Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE ANGOLA Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela PEDIDO DE VISTO DE ENTRADA Tratamento Médico Trabalho Ordinário Fixação de Residência Trânsito Privilegiado Permanência Temporária Turismo Estudo Foto Curta Duração Oficial Curtisia Nome: Sexo: Data de Nascimento: Local de Nascimento: Nacionalidade actual: Estado Civil: Pais de nascimento: Nacionalidade Origem: Pasaporte Nº: Emitido em: Aos: Válido até: Profissão: Cargo que ocupa: Local de Trabalho: Morada/Estado: Rua: Telefax: Cidade: Código postal: Nº de Telefone: Nome do pai: Nome do Mãe: Nacionalidade do pai: Nacionalidade da Mãe: Local de hospedagem em Angola: 1

2 Cidade: Rua: Casa Nº: Nome da pessoa ou Organismo que se responsabilizará pela sua estadia: Província: Bairro: Município: Rua: Casa Nº: Data da última entrada Em Angola: Posto de Fronteira utilizado: Menores averbados no passaporte e que beneficiarão do visto Nome: Nascido aos / / Grau de parentesco: Nome: Nascido aos / / Grau de parentesco: Nome: Nascido aos / / Grau de parentesco: Nome: Nascido aos / / Grau de parentesco: A PREENCHER PELO SOLICITANTE DE VISTO DE TRÂNSITO País de destino Data de chegada a Angola / / Data provável de saída de Angola / / Companhia transportadora a utilizar para sair de Angola Possui para o país de destino? Visto de entrada: Autorização de residência: Nº Validade / / 2

3 Assinatura do Requerente Data / / A PREENCHER PELO SOLICITANTE DE VISTO ORDINÁRIO Nome da pessoa ou do Organismo a contatar em Angola: Endereço completo em Angola Data de entrada em Angola: / / Posto de fronteira a utilizar: Data de saída de Angola: / / Assinatura do Requerente: Data / / A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DE VISTO DE TRABALHO Nome do organismo contratante: Endereço completo do Organismo ou Companhia: Função a exercer: Data do início do contrato: / / Data do fim do contrato: / / 3

4 A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA Razões porque quer residir em Angola: Qual é o estatuto de residência pretendido Razoes Humanitárias?: Sim: Não : Cumprimento de missão a favor de uma instituição?: Sim: Não : Pretende residir com o seu agregado familiar?: Sim: Não : Esposa: Esposo: Filhos: Outros: Meios de subsistência: Endereço em Angola: 4

5 A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO DE ESTUDO Motivos da entrada em Angola?: Frequentar programa de estudos em Escolas Privadas? Sim: Não : Frequentar programa de estudos em Escolas Privadas? Sim: Não : Formação profissional para obtenção de grau acadêmico ou professional: Data do inicio / / Data do termino / / Realizar Estágios em empresas ou Serviços Públicos: Sim: Realizar Estágios em empresas ou Serviços Privados: Sim: Não : Não : Nome as Empresa ou Serviço: Endereço completo em Angola : A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO DE PRIVILEGIADO Nome da empresa Investidora: Condição do cidadão estrangeiro: Investidor Representante Procurador Endereço completo em Angola: 5

6 A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORARIA Pretende permanecer em Angola com fundamento no seguinte: Razões Humanitárias Cumprimento de missão a favor de uma instituição religiosa Realização de trabalhos de investigação cientifica Acompanhamento familiar Ser familiar de autorização de residência válida Ser conjugue de cidadão nacional Meios de subsistência: Endereço em angola: A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO Nome de Unidade Hospital: Pública Privada Data de início de tratamento: / / Data de provável termino do tratamento: / / 6

7 A SER COMPLETADO SOMENTE PARA OS SOLICITANTES DO VISTO DE TURISMO Nome da pessoa ou do Organismo a contactar em Angola Carácter da visita: Recreativo Desportivo Cultural Actividade a realizar: Data do início / / Data do termino / / Data de entrada em Angola: / / Posto de fronteira a utilizar: Assinatura do Requerente: Data / / INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: - Já realizou viagens para Angola: Sim Não - Já obteve Cartão de Residência: Sim Não - Já obteve visto de trabalho: Sim Não - Já lhe foi recusada a entrada em Angola: Sim Não - Já foi expulso de Angola: Sim Não 7

8 A PREENCHER PELA MISSÃO CONSULAR: Parecer do Responsavel da Missao Consular: Data: / / O Responsavel ASSINATURA LEGÍVEL 8

9 VISTO DE TURISMO - O visto de turismo deve ser utilizado no prazo de essas estadias, subsequentes à data da sua concessão, é válido para uma ou duas entradas e permite a permanência no país por um período de até trinta dias sendo prorrogável uma única vez, por igual período. - O Governo pode estabelecer e actualizar, unilateralmente ou por acordo, uma lista de países cujo os cidadãos são isentos de vistos de entrada para estadias inferiores a noventa dias. VISTO DE TRÂNSITO - O visto de trânsito deve ser utilizado no prazo de sessenta dias, subsequentes à data da sua concessão, permite a permanência até cinco dias, é válido para uma ou duas entradas e não é prorrogável. - O visto de trânsito pode ser excepcionalmente concedido no posto de fronteira ao cidadão estrangeiro que, em viagem continuam a interrompa para as escalas obrigatórias do meio de transporte utilizado. - O visto de turismo não permite ao seu titular a fixação de residência em território nacional, nem o exercício de qualquer actividade remunerada. Nº 2,3 e 4, artigo 44º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE CURTA DURAÇÃO - O visto de curta duração deve ser utilizado no prazo de 72 horas, permite ao cidadão estrangeiro a permanência em território nacional até sete dias e é prorrogável por igual período de tempo. - A concessão do visto de curta duração não carece de autorização prévia do serviço de Migração e Estrangeiro, bastando a comunicação da sua concessão. Nº 2 e 3, artigo 43º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO ORDINÁRIO - O visto ordinário deve ser utilizado no prazo de sessenta dias, subsequentes à data da sua concessão e permite ao seu titular a permanência até trinta dias e pode ser prorrogável duas vezes, por igual período de tempo. - O visto de ordinário não permite ao seu titular a fixação de residência em território nacional, nem o exercício de qualquer actividade remunerada. - O visto de curta duração não permite ao seu titular a fixação de residência em território nacional, nem o exercício de qualquer actividade remunerada. Nº 2, 3 e 54, artigo 45º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE TRABALHO - O visto de trabalho deve ser utilizado no prazo de sessenta dias subsequentes a data da sua concessão e permite ao seu titular múltiplas entradas e permanência até o termo do contrato de trabalho, devendo a instituição empregadora comunicar a autoridade competente qualquer alteração na duração do contrato para efeitos do que estabelece a lei. - O visto de trabalho apenas permite ao seu titular, exercer a actividade profissional que justificou a sua concessão e habilita-o a dedicar-se exclusivamente Nº 2 e 3, e 5, artigo 46º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE FIXAÇÃO - O visto de fixação de residência deve ser utilizado no prazo de sessenta dias, subsequentes a sua concessão e habilita o seu titular a permanecer em território nacional por um período de cento e vinte dias, prorrogável por iguais períodos, até a decisão final do pedido de autorização de residência. - O visto de fixação de residência habilita o seu titular ao exercício de actividade profissional remunerada. 9

10 ao serviço da entidade empregadora que o requereu. - O visto de trabalho não permite ao seu titular a fixação de residência em território nacional. Nº 2, 3, e 4, artigo 53º da lei 2/07 de 31 de Agosto Nº 2, 3 e 5, artigo 51º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA - O visto de permanência temporária deve ser utilizado no prazo de sessenta dias, subsequentes a sua concessão e habilita o seu titular múltiplas entradas e permanência até trezentos e sessenta e cinco dias, prorrogável sucessivamente até ao termo da razão que originou a sua concessão. ATT: validade do visto de permanência temporária concedido não deve ultrapassar o termo de permanência concedido ao titular do visto de entrada que deu origem a sua concessão. - O visto de permanência temporária não habilita o seu titular a fixar residência em território nacional. VISTO PRIVILEGIADO - O visto privilegiado deve ser utilizado no prazo de sessenta dias, subsequentes a sua concessão e habilita o seu titular múltiplas entradas e permanência ate dois anos, prorrogável por iguais períodos de tempo. - No caso de o pedido ser formulado em território nacional, o visto é concedido localmente mediante declaração emitida pela entidade competente encarregue da aprovação de residência. - O estrangeiro a quem for atribuído o visto privilegiado, pode quanto assim o requeira, solicitar a autorização de residência. - Aos possuidores de visto privilegiado dos tipos A e B, pode ser atribuído o titulo de residência nos termos do artigo 83º da Lei 2/07 de 31 de Agosto, sendo atribuído ao possuidor de visto privilegiado de tipo C, o titulo de residência correspondente ao artigo 82º da mesma Lei. Nº 2, 3, e 4, artigo 53º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE ESTUDO - O visto de estudo deve ser utilizado no prazo de sessenta dias subsequentes á data da sua concessão e permite ao seu titular uma permanência de um ano, prorrogável por igual período, até ao termo dos estudos e serve para múltiplas entradas. - O visto de estudo não permite ao seu titular fixação de residência em território nacional, nem exercício de actividade remunerada, excepto para o estágio relacionado com a formação. Nº 2, 3, e 4, artigo 53º da lei 2/07 de 31 de Agosto VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO - O visto de tratamento médico deve ser utilizado no prazo de sessenta dias subsequentes á data da sua concessão e permite ao seu titular múltiplas entradas e uma permanência de cento e oitenta dias. - Em caso devidamente fundamentado, o visto de tratamento médico pode ser prorrogado até a conclusão do tratamento. - O visto de tratamento médico não permite ao seu titular o exercício de qualquer actividade laboral nem a fixação de residência. Nº 2 e 3, artigo 47º da lei 207 de 31 de Agosto Nº 2 e 3, artigo 47º da lei 207 de 31 de Agosto 10

PEDIDO DE VISTO. Nome: Data de nascimento / / Local de nascimento. País de nascimento Nacionalidade origem. Nacionalidade actual Passaporte nº

PEDIDO DE VISTO. Nome: Data de nascimento / / Local de nascimento. País de nascimento Nacionalidade origem. Nacionalidade actual Passaporte nº REPUBLICA DE ANGOLA SECÇÃO CONSULAR DE ANGOLA EM BUENOS AIRES PEDIDO DE VISTO TRÂNSITO TURISMO CURTA DURAÇÃO ORDINÁRIO Nome: Estado Civil Sexo Data de nascimento / / Local de nascimento País de nascimento

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO TRABALHO PRIVILEGIADO PARA FIXAÇÃO DE RESIDÊNCIA Vistos de Privilegiado Documentos necessários: Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o visto, com assinatura reconhecida pelo Notário e visado por este Consulado; Formulário

Leia mais

Visto de Permanência Temporária

Visto de Permanência Temporária Visto de Permanência Temporária Documentos necessários: Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, com assinatura reconhecida no Notário

Leia mais

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO

VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO VISTO DE TRATAMENTO MÉDICO Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Tratamento Médico, com assinatura R G I reconhecida

Leia mais

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, R G I com assinatura

Leia mais

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado;

VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA. e Residência, com assinatura reconhecida no Notário e visado por este Consulado; VISTO DE FIXAÇÃO E RESIDÊNCIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do requerente, devidamente fundamentada, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Fixação R G I IRO e

Leia mais

VISTO DE ESTUDO G O. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas;

VISTO DE ESTUDO G O. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas; VISTO DE ESTUDO Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Carta do interessado, dirigida à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Estudo, com assinatura reconhecida R G I no Notário e visado

Leia mais

VISTO DE TURISMO. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas; G O

VISTO DE TURISMO. Autorização de Viagem por parte dos tutores, com assinaturas reconhecidas; G O VISTO DE TURISMO Documentos necessários: ESTRNG e O Ã E Ç Formulário e ficha devidamente preenchidos, com letra de imprensa ou dactilografados com tinta preta e assina- R G I dos pelo requerente, sem rasuras

Leia mais

VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas)

VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas) VISTO ORDINÁRIO (Pessoas Singulares ou Colectivas) Documentos necessários: R G I ESTRNG e O Ã E Ç IRO Passaporte com validade superior a 9 meses e 2 folhas seguidas livres para a aposição do visto; S Duas

Leia mais

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA Edição Online e Coordenação Técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Elaboração: Delegação do Icep Portugal em Luanda Data:

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO / VISA APPLICATION TRANSITO TRANSIT CURTA DURAÇÃO SHORT TERM ORDINARIO ORDINARY. Apelidos: Last Name: Data:

REPÚBLICA DE ANGOLA PEDIDO DE VISTO / VISA APPLICATION TRANSITO TRANSIT CURTA DURAÇÃO SHORT TERM ORDINARIO ORDINARY. Apelidos: Last Name: Data: DIP LOMÁTICO DIP LOMATIC OFICIAL OFFICIAL me: Name: Estado Civil Marital Status Data de Nascimento: Date of Birth: País de Nascimento: Country of Birth: Nacionalidade Actual: Current Nationality: Emitido

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

Pedido de Visto Schengen

Pedido de Visto Schengen Pedido de Visto Schengen FOTO Este impresso é gratuito 1. Apelido PARTE RESERVADA À ADMINISTRAÇÃO 2. Apelido quando do nascimento (apelido anterior) Data do pedido: 3. Nome(s) próprio(s) Número do pedido

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior Lei n.º 02/07 De 31 de Agosto A situação actual do mundo, caracterizada pela convergência de procedimentos no tratamento da imigração, obriga a que cada Estado esteja munido de instrumentos

Leia mais

TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO

TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO Com as alterações introduzidas pela Lei 29/2012, de 9 de agosto PORTARIA Nº 1334

Leia mais

REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA

REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA 1 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/07 De 31 de Agosto A situação actual do mundo, caracterizada pela convergência de procedimentos no tratamento da

Leia mais

PEDIDO DE VISTO APPLICATION FOR VISA

PEDIDO DE VISTO APPLICATION FOR VISA Página/Page 1 EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA EM SINGAPURA TRÂNSITO Transit PEDIDO DE VISTO APPLICATION FOR VISA CURTA DURAÇÃO Short-term Visa FOTOGRAFIA Picture TURISMO Tourism ORDINÁRIO Ordinary visa

Leia mais

ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA SUMÁRIO. Assembleia Nacional ASSEMBLEIA NACIONAL. Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007 I Série N.

ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA SUMÁRIO. Assembleia Nacional ASSEMBLEIA NACIONAL. Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007 I Série N. Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007 I Série N.º 105 DIÁRIO DA REPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número Kz: 150,00 Toda a correspondência, quer oficial, quer relativa a anúncio e

Leia mais

CONSULADO DE PORTUGAL CURITIBA

CONSULADO DE PORTUGAL CURITIBA VISTO PARA TRABALHAR EM PORTUGAL Actividade profissional subordinado ( Artº 30) OU Actividade profissional independente ( Artº 31) Os pedidos de visto devem ser apresentados pelo requerente com uma antecedência

Leia mais

Divisão de Atos Internacionais

Divisão de Atos Internacionais Page 1 of 9 Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 38.018, DE 7 DE OUTUBRO DE 1955. Promulga o Acôrdo relativo à concessão de um título de viagem para refugiados que estejam sob a jurisdição do Comité

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

VISTO DE CURTA DURAÇÃO. pelo requerente, sem rasuras ou emendas. As fotografias devem ser coladas;

VISTO DE CURTA DURAÇÃO. pelo requerente, sem rasuras ou emendas. As fotografias devem ser coladas; VISTO DE CURT DURÇÃO Documentos necessários: ESTRNG e O Ã E Ç Formulário e ficha devidamente preenchidos, com letra de imprensa ou dactilografados com tinta preta e assinado R G I IRO pelo requerente,

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 6. VISTOS CONSULARES vistos consulares. No presente

Leia mais

Current Nationality Passport Nº Emitido em aos: / / Valido até: / /

Current Nationality Passport Nº Emitido em aos: / / Valido até: / / REPÚBLICA DE ANGOLA REPUBLIC OF ANGOLA MISSÃO CONSULAR DE ANGOLA EM SINGAPURA CONSULAR MISSION OF ANGOLA IN SINGAPORE PEDIDO DE VISTO/VISA APPLICATION TRÂNSITO Transit CURTA DURAÇÃO Brief Duration TURISMO

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 2/07. de 31 de Agosto

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 2/07. de 31 de Agosto ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/07 de 31 de Agosto A situação actual do mundo, caracterizada pela convergência de procedimentos no tratamento da imigração, obriga a que cada Estado esteja munido de instrumentos

Leia mais

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais:

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais: S. R. EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR Fevereiro/2015 VISTOS DE ESTUDO 2015/16 Informações Gerais: Fases do processo 1. Envio de listas com indicação dos candidatos: Enviadas até 10 de Julho;

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007

Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007 Identificação de Estrangeiros no Registro Civil Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007 Identificação das Partes Lei 6.015/1973 Dever de Identificar? Ausência de Regra Clara na

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira

Leia mais

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 A CPFL Energias Renováveis S.A é a maior empresa de

Leia mais

Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo

Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo Lei de Imigração Viver em Portugal Quais os requisitos de entrada em Portugal? Para entrar em Portugal os estrangeiros devem: 1. Ser portadores

Leia mais

RASCUNHO DO FORMULÁRIO MODELO SUBCLASSE 600 PARA PEDIDO DE VISTO ELETRÔNICO DE ENTRADA NA AUSTRÁLIA

RASCUNHO DO FORMULÁRIO MODELO SUBCLASSE 600 PARA PEDIDO DE VISTO ELETRÔNICO DE ENTRADA NA AUSTRÁLIA Última alteração: JULHO/2014 - Informações incompletas ou incorretas poderão acarretar recusa do visto de entrada na Austrália. - Ao preencher este rascunho, você nos autoriza a enviar e receber suas informações

Leia mais

Questionário para o Pedido de Visto para a República Popular da China

Questionário para o Pedido de Visto para a República Popular da China Questionário para o Pedido de Visto para a República Popular da China O Solicitante dever á preencher este formulário de forma sincera e completa. Por favor, digite ou escreva suas respostas em letras

Leia mais

índice 2 Imigração em portugal Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde

índice 2 Imigração em portugal Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde 2 Imigração em portugal índice 3 Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde 101 Acesso à Educação 115 Reconhecimento de Habilitações e Competências

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa NOTA INFORMATIVA n.º 01/2015 COORDENADORIA DE PROJETOS E PROGRAMAS INTERNACIONAIS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIFESP A da UNIFESP, por sua Coordenadoria de Projetos e Programas Internacionais,

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência

Autorização de Permanência e Residência Autorização de Permanência e Residência O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular de bilhete de identidade

Leia mais

IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS

IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS 27 de Outubro SUSANA PINTO COELHO Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Contratação de Estrangeiros Legislação Regimes Contrato de Trabalho Sanções

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS

INFORMAÇÕES SOBRE ENDEREÇO/ CONTATOS Rascunho do formulário modelo DS 160 para pedido de visto de entrada nos EUA: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações dos EUA e são de responsabilidade do requerente

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Artigo 4. o. Decreto-Lei n.

1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Artigo 4. o. Decreto-Lei n. 1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n. o 65/2000 de 26 de Abril O Decreto-Lei n. o 244/98, de 8 de Agosto, veio definir novo regime

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Fundação Cidade Lisboa

Fundação Cidade Lisboa Fundação Cidade Lisboa COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DA COOPERAÇÃO - NUNO KRUS ABECASIS REGULAMENTO DE BOLSAS 2015/2016 I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - O Colégio Universitário da Cooperação Nuno Krus Abecasis da Fundação

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 9/2001. de 31 de Maio

Decreto Regulamentar n.º 9/2001. de 31 de Maio Decreto Regulamentar n.º 9/2001 de 31 de Maio O presente diploma visa alterar o Decreto Regulamentar n.º 5-A/2000, de 26 de Abril (Declaração de Rectificação n.º 7-B/2000), que regulamenta o Decreto-Lei

Leia mais

24.º SUPLEMENTO. Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014. I SÉRIE Número 105 SUMÁRIO

24.º SUPLEMENTO. Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014. I SÉRIE Número 105 SUMÁRIO Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014 I SÉRIE Número 105 24.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. A V I S O A matéria a publicar no «Boletim da República» deve ser remetida em cópia devidamente

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B

Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B Altera e republica o Decreto Regulamentar n.º 5-A/2000, de 26 de Abril, que regulamenta o Decreto-Lei n.º 244/98, de 8 de Agosto, com as alterações

Leia mais

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados 1. Pergunta: Quais são os dados que devem ser lidos antes de apresentar o pedido? Resposta: Devem ser lidos pormenorizadamente

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. O que é o regime especial de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI)? O regime de ARI

Leia mais

A Embaixada e os Consulados Gerais da República Federal da Alemanha no Brasil informam: Visto para Intercâmbio Escolar

A Embaixada e os Consulados Gerais da República Federal da Alemanha no Brasil informam: Visto para Intercâmbio Escolar A Embaixada e os Consulados Gerais da República Federal da Alemanha no Brasil informam: Visto para Intercâmbio Escolar I. Informações Gerais Viajando diretamente para a Alemanha, cidadãos brasileiros não

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

Embaixada da República Árabe do Egito no Brasil. Sobrenome Primeiro Nome Nome do Meio. Data de Nascimento Lugar de Nascimento Sexo

Embaixada da República Árabe do Egito no Brasil. Sobrenome Primeiro Nome Nome do Meio. Data de Nascimento Lugar de Nascimento Sexo Cole sua foto aqui Embaixada da República Árabe do Egito no Brasil Formulário para Visto Sobrenome Primeiro Nome Nome do Meio Data de Nascimento Lugar de Nascimento Sexo Nacionalidade Atual Nacionalidade

Leia mais

Online Visa Aplication - Canadá

Online Visa Aplication - Canadá Online Visa Aplication - Canadá Este formulário é uma versão em português das principais informações necessárias para a Solicitação Online de Visto para o Canadá. Essas informações são as disponíveis,

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 108/11, de 25 de Maio - Regulamento sobre o Regime Jurídico de Estrangeiros

Decreto Presidencial n.º 108/11, de 25 de Maio - Regulamento sobre o Regime Jurídico de Estrangeiros Este Decreto vem aprovar o novo Regulamento sobre o Regime Jurídico de Estrangeiros, revogando a legislação anteriormente existente sobre esta matéria, tendo entrado em vigor na data da sua publicação

Leia mais

Hospedagem de Crianças e Adolescentes

Hospedagem de Crianças e Adolescentes Hospedagem de Crianças e Adolescentes Principais Documentos de Identificação RG; RNE (Registro Nacional de Estrangeiros); Passaporte; CNH (Carteira Nacional de Habilitação); Carteira de Trabalho; Carteira

Leia mais

* V. art. 4º, I a VII, Lei 6.815/1980 (Estatuto do Estrangeiro).

* V. art. 4º, I a VII, Lei 6.815/1980 (Estatuto do Estrangeiro). DECRETO 86.715, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1981 Regulamenta a Lei 6.815, de 19 de agosto de 1980, que define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração e dá outras providências.

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior IESE A preencher pelos serviços Despacho DSSRES: Data: Índice n.º RD: Data: Selo de registo de entrada na DGES REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior Este formulário destina-se

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015-

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015- MUNICÍPIO DE MÊDA DESC- Divisão Educativa e Sócio Cultural Largo do Município 6430 197 Meda Telefone: 279.880040 Fax: 279.888290 E-mail: divisaosociocultural@cm-meda.pt REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS

Leia mais

/-------- '---"'-"---"-~~-;-A"~ 1";;--------------------'\

/-------- '---'-----~~-;-A~ 1;;--------------------'\ !H ~ ASSEMBLEIA NACIONAL "ferva - Feira, 12 de Agosto de 2008 ~ Número 47 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE /-------- '---"'-"---"-~~-;-A"~ 1";;--------------------'\ i Lei n,o 5/2008. N 47-12 de Agosto de 2008 SÃo

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

2012 Guia do Imigrante

2012 Guia do Imigrante 2012 Guia do Imigrante FICHA TÉCNICA AUTOR: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES EDIÇÃO: DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES COORDENADOR

Leia mais

Visto de Residência Temporária. I. Passaporte ou documento de identidade de viagem valida e vigente, em original e cópia.

Visto de Residência Temporária. I. Passaporte ou documento de identidade de viagem valida e vigente, em original e cópia. Trâmite 5 Visto de Residência Temporária Casos: Prazo máximo para resolver: Vigência máxima do visto: Entradas permitidas: Aplicável a pessoas que pretendam entrar no México na condição residente temporário

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos sectores de serviços: Sector de Serviços Pontos principais do Suplemento VI ao Acordo Serviços Jurídicos É permitido aos advogados de

Leia mais

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Lei da Nacionalidade Portuguesa Lei nº 37/81, de 3 de Outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 25/94, 19 de Agosto Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE N. o 98 26 de Abril de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2571 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 428/2004 de 26 de Abril O quadro de pessoal do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Leia mais

COORDENADAS. DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010

COORDENADAS. DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010 COORDENADAS DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010 País de beleza natural, em plena reconstrução, com gente afável e alegre PROGRAMA PRELIMINAR

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais Despacho n. 13 449/2006 (2, e série). A publicação do Regulamento (CE) a 561/2006, do Parlamento

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

- Há como obter a autorização de residência estando em Portugal?

- Há como obter a autorização de residência estando em Portugal? - Como posso viajar para Portugal? - Como posso trabalhar em Portugal? - Há como obter a autorização de residência estando em Portugal? - Que tipos de autorização de residência há? - Posso pedir a nacionalidade

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

Direito e Legislação Turística. Estatuto Jurídico do Estrangeiro e Transportes Alternativos no Turismo Contemporâneo. Aula 6.

Direito e Legislação Turística. Estatuto Jurídico do Estrangeiro e Transportes Alternativos no Turismo Contemporâneo. Aula 6. Direito e Legislação Turística Aula 6 Estatuto Jurídico do Estrangeiro e Transportes Alternativos no Turismo Contemporâneo Profa. Sonia de Oliveira Contextualização Analisar o Estatuto Jurídico do Estrangeiro,

Leia mais

Formulário de Solicitação de BOLSA

Formulário de Solicitação de BOLSA Formulário de Solicitação de BOLSA TREINAMENTO TÉCNICO TT GRADUAÇÃO MO IC PÓS-GRADUAÇÃO M D PD AP PESQUISA PQ PV SOLICITANTE (não omita nem abrevie nomes) NOME: CADASTRO: ORIENTADOR se houver (não omita

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA O EMBARQUE - ORIENTAÇÕES

DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA O EMBARQUE - ORIENTAÇÕES DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA O EMBARQUE - ORIENTAÇÕES Os documentos aqui mencionados deverão ser apresentados em suas vias originais, não sendo aceitas quaisquer reproduções, mesmo que autenticadas! I)

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE NOTA JUSTIFICATIVA Art.º 1.º DEFINIÇÃO No âmbito das actividades de interesse municipal, compete às câmaras municipais prestar apoio

Leia mais

MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Núcleo de Registro de Estrangeiros OBJETIVOS a) Atribuição constitucional da Polícia Federal no atuar como Polícia de Imigração. b) A função de ImmigrationAgent. c) A obrigação legal

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

3 DE MAIO DE 2011 220 (25)

3 DE MAIO DE 2011 220 (25) 3 DE MAIO DE 2011 220 (25) (c) Balões não esféricos (à excepção dos balões livres não tripulados). O operador deverá aplicar as marcas de modo a aparecerem em cada lado, localizadas perto da secção transversal

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

PORTARIA N.º 56 DE 31 DE OUTUBRO DE 2007

PORTARIA N.º 56 DE 31 DE OUTUBRO DE 2007 Presidência da República PORTARIA N.º 56 DE 31 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições e tendo em vista

Leia mais

PEC-PG CNPq e CAPES. 8. Recomendações

PEC-PG CNPq e CAPES. 8. Recomendações PEC-PG CNPq e CAPES 8. Recomendações a) O Estudante-Convênio deverá matricular-se no primeiro semestre letivo do ano imediatamente subseqüente ao que se candidatou ao PEC-PG. Poderá, no entanto, ser concedida

Leia mais

COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA

COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA Manual para requisição de títulos profissionais e actos a eles associados (emissões, revalidações,...) por via electrónica www.ccpj.pt Com a entrada em funcionamento

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

AGENDAMENTO DE VISTO AMERICANO

AGENDAMENTO DE VISTO AMERICANO AGENDAMENTO DE VISTO AMERICANO Esse Formulário é uma versão em português, contendo as principais informações do Formulário Eletrônico DS-160, necessário para a solicitação de Visto Americano, e disponível

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais