502 Técnico em Farmácia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "502 Técnico em Farmácia"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Edital 310/ PROGEPE Anos Prova Objetiva - 04/12/ Técnico em Farmácia INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar a resolução das questões, confira a numeração de todas as páginas. 3. Esta prova é constituída de 40 questões objetivas. 4. Nesta prova, as questões objetivas são de múltipla escolha, com 5 alternativas cada uma, sempre na sequência a, b, c, d, e, das quais somente uma deve ser assinalada. 5. A interpretação das questões é parte do processo de avaliação, não sendo permitidas perguntas aos aplicadores de prova. 6. Ao receber o cartão-resposta, examine-o e verifique se o nome impresso nele corresponde ao seu. Caso haja qualquer irregularidade, comunique-a imediatamente ao aplicador de prova. 7. O cartão-resposta deverá ser preenchido com caneta esferográfica preta, tendo-se o cuidado de não ultrapassar o limite do espaço para cada marcação. 8. Não serão permitidas consultas, empréstimos e comunicação entre os candidatos, tampouco o uso de livros, apontamentos e equipamentos eletrônicos ou não, inclusive relógio. O não cumprimento dessas exigências implicará a eliminação do candidato. 9. Os aparelhos celulares deverão ser desligados e colocados OBRIGATORIAMENTE no saco plástico. Caso essa exigência seja descumprida, o candidato será excluído do concurso. 10. O tempo de resolução das questões, incluindo o tempo para preenchimento do cartãoresposta, é de 4 horas. 11. Ao concluir a prova, permaneça em seu lugar e comunique ao aplicador de prova. Aguarde autorização para entregar o caderno de prova, o cartão-resposta e a ficha de identificação. 12. Se desejar, anote as respostas no quadro abaixo, recorte na linha indicada e leve-o consigo. Português Legislação Conhecimento Específico DURAÇÃO DESTA PROVA: 4 horas INSCRIÇÃO TURMA NOME DO CANDIDATO ASSINATURA DO CANDIDATO... RESPOSTAS

2 2

3 3 PORTUGUÊS Considere o seguinte fragmento de texto e tome-o como referência para responder as questões de 01 a Já se disse, numa expressão feliz, que a contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade daremos ao mundo o homem cordial. A lhaneza no trato, a hospitalidade, a generosidade, virtudes tão gabadas por estrangeiros que nos visitam, representam, com efeito, um traço definido do caráter brasileiro (...). Seria engano supor que essas virtudes possam significar boas maneiras, civilidade. São antes de tudo expressões legítimas de um fundo emotivo extremamente rico e transbordante. Na civilidade, há qualquer coisa de coercitivo ela pode exprimir-se em mandamentos e sentenças. (...) Nenhum povo está mais distante dessa noção ritualista da vida do que o brasileiro. Nossa forma ordinária de convívio social é, no fundo, justamente o contrário da polidez. Ela pode iludir na aparência (...). Além disso, a polidez é, de algum modo, organização de defesa ante a sociedade. Detém-se na parte exterior, epidérmica do indivíduo, podendo mesmo servir, quando necessário, de peça de resistência. Equivale a um disfarce que permitirá a cada qual preservar intatas sua sensibilidade e suas emoções. Por meio de semelhante padronização das formas exteriores da cordialidade, que não precisam ser legítimas para se manifestarem, revela-se um decisivo triunfo do espírito sobre a vida. Armado dessa máscara, o indivíduo consegue manter sua supremacia ante o social. E, efetivamente, a polidez implica uma presença contínua e soberana do indivíduo. (...) No domínio da linguística, para citar um exemplo, esse modo de ser parece refletir-se em nosso pendor acentuado para o emprego dos diminutivos. A terminação inho, aposta às palavras, serve para nos familiarizar mais com as pessoas ou os objetos e, ao mesmo tempo, para lhes dar relevo. É a maneira de fazê-los mais acessíveis aos sentidos e também de aproximá-los do coração. Sabemos como é frequente, entre portugueses, o zombarem de certos abusos desse nosso apego aos diminutivos, abusos tão ridículos para eles quanto o é para nós, muitas, vezes, a pieguice lusitana, lacrimosa e amarga. (Extraído de O homem cordial, de Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora, 11ª. edição, 1977.) 01 - Para o autor, o caráter cordial do brasileiro funda-se: a) na manutenção do sentimentalismo português. b) na falta de polidez típica dos brasileiros. c) na imitação dos estrangeiros que visitam o país. d) na forte emotividade que caracteriza o povo brasileiro. e) na padronização das formas exteriores da cordialidade Afirmar que Por meio de semelhante padronização das formas exteriores da cordialidade, que não precisam ser legítimas para se manifestarem, revela-se um decisivo triunfo do espírito sobre a vida é o mesmo que afirmar: a) Todas as formas de cordialidade são legítimas. b) A polidez é uma máscara que permite ao indivíduo manter o domínio racional frente à sociedade. c) A padronização das formas exteriores da cordialidade se revela na lhaneza (amabilidade) no trato. d) As formas exteriores de cordialidade são indícios de sinceridade. e) Não existem formas de cordialidade legítimas Segundo o texto, identifique as afirmativas a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A cordialidade brasileira é identificada com a polidez e a civilidade europeias. ( ) A polidez determina a presença consciente do indivíduo nas interações sociais. ( ) Os brasileiros muitas vezes consideram a pieguice lusitana ridícula. ( ) O uso do diminutivo é parte da padronização das formas exteriores de cordialidade, que torna objetos e pessoas mais próximos e íntimos. a) F V V F. b) V F F F. c) F F V V. d) V V F V. e) V F V F. **04 - A respeito dos pronomes grifados que aparecem no último parágrafo transcrito do texto acima, considere as seguintes afirmativas: 1. Em... para lhes dar relevo (linha 15), a referência do pronome grifado é apenas as pessoas. 2. Em... maneira de fazê-los mais acessíveis... (linha 15), a referência do pronome grifado é as pessoas ou os objetos. 3. Em... de aproximá-los do coração (linha 15), a referência do pronome grifado é as pessoas ou os objetos. 4. Em... quanto o é para nós... (linha 17), o pronome grifado deve ser interpretado como tão ridículo. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 4 é verdadeira. b) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. ** Questão com resposta alterada.

4 O sonho de voar nasce com o primeiro homem, assim como a ambição da arte, sendo ambos (o voo e a criação) projetos surgidos da insatisfação inerente à raça humana, do desejo de ir além de nosso pequeno destino. (Zeca Baleiro, ISTOÉ, 14/10/2011) Considere as seguintes afirmativas sobre a declaração acima: 1. Os parênteses são usados para inserir uma informação necessária ao entendimento da palavra ambos, a qual poderia ser interpretada de forma diferente sem esse esclarecimento. 2. O trecho inicial da frase poderia ser reescrito, de forma correta e sem prejuízo do sentido, como Tanto o sonho de voar quanto a ambição da arte nascem com o primeiro homem. 3. A expressão assim como poderia ser substituída por porquanto, sem alterar o sentido da frase. 4. A expressão do desejo de ir além de nosso pequeno destino é usada para explicar o sentido do trecho anterior e poderia ser introduzida por isto é, sem prejuízo do sentido. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. b) Somente a afirmativa 4 é verdadeira. c) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. O texto a seguir é referência para as questões de 06 a 10. Praticamente, nove em cada dez jovens que namoram praticam ou sofrem variadas formas de violência. Para marcar território, casais jovens recorrem à violência para controlar seus parceiros, e a agressão virou sinônimo de domínio nas relações amorosas desses adolescentes. Creio que a violência vem se tornando uma forma de comunicação entre muitos jovens, que alternam os papéis de vítima e autor, de acordo com o momento e o meio em que vivem. Esses atos estão se banalizando a ponto de serem incorporados naturalmente na convivência, sem reflexão alguma sobre o que isso pode significar para a vida afetiva/sexual, observa a coordenadora da pesquisa Violência entre namorados adolescentes, Kathie Njaine, da UFSC. [ ] O projeto reuniu um grupo de 11 pesquisadores de diversas universidades para investigar a violência nas relações afetivo-sexuais de ficar ou namorar entre jovens de 15 a 19 anos de idade, a partir de um universo de 3,2 mil estudantes de escolas públicas e privadas de 10 capitais brasileiras. [ ] Curiosamente, na opinião de 22% dos jovens de ambos os sexos, a violência é o principal problema no mundo de hoje, bem à frente da fome, da pobreza e da miséria. Quem disse que coerência é o forte dos jovens? 06 - Considere as seguintes afirmativas: 1. As aspas foram utilizadas no texto com o mesmo propósito. 2. A primeira ocorrência das aspas marca outra voz no discurso. 3. A segunda ocorrência das aspas marca ironia. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. b) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. c) Somente as afirmativas 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras No texto, o termo ficar significa: a) um tipo de relação afetivo-sexual. b) que a relação dos jovens hoje é mais duradoura. c) que a relação supõe um compromisso mais estável. d) um tipo de relação que inclui o namoro. e) um ato de rebeldia contra o casamento. (Adaptado de Tempos de cólera no amor, Pesquisa Fapesp,188, p. 91.) 08 - Na opinião da coordenadora da pesquisa, a violência entre os jovens nas relações amorosas é: a) uma manifestação gratuita e imotivada. b) uma estratégia de comunicação e contato. c) um comportamento adquirido pelo exemplo familiar. d) o resultado de maus tratos na família. e) um mecanismo de autoproteção e defesa De acordo com o texto, assinale a alternativa INCORRETA. a) A maioria dos jovens entre 15 e 19 anos que namora pratica ou sofre violência nas relações afetivas. b) Aproximadamente a quinta parte dos jovens entrevistados aponta a violência como o principal problema do mundo hoje. c) A coordenadora da pesquisa afirma que a violência entre os jovens pode não ter consequências afetivas, porque se tornou banal. d) A violência é utilizada pelos jovens entrevistados como uma forma de marcar o poder na relação entre parceiros. e) Os jovens entrevistados que ficam ou namoram, em relação à violência, desempenham ambos os papéis: autor e vítima.

5 O termo curiosamente, no último parágrafo, expressa: a) a curiosidade da autora da pesquisa sobre o comportamento da juventude. b) a curiosidade do autor do texto sobre o comportamento dos jovens. c) a indignação da pesquisadora frente ao comportamento incoerente dos jovens. d) a surpresa do autor do texto frente ao comportamento contraditório dos jovens. e) o assombro dos jovens frente aos problemas da sociedade moderna. LEGISLAÇÃO 11 - Gratificações, retribuições e adicionais podem ser percebidos pelos servidores públicos civis da União, de acordo com o Estatuto dos Servidores, Lei 8.112/1990. Sobre essas espécies remuneratórias, assinale a alternativa correta. a) A gratificação natalina corresponde a 1/3 (um terço) da remuneração a que o servidor fizer jus no mês de dezembro, por mês de exercício no respectivo ano. b) Caso o servidor seja exonerado no decorrer do ano, antes do mês de dezembro, não fará jus ao recebimento da gratificação natalina. c) Adicionais de insalubridade não são direitos dos servidores públicos civis da União. d) Independentemente de solicitação, será pago ao servidor, por ocasião das férias, um adicional correspondente a 1/3 (um terço) da remuneração do período de férias. e) Servidores públicos não possuem direito a adicional noturno Segundo a Lei 8.112/1990, a demissão será aplicada nos seguintes casos: 1. Crime contra a administração pública. 2. Abandono de cargo. 3. Improbidade administrativa. 4. Insubordinação grave em serviço. Estão corretos os itens: a) 2 e 4 apenas. b) 1 e 2 apenas. c) 1, 3 e 4 apenas. d) 2, 3 e 4 apenas. e) 1, 2, 3 e Sobre o acesso a cargos, empregos e funções públicas na administração pública, assinale a alternativa correta. a) Somente brasileiros natos podem ser investidos em cargo público. b) A aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos é condição para investidura em qualquer cargo público. c) É garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical. d) A reserva de cargos e empregos públicos para pessoas portadoras de deficiência é inconstitucional, pois viola o princípio da igualdade. e) Conforme a Constituição Federal de 1988, servidores públicos civis não possuem direito a greve José, que não possui diploma de curso superior, é servidor público civil da União e servidor público civil do Estado do Paraná. Ambos os cargos são técnicos e administrativos. Sobre esse e outros possíveis casos de acumulação de cargos no serviço público, identifique as afirmativas a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A acumulação é legítima. ( ) A acumulação viola a Constituição Federal. ( ) A acumulação é possível somente se houver compatibilidade de horários. ( ) A Constituição Federal proíbe qualquer forma de acumulação. a) V F F V. b) V F V F. c) V V V F. d) F V F V. e) F V F F A Constituição Federal de 1988 enumera princípios da Administração Pública, no art. 37, caput. Quais são eles? a) Legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. b) Legalidade, pessoalidade, rapidez e eficiência. c) Constitucionalidade, impessoalidade, publicidade e rapidez. d) Constitucionalidade, pessoalidade, honestidade e planejamento. e) Legalidade, rapidez, continuidade do serviço público, eficiência e honestidade.

6 Jorge é servidor público civil da União, efetivo e estável. Após processo administrativo disciplinar, foi demitido devido à prática de atos inapropriados. Procura um advogado, que impetra mandado de segurança em face da autoridade que praticara o ato demissório, alegando que no processo administrativo disciplinar não se garantiu o contraditório e a ampla defesa. Ao final do processo judicial, a decisão determina reinvestidura do servidor ao serviço público, pois ficou constatada a ilegalidade de sua demissão. Nessa situação, a reinvestidura do servidor chama-se, conforme a Lei 8.112/1990: a) recondução. b) reintegração. c) recontratação. d) remoção. e) redistribuição O servidor público civil da União: a) responde civil e administrativamente pelos atos que pratica, não sendo penalmente responsável. b) não responde civilmente pelos seus atos, cuja responsabilidade é imputada ao estado que ele serve. c) responde civil, penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições. d) responde administrativamente pelo exercício irregular se suas atribuições, mas não civil e penalmente. e) responde apenas criminalmente pelos atos que pratica Conforme a Lei 8.666/1993, a licitação destina-se a: a) garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração. b) garantir a observância do princípio constitucional da rapidez e selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração. c) garantir a observância do princípio constitucional da vantagem e selecionar a proposta com menor custo para a Administração. d) garantir a observância do princípio constitucional da eficiência e selecionar a proposta mais vantajosa para o particular. e) garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e selecionar a proposta mais vantajosa para o particular Identifique como verdadeiro (V) aquilo que é proibido ao servidor público e como falso (F) o que não é. ( ) Promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição. ( ) Ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato. ( ) Requerer licença para atividade política. ( ) Valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública. a) F V V F. b) V V F V. c) V F F V. d) V F V F. e) F V F F José da Silva, que é profissional competente, após convite de João de Deus, servidor público civil da União, passou a ocupar cargo em comissão. Após 10 anos, João exonera José, sem processo administrativo, sendo a autoridade competente para a prática do ato. Acerca dessa situação, é correto afirmar: a) José poderá requerer sua reintegração e demonstrar a necessidade de processo administrativo, garantindo a ampla defesa. b) José não possui direitos, exceto indenização. c) José poderá requerer indenização, além de poder requerer sua reintegração judicialmente. d) O cargo que José ocupava era de livre exoneração. e) José será reintegrado se comprovar que sua atividade era imprescindível ao funcionamento do serviço público. CONHECIMENTO ESPECÍFICO 21 - Considerando os cuidados que devemos observar ao preparar e dispensar os medicamentos, é correto afirmar: a) A alteração da cor da solução de acetilcisteína para violeta-claro após a abertura não afeta sua eficácia ou segurança. b) As sobras dos frascos de albumina podem ser armazenadas, sob refrigeração, por até sete dias após sua abertura. c) As soluções de cefazolina podem ser administradas pelas vias endovenosa e intramuscular somente nos pacientes adultos. d) As doses de metronidazol de 500 mg devem ser administradas a cada quatro, seis ou oito horas, com equipo fotossensível. e) O relato de aparecimento de rash cutâneo e hipotensão arterial na administração da vancomicina está relacionado à qualidade do produto.

7 A distribuição racional de medicamentos consiste em assegurar os produtos requisitados pelos usuários na quantidade e especificação solicitadas, de forma segura e no prazo estabelecido, empregando métodos de melhor custo versus eficácia e custo versus eficiência. Com relação a esse assunto, considere os seguintes fatores: 1. Existência de padronização de medicamentos atualizada. 2. Gestão de estoques. 3. Supervisão técnica pelo profissional farmacêutico. 4. Características do hospital, como complexidade, tipo de edificação e fonte mantenedora. 5. Existência de controle de qualidade de produtos e processos. Interferem na implantação e/ou implementação de um sistema de distribuição de medicamentos os fatores: a) 1, 3 e 4 apenas. b) 2, 3 e 5 apenas. c) 1, 2, 3 e 4 apenas. d) 1, 2, 4 e 5 apenas. e) 1, 2, 3, 4 e A respeito de sistemas de distribuição de medicamentos, assinale a alternativa correta. a) O sistema de distribuição de medicamentos coletivo apresenta um baixo custo para a instituição, devido à redução do número de solicitações e devoluções de medicamentos à farmácia e pelo menor número de funcionários demandados. b) No sistema de distribuição individualizado, a distribuição dos medicamentos é baseada na transcrição da prescrição médica, sendo que a solicitação à farmácia é feita por uma unidade assistencial. c) No sistema de distribuição de medicamentos adotado por dose unitária, os medicamentos são separados por horário de administração e com algumas das formas farmacêuticas unitarizadas (geralmente os sólidos). d) O conceito de dose unitária é a distribuição ordenada dos medicamentos correspondente à dose padrão comercializada pelos laboratórios e fornecida em embalagens unitárias, por horários, a um determinado paciente, de acordo com a prescrição médica. e) São vantagens do sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária: redução da incidência de erros, diminuição dos estoques de medicamentos nas unidades assistenciais, apoio do pessoal da enfermagem, aumento de recursos humanos e de infraestrutura da farmácia hospitalar e melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente Relacione os tipos de sistemas de distribuição de medicamentos apresentados na coluna da esquerda às suas características, apresentadas na coluna da direita. 1. Combinado. 2. Por prescrição individualizada. 3. Coletivo. 4. Por dose unitária. ( ) Os medicamentos são distribuídos por unidade de internação a partir de uma solicitação da enfermagem. ( ) Um princípio básico é que haja a análise da prescrição médica, a elaboração do perfil farmacoterapêutico de cada paciente por parte do farmacêutico e o registro da administração por parte da enfermagem. ( ) A farmácia distribui alguns medicamentos mediante solicitação da unidade de internação e outros por cópia da prescrição médica. ( ) Há um consumo significativo de tempo da enfermagem em atividades relacionadas aos medicamentos nesse sistema. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) d) e) Comprimidos, cápsulas e soluções orais podem ser fracionados em doses personalizadas em hospitais, quando uma dose deve ser administrada exatamente em relação ao peso do paciente. Com relação ao fracionamento de medicamentos, assinale a alternativa INCORRETA. a) O preparo de doses unitárias e a unitarização de doses de medicamentos, desde que preservadas suas características de qualidade e rastreabilidade, são permitidos exclusivamente às farmácias de atendimento privativo de unidade hospitalar ou qualquer equivalente de assistência médica. b) A preparação de doses unitárias e a unitarização de doses de medicamentos deve ser realizada sob a responsabilidade e orientação do farmacêutico, que deve efetuar os respectivos registros, de forma a garantir a rastreabilidade dos produtos e procedimentos realizados. c) A preparação de doses unitárias e a unitarização de dose de medicamento devem ser registradas em Livro de Registro de Receituário, ou seu equivalente eletrônico, escriturando as informações referentes a cada medicamento, de modo a facilitar o seu rastreamento. d) A rotulagem deve garantir a rastreabilidade do medicamento submetido à preparação de dose unitária ou unitarizada. e) Os produtos submetidos ao fracionamento em serviços de saúde sem o rompimento da embalagem primária poderão manter o mesmo prazo de validade determinado pelo fabricante, desde que a farmácia adquira medicamentos disponíveis no mercado em embalagem primária fracionável.

8 Segundo a RDC 67/2007, o rótulo de medicamentos fracionados/manipulados deve conter as seguintes informações: 1. DCB ou, na sua falta, DCI, em letras minúsculas, ou nomenclatura botânica (gênero e espécie), no caso de fitoterápicos. 2. Concentração da substância ativa por unidade posológica. 3. Data de validade após submissão do produto ao preparo de dose unitária ou à unitarização de doses. 4. Nome do farmacêutico responsável pela atividade de preparação da dose unitária ou unitarização, ou respectivo CRF. 5. Via de administração. 6 Número, código ou outra forma de identificação que garanta a rastreabilidade do produto submetido à preparação de dose unitária ou unitarizada e dos procedimentos realizados. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas 2, 3, 4 e 6 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1, 2 e 5 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 3, 5 e 6 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 1, 2, 3, 4 e 6 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2, 3, 4, 5 e 6 são verdadeiras Um paciente adulto, sexo masculino, 49 anos e 70 kg, com infecção por enterococos, está recebendo gentamicina 80 mg a cada 8 horas associada a vancomicina 500 mg de 6/6 horas, em infusão endovenosa com 100 ml de S.F. a 0,9%. Em decorrência de rompimento do estoque, a gentamicina prescrita pelo médico está em falta, mas a farmácia dispõe do mesmo produto na apresentação de 20 mg, 40 mg e 60 mg. Em relação ao atendimento dessa prescrição, é correto afirmar: a) Deve-se solicitar ao médico que represcreva o medicamento na apresentação disponível antes de enviar o produto. b) Na falta da apresentação de 80 mg de gentamicina, poderá ser enviada 1 ampola de 20 mg + 1 ampola de 60 mg. c) A melhor opção é enviar 2 ampolas de 40 mg, pois evitará erro de cálculo e preparo pela equipe de enfermagem. d) Deve-se solicitar que o médico substitua a gentamicina pela amicacina, que está disponível para completar o tratamento. e) Deve-se informar à enfermagem a falta do produto e aguardar a chegada da apresentação prescrita pelo médico A indústria farmacêutica disponibiliza no mercado uma grande variedade de medicamentos em diferentes formas farmacêuticas, com o objetivo de facilitar a administração e obter o maior efeito terapêutico possível ou desejado. Sobre o assunto, numere a coluna da direita de acordo com sua correspondência com a coluna da esquerda. 1. Via intramuscular. 2. Via intratecal. 3. Via intrassinuvial. 4. Via intravenosa. 5. Via intrapleural. ( ) Bleomicina. ( ) Cloreto de potássio 20%. ( ) Metotrexato. ( ) Betametasona. ( ) Dexametasona. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) d) e) No armazenamento dos medicamentos, a equipe da farmácia deve prestar atenção especial às normas de estabilidade de cada medicamento, indicadas pelo fabricante do produto. Em relação à temperatura e à luminosidade de guarda dos medicamentos, identifique as afirmativas a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A Vigilância Sanitária considera como parâmetro aceitável para a temperatura ambiente na região Nordeste do país a faixa compreendida entre 25 e 30 C. ( ) A temperatura do refrigerador deve ser acompanhada semanalmente e não deve ser inferior a 4 C. ( ) Os produtos fotossensíveis podem permanecer até 30 dias sob a luz natural sem perda de estabilidade. ( ) O fabricante deverá indicar na bula se o medicamento possui estabilidade após congelamento. a) V F V V. b) F V V F. c) V V V V. d) F V F F. e) F F F V.

9 Na execução do inventário de produtos realizado pelo Setor de Abastecimento Farmacêutico, foi identificada a necessidade de realocação de alguns itens. O farmacêutico solicita que sejam transferidos para um estoque externo 22% do estoque de S.F. 0,9%, frasco de 250 ml. No estoque atual, estão disponíveis 333 caixas com 25 frascos cada. Qual é a quantidade atual de frascos disponíveis no estoque e quantos deverão ser transferidos para o novo local, respectivamente? a) e 831. b) e 1.831,5. c) e d) e 831,5. e) e 1.835, A Política Nacional de Medicamentos, aprovada em 1998, possui como propósito precípuo garantir a necessária segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a promoção do uso racional e o acesso da população aos medicamentos considerados essenciais. Como é denominada a lista de medicamentos essenciais publicada pelo Ministério da Saúde do Brasil? a) Lista Básica de Medicamentos. b) Sistema Básico de Medicamentos. c) Relação de Medicamentos Especiais. d) Relação Nacional de Medicamentos. e) Relação Essencial de Medicamentos A adoção de uma Política Nacional de Medicamentos pelo Brasil definiu as diretrizes básicas, as prioridades e as responsabilidades dos gestores do Sistema Único de Saúde. Qual dos itens descritos a seguir NÃO faz parte dessas diretrizes? a) Adoção da relação de medicamentos essenciais. b) Regulamentação sanitária de medicamentos. c) Promoção da produção de medicamentos. d) Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos. e) Controle da comercialização dos medicamentos A prescrição da paciente F.V.S., 20 anos, internada na UTI, indica a dose do antimicrobiano polimixina B de unidades a cada 6 horas. O produto é estável após reconstituição por até 72 horas, quando armazenado sob refrigeração. Como na prescrição está descrito que a paciente está com insuficiência renal, a dose a ser administrada deverá ser de 15% e o intervalo de administração deverá ser de 12 em 12 horas. Que quantidade de frascos deverá ser enviada e qual será a dose a cada administração? a) 3 frascos unidades. b) 2 frascos unidades. c) 2 frascos unidades. d) 1 frasco unidades. e) 4 frascos unidades Somando-se 25,0 miligramas, 25,0 gramas, 210,0 miligramas, 2,0 quilogramas, 1,75 gramas, 215,0 miligramas, 454,0 gramas e 30,0 miligramas, obtém-se: a) 2481,23 miligramas. b) 248,123 gramas. c) 0, quilogramas. d) 2481,23 gramas. e) 24,8123 quilogramas Entre as operações farmacêuticas mais utilizadas em um laboratório de farmacotécnica, está a manipulação de balanças, pesos e medidas de volume. Acerca disso, numere a coluna da direita de acordo com sua correspondência com a coluna da esquerda. 1. Peso. 2. Medida. 3. Densidade. 4. Osmolaridade. 5. Tonicidade. ( ) Definida como a massa de uma substância por unidade de volume. ( ) Termo que define expressão de concentração de partículas osmoticamente ativas em uma solução. ( ) Em relação a uma célula viva: uma solução é isotônica se não ocorre ganho de líquido ou perda de água pela célula quando entra em contato com outra célula. ( ) Medida de ação da gravidade de um corpo; é diretamente proporcional à massa do corpo. ( ) Consiste na determinação do volume ou extensão de um corpo ou substância. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) d) e)

10 10 *36 - Na rotina diária da farmácia hospitalar, muitos cálculos são utilizados, e isso implica o domínio de vários sistemas de pesos e medidas, suas relações e o conhecimento da matemática envolvida. Sobre o assunto, identifique as afirmativas a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) Os prefixos deci, centi, mili, micro, nano, pico, femto e atto são utilizados no sistema métrico para frações ou múltiplos e fazem parte do Sistema Internacional de Unidades. ( ) A temperatura e pressão atmosférica não exercem efeito relevante sobre as medidas de gases e soluções. ( ) Para a mensuração de peso pelo sistema métrico internacional, na prática da farmácia hospitalar, são muito utilizadas as abreviaturas µg ou mcg para micrograma, que corresponde a 0, grama. ( ) Para a quantificação de medidas aproximadas, 20 gotas são, com frequência, consideradas como 1 mililitro, o que não é correto, pois o tamanho das gotas é variável conforme a substância e o tipo do dispositivo contagotas. a) V F V V. b) F V V F. c) V F V F. d) F V F V. e) V F F V No desenvolvimento técnico das atividades da farmácia hospitalar, há necessidade de conhecimento, atualização e obediência à legislação específica. Sobre o assunto, identifique as afirmativas a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A Resolução RDC 67, de 08 de outubro de 2007, dispõe sobre as boas práticas de manipulação de preparações magistrais e oficinais para uso humano em farmácias. ( ) A Lei 6.360, de 23 de setembro de 1976, dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos, e dá outras providências. ( ) A Resolução RDC 134, de 20 de maio de 2005, define as regras de fracionamento de medicamentos. ( ) A Portaria 272, de 08 de abril de 1998, aprova o regulamento técnico para fixar os requisitos mínimos exigidos para a terapia de nutrição parenteral. a) F F V V. b) V V V V. c) V F V F. d) F V F V. e) V V F F Para disciplinar o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, o Ministério da Saúde publicou a RDC nº 306, em 7 de dezembro de Com relação a esse assunto, numere a coluna da direita de acordo com sua correspondência com a coluna da esquerda. 1. Gerenciamento dos resíduos dos serviços de saúde (RSS). 2. Manejo dos RSS. 3. Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS). 4. Segregação. 5. Acondicionamento. 6. Identificação. ( ) Deve ser compatível com as normas locais relativas à coleta, ao transporte e à disposição final dos resíduos gerados nos serviços de saúde, estabelecidas pelos órgãos locais responsáveis. ( ) Consiste na separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com suas características físicas, químicas, biológicas, o seu estado físico e os riscos envolvidos. ( ) Deve abranger todas as etapas de planejamento dos recursos físicos, dos recursos materiais e a capacitação dos recursos humanos envolvidos no manejo dos RSS. ( ) Segregação em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de perfuração e ruptura. ( ) Conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos resíduos contidos em sacos e recipientes, fornecendo informações ao correto manejo dos RSS. ( ) Ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos dentro e fora dos estabelecimentos, desde a geração até a disposição final. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) d) e) * Questão anulada, portanto todos os candidatos serão pontuados.

11 Qual é o peso em gramas de 1 litro de álcool (densidade = 0,816 g/ml)? a) 1000 g. b) 820 g. c) 0,816 g. d) 816,0 g. e) 81,6 g Quanto permanece em um frasco de 5,0 litros após a remoção de 895,0 mililitros? a) 4,105 mililitros. b) 41,05 mililitros. c) 4105,0 mililitros. d) 41,05 litros. e) 410,5 mililitros.

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2013 10/12/2012 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2014 02/12/2013 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS Ministério da Saúde 1 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 1 1/26/12 6:45 PM 2 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 2 sumário medicamentos

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007

PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação PORTARIA Nº 114, DE 19/9/2007 Aprova normas para padronização, instalação e controle de programas de computador no âmbito da Câmara dos Deputados.

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde CNPJ : 08.543.681/0001-46 www.faculdadefapec.com.br

Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde CNPJ : 08.543.681/0001-46 www.faculdadefapec.com.br EDITAL 021/2015 DE 15 DE OUTUBRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2016.1 A Faculdades Unidas de Pesquisa, Ciências e Saúde FAPEC torna público o Edital do Processo Seletivo Vestibular 2016.1, para

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016-1º SEMESTRE Nº 008/2015

PROCESSO SELETIVO 2016-1º SEMESTRE Nº 008/2015 PROCESSO SELETIVO 2016-1º SEMESTRE Nº 008/2015 O Diretor da NOVA FACULDADE, Pablo Fernandes Bittencourt, faz saber aos interessados que estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo do 1º Semestre

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Novas Regras para Rotulagem Medicamentos

Novas Regras para Rotulagem Medicamentos XV ENCONTRO TÉCNICO E XI ENCONTRO EMPRESARIAL - ABRASP Novas Regras para Rotulagem Medicamentos RESOLUÇÃO-RDC Nº 71/2009 Carolina K. Rodrigues 21/09/2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 71/2009 DOU de 23/12/2009 Estabelece

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06 01 de 06 1. PRINCÍPIO Para que os resultados dos métodos de análise expressem valores representativos da quantidade total de substância disponível, é imprescindível recorrer a técnica de coleta definida

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 O Programa Bolsa Jovens Talentos para a Ciência (PJT- IC) tem como objetivo proporcionar a formação

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00 TÍTULO: Programação dos Medicamentos do Consórcio pelo município SEÇÃO: Farmácia do Município Nº do POP 01.00 Nº da Revisão 01 OBJETIVO: Este POP tem como objetivo

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. ESTABELECE NORMAS SOBRE OS RELATÓRIOS DOS ÓRGÃOS LOCAIS E SETORIAIS DO SISTEMA JURÍDICO E REVOGA A RESOLUÇÃO PGE Nº 2.928, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2011. A PROCURADORA-GERAL

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 7 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS. Título do projeto: Apresentem aqui o nome do seu projeto. Sejam criativos!

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS. Título do projeto: Apresentem aqui o nome do seu projeto. Sejam criativos! ANEO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Título do projeto: Apresentem aqui o nome do seu projeto. Sejam criativos! Nome dos participantes: Listem o nome completo de todos os participantes do grupo

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 9 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos.

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Versão Consolidada n. 07, de 27 de maio de 2013. Para Audiência Pública Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE

DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE DROGARIAS REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTO DE INTERESSE À SAÚDE Lei 8080/90 Art. 6º, 1º: Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

Noções Gerais de Direito Administrativo. Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1

Noções Gerais de Direito Administrativo. Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1 Noções Gerais de Direito Administrativo Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1 Unidade I - Noções Preliminares 1.Conceito de Direito Conjunto de regras impostas pelo Estado,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Relatório de Comercialização

Relatório de Comercialização Relatório de Comercialização Outubro 2015 1. Monitoramento do Mercado de Medicamentos Lei nº 10.742, de 6 de outubro de 2003 Define normas de regulação para o setor farmacêutico, cria a Câmara de Regulação

Leia mais

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 Lei nº 5991/73: Art. 4º, Inciso X - Farmácia - estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos.

RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos. RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO PAULO DAS MISSÕES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO PAULO DAS MISSÕES EDITAL Nº 001/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DAS MISSÕES A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DAS MISSÕES - RS, torna pública a abertura

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais