Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014"

Transcrição

1 1

2 Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 Alterações na Legislação do IRPJ, CSLL, PIS, COFINS e Extinção do RTT Junho/2015 2

3 1. Introdução à IN RFB nº 1.515/2014 Dispõe sobre a determinação e o pagamento do imposto sobre a renda e da contribuição social sobre o lucro líquido das pessoas jurídicas, disciplina o tratamento tributário da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins no que se refere às alterações introduzidas pela Lei nº , de 13 de maio de 2014, e dá outras providências. Lei /07 (CPC) Lei /09 (RTT) IN RFB 1.397/13 Lei /14 (Extinção RTT) IN RFB 1.515/14 3

4 2. Adoção inicial Opção pela extinção do RTT: REVOGAÇÃO DO RTT Opção pela Antecipação (Art. 75 da L12973) Aplicação a Não Opção pela Antecipação (Art. 75 da L12973) Aplicação a Opção e Não Opção: DCTF de dez/14 (confirmação ou alteração) - Prazo: FEV/15 partir de partir de 01/01/ /01/2015 4

5 2. Adoção inicial Até Dividendos Balanço fiscal ou societário Balanço societário Optantes pela Antecipação (Art. 75 da JCP Balanço fiscal ou societário Balanço societário L12973) Equiv. Pat. Balanço fiscal ou societário Balanço societário 5

6 2. Adoção inicial Não Optantes pela Dividendos Balanço societário (*risco) Balanço societário Antecipação (Art. 75 da JCP Balanço fiscal ou societário Balanço societário L12973) Equiv. Pat. Balanço fiscal ou societário Balanço societário * Atenção IN (Lucros Calculados em 2014): Dividendos Isentos somente c/ base no Balanço Fiscal 6

7 3. Adoção Inicial / Controle em subconta Adoção inicial: Societário Fiscal (31/12/2007) Ativo > Ativo Adição Passivo < Passivo Adição Ativo < Ativo Não Exclusão Passivo > Passivo Não Exclusão SALVO se o contribuinte evidenciar a diferença em subconta para ser ADICIONADA à medida da realização; ou para ser EXCLUÍDA à medida da realização. 7

8 4. Obrigações acessórias OPTANTES pela antecipação (adoção em 2014): OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2014 ECD ECF Demonstrativo: ECD x Fcont (2014) Controle em subcontas (opcional) 2015 ECD ECF Demonstrativo: ECD x Fcont (2015) Controle em subcontas 8

9 4. Obrigações acessórias NÃO optantes pela antecipação (vigência em 2015): OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2014 FCONT 2015 FCONT ECD ECF ECD ECF Demonstrativo: ECD x Fcont (2015) Controle em subcontas 9

10 5. Novo conceito de receita bruta (+) O produto da venda de bens nas operações de conta própria (+) O preço da prestação de serviços em geral (+) O resultado auferido nas operações de conta alheia (+) As receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica, não compreendidas nos itens anteriores (=) RECEITA BRUTA (-) Devoluções e vendas canceladas (-) Descontos concedidos incondicionalmente (-) Tributos sobre ela incidentes (-) Valores decorrentes de ajuste a valor presentedo ativo vinculado à receita bruta (=) RECEITA LÍQUIDA 10

11 6. Ajuste a valor presente (AVP) do ativo Apuração do IRPJ e CSLL: AVP s/ Receita Bruta:Adição Receita Financeira: Exclusão Controle na Parte B do Lalur Apuração de PIS/COFINS: AVP s/ Receita Bruta: não deduz da base de cálculo Receita Financeira: não tributa NEUTRALIDADE DO AJUSTE A VALOR PRESENTE 11

12 6. Ajuste a valor presente (AVP) do ativo Exemplo deavp doativo: Venda de equipamento em 12/03/2015 por R$ para recebimento em 30/06/2016. Valor presente do Recebível em 12/03/2015: R$ Juros a apropriar em 2015 e 2016: R$ e R$ 7.000, respectivamente. 12

13 6. Ajuste a valor presente (AVP) do ativo Venda da mercadoria em 12/03/2015: 1) D - Clientes (Ativo) C - Receita Bruta (DRE) ) D -AVP s/ Rec. Bruta (DRE) C - Juros a apropriar (Ativo) ) D CMV (DRE) C Estoques (Ativo) Apropriação da Receita Financeira em 2015: 4) D Juros a Apropriar (Ativo) C Receita Financeira (DRE) Apropriação da Receita Financeira em 2016: 5) D Juros a Apropriar (Ativo) C Receita Financeira (DRE)

14 6. Ajuste a valor presente (AVP) do ativo Demonstração de Resultados do Exercício de 2015: Receita Bruta de Vendas ( ) AVP s/ Receita Bruta (20.000) (=) Receita Líquida ( ) CMV (70.000) (=) Lucro Bruto (+) Receita financeira (=) Lucro líquido antes do IRPJ LALUR (ano-base 2015): PIS e COFINS (2015): Lucro líquido antes do IR e CS (+) AVP s/ Receita Bruta ( ) Receita financeira (13.000) (=) Lucro Real Receita Bruta de Vendas (=) Base de Cálculo

15 6. Ajuste a valor presente (AVP) do passivo Regras da Lei /2014: MOMENTO DE RECONHECIMENTO NO LUCRO REAL I - o bem for revendido, no caso de aquisição a prazo de bem para revenda; II - o bem for utilizado como insumo na produção de bens ou serviços, no caso de aquisição a prazo de bem a ser utilizado como insumo na produção de bens ou serviços; III - o ativo for realizado, inclusive mediante depreciação, amortização, exaustão, alienação ou baixa, no caso de aquisição a prazo de ativo não classificável nos incisos I e II do caput; IV - a despesa for incorrida, no caso de aquisição a prazo de bem ou serviço contabilizado diretamente como despesa; e V - o custo for incorrido, no caso de aquisição a prazo de bem ou serviço contabilizado diretamente como custo de produção de bens ou serviços. (...) Atenção: Nas hipóteses previstas nos incisos I, II e III do caput, os valores decorrentes do ajuste a valor presente deverão ser evidenciados contabilmente em subconta vinculada ao ativo. 15

16 6. Ajuste a valor presente (AVP) do passivo Apuração do IRPJ e CSLL: Despesa Financeira: Adição Depreciação da Subconta de Equipamentos: Exclusão Apuração de PIS/COFINS: Despesa Financeira: Sem Efeito Depreciação da Subconta de Equipamentos: Não reduz Créditos NEUTRALIDADE DO AJUSTE A VALOR PRESENTE 16

17 6. Ajuste a valor presente (AVP) do passivo Aquisição do equipamento em 12/03/2015: 1) D - Equipamentos C Ctas a Pagar ) D Juros a Apropriar (Subconta ) C Equip. (Subconta ) Apropriação da Receita Financeira em 2015: 3) D Despesa Financeira C Juros a Apropriar (Subconta ) Depreciação de 2015: 4) D Despesa Deprec. 10% a.a. (DRE) D Deprec. Ac. (Subconta ) C Depreciação Acumulada * A soma do saldo da subconta com o saldo da conta do ativo ou passivo a que a subconta está vinculada resultará no valor do ativo ou passivo mensurado de acordo com as disposições da Lei nº 6.404, de (art. 33, 1º da IN nº 1.515) 17

18 6. Ajuste a valor presente (AVP) do passivo Demonstração de Resultados do Exercício de 2015: Receita Bruta de Vendas - (=) Receita Líquida - ( ) CMV - (=) Lucro Bruto - (-) Despesa Depreciação (10.000) (-) Despesa Financeira (13.000) (=) Lucro líquido antes do IRPJ (23.000) LALUR (ano-base 2015): PIS e COFINS (2015): Lucro líquido antes do IR e CS (23.000) (+) Despesa Financeira ( ) Depreciação (Subconta) (2.000) (=) Lucro Real (12.000) Receita Bruta de Vendas - (-) Crédito: Depreciação (=) Base de Cálculo (12.000) 18

19 7. Ajuste a valor justo (AVJ) A Lei nº /14 e a IN 1.515/14 autorizam o diferimento da tributação dos ganhos (e perdas) desde que os valores sejam evidenciados em subcontas. Controle na Parte B do Lalur O ganho (ou perda) evidenciado contabilmente em subcontas será computado no lucro real na medida que o ativo é realizado. AVJ não é tributável pelo PIS e pela COFINS NEUTRALIDADE DO AJUSTE A VALOR JUSTO 19

20 7. Ajuste a valor justo (AVJ) Exemplo: Aquisição de imóvel em 02/02/2015 por R$ classificado como propriedade para investimento. Após reconhecimento inicial, imóvel passar a ser mensurado pelo valor justo. Valor justo em 31/12/2015: R$ Imóvel vendido em 2016: R$

21 7. Ajuste a valor justo (AVJ) Aquisição do Imóvel em 2015: 1) D Imóvel (Propr. p/ Invest.) C Bancos Registro doavj em 2015: 2) D Imóvel (Subconta ) C Receita deavj DRE em 2015: LALUR em 2015: Receita Bruta de Vendas - (=) Receita Líquida - ( ) CMV - (=) Lucro Bruto - (+) AVJ (=) Lucro líq. antes do IRPJ Lucro líq. antes do IR e CS ( ) AVJ (DRE) (20.000) (=) Lucro Real - PIS/COFINS: Receita Bruta - (=) Base de Cálculo - 21

22 7. Ajuste a valor justo (AVJ) Alienação do Imóvel em 2016: 1) D Caixa C Receita ) D Custo de Venda C Imóvel (Subconta) C Imóvel (Propried. Inv.) DRE em 2016: LALUR em 2016: Receita de Vendas (-) Custo de Venda (=) Lucro Bruto - Lucro líq. antes do IR e CS - (+) AVJ (=) Lucro Real PIS/COFINS: Receita Bruta - (=) Base de Cálculo - 22

23 7.1. Ajuste de AVJ na investida Exemplo: 20x1: Investida reconhece o AVJ, em subconta específica, de R$ 300: "EMPRESA A" - INVESTIDA Ativo Passivo Terreno X R$ Passivos Terreno X - AVJ(subconta) R$ 300 R$ Patrimônio Líquido Capital R$ Aj. de Avaliação Patrimonial R$ 300 R$ * (*) Exemplo ilustrativo. Avaliar a contrapartida do lançamento (resultado ou AAP). No caso de AVJ de propriedade para investimento a contrapartida será no resultado. Neste caso, deve ser feita uma exclusão no Lalur. 23

24 7.1. Ajuste de AVJ na investida Exemplo: 20x1: Investidora com 100% do capital reconhece o AVJ realizado na investida de R$ 300: "EMPRESA B" - INVESTIDORA Ativo Passivo Ativos Diversos R$ 0 Investimento na "EMPRESA A" Patrimônio Líquido Vr. Contábil do PL R$ Capital R$ Mais-Valia ativos líquidos R$ R$ Aj. de Avaliação Patrimonial Ágio (Goodwill) R$ 200 -AVJ na Investida R$ 200 Terreno X na Investida AVJ R$ 200 Ganho de AVJ na Investida compensado pela baixa do saldo da mais-valia (art. 58, da IN 1.515/14) R$ R$ Quando da avaliação com base no valor justo pela investida, o ganho será registrado pela investidora a crédito em conta de receita ou de patrimônio líquido em contrapartida à subconta vinculada à participação societária. Se apropriado como receita, poderá excluir do Lalur. O valor registrado na subconta será baixado à medida que o ativo da investida for realizado (depreciação, amortização, exaustão, alienação ou baixa); o valor da subconta baixado não será adicionado ao lucro real caso a investida tenha computado o ganho no lucro real. 24

25 8. Ágio na aquisição de investimentos O custo de aquisição será desdobrado em: ORDENAÇÃO DO CUSTO 1º Valor do Patrimônio Líquido da Investida (no % adquirido e na data da aquisição da participação) 2º Mais ou Menos Valia dosativos Líquidos LAUDO (diferença entre valor justo dos ativos líquidos e 1º item) 3º Goodwill e Ganho por Compra Vantajosa (residual) (diferença entre custo de aquisição e 1º e 2º item) O goodwill é calculado tendo como referência não mais o PL, mas o PL ajustado a valor justo (depois da composição da mais-valia). 25

26 8. Ágio na aquisição de investimentos $ do PL na , ,00 Patrimônio Líquido da Investida Valor Justo dos Ativos Líquidos Aquisição 1.400,00 Patrimônio Líq. Ajustado 100% 1.400, ,00 Custo de Aquisição 3 600,00 Goodwill Até a realização do investimento, as baixas do goodwill, o ganho por compra vantajosa e as reduções de mais ou menos-valia não tem efeito fiscal (adição e exclusão controle parte B) 26

27 8. Ágio na aquisição de investimentos Incorporação, fusão ou cisão Tratamento fiscal 1. Mais e Menos-Valia: O saldo existente na contabilidade, na data da aquisição, poderá/deverá ser considerado como integrante do custo do bem ou direito para sua realização (alienação/depreciação). 2. Goodwill: poderá ser excluído o saldo existente na contabilidade, na data da aquisição, no prazo mínimo de 5 (cinco) anos. Goodwill não pode decorrer de operação de substituição de ações ou quotas de participação societária. 3. Ganho por Compra Vantajosa: deverá ser computado no Lucro Real no prazo máximo de 5 anos. 27

28 8. Ágio na aquisição de investimentos Condições para aproveitamento da mais-valia e do goodwill 1. Laudo de Mais-Valia (PPA); 2. Aquisição entre Partes Não Dependentes; 3. Segregação em Subcontas do PL, Mais-Valia e Goodwill. 28

29 8. Ágio na aquisição de investimentos Condições para aproveitamento da mais-valia e do goodwill Laudo (da mais valia) deve ter sido elaborado e registrado: Perito independente; Protocolado o inteiro teor na RFB (via processo eletrônico) ou Sumário Registrado em Cartório de Títulos e Documentos até o 13º mês subsequente à aquisição; Número do processo eletrônico deve ser informado no LALUR; Laudo elaborado ainda que o valor da mais valia dos ativos seja zero; RFB pode desconsiderar o laudo no caso de vícios ou incorreções relevantes. 29

30 8. Ágio na aquisição de investimentos Regra de transição Regras Antigas do Ágio (Lei nº 9.532/97) continuam sendo aplicadas para as participações societárias adquiridas em somente se: as operações de incorporação, fusão e cisão ocorrerem até ; Ano máximo p/ aquisição OPTANTES: Laudo Mais-Valia NÃO OPTANTES: Laudo Mais-Valia Ano máximo p/ incorporação REGRAS ANTIGAS No caso de aquisições de participações societárias que dependam da aprovação de órgãos reguladores e fiscalizadores para a sua efetivação, o prazo para incorporação poderá ser até 12 (doze) meses da data da aprovação da operação. 30

31 9. Depreciação Regras gerais: Não poderá ultrapassar o custo de aquisição do bem Bens móveis e imóveis intrinsecamente relacionados com a produção ou comercialização dos bens e serviços Não será admitida quota de depreciação referente a terrenos IN RFB nº 1.556, de 31/03/2015, acresce o 6º ao art. 65: 6º Se o contribuinte deixar de deduzir a depreciação de um bem depreciável do ativo imobilizado em determinado período de apuração, não poderá fazê-lo acumuladamente fora do período em que ocorreu a utilização desse bem, tampouco os valores não deduzidos poderão ser recuperados posteriormente através da utilização de taxas superiores às máximas permitidas. Teor, adaptado, do PN CST 79/

32 9. Depreciação Taxa Anual de Depreciação: Regra: prazo de vida útil dosanexos I e II da INSRF nº 162/1998 Direito do contribuinte computar a quota efetivamente adequada, desde que faça a prova dessa adequação Contribuinte ou RFB: possibilidade de solicitação de perícia do Instituto Nacional de Tecnologia (INT), ou de outra entidade oficial de pesquisa científica ou tecnológica Quota de Depreciação contábil menor que a fiscal Até custo de aquisição Após o custo de aquisição (-) Exclusão da diferença no Lalur (registro parte B) (+)Adição da depreciação contábil (baixa parte B) Atenção: ausência de regra de neutralidade para PIS/COFINS contabilização menor que taxa fiscal pode gerar créditos menores. 32

33 9. Depreciação Exemplo: Aquisição de equipamento em janeiro/2013 por R$ à vista Vida útil para fins societários: 6 anos Vida útil para fins fiscais: 4 anos Data da adoção inicial: janeiro/ Societário (10.000) (10.000) RTT/Exclusão (5.000) (5.000) (10.000) (10.000) (10.000) (10.000) (5.000) (5.000) - - Adição Efeito Fiscal (15.000) (15.000) (12.500) (12.500) (2.500) (2.500) Adoção inicial Lei nº Diferença depreciação = R$

34 10. Impairment Conceito de Impairment (Pronunciamento Técnico CPC nº 01): Valor Contábil > Valor recuperável [maior montante entre o seu valor justo líquido de despesa de venda e o seu valor em uso] Os valores contabilizados como impairment somente poderão ser reconhecidos para fins tributários quando ocorrer a alienação ou baixa do bem correspondente. Reconhecimento Impairment D Perda com Impairment (Resultado) C Ativo- Subconta Apuração Lalur (=) Lucro Líquido antes do IRPJ (10.000) (+) Perda com Impairment (=) Lucro após adições e exclusões 0 Parte B 34

35 11. Custo com empréstimos Ativo qualificável: demanda um período de tempo substancial para ficar pronto para seu uso ou venda. Ex: estoques de longa maturação; propriedade para investimentos; ativo imobilizado; ou ativo intangível. Custo do ativo: juros e outros encargos, associados a empréstimos contraídos para financiar a aquisição, construção ou produção destes bens 35

36 11. Custo com empréstimos 1) Os juros e outros encargos incorridos poderão ser capitalizados até o momento em que o ativo estiver pronto para venda ou uso. Neste caso, a dedução fiscal se dará pela realização do ativo. 2) Alternativamente, os juros e outros encargos poderão ser excluídos na apuração do lucro real quando incorridos, devendo ser adicionados quando o respectivo ativo for realizado, inclusive mediante depreciação, amortização, exaustão, alienação ou baixa. Impossibilidade de tomada de créditos de PIS/COFINS 36

37 11. Custo com empréstimos Lalur (controle na Parte B) Construção ou Produção do Ativo Juros e outros encargos Empréstimo Uso e Realização do Ativo Lucro Contábil Parcela da depreciação referente aos juros e outros encargos Realização do ativo / Depreciação Lalur (controle na Parte B) - - Exclusão Adição Lucro Real 37

38 12. Amortização do intangível Dedutibilidade da amortização de intangível registrada conforme previsto nas regras contábeis (desde que o direito seja intrinsecamente relacionado com a produção ou comercialização dos bens e serviços). Possibilidade de exclusão de gastos com desenvolvimento de inovação tecnológica, quando registrados no ativo não circulante intangível, no período de apuração em que forem incorridos (incentivo fiscal). 38

39 12. Amortização do intangível Exemplo: Gastos com inovação tecnológica (intangível) em 2015: $ 40,00 Período de amortização do intangível: 5 anos Lucro contábil 0,00 (8,00) (8,00) (8,00) (8,00) (8,00) Adição - 8,00 8,00 8,00 8,00 8,00 Exclusão (40,00) Lucro fiscal (40,00) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 39

40 13. Arrendamento mercantil financeiro Operacional Arrendamento Mercantil Transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. Financeiro 40

41 13. Arrendamento mercantil financeiro Os bens adquiridos mediante arrendamento mercantil financeiro devem ser reconhecidos no ativo imobilizado desde a formalização do contrato. (Pronunciamento Técnico CPC nº 6) TRATAMENTO FISCAL: Natureza Efeito IRPJ/CSLL Efeito PIS/Cofins Depreciação Adição Não gera crédito Despesa financeira * Adição Não gera crédito Contraprestação Exclusão Gera crédito * Entende-se por despesa financeira os juros computados no valor da contraprestação de arrendamento mercantil (art. 89, 5º da IN 1.515/2014) 41

42 14. Juros sobre o capital próprio Contas do PL: capital social; reservas de capital; reservas de lucros; ações em tesouraria; e prejuízos acumulados. AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL Não considera ajuste de avaliação patrimonial. PATRIMÔNIO LÍQUIDO Cálculo efetuado sobre balanço societário. Atenção: Não prevê JCP s/ lucros acumulados A dedução dos JCP somente poderá ocorrer no ano-calendário a que se refere o lucro do qual são decorrentes (vedação de JCP retroativo) Exclusão via LALUR, se não contabilizado como despesa 42

43 15. Mudanças de Regime de Tributação De Para Observação Lucro Real Lucro Presumido Tributação, pelo IRPJ e pela CSLL, do primeiro período de apuração dos saldos dos valores cuja tributação havia diferido, inclusive as diferenças controladas em subcontas (adoção inicial e valor justo). Lucro Presumido Lucro Real Tributação pelo IRPJ e CSLL dos ganhos decorrentes de AVJ, que façam parte do valor contábil, e na proporção deste, relativos aos ativos constantes em seu patrimônio. Atenção: Possibilidade de diferimento se houver evidenciação em subcontas. 43

44 OBRIGADO 44

45 Endereços e Contatos São Paulo Rua da Quitanda, nº Centro CEP: São Paulo, SP Tel: +55 (11) Fax: +55 (11) Rio de Janeiro Av. Rio Branco, 116-9º e 10º andares - Centro CEP: Rio de Janeiro, RJ Tel: +55 (21) / Fax: +55 (21) Curitiba Rua Mal. Deodoro, º andar - Centro CEP: Curitiba, PR Tel: +55 (41) Fax: +55 (41) Belo Horizonte Av. do Contorno, salas 508/512 CEP: Belo Horizonte, MG Tel: +55 (31) Fax: +55 (31) Brasília SRTVN Quadra Conj. C, 124 -Ala A, Sala 521 CEP: Brasília, DF Tel: +55 (61) Fax: +55 (61)

46 Esta apresentação é de autoria dos advogados da Gaia, Silva, Gaede & Associados, a quem pertencem todos os direitos, e sem cuja autorização não deve ser, de forma alguma, fornecida, reproduzida ou divulgada. Seu conteúdo não tem por finalidade o alcance de um determinado resultado específico, mas sim a demonstração do panorama legal sobre a matéria no momento de sua elaboração, sobre cuja atualização não nos responsabilizamos, não consistindo em qualquer aconselhamento jurídico, que deve ser fornecido apenas mediante a análise de cada situação concreta. 46

47 47

www.pwc.com Lei 12.973/2014 Junho, 2014 São Paulo Maio de 2014

www.pwc.com Lei 12.973/2014 Junho, 2014 São Paulo Maio de 2014 www.pwc.com Lei 12.973/2014 Junho, 2014 São Paulo Maio de 2014 Contexto Atual Contexto atual Fiscal X societário 1 2 3 4 Institui o balanço fiscal Tributa dividendos distribuídos em excesso em relação

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ?

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ? III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14 O que foi alterado na apuração do IRPJ? Alberto Pinto DL 1598/77 LEI 12.973/14 Alterações Art 6º - Lucro real é o

Leia mais

Operações de Combinações de Negócios e Ágio

Operações de Combinações de Negócios e Ágio Operações de Combinações de Negócios e Ágio Tema: Operações de Combinações de Negócios e Ágio (Participações em Coligadas e Controladas ) Fonte: IN RFB Nº 1.515/14 Desdobramento do Custo de Aquisição com

Leia mais

Lei 12.973/2014 Receita Bruta

Lei 12.973/2014 Receita Bruta Lei 12.973/2014 Lei 12.973/2014 Receita Bruta Receita Bruta Produto da venda de bens Receita Bruta (art. 12, DL nº 1.598/1977) Preço da prestação de serviços Resultado auferido nas operações de conta alheia

Leia mais

Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014. Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14

Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014. Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14 Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014 Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014 Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14 Lei nº 12.973/2014 arts. 64 a 70 Adoção Inicial => procedimentos

Leia mais

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Roberto Haddad Ajuste a Valor Presente (AVP) Ativo decorrente de operações de longo prazo (Art. 3º) Os valores decorrentes do ajuste a valor presente, do

Leia mais

E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT)

E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT) E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT) Setembro de 2012 Celso Pompeu Alcantara 1 Regime Tributário de Transição (RTT) Durante 2011/2012, ouvimos discussões sobre 4 diferentes cenários:

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

A LEI 12973 E OS NOVOS AJUSTES NA APURAÇÃO DO LUCRO REAL 16/08/2015 17:57 BLUMENAU/SC

A LEI 12973 E OS NOVOS AJUSTES NA APURAÇÃO DO LUCRO REAL 16/08/2015 17:57 BLUMENAU/SC CURRÍCULO DO PALESTRANTE Me. Marcos B. Rebello Mestre em Contabilidade/UFSC, Pós Graduado em Finanças, Auditoria e Controladoria/FGV, Graduado em Ciências Contábeis. Atua como consultor na adequação às

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

13/05/2015. Lei n 12.973/2014 e seus impactos na ECF

13/05/2015. Lei n 12.973/2014 e seus impactos na ECF Lei n 12.973/2014 e seus impactos na ECF PROFESSOR: FELLIPE GUERRA PALESTRANTE: FELLIPE GUERRA Contador, Consultor Empresarial e Especialista em SPED. Coordenador da Comissão Técnica SPED do CRC/CE. Professor

Leia mais

Painel. Medida Provisória que extingue o RTT. CRC-RS Porto Alegre. Março de 2014

Painel. Medida Provisória que extingue o RTT. CRC-RS Porto Alegre. Março de 2014 Painel Medida Provisória que extingue o RTT CRC-RS Porto Alegre Março de 2014 TAX Palestrantes KPMG Assessores Tributários Ltda. Altair Antonio Toledo Sócio Fone: (51) 3303-6006 e-mail: atoledo@kpmg.com.br

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 NOVO TRATAMENTO DO ÁGIO/DESÁGIO ARTIGO 20 O CONTRIBUINTE QUE AVALIAR INVESTIMENTO PELO VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEVERÁ,

Leia mais

IN RFB 1.515/14. Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14

IN RFB 1.515/14. Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14 IN RFB 1.515/14 Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14 Consultor: Márcio Tonelli tt.consultoria.sped@gmail.com 1 ADOÇÃO INICIAL Opção pelo fim do RTT em 2014 (ir)retratável => 1499/14

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS. Palestrante Luciano Perrone

LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS. Palestrante Luciano Perrone LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS Palestrante Luciano Perrone Você bem preparado para o futuro da profissão. SINDCONT-SP Lei 12.973/14 - CEPAEC; Planejamento 'SINDCONT-SP - Comunicação - Fernanda

Leia mais

Alterações na legislação tributária brasileira Lei 12.973 Maio de 2014

Alterações na legislação tributária brasileira Lei 12.973 Maio de 2014 Alterações na legislação tributária brasileira Lei 12.973 Maio de 2014 Agenda 1 Agenda 2 Histórico 3 Lei 12.973/14 Regras transitórias 4 Lei 12.973/14 Alguns temas selecionados 1 2. Histórico 2. Histórico

Leia mais

Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos

Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos Ricardo Antonio Carvalho Barbosa DRJ/Fortaleza/CE Receita Federal do Brasil 13/11/12 1 Ágio: Decreto-Lei nº 1.598/77 CPC 15 e 18 a) Ágio ou deságio

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IN RFB nº 1.515/14. Consolidação das alterações na legislação tributária promovidas pela Lei nº 12.973/2014. Belo Horizonte, 05.02.

IN RFB nº 1.515/14. Consolidação das alterações na legislação tributária promovidas pela Lei nº 12.973/2014. Belo Horizonte, 05.02. 0 IN RFB nº 1.515/14 Consolidação das alterações na legislação tributária promovidas pela Lei nº 12.973/2014 Belo Horizonte, 05.02.2015 Contexto Histórico-Legislativo 1976 Lei nº 6.404 2007 Lei nº 11.638

Leia mais

SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE

SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE Considerações gerais Tratamento tributário e suas restrições Ajuste a Valor Presente AVP Ajuste

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011 Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011 DOU de 9.8.2011 As diferenças no cálculo da depreciação de bens do ativo imobilizado decorrentes do disposto no 3º do art. 183 da Lei nº 6.404, de 1976, com

Leia mais

Marcos Vinicius Neder

Marcos Vinicius Neder Marcos Vinicius Neder Nova regramento para o ágio Apuração do Lucro Real com base no lucro societário após ajustes definidos em lei Enumeração dos ajustes baseada na neutralização dos efeitos de alguns

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO

ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO EXEMPLO 1 ADOÇÃO INICIAL - DIFERENÇA A SER ADICIONADA Arts. 163 e 164 - Aquisição de terreno em 02/02/2013

Leia mais

REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA

REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA PARA SE FALAR EM REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA (INCORPORAÇÃO, FUSÃO OU CISÃO DE SODIEDADES) EXISTE A NECESSIDADE DE TER UM PERFEITO ENTENDIMENTO DO CONCEITO DE COMO SE DESDOBRA A

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

Novas Regras. Tributárias

Novas Regras. Tributárias IOB Guia Prático Novas Regras IOB Guia Prático - Novas Regras Tributárias - MP 627/2013 x Lei 12.973/2014 Tributárias Quadro Comparativo MP 627/2013 X Lei 12.973/2014 Elaborado pela Equipe Técnica Especializada

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) Regulamenta o Regime Tributário de Transição (RTT), institui o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT) e dá outras providências.

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br. Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio 7/4/2014

Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br. Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio 7/4/2014 Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio Ana Cláudia Akie Utumi autumi@tozzinifreire. com.br Diretora da ABDF Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br Membro do Comitê

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

www.pwc.com.br Clipping Legis Edição Especial Lei nº 12.973/2014 (Conversão da MP nº 627/2013) Nº 170

www.pwc.com.br Clipping Legis Edição Especial Lei nº 12.973/2014 (Conversão da MP nº 627/2013) Nº 170 www.pwc.com.br Clipping Legis Edição Especial MP nº 627/2013) Nº 170 Publicada em 14 de maio de 2014, a n 12.973 altera a legislação tributária federal para adequá-la à legislação societária e às novas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 O que se entende por lucro real e lucro tributável? Para fins da legislação do imposto de renda, a expressão lucro real significa o próprio lucro tributável, e distingue

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

MP 627 Fim do RTT, Tratamento de Lucros no Exterior e outras disposições

MP 627 Fim do RTT, Tratamento de Lucros no Exterior e outras disposições Informativo nº 02/2014, São Paulo, fevereiro de 2014 MP 627 Fim do RTT, Tratamento de Lucros no Exterior e outras disposições A Medida Provisória 627 (publicada em 12/11/13 e republicada em 13/11/13) trata

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

1. FCONT CONTROLE FISCAL CONTÁBIL DE TRANSIÇÃO

1. FCONT CONTROLE FISCAL CONTÁBIL DE TRANSIÇÃO 1. FCONT CONTROLE FISCAL CONTÁBIL DE TRANSIÇÃO Conforme disciplina a Instrução Normativa RFB nº 949/09, O FCONT é uma escrituração, das contas patrimoniais e de resultado, em partidas dobradas, que considera

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Pagamento Baseado em Ações. Lei 12.973/2014 Pagamento Baseado em Ações

Pagamento Baseado em Ações. Lei 12.973/2014 Pagamento Baseado em Ações Lei 12.973/2014 Lei 12.973/2014 Pagamento Baseado em Ações Etapas de um Plano de Opções para Pagamento Baseado em Ações Aprovação do Plano de Opções Data da Concessão do Plano / Data da outorga Aquisição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional

CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional Prof. Arnóbio Neto Araujo Durães Setembro/2014 OBRIGATORIEDADE DE CONTABILIDADE O Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, versa sobre a obrigatoriedade da escrituração contábil, para o empresário e

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL OBRIGATORIEDADE DE CONTABILIDADE O Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, versa sobre a obrigatoriedade da escrituração contábil, para o empresário

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 09/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 09/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 09/2014 (19 de Maio de 2014) 01. PRAZO PARA ENVIO DE ARQUIVOS PAF-ECF PRORROGADO ATÉ FINAL DE JUNHO Órgão: Secretaria da Fazendo do Espírito Santo (SEFAZ). Ementa:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014 001 O que se entende por lucro real e lucro tributável? Para fins da legislação do imposto de renda, a expressão lucro real significa

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS AQUISIÇÕES E REESTRUTURAÇÕES DE EMPRESAS (M&As)

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS AQUISIÇÕES E REESTRUTURAÇÕES DE EMPRESAS (M&As) ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS AQUISIÇÕES E REESTRUTURAÇÕES DE EMPRESAS (M&As) 9ª Reunião Mensal do Grupo Legal & Regulatório (Comitê Legal) da BRITCHAM de 2014 26/09/2014, às 8:30h 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Medida Provisória 627 e o fim do RTT: R-Evolução? Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Atualmente, nós, profissionais

Leia mais

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Digital (ECD) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) José Jayme Moraes Junior Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Supervisor Nacional da ECD e da ECF Escrituração Contábil Digital

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA 11ª EDIÇÃO ATUALIZAÇÃO CONFORME A LEI Nº 12.973/2014

CONTABILIDADE BÁSICA 11ª EDIÇÃO ATUALIZAÇÃO CONFORME A LEI Nº 12.973/2014 CONTABILIDADE BÁSICA 11ª EDIÇÃO ATUALIZAÇÃO CONFORME A LEI Nº 12.973/2014 Prezados leitores, Este texto tem por objetivo atualizar o conteúdo da 11ª edição do nosso livro Contabilidade Básica, publicado

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Baker Tilly Internacional

Baker Tilly Internacional Baker Tilly Internacional Baker Tilly Brasil A Baker Tilly Brasil é uma empresa de auditoria e consultoria, com atuação em todo o território nacional e membro independente da Baker Tilly Internacional,

Leia mais

Impacto fiscal. Depois de quase dois anos de longos debates entre empresas,

Impacto fiscal. Depois de quase dois anos de longos debates entre empresas, KPMG Business Magazine 30 TRIBUTOS Jupiterimages Stock photo/w101 Moeda funcional O artigo 58 da MP estabelece que as empresas que usam alguma moeda estrangeira para fins contábeis e demonstrações financeiras

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Visão geral dos impactos das novas evidenciações e diferenças de práticas contábeis advindas da IN 1.515. Subcontas. ECF e suas implicações.

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL E AJUSTES DE CONVERSÃO Patrimônio Líquido Após as alterações Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ASSUNTOS CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS APÓS AS LEIS NºS 11.638/2007 E 11.941/2009... Pág. 341 IMPOSTO DE RENDA PESSOA

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Ágio: Apresentação das Regras Gerais do Novo Regime Fiscal

Ágio: Apresentação das Regras Gerais do Novo Regime Fiscal Ágio: Apresentação das Regras Gerais do Novo Regime Fiscal Andrea Bazzo Lauletta Janeiro de 2015 Ágio: Evolução no Tempo Contabilidade Regime Contábil Anterior (Instruções CVM 247, 319 e 349) Mudanças

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

IPEC-RJ Apresenta. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS

IPEC-RJ Apresenta. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS IPEC-RJ Apresenta MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS Olá, aqui escreve o Prof. Paulo Henrique Pêgas. Ano retrasado, divulgamos um material comentando

Leia mais