José Gabino Matias dos Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Gabino Matias dos Santos"

Transcrição

1 José Gabino Matias dos Santos Assessor da Diretoria da ABRADEE Brasília, 25 de setembro de 2008

2 Informações Gerais ABRADEE: 48 Associadas (99% do Mercado) Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

3 Informações Gerais ABRADEE: 15 Grupos Privados (35 empresas) CPFL Piratininga RGE CPEE Ampla Coelce Celpe Coelba Cosern Elektro Empresas Independentes Bragantina Caiuá Celpa Celtins Cemat CFLO Nacional Paranapanema Borborema Minas Gerais Nova Friburgo Paraíba Sergipe Cemar Eletropaulo AES Sul Rio-Minas Energia Light CHESP IGUAÇU Panambi Santa Maria Sulgipe Bandeirante Escelsa Enersul Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

4 Informações Gerais ABRADEE: 8 Grupos Estatais (13 empresas) Boa Vista Ceal Cepisa Ceron Eletroacre Manaus DME P. Caldas Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

5 Situação atual da Medição Eletrônica em Baixa Tensão Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

6 Medição eletrônica na BT Várias distribuidoras já decidiram pela aquisição exclusiva de medidores eletrônicos para a baixa tensão Celpe Coelba Cosern Borborema Minas Gerais Nova Friburgo Paraíba Sergipe Bragantina Caiuá Celpa Celtins Cemat CFLO Nacional Paranapanema Ampla Coelce Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

7 Como tem ocorrido esta migração Basicamente duas soluções tem sido utilizadas: 1. Medição individualizada: simples mudança de um modelo eletromecânico para o modelo eletrônico (maioria dos casos) Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

8 Medição convencional Parque instalado: cerca de 5,35% ( unidades) Já atinge 33% em algumas distribuidoras Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

9 Como tem ocorrido esta migração 2. Medição centralizada: utilização de um sistema de medição com diversas funções agregadas (combate à fraude, leitura remota, suspensão e religação à distância, pré-pagamento, etc). Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

10 Medição centralizada Parque instalado: cerca de 0,67% ( unidades) A previsão era de em 2008 Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

11 Motivações para a mudança - I Principais motivações para a migração para a medição eletrônica (no Brasil) Maior precisão no consumo medido a) Depende da qualidade do parque instalado (hardware e humanware) b) Existe uma grande diversidade desta qualidade 2. Redução das perdas comerciais (fraude e furto) a) Depende das características do mercado b) Pode chegar a percentuais elevados em determinadas áreas Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

12 Motivações para a mudança - I Principais motivações para a migração para a medição eletrônica (no Brasil) Preço competitivo a) O aumento da utilização tem levado a reduções do preço 4. Possibilidade de utilização de funções adicionais a) Realização de corte à distância, teleleitura, sistemática de pré-pagamento Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

13 Motivações para a mudança - II... E principais motivações para a migração para sistemas smart grid no exterior. 1. Introdução do sinal de preço (redução do consumo e da demanda) Victoria (AUS), Califórnia (USA), Ontário (Canadá) 2. Maior precisão no faturamento Suécia e Itália 3. Redução do desperdício Suécia 4. Redução de perdas comerciais Itália e Irlanda 5. Redução de custos de leitura Itália 6. Redução da inadimplência Itália 7. Abertura do mercado Portugal e Espanha Fonte: Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

14 Incertezas quanto à mudança - I No entanto, várias distribuidoras ainda aguardam a eliminação de algumas incertezas: 1. Vida útil reduzida a) A expectativa de vida é de 15 anos b) Depreciação regulatória ainda está baseada nos medidores eletromecânicos (4% a.a.) 2. Garantias de qualidade do produto a) Implantação de projetos piloto para avaliação do produto b) Introdução de cláusulas diferenciadas para garantia 3. Insegurança quanto ao desempenho em condições climáticas adversas a) Implantação de projetos piloto para avaliação do produto Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

15 Incertezas quanto à mudança - II No entanto, várias distribuidoras ainda aguardam a eliminação de algumas incertezas: 4. Indefinições na regulamentação quanto ao uso de recursos adicionais (pré pagamento, tarifa horosazonal) a) Existem questões tributárias que ainda inviabilizam a utilização do pré-pagamento b) Apesar de prevista há cerca de 20 anos, a aplicação de tarifa diferenciada ainda não aconteceu 5. Indefinições na regulamentação metrológica a) A utilização da medição centralizada está suspensa desde setembro de 2007 Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

16 Conclusões Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

17 Fatos 1. A utilização dos medidores eletrônicos convencionais já é uma realidade e deverá crescer continuamente, apesar das incertezas ainda existentes. 2. Assim que for liberada, a instalação dos sistemas de medição centralizada será retomada em ritmo veloz, já que tem se mostrado eficiente na redução das perdas comerciais. Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

18 Questões a serem respondidas 1. O momento é propício para o estabelecimento de diretrizes a serem observadas na modernização do parque de medição a) O que queremos medir? kwh, kvarh,v,... b) O que queremos controlar? DEC, FEC,... c) Que requisitos devem ser observados? Protocolos de comunicação, informações ao consumidor,... d) O que queremos melhorar? Perdas, desperdício, fator de carga,redução de subsídios,... e) Que custos podem ser acrescidos? Prazo para a modernização do parque instalado f) Que proveitos o consumidor pode obter destes sistemas? Redução da fatura, opções de tarifa,... Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

19 Obrigado! José Gabino Matias dos Santos Rio de Janeiro (Sede) Brasília Rua da Assembléia Nº 10 SCN - Quadra 02 - Bloco D - Torre A Grupo Ed. Cândido Mendes Sala Edifício Liberty Mall CEP Rio de Janeiro RJ Brasil CEP Brasilia DF Brasil Tel Fax Tel Fax Seminário Internacional de Medição Eletrônica 25 de setembro de

Tarifas de energia elétrica no Brasil 27/05/2011 1 Diminuir a disparidade entre tarifas de Energia Elétrica no Brasil No Brasil o custo da energia elétrica nos estados de baixa densidade populacional e

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias

ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias ANEXO I - Tarifa Social de Energia Elétrica para as Concessionárias AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A - AES SUL. Consumo mensal até 30 kwh 101,16 54,95 46,21 Consumo mensal entre 31 até 100 kwh

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL

INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL 1 CONTEXTO -Percepção da opinião pública de queda na qualidade do serviço -Desempenho bastante divergente na prestação do serviço -Intervenção

Leia mais

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC 22 de setembro de 2008 Brasília DF Agentes setoriais SETOR GERAÇÃO concessão (serviço público e uso do bem público -

Leia mais

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil?

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo 28 de novembro de 2013 A metodologia

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Parágrafo único. As concessionárias ou permissionárias são, doravante, denominadas genericamente pelo termo concessionária.

Parágrafo único. As concessionárias ou permissionárias são, doravante, denominadas genericamente pelo termo concessionária. RESOLUÇÃO N o, DE DE DE 2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas de

Leia mais

RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001

RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 RESOLUÇÃO N O 44, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 Estabelece as diretrizes e condições para os contratos iniciais de compra e venda de energia elétrica entre as concessionárias que especifica. O DIRETOR-GERAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 945, DE 2 DE MARÇO DE 2010 Estabelece, nos termos das Leis n ºs 12.111, de 9 de dezembro de 2009, e 12.212, de 20 de janeiro de 2010,

Leia mais

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica Audiência Pública Revisão Tarifária Periódica Agenda 1. Panorama Geral da Concessão 2. Evolução da Qualidade do Serviço 3. Investimentos Realizados no Ciclo (2007-2011) 4. Principais Desafios 3º Ciclo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF 2007 Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 57, DE 12 DE ABRIL DE 2004 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou

Leia mais

CENTRAIS ELETRICAS DE RONDONIA S.A. CERON Gerência de Operação de Sistemas TGO ANEXO - II

CENTRAIS ELETRICAS DE RONDONIA S.A. CERON Gerência de Operação de Sistemas TGO ANEXO - II Art. 1º Estabelecer as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento das concessionárias ou permissionárias do serviço público de distribuição de energia elétrica. Parágrafo único. As

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica

Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica Semana Nacional da Segurança com Energia Elétrica Introdução Pela primeira vez, a Abradee promoverá, junto com as suas 51 concessionárias associadas, uma campanha nacional para conscientizar os cerca de

Leia mais

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Pedro Eugênio Pereira ABRADEE 11 de junho de 2007 ABRADEE: 99% do Mercado e 49 Associadas Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007 2 Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 338, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008 Nota Técnica Nº 292/2008 SRE/ANEEL Nota Técnica Nº 340/2008 SRE/ANEEL Nota Técnica Nº 342/2008 SRE/ANEEL

Leia mais

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Apresentação Grupo Energisa Aspectos Técnicos e Comerciais Aspectos financeiros Crescimento 2 Grupo Energisa 3 Aquisição do Grupo Rede Em

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CPFL PIRATININGA 2ª EDIÇÃO QUEM É A CPFL PIRATININGA? A Companhia Piratininga de Força e Luz S/A (CPFL Piratininga) é uma das empresas do grupo CPFL Energia S/A, que atua

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL APRESENTAÇÃO DA DISTRIBUIDORA A Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE), criada há 60

Leia mais

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)?

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? COSERN QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), criada em agosto de 1962, atende 917,7 mil unidades consumidoras. Atualmente,

Leia mais

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de

Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Financing evaluations of sustainable electricity projects Avaliações de financiamento de projetos sustentáveis de eletricidade Maria Helena de Oliveira O BNDES e o Financiamento ao Setor Elétrico 03 de

Leia mais

SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA

SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA SUA EMPRESA NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA CONFERÊNCIA: COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Impacto do Contexto Econômico nos Preços de Energia, Migração entre Ambientes de Contratação e Liquidação de Excedentes 09

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 485, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o disposto no Decreto n o 4.336, de 16 de agosto de 2002, que estabelece as diretrizes para classificação

Leia mais

Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços

Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços Seminario internacional ENERGIA ELÉTRICA Avaliação da Agência Reguladora sobre as interrupções na prestação de serviços Nelson José Hübner Moreira Diretor-Geral ANEEL São Paulo, SP Maio/2010 Papéis Institucionais

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS VERSÃO 1.1 (13/5/2008) ALTERAÇÕES

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

ATA DA 103ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES DA CEMIG

ATA DA 103ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES DA CEMIG DATA: 21 de agosto de 2013 LOCAL: Cemig Belo Horizonte Av. Barbacena, 1200 20º Andar Sala do Conselho 1 APROVAÇÃO DA ATA DA 102ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES DA CEMIG Conforme previsto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. Legislação Estabelece as tarifas de uso dos sistemas de distribuição

Leia mais

Número 134 Maio de 2014. As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor

Número 134 Maio de 2014. As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor Número 134 Maio de 2014 As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo de revisão tarifária e os efeitos sobre o setor As tarifas de energia elétrica no Brasil: inventário do 3º ciclo

Leia mais

Tratamento regulatório de perdas

Tratamento regulatório de perdas IIIª Conferência da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Tratamento regulatório de perdas não técnicas Rio de Janeiro Novembro de 2010 Julião Silveira Coelho

Leia mais

VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA

VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA CADERNOS TARIFÁRIOS VOLUME I AS TARIFAS DE ENERGIA Agosto de 2012 1. INTRODUÇÃO 1.1 O que é Regulação Tarifária? Regulação, por conceito, é o conjunto de técnicas e formalidades que objetivam dar estabilidade

Leia mais

Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica

Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica Comparação Internacional de Tarifas de Energia Elétrica Edição 2013 O principal objetivo da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) é atuar como facilitadora nas relações

Leia mais

Padrão de Medição à Distância

Padrão de Medição à Distância Audiência Pública N.º 001/ 2003 Padrão de Medição à Distância Sugestões: Vicentino s do Brasil ÍNDICE Pág. 3 - Apresentação Pág. 4 - Padrão de Medição à Distância Pág. 5/6 - Especificação Técnica Pág.

Leia mais

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)?

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? RGE QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? A distribuidora Rio Grande Energia S/A (RGE) resulta da cisão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), controlada pelo Governo do Estado do Rio Grande

Leia mais

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Ceará, 19/05/2016 CONERGE Agenda: Regulamentação Definição de Indicadores de Qualidade Histórico de Indicadores Coletivos Qualidade 2

Leia mais

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades Energia Solar Fotovoltaica - usina FV: 1ª Usina Solar Fotovoltaica do Brasil - Tauá/CE - 2011 Energia Solar Fotovoltaica -

Leia mais

Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade.

Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Análise dos investimentos do Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Gilberto De Martino Jannuzzi [1], Herivelto Tiago Marcondes dos Santos [2] [1] Universidade

Leia mais

Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda.

Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda. Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda. Encontro Técnico do GLP de 2015 ALTERNATIVAS DE SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUA A GÁS Estrutura da Apresentação 2 Alterna;vas de sistemas

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL Quem é a Companhia Paranaense de Energia (COPEL)? A distribuidora Companhia Paranaense de Energia (COPEL), criada em 1954, tem 2,68 milhões de unidades consumidoras

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JULHO 2008 - MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE

Leia mais

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Grupo A energia que movimenta o Brasil. Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Aprovado pelo Grupo Técnico Operacional da Região Norte GTON e homologado pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

ANEXOS 7. 0. Concessionárias de Serviço Público de Energia Elétrica. Regime Especial.

ANEXOS 7. 0. Concessionárias de Serviço Público de Energia Elétrica. Regime Especial. ANEXOS 7. 0 Concessionárias de Serviço Público de Energia Elétrica. Regime Especial. Ajuste SINIEF 28/89 Alterações: Ajustes 04/96, 01/98, 04/98, 07/00, 04/02, 06/02, 11/03, 08/05, 02/07, 07/07, 13/07,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE DADOS VERSÃO 1.5 (01/10/2013)

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 Estabelece as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição de energia elétrica. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de

Leia mais

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16 Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16 Micro e Minigeração Distribuída na LIGHT Na área de concessão da Light, há 164 conexões de micro e 2 de minigeração

Leia mais

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Brasília, 09 de abril de 2015 SINAL ECONÔMICO DA TE INÍCIO DOS ESTUDOS DAS BANDEIRAS TARIFÁRIAS: AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 120/2010: Aperfeiçoamento da Estrutura

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA Quem é a Energisa Borborema S/A? A distribuidora Energisa Borborema S/A é a antiga Companhia Energética da Borborema (CELB). Criada em 1963, foi privatizada

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

9 Análise Multivariada de Dados

9 Análise Multivariada de Dados 9 Análise Multivariada de Dados 9.1 Introdução Uma das dificuldades inerentes em estatística multivariada é a visualização dos dados, principalmente em dimensões maiores que três. No entanto, é importante

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - ABRIL MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - ABRIL MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE MERCADO QUE RETORNOU SE TORNOU LIVRE [MWh] QUOTA ANUAL RGE TELASUL S.A.

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO

ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO ESTATÍSTICAS STICAS DE ACIDENTES NO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRO SÍNTESE DO RELATÓRIO 2002 Janeiro Dezembro de 2002 DADOS GERAIS 200.078.780 Horas Efetivamente Trabalhadas 69 Empresas Tempo Computado

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA 2ª Edição Quem é a AMPLA? A distribuidora Ampla Energia e Serviços S/A foi criada em setembro de 2004, em substituição à Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro

Leia mais

Aplicações do Sistema Automático de Medição

Aplicações do Sistema Automático de Medição Aplicações do Sistema Automático de Medição Eriberto Alvares, Gerência de Medição & Certificação, Cam Endesa, Brasil Projetos de telemedição implantados no mundo Concessionárias Clientes instalados Países

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE MERCADO QUE SE TORNOU LIVRE RGE PLASTIBENTO AC PLAST LTDA Plastibento

Leia mais

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira

O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Agosto/2013 O impacto da adoção do Sistema de Bandeiras Tarifárias para a competitividade da indústria brasileira Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 485, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o disposto no Decreto nº 4.336, de 16 de agosto de 2002, que estabelece as diretrizes para classificação

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

A Light e o Futuro do Rio. Seminário sobre Energia Elétrica APIMEC RJ Rio de Janeiro

A Light e o Futuro do Rio. Seminário sobre Energia Elétrica APIMEC RJ Rio de Janeiro A Light e o Futuro do Rio Seminário sobre Energia Elétrica APIMEC RJ Rio de Janeiro 21 de junho de 2010 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras

PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras PRODIST Atualização da regulação para as distribuidoras Carlos Alberto C. Mattar Assessor SRD/ANEEL Rio de Janeiro - RJ 12 de agosto de 2008 1 de 16 Índice Motivações para edição de um módulo específico

Leia mais

INFORMATIVO DE SEGURANÇA E SAÚDE

INFORMATIVO DE SEGURANÇA E SAÚDE INTRODUÇÃO O 8º SENSE Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro está sendo idealizado e, naturalmente, os parceiros e entidades envolvidas efetivamente com o tema, estão aderindo

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo Avaliação em grupo Santo André, 16 de maio de 2011 Avaliação da disciplina Mercado de Energia

Leia mais

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 AGENDA HISTÓRICO ORGANIZAÇÃO CREDO FOCOS ESTRATÉGICOS HISTÓRICO COGE NOVO CENÁRIO CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO COGE CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO JURÍDICA DIREITO PRIVADO CARÁTER TÉCNICO- CIENTÍFICO

Leia mais

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE

QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE QUOTAS ANUAIS DEFINITIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA DO PROINFA - JUNHO 2008 - MIGRAÇÃO DE CONSUMIDORES LIVRES E AUTOPRODUTORES PARA O MERCADO LIVRE DISTRIBUIDORA CONSUMIDOR LIVRE IDENTIFICAÇÃO DA CARGA NA CCEE

Leia mais

Curitiba, junho de 2014 LMDM Consultoria Empresarial

Curitiba, junho de 2014 LMDM Consultoria Empresarial Nota Técnica no 71/2015- SGT/ANEEL Análise de conteúdo, críticas e propostas sobre a metodologia de Base de Remuneração das distribuidoras de energia elétrica para o 4º Ciclo Curitiba, junho de 2014 LMDM

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

15 e 16 de Junho de

15 e 16 de Junho de 15 e 16 de Junho de 2015 www.setrel.funcoge.org.br Região Norte Região Nordeste AMAZONAS - AM CELTINS - TO CEAL - AL COELCE - CE BOA VISTA - RR CERR - RR CELPE - PE COSERN - RN CEA - AP CERON - RO CEMAR

Leia mais

Análise e levantamento da composição tarifária brasileira

Análise e levantamento da composição tarifária brasileira Análise e levantamento da composição tarifária Elaborado por: Filipe Guilherme Ramos da Silva Para: Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Fevereiro de 2013 Solar PV Elaborado

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'.

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'. Quem é a CELG? A distribuidora Companhia Energética de Goiás (CELG), criada em agosto de 1955, atende a quase dois milhões de unidades consumidoras em uma área de concessão que engloba 234 municípios do

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA MISSÃO DA ANEEL PROPORCIONAR CONDIÇÕES FAVORÁVEIS PARA QUE O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA SE DESENVOLVA COM EQUILÍBRIO ENTRE OS AGENTES E EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE.

Leia mais

Índice de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia Julho/2017

Índice de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia Julho/2017 Índice de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia Julho/2017 Estudo coordenado por Erick Azevedo, doutor em Planejamento e Sistemas Energé;cos pela Universidade de Campinas (Unicamp)

Leia mais

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016 Relatório nº 005/2016 Data da divulgação: 12/04/2016 Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste UTE PARNA 7LEN Aplicação

Leia mais

Número 58 Dezembro de 2007. As tarifas de energia elétrica no Brasil: sistemática de correção e evolução dos valores

Número 58 Dezembro de 2007. As tarifas de energia elétrica no Brasil: sistemática de correção e evolução dos valores Número 58 Dezembro de 2007 As tarifas de energia elétrica no Brasil: sistemática de correção e evolução dos valores Apresentação A energia elétrica é o serviço público com um dos maiores índices de cobertura

Leia mais

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária

Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária AP040/2010 Metodologia para o Terceiro Ciclo de Revisão Tarifária Claudio Sales - Presidente Dezembro/2010 Avaliação da proposta metodológica A contribuição do Instituto Acende Brasil aborda dois componentes

Leia mais

Currículo. Carlos Roberto Vriesman. Engenheiro Eletricista Consultor

Currículo. Carlos Roberto Vriesman. Engenheiro Eletricista Consultor Currículo Carlos Roberto Vriesman Engenheiro Eletricista Consultor Out./2011 Currículo 1 - Tempo de Experiência Profissional 1.1 Tempo no cargo atual: Função: Superintendente desde 03.01.2011 Cargo: Engenheiro

Leia mais

Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC

Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC Rogério Botteon Romano Pesquisador Maio/2007 www.cpqd.com.br PLC no CPqD Projeto P&D ANEEL - ciclo 2001/2002 - CPFL - ELETROPAULO - BANDEIRANTE - ELEKTRO (São

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA Alessandro de Lima Castro Abril de 2005 ESTRUTURA TARIFÁRIA VIGENTE TARIFA DE FORNECIMENTO TARIFA DE USO PARCELA FIO PARCELA ENCARGO TARIFA ENERGIA

Leia mais

ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL

ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL ENERGIA FOTOVOLTAICA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GERAÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL SOLUÇÕES FOTOVOLTAICAS PARA APLICAÇÕES RESIDENCIAIS E COMERCIAIS SISTEMAS CONECTADOS À REDE (GRID TIE) MERCADO NO BRASIL E NO MUNDO

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

OSN. Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO 2014

OSN. Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO 2014 OSN Ouvidoria Setorial em Números Aspectos técnicos e comerciais ANO OUVIDORIA SETORIAL EM NÚMEROS Aspectos técnicos e comerciais Brasília/DF Abril ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SGAN Módulos

Leia mais

Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL. Em 03 de julho de 2014.

Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL. Em 03 de julho de 2014. Nota Técnica n 29/2014-SRC/ANEEL Em 03 de julho de 2014. Processo: 48500.001835/2014-86 Assunto: Regulamentação de critérios para a concessão de descontos na tarifa. I. DO OBJETIVO 1. A presente Nota Técnica

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA CELESC Quem é a CELESC S/A? A distribuidora Centrais Elétricas de Santa Catarina Distribuição (CELESC Distribuição S/A) criada em dezembro de 1955, atende a 1.678.629 unidades

Leia mais

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 91 setembro2013 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar as informações referentes às transferências de Cotas do PROINFA em virtude

Leia mais

Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail

Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail Empresa de Energia Elétrica Sigla Gerente de EE CPF Fone e-mail AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S. A. AES SUL Guilherme de Mauro Favaron 311.499.468-73 11-2195-7306 guilherme.favaron@aes.com Amazonas

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Novembro/2016.

Novembro/2016. Fatos relevantes 3 pontos importantes: I - Chamada 13/2011 - ANEEL Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D estratégico no. 13/2011 - Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração Solar

Leia mais

ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL

ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL ESTUDO ANÁLISE DAS TARIFAS, DA QUALIDADE E DA ABRANGÊNCIA DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS REGIÕES DO BRASIL ESTUDO NOVEMBRO/2011 Fausto de Paula Menezes Bandeira

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais