PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras"

Transcrição

1 PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras Carlos Alberto C. Mattar Assessor SRD/ANEEL Rio de Janeiro - RJ 12 de agosto de de 16

2 Índice Motivações para edição de um módulo específico sobre medição Módulo 5 Destaques Medição eletrônica em baixa tensão Seminário Internacional de Medição Eletrônica ANEEL 2 de 16

3 Motivações para edição de um módulo específico sobre medição A regulamentação atual é genérica e espalhada Limita-se apenas a definir responsabilidades; Necessidade de convergir as normas em um único documento. Surgimento de novas tecnologias Necessidade de atualização do parque de medição; A regulamentação atual não define as funcionalidades mínimas; Futura implementação de redes inteligentes (Smart Grid). 3 de 16

4 Motivações para edição de um módulo específico sobre medição Relevância do tema O medidor é a caixa registradora das distribuidoras; A medição é importante para redução das perdas; Existência de um módulo específico nos Procedimentos de Rede. 4 de 16

5 Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica Módulo 1: Introdução Módulo 2: Planej. da Expansão do Sistema de Distribuição Módulo 3: Acesso aos Sistemas de Distribuição Módulo 4: Proced. Operativos dos Sistemas de Distribuição Módulo 5: Sistemas de Medição Módulo 6: Informações Requeridas e Obrigações Módulo 7: Perdas Técnicas Regulatórias Módulo 8: Qualidade Da Energia Elétrica 5 de 16

6 Módulo 5 Destaques Equidade nos sistemas de medição de consumidores livres e cativos Atualização tecnológica da medição dos maiores consumidores; Retirada da principal barreira à migração para o mercado livre. Divisão dos custos do SMF A concessionária arcará com os equipamentos do SMF que são comuns aos consumidores cativos (medidor principal, TC s e TP s); O consumidor arcará somente com os equipamentos adicionais (medidor de retaguarda, sistema de tele-leitura). 6 de 16

7 Módulo 5 Destaques Padroniza os critérios mínimos para especificação dos sistemas de medição Dispõe sobre a exatidão dos equipamentos de medição; Decide pelo uso de protocolos abertos de comunicação; Obriga obediência às normas do INMETRO e da ABNT. Uniformiza os procedimentos para implantação, inspeção e manutenção dos sistemas de medição Define as claramente as responsabilidades nas etapas de implantação e prazos; Determina procedimentos mínimos no comissionamento Estabelece passo-a-passo da inspeção; Institui procedimentos para verificação periódica, após emissão de regulamento específico pelo INMETRO. 7 de 16

8 Módulo 5 Destaques Estabelece procedimentos para leitura, registro, compartilhamento e disponibilização das informações da medição Define um rol de informações mínimas que devem ser disponibilizadas pelos sistemas de medição para faturamento, para QEE e para fins tarifários; 8 de 16

9 Medição eletrônica em baixa tensão Situação Atual Não existe regulamentação da ANEEL sobre as funcionalidades mínimas Distribuidoras já se mobilizam para viabilizar a tecnologia Previsão para o mercado de medidores em 2008: 60% de eletrônicos e 40% de eletromecânicos. 9 de 16

10 Medição eletrônica em baixa tensão Situação Atual Ganhos esperados com a medição eletrônica: Aperfeiçoar os processos de faturamento, tarifação e qualidade; Melhorar a gestão da carga pelos consumidores e pelos operadores do sistema; Postergar investimentos para expansão do sistema; Viabilizar a Tarifa Amarela ; Possibilitar a liberalização do mercado de energia para todos os consumidores, a exemplo da Europa; Tornar possível a convergência das leituras de água, luz e gás em um único medidor. 10 de 16

11 Medição eletrônica em baixa tensão Atividades da ANEEL Determinação das funcionalidades envolvidas: Energia e demanda ativa; Energia e demanda reativa; Continuidade - DIC / FIC / DMIC (Resolução 024/2000); Nível de tensão (Resolução 505/2001); Postos horários (tarifa horosazonal); Telemetria e atuação remota (corte/religamento, por exemplo). 11 de 16

12 Medição eletrônica em baixa tensão Atividades da ANEEL Realização de estudos sobre uma eventual regulamentação que determine a instalação em massa de medidores eletrônicos; Estudos sobre a vida útil dos medidores eletrônicos: Determinar a taxa de depreciação; Estabelecer a forma de remuneração dos ativos. Estudos sobre a relação custo/benefício: Estudos europeus concluíram que a substituição é viável somente se houver a telemetria e mudanças nos hábitos dos consumidores residenciais; Determinar a melhor forma de realização dos investimentos, com vistas à modicidade tarifária. 12 de 16

13 Medição eletrônica em baixa tensão Atividades da ANEEL Realização de estudos sobre uma eventual regulamentação que determine a instalação em massa de medidores eletrônicos; Levantamento da situação em outros países Realização de reuniões com os agentes envolvidos: Distribuidoras; ABINEE / Fabricantes; Consumidores; INMETRO. Realização de um Seminário Internacional 13 de 16

14 Medição eletrônica em baixa tensão Seminário Internacional Local: Prédio do Parlamundi, LBV, em Brasília-DF Data: 24 e 25 de Setembro de 2008 Objetivos: Mostrar o estado atual e tendências da tecnologia; Discutir os aspectos de uma futura regulamentação; Dar transparência às atividades desenvolvidas pela Agência; Mostrar a experiência internacional. Serão realizadas: 9 palestras; e 2 mesas redondas. 14 de 16

15 Medição eletrônica em baixa tensão Seminário Internacional Palestras internacionais: ENEL SpA: Distribuidora da Itália Hydro One Networks: Distribuidora da Província de Ontário, no Canadá Comissión Nacional de Energia CNE: Órgão regulador da Espanha Palestras nacionais: ABINEE (Fabricantes) ABRADEE INMETRO CEPEL UTC (Utilities Telecom Council) AES Eletropaulo 15 de 16

16 Muito Obrigado! SGAN Quadra 603 Módulos I e J Brasília DF TEL. 55 (61) Ouvidoria: de 16

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Smart Grid Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Objetivo aumento da confiabilidade e qualidade do fornecimento de energia elétrica, a uma melhor

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Daniel Mendonça - Abradee Brasília, 28 de novembro de 2014. Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica QUEM SOMOS A Associação Brasileira

Leia mais

José Gabino Matias dos Santos

José Gabino Matias dos Santos José Gabino Matias dos Santos Assessor da Diretoria da ABRADEE Brasília, 25 de setembro de 2008 Informações Gerais ABRADEE: 48 Associadas (99% do Mercado) Seminário Internacional de Medição Eletrônica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 5 Sistemas de Medição Revisão Motivo da Revisão Primeira versão

Leia mais

Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de

Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de energia elétrica Roberto Barbieri www.abinee.org.br 14 maio

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 5 Sistemas de Medição Revisão 0 1 Motivo da Revisão Primeira versão

Leia mais

Qualidade da energia elétrica no Brasil

Qualidade da energia elétrica no Brasil Qualidade da energia elétrica no Brasil Luiz Henrique Capeli Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Luanda 30 de maio de 2013 Agenda Qualidade da Energia Elétrica Evolução da Regulamentação Qualidade

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: General Electric Energy do Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Eficiência Energética: Visão Celesc Marco Aurélio Gianesini 4 Geração Transmissão 750kV 500kV 230kV Subestação de Transmissão Linha de Distribuição

Leia mais

Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br!

Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! Campinas, 01 de Junho de 2009. (Número 572) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! EVENTOS Ethanol Summit 2008 01 a 03 de Junho de 2009 Sheraton

Leia mais

3º Workshop Smart Grid Energia 2013

3º Workshop Smart Grid Energia 2013 3º Workshop Smart Grid Energia 2013 Sistema de Medição para Faturamento no Âmbito do Mercado de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Campinas, 08 de novembro de 2013 Objetivo

Leia mais

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Tendências do Setor Energético Mundial Aumento da demanda global Elevação no preço da energia Pressão para o uso de fontes renováveis Aumento da complexidade

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 5 Sistemas de Medição Seção 5. Introdução e Conceituação Revisão

Leia mais

Procedimentos de Distribuição PRODIST: destaques, inovações e a importância para o setor elétrico brasileiro

Procedimentos de Distribuição PRODIST: destaques, inovações e a importância para o setor elétrico brasileiro Título Procedimentos de Distribuição PRODIST: destaques, inovações e a importância para o setor elétrico brasileiro Nº de Registro (Resumen) 215 Empresa o Entidad Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL/Brasil

Leia mais

A Internet das Coisas. Ministro Celso Pansera

A Internet das Coisas. Ministro Celso Pansera A Internet das Coisas Ministro Celso Pansera O que é? Internet of Things (IoT) ou Internet das Coisas Segundo a Consultoria Gartner A Internet das coisas (IoT) é definida como a rede de objetos físicos

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Conrado Augustus de Melo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP conrado@fem.unicamp.br 19-92101108 A demanda de eletricidade no setor

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

a) transmissão e subtransmissão: 750; 500; 230; 138; 69; 34,5; e 13,8 kv; b) distribuição primária em redes públicas: 34,5 e 13,8 kv

a) transmissão e subtransmissão: 750; 500; 230; 138; 69; 34,5; e 13,8 kv; b) distribuição primária em redes públicas: 34,5 e 13,8 kv C3ANEEL A gência N acional de E nergia E léjrica Nota Técnica n 0153/2013-SRD/ANEEL Em 20 de junho de 2013. Processo n : 48500.006470/2011-33 Assunto: Análise das contribuições recebidas na Consulta Pública

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 Comité de Estudio C5 - Mercados de Electricidad y Regulación XIII/PI-C5-13 IMPACTOS

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

Iniciação Científica no INATEL

Iniciação Científica no INATEL Iniciação Científica no INATEL 2016 / 1º. Semestre Profa. Rosanna Coordenadora do Programa de IC Inatel rosannas@inatel.br ic@inatel.br Objetivo O que é Iniciação Científica? Quais são as oportunidades

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES

REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES REDES DE ENERGIA ELÉTRICA INTELIGENTES (SMART GRIDS) FAUSTO DE PAULA MENEZES BANDEIRA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ABRIL/2012 Fausto de Paula Menezes Bandeira

Leia mais

Aspectos Jurídicos e Ambientais das PCHs. Jason T. Ferrari

Aspectos Jurídicos e Ambientais das PCHs. Jason T. Ferrari Aspectos Jurídicos e Ambientais das PCHs Jason T. Ferrari Escopo Questões fundiárias; Casos especiais relacionados à localidade; Questões de registro e regulação; Aspectos ambientais da execução de projetos

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25. Brasília 22/Jan/2009

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25. Brasília 22/Jan/2009 Audiência Pública 061/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25 SRT Brasília 22/Jan/2009 Contextualização Lei nº 9.648/98, com redação dada pela Lei nº 10.848/04 estabelece

Leia mais

Implantação de Medição Eletrónica em Baixa Tensão Nota Técnica n 0013/2009-SRD/ANEEL, de 28/01/2009

Implantação de Medição Eletrónica em Baixa Tensão Nota Técnica n 0013/2009-SRD/ANEEL, de 28/01/2009 945 Hornet Drive Hazelwood, MO 63042 www.aclara.com 314.895.6400 314.895.7373 fax 23 de abril, 2009 Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição ANEEL SGAN quadra

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Relatório Voto Módulos Acesso ao Texto Atualizado Aprova

Leia mais

A RNP e a Educação no Brasil

A RNP e a Educação no Brasil A RNP e a Educação no Brasil SBC 99 - Educação e Aprendizagem na Sociedade da Educação - Rio de Janeiro (RJ) 21 de julho 1999 José Luiz Ribeiro Filho Sumário: A história da Internet e seu uso na educação

Leia mais

Agenda. O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia

Agenda. O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia Agenda O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas Etapas do Inova Energia 2 O Inova Energia é parte do Plano Inova Empresa Orçamento esperado: R$ 32 bi............ Objetivo do Inova Energia fomentar e apoiar

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

A Regulação da Atenção

A Regulação da Atenção XXVI CONGRESSO DO COSEMS Marília Março de 2012 Curso de Regulação A Regulação da Atenção Troccoli CONCEITOS Dicionário Houaiss 1. estabelecer regras, sujeitar a regras; 2. regrar; 3. dirigir em conformidade

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA - ABRADEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade João Carlos Mello A&C A APINE 55 associados Geradores privados e concessionárias de geração PCHs e hidráulicas de médio e grande porte Térmicas

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS EMENTA O presente estudo tem por finalidade abordar o comportamento recente das pequenas empresas na

Leia mais

Um pouco de história... Alguns fatos relevantes dos 35 anos da vida do CPqD

Um pouco de história... Alguns fatos relevantes dos 35 anos da vida do CPqD Um pouco de história... Alguns fatos relevantes dos 35 anos da vida do CPqD 1976 1977 1979 1980 1981 1982 1984 1987 Criação do CPqD Concluído o primeiro protótipo do multiplexador digital para transmissão

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABSOLAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO

Leia mais

Instituto Acende Brasil

Instituto Acende Brasil www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro ano base 2014 Dezembro 2015 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009

CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009 CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009 INTRODUÇÃO Fundada em 1999, a APTEL evoluiu para uma organização multidisciplinar representando os interesses de telecomunicações e TI

Leia mais

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em medição, faturamento, CRM/CIS no Brasil Cyro Vicente Boccuzzi

Leia mais

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br MEDIÇÃO INTELIGENTE Medidores BT Direto e Indireto (Monofásico, Bifásico e Trifásico) Medidor Indireto THS Medidor de Balanço Gateways para Rede FAN Santana de Parnaíba - SP/ Brasil Alameda Europa, 54

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

Um Plano de Investimento para a Europa

Um Plano de Investimento para a Europa Um Plano de Investimento para a Europa O «triângulo virtuoso» INVESTIMENTO REFORMAS ESTRUTURAIS RESPONSABILIDADE ORÇAMENTAL 1 Um Plano de Investimento para a Europa MOBILIZAR FINANCIAMENTOS PARA O INVESTIMENTO

Leia mais

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution Soluções Inovadoras FlyFlex Versão 1.00 Fly Solution O Software FlyFlex 1.00 FlyFlex é um software desenvolvido pela empresa Fly Solution para atender a necessidade de gestão de negócios de pequenas e

Leia mais

Proposta FRANQUIA UNIDADE CNOL - PARLAMENTAR ONLINE PORTO ALEGRE- RS At. Sr. Xxxxx Xxxxxxx

Proposta FRANQUIA UNIDADE CNOL - PARLAMENTAR ONLINE PORTO ALEGRE- RS At. Sr. Xxxxx Xxxxxxx Franquia Proposta FRANQUIA UNIDADE CNOL - PARLAMENTAR ONLINE PORTO ALEGRE- RS At. Sr. Xxxxx Xxxxxxx Documento Confidencial Essa proposta é des,nada exclusivamente ao seu solicitante. O solicitante concorda

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL INCLUSÃO DIGITAL instrumento de INCLUSÃO SOCIAL Brasil Telecom Área territorial: 2,6 milhões de km² (33% do território nacional) 25% do PIB (R$ 276 bilhões em 2001) 23% da População (40 milhões) 10.548

Leia mais

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID 35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID Smart Grid: Visão Tecnológica Redes de Sensores Medidores Eletrônico Redes de Comunicação Centros de Controle

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil

Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil Osiris A. Vital Brazil - asthon@vital.srv.br Paulo M. Araújo - paulo_mario@unit.br

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PRÉ-ACELERAÇÃO EDITAL 2016/01 HOTMILK

PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PRÉ-ACELERAÇÃO EDITAL 2016/01 HOTMILK PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PRÉ-ACELERAÇÃO EDITAL 2016/01 HOTMILK 1) - APRESENTAÇÃO A Aceleradora HotMilk torna pública a abertura das inscrições para seleção de projetos de empreendimentos de

Leia mais

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011 O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar A Saúde Privada no Brasil A Lei 9.656/98 Corrigiu distorções, introduziu regras e obrigações importantes

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Revisão 0 1 2 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada (após realização

Leia mais

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA 8º CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIA NO MEIO RURAL Campinas, 15 de dezembro de 2010

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas Proinfância B e C Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE O FNDE é

Leia mais

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Soluções para Smart Grid Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas A qualidade das soluções em sistemas elétricos e eletroeletrônicos, agora também para Smart Grid. A WEG desenvolveu

Leia mais

As Tecnologias no Controle de Perdas. Julho 2015 Water Brazil

As Tecnologias no Controle de Perdas. Julho 2015 Water Brazil As Tecnologias no Controle de Perdas Julho 2015 Water Brazil A nossa identidade 35,7% 7,2% 4,1% 53,0% 2 I A nossa presença UK América central América do norte Espanha França Índia Chile Brasil África Austrália

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Workshop Territórios e Cidades Sustentáveis Coimbra, 28.01.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 1 Cluster Habitat

Leia mais

Crianças e adolescentes inscritos no Programa Segundo Tempo.

Crianças e adolescentes inscritos no Programa Segundo Tempo. Manual de Procedimentos APRESENTAÇÃO Oportunizar aos beneficiados do Programa Segundo Tempo eventos e programações diferenciadas ao longo do ano é uma das ações estratégicas desta Secretaria Nacional.

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

INFORMAÇÃO DE ACESSO. AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO

INFORMAÇÃO DE ACESSO. AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO INFORMAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA DE ALTA TENSÃO DE 88/138 kv DA AES ELETROPAULO PARA A USINA TERMELÉTRICA (UTE) DE RESÍDUO SÓLIDO URBANO (RSU) BARUERI REV. 01 20 de junho de 2012 INDICE 1. INTRODUÇÃO 2.

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido

Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido Atlas Copco Ltda. FÓRUM DE SUSTENTABILIDADE SINDIPEÇAS Out 2014 3 COMPROMISSO COM A PRODUTIVIDADE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

Nota Técnica n o 105/2006-SRT/ANEEL. Em 25 de outubro de 2006.

Nota Técnica n o 105/2006-SRT/ANEEL. Em 25 de outubro de 2006. Nota Técnica n o 105/2006-SRT/ANEEL Em 25 de outubro de 2006. Processo: 48500.000493/2006-60 Assunto: Análise da revisão 1 do Módulo 12 dos Procedimentos de Rede para autorizar a utilização em caráter

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais