República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:"

Transcrição

1 A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada: Localidade: Telefones: Fax: REPRESENTANTE Obs: apresentar Procuração mandatando perante a ANIP Nome: _ Morada: Localidade: Telefones: Fax: 1 de 14

2 ASPECTOS GERAIS 1. Designação do projecto: 2. Data de aprovação: 3. Sector de actividade: 4. Órgão de tutela: 5. Actividade principal declarada e autorizada: 5.1. Declare se alterou / exerce outra actividade que não a declarada e autorizada? Sim Não Comente / Diga quais os motivos: 5.2. Declare se o projecto inicial conheceu aumento de investimento? Sim Não Comente: 5.3. Declare se o projecto inicial conheceu alargamento /alteração do capital social? Sim Não Comente: 2 de 14

3 6. Localização do projecto de investimento 6.1. Zona de desenvolvimento autorizada (art.º 35.º da Lei 20/11 de 20 de Maio): 6.2. Declare se alterou a Zona de desenvolvimento autorizada? Sim Não Comente o motivo da alteração de zona: 6.3. Zona de desenvolvimento actual: 6.4. Sede do projecto de investimento Endereço: Província: Município: Comuna: Bairro: Telefones: / / Locais de produção / comercialização de bens e / ou serviços Endereço: Província: Município: Comuna: Bairro: Telefones: / / 3 de 14

4 Endereço: Província: Município: Comuna: Bairro: Telefones: / / Endereço: Província: Município: Comuna: Bairro: Telefones: / / 7. Montante de investimento do projecto ORIGEM DO INVESTIMENTO FINANCIAMENTO UM: 1000 USD MONTANTE AUTORIZADO / APROVADO NACIONAL EXTERNO Capital próprio Empréstimo Capital próprio Empréstimo Domiciliado Não domiciliado Interno Externo Domiciliado Não domiciliado Interno Externo Meios monetários Bens e equipamentos Meios monetários Bens e equipamentos Tabela 1. Origem, tipo de financiamento, e montante de investimento aprovado 4 de 14

5 ORIGEM DO INVESTIMENTO MONTANTE REALIZADO % DA REALIZAÇÃO UM: 1000 USD Meios monetários Meios monetários NACIONAL Bens e equipamentos Bens e equipamentos Meios monetários Meios monetários EXTERNO Bens e equipamentos Bens e equipamentos Tabela 2. Origem, montante realizado, e percentagem de realização do investimento aprovado 7.1. Declare se o investimento Externo realizado já foi reconhecido pelo Banco Nacional de Angola (BNA)? Sim Não Obs: Se assinalou não, deve apresentar os documentos comprovativos das transferências ao BNA e solicitar junto aquela entidade a prova documental do seu reconhecimento. Comente / Justifique / Motivos: 7.2. Comente / justifique a baixa percentagem de realização do investimento: 5 de 14

6 8. Prazos de autorização / execução do projecto de investimento (anexar documentos comprovativos) Celebração do contrato de investimento Emissão do CRIP Data Emissão da Licença de Importação dos Capitais Data Validade Transferência de capitais Importação de bens e equipamentos Arranque do projecto Data Prevista Data Efectiva Comente / justifique os desvios nos prazos fixados na importação de Capitais e ou implementação do projecto: 9. Licenciamento / enquadramento legal do projecto Assinale se a sociedade executora do projecto dispõe dos documentos abaixo descriminados (anexar documentos comprovativos): Escritura Pública Estatutos da Sociedade Registo Comercial Sim Não Data Validade Em anexo 6 de 14

7 Registo Estatístico Registo Fiscal (NIF) Alvará Comercial Alvará de Licença Industrial Alvará de Emp. Obras Públicas Registo na Segurança Social Seguro acid. trab. doen. Prof. (art.º 85 da Lei Geral do Trabalho) Sim Não Data Validade Em anexo Declare quais: 9.1. Declare se algum dos documentos acima citados sofreu alterações / actualizações / averbamentos? Sim Não Diga quais e porquê? 9.2. Declare se beneficiou de incentivos fiscais e aduaneiros? Sim Não Diga Quais: 9.3. Declare se já beneficiou de algum visto de privilegiado? Sim Não Se assinalou sim, indique quantos e os beneficiários: 7 de 14

8 10. Licenciamento ambiental (decretos n.º 51/04 de 23 de Julho, e n.º 59/07 de 13 de Julho) Sim Não Data Validade Em anexo Estudo de impacte ambiental Licença de instalação Licença de operação O projecto de investimento gera resíduos (sólidos, líquidos e gasosos) tóxicos e / ou poluente? Sim Não Quais? Declare como é feita a disposição final desses resíduos? 11. Programa de execução e implementação do projecto Declare se o projecto está ou não a ser implementado de acordo com o cronograma de implementação aprovado pela ANIP? Sim Não Justifique e indique o grau de execução do projecto: 8 de 14

9 IMPACTOS ECONÓMICOS E SOCIAIS 1. Declare / comente os efeitos económicos e sociais gerados pelo projecto de investimento: 2. Principais produtos, e serviços produzidos/ comercializados / prestados 2.1. Data de início da produção: 1. Produtos e serviços Mercado Nacional Mercado Externo Qtd. Preço Qtd. Preço de 14

10 3. Principais matérias-primas / equipamentos / meios de produção e mercados de obtenção Matérias-primas / equipamentos / meios de produção Nacionais Importadas Qtd. Valor País Qtd. Valor Argumente a razão dos indicadores acima expostos e a sua evolução / tendência: 4. Declare lucros e dividendos gerados pelo projecto (anexar cópia dos balanços e contas da empresa devidamente visadas pelo respectivo Bairro Fiscal): Lucro: Dividendos: 5. Impostos pagos (anexar documentos comprovativos): Sim Não Declare quais: 10 de 14

11 6. Emprego e formação 6.1. Emprego gerado e categorias profissionais ANO: Nacional Estrangeiro Categorias Profissionais Previsto Criado Previsto Criado Previsto Criado Direcção Técnicos Administrativos Operários 6.2. Plano de substituição de estrangeiros por nacionais Categorias Profissionais Direcção Técnicos Administrativos Operários Ano t - 1 Ano t Previsto Realizado Previsto Realizado Justificar, caso não haja, a não substituição dos quadros estrangeiros por quadros nacionais: 6.3. Declare se o projecto tem um plano de formação (anexar documentos comprovativos): Sim Não Comente: 11 de 14

12 Categorias: Direcção N.º de trab. formados Carga horária Tipo de formação Entidade formadora Custo Administrativos Técnicos superiores Técnicos médios Operários qualificados Operários 6.4. Declare se está a garantir condições de trabalho, de higiene, e de segurança apropriada para os funcionários? Sim Não Comente: 6.5. Horario de trabalho: 7. Principais constragimentos do projecto 7.1. Declare se possui os seguintes serviços: Energia Água Gás Telefone Sim Não % de fornec. público 12 de 14

13 Internet Estradas : Declare / comente se teve dificuldades em obter os serviços acima mencionados: 7.3. Declare se possui terreno / espaço próprio, ou se o mesmo é arrendado (juntar documentos comprovativos): 7.4. Diga se teve alguma dificuldade na obtenção do espaço / terreno: 7.5. Declare outros constrangimentos verificados ao longo da implementação do projecto: 13 de 14

14 7.6. Na sua opinião, comente como é que a ANIP poderia apoiar a solucionar os constrangimentos / dificuldades detectadas no decurso da implementação do projecto e futuramente: Aviso: Declaro para todos os fins legais que as informações prestadas correspondem à verdade e não omitem qualquer informação Data: Assinatura (Promotor / Representante): Nome (Promotor / Representante): 14 de 14

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA Vistos de Privilegiado Documentos necessários: Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o visto, com assinatura reconhecida pelo Notário e visado por este Consulado; Formulário

Leia mais

Ficha de Candidatura

Ficha de Candidatura Ficha de Candidatura 0. Nome do Projeto 0.1.Candidatura a Espaço individual Incubadora virtual 1. Perfil do empreendedor 1.1 Nome 1.2 Data de nascimento 1.3 Bilhete de Identidade 1.4 NIF 1.5 Morada 1.6

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

Sistema de Incentivos ao Desenvolvimento do Artesanato

Sistema de Incentivos ao Desenvolvimento do Artesanato Sistema de Incentivos ao Desenvolvimento do Artesanato Formulário de Candidatura Nº do Processo ( I ) O promotor, abaixo assinado solicita a concessão do incentivo previsto no Decreto Legislativo Regional

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização Boletim de candidatura ao Plano de apoio a jovens empreendedores

Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização Boletim de candidatura ao Plano de apoio a jovens empreendedores 1/5 1ª Parte Dados do empresário candidato 1.1 Nome do empresário Nº de contribuinte: Chinês : Português : CHAN TAI MAN Inglês : Preencha o nome de contribuinte e o Nº de contribuinte constantes da declaração

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

Registo n.º. Data / / O Funcionário

Registo n.º. Data / / O Funcionário Registo n.º Data / / O Funcionário LICENCIAMENTO SIMPLIFICADO E AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS DE PETRÓLEO E DE POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS com realização

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Portaria Nº4/92 CAPITULO I. Artigo1º (Âmbito de aplicação) Artigo 2º. (Modelos de impressos)

Portaria Nº4/92 CAPITULO I. Artigo1º (Âmbito de aplicação) Artigo 2º. (Modelos de impressos) Portaria Nº4/92 Tornando-se necessário regulamentar os procedimentos relativos á declaração prévia de projectos industriais e ao Cadastro Industrial, estabelecidos pelo Estatuto Industrial. Em cumprimento

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC República de Moçambique Ministério das Finanças Autoridade Tributária de Moçambique DIRECÇÃO GERAL DE IMPOSTOS Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC Maputo, Julho de 2013 INDICE Contextualização

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

1. Dados Gerais. Morada da Sede : Código Postal : Concelho : WebPage : E-Mail geral : Nome da pessoa responsável pelo projecto:

1. Dados Gerais. Morada da Sede : Código Postal : Concelho : WebPage : E-Mail geral : Nome da pessoa responsável pelo projecto: 1. Dados Gerais Morada da Sede : Código Postal : Concelho : WebPage : E-Mail geral : Nome da pessoa responsável pelo projecto: CAE - Classificação da Actividade Económica : Designação : Código da CAE Principal

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

Lagos. Nome:... Coletiva

Lagos. Nome:... Coletiva REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. REQUERENTE Nome:...... NIF Singular Coletiva

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS GABINETE DE ESTUDOS TÉCNICO-ADUANEIROS ASSUNTO: MEDIDAS PARA ADMINISTRAÇÃO DE REEMBOLSO DO IVA SOBRE MATERIAIS E SERVIÇOS COMPRADOS

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2

FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2 A p o i o à A c ç ã o D e s p o r t i v a n o C o n c e l h o d e C o r u c h e Designação: Programa de Apoio a Infra- Estruturas FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2 Tipologia das Acções No âmbito desta

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional Cabe ao Estado estabelecer as políticas necessárias para melhorar o desenvolvimento económico

Leia mais

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias Politica Cambial AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias 1 AGENDA 1. AVISO N.º 19/12 PAGAMENTOS DE IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS. 2. REGISTO

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I REGIÃO AUTÓNOMA DOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR E CAMPANHAS PROMOCIONAIS GABINETE DO SUBSECRETÁRIO REGIONAL DAS PESCAS SECÇÃO I

Leia mais

@Telmo Miller GOLDEN VISA. Autorização de Residência para Actividade de Investimento

@Telmo Miller GOLDEN VISA. Autorização de Residência para Actividade de Investimento @Telmo Miller GOLDEN VISA Autorização de Residência para Actividade de Investimento ÍNDICE I. SOBRE A BR (QUEM SOMOS) 3 II. BR INTERNATIONAL ALLIANCE (PRESENÇA NO ESTRANGEIRO) 3 III. AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado;

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado; VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do requerente, devidamente fundamentada, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Fixação R G I IRO e

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

PRODER - Subprograma 3. ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO

PRODER - Subprograma 3. ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO PRODER - Subprograma 3 ACÇÃO 3.1.2 - Criação e desenvolvimento de Microempresas DOCUMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE APOIO DOCUMENTOS DO BENEFICIÁRIO 1 a 9 10 11 13 14 Declaração Geral de Compromisso

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do dia 10 de Março até ao dia

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, R G I com assinatura

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS EM VIGOR EM 31 DE MAIO DE 2012 ANGOLA www.bancokeve.ao À memória do Dr. Francisco Luemba 7 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 13 LEI CAMBIAL LEI Nº 5 / 97, DE 27 DE JUNHO

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Susana Almeida Brandão 27 de Maio 2011 VEÍCULOS DE INVESTIMENTO Veículos de Investimento Sociedade comercial angolana Sucursal de sociedade estrangeira SOCIEDADES POR QUOTAS vs SOCIEDADES

Leia mais

Rute Martins Santos & Kiluange Tiny. Março de 2005.

Rute Martins Santos & Kiluange Tiny. Março de 2005. COMO CONCORRER AOS INCENTIVOS AO INVESTIMENTO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Rute Martins Santos & Kiluange Tiny Março de 2005. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa,

Leia mais

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril Considerando que incumbe ao Banco Nacional de Angola (BNA) definir a regulamentação aplicável às operações cambiais previstas na Lei nº 2/12, de 13 de Janeiro de 2012,

Leia mais

Visto de Permanência Temporária

Visto de Permanência Temporária Visto de Permanência Temporária Documentos necessários: Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, com assinatura reconhecida no Notário

Leia mais

Enquadramento. Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER

Enquadramento. Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER Enquadramento Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER Constitui o quadro legal de referência dos incentivos financeiros ao investimento privado para o Quadro de Referência

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

Anúncio de Abertura de Procedimento de Negociação

Anúncio de Abertura de Procedimento de Negociação Anúncio de Abertura de Procedimento de Negociação Anúncio de Abertura de Procedimento de Negociação 1. Entidade Contratante: 1.1. Designação: Comissão Nacional Eleitoral - CNE 1.2. Endereço: Rua Amílcar

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento Formulário de Qualificação da Nome da Empresa/Empreendimento: Formulário de Qualificação da Empresa - V09-1 /15 - Tipo de projeto a ser implantado: ( ) Instalação da matriz no município ( ) Transferência

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Tratamento Médico, com assinatura R G I reconhecida

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013 PROCEDIMENTOS PARA A OUTORGA DE DIREITOS MINEIROS MSc LUÍS ANTÓNIO DIRECTOR NACIONAL DE LICENCIAMENTO

Leia mais

Formulário para pessoa coletiva

Formulário para pessoa coletiva Formulário para pessoa coletiva 1. Identificação 1.1. Identificação Denominação social N.º de mediador (se aplicável) NIPC 2. Informação prévia 2.1. Identifique a categoria pretendida: Mediador de seguros

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:...

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor digitar ou preencher com letra de forma.) SOBRE O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO DO JAPÃO Como soube deste

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência

Autorização de Permanência e Residência Autorização de Permanência e Residência O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular de bilhete de identidade

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS "COMÉRCIO INVESTE"

SISTEMA DE INCENTIVOS COMÉRCIO INVESTE Parametrização = 2.ª Fase = SISTEMA DE INCENTIVOS "COMÉRCIO INVESTE" Projeto Individual de Modernização Comercial Ano de Referência 2015 Referência da Candidatura Candidatura enviada em: Referência do

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais