1 Estúdio de Gravação - Mixagem e Masterização EFEITOS DE TEMPO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Estúdio de Gravação - Mixagem e Masterização EFEITOS DE TEMPO"

Transcrição

1 1 EFEITOS DE TEMPO Como efeitos que envolvem atraso podem ser usados em gravações e mixagens? Echo, Delay, Chorus, Flanger e Reverb, entre outros, são considerados efeitos de tempo, porque envolvem atraso. DELAY Um delay (atraso,em inglês) produz exatamente o efeito que seu nome sugere: recebe um sinal e aguarda alguns instantes para reproduzi-lo. O resultado é a execução com alguma demora em relação no som original. Funciona como.se fosse um gravado digital, que registre o sinal de entrada e, depois, o reproduze de acordo com o tempo de atraso determinado pelo usuário. Esse intervalo costuma variar, geralmente entre um e mil ms (os intervalos do tempo de atraso são medidos em milissegundos). Até 10ms - Podem ocorrer cancelamentos de sinal e o som ficar mais "magro" Entre 10 ms e 35 ms... Ocorre a chamada dobra (duplicação do sinal, de modo que o som original seja mais facilmente percebido em relação ao sinal atrasado). "Efeito HAAS" -Atingindo um atraso (delay) de O a 30 milíssegundos, a sensação auditiva obtida é de que a fonte está totalmente desligada. Esse efeito recebe o nome de HAAS. Para que isso aconteça, é preciso que, o equipamento esteja ligado no modo estéreo. Ultrapassando os 30 mns de atraso (delay) o ouvido já é capaz de perceber de onde realmente está sendo gerado o som, diferenciando de qual lado do espectro panorâmico ele está sendo transmitido.

2 2 Entre 35 ms e 100 ms - Pode "encorpar"o sinal de vocais prolongados ou de instrumentos Musicais como guitarras e sintetizadores. Pode também ser usado para criar o efeito de chorus,ou seja, o de duas ou mais pessoas cantando.em vozes faladas, no entanto, provocam perda de inteligibilidade. Fonemas como b, d, m, n, q e t tem duração entre, 10 ms e 35ms. Quando "dobrados", ficam indefinidos. Acima de 100 ms Permitem um alargamento" ou "expansão" do som, especialmente entre 150 ms e 300 ms. Delays simples lambem podem ser configurados para atuarem em loop, criando féedback, isto é. repetições das repetições. Quanto maior o feedback, maior será o número de vezes que o sinal será repetido, O excesso de feedback, porém, pode tornar o som indefinido e "opaco". O delay é capaz de criar o efeito de ampliação do espaço sonoro. Isso acontece porque as reflexões ou repetições iniciais dão ao cérebro uma "pista" a respeito do tamanho do ambiente. Quando maior o delay, maior será o tamanho do ambiente percebido. Além disso, pela combinação dos sinais atrasados com o som original, os harmônicos de cada parte somam-se, criando sonoridades interessantes. Outra coisa curiosa: notas desafinadas são "disfarçadas" quando somadas com o sinal atrasado da nota anterior, que esteja na tonalidade correta. Isso' dá "vida" às gravações de vocais e facilita a mixagem com os demais instrumentos. Muitas gravações de vozes utilizam o delay como efeito principal ou mesmo único. É comum esse efeito soar mais "limpo" que o reverb, já. que tem menor tendência para acúmulo, que cria um som "embolado". Delay X bpm O delay simples está frequentemente associado ao tempo de uma música. É comum que o delay esteja no tempo da colcheia ou da semico1cheia, porém, também pode estar no tempo da semínima ou de alguma triplet subdivision. O delay pode valorizar a expressão de uma música. Um tempo de delay que esteja na colcheia permite suavizar o groove de uma canção. Caso você varie o delay com

3 3 tempos diferentes, o groove poderá soar mais suave ou agressivo. Experimente! É fácil descobrir o delay, em milissegundos, para a semínima, especialmente quando você está seqüenciado e o valor do tempo em bpm está disponível na tela. Basta dividir pelo tempo de sua música (em beats por minuto). Tempo em Beats por Minuto bpm = delay por beat em milissegundos Semínima Colcheia Semi- Colcheia Quarter Note Triplet Eighth Note Triplet 20 3,000 1, ,000 1, ,400 1, , ,000 1, , , , , , , , , , DOBRA

4 4 Um delay simples com menos de 35 ms é chamado de dobra. O sinal atrasado se combina com o original, provocando a impressão de duas pessoas ou instrumentos simultâneos. Além disso, em uma mixagem stereo pode-se conseguir efeitos interessantes, endereçando-se o sinal com delay para um canal e o sinal original para o outro. No entanto, dependendo do tempo de delay, a mixagem pode apresentar problemas em mono, em decorrência de desvios de fase. Ao se criar dobras, use números primos para os valores de delay. Os resultados serão melhores, caso a música seja reproduzida em mono. Um número primo só pode ser dividido por um e por ele mesmo. Alguns exemplos: 1, 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, 23, 29, 31, etc. MODULAÇÃO O controle de modulação ou LFO (oscilador de baixa freqüência) permite variar continuamente, o tempo do delay. Normalmente, o LFO (ou modulation) é capaz de provocar mudanças entre o valor ajustado do parâmetro delay time e a metade dele e, em seguida, retornar. Á medida que tempo de delay varia, a velocidade do sinal aumenta ou diminui, alterando o pitch, assim como acontece em uma fita magnética que tem sua velocidade aumentada ou reduzida. Essa alteração, no entanto, mão compromete a afinação da voz ou instrumento. Pode, inclusive, suavizar problemas existentes. É importante atentar para o fato de que, quando a afinação sofre variações (para cima ou para baixo), ocorre mudanças no comprimento das ondas, já que eles são distintos em diferentes freqüências. Quando duas ondas sonoras se combinam, seguindo um mesmo caminho, o sinal é somado a ele mesmo e reforçado. Por outro lado, quando estão fora de fase, o sinal pode ser cancelado em diferentes graus de intensidade. Dessa forma, quando o efeito de modulação aumenta ou diminui o comprimento da onda e o sinal resultante é somado ao original, as duas ondas (do sinal modulado e do original) interagem entre si continuamente, provocando alterações constantes de fase. Essa relação entre eles causa somas e cancelamentos de freqüências variáveis, simulando o som que pode ser ouvido quando vários músicos ou vocalistas apresentam-se juntos. Mesmo que,por exemplo, cada membro de um coro tende, ao máximo, manter-se afinado e no ritmo, o conjunto de cantores estará continuamente alterando a afinação e o tempo. Essas variações agem de forma similar à interação entre o sinal modulado com delay e o original. Assim, os ajustes de chorus em um processador de efeitos simulam o som de um coro real. Por meio da combinação do sinal original com o modulado (com atraso). O controle de velocidade determina o quão rápido ou lento o pitch irá subir e descer. Esas alterações podem ocorrer bem lentamente, levando alguns segundos, ou rapidamente, alterando o pitch várias vezes por segundo.

5 5 FLANGE O efeito de flange é similar ao de variação de fase, com a diferença de que se apresenta mais colocações. O tempo de delay típico em um flange é de cerca de 20 ms. O LFO ou modulation varia o sinal com atraso entre pouco mais de 0 ms e 20 ms continuamente. Essa velocidade também pode ser ajustada. Efeitos de flange costumam funcionar bem em guitarras. Dica: O tempo do LFO pode estar, de alguma forma, relacionado com o tempo da música. Um ciclo completo do LFO pode, por exemplo, levar o tempo equivalente a um compasso, dos beats ou mesmo dois compassos inteiros

EFEITOS DE TEMPO. Efeitos de Delay. Prof. Lawrence Shum Efeitos de Tempo

EFEITOS DE TEMPO. Efeitos de Delay. Prof. Lawrence Shum Efeitos de Tempo EFEITOS DE TEMPO Echo, Reverb, Delay e Chorus são efeitos de tempo porque envolvem atraso. Este tópico vai abordar como estes efeitos funcionam e como você pode utilizá-los em suas gravações. Efeitos de

Leia mais

Instituto Superior Técnico. 2º Semestre de 2007/2008

Instituto Superior Técnico. 2º Semestre de 2007/2008 Instituto Superior Técnico Sistemas Electrónicos de Processamento de Sinal Arquitecturas Para Processamento de Sinal 2º Semestre de 2007/2008 Gonçalo Tavares Efeitos Sonoros Para Sinais de Áudio Neste

Leia mais

Os processadores de dinâmica podem ser conectados ao seu sistema em uma das maneiras abaixo:

Os processadores de dinâmica podem ser conectados ao seu sistema em uma das maneiras abaixo: EFEITOS DE DINÂMICA Como o próprio nome sugere, os processadores de dinâmica permitem que se altere a variação dinâmica de uma voz, de um instrumento ou mesmo de uma mixagem como um todo. Basicamente,

Leia mais

Como equalizar sem usar equalizadores. Equalizar Equalizador Conceitos

Como equalizar sem usar equalizadores. Equalizar Equalizador Conceitos Em uma de minhas participações na AES, no ano de 2000, fiz uma apresentação cujo tema principal era FASE. Entretanto, falar exclusivamente de fase me parecia sem sentido e provavelmente se tornaria entediante.

Leia mais

Sobre o Livro. Todo o conteúdo foi preparado com muito carinho e com um desejo enorme de poder contribuir na melhora de seus trabalhos de gravação.

Sobre o Livro. Todo o conteúdo foi preparado com muito carinho e com um desejo enorme de poder contribuir na melhora de seus trabalhos de gravação. Sobre o Livro Este livro foi escrito com o objetivo de mostrar, de forma clara e objetiva, as etapas da produção de áudio. É destinado àqueles que querem executar trabalhos neste ramo ou àqueles que até

Leia mais

Mixagem de Shows em Surround

Mixagem de Shows em Surround Eng. Fernando Fortes Florencia Saravia Producere / IATEC FNAC De onde vem o conceito de Surround? De onde vem o conceito de Surround? O Surround surge como uma idéia de expandir a imagem espacial da reprodução

Leia mais

O áudio digital é, essencialmente, uma representação numérica do som.

O áudio digital é, essencialmente, uma representação numérica do som. Áudio Digital O áudio digital é, essencialmente, uma representação numérica do som. As ondas sonoras se propagam de modo contínuo no tempo e no espaço. Para que sejam representadas no meio digital, seu

Leia mais

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora Ondas sonoras As ondas mecânicas que propiciam o fenômeno da audição aos seres vivos são chamadas de ondas sonoras. Como todas as ondas mecânicas, as ondas sonoras podem se propagar nos mais diversos meios,

Leia mais

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão

Intervalos. Classificação numérica. Classificação de dimensão Intervalos Um intervalo é a distância entre duas notas ou sons diferentes, sendo ascendente ou descendente em função da direção melódica que adotar. Estão sujeitos às seguintes classificações: Classificação

Leia mais

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS -

- MATRIZES DAS DISCIPLINAS - - MATRIZES DAS DISCIPLINAS - FORMAÇÃO MUSICAL Anexo II Matrizes das Disciplinas Admissões 2015/2016 Página 30 de 80 1. DITADOS RÍTMICOS FORMAÇÃO MUSICAL ACESSO AO 2º GRAU PROVA ESCRITA 1.1. Duas frases

Leia mais

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital Redes Multimídia 2016.2 Formatos de Áudio e Vídeo Digital Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Escalonadores preemptivos Escalonadores preemptivos são aqueles que têm a capacidade de interromper a execução de um processo para realizar alterações

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

3 Reproduzindo Áudio com Informação Espacial

3 Reproduzindo Áudio com Informação Espacial 3 Reproduzindo Áudio com Informação Espacial Neste capítulo fazemos uma breve revisão sobre como seres humanos são capazes de localizar fontes sonoras e também sobre os sistemas de reprodução de áudio

Leia mais

Modelagem Matemática e Computacional do Efeito de Reverberação de Ondas Sonoras

Modelagem Matemática e Computacional do Efeito de Reverberação de Ondas Sonoras Trabalho apresentado no III CMAC - SE, Vitória-ES, 2015. Proceeding Series of the Brazilian Society of Computational and Applied Mathematics Modelagem Matemática e Computacional do Efeito de Reverberação

Leia mais

DICAS BÁSICAS PARA PRODUÇÃO DE MÚSICA ELETRÔNICA. (depoimento do engenheiro Eduardo Poyart à Luciana Pereira)

DICAS BÁSICAS PARA PRODUÇÃO DE MÚSICA ELETRÔNICA. (depoimento do engenheiro Eduardo Poyart à Luciana Pereira) DICAS BÁSICAS PARA PRODUÇÃO DE MÚSICA ELETRÔNICA (depoimento do engenheiro Eduardo Poyart à Luciana Pereira) DICAS BÁSICAS PARA PRODUÇÃO DE MÚSICA ELETRÔNICA Depoimento de Eduardo Poyart à Luciana Pereira

Leia mais

Escalas Musicais quando a matemática rege a música

Escalas Musicais quando a matemática rege a música Escalas Musicais quando a matemática rege a música por Miguel Ratton (texto retirado e adaptado do site www.music-center.com.br) Embora este seja um tema extremamente vasto, apresentamos aqui uma abordagem

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOM E A MÚSICA

PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOM E A MÚSICA Nome: Ano: Disciplina: Música Professor: Gabriel Nº: Data: PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOM E A MÚSICA O som tem quatro propriedades físicas: intensidade, timbre, duração e altura. São chamados também de parâmetros

Leia mais

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação).

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. As ondas sonoras são longitudinais. Resultam de compressões

Leia mais

Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan

Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan Física Acústica Aula 8 Energia transportada pelas ondas Ondas transportam energia. Intensidade I de uma onda: Potência transportada por unidade de área perpendicular

Leia mais

Pianos e teclados 354

Pianos e teclados 354 354 Pianos e teclados 9366 PIANO DIGITAL MODELO PX 5SWEC2 Fonte sonora multidimensional Morphing AiR Polifonia máxima: 256 (o player de áudio ocupa 2) Teclado com tecnologia Tri-sensor Scaled Hammer Action

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS ASSUNTOS IMPORTANTES PARA INICIANTES DA MÚSICA E DO VIOLÃO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É A MÚSICA... 02 AS TRÊS PARTES DA MÚSICA... 02 NOTAS MUSICAIS...

Leia mais

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante.

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante. 41 Capítulo 5 Psicoacústica A Psicoacústica estuda as sensações auditivas para estímulos sonoros. Trata dos limiares auditivos, limiares de dor, percepção da intensidade de da freqüência do som, mascaramento,

Leia mais

BACKGROUND E OBJETIVOS PARA A APLICAÇÃO 1

BACKGROUND E OBJETIVOS PARA A APLICAÇÃO 1 BACKGROUND E OBJETIVOS PARA A APLICAÇÃO 1 Esta Aplicação introduz o conceito de modulação em amplitude. Você conhecerá os termos: portadora, sinal modulante, sinal modulado e como eles estão relacionados

Leia mais

Compressores e limitadores são amplificadores especializados e usados para reduzir a faixa dinâmica, o intervalo entre os sons mais suaves e mais

Compressores e limitadores são amplificadores especializados e usados para reduzir a faixa dinâmica, o intervalo entre os sons mais suaves e mais Compressores e limitadores são amplificadores especializados e usados para reduzir a faixa dinâmica, o intervalo entre os sons mais suaves e mais altos. O uso de compressores pode fazer gravações e mixagens

Leia mais

Conceitos Básicos de Áudio Digital

Conceitos Básicos de Áudio Digital Aula 07 Conceitos Básicos de Áudio Digital Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Som Conceitos Iniciais

Leia mais

TEORIA MUSICAL EM FOCO

TEORIA MUSICAL EM FOCO TEORIA MUSICAL EM FOCO Curso Lendo Partituras Em Minutos HENRIQUE RODRIGUES www.teoriamusicalemfoco.com Teoria Musical em Foco 1 Música, Som e Suas Propriedades O que é Música? Música é a arte que expressa

Leia mais

TECNOLOGIA APLICADA A MÚSICA I. Prof Evandro Manara Miletto IFRS - Campus Porto Alegre

TECNOLOGIA APLICADA A MÚSICA I. Prof Evandro Manara Miletto IFRS - Campus Porto Alegre TECNOLOGIA APLICADA A MÚSICA I Prof Evandro Manara Miletto IFRS - Campus Porto Alegre Conceitos básicos sobre o som Som? O que é o som? Como percebemos o som? Que características possui o som? Elementos

Leia mais

Teoria Musical em Foco

Teoria Musical em Foco Henrique Rodrigues Teoria Musical em Foco Primeiros Passos Para Começar a Ler Partituras Versão 1.0 2 Índice Índice 3 Introdução 5 Capítulo 1: Música e Som 6 1.1 O que é Música 6 1.2 Mas o que é som? 7

Leia mais

Curso Básico de Música

Curso Básico de Música Curso Básico de Música Betel Brasileiro - Juazeirinho Instrutores: Alex Junior e Nilson Barbosa Contatos: (83)9333-4185 Facebook Page: www.facebook.com/musicadicas 1 Dicas Se você deseja ser um bom músico

Leia mais

Descrição Geral. Descrição dos controles: ver 1.00 jun07 1 de 5

Descrição Geral. Descrição dos controles: ver 1.00 jun07 1 de 5 ver 1.00 jun07 1 de 5 Descrição Geral é um módulo sintetizador monofonico desenvolvido com tecnologia digital mantendo as facilidades de controle de parâmetros dos sintetizadores analógicos. Descrição

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan

Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan Medidas da Onda Sonora Prof. Theo Z. Pavan Física Acústica Aula 8 Energia transportada pelas ondas Ondas transportam energia. Intensidade I de uma onda: Potência transportada por unidade de área perpendicular

Leia mais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Edição 2016 APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Todos os direitos reservados www.landscapeaudio.com.br APRESENTAÇÃO O Angel Chorus AGC2 é um pedal de modulação de última geração. Seus circuitos adicionam várias dimensões ao som

Leia mais

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre.

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. A altura do som relaciona-se com a freqüência (audível 20 Hz a 20 khz). Um som mais baixo (respect. alto) é mais

Leia mais

Como trabalhar com grupos VCA/DCA

Como trabalhar com grupos VCA/DCA Como trabalhar com grupos VCA/DCA VCA é a abreviação de Voltage Controlled Amplifier que, traduzido, significa "amplificador controlado por tensão". Nos modelos de mesas de som de PA analógicas correspondem

Leia mais

MIDI. conceitos básicos. Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre

MIDI. conceitos básicos. Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre MIDI conceitos básicos Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre sumário Termos e conceitos básicos conexões midi MIDI e os Computadores Instrumentos Musicais Aplicativos MIDI Arquivos e formatos

Leia mais

1 T. Ondas acústicas ONDAS. Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos.

1 T. Ondas acústicas ONDAS. Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos. Ondas acústicas ONDAS Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos. Descrição válida para fenómenos periódicos ALGUNS CONCEITOS RELACIONADOS

Leia mais

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução.

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução. Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade Resolução Distorção Faixa dinâmica Faixa de frequência: Determina as frequências

Leia mais

MIDI. conceitos básicos. Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre

MIDI. conceitos básicos. Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre MIDI conceitos básicos Prof. Evandro Manara Miletto IFRS Campus Porto Alegre sumário Termos e conceitos básicos conexões midi MIDI e os Computadores Instrumentos Musicais Aplicativos MIDI Arquivos e formatos

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Fenómenos ondulatórios Relação entre a velocidade de propagação da onda, o comprimento da onda e o período: v. f ou v T Reflexão de ondas Na reflexão de ondas, o ângulo de reflexão r é igual ao ângulo

Leia mais

Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio. Apostila 5. Audio Digital. 1. PCM Pulse Code Modulation

Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio. Apostila 5. Audio Digital. 1. PCM Pulse Code Modulation Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio Apostila 5 Audio Digital AC 1. PCM Pulse Code Modulation PCM é uma sigla para Pulse-Code Modulation, que é uma representação digital de um sinal analógico onde a

Leia mais

GLOSSÁRIO de ÁUDIO. A440 Método padrão de afinação. A (Nota Lá) tem uma freqüência de 440 Hz sendo a nota padrão para afinação.

GLOSSÁRIO de ÁUDIO. A440 Método padrão de afinação. A (Nota Lá) tem uma freqüência de 440 Hz sendo a nota padrão para afinação. GLOSSÁRIO de ÁUDIO A AIFF É a abreviatura de Audio Interchange File Format. É um arquivo digital como.wav ou.mp3. Desenvolvido originalmente pela Apple, porém hoje pode ser reproduzido em 99% dos PC e

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO 5ºANO No final do 5º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR Educação Musical Audição - Apreender conceitos musicais - Reconhecer instrumentos musicais Orff - Reconhecer figuras

Leia mais

Projeto Escola para Musicistas Iniciantes. Metal Essência Orquestra Ebenézer. Daniel Colhado - Moisés Cezário - Samuel Barreto Reginaldo Freitas

Projeto Escola para Musicistas Iniciantes. Metal Essência Orquestra Ebenézer. Daniel Colhado - Moisés Cezário - Samuel Barreto Reginaldo Freitas Projeto Escola para Musicistas Iniciantes Metal Essência Orquestra Ebenézer Daniel Colhado - Moisés Cezário - Samuel Barreto Reginaldo Freitas APOSTILA Conteúdo CAPÍTULO I... 2 NOTAS... 3 PENTAGRAMA...

Leia mais

Programação de 6º ano

Programação de 6º ano Programação de 6º ano 2011 12 Esta programação está organizada com base nos conteúdos a desenvolver ao longo do 5º ano de escolaridade. E é através das situações educativas descritas que se torna possível

Leia mais

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1 ACÚSTICA 05/09/2016 1 O QUE É ACÚSTICA? Acústica é o ramo da Física que estuda a propagação das ondas sonoras. O som é originado a partir da vibração da matéria em camadas de compressão e rarefação, sendo

Leia mais

Informação para a Prova de Ingresso - 5º Ano

Informação para a Prova de Ingresso - 5º Ano Informação para a Prova de Ingresso - 5º Ano Tipo de Prova: Escrita Duração da prova: 60 minutos Material permitido: Lápis, borracha e esferográfica azul ou preta Identificar e escrever frases musicais

Leia mais

Universidade Federal do ABC. Por Nicolas Souza Lopes

Universidade Federal do ABC. Por Nicolas Souza Lopes Universidade Federal do ABC Por Nicolas Souza Lopes Objetivo: Este curso tem como objetivo introduzir os fundamentos de composição e interpretação musical. Introdução: As Seis Propriedades do Som Tom (Pitch)

Leia mais

Sistemas Operacionais. Tipos de SO

Sistemas Operacionais. Tipos de SO Sistemas Operacionais Tipos de SO Tipos de Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis/ Monotarefas Sistemas Multiprogramáveis/ Multitarefas Sistemas com Múltiplos Processadores

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Ondas Sonoras e Acústica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Ondas Sonoras e Acústica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Ondas Sonoras e Acústica 1. (Unicamp 2007) O nível sonoro S é medido em decibéis (db) de acordo

Leia mais

Partes do Violão 1- Tampo 2- Rastilho 3- Cavalete 4- Boca ou Bocal

Partes do Violão 1- Tampo 2- Rastilho 3- Cavalete 4- Boca ou Bocal Partes da guitarra Basicamente, os modelos dos instrumentos que iremos abordar são os mais tradicionais, em se tratando da guitarra, nós temos o modelo strato, que é o mais versátil modelo de guitarra

Leia mais

Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula

Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 59070 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 6 00 Superposição de Movimentos Periódicos Há muitas situações em física que envolvem a ocorrência simultânea de duas ou mais

Leia mais

Ensino Médio - Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio - Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio - Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA II Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical º ANO C Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da compreensão

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA Nome do Candidato: Inscrição: Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões com as seguintes pontuações:

Leia mais

ONDAS. Ondas Longitudinais: Ondas Transversais: Ondas Eletromagnéticas: Ondas Mecânicas:

ONDAS. Ondas Longitudinais: Ondas Transversais: Ondas Eletromagnéticas: Ondas Mecânicas: ONDAS Uma onda é uma perturbação oscilante de alguma grandeza física no espaço e periódica no tempo. Fisicamente, uma onda é um pulso energético que se propaga através do espaço ou através de um meio (líquido,

Leia mais

(RASCUNHO) 4 O F24 Tarde C 17/11/2009. Esta prova contém 4 questões.

(RASCUNHO) 4 O F24 Tarde C 17/11/2009. Esta prova contém 4 questões. 4 O F24 Tarde C 17/11/2009 Esta prova contém 4 questões. INSTRUÇÕES: Verifique se sua prova está completa. Preencha corretamente todos os dados solicitados no cabeçalho. Resoluções e respostas somente

Leia mais

Gráficos de posição e de velocidade versus tempo para o estudo dos movimentos

Gráficos de posição e de velocidade versus tempo para o estudo dos movimentos Coltec/UFMG Física 1º Ano 2015 1 Gráficos de posição e de velocidade versus tempo para o estudo dos movimentos Introdução Nesta atividade, nós iremos produzir e interpretar gráficos de gráficos de posição

Leia mais

UEL Prova de Habilidades Específicas. Vestibular. M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a.

UEL Prova de Habilidades Específicas. Vestibular. M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a. Prova de Habilidades Específicas M Ú S I C A 2 5 / 0 9 / 2 0 1 6 M a t u t i n o P r o v a C o l e t i v a Nome do Candidato: Inscrição: Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Superposição de ondas harmônicas Um importante aspecto do comportamento das ondas é o efeito combinado de duas ou mais ondas que se propagam num mesmo meio. Princípio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA Prova de Teoria Musical e Percepção Melódica e Rítmica Curso Técnico em Música (Canto, Violoncelo e Piano)

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DJCONTROL COMPACT E DJUCED 18

INTRODUÇÃO AO DJCONTROL COMPACT E DJUCED 18 INTRODUÇÃO AO DJCONTROL COMPACT E DJUCED 18 INSTALAÇÃO Ligue o DJControl Compact ao computador Instale a aplicação DJUCED 18 Inicie a aplicação DJUCED 18 Mais informações (fóruns, tutoriais, vídeos, etc.)

Leia mais

Manual de parâmetros do sintetizador

Manual de parâmetros do sintetizador Manual de parâmetros do sintetizador P Introdução Este manual explica os parâmetros e os termos técnicos que são usados em sintetizadores que incorporam os geradores de tons Yamaha WM2. Use-o com a documentação

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Prova de Habilitação Específica. Música Teste Teórico-Perceptivo

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Prova de Habilitação Específica. Música Teste Teórico-Perceptivo Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prova de Habilitação Específica Música - 2015 Teste Teórico-Perceptivo Instruções Verifique se este caderno contém 20 questões do Teste Teórico-Perceptivo (questões

Leia mais

Boa Prova e... Aquele Abraço!!!!!!!! Virgílio.

Boa Prova e... Aquele Abraço!!!!!!!! Virgílio. PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o ano.

Leia mais

Circuitos de Comunicação. Prática 2: PLL

Circuitos de Comunicação. Prática 2: PLL Circuitos de Comunicação Prática 2: PLL Professor: Hélio Magalhães Grupo: Geraldo Gomes, Paulo José Nunes Recife, 22 de Maio de 2014 SUMÁRIO Resumo 1 PLL - Teoria 1 Prática 5 Resultados Obtidos Conclusão

Leia mais

Dó -tom- Ré -tom- Mi -½tom- Fá -tom- Sol -tom- Lá -tom- Si -½tom- Dó...

Dó -tom- Ré -tom- Mi -½tom- Fá -tom- Sol -tom- Lá -tom- Si -½tom- Dó... Artigo Científico 4- A Matemática no mundo da música Guilherme Ramos Informática Manhã IFRS Campus Osório 28/11/2011 Resumo: Realmente sem idéias pra este artigo resolvi pegar uma das coisas que eu mais

Leia mais

Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas vibrante

Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas vibrante UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Uma proposta para o ensino dos modos normais das cordas

Leia mais

Apresentação de trabalhos científicos

Apresentação de trabalhos científicos Apresentação de Apresentação oral de trabalhos trabalhos científicos COMUNICAÇÃO Prof. Dr. Adriano Canabarro Teixeira teixeira@upf.br Abril de 2008 É como uma conversa? Pressupõe uma interação social entre

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6.º Ano

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6.º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 6.º Ano Disciplina de Educação Musical METAS DE APRENDIZAGEM Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES

Leia mais

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário).

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário). CURSOS DE MÚSICA DO SESC (2º Semestre) MODALIDADE INICIANTE 1) VIOLÃO POPULAR Este curso está direcionado ao estudo da música popular com acompanhamento harmônico. Serão praticadas canções do repertório

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos ou Notação Musical A teoria serve para que o músico organize a aplicação de sua técnica. Ela é o intelecto, a compreensão da arte. É através dela que as composições rompem os séculos com uma linguagem

Leia mais

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Capítulo 1 16 O que é a Teoria musical afinal? 16 Como

Leia mais

UFSC. Resposta: = 89. Comentário

UFSC. Resposta: = 89. Comentário Resposta: 01 + 08 + 16 + 64 = 89 01. Correta. 02. Incorreta. São ondas eletromagnéticas, transversais e tridimensionais. 04. Incorreta. Não viola a segunda lei da termodinâmica: Q F = W + Q Q. 08. Correta.

Leia mais

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL Curso INSTRUÇÕES GERAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes - ICHCA TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2014 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

Habilidade Específica

Habilidade Específica PROCESSO SELETIVO 2012 Anos Edital 08/2012-16/10/2011 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova.

Leia mais

Cavaquinho tradicional (originário do Minho)

Cavaquinho tradicional (originário do Minho) CAVAQUINHO CAVAQUINHO Cavaquinho tradicional (originário do Minho) O cavaquinho (pai de outros modelos como a braguinha, braga, machete, machetinho ou machete-de-braga) é um instrumento da família dos

Leia mais

O SOM E A ONDA SONORA

O SOM E A ONDA SONORA O SOM E A ONDA SONORA Complementar com a leitura das páginas 94 a 101 Todos os sons são ondas em meios materiais. Na origem de qualquer onda sonora está sempre a vibração de partículas, que se transmite

Leia mais

ONDULATÓRIA II : INTERFERÊNCIA / ACÚSTICA E ONDAS HARMÔNICAS

ONDULATÓRIA II : INTERFERÊNCIA / ACÚSTICA E ONDAS HARMÔNICAS 1. (Fac. Albert Einstein - Medicina 016) Em 1816 o médico francês René Laënnec, durante um exame clínico numa senhora, teve a ideia de enrolar uma folha de papel bem apertada e colocar seu ouvido numa

Leia mais

Comunicações de Rádio

Comunicações de Rádio Comunicações de Radio EFA Comunicações de Rádio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL EFA SOCIEDADE, TECNOLOGIA E CIÊNCIA HELENA OLIVEIRA Página 1 Índice Comunicações de Rádio... 1 Introdução...

Leia mais

FORMAÇÃO MUSICAL 9.º Ano/5.º Grau

FORMAÇÃO MUSICAL 9.º Ano/5.º Grau Informação - Prova de Equivalência à Frequência FORMAÇÃO MUSICAL 9.º Ano/5.º Grau Ano Letivo 2015/2016 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Eletricidade Aula 09. Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada

Eletricidade Aula 09. Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada Eletricidade Aula 09 Resistência, Indutância e Capacitância em Circuitos de Corrente Alternada Tensão e corrente nos circuitos resistivos Em circuitos de corrente alternada em que só há resistores, como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Escola Técnica de Artes - ETA Prova de Teoria Musical e Percepção Melódica e Rítmica Curso Técnico em Música (Canto Erudito, Piano, Violino

Leia mais

MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR

MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR MATERIAL DE REFORÇO PARA USO DO PROFESSOR 1. PROPRIEDADES DO SOM 1.1. Preencher os espaços com a propriedade correta: a)... : é a propriedade de o som ser agudo ou grave. b)... : é o tempo que o som permanece

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO MUSICAL

DISCIPLINA EDUCAÇÃO MUSICAL INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA EDUCAÇÃO MUSICAL PROVA 12/17 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR - NOVO º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei nº 19/12, de 5 de julho, republicado

Leia mais

Prof. Douglas Lima. Física

Prof. Douglas Lima. Física Física Índice Conceito de onda Classificação das ondas Elementos de uma onda Período e frequência de uma onda Conceito de ondas Classificação da onda quanto à natureza Classificação da onda quanto à forma

Leia mais

13 de fevereiro INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas. 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA :

13 de fevereiro INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas. 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA : 13 de fevereiro 2011 INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas CONTEÚDO: 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA : PERCEPÇÃO MUSICAL 01. Indique a notação correta da melodia que será ouvida a seguir. A melodia será tocada

Leia mais

MÓDULO 1 CADERNO DE EXERCÍ CÍOS. Para as aulas de Percepção e Solfejo

MÓDULO 1 CADERNO DE EXERCÍ CÍOS. Para as aulas de Percepção e Solfejo MÓDULO 1 CADERNO DE EXERCÍ CÍOS Para as aulas de Percepção e Solfejo CONSERVATÓRIO MAESTRO PAULINO Ensino Fundamental de Música Disciplina de Teoria Musical, Percepção e Solfejo CADERNO DE EXERCÍCIOS Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2015 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

Música Eletrônica e Audio Digital. Site:

Música Eletrônica e Audio Digital. Site: Música Eletrônica e Audio Digital Palestrante: José Paulo Ciscato Site: http://www.jp.ciscato.nom.br E-mail: jpc@jp.ciscato.nom.br 1. Métodos para registrar o som: 1.1. Método analógico: Vibração -> impulsos

Leia mais

VESTIBULAR MÚSICA

VESTIBULAR MÚSICA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ - REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES UNIDADE ACADEMICA DE ARTE E MÍDIA VESTIBULAR 2015.2 TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA MÚSICA CONQUISTE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - ONDAS

LISTA DE EXERCÍCIOS - ONDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA - DEPARTAMENTO DE FÍSICA GERAL DISCIPLINA: FIS 1 - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II-E www.fis.ufba.br/~fis1 LISTA DE EXERCÍCIOS - ONDAS 013.1 1. Considere

Leia mais

APOSTILA DE TEORIA MUSICAL 01

APOSTILA DE TEORIA MUSICAL 01 EMT - Ranildo Lopes - Teoria Musical IMAIL: ranildope@bol.com.br 1 ESCOLA DE MÚSICA DE TERESINA DIREÇÃO PROF. AURÉLIO MELO COORD. ADMINISTRATIVA - LUCINEIDE COORD. PEDAGÓGICA PAULO DANTAS ORGANIZADOR PROF.

Leia mais

O que são Add-On Effects? Add-On Effects são pacotes de software que instalam programas de efeitos de alta qualidade em consoles digitais.

O que são Add-On Effects? Add-On Effects são pacotes de software que instalam programas de efeitos de alta qualidade em consoles digitais. O que são Add-On Effects? Add-On Effects são pacotes de software que instalam programas de efeitos de alta qualidade em consoles digitais. Janela do REV-X no Studio Manager O que é o REV-X? O REV-X é um

Leia mais

Como ler Partituras. De acordo com a duração do som, a escrita da nota varia na seguinte seqüência:

Como ler Partituras. De acordo com a duração do som, a escrita da nota varia na seguinte seqüência: Como ler Partituras Leitura de Partituras (Teoria) 1. Notas Duração e Altura De acordo com a duração do som, a escrita da nota varia na seguinte seqüência: A duração exata do tempo depende da velocidade

Leia mais