ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL"

Transcrição

1 ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL alvaro antonio ochoa villa (Universo) Helder Henrique Lima Diniz (Universo) Este trabalho tem como finalidade a análise financeira de um sistema de microgeração de energia, conformado por uma microturbina, um chiller de absorção, trocador de calor e uma torre de resfriamento, para o fornecimento de energia elétricaa e térmica para uso residencial. A ideia principal é o estudo de viabilidade econômica a traves dos parâmetros econômicos tais como: valor presente líquido (VPL), tempo de retorno do capital investido, e da taxa interna de retorno, em função dos anos do investimento. Foi desenvolvida uma metodologia computacional na plataforma EES-32 (Engineering Equation Solver), para avaliar a influência dos custos e receitas geradas no sistema de geração de energia. A modelagem financeira baseia-se nos princípios da engenharia econômica a traves dos fluxos de caixa ao longo do tempo do investimento verificando os lucros gerados e os custos necessários para a operação e manutenção da planta de geração de energia, verificando as economias realizadas com o reaproveitamento dos gases rejeitados pela turbina como fonte de energia para produzir energia térmica de climatização, além da exportação de energia elétrica. Entre os principais resultados ressaltase o tempo de retorno do capital de 6 anos, com uma taxa interna de retorno de 39,13%, sendo esta muito maior que a taxa mínima atrativa (12%) escolhida para avaliar o sistema, fornecendo como conclusão final a aprovação no investimento, segundo estes parâmetros financeiros. Palavras-chaves: Cogeração, engenharia econômica, valor presente líquido.

2 1. Introdução A, cada vez maior, valorização dos aspectos ambientais e de sustentabilidade energética dos sistemas produtivos, ocasionaram uma preocupação com a racionalização e a otimização da energia com o propósito de aproveitar mais eficientemente o consumo energético. O uso mais eficiente da energia encontra na cogeração de energia um excelente aliado, como por exemplo, o aquecimento de água para a produção de água gelada, que servirá como energia de climatização. O uso de cogeração em na área de refrigeração está fortemente ligado aos sistemas de absorção, que usam a energia térmica para produzir frio, geralmente, para acondicionar espaços físicos, sem a necessidade de usar grande consumo de energia elétrica Vidal et al, (2006). O incremento nas tarifas elétricas tem levado à busca de melhores sistemas que ajudem à economia, além de aumentar a eficiência dos equipamentos que são utilizados para o conforto humano ou para qualquer outro processo industrial onde a eletricidade exerce um papel importante na estrutura econômica. Isto levou à utilização de novos sistemas térmicos com estas características mencionadas, entre eles; os Chillers de absorção, os quais têm como principal beneficio a utilização da cogeração, reutilizando o calor rejeitado por outros processos. A análise financeira, baseados nos custos energéticos através do Valor Presente Líquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR) e o Payback, permitem decidir se a cogeração é viável e, auxilia na escolha da tecnologia a ser implantada. Na instalação dos sistemas de cogeração existem três formas operacionais fundamentais: a primeira quando a unidade funciona como fornecedor de energia elétrica correspondendo à base do diagrama de carga elétrica e energia térmica produzida, sendo qualquer carência complementada com energia adquirida pela empresa pública fornecedora de eletricidade e a energia térmica produzida por outros componentes secundários; um segundo caso, quando o sistema opera exclusivamente para gerar energia elétrica em excesso comparativamente às necessidades da planta, sendo o excedente vendido à rede, enquanto que a geração de calor é utilizada para processo especifico no edifício ou local da planta; e finalmente, quando pode funcionar como fornecedor de energia elétrica para toda a planta, com ou sem exportação de eletricidade excedente à rede pública, sendo sua energia térmica produzida utilizada para processos da planta e possível venda para clientes ou plantas externas. 2. Metodologia de análise O objetivo deste sistema de geração de energia, mostrado na figura 1, é o reaproveitamento da energia rejeitada através dos gases da combustão ao ambiente pela microturbina, os quais são a fonte primária para o aquecimento da água quente que circula pelo chiller de absorção, para sua operação, e deste modo, poder gerar água gelada para o processo de resfriamento (climatização). 2

3 Este sistema de cogeração é basicamente composto por uma microturbina Capstone modelo 330 com capacidade nominal de 30 kw de energia (condições ISO), um recuperador de calor (trocador de calor de contracorrente, de fabricação local, Correia, 2006), bombas de circulação, um chiller de absorção e uma torre de resfriamento (Segundo os dados mencionados anteriormente) Análise Financeira Figura 1 Sistema de absorção integrado a um conjunto de cogeração A finalidade desta análise é fornecer os elementos para uma melhor compreensão de comparação entre alternativas de projeto em função dos lucros oriundos do mesmo Custos envolvidos na análise financeira de projetos de cogeração O custo total de qualquer instalação é função de diferentes custos parciais como: i. O custo de investimento ( ): o qual representa a soma dos custos de aquisição de equipamentos e maquinaria de energia térmica e geração de energia elétrica, de armazenagem de combustível, recuperadores de calor, mão-de-obra, instalações específicas do edifício, tubulações, cabeamento, sistemas de controle e de segurança, ou seja, além de todos os trabalhos referidos à engenharia e respectivos estudos. ii. Os custos de operação e manutenção: representam os custos devido ao combustível do componente principal motriz de geração de energia (elétrica e térmica) e consiste no maior custo operacional. Acrescentado um balanço aplicado aos custos com a eletricidade, entre as receitas resultantes (lucros) das vendas de excedentes à rede e as despesas com aquisições à rede. Os custos com mão-de-obra e peças sobressalentes são calculados para a manutenção periódica do sistema, e adicionam-se aos custos operacionais. iii. Custos adicionais: Eles se referem aos outros custos consideráveis na análise econômica para a determinação de melhores resultados. Para sua estimação poder ser tomada os dados de compras anteriores, ou a informação fornecida por relatórios sobre o projeto a dimensionar. É 3

4 importante lembrar, que estes dados, são muitos difíceis de obter ou achar. A tabela 1 mostra valores percentuais que podem ser utilizados em caso não possuir suficiente informação, uma boa aproximação é a utilização da tabela como referência para outros projetos. iv. Custos Totais: Resultam da soma dos custos fixos e variáveis, entre eles os custos antes mencionados, além dos custos devido aos impostos e empréstimos solicitados para a operação da planta. Tabela 1 - Valores percentuais sobre os custos envolvidos em analise econômicos de projetos. Custos Diretos Tipo de Custos Faixa de valores em função do investimento inicial Compra de equipamentos adicionais % Instalação dos equipamentos 6 14 % Tubulações 3 20 % Instrumentação e controle 2 8 % Equipamentos e materiais elétricos 2 10 % Terreno 0 2 % Trabalho civil, arquitetura e estrutura 5 23 % Serviços 8 20 % Custos indiretos Engenharia e supervisão 4 21 % Construção e montagem 6 22 % Contingências 5 20 % Outros custos Custos de partida da planta 5 12 % Capital de operação % (1) Fonte: Bejan et al (1996) Receitas do investimento As receitas consideradas são aquelas obtidas anualmente até o final do projeto, e geradas pelo custo da energia evitada ou consumida. Refere-se à economia no consumo de energia pela decisão de aplicar em um sistema de geração convencional ou cogeração. As receitas de investimentos são determinadas pela diferença dos custos operacionais anuais entre as duas formas de geração de energia. É importante lembrar que no caso do chiller de refrigeração por absorção é suprida por energia térmica, eliminando quase em totalidade a energia elétrica consumida por um chiller de refrigeração por compressão mecânica. Daqui a importância do uso destes equipamentos para a economia elétrica da planta, sendo esta economia de energia elétrica excedente, ser convertida em receitas do projeto (Ochoa, 2010). (2) 4

5 (3) (4) (5) (6) Onde, : Energia total produzida pela planta [kw-hr]; : Potência gerada pela planta [kw]; : Tempo de operação anual [hr]; : Energia consumida pela planta em geral [kw-hr]; : Fator de energia consumido pela planta [-]; : Energia exportada ou vendida às concessionárias [kw-hr]; : Fator de venda dado pelas concessionárias às empresas exportadoras de energia excedente [R$/MW-hr]; : Potência do sistema de refrigeração por absorção [kw]; : Tarifa elétrica que seria cobrada pela concessionária para o consumo elétrico de um chiller de compressão [R$/kWhr]; : Receita devido à energia excedente vendida às concessionárias [R$/ano]; e, : Receita devido à economia de energia elétrica ao usar o sistema de refrigeração por absorção, ou seja, energia que seria gasta pelo mesmo sistema de refrigeração por compressão mecânica [R$/kW-hr]. A metodologia de análise financeira envolve custos e receitas ao longo dos anos, ou seja, a diferença entre os recebimentos e gastos do investimento ao longo de um determinado tempo, que representa o denominado fluxo de Caixa. 3. Métodos de avaliação econômica de projetos. Como foi dito anteriormente, para a avaliação econômica do projeto foram selecionados como parâmetros para a toma de decisão final do projeto, o VPL, TIR e o payback Tempo de retorno do capital investido (Payback) Representa o método que determina o tempo em que a soma das receitas provenientes de determinado projeto reproduz o total do capital investido para sua implantação (Hirschfeld, 2007). O PayBack, tempo em que o investimento inicial ( ), é equivalente ao numero de receitas anuais ( ), é determinado por: (7) Sendo a forma mais correta de calcular o tempo de recuperação da capital quando o VPL troca de sinal negativo para positivo (Ochoa, 2010). 5

6 3.2. Valor presente líquido (VPL) É um método utilizado para longo prazo o qual é fundamentado no conceito do valor da soma de todos os investimentos e receitas referenciados a uma única data pela taxa de juros. No projeto, o investimento é único, e realizado na data inicial (Barros, 2006). As receitas anuais traduzem o custo da energia evitada, são acrescidas, no decorrer do tempo, taxa de crescimento do custo da energia elétrica. Este é o parâmetro financeiro mais usado no meio empresarial, devida a fácil assimilação, pois como o próprio nome indica, o VPL representa os valores dos fluxos de caixa trazidos para data atual (Ochoa, 2010). (8) O termo i da eq. 8 corresponde à taxa de atratividade usada por quem fará a análise do investimento. Para a maioria das empresas é comum adotar essa taxas mínimas aparentes de atratividade, ou seja, taxas de aplicação no mercado financeiro, tais como: Poupança, CDB, RDB, FIF, etc. Para a decisão da viabilidade do projeto a partir do VPL é realizada da seguinte maneira: para um VPL maior que zero ( ), o capital investido, será recuperado e ainda com resultado de caixa superior ao previsto com a taxa mínima atrativa (TMA); e, para um VPL menor que zero ( ), o capital investido, não será recuperado, portanto o projeto não será economicamente viável Taxa interna de retorno (TIR) Representa uma taxa equivalente de juros que, aplicada aos valores do fluxo de caixa e referenciada à data de inicio do projeto, torna o valor presente liquido. O critério de viabilidade econômica é que a taxa interna de retorno seja superior à taxa de investimento, ou de atratividade para o usuário ou investidor (Hirschfeld, 2007). Esta taxa é determinada, aplicando a definição de balanço monetário, o investimento inicial e os fluxos de caixa devem ser igualados a zero, ou seja, é a taxa necessária para igualar o valor do investimento inicial com os respectivos saldos do empreendimento (Ochoa, 2010). (9) Para a avaliação de o investimento através desse parâmetro, compara-se com a TMA, sendo: ; o investimento é atrativo do ponto de vista financeiro; ; o investimento é indiferente; e, ; o investimento não é atrativo do ponto de vista financeiro. 4. Resultados da análise Econômica 6

7 A análise econômica foi realizada considerando o sistema de cogeração, para determinar os custos principais de gerar energia elétrica e água gelada para o processo de climatização, além de visualizar o investimento ao longo dos anos. A primeira parte analisa os custos visando a analise financeira energética e posteriormente visando a análise exergoeconômica. Os dados relacionados à analise econômica visando a energia, foram selecionados os custos estabelecidos segundo (Bejan. et al., 1996). Além foi tomado como referencia o percentual para o custo devido a operação e manutenção fornecido pela literatura (Bereche, 2006). Outros dados usados na simulação econômica do chiller de absorção integrado ao sistema de cogeração de energia estão colocados na tabela 2. Estes custos foram estabelecidos para os fluxos de gás natural, da água de alimentação e da eletricidade, sendo fornecidos pelas tarifas cobradas pelas empresas de água, eletricidade e gás natural da cidade de Recife. (Compesa, Celpe, Copergas. As tarifas consideradas para os custos de eletricidade, água e gás natural são do tipo comercial, já que a ideia principal deste sistema é a cogeração para estruturas comerciais e residenciais). Essas tarifas foram selecionadas para o ano Tabela 2 - Valores cobrados pela empresa de eletricidade, água e gás natural de Recife, valores obtidos para o ano vigente. Empresa Compesa [R$/m 3 ] Celpe [R$/kW-hr] Copergas [R$/m 3 ] Valores 1,17 0,4987 1,1151 Fonte: Compesa, Copergas e Celpe. Nesta análise econômica, a taxa de juros foi selecionada de 12 % ao ano, para um período de 20 anos. Estes dados são valores demonstrativos para a análise do sistema. (Bereche, 2007, Santos, 2005). Os cálculos foram realizados para 8000 horas de funcionamento por ano (Bereche, 2007 e Santos, 2005). A tabela 3 mostra os valores dos principais componentes do sistema de cogeração, ou seja, o investimento inicial de cada equipamento. Os valores são baseados segundos os fornecedores dos equipamentos (Alpina, Capstone, Yazaki Energy systems). Esses valores foram tomados diretamente dos fabricantes indicados para o ano de compra (2005) do chiller, micro-turbina, tanque e torre de resfriamento. Tabela 3 - Investimento inicial de cada componente que integra o sistema de cogeração. Componente Valor (R$) Micro-turbina ,00 Recuperador (trocador) 14000,00 Chiller de Absorção (WFC-SC10) 80000,00 Torre de Resfriamento 7000,00 7

8 Primeiramente, foram necessários vários dados econômicos para esta análise, entre eles tem-se: i. O fator de venda dado pelas concessionárias às empresas exportadoras de energia excedente ( ), para calcular as receitas devido ao excedente de energia elétrica. Dito valor é importante na determinação da viabilidade de vender a energia elétrica às concessionárias. Este valor é fornecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que promove leilões de venda. Foi selecionada o valor de 0,170 R$/kW-hr (Ochoa, 2010). ii. O Percentual da energia consumida pela própria planta de cogeração,, Foi selecionado o valor de 10% fornecido pela literatura (Ochoa, 2010). iii. A tarifa elétrica que seria cobrada pela concessionária para o consumo elétrico de um chiller de compressão ( ); Neste caso, foi determinado mediante a seleção de uma unidade de refrigeração da mesma capacidade, ou seja, 35 kw, e calculando o consumo médio utilizado pela unidade. Para determinar o valor desta tarifa foi necessário avaliar o custo do investimento inicial dessa unidade. As seguintes equações apresentam esta metodologia. (10) (11) O valor do preço estimado foi em 1,9 R$/kW-hr. Esta receita fornece economia do consumo geral de energia elétrica que esta sendo aproveitado para a geração de água gelada para o processo de refrigeração. A tabela 4 mostra os resultados gerais para a análise financeira aplicada ao chiller de refrigeração por absorção integrado ao sistema de cogeração. Pode visualizar-se que o empreendimento é viável economicamente, já que os diferentes parâmetros econômicos, VPL, Payback e TIR, atingiram valores superiores aos mínimos estabelecidos pelos bancos mencionados anteriormente. Para esta configuração de tarifa de água gelada, a economia devido ao uso do sistema de absorção sobre o mecânico, o tempo real de recuperação da capital será de 4 anos, com uma TIR de 39,13%. Tabela 4 - Resultados dos parâmetros de viabilidade econômica para o chiller de refrigeração por absorção integrado ao sistema de cogeração Parâmetros Valores Taxa interna de Retorno (TIR) [%] 39,13 Valor presente líquido (VPL) [R$] Payback [anos] 6 As figuras 2 e 3 mostram os resultados de algumas variações de parâmetros econômicos que influenciam a análise financeira. Primeiramente a variação da tarifa economizada pelo sistema de refrigeração por absorção, e seu respectivo VPL. Pode observar-se na figura 2, que o tempo de retorno ou 8

9 recuperação da capital ocorrerá para o sexto ano, sendo esta informação positiva para a avaliação do projeto de usar o chiller de absorção como sistema de refrigeração. A economia fornecida pelo uso deste equipamento ou tecnologia permite gerar grandes economias que serão convertidas em receitas para o projeto, e desta forma gerar lucros líquidos para o empreendimento. Figura 2 - Variação do VPL para diferentes valores de tarifa economizada devido ao uso do sistema de refrigeração por absorção, em vez do uso de sistemas mecânicos de refrigeração. A figura 3 mostra a variação da taxa interna de retorno em função da taxa de economia da energia consumida pelo mesmo sistema de refrigeração mecânica no sistema de cogeração. Os limites desta taxa foram estabelecidos a partir do critério mostrado no inicio, ou seja, o consumo de eletricidade necessário para acionar um sistema de refrigeração com a mesma capacidade. Pode observar-se que a medida esta tarifa tende ao valor máximo de consumo, também há um aumento da taxa interna de retorno, mas a partir deste valor máximo, seria mais rentável o uso do sistema de refrigeração mecânico, por isso, é recomendável manter valores baixos com taxas internas mais baixas, sendo mais lucrativos desde o ponto de vista energético. 9

10 Figura 3 - Variação do TIR para diferentes valores de tarifa economizada devido ao uso do sistema de refrigeração por absorção, em vez do uso de sistemas mecânicos de refrigeração. Finalmente, é avaliado o VPL e o PayBack, mostrado na figura 4, como parâmetros significativos na análise de viabilidade econômica. Para isto, foram selecionados vários valores da tarifa de consumo elétrico, dentre da faixa previamente determinado, para verificar os tempos de recuperação da capital. Figura 4 - Variação do VPL para diferentes valores de tarifa economizada devido ao uso do sistema de refrigeração por absorção, em vez do uso de sistemas mecânicos de refrigeração, com a finalidade de visar o tempo de recuperação da capital 5. Conclusões 10

11 Esta análise economica do sistema de micro geração de energia, usando a cogeração mediante o reaproveitamento dos gases de combustão para o acionamento do chiller, permitiu determinar os custos monetarios envolvidos no processo, o valor presente líquido, a taxa interna retorno, além do tempo de recuperação da capital para o sistema, portanto, avaliar a viabilidade financeira do empreendimento. Em referência ao sistema de cogeração, a eficiência energética permitiu verificar que o reaproveitamento dos gases da combustão para acionar o chiller de absorção é uma tecnologia viável para produzir água gelada sob o ponto de vista energético; Segundo os parâmetros financeiros aplicados na análise financeira, o tempo de recuperação da capital será de 6 anos, com uma tir de 39,13 % e um VPL de R$ ,00, determinando que o empreendimento seja, economicamente, viável; Este tempo de recuperação de capital, permite que o capital recuperado possa ser investido novamente, para a ampliação do sistema, com o objetivo de gerar novas receitas e estabelecer um melhor funcionamento técnico e econômico do projeto. Referências BEJAN A., TSATSARONIS G., MORAN M., Thermal design and optimization, Estados Unidos:John Wiley &Sons Inc., 542p, BERECHE R. Avaliação de sistemas de refrigeração por absorção H2O/LiBr e sua possibilidade de inserção no setor terciário utilizando gás natural. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica). Universidade Estadual de Campinas. Unicamp, São Paulo, CORREIA C. R. Relatório de estágio Curricular. Universidade Federal de Pernambuco. UFPE. Recife HIRSCHFELD HENRIQUE, Engenharia Econômica e análise de custos, Editora Atlas. São Paulo, Brasil, MISRA, R.D.; SAHOO P. K., GUPTA A., Thermoeconomic optimization of a single effect water/libr vapour absorption refrigeration system. International Journal of Refrigeration, n. 26, p , OCHOA V., A. A., Estudo econômico de um sistema de refrigeração por absorção baseado na segunda lei da termodinâmica usando energia de cogeração para a produção de água gelada. V SEPRONE Maceió, AL, Brasil

12 SANTOS SILVA C. M. Análise exergoeconômica de uma unidade de cogeração a gás natural com refrigeração por absorção. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica). Universidade Federal da Paraíba, UFPB João Pessoa, TOMASZ M. MRÓZ., Thermodynamic and economic performance of the LiBr H2O single stage absorption water chiller. Applied Thermal Engineering, 26 (2006) VIDAL, R. BEST, R. RIVERO, J. CERVANTES., Analysis of a combined power and refrigeration cycle by the exergy method. Energy ,

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Aproveitamento da energia da água de chillers

Aproveitamento da energia da água de chillers Aproveitamento da energia da água de chillers Gessen Souza Teixeira¹ Michel Brondani 2 Ademar Michels³ Flávio Dias Mayer 4 Ronaldo Hoffmann 5 Resumo: Apesar de grande parte da matriz energética brasileira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

escoamento multifásico Abril 2013

escoamento multifásico Abril 2013 Seminário do grupo de escoamento multifásico Abril 2013 1 Carlos Marlon Silva Santos Email: carlosmarlon@hotmail.com carlosmarlon@sc.usp.br Fone :16 8251-7735 2002- Graduação Engenharia Mecânica - UFBA

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 26 de Maio de 2010. Matriz Energética Brasileira 2

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implementação de Sistemas de Aquecimento Solar nos Chuveiros e Piscina da AACD Centro

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS Projeto de Iniciação Científica MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS COM COMBUSTÃO EXTERNA Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Batista de Mello Departamento: Engenharia Mecânica Candidato: José Augusto

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

Energética. Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento

Energética. Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento 3º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento 28/06/2006 Iqara Energy 13 Contratos (7,6 MW - 4.000 TR - 15,0 milhões

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC Abstract: The actions to be adopted for solution of reactive excesses are in a way mechanized now, because this is a

Leia mais

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR GERÊNCIA DE SANEAMENTO BÁSICO Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR Goiânia, Abril de 2015 Estudo da Revisão Tarifária Ordinária de 2015 GESB/AGR 1 Sumário 1. Introdução 4 2. Da Competência

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA Artigo referente à dissertação apresentada à Escola Politécnica da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PARA UMA EMPRESA DO RAMO DE TRANSPORTE ALEXANDRO

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi 2000 OBJETIVO Capacitar os participantes a analisar a viabilidade econômica e financeira

Leia mais

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL)

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) A análise de novos investimentos pelo IL Qual a taxa mínima de lucratividade de um projeto? Como determinar o IL ideal de um novo investimento? Francisco Cavalcante

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO

ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO Valéria C. Gonzaga / Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais/vgonzaga@tce.mg.gov.br RESUMO A concessão de serviços

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br ESTUDO DE VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Projeto de viabilidade É um projeto de estudo e análise, ou seja, é um projeto que procura verificar a

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais

SECURITIZAÇÃO CONTRA FALHAS EM USINAS TÉRMICAS A GÁS EM SISTEMAS HIDROTÉRMICOS

SECURITIZAÇÃO CONTRA FALHAS EM USINAS TÉRMICAS A GÁS EM SISTEMAS HIDROTÉRMICOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAE-2 9 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS GAE SECURITIZAÇÃO CONTRA

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Motivação para Eficiência Energética

Motivação para Eficiência Energética Eficiência Energética em Edifícios O potencial de redução de consumo de energia em edifícios antigos e as perspectivas dos novos projetos Palestrante: Engº Profº Luiz Amilton Pepplow UTFPR-CT Motivação

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ANÁLISE DE VIABILIDADE DA ADOÇÃO DO GÁS NATURAL: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA TÊXTIL Lima M.S.O.*, Rebelatto D.A.N.º

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

EnergyWorks Brasil. Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia. São Paulo 11 de Novembro de 2004.

EnergyWorks Brasil. Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia. São Paulo 11 de Novembro de 2004. EnergyWorks Brasil Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia São Paulo 11 de Novembro de 2004 EnergyWorks Uma empresa comprometida como outsourcing de utilidades 2 Uma das empresas

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR Bruno Cesar Linhares (UFRN ) brunoclcs@yahoo.com.br Mariama Saskya Araujo da Silva (UFRN ) mariama.saskya01@gmail.com Gilberto Alves

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio CONTABILIDADE E FINANÇAS ACI ATIVIDADE CURRICULAR INTERDISCIPLINAR Competências a serem trabalhadas... Planejamento

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 4 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Técnicas de Análise Financeira CMPC Custo Médio Ponderado de Capital. Relação custo-benefício. Valor presente. Valor presente

Leia mais

PLANO DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO:

PLANO DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO: PLANO DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO: Estudo de caso de viabilidade econômica de implantação de empresa de redes de proteção com utilização de fios de material reciclado de garrafas de politereftalato de etileno

Leia mais

Análise da Viabilidade Financeira de Um Projeto de Investimento Para Implantar Uma Empresa de Serviços Contábeis Virtuais

Análise da Viabilidade Financeira de Um Projeto de Investimento Para Implantar Uma Empresa de Serviços Contábeis Virtuais Análise da Viabilidade Financeira de Um Projeto de Investimento Para Implantar Uma Empresa de Serviços Contábeis Virtuais FABIANO MAURY RAUPP ROSIMERE ALVES DE BONA PORTON ILSE MARIA BEUREN Resumo: O objetivo

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

Comparação de Projetos de Inves3mentos

Comparação de Projetos de Inves3mentos Parte II ENGENHARIA ECONÔMICA Comparação de Projetos de Inves3mentos Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Análise de Investimentos Introdução Método do Valor Anual Uniforme Equivalente

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO PARA UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO COM MICROTURBINA A GÁS E CHILLER

Leia mais

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Fórum Cogen / Canal Energia Geração Distribuída e Cogeração de Energia - Novo Ciclo de Desenvolvimento Marco Antonio Donatelli 1/8/2013 Cogeração - uma resposta

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Índice. Orçamento 2016 APRESENTAÇÃO

Índice. Orçamento 2016 APRESENTAÇÃO Índice APRESENTAÇÃO Página 1 - Conceitos Importantes e Metodologia de Apuração dos Valores da Proposta Orçamentária Página 2 - Comentários sobre o QUADROS Club Athletico Paulistano 1 -Resumo do Resultado

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA Rafael Ribeiro Gaia (Unifran) rafael.gaia@unifran.edu.br Gabriela Azevedo Motta (Unifran) gabriela@dep.ufscar.br

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS ANÁLISE TERMODINÂMICA DE UM SISTEMA COMPACTO DE COGERAÇÃO UTILIZANDO MICROTURBINA A GÁS NATURAL Claudio P R Rücker, Edson Bazzo Universidade Federal de

Leia mais

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARTE V ANÁLISE DE INVESTIMENTO FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é uma série de pagamentos ou de recebimentos ao longo de um intervalo de tempo. Entradas (+) Saídas (-) Segundo Samanez (1999), os fluxos de

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia 1 MOTIVAÇÃO Geração Descentralizada é uma realidade em muitos países; É apontada como o

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

VI Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica

VI Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA IMPLANTAÇÃO DE INCINERADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO DE BAURU Adailton Pereira de Brito Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

! " " #$%& '' " ()* + (,-. ) / -) 3-45 5 85 7$9: @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D

!   #$%& ''  ()* + (,-. ) / -) 3-45 5 85 7$9: @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D ! " " #$%& '' " ()* + (,-. ) / -) 0 12 3-45 5 65 7 85 7$9: ;'-'))? @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D 0 12 Um investimento pode ser caracterizado genericamente como um sacrifício feito

Leia mais

VIABILIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO URBANAS BASEADO NA REN 482/12

VIABILIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO URBANAS BASEADO NA REN 482/12 ISSN 1984-9354 VIABILIDADE DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO URBANAS BASEADO NA REN 482/12 Jamson Justi (UFMS) Jéferson M. Ortega (UFMS) Edrilene B. L. Justi (ANHANGUERA)

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

( ) 3.2. Análise Econômica da Energia ( ) 3.2.1. Conceitos Iniciais

( ) 3.2. Análise Econômica da Energia ( ) 3.2.1. Conceitos Iniciais 3.2. Análise Econômica da Energia 3.2.1. Conceitos Iniciais 3.2.1.1. Custo de Oportunidade e Custo do Capital O Custo de Oportunidade pode ser definido como o que se deixa de ganhar por não se poder fazer

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Métodos e Critérios de Avaliação de Investimentos de Capital Orçamento de capital é o nome dado ao processo de decisões de procura e aquisição de ativos de longo prazo. São cinco as principais etapas do

Leia mais

Pesquisa & Desenvolvimento

Pesquisa & Desenvolvimento Pesquisa & Desenvolvimento O Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) na AES Uruguaiana é uma importante ferramenta para a companhia promover melhorias contínuas na prestação do serviço, com a qualidade

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

Educação. Auditoria e Indicadores Financeiros Resultado da Pesquisa 2006 AUDIT

Educação. Auditoria e Indicadores Financeiros Resultado da Pesquisa 2006 AUDIT Educação Auditoria e Indicadores Financeiros Resultado da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução A KPMG Auditores Independentes, por meio de sua equipe de profissionais experientes, vem atuando de forma expressiva

Leia mais