8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007"

Transcrição

1 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO PARA UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO COM MICROTURBINA A GÁS E CHILLER DE ABSORÇÃO Cláudio M. S.*, André L. S. P., Osvaldo J. V., Manuel A. Rendón * Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI, Avenida BPS, 1303 Itajubá (MG) CEP RESUMO As centrais de cogeração constituídas de microturbinas e equipamento de refrigeração (chillers) por absorção, estão sendo considerados cada vez mais como uma alternativa viável para geração simultânea de eletricidade e frio em diferentes instalações no Brasil. Elas estão se tornando atrativas, especialmente pela economia de energia, devido à possibilidade de recuperação de calor dos gases de exaustão da microturbina, e pela recente descoberta de novas jazidas de gás natural no país. Porém durante a operação de centrais deste tipo, há dificuldades em controlar as variáveis de processo, mantendo-as estáveis, em níveis seguros e com controle total do processo. Por esta razão, o objetivo deste trabalho é desenvolver um modelo de um sistema de controle automático, para o monitoramento de uma central de cogeração instalada nos laboratórios da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Esta central é constituída de uma microturbina a gás Capstone (30 kwe), um recuperador de calor e um chiller de absorção de vapor de LiBr-H 2 O (35 kwt). O sistema de controle desenvolvido neste trabalho permitirá obter maior confiabilidade da instalação e melhor qualidade dos dados aquisitados nos experimentos realizados, demonstrando detalhes de desempenho, características de operação e limites de funcionamento típico, considerando o mercado de energia brasileiro. Palavras chaves: cogeração, chiller de absorção, microturbinas, controle automático. Código 1342

2 INTRODUÇÃO As recentes crises causadas pela escassez de energia, somadas a um cenário de necessidade de controle da poluição e degradação ambiental, intensificam o interesse no estudo da economia da energia primária, o que pode ser obtido a partir da recuperação de energia residual (calor) de processos de geração de eletricidade, integrando sistemas de cogeração. Os sistemas de cogeração compostos de microturbinas a gás e equipamentos de refrigeração por absorção, mais especificamente os chillers, vêm se destacando neste sentido. Importantes estudos têm sido desenvolvidos sobre estes sistemas, dentre os quais se pode citar: Giffone [1] apresenta um modelo que avalia o desempenho dos sistemas de controle de uma central de cogeração constituído por 3 caldeiras com capacidade de 300 t/h de vapor e 2 turbinas a vapor, com capacidade de 130 MWt. Foi desenvolvida uma análise do comportamento transitório do regulador de tensão (controle da tensão e de fator de potência), concluindo que a resposta ao degrau do regulador de tensão operando em controle do fator de potência possui um erro superior ao mesmo regulador operado em controle de tensão. Mehrabian e Shahbeik [2] apresentam o desenvolvimento de um modelo matemático para um sistema de refrigeração por absorção de vapor, do tipo LiBr-Água de único efeito, o qual, segundo os autores, pode ser utilizado para avaliar o desempenho de novos sistemas, bem como otimizar sistemas existentes. Ho et al [3] apresentam resultados de testes realizados num sistema de cogeração constituído por uma microturbina a gás de 30 kwe e um sistema de refrigeração por absorção de vapor, do tipo LiBr-Água, simples efeito, de 10 TR de capacidade frigorífica. São fornecidos dados para a microturbina operando com cargas de 8, 16 e 24 kwe, obtendo um valor máximo de COP do chiller de 0.56 e eficiência do sistema de cogeração de 46 %. Outros autores apresentam conceitos e discussões sobre as técnicas de aproveitamento do calor residual de sistemas de geração de energia, para geração de frio, dentre os quais pode-se citar: khan et al [4], Edera e Kojima [5], Mohanty e Paloso [6]. Assim, tendo em vista a crescente utilização dos sistemas de cogeração (microturbina + chiller de absorção), este trabalho apresenta o desenvolvimento do sistema de controle de uma central de cogeração projetada para a produção simultânea de eletricidade e frio utilizando gás natural como combustível. DESCRIÇÃO DO BANCO DE ENSAIO A central de cogeração instalada nos laboratórios de turbinas a gás do NEST (Núcleo de Estudo em Sistemas Térmicos da Universidade Federal de Itajubá) foi concebida para a produção de água gelada a partir da recuperação da energia dos gases de exaustão de uma microturbina a gás, sendo composta de uma microturbina Capstone modelo 330 (30 kwe, ISO), uma caldeira de recuperação, a qual produz aproximadamente 8 m 3 /h de água na temperatura de 90 ºC, a partir da troca de calor com os gases de exaustão da microturbina. A água quente produzida é utilizada como fonte de energia para acionar um sistema de refrigeração por absorção de vapor, do tipo LiBr-Água de único efeito, de 10 TR (35 kwt) de capacidade frigorífica, fabricado pela Thermax. Este sistema de refrigeração (chiller) é capaz de produzir 5,5 m 3 /h de água gelada a 7 ºC, quando operado na sua condição nominal. A água gelada produzida no chiller é direcionada para um reservatório onde se encontram instaladas resistências elétricas de imersão, que permitem a simulação da aplicação de uma carga térmica sobre o chiller. A Fig. 1 apresenta a central de cogeração, onde pode ser observada a microturbina a gás (1), a caldeira de recuperação (2) e o chiller (3).

3 3 2 1 Fig. 1: Central de cogeração. Dados como, pressão, temperatura e vazão de entrada e saída dos gases de exaustão da microturbina, entrada e saída da água da caldeira de recuperação, entrada e saída do chiller de absorção, foram coletados durante o ensaio, utilizando o software Elipse Scada. Fig. 2: Esquema da montagem, da instrumentação e dos elementos de controle da central de cogeração DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE A Fig. 2 apresenta um esquema da montagem, da instrumentação e os elementos de controle da central de cogeração avaliada neste estudo. O sistema de controle utilizado é constituído de um CLP modelo LC 700 SMAR, o qual tem função de monitorar 10 sensores de temperatura (TT1 a TT10), 3 sensores de vazão (TV1 a TV3) e 3 sensores de pressão (TP1 a TP3), sendo todos com transmissão 4 a 20 ma. Três controladores tipo single-loop, com

4 válvula de três vias e atuador elétrico auto-ajustável ML 7984 Honeywell (V1 ao V3). Um controlador de potência trifásico Watlow, com controle através de corrente (4 a 20 ma), tensão (0-10 V). Um CLP da Siemens que está instalado no chiller, o qual tem a função de controlar a válvula de bypass de água quente (V1). Conta-se ainda com um software de supervisão (Elipse Scada) que possui a função de disponibilizar na forma de telas gráficas as informações recebidas dos sensores, registrando-as e gerando relatórios. O sistema de controle da central de cogeração pode ser dividido em três subsistemas: microturbina, caldeira de recuperação e chiller de absorção. A microturbina possui o seu próprio sistema de controle, que regula a entrada de combustível para combustão em função da potência elétrica solicitada. A caldeira de recuperação também possui o seu próprio sistema de controle, o qual é constituído de um controlador que atua na abertura e fechamento de um damper interno, variando a vazão dos gases de exaustão provindos da microturbina. O sistema de controle do chiller é dividido em três malhas, água gelada, água quente e água de resfriamento. O sistema de controle da malha de água quente monitora a temperatura de saída da água gelada e, consequentemente capacidade do chiller, que é proporcional à diferença de temperatura da água no evaporador do chiller. Quando há variação na temperatura de saída da água gelada devido, por exemplo, a uma mudança na carga frigorífica, um sensor de temperatura (TT6) detecta esta variação e envia um sinal de 4 a 20 ma para o PLC do chiller. Este sinal é processado com referência ao set point de saída da água gelada e em seguida é enviado para a válvula (V1). O circuito eletrônico da válvula converte o sinal analógico de 4 a 20 ma em sinal de corrente continua, alimentando seu próprio motor, o qual movimenta sua haste controlando sua posição de abertura e fechamento. Quando a carga térmica aumenta, o controle da válvula abre, aumentando o fluxo de água quente para o chiller, quando a carga térmica é reduzida o controle da válvula fecha, efetuando o bypass do fluxo de água quente para a caldeira de recuperação. A malha de controle da água de resfriamento, também chamada de água de condensação, tem a função de controlar a temperatura da água na saída da torre de resfriamento. Este controle é constituído por um controlador tipo single-loop Honeywell com uma válvula de três vias e atuador elétrico auto-ajustável, ML 7984 Honeywell (V2), o qual tem a função de desviar a água da torre de resfriamento, através da válvula de três vias (V2), quando a temperatura da mesma estiver menor que a especificada no seu set point. O sistema de controle da carga térmica aplicada sobre o ciclo de refrigeração, foi concebido para monitorar a temperatura do retorno da água gelada. Este sistema é constituído por um controlador tipo single-loop Honeywell com uma válvula de três vias e atuador elétrico auto-ajustável ML 7984 Honeywell (V3), o qual tem a função de desviar a água gelada do banco de resistências, quando a temperatura da mesma estiver maior que a especificada no seu set point. O uso deste sistema permite, por exemplo, simular a carga térmica de um ambiente climatizado. DESCRIÇÃO DO ENSAIO Com a finalidade de obter os detalhes de operação e funcionamento da central de cogeração, iniciou-se o experimento com a microturbina operando com uma carga constante de 21 kwe, utilizando o gás natural como combustível. À medida que os gases de exaustão da microturbina forneciam calor para aquecer a água, na caldeira de recuperação, o sistema de vácuo do chiller foi ativado, para que o mesmo operasse com melhor desempenho. No momento que a temperatura da água na saída da caldeira de recuperação atingiu 70 ºC, foi iniciada a operação do chiller, pois esta temperatura é suficiente para iniciar o processo de evaporação do refrigerante (água) no seu gerador. Aguardou-se o instante em que a água gelada alcançasse a temperatura de 7 ºC, a qual é típica de uma instalação de condicionamento de ar para conforto térmico. A partir deste momento, foram coletadas as medidas mencionadas na descrição do banco de ensaio, obtendo-se a variação das mesmas em função do tempo. DESCRIÇÃO DO MODELO A modelagem do sistema foi desenvolvida utilizando o software MatLab, empregando a técnica conhecida como ARX, ou modelagem auto-regressiva com entradas exógenas. Os modelos ARX são séries temporais discretas, usadas em identificação de sistemas que modelam a relação entre a variável de entrada u (independente) e a de saída y (dependente), a partir de medições reais e subseqüente processamento, gerando um modelo matemático que represente o sistema dinâmico real.

