Projeto Lagoas Costeiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Lagoas Costeiras"

Transcrição

1 Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga

2 Águas Subterrâneas

3 Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água

4 Ciclo de água e volumes distribuídos nas diferentes etapas da circulação da água

5 Água Subterrânea: A água subterrânea é a água que infiltra no subsolo e que está presente nos poros dos solos, sedimentos (ex. areias) ou rochas. Para ser considerada água subterrânea a camada de solo ou rocha deve estar saturada.

6 Água Subterrânea: A água subterrânea é a água que infiltra no subsolo e que está presente nos poros dos solos, sedimentos (ex. areias) ou rochas. Para ser considerada água subterrânea a camada de solo ou rocha deve estar saturada. Água do solo: A água do solo está presente, principalmente, sob forma de vapor e pequenas gotas dentro dos espaços disponíveis. É a umidade do solo. É uma água para o processamento químico e físico no solo e essencial para a vida das plantas.

7 Tipos de água no solo

8 Formação da água subterrânea: infiltração no solo Águas até 750 m participam do ciclo hidrológico e correspondem a 4,2 milhões de quilômetros cúbicos Águas que circulam entre 750 e 4000 metros de profundidade tempo de retornos longos

9 Formação da água subterrânea: infiltração no solo Águas até 750 m participam do ciclo hidrológico e correspondem a 4,2 milhões de quilômetros cúbicos Águas que circulam entre 750 e 4000 metros de profundidade tempo de retornos longos A área onde ocorre a infiltração denomina-se de: ZONA DE RECARGA As maiores taxas de recarga ocorrem em regiões planas, bem arborizadas, e nos aqüíferos livres. Em regiões de relevo acidentado, sem cobertura vegetal, sujeitas a práticas de uso e ocupação que favorecem as enxurradas a recarga ocorre mais lentamente.

10 A área onde a água subterrânea encontra novamente a superfície denomina-se de: ZONA DE DESCARGA Exemplos de zonas de descarga: uma fonte.

11 A área onde a água subterrânea encontra novamente a superfície denomina-se de: ZONA DE DESCARGA Exemplos de zonas de descarga: uma fonte. A relação entre a quantidade de água que infiltra na Zona de Recarga e a que sai na Zona de Descarga fornece um parâmetro que chamamos de: RESERVAS Sob condições naturais somente uma parcela das reservas pode ser utilizada - entre 25 e 50%.

12 Movimento da Água Subterrânea

13 Movimento da Água Subterrânea

14 Movimento da Água Subterrânea

15 A água subterrânea está em todo lugar?

16 A água subterrânea está em todo lugar? Não, depende da porosidade e permeabilidade dos materiais, rochas e sedimentos.

17 A água subterrânea está em todo lugar? Não, depende da porosidade e permeabilidade dos materiais, rochas e sedimentos.

18 Área de infiltração na restinga (Mostardas)

19 Dunas pleistocênicas com mata nativa. Infiltração lenta

20 Depósitos de areia e cascalho A água subterrânea encontra-se nos poros entre os grãos de areia e o cascalho

21 Rochas de arenito consolidadas, a água se encontra nas rachaduras

22 Rochas de conglomerado, não consolidadas

23 Água subterrânea na região cárstica (rocha de calcário)

24 Água subterrânea na região cárstica (rocha de calcário) Superfície da rocha calcária e fissuras na rocha devido à dissolução do calcário pela água rica em ácido carbônico

25 Água subterrânea na região cárstica (rocha de calcário) Caverna na rocha de calcário

26 Rocha basáltica Colunas de basalto, espaços entre os blocos

27 Tipos de Aqüíferos: podem ser classificados tendo como base a porosidade e a pressão.

28 Tipos de Aqüíferos: podem ser classificados tendo como base a porosidade e a pressão. A) Com relação a porosidade - Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) - Aqüífero Fraturado ou Fissural (descontínuo) - Aqüífero Cárstico (descontínuo)

29 Tipos de Aqüíferos: podem ser classificados tendo como base a porosidade e a pressão. A) Com relação a porosidade - Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) - Aqüífero Fraturado ou Fissural (descontínuo) - Aqüífero Cárstico (descontínuo) B) Com relação a pressão - Aqüífero Livre ou Freático - Aqüífero Confinado - Aqüífero Semi-Confinado

30 Tipos de Aqüíferos: podem ser classificados tendo como base a porosidade e a pressão. A) Com relação a porosidade - Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) - Aqüífero Fraturado ou Fissural (descontínuo) - Aqüífero Cárstico (descontínuo) B) Com relação a pressão - Aqüífero Livre ou Freático - Aqüífero Confinado - Aqüífero Semi-Confinado C) Tipos Especiais: - Aqüífero Suspenso

31 Com relação a porosidade

32 Com relação a porosidade Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) Formado por rochas Sedimentares consolidadas, sedimentos inconsolidados ou solos arenosos. Melhores aqüíferos volume e extensão

33 Com relação a porosidade Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) Formado por rochas Sedimentares consolidadas, sedimentos inconsolidados ou solos arenosos. Melhores aqüíferos volume e extensão Aqüífero Fraturado ou Fissural (Descontínuo): Formado por rochas ígneas, metamórficas ou cristalinas, duras e maciças que tenham fraturas, fendas e falhas abertas. Volume baixos Circulação ao longo de fraturas

34 Com relação a porosidade Aqüífero Poroso ou Sedimentar (contínuo) Formado por rochas Sedimentares consolidadas, sedimentos inconsolidados ou solos arenosos. Melhores aqüíferos volume e extensão Aqüífero Fraturado ou Fissural (Descontínuo): Formado por rochas ígneas, metamórficas ou cristalinas, duras e maciças que tenham fraturas, fendas e falhas abertas. Volume baixos Circulação ao longo de fraturas Aqüífero Cárstico Karst - (Descontínuo): Formado em rochas calcárias ou carbonáticas. Circulação fraturas e outras descontinuidades dissolução Aberturas podem atingir grandes dimensões

35 Com relação a pressão

36 Com relação a pressão Aqüífero Livre ou Freático Camada superficial, aflorante em toda a sua extensão e limitado na base por camada impermeável. Possuem recarga direta Aqüíferos comuns, mais explorados e mais vulneráveis.

37 Profundidade de saturação depende das precipitações

38 Aqüífero Confinado ou Artesiano:

39 Aqüífero Confinado ou Artesiano: Camada permeável confinada entre duas camadas impermeáveis ou semipermeáveis (semi-confinado). Pressão do topo maior que a pressão atmosférica artesianismo Recarga zonas de afloramentos das camadas

40 Aqüífero Confinado ou Artesiano: Camada permeável confinada entre duas camadas impermeáveis ou semipermeáveis (semi-confinado). Pressão do topo maior que a pressão atmosférica artesianismo Recarga zonas de afloramentos das camadas

41

42 Aqüíferos do Rio Grande do Sul

43 Aqüíferos Porosos Cenozóicos Costeiros

44 Aqüíferos Porosos Cenozóicos Costeiros Areias inconsolidadas ou semi-consolidadas.

45 Aqüíferos Porosos Cenozóicos Costeiros Areias inconsolidadas ou semi-consolidadas. Variações laterais e verticais condicionadas por modificações nos ambientes de sedimentação que se sucederam no espaço e tempo.

46 Aqüíferos Porosos Cenozóicos Costeiros Areias inconsolidadas ou semi-consolidadas. Variações laterais e verticais condicionadas por modificações nos ambientes de sedimentação que se sucederam no espaço e tempo. Tipos de Aqüíferos presentes: - Aqüíferos livres (mais comum e superficial); - Aqüíferos Confinados - Aqüíferos Semi-Confinados

47 Seqüência de depósitos marinhos e límnicos até 34 m de profundidade, Bojuru.

48 Seqüência de depósitos marinhos e límnicos até 34 m de profundidade, Bojuru.

49 Cunha Salina:

50 Cunha Salina: - intrusão marinha - causas: água doce mais leve que água do mar - Equilíbrio dinâmico entre o fluxo de água doce e marinha

51 Cunha Salina: - intrusão marinha - causas: água doce mais leve que água do mar - Equilíbrio dinâmico entre o fluxo de água doce e marinha

52 Avanço da Cunha Salina em uma ilha com alta precipitação (balanço hídrico positivo):

53 Avanço da Cunha Salina em uma ilha com alta precipitação (balanço hídrico positivo):

54 Avanço da Cunha Salina em uma ilha com alta precipitação (balanço hídrico positivo): Redução da lente de água doce pelo uso da água subterrânea

55 Água doce e salina no subsolo da restinga do RS

56 Água doce e salina no subsolo da restinga do RS Salinização de poços por causa da retirada excessiva de água subterrânea, oceano e laguna com água salgada

57 Água doce e salina no subsolo da restinga do RS Situação favorecida pela vizinhança de um corpo de água grande de água doce (Lagoa Mirim)

58 Formas de Captação: Poços Tubulares - Artesianos

59 Formas de Captação: Poços Tubulares - Artesianos - furo com diâmetro entre 10 a 30 cm; -tubo de revestimento contenção das paredes do poço; -seção final perfurada ou ranhurada denominada de filtro; -camada de material arenoso entre o poço e o revestimento ou filtro denominado de pré-filtro;

60 Poços Tubulares Artesianos - Padrão

61 Sistema de captação baseado em poço artesiano

62 Poços Tubulares Artesianos como não deveriam ser

63 Poços Tubulares Artesianos como deveriam ser

64 Propriedades da Água Subterrânea

65 Propriedades da Água Subterrânea 1) Temperatura: temperatura média anual variações com o grau geotérmico

66 Propriedades da Água Subterrânea 1) Temperatura: temperatura média anual variações com o grau geotérmico 2) Composição Química: depende do tipo de rocha ou sedimento grau de alteração das rochas minerais

67 Propriedades da Água Subterrânea

68 Propriedades da Água Subterrânea

69 Propriedades da Água Subterrânea 1) Cor: substâncias dissolvidas na água MO; Fe - azulada: quando pura; - arroxeada: rica em ferro; - negra: manganês; - amarelada: ácidos húmicos

70 Propriedades da Água Subterrânea 1) Cor: substâncias dissolvidas na água MO; Fe - azulada: quando pura; - arroxeada: rica em ferro; - negra: manganês; - amarelada: ácidos húmicos 2) Odor e Sabor: depende do teor e tipo de sais dissolvidos

71 Propriedades da Água Subterrânea 1) Cor: substâncias dissolvidas na água MO; Fe - azulada: quando pura; - arroxeada: rica em ferro; - negra: manganês; - amarelada: ácidos húmicos 2) Odor e Sabor: depende do teor e tipo de sais dissolvidos 3) Turbidez: provocada por sólidos em suspensão (silte, argila, Material orgânico)

72 Propriedades da Água Subterrânea 4) Condutividade Elétrica: facilidade de condução de corrente elétrica - está relacionada com o conteúdo de sais

73 Propriedades da Água Subterrânea 4) Condutividade Elétrica: facilidade de condução de corrente elétrica - está relacionada com o conteúdo de sais 5) Dureza: - Águas duras são: incrustantes, produzem grandes consumos de sabão, além de dificultar o cozimento.

74 Propriedades da Água Subterrânea 4) Condutividade Elétrica: facilidade de condução de corrente elétrica - está relacionada com o conteúdo de sais 5) Dureza: - Águas duras são: incrustantes, produzem grandes consumos de sabão, além de dificultar o cozimento. 6) ph: a maioria das águas subterrâneas tem valores de 5,5 até 8,5. Em casos excepcionais podem variar de 3 até 11.

75 Propriedades da Água Subterrânea Laudo sobre água subterrânea

76 Contaminação da Água Subterrânea

77 Contaminação da Água Subterrânea Essa água pode estar contaminada???

78 Contaminação da Água Subterrânea Vulnerabilidade dos Aqüíferos:

79 Contaminação da Água Subterrânea Vulnerabilidade dos Aqüíferos: É o maior ou menor grau de disponibilidade de sofrer contaminação.

80 Contaminação da Água Subterrânea Vulnerabilidade dos Aqüíferos: É o maior ou menor grau de disponibilidade de sofrer contaminação. - Maior vulnerabilidade = zonas de recarga

81 Contaminação da Água Subterrânea Vulnerabilidade dos Aqüíferos: É o maior ou menor grau de disponibilidade de sofrer contaminação. - Maior vulnerabilidade = zonas de recarga - A vulnerabilidade diminui a medida que aumenta o confinamento.

82 Contaminação da Água Subterrânea Vulnerabilidade dos Aqüíferos: É o maior ou menor grau de disponibilidade de sofrer contaminação. - Maior vulnerabilidade = zonas de recarga - A vulnerabilidade diminui a medida que aumenta o confinamento. - Todos os aqüíferos são vulneráveis a contaminantes persistentes não-degradáveis, gerados por uma atividade contaminante amplamente distribuída;

83 Contaminação da Água Subterrânea

84 Contaminação da Água Subterrânea

85 Contaminação da Água Subterrânea

86 Contaminação da Água Subterrânea

87 Contaminação da Água Subterrânea

88 Legislação Decreto nº , de 21 de novembro de 1996 Regulamenta a outorga do direito de uso da água no estado do Rio Grande do Sul, prevista nos Artigos 29, 30 e 31 da Lei nº , de 30 de dezembro de Decreto nº , de 26 de dezembro de 2002 Regulamenta disposições da Lei nº , de 30 de dezembro de 1994 com alterações relativas ao gerenciamento e à conservação das águas subterrâneas e dos aqüíferos. ANUÊNCIA OUTORGA Departamento dos Recursos Hídricos SEMA

89 Orientações com Relação a Água Subterrânea a) Construir poços dentro das normas b) Área em torno do Poço deve estar protegida (legislação = 10 m) c) Evitar locar poços próximos a fontes de contaminação (exemplos: fossas) d) Procurar fazer análises físicos-químicas e, principalmente bacteriológicas e) Ferver a Água para Consumo f) Limpeza das Caixas de Água

90 MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Poços rasos e profundos, locação e perfuração

Poços rasos e profundos, locação e perfuração Poços rasos e profundos, locação e perfuração Captações rasas águas freáticas em perfis de alteração. Captações profundas águas de aquíferos livres e confinados em rocha Locação - em sedimentos não consolidados,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 02 As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico Prof. Milton Matta O CICLO HIDROLÓGICO A água na hidrosfera se encontra em seus três estados físicos básicos: sólido,

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos.

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos. 151 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO DO GRÁBEN DE PONTA GROSSA (PR). PEREIRA Gabriela Kostrzewycz GOMES Ricardo

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA TEC 204: GEOGRAFIA DAS ÁGUAS CONTINENTAIS PROFª ROSÂNGELA LEAL SANDRA MEDEIROS SANTOS ALUNO(A) INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA Generalidades

Leia mais

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Define as disponibilidades hídricas dos aquíferos subterrâneos no território do Distrito Federal. O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS,

Leia mais

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico.

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. ÁGUA SUBTERRÂNEA META Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Águas Subterrâneas Águas Subterrâneas 1 - Introdução Apesar de nos termos debruçado principalmente

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

GEOROSCADO ENGRAVILHADO

GEOROSCADO ENGRAVILHADO TUBO GEOROSCADO GEOROSCADO ESTRIADO GEOROSCADO LISO GEOROSCADO ENGRAVILHADO Os tubos e filtros da Tubofuro são reconhecidos e respeitados pela maioria dos operadores do sector como satisfazendo qualquer

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA. Apontamos as seguintes vantagens das águas subterrâneas em relação às águas superficiais:

ÁGUA SUBTERRÂNEA. Apontamos as seguintes vantagens das águas subterrâneas em relação às águas superficiais: ÁGUA SUBTERRÂNEA INTRODUÇÃO Cerca de 97% da água doce disponível para uso da humanidade encontra-se no subsolo, na forma de água subterrânea. No entanto, pelo fato de ser um recurso invisível, a grande

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA A QUALIDADE DO SOLO NO CONTEXTO DA POLUIÇÃO AMBIENTAL POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS ANÁLISE DE LEGISLAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO E NO BRASIL Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011

Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011 Aspectos Hidrogeológicos Conceituais da região do Condomínio Riviera do Lago Araxá MG Setembro - 2011 Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo Página 1 de 45 SUMÁRIO Introdução... 5 1. Águas Subterrâneas...

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares 1 de 9 DECRETO nº 32.955, de 7 de fevereiro de 1991 (*) Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991 Orestes Quércia, Governador do Estado

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Introdução geral relativa aos poros (Dia. 2) Os diversos tipos de poros (Dia. 3 à 16) Observação e medida da porosidade (Dia.

Introdução geral relativa aos poros (Dia. 2) Os diversos tipos de poros (Dia. 3 à 16) Observação e medida da porosidade (Dia. Alain RUELLAN e Mireille DOSSO SOLDIDAC 2003 Educagri éditions - AUF Tradução: Alain Ruellan e Selma Simões de Castro Módulo 4 Os poros dos solos: descrições e interpretações Objetivos: saber descrever

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/98 N 28 ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APRESENTAÇÃO O tema águas subterrâneas ainda hoje é muito pouco conhecido, e por isso dissociado, das deliberações

Leia mais

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Flavio Geraidine Naressi Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina

O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina O Sistema Aquífero Integrado Guarani/Serra Geral e o uso das águas subterrâneas no oeste de Santa Catarina Geólogo Luiz Fernando Scheibe PPGG/GCN/UFSC Florianópolis, 14/09/201 OBJETIVO PRINCIPAL DA REDE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA*

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA* CARTA ORIENTATIVA AO USUÁRIO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA: UMA PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA DE ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS PARA O PLANEJAMENTO TERRITORIAL - REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL.

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS BAHIA

CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS BAHIA MARIANA LOPES

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Influência da Lagoa dos Patos sobre a água subterrânea superficial da barreira arenosa que a separa do Oceano Atlântico

Influência da Lagoa dos Patos sobre a água subterrânea superficial da barreira arenosa que a separa do Oceano Atlântico Influência da Lagoa dos Patos sobre a água subterrânea superficial da barreira arenosa que a separa do Oceano Atlântico Caroline dos S. Machado 1, Luis Felipe H. Niencheski 2 & Regis S. Pereira 3 1 Mestranda

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Introdução ao Ciclo hidrológico

Introdução ao Ciclo hidrológico Introdução ao Ciclo hidrológico Água Uma realidade com várias dimensões Ciclo hidrológico Movimento permanente Sol evaporação + Gravidade precipitação escoamento superficial escoamento subterrâneo O conceito

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

2.5 RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS 2.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA

2.5 RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS 2.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA 55.5.5.1 CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA As águas subterrâneas vêm sendo explotadas, há mais de 50 anos, na área objeto deste estudo. Porém, nas duas últimas décadas, houve um aumento significativo

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

OSMOSE INVERSA: o que você talvez gostaria de saber

OSMOSE INVERSA: o que você talvez gostaria de saber Jorge Gomes do Cravo Barros Assessor em geologia da 4ª CCR OSMOSE INVERSA: o que você talvez gostaria de saber Introdução: entendendo a dessalinização natural das águas A água é a substância mais abundante

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Qualidade da Água Subterrânea

Qualidade da Água Subterrânea Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Anexo II-b Recursos Hídricos Qualidade da Água Subterrânea Documento Final Carlos Eduardo Morelli Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Precipitados Reacções de precipitação Introdução teórica O interesse das reacções de precipitação manifesta-se em diversos domínios, nomeadamente a nível geológico, biológico e industrial. Já ouviste falar

Leia mais

"Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste"

Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDES II Fórum NORDESTE 2030 : Visão Estratégica de Longo Prazo "Águas Subterrâneas: Suporte para uma Revolução Agrícola no Nordeste"

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 5 Água subterrânea Introdução a Hidrologia de Florestas A. Introdução. Água que entra no regolito divide-se em umidade do solo na zona

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais