FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A EDIFICAÇÕES COM MEDIÇÃO AGRUPADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A EDIFICAÇÕES COM MEDIÇÃO AGRUPADA"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO OBJETIVO AMPLITUDE RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO CONCEITUAÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS PROCEDIMENTOS REFERÊNCIAS VIGÊNCIA APROVAÇÃO ANEXOS ANEXO 01 TABELAS...24 ANEXO 02 EXEMPLOS DE MEDIÇÕES AGRUPADAS...35 ANEXO 03 - MEDIÇÃO AGRUPADA TIPO A...37 ANEXO 04 - MEDIÇÃO AGRUPADA TIPO B...44 ANEXO 05 - MEDIÇÃO AGRUPADA TIPO C ANEXO 06 - MEDIÇÃO AGRUPADA TIPO D ANEXO 07 - MEDIÇÃO AGRUPADA TIPO E...69 ANEXO 08 AFASTAMENTOS PADRONIZADOS...73 ANEXO 09 CAIXA DE ATERRAMENTO...76 ANEXO 10 FORMAS DE ATENDIMENTO...78 ANEXO 11 CONTEÚDO DOS PROJETOS...83 ANEXO 12 LIGAÇÕES INTERNAS...85 ANEXO 13 CAIXA DE DERIVAÇÃO COM DISJUNTOR E BARRAMENTO...93 ANEXO 14 ARMÁRIO PARA MEDIÇÃO AGRUPADA ANEXO 15 EXEMPLOS DE CÁLCULO DE CARGA INSTALADA E DEMANDA EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 0 PÁGINA: 1/106 1

2 APRESENTAÇÃO A presente norma estabelece condições técnicas mínimas exigidas para as entradas de serviço das instalações consumidoras com medição agrupada. Qualquer e todo caso não previsto por esta norma deverá ser submetido previamente à apreciação da REDE/CELTINS. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 2/101

3 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo determinar critérios, fornecer instruções e estabelecer diretrizes técnicas a serem obedecidas no fornecimento de energia elétrica, em tensão secundária de distribuição, a edificações com medição agrupada, atendidas com padrões de entrada até a categoria T4, dentro da área de concessão da REDE/CELTINS 2. AMPLITUDE Esta Norma aplica-se tanto a instalações novas, como a reformas e ampliações das instalações existentes, ainda que provisórias, quer sejam publicas ou particulares. Trata-se aqui do agrupamento de medições que possam ser atendidas por padrões de qualquer uma das categorias monofásicas, bifásicas e trifásicas. Estas recomendações não acarretam qualquer responsabilidade da REDE/CELTINS com relação à qualidade de materiais, à proteção contra riscos e danos à propriedade, à segurança e a serviços de terceiros. 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO Todas as Agências, seccionais, distritos e Regionais da REDE - CELTINS. 4. CONCEITUAÇÃO 4.1. Consumidor Entende-se por consumidor a pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar à REDE/CELTINS o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos contratos de fornecimento, de uso e de conexão ou de adesão, conforme cada caso Edificação com medição agrupada Edificação que possua mais de uma unidade consumidora num mesmo terreno, que disponha de área de utilização comum, sem utilização de energia e que a medição de energia elétrica esteja agrupada num único local Edificação com medição agrupada Tipo A Edificação com medidores instalados em caixas de medição individuais, agrupadas em 1 arranjo, com no máximo 6 condutores, sendo 5 fases mais 1 neutro comum. Ver Anexos 03, 04, 05, 06 e Edificação com medição agrupada Tipo B Edificação com medidores instalados em caixas de medição individuais, agrupadas em 2 arranjos, cada arranjo com no máximo 6 condutores, sendo 5 fases mais 1 neutro comum. Ver Anexo Edificação com medição agrupada Tipo C Edificação com medidores instalados em caixas de medição individuais, agrupadas em 3, 4, 5 ou 6 arranjos, cada arranjo com no máximo 6 condutores, sendo 5 fases mais 1 neutro comum. Ver Anexo Edificação com medição agrupada do Tipos D Edificação que possua medição agrupada com os medidores alojados em caixa de medição do tipo CPREDE instalada no poste particular da edificação ou no poste da rede de distribuição. Ver Anexo Edificação com medição agrupada do Tipos E Edificação que possua medição agrupada com os medidores instalados em armário de medição contendo disjuntor geral, barramento e compartimentos individuais para os medidores. Ver Anexo Arranjo Grupo de caixas de medição individuais dispostas uma ao lado da outra, combinadas de tal forma que se possa ligar unidades consumidoras que no total requeiram, no máximo, 5 condutores fase e 1 neutro comum. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 3/101

4 4.9. Unidade consumidora Instalação de um único consumidor, caracterizada pela entrega de energia elétrica em um só ponto, com medição individualizada Tensão de atendimento Tensão nominal na qual operam os cabos de interligação da REDE/CELTINS na via publica com a edificação de uso coletivo ou a medição agrupada Tensão de fornecimento Tensão nominal do sistema em que são instalados os equipamentos de medição das unidades de consumo Ponto de entrega Ponto de conexão do sistema elétrico da CELTINS com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento. Ver anexos 03, 04, 05, 06 e Via pública É a parte da superfície que se destina à circulação pública. Deve ser designada e reconhecida oficialmente por nome ou número, de acordo com a legislação em vigor Limite de propriedade São as demarcações que separam a propriedade do consumidor da via pública e dos terrenos adjacentes de propriedade de terceiros, no alinhamento designado pelos poderes públicos Ramal de ligação Conjunto de condutores e acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede da CELTINS e o ponto de entrega Ramal de entrada Conjunto de condutores e acessórios que interliga o ponto de entrega ao ponto de proteção, medição ou transformação Alimentador do QGD Conjunto de condutores e acessórios que interliga a caixa seccionadora ao QGD Alimentador dos centros de medição Conjunto de condutores e acessórios que interliga o QGD e o centro de medição Centro de medição Local onde são instalados os medidores de energia, bem como os equipamentos de proteção de cada unidade consumidora Padrão de entrada Instalação de responsabilidade e propriedade do consumidor, composta de condutores, eletrodutos, dispositivos de proteção, caixa e acessórios montados de forma padronizada para instalação da medição Poste particular Poste situado na propriedade do consumidor com a finalidade de ancorar, elevar ou desviar o ramal de ligação aéreo e instalar o ramal de entrada Pontalete Suporte instalado na edificação do consumidor com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 4/101

5 4.23. Caixa para medição individual Caixa destinada à instalação de medidores de energia e seus acessórios, podendo ter instalado também, o dispositivo de proteção. Detalhes construtivos e informações sobre estas caixas estão contidos na Norma Técnica da CELTINS ETD Caixa para medição tipo CPREDE Caixa para medição individual ou múltipla para alojar medidores de energia elétrica e seus acessórios, instalada no poste da rede de distribuição ou no poste do padrão de entrada da edificação Caixa de derivação Caixa dotada de barramento e com local para instalar o disjuntor de proteção geral, destinada a possibilitar a derivação dos condutores para as caixas de medição que compõe os arranjos de medição Caixa de proteção Caixa destinada à instalação de dispositivo de proteção (disjuntor) e seus acessórios Armário de medição Armário dotado de compartimentos individuais para instalação de medidores, disjuntor de proteção geral e barramentos para derivações, utilizado em entradas de serviço de edificações com medição agrupada Caixa de passagem Caixa destinada a passagem dos condutores antes da medição. Caso os condutores sejam em B.T., as caixas terão a tampa selada Caixa para TC Caixa destinada a instalação de transformador de corrente Caixa seccionadora Caixa onde se aloja o equipamento de proteção geral da instalação Caixa ou quadro de distribuição geral (CDG ou QDG) Caixa destinada a instalação dos equipamentos de proteção dos condutores que alimentam o(s) centro(s) de medição Centro de Distribuição Constituído em caixa metálica composto de barramento de cobre, disjuntor geral e disjuntor parciais em número igual ao de circuitos de saída Sistema de aterramento Conjunto de todos os condutores e acessórios com os quais e constituído um aterramento num dado Local Carga instalada Soma das potências nominais dos equipamentos e iluminação (em KW) de uma unidade consumidora que, após concluídos os trabalhos de instalação, estão em condições de entrar em funcionamento Demanda máxima É a máxima potência elétrica (em KVA) solicitada por uma unidade consumidora durante um período de tempo especificado Demanda prevista Valor estimado de utilização da carga instalada, calculado para o dimensionamento da instalação elétrica e sua EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 5/101

6 proteção Prumada Conjunto de eletrodutos e condutores que fazem a ligação entre os centros de medição ou centro de proteção e o quadro geral de cada unidade consumidora em uma edificação de uso coletivo Área de uso Comum Área coberta ou descoberta, destinada a permanência de pessoas ou objetos, com finalidade de lazer, reuniões ou destinadas a serviços que atendam a mais de uma unidade consumidora Subestação Parte das instalações elétricas da unidade consumidora atendida em tensão primária de distribuição que agrupa os equipamentos, condutores e acessórios destinados à proteção, medição, manobra e transformação de grandezas elétricas Entrada de serviço Condutores, equipamentos e acessórios compreendidos entre o ponto de derivação da rede de distribuição da REDE/CELTINS e a proteção geral ou transformação, inclusive Tensão secundária de distribuição Tensão disponibilizada no sistema elétrico da REDE/CELTINS com valores padronizados inferiores a 2,3 KV Tensão primária de distribuição Tensão disponibilizada no sistema elétrico da REDE/CELTINS com valores padronizados iguais ou superiores a 2,3 KV. 5. INSTRUÇÕES GERAIS 5.1. FORNECIMENTO Esta Norma poderá, a qualquer tempo, ser modificada parcial ou totalmente, por razões de ordem técnica ou legal, motivo pelo qual os interessados deverão, periodicamente, consultar a CELTINS quanto a eventuais alterações Geral a) Toda edificação (abrangida por esta norma ) será atendida através de uma única entrada de serviço e um só ponto de entrega, a partir da rede de distribuição aérea, quando satisfizer as seguintes exigências: não existir na edificação, unidade consumidora com carga instalada superior a 75 KW; cada unidade consumidora dentro da edificação, for caracterizada, de forma individual e independente, como por exemplo, o sistema de prevenção e combate a incêndios, as lojas, os escritórios e apartamentos; ramal de ligação poderá ser em alta ou baixa tensão, dependendo da demanda da edificação, porém os ramais de entrada das unidades consumidoras da edificação serão em baixa tensão; b) Se na edificação uma ou mais unidades consumidoras apresentarem potência instalada superior a 75 KW, essas serão atendidas em tensão primária de distribuição. c) As unidades com potência instalada superior a 75 KW, como citado no item anterior, poderão ser atendidas em tensão secundária de distribuição, conforme previsto no inciso I do art. 7.º da Resolução 456 da ANEEL, desde que haja uma solicitação formal à REDE/CELTINS para tal Tensões de fornecimento 0 fornecimento de energia às edificações que se enquadram nesta Norma, será feito na tensão secundária de distribuição (440/220V ou 380/220V) disponível e padronizada na localidade onde se situa a edificação, para unidades consumidoras com carga instalada menor ou igual a 75 KW. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 6/101

7 Limites de fornecimento Os limites para o fornecimento a medições agrupadas, bem como o dimensionamento da proteção, ramal de ligação, ramal de entrada e demais componentes da entrada de serviço, para as diversas situações de agrupamento de medições, deverão estar de acordo com o estabelecido nas tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamento de medição, mostrados nos Anexos 03, 04, 05, 06 e Entrada de serviço Execução da entrada de serviço a) A execução da entrada de serviço incluindo o poste (quando houver posto de transformação), equipamentos, ramal de ligação e caixa de medição no poste, ficará a cargo da REDE/CELTINS, observados os limites da participação financeira previsto na legislação específica. b) A instalação dos materiais que compõem o Padrão de Entrada, bem como as obras civis necessárias a sua construção, deverão ser executadas pelos consumidores Conservação da entrada de serviço a) Todos os consumidores da edificação serão obrigados a manter em bom estado de conservação os componentes da entrada de serviço a partir do ponto de entrega. b) Caso seja constatada qualquer deficiência técnica ou de segurança o consumidor será notificado das irregularidades existentes, devendo providenciar os reparos necessários dentro de prazo prefixado pela REDE/CELTINS. c) 0s consumidores serão responsáveis pelos danos eventuais causados aos materiais e equipamentos de propriedade da REDE/CELTINS, instalados dentro dos seus limites de propriedade Acesso aos componentes da entrada de serviço a) Os consumidores deverão permitir, em qualquer tempo, o livre acesso dos representantes da REDE/CELTINS, devidamente credenciados, a todas as instalações elétricas, inclusive as de sua propriedade, e lhes fornecer os dados e informações solicitados, pertinentes ao funcionamento dos equipamentos e instalações gerais. b) Aos consumidores será permitido o acesso aos dispositivos de acionamento dos equipamentos de proteção, para seu religamento por ocasião de possíveis desarmes, ou substituição por falha do dispositivo Geração própria a) Não será permitido paralelismo de geradores de propriedade do consumidor com o sistema elétrico da REDE/CELTINS. b) Para evitar tal paralelismo, nos projetos das instalações elétricas de unidades consumidoras contendo geradores, como no caso de hospitais, deve constar a instalação de uma chave reversível de acionamento manual ou elétrico, com intertravamento mecânico, separando os circuitos dos geradores particulares da rede de distribuição da CELTINS: c) O dispositivo acima citado deve ser previamente aprovado pela REDE/CELTINS e a critério da mesma ser lacrado quando da ligação da edificação, sendo que o consumidor só terá acesso ao dispositivo de acionamento do mesmo; d) No caso de haver paralelismo temporário, a filosofia e o projeto devem ser previamente aprovados pela REDE/CELTINS. e) No caso de circuitos de emergência, supridos pelos geradores particulares, esses devem ser instalados independentemente dos demais circuitos, em eletrodutos exclusivos passíveis de serem vistoriados pela REDE/CELTINS. f) É vedada qualquer interligação dos circuitos de emergência com a rede da CELTINS. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 7/101

8 Aumento de carga a) É vedado às unidades consumidoras da edificação qualquer aumento de carga além do limite correspondente ao tipo de fornecimento a que se enquadram, sem prévia autorização da REDE/CELTINS. b) Em caso de inobservância por parte dos consumidores do disposto neste subitem, a REDE/CELTINS ficará desobrigada de garantir a qualidade e a continuidade do fornecimento à edificação Condições não permitidas As seguintes situações não são permitidas, sob pena de corte do fornecimento de energia: a) interligação entre instalações elétricas de unidades consumidoras, mesmo que o fornecimento seja gratuito; b) interferência de pessoas não credenciadas pela REDE/CELTINS nos seus equipamentos de medição, inclusive violação de lacres. c) Instalação de condutor conduzindo energia não medida nos mesmos eletrodutos contendo condutores conduzindo energia já medida. d) Ligação de cargas com potência nominal acima dos limites estabelecidos para o tipo de fornecimento da unidade consumidora. e) Medição única a mais de uma unidade consumidora, ou mais de uma medição em uma única unidade consumidora Ramal de ligação Condições gerais a) Sua instalação será efetuada exclusivamente pela REDE/CELTINS. b) Não deverá cortar terrenos de terceiros e/ou passar sobre área construída. c) Deverá entrar, pela frente da unidade consumidora tendo seu percurso livre de qualquer obstáculo. d) Não cruzar com condutores de ligações de edificações vizinhas. e) Respeitar, incondicionalmente, as posturas municipais, estaduais e federais, especialmente quando atravessar vias públicas. f) Ter comprimento máximo de 40m. g) Os condutores deverão ser instalados de forma a permitir as distâncias mínimas, medidas na vertical, entre o condutor inferior e o solo, previstas no Anexo 12 e descritos a seguir: Ruas,(mesmo particulares)e outros locais com trânsito de veículos - 5,50m. Entrada de garagem e outros locais onde houver passagem restrita de veículos - 4,50m. Locais com circulação exclusiva de pedestres - 3,50m. h) Nos casos em que haja grande dificuldade ou impossibilidade da construção de um ramal de ligação aéreo, ou ainda por solicitação do consumidor, o atendimento poderá ser feito através de ramal subterrâneo, conforme prescrito nesta norma Condutores a) Os condutores do ramal de ligação serão fornecidos pela REDE/CELTINS e serão de um dos seguintes tipos: Singelos de cobre, isolamento em PVC para 750 V; Multiplexados de alumínio, com isolação das fases em XLPE 06/1 KV; b) A seção dos condutores está determinada nas tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamento de medições, mostrados nos Anexos 03, 04, 05, 06 e 07; c) Não serão permitidas emendas nos condutores; d) Os valores das flechas deverão ser compatíveis com as alturas mínimas mostradas nos desenhos constantes EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 8/101

9 do Anexo 08, relativo aos afastamentos padronizados Ramal de entrada embutido ou aparente Condutores a) Sua instalação será efetuada pelo consumidor; b) fornecimento dos condutores e demais acessórios será de responsabilidade do consumidor; c) Para orientação sobre o ramal de entrada, observar os desenhos contidos nos Anexos 03, 04, 05, 06 e 07; d) Os condutores do ramal de entrada serão unipolares de cobre, com isolamento termoplástico ou termofixo para 450/750 volts (70ºC), e instalados em eletrodutos; e) A seção dos condutores será determinada pelas tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamentos de medições, mostrados nos Anexos 03, 04, 05, 06 e 07; f) condutor neutro deverá também ser isolado, ser perfeitamente identificado ( cor diferente das fases) e contínuo, sendo nele vedado o uso de disjuntor; os condutores das fases deverão possuir cores diferentes entre si e entre estas e o neutro; g) Não serão permitidas emendas nos condutores; h) Os condutores do ramal de entrada deverão ter comprimento adequado, a fim de permitir a conexão com o ramal de ligação; i) As conexões do ramal de entrada com o ramal de ligação deverão ser executadas por funcionários da REDE/CELTINS através de conectores apropriados, do tipo cunha Eletrodutos a) O eletroduto do ramal de entrada embutidos deve ser de ferro galvanizado pelo processo de imersão a quente em zinco fundido de acordo com NBR 5597 e NBR 5598, do tipo pesado, sem costuras ou amassaduras. Para instalações aparentes poderá ser utilizado PVC rígido, classe A ou B, de acordo com a NBR b) Diâmetro interno dos eletrodutos está mostrado nas tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamento de medições, mostrados no anexo 03 c) As emendas nos eletrodutos deverão ser evitadas, tolerando-se as que forem feitas com luvas perfeitamente encaixadas. d) Na extremidade superior do eletrodutos devem ser instalados cabeçotes ou curvas de 135º dotadas de bucha de forma a permitir que se faça a pingadeira ; e) A extremidade do eletrodutos não deverá ser submetida a qualquer esforço devido ao ramal de ligação; f) A instalação dos eletrodutos poderá ser embutida ou sobreposta, devendo, neste último caso, serem firmemente fixados por fitas, braçadeiras galvanizadas ou arame galvanizado (12BWG); e) Não serão permitidas emendas nos eletrodutos, em trechos de passagem entre o forro e o telhado; f) Os eletrodutos deverão ser firmemente atarraxados à caixa de medição por meio de bucha e contrabucha de alumínio ou galvanizada; i) Deverão ser tomadas providências para evitar a entrada de água dentro das caixas de medição. A vedação deverá ser obtida utilizando massa de calafetar (3M ou similar), sendo proibido o uso de massa para fixar vidros (massa para vidraceiro) Poste particular a) Os postes particulares, para fixação do ramal de ligação, poderão ser de concreto, madeira-de-lei ou ferro galvanizado, devendo apresentarem as características especificadas nas tabelas 12, 13 ou 14 do anexo 01; os postes de madeira de lei só são aceitos nos casos excepcionais contidos na NTD 01; b) Os postes deverão ser engastados com as seguintes profundidades: Poste de 7 metros engastamento de 1,3 metros Poste de 5 metros engastamento de 1,1 metros EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 9/101

10 Ramal de entrada subterrâneo Condições gerais a) Sua instalação será efetuada pelo consumidor; b) Sua ligação será feita exclusivamente pela REDE/CELTINS; c) fornecimento dos condutores e demais acessórios será de responsabilidade do consumidor; d) Não deverá cortar terrenos de terceiros e/ou passar sob área construída; e) Deverá entrar pela frente da construção; f) Respeitar, incondicionalmente, as posturas municipais, estaduais e federais, especialmente quando atravessar leitos de vias públicas. g) Ter comprimento máximo de 40m, admitindo-se uma queda de tensão máxima de 2%. h) Ser apresentado, obrigatoriamente, o projeto com todo o conteúdo constante no Anexo 11, independente da classe de consumo Condutores a) Deverá ser constituído de cabos unipolares, de cobre, dotados de isolação (06/1 KV) e cobertura (dupla camada) próprios para instalação subterrânea sujeita à umidade; b) A seção dos cabos deverá estar de acordo com as tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamento de medições, mostrados no Anexos 03, 04, 05, 06 e 07; c) Não serão permitidas emendas nos condutores; d) Na caixa de passagem junto ao poste da rede distribuição, deverá ser deixada uma sobra de 2m de cabos. e) Na confecção do pingadouro, deverá ser deixada uma sobra de 2m de cabos na curva ou cabeçote. f) Nos casos onde houver pingadouro (de entrada ou saída) de mais de um ramal, os condutores devem identificar as unidades consumidoras, afim de facilitar as conexões nas caixas de medição ou proteção Caixas de passagem a) Deverão ser construídas pelo consumidor e em locais de fácil acesso; b) As tampas deverão conter o nome da CELTINS e deverão ser dimensionadas para suportar o peso de veículos ou pessoas conforme a localização da caixa; c) Devem destinar-se exclusivamente para passagem de condutores de energia; d) Serão instaladas com afastamento de 50 cm do poste, e em todos os pontos de mudança de direção das canalizações subterrâneas; e) As caixas deverão ser de concreto ou alvenaria, apresentar sistema de drenagem e tampa de concreto armado com duas alças retrateis, ou de ferro fundido; f) Deverão apresentar dimensões internas convenientes e construídas conforme os padrões adotados pela REDE/CELTINS, conforme mostrado no Anexo Eletrodutos aparente a) Na descida até a caixa de passagem, estes deverão ser de ferro galvanizado pelo processo de imersão a quente em zinco fundido de acordo com NBR 5597 e NBR 5598, do tipo pesado, até uma altura mínima de 5 m, sem costuras ou amassaduras, e com seção conforme indicado nas tabelas contidas nos desenhos ilustrativos das diversas situações de agrupamento de medições, mostrados nos Anexos 03, 04, 05, 06 e 07; b) Deverá ser firmemente fixado por meio de fitas e/ou braçadeiras de aço galvanizado e ter uma curva de até 135 graus ou cabeçotes na sua extremidade superior; EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 10/101

11 c) Deverão ser instaladas buchas ou dispositivos adequados para proteção dos condutores Eletrodutos subterrâneo a) Em todos os casos, os cabos deverão ser instalados em eletrodutos de diâmetro interno adequado (ver Anexos 03, 04, 05, 06 e 07), desde a caixa de passagem até o centro de medição. b) Os eletrodutos deverão ser de PVC, protegidos por envelope de concreto e instalados a uma profundidade mínima de 50cm; c) Em toda a sua extensão, os eletrodutos deverão ser lançados em linha reta, sempre que for possível, apresentando declive em um único sentido. 6. PROCEDIMENTOS 6.1. Projeto elétrico das instalações A ligação da edificação será precedida da aprovação do projeto elétrico no tocante à entrada de energia. Os projetos deverão ser apresentados nos formatos estabelecidos por norma da ABNT (NBR 5984), em três vias, devendo apresentar o conteúdo indicado no Anexo 11 que dependerá do tipo de medição agrupada 6.2. Análise do projeto Quando o projeto for analisado, a Empresa enviará correspondência ao interessado, comunicando-lhe a conformidade e devolvendo no mínimo uma via do projeto, constando do carimbo liberado para construção e devidamente assinada pelo responsável pela análise Validade do projeto Caso o empreendimento não tenha sido concluído após 1 ano da data de análise do projeto, a REDE/CELTINS deverá ser consultada sobre a validade desta análise, ressalvadas as alterações de normas Localização da medição a) Quando a edificação tiver mais de 16 unidades consumidoras, a medição será feita através de medidores instalados em caixas de medição individuais conforme mostrado nos desenhos ilustrativos referentes às Medições Agrupadas dos Tipos A, B ou C, contidos nos Anexos 03, 04 ou 05, ou então através de medidores instalados em armário(s) de medição conforme previsto no Anexo 07. (ver armário de medição no Anexo 14) b) Quando a edificação tiver até 16 unidades consumidoras, a medição poderá ser feita com medidores instalados em caixas de medição individuais (Medições Agrupadas dos Tipos A, B, C, D ou E) ou em caixas do Tipo CPREDE (Medição do Tipo E ). Ver Anexos 03, 04, 05, 06 e Formas de atendimento a) atendimento às edificações com medição agrupada será sempre feito observando-se os limites de participação financeira previstos na legislação específica do setor. b) As edificações com demanda total igual ou inferior a 50 KVA, em principio, serão atendidas através de ramal derivado diretamente da rede secundária de distribuição. Caso não haja rede secundária no local, ou a rede de distribuição existente precisar de adequações para absorver a nova carga, o atendimento poderá ser feito através de posto de transformação exclusivo para a edificação, instalado pela REDE/CELTINS, desde que isto se constitua na melhor alternativa para o atendimento. O posto de transformação será instalado como mostrado nos desenhos ilustrativos do anexo 10. c) As edificações com demanda total entre 50 e 165 KVA para a tensão de 380/220 V, serão atendidas através de posto de transformação para uso exclusivo da edificação, instalado pela REDE/CELTINS, conforme mostrado nos desenhos ilustrativos do Anexo 10. d) As edificações com demanda superior a 165 KVA com tensão de 380/220 V, serão tratadas como casos especiais e o atendimento será definido mediante uma avaliação prévia conjunta entre a REDE/CELTINS e os interessados. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 11/101

12 Obs. Se por razões de estética for exigido o atendimento através de ramal de entrada subterrâneo a partir do poste da REDE/CELTINS, o ônus adicional decorrente da instalação deste ramal, bem como a obtenção da autorização do Poder Público para a execução de obras no passeio e/ou na via pública correrá por conta dos interessados, sendo o ponto de entrega localizado na conexão do ramal de entrada com a rede secundária ou na bucha secundária do transformador Identificação das unidades consumidoras Nas medições agrupadas, os medidores, os dispositivos de proteção e a fiação deverão ser identificados com as respectivas unidades consumidoras. As caixas dos medidores deverão ter marcação externamente na tampa e internamente na chapa lateral à direita de quem olha para o medidor. As letras, sempre maiúsculas e os números deverão ter 30 ± 5 milímetros de altura e deverão ser pintados utilizando moldes e nunca a mão livre. As bordas superiores das letras e números pintados externamente deverão ficar 50 ± 5 milímetros abaixo do visor existente na tampa Quedas de tensão admissíveis A queda de tensão entre a origem de uma instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores a seguir, dados em relação ao valor da tensão nominal da instalação (NBR 5410/1997). A alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição pública de baixa tensão. B alimentadas diretamente por subestação de transformação ou transformador, a partir de uma instalação de alta tensão. = 4% = 7% C que possuam fonte própria. = 7% 6.8. Aterramento a) Nas entradas de serviço de medições agrupadas com mais de 6 (seis) unidades consumidoras, o aterramento deve ser executado através de uma malha de terra composta por um número mínimo de 6 (seis) hastes. b) Nas entradas de serviço de medições agrupadas com até 6 (seis) unidades consumidoras, o aterramento deve ser executado através de uma malha de terra composta por um número de hastes igual ao número de unidades consumidoras. c) Devem ser aterradas as caixas de medição, quadros de medição e proteção, caixas de derivação e quaisquer outras partes metálicas normalmente desenergizadas da entrada de serviço. d) As instalações internas da edificação tais como quadros de distribuição e demais componentes metálicos, devem ser aterrados através do condutor neutro ou de condutor de proteção conectado ao sistema de aterramento geral da edificação. e) Para o dimensionamento dos condutores para aterramento devem ser observadas as seções mínimas recomendadas pela NBR 5410/97. f) Os condutores de aterramento deverão ser contínuos, isto é, não devem ter em série nenhuma parte metálica da instalação. g) Os eletrodos (hastes) de aterramento deverão ser especificados e dimensionados de acordo com o quadro a seguir: Forma Material Dimensões Perfilado em forma Cantoneira Ferro ou Aço Zincado a quente 25 x 25 x 5 mm x 2.400mm Haste Circular Aço Cobreado 15,8(5/8 ) mm x 2.400mm h) As hastes da malha de terra deverão estar distanciadas uma da outra, de no mínimo, 2, 4 metros, e interligadas entre si por um condutor de mesmo tipo e seção que o condutor de aterramento. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 12/101

13 i) A REDE/CELTINS, inspecionará o aterramento para verificar se foram atendidas as condições acima Proteção contra subtensão a) Não será permitido a utilização, por consumidores, de relê instantâneo de subtensão, mesmo na baixa tensão, considerando ser impossível, para a REDE/CELTINS, evitar desligamentos indevidos dos mesmos. Para proteção contra falta de fase, deverão ser utilizados, preferencialmente, relês de subtensão temporizados ou relês supervisórios de tensão temporizados. b) Exceção: consumidores que possuam equipamentos em suas instalações cujas características próprias não admitam religamento, poderão utilizar relês de subtensão instantâneos ou temporizados, dependendo de suas necessidades. Nesses casos sua localização deverá ser, preferencialmente, junto a esses equipamentos e seu ajuste deverá ser feito em função das necessidades do equipamento protegido Proteção contra sobrecorrentes a) Quando os medidores forem instalados em caixas de medição individuais conforme mostrado nos desenhos ilustrativos referentes à Medição Agrupada do Tipo A, contidos no anexo.03, a proteção das instalações deverá ser feita através de disjuntores individuais para cada unidade consumidora, instalados no compartimento de proteção das respectivas caixas de medição e dimensionados de acordo com as tabelas contidas nos próprios desenhos ilustrativos. b) Quando os medidores forem instalados em caixas de medição individuais conforme mostrado nos desenhos ilustrativos referentes à Medição Agrupada dos Tipos B ou C, contidos no Anexos 04 e 05,a proteção geral das instalações deverá ser feita através de disjuntor geral instalado na caixa de derivação. A proteção de cada unidade consumidora deverá ser feita por disjuntores individuais instalados no compartimento de proteção das respectivas caixas de medição e dimensionados de acordo com as tabelas contidas nos próprios desenhos ilustrativos. O dimensionamento do disjuntor geral e dos disjuntores individuais devem ser dimensionados de acordo com as tabelas contidas nos próprios desenhos ilustrativos. c) Quando os medidores forem instalados em caixas Tipo CPREDE conforme mostrado nos desenhos ilustrativos referentes às Medições Agrupadas do Tipos D, contidos no Anexos 06, a proteção das instalações deverá ser feita através de disjuntores individuais para cada unidade consumidora, instalados num quadro de proteção geral e dimensionados de acordo com as tabelas contidas nos próprios desenhos ilustrativos Quadro de proteção geral a) Quando os medidores forem instalados nas caixas de medição do Tipo CPREDE, como é o caso das medições agrupadas do Tipo D mostradas no Anexo 06, deverá ser instalado um quadro de proteção para alojar os disjuntores para proteção individual de cada unidade consumidora. b) quadro de proteção poderá situar-se no interior da edificação ou fora dela em parede, muro ou mureta. Neste caso deverá ser prevista uma cobertura com inclinação de 5 %, para proteção contra chuva. c) Detalhes construtivos e informações sobre o quadro de proteção acima citado estão contidas na Norma Técnica da REDE-CELTINS NTD Quadro de distribuição O quadro de distribuição destina-se à instalação dos disjuntores para proteção dos circuitos internos das unidades consumidoras Medição de energia a) Os equipamentos de medição serão fornecidos, instalados e ligados pela REDE/CELTINS, após vistoria e aprovação das instalações da entrada de serviço de energia elétrica da edificação. b) Quando a medição for instalada nas caixas do Tipo CPREDE, estas também serão fornecidas e instaladas pela REDE/CELTINS. c) Quando a medição for instalada em caixas individuais, estas serão fornecidas pelos interessados. d) O local onde as caixas de medição individuais forem agrupadas (centro de medição) deverá ser dotado de iluminação e ventilação adequados, natural ou artificial. Deverá ser de fácil acesso e o trajeto não deverá EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 13/101

14 expor o leiturista a riscos de acidente. e) O agrupamento das caixas (centro de medição) poderá ser feito dentro da edificação ou fora dela em muro ou mureta, da forma mostrada nos Anexos 03, 04, 05, 06 e 07 respeitando-se os afastamentos previstos no anexo.04 f) No caso do agrupamento das medições em muro ou mureta, deverá ser previsto um teto de proteção com inclinação mínima de 5 %.para proteção contra a chuva Características dos centros de medição a) Os centros de medição serão feitos pelo agrupamento de diversas caixas de medição individuais uma ao lado da outra, formando arranjos com no máximo 6 condutores, sendo 5 fases e 1 neutro comum, ou então através de armário de medição conforme mostrado nos Anexos 07 e 14 b) Quando o centro de medição for formado pelo agrupamento de caixas de medição individuais e tiver mais de um arranjo, há a necessidade de se instalar uma caixa de derivação com disjuntor geral e barramento, como é o caso das medições agrupadas dos Tipos B, C e D mostrados nos Anexos 03, 04, 05 e 06. c) Não será permitido agrupar as medições em locais tais como: escadarias e rampas; dependências sanitárias, dormitórios e cozinhas; proximidade de maquinas, bombas, tanques, reservatórios, fogões e caldeiras; locais sujeitos a gases corrosivos ou combustíveis, inundações, poeira, trepidação, abalroamento de veículos; área entre prateleiras. d) Os medidores devem ser agrupados num único compartimento ou local, situando-se no pavimento térreo ou no primeiro subsolo. e) Quando qualquer dos consumidores individuais, tiver carga instalada superior a 75 KW seu atendimento será feito em média tensão. f) O fato de se ter construído o agrupamento de medições com previsão para medição polifásica não implica que o fornecimento seja a 3 ou 4 condutores. O tipo de fornecimento (mono, bi ou trifásico) será determinado pela carga a ser ligada Condução de Energia não Medida Os circuitos que conduzirem energia não medida devem obedecer aos seguintes requisitos: Quando forem instalados em eletrodutos (subterrâneos), devem ser envelopados em concreto. Quando instalados em eletrodutos externos, estes deverão ser localizados de modo a serem visíveis em toda sua extensão, permitindo que sejam inspecionados. As caixas de passagem deverão possuir dispositivos para selagem e serem instaladas em posição bem visível e de fácil inspeção Omissões Os casos omissos serão objetos de estudo e deliberação por parte da área de Normas Técnicas da Coordenação de Distribuição da REDE/CELTINS Calculo da carga instalada e demanda a) Para definição do tipo de fornecimento, deve-se levantar a carga instalada somando-se a potência em Watts dos aparelhos de iluminação, aquecimento, eletrodomésticos, refrigeração, motores, máquina e quaisquer outros aparelhos elétricos que possam ser ligados na unidade consumidora. b) Os aparelhos com previsão de serem adquiridos e instalados futuramente, podem também ser computados no EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 14/101

15 cálculo, a critério do consumidor, visando dimensionar a entrada de serviço já considerando o aumento de carga da unidade consumidora. c) Não é necessário considerar a potência dos aparelhos de reserva. d) Quando o consumidor não dispuser das potências de seus aparelhos, podem ser considerados os valores médios indicados nas Tabelas 3 e 4, do anexo 01 e) A REDE/CELTINS definirá o tipo de fornecimento de energia as unidades consumidoras, considerando as cargas instaladas. f) No Anexos 15 são mostrados alguns exemplos de levantamentos e cálculos de cargas instaladas e demanda provável Critérios para cálculo da demanda Critério da carga Instalada Este método leva em consideração a quantidade e tipo de carga da instalação, e a demanda é calculada pela expressão abaixo: É aplicável tanto para a demanda total de edificações, quanto para demanda de cada unidade. D = (a+b+c+d+e+f+g) onde: a = demanda referente a iluminação e tomadas (tabela 01), em KW. b = demanda referente aos aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento. Os fatores de demanda dados pela tabela 06 do anexo 01 devem ser aplicados separadamente, para a carga instalada dos seguintes grupos de aparelhos. b1 - chuveiros, torneiras e cafeteiras elétricas b2 = aquecedores de água por acumulação ou por passagem b3 = fornos, fogões e aparelhos tipo "Grill" b4 = máquina de lavar e secar roupas, máquinas de lavar louça e ferro b5 = demais aparelhos (TV, conjunto de som, ventilador, geladeira, freezer, torradeira, liqüidificador, batedeira, exaustor, ebulidor etc.) c = demanda dos aparelhos condicionadores de ar, dada pela tabela 03 e 07 do anexo 01. Para central de condicionamento de ar, considerar o fator de demanda igual a 100%. d = demanda relativa a motores elétricos (tabelas 08 e 09 do anexo 01). e = demanda de máquinas de solda a transformador, determinado por: 100% da potência do maior aparelho. 70% da potência do segundo maior aparelho. 40% da potência do terceiro maior aparelho e 30% da potência dos demais aparelhos. f = demanda dos aparelhos de raio X, determinado por: 100 % da potência do maior aparelho. 10 % da potência do segundo maior aparelho g = Moto-bomba de hidromassagem (tabela 05) Critério em função da área útil EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 15/101

16 Este método baseia-se na área útil das unidades consumidoras e é aplicável apenas a edificações residenciais. Aplica-se para o cálculo das demandas totais e parciais da edificação. Não se aplica às unidades individuais. Para o cálculo da demanda de cada unidade deve ser usado o critério da carga instalada. Observação Quando o critério da área útil resultar em dimensionamento do ramal de entrada/ligação e proteção geral da edificação inferior ou igual aos ramais e/ou proteção das unidades individuais, a demanda da edificação deverá ser determinada pelo critério da carga instalada D =(D1) x fs onde: D1 = demanda dos apartamentos fs = fator de segurança a ser aplicado a critério do projetista Os valores mínimos permitidos para o fator de segurança são estabelecidos de acordo com a demanda dos apartamentos (D1). Ver tabela abaixo: D1 (dem. dos aptos) D1 25kVA 25 KVA < D1 50kVA 50kVA < D1 100 KVA D1 > 100 KVA Fs mínimo 1,5 1,3 1,2 1,0 Demanda das unidades consumidoras (apartamentos ou residências) (D1) D1= S x f onde: S = demanda em KVA das unidades consumidoras, conforme tabela 10 anexo 01 f = fator para diversificação da demanda, conforme tabela 11- anexo 01 Para edificações cujos unidades consumidoras não tenham a mesma área, o critério poderá ser adotado determinando-se a área útil a ser aplicada na tabela 10 pela média ponderada das áreas envolvidas. Por exemplo, edificação com 5 unidades consumidoras com área útil de 100m 2 e 5 com área útil de 50m², deve ser tratado como uma edificação com 10 unidades de 75 m Demanda de edificações Residenciais A demanda total das edificações residenciais poderá ser calculada pelo método de cálculo de demanda em função da área útil descrito anteriormente Este método e mais aconselhável que o critério baseado na carga instalada, pois evita o super dimensionamento dos ramais de serviço e do transformador. A demanda individual das unidades consumidoras deverá ser calculada conforme o critério da carga instalada. Demanda de edificações com medição agrupada - não residenciais Deverá ser utilizado o critério da carga instalada tanto para o cálculo da demanda total da edificação, como para o cálculo das demandas de cada unidade consumidora (salas ou lojas) Demanda de edificações - mistas, residenciais e comerciais Para calcular a demanda total de edificações mistas (comercial e residencial), a parte comercial será tratada separadamente da residencial. Para a parte comercial deverá ser utilizado o critério da carga instalada e para a parte residencial poderá ser utilizado o critério em função da área útil. A demanda total será uma somatória destas duas demandas. No Anexo 15 são apresentados alguns exemplos de cálculos da demanda. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 16/101

17 NOTAS DIVERSAS a) O projeto, a especificação e a construção da instalação elétrica interna da unidade consumidora, devem obedecer as normas da ABNT, podendo a REDE-CELTINS fazer vistorias para verificar se os requisitos mínimos previstos nas normas foram atendidos. b) O fator de potência indutivo médio da instalação consumidora deverá ser o mais próximo possível da unidade, não podendo ser inferior a 0,92. c) Caso seja constatado por medição, por período mínimo de 7 dias consecutivos, fator de potência inferior a 0,92, a REDE-CELTINS notificará o consumidor quanto aos procedimentos a serem adotados conforme legislação vigente. Caberá ao consumidor tomar as providências para correção do fator de potência e informar à REDE- CELTINS sobre o término dos serviços. d) É proibido ao consumidor, sob quaisquer pretextos, estender sua instalação elétrica além dos limites de sua propriedade, e/ou interligá-la com outra(s) unidade(s) de consumo para o fornecimento de energia elétrica, ainda que gratuitamente. e) No caso do usuário modificar o dimensionamento original dos condutores e/ou da proteção geral de suas instalações, sem prévia consulta e autorização da REDE-CELTINS, a ligação será considerada irregular, eximindo-se a REDE-CELTINS de qualquer responsabilidade que disso possa advir. f) A partir do momento da ligação e enquanto estiver ligado, o padrão de entrada é de acesso privativo da REDE- CELTINS, sendo vedada qualquer interferência, de pessoas não credenciadas, aos condutores e acessórios de ligação, à rede de distribuição, medidores e equipamentos, assim como, aos selos, podendo somente haver acesso do consumidor ao disjuntor de proteção para seu religamento por ocasião de possíveis desarmes. g) A ligação da unidade consumidora à rede da REDE-CELTINS não implicará em responsabilidade da mesma sobre as condições técnicas das instalações internas do consumidor, após o ponto de entrega. h) A REDE-CELTINS poderá atender a unidades consumidoras com ligação bifásica ou trifásica, ainda que as mesmas não apresentem carga instalada suficiente para tanto, desde que o consumidor se responsabilize pelo pagamento da diferença de preço do medidor, pelos demais materiais e equipamentos de medição a serem instalados, bem como eventuais custos de adaptação da rede. i) O consumidor será responsável, na qualidade de depositário a título gratuito, pela custódia dos medidores, e outros aparelhos de propriedade da REDE-CELTINS, necessários à medição de energia. j) No caso de furto ou de danos de responsabilidade de terceiros, aos equipamentos mencionados acima, não se aplicarão as disposições pertinentes ao depósito. Presumir-se-á, no entanto, a responsabilidade do consumidor se, da violação de lacres ou de danos nestes equipamentos, decorrerem registros de consumos ou de demandas inferiores aos reais. k) O consumidor deverá conservar em bom estado os materiais e equipamentos da entrada de serviço. l) A REDE-CELTINS fará inspeções rotineiras nas instalações consumidoras, para verificar eventual existência de qualquer deficiência técnica ou de segurança. Caso afirmativo, a REDE-CELTINS notificará o consumidor, por escrito, das irregularidades constantes, fixando o prazo para a regularização. m) É obrigatória a utilização de dispositivos auxiliares para partida de motores trifásicos com potência superior a 5 CV. n) Nos dispositivos de partida de motores sob tensão reduzida, deve-se usar equipamentos adequados que desliguem quando faltar energia. o) Se o consumidor utilizar na unidade consumidora, à revelia da REDE-CELTINS, carga susceptível de provocar distúrbios ou danos no sistema elétrico de distribuição ou nas instalações e/ou equipamentos elétricos de outros consumidores, é facultado à REDE-CELTINS exigir desse consumidor o cumprimento das seguintes obrigações: A instalação de equipamentos corretivos na unidade consumidora, com prazos pactuados e/ou o pagamento do valor das obras necessárias no sistema elétrico da REDE-CELTINS, destinadas a correção dos efeitos desses distúrbios. Neste caso, a REDE-CELTINS é obrigada a comunicar ao consumidor, por escrito, as obras que realizará e o necessário prazo de conclusão, fornecendo, para tanto, o respectivo orçamento detalhado. EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 17/101

18 O ressarcimento à REDE-CELTINS de indenizações por danos acarretados a outros consumidores, que, comprovadamente, tenham decorrido do uso da carga provocadora das irregularidades. Neste caso, a REDE-CELTINS é obrigada a comunicar ao consumidor, por escrito, a ocorrência dos danos, bem como a comprovação das despesas incorridas, nos termos da legislação e regulamentos aplicáveis. Não se aplica a esta norma. REFERÊNCIAS EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 18/101

19 ANEXO 01 TABELAS EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 19/101

20 FATORES DE DEMANDA PARA ILUMINAÇÃO E TOMADAS DE USO GERAL Tabela 01 DESCRIÇÃO FATOR DE DEMANDA (%) Auditórios, salões p/exposições e semelhantes 100 Bancos, lojas e semelhantes 100 Barbearias, salões de beleza e semelhantes 100 Clubes e semelhantes 100 Escolas e semelhantes 100 para os primeiros 12 KW 50 para os que exceder de 12kW Escritórios 100 para os primeiros 20 KW 70 para o que exceder de 20 KW Garagens comerciais e semelhantes 100 Hospitais e semelhantes 40 para os primeiros 50 KW 20 para o que exceder de 50 KW 50 para os primeiros 20 KW Hotéis e semelhantes 40 para os seguintes 80 KW 30 para o que exceder de 100 KW Igrejas e semelhantes 100 Oficinas e Indústrias 100 para os primeiros 20 KW 80 para o que exceder de 20 KW Restaurantes e semelhantes 100 NOTAS: É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e tomada feita pelo consumidor atenda as prescrições da NBR Para lâmpadas incandescentes e halógenas, considerar kva=kw (fator de potência unitária). Para lâmpadas de descarga (fluorescente, vapor de mercúrio/sódio metálico) considerar kva=kw/0,92. Tomadas específicas (aparelhos especiais) devem ser consideradas a parte, utilizando outros fatores de demanda. Para lâmpadas fluorescentes compactas considerar KVA = kw/0,55 EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 20/101

21 FATORES DE DEMANDA PARA ILUMINAÇÃO E TOMADAS DE USO GERAL Tabela 02 C.I. F.D C.I. F.D Unidades consumidoras residenciais 0<P(KW) 1 (86) 1<P(KW) 2 (81) 2<P(KW) 3 (76) 3<P(KW) 4 (72) 4<P(KW) 5 (68) 5<P(KW) 6 (64) 6<P(KW) 7 (60) 7<P(KW) 8 (57) 8<P(KW) 9 (54) 9<P(KW) 10 (52) CI>10 (45) NOTAS: É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e tomada feita pelo consumidor atenda as prescrições da NBR Para lâmpadas incandescentes e halógenas, considerar kva=kw (fator de potência unitária). Para lâmpadas de descarga (fluorescente, vapor de mercúrio/sódio metálico) considerar kva=kw/0,92. Tomadas específicas (aparelhos especiais) devem ser consideradas a parte, utilizando outros fatores de demanda. Para lâmpadas fluorescentes compactas considerar KVA = kw/0,55 POTÊNCIAS NOMINAIS DE CONDICIONADORES DE AR TIPO JANELA Tabela 03 CAPACIDADE POTÊNCIA NOMINAL NOTAS: BTU/h kcal/h W VA Valores válidos para os aparelhos até BTU/h, ligados em 127 V ou 220 V e para os aparelhos a partir de BTU/h ligados em 220 V. Quando a capacidade do sistema de refrigeração estiver indicado em TR (Tonelada de Refrigeração) considerar o seguinte: sistemas de até 50 TR em uma unidade: 1,8 KVA/TR sistemas acima de 50 TR com mais de uma unidade: 2,3 KVA/TR sistemas acima de 100 TR: 2,8 KVA/TR sistemas até 50 TR em várias unidades pequenas (10 TR) distribuídas: 1 KVA/TR Fonte: Recommended Practice for Eletric Power Systems in Commercial Building - IEEE EMISSÃO: Set/2002 REVISÃO: 1 PAGINA: 21/101

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DONOR - NTE 008 2ª Edição DPE/PPE 19/06/07 2 de 21 APRESENTAÇÃO Esta

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ - CEA NORMAS TÉCNICAS DE DISTRIBUIÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ - CEA NORMAS TÉCNICAS DE DISTRIBUIÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ - CEA NORMAS TÉCNICAS DE DISTRIBUIÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NTD - 01 MAIO/2OO1 ÍNDICE CAPÍTULO TÍTULO PÁG. 1. GERAL INTRODUÇÃO 1

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA.

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA. NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA. NTD - 01 JULHO/2OO7 Tipo de Documento: Técnica de Distribuição Titulo do Documento: NTD01 Tensão secundária ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com Padrão de Entrada Professor Cristiano prof.arbex@gmail.com Introdução O objetivo deste material é orientar os projetistas no que se refere ao projeto e dimensionamento do padrão de entrada, de acordo com

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

NTE - 007 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 007 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORA TÉCNICA NTE - 007 FORNECIENTO DE ENERGIA ELÉTRICA E TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de distribuição aérea Edificações de uso coletivo Cuiabá ato Grosso - Brasil SUÁRIO Página 1. OBJETIVOS...3 2. CAPO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD- 01

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD- 01 APRESENTAÇÃO Página 1. OBJETIVO...3/68 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...3/68 3. NORMAS COMPLEMENTARES...3/68 4. TERMINOLOGIA...3/68 5. FORNECIMENTO...5/68 5.1. Aspectos Gerais...5/68 5.2. Tensões e Sistemas de

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão ITA 001 Rev.3 Dezembro/2009 Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ CEP 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 a 6 1. OBJETIVO Definir as especificações necessárias para instalação de padrão de entrada em baixa tensão para atendimento a núcleos habitacionais. 2. APLICAÇÃO Instalação de padrão de entrada em tensão

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas ND-5.2 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA DPSC/NT 03

NORMA TÉCNICA DPSC/NT 03 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES DIVISÃO DE MEDIÇÃO NORMA TÉCNICA DPSC/NT 03 Fornecimento de Energia Elétrica à Edifícios de Uso Coletivo NOTA IMPORTANTE: Esta norma foi

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2 TÍ TU L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R2 DATA DATA DA VIGÊNCIA 25/11/2013 ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 01 03 CONCEITOS BÁSICOS... 02 04 PROCEDIMENTOS... 04 05 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS ATÉ 3 UNIDADES CONSUMIDORAS APROVAÇÃO Júlio César Ragone Lopes Diretor

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO

ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO Manutenção da T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO CÓDIGO APROVAÇÃO DATA DA Nº DATA R2 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 Manutenção da CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis

Leia mais

NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA COMERCIAL GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇAO DE ENERGIA MANUAL DE GESTÃO EMPRESARIAL NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Revisão nº 2 Outubro / 2008 MANUAL

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

Norma Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a Edificações Individuais ÍNDICE. Página

Norma Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a Edificações Individuais ÍNDICE. Página Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a Edificações Individuais Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código Edição Data SM04.14-01.001 6ª Folha

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A AGRUPAMENTOS OU EDIFICAÇÃO

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 001

NORMA TÉCNICA NTC 001 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 001 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2008 Versão: 01/2015 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NC 01.2

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NC 01.2 NC 01.2 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA 2 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NC 01.2 NC 01.2 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA 3 Apresentação

Leia mais