5 Fig. 3: Esquemático da Identificação de Sistemas Pode-se observar na Fig. 3, um diagrama esquemático representando o processo de identificação de sistemas, através do qual se determina a relação entre a variável de entrada u (independente) e a de saída y (dependente). A Fig. 4, apresenta o sistema modelado, onde as variáveis de entrada são a vazão dos gases de exaustão da microturbina (u1) e a diferença de temperatura dos mesmos entre a entrada e saída do recuperador de calor (u2), e as variáveis de saída são a vazão de água gelada (y1) e variação da temperatura da mesma entre a entrada e saída do chiller (y2). Fig. 4: Sistema modelado Os dados obtidos no ensaio experimental foram inseridos no o ambiente de trabalho do software MatLab, utilizando-se a ferramenta System Identification, desse programa computacional, gerando um modelo de melhor performance. Um modelo mais simples e eficaz ARX encontrado foi o de regressão de ordem 1 nas entradas (u1 e u2), ordem 1 nas saídas (y1 e y2) e com atraso de segunda ordem, obtendo Ec. (1) os seguintes resultados: A 0* y( t ) + A1* y( t T ) An* y( t nt ) = B0* u( t ) + B1* u( t T ) Bm* u( t mt ) + e( t ) (1) Onde os valores dos coeficientes são: A 0 = A 1 = 0 1 B 0 = B 1 = B 2 = 1. 0e 003* O modelo utiliza a Ec. (2) para fazer o cálculo do índice de Best Fit que é um valor que relata a porcentagem em que os resultados obtidos a partir do modelo condizem com os dados reais. Con formato: Sangría: Primera línea: 0.4 cm ( Y YHAT ) FIT = 1 * 100 (2) ( Y Y ) ANÁLISE DOS RESULTADOS Os resultados da modelagem são apresentados de forma gráfica como pode-se observar a Fig. 5, apresenta a vazão de água gelada (y1) e da vazão dos gases de exaustão (u1), em função do tempo. A vazão dos gases de exaustão para a microturbina com uma carga constante de 21 kwe, permaneceram entre a faixa de 925 a 946 m 3 /h de gás de exaustão, já a vazão de água gelada variou no início, devido a partida do chiller e tempo em que a temperatura da água gelada saindo do chiller alcançasse o set point (7 ºC), pois a partir deste momento a variação da vazão permaneceu entre a faixa de 5 a 6 m 3 /h.

6 Fig. 5: Vazão de Água Gelada (y1) e vazão dos gases de exaustão (u1) em função do tempo A Fig. 6 apresenta a vazão de água gelada obtida a partir do ensaio experimental e a vazão da mesma obtida a partir do modelo em função do tempo. Como pode-se observar na Fig. 6, a comparação dos resultados do modelo com o resultado experimental, mostrou que o modelo tem um comportamento semelhante ao experimental, apresentando um valor de índice de Best Fit de 42.8 % para saída y1, que é a variável que representa as vazões de água gelada. Fig. 6: vazão da água gelada real e modelo em função do tempo A Fig. 7 apresenta a diferença entre as temperaturas da água no evaporador obtida a partir do ensaio experimental e a mesma obtida a partir do modelo em função do tempo, apresentando um valor de 53.2 % para índice de Best Fit, para a variável de saída y2, variável que representa a diferença entre as temperaturas de água no evaporador.

7 CONCLUSÕES Fig. 7: Diferença entre as temperaturas da água no evaporador, real e modelo em função do tempo O sistema de controle desenvolvido para esta central de cogeração, exerceu a função de controlar todas as variáveis apresentadas na descrição do banco de ensaio, de forma satisfatória, garantindo maior confiabilidade da instalação e melhor qualidade dos dados aquisitados. A comparação dos resultados obtidos a partir do modelo com os respectivos dados experimentais, Fig. 6 e Fig. 7, demonstra que o modelo tem um comportamento satisfatório, mostrando a tendência da central com resultados de grande valia para simulação desenvolvida. Os valores de Best Fit, mencionados na analise dos resultados, também apresentaram-se satisfatórios, sendo de 48.2 para saída y1 e 53.2 para saída y2, pois estes valores representam a porcentagem que o modelo condiz com os dados reais. REFERÊNCIAS 1. G. S. G. Miguel, Desempenho de Sistemas de Controle de Unidade Térmica, M.Sc. dissertação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, M. A. Mehrabian y A. E. Shahbeik, Thermodynamic Modeling of a Single-effect LiBr-H2O Absorption Refrigeration Cycle. Energy Conversion and Management, vol. 44, pp , J. C. Ho, K. J. Chua e S. K. Chou, Performance Study of a Microturbine System for Cogeneration Application. Renewable Energy, vol. 29, pp , K. H. Khan, M. G. Rasul y M. M. K. Khan, Energy Conservation in Buildings: Cogeneration and Cogeneration Coupled With Thermal Energy Storage. Applied Energy, Vol. 77, pp , M. Edera y M.Kojima, Development of a New Gas Absorption Chiller Heater-Advanced Utilization of Waste Heat from Gas-Driven Co-Generation Systems for Air-Conditioning. Energy Conversion and Management, vol. 43, pp , B. Mohanty y, G. Paloso, Enhancing Gas Turbine Performance by Intake Air Cooling Using an Absorption Chiller. Heat Recovery Systems and CHP. Vol. 15, p , UNIDADES E NOMENCLATURA LiBr CLP TT Brometo de Lítio. Controlador Lógico Programável. Transdutor de Temperatura.

8 TV V Transdutor de vazão. Válvula de Três vias

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE UMA BANCADA DE COGERAÇÃO BASEADA EM UMA MICRO-TURBINA À GÁS NATURAL

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE UMA BANCADA DE COGERAÇÃO BASEADA EM UMA MICRO-TURBINA À GÁS NATURAL Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS ANÁLISE TERMODINÂMICA DE UM SISTEMA COMPACTO DE COGERAÇÃO UTILIZANDO MICROTURBINA A GÁS NATURAL Claudio P R Rücker, Edson Bazzo Universidade Federal de

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 09 de Setembro de 2010. 2 2 3 3 4 4 5 5 Papel da Comgás no Mercado

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Fórum Cogen / Canal Energia Geração Distribuída e Cogeração de Energia - Novo Ciclo de Desenvolvimento Marco Antonio Donatelli 1/8/2013 Cogeração - uma resposta

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL alvaro antonio ochoa villa (Universo) ochoaalvaro@hotmail.com Helder Henrique Lima Diniz (Universo) helder.diniz@terra.com.br

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de:

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE Introdução Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: a) Um medidor, que reage as variações da variável controlada;

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos RECUPERAÇÃO DE CALOR em processos industriais Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos A RECUPERAÇÃO DO CALOR ECONOMIZA ENERGIA PRIMÁRIA Em várias

Leia mais

Uma empresa do Grupo BG

Uma empresa do Grupo BG Uma empresa do Grupo BG Gás Natural. Esse é o nosso negócio BG Group no mundo Argentina Bolivia Brasil Uruguai Trinidade E Tobago Egito Irlanda Tunísia Palestina Reino Unido Itália Israel Cazaquistão Quatar

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída Centro de Treinamento de Operadores de Centrais Termelétricas Prof. Dr. Osvaldo José Venturini (responsável pelo

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO DE SIMPLES EFEITO UTILIZANDO H 2 O-LiBr

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO DE SIMPLES EFEITO UTILIZANDO H 2 O-LiBr UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

CHECK LIST PARA AQUISIÇÃO DE AUTOCLAVE À VAPOR

CHECK LIST PARA AQUISIÇÃO DE AUTOCLAVE À VAPOR Informações Principais Registro no Ministério da Saúde Capacidade em Litros Dimensões externas (L X A X P) Peso do equipamento Dimensões da câmara (L X A X P) Dispõe de jaqueta Tipo de aço da câmara Tipo

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta?

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta? Perguntas: 1. 2. 3. Entendemos que o processo de mudança será realizado através do CMDB atual e que esta mudança deverá ser refletida na solução de DCIM. Além deste processo haverá alguma outra forma de

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006

CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006 CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006 Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0099 www.tuma.com.br TÓPICOS DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS 1- INTRODUÇÃO E CENÁRIO ATUAL Em frentes variadas da Ciência e da Tecnologia, cientistas e engenheiros, buscam soluções para o Planeta.

Leia mais

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima.

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima. A TUMA Desde 1971 no segmento de engenharia térmica e ar condicionado, a TUMA desenvolve projetos com alto nível técnico, visando atender as particularidades de cada cliente e atingir um elevado nível

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL.

TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL. NOVA LINHA TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO O novo grau de conforto. VOCÊ PEDIU E A RHEEM ATENDEU Linha Completa de

Leia mais

Controle de Processos: Introdução

Controle de Processos: Introdução Controle de Processos: Introdução Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Panorama da engenharia de controle

Leia mais

Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras

Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras Apresentador Marcos Aurélio de Souza UNIFEI/IEM Av. BPS 103, Bairro Pinheirinho Itajubá MG - CEP 37500-903 Tel: (35) 3629 1388 Fax: (35) 3629 1265 E-mail:

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO GL-T540 Painel de Controle MANUAL PARA OPERADOR Maio 2005 Rev. BI Versão Software: 1.1 SUMMARIO 1) INTRODUÇÃO... 03 1.1) Introdução... 03 1.2) Painel de Controle...

Leia mais

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA 1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA PALESTRANTE Eng. Tulio Marcus Carneiro de Vasconcellos Formado em Engenharia Mecânica pela UFMG

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL BASEADA NA DISPONIBILIDADE DE RESÍDUOS ENERGÉTICOS PARA A PRODUÇÃO DE FRIO

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL BASEADA NA DISPONIBILIDADE DE RESÍDUOS ENERGÉTICOS PARA A PRODUÇÃO DE FRIO SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL BASEADA NA DISPONIBILIDADE DE RESÍDUOS ENERGÉTICOS PARA A PRODUÇÃO DE FRIO Jurandir Crispiniano Viana de Andrade Carlos Antonio Cabral dos Santos Celina Maria Ribeiro Varani Universidade

Leia mais

Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema. Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br

Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema. Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br Cogeração: Definição Cogeração é a produção simultânea de energia elétrica

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha a Gás de Passagem para Banho. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha a Gás de Passagem para Banho. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha a Gás de Passagem para Banho Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Aquecedor de água para banho a gás de passagem para uso residencial ou comercial.

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ANÁLISE EXERGOECONÔMICA DE UM CHILLER DE ABSORÇÃO DE 10TR INTEGRADO A UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO COM MICROTURBINA A GÁS

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade

Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade Aluno: Igor Magalhães de Oliveira Velho Orientadores: José Alberto dos Reis Parise Mario Fernando Fariñas Pino Introdução A procura por sistemas

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação.

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação. FORNO CREMATŁRIO JUNG - CR270012 1 2 Obs.: As imagens acima são meramente ilustrativas. O equipamento das fotos é semelhante ao modelo cotado, entretanto, sua aparência, acessórios e funcionalidade podem

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO

MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO ANÁLISE DO COP DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR COMPRESSÃO DE VAPOR COM TUBO CAPILAR E VALVULA ELETRÔNICA

Leia mais

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Trabalho apresentado no CMAC-Sul, Curitiba-PR, 2014. Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Claudio da S. dos Santos, Sandra E. B. Viecelli, Antonio C. Valdiero,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Os principais sistemas de refrigeração são listados a seguir: Sistema de refrigeração por compressão; Sistema de refrigeração por absorção;

Leia mais

CASES DE SUCESSO ECOGEN

CASES DE SUCESSO ECOGEN CASES DE SUCESSO ECOGEN Fórum Cogen-SP/CanalEnergia Oportunidades para Cogeração a Gás e Biomassa Nelson S. Cardoso de Oliveira São Paulo, 22 julho 2008 Nascendo Forte Início da Operação: 09/07/2008 Aquisição

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO COM FLUIDO SECUNDÁRIO TERMOACUMULADO PARA CÂMARA DE ESTOCAGEM DE ALIMENTOS RESUMO JULIANO JOSÉ FIORI 1, MARCIU JOSÉ RENO 2, NATÁLIA BELCHIOR, VIVALDO SILVEIRA JÚNIOR

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá Trabalho de Conclusão de Curso Análise comparativa entre os aquecedores solares industrial

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 1 Avaliação de Desempenho Energético em Tempo Real Presented by Petrobras Objetivo Construir uma ferramenta capaz de monitorar a eficiência energética das unidades termoelétricas em tempo real e inferir

Leia mais