Roteiro de Observação para Exposição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro de Observação para Exposição"

Transcrição

1 Roteiro de Observação para Exposição Este roteiro é um instrumento para auxiliá-lo na observação da exposição. O objetivo específico do exercício é analisar a forma como o museu comunica por meio de sua exposição, objeto de nossa observação, apresenta-se para o público e, sobretudo, como ele trabalha a Educação. Lembramos que o objeto de estudo é fruto de trabalho de uma equipe que nos acolhe e que, dentro de sua realidade e possibilidade, se esforçou para realizá-lo, por este motivo se faz necessária a imparcialidade da análise e a atitude colaborativa/construtiva nas observações e sugestões. Identificação do grupo: 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 5 ( ) Abaixo, seguem alguns itens: 1. Vá até a exposição de longa duração, faça uma visita exploratória e, depois, revisite e observe criticamente (quanto à eficácia) os seguintes aspectos: - Título - Tema (assunto) e recorte conceitual (a opção de abordagem dentro do tema). - Desenvolvimento conceitual (como o recorte foi dividido em tópicos). - Espaço (salas, área disponível). - Organização/ocupação do espaço. - Caminho/trajeto proposto ao público. - A distribuição do conceito no espaço relação entre ideia e espaço. - A importância dada aos objetos museológicos a relevância dos objetos para o tema, organização deles no espaço e entre si. 1

2 - O uso de recursos expográficos como fotografias, ilustrações, maquetes, mapas, gráficos, esquemas, etiquetas, textos (são relevantes e compreensíveis): são inteligentes, esclarecedores, colaboram para entender a proposta da exposição, a linguagem é clara? - O uso de recursos expográficos como iluminação e sonorização: está em sintonia com a proposta? - A pertinência do mobiliário (pensando-se nos tipos de público que se pretende atingir - altura, posição, distribuição). - A qualidade da comunicação visual (tipo e tamanho de letra, legibilidade dos textos e etiquetas, uso de cores, padrão visual). - Quanto a acessibilidade Para crianças - Para idosos - Para deficientes físicos (locomoção ou cadeirantes) - Para visuais (cegos ou baixa visão) - Para deficientes intelectuais - Para baixa renda - Na opinião do grupo, qual seria a relevância o tema principal para sociedade local? 2

3 Na opinião do grupo, o que se pretende alcançar com a exposição? Na opinião do grupo, como o tema pode contribuir para função social do museu? A qual público a exposição está direcionada? ( ) criança até 5 anos ( ) criança 6 a 12 anos ( ) adolescente 13 a 17 anos ( ) adulto 18 a 64 anos ( ) idoso 65 anos em diante A qual público a exposição pode atingir? ( ) criança até 5 anos ( ) criança 6 a 12 anos ( ) adolescente 13 a 17 anos ( ) adulto 18 a 64 anos ( ) idoso 65 anos em diante De que maneira os subtemas são tratados na exposição? Quais conceitos/ideias são trabalhados na exposição? 3

4 Quais recursos você identifica para apresentação do acervo? ( ) textos de parede ( ) imagens plotadas ( ) maquetes ( ) experimentos interativos ( ) áudio ( ) vídeo ( ) estímulos visuais ( ) estímulos luminosos ( ) recursos cênicos ( ) estímulos auditivos ( ) estímulos olfativos ( ) estímulos táteis Na opinião do grupo, o acervo exposto é apresentado como: ( ) fonte de informação. ( ) fonte de conhecimento. ( ) objeto contemplativo. Na opinião do grupo, o acervo necessita\ de algum recurso extra para transmitir a informação? Na opinião do grupo, o acervo exposto é significativo como fonte de conhecimento? 4

5 Na opinião do grupo, o modo como o acervo está disposto nas salas ajuda na compreensão do tema? Como o grupo o classificaria o uso do acervo na exposição: ( ) Os objetos são importante em si, como testemunhos de uma época. ( ) Os objetos são importante em si, como fonte de informação. ( ) Os objetos favorecem a materialização os conceitos patrimoniais, científicos e/ou ambientais envolvidos no discurso. ( ) Os objetos não tem relevância ou ficam em segundo plano, bastando os recursos utilizados para comunicar. 5

6 Em geral os conceitos educativos trabalhados em exposições são: participação, interatividade, e interação. Identifique-os na exposição ilustrando - os com possíveis exemplos de maior evidência. Participação O visitante participa de uma exposição quando ele entende o que está sendo exposto, respeitando os códigos culturais do público. A participação é sempre cognitiva e, por isso, envolve a emoção para alcançar a razão. Interatividade O visitante vive a interatividade a partir de modelos, experimentos ou demonstrações que podem ser manipulados por ele, propiciando à participação cognitiva. O objeto bem planejado tem um efeito emocional importante para a compreensão e lembrança desse momento de aprendizagem, explorando mais do que a simples ação mecânica dissociada do conteúdo. Interação O visitante interage com outros visitantes na exposição e com a equipe da exposição por meio do educador. Com essa postura, o visitante sente-se participando da reelaboração do discurso expositivo, da mesma forma que a equipe de educadores, pois o discurso não deve ser fechado e, tampouco, autoritário. Uma exposição não deve se apresentar apenas com fatos ou verdades absolutas e sim estimular o diálogo como visitante abrindo possibilidades de discussão sobre o (s) tema (s) apresentado (s). Quais estratégias educativas o grupo identifica na exposição? ( ) visita orientada ( ) educador disponível no espaço expositivo ( ) curso para professores ( ) material didático auxiliar ( ) área reservada para atividades educativas ( ) possibilidade de visita virtual no site ( ) palestras relacionas aos conteúdos ( ) experimentos 6

7 2. Agora se reúna com o seu grupo e faça uma análise do conjunto desses elementos observados acima e responda: Importante: As respostas devem ser sucintas, onde as principais ideias serão compartilhadas com os outros grupos em um breve debate. A exposição é harmoniosa/equilibrada? Passa a ideia de unidade? Há inteligibilidade, ou seja, ela é entendida por ela mesma? Os elementos (recursos expográficos) são os mais adequados? O conjunto de elementos é o suficiente para o público compreender a proposta? Em quais aspectos a exposição poderia ser melhorada? 7

8 A exposição valoriza o patrimônio? A exposição valoriza a participação do público? Na opinião do grupo, esta exposição contribui para transformação social? O grupo recomendaria a visita à exposição para outras pessoas? Na opinião do grupo, esta exposição é educativa? 8

CURSO ACESSIBILIDADE EM EXPOSIÇÕES E AMBIENTES CULTURAIS UFRGS/ Museus Acessíveis

CURSO ACESSIBILIDADE EM EXPOSIÇÕES E AMBIENTES CULTURAIS UFRGS/ Museus Acessíveis CURSO ACESSIBILIDADE EM EXPOSIÇÕES E AMBIENTES CULTURAIS UFRGS/ Museus Acessíveis Relatório de adequações de acessibilidade baseado em diagnóstico realizado em visita técnica e conversa com os responsáveis

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/26

Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/26 Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/26 Museu da Imigração Análise do Programa Educativo 2/38 Princípios norteadores da Política Educacional 3/38 Missão Promover o conhecimento e a reflexão

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Médio

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Médio Plano Plano de de Trabalho Trabalho Docente Docente 2014 2015 Ensino Ensino Médio Médio ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular:

Leia mais

CHECKLIST DE UM ESPAÇO CULTURAL ACESSÍVEL

CHECKLIST DE UM ESPAÇO CULTURAL ACESSÍVEL CHECKLIST DE UM ESPAÇO CULTURAL ACESSÍVEL Ambiente do Espaço Cultural Sim Não Comentários A entrada do ambiente é acessível para Não é acessível integralmente/ pessoas com deficiência física? é necessária

Leia mais

Novo site do Museu da Imigração

Novo site do Museu da Imigração O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima sexta edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: BIOLOGIA

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO Artur CARMELLO NETO, Faculdade de Ciências e Letras Unesp Araraquara-SP Formação de professores na perspectiva

Leia mais

Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/33

Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/33 Implantação de Núcleos de Ação Educativa em Museus 1/33 Desafios da Educação em Museus. 2/33 Quais estratégias o museu deve utilizar para cumprir o seu papel social? 3/33 Esse papel foi bem enfatizado

Leia mais

PALESTRANTE ADRIANO SIMÕES

PALESTRANTE ADRIANO SIMÕES PALESTRANTE ADRIANO SIMÕES SOBRE O PALESTRANTE Adriano Simões trabalha com gestão de liderança e aumento da produtividade de pessoas e equipes, sendo escritor e parceiro da Revista Gestão RH e Blog Quero

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Coordenação Prof. Dra. Sílvia Dotta Equipe Érica Jorge, Camila Areias, Camila Nastari, Lays Fitaroni, Nívio Dolfini, Paulo Aguiar, Regina Carteano, Ronaldo Tedesco. Os cursos do

Leia mais

PALESTRANTE

PALESTRANTE PALESTRANTE Conexão Animal & Sucesso Pessoal Contrate o Palestrante que trará melhor RESULTADO para seu próximo evento! SOBRE O PALESTRANTE: Adriano Simões é médico veterinário e palestrante comportamental

Leia mais

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular.

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular. A IMPORTÂNCIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Artur Carmello Neto Diretoria de Ensino Região de Araraquara RESUMO A prática docente bem sucedida foi realizada em uma Sala de Recursos

Leia mais

Avaliação de objetos de aprendizagem. Liane Tarouco CINTED/UFRGS

Avaliação de objetos de aprendizagem. Liane Tarouco CINTED/UFRGS Avaliação de objetos de aprendizagem Liane Tarouco CINTED/UFRGS Objetos de aprendizagem Objetos de aprendizagem são recursos digitais, modulares usados para apoiar a aprendizagem Alguns exemplos: simulações,

Leia mais

PROGRAMA AMIGOS DO MUSEU

PROGRAMA AMIGOS DO MUSEU O Museu da Cana é uma instituição sem fins lucrativos que busca na parceria com pessoas físicas e jurídicas recursos para: - manutenção de acordo com as boas práticas museológicas; - realização de seus

Leia mais

ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA

ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA 2016-1 PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA A COMUNICAÇÃO HUMANA Comunicar: Deriva do latim comunicare = por em comum; É uma expressão que define o grande

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE SWEET HOME 3D NAS SALASTEMÁTICAS DO MUSEU NACIONAL DO MAR: Resultados Preliminares

APLICAÇÃO DO SOFTWARE SWEET HOME 3D NAS SALASTEMÁTICAS DO MUSEU NACIONAL DO MAR: Resultados Preliminares APLICAÇÃO DO SOFTWARE SWEET HOME 3D NAS SALASTEMÁTICAS DO MUSEU NACIONAL DO MAR: Resultados Preliminares Novais Júnior, Edson¹; Carminatti, José¹; Zavodini, Natan¹ e Piñol, Susana ¹ ¹Instituto Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 013/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar;

RESOLUÇÃO Nº 013/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar; RESOLUÇÃO Nº 013/2016-CEPE/UNESPAR Convalida as alterações e prazos de vigência da matriz curricular do curso Superior de Escultura do campus Curitiba I - EMBAP. Considerando o art. 7º, incisos I, II e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar;

RESOLUÇÃO Nº 015/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar; RESOLUÇÃO Nº 015/2016-CEPE/UNESPAR Convalida as alterações e prazos de vigência na matriz curricular do curso Superior de Pintura do campus Curitiba I - EMBAP. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII

Leia mais

Ficha Técnica de Apoio

Ficha Técnica de Apoio Tarefa 03 Ficha Técnica de Apoio Teatro e Circo Áreas de Desenvolvimento Enfatizadas: Afetivo, Caráter, Físico, Intelectual e Social Explicação sobre o tema: Teatro é um termo de origem grega que designa

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

Comunicação Alternativa e Inclusão

Comunicação Alternativa e Inclusão Comunicação Alternativa e Inclusão UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Brasil 28-10-2011 Patrícia Correia Diretora Executiva da Cnotinfor-Imagina Aventuras 2 Instalação do software

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso aprovado pela portaria Cetec nº Etec: Prof.ª Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Eixo Tecnológico:

Leia mais

QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM. 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte O que é o projeto Tele-Ambiente

QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM. 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte O que é o projeto Tele-Ambiente QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIM IZAR A APRENDIZAGEM EM UM AMBIENTE VIRTUAL? 1 Márcia Campos Hermínio Borges Neto José Rogério Santana 1. O projeto Tele-ambiente estado da arte 1.1. O que é o projeto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências humanas e suas tecnologias. Componente Curricular: geografia Série:

Leia mais

EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS NO MESC [Espaço Expositivo Ítaca Átrio]

EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS NO MESC [Espaço Expositivo Ítaca Átrio] Perguntas frequentes sobre EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS NO MESC [Espaço Expositivo Ítaca Átrio] Esse guia reúne os principais tópicos relativos a exposições temporárias no Espaço Expositivo Ítaca Átrio, que

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 O PLANETA TERRA *Conhecer os aspectos da estrutura e composição do Planeta e localização do Sistema Solar *Perceber que o Planeta Terra vive em constante mudança. *Conhecendo aspectos, estrutura

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

Design de material didático Gama. L.N.

Design de material didático Gama. L.N. Design de material didático Gama. L.N. Copyright 2016. All rights reserved Como os materiais didáticos colaboram na aprendizagem? Nada vale um material didático rico e sofisticado, caso não corresponda

Leia mais

Educação Não-Formal: Qual a sua importância?

Educação Não-Formal: Qual a sua importância? ISNN 1517-6770 Educação Não-Formal: Qual a sua importância? Gabrielle Rabello Quadra 1,2 & Sthefane D ávila 2,3 1 Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Federal de Juiz de Fora 2 Museu de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO-EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5º ANO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO-EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5º ANO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO-EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5º ANO Domínios avaliação Parâmetros Percentagem Instrumentos de recolha de informação Nº de Instrumentos Conhecimentos e capacidades 70% -Reconhece o papel

Leia mais

TUTORIAL PRODUÇÃO DE VÍDEO - FETEPS 2017

TUTORIAL PRODUÇÃO DE VÍDEO - FETEPS 2017 TUTORIAL PRODUÇÃO DE VÍDEO - FETEPS 2017 Este ano a Feteps Feira Tecnológica do Centro Paula Souza inova mais uma vez ao levar para o ambiente virtual a exposição de projetos tecnológicos de Etecs, Fatecs,

Leia mais

Sequência Didática. Nome do Bolsista/Voluntário: Licenciandos do curso de Química Bruno Yuri e Marcella Xavier

Sequência Didática. Nome do Bolsista/Voluntário: Licenciandos do curso de Química Bruno Yuri e Marcella Xavier Sequência Didática Nome do Bolsista/Voluntário: Licenciandos do curso de Química Bruno Yuri e Marcella Xavier Perfil do Sujeito/Aluno a quem a sequência foi destinada: Esta sequência é destinada a um aluno

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Exposições 2/73 Longa duração maior tempo para pesquisar e conhecer o acervo, pensar a comunicação e as ações, desenvolver estratégias, avaliar

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

Projeto TRILHAS Conjunto de materiais elaborados para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com

Projeto TRILHAS Conjunto de materiais elaborados para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com Projeto TRILHAS Conjunto de materiais elaborados para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com crianças de 6 anos, com o objetivo de inseri-las em um universo

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Avaliação: uma importante ferramenta para ações educativas. 2/27 O que é avaliação? 3/27 É um processo para se obter informações que essencialmente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil Fernanda Taynara de Oliveira Graduando em Geografia Universidade Estadual de Goiás Campus Minaçu Kelytha

Leia mais

Letramento Digital - Comunicação. Profa. Reane Franco Goulart

Letramento Digital - Comunicação. Profa. Reane Franco Goulart Letramento Digital - Comunicação Profa. Reane Franco Goulart reane@iftm.edu.br www.profareane.wordpress.com O poder da aproximação Hoje é possível olharmos para o mundo todo, sem sequer ir à janela de

Leia mais

COMO SURGIU A IDÉIA IA NA APAE DE BAURU

COMO SURGIU A IDÉIA IA NA APAE DE BAURU INTRODUÇÃO Os benefícios do Jardim Sensorial as pessoas com deficiência são relatados há muitos séculos atrás. Nas primeiras décadas do século vinte, os profissionais da área da saúde começaram a se preocupar

Leia mais

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS 1. Introdução Anderson Luís Furlan Este resumo objetiva apresentar de forma sucinta o que é, deficiência, dando enfoque a deficiência

Leia mais

CRECHE. Educadora Responsável. Cristiana Andias. 4 aos 12 meses sala A A CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJECTO PEDAGÓGICO

CRECHE. Educadora Responsável. Cristiana Andias. 4 aos 12 meses sala A A CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJECTO PEDAGÓGICO Educadora Responsável Cristiana Andias 4 aos 12 meses sala A A CONTEXTUALIZAÇÃO DO A Creche constitui uma das primeiras experiências da criança num sistema organizado, exterior ao seu circulo familiar,

Leia mais

ABORDAGENS INOVADORAS PARA O ENSINO DE FÍSICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO SOBRE ENERGIA

ABORDAGENS INOVADORAS PARA O ENSINO DE FÍSICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO SOBRE ENERGIA ABORDAGENS INOVADORAS PARA O ENSINO DE FÍSICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO SOBRE ENERGIA Renally Gonçalves da Silva Universidade Estadual da Paraíba Renally.gs@gmail.com Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

http://portaldoprofessor.mec.gov.br http://twitter.com/portalprofessor Implantação de ambientes tecnológicos nas escolas Distribuição de conteúdos educativos, soluções e sistemas de informação Formação

Leia mais

Interpretação Patrimonial. Exemplo de interpretação do patrimônio como ferramenta em Turismo Rural

Interpretação Patrimonial. Exemplo de interpretação do patrimônio como ferramenta em Turismo Rural Interpretação Patrimonial Exemplo de interpretação do patrimônio como ferramenta em Turismo Rural O turismo destrói e banaliza a cultura l Essa é a visão de muitos intelectuais sobre a relação turismo-cultura.

Leia mais

A internet pode levar o aluno a lugares aonde, talvez, ele jamais chegaria, ou não tão rapidamente; propicia o acesso a bibliotecas internacionais,

A internet pode levar o aluno a lugares aonde, talvez, ele jamais chegaria, ou não tão rapidamente; propicia o acesso a bibliotecas internacionais, TEDI INTERAMERICA TEDI- INTERAMÉRICA A TEDI foi concebida com o conceito de se utilizar a tecnologia como uma ferramenta e instrumento pedagógico para que se alcance melhores resultados na educação. Este

Leia mais

Curso de Extensão. Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs. Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC

Curso de Extensão. Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs. Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC Curso de Extensão Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC CONCEITOS Blog é uma abreviação do termo inglês: Web (página da internet) + log

Leia mais

Educação Patrimonial - Mais Educação VERSÃO PRELIMINAR. Ficha do Projeto. Título do Projeto: Nome da Escola/Bairro/Município/Estado.

Educação Patrimonial - Mais Educação VERSÃO PRELIMINAR. Ficha do Projeto. Título do Projeto: Nome da Escola/Bairro/Município/Estado. Ficha do Projeto Título do Projeto: Nome da Escola/Bairro/Município/Estado Foto da equipe: 1 Nome e idade dos integrantes da equipe: Nome do monitor: Nome dos professores participantes: Instituições participantes:

Leia mais

14 a 18 de Novembro de 2017

14 a 18 de Novembro de 2017 CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CONFAEB 2017 XXVII CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DE ARTE/EDUCADORES DO BRASIL V CONGRESSO INTERNACIONAL DOS ARTE/EDUCADORES II SEMINÁRIO DE CULTURA E EDUCAÇÃO DE MATO

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP estevão.armada@yahoo.com.br 1. Introdução De acordo com a Lei Federal n 11.645/08, torna-se obrigatório

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 267 aprovado pela portaria Cetec nº 182 de 26/ 09 /2016 Etec: Prof. Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão

Leia mais

Proposta da formação docente

Proposta da formação docente Proposta da formação docente 7 Cadernos de Teorias e Práticas Educativas em Saúde - Vol. II Proposta da formação docente Este texto tem como objetivo relatar uma experiência de planejamento e implementação

Leia mais

ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR

ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR AQUISIÇÃO AUTOMÁTICA TICA DE DADOS E ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR Denise Borges Sias CEFET-RS [denise@cefetrs.tche.br] Rejane Maria Ribeiro Teixeira IF-UFRGS [rejane@if.ufrgs.br] VII Ciclo

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2017) Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE 1 o semestre

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2017) Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE 1 o semestre Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2017) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA TIPOLOGIA DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO CARGA HORÁRIA 72 h CURSO Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS

QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS 1 - Nome Completo 2 - E-mail 3 - Endereço 4 - Nº. 5 - Complemento 6 - Bairro 7 - Cidade 8 - UF 9 - Cep 10 - Sexo 11 - Data de Nascimento 12 - Estado Civil 13 - Para você o que

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. AVA: treinaremcasa.com.br/ava

MANUAL DO ALUNO. AVA: treinaremcasa.com.br/ava MANUAL DO ALUNO A Treinar é uma escola com tradição na área de cursos de Informática, Tecnologia, Desenvolvimento Profissional e Educação a Distância. Oferece cursos do nível básico ao avançado, visando

Leia mais

INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR. Professora Marcia Pereira Sistemas de Informação

INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR. Professora Marcia Pereira Sistemas de Informação INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR Professora Marcia Pereira marciapsm@gmail.com Sistemas de Informação Conteúdo Ementa Metodologia Avaliação Introdução Participação Pré-Atividade Faça uma pesquisa sobre as interfaces

Leia mais

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO O QUE É O PLANEJAMENTO? O planejamento escolar é um processo de reflexão sobre os desafios do cotidiano tendo em vista o comprometimento com

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO

AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO http://mariaotilha.com/acesso em 03/03/16 http://dicasderoteiro.com/acesso em 03/03/16 http://flaviamelissa.com.br/acesso

Leia mais

INOVAÇÃO INTERATIVIDADE CONECTIVIDADE EXPERIÊNCIA

INOVAÇÃO INTERATIVIDADE CONECTIVIDADE EXPERIÊNCIA INOVAÇÃO INTERATIVIDADE CONECTIVIDADE EXPERIÊNCIA Plataforma de mídia exterior com melhor formato comercial engajando os consumidores com as marcas nas ruas Criando diálogo e engajamento BELO HORIZONTE

Leia mais

Análise do questionário Utilização de software educativo na sala de aula. 1. Identificação

Análise do questionário Utilização de software educativo na sala de aula. 1. Identificação Análise do questionário Utilização de software educativo na sala de aula. O questionário Utilização de software educativo na sala de aula foi aplicado nos Concelhos de Faro, Albufeira, Silves e Portimão,

Leia mais

PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA.

PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA. PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA http://pacto.portalceel.com.br 2013 O portal para formação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa apresenta informações

Leia mais

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade?

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Gabriela Portugal Departamento de Educação, Universidade de Aveiro gabriela.portugal@ua.pt Sumário 1. Importância de orientações pedagógicas para a creche

Leia mais

E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO

E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO 50anos de EXAME FAZ 50 ANOS E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO Raros são os períodos em que temos consciência de estar vivenciando a história sendo feita. É exatamente o que ocorre hoje: as transformações

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Educação Física Disciplina: Psicologia Educacional: Desenvolvimento e Aprendizagem Professor: Rita Rejane Soares Melo E-mail: ritarejanemelo@yahoo.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS. Componente Curricular:

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo:

Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo: ! Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo: 392009 12.2 DETALHAMENTO DA COMPOSIÇÃO CURRICULAR [ Portaria PRG/G/n 035/2016] 1. Conteúdos Básicos Profissionais 1.1

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

Disciplina: Educação Tecnológica

Disciplina: Educação Tecnológica Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a fazer Aprender a conhecer Departamento do 2 o Ciclo Disciplina: Educação Tecnológica CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5 o ano Ed. Setembro 2016 Unidades

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

Profa. Carolina Andion, Dra

Profa. Carolina Andion, Dra Avaliação de Projetos Públicos Profa. Carolina Andion, Dra Referências MARINO, E. Manual de Avaliação de projetos sociais.. São Paulo: Saraiva/Instituto Ayrton Senna, 2003. OLIVEIRA, M. O sentido da avaliação..

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Componente

Leia mais

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho A Exposição Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho Quadro Geral da Disciplina Museológica 1 Museologia Geral Teoria museológica (fato museológico) História dos museus Administração museológica Curadoria

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Isabel Rodrigues Diniz Graduanda em História pelo PARFOR da E-mail: eldinhasoares@hotmail.com José

Leia mais

PROPOSTA DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MEDIADO PELA TV DIGITAL INTERATIVA

PROPOSTA DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MEDIADO PELA TV DIGITAL INTERATIVA 1 PROPOSTA DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MEDIADO PELA TV DIGITAL INTERATIVA Bauru SP - Abril 2012 Educação Média e Tecnológica Métodos de Pesquisa em EAD e Transferência de Conhecimento Relatório

Leia mais

11/05/2015 MKI 1. Tópicos. A Implantação do Endomarketing exige a definição de um plano de ações que nos facilitará atingir os objetivos do programa.

11/05/2015 MKI 1. Tópicos. A Implantação do Endomarketing exige a definição de um plano de ações que nos facilitará atingir os objetivos do programa. Tópicos pg 1. Implantação 2 2. Fatores do Endomarketing 3 3. Plano de Ações 4 4. Liderança do Processo 5 5. Clima Organizacional 6 6. Segmentação do Cliente Interno 7 7. Ações e Instrumentos 9 8. Elementos

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Marketing na modalidade EaD

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Marketing na modalidade EaD Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Marketing na modalidade EaD A presente pesquisa foi realizada em junho de 2016, no Polo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Nilton Bahlis dos Santos, Alessandra dos Santos, Antonio Cordeiro, Mercia Maria Santos, Nathielly de Souza Campos, Rodrigo

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO História

PROPOSTA CURRICULAR PARA O 2º SEGMENTO História PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL CENFOP Centro de Formação Pedagógica PROPOSTA CURRICULAR PARA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular: Química

Leia mais

GEOGRAFIA UNIVERSOS. Por que escolher a coleção Universos Geografia

GEOGRAFIA UNIVERSOS. Por que escolher a coleção Universos Geografia UNIVERSOS GEOGRAFIA Por que escolher a coleção Universos Geografia 1 Pensada a partir do conceito SM Educação Integrada, oferece ao professor e ao aluno recursos integrados que contribuem para um processo

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

Multimeios Aplicados à Educação Aula 1. Utilização das novas tecnologias no processo de ensino-aprendizagem

Multimeios Aplicados à Educação Aula 1. Utilização das novas tecnologias no processo de ensino-aprendizagem Multimeios Aplicados à Educação Aula 1 Utilização das novas tecnologias no processo de ensino-aprendizagem Conceitos iniciais - MULTIMEIOS Multi remete a vários, diversos; meios, refere-se ao local de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

REGULAMENTO III Varal do Design. Minha Atitude Afeta o Mundo

REGULAMENTO III Varal do Design. Minha Atitude Afeta o Mundo REGULAMENTO III Varal do Design Minha Atitude Afeta o Mundo ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 3 2. OBJETIVOS GERAIS 4 3. OBJETIVO ESPECIFICO 4 4. PARTICIPAÇÃO 4 5. TEMA 5 6. ESPECIFICAÇÕES DOS TRABALHOS E INSCRIÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Conteúdos programáticos e aulas previstas 1º 2º 3º TOTAIS Nº de aulas previstas 13 12 9 34 Nº de aulas para apresentação e autoavaliação 2 1 1 4 Nº de aulas para

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA INFRAESTRUTURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA INFRAESTRUTURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA INFRAESTRUTURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA 5 Infraestrutura da instituição O curso de licenciatura em Pedagogia conta com gabinetes exclusivos para seus professores em tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Gestão de Pessoas (optativa) Código da Disciplina: EPD029 Cursos: Engenhraria de Produção e Engenharia Mecânica

Leia mais

Aula 5 OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO MÉDIO. Rafael de Jesus Santana Danilo Almeida Rodrigues

Aula 5 OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO MÉDIO. Rafael de Jesus Santana Danilo Almeida Rodrigues Aula 5 OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO MÉDIO META Propor a construção do conhecimento químico a partir do desenvolvimento de ofi cinas temáticas. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender

Leia mais

I INSTRUÇÕES ESPECIAIS:

I INSTRUÇÕES ESPECIAIS: EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS E PARTICIPAÇÃO NA III SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS. A Comissão Organizadora da Semana de Ciência e Tecnologia

Leia mais