CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER"

Transcrição

1 CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Marcos Paulo A. de Jesus Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo PET Filosofia) Resumo: Neste trabalho tomamos como objeto de investigação o parágrafo 15 ( O ser dos entes que vêm ao encontro no mundo circundante ) da obra Ser e Tempo 1927, do filósofo alemão Martin Heidegger ( ). Neste parágrafo ele trata da mundanidade do mundo demonstrando as vias de acesso ao ser dentro do mundo. Para compreender esta dinâmica vamos trabalhar os fenômenos: ocupação, instrumento, manual e circunvisão na tentativa pensar como estes se estruturam no cotidiano de nossa existência. Palavras-chave: Cotidiano, mundo, mundanidade circundante. E ste estudo busca compreender o discurso cotidiano tomando como base teórica o pensamento do filósofo Martin Heidegger. Nessa investigação, nos ocuparemos da sua obra principal Ser e Tempo de 1927, cuja tradução escolhida é a de Márcia Sá Cavalcante Schuback, realizada pela Editora Vozes na sua 14º edição. Heidegger em Ser e Tempo realiza uma analítica existencial visando o redimensionamento da questão sobre o sentido do ser. Segundo Heidegger, o homem é o ente privilegiado porque somente ele é capaz de, ao existir, compreender o ser. Por isso o nosso filósofo elege a existência do homem para ser objeto da sua analítica. Segundo Heidegger, a estrutura fundamental da existência humana é a estrutura ser-no-mundo. A partir dessa estrutura não se pode pensar em separado o homem do mundo. Mundo nada mais é do que as possibilidades do homem de ser junto às coisas, com os outros e ser em função de si mesmo. Mundo que na compreensão heideggeriana, se manifesta como a trama de remissões que se estabelece entre os entes que vêm ao encontro do homem no mundo. Por conseguinte, o ser do homem e o ser do mundo são o mesmo ser. Ser este que, por seu lado, se dá sempre em ato. Ou seja, é somente como ato de ser que se pode pensar o modo próprio do homem se fazer no mundo e como mundo. Essa relação entre o homem e o mundo não é uma relação que se estabelece entre duas substâncias. Para Heidegger, homem e mundo não se encontram numa relação de dicotomia. Não se trata de dois entes que possuem duas naturezas distintas como quer a tradição metafísica. Homem e mundo traduzem um único e mesmo fenômeno. Na tentativa de compreendermos o modo como esse fenômeno se revela no cotidiano de nossa existência, nós iremos analisar o parágrafo quinze de Ser e Tempo, intitulado: O ser dos entes que vêm ao encontro no mundo circundante.

2 Marcos Paulo Alves de Jesus Para evidenciar a sua compreensão do que seja o homem e a relação deste com o mundo, Heidegger irá denominá-lo Dasein (existência), em nosso trabalho utilizaremos a tradução brasileira de Márcia de Sá Cavalcante, qual seja: pre-sença. Pois bem, a pre-sença assume o significado do homem lançado no mundo diante das suas possibilidades de ser. Contudo, de imediato e na maioria das vezes, este mundo se revela como já estando pronto. Heidegger nos diria: de imediato nos vemos lançados num mundo já determinado, isto porque já estamos sempre lançados numa compreensão prévia do que são as coisas compreensão que nos dá a ilusão de que tudo já se encontra determinado. Esse caráter prévio não se explica, em sua base ontológica, por nenhuma idéia de antecipação temporal. Ou seja, não sabemos previamente o que são as coisas porque nós possuiríamos uma idéia antecipada do que elas seriam, ou pelo fato de elas já se encontrarem feitas e prontas dentro do mundo. Para Heidegger, esse caráter prévio de nossa compreensão se explica pelo fato de que os entes com os quais nos relacionamos no mundo, nada mais são do que as possibilidades de ser do próprio existente. Por isso, a pre-sença já sempre sabe, já sempre compreendeu o que são as coisas que lhe vêm ao encontro o mundo. Contudo, isso não a redime de ter que realizar cada possibilidade de ser que se abre para ela no mundo e como mundo. É no horizonte destas possibilidades que Heidegger abre a compreensão das vias de acesso ao ser construindo a idéia de mundo circundante. E na tentativa de demonstrar fenomenologicamente como este acesso se dá no cotidiano, iremos analisar os fenômenos: ocupação, instrumento, manual e circunvisão. O acontecimento do ser-no-mundo é demonstrado através da análise do ente pre-temático na ocupação cotidiana. O ente pre-temático é aquele que se encontra a mão, ou seja, no seu uso se tem um conhecimento prévio de sua serventia já que não é preciso apreendê-lo para depois usá-lo. Ao fazer o uso do lápis, por exemplo, já se compreende antecipadamente o que é o lápis e para que ele serve. A pre-sença está no mundo orientada por um senso de utilidade, onde qualquer relação que ela estabeleça com as coisas parece ter um sentido bem definido. Ao olharmos as coisas sobre esta ótica elas sempre servem para isso ou para aquilo, como se fossem prolongamentos de nossa vontade. Mas a verdade é que tomamos o lápis à mão e o empregamos na tarefa de escrever, pois surge a possibilidade da escrita. Possibilidade que garante a transferência do lápis para o desempenho de tal função. Aqui o lápis se apresenta como um ente pretemático que não é um objeto em que teorizamos primeiro e depois usamos, mas é a lida que revela a função na qual ele descobre o seu ser. Como nos aponta Heidegger [...] é o que se mostra na ocupação do mundo circundante. Aqui, o ente não é objeto de um conhecimento teórico do mundo e sim o que é usado e produzido

3 Considerações acerca do discurso cotidiano no pensamento de Martin Heidegger etc. O ente fenomenologicamente pré-temático, ou seja, usado, o que se acha em produção, torna-se acessível ao transferirmo-nos para tais ocupações 1. A lida que envolve o ente pre-temático é a ocupação cotidiana, na qual nós usamos as coisas para isto ou para aquilo. Nessa lida as coisas se descobrem em seu ser-para, ou seja, na sua serventia à medida exata em que o homem igualmente se descobre em seu ser isto ou aquilo. Por exemplo: na lida, na ocupação da escrita, o lápis se descobre em seu ser para escrever à medida em que o homem se descobre em seu ser escritor. É na ocupação cotidiana que o ser-para das coisas se descobrem. Continuando com o exemplo acima, o lápis em seu ser-para escrever se encontra em latência, na espera da relação com a pre-sença para ganhar significado. Neste sentido, quando o lápis é usado em um ambiente de estudo, seu destino é escrever, mas se o emprego para brincar ele se traduz em seu ser-para como brinquedo. Deste modo o lápis revela o seu ser-para de acordo com o horizonte de significância no qual a pre-sença se encontra lançada. Esse ente pré-temático que transferimos para a ocupação é o que Heidegger denomina instrumento (aquele que se encontra à mão na ocupação). Por meio da ocupação o instrumento revela o seu ser na lida no qual é empregado. Sendo assim o instrumento nunca é algo que traz consigo um significado já determinado. A ocupação é que revela o ser-para do instrumento que está sempre em relação de remissão com os outros instrumentos. Por exemplo: O lápis só revela seu ser-para a escrita quando utilizado para esse fim numa conjuntura onde sala, mesa, cadeira e papel se instrumentalizam dando sentido a esta ação de escrever. O instrumento não é algo sozinho, mas, sempre se remete a um todo instrumental que o acompanha, pois quando utilizo o lápis, ele se remete aos outros objetos do estudo. Essa remissão é que aponta a essência do instrumento na ocupação cotidiana. Essa descoberta do lápis para a escrita só é possível por dois fatores: o manual e a circunvisão. O manual é que determina o modo de ser do instrumento na lida cotidiana. Quando o lápis se encontra em cima da mesa ele é um ente intramundano na espera de ganhar seu significado no mundo. Para que ele possa assumir o caráter de instrumento é preciso que se encontre em uso na ocupação. Assim o manual determina o modo de ser do instrumento quando este se encontra a mão na lida cotidiana. O ser-para do instrumento ou a maneira que ele será utilizado é regido pelo manual. Então lida que envolve os instrumentos é que desvela o manual, pois por maior que seja o grau em que se visualize precisamente a configuração das coisas na qual elas aparecem desta ou daquela maneira nunca se conseguirá descobrir o manual. 2 1 HEIDEGGER, Martin. In: Ser e Tempo. Tradução por Márcia Sá Cavalcante Schuback. ParteI Petrópolis: Vozes, 14ª ed. 2005, p Ibidem, p.111

4 Marcos Paulo Alves de Jesus Para que o manual possa revelar o ser-para do instrumento é necessário que os vários modos de lidar com o instrumento se projetem no mundo. Estes modos de lidar com os instrumentos são infinitos já que pre-sença se encontra lançada na existência tendo como tarefa realizar cada possibilidade de ser no mundo. Então maneira em que o ser-para do instrumento pode assumir no mundo necessita de uma visão para se guiar. A circunvisão é esta visão que orienta o que se encontra recolhido à mão no manual e possibilita a compreensão dos entes no mundo. Ao se adentrar em um ambiente de estudo, a mesa, caderno e o lápis ganham significado por meio da circunvisão, já que não pensamos a relação que estabelecemos com estes entes de modo separado ou em uma ordem cronológica, mas eles sempre nos aparecem como um todo. Vamos tentar visualizar esta dinâmica neste exemplo: quando me dirijo a uma biblioteca com a intenção de estudar o prédio, mesas, livros, computadores se apresentam como possibilidades que a circunvisão abre entorno da intenção que me leva a biblioteca. Deste modo posso utilizar o ambiente da biblioteca de diversos modos: estudar, ler, pesquisar etc. Essas diversas formas de utilizar o ambiente da biblioteca são orientadas pela circunvisão que é a visão que clareia o manual. A circunvisão é que da um tônus familiar, pois guia a pre-sença nesta relação que ela estabelece com as coisas no mundo. Sendo assim toda esta dinâmica até aqui trabalhada podemos afirmar que fazem parte de um discurso cotidiano que na compreensão heideggeriana é uma trama que envolve o acontecimento do Ser no mundo que se manifesta em nossas ações mais rotineiras. E os fenômenos até aqui tratados formam uma teia remissiva que revigora as relações entre a pre-sença e o mundo. Assim podemos afirmar que o discurso cotidiano se traduz como mundo circundante. Os fenômenos que envolvem o mundo circundante: ocupação, instrumento, manual e circunvisão, possibilitam uma análise ontológica desta relação entre o ser e os entes no mundo que Heidegger nos apresenta como momentos essenciais desta mundanidade: Mundanidade é um conceito ontológico e significa a estrutura de um momento constitutivo do ser-no-mundo. Este, nós o conhecemos como uma determinação existencial da pre-sença. 3 Isto é, a mundanidade circundante é um vigor que proporciona que o ser possa se desvelar no mundo. Assim podemos pensar o mundo circundante tem sua origem como horizonte de significância em que a pre-sença se encontra lançada. Este estar lançado no mundo faz com que pre-sença assuma esse mesmo mundo como uma tarefa a ser realizada. E na compreensão deste fenômeno no qual a pre-sença se encontra indissociavelmente ligada 3 Ibidem, p.104

5 Considerações acerca do discurso cotidiano no pensamento de Martin Heidegger ao mundo é que podemos pensar o cotidiano e entender esse vigor que faz o mundo se recriar a todo instante. Referências Bibliográficas HUZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, p. HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução por Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes. Parte I. 14ª ed

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER CONSIDERAÇÕES ACERCA DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Marcelo Henrique Marcelino Trindade (Bolsista PET - Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo PET Filosofia)

Leia mais

O FENÔMENO DO MUNDO EM HEIDEGGER

O FENÔMENO DO MUNDO EM HEIDEGGER O FENÔMENO DO MUNDO EM HEIDEGGER Guilherme Pires Ferreira (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora - Tutora do Grupo PET Filosofia) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: A indagação

Leia mais

CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES

CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES Guilherme Devequi Quintilhano Orientador: Prof. Dr. Eder Soares Santos RESUMO Nesta comunicação será apresentada uma crítica de Martin Heidegger, filósofo contemporâneo,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O HABITAR COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

CONSIDERAÇÕES SOBRE O HABITAR COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER CONSIDERAÇÕES SOBRE O HABITAR COTIDIANO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Marcos Paulo Alves de Jesus (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora - Tutora do Grupo PET Filosofia)

Leia mais

O PARADOXO DA EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO

O PARADOXO DA EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO O PARADOXO DA EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO Acylene Maria Cabral Ferreira* Resumo: A partir da obra Ser e tempo, pretendemos correlacionar as estruturas existenciais da cura e da disposição, com o intuito

Leia mais

AO ENCONTRO DE HEIDEGGER: a noção de Ser-no-Mundo

AO ENCONTRO DE HEIDEGGER: a noção de Ser-no-Mundo AO ENCONTRO DE HEIDEGGER: a noção de Ser-no-Mundo FINDING HEIDEGGER: what is Being-in-the-World Jeannette Antonios Maman 1 Resumo: Trata-se de esclarecer a noção de Ser-no-Mundo para melhor compreensão

Leia mais

O DASEIN E SUA CONDIÇÃO ONTOLÓGICA DE ANGÚSTIA. Greyce Kelly de Souza Jéferson Luís de Azeredo

O DASEIN E SUA CONDIÇÃO ONTOLÓGICA DE ANGÚSTIA. Greyce Kelly de Souza Jéferson Luís de Azeredo O DASEIN E SUA CONDIÇÃO ONTOLÓGICA DE ANGÚSTIA Greyce Kelly de Souza greycehp@gmail.com Jéferson Luís de Azeredo jeferson@unesc.net Resumo: Neste artigo pretende-se analisar a relação ontológica entre

Leia mais

JOGO E LINGUAGEM. I - A natureza do Jogo

JOGO E LINGUAGEM. I - A natureza do Jogo Karen Milla da Almeida França (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora - Tutora do Grupo PET Filosofia) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: O presente trabalho objetiva evidenciar

Leia mais

ATIVIDADES DE PESQUISA: A RELAÇÃO ENTRE SAGRADO E LINGUAGEM EM M. HEIDEGGER

ATIVIDADES DE PESQUISA: A RELAÇÃO ENTRE SAGRADO E LINGUAGEM EM M. HEIDEGGER ATIVIDADES DE PESQUISA: A RELAÇÃO ENTRE SAGRADO E LINGUAGEM EM M. HEIDEGGER Glória Maria Ferreira Ribeiro Grupo PET Ciências Humanas, Estética e Artes do Curso de Filosofia UFSJ Universidade Federal de

Leia mais

FUNDAMENTOS ONTOLÓGICOS DA CIÊNCIA HISTÓRICA EM SER E TEMPO

FUNDAMENTOS ONTOLÓGICOS DA CIÊNCIA HISTÓRICA EM SER E TEMPO FUNDAMENTOS ONTOLÓGICOS DA CIÊNCIA HISTÓRICA EM SER E TEMPO Kaio Bruno Alves Rabelo (Universidade Federal de Goiás) No quinto capítulo da segunda seção de Ser e Tempo Heidegger discute os fundamentos ontológicos

Leia mais

GUILHERME DEVEQUI QUINTILHANO O FENÔMENO DO MUNDO COMO FIO CONDUTOR PARA UMA COMPREENSÃO HEIDEGGERIANA DE ARISTÓTELES

GUILHERME DEVEQUI QUINTILHANO O FENÔMENO DO MUNDO COMO FIO CONDUTOR PARA UMA COMPREENSÃO HEIDEGGERIANA DE ARISTÓTELES GUILHERME DEVEQUI QUINTILHANO O FENÔMENO DO MUNDO COMO FIO CONDUTOR PARA UMA COMPREENSÃO HEIDEGGERIANA DE ARISTÓTELES Londrina 2017 GUILHERME DEVEQUI QUINTILHANO O FENÔMENO DO MUNDO COMO FIO CONDUTOR PARA

Leia mais

Considerações Clínicas sobre o conceito Heideggeriano de Afinação (Stimmung)

Considerações Clínicas sobre o conceito Heideggeriano de Afinação (Stimmung) Considerações Clínicas sobre o conceito Heideggeriano de Afinação (Stimmung) Luis Eduardo Jardim Comunicação apresentada no IX Encontro Nacional de Filosofia Clínica - Universidade São Camilo & Associação

Leia mais

Husserl, Heidegger e a

Husserl, Heidegger e a Husserl, Heidegger e a fenomenologia Mariângela Areal Guimarães, professora de Filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ, Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

A QUESTÃO DA VERDADE EM MARTIN HEIDEGGER

A QUESTÃO DA VERDADE EM MARTIN HEIDEGGER A QUESTÃO DA VERDADE EM MARTIN HEIDEGGER Fabio Augusto do Império Orientador: Prof. Dr. Eder Soares Santos RESUMO Tendo por base as obras Ser e Tempo e Parmênides de Martin Heidegger, este trabalho tem

Leia mais

UMA BREVE COMPREENSÃO SOBRE O DASEIN DE HEIDEGGER

UMA BREVE COMPREENSÃO SOBRE O DASEIN DE HEIDEGGER UMA BREVE COMPREENSÃO SOBRE O DASEIN DE HEIDEGGER MARCUS VINÍCIUS GOMES DE ARAUJO - Graduando em filosofia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). marcusvgaraujo@hotmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

Filosofia da existência: Existencialismo

Filosofia da existência: Existencialismo Filosofia da existência: Existencialismo No século XX, o pensamento sobre o ser humano assumiu novas perspectivas, com a visão de Martin Heidegger e Jean Paul Sartre. As raízes dessas ideias surgiram um

Leia mais

Prof. Chiara Pasqualin (pós-doutoranda do Departamento de Filosofia da USP)

Prof. Chiara Pasqualin (pós-doutoranda do Departamento de Filosofia da USP) Prof. Chiara Pasqualin (pós-doutoranda do Departamento de Filosofia da USP) Seminário para os alunos de Iniciação Científica do Departamento de Filosofia da USP - 2 semestre de 2016 Título: Uma leitura

Leia mais

MUNDANIDADE E DIFERENÇA ONTOLÓGICA

MUNDANIDADE E DIFERENÇA ONTOLÓGICA Síntese - Rev. de Filosofia V. 40 N. 126 (2013): 85-108 MUNDANIDADE E DIFERENÇA ONTOLÓGICA (Worldhood and Ontological Difference) Acylene Maria Cabral Ferreira* Resumo: Na ontologia heideggeriana, podemos

Leia mais

ARTE: LINGUAGEM, ACONTECIMENTO E VERDADE 1. Maria Regina Johann 2, José Pedro Boufleuer 3.

ARTE: LINGUAGEM, ACONTECIMENTO E VERDADE 1. Maria Regina Johann 2, José Pedro Boufleuer 3. ARTE: LINGUAGEM, ACONTECIMENTO E VERDADE 1 Maria Regina Johann 2, José Pedro Boufleuer 3. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências da UNIJUÍ, pertencente

Leia mais

A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL

A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL João Evangelista Fernandes- Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Leia mais

Palavras-Chave: Heidegger, culpa, angústia, nada, decadência.

Palavras-Chave: Heidegger, culpa, angústia, nada, decadência. CULPA E ANGÚSTIA EM HEIDEGGER * Acylene Maria Cabral Ferreira ** Resumo Heidegger considera o homem como um ser-no-mundo, que se caracteriza mais propriamente como um ser-para-a-morte. Para fugir de si

Leia mais

A PESQUISA FUNDAMENTADA NA FENOMENOLOGIA SOCIAL DE ALFRED SCHÜTZ

A PESQUISA FUNDAMENTADA NA FENOMENOLOGIA SOCIAL DE ALFRED SCHÜTZ A PESQUISA FUNDAMENTADA NA FENOMENOLOGIA SOCIAL DE ALFRED SCHÜTZ Maria Cristina Pinto de Jesus A fenomenologia se baseia no estudo das essências, as quais se referem ao sentido dado a algo, que confere

Leia mais

DERRIDA. 1. Argélia: 1930 / França: 2004

DERRIDA. 1. Argélia: 1930 / França: 2004 DERRIDA 1. Argélia: 1930 / França: 2004 2. Temas e conceitos privilegiados: Desconstrução, diferência, diferença, escrita, palavra, sentido, significante 3. Principais influências: Rousseau, Husserl, Heidegger,

Leia mais

A FENOMENOLOGIA E A LIBERDADE EM SARTRE

A FENOMENOLOGIA E A LIBERDADE EM SARTRE 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste A FENOMENOLOGIA E A LIBERDADE EM SARTRE Joao Victor Albuquerque 1 Aluno graduando do Curso de Filosofia-UFG joão.victorcbjr@hotmail.com Eixo

Leia mais

A fenomenologia existencial de Heidegger e a crítica às ciências positivas

A fenomenologia existencial de Heidegger e a crítica às ciências positivas Em curso, v. 2, 2015, ISSN 2359-5841 http://dx.doi.org/10.4322/201511241644 Artigo A fenomenologia existencial de Heidegger e a crítica às ciências positivas The existential phenomenology of Heidegger

Leia mais

Heidegger e o fundamento ontológico do espaço Marcela Barbosa Leite 1

Heidegger e o fundamento ontológico do espaço Marcela Barbosa Leite 1 Heidegger e o fundamento ontológico do espaço Marcela Barbosa Leite 1 Resumo: Este trabalho pretende expor a concepção ontológica do espaço no pensamento de Martin Heidegger. Ao partir da crítica à ontologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS Rodrigo Rizério de Almeida e Pessoa TRANSCENDÊNCIA E ABERTURA EM SER E TEMPO

Leia mais

ARISTÓTELES ( )

ARISTÓTELES ( ) ARISTÓTELES (384 322) Nascido em Estagira; Juntamente com seu mestre Platão, é considerado um dos fundadores da filosofia ocidental; Professor de Alexandre O Grande. METAFÍSICA Uma das principais obras

Leia mais

Resenha. Arte e Técnica em Heidegger. por Dra. Paula Renata de Campos Alves Irene Borges-Duarte. DOI: /ek.2016.

Resenha. Arte e Técnica em Heidegger. por Dra. Paula Renata de Campos Alves Irene Borges-Duarte. DOI: /ek.2016. Resenha Arte e Técnica em Heidegger DOI: 10.12957/ek.2016.19622 por paullare@gmail.com BORGES-DUARTE, Irene. Arte e Técnica em Heidegger. Documenta. Lisboa, 2014. O importante livro da especialista no

Leia mais

PERSPECTIVAS DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO.

PERSPECTIVAS DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CANOINHAS I FÓRUM DE PROFESSORES DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA DO PLANALTO NORTE CATARINENSE - 2007 PERSPECTIVAS DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO. Sandro Luiz Bazzanella sandroba@terra.com.br

Leia mais

A ESTRUTURA ONTOLÓGICA DA LINGUAGEM EM SER E TEMPO. Resumo: Apesar da problemática da linguagem ser tratada de modo mais incisivo nas etapas

A ESTRUTURA ONTOLÓGICA DA LINGUAGEM EM SER E TEMPO. Resumo: Apesar da problemática da linguagem ser tratada de modo mais incisivo nas etapas A ESTRUTURA ONTOLÓGICA DA LINGUAGEM EM SER E TEMPO Tatiane Boechat 1 Resumo: Apesar da problemática da linguagem ser tratada de modo mais incisivo nas etapas posteriores do pensamento de Heidegger, é no

Leia mais

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO Jeannette Antonios Maman Professora Doutora do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA. A questão da significação em Ser e Tempo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA. A questão da significação em Ser e Tempo UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA ADRIELLE COSTA GOMES DE JESUS A questão da significação em Ser e Tempo Salvador, 2011 ADRIELLE COSTA GOMES

Leia mais

LEANDRO CAETANO DOS SANTOS JUSTIÇA E VERDADE: A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA ALEGORIA DA CAVERNA DE PLATÃO

LEANDRO CAETANO DOS SANTOS JUSTIÇA E VERDADE: A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA ALEGORIA DA CAVERNA DE PLATÃO LEANDRO CAETANO DOS SANTOS JUSTIÇA E VERDADE: A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA ALEGORIA DA CAVERNA DE PLATÃO Dissertação apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo para obtenção do

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

A questão da dimensão ética em Ser e tempo

A questão da dimensão ética em Ser e tempo A questão da dimensão ética em Ser e tempo dissertação de Marcela Barbosa Leite 2 a edição copyright by Marcela Barbosa Leite 1 a edição: 2011 2 a edição: 2017 Todos os direitos reservados pela Editora

Leia mais

A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO

A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO JANDIR SILVA DOS SANTOS Filosofia. Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR) jandirabm@hotmail.com Resumo: O presente artigo apresenta a contribuição

Leia mais

o Sagrado em Heidegger

o Sagrado em Heidegger o Sagrado em Heidegger Acylene Maria Cabral Ferreira* O estudo de Heidegger sobre Holderlin permitiu a ele transitar da questão do sentido e história do ser para esta da linguagem como sentido e história

Leia mais

A ORIGEM ONTOLÓGICA DO COMPORTAMENTO TEÓRICO NA FENOMENOLOGIA HERMENÊUTICA DE MARTIN HEIDEIGGER

A ORIGEM ONTOLÓGICA DO COMPORTAMENTO TEÓRICO NA FENOMENOLOGIA HERMENÊUTICA DE MARTIN HEIDEIGGER A ORIGEM ONTOLÓGICA DO COMPORTAMENTO TEÓRICO NA FENOMENOLOGIA HERMENÊUTICA DE MARTIN HEIDEIGGER Carine de Oliveira 1 Resumo: Ao tematizar a origem ontológica do comportamento teórico, Martin Heidegger,

Leia mais

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura Adriano Bueno Kurle 1 1.Introdução A questão a tratar aqui é a do conceito de eu na filosofia teórica de Kant, mais especificamente na Crítica da

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hermenêutica jurídica Maria Luiza Quaresma Tonelli* Hermenêutica é um vocábulo derivado do grego hermeneuein, comumente tida como filosofia da interpretação. Muitos autores associam

Leia mais

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica 524 O MUNDO COMO REGIÃO ONTOLÓGICA DO HOMEM NA FENOMENOLOGIA HEIDEGGERIANA BERNARD TEIXEIRA Graduando em Geografia (Licenciatura Plena) pela Faculdade de Formação de Professores na Universidade do Estado

Leia mais

CIÊNCIA DO NADA. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CIÊNCIA DO NADA. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CIÊNCIA DO NADA Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CIÊNCIA DO NADA Tudo sobre o nada. Boa leitura! 01 CRIADOR DA REALIDADE Você entende e aceita

Leia mais

APONTAMENTOS PARA UMA CRÍTICA A METAFISICA TRADICIONAL EM HEIDEGGER

APONTAMENTOS PARA UMA CRÍTICA A METAFISICA TRADICIONAL EM HEIDEGGER 77 APONTAMENTOS PARA UMA CRÍTICA A METAFISICA TRADICIONAL EM HEIDEGGER José Wilson Rodrigues de Brito 1 RESUMO: O presente artigo pretende abordar uma reflexão a respeito da crítica de Heidegger à metafísica

Leia mais

1 Friedrich Nietzsche, Assim falou Zaratustra, Do ler e escrever, p. 67.

1 Friedrich Nietzsche, Assim falou Zaratustra, Do ler e escrever, p. 67. APRESENTAÇÃO Pelo que, então, tem de decidir-se o ser-aí? Pela efetiva recriação para si mesmo do saber autêntico sobre em que consiste o que é propriamente possibilitador de seu próprio. E o que significa

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

PRESSUPOSTOS PARA SE PENSAR A QUESTÃO DA TÉCNICA EM SER E TEMPO

PRESSUPOSTOS PARA SE PENSAR A QUESTÃO DA TÉCNICA EM SER E TEMPO Pressupostos para se pensar a questão da técnica em Ser e Tempo 21 PRESSUPOSTOS PARA SE PENSAR A QUESTÃO DA TÉCNICA EM SER E TEMPO Assumptions to reflect about the technique in Being and Time Poliana Emanuela

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] A arte como princípio de transformação FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Se a própria existência

Leia mais

Matemática Divertida. Triângulos Mágicos

Matemática Divertida. Triângulos Mágicos Matemática Divertida Triângulos Mágicos ζ(s) = n=1 1 n s Prefácio Comecei a escrever esta série de livros intitulada Matemática Divertida, pois acredito que a matemática possa ser um agente de mudanças

Leia mais

Lucinalva Andrade Ataíde de Almeida-UFPE/CAA i Maria Geiziane Bezerra Souza-UFPE/CAA ii Iara Emanuele de Melo Gomes -UFPE-CAA iii

Lucinalva Andrade Ataíde de Almeida-UFPE/CAA i Maria Geiziane Bezerra Souza-UFPE/CAA ii Iara Emanuele de Melo Gomes -UFPE-CAA iii OS RECURSOS DIDÁTICOS ABORDADOS NAS METODOLOGIAS DO ENSINO E AS POSSIBILIDADES DE SUA MATERIALIZAÇÃO NO COTIDIANO DA PRATICA DOCENTE DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucinalva Andrade Ataíde de Almeida-UFPE/CAA

Leia mais

O MANUAL E A MANUALIDADE

O MANUAL E A MANUALIDADE SÍNTESE - REV. DE FILOSOFIA V. 30 N. 98 (2003): 385-406 O MANUAL E A MANUALIDADE Écio Elvis Pisetta. IFCS-UFRJ Resumo: Este artigo consiste na tentativa de pensar a manualidade e o manual, conceitos fun-

Leia mais

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar Fui à biblioteca tentar escolher Um bom livro para ler Mas era difícil descobrir Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar E vim cá para fora brincar. Os meus amigos riam-se de mim E eu

Leia mais

E quem garante que a História é uma carroça abandonada numa beira de estrada? (Hollanda, C. B; Milanes, P. Canción por la unidad latinoamericana.

E quem garante que a História é uma carroça abandonada numa beira de estrada? (Hollanda, C. B; Milanes, P. Canción por la unidad latinoamericana. E quem garante que a História é uma carroça abandonada numa beira de estrada? (Hollanda, C. B; Milanes, P. Canción por la unidad latinoamericana.) O termo História foi utilizado pelos gregos antigos.

Leia mais

108 A questão da dimensão ética em Ser e tempo

108 A questão da dimensão ética em Ser e tempo Considerações finais Mostramos, ao longo do primeiro capítulo, a preocupação fundamental de Heidegger para com a questão do ser: o ser esquecido na época da metafísica e na época da realização da metafísica

Leia mais

Dossiê Norbert Elias: Uma resenha

Dossiê Norbert Elias: Uma resenha Dossiê Norbert Elias: Uma resenha WAIZBORT, Leopoldo (Org.). Dossiê Norbert Elias, São Paulo, Edusp, 2001. Dossiê Norbert Elias é uma coletânea de artigos originalmente produzidos para uma mesa redonda

Leia mais

HOMEM, MUMDO E CUIDADO NA ANALÍTICA EXISTENCIAL DE SER E TEMPO

HOMEM, MUMDO E CUIDADO NA ANALÍTICA EXISTENCIAL DE SER E TEMPO 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HOMEM, MUMDO E CUIDADO NA ANALÍTICA EXISTENCIAL DE SER E TEMPO. Patrícia de Sousa Moreira Faculdade de Educação UFG raimarce@gmail.com Eixo

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica Ser humano como animal simbólico Fundamentação teórica Para casa Baixar o texto Ser humano, um animal simbólico do blog, estudá-lo e trazer as perguntas contidas nele respondidas na próxima aula; Na próxima

Leia mais

Entre o apofântico e o hermenêutico: notas sobre a dupla estrutura da linguagem em Ser e tempo de Heidegger

Entre o apofântico e o hermenêutico: notas sobre a dupla estrutura da linguagem em Ser e tempo de Heidegger Entre o apofântico e o hermenêutico: notas sobre a dupla estrutura da linguagem em Ser e tempo de Heidegger Carine de Oliveira 1 Resumo: Na tentativa de desligar a linguagem dos conceitos a partir dos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSOS SOCIOEDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSOS SOCIOEDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSOS SOCIOEDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES O CUIDADO NA RELAÇÃO PROFESSORA E ALUNAS: A EDUCAÇÃO NO CÁRCERE NUMA PERSPECTIVA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO QUESTIONAMENTO SOBRE O CONCEITO DE VERDADE EM HEIDEGGER

INTRODUÇÃO AO QUESTIONAMENTO SOBRE O CONCEITO DE VERDADE EM HEIDEGGER 173 INTRODUÇÃO AO QUESTIONAMENTO SOBRE O CONCEITO DE VERDADE EM HEIDEGGER Sidinei José Schneider RESUMO: O presente trabalho tem a pretensão de discutir o conceito de verdade em Heidegger. A partir do

Leia mais

A Biblioteca Escolar, Leitura e Literacia

A Biblioteca Escolar, Leitura e Literacia A Biblioteca Escolar, Leitura e Literacia Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro PORQUÊ LER? É uma pergunta que se coloca muitas vezes nos nossos dias! Porquê ler quando hoje em dia há filmes, jogos

Leia mais

SENTIDO E NOVIDADE DAS NOÇÕES DE FENOMENOLOGIA E DE HERMENÊUTICA NO PENSAMENTO DE HEIDEGGER *

SENTIDO E NOVIDADE DAS NOÇÕES DE FENOMENOLOGIA E DE HERMENÊUTICA NO PENSAMENTO DE HEIDEGGER * Philo Artigo Pensar-Revista Eletrônica da FAJE v.5 n.2 (2014): 197-207 SENTIDO E NOVIDADE DAS NOÇÕES DE FENOMENOLOGIA E DE HERMENÊUTICA NO PENSAMENTO DE HEIDEGGER * MEANING AND NOVELTY OF THE NOTIONS OF

Leia mais

PLATÃO E O MUNDO IDEAL

PLATÃO E O MUNDO IDEAL Introdução: PLATÃO E O MUNDO IDEAL - A importância do pensamento de Platão se deve justamente por conseguir conciliar os mundos: dos Pré-Socráticos, com suas indagações sobre o surgimento do Cosmo (lê-se:

Leia mais

FILOSOFIA. (Disponível em: alvesgeraldo2.blogspot.com/2009/02/filosofia-e-cultura.html)

FILOSOFIA. (Disponível em: alvesgeraldo2.blogspot.com/2009/02/filosofia-e-cultura.html) 39. Observe a imagem e o texto a seguir: FILOSOFIA (Disponível em: alvesgeraldo2.blogspot.com/2009/02/filosofia-e-cultura.html) A cultura é o resultado do processo pelo qual existir adquire concretitude.

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 3, Ano AS CONDUTAS DE MÁ-FÉ. Moura Tolledo

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 3, Ano AS CONDUTAS DE MÁ-FÉ. Moura Tolledo 39 AS CONDUTAS DE MÁ-FÉ Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 40 AS CONDUTAS DE MÁ-FÉ Moura Tolledo 1 mouratolledo@bol.com.br Resumo A Má-Fé foi escolhida como tema, por se tratar de um

Leia mais

José Pacheco. Escola da Ponte

José Pacheco. Escola da Ponte José Pacheco Escola da Ponte Biografia O Prof. José Francisco Pacheco, nasceu em 10 de maio de 1951. Educador português que hoje aposentado tem sua residência atual no Brasil, sendo considerado um Peregrino

Leia mais

Apresentação O que é fenomenologia?

Apresentação O que é fenomenologia? Apresentação O que é fenomenologia? Antonio Balbino Marçal Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, ABM., org. Apresentação O que é fenomenologia? In: Ensaios sobre fenomenologia: Husserl,

Leia mais

Hans-Georg Gadamer 1997: Verdade e método. Petrópolis, Vozes. ISBN: RÓBSON RAMOS DOS REIS Departamento de Filosofia da UFSM.

Hans-Georg Gadamer 1997: Verdade e método. Petrópolis, Vozes. ISBN: RÓBSON RAMOS DOS REIS Departamento de Filosofia da UFSM. Hans-Georg Gadamer 1997: Verdade e método. Petrópolis, Vozes. ISBN: 85-326-1787-5 RÓBSON RAMOS DOS REIS Departamento de Filosofia da UFSM. Ao final de 1997 foi lançada a tradução para o português do clássico

Leia mais

A QUESTÃO DO SER EM M. HEIDEGGER VISTA A PARTIR DO TEXTO A SENTENÇA DE ANAXIMANDRO

A QUESTÃO DO SER EM M. HEIDEGGER VISTA A PARTIR DO TEXTO A SENTENÇA DE ANAXIMANDRO A QUESTÃO DO SER EM M. HEIDEGGER VISTA A PARTIR DO TEXTO A SENTENÇA DE ANAXIMANDRO Guilherme Pires Ferreira Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira

Leia mais

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea A concepção do ser humano no Idealismo alemão Pré Romantismo - séc. XVIII Resistência à Ilustração: mecanicismo de newtoniamo e empirismo de Locke

Leia mais

MODELO DIDÁTICO PARA CIÊNCIAS FÍSICAS NOS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO. Model for teaching physical science in elementary and secondary

MODELO DIDÁTICO PARA CIÊNCIAS FÍSICAS NOS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO. Model for teaching physical science in elementary and secondary Page93 MODELO DIDÁTICO PARA CIÊNCIAS FÍSICAS NOS ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO Model for teaching physical science in elementary and secondary Page94 Modelo Didático para Ciências Físicas nos Ensinos Fundamental

Leia mais

UM OLHAR LÚDICO PARA O ENSINO DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

UM OLHAR LÚDICO PARA O ENSINO DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL UM OLHAR LÚDICO PARA O ENSINO DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL TIMON, OUTUBRO DE 2014 Ludicidade Este II Encontro Pedagógico tem como objetivo incentivar o trabalho lúdico dentro da sala de aula da Escola Bíblica

Leia mais

AUTENTICIDADE, ANGÚSTIA E DECADÊNCIA EM MARTIN HEIDEGGER

AUTENTICIDADE, ANGÚSTIA E DECADÊNCIA EM MARTIN HEIDEGGER AUTENTICIDADE, ANGÚSTIA E DECADÊNCIA EM MARTIN HEIDEGGER GOLIN, Monique Francine e-mail: monilyn_@hotmail.com PEREIRA, Claudia Carolina e-mail: atrevidas_cla@hotmail.com PIVETA, Caio Cesar Atallah de Castro

Leia mais

AS FORMAS DE ORGULHO INTELECTUAL QUE IMPEDEM ACEITAR O PROGRAMA 21/02/2018 1

AS FORMAS DE ORGULHO INTELECTUAL QUE IMPEDEM ACEITAR O PROGRAMA 21/02/2018 1 AS FORMAS DE ORGULHO INTELECTUAL QUE IMPEDEM ACEITAR O PROGRAMA 21/02/2018 1 ORGULHO 1 - Sentimento de prazer ou satisfação que uma pessoa sente em relação a algo que ela própria ou alguém a ela relacionado

Leia mais

A ANGÚSTIA ENQUANTO ABERTURA FUNDAMENTAL DA PRESENÇA (SER-AÍ) EM SER E TEMPO

A ANGÚSTIA ENQUANTO ABERTURA FUNDAMENTAL DA PRESENÇA (SER-AÍ) EM SER E TEMPO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS I CAMPINA GRANDE CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC CURSO DE GRADUAÇÃO - FILOSOFIA KLEITON FERREIRA DE FIGUEIREDO A ANGÚSTIA ENQUANTO ABERTURA FUNDAMENTAL DA PRESENÇA (SER-AÍ)

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL, DEFICIÊNCIA VISUAL E INCLUSÃO: DESVELANDO SENTIDOS A PARTIR DO FILME EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO

ORIENTAÇÃO SEXUAL, DEFICIÊNCIA VISUAL E INCLUSÃO: DESVELANDO SENTIDOS A PARTIR DO FILME EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO ORIENTAÇÃO SEXUAL, DEFICIÊNCIA VISUAL E INCLUSÃO: DESVELANDO SENTIDOS A PARTIR DO FILME EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO Alessandro da Silva Guimarães Doutorando em educação pelo PPGE-UFES alessandro2210@gmail.com

Leia mais

O PARA-OUTRO ENQUANTO DESCOBERTA DO PARA-SI NO PENSAMENTO DE JEAN-PAUL SARTRE

O PARA-OUTRO ENQUANTO DESCOBERTA DO PARA-SI NO PENSAMENTO DE JEAN-PAUL SARTRE 1 O PARA-OUTRO ENQUANTO DESCOBERTA DO PARA-SI NO PENSAMENTO DE JEAN-PAUL SARTRE Polyelton de Oliveira LIMA 1 polyelton@gmail.com Autor Mestrando em filosofia UFG Martina KORELC 2 Orientadora Palavras-chave:

Leia mais

A hermenêutica-ontológica heideggeriana 1

A hermenêutica-ontológica heideggeriana 1 A hermenêutica-ontológica heideggeriana 1 Rogério Tabet de Almeida2 Resumo Em sua obra Ser e tempo, Heidegger tem como principal objetivo fazer uma apresentação sobre a questão do ser, investigando seu

Leia mais

REVISÃO PARA P2 LINGUAGENS PROF. ANTONIO

REVISÃO PARA P2 LINGUAGENS PROF. ANTONIO REVISÃO PARA P2 LINGUAGENS PROF. ANTONIO QUESTÃO 1) Sobre a essência da ética Quando pensamos em ética, em todos os seus sentidos, partimos da premissa de que estamos abordando a característica fundamental

Leia mais

A crítica analítico-lingüística de E. Tugendhat à noção de comportamento consigo mesmo de Heidegger

A crítica analítico-lingüística de E. Tugendhat à noção de comportamento consigo mesmo de Heidegger III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS A crítica analítico-lingüística de E. Tugendhat à noção de comportamento consigo mesmo de Heidegger Marcos Fanton, Ernildo Stein (orientador) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

I O jogo teatral na criação do roteiro

I O jogo teatral na criação do roteiro 1 A CRIAÇÃO DO ROTEIRO NA PERFORMANCE DO JOGO TEATRAL ANTROPOLÓGICO Autor: Iremar Maciel de Brito Titulação: Doutor em Letras Afiliação institucional: Professor adjunto da Escola de Teatro da UNIRIO e

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA E TREINAMENTO: O RETRATO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA

EDUCAÇÃO CORPORATIVA E TREINAMENTO: O RETRATO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EDUCAÇÃO CORPORATIVA E TREINAMENTO: O RETRATO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA Área Temática: Tecnologia e Trabalho Autor(es): Gisele Cristina Fogaça Del Mouro 1 (Bolsista Fundação Araucária, PIBIS),

Leia mais

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO Jefferson Geovane da Silva (jefferson.geovane@hotmail.com) Ana Paula Bezerra Carneiro (paulinha.caolly@gmail.com) Cinthya

Leia mais

4 - Considerações finais

4 - Considerações finais 4 - Considerações finais Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Considerações finais. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A ABORDAGEM DE CHARLES GUIGNON DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO EM SER E TEMPO

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A ABORDAGEM DE CHARLES GUIGNON DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO EM SER E TEMPO BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A ABORDAGEM DE CHARLES GUIGNON DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO EM SER E TEMPO Rogério Tolfo Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria Professor da Universidade Estadual

Leia mais

Bases Matemáticas. Como o Conhecimento Matemático é Construído. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. Definições Axiomas.

Bases Matemáticas. Como o Conhecimento Matemático é Construído. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. Definições Axiomas. 1 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2012-9-21 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Construído 2 Definições Axiomas Demonstrações Teoremas Demonstração: prova de que um

Leia mais

O FENÔMENO DA AMBIGUIDADE NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENÔMENO DA AMBIGUIDADE NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENÔMENO DA AMBIGUIDADE NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa (Bolsista PET Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora - Tutora do Grupo PET Filosofia) Agência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS MESTRADO EM FILOSOFIA LILIAN PEREIRA CANÁRIO O LUGAR DO ESPAÇO EM SER E TEMPO Salvador 2005 LILIAN PEREIRA CANÁRIO O LUGAR DO ESPAÇO

Leia mais

FILOSOFIA, TÉCNICA E EDUCAÇÃO

FILOSOFIA, TÉCNICA E EDUCAÇÃO FILOSOFIA, TÉCNICA E EDUCAÇÃO ISBN 978-85-7846-455-4 Guilherme Devequi Quintilhano Universidade Estadual de Londrina guidevequi@hotmail.com.br Eixo 3:Educação e Tecnologia Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho:

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho: Carta Aberta Estimada professora do meu filho: Eu não sou paranóica! Juro que não sou Realmente, eu gostava, quando ele tem manchas na pele, tem tosse ou borbulhas, de pensar que é apenas e apenas isso.

Leia mais

CURSO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS

CURSO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS CURSO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS Artigo e Projeto de Pesquisa de PósGraduação Professoras: Suelene Silva Oliveira Nascimento Sâmia Araújo dos Santos 1 EMPREGANDO CITAÇÕES As citações são transcrições

Leia mais

UMA NOÇÃO DE TEXTO. por Gabriele de Souza e Castro Schumm

UMA NOÇÃO DE TEXTO. por Gabriele de Souza e Castro Schumm ARTIGO UMA NOÇÃO DE TEXTO por Gabriele de Souza e Castro Schumm Profa. Dra. Gabriele Schumm, graduada e doutora em Linguística pela Unicamp, é professora do curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA

PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA Cristina Almeida 1 "A rejeição pura e simples gera o preconceito e o fechamento; a reflexão, ao contrário, é o que caracteriza o espírito científico atitude pessoal

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

O OUTRO E A COEXISTÊNCIA, NO EXISTENCIALISMO DE HEIDEGGER

O OUTRO E A COEXISTÊNCIA, NO EXISTENCIALISMO DE HEIDEGGER O OUTRO E A COEXISTÊNCIA, NO EXISTENCIALISMO DE HEIDEGGER A ontologia de O Ser e o Tempo (Heidegger, 1984) tem, como ponto de partida, a análise do ente que se relaciona com o próprio ser. Essa pré-compreensão

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

É AMBÍGUO O CONCEITO DE EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO? Marcos Fanton * Intuitio IS AMBIGUOUS THE CONCEPT OF EXISTENCE IN HEIDEGGER S BEING AND TIME?

É AMBÍGUO O CONCEITO DE EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO? Marcos Fanton * Intuitio IS AMBIGUOUS THE CONCEPT OF EXISTENCE IN HEIDEGGER S BEING AND TIME? É AMBÍGUO O CONCEITO DE EXISTÊNCIA EM SER E TEMPO? IS AMBIGUOUS THE CONCEPT OF EXISTENCE IN HEIDEGGER S BEING AND TIME? Marcos Fanton * RESUMO: O presente trabalho tem por intuito demonstrar que há três

Leia mais