PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m"

Transcrição

1 PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas carbonatadas e dolomitos. As relações hidráulicas deste aquífero com o meio circundante caracterizam-se pela transferência de água para o Rio Sever e, secundariamente, para as rochas graníticas que contactam com o sector NW do aquífero, segundo o esquema da figura 1 Que riscos ( quantitativos e qualitativos )podem advir da exploração do aquífero por captações localizadas próximas do rio Sever? Figura 1 Fonte: JPMonteiro (2001): Characterisation of a Carbonate Aquifer for the Application of a Regional Discrete Continuum Flow Model (Castelo de Vide Carbonate Aquifer - Alentejo, Portugal) PhD thesis 1

2 PERGUNTA 2 No aquífero de Querença-Silves, localizado na Orla Meridional Algarvia, observou-se durante um determinado horizonte temporal uma situação hidráulica em que as ribeiras tinham um comportamento efluente ( a vermelho na figura 2 ) e influente ( a azul na figura ). 0m 5000m 10000m Arade Alcantarilha Quarteira Figura 2 1 Descreva qual o mecanismo que comanda esta interacção e quais são os parâmetros que devem ser considerados para a determinação do balanço hídrico ribeira-aquífero. 2 A principal descarga deste aquífero é para a ribeira do Arade, nas nascentes de Estômbar. Sendo a ribeira do Arade influenciada pela maré, quais poderão ser as consequências para a qualidade da água subterrânea na área da descarga do aquífero, se aí forem implementadas captações para abastecimento público, tal como aconteceu durante o período de seca de

3 PERGUNTA 3 A recarga de aquíferos é uma das fases mais importantes no cálculo do balanço hídrico de uma bacia hidrográfica a) No ciclo hidrológico muitas vezes confunde-se infiltração com recarga. O que as distingue? b) Que parâmetros necessitamos para calcular a evapotranspiração real? c) Que papel desempenha a constante de raiz no cálculo da recarga pelo método de Penman-Grindley? 3

4 PERGUNTA 4 O modelo de gestão de água implementado pelo sistema multimunicipal do Norte Alentejano para abastecimento público aos 15 concelhos da região, está exclusivamente assente em origens superficiais disponibilizadas por 6 albufeiras (Apartadura, Caia, Póvoa, Crato/Pisão, Montargil e Belver). Considerando existirem na região origens subterrâneas significativas de 6 aquíferos, ( ver figura 3 ) cuja localização pode ser vista na figura seguinte, comente o modelo de gestão adoptado e quais poderão ser os inconvenientes que poderão resultar dessa decisão. Quais são os principais problemas de qualidade da água para consumo humano que poderão advir da utilização conjunta de água superficial e subterrânea, tendo em conta que a maior parte dos aquíferos existentes no local são carbonatados, existindo em alguns deles áreas agrícolas irrigadas. Figura 3 4

5 PERGUNTA 5 O que é que distingue a zona saturada da zona não saturada. Como se denomina o limite que separa as 2 zonas. 5

6 PERGUNTA 6 Considere a situação de escoamento subterrâneo representada esquematicamente na figura 4 a) Em que sector do aquífero a velocidade é maior? b) Considerando que o aquífero tem uma condutividade hidráulica média de 10-6 m/s calcule o caudal específico médio nos 2 sectores A e B A B Fig 4 Curvas Isopiezométricas (valores a multiplicar por 0.1 m ; 1 milha = 1.6 km ) 6

7 PERGUNTA 7 Defina artesianismo e indique em que circunstância ocorre artesianismo repuxante 7

8 PERGUNTA 8 Considere o esquema hidrogeológico representado na figura 5. Calcule o caudal por unidade de área que passa pelo aquitardo, sabendo que o valor de condutividade hidráulica vertical deste é de 10-7 cm/s Qual é a direcção do fluxo? Figura 5 8

9 PERGUNTA 9 A lei de Darcy é válida no escoamento em aquíferos cársicos! Esta afirmação é verdadeira ou falsa? Justifique a sua resposta. 9

10 PERGUNTA 10 No sistema aquífero da Campina de Faro foram realizadas análises químicas em vários furos, cujos resultados se mostram na tabela seguinte ID valores em mg/l Na K Ca Mg Cl HCO3 SO4 NO3 606/1 24 4, ,5 2,7 606/ ,4 141, , ,9 2,4 606/ ,9 9 79, , ,5 13,6 606/ ,4 130,8 51,3 243,5 428,9 90,4 66,3 606/ ,7 45,3 11,3 49,7 164,7 9 0,3 606/ ,2 74,4 6,3 67,4 213,5 11,8 13,3 610/ ,4 48,1 110,4 333,7 366,1 196,1 172,3 611/ ,2 374,5 39,5 737,5 278, ,9 611/ ,5 282,9 34,3 603, a) Represente em diagramas de Stiff os resultados dessas análises b) Caracterize a fácies hidroquímica dominante a) Analise a qualidade da água para consumo humano segundo o decreto-lei nº 243/2001, 10

11 PERGUNTA 11 1 Defina condutividade hidráulica e permeabilidade. Quais são as suas unidades no Sistema Internacional. 11

12 PERGUNTA 12 Considere o esquema hidrogeológico representado na figura 6. Os fluxos nos aquíferos são predominantemente horizontais e no aquitardo de direcção vertical. O nível piezométrico do aquífero livre é de 35 metros e o do aquífero semi-confinado de 40 metros. Ensaios de bombagem realizados neste último indicam uma transmissividade média de 100 m 2 / dia e uma resistência hidráulica do aquitardo de 500 dias. Calcule o caudal de drenância e o seu sentido numa área circular à volta da captação A, com raio de 50 m. A Figura 6 12

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1).

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1). 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo principal efectuar uma caracterização sucinta da geologia/hidrogeologia, dos factores hidrometereológicos e estimação do balanço hídrico na região

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente.

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente. ÁGUA O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008 1 Ciclo da Água 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

Mudanças no uso e gestão da água: a exigência de compatibilizar a satisfação das necessidades humanas com a sustentabilidade dos ecossistemas

Mudanças no uso e gestão da água: a exigência de compatibilizar a satisfação das necessidades humanas com a sustentabilidade dos ecossistemas WORKSHOP PROWATERMAN ÁGUA, ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS E ACTIVIDADE HUMANA. UMA ABORDAGEM INTEGRADA E PARTICIPATIVA NA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS E PROSPECTIVAS DE GESTÃO INTEGRADA DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA Paulo ANDRADE (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO O presente artigo pretende

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998)

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Sistemas Aquíferos de Estremoz-Cano e Elvas-Vila Boim - Estudo dos Recursos

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO Irene Regina Ramos CANDEIAS (1) ; Mário Lourenço da SILVA (2) RESUMO A formação

Leia mais

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA João Paulo LOBO FERREIRA Núcleo de Águas Subterrâneas, LNEC Luís OLIVEIRA Núcleo de

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO 10.º Seminário sobre Águas Subterrâneas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO APLICAÇÃO A UM SISTEMA CÁRSICO E ROCHAS FRACTURADAS - Filipa SOUSA1, António

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social identificação fiscal nº, residência/sede

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P. Assunto: Pedido de Informação Prévia sobre a possibilidade de utilização dos recursos hídricos (artigo 11º do Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio) Selecione

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS Vieira, J. y Cunha, M.C. Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Coimbra, Pólo II, 33-788 Coimbra,

Leia mais

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Paula M. Carreira 1, Dina Nunes 1, Pedro Valério 1, Maria Fátima Araújo 1, José M. Marques 2,

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 2001 ÍNDICE DO TEXTO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS... 1 3. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUPERFICIAIS...

Leia mais

Financiamento: FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia

Financiamento: FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia Gestão Integrada de Recursos Hídricos em Aquíferos Costeiros. Projecto de Cooperação Científica e Tecnológica entre a FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia.

Leia mais

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Águas Subterrâneas Águas Subterrâneas 1 - Introdução Apesar de nos termos debruçado principalmente

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Laboratório Nacional de Engenharia Civil, I.P. DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E AMBIENTE Núcleo de Águas Subterrâneas Núcleo de Recursos Hídricos e

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro

Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro INDICE DO TEXTO 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 Enquadramento do tema... 1 1.2 Enquadramento da Tese... 2 1.3 Objectivos... 4 1.4

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA)

SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA) SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA) Judite FERNANDES Hidrogeóloga, Laboratório Nacional de Energia e Geologia

Leia mais

Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos

Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos Uirá Piá-Uaçu Oliveira Deák 1 João Luiz Boccia Brandão 2 1:Mestrando em Engenharia Hidráulica e Saneamento PPG/SHS EESC/USP 2:Professor Doutor da Escola

Leia mais

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared Água Como tema gerador para trabalhos de EA Apresentação cedida por Valéria G. Iared O elemento água e o imaginário construído em torno da água nas diversas civilizações, Água como traço de união entre

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul.

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia A como Recurso Recursos hídricos água nos seus diferentes estados e reservatórios, disponível ou potencialmente disponível, susceptível de satisfazer, em quantidade

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

Latitude (GG:MM:SS) 22. NÚMERO DE VEÍCULOS, EMBARCAÇÕES, AERONAVES 23. OUTROS DADOS QUANTITATIVOS

Latitude (GG:MM:SS) 22. NÚMERO DE VEÍCULOS, EMBARCAÇÕES, AERONAVES 23. OUTROS DADOS QUANTITATIVOS ANEXO 1 INFORMAÇÕES MÍNIMAS A seguir são apresentadas as informações mínimas necessárias ao levantamento de dados em cada plano de informações. As unidades responsáveis pelo levantamento de dados poderão

Leia mais

Trabalho realizado pelos alunos do 10ºE Lois (Luís Júlio nº14) Esquilo (Pedro Andrade nº23) Teddy Bear (Pedro Fernandes nº22) O Balanço Hídrico consiste na relação entre as perdas e os ganhos de água Os

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Sem figuras nem imagens, entrelinha 1,5

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Sem figuras nem imagens, entrelinha 1,5 Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 14 Páginas Sem figuras nem imagens, entrelinha

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO ÁGUA, ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS E ACTIVIDADE HUMANA. UMA ABORDAGEM INTEGRADA E PARTICIPATIVA NA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORES E PROSPECTIVAS DE GESTÃO INTEGRADA DE RECURSOS HÍDRICOS NO SUL DE PORTUGAL

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO Exercício para a componente prática Formato: Relatório técnico É obrigatória a entrega em formato digital de todos os ficheiros usados nas simulações. Data limite para entrega

Leia mais

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS

PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS Júlio F. FERREIRA DA SILVA Doutor em Engenharia Civil Hidráulica Professor Auxiliar do Departamento

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA TEC 204: GEOGRAFIA DAS ÁGUAS CONTINENTAIS PROFª ROSÂNGELA LEAL SANDRA MEDEIROS SANTOS ALUNO(A) INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA Generalidades

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO)

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo / Hidrogeólogo Professor de Hidrogeologia CEFET MG (Campus Araxá) Supervisor Corporativo de Hidrogeologia

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA)

CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA) CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA) Catarina SILVA Doutora em Geoquímica, Professora Auxiliar, Centro de Geologia da Universidade de Lisboa, Campo Grande, Ed. 6,

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO José QUITÉRIO COSTA (1) RESUMO No presente tema propõem-se normas

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Este trabalho foi executado na sequência

Leia mais

A INTER-RELAÇÃO ENTRE PLUVIOSIDADE, NÍVEIS AQUÍFEROS E SUAS NASCENTES EM ILHAS VULCÂNICAS: O CASO DAS NASCENTES DO CABRITO (ILHA TERCEIRA - AÇORES)

A INTER-RELAÇÃO ENTRE PLUVIOSIDADE, NÍVEIS AQUÍFEROS E SUAS NASCENTES EM ILHAS VULCÂNICAS: O CASO DAS NASCENTES DO CABRITO (ILHA TERCEIRA - AÇORES) A INTER-RELAÇÃO ENTRE PLUVIOSIDADE, NÍVEIS AQUÍFEROS E SUAS NASCENTES EM ILHAS VULCÂNICAS: O CASO DAS NASCENTES DO CABRITO (ILHA TERCEIRA - AÇORES) NOVO, M.E. 1, LOBO FERREIRA, J.P. 2, COTA RODRIGUES 3,

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

Introdução ao Ciclo hidrológico

Introdução ao Ciclo hidrológico Introdução ao Ciclo hidrológico Água Uma realidade com várias dimensões Ciclo hidrológico Movimento permanente Sol evaporação + Gravidade precipitação escoamento superficial escoamento subterrâneo O conceito

Leia mais

16/11/10 1 16/11/10 2 3 4 5 6 7 DS = OVERLAND FLOW 8 9 10 11 12 Modelos tendem a assumir uma forma ou outra do processo de geração de escoamento, não levando em conta a dinâmica do processo de geração,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

Águas Subterrâneas. Conceitos e Aplicações sob uma Visão Multidisciplinar

Águas Subterrâneas. Conceitos e Aplicações sob uma Visão Multidisciplinar Águas Subterrâneas Conceitos e Aplicações sob uma Visão Multidisciplinar Águas Subterrâneas conceitos e Aplicações sob uma Visão multidisciplinar rodrigo Lilla manzione Conselho Editorial Av. Carlos Salles

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

Como chega a água às nossas casas?

Como chega a água às nossas casas? AgdA Águas Públicas do Alentejo, S.A. Como chega a água às nossas casas? Água de Todos para Todos Quem é? Em 13 de Agosto de 2009, foi celebrado um Contrato de Parceria Pública entre o Estado Português

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Hidrogeologia Avançada: da Pesquisa à Engenharia

Hidrogeologia Avançada: da Pesquisa à Engenharia GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO S A N E A M E N T O Curso de Extensão Universitária Hidrogeologia Avançada: da Pesquisa à Engenharia Promoção: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS LOPES Ana Rita (1) ; MACEDO Maria Emília (1) ; ORLANDO Marco (2) ; CUPETO Carlos (1) RESUMO Atendendo aos recursos hídricos subterrâneos

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO Francisco MIRA (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Este trabalho

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONEMA RESOLUÇÃO Nº 01/2014

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONEMA RESOLUÇÃO Nº 01/2014 1 CNSELH ESTAUAL MEI AMBIENTE CNEMA RESLUÇÃ Nº 01/2014 Estabelece critérios de aceitabilidade para utilização provisória de fossas sépticas com ou sem filtro anaeróbico + sumidouros ou valas de infiltração.

Leia mais

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 5 Água subterrânea Introdução a Hidrologia de Florestas A. Introdução. Água que entra no regolito divide-se em umidade do solo na zona

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO.

HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO. HIDROLOGIA Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello Capítulo 1 CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO. 1.1 - Conceituação Hidrologia é uma ciência aplicada que estuda a água na natureza,

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) Figura T3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Esquerda (T3) 615 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais