da pessoa que xerocou? Ou proposital? Estranho surgir uma página em branco naquele lugar. Uma pegadinha? Se assim fosse com o que deveria ser preenchida aquela página em branco? O Real teria me feito uma visita? Conforme a definição o Real é o fundamento negativo de certo movimento interno das sessões em que ocorre psicanálise. Sua visitação ou seu esquecimento depende de como o par analista/analisando pode em determinado momento conter além da transitória verdade que o atinge aquilo que inda falta se dizer, o que não cessa de não se dizer. Terá o desconhecido se aproveitado da situação e se feito aparente, palavra ou pensar? Não é o momento de fazer psicanálise. Possivelmente vivi a experiência emocional de me sentir só e órfã, sem a presença do analista. Enquanto esperamos Godot na esperança de que algo nos tire da escuridão (atentem à bela explicação da peça de Becker que consta na tese), Ricardo não ficou parado como

13 acontece com a maioria das pessoas, teve a preocupação de examinar com cuidado, com carinho, profundamente, formulações de muitos analistas, pensadores e artistas para embasar sua pesquisa e sua intuição no caminho de aproximar-se de um ponto nodal da psique, o Real. Não dormiu no ponto. Traduziu seu pensamento numa escrita poética que ainda que não assimilemos completamente o texto pela sua complexidade, ele nos penetra e vai germinando. Compêndio digerido de psicanálise. Enxergo a busca ansiosa de Ricardo ou sou eu projetando. Quer alcançar, acha que vai alcançar, mas sabe que é impossível, pelo menos com as limitações atuais de nossa mente. Ou do nosso coração? Como a água que nos escorre entre os dedos. Cada parágrafo é um manancial para ideias, para muitas histórias a serem narradas. De tal forma preciso e hipnótico, ele funciona como o narrador que abre espaço e apronta o cenário para que o personagem, o Real, possa aparecer e tornar-se visível. Acontece que a apreensão de uma realidade é por si mesmo sem representação e sem conhecimento. Mas como temos que conversar, estudar, Ricardo pesquisa, revira, traz de inúmeras maneiras a possibilidade de tornar aparente, no sentido de visível, o que seria esse Real, para que nós também possamos tentar vislumbrá-lo. Agora minha ousadia: como subtexto, o que eu depreendi do trabalho e agora acrescido com o resumo, foi o esforço de aprofundar-se na angústia da procura de si mesmo, ancorada no que é vir a ser psicanalista, justamente firmar-se como psicanalista e o que se entende por isso. Ampliando, vejo-o como Édipo à procura de si mesmo. É o que ele mesmo declara, apoiando-se num verso de Tagore: Não consigo encontrar o sossego; sou um estrangeiro para o meu próprio coração. Buscou desvendar o segredo da esfinge, a procura do Real, para chegar ao lugar que interessa: a psique do ser humano, aquele lugar sem nome, à procura de ser nomeado. Armou o cenário para que o Real aparecesse. Seria o que entendo por tropismo, cuja ação apropriada é a busca. Os tropismos são a matriz a partir da qual brota toda a vida mental. Para sua maturação ser possível eles precisam ser resgatados do vazio e comunicados. Quando se fala de vida psíquica nossos conceitos são imprecisos, captamos intuitivamente. A inquietação faz com que se procure uma definição e teoria para ajudar a delimitar o campo; mas o aprender se dá com a experiência emocional e para isso há que se tolerar frustração. A tentativa não é só aprender mais sobre nós mesmos e o mundo que nos rodeia, mas, sobretudo, podermos vir a ser o que somos. Sentir, pensar, ser. Estamos constantemente à procura, pois a apreensão da realidade é sempre inexata já que o tempo não se detém e estamos continuamente em movimento. Em relação à clínica, acredito que o analista deva ter um olhar que busque e depure a experiência emocional, longe das palavras que carregam coisas conhecidas e sem desejos predeterminados, suporte o silêncio do não conhecido. Bion diz: farejar o fedor do perigo. É da essência do pensamento psicanalítico o analista estar disponível para o que tem a qualidade do negativo. A capacidade negativa propicia nosso assombro, o reconhecimento de nossa ignorância, diante da realidade última. Nosso trabalho é finito, limitado. Cada pensamento, cada ideia deixa de lado outras que podem estar se entrechocando. Paul Valery diz: nosso mundo mental é uma arena onde se digladiam os deuses. Será que percebemos isso? Será que nos damos conta da intensidade, do desencontro e colorido das múltiplas emoções presentes sob a capa civilizatória com que as encobrimos? A prática da psicanálise tem que ser feita por pessoas que saibam pensar por si próprias, o que significa solidão, incerteza e um

14 sentido inescapável de perseguição incipiente. Assim Ricardo vira e revira o que foi apreendendo como um pediatra que vai examinado seu bebê, se questionando, olhando outras vertentes, sabendo que apesar de todo esforço não dá para encerrar e alcançar o inatingível. A busca é contínua, pois por mais que uma pessoa se conheça, o conhecimento é ínfimo. Analista e analisando são duas mentes que se expandem em muitas camadas diferentes se manifestando no agora, no momento, palimpsésticas, que podem ou não ser atingidas pelo observador que se volta para as impressões sensoriais, suas representações e evocações na situação. Deixa de ser um olhar para dentro para se tornar um olhar de dentro, do seu íntimo, que concebe, inesperada e atemporalmente o que está acontecendo. O objeto psicanalítico é, portanto, um objeto de qualidades psíquicas partejado pela intuição. Intuição que em sua origem significa percepção, mas é considerada aqui mais que uma percepção, transcende o indivíduo, alcança a relação com o outro e visa à comunicação. É como uma visão ativa e produzida que rompe com a solidão do analista no encontro.longman, J em o O objeto psicanalítico (ele foi uma das minhas evocações de pessoas queridas diante da página branca). Quando isso acontece à turbulência aparece e gera uma desestruturação, para depois se chegar à nova organização. A demanda é encontrar um outro que acolha sem destruir ou seduzir. A esperança é que se liberte do destino pré-traçado, repetido, trazer o que vem do subterrâneo. Psicanálise é experiência longa e dolorosa de peregrinação ao si mesmo. Não são necessárias grandes interpretações. Quantas vezes falamos o óbvio para a pessoa e isso é que tem reverberações. Analisanda falando da inveja, inveja, inveja que sentia de um colega e em determinado momento perguntei: o que ele tem que você não tem? Como sempre, num primeiro momento, ela recusa, silencia, dando como inútil. Depois, noutra sessão, ela fala: a pergunta que você me fez mudou tudo pra mim; vi que invejo que ele está montado num berço de ouro e eu nem sei o que fazer com tanto dinheiro que tenho. Ou outra: enquanto, cansada de um dia inteiro de trabalho, fazia o jantar para minha filha, que já tem vinte e três anos e pode preparar a comida sozinha, pensava em como a odeio. Respondi-lhe: quanto amor! Ela se surpreende e pergunta: como, como? Respondo: você, mesmo cansada, não estava preparando o jantar para ela? A necessidade de criar, urge to create, fez com que Ricardo criasse com seu trabalho científico uma obra de arte. Nesse mundo líquido em que estamos vivendo, tudo encarado superficialmente, é um prazer ter acesso a um trabalho denso como esse. Termino com as três citações que Ricardo tão bem peneirou e como que fazem uma síntese do seu trabalho:e quantos poemas não cheguei a escrever, E seus refrões misteriosos pairam à minha volta. Anna Akhmátova Sou um escultor, um criador de formas, A cada momento dou vida a novos ídolos E derreto-os todos diante de ti. Jalal ud-din Rumi Algo está lá que está fora de alcance; isto está entre nós. M. Blanchot

15 Fala da impossibilidade de agarrar o todo de uma ou de várias experiências embora tudo esteja à nossa volta, procurando um pensador para pensar ou em busca de um pensador que as procure. Tantas vezes vai-se dando formas a novas ideias, tantas vezes idealizando-as, para elas irem se desgastando, transformando-se em outras que também poderão vir a ser idealizadas. O importante é captar a experiência emocional que gere crescimento, o que está entre nós, do conhecer para tornar-se real. Dispomos de um universo finito para representarmos um universo infinito e poucas pessoas disponíveis para se aventurar no caminho do pensar. Novamente recomendo a leitura aprofundada do trabalho. Foi uma experiência gratificante. Os negritos do texto são frases retiradas da tese de Ricardo. Próxima Reunião científica dia 16/03/2013 Cine debate com a presença do Prof. Ryad Simon Dia 16/03/2013 às 9:00 h. Rua Cardeal Arco Verde, 928. Associação de Psicoterapia Psicanalítica Tel.: / Cel.:

16

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

J 7. Eu Sou um Espírito. No Solar das Artes...25

J 7. Eu Sou um Espírito. No Solar das Artes...25 J 7 Eu Sou um Espírito Eu sou um Espírito! Como nos esquecemos disso quando imersos de corpo e alma na poeira da vida terrena... E como Espírito que sobrevive à morte do corpo, estou consciente do tempo

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12

Os Quatros Elementos Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:12 O estudo das forças ocultas da natureza presente nos quatro elementos e seus elementais, são comuns a todas as culturas por tratar-se de uma necessidade latente do ser humano. A Iniciação Hermética quase

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a José Carlos Zeppellini Junior: Especialista em Psicopatologia pelo NAIPPE/USP, Mestrado em Psicologia Clínica realizado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental da PUCSP e Segundo Secretário da Associação

Leia mais

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas.

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas. AULA 1-) SABER QUERER Olá, amigos! Meu nome é Kau Mascarenhas e sou um arquiteto de gente. Sim, tenho formação acadêmica em Arquitetura mas atualmente trabalho como consultor e conferencista em Desenvolvimento

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA Educyra Vaney RESUMO O trabalho com sonhos é uma importante ferramenta para a clínica formativa. Este texto é um relato pessoal

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Neste inicio de curso de Formação em Coaching e Mentoring do Sistema ISOR, eu quero fazer a seguinte pergunta: o que vocês mais querem da vida hoje? Alguém pode começar?

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais