FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ"

Transcrição

1 FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente Documento juntado por: 3077

2 MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Fórum Trabalhista de São José LOCALIZAÇÃO: Av. Beira Mar de São José São José - SC PROPRIETÁRIO: Tribunal Regional do Trabalho CNPJ: / RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO: Eduardo Gadotti Bolda Engenheiro Eletricista - CREA/SC Pág. 2

3 SUMÁRIO 1. OBJETIVO NORMALIZAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS TERMINOLOGIAS GENERALIDADES RELAÇÃO DAS PRANCHAS DO PROJETO DESCRIÇÃO GERAL DA OBRA CONSIDERAÇÕES GERAIS QUANTO AO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES INFRAESTRUTURA ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS CONSIDERAÇÕES GERAIS ESPECIFICAÇÕES GERAIS DESCRIÇÃO GERAL DA INFRAESTRUTURA SISTEMAS DE SEGURANÇA OBJETIVO DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO DESCRIÇÃO GERAL DOS SISTEMAS ALARME ANTIFURTO (DETECÇÃO DE INTRUSÃO) CONTROLE DE ACESSO SOM OBJETIVO DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO ANTENA / TV / LINK DE INTERNET OBJETIVO DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO TELEFONIA OBJETIVO IMPLANTAÇÃO GERAL DO SISTEMA _MEMTEC_TRT_SÃO JOSE_R00

4 10.3. DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO REDE LÓGICA OBJETIVO CABEAMENTO ESTRUTURADO INFRAESTRUTURA PARA REDE LÓGICA CABEAMENTO HORIZONTAL CABEAMENTO VERTICAL DISTRIBUIDORES DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO ESPECIFICAÇÕES PARA EXECUÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ADMINISTRAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO PARA REDE LÓGICA CERTIFICAÇÃO DA REDE LÓGICA OBSERVAÇÕES FINAIS ATERRAMENTO APRESENTAÇÃO OBJETIVO DISPOSITIVOS REGULAMENTARES SISTEMA DE ATERRAMENTO Pág. 4

5 1. OBJETIVO A presente especificação tem por finalidade, complementar as informações contidas no projeto de TELECOMUNICAÇÕES da obra do FÓRUM TRABALHISTA de SÃO JOSÉ, apresentando uma descrição detalhada do sistema proposto, bem como; da infraestrutura necessária para sua implantação, visando orientar a empresa CONTRATADA para a execução do mesmo, seguindo os critérios das normas técnicas vigentes. O presente memorial é, portanto, parte integrante do projeto. 2. NORMALIZAÇÃO Norma OI TELECOM, para instalação de rede telefônica predial; Normas e Resoluções da ANATEL NBR Procedimento básico para elaboração de Projetos de Telecomunicações - Elementos; Prática Telebrás Projeto de Redes Telefônicas em Edifícios - Elementos; Prática Telebrás Procedimentos de projeto Tubulações Telefônicas em Edifícios; NBR Instalações Elétricas em B.T. ABNT; NBR Proteção contra descargas atmosféricas- ABNT. ANSI/TIA/EIA-568-B.1 - Commercial Building Telecommunications Cabling Standard - Part 1: General Requirements (ANSI/TIA/EIA-568-B ) Este documento especifica um sistema genérico de cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais; ANSI/TIA/EIA-568-B.2 - Commercial Building Telecommunications Cabling Standard - Part 2: Balanced Twisted Pair Cabling Components (ANSI/TIA/EIA-568-B ) Especifica os componentes de cabeamento, transmissão, modelos de sistemas e os procedimentos de medição necessários para a verificação do cabeamento de par trançado; Pág. 5

6 ANSI/TIA/EIA-569 Commercial Building Standard for Telecommunications Pathways and Spaces. Especifica os requerimentos para a montagem da infraestrutura para a passagem dos cabos; ANSI/TIA/EIA-606 The Administration Standard for the Telecommunications Infrastructure of Commercial Buildings. Especifica os requerimentos necessários para a identificação do sistema de cabeamento estruturado; ANSI/TIA/EIA-607 Especifica os requerimentos para sistema de aterramento para telecomunicações em edifícios comerciais; ANSI/TIA/EIA 942 Especifica os requisitos desde a construção até a pronta ativação do DATA CENTER; NBR Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais; ANSI/TIA/EIA 568; TSB - 36, TSB - 40, TSB - 53, TSB 67; SP , SP 2840 A; EIA/TIA 568A: Commercial Building Telecommunications Wiring Standard; EIA/TIA BULLETIN TSB-67; BIBILIOGRAFIA Manual do SEAP Práticas de Projeto, Construção e Manutenção de Edifícios Públicos Federais; Manuais de Fabricantes; 3. CADERNO DE ENCARGOS 3.1. TERMINOLOGIAS CONTRATANTE: O Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região, órgão do Poder Judiciário Federal, com sede à Rua 24 de Janeiro nº 181, Centro/Norte, CEP , em Teresina PI, com inscrição no CNPJ nº / , que contrata a execução de Pág. 6

7 obras de construção, reforma, complementação ou ampliação de uma edificação ou conjunto de edificações e execução de serviços de engenharia. CONTRATADA: Empresa ou profissional contratado para a execução de obras, construção, reforma, complementação ou ampliação de uma edificação ou conjunto de edificações e execução de serviços de engenharia no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região. PROJETISTA: Empresa ou profissional contratado para a execução dos projetos arquitetônico e/ou complementares, relativos às obras de construção, reforma, complementação ou ampliação de uma edificação ou conjunto de edificações e execução de serviços de engenharia no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região. OBRA: É o trabalho a ser realizado, segundo determinações de projetos técnicos e obedecendo às normas adequadas, destinado a criar, modificar, adaptar ou recuperar bens móveis e imóveis pertencentes ao Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região. SERVIÇO DE ENGENHARIA: É o serviço, contratado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região, que só pode ser realizado por profissional ou empresas que atendam às disposições da Lei 5.194/66, e destinados a obter determinada utilidade de interesse do órgão, tais como: consertos, instalações, montagens, conservação, reparação, adaptação, manutenção, operação, trabalhos técnicos profissionais e outros. FISCALIZAÇÃO: É o serviço, atividade exercida de modo sistemático pelo contratante e seus servidores, objetivando a verificação do cumprimento das disposições contratuais, técnicas e administrativas, em todos os seus aspectos. PROJETO BÁSICO: São o conjunto de desenhos, memoriais descritivos, especificações e demais informações técnicas necessárias e suficientes para caracterizar obras e serviços de engenharia a serem executadas, atendendo às disposições de Normas Técnicas e legislação Pág. 7

8 vigente, elaborado com base em estudos preliminares e que apresenta a viabilidade do empreendimento. O projeto básico deve estabelecer, com precisão, todo o detalhamento necessário para a perfeita definição e quantificação dos materiais, equipamentos e mão-de-obra relativos à execução da obra ou serviço, definindo, ainda, os métodos e prazos de execução. Todos os elementos que compõem o projeto básico devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado. PROJETO EXECUTIVO: É o Conjunto de informações técnicas necessárias e suficientes para a realização da obra ou serviço, contendo, de forma clara e precisa, todas as indicações, desenhos, projetos, especificações e detalhes construtivos para a perfeita execução dos mesmos GENERALIDADES DIÁRIO DE OBRA: Deverá ser utilizado o diário de obras eletrônico disponível no site: após a liberação do acesso e cadastramento da contratada a ser feito pelo NPO. O diário deverá ter seu termo de abertura no exato dia do início das obras, devendo ser visado, pelo responsável técnico da empresa construtora e pela fiscalização do Núcleo de Projetos e Obras (NPO) O diário deverá ser preenchido diariamente contendo as informações pertinentes aos trabalhos, informando número de operários, atividades executadas e demais anotações importantes. SEGURANÇA DO TRABALHO: Deverão ser tomadas precauções e observadas às normas de execução e segurança, dispondo dos EPI s e EPC s necessários, tais como botas, capacetes, cintos de segurança, óculos e demais proteções de acordo com as Normas de Segurança do Trabalho (NR 18) para todo pessoal de obra, bem como sinalização e equipamentos de proteção coletiva para os servidores e público transeunte no local. Serão da inteira responsabilidade da contratada quaisquer acidentes no trabalho ou danos materiais ocorridos durante a execução dos serviços, de acordo com o disposto nas Normas de Pág. 8

9 Segurança e Medicina do Trabalho referente às atividades da Construção Civil. SIMILARIDADE: Para produtos e materiais das marcas ou fabricantes mencionados nestas especificações, a CONTRATANTE admitirá o emprego de similares, desde que ouvida previamente a Fiscalização Núcleo de Projetos e Obras - e mediante sua expressa autorização, por escrito. Entende-se por similaridade entre dois materiais e equipamentos, quando existe a analogia total ou equivalência do desempenho dos mesmos, em idêntica função construtiva e que apresentem as mesmas características técnicas exigidas na especificação ou no serviço que a eles se refiram. Caberá à CONTRATADA comprovar a similaridade e efetuar a consulta, em tempo oportuno, à Fiscalização da Contratante, não sendo admitido que a dita consulta sirva para justificar o não cumprimento dos prazos estabelecidos na documentação contratual. MATERIAIS: Deverão ser empregados materiais novos, de primeira qualidade e de acordo com o especificado, salvo quando solicitado de modo contrário devendo desempenhar as funções exigidas do material ou produto. Caberá à fiscalização impugnar quaisquer materiais e/ou serviços que não satisfaçam às condições contratuais e em caso da falta de algum material, ou da impossibilidade da execução do especificado, deverá a Contratada apresentar as justificativas e opções para análise e aprovação da Fiscalização. A não observância do acima exposto poderá acarretar na retirada do material e/ou a demolição de um serviço já executado, e seu reparo sem ônus para o Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região. As especificações de materiais relacionados neste memorial são orientativos, podendo ser utilizados produtos com características técnicas e desempenho similar. ORGANIZAÇÃO: A CONTRATADA deverá manter a organização dos materiais, equipamentos, ferramentas e todos os demais materiais e utensílios utilizados na execução dos serviços, disponibilizando, no Pág. 9

10 canteiro de obra, local apropriado para a guarda e armazenamento dos citados itens. SUBEMPREITADA: A CONTRATADA não poderá subempreitar as obras e serviços contratados no seu todo podendo, contudo, fazê-lo parcialmente para cada serviço, desde que autorizada pela Fiscalização e sendo mantida a sua inteira e direta responsabilidade perante o Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região. LICENÇAS DOCUMENTAÇÃO: A CONTRATADA fica obrigada a obter, às suas custas, todas as licenças e alvarás necessários à obra, pagando os emolumentos previstos por lei e observando todas as leis, regulamentos e posturas referentes à obra e à segurança pública. Está obrigada também ao cumprimento de quaisquer formalidades e ao pagamento de taxas ou multas porventura impostas pelos órgãos competentes. Estarão disponíveis para consulta as plantas originais do projeto arquitetônico e complementares no Núcleo de Projetos e Obras. A empresa contratada deverá apresentar, antes do início dos serviços, ART referente aos serviços a serem executados e, após a sua conclusão; termo de garantia dos serviços com validade de, pelo menos, 5 (cinco) anos. Será de responsabilidade da CONTRATADA o recolhimento das taxas das ART s de execução junto ao CREA-SC. A CONTRATADA respeitará os dados constantes nos projetos e respectivas especificações. Qualquer modificação quer de especificação de material, ou método de execução que possa concorrer para aprimoramento da obra deverá ser objeto de consulta prévia, por escrito, ao NPO, pois somente com o seu aval por escrito, as alterações poderão ser executadas. TERMO DE GARANTIA: O termo de garantia emitido ao final da obra, pela CONTRATADA, deverá descrever claramente os limites e a duração da garantia para cada componente do sistema instalado. Pág. 10

11 Mesmo que o prestador de serviço tenha contratado outros empreiteiros, a garantia final será dada e mantida pela CONTRATADA. Os requisitos mínimos obrigatórios para cada componente serão: Equipamentos: 1 ano após a instalação (recomendado: 3 anos); Cabos e componentes dos sistemas de Telecom e cabeamento estruturado: 5 anos contra defeitos de fabricação; Infraestrutura: 3 anos contra ferrugem e resistência mecânica; Funcionalidade e desempenho: 5 anos; Declaração de desempenho assegurado para as aplicações às quais a rede física foi proposta, as possíveis restrições para outras aplicações ou para as aplicações introduzidas no futuro pelos principais organismos internacionais (IEEE, TIA/EIA, ISO/IEC, entre outros). Durante o primeiro mês após a conclusão efetiva da instalação, o prestador de serviço deverá atender às correções e pequenos ajustes necessários, no prazo máximo de 3 dias úteis. Importante: Havendo divergência entre qualquer item existente entre Projeto, Memorial Descritivo e Planilha quantitativa, deverá prevalecer a informação contida no Memorial (especificações) e ainda assim, deverá ser consultado o Núcleo de Projetos e Obras a fim de serem esclarecidas todas as dúvidas. Após a conclusão dos serviços, a empresa deverá entregar ao Núcleo de Projetos e Obras a documentação As Built a qual é composta pelo projeto As Built e por um documento contendo todas as informações (Marca, linha, referência, código, etc) dos materiais utilizados na execução dos serviços. 4. RELAÇÃO DAS PRANCHAS DO PROJETO _01Tec_PBImplantaçãoGeral_R00.dwg Pág. 11

12 IMPLANTAÇÃO GERAL do sistema de telecomunicações; _02Tec_TérreoCab_R00.dwg PAVIMENTO TÉRREO (Lógica / Telefonia); _03Tec_TérreoCftvTec_R00.dwg PAVIMENTO TÉRREO (Cftv / Alarme / Controle de Acesso / TV / Som); _04Tec_1ºPavto_R00.dwg 1º PAVIMENTO (Cftv / Alarme / Controle de Acesso / Som); _05Tec_2ºPavtoCab_R00.dwg 2º PAVIMENTO (Lógica / Telefonia); _06Tec_2ºPavto CftvTec_R00.dwg 2º PAVIMENTO (Cftv / Alarme / Controle de Acesso / TV / Som); _07Tec_3ºPavtoCab_R00.dwg 3º PAVIMENTO (Lógica / Telefonia); _08Tec_3ºPavto CftvTec_R00.dwg 3º PAVIMENTO (Cftv / Alarme / Controle de Acesso / TV / Som); _09Tec_TipoCab_R00.dwg PAVIMENTO TIPO (Lógica / Telefonia); _10Tec_TipoCftvTec_R00.dwg PAVIMENTO TIPO (Cftv / Alarme / Controle de Acesso / TV / Som); _11Tec_Anexos-Cobertura_R00.dwg SUBESTAÇÃO / COBERTURA (Lógica / Telefonia, Cftv / Alarme / Controle de Acesso / TV / Som); _12Tec_EsquemaLigações-Rack_R00.dwg ESQUEMA GERAL de Ligações e PLANO de FACE dos Racks; _13Tec_EsquemaGeral-Rede_R00.dwg ESQUEMA GERAL de Ligações da REDE LOCAL e Centrais diversas; _14Tec_Prumada_R00.dwg PRUMADA GERAL para telecomunicações _15Tec_DetalhesEntrada_R00.dwg DETALHES GERAIS DE ENTRADA para Telefonia / Internet / TV; Pág. 12

13 _16Tec_DetalhesTel_R00.dwg DETALHES GERAIS para Infraestrutura (parte 01) / Telefonia; _17Tec_DetalhesGerais_R00.dwg DETALHES GERAIS para Infraestrutura (parte 02). 5. DESCRIÇÃO GERAL DA OBRA Trata-se do projeto de construção de um edifício para a instalação do FÓRUM TRABALHISTA de SÃO JOSÉ. A edificação contará com cerca de 5.077,06m² de área construída em terreno de aproximadamente 2.660,83m², sendo composta por: Um prédio com seis Pavimentos e Cobertura (Casa de máquinas/barrilete), sendo estes: Térreo Recepção, cafeteria, guarita e estacionamento, contara ainda com dois espaços nos quais; poderão ser instaladas agências bancárias ou ambientes do TRT; 1º Pavimento Estacionamento; 2º Pavimento DATA CENTER, sala da OAB, salas de audiência, sala de apoio informática, sala de apoio juízes e área de público; 3º Pavimento Setor administrativo, salas de Rack 01 e 02, sala de apoio segurança, sala de apoio SEROM, sala multiuso, sala de cursos, copa, depósito e zeladoria; 4º Pavimento - 1º TIPO Setor administrativo, setor de atendimento, salas de gabinetes, salas de assistentes, salas de contadores, salas de Rack 03 e 04, copas e depósito; 5º Pavimento - 2º TIPO Setor administrativo, setor de atendimento, salas de gabinetes, salas de assistentes, salas de contadores, salas de Rack 05 e 06, copas e depósito; Pág. 13

14 Cobertura Casa de máquinas, barrilete; Edifícios anexos: Subestação CONSIDERAÇÕES GERAIS QUANTO AO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES Quanto ao projeto de telecomunicações, para a referida obra, este foi elaborado de modo a atender aos seguintes sistemas: Cabeamento Estruturado composto pelos sistemas de: Lógica (rede de dados); Telefonia; Sistemas de segurança (CFTV - Circuito Fechado de TV, Alarme antifurto e Controle de acesso); Entrada de TV / Antena / LINK de internet; Som (Ambiente e Intercomunicação). 6. INFRAESTRUTURA 6.1. ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS Caberá a CONTRATADA, a execução dos serviços de: Fornecimento e instalação de toda a infraestrutura de passagem de cabos (eletrocalhas, perfilados, eletrodutos e canaletas plásticas ou metálicas), embutida, de sobrepor ou subterrânea; Fornecimento e instalação de toda a infraestrutura de passagem dos sistemas derivados das concessionárias de Telefonia, TV e Internet e sistemas derivados das instalações internas da obra do FÓRUM, para a área externa (conexão com edifícios anexos), embutida, de sobrepor ou subterrânea; Pág. 14

15 Fornecimento e instalação de todo o cabeamento para rede lógica, telefonia, sistemas de som e segurança, incluindo serviços de conectorização, identificação e certificação do sistema; Fornecimento e instalação de toda a infraestrutura de caixas de passagem, esperas dos sistemas diversos ou de aplicação para tomadas em geral, embutidas, de sobrepor ou subterrâneas; Fornecimento e instalação de toda a infraestrutura de RACKs e Distribuidores para os sistemas de telecomunicações e cabeamento estruturado em geral, incluindo todos os serviços de montagem, crimpagem, conectorização, identificação e certificação do sistema; Todos os serviços deverão ser executados em conjunto com as especificações das equipes técnicas do NPO / SEINFO, informações contidas no memorial descritivo e projeto executivo da referida obra. Para a perfeita execução dos serviços, a CONTRATADA, deverá observar as NORMAS TÉCNICAS vigentes, especificações contidas neste Memorial Descritivo, bem como; observar as orientações de instalação contidas nos manuais de especificação dos equipamentos e acessórios, fornecidos pelos fabricantes CONSIDERAÇÕES GERAIS Especificações gerais para cabeamento e eletrodutos, quanto à propagação de chama ou emissão de fumaça: a) Todos os cabos dos sistemas de telecomunicações que passam por eletrocalhas / perfilados ou condutos abertos devem possuir sua isolação livre de halogênio e fumaça. Os eletrodutos aparentes deverão ser antichama livres de halogênio e fumaça tóxica, para os ambientes de afluência de público. Os cabos que passam por eletrodutos embutidos fechados em parede incombustível poderão ser apenas antipropagação de chama; Pág. 15

16 b) Os cabos de aterramento das eletrocalhas, perfilados e partes metálicas dos sistemas de telecomunicações, deverão ser "AFUMEX", quando aparentes ou na situação descrita acima; c) Todos os cabos de todos os sistemas deverão ser do tipo "LSZH", ou seja, Low Smoke Zero Halogen (baixa emissão de fumaça e livre de halogênio), salvo nos casos em que estes sigam por trechos de passagem 100% enterrados ou em instalação embutida em alvenaria. Deverão ser observados os cuidados para a passagem dos cabos UTP em eletrodutos, atendendo as recomendações do fabricante, de modo a não ultrapassar as tensões máximas de tração e os raios mínimos de curvatura; Não é permitido emenda nos cabos, devendo estes ser contínuos, da saída no Rack até os pontos de utilização previstos em projeto; Todos os parafusos e acessórios tais como arruelas e porcas deverão ser de material galvanizado e fosfatizado a fim de evitar corrosão; Toda a infraestrutura de pista deve ser feita tendo-se como principais objetivos a perfeita conexão entre os vários equipamentos, o perfeito isolamento contra a entrada de líquidos nos eletrodutos e o aterramento dos equipamentos e infraestrutura metálica; Deverá ser obedecido o distanciamento de no mínimo 15cm, conforme projeto; entre as eletrocalhas e perfilados metálicos dos sistemas ELÉTRICO e TELECOMUNICAÇÕES e os mesmos deverão estar aterrados. Isto se faz necessário devido ao alto grau de EMI (Interferência Eletromagnética e ruído) que o sistema elétrico induz nos cabos de comunicação; Pág. 16

17 Para melhor acabamento e segurança das instalações, indicamos o uso de tampas metálicas de encaixe para aplicação nos perfilados e eletrocalhas; As ligações dos eletrodutos com os quadros e caixas de chegada e distribuição de sistemas, deverão ser efetuadas através de buchas e arruelas metálicas ou conector Box metálico, sendo todas as juntas vedadas com adesivo "não secativo"; Os condutos com cabos de rede de comunicação serão exclusivos, não se admitindo passagem de cabos de energia ou de outras finalidades, salvo quando; utilizadas canaletas com divisão interna, para passagem dos cabos ou conforme especificado em projeto; Nas eletrocalhas acima de (150x50)mm, conforme indicado em projeto; deverão ser instalados divisores metálicos, dividindo a calha em septos para a separação de sistemas; Em instalações onde a infraestrutura será de canaletas, eletrocalhas ou perfilados, as curvas devem ser suaves, utilizando-se curvas de raio longo de 90 ; Todas as caixas deverão ter as rebarbas removidas e serem dotadas de buchas e arruelas na conexão com os eletrodutos; A rede aérea de eletrodutos deverá ser executada sempre em trechos retos entre caixas de passagem ou entre eletrocalha e caixa de passagem, sendo permitido o uso de, no máximo duas curvas longas de 90 consecutivas entre dois pontos, acima disso deverá ser usado CONDULETE ou CAIXA, antes da 3ª curva; Todos os cabos devem possuir identificação nas duas extremidades (junto ao ponto de tomada e nas saídas de racks ou centrais diversas) e a cada 5 metros (quando em eletrocalhas ou perfilados) com etiquetas ou anilhas, seguindo a indicações em projeto, em conformidade com a norma NBR Pág. 17

18 No lance dos cabos deve ser considerada uma folga (slack) em ambas as extremidades que deverão atender as seguintes medidas: - No lado do Armário de Telecomunicações (rack): 3,0m; - No lado da estação de trabalho: 0,30m. Deverão ser aplicadas abraçadeiras de Velcro / Nylon na organização dos feixes de cabos junto ao rack, centrais diversas, ou seguindo por eletrocalhas / perfilados. Seguir especificação no Item (Abraçadeiras De Fixação Dos Cabos) ESPECIFICAÇÕES GERAIS Quanto à infraestrutura para instalação dos sistemas de telecomunicações, deverão ser adotados os seguintes critérios: Os sistemas componentes do projeto de telecomunicações compartilharão a mesma infraestrutura de passagem, tais como: Eletrodutos, canaletas plásticas ou metálicas, eletrocalhas / perfilados e caixas de parede ou piso, salvo quando especificado em projeto. A infraestrutura foi dimensionada de modo a permitir o compartilhamento de condutos para instalação de sistemas de CFTV, Alarme antifurto, Controle de acesso, Som, entre outros. Nas eletrocalhas / perfilados do sistema de cabeamento estruturado poderão passar junto aos cabos "UTP", cabos para alarme antifurto, som, CFTV, antena / TV por assinatura, alarme de incêndio (no interior de eletroduto) ou qualquer outro cabo com sinal em c.c. (corrente contínua) de baixa intensidade. Para a distribuição dos sistemas entre os pavimentos, foi previsto uma prumada técnica (SHAFT) a qual será executada através de eletrocalha. Pág. 18

19 O trecho principal de alimentação dos pontos de telecomunicações, derivado das Salas de Racks e Centrais diversas, será executado da seguinte forma: - Pelo Teto: Com passagem em eletrocalhas ou perfilados metálicos fixados no teto (laje) seguindo sobre forro (onde houver), derivando para instalações de: *Embutir: em paredes de alvenaria ou DRY WALL, para a obra em geral; *Sobrepor: em pilares, divisórias em vidro fixo, paredes pelo lado externo da obra ou transição de instalação interna para área externa da obra; - Pelo Piso: Em eletrodutos embutidos no piso (laje) ou contrapiso, nos pontos previstos de espera para interface do sistema de controle de acesso, som ou comandos de automação do sistema de climatização. Serão aplicados eletrodutos do tipo FLEXÍVEL CORRUGADO para a obra em geral; podendo em situações específicas ou a critério do NPO, ser substituído por eletrodutos em PVC RÍGIDO, para maior segurança da instalação, como forma de evitar possíveis danos por ação de esmagamento, durante os serviços de concretagem das lajes; Em eletrodutos corrugados seguindo pelo piso (laje), conectados a CAIXAS de PISO metálicas do tipo CAIXA de PISO REDONDA da DUTOTEC ou similar, para instalações do tipo PISO ELEVADO nas salas de audiência no 2º pavimento. Na instalação das caixas de piso, deverão ser observadas as seguintes condições: - Prever sobra de "eletroduto e cabos" de pelo menos 3 metros, possibilitando o eventual deslocamento do conjunto (caixa + tomadas) para outras posições no piso elevado a critério da equipe técnica do "NPO"; Pág. 19

20 - Distribuir os eletrodutos de modo a evitar o cruzamento entre sistemas; - para maiores detalhes, vide prancha 16/17. * Nas instalações embutidas em alvenaria ou piso, para dutos de diâmetro entre 3/4 a 1.1/4, deverá ser adotado o modelo flexível corrugado, da linha TIGREFLEX, da marca TIGRE, na cor amarela e seus acessórios, ou modelo similar. * Nas instalações embutidas em alvenaria ou piso, para dutos de diâmetro acima de 1.1/4, deverá ser adotado o modelo flexível corrugado, da linha ULTRAFLEX, da marca TIGRE, na cor preta e seus acessórios, ou modelo similar. * Nas instalações subterrâneas, para dutos de diâmetro acima de 1.1/4, deverá ser adotado o modelo flexível corrugado, da linha ULTRAFLEX, da marca TIGRE, na cor preta e seus acessórios, ou modelo similar. Para as instalações de sobrepor, fixadas em alvenaria, pilares ou aplicadas em colunas metálicas, foi adotado o seguinte critério: * Áreas internas: - Instalação com uso de CONDULETES, em PVC da WETZEL, TIGRE e seus acessórios, em geral nas cores: Cinza/Branco padrão, ou modelo similar; - Instalação com uso de eletrodutos roscáveis em PVC rígido da WETZEL, TIGRE, em geral nas cores: Preto/Cinza padrão, ou modelo similar. - Instalação com uso de colunas metálicas da DUTOTEC da linha PLUS LIGHT (ou modelo similar), em geral na cor branco ou bege, derivando das eletrocalhas e perfilados no teto, para descida junto às estações de trabalho centralizadas no ambiente ou próximas a divisórias em vidro. As colunas deverão possuir divisão interna para separação dos cabos de energia e telecomunicações. - Instalação com uso de canaletas metálicas (73x25)mm da DUTOTEC, com divisão interna (ou modelo similar), em geral na cor branco ou bege, derivando das eletrocalhas ou Pág. 20

21 perfilados no teto, para descida em pilar próximo a estação de trabalho junto a divisórias em vidro. * Áreas externas: - Instalação com uso de CONDULETES metálicos, em liga de alumínio injetado da WETZEL, DAISA e seus acessórios, em geral na cor: Cinza padrão, ou modelo similar; - Instalação com uso de eletrodutos metálicos, rígidos, roscáveis, Galvanizados a Fogo, da ELECON, CARBINOX ou similar. - Instalações em poste metálico, para o sistema de CFTV, poderão ser em PVC. Para as instalações de sobrepor, aplicadas em paredes internas ou divisórias em vidro fixo, foi adotado o seguinte critério: - Instalação com uso de CANALETAS (50x20)mm em PVC do tipo SISTEMA X da PIAL LEGRAND e seus acessórios, em geral na cor Branca: ou modelo similar As tomadas do sistema de TELECOMUNICAÇÕES serão aplicadas em: - Caixas (4x2) ou (4x4) em PVC, para instalações embutidas, com aplicação de espelho com saída simples ou dupla para alojamento de tomadas RJ-45 (lógica/telefonia), dois postos para alojamento de tomada do tipo 4P padrão Telebrás (telefone na cafeteria), postos retangulares, para tomada Coaxial de Antena / TV e espelho cego ou com furo, nas aplicações dos sistemas de som, segurança, entre outros. Os espelhos cegos ou para tomadas, deverão ser da marca PIAL LEGRAND / TIGRE, cor Branco ou Bege (padrão) e seus acessórios, ou modelo similar. - Caixas (4x2) ou (4x4) em PVC, do tipo CONDULETE, para instalações aparentes (de sobrepor), com aplicação de espelho com uma ou duas saídas para alojamento de tomadas RJ-45 (lógica/telefonia) e espelho cego ou com furo, nas aplicações de sistemas de segurança. Os espelhos cegos ou para tomadas, deverão ser da marca TIGRE / WETZEL, cor Cinza (padrão) e seus acessórios, ou modelo similar. Pág. 21

22 - Os espelhos cegos para CONDULETES metálicos em área externa, deverão ser em liga de alumínio injetado da WETZEL, DAISA e seus acessórios, em geral na cor: Cinza padrão, ou modelo similar. - Suportes metálicos aplicados nas caixas de piso metálicas da DUTOTEC ou similar, em instalações sob o piso elevado. - Caixa acoplada aplicada em canaleta plástica com tomadas do tipo dupla RJ-45 (para lógica/telefonia) DESCRIÇÃO GERAL DA INFRAESTRUTURA Condutos Eletrocalhas e Perfilados Especificações: As eletrocalhas/perfilados e acessórios, serão confeccionados em chapa de aço SAE 1008/1010, com espessura mínima de 1mm, tratadas por processo de pré zincagem à fogo de acordo com a Norma NBR 7008, com camada de revestimento de zinco de 18 micra; Tanto as eletrocalhas como os acessórios deverão ser do tipo perfurado (salvo nas instalações sob o piso elevado), conforme indicação de projeto, fixadas por meio de pressão e por talas acopladas a eletrocalha, que facilitam a sua instalação; Para terminações, emendas, derivações, curvas horizontais ou verticais e acessórios de conexão deverão ser empregadas peças pré-fabricadas com as mesmas características construtivas da eletrocalha; As eletrocalhas deverão possuir resistência mecânica a carga distribuída mínima de 19 kgf/m para cada vão de 2m; A conexão entre os trechos retos e conexões das eletrocalhas deverão ser executados por mata juntas, com perfil do tipo H, visando nivelar e melhorar o acabamento Pág. 22

23 entre as conexões e eliminar eventuais pontos de rebarba que possam comprometer a isolação dos condutores; Os perfilados metálicos deverão possuir dimensões de (38x38)mm simples e (76x38)mm duplo, conforme projeto, fornecidos em barras de 6000mm; As eletrocalhas deverão possuir dimensões de (70x50)mm, (100x50)mm, (150x50)mm, (200x50)mm, (300x50)mm e (300x100)mm, conforme projeto, fornecidas em barras de 3000mm; Para terminações, emendas, derivações, curvas horizontais ou verticais e acessórios de conexão deverão ser empregadas peças pré-fabricadas com as mesmas características construtivas do perfilado; Os perfis utilizados na construção dos perfilados deverão ser livres de rebarbas nos furos e arestas cortantes, no intuito de garantir a integridade da isolação dos condutores e proteção ao instalador / usuário; Os perfilados deverão possuir resistência mecânica a carga distribuída mínima de 19kgf/m para cada vão de 3m; O fornecimento deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como mata junta, tala de emenda, entre outros, acessórios de fixação e sustentação das eletrocalhas ou perfilados fixados em parede ou teto (laje). Fabricante: MOPA DISPAN BRASDUTO ou similar. Aplicação: Suportes para cabos dos sistemas; elétrico e telecomunicações, junto ao teto, sobre o forro (onde houver) ou em parede Eletrodutos de PVC Rígido Especificações: Pág. 23

24 Serão rígidos, de cloreto de polivinil não plastificado (PVC), auto-extinguível, roscáveis e sem rosca, em conformidade com nova norma NBR 15465; Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas, conforme projeto e terão paredes com espessura da Classe A ; Para desvios de trajetória só será permitido o uso de curvas, ficando terminantemente proibido submeter o eletroduto a aquecimento; Os eletrodutos devem ser fornecidos com uma luva lisa ou roscada em uma das extremidades; As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente, devem ter obrigatoriamente bucha e arruela fundidas; O fornecimento deverá contemplar todos os acessórios para a instalação, tais como; luvas, curvas, conector tipo Box, entre outros, acessórios de fixação e sustentação dos eletrodutos fixados em piso, parede e laje. Fornecido em Barra com 3 metros Fabricante: TIGRE WETZEL ou similar. Aplicação: Constituição da infraestrutura de tubulações aparentes para passagem dos cabos de telecomunicações e energia, junto ao teto ou em parede Eletrodutos Flexíveis Corrugados Especificações: Serão flexíveis corrugados, cor amarelo / cinza, de cloreto de polivinil não plastificado (PVC), auto-extinguível, em conformidade com nova norma NBR 15465, com diâmetros Pág. 24

25 entre 3/4 a 1.1/4, nas instalações internas / externas, embutidas no piso, parede ou enterradas no solo; Serão flexíveis corrugados, cor preto, de Polietileno de Alta Densidade (PEAD), auto-extinguível, em conformidade com nova norma NBR 15465, para diâmetros acima de 1.1/4, nas instalações internas/externas, embutidas no piso ou enterradas no solo; Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas, conforme projeto; As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente devem ter obrigatoriamente bucha e arruela fundidas. Fornecido em rolos com metragens diversas conforme fornecedor Fabricante: TIGRE, AMANCO ou similar. Aplicação: Constituição da infraestrutura de tubulações embutidas em parede, piso ou em instalação subterrânea, para passagem dos cabos de telecomunicações e energia Eletrodutos Metálicos Rígidos Especificações: Serão rígidos, roscáveis, Galvanizados a Fogo, tipo Pesado, em conformidade com normas NBR 13057/93 e 624/93; Rosca NBR 8133; Acabamento: Galvanizado Eletrolítico - NBR 13057/93 e Zincado a Fogo ("Galvanizado a Fogo") - NBR 5624/93, com diâmetros entre 1 a 3, nas instalações externas; Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas, conforme projeto; Pág. 25

26 As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente devem ter obrigatoriamente bucha e arruela fundidas. Fornecido em Barra com 6 metros Fabricante: ELECON CARBINOX ou similar. Aplicação: Constituição da infraestrutura de tubulações de sobrepor, fixadas em parede nas áreas externas da obra ou poste das Concessionárias de Telecomunicações, para passagem de cabos Canaletas Plásticas Especificações: Fabricadas em material termoplástico auto-extinguível, cor branco (padrão); Fornecimento em barras de 2100mm, com dimensões de (50x20)mm; Acessórios de conexão tipo derivador em T, cotovelos internos / externos, curvas e acopladores para tomada; Aplicação nos suportes para cabos dos circuitos de energia e de comunicação, nas instalações aparentes de sobrepor; Canaletas com divisor interno para separação dos cabos dos sistemas de energia e telecomunicações; Aplicação do corpo das tomadas com uso de acoplador fixado à peça, permitindo a livre passagem dos cabos pelas guias da canaleta. Fabricante: PIAL LEGRAND, tipo SISTEMA X ou similar. Aplicação: Constituição da infraestrutura de passagem dos cabos de telecomunicações e energia, em instalações aparentes. Pág. 26

27 Canaletas Metálicas Especificações: Fabricadas em alumínio com acabamento a fogo, cor cinza (padrão) e tampa de pressão; Fornecimento em barras de 3000mm, com dimensões de (73x25)mm; Acessórios de conexão tipo caixas de derivação, curvas verticais e horizontais e caixa acoplada para tomada; Aplicação nos suportes para cabos dos circuitos de energia e de comunicação, nas instalações aparentes de sobrepor; Canaletas com divisor interno para separação dos cabos dos sistemas de energia e telecomunicações; Aplicação do corpo das tomadas com uso de caixa acoplada fixada à peça, permitindo a livre passagem dos cabos pelas guias da canaleta. Fabricante: DUTOTEC, MOPA ou similar. Aplicação: Constituição da infraestrutura de passagem dos cabos de telecomunicações e energia, em instalações aparentes Colunas Metálicas de descida Especificações: - Fornecimento Standard: Dimensão Padrão: Comprimento útil de 3,0m, com uso de extensor: Máximo 3,5m; Estrutura tubular em alumínio extrudado, com uma secção de cada lado, com canaletas, permitindo a separação dos cabos de energia e telecomunicações; Duas tampas standard; Um vergalhão extensor e fixador superior; Luva de arremate e base de apoio inferior e superior. Fabricante: DUTOTEC, tipo PLUS LIGHT ou similar. Pág. 27

28 Aplicação: Constituição da infraestrutura de passagem dos cabos dos sistemas; elétrico e de telecomunicações, em instalações aparentes para descida junto às estações de trabalho centralizadas no ambiente, afastadas de parede ou junto a divisórias em vidro Buchas, Arruelas e Boxes Especificações: Acessórios para eletrodutos, fabricados em liga metálica; Fabricante: WETZEL DAISA ou similar. Aplicação: Para terminação de eletrodutos em caixas de passagem, prumada, quadros de distribuição e suportes diversos Luvas de União, Bolsas e Tampões / Plugs para eletrodutos Especificações: Acessórios para eletrodutos, fabricados em liga metálica ou PEAD; Fabricante: WETZEL, DAISA, TIGRE, KANALEX ou similar. Aplicação: Para união de eletrodutos corrugados com lisos e nas terminações de eletrodutos em caixas de passagem subterrânea Acessórios gerais para fixação Especificações: Pág. 28

29 Tirantes, vergalhões, abraçadeiras, suspensões em ferro galvanizado, abraçadeiras em PVC e aço galvanizado; Fabricante: MOPA DISPAN JEA ou similar. Aplicação: No suporte e fixação de eletrodutos, calhas, canaletas e perfilados Caixas de Passagem e Montagem de Tomadas Caixas de passagem e tomadas em parede Especificações: Salvo indicação expressa em contrário, contida no projeto, as caixas serão em PVC auto-extinguível, grau de proteção IP40, atendendo a nova norma NBR e normas complementares exigidas, para instalação embutida em parede de alvenaria ou DRYWALL. Serão do tipo caixa de CONDULETE em PVC auto-extinguível, grau de proteção IP40, atendendo as normas NBR e 6150, para instalação interna de sobrepor, fixadas em parede ou pilar. Serão do tipo caixa de CONDULETE metálico em liga de alumínio injetado, atendendo as normas NBR e 54101, para instalação externa de sobrepor, fixadas em parede. Entradas lisas para simples encaixe do eletroduto, com pressão normal para conduletes metálicos ou em PVC para diâmetro até Ø1.1/4 e entrada roscada para conduletes metálicos ou em PVC para diâmetros acima de Ø1.1/4 ; Serão empregadas caixas com dimensões (4x2)", (4x4) ou, (4x6), para aplicação de tomadas de lógica, telefonia, TV e esperas para sistemas de segurança e sonorização. Pág. 29

30 Fabricante: PIAL LEGRAND, TIGRE, WETZEL, DAISA ou similar. Aplicação: Fixação e suporte às tomadas de comunicação para constituição dos pontos de lógica, telefone, TV e esperas para sistemas de segurança e sonorização, em instalações aparentes ou embutidas Caixas de passagem em piso Especificações: Serão empregadas caixas com dimensões (4x2)" ou (4x4)", para instalação embutida no piso (laje) ou contrapiso, nos pontos previstos de espera para interface dos comandos de automação, do sistema de climatização. As caixas serão metálicas, corpo e tampa fabricados em alumínio injetado; utilizar modelo de caixa com abertura na própria tampa para saída de cabos, mesmo quando fechada (tampa articulada); Caixa metálica de piso, corpo e tampa; fabricados em alumínio injetado, modelo do tipo REDONDA da DUTOTEC ou similar para aplicação em piso elevado. Principais características a serem atendidas pela caixa de piso: - aplicação das tomadas no interior da caixa, sem contato com o meio externo, após o fechamento da tampa, evitando acidentes por contato humano ou materiais de limpeza; - abertura na própria tampa para saída de cabos, mesmo quando fechada; - adaptadores metálicos bipartidos, que permitam a instalação independente dos sistemas de telecomunicações e energia, bem como; a remoção do suporte de equipamento individualmente; Pág. 30

31 - permitir a rotação da tampa e/ou o corpo da caixa, mesmo após a fixação da mesma na placa do piso elevado, permitindo o melhor ajuste com a direção da malha de dutos no piso e a disposição de utilização. Caixa de fundo, utilizada para a instalação da caixa de piso redonda em piso elevado. Serve como base para a alimentação da caixa, através de furos com diâmetros de 3/4 a 1" para acesso de eletrodutos Adaptadores metálicos, fabricados em aço zincado, utilizados para fixação dos equipamentos de saída, como tomadas de energia, tomadas de dados RJ45. Possuem ancoragem dos cabos para evitar a tração diretamente nos conectores. Os suportes são formados por duas partes separadas, para assegurar a integridade das instalações, possibilitando a manutenção ou atualização de sistemas de forma independente e preparados para receber as novas tomadas de energia normalizadas pela ABNT. Atendem as normas: EIA/TIA 568/569 e NBR 14136/ Tampa da caixa deverá possuir rebaixo para instalação de piso ou carpete sobre a tampa. Fabricantes: WETZEL, DUTOTEC ou similar. Aplicação: Passagem dos cabos dos sistemas de telecomunicações e energia, em instalações junto ao piso comum ou instalações com sistema de piso elevado Caixas de passagem subterrânea Especificações: Construídas em alvenaria de tijolos / blocos de concreto ou concreto armado, revestida com cimento e areia, executadas In Loco, em conformidade com indicação em detalhamento Pág. 31

32 de projeto e especificações das práticas Telebrás para telefonia e telecomunicações; Caixa padrão para telefonia OI TELECOM, tipo R1 (60x35x50)cm para passagem de telefone da respectiva concessionária, tampa em ferro fundido com inscrição TELEFONE ; Caixas padrão (30x30x40)cm e (50x50x50)cm, com tampa em concreto ou metálica, para passagem de telecomunicações e sistema de aterramento; Caixa equipada com ferragens para sustentação dos cabos. Previsão de furação para passagem dos cabos; Devem ser construídos poços de esgotamento (drenos) para esgotamento das águas pluviais. Em locais onde haja aparecimento do lençol freático, construir a caixa sem o dreno; Os pisos das caixas devem ter inclinação mínima de 3% no sentido do poço de esgotamento (dreno); Fabricante: Execução in loco. Aplicação: Passagem dos cabos dos sistemas de telecomunicações, em instalações subterrâneas, entrada das concessionárias e conexão com edifícios anexos à obra Caixas e Quadros de Distribuição Caixas de passagem e distribuição Especificações: Caixas de dimensões (4x4) e (15x15x8)cm, em PVC de embutir ou sobrepor, com tampa parafusada, para chegada e distribuição dos cabos do sistema de telecomunicações; Caixas de dimensões (20x20x12)cm, (30x30x12)cm e (40x40x12)cm, metálicas, de embutir ou sobrepor, com tampa parafusada, para: Pág. 32

33 - Chegada e distribuição dos cabos do sistema de telecomunicações; - Abrigo da unidade controladora e fonte do sistema de controle de acesso acima das portas; - Abrigo e instalação da central de alarme antifurto; Para caixas metálicas, corpo e tampa em Chapa de Aço, grau de proteção mínimo IP40, fornecido com pintura eletrostática epóxi a pó, na cor branco/bege. Em conformidade com NBR Para caixas de PVC, corpo e tampa em material termoplástico, antichama, grau de proteção mínimo IP40, fornecido na cor branco/bege. Em conformidade com NBR e IEC Fabricante: TIGRE CEMAR PIAL LEGRAND ou similar. Aplicação: Chegada e distribuição dos cabos dos sistemas de telecomunicações ou abrigo de acessórios Caixas de distribuição (Prumadas) Especificações: Caixa (30x30x12)cm, metálica, de sobrepor, com tampa parafusada, para chegada e distribuição dos cabos do sistema de telecomunicações; Corpo e tampa em Chapa de Aço, grau de proteção mínimo IP40, fornecido com pintura eletrostática epóxi a pó, na cor branco/bege. Em conformidade com NBR Fabricante: CEMAR TAUNUS ou similar. Pág. 33

34 Aplicação: Chegada e distribuição vertical dos cabos dos sistemas de telecomunicações Quadros de distribuição para telefonia/tv Especificações: Caixa nº 05 dimensões (80x80x12)cm, metálica, de embutir ou sobrepor, com porta e fecho, para Quadro Distribuidor Geral de Telefonia e Secundário; Caixa nº 05 dimensões (80x80x12)cm, metálica, de embutir, com porta e fecho, para Quadro Distribuidor Geral de TV por Assinatura/INTERNET; Caixa nº 04 dimensões (60x60x12)cm, metálica, de sobrepor, com porta e fecho, para Quadro Distribuidor Geral de Antena/TV; Caixa tipo quadro telefônico, padrão Telebrás, corpo e tampa em Chapa de Aço, grau de proteção mínimo IP40, fornecido com pintura eletrostática epóxi a pó, na cor cinza, fundo em madeira, opcionalmente revestido com chapa de aço, em conformidade com NBR 6808; O quadro distribuidor geral de telefonia a ser instalado no pavimento térreo, deverá estar preparado para o recebimento de até 80 Linhas para ligação externa, sendo 50 linhas para o tronco principal da obra do Fórum de São José e pelo menos 30 linhas para distribuição de 10 troncos telefônicos em cada sala prevista para a instalação de agência bancária e 2 linhas para uso da cafeteria. Por solicitação da equipe técnica do NPO, a princípio não foi previsto a instalação de telefones públicos, porém, caso haja a necessidade de instalação futura, poderão ser utilizados os pares extras no quadro; O quadro telefônico secundário a ser instalado no 2º pavimento, deverá estar preparado para o recebimento de até 50 Linhas para ligação externa, sendo pelo menos 20 linhas para o tronco principal e espelhamento de no mínimo 200 ramais, com possibilidade de expansão entre 300 a 400 ramais internos, derivados da central telefônica; Pág. 34

35 No interior do quadro distribuidor geral de telefonia deverão ser previstos: - Terminal tipo sapata para cabo de cobre nu #16,0mm², para aterramento do quadro e sistema de telefonia; - 16 Blocos BLI-10P, Bloco de Engate rápido, para 10 pares, para chegada e distribuição de linhas internas / externas (troncos); - Deverá ser instalado conjunto Protetor contra Surtos eletromagnéticos (MP-R/MP-N 200V) para uso nos D.G.s de telefonia, Bloco de proteção para até 100 pares com módulos de proteção híbridos (ou seja, que possuem centelhadores a gás, termistores e varistores) para 10 ka na forma de onda 8/20us. Os fusíveis deverão ser ligados ao aterramento. - pelo menos 30 anéis de distribuição nº1 (anel guia) para organização dos cabos; - pelo menos 40 anéis de distribuição nº2 (anel guia) para organização dos cabos; - Tomada universal 2P+T - 15A/220VAC para alimentação de equipamentos; - Tratamento com tinta anticupim nas cores branca ou verde para fundo de madeira. No interior do quadro telefônico secundário deverão ser previstos: - Terminal tipo sapata para cabo de cobre nu #16,0mm², para aterramento do quadro e sistema de telefonia; - 45 Blocos BLI-10P, Bloco de Engate rápido, para 10 pares, para chegada e distribuição de linhas internas / externas (troncos) e espelhamento dos ramais entre a central telefônica e o racks distribuidores nos andares; - Deverá ser instalado conjunto Protetor contra Surtos eletromagnéticos (MP-R/MP-N 200V) para uso nos D.G.s de telefonia, Bloco de proteção para até 50 pares com módulos de proteção híbridos (ou seja, que possuem centelhadores a gás, termistores e varistores) para 10 ka Pág. 35

36 na forma de onda 8/20us. Os fusíveis deverão ser ligados ao aterramento. - pelo menos 20 anéis de distribuição nº1 (anel guia) para organização dos cabos; - pelo menos 30 anéis de distribuição nº2 (anel guia) para organização dos cabos; - Tomada universal 2P+T - 15A/220VAC para alimentação de equipamentos; - Tratamento com tinta anticupim nas cores branca ou verde para fundo de madeira. No interior do quadro distribuidor geral de Antena/TV deverão ser previstos: - Divisores de sinal para antena/tv; - Misturador e Amplificador de sinal; - Fonte de alimentação - Tomada universal 2P+T - 15A/220VAC para alimentação de equipamentos; - pelo menos 20 anéis de distribuição nº1 (anel guia) para organização dos cabos; - Tratamento com tinta anticupim nas cores branca ou verde para fundo de madeira. Fabricante: CEMAR OLIPÊ ou similar. Aplicação: Chegada e distribuição dos cabos dos sistemas de telefonia, Antena / TV Espelhos Para Aplicação em Caixas de Tomadas ou Passagem Especificações: O fabricante deverá possuir espelhos para toda linha e/ou tipo de instalação existente no projeto, contendo modelos para 1, 2, 3 ou 4 conectores RJ-45, tomada do tipo 4P Pág. 36

37 padrão Telebrás, tomada coaxial para antena/tv e espelho cego ou com 1 furo para saídas dos sistemas de segurança, som, entre outros; A exigência anterior visa manter uma uniformidade de modelos de espelhos em toda a instalação; Quando instalados em caixas de ligação de alumínio ou PVC (conduletes de alumínio ou PVC), em instalações aparentes, deverão ser utilizados, espelhos confeccionados no mesmo material da caixa. Para os casos de instalação externa ou exposta a ação do tempo, os espelhos deverão possuir mesmo grau de proteção, relativo ao material da caixa; Para caixas com função apenas de passagem deverão ser utilizados espelhos cegos; Fabricante: TIGRE, WETZEL, PIAL LEGRAND ou similar. Aplicação: Fixação e suporte às tomadas de comunicação para constituição dos pontos de lógica, telefone, TV e esperas para sistemas de segurança e sonorização, em instalações aparentes ou embutidas Condutores, Identificadores E Acessórios Para Cabos Cabo metálico UTP não blindado para cabeamento estruturado Referência: CABO ELETRÔNICO MULTILAN STANDARD CAT.5EE U/UTP 24AWGx4P- LSZH da FURUKAWA ou similar. Descrição: CABO UTP, não blindado, Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos das normas ANSI/TIA-568-C2 e ISO/IEC 11801, Categoria 5e. Cabo de pares trançados compostos de condutores sólidos de cobre nu, 24 AWG, Pág. 37

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin Dutos de Piso... 27 Modelos... 27 Caixas de passagem... 31 Caixas de tomada... 35 Derivações... 39 Tomadas de piso - Latão/Cromado/Nylon... 42 Espelho para pisos... 43 Caixa de alumínio... 44 Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FÓRUM TRABALHISTA DE LAGES PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES

FÓRUM TRABALHISTA DE LAGES PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES FÓRUM TRABALHISTA DE LAGES MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES P Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Fórum Trabalhista de

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente (Equipamentos e Suprimentos de Informática), para 001 081266-9 CABO UTP CAT5E FLEXíVEL, CAIXA COM 300MT Lote 1- Destino: Uinfor CX 30 002 113294-5

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12 FL. 01/12 REGIÃO I estimados R$ Sub Total BDI 1 2 Execução de infra-estrutura para a instalação de ponto elétrico duplo (rede comum ou estabilizada), até 1.500 W. partindo do quadro elétrico até qualquer

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA 156/3 (150 X 60 mm) - 3 seções 0% BRASILEIRA Características das canaletas de alumínio Blindagem eletromagnética devido à liga 6060 - T5, eliminando

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBJETO...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA REFORMA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DOS PAVILHÕES 1 E 2 EVENTOS...CENTRO DE

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CABEAMENTO ESTRUTURADO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE -

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

Planilha Estimativa de Orçamento

Planilha Estimativa de Orçamento Item 1. INFRAESTRUTURA COMUM Planilha Estimativa de Orçamento Descrição do Material Qtde. Unid. 1. 1. ELETRODUTOS/PERFILADOS/ELETROCALHAS/CANALETAS 1. 1. 1. SEAL TUBE.1 ELETRODUTO FLEXIVEL DE ACO ZINCADO

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: 1.1. Este roteiro serve como base às obras de Contratação de empresa especializada para o fornecimento de material e mão de obra para execução de rede

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Sistemas para piso elevado A Mopa desenvolveu diversos modelos de caixas para acomodação dos pontos de ligação dos aparelhos (tomadas). Estas caixas tem características

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Linha para Piso Elevado

Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Calha para piso elevado... 53 Derivações... Caixa para piso elevado... 54 Metálico... 54 Nylon... 56 Latão... 58 54 Sistemas para

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO Caixas de passagem e derivação pág. 374 CPS e CPE caixas de passagem metálicas pág. 382 Caixas de embutir para Dry Wall Eletrodutos e instalações

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE CREA /RN COMPOSIÇÕES DE CUSTO UNITÁRIO DATA: JUL/15

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE CREA /RN COMPOSIÇÕES DE CUSTO UNITÁRIO DATA: JUL/15 ITEM CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE CREA /RN COMPOSIÇÕES DE CUSTO UNITÁRIO DATA: JUL/15 Encargos Sociais de 123,93% (HORA) Encargos Sociais de 81,69% (MENSALISTA) Aplicado

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE Contratante: PEFORMANCE Obra: BANGU Local: RUA 405 RIO DE JANEIRO RJ Arquivo: PERFORMANCE 0-ELE-PE-2-DOC-ESPC Emissão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS NECESSÁRIOS À READEQUAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E METÁLICO DE VOZ DO AEROPORTO DE BAGÉ TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160

Padronização. Rua Lourenço Pinto, 299 - Curitiba Paraná Brasil CEP 80010-160 Padronização O presente documento tem o intuito de definir a padronização utilizada para a infra-estrutura de rede de dados e voz, em sites da GVT. Deverá ser usado como base para execução dos projetos

Leia mais

Tecnologia em sustentação de fios e cabos

Tecnologia em sustentação de fios e cabos Tecnologia em sustentação de fios e cabos Editorial VALEMAM PERFIS METÁLICOS LTDA Política de Qualidade A Valemam busca a satisfação de seus clientes, através da melhoria contínua de seus processos junto

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CIRCUITO INTERNO DE TV, TELEVISÃO E SONORIZAÇÃO. COREN CONSELHO REGIONAL

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES PAX_PERDIZES é composto por 1 torre residencial com 8 pavimentos com 4 unidades cada. As vagas de estacionamento estão distribuídas em 2 subsolos. O acesso ao Empreendimento

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Utilizando o conceito de estruturação mecânica desenvolvido pela MOPA, o ELETROFORT é uma eletrocalha de seção transversal e características exclusivas, que permitiram

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço

ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço ITEM DESCRIÇÃO UNID QTDE VALOR VALOR MÃO VALOR MÁXIMO

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Power Engenharia CLIENTE: ÁREA: N O: MD-003-CREA-2014 Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1 de 14 POWER ENGENHARIA ELÉTRICA E TELECOM.

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS

INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS LINHA DE RACKS ABERTOS LINHA DE BRACKETS LINHA DE ACESSÓRIOS INDICE LINHA DE RACKS FECHADOS Triunfo Standard Triunfo Server Triunfo Left Triunfo Left Server Triunfo Industrial 05 06 07 08 09 LINHA DE RACKS ABERTOS Triunfo Plus Triunfo HD 10 11 LINHA DE BRACKETS

Leia mais

Seus produtos estão distribuídos em duas linhas de atuação:

Seus produtos estão distribuídos em duas linhas de atuação: A Polar está localizada em Joinville (SC), um dos principais polos industriais do país. Sempre atenta aos movimentos do mercado e às necessidades de seus clientes, a Polar busca constantemente soluções

Leia mais

INSTALAÇÕES DE S P D A

INSTALAÇÕES DE S P D A FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE S P D A PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE S P D A MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa Normas Técnicas

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PIACENZA REV.1 e-mail: detectamax@detectamax.com.br Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B Goiânia, 30 de Setembro de 2014. OBRA: IFRS- POA- Porto Alegre Laboratório Bloco B LOCAL: Rua Coronel Vicente, 281, Bairro Centro, Porto

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Planilha Orçamento - GLOBAL

Planilha Orçamento - GLOBAL 2. SERVIÇOS PRELIMINARES 2. 1. ADMINISTRAÇÃO DA OBRA Planilha Orçamento - GLOBAL 2. 1. 1. DESPESAS COM PESSOAL CONTRAMESTRE 3,00 MS 2.940,96 8.822,88 0,00 0,00 8.822,88 - - 11.028,60 11.028,60 2. 2. MEDICINA

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA ELETRODUTOS

PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA ELETRODUTOS O bom desempenho de um eletricista se revela com o passar do tempo. Isto porque uma boa instalação elétrica é aquela que permite a manutenção futura com rapidez, segurança e economia. Nesse ponto a utilização

Leia mais

PLANILHA DE PREÇOS SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES DO MEMORIAL BÁSICO.

PLANILHA DE PREÇOS SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES DO MEMORIAL BÁSICO. PLANILHA DE PREÇOS SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES DO MEMORIAL BÁSICO. Item Descrição dos Serviços Quant. PROCURADORIA DA REPÚBLICA

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais