POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento"

Transcrição

1 POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de

2 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA, INDEPENDENTE E INOVADORA I INVESTIMENTO PRIVADO E INCENTIVOS AO INVESTIMENTO II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO 2

3 INVESTIMENTO EM ANGOLA 3

4 INVESTIMENTO EM ANGOLA (aspectos a reter): 1. Capitais/financiamento para o projecto de investimento 2. Recursos humanos adequados 3. Parcerias locais 4. Falar Português 4

5 Lei n.º 20/2011, de 20 de Maio (Lei do Investimento Privado) Lei n.º 17/2003, de 25 de Julho (Lei Sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado), apenas no que não for contrária à LIP Outros sectores (petróleo, diamantes e instituições financeiras) com legislação específica 5

6 Lei n.º 20/11, de 20 de Maio, Lei do Investimento Privado Principais alterações Regime anterior Limite mínimo do investimento: USD ,00 ou USD Critérios objectivos na determinação dos benefícios a atribuir, bem como dos montantes passíveis de repatriamento. Coexistência do regime de declaração prévia e do regime contratual. Exportação de capitais limitada a eventuais perturbações para a balança de capitais. Capital social das sociedades a constituir devia obedecer às regras gerais da Lei das Sociedades Comerciais. Regime actual Limite mínimo do investimento: USD ,00 Negociação dos benefícios a atribuir, bem como dos montantes passíveis de repatriamento maior discricionariedade (negociação / contrato de investimento). Existe apenas o regime contratual, ainda que com algumas diferenças. Exportação de capitais varia consoante o montante investido, a zona de investimento e o impacto socioeconómico, além da limitação inerente à balança de pagamentos. Capital social das sociedades a constituir deve ser proporcional ao investimento a realizar. 6

7 Incentivos e Benefícios Fiscais ao Investimento Privado Incentivos e benefícios fiscais com carácter excepcional Incentivos fiscais e aduaneiros (critério de incidência): Sector de actividade Zona de desenvolvimento Zona económica especial 7

8 Incentivos e Benefícios Fiscais ao Investimento Privado Sectores prioritários: Agricultura e pecuária; Infra-estruturas rodoviárias, ferroviárias, portuárias e aeroportuárias; Telecomunicações e tecnologias de informação; Indústria de pesca e derivados; Energia e águas; Habitação social; Saúde e educação; Hotelaria e turismo. 8

9 Incentivos e Benefícios Fiscais ao Investimento Privado Zonas de Desenvolvimento: a)zona A Província de Luanda, os municípios-sede das Províncias de Benguela, Cabinda, Huíla e o Município do Lobito b)zona B Restantes municípios da Províncias de Benguela, cabinda e Huíla e Províncias do Bengo, Cuanza-Norte, Cuanza- Sul, Malange, Namibe e Uíge; c)zona C Províncias do Bié, Cunene, Huambo, Cuando- Cubango, Lunda Norte, Lunda-Sul, Moxico e Zaire. 9

10 Incentivos e Benefícios Fiscais ao Investimento Privado Critérios e objectivos da atribuição de incentivos: a) Incentivo ao crescimento da economia; b) Promoção do bem-estar económico, social e cultural; c) Promoção das regiões mais desfavorecidas; d) Aumento da capacidade produtiva nacional; e) Parcerias entre entidades nacionais e estrangeiras; f) Criação de postos de trabalho; g) Transferência de tecnologias e aumento da eficiência produtiva; h) Aumento das exportações e redução das importações; i) Aumento das disponibilidades cambiais; j) Abastecimento eficaz do mercado interno; k) Desenvolvimento tecnológico e eficiência empresarial; l) Reabilitação, expansão ou modernização de infra-estruturas. 10

11 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado: Isenção ou redução do Imposto Industrial Isenção ou redução do Imposto sobre a Aplicação de Capitais Isenção ou redução do pagamento do Imposto de Sisa Isenção de direitos aduaneiros Outros benefícios 11

12 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado: Isenção ou redução do IMPOSTO INDUSTRIAL (taxa normal 35%: a redução não pode ser superior a 50% (taxa de imposto de 17,5%). Os lucros resultantes do investimento podem estar sujeitos à isenção ou redução do imposto industrial, se o investimento for realizado: Na Zona A, isenção ou redução por um período de 1 a 5 anos; Na Zona B, isenção ou redução por um período de 1 a 8 anos; Na Zona C, isenção ou redução por um período de 1 a 10 anos. - O período de isenção conta a partir do momento em que 90% da força de trabalho prevista esteja implementada 12

13 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado: Isenção ou redução do Imposto sobre a Aplicação de Capitais (aplica-se apenas aos lucros distribuídos aos sócios - taxa normal é de 5%) As operações de investimento abrangidas por este regime, ficam sujeitas à isenção ou redução do imposto sobre a aplicação de capitais, pelos seguintes períodos, relativamente aos lucros distribuídos aos sócios: Na Zona A, isenção por um período até 3 anos; Na Zona B, isenção por um período até 6 anos; Na Zona C, isenção por um período até 9 anos. 13

14 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado: Isenção ou redução do pagamento do Imposto de Sisa, pela aquisição de terrenos e imóveis afectos ao projecto de investimento 14

15 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado / Aplicação dos limites máximos: Na Zona A Limite máximo de isenção só para investimentos superiores a 50M USD ou que gerem mais de 500 postos de trabalho; Nas Zonas B e C O limite máximo de isenção só pode ser atribuído a investimentos superiores s 20M USD ou que gerem mais de 500 postos de trabalho; Podem ser atribuídos limites máximos de isenção para projectos em qualquer das Zonas, se estiverem reunidos 2 dos requisitos do artigo 29º da LIP. 15

16 Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado: Concessão Contratualizada de Incentivos e benefícios fiscais (artigo 29º da LIP): Projectos de montante superior a 50M USD; ou ((A) e 1 das outras 3) A) Ser o investimento declarado como altamente relevante para o desenvolvimento estratégico da economia, considerando o sector de actividade, localização, valor do investimento e redução de assimetrias regionais; B) Investimento que crie mais de 500 postos de trabalho directos; C) investimento que contribua para a inovação tecnológica e investigação científica; D) As exportações anuais resultantes do investimento serem superiores a 50M USD. 16

17 Lei do Investimento Privado (LIP) a) Definições de investimento privado b) Princípios e objectivos da política do investimento privado c) Operações de investimento d) Garantias, direitos e deveres gerais do investidor privado e) Benefícios fiscais, aduaneiros e regime cambial f) Regime processual do investimento g) Decurso dos projectos de investimento h) Transgressões e penalidades 17

18 Investimento Privado Externo Interno Investimento externo: Introdução e utilização em Angola de activos domiciliados dentro e fora de Angola, por pessoas singulares ou colectivas, não residentes cambiais ou activos domiciliados fora do território nacional, por pessoas singulares ou colectivas, residentes cambiais; Introdução e utilização em Angola de capitais, tecnologias e know-how, bens de equipamento e outros; ou Criação de novas empresas, agrupamentos de empresas ou outra forma de representação social de empresas privadas (nacionais ou estrangeiras); ou Aquisição (da totalidade ou parte) de empresas angolanas já existentes. 18

19 Investimento interno: A utilização por via do recurso a activos domiciliados em Angola ou derivados de financiamentos obtidos no exterior (com a respectiva amortização a ser realizada com recurso ao Fundo Cambial de Angola); Introdução e utilização em Angola de capitais, tecnologias e know-how, bens de equipamento e outros; ou Criação de novas empresas, agrupamentos de empresas ou outra forma de representação social de empresas privadas (nacionais ou estrangeiras); ou Aquisição (da totalidade ou parte) de empresas angolanas já existentes. 19

20 Investidor: Interno (residente cambial) Externo (não-residente cambial) Este critério é independentemente de se tratar de um residente ou nacional angolano. 20

21 Investimento privado: (i) utilização em território angolano de capitais, tecnologias e know how, bens de equipamento e outros, (ii) utilização de fundos que se destinem à criação de novas empresas, agrupamentos de empresas ou outra forma de representação social de empresas privadas (nacionais ou estrangeiras), bem como (iii) aquisição (da totalidade ou parte) de empresas angolanas já existentes. Investimento indirecto: Todo o investimento (interno ou externo) que compreenda, isolada ou cumulativamente: empréstimos suprimentos e prestações suplementares introdução de tecnologia patenteada e processos técnicos segredos e modelos industriais franchising marcas registadas, assistência técnica outras formas de acesso à sua utilização Investimento directo: Compreende todas as formas de investimento, interno ou externo, que não sejam consideradas como investimento indirecto. 21

22 Direitos dos Investidores Privados: - Igualdade de tratamento entre sociedades, independentemente da origem do respectivo capital social - Acesso aos tribunais angolanos - Indemnização justa em caso de expropriação - Protecção e respeito pelo sigilo profissional, bancário e comercial - Respeito e integral cumprimento de tratados e acordos internacionais - Direitos de propriedade industrial - Protecção dos direitos de titularidade sobre as terras - Não interferência pública na gestão das empresas privadas - Não cancelamento de licenças sem prévio procedimento judicial ou administrativo - Direito de importação directa de bens do exterior e exportação autónoma de produtos produzidos pelos investidores - Garantia de transferência de dividendos, nos termos do projecto 22

23 Obrigações dos Investidores Privados: - Implementar o projecto de investimento e importar os capitais nos termos acordados com a ANIP - Empregar e zelar pela formação de cidadãos angolanos - Pagar os impostos devidos e outras obrigações a que estejam sujeitos - Criar fundos, reservas e constituir provisões, nos termos da legislação em vigor - Aplicar o Plano de Contas Angolano - Cumprir as normas relativas à defesa do meio ambiente - Apresentar relatórios anuais à ANIP sobre a implementação e desenvolvimento do investimento, lucros e dividendos - Respeitar as leis e regulamentos angolanos - Respeitar as normas de higiene, protecção e segurança no trabalho 23

24 As mais importantes operações de investimento externo: Introdução de moeda livremente conversível em território angolano Introdução de tecnologia e know-how Introdução de máquinas, equipamentos e outros meios fixos corpóreos Participações em parcerias ou sociedades comerciais de direito angolano domiciliadas em território nacional Criação e expansão de sucursais ou outras formas de representação nacional de empresas estrangeiras Criação de novas empresas exclusivamente pertencentes ao investidor externo Exploração de complexos imobiliários Aquisição de bens imóveis integrada em projectos de investimento privado Prestações suplementares ou empréstimos ligados à participação nos lucros 24

25 I INVESTIMENTO PRIVADO ANIP órgão competente para executar a politica nacional em matéria de investimento privado qualificado, bem como promover, coordenar, orientar e supervisionar os investimentos privados, de acordo com os seguintes princípios: livre iniciativa económica garantias de segurança e protecção do investimento igualdade de tratamento e não discriminação respeito e integral cumprimento de acordos e tratados internacionais. As operações de investimento privado em Angola que possam beneficiar do regime da LIP devem sujeitar-se ao registo na ANIP, que coordenará, orientará e supervisionará os respectivos projectos de investimento. Aprovadas as propostas de investimento privado, a ANIP emitirá o Certificado de Regime de Investimento Privado (CRIP) 25

26 Requisitos monetários de acesso: Investimentos externos inferiores a USD ,00 (ou em montante equivalente em moeda nacional quando se trate de investimentos internos) não estão abrangidos pela LIP, pelo que não estão sujeitos a autorização prévia da ANIP, não beneficiam dos incentivos fiscais e aduaneiros e não beneficiam do regime de repatriamento de dividendos. 26

27 Regime processual único do investimento: a) Implica, necessariamente, uma negociação entre o candidato a investidor e as autoridades competentes do Executivo sobre os termos do investimento b) Fases processuais: a) Apresentação da proposta b) (Eventual) Correcção da proposta c) Apreciação, negociação e remessa da proposta para aprovação d) Apreciação pela CNFI (Comissão de Negociação de Facilidades e Incentivos) e) Aprovação do projecto de investimento: i. Conselho de Administração da ANIP (projectos até 10M USD) ii. Titular do Poder Executivo (projectos de montante superior a 10M USD) iii. Nos projectos de montante superior a 50M USD, o Titular do Poder Executivo pode constituir uma CNFI ad hoc para efeitos de negociação f) Emissão do CRIP 27

28 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO A. Sociedades Comerciais B. Sucursais e Escritórios de Representação C. Contratos Comerciais 28

29 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO A Sociedades Comerciais Tipos de Sociedades Comerciais: Sociedades por Quotas (SQ) Sociedades Anónimas (SA) Sociedades em Nome Colectivo Sociedades em Comandita 29

30 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO A Sociedades Comerciais (Sociedades por Quotas (SQ) e Sociedades Anónimas (SA)) Capital Social Mínimo: SQ valor correspondente em Kwanzas equivalente a US $ SA valor correspondente em Kwanzas equivalente a US $

31 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO A Sociedades Comerciais (Sociedades por Quotas (SQ) e Sociedades Anónimas (SA)) Accionistas: SQ: dois quotistas SA: cinco accionistas 31

32 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO A Sociedades Comerciais (Sociedades por Quotas (SQ) e Sociedades Anónimas (SA)) Gerentes e Conselho de Administração: SQ administrada e representada por um ou mais gerentes (pessoas singulares) SA administrada por um Administrador único ou por um Conselho de Administração composto por um número ímpar de membros 32

33 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO Constituição de uma sociedade comercial em Angola ao abrigo do regime do investimento privado ( step plan ): a) Obtenção do certificado de admissibilidade da firma b) Apresentação do projecto à ANIP c) Aprovação do projecto - Emissão do CRIP d) Licença de importação de capitais emitida pelo BNA e) Depósito do capital social f) Importação dos respectivos capitais, através de um banco comercial domiciliado em Angola, no prazo máximo de 90 dias, bem como dos equipamentos previstos no projecto de investimento g) Apresentação da prova da importação de capitais junto do BNA e da ANIP h) Escritura pública de constituição da sociedade comercial (Custo: Cerca de 9% do capital social) 33

34 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO Constituição de uma sociedade comercial em Angola ao abrigo do regime do investimento privado ( step plan ) (CONT.): i) Registo da sociedade na Conservatória do Registo Comercial competente (Custos: Cerca de 7% do capital social) j) Inscrição da sociedade na Administração Fiscal k) Publicação do contrato de sociedade no Diário da República l) Inscrição da sociedade no Instituto Nacional de Estatística m) Obtenção do alvará comercial n) Obtenção do mapa de horário de trabalho o) Comunicação ao Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS) p) Comunicação ao Centro de Emprego q) Inscrição da entidade empregadora no Instituto Nacional de Segurança Social 34

35 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO B. Sucursais e Escritórios de Representação Sucursais são pessoas jurídicas O procedimento necessário para a criação de uma Sucursal em Angola é semelhante ao procedimento aplicável à constituição de sociedades comerciais (autorização prévia da ANIP) Os Escritórios de Representação não podem praticar quaisquer actos comerciais em Angola por conta própria, não têm capacidade legal para agir autonomamente ou para deter participações sociais noutras sociedades (pessoal limitado a 6 pessoas) 35

36 II VEÍCULOS DE INVESTIMENTO C. Contratos Comerciais a. Contrato de Agência b. Contrato de Franquia ( franchising ): i. Franchising de Distribuição ii. Franchising de Serviços iii. Franchising de Produção ou Industrial c. Contrato de Concessão Comercial d. Outros Contratos (Conta em Participação, Consórcios e Joint Ventures, Agrupamentos de Empresas) 36

37 III CONCLUSÕES 1. Moderno quadro jurídico para o investimento privado 2. Veículos de investimento apropriados 3. Protecção da importação de capitais e do repatriamento de lucros e dividendos 4. Incentivos fiscais interessantes 37

38 Em Angola só os mais perseverantes terão sucesso... 38

39 39

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS ANGOLA: QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS Porto, 06 de Março de 2012 ÍNDICE Parte I Parte II FORMAS DE REPRESENTAÇÃO SOCIEDADES SUCURSAIS E ESCRITÓRIOS DE REPRESENTAÇÃO Parte III ASPECTOS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Angola Com o Apoio ÍNDICE p. 3 PREÂMBULO TÍTULO I Disposições Gerais Capítulo I Objecto, Definições e Âmbito Artigo 1. (Objecto) Artigo 2. (Definições) Artigo 3. (Âmbito) Artigo

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

LEI Nº 20/11, DE 20 DE MAIO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO ANGOLA. Lei nº 20/11, de 20 de Maio.

LEI Nº 20/11, DE 20 DE MAIO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO ANGOLA. Lei nº 20/11, de 20 de Maio. 1 LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO ANGOLA Lei nº 20/11, de 20 de Maio O investimento privado, a par do investimento público, continua a ser uma aposta estratégica do Estado, para a mobilização de recursos humanos,

Leia mais

Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado -

Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado - Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado - Página 1/54 O investimento privado, a par do investimento público, continua a ser uma aposta estratégica do Estado, para a mobilização de recursos

Leia mais

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI N.º /03 de de A existência de uma Lei Geral Tributária é hoje corrente em muitos Estados, representando um instrumento de racionalização, de estruturação e de estabilidade dos sistemas tributários.

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Lei de Base do Investimento Privado Investimento Privado em Angola Lei de Base do Investimento Privado Lei de Base do Investimento Privado TÍTULO I Disposições

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA

DIÁRIO DA REPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número - Kz: 250,00 DIÁRIO DA REPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Toda a correspondência, quer oficial, quer relativa a anúncio e assinatura do Diário da República, deve ser dirigia

Leia mais

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado LEI No.17/03 de 25 de JULHO Artigo 1.º Âmbito da aplicação A presente lei regula os procedimentos, os tipos e modalidades de concessão

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Anacleta Cipriano Advogada Associada FBL Angola. 12 a 14 de Junho de 2012, Luanda, Angola

Anacleta Cipriano Advogada Associada FBL Angola. 12 a 14 de Junho de 2012, Luanda, Angola Anacleta Cipriano Advogada Associada FBL Angola ENQUADRAMENTO LEGAL, REGULAMENTAR, BUROCRÁTICO E FISCAL Módulo II Requisitos para Aprovação de Projectos, Documentos Necessários e Processo Burocrático Índice

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças LEI Nº 11/03 De 13 de Maio O investimento privado desempenha um papel crucial no desenvolvimento da economia nacional. Importa, pois, estabelecer para ele um regime legal de incentivos

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional Cabe ao Estado estabelecer as políticas necessárias para melhorar o desenvolvimento económico

Leia mais

Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, Sociedade de Advogados, RL (MLGTS)

Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, Sociedade de Advogados, RL (MLGTS) Apresentação O Doing Business Angola foi elaborado conjuntamente pela Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, Sociedade de Advogados, RL (MLGTS) e pela Angola Legal Circle Advogados

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

Investir em Angola. 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros

Investir em Angola. 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros Investir em Angola 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros 2-Razões para Investir a) Estabilidade Económica e Militar 3-Investimento Estrangeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Externo As políticas delineadas no Plano de Desenvolvimento Nacional para o crescimento económico

Leia mais

QUE NOVIDADES? Vanessa Silva

QUE NOVIDADES? Vanessa Silva QUE NOVIDADES? Vanessa Silva Porquê uma nova Lei do Investimento Privado? Principais Mudanças Fim do montante mínimo de USD 1M para estrangeiros Direito a repatriar lucros / dividendos dependente apenas

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Susana Almeida Brandão 27 de Maio 2011 VEÍCULOS DE INVESTIMENTO Veículos de Investimento Sociedade comercial angolana Sucursal de sociedade estrangeira SOCIEDADES POR QUOTAS vs SOCIEDADES

Leia mais

LEI N.º 11/03. de 13 de Maio. O investimento privado desempenha um papel crucial no desenvolvimento da economia nacional.

LEI N.º 11/03. de 13 de Maio. O investimento privado desempenha um papel crucial no desenvolvimento da economia nacional. LEI N.º 11/03 de 13 de Maio O investimento privado desempenha um papel crucial no desenvolvimento da economia nacional. Importa, pois, estabelecer para ele um regime legal de incentivos que, sem descurar

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n 5/02 de 16 de Abril

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n 5/02 de 16 de Abril ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n 5/02 de 16 de Abril o amplo debate político e académico desenvolvido a partir de meados da década de 80 do século XX, no âmbito da implementação do Programa de Saneamento Económico

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril Considerando que incumbe ao Banco Nacional de Angola (BNA) definir a regulamentação aplicável às operações cambiais previstas na Lei nº 2/12, de 13 de Janeiro de 2012,

Leia mais

COMO INVESTIR EM ANGOLA

COMO INVESTIR EM ANGOLA 1 COMO INVESTIR EM ANGOLA FINANCIAMENTO ÀS INFRAESTRUTURAS, À AGRICULTURA E AGRO-INDÚSTRIA 26 de Maio de 2014 Apresentação de: Maria Luísa Abrantes, PhD Secretária de Estado e PCA da ANIP 2 ANIP - Agência

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

aware ANGOLAN DESK LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Junho 2011 N.3

aware ANGOLAN DESK LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Junho 2011 N.3 ANGOLAN DESK LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Junho 2011 N.3 ANGOLAN DESK EDITORIAL Finalmente e após meses de adiamento e gestação, a tão aguardada nova Lei do Investimento Privado em Angola foi publicada.

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente diploma regula a introdução no território nacional, de capitais, bens, de equipamento e outros,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Para os empresários portugueses Ajman Fujairah Sharjah Dubai Ras Al-Khaimah Umm Al Qaiwain O País Designação Oficial: Emirados Árabes Unidos Forma de Estado: Federação de sete Emirados

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

Condições Legais de Acesso ao Mercado

Condições Legais de Acesso ao Mercado Condições Legais de Acesso ao Mercado Página 1/10 Índice 1. Regime Geral de Importação 2 2. Regime de Investimento Estrangeiro 6 3. Quadro Legal 7 Página 2/10 1. Regime Geral de Importação No contexto

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA Índice 1. Introdução 2 2. Angola: Características e dados económicos 3 2.1 Informação Geral 3 2.2 Indicadores Económicos 3 2.3 Oportunidades de Comércio e Investimento em

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto Definição do conceito fiscal de prédio devoluto A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE INVESTIR EM MOÇAMBIQUE CRIAR UMA EMPRESA DE DIREITO MOÇAMBICANO Constituição de uma sociedade de direito moçambicano (%) Capital social mínimo Representação do capital social Sociedade por Quotas Não existe

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

ANGOLA Investimento Privado ANGOLA. Investimento Privado

ANGOLA Investimento Privado ANGOLA. Investimento Privado 1 Índice Decreto Presidencial n. 181/15, de 30 de Setembro Linhas Mestras da Política Nacional de 4 Lei n. 14/15, de 11 de Agosto Lei do 19 Decreto Presidencial n. 182/15, de 30 de Setembro Regulamento

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS EM VIGOR EM 31 DE MAIO DE 2012 ANGOLA www.bancokeve.ao À memória do Dr. Francisco Luemba 7 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 13 LEI CAMBIAL LEI Nº 5 / 97, DE 27 DE JUNHO

Leia mais

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA Índice 1. Introdução 2 2. Angola: Características e dados económicos 3 2.1 Informação Geral 3 2.2 Indicadores Económicos 3 2.3 Oportunidades de Comércio e Investimento em

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos sectores de serviços: Sector de Serviços Pontos principais do Suplemento VI ao Acordo Serviços Jurídicos É permitido aos advogados de

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Doing Business in Brazil

Doing Business in Brazil INVESTIR NO BRASIL Doing Business in Brazil Alfeu Pinto Sócio Boccuzzi e Associados 12 de Abril de 2012 Visão Geral sobre o Brasil Área territorial População PIB Regime cambial brasileiro/reservas Forma

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros [excluindo actividade seguradora e serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities)] a. Aceitação de depósitos e outros fundos reembolsáveis

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

ANGOLA, NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1*

ANGOLA, NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1* ANGOLA NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1* 1. Informação geral sobre o país - Designação oficial: República de Angola; - Superfície: 1.246.700 km2; - Extensão da Costa Atlântica: 1.650 Km; - Fronteiras Terrestres:

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais