Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Ferramenta Recuperador de Arquivos Perdidos Marcos Massao Yamamoto TG Maringá - Paraná Brasil

2 i Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Ferramenta Recuperador de Arquivos Perdidos Marcos Massao Yamamoto TG Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Informática, do Centro de Tecnologia, da Universidade Estadual de Maringá. Orientador: Prof. MsC. Osvaldo Alves dos Santos Maringá Paraná 2004

3 i Marcos Massao Yamamoto Ferramenta Recuperador de Arquivos Perdidos Este exemplar corresponde à redação final da monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Informática da Universidade Estadual de Maringá, pela comissão formada pelos professores: Orientador: Prof. MsC. Osvaldo Alves dos Santos Departamento de Informática, CTC, DIN Prof. Dr. Ronaldo Augusto de Lara Gonçalves Departamento de Informática, CTC, DIN Prof. MsC. Flávio Arnaldo Braga da Silva Departamento de Informática, CTC, DIN Maringá, Fevereiro de 2004

4 Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Av. Colombo 5790, Maringá-PR CEP Tel: (044) R. 219/324 Fax: (044) ii

5 iii Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus, por ser fonte inesgotável de luz que ilumina e guia todos os meus passos, trazendo paz e serenidade nos momentos escuros que fazem parte de nossas vidas. Agradeço de coração aos meus pais, pela oportunidade de vida, pelo amor e alegrias que os fazem dela, pelos sábios conselhos nos momentos difíceis, pelos carinhos e motivação nos momentos de desesperos. Por tudo, e que somente palavras não podem agradecer... Agradeço ao meu orientador, Osvaldo, que mesmo passando por problemas de saúde, esteve sempre ao meu lado, com nobres conselhos... Agradeço aos professores Ronaldo e Flávio, que me ajudaram e orientaram durante a ausência de meu orientador... Agradeço aos demais professores, Franklin, Ricardo Ciferri, Morandini, que me ajudaram com conselhos e materiais, na medida que possível... Agradeço ao meu pai, ao Elton, ao Morikawa e ao Slivak, que me auxiliaram também, na medida que possível, com informações, materiais e conselhos... Agradeço também a toda a galera do curso, que vivem reclamando e se queixando, e me deixaram mais desesperado no desenvolvimento de meu trabalho... E é claro, agradeço ao tiozinho do boteco, que manteve a cerveja sempre gelada, trazendo paz, serenidade e muita alegria nos momentos em que a nossa cabeça estava para explodir.

6 iv Resumo Neste trabalho serão apresentados propostas para implementação de uma ferramenta de recuperação de arquivos perdidos ou apagados. Estes podem ser removidos por ação de vírus, tabela de alocação de arquivos perdida, trilha zero danificada, mídia de baixa qualidade, queda ou oscilação de energia, formatação rápida indevida ou acidental. A ferramenta fará recuperação de dados que foram perdidos logicamente, ou seja, quando estas informações não estiverem contidas em blocos de disco com danos físicos. Seu objetivo é fazer uma varredura na mídia e apresentar todos os arquivos ainda disponíveis, e executar a sua recuperação. A ferramenta será baseada na recuperação de dados para o sistema operacional da família Microsoft Windows 9X e ME, com sistema de arquivos de tabela de alocação de arquivos. Serão apresentadas informações referentes à estrutura do disco rígido, os motivos que levam a remoção de arquivos e como é possível executar uma recuperação.

7 v Abstract In this work, will be shown proposals for implementation of an extinguished or lost archives recovery's tool. These can be removed by virus action, by File Allocation Table lost, by zero track damaged, by low quality media type, by energy oscillation or lack, or by improper or accidental fast formatting. The tool will make data s recovery that had been logically lost, or either, when these information is not contained in record's blocks that are physically damaged. It's objective is to make scans in the media and still to show all the available files, and to execute its recovery. The tool will be based on the recovery s data for Microsoft Windows 9X and ME operational system family, with file s system of file allocation table. It will be shown references information to the hard disk structure, the reasons that take the files to be removed and how it is possible to execute a recovery.

8 vi Índice CAPÍTULO 1 1 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO PROPÓSITOS E OBJETIVOS Objetivos específicos ORGANIZAÇÃO E AUDIÊNCIA DO DOCUMENTO 2 CAPÍTULO 2 4 GERENCIAMENTO DE DISCO INTRODUÇÃO OS DISCOS E SUA ORGANIZAÇÃO TÉCNICAS DE ALOCAÇÃO DE ESPAÇO EM DISCO SISTEMA DE TABELA DE ALOCAÇÃO DE ARQUIVOS Setor de boot Tabela de alocação de arquivos Interpretando a tabela de alocação de arquivos Diretório raiz Nomes longos ORGANIZAÇÃO LÓGICA: PARTIÇÕES E VOLUMES 18 CAPÍTULO 3 21 RECUPERAÇÃO DE ARQUIVOS PERDIDOS INTRODUÇÃO ARQUIVOS PERDIDOS Problemas nas informações de controle do sistema Dados apagados por remoção ou formatação FERRAMENTAS DE RECUPERAÇÃO Ferramenta Disk Investigator Ferramenta File Recover Ferramenta Magic Recovery Ferramenta Recover4All Professional Ferramenta Super Undelete 29 CAPÍTULO 4 30 PROPOSTAS DE METODOLOGIAS DE RECUPERAÇÃO INTRODUÇÃO RECUPERANDO ARQUIVOS Danos no Master Boot Record Danos no setor de boot da partição Danos na tabela de alocação de arquivos Danos no diretório raiz Perda de arquivos por remoção ou formatação TRANSFERÊNCIA DOS DADOS RECUPERADOS LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C 39 CONCLUSÃO 41 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 43

9 vii Lista de Figuras Figura 2.1 Ilustração do disco rígido 4 Figura 2.2 Ilustração técnica de alocação contígua 6 Figura 2.3 Ilustração técnica de alocação por lista encadeada 7 Figura 2.4 Ilustração técnica de alocação por lista encadeada com índice 7 Figura 2.5 Ilustração técnica de alocação indexada 8 Figura 2.6 Área de sistema e área de dados de uma partição 9 Figura 2.7 Hexadecimal do setor de boot 10 Figura 2.8 Diretório raiz com a tabela de alocação de arquivos 12 Figura 2.9 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos 13 Figura 2.10 Ilustração entrada de diretório do sistema TAA Figura 2.11 Hexadecimal do diretório raiz 16 Figura 2.12 Ilustração entrada de diretório do sistema TAA Figura 2.13 Hexadecimal entrada de diretório com nome longo 18 Figura 2.14 Hexadecimal do setor contendo uma tabela de partições 20 Figura 3.1 Hexadecimal do diretório raiz antes de uma remoção 23 Figura 3.2 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos antes de uma remoção 23 Figura 3.3 Hexadecimal do diretório raiz depois de uma remoção 23 Figura 3.4 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos depois de uma remoção 23 Figura 3.5 Hexadecimal do diretório raiz antes de uma formatação 24 Figura 3.6 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos antes de uma formatação 24 Figura 3.7 Hexadecimal do diretório raiz depois de um formatação 24 Figura 3.8 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos depois de uma formatação 24 Figura 3.9 Tela principal da ferramenta Disk Investigator 25 Figura 3.10 Tela principal da ferramenta File Recover 26 Figura 3.11 Tela principal da ferramenta Magic Recovery 27 Figura 3.12 Tela principal da ferramenta Recover4All 28 Figura 3.13 Tela principal da ferramenta Super Undelete 29 Figura 4.1 Hexadecimal do começo e final do setor de boot 31 Figura 4.2 Hexadecimal do setor contendo a tabela de partições 32 Figura 4.3 Hexadecimal início TAA Figura 4.4 Hexadecimal início TAA Figura 4.5 Hexadecimal início TAA Figura 4.6 Entrada reservada ponto e ponto-ponto dos sub-diretórios 37 Figura 4.7 Informação de tamanho do arquivo na entrada de diretório 38

10 viii Lista de Tabelas Tabela 2.1 Campos do setor de boot 11 Tabela 2.2 Valores das entradas da tabela de alocação de arquivos 12 Tabela 2.3 Entrada de diretório do sistema TAA Tabela 2.4 Entrada de diretório do sistema TAA Tabela 2.5 Informação especial no campo nome 17 Tabela 2.6 Configuração da tabela de partições 19 Tabela 2.7 Entrada na tabela de partições 19

11 1 Capítulo 1 Introdução 1.1 Motivação Com freqüência, perdemos arquivos contendo informações importantes em nossos computadores. Perdas podem ocorrer por vários motivos, como por ação de vírus, falhas no sistema de arquivos, mídia de baixa qualidade, etc. Geralmente, as informações e os dados de um arquivo perdido são mantidos no disco, porém, não visíveis ao sistema operacional. E ali serão mantidos, até serem sobrescritos. Existem muitas ferramentas e empresas especializadas que realizam a recuperação de arquivos perdidos. Mas geralmente, essa recuperação possui um custo muito elevado, sendo requisitada somente por empresas de grande porte, as quais trabalham com informações realmente valiosas. É necessário, nos dias de hoje, onde a informatização abrange a maior parte das pequenas empresas, comércios e residências, a disponibilidade de uma ferramenta de baixo custo e eficiente, para se recuperar arquivos nos problemas que ocorrem nos computadores em nosso dia-a-dia. É de grande importância pois, quando ocorrem problemas, nem mesmo os backups recuperam as últimas atualizações. 1.2 Propósitos e Objetivos A idéia desse trabalho é servir como base, para futura implementação, das possibilidades de recuperação de arquivos perdidos, conforme o problema especificado. São apresentados de forma simples e clara, os possíveis sintomas da ocorrência de problemas que ocasionam perdas, e como tratá-los. Para cada caso, haverá uma proposta de recuperação e, se o mesmo não for possível, será apresentada sua justificativa.

12 Objetivos específicos O objetivo principal desta monografia, é apresentar propostas de metodologias de recuperação de arquivos, para que possam ser utilizadas em ensino de graduação, em uma implementação ou em um aperfeiçoamento para utilização em outros projetos. 1.3 Organização e Audiência do documento O capítulo 2 traz uma visão geral da organização de um disco, mostrando os conceitos e definições de sua arquitetura. São apresentados a organização de sua estrutura física e como são configuradas as informações referentes ao sistema de arquivo. Conheceremos também toda a estrutura de controle de uma mídia, e como identificar e traduzir as informações inerentes ao disco. O capítulo 2 é um capítulo conceitual. Assim sendo, a audiência que pode se beneficiar da leitura são pessoas que conhecem ou trabalham com implementação de ferramentas e aplicativos, mas não estão envolvidas especificamente com as atividades relacionadas à arquitetura física de uma mídia, ou então não as visualizam de maneira formalizada. O capítulo 3 apresenta informações relacionadas à recuperação de arquivos perdidos. São apresentados e comentados os principais fatores que levam a uma perda de arquivos, onde são danificados ou alterados e porque resultam em remoções. São citadas também algumas ferramentas que executam a recuperação de arquivos apagados, descrevendo suas características e sua funcionalidade. A audiência que pode se beneficiar da leitura do capítulo 3 são as pessoas que trabalham com computadores, mas não conhecem os motivos que levam a problemas em suas máquinas, ocasionando em perda de tempo e informações relacionados a sua função. O capítulo 4 apresenta as propostas de metodologias de recuperação de arquivos perdidos, organizado conforme o problema que ocasionou essa remoção. São citados os sintomas que caracterizam o problema e como devem ser tratados para sua recuperação. Serão apresentados passo-a-passo os procedimentos que devem ser executados para se obter as

13 3 informações referentes aos arquivos removidos. Será comentada também, a linguagem de programação recomendada para a implementação dessa ferramenta, assim como as características que levaram a sua escolha. O capítulo 4 está voltado para as pessoas com conhecimento em programação, que desejem implementar uma ferramenta que execute a recuperação de arquivos perdidos ou uma operação similar. Também podem se beneficiar da leitura estudiosos da área de sistemas operacionais ou algoritmos e estrutura de dados, para utilização em ensino de graduação.

14 4 Capítulo 2 Gerenciamento de disco 2.1 Introdução Neste capítulo, teremos uma visão geral sobre a estrutura física de discos rígidos e disquetes, e a organização lógica das áreas de um disco. Veremos os discos sob a perspectiva do sistema operacional, como ele os organiza e usa. 2.2 Os discos e sua organização Um disco consiste em um prato com inúmeros anéis de cada lado, onde esses anéis são conhecidos como trilhas. Cada trilha é divido em seções, conhecidos como setores. Um setor é a menor unidade física de armazenamento em um disco, geralmente com tamanho de 512 bytes. Veja ilustração na figura 2.1. [Norton, 1989] Figura 2.1 Ilustração do disco rígido As trilhas são uma estrutura lógica, estabelecidas na formatação de baixo nível. O conjunto de trilha na mesma posição no disco, em relação à cabeça de leitura/escrita, é considerada como cilindro. Uma cabeça de leitura/escrita é um transdutor que pode ser posicionado sobre uma trilha de disco por meio de um solenóide ou motor, e pode alterar as propriedades magnéticas da mídia. [Holzner,1990]

15 5 O sistema operacional não opera diretamente os setores, e sim, os agrupamentos de unidades. Um agrupamento de unidades é um grupo seqüencial de setores, e todos agrupamentos de unidades contêm a mesma quantidade de setores. Todas essas estruturas, na mídia, são definidas na formatação, e nela o controlador de disco se baseia para se movimentar e se localizar na superfície de um disco. [ClayBrook, 1985] 2.3 Técnicas de alocação de espaço em disco Nesta seção, será apresentada a maneira de como os arquivos e diretórios são realmente armazenados, como o espaço em disco é gerenciado e como tudo isso funciona eficiente e confiavelmente. Conheceremos como são monitorados os blocos de disco que acompanham um arquivo e os métodos utilizados por diferentes sistemas operacionais. Existem várias técnicas de alocação de espaço em disco, e as principais são: alocação contígua, alocação por lista encadeada, alocação por lista encadeada utilizando um índice e alocação indexada (Nós-I) Alocação contígua Nessa técnica, os arquivos são armazenados em blocos contínuos de dados, conforme ilustração na figura 2.2. È fácil de implementar, pois armazena nas entradas de diretório somente o endereço do primeiro bloco do arquivo, e possui um excelente desempenho, pois o arquivo inteiro pode ser lido do disco em uma única operação. [Unisinos, 2004] Infelizmente, a alocação contígua possui duas desvantagens. A primeira consiste na inviabilidade de gravação de arquivos, quando seu tamanho máximo não seja conhecido. Sem essa informação, o sistema operacional não sabe quanto espaço em disco deve ser reservado. A segunda desvantagem é o desperdício do espaço que, de outra maneira, poderia ser utilizado. Esse problema resulta na fragmentação do disco. [Tanenbaum, 2000]

16 6 Figura 2.2 Ilustração técnica de alocação contígua Alocação por lista encadeada Na alocação por lista encadeada, cada arquivo é mantido como uma lista encadeada de blocos de disco, conforme a ilustração na figura 2.3. A primeira palavra de cada bloco de dados é utilizada para apontar o bloco seguinte, e todos os blocos do disco podem ser utilizados, evitando a fragmentação. Nessa técnica, armazena-se também somente o endereço do primeiro bloco do arquivo, na entrada de diretório, onde o restante pode ser encontrado a partir dos blocos de dados. [Tanenbaum, 2000] Embora a leitura seqüencial seja rápida, o acesso aleatório é extremamente lento. Além disso, os dados armazenados em blocos não são potência de dois, devido o espaço ocupado pelo ponteiro da lista encadeada. [Tanenbaum, 2000]

17 7 Figura 2.3 Ilustração técnica de alocação por lista encadeada Alocação por lista encadeada utilizando um índice Nessa técnica é utilizada uma tabela, alocada na memória, para armazenar os ponteiros que apontam os bloco utilizados, conforme a ilustração na figura 2.4. Dessa maneira, eliminase as desvantagens da alocação por lista encadeada, pois agiliza o acesso aos blocos e disponibiliza o bloco inteiro para o armazenamento dos dados. O sistema operacional MS- DOS/Windows 95 utiliza esse método, denominado Tabela de Alocação de Arquivos. [Unisinos, 2004] Figura 2.4 Ilustração técnica de alocação por lista encadeada com índice

18 8 A principal desvantagem desse método é que a tabela inteira deve estar na memória, o tempo todo, para o seu funcionamento. Isso se percebe claramente nas tabelas maiores, relacionados aos discos com grandes quantidades de blocos. [Tanenbaum, 2000] Alocação indexada Na alocação indexada, é associada em cada arquivo uma pequena tabela chamada de nó-i (nó de índice), que lista os atributos e endereço de disco dos blocos do arquivo, conforme a ilustração na figura 2.5. Na entrada de diretório do arquivo, é armazenado somente o endereço do bloco de dados dessa tabela. Os primeiros endereços de disco, de um arquivo, são armazenados nessa tabela nó-i. Caso o arquivo for muito grande, um dos endereços dessa tabela aponta para um bloco contendo o restante dos endereços. Esse bloco é denominado de bloco indireto, e a quantidade de blocos indiretos é determinada pelo tamanho do arquivo. O Unix utiliza esse método. [Tanenbaum, 2000] Figura 2.5 Ilustração técnica de alocação indexada

19 9 2.4 Sistema de Tabela de alocação de arquivos A fim de organizar os discos, o sistema operacional divide-o em duas partes: área de sistema, com as informações sobre o disco, e a área de dados, onde os arquivos são armazenados (figura 2.6). A área do sistema armazena as informações do disco, conforme o sistema de arquivo definido na formatação. Conforme o problema proposto, trabalharemos somente com o sistema de arquivo de tabela de alocação de arquivos. Figura 2.6 Área de sistema e área de dados de uma partição O setor de boot, ou registro de boot, é a primeira parte de um disco para o sistema operacional. Ele contém informações importantes da estrutura lógica do disco e um programa curto, que executa a tarefa de iniciar a carga do sistema operacional na memória do computador. [Holzner, 1990] Logo após o setor de boot, se encontra uma seção do sistema conhecida com tabela de alocação de arquivos TAA. O TAA é responsável pela informação da situação de cada parte do disco. Através da TAA é possível verificar quais os agrupamentos de unidades estão ocupados e quais estão disponíveis para novos dados. A última parte da área de sistema do disco é o diretório raiz. Ele contém o registro das informações dos arquivos armazenados no disco. Entre o TAA e o diretório raiz, podem existir cópias adicionais do TAA. Como o TAA serve como um índice dos blocos de um disco, é necessário manter pelo menos uma cópia de segurança, para garantir sua integridade.

20 10 No primeiro setor de um disco rígido, junto com a primeira partição, está localizado o Master Boot Record. Ele contém uma pequena quantidade de código executável e a tabela de partições. Essa tabela contém as informações sobre as partições existentes no disco. Cada partição é visualizada pelo sistema operacional como um disco lógico, podendo conter sistemas de arquivos diferentes. [WinNT, 1997] Setor de Boot O setor de boot, localizado sempre no primeiro setor da partição, é a estrutura de dados mais importante do sistema de arquivo. Um grande componente deste setor de inicialização é o bloco de parâmetros BIOS (BPB), que possui as informações apresentadas na tabela 2.1. Esta estrutura contém as características do disco físico, que permitem o acionador de disco calcular o endereço apropriado para um dado número de setor lógico. Nela é possível também, que os utilitários do sistema, calculem o endereço e o tamanho de cada uma das áreas de controle do disco (tabela de alocação de arquivos e diretório raiz). [Duncan, 1991] Figura 2.7 Hexadecimal do setor de boot

21 11 Tabela 2.1 Campos do setor de boot Offset do byte 0X00 0X03 0X0B 0X0D 0X0E 0X10 0X11 0X13 0X15 0X16 0X18 0X1A 0X1C 0X20 0X24 0X25 0X26 0X27 0X2B 0X36 0X3E Tamanho do campo 8 BYTES 2 BYTES BYTE 2 BYTES BYTE 2 BYTES 2 BYTES BYTE 2 BYTES 2 BYTES 2 BYTES DWORD DWORD BYTE BYTE BYTE 4 BYTE 11 BYTES 8 BYTES Significado E9 XX XX ou EB XX 90 Nome e versão OEM Bytes por setor. Setores por agrupamento de unidades. Setores reservados. Número de tabelas de alocação de arquivos. Número de entradas ao diretório raiz. Número de setores no volume, se couber em 16 bits. Byte de descrição da mídia. Setores por tabela de alocação de arquivos. Setores por trilha. Número de cabeças. Número de setores ocultos. Número de setores no volume, maiores que 16 bits. Número da unidade física. Reservado. Registro de assinatura de inicialização estendida Número de série do volume. Rótulo do volume. Reservado. Auto inicialização Tabela de Alocação de Arquivos - TAA A área de arquivos de um disco é dividida em grupos de setores, conhecidos como unidade de alocação ou clusters (agrupamento de unidades). A quantidade de setores em um agrupamento de unidades é definida na formatação e está definida no bloco de parâmetros da BIOS, podendo ser encontrado no setor de inicialização. A tabela de alocação de arquivos é dividida em campos, onde cada campo corresponde diretamente a um agrupamento de unidades atribuído no disco, conforme ilustração na figura 2.8. [Tischer, 1992]

22 12 Figura 2.8 Diretório raiz com a tabela de alocação de arquivos Cada campo da TAA pode ter 12, 16 ou 32 bits. O TAA 12 possui entradas de 12 bits e é utilizado para mídias com menos de 4087 agrupamentos de unidades, armazenando informações de discos ou partições de até 32 Mbytes. Já o TAA 16, possui entrada de 16 bits e consegue trabalhar com agrupamentos de unidades por disco, armazenando até 2 Gbytes. O TAA 32, possui entradas de 32 bits, mas possui o tamanho máximo de 2 Tbytes. Apesar de seu endereçamento ser de 32 bits, na verdade são usados apenas 28. E, segundo a Microsoft, o número máximo de setores que um disco pode ter é de 2 elevado a 32, ou seja, como cada setor tem 512 bytes, o tamanho máximo de um disco no TAA 32 acaba sendo de 2 Tbytes.[Infowester, 2004] Os dois primeiros campos da TAA são sempre reservados. O restante descreve a utilização de seus agrupamentos correspondentes e podem ser interpretados da seguinte maneira: Tabela 2.2 Valores das entradas da tabela de alocação de arquivos Valor (D)000H (F)FF0-(F)FF6H (F)FF7H (F)FF8-(F)FFFH (X)XXX Significado Agrupamento de unidade disponível Agrupamento de unidade reservado Agrupamento de unidade com defeito, se não for parte da cadeia Último agrupamento do arquivo Próximo agrupamento do arquivo

23 13 No diretório raiz, cada arquivo contém o número do primeiro agrupamento atribuído àquele arquivo, que representa a sua entrada na TAA. A partir dessa entrada na TAA, cada campo contém o número do próximo agrupamento, até encontrar o valor de último agrupamento. As entradas podem ter outros valores, conforme a tabela 2.2. Figura 2.9 Hexadecimal da tabela de alocação de arquivos Para garantir a integridade das informações, geralmente são definidas uma ou mais cópias da TAA em cada volume, na formatação. O sistema operacional atualiza simultaneamente todas as cópias, toda vez que a TAA é alterada. Se ocorrer uma falha na TAA, o sistema operacional verifica as cópias, até que seja obtida uma leitura bem-sucedida ou que todas cópias sejam exauridas. [Tischer, 1992] Interpretando a Tabela de Alocação de Arquivos Após compreender como a tabela de alocação de arquivos é estruturada, veremos como utilizar este conhecimento para encontrar uma posição na tabela a partir de um número de agrupamento de unidades. (Modelo de código implementado no Apêndice B)

24 14 Se a tabela de alocação de arquivos tiver entradas de 12bits, utilize o seguinte procedimento: 1) Utilize a entrada de diretório para encontrar o agrupamento inicial do arquivo em questão; 2) Multiplique o número do agrupamento por 1.5; 3) Utilize a parte inteira do produto como o deslocamento na tabela de alocação de arquivos e mova a palavra naquele deslocamento para um registrador; 4) Se o produto for um número inteiro, execute um AND entre o registrador e 0FFFH; 5) Caso contrário, faça um deslocamento lógico do registrador 4 bits para a direta; 6) Se o resultado for o valor de final de arquivo, o mesmo não tem mais nenhum agrupamento de unidades. Caso contrário, o resultado é o número do próximo agrupamento. Se a tabela de alocação de arquivos tiver entradas de 16 bits, utilize os seguintes procedimentos: 1) Utilize a entrada de diretório para encontrar o agrupamento inicial do arquivo em questão; 2) Multiplique o número do agrupamento por 2; 3) Utilize o produto como deslocamento na tabela de alocação de arquivos e mova a palavra naquele deslocamento para um registrador; 4) Se o resultado for um valor de final de arquivo, o mesmo não tem mais nenhum agrupamento de unidade. Caso contrário, o resultado é o número do próximo agrupamento. Se a tabela de alocação de arquivos tiver entradas de 32 bits, utilize os mesmos procedimentos usados na tabela de 16 bits, mudando apenas a multiplicação solicitada no passo 2 para 4, pois cada entrada na tabela ocupam agora 4 bytes.

25 Diretório Raiz O diretório raiz ocupa alguns setores no disco, logo após os setores ocupados pela tabela de alocação de arquivos. Cada arquivo ou diretório contido nesta partição possui uma entrada no diretório raiz, com o nome do arquivo, a extensão, a data de quando foi criado ou quando foi feita a última modificação, o tamanho em bytes e o número do agrupamento de unidades onde o arquivo começa. O tamanho de cada entrada no diretório raiz é de 32 bytes. [Duncan, 1991] Os campos das entradas do diretório raiz para o sistema de tabela de alocação de arquivos com entradas de 16 bits possui a seguinte configuração: Tabela 2.3 Entrada de diretório do sistema TAA 16 Valor 00H 08H 0BH 0CH 16H 18H 1AH 1CH Siginificado Nome do arquivo. Extensão. Atributo do arquivo. Reservado. Horário de criação ou última atualização. Data de criação ou última atualização. Agrupamento de unidades inicial. Tamanho do arquivo Figura 2.10 Ilustração entrada de diretório do sistema TAA 16

26 16 Figura 2.11 Hexadecimal do diretório raiz Já no sistema de tabela de alocação de arquivos com entradas de 32 bits, são utilizados os campos antes reservados, e possui a seguinte configuração: Tabela 2.4 Entrada de diretório do sistema TAA 32 Valor 00H 08H 0BH 0CH 0DH 0EH 10H 12H 14H 16H 18H 1AH 1CH Siginificado Nome do arquivo. Extensão. Atributo do arquivo. Capitalização. Mseg. da criação Horário de criação. Horário de acesso. Data de acesso. Agrupamento de unidades inicial H. Horário da última atualização. Data da última atualização. Agrupamento de unidades inicial L. Tamanho do arquivo.

27 17 Figura 2.12 Ilustração entrada de diretório do sistema TAA 32 O primeiro byte do campo do nome de arquivo de uma entrada de diretório pode conter ainda a seguinte informação especial: Tabela 2.5 Informação especial do campo nome Valor 00H 05H 2EH E5H Significado Entrada ao diretório nunca foi utilizada; fim da porção ocupada do diretório. O primeiro caractere do nome do arquivo é realmente E5H. Entrada é um pseudônimo para o diretório pai ou atual. Arquivo foi apagado. A primeira entrada do diretório raiz pode conter o rótulo de volume, caso possuir. A localização exata e o tamanho do diretório raiz são definidos na formatação, quando o disco é inicializado Nomes Longos A tabela de alocação de arquivos com endereçamento de 12 e 16 bits, usada pelo DOS possui uma grande restrição em relação ao tamanho dos nomes de arquivos, que não podem ter mais de oito caracteres. Para eliminar essa limitação, e continuar usando a tabela de alocação de arquivos com endereçamento de 12 e 16 bits, foi integrada a essa tabela um novo sistema chamado VFAT. [Guia, 2004]

28 18 Através do VFAT, os arquivos com nomes longos são gravados no diretório raiz respeitando sua configuração, de oito caracteres, e o nome verdadeiro gravado em uma área reservada. Uma listagem de arquivos a partir do DOS, o sistema leria apenas o nome simplificado (com oito caracteres). Através do Windows 95 seria possível acessar as áreas ocultas do VFAT e ver os nomes completos dos arquivos. [Guia, 2004] Nos testes executados nos sistemas TAA 16 e TAA 32, pôde-se verificar que as entradas de diretório mantém a mesma configuração de 8 caracteres no diretório raiz. Entretanto, quando se utilizam nomes longos, são reservadas outras entradas de diretório, subseqüentes, contendo os caracteres do nome do arquivo. Figura 2.13 Hexadecimal entrada de diretório com nome longo 2.5 Organização lógica: Partições e Volumes Um disco rígido pode ser dividido em mais de um agrupamento de setores lógicos, considerados partições. Cada partição é tratada como uma unidade lógica separada, podendo ter sistemas de arquivos diferentes. [Duncan, 1991] As informações sobre as partições primárias e partições estendidas estão contidas na tabela de partição, uma estrutura de dados de 64 bytes posicionada no Master Boot Record (setor 1, cabeça 0, cilindro 0). Cada entrada na tabela de partições tem o tamanho de 16 bytes, possibilitando um número máximo de 4 entradas, conforme ilustrado na Tabela 2.6. [WinNT, 1997]

29 19 Tabela 2.6 Configuração da tabela de partições Bytes 0X0000 0X01BE 0X01CE 0X01DE 0X01EE 0X01FE 0x1FF Conteúdo Reservado Partição 01 Partição 02 Partição 03 Partição 04 Palavra de assinatura sempre 0X55AA A tabela a seguir descreve cada entrada da tabela de partições: Tabela 2.7 Entrada na tabela de partições Offset do byte Tamanho do campo BYTE BYTE 6 bits 10 bits BYTE BYTE 6 bits 10 bits DWORD DWORD Significado Boot Indicator. Indica se é a partição do sistema. Cabeça inicial. Setor inicial. Somente os bits de 0 a 5 são usados. Cilindro inicial. System ID. Esse byte define o tipo de volume. Cabeça inicial. Setor final. Cilindro final. Setor relativo. Total de setores. Quando existir uma partição estendida no disco rígido, a entrada para tal partição na Tabela de Partições aponta para o primeiro setor de disco da partição estendida. O primeiro setor de cada unidade lógica em uma partição estendida também possui uma Tabela de Partições, que ocupa os últimos 66 bytes do setor (64 bytes da tabela mais 2 bytes dos marcadores de final de setor). [WinNT, 1997]

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

Sistema de Arquivos FAT

Sistema de Arquivos FAT Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos FAT Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br FAT A FAT é o sistema de arquivos usado pelo MS-DOS e outros sistemas operacionais baseados em Windows para organizar

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12 Sumário: A tabela de partições do disco rígido. A root directory. A FAT. Os serviços BIOS para disco. Aula Teórica 12 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e 29 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas SISTEMAS DE ARQUIVOS FAT E FAT32 José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução Muitos usuários

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Sistemas de arquivos FAT e FAT32

Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Introdução Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Muitos usuários de Windows já ouviram falar em partições FAT ou FAT32 sem saber ao certo o que isso significa. Essas são siglas de sistemas de arquivos para

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Particionando e formatando um disco rígido

Particionando e formatando um disco rígido Sua Oficina Virtual Apostila totalmente Gratuita Edição 2002 2 Particionando e formatando um disco rígido Todos nós sabemos que dados sejam eles partes de programas ou dados propriamente dito, como um

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO O disco rígido é o único componente básico de funcionamento mecânico no PC. Por esse motivo, é também o elemento interno mais suscetível a riscos de problemas relacionados

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais

BC 1518 - Sistemas Operacionais BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 - Parte1) Prof. Marcelo Z. do Nascimento Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br 1 Introdução Arquivos Atributos de Arquivos

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II Introdução Muitos itens de hardware possuem ferramentas de manutenção que podem ser acionadas via software Ações comuns que um software pode executar para melhorar o desempenho

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger SISTEMA DE ARQUIVOS Instrutor: Mawro Klinger Estrutura dos Discos As informações digitais, quer sejam programas ou dados do usuário, são gravadas em unidades de armazenamento. O HD é uma unidade de armazenamento

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

5.2 - Armazenamento em Disco

5.2 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.2 - Armazenamento em Disco Aspectos LógicosL Formatação e Sistemas de Arquivos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Armazenamento de Dados Armazenamento primário memória

Leia mais

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS:

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS: SISTEMAS/AMBIENTE OPERACIONAL PÁG. 1 SISTEMA DE ARQUIVOS VERSÃO MELHORADA DO IOCS (INPUT OUTPUT CONTROL SYSTEM) DOS ANTIGOS SISTEMAS BATCH. O SISTEMA DE ARQUIVOS, GERALMENTE INSERIDO NO NÚCLEO DOS SISTEMAS

Leia mais

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco Formatação do disco Para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco rígido, é preciso que antes sejam criadas estruturas que permitam gravar os dados de maneira organizada, para

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais FATEC-PB Professor: Gustavo Wagner gugawag@gmail.com 1 Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS

Sistemas de Arquivos NTFS Sistemas de Arquivos NTFS Apresentação Desenvolvido pela Microsoft na década de 80 para o Windows NT Baseado no HPFS da IBM Versões NTFS 1.1(ou 4) NTFS NTFS 5 Sistema de Arquivos NTFS Unidade fundamental

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de Arquivos André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de arquivos Sistema de arquivos é o nome que se dá a implementação da organização de dados em discos. Vai desde o acesso a baixo nível até a interface

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO Depois de montar o computador, a próxima etapa é configurá-lo ao nível de software, antes de poder instalar o sistema operacional. Esta segunda etapa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Paragon NTFS para Mac OS X

Paragon NTFS para Mac OS X PARAGON Technologie GmbH, Systemprogrammierung Heinrich-von-Stephan-Str. 5c 79100 Freiburg, Germany Tel. +49 (0) 761 59018201 Fax +49 (0) 761 59018130 Internet www.paragon-software.com E-mail sales@paragon-software.com

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Discos RAID. Confiabilidade e Desempenho 1. Confiabilidade & Desempenho. Lembrando: gerenciamento de espaço livre. Níveis de RAID

Discos RAID. Confiabilidade e Desempenho 1. Confiabilidade & Desempenho. Lembrando: gerenciamento de espaço livre. Níveis de RAID Confiabilidade e Desempenho Marcelo Johann Lembrando: gerenciamento de espaço livre 2 problemas foram vistos: Escolha do tamanho de bloco adequado Se for muito pequeno, se gasta muito em seek/latência

Leia mais

Organização de arquivos

Organização de arquivos Organização de arquivos Por que ver sistema de arquivos? O sistema de arquivos é quem realmente se responsabiliza por guardar os dados que um aplicativo ou mesmo o banco de dados gerencia. Não é tarefa

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Gerenciamento de Espaço em Disco

Sistemas de Arquivos. Gerenciamento de Espaço em Disco Sistemas de Arquivos Diretórios Gerenciamento de Espaço em Disco Implementação de Diretórios (1) Contém informações que permitem acessar os arquivos As entradas do diretório fornecem informações para encontrar

Leia mais

Sistemas de Arquivos

Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais II Prof. Fernando Freitas Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos Material adaptado de: TANENBAUM,

Leia mais

Questões comentadas informática

Questões comentadas informática Questões comentadas informática INFORMÁTICA (TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA FCC 2012) O sistema operacional de um computador consiste em um A) conjunto de procedimentos programados, armazenados

Leia mais

Ação de copiar arquivos, como medida de segurança, permitindo sua recuperação em caso de perda.

Ação de copiar arquivos, como medida de segurança, permitindo sua recuperação em caso de perda. Informática para Concursos Marcelo Andrade Definições Ação de copiar arquivos, como medida de segurança, permitindo sua recuperação em caso de perda. Existem softwares capazes de automatizar esse processo,

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS DE SISTEMA OPERACIONAL MS-DOS A sigla MS-DOS significa Microsoft Disk Operating System que em português significa Sistema Operacional de Disco. O prefixo MS representa

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS FACULDADE ZACARIAS DE GÓES JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMA DE ARQUIVOS Valença 2010 JUSSARA REIS DA SILVA SISTEMAS DE ARQUIVOS Trabalho apresentado como requisito parcial para AVII da disciplina Sistemas

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Sistema de Arquivos Ciclo 5 AT1 Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Referência: Deitel Cap. 13 Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais,

Leia mais

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Pilhas de Dispositivos Drivers no Windows Vista podem fazer todo trabalho sozinho; Uma requisição pode passar por uma seqüência

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0770 Dispositivos e periféricos Sessão 4 SUMÁRIO Disco Rígido; Sistema de ficheiros Uma unidade de disco rígido é composta por um conjunto de discos sobrepostos,

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez

Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez Backups Os backups tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez O primeiro objetivo é a base do típico

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br

Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br Introdução O sistema de arquivos é a parte mais vísivel do sistema operacional Cria

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO JOURNALING FILESYSTEMS Seminário com o tema Journaling FileSystems

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual Curso: Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Disciplina: Administração de Sistemas Operacionais Professor: João Medeiros de Araújo Atividade Prática: Formatação e montagem de partições no Linux

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS 3 Sub-sistema de E/S e Sistemas de Arquivos

LISTA DE EXERCICIOS 3 Sub-sistema de E/S e Sistemas de Arquivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA SISTEMAS OPERACIONAIS I N - INF01142 LISTA DE EXERCICIOS 3 Sub-sistema de E/S e Sistemas de Arquivos

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 6 O HARD DISK - HD 3 7 SISTEMAS DE ARQUIVOS 8 9 DELEÇÃO 10

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 6 O HARD DISK - HD 3 7 SISTEMAS DE ARQUIVOS 8 9 DELEÇÃO 10 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2006 Índice 6 O HARD DISK - HD 3 6.1 COMO FUNCIONA UM DISCO RÍGIDO 3 6.2 COMO OS DADOS SÃO GRAVADOS E LIDOS 3 6.3 TECNOLOGIA DE GRAVAÇÃO PERPENDICULAR 5 6.4 PARTICIONAMENTO 6 6.5

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

10 Sistemas de Arquivos SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

10 Sistemas de Arquivos SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 10 Sistemas de Arquivos SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr. (ICMCUSP)

Leia mais

Interfaces IDE e SCSI. Disco Rígido

Interfaces IDE e SCSI. Disco Rígido Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Interfaces IDE e SCSI 1 Setores Trilhas Cabeças

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

TÓPICO 7. Gerência de Arquivos

TÓPICO 7. Gerência de Arquivos TÓPICO 7 Gerência de Arquivos Sistemas de Arquivos Em um computador, os dados podem ser armazenados em vários dispositivos físicos diferentes (disco flexível, fita, disco rígido, CD, etc). Para simplificar

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Índices* Professora Rosane Minghim. * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures.

Índices* Professora Rosane Minghim. * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures. Índices* Professora Rosane Minghim * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures. Índice Em geral, um índice fornece mecanismos para localizar

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Os sistemas de arquivos é a parte do SO responsável pelo gerenciamento dos arquivos (estrutura, identificação, acesso, utilização, proteção e implementação).

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais