Clínica Médica de Pequenos Animais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clínica Médica de Pequenos Animais"

Transcrição

1 V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Dermatite Atópica (Atopia) Definição Enfermidade dermatológica de fundo genético, em que cães acometidos tornamse sensíveis aos antígenos presentes no meio ambiente, desenvolvendo grave reação alérgica, mediada por IgE e IgG (reação de hipersensibilidade tipo I), acarretando em o prurido, que é o principal sinal clínico desta enfermidade. A dermatite atópica envolve vários fatores como alergias defeitos da barreira cutânea, infecções cutâneas, infecções microbianas e outros fatores predisponentes. Epidemiologia É o segundo distúrbio alérgico cutâneo mais comum, sendo menos freqüente que a dermatite alergia à picada/saliva de pulga (DASP). Raças Predispostas Shar Pei, West Highland White Terrier, Scoth Terrier, Lhasa Apso, Shih Tzu, Fox Terrier de Pêlo Duro, Fox Terrier Brasileiro, Dálmata, Pug, Setter Irlandês, Boston Terrier, Golden Retriever, Boxer, Setter Inglês, Labrador, Schnauzer Miniatura, Pastor Belga e Buldog Inglês. *Cães mestiços também são acometidos. 1

2 Patogenia O antígeno ofensor pode ingressar através do sistema gastrointestinal, pele e sistema respiratório. Uma vez na circulação sistêmica, o antígeno (alérgeno) junta-se com a IgE e IgGd a qual está fixado à mastócitos cutâneos, induzindo a degranulação mastocitária. Normalmente os antígenos que induzem o IgE são absorvidos pela membrana da pele ou mucosas. Os antígenos absorvidos por via percutânea devido a mudanças microestruturais da epiderme encontram-se com IgE nas células de Langerhans, os quais são capturados, processados e apresentados aos linfócitos T alérgeno-específicos. Há uma conseqüente expansão preferencial de células T helper 2 culminando em produção aumentada de IgE pelos linfócitos B. A IgE interage com mastócitos e basófilos através dos receptores específicos. A exposição subseqüente ao alérgenos forma ligações cruzadas com duas moléculas de IgE induzindo degranulação e liberação ou produção de mediadores que produzem reações alérgicas-histamina, leucotrienos e citocinas. Os mecanismos da dermatite atópica, ainda não são totalmente definidos, porém, sabe-se que a patogenia da atopia envolve alguns aspectos como: um defeito na barreira epidérmica, que pode provocar maior contato entre o sistema imunológico cutâneo e antígenos ambientais; sensibilização maior das células de Langerhans; maior ativação de linfócitos T; mastócitos IgE e liberação de mediadores como a histamina e diferentes interleucinas. Esta complexa interação resulta em sintomas como inflamação e congestão resultando em eritema e prurido, levando a escoriações e maior exposição a microorganismos oportunistas como bactérias e leveduras, finalmente oferecendo processos secundários de disqueratinização, malasseziose e foliculites bacterianas, levando a um controle difícil da sintomatologia. Os alérgenos responsáveis pela indução da atopia canina geralmente são provenientes do ar (Ex.: pólen de grama, árvores e ervas-daninhas, esporos de mofo, poeira doméstica e material da epiderme humana ou animal). Fisiopatologia do Prurido O prurido é aceito como uma sensação cutânea primária, juntamente como o tato, dor, calor e frio. A pele não possui receptores específicos para o prurido. Terminações nervosas nuas, localizadas predominantemente na junção dermoepidérmica, transmitem a sensação de coceira. Estas terminações nervosas nuas podem aumentar em sua quantidade, respondendo a um limiar mais baixo de estimulação depois de terem ocorrido lesões na pele (Ex.: escoriações). O conceito de 2

3 limiar é importante na compreensão do prurido. Evidências experimentais demonstraram que o limiar do prurido é mais baixo à noite, com o aumento da temperatura da pele e queda da hidratação. Sinais Clínicos Os sintomas iniciam-se com eritema e prurido cutâneo (lambedura, mastigação, coceira e esfregação) que podem ou não ser sazonais, dependendo da ação do alérgeno. O início dos sinais clínicos se da entre 6 meses à 3 anos, sendo que no início os sinais podem ser tão brandos que não são nem notados. Normalmente o prurido acomete patas (espaço interdigital, áreas de carpo e tarso), flancos, virilha, axilas, face (região periocular e perioral comissura labial) e/ou orelhas. A automutilação freqüentemente resulta em lesões cutâneas secundárias, incluindo mancha salivar, alopecia, escoriações, escamas, crostas, hiperpigmentação e liquenificação. Alopecia Periocular Fox Terrier Brasileiro Eritema Cutâneo por lambedura (membros anteriores) Fox Terrier Brasileiro 3

