Vulnerabilidade e Risco das Águas Subterrâneas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vulnerabilidade e Risco das Águas Subterrâneas"

Transcrição

1 Vulnerabilidade e Risco das Águas Subterrâneas A análise da vulnerabilidade natural associada às águas subterrâneas está baseada em dois aspectos de grande relevância: a estimativa de sua disponibilidade e o potencial de contaminação das reservas hídricas. Assim como ponderado na abordagem das águas superficiais, a disponibilidade águas subterrâneas é de extrema significância ambiental não somente sob a ótica da preservação do meio, mas também no tocante à possibilidade de suprir de forma confiável e sustentável os diversos interesses sociais e econômicos. Quanto ao potencial de contaminação, diferentemente das águas superficiais, a contaminação das águas subterrâneas pode se dar de forma bem mais lenta, variando em função do nível de permeabilidade do meio hidrogeológico e da profundidade do aquífero. Por vezes, só é detectada muito tempo após a ação poluidora. Destaque deve ser dado às águas subterrâneas pela sua importância estratégica de convivência com a seca, uma vez que, em muitas regiões, é a única fonte capaz de conter reservas capazes de proporcionar incremento de oferta para abastecimento associados às finalidades básicas de manutenção da vida. Metodologia Neste estudo, a vulnerabilidade natural dos recursos hídricos é avaliada em função da maior ou menor disponibilidade natural, sendo consideradas áreas mais vulneráveis aquelas que apresentaram menor disponibilidade. A caracterização da disponibilidade natural para as águas subterrâneas foi estabelecida com base na lâmina de reposição da reserva renovável dos aquíferos, cuja conceituação foi obtida a partir do Plano Estadual de Recursos Hídricos - PERH (SRH, 2004), que apresenta dados de reserva permanente, reserva reguladora, potencialidade, disponibilidades virtual, efetiva e atual, calculada com base nas Regiões de Planejamento e Gestão das Águas (RPGA), e por unidade de balanço, adotando-se a metodologia criada por Waldir Duarte Costa, Os parâmetros hidrogeológicos utilizados para quantificar as reservas hídricas subterrâneas e respectivos conceitos, de acordo com a metodologia empregada nos referidos estudos, são: Reserva Permanente (RP): é definida como o volume hídrico acumulado no meio aquífero, em razão da porosidade eficaz e do coeficiente de armazenamento, não variável em decorrência da flutuação sazonal da superfície potenciométrica. Reserva Reguladora (RR): corresponde ao volume hídrico acumulado no meio aquífero, em virtude da porosidade eficaz ou do coeficiente de armazenamento e variável anualmente em decorrência dos aportes sazonais de água superficial, do escoamento subterrâneo e dos exutórios. Inclui, eventualmente, uma parcela das reservas permanentes, passíveis de serem explotadas, com descargas constantes durante um determinado espaço de tempo. Potencialidade (P): corresponde ao volume hídrico que pode ser utilizado anualmente, incluindo eventualmente uma parcela das reservas permanentes, passíveis de serem explotadas, com descarga constante, durante um determinado período de tempo. Disponibilidade Virtual (DV): é a parcela que pode ser aproveitada anualmente da potencialidade. Corresponde à vazão anual passível de ser extraída do aquífero sem que se produzam efeitos indesejáveis de qualquer ordem. Disponibilidade Efetiva (DE): é o volume anual passível de explotação através das obras de captação existentes, com base na vazão máxima de explotação num regime de bombeamento de 24 horas diárias, em todos os dias do ano. 13 Avaliação de Reservas, Potencialidade e Disponibilidade de Aquíferos. Waldir Duarte Costa, 1991.

2 Disponibilidade Atual (DA): corresponde ao volume anual atualmente explotado nas obras existentes, geralmente inferior à disponibilidade efetiva instalada. Via de regra, sobretudo em obras privadas, as vazões captadas são inferiores à vazão ótima e ao regime de bombeamento, que dificilmente ultrapassa 8h/24h, sendo até mesmo comum o uso em dias descontínuos. A estimativa dos volumes acima mencionados está definida a partir do uso de um conjunto de parâmetros hidrogeológicos que varia de acordo com o tipo de sistema onde as reservas estão concentradas. Tendo em vista a falta de uma distribuição espacial mais regular e consistente de poços tubulares no estado da Bahia utilizados para o cálculo da disponibilidade, bem como, a falta ou deficiência de dados hidrodinâmicos dos poços cadastrados 14, nesta estimativa, para efeito dos conceitos adotados, também foram consideradas as características dos domínios e subdomínios hidrogeológicos, extraídas do Mapa de Domínios e Subdomínios Hidrogeológicos do Brasil (CPRM, 2007). A disponibilidade natural de água subterrânea foi estimada com base na disponibilidade virtual. Corresponde à vazão anual passível de ser extraída do aquífero sem que se produzam efeitos indesejáveis e riscos de prejuízo ao manancial, sem jamais exceder a valores efetivos das reservas renováveis ou reguladoras (quantidade de água livre armazenada no aquífero, que é renovada a cada período anual, correspondendo à sua recarga). Assim, a variável que expressa o indicador disponibilidade natural de água subterrânea, adotada no ZEE, foi a lâmina de água explotável, considerando os domínios hidrogeológicos. Para fins deste estudo, definiu-se que os recursos explotáveis representam apenas uma parcela das reservas reguladoras, considerando-se que uma explotação cujo volume seja igual à recarga total do sistema acabaria por influenciar o regime de vazões mínimas do escoamento superficial. Neste caso, adotou-se normalmente uma faixa entre 25 e 40% das reservas renováveis, tendo sido definido para fins do ZEE um valor conservador de 25% da reserva renovável como reserva explotável, a fim de manter aproximadamente 75% do escoamento de base nos corpos d água superficiais na época de estiagem. Desta forma, foram obtidos os valores anuais a serem explotados. A estimativa do volume de água da reserva explotável dos aquíferos foi realizada integrando-se, com apoio do geoprocessamento, informações sobre os sistemas aquíferos do estado de Bahia e os Domínios Hidrologicamente Homogêneos apresentados pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM, 2005). Para indicação do grau de vulnerabilidade referente à disponibilidade das águas subterrâneas foram utilizados os elementos apresentados no Quadro 25. Quadro 25 - Lâmina de restituição da reserva reguladora, reserva explotável e nível correspondente de vulnerabilidade natural associada à água subterrânea. Vulnerabilidade natural RESERVA REGULADORA (MM/ANO) RESERVA EXPLOTÁVEL (MM/ANO) Alta < 60 < 15 Média Baixa > 90 > 30 Fonte: Elaboração Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012 No que se refere à vulnerabilidade das águas subterrâneas em função do seu potencial de contaminação, a abordagem aqui contextualizada diz respeito aos fatores de susceptibilidade geológica à contaminação das águas subterrâneas e à potencialidade de contaminação dos aquíferos, ressaltando, de forma qualitativa, os principais indicadores e características hidrogeológicas (litologia, estrutura e profundidade da superfície piezométrica) direta ou indiretamente associadas à contaminação e à disponibilidade. A potencialidade de contaminação corresponde à susceptibilidade geológica de contaminação das águas subterrâneas por substâncias tóxicas, as quais podem atingir o aquífero principalmente pelo processo de lixiviação. Foi obtida com base na combinação qualitativa de fatores, como características litológicas 14 Base de dados disponível: Banco de Dados Hidrogeológicos da Companhia de Engenharia Rural da Bahia (CERB) e Sistema de Informações de Águas Subterrâneas (SIAGAS) da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM).

3 (composição textural, grau de litificação e de coerência), fendas (falhas e fraturas) geológicas, profundidade da superfície piezométrica do aquífero, e condutividade elétrica da água subterrânea, além da presença de metais pesados em concentrações elevadas. Por exemplo, as rochas sedimentares arenosas, coberturas detríticas e aluviais são mais susceptíveis à contaminação pela sua maior porosidade, permitindo lixiviação de líquidos, ao comparar com rochas cristalinas metamórficas ou ígneas, tipo gnaisses, granulitos, granitos e basaltos que são rochas compactas (consolidadas), as quais armazenam a água em fraturas. Domínios mais fraturados foram considerados como de elevada susceptibilidade à contaminação. A profundidade da superfície piezométrica do aquífero também determina a susceptibilidade à contaminação, sendo que, quanto menor, maior a susceptibilidade. Esta, foi obtida mediante análise das características hidráulicas de poços, disponibilizadas no website do SIAGAS/CPRM. Com base no mapa de ocorrências minerais 15 (CPRM, 2006), determinaram-se os locais onde há presença anômala de metais pesados (zinco, chumbo e outros). Indicou-se, de forma global, um raio de 500 m ao redor desses locais, presumindo-se algum efeito da ocorrência desses metais nessa distância. Sabe-se que a definição um valor mais preciso para esse raio de influência, requer análise específica cada caso, posto que depende da mobilidade de cada tipo de elemento químico, das características do meio onde ocorre, além de outros fatores. Assim, devido ao caráter geral inerente à natureza desse estudo foi adotado um valor único e, dessa forma, estudos específicos poderão ser requeridos em função do risco inerente de cada prática ou atividade desenvolvida. A presença de metais pesados elevou o risco de contaminação ambiental dos aquíferos em um nível, ou seja, se uma unidade litológica apresentava vulnerabilidade à contaminação classificada como moderada, no local onde foi registrada a presença de metais pesados, a vulnerabilidade passou a ser alta. O Quadro 26 apresenta o critério utilizado para indicar o grau de vulnerabilidade das águas subterrâneas em razão do domínio e subdomínio hidrogeológico em que se insere. Aos domínios e subdomínios hidrogeológicos considerados de muito baixa vulnerabilidade à contaminação foi atribuído grau 1, e àqueles de vulnerabilidade muito alta, atribuiu-se grau 5. Em geral, nos domínios de Rocha Cristalina as vulnerabilidades das águas subterrâneas à contaminação são muito baixa (grau 1) ou baixa (grau 2), enquanto que nas Rochas Metamórficas, Metassedimentares e Sedimentares, variam de muito baixa (grau 1) a moderada (grau 3). Já nas Coberturas Sedimentares Cenozoicas, a vulnerabilidade é de moderada (grau 3) a alta (grau 4). Quadro 26 - Principais unidades litológicas associadas aos domínios hidrogeológicos e o grau de vulnerabilidade DOMÍNIO HIDROGEOLÓGICO TIPO LITOLÓGICO VULNERABILIDADE Rochas Cristalina Rochas Metamórficas e Metassedimentares Gnáissica 1 Granulítica 1 Granitoide 1 Charnockito 1 Diorito 1 Dunito 1 Gabro 1 Migmatitos 1 Rochas Máficas 2 Outras rochas 1 Quartzitos 3 Xisto 2 Metaconglomerado 3 Filitos e ardósias 2 Itabirito 3 Metavulcânica 2 Metadiamictito 2

4 Rochas Sedimentares Formações Cenozoicas - Coberturas Sedimentares Metagrauvaca 2 Mica xisto 1 Milonito 1 Metapelito 1 Metacalcário 2 Arenitos 3 Pelito 1 Diamictito 2 Conglomerados 3 Rx. Carbonática /dolomítica 2 Arcósios 3 Tipo Barreiras 3 Depósitos arenosos costeiros 4 Coberturas detríticas-lateríticas 3 Depósitos aluvionares 4 Fonte: Mapa Geológico do Estado da Bahia. Escala 1: CPRM, 2006; Mapa Metalogenético. Escala 1: CBPM, Elaboração: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012 Panorama Estadual O estado da Bahia possui regime climático marcadamente distinto em seu território. Em determinadas regiões registram-se precipitações médias anuais da ordem de mm, com boa distribuição intra-anual, enquanto em outras áreas, a médias anuais são da ordem de 400 mm e as chuvas se concentram em três ou quatro meses por ano. Nessas zonas em geral, as taxas de evaporação são muito elevadas e a variabilidade do comportamento das precipitações anuais num mesmo local pode ser muito grande face à irregularidade do comportamento dos fatores meteorológicos que causam as principais chuvas regionais. Essa variedade climatológica, associada ao conjunto complexo de domínios geológicos, resulta numa caracterização hidrogeológica também diversificada, uma vez que a disponibilidade das águas subterrâneas depende da combinação das características do ambiente geológico com o processo de recarga oriundo do regime de chuvas local. As áreas com maior capacidade de armazenamento correspondem às porções das bacias sedimentares localizadas à oeste do estado, onde ocorre a Formação Urucuia, e à leste, na Bacia do Recôncavo. Esta última, na sua parte mais meridional é alimentada por chuvas anuais com índices da ordem de mm por ano, já em seu trecho setentrional, convive com um regime de chuvas mais modesto. A bacia sedimentar do Urucuia que se desenvolve no Chapadão do Oeste Baiano, possui grande extensão territorial e muito boas condições de infiltração. O regime de chuvas que alimenta o sistema concentra-se no período de outubro a março. Esta estrutura geológica tem importante papel na garantia da perenidade dos rios locais e, embora possua grandes volumes armazenados, deve possuir critérios bem definidos de explotação com o intuito de salvaguardar o escoamento nas calhas fluviais dentro de limites adequados. Inserido na região semiárida, os ambientes hidrogeológicos constituídos por rochas calcárias tem sido submetidos a grandes volumes de retirada. Devido às suas características hidrogeológicas, essas estruturas são favoráveis à rápida recarga, ao tempo em que também são sensíveis ao rebaixamento decorrente das retiradas de vazão. Porém, as chuvas na região ocorrem de maneira muito irregular e pouco expressiva, limitando o potencial que este tipo de ambiente hidrogeológico pode proporcionar. Mesmo nessas condições, possui grande significado regional no entorno de Irecê, onde a atividade agrícola é altamente dependente da irrigação. Também merece destaque a região com domínio hidrogeológico de rochas cristalinas sob clima semiárido, com regime de chuvas concentradas e limitadas. Do ponto de vista da disponibilidade são as áreas mais fracas, onde as águas subterrâneas desempenham um papel limitado, embora muito importante no atendimento da população dispersa. A qualidade das águas subterrâneas nessas zonas de domínio

5 cristalino é outro fator limitante ao seu uso. Macrorregião Litoral Sul A macrorregião Litoral Sul é representada por 10 Regiões de Planejamento e Gestão das Águas (RPGA), que são: I - RPGA do Riacho Doce, II - RPGA do Mucuri, III - RPGA dos Rios Peruípe, Itanhém e Jucuruçu, IV - RPGA dos Rios dos Frades, Buranhém e Santo Antônio, V - RPGA do Rio Jequitinhonha, VI - RPGA do Rio Pardo, VII - RPGA do Leste, VIII - RPGA do Rio de Contas, IX - RPGA do Recôncavo e X - RPGA do Rio Paraguaçu. Para as unidades de balanço relacionadas a essas RPGAs se procedeu a análise de vulnerabilidade no contexto da disponibilidade natural e da potencialidade de contaminação das águas subterrâneas. Disponibilidade natural das águas subterrâneas Com relação aos sistemas ou domínios hidrogeológicos, a macrorregião Litoral Sul apresenta três tipos de aquíferos: (i) o fissural, relacionado com os domínios hidrogeológicos das rochas Metassedimentos/Metavulcânicas, das rochas Cristalinas, e dos Carbonatos e Metacarbonatos; (ii) o misto, representado pelo Domínio Poroso/Fissural e (iii) o aquífero poroso, dos domínios hidrogeológicos compostos pelas Formações Cenozoicas e Bacias Sedimentares, como pode ser observado no Cartograma 7. O Domínio das Formações Cenozoicas corresponde a um pacote de rochas sedimentares de naturezas e espessuras diversas, que apresentam um comportamento de aquífero poroso, caracterizado por possuir porosidade primária, e nos terrenos arenosos uma elevada permeabilidade. Sua vazão depende da sua espessura e da relação areia/argila dos seus depósitos. Nessa macrorregião, esse domínio é representado por Aluviões e Formações Cenozoicas Indiferenciadas. Os aluviões correspondem a depósitos recentes e antigas. Litologicamente são representados por areias, cascalhos e argilas com matéria orgânica. Nessa região, em geral, a favorabilidade hidrogeológica é de media a alta devido à espessura e à largura dos rios. As águas são predominantemente de boa qualidade química. Os Depósitos Litorâneos correspondem aos sedimentos depositados em ambientes costeiros fluviolacustres ou marítimos litorâneos. Litologicamente estão representados por areias, cascalhos, siltes e argilas intercaladas e não sequenciados. A possibilidade de água nesses depósitos é muito variável em decorrência da grande heterogeneidade e anisotropia dos aquíferos. A qualidade da água é geralmente boa; contudo, poderá ser influenciada pela proximidade do ambiente marinho, de salinidade atmosférica e hídrica elevada. Os depósitos tipo Barreiras são representados por uma alternância de sedimentos arenosos, argilosos e areno-conglomeráticos, com bruscas variações laterais. Apresentam espessuras variáveis, podendo ultrapassar 70 metros. Esses depósitos têm uma favorabilidade hidrogeológica variável de média a alta e depende de sua relação areia/argila. As Formações Cenozoicas são representadas nessa região por coberturas detrito-lateríticas ferruginosas. Apresentam no geral pequena espessura e continuidade. Sua importância hidrogeológica está relacionada à área de recarga ou estoque temporário para os aqüíferos subjacentes. A explotação é passível em poços escavados, (cisternas, cacimbas e poços tubulares rasos). O Domínio Bacia Sedimentar nessa macrorregião é representado pela Bacia do Recôncavo e as bacias de Camamu e Almada, que apresentam potencialidade hidrogeológica muito alta a alta, devido à sua litologia e espessura. Inclui as principais unidades aquíferas da bacia (Formações Sergi, Almada, Camamu e Grupo Brotas), onde predominam arenitos finos/médios/grossos, localmente conglomeráticos; siltitos, folhelhos, argilitos e conglomerados ocorrem de uma forma mais ou menos subordinada. Com águas normalmente de boa qualidade química. O Domínio Poroso/Fissural representa pacotes sedimentares sem ou com muito baixo grau metamórfico, com litologias essencialmente arenosas com pelitos e carbonatos no geral subordinados, e que tem como características gerais uma litificação acentuada, forte compactação e fraturamento acentuado, que

6 lhe confere um comportamento de aquífero granular com porosidade primária baixa/média e um comportamento fissural acentuado (porosidade secundária de fendas e fraturas), motivo pelo que foi enquadrado como aquífero do tipo misto, com baixa a média favorabilidade hidrogeológica.

7 Cartograma 7 - Domínios e subdomínios hidrogeológicos da macrorregião Litoral Sul Fonte: Mapa de Domínios e Subdomínios hidrogeológicos. CPRM, Elaboração: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012.

8 O Domínio Metassedimentos/Metavulcânicas é representado por xistos, filitos, metarenitos, metassiltitos, anfibolitos, quartzitos, ardósias, metagrauvacas, metavulcânicas. A porosidade predominante é do tipo secundária, representada por fraturas e fendas, produzindo reservatórios aleatórios, descontínuos e de pequena extensão. Refletindo em baixas vazões, com água salinizada na sua maioria. Esse domínio difere do cristalino devido ao seu comportamento reológico distinto, refletindo em uma maior favorabilidade hidrogeológica comparando-o com o Cristalino. O Domínio Cristalino é representado por granitoides, gnaisses, granulitos, migmatitos, sienito e monzonito, constituindo o aquífero fissural. A ocorrência de água subterrânea é condicionada a uma porosidade secundária representada por fraturas e fendas, refletindo em reservatórios aleatórios, descontínuos e de pequena extensão. As vazões produzidas nesse domínio no geral são pequenas, e a água em virtude da falta de circulação e do tipo de rocha é na maior parte das vezes salinizada. Com favorabilidade hidrogeológica baixa a muito baixa. O Domínio dos Carbonatos e Metacarbonatos se desenvolve em terrenos onde predominam rochas calcárias, calcárias magnesianas e dolomíticas, que têm como característica principal a presença de formas de dissolução cárstica constante, formando cavernas, sumidouros, dolinas e outras feições erosivas típicas desses tipos de rochas. Fraturas e outras superfícies de descontinuidade, alargadas por processos de dissolução pela água propiciam ao sistema porosidade e permeabilidade secundária, que permitem acumulação de água em volumes consideráveis. Infelizmente, essa condição de reservatório hídrico subterrâneo, não se dá de maneira homogênea ao longo de toda a área de ocorrência. Ao contrário, são feições localizadas, o que confere elevada heterogeneidade e anisotropia ao sistema aquífero. A água, no geral, é do tipo carbonatada, com dureza bastante elevada. A favorabilidade hidrogeológica é variada. Assim, com base na metodologia utilizada, os parâmetros característicos dos domínios e subdomínios hidrogeológicos e das condições climáticas dominantes selecionados para expressar a vulnerabilidade natural associada à água subterrânea, estimada a partir da disponibilidade natural, obtida em razão da reserva renovável, são apresentados na Tabela 1, exibida a seguir. A conversão da disponibilidade hídrica subterrânea em vulnerabilidade natural foi feita com base nas informações do Quadro 27, apresentada a seguir.

9 Quadro 27 - Domínios e subdomínios hidrogeológicos, reserva reguladora e níveis correspondentes de disponibilidade vulnerabilidade natural associada à água subterrânea. Macrorregião Litoral Sul. DOMÍNIO E SUBDOMÍNIO HIDROGEOLÓGICO RESERVA REGULADORA NÍVEL DE DISPONIBILIDADE NÍVEL VULNERABILIDADE Bacia Recôncavo/Tucano/Jetobá (Poroso) Muito Alta Muito Baixa Aluvião (Poroso) Alta Baixa Depósitos Litorâneos (Poroso) Alta Baixa Depósitos tipo Barreiras (Poroso) Alta Baixa Formações Cenozoicas (Poroso) Alta Baixa Poroso/Fissural Média Média Metacarbonatos/Metacarbonatos (Fissural) Média Média Metassedimentos e Metavulcânicas (Fissural) Baixa Alta Cristalino (Fissural) Muito Baixa Muito Alta Fonte: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012 O Cartograma 8 apresenta a disponibilidade natural, e o Cartograma 9 a vulnerabilidade natural associada à água subterrânea, caracterizada em termos de sua disponibilidade natural, para a macrorregião Litoral Sul. Verifica-se que 70% dessa macrorregião apresenta-se com vulnerabilidade muito baixa a baixa, associada às reservas renováveis para explotação produzidas pelo Sistema Aquífero das Bacias Sedimentares do Recôncavo, Almada e Camamu, bem como relacionada às extensas áreas com coberturas sedimentares cenozoicas do tipo Barreiras, as quais ocupam extensa área dessa macrorregião nos TI Costa do Descobrimento e Extremo Sul. As áreas de vulnerabilidade média, com ocorrência restrita nessa macrorregião encontram-se relacionados aos Sistemas Aquíferos Carbonático/Metacarbonatos, e Pelítico-carbonático. As vulnerabilidades alta e muito alta associam-se aos domínios das rochas Metassedimentares/Metavulcânicas e, principalmente, ao domínio das rochas cristalinas em resposta às baixas disponibilidades de água subterrânea e intensivo sistema estrutural rúptil (falhas e fraturas) presentes nas rochas.

10 - Disponibilidade natural das águas subterrâneas para a macrorregião Litoral Sul. Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012.

11 - Vulnerabilidade natural no contexto da disponibilidade natural das águas subterrâneas para a macrorregião Litoral Sul. Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012.

12 Potencialidade de contaminação das águas subterrâneas A potencialidade de contaminação das águas subterrâneas corresponde à susceptibilidade geológica de contaminação por substâncias tóxicas, as quais podem atingir o aquífero principalmente pelo processo de lixiviação. Conforme descrito na metodologia adotada, a análise dessa potencialidade baseouse na combinação qualitativa de fatores como: características litológicas, fendas geológicas, profundidade da superfície piezométrica do aquífero, e condutividade elétrica da água subterrânea, além da presença de metais pesados em concentrações elevadas. O Cartograma 10 a seguir, associada ao Quadro 26, apresentado na metodologia, que associa as unidades litológicas aos domínios hidrogeológicos e aos respectivos graus de vulnerabilidade, mostra os locais com possibilidade de anomalias de metais pesados e locais com maior ou menor intensidade de estruturas geológicas para a macrorregião Litoral Sul.

13 Cartograma 10 - Locais com teores anômalos de metais pesados e falhas geológicas na macrorregião Litoral Sul. Fonte: CPRM, 2006 e CBPM, 1983 Elaboração: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012.

14 O Cartograma 11 apresenta a parcela de vulnerabilidade associada à contaminação dos aquíferos para a macrorregião Litoral Sul. As áreas relacionadas com os depósitos do tipo Barreiras apresentam uma potencialidade à contaminação alta, devido à sua espessura variada e sua litologia. A potencialidade muito alta relaciona-se aos domínios das rochas cristalinas em resposta às baixas disponibilidades de água subterrânea, às presenças de maior intensidade de fraturamentos e de concentrações anômalas de metais no ambiente natural e à pequena profundidade do nível estático nas áreas mais deprimidas. Observa-se que, apesar da potencialidade média a alta dos sedimentos arenosos costeiros, o potencial de contaminação das águas subterrâneas é tido como muito alto em decorrência de se comportar como aquífero livre, da sua elevada permoposidade e transmissividade dos sedimentos arenosos e, nível estático raso a aflorante. A potencialidade média a alta associa-se a uma extensa área de ocorrência dos depósitos sedimentares do tipo Barreiras, localmente sobrepostos aos sedimentos da Formação Caravelas. As suas características físicas (pouca profundidade, baixa concentração de sais, grande disponibilidade relativa aos outros sistemas regionais e constituição dominantemente arenosa) terminam por induzir a proteção do aquífero no tocante à contaminação. A potencialidade à contaminação média a alta também se associa aos sistemas aquíferos poroso/fissural metassedimentares,carbonático/metacarbonáticos, com vulnerabilidade média a alta.

15 Cartorgama 11 - Vulnerabilidade natural no contexto da potencialidade de contaminação das águas subterrâneas para a macrorregião Litoral Sul Fonte: CPRM, 2006 e CBPM, / Elaboração: Consórcio Geohidro-Sondotécnica,

16 Macrorregião Recôncavo-RMS A macrorregião Recôncavo-RMS é representada por três RPGAs que são: IX - RPGA do Recôncavo Sul, X - RPGA do Rio Paraguaçu e XI - RPGA do Recôncavo Norte. Para as unidades de balanço relacionadas a essas RPGAs se procedeu a análise de vulnerabilidade no contexto da disponibilidade natural e da potencialidade de contaminação das águas subterrâneas. Disponibilidade natural das águas subterrâneas Com relação aos sistemas ou domínios hidrogeológicos, a macrorregião Recôncavo-RMS apresenta dois tipos de aquíferos: (i) o fissural, relacionado com os domínios hidrogeológicos das rochas Cristalinas e (ii) o aquífero poroso, dos domínios hidrogeológicos compostos pelas Formações Cenozoicas e Bacias Sedimentares, como pode ser observado no Cartograma 12. O Domínio das Formações Cenozoicas corresponde a um pacote de rochas sedimentares de naturezas e espessuras diversas que apresentam um comportamento de aquífero poroso, caracterizado por possuir porosidade primária, e nos terrenos arenosos uma elevada permeabilidade. Sua vazão depende da sua espessura e da razão areia/argila dos seus depósitos. Nessa macrorregião, esse domínio é representado por aluviões, depósitos litorâneos, depósitos dos tipos Barreiras e Formações Cenozoicas Indiferenciadas. Os aluviões correspondem a depósitos recentes e antigos. Litologicamente são representados por areias, cascalhos e argilas com matéria orgânica. Nessa região, em geral, a favorabilidade hidrogeológica é de média a alta devido à espessura e à largura dos rios. As águas são predominantemente de boa qualidade química. Os Depósitos Litorâneos correspondem aos sedimentos depositados em ambientes costeiros fluviolacustres ou marítimos litorâneos. São litologicamente representados por areias, cascalhos, siltes e argilas intercaladas e não sequenciados. A possibilidade de água nesses depósitos é muito variável em decorrência da grande heterogeneidade e anisotropia dos aquíferos. Os Depósitos do tipo Barreiras são representados por uma alternância de sedimentos arenosos, argilosos e areno-conglomeráticos, com bruscas variações laterais. Apresentam espessuras variáveis, podendo ultrapassar 70 metros. Esses depósitos têm uma favorabilidade hidrogeológica variável de média a alta a depender de sua relação areia/argila. As Formações Cenozoicas são representadas nessa região por coberturas detrito-lateríticas ferruginosas. Apresentam no geral pequena espessura e continuidade. Sua importância hidrogeológica está relacionada à área de recarga ou estoque temporário para os aquíferos subjacentes. A explotação é possível em poços escavados (cisternas, cacimbas e poços tubulares rasos).

17 Cartograma 12 - Domínios hidrogeológicos da macrorregião Recôncavo-RMS Fonte: CPRM, 2002 Elaboração: Consórcio Geohidro-Sondotécnica,

18 O Domínio Bacia Sedimentar nessa macrorregião é representado pela Bacia do Recôncavo Sul, que apresenta potencial hidrogeológico alto, devido à sua litologia e espessura. Inclui as principais unidades aquíferas da bacia (São Sebastião, Marizal e Brotas), onde predominam arenitos finos/médios/grossos, localmente conglomeráticos; siltitos, folhelhos, argilitos e conglomerados ocorrem de uma forma mais ou menos subordinada. Com águas normalmente de boa qualidade química. Esse domínio apresenta favorabilidade hidrogeológica variando de média a muito alta. O Domínio Cristalino representado por granitoides, gnaisses, granulitos, migmatitos e monzonito, constituindo o aquífero fissural. A ocorrência de água subterrânea é condicionada a uma porosidade secundária representada por fraturas e fendas, refletindo em reservatórios aleatórios, descontínuos e de pequena extensão. As vazões produzidas nesse domínio no geral são pequenas, e a água em razão da falta de circulação e do tipo de rocha é na maior parte das vezes salinizada. Com favorabilidade hidrogeológica baixa a muito baixa. Assim, com base na metodologia utilizada, os parâmetros característicos dos domínios e subdomínios hidrogeológicos e das condições climáticas dominantes selecionados para expressar a vulnerabilidade natural associada à água subterrânea, estimada a partir da disponibilidade natural, obtida em razão da reserva renovável, são apresentados na Tabela 2, exibida a seguir.

19 A conversão da disponibilidade hídrica subterrânea em vulnerabilidade natural foi feita com base nas informações do Quadro 28, apresentada a seguir. - Domínios e subdomínios hidrogeológicos, reserva reguladora e níveis correspondentes de disponibilidade e vulnerabilidade natural associada à água subterrânea. Macrorregião Recôncavo-RMS Quadro 28 DOMÍNIO E SUBDOMÍNIO HIDROGEOLÓGICO RESERVA REGULADORA NÍVEL DE DISPONIBILIDADE NÍVEL VULNERABILIDADE Bacia Recôncavo/Tucano/Jetobá (Poroso) Muito Alta Muito Baixa Aluvião (Poroso) Alta Baixa Depósitos Litorâneos (Poroso) Alta Baixa Depósitos tipo Barreiras (Poroso) Média Média Formação Cenozoicas (Poroso) Baixa Alta Cristalino (Fissural) Muito Baixa Muito Alta Fonte: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012 O Cartograma 13 apresenta a disponibilidade natural e o Cartograma 14 a vulnerabilidade natural associada à água subterrânea, caracterizada em termos de sua disponibilidade natural, para a macrorregião Recôncavo-RMS. Verifica-se que, de maneira geral, essa macrorregião se apresenta com vulnerabilidade baixa, basicamente associada às reservas renováveis para explotação produzidas pelo sistema aquífero da Bacia Sedimentar do Recôncavo Sul, bem como relacionadas às áreas de coberturas sedimentares cenozoicas. As áreas de vulnerabilidade muito alta estão relacionadas ao sistema aquífero cristalino.

20 Cartograma 13 - Disponibilidade natural das águas subterrâneas para a macrorregião Recôncavo-RMS. Fonte: Consórcio Geohidro-Sondotécnica, 2012.

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

MAPA DE DOMÍNIOS/SUBDOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS DO BRASIL EM AMBIENTE SIG:CONCEPÇÃO E METODOLOGIA

MAPA DE DOMÍNIOS/SUBDOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS DO BRASIL EM AMBIENTE SIG:CONCEPÇÃO E METODOLOGIA XVI CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E XVII ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS MAPA DE DOMÍNIOS/SUBDOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS DO BRASIL EM AMBIENTE SIG:CONCEPÇÃO E METODOLOGIA Resumo Geólogo

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE Waldir Duarte Costa 1, João Manoel Filho 2, Almany Costa Santos 2, Waldir Duarte Costa Filho 3, Adson Brito Monteiro 2 e Francisco

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

"Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste"

Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDES II Fórum NORDESTE 2030 : Visão Estratégica de Longo Prazo "Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste"

Leia mais

2.5 RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS 2.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA

2.5 RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS 2.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA 55.5.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA As águas subterrâneas vêm sendo explotadas, há mais de 50 anos, na área objeto deste estudo. Porém, nas duas últimas décadas, houve um aumento significativo

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

Poços rasos e profundos, locação e perfuração

Poços rasos e profundos, locação e perfuração Poços rasos e profundos, locação e perfuração Captações rasas águas freáticas em perfis de alteração. Captações profundas águas de aquíferos livres e confinados em rocha Locação - em sedimentos não consolidados,

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO A formação dos solos num determinado ambiente envolve um complexo de agentes e processos dentre os quais destacam-se a alteração física e química da rochaque

Leia mais

Relatório Técnico SRH/ADASA Em 13 de outubro de 2010.

Relatório Técnico SRH/ADASA Em 13 de outubro de 2010. Relatório Técnico SRH/ADASA Em 13 de outubro de 2010. Assunto: Cálculo da disponibilidade hídrica subterrânea para a área denominada Península Norte. I. DO OBJETIVO Apresentar o cálculo da disponibilidade

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA I N S T IT U T O D E G E O C I Ê N C I A S - U N IV E R S I D A D E FE D E R A L D A BA H IA CAMPUS ONDINA - SALVADOR (BA) - CEP 40210-340 TEL: (71) 3203 8534 - FAX:

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina

O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina Geólogo Luiz Fernando Scheibe PPGG/GCN/UFSC Florianópolis, 14/09/201 OBJETIVO PRINCIPAL DA REDE

Leia mais

AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA.

AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA. AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA. Ivaneide de Oliveira Santos 1 Antonio Carlos de Barros Corrêa 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO José Dias Campos, José Rego Neto, Otávio Bezerra Sampaio, Claudia Sonda Centro de Educação Popular e Formação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Define as disponibilidades hídricas dos aquíferos subterrâneos no território do Distrito Federal. O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS,

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 2º SEMINARIO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CBH ARAGUARI ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 22 de agosto de 2014 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS I

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

XIII - O CICLO DA ÁGUA

XIII - O CICLO DA ÁGUA XIII - O CICLO DA ÁGUA A ocorrência da água: ÁGUA = H 2 O = ao elemento mais abundante na superfície do planeta; é o melhor solvente disponível na natureza; atua no intemperismo químico, físico e na erosão

Leia mais

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Águas Subterrâneas Águas Subterrâneas 1 - Introdução Apesar de nos termos debruçado principalmente

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA O DFC tem por objetivo determinar o estado de deterioração ou de conservação de uma região. É levado a efeito, correlacionando-se uma série de parâmetros

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede de Monitoramento de Águas Subterrâneas do Serviço Geológico do Brasil: Desafios e Estágio Atual de Implantação. Maria Antonieta Alcântara Mourão Frederico Cláudio

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/98 N 28 ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APRESENTAÇÃO O tema águas subterrâneas ainda hoje é muito pouco conhecido, e por isso dissociado, das deliberações

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil Abelardo A. Montenegro Universidade Federal Rural de Pernambuco, Brasil E-mail: Monte@hotlink.com.br Suzana M. Montenegro

Leia mais

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche]

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Estrutura e Composição da Terra Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Contornos do Mundo O interior terrestre é formado por várias camadas e as investigações sobre

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Ricardo Braga; Anderson Paiva; Paulo F Araújo Filho; Jaime Cabral; Arnaldo Vitorino

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ - BRASIL

HIDROGEOLOGIA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ - BRASIL HIDROGEOLOGIA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ - BRASIL Napoleão Quesado Júnior 1 & Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 Resumo - O município de Fortaleza é representado hidrogeologicamente pelas Dunas/paleodunas,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 02 As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico Prof. Milton Matta O CICLO HIDROLÓGICO A água na hidrosfera se encontra em seus três estados físicos básicos: sólido,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

Qualidade da Água Subterrânea

Qualidade da Água Subterrânea Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Anexo II-b Recursos Hídricos Qualidade da Água Subterrânea Documento Final Carlos Eduardo Morelli Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011

Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011 Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011 Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo Página 1 de 45 SUMÁRIO Introdução... 5 1. Águas Subterrâneas...

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 Condições Meteorológicas do Mês de Junho de 2015 Historicamente, conforme pode ser observada na figura 1 (b), no mês de junho, o litoral oeste do

Leia mais

RISCOS POTENCIAIS E REAIS DECORRENTES DA SUPER-EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO RECIFE-PE. Waldir Duarte Costa 1

RISCOS POTENCIAIS E REAIS DECORRENTES DA SUPER-EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO RECIFE-PE. Waldir Duarte Costa 1 RISCOS POTENCIAIS E REAIS DECORRENTES DA SUPER-EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO RECIFE-PE Waldir Duarte Costa 1 Resumo - Em decorrência do precário atendimento do serviço público de abastecimento d

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de fundamentos de prospecção mineral e cartografia, julgue os itens a seguir. A abertura de trincheiras e de poços é recomendada para as investigações de subsuperfície em que o material a ser escavado

Leia mais

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES ESTUDO DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E PRINCIPAIS ATIVIDADES POLUIDORAS NA BACIA DO ALTO RIO MÃE LUZIA EM SANTA CATARINA RELATÓRIO FINAL DATA DE ELABORAÇÃO OUT/1981 MÓDULO

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 05 Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades Prof. Milton Matta 1- INTRODUÇÃO O Capítulo de Projetos e Análises de poços tem como principal objetivo transmitir

Leia mais

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA*

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA* CARTA ORIENTATIVA AO USUÁRIO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA: UMA PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA DE ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS PARA O PLANEJAMENTO TERRITORIAL - REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL.

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL-SGM.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL-SGM. CONTRATO Nº. 48000.003155/2007-17: DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DUODECENAL (2010-2030) DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

MAPEAMENTO HIDROGEOLÓGICO DAS FOLHAS SB.24-X-B / -X-D - AREIA BRANCA / MOSSORÓ

MAPEAMENTO HIDROGEOLÓGICO DAS FOLHAS SB.24-X-B / -X-D - AREIA BRANCA / MOSSORÓ MAPEAMENTO HIDROGEOLÓGICO DAS FOLHAS SB.24-X-B / -X-D - AREIA BRANCA / MOSSORÓ Eugenio Antonio de Lima 1 ; Dilermando Alves do Nascimento 2 ; Teotônio Durval de Castro Dourado 3 ; Luiz Carlos Ribeiro Brandão

Leia mais

Considerando a deliberação do plenário da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Pernambuco,

Considerando a deliberação do plenário da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Pernambuco, RESOLUÇÃO CRH Nº 01, 25 DE MARÇO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Testes de Bombeamento de PRODUÇÃO e de AQÜÍFERO com elaboração e apresentação de Relatório Técnico e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos.

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos. 151 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO DO GRÁBEN DE PONTA GROSSA (PR). PEREIRA Gabriela Kostrzewycz GOMES Ricardo

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA. Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1

INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA. Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1 INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1 1 Engº Geólogo, Professor Visitante da Pós-Graduação do Depto. Geociências, UFAM, Manaus-AM,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO. Outubro / 2007

Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO. Outubro / 2007 U F C G SUPRA OMNES LUX LUCES Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO HIDROGEOLOGIA DO AQÜÍFERO AÇU NA BORDA LESTE DA BACIA POTIGUAR:

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin)

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin) Fatores de formação do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) 2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação O solo como corpo natural Fatores e processos de formação do solo Propriedades

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PROJETO DE MONITORAMENTO DA BACIA HIDROGEOLÓGICA DA REGIÃO DE IRECÊ COM O USO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Hailton M. Silva (NEHMA/IG/UFBa), Luiz R.Bastos Leal (NEHMA/IG/UFBa), Antonio Puentes

Leia mais