O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1)."

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo principal efectuar uma caracterização sucinta da geologia/hidrogeologia, dos factores hidrometereológicos e estimação do balanço hídrico na região do Barlavento Algarvio. O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1). Figura 1 Unidades geológicas da região algarvia. A Bacia Sedimentar é composta por diversos tipos de rochas sedimentares, compreendendo desde formações carbonatadas a rochas detríticas, mais ou menos consolidadas. Do ponto de vista estrutural, o Algarve corresponde a um monoclinal simples mergulhando para sul com acidentes longitudinais que facilitam o seu afundamento naquela direcção, verificando-se igualmente para sul um aumento de espessura da megasequência sedimentar. Estruturalmente, distingue-se uma linha de flexura principal linha de flexura Sagres/Algoz/Vila Real de St. António de direcção ENE-WSW a E-W. Esta linha desenvolve-se sensivelmente paralela ao bordo norte da bacia, aflorando a norte desta descontinuidade, formações do Triásico ao Dogger, enquanto que a sul ocorrem terrenos do Jurássico superior e do Quaternário. A sul da linha de flexura Sagres-Algoz-Vila Real de Sto. António, existem diversas estruturas diapíricas, dispostas-se sobre diferentes alinhamentos subparalelos de direcção E-W, normalmente consituídos por domos salíferos, com uma forma aproximadamente elipsóidal com o eixo maior orientado na direcção E-W. 1

2 À semelhança da geologia da região, é possível igualmente individualizar, do ponto de vista hidrogeológico, duas grandes unidades o Maciço Antigo e a Bacia Sedimentar. O Maciço Antigo, em termos hidrogeológicos, apresenta pequena capacidade aquífera face à fraca permeabilidade das formações aflorantes. Contudo, nestas rochas as águas subterrâneas correspondem a importantes recursos locais, uma vez que satisfazem as necessidades de água de pequenos aglomerados populacionais, pequenos regadios e industrias. É na Bacia Sedimentar que se localizam os principais sistemas aquíferos do Algarve tendo sido identificados e caracterizados hidrogeologicamente, em toda a região algarvia 17 sistemas aquíferos, no estudo Definição, Caracterização e Cartografia dos Sistemas Aquíferos de Portugal Continental (INAG/FCL, 1997). Estes sistemas aquíferos estendemse essencialmente ao longo da costa pelo que sofrem grandes pressões tanto em termos de consumos de água como de ocupação do solo, conducentes, normalmente, a uma degradação da qualidade da água. Na Figura 2 apresenta-se a distribuição dos pontos de água, actualmente inventariados na região do Algarve. Figura 2 Distribuição dos pontos de água inventariados. Os recursos hídricos subterrâneos da região algarvia têm constituído, até há poucos anos, a principal origem de água para abastecimento doméstico, industrial e agrícola. 2

3 Deste modo, revela-se essencial o acompanhamento da evolução espaço-temporal dos recursos hídricos subterrâneos desta região, tanto na componente quantitativa como qualitativa. Particularizando para a região do Barlavento algarvio, verifica-se que nesta região existem seis sistemas aquíferos distribuídos ao longo da faixa litoral, enquanto a norte localizam-se as rochas cristalinas do Maciço Antigo, correspondentes à serra algarvia (Figura 3). Figura 3 Localização dos sistemas aquíferos do Barlavento algarvio Assim, os seis sistemas aquíferos localizados na região do Barlavento algarvio são: Sistema Aquífero Covões (M1); Sistema Aquífero Almádena-Odeáxere (M2); Sistema Aquífero Mexilhoeira Grande-Portimão(M3); Sistema Aquífero Ferragudo-Albufeira (M4); Sistema Aquífero Querença-Silves (M5); Sistema Aquífero Albufeira-Ribeira de Quarteira (M6). O conhecimento e acompanhamento das tendências evolutivas dos recursos hídricos subterrâneos, nas vertentes de quantidade e de qualidade, tem sido possível devido às redes de monitorização existentes. Na região do Algarve, encontram-se em funcionamento redes de monitorização de águas subterrâneas cuja exploração é da competência da Direcção Regional do Ambiente do Algarve (DRA Algarve). 3

4 A rede de monitorização piezométrica foi implementada na década de 70, sendo a periodicidade das observações na sua generalidade mensal. No que respeita à região do Barlavento algarvio, a rede de quantidade (rede piezométrica) em exploração pela DRA Algarve compreende cerca de 39 piezómetros distribuídos por seis sistemas aquíferos, com excepção de seis pontos que se encontram localizados no sistema aluvionar de Aljezur (Figura 4). Figura 4 Localização dos pontos pertencentes à rede piezométrica. Em termos da monitorização dos parâmetros de qualidade da água subterrânea, a DRA Algarve explora esta rede desde 1995, efectuando duas campanhas de amostragem por ano, sendo a maioria das estações controladas pela DRA, captações de abastecimento público. Na região do Barlavento algarvio, a rede de qualidade em exploração pela DRA compreende cerca de 28 estações de amostragem distribuídas pelos seis sistemas aquífero e pelo Maciço Antigo (Figura 5). 4

5 Figura 5 Localização dos pontos pertencentes à rede de qualidade Os parâmetros analisados são: côr, turvação, dureza, condutividade, cloretos, bicarbonatos, sulfatos, nitratos, nitritos, azoto amoniacal, oxidabilidade, alcalinidade e fosfatos. 5

6 2. CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA Neste capítulo elaborou-se uma ficha, para cada sistema aquífero, onde se efectua uma caracterização geológica/hidrogeológica com indicação de aspectos como litologia, parâmetros hidráulicos, funcionamento hidrodinâmico. Apresenta-se, igualmente, o desenho das redes de monitorização, tanto de quantidade como de qualidade, actualmente em exploração em cada sistema aquífero. Salienta-se que as características de qualidade da água que se apresentam na caracterização geológica/hidrogeológica de cada sistema aquífero reportam-se aos dados coligidos pelo projecto Definição, Caracterização e Cartografia dos Sistemas Aquíferos de Portugal Continental (INAG/FCL, 1997). Estes correspondem às análises químicas dos pontos de água inventariados para cada sistema, englobando um maior número de pontos dos que integram a rede de monitorização de qualidade da água subterrânea. Tendo como base a rede piezométrica, traçaram-se gráficos com a evolução temporal do nível da água nos diferentes sistemas aquíferos. Em termos de qualidade da água subterrânea e de acordo com os resultados analíticos das campanhas de amostragem desta rede, procedeu-se à classificação das águas subterrâneas considerando o Anexo I (Qualidade das Águas Doces Superficiais Destinadas à Produção de Água para Consumo Humano) do Decreto-Lei nº 236/98 de 1 de Agosto. Refira-se que a análise efectuada na classificação teve em linha de conta apenas os parâmetros sujeitos ao Valor Máximo Admissível (VMA), que de acordo com a amostragem efectuada pela DRA Algarve corresponde apenas a três parâmetros sulfatos, nitratos e azoto amoniacal. Efectuou-se assim, a classificação da qualidade da água em cada estação de amostragem e para cada ano desde 1995 a 1998, nos seis sistemas aquíferos considerados e no Maciço Antigo. Por último, procurou-se ter uma ideia das extracções em cada sistema aquífero e os concelhos abastecidos por estes. Os dados respeitantes aos consumos foram cedidos pela DRA Algarve. 6

7 2.1 Sistema Aquífero: COVÕES (M1) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Identificação: Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica: Ribeiras do Barlavento Distrito: Faro Concelho: Vila do Bispo Área: 22,6 km 2 Fig Localização do sistema aquífero. As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: dolomitos e calcários dolomíticos do Sinemuriano, Calcários e Dolomitos de Almádena (Bajociano), Calcários da Praia do Tonel (Oxfordiano-Kimeridgiano). Limites do sistema: correspondem aos limites das formações aquíferas com exclusão de algumas áreas que, por se apresentarem muito fragmentadas e afectadas por intrusões magmáticas, foram consideradas sem interesse. Litologias dominantes: dolomitos, calcários e calcários dolomíticos. Características gerais: aquífero cársico, livre a confinado. Espessuras: não se dispõe de dados que permitam avaliar a espessura total útil das formações aquíferas, atingindo pelo menos os 120 m. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 10 dados: Coef. Mínimo Máximo Média Desvio Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 1 30,5 15,1 10,8 75,4% 15,5 1,5 23,5 7

8 3) Parâmetros hidráulicos A transmissividade estimada a partir de caudais específicos de duas captações varia entre 500 e 600 m 2 /dia. 4) Funcionamento Hidráulico Devido à tectónica que afectou as formações aquíferas e à ocorrência de numerosas intrusões filoneanas, é previsível que este sistema se encontre fragmentado em vários sectores, embora a análise da piezometria indique a existência de conexão hidráulica entre eles. A recarga é feita por infiltração directa das precipitações e não se conhecem saídas naturais permanentes. Direcções de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 5) Recursos hídricos subterrâneos Os recursos hídricos subterrâneos médios, renováveis, são estimados em 6 Mm 3 /ano. 6) Dados de captações A profundidade das captações mais representativas distribui-se entre os 60 e os 120 m. 8

9 7) Qualidade da água Dispõe-se de apenas 5 análises completas (componentes maioritários) e algumas análises específicas (cloretos, sulfatos, ph, etc.) referentes a um período compreendido entre 1966 e Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo padrão Variação Cond % ph 15 7,84 0,38 5% 7,2 7,47 7,8 8,12 8,4 Cl % SO % NO % Na % K 7 4 2,4 60% 2,6 2,8 3,1 3,6 9,4 Ca ,4% Mg ,8% Fácies dominante: cloretada sódica. Uso agrícola: as águas distribuem-se pelas classes C 3 S 1 e C 4 S 1 pelo que representam um perigo de salinização dos solos alto a muito alto e baixo perigo de alcalinização dos solos. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende dois pontos de observação (Figura ). Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. 9

10 Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de SISTEMA AQUÍFERO COVÕES 30 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct /4 609/7 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero. Da análise da Figura verifica-se que a série piezométrica do ponto 601/4 revela respostas relativamente rápidas face às ocorrências meteorológicas. Após cada ano húmido as recessões piezométricas atingiram níveis similares (próximos de 8m), sendo no último ano hidrológico, devido à fraca pluviosidade do semestre húmido, os níveis baixaram significativamente sem atingirem, porém, os valores de 95 decorrentes de uma seca plurianual. As oscilações do nível piezométrico não denotam qualquer tendência decrescente indicativa de processos extractivos insustentáveis. O piezómetro 609/7 tem um comportamento análogo ainda que as respostas aos inputs de precipitação sejam mais atenuadas. B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende apenas uma estação de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura

11 Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se como >A3 face às elevadas concentrações de nitratos na água. Registam-se igualmente neste sistema, concentrações elevadas de cloretos na água, as quais ultrapassam o VMR deste parâmetro. Refere-se contudo que a amostragem é efectuada apenas numa estação pelo que os resultados devem ser vistos com reserva. C. Estimativa de consumos Procurou-se ter uma ideia das extracções efectuados neste sistema para abastecimento público (Quadro ). Quadro Estimativa das extracções no sistema aquífero de Covões EXTRACÇÕES (m 3 /ano)* ANO CONCELHOS ABASTECIDOS Vila do Bispo * - dados fornecidos pela DRA Algarve Verifica-se assim que este sistema abastece o concelho de Vila do Bispo e os dados existentes reportam-se unicamente ao ano de

12 2. 2 Sistema Aquífero: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Identificação: Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica: Ribeiras do Barlavento Distrito: Faro Concelhos: Vila do Bispo, Lagos e Portimão Área: 63,5 km 2 Fig Localização do sistema aquífero. As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: dolomitos e calcários dolomíticos do Sinemuriano; Calcários e Dolomitos de Almádena (Bajociano). Limites do sistema: correspondem aos limites das formações aquíferas com exclusão de algumas áreas que, por se apresentarem muito fragmentadas e afectadas por intrusões magmáticas, foram consideradas sem interesse. Litologias dominantes: dolomitos, calcários e calcários dolomíticos. Características gerais: aquífero cársico, livre a confinado. Espessuras: a espessura das formações aquíferas pode atingir centenas de metros, embora a carsificação seja muito menos profunda, não devendo ultrapassar, no máximo, pouco mais de que uma centena. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 103 dados Coef. Mínimo Máximo Média Desvio Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 0,3 50 8,4 9,4 111% 5,6 2,2 10,3 12

13 3) Parâmetros Hidráulicos A transmissividade estimada a partir de ensaios de bombagem varia entre 25 e 2100 m 2 /dia. Os valores mais frequentes de transmissividade estimada através de caudais específicos (15 valores) situam-se entre 250 e 2800 m 2 /dia, com média igual a 2100 m 2 /dia e mediana igual a 800 m 2 /dia. 4) Funcionamento Hidráulico A superfície dos calcários encontra-se, nalgumas áreas, lapiezada assinalando-se algumas dolinas e cavidades subterrâneas, pelo que a recarga faz-se por infiltração directa. A principal área de drenagem natural situa-se perto de Portelas (Lagos) onde existiam exsurgências importantes, hoje praticamente inactivas devido à existência de captações que foram implantadas nas suas proximidades e que abastecem Lagos. A localização destas exsurgências é condicionada pelo contacto a sul com as formações impermeáveis do Cretácico e à existência de grandes linhas de fractura onde se instalaram os vales principais (Paradela e Zbyszewski, 1971). A análise da piezometria sugere uma outra zona de descarga, situada nas imediações da Boca do Rio. No entanto essa descarga, a existir, dá-se de forma difusa ou oculta. direcções de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 5) Recursos hídricos subterrâneos Os recursos médios renováveis estimam-se em cerca de 20 Mm 3 /ano. 6) Qualidade da água Dispõe-se de análises completas (componentes maioritários) e algumas análises específicas (cloretos, sulfatos, ph, etc.) referentes a um período compreendido entre

14 e Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Median Q 3 Máximo padrão Variação a Cond % ph 104 7,7 0,3 4,1% 7,1 7,5 7,7 8 8,3 HCO % Cl % SO % NO % 0,2 15, Na % K 59 2,8 2,8 101% 0,8 1,6 1,8 2,8 20 Ca ,9 44% Mg % Fácies dominantes: bicarbonatada cálcica, mistas e cloretada sódica. Uso agrícola: a maioria das águas pertencem à classe C 3 S 1 (83%) pelo que representam um perigo baixo de alcalinização dos solos e perigo alto de salinização. As restantes pertencem à classe C 2 S 1 representando, portanto, um perigo médio de salinização dos solos e perigo baixo de alcalinização dos solos. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende seis pontos de observação (Figura ). 14

15 Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de SISTEMA AQUÍFERO ALMÁDENA-ODEÁXERE 20 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / / / / /76 602/43 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero. Da análise da Figura verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado. Contudo, registam-se pontos em que os valores do nível piezométrico encontram-se próximos de zero ou mesmo negativos, isto é o nível de água subterrânea situa-se abaixo do nível médio da água do mar. 15

16 B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende três estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se como A1, não havendo problemas a registar. Refere-se contudo, que não foi possível efectuar a classificação no ponto 602/189 em virtude de no ano de 1998 apenas se ter realizado uma campanha de amostragem. C. Estimativa de consumos Procurou-se ter uma ideia das extracções efectuados neste sistema aquífero, para abastecimento público (Quadro ). 16

17 Quadro Estimativa das extracções no sistema aquífero EXTRACÇÕES (m 3 /ano)* ANO CONCELHOS ABASTECIDOS Vila do Bispo Lagos * - dados fornecidos pela DRA Algarve Verifica-se assim que este sistema abastece os concelhos de Lagos e Vila do Bispo. Os dados respeitantes ao concelho de Lagos reportam-se apenas ao ano de 1993, enquanto que para o concelho de Vila do Bispo a informação respeita aos anos de 1996 e

18 2.3 Sistema Aquífero: MEXILHOEIRA GRANDE - PORTIMÃO (M3) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacias Hidrográficas: Ribeiras do Barlavento e Arade Distrito: Faro Concelho: Portimão Área: 51,7 km 2 Fig Localização do sistema aquífero. As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: dolomitos e calcários dolomíticos do Sinemuriano, Calcários e Dolomitos de Almádena (Bajociano), Formação Carbonatada de Lagos-Portimão (Miocénico), Areias e Cascalheiras de Faro- Quarteira (Quaternário). Limites do sistema: correspondem aos limites das formações aquíferas, entre as ribeiras de Arão e Boina com exclusão de algumas áreas que, por se apresentarem muito fragmentadas foram consideradas sem interesse. Litologias dominantes: calcários, calcários dolomíticos, dolomitos, calcarenitos e biocalcarenitos, por vezes lumachélicos, arenitos e areias. Características gerais: sistema multiaquífero, constituído por um aquífero cársico e um aquífero poroso, livres a confinados. Espessuras: a espessura das formações aquíferas pode atingir algumas centenas de metros. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 124 dados 18

19 Coef. Mínimo Máximo Média Desvio Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 0, ,1 15,3 126,5% 8,3 5,0 11,1 3) Parâmetros Hidráulicos A transmissividade estimada a partir de caudais específicos de 11 captações situa-se entre 80 e 6500 m 2 /dia. A partir de ensaios de bombagem obtiveram-se os seguintes valores de transmissividade (m 2 /dia): 85; 170; 250; 300; 560; 836; 1000 e Os valores mais frequentes de transmissividade estimada a partir de caudais específicos (20 valores) situam-se entre 300 e 1000 m 2 /dia, com média igual a 1300 m 2 /dia e mediana igual a 600 m 2 /dia. 4) Funcionamento Hidráulico A análise da superfície piezométrica mostra que a direcção de fluxo se processa de Norte para Sul, ou seja, a partir das formações do Jurássico, onde se dá a recarga do sistema por infiltração directa da precipitação e a partir de alguns troços influentes das ribeiras do Farelo e da Torre (Reis, 1993), para as formações do Miocénico. Conheciam-se exsurgências, em Fontaínhas, que forneciam caudais da ordem de uma a duas centenas de litros por segundo, com uma água demasiado mineralizada (Paradela e Zbyszewski, 1971). Direcções de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 19

20 5) Dados de captações A profundidade dos furos, mais representativos, não ultrapassa os 150 m. 6) Qualidade da água Dispõe-se de um número elevado de análises efectuadas entre 1981 e Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo padrão Variação Cond % ph 187 7,53 0,41 5,5% 6,82 7,2 7,5 7,8 8,9 HCO % Cl % SO % 4, NO % 0 11,7 20, Na % K 149 7,4 9,4 127% 0,1 2,2 4,7 8,7 62 Ca % Mg % Fácies dominantes: cloretada sódica e bicarbonatada cálcica. Uso agrícola: As águas desta unidade são de má qualidade para uso agrícola. Como se distribuem todas pelas classes C 3 e C 4 representam um perigo de salinização dos solos alto a muito alto. A distribuição pelas classes definidas pelo USSLS é a seguinte: C 3 S 1-39,1%; C 3 S 2-15,6%; C 4 S 1-6,3%; C 4 S 2-18,8%; C 4 S 3-4,7%; C 4 S 4-15,6%. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende quatro pontos de observação (Figura ). 20

21 Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de SISTEMA AQUÍFERO MEXILHOEIRA GRANDE-PORTIMÃO 8 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / /47 594/95 594/150 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero. Da análise da Figura verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado, à excepção do piezómetro 594/47. Contudo, registam-se pontos em que os valores do nível piezométrico encontramse próximos de zero ou mesmo negativos, revelando que o nível da água subterrânea se situa abaixo do nível médio da água do mar. 21

22 B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende três estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se como A1. Refere-se que no ano de 1995, no bordo W do sistema aquífero, registaram-se concentrações elevadas de cloretos, que pode ser um reflexo do período de seca que se estava atravessando. C. Estimativa de consumos Procurou-se ter uma ideia das extracções efectuados neste sistema aquífero, para abastecimento público (Quadro ). 22

23 Quadro Estimativa das extracções no sistema aquífero EXTRACÇÕES (m 3 /ano)* ANO CONCELHOS ABASTECIDOS Portimão * - dados fornecidos pela DRA Algarve Verifica-se assim que este sistema abastece o concelho de Portimão e os dados existentes respeitam aos três últimos anos , 1997 e

24 2.4 Sistema Aquífero: FERRAGUDO - ALBUFEIRA (M4) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Fig Localização do sistema aquífero. Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacias Hidrográficas: Ribeiras do Sotavento e Arade Distrito: Faro Concelhos: Albufeira, Lagoa e Silves Área: 117,1 km 2 As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: Arenitos de Sobral, Calcários e margas com Palorbitolina (Cretácico), Formação Carbonatada Lagos-Portimão (Miocénico) e Areias e Cascalheiras de Faro-Quarteira (Quaternário). Limites do sistema: correspondem essencialmente à área de afloramento das formações aquíferas. O limite a noroeste é intraformacional, separando este sistema do de Querença-Silves e foi estabelecido com base no prolongamento do afloramento sul das formações jurássicas. Litologias dominantes: calcarenitos e biocalcarenitos, por vezes lumachélicos, arenitos, areias e calcários compactos. Características gerais: o aquífero mais extenso que tem por suporte as formações miocénicas tem comportamento de tipo aquífero poroso, embora localmente com algumas características de aquífero cársico, sendo essencialmente confinado ou semiconfinado. Os calcários cretácicos suportam um pequeno aquífero cársico, livre. Os depósitos detríticos quaternários e arenitos cretácicos suportam pequenos aquíferos freáticos. Espessuras: a espessura dos calcarenitos miocénicos situa-se entre os 40 a 50 m. A espessura da cobertura detrítica superior atinge, a oeste de Albufeira, 60 m e o conjunto das formações cretácicas pode ultrapassar os 150 m. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 120 dados 24

25 Coef. Mínimo Máximo Média Desvio Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 0,0 40 7,2 7,1 98,5% 5,0 3,0 8,3 3) Parâmetros Hidráulicos As transmissividades dos calcários cretácicos estimadas através de ensaios de bombagem situam-se entre 200 e 600 m 2 /dia (Silva, 1988). As transmissividades das formações miocénicas, estimadas a partir de caudais específicos, situam-se entre 30 e 750 m 2 /dia (ibidem). 4) Funcionamento Hidráulico O aquífero miocénico recebe recarga directa e provavelmente a partir dos calcários jurássicos e cretácicos. Eventualmente, poderá receber recarga por drenância a partir de depósitos detríticos que o cobrem, por exemplo a sudoeste de Porches, embora a diferença de potenciais hidráulicos entre o aquífero miocénico, e o aquífero freático existente nesses depósitos pareça indicar uma independência entre os dois. Não são conhecidas descargas naturais do aquífero miocénico excepto uma pequena nascente situada no litoral mas de caudal muito fraco. O aquífero que tem por suporte os calcários cretácicos é o mais explorado, não só devido à sua produtividade mas também devido à melhor qualidade das suas águas, embora disponha de recursos limitados devido à pequena área de recarga. direcções de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 5) Qualidade da água Dispõe-se de um número elevado de análises efectuadas entre 1974 e 1995, com especial incidência nos anos 80. Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas 25

26 n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo padrão Variação Cond % ph 354 7,45 0,36 4,9% 6,68 7,19 7,4 7,7 8,8 HCO ,5% 36, Cl % SO % NO ,5 143% 0 7, Na % K % 0,2 3,5 5, Ca % Mg % 0, Fácies dominantes: cloretada sódica e bicarbonatada cálcica. Uso agrícola: as águas desta unidade são, em geral, de má qualidade para uso agrícola. Apenas uma minoria (6,4%) se situa na classe C 2 (perigo de salinização dos solos médio) distribuindo-se as restantes pelas classes C 3 e C 4. A distribuição pelas classes definidas pelo USSLS é a seguinte: C 3 S 1-31,2%; C 3 S 4-4%; C 4 S 1-18,4%; C 4 S 2-16%; C 3 S 2-8,8%; C 4 S 3-4%; C 4 S 4-6,4%; C 3 S 3-4,8%; C 2 S 1-3,2%; C 2 S 2-2,4%; C 2 S 3-0,8%. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende três pontos de observação (Figura ). Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. 26

27 Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de SISTEMA AQUÍFERO FERRAGUDO-ALBUFEIRA Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / /85 604/63 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero. Da análise da Figura verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado. Contudo, registam-se pontos de água, designadamente os que se encontram mais próximos do mar, em que os valores do nível piezométrico estão próximos de zero. A constância e, por vezes, retoma do nível, não indiciam problemas de intrusão marinha, ainda que se tratem de aquíferos costeiros. B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende três estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura

28 Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se como A1. Refere-se que no ponto 604/69 as concentrações de nitratos e sulfatos na água são elevadas aproximando-se dos respectivos VMR destes parâmetros. C. Estimativa de consumos Não há informação das extracções realizadas neste sistema aquífero. 28

29 2.5 Sistema Aquífero: QUERENÇA - SILVES (M5) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Identificação Fig Localização do sistema aquífero. Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacias Hidrográficas: Ribeiras do Sotavento e Arade Distrito: Faro Concelhos: Albufeira, Lagoa, Loulé e Silves Área: 317,8 km 2 As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: Formação de Picavessa (Calcários de Alte) (Jurássico inferior), Calcários e Dolomitos de Almádena (Jurássico médio), Calcários de S. Romão, Calcários com nódulos de sílex da Jordana, Calcários bioconstruídos do Cerro da Cabeça, Dolomitos e Calcários dolomíticos de Santa Bárbara de Nexe, Calcários do Escarpão, Calcários com Anchispirocyclina lusitanica (Jurássico superior). Limites do sistema aquífero: correspondem aos limites das formações aquíferas referidas, com exclusão de algumas pequenas áreas por possuírem funcionamento independente (Rocha da Pena) ou por terem sido consideradas sem interesse. Os limites incluem pequenas manchas de formações pouco permeáveis, dada a complexidade do padrão de afloramento nalgumas zonas. Litologias dominantes: dolomitos, calcários dolomíticos, calcários compactos, calcários oolíticos, calcários margosos. Características gerais: sistema multiaquífero cársico, livre a confinado. Espessuras: a espessura das formações aquíferas atinge pelo menos 270 metros. A carsificação em geral é menos profunda embora localmente possa ultrapassar os 200 metros. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 487 dados 29

30 Coef. Mínimo Máximo Média Desvio Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 0,0 83,3 12,2 9,8 80,2% 11,1 5,8 16,6 3) Parâmetros Hidráulicos Em ensaios de bombagem executados em captações localizadas a norte de Purgatório obtiveram-se valores de transmissividade entre 1200 e 1700 m 2 /dia. Ensaios de bombagem realizados na região de Vale da Vila (E de Silves) forneceram valores de transmissividade situados entre 3000 e m 2 /dia. 4) Funcionamento Hidráulico O dobramento e falhas que afectaram os calcários e dolomitos liásicos produziram o isolamento hidráulico de alguns sectores que constituem, assim, outras tantas subunidades. É o que acontece com as subunidades que alimentam algumas das nascentes mais importantes do Algarve Central: Fonte Grande (Alte); Fonte de Salir e Fonte Benémola. No entanto, dado que aquelas três nascentes debitam para a ribeira de Quarteira, a qual possui alguns troços influentes, as referidas subunidades não são totalmente independentes do sistema principal. Uma outra subunidade, drenada pela Fonte de Paderne, relaciona-se, essencialmente com calcários do Jurássico superior, não se conhecendo com rigor as relações hidráulicas com o sistema principal. Dentre os aspectos geomorfológicos com incidência na capacidade de infiltração destacam-se as depressões cársicas de grande tamanho (poljes, por ex. a Nave do Barão), lapiás e dolinas. Conhecem-se sumidouros activos dois quilómetros a SW de Esteval dos Mouros. No entanto o fundo de algumas dessas depressões, assim como outras superfícies, encontram-se cobertos por sedimentos (aluviões, terraços e/ou terra rossa) com permeabilidade vertical por vezes baixa ou nula (Nave do Barão, Fonte Louzeiro, depressão a N de Purgatório, etc.). A análise da piezometria mostra a existência de um fluxo subterrâneo dirigido em geral para oeste, embora com anomalias locais, normalmente relacionadas com a presença de grupos de captações importantes. O padrão geral de escoamento é condicionado pela presença de descargas naturais do sistema, situadas perto do limite oeste, de que se destacam as Fontes de Estômbar cujo caudal médio é de 239 L/s. A ribeira de Quarteira, no seu curso superior, apresenta troços influentes e efluentes e no seu curso inferior é influente, conhecendo-se sumidouros na região de Lentiscais e Cabanita. No entanto, alguns destes sumidouros só funcionam, episodicamente, quando a ribeira sai do seu leito. 30

31 direcções de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 5) Recursos hídricos subterrâneos Os recursos médios renováveis estimam-se em cerca de 90 Mm 3 /ano. 6) Qualidade da água Dispõe-se de um conjunto numeroso de análises completas (componentes maioritários) e específicas (cloretos, sulfatos, ph, etc.) referentes a um período compreendido entre 1979 e Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo padrão Variação Cond % ph 411 7,79 0,33 4,3% 6,8 7,6 7,8 8,0 9,2 HCO % Cl % SO % 5, NO % Na % 1, K 347 4,0 20,5 506% 0,4 0,9 1,1 1,7 284 Ca % 0, Mg % 1, Fácies dominantes: bicarbonatadas cálcicas ou calco-magnesianas. 31

32 Uso agrícola: a maioria das águas pertence à classe C 3 S 1 (66,7%) pelo que representam um perigo baixo de alcalinização dos solos e perigo alto de salinização. Todas as restantes (33,3%) pertencem à classe C 2 S 1 representando um perigo médio de salinização dos solos e perigo baixo de alcalinização dos solos. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende doze pontos de observação (Figura ). Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. Nas Figuras e apresentam-se os gráficos de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de

33 SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES (SECTOR W) 250 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / / / / / /19 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero (sector W). SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES (SECTOR E) 160 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / /96 596/35 596/19 597/ /91 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero (sector E). Da análise das Figuras e verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado. Por outro lado, salienta-se que apesar do corrente ano hidrológico não ser um ano pluvioso, os níveis de água subterrânea são superiores aos valores registados no final do ano de 1995, quando terminou o último período de seca. B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende dez estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura

34 Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se, na sua generalidade, como A1. Indica-se que na estação 595/96 as concentrações de nitratos na água são elevadas aproximando-se do respectivo VMA deste parâmetro, contudo não ultrapassam este valor. No entanto, o mesmo já não acontece na estação 597/109 em que a qualidade da água classifica-se como >A3 em virtude das concentrações de nitratos na água. Refere-se ainda que em duas estações não foi possível efectuar a classificação em virtude de no ano de 1998 só ter sido efectuada uma campanha de amostragem. C. Estimativa de consumos Procurou-se ter uma ideia das extracções efectuados neste sistema aquífero, para abastecimento público (Quadro ). Quadro Estimativa das extracções no sistema aquífero EXTRACÇÕES (m 3 /ano)* ANO CONCELHOS ABASTECIDOS Loulé Albufeira * - dados fornecidos pela DRA Algarve 34

35 Verifica-se que este sistema abastece os concelhos de Loulé e Albufeira. Os dados existentes do concelho de Albufeira reportam-se apenas ao ano de 1996, enquanto para o concelho de Loulé a informação respeita aos anos de 1996 e

36 2.6 Sistema Aquífero: ALBUFEIRA-RIBEIRA DE QUARTEIRA (M6) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica: Ribeiras do Sotavento Distrito: Faro Concelhos: Albufeira, Loulé e Silves Área: 54,7 km 2 Fig Localização do sistema aquífero. As principais características hidrogeológicas deste sistema são: 1) Hidrogeologia Formações aquíferas dominantes: Dolomitos e Calcários Dolomíticos de Santa Bárbara de Nexe, Calcários do Escarpão (Jurássico superior), Formação Carbonatada de Lagos-Portimão, Areias de Olhos de Água (Miocénico) e Areias e Cascalheiras de Faro-Quarteira (Quaternário). Limites do sistema aquífero: correspondem aos limites das formações aquíferas, excepto a Leste onde a sua separação com o Sistema de Quarteira é intraformacional e foi estabelecido por se verificar um salto na piezometria que deve corresponder a uma barreira hidráulica parcial. Litologias dominantes: calcarenitos e biocalcarenitos, por vezes lumachélicos, arenitos, areias, calcários compactos, calcários dolomíticos, dolomitos e calcários margosos. Características gerais: sistema multiaquífero constituído por um aquífero cársico e outro com características mistas poroso/cársico, livre a confinado. Espessuras: a espessura total útil das formações aquíferas do Miocénico distribui-se entre os 70 e os 110 metros enquanto que as formações jurássicas atingem pelo menos 190 m. 2) Produtividades (l/s) Estatísticas calculadas a partir de 137 dados 36

37 Coef. Mínimo Máximo Média Desv. Mediana Q Variação 1 Q 3 padrão 0,0 30,5 9,5 5,2 54,4% 9,0 6,0 11,8 3) Parâmetros Hidráulicos A transmissividade estimada a partir de caudais específicos de trinta captações situa-se entre 84 e 3080 m 2 /dia, sendo a média 540 m 2 /dia e a mediana 235 m 2 /dia. 4) Funcionamento Hidráulico A recarga é feita a Norte por infiltração directa nos Calcários do Escarpão e em menor escala nas formações cretácicas e miocénicas. As formações de cobertura do Miocénico, dada a sua fracção argilosa considerável, dificultam a recarga directa. Existem vários pontos de descarga do sistema com comportamento perene, nomeadamente em Olhos de Água, encontrando-se alguns na praia e outros no mar, com um caudal de várias dezenas de litro por segundo. A ribeira de Quarteira é efluente no seu troço terminal a sul da Ponte do Barão e influente num troço a montante da mesma. A partir da análise da superfície piezométrica verifica-se que o sentido de escoamento subterrâneo processa-se para sul e SSW (Almeida, 1985, Silva, 1988). A análise comparativa da piezometria deste sistema e do sistema de Quarteira sugere uma transferência subterrânea importante deste sistema para o primeiro. Esta transferência será feita mais ou menos perpendicularmente à ribeira de Quarteira através de uma barreira de permeabilidade mais baixa o que explicaria a diferença entre os potenciais hidráulicos de um e de outro lado. direcção de fluxo Fig Direcções de fluxo no sistema aquífero (figura esquemática). 37

38 5) Qualidade da água Dispõe-se de análises completas (componentes maioritários) e análises específicas (cloretos, sulfatos, ph, etc.) referentes a um período compreendido entre 1965 e Muitas das análises correspondem a diferentes colheitas feitas na mesma captação. Estatísticas n Média Desvio Coef. Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo padrão Variação Cond % ph 191 7,51 0,36 4,8% 6,7 7,25 7,41 7,8 8,4 HCO % Cl % SO % 5, NO % 0,1 6, ,3 60 Na % 5, K 37 3,8 3,7 97,7% 0,9 1,5 2,3 4,5 19 Ca % Mg % Fácies predominantes: fácies bicarbonatada cálcica, cloretada sódica e mistas. Uso agrícola: a maioria das águas pertencem à classe C 3 S 1 (73,7%). As restantes distribuem-se pelas classes: C 2 S 1 (10,5%), C 3 S 2 (10,5%) e C 4 S 2 (5,3%), pelo que representam um perigo de salinização dos solos médio a muito alto e perigo de alcalinização dos solos baixo a médio. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica deste sistema aquífero compreende três pontos de observação (Figura ). 38

39 Figura Rede piezométrica do sistema aquífero. Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água neste sistema aquífero. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de SISTEMA AQUÍFERO ALBUFEIRA-RIBEIRA DE QUARTEIRA 40 Nível piezométrico (m) Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct / / /200 Figura Evolução piezométrica do sistema aquífero. Da análise da Figura verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado. Contudo, registam-se pontos de água em que os valores do nível piezométrico encontram-se próximos de zero ou mesmo negativos. Este facto revela que o nível de água subterrânea se situa próximo do nível médio da água do mar e como se trata de um aquífero costeiro, indica que podem surgir problemas de intrusão marinha. 39

40 B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade deste sistema aquífero compreende cinco estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água deste sistema encontram-se representados na Figura Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se, na sua generalidade, como A1. Refere-se que na estação 596/604 a qualidade da água classifica-se como >A3 devido às elevadas concentrações de nitratos. Por outro lado, na estação 605/322 registam-se concentrações elevadas de cloretos na água, as quais excedem o VMR deste parâmetro e que podem eventualmente reflectir a existência de diapiros em profundidade. Na estação 605/293 não foi possível efectuar a classificação em virtude de no ano de 1998 só ter havido uma campanha nesta estação. C. Estimativa de consumos Procurou-se ter uma ideia das extracções efectuados neste sistema aquífero, para abastecimento público (Quadro ). 40

41 Quadro Estimativa das extracções no sistema aquífero EXTRACÇÕES (m 3 /ano)* ANO CONCELHOS ABASTECIDOS Albufeira * - dados fornecidos pela DRA Algarve Verifica-se que este sistema abastece apenas o concelho de Albufeira e os dados existentes reportam-se apenas ao ano de

42 2.7 MACIÇO ANTIGO (A) A. Caracterização Geológica/Hidrogeológica Esta unidade é constituída, essencialmente, por xistos e grauvaques do Carbónico fortemente dobrados e moderadamente metamorfizados. Do ponto de vista hidrogeológico, correspondem a formações pouco produtivas, podendo a produtividade aumentar com a existência de alinhamentos e fracutras ocorrentes nestas rochas. No entanto, localmente, estas formações são importantes em termos de recursos hídricos subterrâneos, uma vez que conseguem assegurar as necessidades de água aos aglomerados populacionais existentes nesta unidade. Nesta região, destaca-se o maciço sub-vulcânico de Monchique, intruído nas formações do Carbónico. Este maciço, de natureza sienítica, apresenta igualmente diminuta capacidade aquífera. Esta pode aumentar localmente devido à existência de fissuras, geralmente pouco profundas (20-30 m) mas constituindo zonas preferenciais de infiltração e circulação da água, bem como à existência de zonas de alteração das rochas. O escoamento superficial desta unidade vai alimentar a bacia sedimentar, localizada a sul, através das estruturas tectónicas existentes e das linhas de água que, quando atravessam os maciços carbonatados, tornam-se influentes. B. Redes de monitorização B.1. Rede piezométrica A rede piezométrica existente na região do Maciço Antigo do Barlavento algarvio localizase essencialmente na zona aluvionar de Aljezur e compreende seis pontos de observação (Figura ). 42

43 Figura Rede piezométrica da zona aluvionar. Na Figura apresenta-se o gráfico de evolução temporal do nível da água nesta zona. Refere-se que a informação reporta-se desde o ano hidrológico até Maio de ZONA ALUVIONAR DE ALJEZUR Oct-94 Oct-95 Oct-96 Oct-97 Oct-98 Oct /1 584/11 584/9 584/8 584/7 584/4 Figura Evolução piezométrica da zona aluvionar. Da análise da Figura verifica-se que as séries piezométricas não revelam descidas significativas do nível da água para o período considerado. B.2. Rede de qualidade A rede de qualidade na região do Maciço Antigo do Barlavento algarvio compreende duas estações de amostragem. Os resultados obtidos na classificação da água desta zona aluvionar encontram-se representados na Figura

44 Figura Classificação da qualidade da água considerando apenas os parâmetros com VMA. Tendo em conta os parâmetros contemplados com VMA, a qualidade da água classifica-se como A1, não havendo problemas a registar. C. Estimativa de consumos Não há informação das extracções realizadas nesta zona. 44

45 3. BALANÇO HÍDRICO 3.1 Características hidrometeorológicas da região ocidental Algarvia A distribuição espacial da precipitação anual média é apresentada na Figura As precipitações anuais médias mais elevadas são verificadas em zonas de maior altitude. À zona correspondente à serra de Monchique são associados valores da precipitação anual média superiores a 700 mm. A orla costeira é caracterizada por precipitação anual média inferior a 600 mm. A distribuição espacial da temperatura média diária é apresentada na Figura Temperatura média diária superior a 15º C é associada à maior parte da área da região e os valores mais baixos, entre 12 e 15ºC, são verificados nas altitudes mais elevadas, na serra de Monchique. A análise da distribuição espacial da evapotranspiração real, a perda efectiva de água por evapotranspiração (Figura 3.1.3), associa valores mais elevados às áreas onde a precipitação anual média é também mais elevada, entre 450 e 700 mm na serra de Monchique e inferior a 400 mm na orla costeira ocidental. Figura Distribuição espacial da precipitação média anual no Algarve. (Fonte: Atlas do Ambiente) 45

46 Figura Distribuição espacial da temperatura média diária no Algarve. (Fonte: Atlas do Ambiente) Figura Distribuição espacial da evapotranspiração real anual média no Algarve. (Fonte: Atlas do Ambiente) A área do Barlavento Algarvio tem como principais cursos de água o rio Arade, a ribeira de Odeáxere, a ribeira de Aljezur e a ribeira de Seixe. A densidade da rede hidrográfica é representada na Figura A distribuição espacial do escoamento anual médio no Algarve, apresentada na Figura 3.1.5, salienta valores mais elevados de escoamento no interior algarvio (entre 150 e 500 mm). No que respeita a áreas localizadas na orla costeira do Barlavento Algarvio obtêm-se valores do escoamento anual médio inferiores a 100 mm. 46

47 Figura Rede hidrográfica (Fonte: Atlas do Ambiente). Figura Distribuição espacial do escoamento anual médio no Algarve. (Fonte: Atlas do Ambiente) 3.2 Avaliação da recarga da reserva subterrânea Para a estimação da recarga foi utilizada uma metodologia de balanço sequencial mensal, desenvolvida em ambiente SIG e calibrada a nível nacional para os parâmetros relativos a cada tipo de solo, englobando coeficientes de percolação e de descarga do aquífero. Considerando bacias hidrográfica definidas por estações hidrométricas onde o solo se considera homogéneo determinaram-se os parâmetros do modelo de balanço hídrico a partir das variáveis escoamento e precipitação mensal (Figura 3.2.1). O modelo de balanço hídrico sequencial mensal tem por base o seguinte: São consideradas duas reservas de água distintas, uma superficial e uma subterrânea. Os limites dos reservatórios superficial e subterrâneo são coincidentes. 47

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS LOPES Ana Rita (1) ; MACEDO Maria Emília (1) ; ORLANDO Marco (2) ; CUPETO Carlos (1) RESUMO Atendendo aos recursos hídricos subterrâneos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO Francisco MIRA (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Este trabalho

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola Ficha de caracterização do meio envolvente da escola 1. Identificação da Equipa Escola: Equipa: Localização Colégio Cidade Roda Os pequenos geólogos Redinha/ Pombal/ Leiria/ Portugal 2. Caracterização

Leia mais

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998)

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Sistemas Aquíferos de Estremoz-Cano e Elvas-Vila Boim - Estudo dos Recursos

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA João Paulo LOBO FERREIRA Núcleo de Águas Subterrâneas, LNEC Luís OLIVEIRA Núcleo de

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA)

SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA) SISTEMA AQUÍFERO MONFORTE ALTER DO CHÃO Resultados obtidos no âmbito do Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Alentejo (ERHSA) Judite FERNANDES Hidrogeóloga, Laboratório Nacional de Energia e Geologia

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13)

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) Figura M13.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Peral-Moncarapacho Sistema Aquífero: Peral-Moncarapcho (M13) 562 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

VOLUME II Caracterização e Diagnóstico. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Recursos Hídricos, Planeamento e Gestão do Recurso Água ANEXO H

VOLUME II Caracterização e Diagnóstico. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Recursos Hídricos, Planeamento e Gestão do Recurso Água ANEXO H MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALGARVE Plano Regional de Ordenamento do Território - Recursos Hídricos,

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I CAPTAÇÕES DE ÁGUA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 2001 ÍNDICE DO TEXTO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS... 1 3. CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUPERFICIAIS...

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Laboratório Nacional de Engenharia Civil, I.P. DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E AMBIENTE Núcleo de Águas Subterrâneas Núcleo de Recursos Hídricos e

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA Paulo ANDRADE (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO O presente artigo pretende

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO José QUITÉRIO COSTA (1) RESUMO No presente tema propõem-se normas

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO Exercício para a componente prática Formato: Relatório técnico É obrigatória a entrega em formato digital de todos os ficheiros usados nas simulações. Data limite para entrega

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) Figura T3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Esquerda (T3) 615 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro

Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro Recarga Artificial de Aquíferos: Aplicação ao sistema aquífero da Campina de Faro INDICE DO TEXTO 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 Enquadramento do tema... 1 1.2 Enquadramento da Tese... 2 1.3 Objectivos... 4 1.4

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR

LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR LOCALIZAÇÃO E BREVE APRESENTAÇÃO GEOGRÁFICA DA SUB-REGIÃO DO DOURO SUPERIOR 1. LOCALIZAÇÃO A sub-região Douro Superior localiza-se no Interior Norte do país e integra os distritos de Bragança e Guarda,

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2)

SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) Figura M2.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Almádena-Odeáxere Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 446 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA)

CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA) CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ZONA DO LUMIAR (CONCELHO DE LISBOA) Catarina SILVA Doutora em Geoquímica, Professora Auxiliar, Centro de Geologia da Universidade de Lisboa, Campo Grande, Ed. 6,

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Águas Subterrâneas Águas Subterrâneas 1 - Introdução Apesar de nos termos debruçado principalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO Irene Regina Ramos CANDEIAS (1) ; Mário Lourenço da SILVA (2) RESUMO A formação

Leia mais

SISTEMA ODELOUCA-FUNCHO PROJECTO DA BARRAGEM DE ODELOUCA E DO TÚNEL DE INTERLIGAÇÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO 1 - INTRODUÇÃO...

SISTEMA ODELOUCA-FUNCHO PROJECTO DA BARRAGEM DE ODELOUCA E DO TÚNEL DE INTERLIGAÇÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO 1 - INTRODUÇÃO... SISTEMA ODELOUCA-FUNCHO PROJECTO DA BARRAGEM DE ODELOUCA E DO TÚNEL DE INTERLIGAÇÃO ESTUDO DE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO ÍNDICE Pág. 1 - INTRODUÇÃO...1 2 - ENQUADRAMENTO E JUSTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Este trabalho foi executado na sequência

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

ÁREAS EXPERIMENTAIS DE MONITORIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO HIDRODINÂMICO DE VERTENTES ORGANIZADAS EM PATAMARES AGRÍCOLAS

ÁREAS EXPERIMENTAIS DE MONITORIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO HIDRODINÂMICO DE VERTENTES ORGANIZADAS EM PATAMARES AGRÍCOLAS ÁREAS EXPERIMENTAIS DE MONITORIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO HIDRODINÂMICO DE VERTENTES ORGANIZADAS EM PATAMARES AGRÍCOLAS C. Bateira - carlosbateira@netcabo.pt; A. Seixas - aseixas@letras.up.pt; S. Pereira -

Leia mais

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Paula M. Carreira 1, Dina Nunes 1, Pedro Valério 1, Maria Fátima Araújo 1, José M. Marques 2,

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente.

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente. ÁGUA O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008 1 Ciclo da Água 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008

Leia mais

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA 0 território português abrange uma área de cerca de 89 300 km 2 e tem forma aproximadamente rectangular com valores máximos do comprimento e da largura de cerca de 560 e 220

Leia mais

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC As escorrências rodoviárias: uma fonte de poluição difusa

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA TEC 204: GEOGRAFIA DAS ÁGUAS CONTINENTAIS PROFª ROSÂNGELA LEAL SANDRA MEDEIROS SANTOS ALUNO(A) INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA Generalidades

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2012

Boletim climatológico mensal dezembro 2012 Boletim climatológico mensal dezembro 2012 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS

OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS OPTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS REGIONAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM PRIORIDADES ANTECIPADAS Vieira, J. y Cunha, M.C. Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Coimbra, Pólo II, 33-788 Coimbra,

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO 1. Introdução O presente estudo refere-se a uma faixa de terreno com forma aproximadamente rectangular com cerca de 170m de comprimento e 20m de largura, correspondente à área

Leia mais

Palavras-chave: Precipitação, cratera, caldeira, alteração supergénica, impermeabilização, recarga, regulador e amortecedor hídricos.

Palavras-chave: Precipitação, cratera, caldeira, alteração supergénica, impermeabilização, recarga, regulador e amortecedor hídricos. CONDIÇÕES DE OCORRÊNCIA E FUNÇÕES HIDROGEOLÓGICAS DAS LAGOAS EM PEQUENAS ILHAS VULCÂNICAS: O EXEMPLO DA ILHA DAS FLORES, AÇORES José M. M. AZEVEDO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO A ocorrência

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Vento Tabela Resumo mensal 2 3 4 6 7 8 http://www.ipma.pt Figura

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Sem figuras nem imagens, entrelinha 1,5

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Sem figuras nem imagens, entrelinha 1,5 Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 14 Páginas Sem figuras nem imagens, entrelinha

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst volume 2 número 3 p - Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst Amândio Furtado 1 João Negreiros 2 A utilização dos métodos de interpolação espacial

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

Planta 4. Legenda. Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar. Sistema Miocénico Inferior. Sistema das Argilas de Prazeres. Limite PP Parque Mayer

Planta 4. Legenda. Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar. Sistema Miocénico Inferior. Sistema das Argilas de Prazeres. Limite PP Parque Mayer ¹ Planta 4 Legenda Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar Sistema Miocénico Inferior Sistema das Argilas de Prazeres Limite PP Parque Mayer Direcção Municipal de Planeamento Urbano Departamento de

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO Ana Maria ALENCOÃO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro (NE de Portugal)

Leia mais

Poços rasos e profundos, locação e perfuração

Poços rasos e profundos, locação e perfuração Poços rasos e profundos, locação e perfuração Captações rasas águas freáticas em perfis de alteração. Captações profundas águas de aquíferos livres e confinados em rocha Locação - em sedimentos não consolidados,

Leia mais

PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS

PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS PLANEAMENTO OPTIMIZADO CONJUNTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO E DE CONTROLO DA INTRUSÃO MARINHA EM AQUÍFEROS COSTEIROS Júlio F. FERREIRA DA SILVA Doutor em Engenharia Civil Hidráulica Professor Auxiliar do Departamento

Leia mais