4 Topografia Lesional Vista Ventral Vista Dorsal Diagnóstico -Anamnese e História Clínica (verificar histórico familiar de dermatite atópica, surgimento dos sinais entre 6 meses e 3 anos e grande resposta à glicocorticóides); -Exame Físico; -Exames Complementares: -Testes Intradérmicos (pode-se ter reações falso-negativas ou falsopositivas); -Histopatologia de pele (sem valor diagnóstico): verifica-se dermatite perivascular superficial espongiosa ou hiperplásica. As células inflamatórias são predominantemente linfócitos e histiócitos. Eosinófilos são raros e neutrófilos ou plasmócitos sugerem infecção secundária. 4

5 Diagnóstico Diferencial -Outras hipersensibilidades (alimentar, por picada de pulga e de contato); Dermatite Alérgica à Picada de Pulga Fonte: Hill s Atlas of Veterinary Clinical Anatomy -Parasitoses (escabiose, cheiletielose e pediculose); -Foliculite (bacteriana, dermatófito e Demodex); -Dermatite por Malassezia; Tratamento A dermatite alérgica não possui cura e sim controle. -Diminuição da exposição à alérgenos (remoção de tapetes, substituição de cobertores de lã/algodão por tecidos sintéticos não alérgicos, filtros de ar de alta eficiência HEPA ou de carvão para reduzir pólen, mofo e poeira, cobrir colchões, travesseiros, cama dos cães, cadeiras e sofás com tecidos impermeáveis (como o vinil); manter o canil seco e limpo; assim como a cama do animal; manter o estoque de comida do animal em ambiente seco; manter o animal longe de grama recém cortada, folhas 5

6 caídas, feno e celeiros; remover colchões das áreas em que o cão dorme para prevenir o acúmulo de poeira e facilitar a limpeza; não permitir ao cão que entre em áreas que tipicamente acumulam poeira, como armários, lavanderia e embaixo das camas e lavar roupa de cama e cobertores toda semana com água quente); -Deve-se descartar a hipersensibilidade alimentar utilizando-se dietas de exclusão, sejam elas caseiras ou comerciais. Uma boa alternativa de dieta hipoalergênica comercial é a Hypoallergenic Royal Canin possuindo proteínas hidrolisadas altamente digestíveis e hipoalergênicas, enriquecido com EPA (ácido eicosapentaenóico) / DHA (ácido docosaexaenóico) os quais são tipos de ômega-3 e com complexo patenteado que auxilia a reforçar a barreira cutânea. Hypoallergenic Royal Canin -Tratar prováveis infecções secundárias (bacterianas ou fúngicas) adequadamente. Dentre as bactérias envolvidas nas infecções cutâneas caninas o Staphylococcus intermedius é referido como o mais freqüentemente isolado e dentre as piodermites de superfície, a dermatite piotraumática é comum nos cães atópicos e é caracterizada por ser muito pruriginosa e se dá pela conseqüente lambedura ou infecção cutânea no doente atópico canino, coceira, e clinicamente, é observável uma área de hipotricose e de pele e pêlo úmido com erosões cutâneas localizada. 6

7 De forma semelhante ao que acontece com os estafilococos, a colonização da pele por Malassezia, pode contribuir para os sinais clínicos de dermatite atópica. Os componentes desta levedura podem induzir inflamação através de mecanismos não específicos, tais como alteração da libertação de mediadores ou através de reações de hipersensibilidade específicas a antígenos. Um sinal clínico comum na dermatite a Malassezia é o prurido que pode ser severo. Cerca de 50% dos cães com dermatite a Malassezia são atópicos ou afetados por outras doenças alérgicas (alergia alimentar ou DAPP), mas defeitos primários da cornificação da pele e endocrinopatias são também comuns. Cefalexina: 30mg/kg BID : VO por 21 dias Cetoconazol: 20 a 40mg/kg SID : VO por 21 dias *O uso de antibióticos devem ser baseados em antibiogramas prévios; **Pode-se utilizar antifúngicos tópicos para o tratamento; -Estabelecer um programa de controle de pulgas para prevenir que as picadas destes insetos agravem o prurido; -Tratamento tópico com xampus e sprays contendo aveia, pramoxina, aloe vera, clorexidina, anti-histamínicos e/ou glicocorticóides) em intervalos de 2 a 7 dias, ou conforme o necessário, para auxiliar na redução dos sinais. Spray contendo Farelo Coloidal de Aveia, Alantoína, Gel de Aloe Vera, Extrato de Camomila VetriDerm Bayer (spray antipruriginoso) Xampu contendo Digluconato de Clorexidina VetriDerm Bayer (xampu hipoalergênico) Xampu* contendo Acetato de Hidrocortisona Agener União *Além da hidrocortisona, contém queratina hidrolisada, que protege o pelo contra a irritação e restaura o brilho da pelagem. Também possui lipossomas, pequenas microesferas responsáveis por liberar vitaminas (A, C e E) e ácidos graxos (ômegas 3 e 6) nas camadas mais profundas da epiderme, contribuindo para a saúde da pele. Spray contendo Aceponato de Hidrocortisona* Cortavance Virbac : SID na área afetada por uma semana 7

8 *Evitar que o animal ingira o produto tópico, pois o glicocorticóide será absorvido mais rapidamente. -Administração de Anti-histamínicos. Os anti-histamínicos podem ser usados isoladamente ou em associação com glicocorticóides e/ou ácidos graxos essenciais. Hidroxizina: 1 a 5mg/kg TID Cetirizina: 0,5 a 1mg/kg SID Clemastina*: 0,05 0,1mg/kg BID *A clemastina apresentou eficácia em 30% dos animais tratados (Scott et al., 2001; Olivry e Mueller, 2003; Cook et al, 2004; Farias, 2007). **O efeito adverso mais comum dos anti-histamínicos está relacionado ao SNC, como letargia, depressão, sedação e sonolência. Efeitos gastrointestinais também podem ocorrer como vômito, diarréia, anorexia e constipação. Entretanto, são incomuns e podem estar sem amenizados com a administração do medicamento junto com a comida; ***O efeito benéficos dos anti-histamínicos é visto após 7 a 14 dias de administração contínua; -Suplementos orais de ácidos graxos essenciais (linolênico, alfa-linolênico, araquidônico e poliinsaturados ômega 3 e ômega 6). O efeito benéfico é visto dentro de 3 a 4 semanas após o início do tratamento; Omega 3: 40mg/kg SID : VO Omega 6: 60 a 140mg/kg SID :VO *Cães com dermatite atópica canina são mais responsivos a suplementos com ácidos graxos que contêm baixas doses de ácido linoléico (omega 6) e altas doses de ácido γ-linolênico (omega 3) e/ou ácido eicosapentaenóico (EPA). **Efeitos adversos após o uso prolongado de ácidos graxos ômega 3 podem ocorrer, como um aumento no risco de sangramentos associado à disfunção plaquetária e fibrinólise. -O tratamento sintomático usando-se anti-histamínicos, suplementação com ácidos graxos ou doses anti-inflamatórias de glicocorticóides não interfere na imunoterapia e podem ser usados concomitantemente. -Administração de Glicocorticóides. Seu uso deve ser limitado aos períodos ativos da doença com duração menor que 4 meses ou naqueles em que os antihistamínicos e a imunoterapia não foram eficazes. 8

9 Ciclosporina*: 5 mg/kg SID podendo-se aumentar o intervalo para a cada 2/3 dias. Prednisona**: 0,5 a 1mg/kg SID por 7 a 10 dias, depois aumentar o intervalo entre administrações a cada 48 horas. Deflazacort: 0,2 a 0,6mg/kg SID : VO buscando aumentar o intervalo entre doses para próximo de 72 horas. *Tratamento de no mínimo 45 dias para se obter o efeito desejado. E pode associar ao uso de cetoconazol (5mg/kg : BID) para redução da dose (Marsella e Olivry, 2001; Olivry et al, 2002; Steffan et al, 2004); **A cada 15 dias deve-se ajustar a dose, buscando aumentar o intervalo entre doses, até que se obtenha o maior intervalo possível. A dose de 0,5mg/kg a cada 72 horas é considerada segura para o paciente, não causando problemas iatrogênicos futuros. **Muitos pacientes necessitarão de tratamento ad eternum, e estes devem ser acompanhados por exames laboratoriais (hemograma, urinálise, função hepática e renal, glicemia, triglicérides e colesterol) a cada 3 meses para avaliar alterações precoces e descontinuar a terapia em caso de mudanças importantes. -Administração de Inibidor da Fosfodiesterase: Pentoxifilina: 10 a 40 mg/kg SID a TID (dependendo do paciente e da gravidade da enfermidade) : VO *Não recomenda-se que seja administrada juntamente com alimentos; **A resposta terapêutica pode demorar entre 1 a 3 meses; ***Pentoxifilina é um fármaco de baixo custo e fácil acesso, com poucos efeitos colaterais, podendo ser administrado por longos períodos. -Administração de Prostaglandina Análoga: Misoprostol: 6mg/kg TID : VO *Efeitos adversos: vômito e diarréia; -Administração de Tracolimus (lactona macrolítica produzida pelo fungo Streptomyces tsubaensis com mecanismo de ação semelhante à ciclosporina (inibição da resposta dos linfócitos T à antígenos). Tracolimus 0,1% tópico (Protopic ) 9

10 -Fumarato de Cetotifeno: anti-histamínico com afinidade por receptores H 1 e inibe também leucotrienos. Eficácia não comprovada. -Acupuntura; 10

11 Referências Bibliográficas BICHARD, S. J., SHERDING R.G. Clínica de Pequenos Animais. 1ed. São Paulo: Roca, ETTINGER S. J. Tratado de Medicina Interna Veterinária. 3 ed. São Paulo: Manole, MARK P. G. Manual Saunders: Terapêutico Veterinário. 2. Ed. São Paulo: Editora MedVet, Dermatite Atópica Canina. ZANON J.P., GOMES L. A., CURY G. M., TELES T.C., BICALHO A.P. UEL, Uso da Ciclosporina na Terapia de Dermatite Atópica. LIMA M.V., LIMA E.R., RÊGO M.S., PEREIRA D.S., ARAÚJO I.R., LIRA C.C., FREITAS M.L., SILVA W.M., VASCONCELOS K.F.. UFRPE, MEDLEAU L., HNILICA K.A. Dermatologia de Pequenos Animais. 1 ed. São Paulo: Roca, WILKINSON G.T., HARVEY R.G. Dermatologia dos Pequenos Animais. 2 ed. São Paulo: Manole, Hill s Atlas of Veterinary Clinical Anatomy. Flea-Allergy Dermatitis. Veterinary Medicine Publishing Company, Inc, FARIAS, M.R. Dermatite Atópica Canina: da fisiopatologia ao tratamento. Revista Clínica Veterinária. v p. jul/ago NUTTAL, T. Abordagem da Dermatite Atópica. Veterinary Focus. v. 18, Disponível em Dermatite Atópica Canina. ZANON J.P, GOMES L.A., CURY G.M, TELES T.C., BICALHO A.P. Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 4, p , out./dez ACUPUNCTURA NO TRATAMENTO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA. SABRINA GOLTSMAN TEIXEIRA. Acupuntura no Tratamento da Dermatite Atópica Canina Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária: Dissertação de Mestrado, 2011, Lisboa. 11

12 12

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf PÓS GRADUAÇÃO - LATO SENSU Público Alvo: Médicos Veterinários 33 alunos 4 gauchos 3 paranaenses 1 potiguar 1 goiana 1 carioca Diferencial Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO

DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO DERMATITE POR MALASSEZIA SP. EM UM CÃO RELACIONADA COM O ESTRESSE: RELATO DE CASO FERREIRA, Manoela Maria Gomes AVANTE, Michelle Lopes ROSA, Bruna Regina Teixeira da MARTIN, Irana Silva FILHO, Darcio Zangirolami

Leia mais

CRISLEY DUTRA MACHADO PRISCILA SOARES ATOPIA CANINA REVISÃO DE LITERATURA

CRISLEY DUTRA MACHADO PRISCILA SOARES ATOPIA CANINA REVISÃO DE LITERATURA CRISLEY DUTRA MACHADO PRISCILA SOARES ATOPIA CANINA REVISÃO DE LITERATURA Florianópolis 2008 CRISLEY DUTRA MACHADO PRISCILA SOARES ATOPIA CANINA REVISÃO DE LITERATURA Trabalho monográfico de conclusão

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE]

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE] D [DERMATOFITOSE] 2 A Dermatofitose é uma micose que acomete as camadas superficiais da pele e é causada pelos fungos dermatófitos: Microsporum canis, Microsporum gypseum e Trichophyton mentagrophytes.

Leia mais

Dermatite atópica canina. Canine atopic dermatitis

Dermatite atópica canina. Canine atopic dermatitis Dermatite atópica canina Canine atopic dermatitis Jakeline Paola Zanon 1 ; Lucas Alécio Gomes 2 *; Gabrielle M. Marques Cury 3 ; Thalita da Costa Teles 4 ; Adriane Pimenta da Costa Val Bicalho 5 Resumo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PRINCIPAIS EM CÃES

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PRINCIPAIS EM CÃES DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PRINCIPAIS EM CÃES 1. INTRODUÇÃO Prurido é a sensação desagradável, que manifesta no paciente o desejo de se coçar. Seguramente é o sintoma mais importante da dermatologia veterinária,

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Introdução. Comum Primária ou secundária Identificar causa base

Introdução. Comum Primária ou secundária Identificar causa base Piodermite Canina Introdução Comum Primária ou secundária Identificar causa base Bactérias residentes Etiopatogenese Staphylococcus pseudintermedius Não são particularmente virulentos. Necessário distúrbio

Leia mais

FÓRUM VET. Julho 2014 Nº 4 HYPOALLERGENIC

FÓRUM VET. Julho 2014 Nº 4 HYPOALLERGENIC FÓRUM VET Julho 2014 Nº 4 Avaliação do uso de dieta comercial com proteína hidrolizada em animais com dermatopatia alérgica Equilíbrio Hypoallergenic - Total Alimentos HA HYPOALLERGENIC Informativo técnico

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA. Giovanna Bini Guidolin DERMATITE ATÓPICA CANINA

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA. Giovanna Bini Guidolin DERMATITE ATÓPICA CANINA FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Giovanna Bini Guidolin DERMATITE ATÓPICA CANINA SÃO PAULO 2009 Giovanna Bini Guidolin DERMATITE ATÓPICA

Leia mais

Problemas primaveris: as alergias

Problemas primaveris: as alergias Espécies 2 Abr 2007 Xeon 24/04/07 18:09 Page 18 18 Problemas primaveris: as alergias Pilar Brazis Glòria Pol Anna Puigdemont UNIVET Serviço de Diagnóstico Veterinário Edificio M. Medicina Parque Científico

Leia mais

IV Encontro de Formação OMV Lisboa, 2013

IV Encontro de Formação OMV Lisboa, 2013 Ana Margarida Oliveira, MV, MsC, Dip ECVD IV Encontro de Formação OMV Lisboa, 2013 1 Dermatite por Malassezia no cão: etiologia; patogenia; apresentação clínica; diagnóstico; tratamento; prognóstico. 2

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Os cuidados com a aparência física e a busca incessante pelo ideal de beleza levam as pessoas a se submeterem aos mais variados tratamentos estéticos

Leia mais

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g LOCERYL cloridrato de amorolfina CREME 2,5mg/g 1 LOCERYL cloridrato de amorolfina APRESENTAÇÕES: Creme contendo amorolfina 2,5mg/g (na forma de cloridrato de amorolfina), apresentado em bisnaga de alumínio

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Advantan aceponato de metilprednisolona. Informação importante! Leia com atenção! Forma farmacêutica: loção

Advantan aceponato de metilprednisolona. Informação importante! Leia com atenção! Forma farmacêutica: loção Advantan aceponato de metilprednisolona Informação importante! Leia com atenção! Forma farmacêutica: loção Apresentações: Cartucho contendo bisnaga com 20 g (50 g). Uso Adulto e Pediátrico Composição:

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais

Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais versão 2014 Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais >>01 Índice 03........... Solução para Limpeza de Ouvido em Cães 03............................... A Orelha do Cão 04.................................

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÃO OMCILON-A ORABASE é apresentado em bisnaga contendo 10 g. USO ORAL TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de OMCILON-A ORABASE contém 1mg de triancinolona acetonida. Ingredientes inativos:

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA OTITE EXTERNA LINZMEIER, Geise Lissiane ENDO, Rosilaine Mieko ge_linzmeier@hotmail.com Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária e zootecnia da FAMED LOT, Rômulo Francis Estangari e-mail: romulovet@yahoo.com.br

Leia mais

Guia terapêutico. 1. Alergias. das doenças pruríticas da pele e responsivas a Omnicutis. Dermatite por Alergia à Picada da Pulga.

Guia terapêutico. 1. Alergias. das doenças pruríticas da pele e responsivas a Omnicutis. Dermatite por Alergia à Picada da Pulga. Guia terapêutico 1. Alergias das doenças pruríticas da pele e responsivas a Omnicutis Dermatite por Alergia à Picada da Pulga Dermatite por alergia à saliva da pulga. Comum em cães e gatos. 1. Área afectada

Leia mais

ONCILEG - A triancinolona acetonida

ONCILEG - A triancinolona acetonida ONCILEG - A triancinolona acetonida Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Pasta 1,0mg/ g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ONCILEG - A triancinolona acetonida APRESENTAÇÕES: ONCILEG - A é apresentado

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5%

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% Esmalte Terapêutico para Unhas LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: esmalte terapêutico em frascos com 2,5 ml. A embalagem do produto contém: 1 frasco de vidro âmbar contendo

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

Eczema Resumo de diretriz NHG M37 (maio 2014)

Eczema Resumo de diretriz NHG M37 (maio 2014) Resumo de diretriz NHG M37 (maio 2014) Dirven-Meijer PC, De Kock CA, Nonneman MGM, Van Sleeuwen D, De Witt-de Jong AWF, Burgers JS, Opstelten W, De Vries CJH traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina Creme - Uso tópico APRESENTAÇÃO THIABENA CREME: caixa contendo bisnaga com 15 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Tiabendazol... 10 mg Sulfato de neomicina...

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

Vitacid tretinoína CREME 0,05% GEL 0,025% Uso adulto Uso externo

Vitacid tretinoína CREME 0,05% GEL 0,025% Uso adulto Uso externo Vitacid tretinoína CREME 0,05% GEL 0,025% Uso adulto Uso externo FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Gel 0,025% e Creme dermatológico 0,05%. Gel e Creme: bisnaga com 25g. COMPOSIÇÃO: Cada grama de VITACID

Leia mais

ABC. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Creme dermatológico clotrimazol 10mg/g

ABC. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Creme dermatológico clotrimazol 10mg/g ABC Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Creme dermatológico clotrimazol 10mg/g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ABC clotrimazol APRESENTAÇÃO Creme dermatológico contendo 10 mg de clotrimazol em cada grama

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

Bactroban. mupirocina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Bactroban. mupirocina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Bactroban mupirocina I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Pomada a 2% (20 mg/g) para uso tópico. Embalagem contendo tubo de 15g.

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém: eritromicina base... 20 mg excipiente q.s.p... 1 g

Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém: eritromicina base... 20 mg excipiente q.s.p... 1 g Ilosone Gel Tópico eritromicina Forma farmacêutica e apresentação Gel Tópico: Cartucho com 1 bisnaga contendo 60 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO EXTERNO Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém:

Leia mais

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Oncicrem

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Formas farmacêuticas: creme dermatológico, loção dermatológica, pó dermatológico.

Tralen 1% tioconazol. Formas farmacêuticas: creme dermatológico, loção dermatológica, pó dermatológico. Tralen 1% tioconazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol Formas farmacêuticas: creme dermatológico, loção dermatológica, pó dermatológico. Via de administração:

Leia mais

Urolitíase - Estruvita

Urolitíase - Estruvita V e t e r i n a r i a n D o c s Urolitíase - Estruvita Definição Urolitíase é definida como a formação de uma ou mais concreções policristalinas no interior do trato urinário, sendo os urólitos de estruvita

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA

MODELO DE TEXTO DE BULA MODELO DE TEXTO DE BULA Azelan ácido azeláico Forma Farmacêutica: Gel Via de administração: Uso tópico (não oftálmico) Apresentação: Cartucho com bisnaga de 15 g (10 e 30g) Uso Adulto Composição: Cada

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÕES OMCILON-A M (triancinolona acetonida + sulfato de neomicina + gramicidina + nistatina) pomada é apresentado em embalagens contendo 1 tubo com 30 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)...

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)... Betnovate Q valerato de betametasona + clioquinol Creme dermatológico FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. COMPOSIÇÃO: Betnovate

Leia mais

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 1 - Graduanda em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário de Rio Preto UNIRP

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Dermatologia

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Dermatologia V e t e r i n a r i a n D o c s Dermatologia Dermatopatias Fúngicas Micoses superficiais -Dermatofitoses; -Malassezioses; Micoses subcutâneas: -Esporotricose; -Feoifomicose; Micoses sistêmicas: Introdução

Leia mais

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5%

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Creme: apresentado em bisnagas com 25 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E EM PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS. Cada g de creme contém: Peróxido de Benzoíla... 50 mg Enxofre...

Leia mais

FRADEMICINA cloridrato de lincomicina

FRADEMICINA cloridrato de lincomicina FRADEMICINA cloridrato de lincomicina I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Frademicina Nome genérico: cloridrato de lincomicina APRESENTAÇÕES Frademicina solução injetável de 300 mg (300 mg/ml)

Leia mais

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes Profissional de Saúde Perguntas Frequentes Índice Qual o objetivo deste livreto? O que eu devo saber sobre ipilimumabe? O que eu devo saber sobre reações adversas importantes? O que eu devo discutir com

Leia mais

A LINHA COMPLETA DE PRODUTOS ESPECÍFICOS PARA O CUIDADO DA SUA PELE, UNHAS E LÁBIOS! S.O.S. PELE S.O.S. UNHAS S.O.S. LÁBIOS

A LINHA COMPLETA DE PRODUTOS ESPECÍFICOS PARA O CUIDADO DA SUA PELE, UNHAS E LÁBIOS! S.O.S. PELE S.O.S. UNHAS S.O.S. LÁBIOS A LINHA COMPLETA DE PRODUTOS ESPECÍFICOS PARA O CUIDADO DA SUA PELE, UNHAS E LÁBIOS! S.O.S. PELE S.O.S. UNHAS S.O.S. LÁBIOS PICADAS DE INSETOS? ERITEMA SOLAR? VERMELHIDÃO? A SOLUÇÃO ideal para a sua pele!

Leia mais

ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo. Galderma Brasil Ltda.

ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo. Galderma Brasil Ltda. ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo Galderma Brasil Ltda. Arcolan cetoconazol APRESENTAÇÕES: ARCOLAN shampoo (cetoconazol 20 mg/g). Embalagem contendo frasco com 100 ml. USO TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Reação adversa a Alimentos

Reação adversa a Alimentos 1 Márcio Echeverria Souza Reação adversa a Alimentos Relato de caso Porto Alegre/RS 2013 1 Márcio Echeverria Souza Reação adversa a Alimentos Relato de caso Monografia apresentada como requisito final

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

Viofórmio Hidrocortisona clioquinol + hidrocortisona

Viofórmio Hidrocortisona clioquinol + hidrocortisona Viofórmio Hidrocortisona clioquinol + hidrocortisona Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Creme dermatológico via tópica. Tubo contendo 20 gramas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol OCERAL nitrato de oxiconazol APRESENTAÇÕES Creme dermatológico contendo 11,47 mg de nitrato de oxiconazol

Leia mais

Dispensação de Medicamentos Utilizados no Tratamento da Micose Superficial

Dispensação de Medicamentos Utilizados no Tratamento da Micose Superficial Dispensação de Medicamentos Utilizados no Tratamento da Micose Superficial José Vanilton de Almeida. Farmacêutico da Orgânica Farmácia (Sorocaba-SP). Coordenador Depto Farmácia da SBD. Ministrante de cursos

Leia mais

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA As conjuntivites alérgicas em crianças apresentam-se habitualmente de forma grave, principalmente as do tipo primaveril. Há quatro formas de conjuntivite alérgica: Sazonal,

Leia mais

Área do Candidato: DERMATOLOGIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA Numero de Inscrição: Nome do Candidato: Assinatura do Candidato:

Área do Candidato: DERMATOLOGIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA Numero de Inscrição: Nome do Candidato: Assinatura do Candidato: 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Comissão de Residência Multiprofissional Instituto de Veterinária / Hospital Veterinário Programas de Residência

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida)

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução Oftálmica 20 mg/ml Ocupress cloridrato de dorzolamida Solução Oftálmica Estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

LINCOFLAN. Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML

LINCOFLAN. Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML LINCOFLAN Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML Lincoflan cloridrato de lincomicina APRESENTAÇÕES Solução injetável de 300 mg (300 mg/ml): embalagem contendo uma ampola com 1 ml.

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas.

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. Otociriax ciprofloxacino hidrocortisona Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO.

Leia mais

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA Medicamento X Data: 30/09/2013 Nota Técnica 238 2013 Solicitante: Juiz de Direito JOSÉ CARLOS DE MATOS Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.13.009927-2. Réu: Município de João Monlevade

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso

Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso Júllio da Costa Batista Parente I ; Bruna Pinto Coutinho II

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO.

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. Jyan Lucas Benevenute (PAIC- Fundação Araucária/UNICENTRO),

Leia mais

Nicotinamida. Identificação

Nicotinamida. Identificação Material Técnico Nicotinamida Identificação Fórmula Molecular: C 6 H 6 N 2 O Peso molecular: 122.1 DCB / DCI: 06346 - nicotinamida CAS: 98-92-0 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO tobramicina 3 mg/ml solução oftálmica estéril Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

BAYCUTEN N I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. clotrimazol acetato de dexametasona

BAYCUTEN N I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. clotrimazol acetato de dexametasona I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BAYCUTEN N clotrimazol acetato de dexametasona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO TÓPICO Baycuten N é apresentado em bisnagas contendo 20, 30

Leia mais

Agentes Virais de Cães e Gatos

Agentes Virais de Cães e Gatos V e t e r i n a r i a n D o c s Agentes Virais de Cães e Gatos Cinomose Etiologia Vírus da família Paramyxoviridae, subfamília Paramyxovirinae e gênero Morbilivirus; -Características: -Vírus grande; -RNA;

Leia mais

Feldene piroxicam. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Feldene Nome genérico: piroxicam

Feldene piroxicam. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Feldene Nome genérico: piroxicam Feldene piroxicam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Feldene Nome genérico: piroxicam APRESENTAÇÕES: Feldene gel 0,5% em embalagens contendo 1 bisnaga com 30 g. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO

Leia mais

CIÊNCIA PARA CÃES TRATAMENTO ADJUNTIVO

CIÊNCIA PARA CÃES TRATAMENTO ADJUNTIVO CIÊNCIA PARA CÃES Richard G. Harvey - BVSc, PhD., DVD, DipECVD, CBiol, MIBiol, MRCVS Godiva Referrals, Coventry, Inglaterra, Reino Unido Peter Markwell - BSc., BvetMed., MRCVS Waltham Centre for Pet Nutrition,

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

ÓLEO DE CHIA REGISTRO:

ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Ficha técnica ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0100.001-9 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171286926 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Embalagem de lata metálica

Leia mais

CASO CLINICO DERMATOLOGIA HOMEOPATIA

CASO CLINICO DERMATOLOGIA HOMEOPATIA CASO CLINICO DERMATOLOGIA HOMEOPATIA Dra. Carla P. Zarur RESUMO Relato de um caso de dermatose em paciente do sexo masculino, 54 anos, tratado com sucesso por meio da homeopatia, após falha de diferentes

Leia mais

delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS

delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS delicatto CATÁLOGO DE PRODUTOS Fundada em 2009, a DELICATTO é composta por uma equipe de profissionais especializados em formulações cosméticas veterinárias com atuação na área de desenvolvimento de fórmulas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nizoral shampoo cetoconazol IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Shampoo em embalagem com frasco de 100 ml de shampoo USO TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÂO Cada grama contém 20 mg

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

Barreira Cutânea Junções

Barreira Cutânea Junções Estrutura da Pele Barreira Cutânea da Pele Manifestações Alérgicas na Pele Substâncias Alergênicas Importância das Bases Biocompatíveis Dra Loraine Landgraf Médica Especialista em Alergia e Imunologia

Leia mais

ARIMIDEX anastrozol. Tratamento do câncer de mama avançado em mulheres na pós-menopausa.

ARIMIDEX anastrozol. Tratamento do câncer de mama avançado em mulheres na pós-menopausa. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ARIMIDEX anastrozol APRESENTAÇÕES ARIMIDEX anastrozol Comprimidos revestidos de 1 mg em embalagens com 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

Os Principais Distúrbios Imuno-Alergológicos em Animais de Companhia

Os Principais Distúrbios Imuno-Alergológicos em Animais de Companhia Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior Agrária Os Principais Distúrbios Imuno-Alergológicos em Animais de Companhia Trabalho Final de Curso Enfermagem Veterinária Mauro Gomes Matias Viseu,

Leia mais