1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES"

Transcrição

1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES 1.1. Mantenedora A Sociedade Educacional das Américas, pessoa jurídica de direito privado, com fins lucrativos, enquadrada na categoria administrativa de Sociedade Mercantil ou Comercial, sob o CNPJ nº / , localiza-se à Rua Augusta, nº 1508/1520, no bairro Consolação, pertencente ao município de São Paulo, capital do Estado, cujo CEP é O contrato social está devidamente registrado no 4º Registro Civil de Pessoa Jurídica do Estado de São Paulo, sob o nº , desde 19/11/1999 e com última alteração sob o nº , em 14/3/ Mantida A Faculdade das Américas (FAM) está localizada à Rua Augusta, nº 973, no bairro Consolação, pertencente ao município de São Paulo, capital do Estado, cujo CEP é A FAM foi credenciada, junto ao Ministério da Educação (MEC), pela Portaria nº 620, de 13/4/1999, cuja publicação no Diário Oficial da União (DOU) aconteceu em 14/4/1999. O processo de recredenciamento institucional, sob o nº , protocolado em 24/10/2007, já obteve resultado favorável junto ao Conselho Nacional de Educação (CNE), cujo Parecer nº 459/2011 foi publicado no DOU em 4/1/ Perfil Institucional O perfil institucional da FAM é abrangido pelo histórico, concepção institucional, vocação, missão, visão, objetivos, metas, ações e áreas de atuação acadêmica, conforme detalhamento abaixo Histórico e Desenvolvimento da Instituição de Ensino Superior A Faculdade das Américas - FAM foi credenciada em 13/4/1999, por meio da Portaria Ministerial nº 620, estando apta a oferecer os seguintes cursos presenciais: Administração (Bacharelado), turnos matutino e noturno, com 100 vagas anuais em cada turno, duração de 8 semestres autorizado pela Portaria MEC nº 620, de 13/4/1999, publicada no DOU dia 14/4/1999 e reconhecido pela Portaria MEC nº 3.108, de 9/9/2005, publicada no DOU dia 12/9/2005; Ciências Contábeis (Bacharelado), turnos matutino e noturno, com 100 vagas anuais em cada turno, duração de 8 semestres autorizado pela Portaria MEC/SESu nº 1.485, de 21/9/2010, publicada no DOU dia 22/9/2010; Direito (Bacharelado), turno noturno, com 160 vagas anuais, duração de 10 semestres autorizado pela Portaria MEC nº 221, de 8/2/2001, publicada no DOU dia 12/2/2001 e reconhecido pela Portaria SESU nº 589, de 26/6/2007, publicada no DOU dia 27/6/2007; Gestão de Recursos Humanos (Tecnologia), turnos matutino e noturno, com 50 vagas anuais em cada turno, duração de 4 semestres autorizado pela Portaria MEC/SETEC nº 45, de 13/2/2009, publicada no DOU dia 16/2/2009; 1

2 Gestão Financeira (Tecnologia), turnos matutino e noturno, com 50 vagas anuais em cada turno, duração de 4 semestres autorizado pela Portaria MEC/SETEC nº 44, de 13/2/2009, publicada no DOU dia 16/2/2009; Logística (Tecnologia), turnos matutino e noturno, com 200 vagas anuais em cada turno, duração de 4 semestres autorizado pela Portaria MEC/SERES nº 280, de 19/12/2012, publicada no DOU dia 28/12/2012; Marketing (Tecnologia), turnos matutino e noturno, com 240 vagas anuais em cada turno, duração de 4 semestres autorizado pela Portaria MEC/SERES nº 539, de 23/10/2013, publicada no DOU em 25/10/2013; Pedagogia (Licenciatura),turnos matutino e noturno, com 100 vagas anuais em cada turno, duração de 6 semestres autorizado pela Portaria MEC/SESu nº 888, de 18/10/2007, publicada no DOU dia 19/10/2007; Publicidade e Propaganda (Bacharelado), turnos matutino e noturno, com 100 vagas anuais em cada turno, duração de 8 semestres autorizado pela Portaria MEC nº 372, de 22/3/2000, publicada no DOU dia 24/3/2000 e reconhecido pela Portaria SESu nº 164, de 16/2/2007, publicada no DOU dia 21/2/2007. Desde sua criação, a qualidade institucional para a FAM é o atributo que se manifesta em toda a sua dinâmica processual e nos resultados aí produzidos, que expressa a consecução, nos graus estabelecidos como desejáveis, da missão da Instituição, bem como da observância de seus princípios e diretrizes de ação. A qualidade, assim entendida, deve estar presente tanto nas atividades de ensino, iniciação científica e extensão, atividades-fim, quanto no sistema de gestão da Faculdade, tendo como eixos transversais o exercício das relações democráticas e comunitárias. Avaliar a instituição requer, portanto, que sejam aferidos os graus de qualidade alcançados na ação institucional, por meio de indicadores e padrões de qualidade definidos, e em cuja construção estejam presentes, como referenciais básicos: a missão, os princípios e as diretrizes da FAM, estabelecidos para orientar o planejamento e a execução de suas atividades acadêmicas e de gestão. Requer, porém e principalmente, que sejam postos à disposição da comunidade acadêmica mecanismos e recursos que contribuam para o alcance da qualidade almejada, bem como que se realize efetivo e rigoroso trabalho de cooperação por todos os atores institucionais, sem o que a avaliação se restringiria ao processo formal e constatativo do diagnóstico. É nessa dimensão que se insere o assessoramento às Coordenações e aos Colegiados de Cursos, desenvolvido pela Comissão de Avaliação Institucional. Tendo por meta comum qualificar os cursos e, em consequência, a formação profissional de nossos alunos buscar-se-á, num trabalho integrado de professores, alunos, funcionários técnico-administrativos, diretores e mantenedores, acompanhar e subsidiar a análise crítica dos projetos pedagógicos de graduação, bem como propor ações no sentido de aprimorá-los. Desta forma, a meta da Mantenedora é o reconhecimento da FAM como um padrão de excelência e modernidade na prestação de serviços educacionais, uma vez que há comprometimento e seriedade com a qualidade de ensino, e seus projetos de formação 2

3 possuem fundamento em princípios pedagógicos, filosóficos e constitucionais vigentes, objetivando a qualificação de um profissional crítico, criativo, pesquisador e competente para atender às demandas sociais mais amplas. Na pós-graduação, a FAM promove, desde o início de suas atividades, incentivos a oferta de programas e cursos de especialização, bem como o incentivo a práticas investigativas, projetos de iniciação científica e atividades de pesquisa, entendendo que a indissociabilidade entre ensino e pesquisa é o princípio e o fundamento do saber humanístico e profissional que devem sustentar o Ensino Superior. Ao longo de sua trajetória, a FAM privilegiou a oferta de cursos e programas de extensão, articulados ao contexto sócio-econômico-cultural da região da grande São Paulo, com destaque à região da Avenida Paulista. Consciente de sua localização e do papel que pode exercer na realidade local e na elevação da qualidade de vida social, cultural, econômica e profissional do contexto que a cerca, a FAM desenvolve a extensão como a grande ponte entre o conhecimento acadêmico e sociedade. Em relação à Educação a Distância, a FAM projeta-se no futuro como uma instituição de ensino superior reconhecida pela qualidade de oferta de cursos superiores na modalidade a distância, na totalidade dos estados brasileiros, abrangendo as populações menos favorecidas, promovendo a elevação de níveis culturais e sociais, propiciando o desenvolvimento nacional. Iniciou suas atividades no ensino a distância em 2009 por meio da oferta de disciplinas dos cursos superiores de graduação, não excedendo ao limite de 20% da carga horária total de seus cursos reconhecidos - Portaria 4.059/2004. A experiência com ambientes de aprendizagem virtuais aliada a investimentos em infraestrutura em diversas localidades do país permitem à FAM objetivar o alcance da missão de ser referência nacional em Educação a Distância no Brasil, cumprindo uma função social e histórica de contribuir para a formação, com excelência, de pessoas e profissionais competentes, promotores do desenvolvimento econômico e cultural da nação. Desde 2009, desenvolveu expertise na produção de materiais impressos e para web, na transposição didática de conteúdos para linguagens virtuais, no uso de metodologias de ensino a distância e na mediação de aprendizagens em ambientes virtuais. Seus cursos de Direito, Administração, Pedagogia, Gestão Financeira, Gestão de Recursos Humanos e Publicidade e Propaganda desenvolvem conteúdos de seus currículos na modalidade a distância, respeitando a carga-horária permitida. Ao redimensionar sua abrangência de atuação para atender novas demandas nacionais por meio de cursos superiores na modalidade da Educação a Distância, amplia sua missão e contribui, ainda mais, para o desenvolvimento humano, social e intelectual em todo país. Destacamos em nosso Plano de Gestão para EaD as realizações e experiências acumuladas pela FAM em EaD, bem como as propostas de desenvolvimento das condições para a oferta de cursos na modalidade a distância Concepção Institucional A FAM traçou, para sua trajetória, um Plano Pedagógico Institucional. Um plano de ação pedagógica traduz-se por um conjunto de trabalho educativo de caráter funcional e intencional, que tem como condição prévia a determinação valorativa do educador e como objeto a mesma 3

4 determinação do educando. Tem que ser funcional e intencional, e ao mesmo tempo tarefa concebida com inteligência e responsabilidade. Só assim, uma ação em si mesma caracteriza-se como ação pedagógica. Para fazê-lo, a Instituição precisa assumir-se plenamente como artífice da arte de contratar e administrar pessoas e voltar-se para a discussão dos resultados efetivos da ação pedagógica dos seus agentes. Para alcançar os melhores resultados da ação pedagógica é indispensável que a Instituição possua uma Direção de Ensino que crie e fortaleça as Coordenações de Curso. O Plano Pedagógico Institucional é o conjunto dos Planos Pedagógicos de cada Curso, elaborados pelos Coordenadores, juntamente com os professores, seus pares, e são eles, no seu conjunto, que se tornam o Plano de Ação Acadêmica da Instituição, exatamente porque são eles que elegem a interdisciplinaridade, transdisciplinaridade, a contextualização, as práticas e as pesquisas e o envolvimento e a articulação dos diversos setores que compõem a Instituição na sua totalidade. Quanto à implementação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC), que tem por base a missão, as diretrizes institucionais, as diretrizes curriculares, a responsabilidade social com o intuito de manter a interdisciplinaridade, produzir trabalhos de conclusão de curso, projetos de extensão e iniciação científica com vertentes de conteúdos, que propiciem resultados articulados a eixos e sub-eixos temáticos por área de conhecimento, a FAM estabeleceu seu eixo central e sub-eixos: a) Eixo-Central: a educação como instrumento para obtenção da cidadania, do espírito crítico e da transformação das pessoas, buscando excelência profissional. b) Sub-Eixos: Comunicação, educação e cultura contemporâneas; Gerenciamento de projetos e inovação cultural; Ampliação dos conhecimentos dos egressos e a progressão profissional; Tecnologia em prol do desenvolvimento humano e ambiental; Novas tecnologias como formas de comunicação; Sustentabilidade sócio-econômico-ambiental; Empreendedorismo; Inovação e criatividade; Desenvolvimento de iniciação científica visando formar cidadãos e profissionais qualificados para o exercício de diferentes funções, com visão crítica e consciência sócio-política, a partir de uma formação básica densa e consistente. Por vez, a responsabilidade social desenvolver-se-á em torno do eixo temático: relações da instituição com a sociedade, com enfoque para os sub-eixos: inclusão social, defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural. A operacionalização dos eixos e sub-eixos serão exercidas prioritariamente pelos Colegiados de Cursos, pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão Acadêmica e Ação Social, sob a supervisão da Diretoria Geral da Faculdade das Américas, ou de profissional designado para esta atividade. Contudo, a FAM acredita que quem verdadeiramente conduz o Projeto Pedagógico da Instituição e lhe garante o sucesso é cada um, e todos os professores, com a sua dedicação, seriedade e responsabilidade, em cada sala de aula, coadjuvado por todos os demais setores da Instituição. Como se vê, há uma cadeia de atribuições e responsabilidades na consecução de um Plano de Ação Acadêmica, que se inicia com a determinação dos Mantenedores, passa pelo gerenciamento do Diretor, realiza-se na disposição dos diversos Coordenadores e Colegiados de 4

5 Curso e no empenho dos Professores, com vistas a alcançar os Alunos. Sociedade Educacional das Américas Vocação Educação com forte vínculo com o meio socioeconômico e cultural, contribuindo para a formação de profissionais e sua capacitação para o trabalho e o exercício da cidadania Visão Ser uma Instituição de ensino superior reconhecida como centro de excelência nos campos de estudos em que atua e na formação de profissionais orientados para a transformação da sociedade e das comunidades do entorno Missão A FAM, como instituição de educação superior, busca difundir a educação, a ciência e a cultura, subsidiadas por tecnologia moderna, para a formação de profissionais de excelência. Para tanto, tem como missão apoiar a formação de pessoas, com visão abrangente da sociedade e do mundo, para o exercício da cidadania e das profissões, buscando a excelência. A identidade da FAM constrói-se continuamente, a partir, entre outros, dos referenciais éticos-políticos, epistemológicos, educacionais e técnicos presentes nos seus princípios e diretrizes de ação. Tais referenciais, que refletem uma opção da Instituição, passam a constituir quadro de referência para as ações nela desenvolvidas, favorecendo assim que se efetive, no âmbito do ensino, um projeto pedagógico institucional que a diferencie de outras instituições de igual natureza. Ao redimensionar sua abrangência de atuação para atender novas demandas nacionais por meio de cursos superiores na modalidade da Educação a Distância, amplia sua missão e contribui, ainda mais, para o desenvolvimento humano, social e intelectual em todo país Objetivos A FAM tem como objetivos gerais: No Ensino, por intermédio dos cursos e programas de educação superior que oferece, assegurar o pleno desenvolvimento da pessoa e do cidadão, proporcionando o acesso ao saber global, a fim de introduzi-lo na civilização do trabalho como profissional qualificado e competente; bem como desenvolver a consciência social para a preservação do patrimônio cultural, da valorização da vida e de valores éticos, além de compreender os direitos e deveres constitucionais necessários à construção de uma sociedade mais justa e democrática; Nas Práticas Investigativas, estimular e apoiar a iniciação científica, por meio de um Programa de Iniciação Científica (PIC-FAM), que se traduz em uma atividade de investigação, realizada por estudantes de graduação, orientado por pesquisador qualificado, e que visa ao aprendizado de métodos científicos, bem como ao desenvolvimento da mentalidade científica e da produção do conhecimento; Na Extensão, identificar situações-problemas nas regiões de sua abrangência, com vistas à difusão do ensino e da iniciação científica, contribuindo, desse modo, para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população. A respeito dos objetivos específicos, a FAM busca: 5

6 promover a educação integral do ser humano, estimulando a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; formar recursos humanos nas áreas de conhecimento que atuar, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da criação e difusão da cultura e o entendimento do homem e do meio em que vive; desenvolver, incentivar e apoiar a investigação, diretamente ou por meio da concessão de auxílio para a execução de projetos científicos, bolsas especiais, formação de pessoal pós-graduado, promoção de congressos e seminários, intercâmbio com outras instituições, divulgação dos resultados dos trabalhos científicos realizados e outros meios ao seu alcance; promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber por meio do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração; estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; promover as ações de integração regional e continental, desenvolvendo programas de ensino, iniciação científica e extensão específicos para essas políticas; contribuir para a redução das desigualdades sociais e regionais e desenvolver ações afirmativas para a promoção de igualdade de condições, com vistas à inclusão social; ampliar a atuação acadêmica da FAM para a área das Ciências Exatas e da Terra, por meio de investimentos em infraestrutura física, tecnológica e de pessoal qualificado, promovendo educação, inovação, difusão de conhecimentos e tecnologia a serviço do homem; criar, implementar e gerir cursos e programas na área das Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharias, contribuindo para a formação de profissionais altamente qualificados para o atual momento histórico de crescimento e desenvolvimento social e econômico do Brasil; projetar, implementar e gerir cursos, programas e serviços na área da Saúde, com forte vínculo com o contexto socioeconômico e cultural de sua abrangência geográfica, contribuindo para a difusão do ensino, da pesquisa e da extensão nas comunidades do entorno; promover elevação do nível de conhecimento das pessoas e das comunidades sobre educação e saúde, por meio da oferta de cursos, programas e serviços em Saúde, impactando direta e profundamente na qualidade de vida das populações locais; criar, implementar e gerir cursos, programas e serviços fundamentados na concepção de área de saúde, por meio de currículos integrados e da educação interprofissional, visando a atuação em equipes multidisciplinares de saúde, comprometidas com a valorização da vida e com princípios éticos e humanísticos; ampliar a participação e a responsabilidade social da FAM em sua atuação na Região Metropolitana de São Paulo, por meio da promoção de ações ampliadas de saúde no 6

7 âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Integração Ensino-Serviços, inserindo docentes e estudantes, de forma pactuada com os gestores locais, no âmbito das Redes de Atenção à Saúde do SUS, durante todo o processo de formação profissional, e também por meio da implantação de clínicas e de núcleos de atenção integral à Saúde e de apoio matricial em odontologia, análises clínicas, saúde mental e de diversas especialidades médicas, prestando serviços de apoio e atenção de elevada qualidade às comunidades locais no âmbito do SUS, cumprindo com sua missão institucional de ensino, pesquisa e extensão, além da promoção da vida e da saúde da população local e regional; investir em infraestrutura física, tecnológica e de pessoal qualificado na área da saúde, constituindo-se como referência e centro de excelência em educação de profissionais de saúde na região metropolitana de São Paulo. Com relação ao projeto de EAD da FAM, os objetivos são: oferecer cursos e programas de educação superior a distância, progressivamente, a partir do aprimoramento constante de seu modelo pedagógico e de gestão de Educação a Distância; fomentar o desenvolvimento institucional para a modalidade de educação a distância, bem como a pesquisa em metodologias inovadoras de ensino superior apoiadas em tecnologias de informação e comunicação; implementar polos de apoio presencial em todos os Estados brasileiros, desenvolvendo ensino inovador de qualidade, formando pessoas e profissionais competentes Metas e Ações Institucionais A FAM envidará as ações pertinentes, durante a vigência do PDI ( ), não medindo esforços para alcançar o perfil institucional que lhe foi delineado. Sendo assim, construíram-se as seguintes metas e ações institucionais permanentes: a) Metas consolidar-se, durante o quinquênio como: centro de excelência acadêmica, científica e tecnológica; polo irradiador de cultura e cidadania; provedor de informações para a sociedade; referencial para formação, atuação e desenvolvimento profissional; instituição com imagem de reconhecida competência e credibilidade; núcleo de recrutamento, seleção treinamento e desenvolvimento dos valores humanos; participante efetivo dos órgãos de administração pública, privada e de representação; e polo de convergência de recursos aplicados na educação; defender o compromisso com a democracia, a educação e a justiça social, incrementando a sua inserção social e articulando-se no espaço local e global; ampliar as fronteiras e a diversidade do conhecimento e atualizar a sociedade, integrando, de forma pertinente, as ações de ensino, iniciação científica e extensão; expandir a oferta de cursos superiores presenciais e o número de vagas; expandir a qualidade de ensino de cursos superiores presenciais para a modalidade a distância, desenvolvendo um modelo pedagógico próprio em EaD; investir em infraestrutura física e em recursos humanos para a instalação e 7

8 desenvolvimento de cinquenta polos de apoio presencial, em todos os estados brasileiros; implementar um Núcleo de Educação a Distância na sede da FAM e desenvolver um plano de gestão de EaD que articule a oferta de dez cursos de graduação e dez cursos de pós-graduação a distância; promover a melhoria da qualidade acadêmica e privilegiar a qualificação formal e social dos indivíduos, proporcionando o desenvolvimento de ações político-acadêmicas e administrativas pertinentes à sua missão; adotar sistemática de avaliação e acompanhamento contínuos das ações que configuram o trabalho institucional, realçando parâmetros e critérios compatíveis com o cumprimento de sua missão; garantir a qualidade do cumprimento de suas ações, modernizando os processos de trabalho, e adequando sua estrutura organizacional de recursos humanos, físicos, gerenciais e tecnológicos às exigências de sua missão acadêmica, técnica e administrativa; melhorar continuamente as condições de oferta do ensino de graduação e pósgraduação, presencial e a distância, com vistas à expansão desses níveis de ensino; capacitar os gestores dos cursos existentes e dos cursos a serem implantados em programas de pós-graduação, voltados à gestão universitária; ampliar parcerias com a sociedade civil organizada, especialmente as organizações que tenham ligações com os cursos e programas desenvolvidos pela FAM; capacitar professores e pessoal não-docente, em todos os níveis e modalidades de ensino superior, incluindo congressos ou eventos similares científicos, educacionais ou culturais; Estimular e apoiar a produção científica e cultural discente e docente; Expandir constantemente o acervo bibliográfico e audiovisual; Expandir e melhorar a infraestrutura física e tecnológica para atender aos cursos e programas de ensino, iniciação científica e extensão, bem como à melhoria das condições de oferta dos serviços institucionais; Implantar, conforme cronogramas constantes no PDI, cursos superiores de tecnologia, de bacharelado, de licenciaturas, de pós-graduação lato sensu e de extensão; Implantar, conforme cronogramas constantes no PDI, cursos, programas e serviços na área da Saúde; Implantar, conforme cronogramas constantes no PDI, cursos e programas na área de Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharias; Atingir conceituação positiva nas avaliações promovidas pelo MEC/INEP. b) Ações Ampliar as atividades de ensino, iniciando a oferta de cursos na modalidade a distância; Assegurar que a expansão do ensino seja realizada com vistas a dar maior densidade a essa categoria e possibilitar a ampliação da iniciação científica e dos programas de extensão; Credenciar a Instituição como Centro Universitário; Construir projetos pedagógicos de cursos compromissados com as bases 8

9 conceituais, a missão, os objetivos, as diretrizes e os princípios institucionais, contemplando nos currículos aspectos relacionados à região metropolitana de São Paulo; Avaliar anualmente os projetos pedagógicos de cada curso, na busca da excelência nas condições de oferta; Valorizar a educação continuada com a oferta de novos cursos e programas; Implementar processos de gestão inovadores e criativos, envolvendo todos os níveis hierárquicos e ações acadêmico-administrativas; Oferecer estímulos de natureza material e pessoal para a participação dos gestores e professores em eventos científicos e profissionais que possam contribuir para o aprimoramento do desempenho da gestão e da docência; Fortalecer os mecanismos de relações com as organizações da sociedade civil para o desenvolvimento das parcerias; Aperfeiçoar o processo de intercâmbio com organizações congêneres, visando a inovação nos programas de ensino (graduação e pós-graduação), nas práticas investigativas e nos serviços e atividades de extensão; Apoiar os recursos humanos para a participação em cursos e programas de doutorado, mestrado, especialização, aperfeiçoamento, atualização e outros eventos, conforme cronograma disposto no PDI; Adequar, gradual e progressivamente, o Plano de Carreira Docente, para enquadrar os professores da FAM nas categorias regulamentadas pela IES; Programar o Plano de Capacitação Docente para qualificar, no quinquênio, pelo menos, 25% dos professores; Acompanhar permanentemente o educando, com o desenvolvimento de serviços voltados para a assistência psicopedagógica, desempenho acadêmico e avaliação formativa da aprendizagem; Destinar dotações orçamentárias específicas, no orçamento anual, para financiar os programas de pós-graduação, treinamento e eventos diversos, diretamente ou mediante convênio; Estimular professores e funcionários a participarem dos cursos, programas e outros eventos oferecidos pela FAM; Destinar recursos orçamentários para financiar publicações, bem como difundir a produção científica e cultural discente e docente, por intermédio de publicações periódicas, editadas pela FAM ou em publicações de entidades congêneres; Ampliar e atualizar, continuamente, o acervo da biblioteca e as condições de oferta dos serviços prestados aos usuários internos e externos; Reservar recursos orçamentários, anualmente, para financiar a melhoria e ampliação do acervo da biblioteca, priorizando os livros incluídos na bibliografia básica de cada disciplina ou atividade; Capacitar os recursos humanos em atividade na biblioteca em cursos e programas voltados para a melhoria do atendimento ao usuário e para a gestão dos serviços técnicos; Promover a atualização tecnológica dos equipamentos e instalações específicas para os cursos existentes e os cursos a serem implantados; 9

10 Reservar recursos orçamentários, anualmente, para financiar instalações físicas e tecnológicas, objetivando qualificar o ensino, a iniciação científica e a extensão; Oferecer aos alunos ingressantes condições para recuperação de estudos realizados no ensino médio; Avaliar, continuamente, as metodologias de ensino e de avaliação da aprendizagem, com o objetivo de aperfeiçoá-las; Avaliar, anualmente, o desempenho dos alunos participantes do ENADE, bem como, estabelecer atividades específicas a partir dos resultados constantes nos relatórios de cursos; Integrar as funções institucionais para fortalecimento do ensino; Avaliar anualmente as metas do PDI, com vistas à sua atualização e pertinência; Desenvolver e implementar um plano de gestão em EaD; Desenvolver e implementar um modelo didático-pedagógico em EaD; Contratar, desenvolver e formar pessoas, em nível técnico-administrativo e em nível acadêmico, para atuação em EaD; Investir em infraestrutura física e tecnológica para oferta de cursos e programas em EaD, no polo sede da FAM e em mais quarenta e nove polos de apoio presencial; Investir em infraestrutura física e tecnológica para implantação de cinco cursos de bacharelado e dois cursos superiores de tecnologia na área da Saúde; Contratar, desenvolver e formar pessoas em nível técnico-administrativo, especializadas para a atuação na área da saúde; Contratar, desenvolver e formar professores para atuar em projetos pedagógicos na área da saúde, tendo em vista a concepção de currículos integrados e metodologias ativas de ensino-aprendizagem; Construir espaços arquitetônicos inovadores e especializados na educação médica e na área da Saúde, tais como laboratórios de habilidades específicas, simulação realística, realidade virtual e telemedicina, respeitando-se as normas e padrões estabelecidos pelos órgãos oficiais; Implementar espaços de atenção integral à saúde e de apoio matricial, inseridos no âmbito do SUS, por meio de pactuação com os gestores locais, tais como clínicas de atenção secundária no âmbito da Odontologia, saúde mental, análises clínicas, ambulatórios médicos, bem como normas, protocolos e padrões de atendimento correspondentes para prestação de serviços em saúde à população local; Definir um plano de gestão para a prestação de serviços em Saúde à comunidade local, com visão sistêmica, alinhado às políticas públicas preconizadas pelo SUS e às concepções institucionais da FAM; Criar um campus fora de sede, especificamente na região em que os alunos dos cursos da área da saúde realizarem estágios, práticas profissionais e internato (no caso do curso de Medicina); Criar um campus da FAM na região de abrangência dos cenários de prática dos cursos da área da Saúde, especificamente na área que abrigar convênio com o SUS; Investir em infraestrutura física e tecnológica para oferta de cursos e programas em Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharias. 10

11 Desenvolver e implementar um modelo didático-pedagógico institucional para oferta de cursos e programas na área de Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharias; Contratar, desenvolver e formar pessoas, em nível técnico-administrativo, para atuação com alta tecnologia, equipamentos e laboratórios de Ciências Exatas, Arquitetura e Engenharias; Contratar, desenvolver e formar professores para atuar em projetos pedagógicos na área de Exatas, tendo em vista a concepção de currículos integrados e metodologias ativas de ensino-aprendizagem Áreas de Atuação Acadêmica A FAM atua no campo das Ciências Sociais Aplicadas (Administração, Ciências Contábeis, Direito e Publicidade e Propaganda), Ciências Humanas (Pedagogia) e no Eixo Tecnológico de Gestão e Negócios (Gestão Financeira e Gestão de Recursos Humanos). Pretende ampliar suas áreas de atuação, na vigência desse PDI, de forma integrada, nas áreas de conhecimento das Ciências da Saúde, das Exatas e da Terra, das Letras e Linguística, tendo em vista a abrangência regional, as características macroeconômicas da região em que se insere e a demanda de profissionais em todos os campos do saber. Também objetiva estender a qualidade de ensino que oferece para cursos na modalidade a distância, considerando as necessidades nacionais, os dados do CENSO, o desenvolvimento econômico do país e as metas do Plano Nacional de Educação. Além das atividades ligadas ao ensino, foco principal de sua atuação, a FAM organiza e implementa programas de iniciação científica e extensão, constituídos por atividades, cursos e serviços que promovem sua inserção na vida social, cultural, profissional e comunitária da cidade de São Paulo. Essa formação plena, multicultural e integrada em seus cursos, espaços e programas busca assegurar ao egresso competência que o credencia a responder aos desafios da modernidade e à constante evolução do conhecimento, com competência técnica, espírito investigativo e compromisso com a cidadania. A oferta de novos cursos presenciais e a distância leva em conta as potencialidades institucionais e o estudo constante do contexto socioeconômico regional e nacional, aliado às pesquisas sociológicas e de demandas profissionais, à leitura de cenários do mundo do trabalho e da cultura local. Tais indicadores são de extrema relevância para dimensionar a abertura de novos cursos e programas, bem como para a gestão acadêmica dos projetos pedagógicos de formação. Também serviram de baliza nesse Plano de Desenvolvimento Institucional para a abertura de novos campi e para o planejamento estratégico da transição da Faculdade para Centro Universitário das Américas. 2. POLÍTICAS DE ENSINO 2.1. Apresentação Dentre os diversos debates teóricos que se travam na área de Educação atualmente, um dos que mais merece atenção é a relevância da associação Ensino Superior/Sociedade na perspectiva de aproximar o saber acadêmico produzido com as demandas da realidade histórica, econômica e cultural brasileira. 11

12 O novo contexto histórico força o ensino superior a assumir um horizonte mais amplo e diversificado do que aquele que, até pouco tempo, orientava a concepção e construção de seus projetos educacionais. As novas relações entre trabalho e conhecimento reequacionaram o papel da educação no mundo contemporâneo, exigindo mudanças na formação, capacitação e desenvolvimento de competências, adaptando-as a novos saberes que se produzem e reproduzem, demandando novos perfis profissionais. Indo ao encontro dessas prerrogativas, o ensino de graduação da FAM entende que a liberdade acadêmica e a autonomia na definição de seus projetos pedagógicos se traduzem concretamente na possibilidade de apresentar soluções próprias para seus cursos e em não reproduzir fórmulas pré-determinadas, ou esperar modelos que nada tem a ver com sua realidade. Essas soluções passam, necessariamente, por experimentar novas opções de cursos e currículos, inovar espaços e propor alternativas didáticas e pedagógicas. Nesse cenário, vem discutindo há alguns anos em seus órgãos colegiados o tradicional papel e espaço do ensino superior como transmissor de informações para, num processo de mundo em mudança e em plena era do conhecimento, assumir como sua competência autonomizar seus educandos na construção e produção de conhecimentos, numa perspectiva de proporcionar a capacidade de aprender a aprender, por meio de uma educação permanente e continuada. Isso implica em conceber seus cursos não somente como formadores de profissionais qualificados, mas também numa ótica que afirma o profissional como alguém capaz de mobilizar saberes, adaptar-se a contextos diferenciados e ter flexibilidade de competências e desempenhos a partir dos conhecimentos que possui. Nesse sentido, faz-se necessário um projeto pedagógico de formação que privilegie currículos integrados, mais amplos e flexíveis, capazes de proporcionar o desenvolvimento do conhecimento científico e de competências profissionais, a capacidade de lidar com a diversidade cultural, a habilidade de compor equipes multiprofissionais e de desenvolver aprendizagens autônomas. A FAM, sistemicamente inserida num plano local, nacional e global, assume como princípio o ensino voltado para um aluno cidadão do mundo, cuja formação requer habilidades de apreender o conhecimento de forma mais total, menos fragmentada, com uma visão generalista e não só especializada; detentor de um saber crítico, integrado, complexo e promotor de sínteses. Os currículos dos cursos de graduação integram o Projeto Pedagógico Institucional, articulam-se entre si e garantem flexibilidade e trânsito dos alunos. Os projetos são acompanhados, avaliados e atualizados, observando-se as Políticas Públicas de Educação, as Diretrizes Curriculares Nacionais, as inovações nas áreas profissionais, no mundo do trabalho e os avanços das áreas de conhecimento Políticas, Diretrizes e Pressupostos para Criação e Atualização de Projetos Pedagógicos de Cursos de Graduação Presenciais e a Distância As políticas de ensino da FAM, por meio de discussões e decisões coletivas dos colegiados de coordenação didática dos cursos superiores de graduação, dos núcleos docentes estruturantes, de fóruns e espaços de formação de seus coordenadores e professores, assumem como princípio a ideia de que os projetos de formação de seus cursos e programas 12

13 devem ser dotados de uma fisionomia própria, de um estatuto identitário, que os diferenciam, que os tiram do lugar comum. As políticas aqui descritas empenham-se em afirmar os cursos de graduação da FAM como qualitativamente distintos, sustentados em concepções epistemológicas definidas, valores éticos, princípios de equidade e inclusão, práticas pedagógicas diferenciadas e inovadoras, apresentando razões para a preferência dos alunos e oportunizando condições para que os mesmos não só escolha, mas permaneça na instituição. As políticas de ensino definem como princípios norteadores dos projetos pedagógicos dos cursos presenciais e a distância: Maior autonomia na definição dos currículos dos cursos, a partir da explicitação das competências e habilidades que se deseja desenvolver, através da organização de um modelo pedagógico capaz de adaptar-se à dinâmica das demandas da sociedade;evitar o prolongamento desnecessário da graduação, adequando a duração e as cargas horárias dos cursos à legislação vigente e a um percurso de formação no qual a graduação passa a constituirse numa etapa de formação inicial no processo de educação permanente; Organizar a estruturação curricular dos cursos de forma que a oferta permita diferenciados itinerários formativos, unidades curriculares optativas e eletivas, flexibilidade de tempos de integralização; oportunizando ao aluno autonomia, gestão e tomadas de decisão sobre seu próprio processo de formação; Assegurar, durante o curso, atividades de estágio e experiências profissionais que articulem teoria e prática, saber acadêmico e saberes construídos na e sobre a experiência, valorizando diferentes cenários e contextos, reconhecendo habilidades e conhecimentos adquiridos fora do ambiente escolar; Acompanhar e aperfeiçoar a gestão do Projeto Pedagógico do ensino de graduação, utilizando como subsídios os resultados de avaliações internas e externas; Promover a gestão acadêmica e a organização do trabalho administrativopedagógico pautados nos princípios da qualidade e sustentabilidade; Conceber o ensino de graduação como cursos em projeto e em movimento contínuo, com capacidade de projetar-se no futuro e inflectir continuadamente possibilidades de mudança. São pressupostos e diretrizes do ensino de graduação nas modalidades presencial e a distância: 1) Conceber a integração curricular como o princípio ético e epistemológico que rege os projetos pedagógicos dos cursos de graduação presenciais e a distância, nas dimensões: pedagógica, acadêmica, de pessoas e de infraestrutura física e tecnológica; 2) Considerar a formação do aluno como objetivo principal da organização e arquitetura do currículo; 3) Pautar a inclusão como valor ético do projeto pedagógico institucional, inspirador das ações dos diversos sujeitos que participam do processo educacional; 4) Adequar a carga horária dos cursos presenciais e a distância às reais necessidades da formação do aluno, prevendo programas de educação continuada; 5) Fundamentar o currículo dos cursos dos cursos presenciais e a distância nas Diretrizes Curriculares de Cursos de Graduação; 13

14 6) Integrar áreas de conhecimento e conteúdos, identificando competências comuns e as específicas de formação profissional; 7) Implementar a concepção de unidade curricular (UC), superando a fragmentação causada pela organização do currículo sob o critério da disciplina, levando em conta os conceitos, as habilidades e as atitudes que se deseja desenvolver; 8) Dimensionar o currículo prevendo momentos teóricos, práticos, estágios, projetos experienciais, atividades complementares, core curriculum, projetos integrados e atividades científicas, acadêmicas e culturais; 9) Promover espaços no currículo para atividades complementares significativas, com objetivos claros e desempenhos de compreensão definidos. As atividades devem compreender diferentes naturezas e podem incluir monitorias, iniciação científica, seminários, palestras, cursos, visitas programadas, apresentação de trabalhos, atividades acadêmicas, científicas e culturais, oficinas, elaboração de projetos, conhecimentos experienciais, práticas profissionais, projetos aplicativos, entre outros; 10) Propiciar situações de ensino de conteúdos na linguagem da educação a distância, com metodologias ativas e ambientes virtuais; 11) Contextualizar os projetos pedagógicos dos cursos presenciais e a distância da Instituição, tendo em vista sua inserção nacional, regional e demandas locais; 12) Analisar continuadamente e criticamente o currículo do curso, utilizando-se de dados apontados por instrumentos de auto avaliação, subsídios apontados no programa de gestão da evasão, no ENADE, nas avaliações externas e na avaliação institucional; 13) Articular ensino, pesquisa e extensão nos projetos pedagógicos dos cursos; 14) Flexibilizar os currículos dos cursos com vistas ao redimensionamento das concepções de linearidade e de pré-requisito; 15) Criar espaços no currículo para diferentes componentes curriculares e cenários de prática; 16) Incentivar os alunos a participar de projetos, pesquisas bibliográficas, estudos e buscas em diferentes fontes, promovendo auto estudo e autonomia no desenvolvimento da competência de aprender a aprender; 17) Incentivar a participação do aluno em atividades acadêmicas, científicas e culturais, criando um currículo optativo; 18) Adequar o quadro docente dos cursos de graduação presenciais e a distância às demandas dos currículos integrados; 19) Valorizar a sólida formação geral e humanística da pessoa como fundamento da formação técnica e profissional; 20) Garantir percursos diferenciados de formação, considerando tempos, ritmos e necessidades diferentes dos alunos, tendo em vista o princípio da flexibilização curricular e da inclusão; 21) Considerar a concepção curricular institucional de estágio, definindo formas de operacionalização, cumprimento da carga-horária e regulamentação como parte integrante do projeto pedagógico dos cursos; 22) Conceber a avaliação da aprendizagem como elemento constitutivo da formação do aluno, prevendo diferentes formas, instrumentos e momentos avaliativos, bem como sua 14

15 natureza processual, sistêmica e resultante da ação e interação de diversos sujeitos Ensino de Graduação nas Modalidades Presencial e a Distância - Programas e Ações: Para implementar projetos inovadores e currículos integrados, a FAM garante condições de trabalho e espaços institucionais de formação que permitem a construção coletiva das propostas e a participação efetiva de coordenadores de cursos, professores, órgãos colegiados e alunos, numa perspectiva de cooperação profissional, gestão participativa e corresponsabilidade pelos resultados de seu projeto pedagógico institucional. A Diretoria Geral, juntamente com a comunidade acadêmica, articulam ações para o planejamento, implementação e avaliação dos projetos e currículos dos cursos de graduação presenciais e a distância. Há reuniões semanais, grupos de formação com as coordenadorias, reuniões por modalidades de cursos: tecnológicos, licenciaturas, bacharelados, presenciais e a distância, conferindo unidade e integração de áreas e cursos. Como subsídios para propor e implementar políticas, o CONSUC, os Núcleos Docente Estruturante e os Colegiados de Cursos utilizam os resultados das avaliações externas e internas, dados da Comissão Própria de Avaliação, análises e resultados das pesquisas do Grupo Multidisciplinar de Análise de Dados para Políticas de Graduação e dos trabalhos do Programa de Gestão da Evasão. O Grupo Multidisciplinar de Análise de Dados para Políticas de Graduação é composto por representantes eleitos do corpo docente dos cursos e programas de graduação. A função do grupo é realizar levantamentos de dados internos, de diferentes fontes, além de pesquisas a grupos dirigidos, com o objetivo de avaliar impactos, dificuldades, demandas dos alunos e professores, subsidiando a Diretoria Geral e as Coordenadorias de Ensino na definição e proposição de políticas. O Programa de Gestão da Evasão é uma ação junto aos alunos calouros e aos alunos que evadem da FAM, analisando as causas, problemas, dificuldades de ordem acadêmica, administrativa, financeira, além do levantamento do perfil social dos alunos e das características e peculiaridades do contexto no qual está inserida. As políticas de ensino visam o desenvolvimento de atividades a partir dos seguintes eixos fundamentais: a formação continuada e em serviço dos coordenadores, professores e tutores de cursos de graduação; apoio didático- pedagógico aos alunos no percurso de sua formação, respeitando-se os diferentes ritmos de aprendizagem e visando o acesso, a inclusão e a permanência dos estudantes. Tais políticas com foco nos coordenadores, professores e alunos objetivam a excelência no ensino, por meio de currículos integrados, contribuindo para a construção colegiada dos cursos e programas da Faculdade. As iniciativas de formação continuada e em serviço dos coordenadores, professores e tutores de cursos e programas de graduação são espaços de atualização profissional que propiciam reflexão coletiva sobre o currículo, dos cursos presenciais e a distancia, e a sua tradução em ações que visam a aprendizagem do aluno. O Programa compreende um conjunto de reuniões, fóruns, palestras e cursos que convergem no sentido de construir uma identidade na graduação, com projetos pedagógicos diferenciados e currículos integrados. 15

16 As iniciativas de apoio didático-pedagógico aos alunos consistem em programas que objetivam criar uma ambiência universitária, oferecendo espaços de convivência entre alunos, cursos e áreas; de estudos e reflexões; de auto gestão sobre sua formação; de autonomia e de auto estudo; visando melhor compreensão e desenvolvimento de competências pessoais e profissionais. O apoio didático-pedagógico inclui mecanismos de nivelamento, estímulos a permanência dos alunos na FAM e fomenta mecanismos efetivos de orientação e suporte aos alunos, permitindo seu pleno desenvolvimento acadêmico por meio de monitorias, iniciação científica, orientação psicopedagógica e tutoriais. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 3.1. Dados Gerais O curso superior de Ciências Contábeis da Faculdade das Américas é oferecido na Rua Augusta, nº 973, São Paulo, SP Vagas Anuais Pretendidas A FAM oferece, anualmente, 100 vagas para o curso de Ciêncis Contábeis, com entradas semestrais Carga Horária Total do Curso e Período de Integralização O Curso de Ciências Contábeis - Bacharelado, em obediência às legislações vigentes (Resolução CNE/CES nº 2, de 18/06/2007, Resolução CNE/CES nº 3 de 02/07/2007, Parecer CNE/CES nº 289 de 06/11/2003, Parecer CNE/CES nº 269 de 16/09/2004, Resolução CNE/CES nº 06 de 10/03/2004, Resolução CNE/CES nº 10 de 16/12/2004), foi planejado para o cumprimento de 3008 horas de carga horária total, a serem integralizadas em, no mínimo, oito e, no máximo, quinze semestres Coordenação do Curso A coordenação do curso de Ciências Contábeis, na modalidade presencial, está a cargo do professor Ms. Marco Antonio Sampaio de Jesus, contratado sob o regime de tempo integral Núcleo Docente Estruturante (NDE) O NDE do curso de Ciências Contábeis é composto por cinco professores do curso, já incluído o Coordenador, os quais possuem atribuições acadêmicas de acompanhamento e atuação na concepção, consolidação e contínua atualização do projeto pedagógico do curso. Os membros pertencentes a este Núcleo, quanto à titulação e regime de trabalho, respeitam os critérios estabelecidos na legislação vigente (Resolução CONAES nº 1, de 17/6/2010) e Resolução CONSUC nº 5, de 30/08/2010). 4. PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 4.1. Organização Didático-Pedagógica A organização didático-pedagógica do curso de Ciências Contábeis, modalidade 16

17 presencial, é abrangida pelos seguintes indicadores: contexto educacional demandas sociais e econômicas São Paulo e região Sudeste; contexto educacional - demandas sociais e econômicas nacionais; políticas institucionais no âmbito do curso; critérios gerais para a definição de perfil de egresso de cursos superiores; critérios gerais para seleção de conteúdos nos cursos superiores; formas de acesso ao curso; justificativa da oferta do curso; missão do curso; objetivos do curso; perfil profissional do egresso; funções e áreas de atuação no mercado de trabalho, conforme detalhamento abaixo Dados Socioeconômicos da Região A Faculdade das Américas - FAM está localizada na cidade de São Paulo, capital do estado e principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América Latina. Cidade mais populosa do Brasil, da América e de todo o Hemisfério Sul, São Paulo é a cidade brasileira mais influente no cenário global, sendo considerada a 14ª cidade mais globalizada do planeta, recebendo a classificação de cidade global alfa, por parte do Globalization and World Cities Study Group& Network (GaWC). A cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político. Conta com importantes monumentos, parques e museus, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o MASP, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a Avenida Paulista, e eventos de grande repercussão, como a Bienal Internacional de Arte, o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, São Paulo Fashion Week e a São Paulo Indy 300. A cidade possui o 10º maior PIB do mundo, representando, isoladamente, 12,26% de todo o PIB brasileiro e 36% de toda a produção de bens e serviços do estado de São Paulo, sendo sede de 63% das multinacionais estabelecidas no Brasil, além de ter sido responsável por 28% de toda a produção científica nacional em São Paulo é a sexta maior cidade do planeta e juntamente com sua região metropolitana, atinge mais de 20 milhões de habitantes, sendo considerada a quarta maior aglomeração urbana do mundo. A região geográfica central de São Paulo exerce forte influência ao município, pois representa uma das maiores taxas de densidade do Estado como também do país, além de ser o local onde fica instala a FAM. Considerado, por essas características, como importante centro de captação de mão-de-obra, será fator decisivo para a absorção dos alunos formados pela FAM, possibilitando que estes sejam, rapidamente, incluídos no mercado de trabalho. Pela sua localização, no centro empresarial e financeiro de São Paulo, o aluno é o grande beneficiado, pois existem várias linhas de ônibus, estações de metrô e várias avenidas que cruzam as proximidades da FAM, possibilitando acesso rápido às aulas. A microrregião de atuação da FAM são os bairros do centro de São Paulo. Não só o centro velho como também o centro financeiro de São Paulo. Está, portanto, realmente numa região privilegiada da cidade de São Paulo. É neste ambiente de elevada potencialidade socioeconômica que está inserida a FAM. Os cursos e programas ofertados estão adequados ao mercado de trabalho regional e ao perfil das organizações empregadoras. É uma região fértil para o empreendedorismo, campo propício ao tipo de profissional que a instituição vem formando, em sua jornada histórica. 17

18 Contexto Educacional Demandas Econômicas e Sociais São Paulo Região Sudeste A capital do estado de São Paulo possui habitantes, conforme o Censo Demográfico de 2010 do IBGE, distribuído numa área territorial de 1.523,278 Km 2. É parte integrante da Microrregião de São Paulo, pertencente à Mesorregião Metropolitana de São Paulo, composta de oito municípios concentrados na região do Grande ABC, com uma população de habitantes, que pode ser observado no quadro abaixo: Municípios Habitantes Diadema Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra Santo André São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São Paulo TOTAL Fonte: IBGE Quanto às características da população paulistana e dos domicílios existentes no município de São Paulo, destacamos o seguinte: Domicílios particulares permanentes Abastecimento de água Rede geral Energia elétrica População Residente Homens Mulheres Alfabetizada Cor ou raça Branca Cor ou raça Preta Cor ou raça Parda Faixa etária Menos de 1 até 14 anos Faixa etária - De 15 até 49 anos Faixa etária De 50 até 69 anos Faixa etária De 70 até mais de 100 anos Até 1 salário mínimo Mais de 1 até 2 salários mínimos Mais de 2 até 10 salários mínimos Mais de 10 até 30 salários mínimos Mais de 30 salários mínimos Sem rendimento mensal Total de endereços urbanos Total de endereços rurais Fonte: IBGE, Censo Demográfico

19 O quadro acima demonstra a situação da população do município de São Paulo, onde é interessante destacarmos, que quase 90% da população são alfabetizados. Além disso, com relação à faixa etária das pessoas que residem na capital paulista, mais de 56% da população tem entre 15 e 49 anos, ou seja, estão em totais condições de ingresso no ensino superior. Ainda, em termos de renda, quase 60% da população economicamente ativa, recebe mais de um até dez salários mínimos. Por fim, a proporção de casas habitadas na cidade de São Paulo é de 2,52 pessoas por endereços registrados Desenvolvimento Econômico São Paulo possui o maior PIB dentre as cidades brasileiras, o 10º maior do mundo e, de acordo com a projeção da Pricewaterhouse Coopers, será o 6º maior em Segundo dados do IBGE, em 2009, seu Produto Interno Bruto (PIB) foi de R$ ,00, o que equivale a aproximadamente 12,39% do PIB brasileiro e 36% de toda produção de bens e serviços do estado de São Paulo. Sua região metropolitana possui um PIB de aproximadamente R$ 613,06 bilhões (2009), o que corresponde a 57,3% de todo o PIB paulista. Segundo dados do IBGE, a rede urbana de influência exercida pela cidade no resto do país abrange 28% da população e 40,5% do PIB brasileiro. A capital paulista é a sexta cidade do mundo em número de bilionários, segundo a listagem da revista Forbes, considera como referência o endereço principal dos bilionários da lista de 2011 feita pela revista, com base em valores convertidos para o dólar norte-americano. Entretanto, a crise financeira de afetou a renda média domiciliar per capita dos moradores de São Paulo, que, em 2008, era de R$ 816,40, o que posiciona a cidade na oitava colocação no ranking das capitais brasileiras, atrás de Florianópolis, Porto Alegre, Vitória, Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Segundo pesquisa da consultoria Mercer sobre o custo de vida para funcionários estrangeiros, São Paulo está entre as dez cidades mais caras do mundo, classificada na décima posição em 2011, onze postos acima de sua classificação de 2010, e na frente de cidades como Londres, Paris, Milão e Nova Iorque. Um dos maiores centros financeiros do Brasil e do mundo, São Paulo passa hoje por uma transformação em sua economia. Durante muito tempo a indústria constituiu uma atividade econômica bastante presente na cidade, porém São Paulo tem atravessado nas últimas três décadas uma clara mudança em seu perfil econômico: de uma cidade com forte caráter industrial, o município tem cada vez mais assumido um papel de cidade terciária, polo de serviços e negócios para o país. Em São Paulo, por exemplo, está sediada a BM&FBovespa (Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo), a bolsa oficial do Brasil. A BMF&Bovespa é a maior bolsa de valores do continente americano e a segunda maior do mundo, ambos em valor de mercado. O município tem alguns centros financeiros espalhados por seu território, sendo o principal e mais famoso deles a Avenida Paulista, que abriga sedes de bancos, multinacionais, hotéis, consulados e se impõe como um dos principais pontos turísticos e culturais da cidade. O centro da cidade, que apesar de ter sido ofuscado pelas centralidades econômicas mais recentes, abriga a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA), 19

20 diversas empresas e hotéis. Contudo, existem outras centralidades no chamado vetor sudoeste, como a Avenida Brigadeiro Faria Lima e os bairros do Brooklin e Vila Olímpia, na região oeste da cidade, que se destacam por sua intensa e moderna verticalização, pela presença de hotéis de luxo e empresas multinacionais. Muitos analistas também têm apontado São Paulo como uma importante "cidade global" (ou "metrópole global", classificação dividida apenas com o Rio de Janeiro entre as cidades brasileiras). Como cidade global, São Paulo tem acesso às principais rotas aeroviárias mundiais, às principais redes de informação, assim como sedia filiais de empresas transnacionais de importância global, além de importantes instituições financeiras, mesmo estando conectada marginalmente aos fluxos transnacionais de pessoas, investimentos e empregos. O urbanista João Sette Whitaker Ferreira, entretanto, considera que a desigualdade social e a segregação espacial descaracterizam São Paulo como uma cidade global. Apesar de ser o centro financeiro do país, São Paulo apresenta também alto índice de negócios ligados à economia informal. A cidade de São Paulo também tem se consolidado em um polo de comércio de produtos contrabandeados, pirateados e falsificados, em geral localizados em alguns pontos do centro da cidade,como a Rua 25 de Março, a Rua Santa Ifigênia e áreas próximas a estações de metrô. Os artigos em geral são CDs com versões piratas de softwares, filmes ou álbuns em CD e DVD ou então acessórios e itens de vestuário, principalmente mochilas e tênis de marcas internacionais, entre outros artigos. Nos últimos anos, porém, tem crescido a apreensão desses artigos pirateados. A Região Metropolitana de São Paulo, composta por 39 municípios, é o maior polo de riqueza nacional. A renda per capita em 2009 atingiu cerca de US$ A metrópole detém a centralização do comando do grande capital privado, concentrando a maioria das sedes brasileiras dos mais importantes complexos industriais, comerciais e principalmente financeiros, que controlam as atividades econômicas no País. Esses fenômenos fizeram surgir e condensar na região metropolitana uma série de serviços sofisticados, definidos pela íntima dependência da circulação e transporte de informações: planejamento, publicidade, marketing, seguro, finanças e consultorias, entre outros. Quanto aos dados estatísticos econômicos, segundo o IBGE, no ano de 2009 estava cadastrado na microrregião de São Paulo, o seguinte quantitativo de empresas: EMPRESAS QTDE Diadema Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra 482 Santo André São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São Paulo TOTAL Fonte: IBGE

1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES

1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES 1.1. Mantenedora A Sociedade Educacional das Américas, pessoa jurídica de direito privado, com fins lucrativos, enquadrada na categoria administrativa de Sociedade Mercantil

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Escola de Enfermagem Nova Esperança Ltda. UF: PB ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Enfermagem Nova Esperança,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2013-2015 UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS - FAE Prof. Dr. Francisco de Assis

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais