AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes"

Transcrição

1 AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O que é a compostagem Como produzir compostos orgânicose biofertilizantes com resíduos Preparo do Bokashi Como aplicar os compostos orgânicos a. EMPREGO DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS O composto é uma forma de adubação muito empregada na agricultura orgânica. Consiste na mistura de restos vegetais, estercos e outros materiais orgânicos amontoados, umificados e revirados, para promover fermentação aeróbia até que a matéria orgânica esteja totalmente decomposta. O emprego de adubos orgânicos compostados deve ser estimulado, devido os melhores resultados do que a aplicação de materiais orgânicos comuns. Pelo processo de compostagem a decomposição do material é controlada e uniforme, é inviabilizada a germinação de sementes de ervas daninhas e diminui a ação de alguns patógenos, como fusarium e rizoctonia, muitas vezes presentes no material vegetal crú. Além destes efeitos, são eliminados durante o processo de fermentação, resíduos de herbicidas, antibióticos, muitas vezes presentes nesses materiais, assim como vermes e outros agentes patogénicos, que podem causar doenças nos consumidores. Outra opção, para plantas mais exigentes em nutrição, é a produção de compostos ricos em nitrogênio, fósforo e potássio, como o Bokashi e Boaydo, Este processo foi formulado para obter adubos orgânicos em substituição aos fertilizantes químicos tradicionais, sem os fatores indesejáveis destes. O bokashi pode ser obtido por fermentação aeróbica e anaeróbia, sendo preparado em até 10 dias. O húmus de minhoca pode ser considerado um tipo de adubo orgânico de elevado valor nutricional para as plantas. Ele é resultado do processo de transformação do composto bio-estabilizado em húmus orgânico. Os compostos obtidos de resíduos industriais ou lixos urbanos devem ser empregados com restrição, pois podem conter agentes patogênicos ou metais pesados. O chorume, que compreende a mistura de esterco e urina, quando fermentado de forma aeróbia, torna-se um adubo orgânico para emprego via foliar ou solo. Aplicar via foliar o,5 a 1% cada 15 dias. b. COMO CALCULAR UM COMPOSTO ORGÂNICO 1. Levar em consideração a relação C/N de cada material. Um composto de volumoso pode ser preparado de 30/1 até 90/1, considerando que quanto maior a relação C/N, mais tempo vai demorar para ficar pronto. Desta forma, um esterco bovina tem a relação C/N= 30/1 e uma palha de milho C/N= 112.

2 Uma mistura de kg de cada material, o calculo deve ser feita da seguinte forma: = que dividido por 2 materiais, produz uma massa com a relação C/N= 71. Nestas condições, com C/N= 71, deverá levar em torno de 60 a 70 dias para ocorrer sua bio-estabilização. 2. Se colocarmos a) maior quantidade de esterco (2.000 kg), vamos reduzir o tempo de preparo ou b) misturando maior quantidade de palha de milho (2.000 kg), vou aumentar o período de preparo, ou sejam: No caso a) = 172, que dividido por 3 = 57. Com uma relação menor (C/N= 57), o tempo de formação do composto será menor, abaixo de 60 dias. No caso b) = 254 que dividido por 3= 85. Com uma relação maior C/N= 85, certamente demorará de 90 a 100 dias. ATENÇÃO: Nestes períodos calculados, obteremos um composto orgânico de volumosos, que é um adubo bio-estabilizado (material grosseiro, que não esquenta mais), se no entanto, quisermos obter um humus, isto é um adubo humificado, devemos deixar o material por mais 30 a 40 dias nas condições adequadas de umidade, de preferência com minhocas, obtendo depois um material de textura fina, como uma borra de café, rico em nutrientes, que é o humus. c. CARACTERISTICAS FUNDAMENTAIS NA COMPOSTAGEM UMIDADE DO COMPOSTO:Para saber se a umidade está o ideal, dever ser apertado um punhado de composto na mão, se não escorrer água, mas sentir umidade, tem de 50 a 55%. Se soltar um pouco de água, ela terá 60 e 70%. A umidade estará em torno de 60% quando apertada a mistura na mão, começa escorrer água entre os dedos. Neutraliza-se o excesso de umidade, misturando á pilha casca de arroz ou palha de arroz picada. Para a produção do Bokashi (compostagem), o primeiro passo é ter uma umidade ideal (50%) e ir molhando aos poucos o material. Depois de tudo uniformemente misturado, coloca-se um pouco na palma da mão, que deve ser fechada com força e a umidade do composta não deve escorrer entre os dedos e nem deve estar seco a ponto de não formar um torrão. O ideal do composto é quando formado o torrão, apertando com a mão, é facilmente esfarelado TEMPERATURA: Na produção dos compostos a temperatura igual ou acima de 70ºC, são críticas para os microorganismos úteis, passando esta temperatura eles são eliminados. Deve-se evitar que a temperatura do composto ultrapasse a 70ºc, se isto ocorrer, esparrama-se a mistura, deixando-a assim até o dia seguinte, quando deve ser ajuntada novamente. Recomenda-se medir a temperatura constantemente. O ideal é utilizar um termômetro de cabo comprido. Caso não tiver, finca-se uma barra de ferro no monte de composto. Para saber a temperatura, segura-se a ponta que estava fincada no composto, caso esteja tão quente que não possa ser segurada, a temperatura do composto deve ser reduzida, esparramando-a.no caso do Bokashi, a temperatura não deve ultrapassar 50ºC. Esta temperatura ele atinge depois de misturado, num prazo de 20 a 24 horas, quando então deve ser revolvido. Toda vez que atingir 50º, o Bokashi deve ser revolvido. Nestas condições, estará pronto de 7 a 10 dias. CONDIÇÕES DE PREPARO - Durante o processo de compostagem o material deve estar abrigado da chuva, pois a umidade deve estar sempre de 50 a

3 55%. Se for preciso cobri-lo deve deixar expostas as laterais do monte para ventilação. Ao fazer um monte, procure deixar os lados verticais, para evitar a retenção de águas das chuvas. No caso do Bokashi, a mistura deve ser amontoada e coberta com sacos de estopa ou lona de algodão, para iniciar a fermentação. A altura do monte não deve estar de 0,8 a 1,0 metro, no entanto largura pode ser maior. O ideal é utilizar piso cimentado para facilitar o revolvimento do material e evitar a infiltração dos nutrientes no solo.após a mistura, o material pode ser colocado dentro de saco de adubo e amarrado a boca, deixando ocorrer a fermentação dentro da embalagem. DECOMPOSIÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA A matéria orgânica a ser empregada na adubação deve estar bioestabilizada ou humificada, para que não ocorra fermentação no solo. A má decomposição provoca acidificação do terreno, pela retirada de oxigênio, e isto causa danos á germinação das sementes e desenvolvimento das raízes (enfraquecimento) das plantas crescidas. O gás metano e amônia, formados no processo de fermentação, enfraquecerão as raízes e causarão a má formação dos brotos. COMO PREPARAR UM INOCULANTE Um dos inoculantes mais utilizandos na compostagem é o EM-4. Esse produto é um preparado de microrganismos especialmente para acelerar o processo de compostagem. EM 4, trata-se de uma mistura de microorganismos eficazes, que foi originalmente importado do Japão pela Fundação Mokiti Okada, Para preparar um inoculante, primeiro lugar temos que cozinhar uma porção de arroz cateto bem mole (papa), utilizando água não clorada. Depois consiga um gomo inteiro de bambu e rache-o ao meio, formando duas canoas. Encha as duas canoas de bambu com o arroz cozido e una novamente as duas e amarrando-as. Para proceder a inoculação dos microrganismos poderemos colocar o bambu com o arroz enterrado na superfície do solo na mata (na serrapilheira) ou então ao redor de um bambuzeiro. Ao procurar um bambuzeiro. localizar uma planta que apresentar fungo branco que se forma nas folhas de bambu. Em seguida enterrar o gomo de bambu com o arroz cozido papa revestido com a folha que contém o fungo branco. O tempo que deve permanecer enterrado é o tempo para o fungo tomar conta do arroz do bambu. Geralmente a inoculação ocorre no prazo de uma semana. Depois adicionar o arroz do bambu em aproximadamente 10 litros de água e ativar o mesmo com melaço de cana..a utilização de melaço de cana é comum para sua inoculação pois, uma vez inoculado há reprodução dos microorganismos e o melaço funciona como substrato para esta reprodução. Para melhor sua qualidade pode ser adicionado Yakult ou iogurte. Passos para o preparo do inoculante: a. Cozinha-se 700 gramas de arroz sem óleo e sem sal. b. Enterra-se ou gomo de bambu ou outro vasilhame contendo o arroz cozido na superfície de uma mata ou ambiente bem preservado e espere de quatro a sete dias. 3.Desenterrar o gomo de bambu após verificar que houve a inoculação em todo arroz e separar os mofos (fungos). Aqueles de cores claras são aproveitados e se tiver de cores escuras, deverão ser jogados fora. Os microrganismos de coloração negra não são aproveitados.

4 4. Os mofos (fungos) de cores claras e vivas devem ser misturados com 9 litros de água + 1 litro de melado/melaço ou 1 kg de rapadura. Tampar e aguardar por mais sete dias e utilizar na compostagem. d. SEQUÊNCIA DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM O composto orgânico deve ser preparado com o emprego de 3 a 5 partes de materiais de elevada relação C/N (bagaço de cana, palhas, restos de culturas, casca de arroz, capins, etc), para uma parte de material de baixa relação C/N (estercos, plantas leguminosas, entre outros).pode ser enriquecido com calcário, pó de rocha, farinha de ossos, cinzas, terra virgem, etc. A pilha de compostagem, deve ser montada colocando-se no fundo uma camada de 15 a 20 cm de material rico em C/N e em seguida 5 a 7 cm de estercos ou material rico em N. As camadas são molhadas, sem excesso. Em seguindas são alternadas estas camadas, terminando com a camada de capim. A largura da base da pilha é de 3 a 4 metros, altura de 1,50 m e comprimento 5 a 20 m. O material é revirado cada 10 a 20 dias, começando quando a temperatura interna da pilha, medida com um termômetro atingir 70ºC. Revirar o material por 5 a 6 vezes durante o processo, que leva de 60 a 90 dias para ser completado. O composto estará pronto, quando a temperatura interna elevada cair para a temperatura ambiente, que leva de 60 a 90 dias. No verão, a pilha do composto pode ser bem alta, atingindo até 1,5 m de altura. Deve ser coberta com uma camada de restos vegetais (palha) para que a água da chuva não incida diretamente sobre o composto, carregando os resíduos. O processo leva, em média, 45 dias, devendo revirar a pilha a cada 15 dias, sem misturar a palha que cobre o monte. Altura: 1,5 m

5 No inverno, o monte deve ser menor, com cm. Após dias, tem se o fim do processo de fermentação. Altura: cm ETAPAS: Montagem da Pilha: Para montar a pilha, disponha em camadas alternadas 3 partes de rico em carbono, sendo 1/3 de material seco (palhadas, capins, folhas, etc) e 2/3 verdes (adubos verdes, restos vegetais, etc), e 1 parte de material rico em nitrogênio, como estercos, de bovinos, suínos ou de galinha. Umedecimento do material: Molhar a pilha com água suficiente para umidecer sem encharcar, utilizando um regador de crivos finos ou mangueira. A largura na base do monte deve ter de 3 a 4 metros, a altura de 1,2 a 1,5 metros e o comprimento até 20 metros. Cobrir e Revolver: Cobrir o monte com palha ou outro material fibroso. Revolva quando a temperatura chegar a 70 graus, dentro de 15 dias. Na hora de revolver, confira a porcentagem de umidade, que deverá ficar entre 60% e 70%. Acompanhamento da temperatura e umidade: Se tiver aparecido um pó branco (fungos e actinomicetes), a umidade está baixa e o composto deverá ser molhado. Acompanhe a temperatura nos quinze dias seguintes: toda vez que chegar aos 70 graus, o composto deverá ser revolvido e, se preciso, molhado novamente durante esta operação. Decomposição final: O tempo de decomposição até a bioestabilização é entorno de 50 a 60 dias com o material original com C/N = 30; cerca de 3 4 meses com C/N = 60 e acima de 4 meses para C/N= 90. CUIDADOS NA COMPOSTAGEM ESCOLHA DO LOCAL: No verão a pilha de compostagem deverá de preferência estar na sombra, embaixo de árvores ou coberta com lonas ou capim seco. O excesso de insolação reduz a umidade do material. No inverno, poderá ficar no sol. PREPARAR O FUNDO DA PILHA: O terreno deve ter leve inclinação e a drenagem adequada e controlada para evitar a contaminação dos mananciais pelo chorume. MISTURA DE MATERIAIS: Utilizar materiais verdes, como gramas e restos orgânicos, com materiais secos, como capins e palhas secas. Os restos de comida devem estar bem picados para acelerar o processo de compostagem. AREJAMENTO: Revirar a pilha de compostagem, quando o material estiver compactado, ou com baixo teor de umidade (fazendo a irrigação), ou quando estiver com temperatura muito baixa ou elevada. UMIDADE: Deve estar tão úmido como uma esponja acabada de espremer. Se a pilha persistir em ficar úmida, remova sua cobertura em dias de sol. Revire a pilha de 3 em 3 dias. TEMPERATURA: Se a pilha não aquecer e tiver menos de 0,5 metro de altura, continue a adicionar materiais. Ainda não está pronta para virar. Se a pilha estiver úmida e com um cheiro adocicado, tem falta de nitrogênio. Misture mais materiais verdes. INSETOS: Se houver muitos insetos à volta da pilha, cubra com material seco

6 (palhas). Se houver formigas, a pilha está muito seca, regue-a. Para evitar moscas, distribuir uma camada fina de terra sobre o material aplicado e melhorar as condições de ventilação. PENEIRA GROSSA: Use uma peneira com orifícios de 0,5 a 2,5 cm de diâmetro para peneirar o composto e separar resíduos não totalmente compostados. FASES PARA A PRODUÇÃO DO COMPOSTO ORGÂNICO Construindo o monte de composto passo a passo: Passo 1 : SELECIONAR O MATERIAL E O LOCAL Separe e prepare os materiais vegetais e animais a serem utilizados e escolha um local à meia sombra para a montagem do composto. Passo 2: AMONTOA Material usado Como fazer Restos vegetais ricos em carbono e materiais de origem animal ricos em nitrogênio. Fazer uma camada com cerca de 30cm do material vegetal, em seguida uma camada de +- 5cm de restos animais, continuando a amontoa, sempre alternando as 2 camadas até uma altura de 1,8-2,0 metros. Observações Quanto menor for o tamanho do material vegetal, menor será o tempo de decomposição. Entre as camadas poderão ser adicionados inoculantes na proporção de 1% da matéria seca, para aceleração do processo de decomposição ou fermentação. Passo 3: UMEDECIMENTO DO MONTE Material usado Como fazer Observações Água. Molhar o monte, após cada camada, mantendo a umidade em torno de 60%. Pode-se verificar a quantidade de água apertando um pouco do material com a mão, se verter só um pouco de água, está bom. Passo 4: COBERTURA DO MONTE Material usado Como fazer Observações Palha seca ou capim. Cobrir o monte formado e umedecido para proteção contra o excesso de sol e a chuva. Passo 5: AERAÇÂO O material deve ser protegido de ventos fortes e chuvas, porém o emprego de plásticos que vedam a aeração é prejudicial. Material usado Como fazer Observações Pá. Revolver o monte, semanalmente, para favorecer uma boa fermentação aeróbica, durante os primeiros 20 dias. Podem ser colocados feixes de bambu passando pelo interior do monte para aumentar a aeração.

7 Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - Passo 6: AVALIAR A TEMPERATURA DE FERMENTAÇÃO Material usado Barra de ferro. Como fazer Observações Introduzir a barra de ferro no meio do monte. Para avaliar a temperatura, retirar a barra e segurar a uma altura de 2 palmos para baixo da superfície do composto. Se o calor for excessivo e não der para continuar segurando, a temperatura poderá estar entre 60 e 70 ºC, o que é normal para o início da fermentação, devendo ser atingida durante os primeiros 20 dias após amontoa Fonte: Compostagem- Folder Cati/SAA-SP-2001 CONHEÇA O TEOR DE NUTRIENTES DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

8 Prof. Silvio Roberto Penteaado (Eng.Agr. Ms Dr) - CONHEÇA O TEOR DE NUTRIENTES DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS IMPORTANTE: BALANCEAMENTO DOS MATERIAIS NA COMPOSTAGEM: Numa compostagem colocar 70% de material rico em carbono + 30% de material rico em nitrogênio

9 A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO CARBONO E NITROGÊNIO: A relação C/N ideal é 30/1. No caso de esta razão ser muito superior a 30:1 o crescimento dos microrganismos é atrasado pela falta de nitrogênio e conseqüentemente a degradação dos compostos torna-se mais demorada. Se, pelo contrário, a razão C/N for muito baixa, o excesso de nitrogênio acelera o processo de decomposição, mas faz com que o oxigênio seja gasto muito rapidamente, podendo levar à criação de zonas anaeróbias no sistema. O excesso do nitrogênio é libertado na forma de amônia, o que para além dos maus odores que provoca, corresponde a uma perda de nitrogênio, com a conseqüente produção de um composto mais pobre neste nutriente e por isso, menos valioso em termos comerciais. É comum misturar diferentes resíduos de forma a obter uma relação carbono/ nitrogênio adequada. Uma relação inicial C/N demasiado alto poderá ser corrigida juntando à mistura, materiais tais como estrume de galinha, resíduos de carnes e de peixes. Uma relação inicial C/N demasiado baixo poderá ser corrigida juntando à mistura materiais tais como palha, papel, serradura ou aparas de madeira. A adição dos materiais verdes deve ser aproximadamente 1: 1, assim se obtém o 30:1 de carbono/ nitrogênio.

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

Manual básico para oficina de compostagem

Manual básico para oficina de compostagem Manual básico para oficina de compostagem Adaptação do Manual Básico de Compostagem USP RECICLA Henrique Cerqueira Souza MSc Engenheiro Agronomia Agricultor Agroflorestal Nelson Araujo Filho Técnico Ambiental

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Casas de Banho de Composto Orgânico

Casas de Banho de Composto Orgânico Casas de Banho de Composto Orgânico O que é uma casa de banho de composto orgânico e como construí-lo? Módulo para poupança de água e gestão descentralizada dos dejetos humanos Tamera, SolarVillage Valerio

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto)

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) Professor: Nailton Rodrigues de Castro Disciplina: Agroecologia nailtoncastro@agronomo.eng.br Adubação Orgânica O Os efeitos da adição

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia.

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. Tecnologia EM na Vida Cotidiana Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Minhocultura Como produzir húmus de minhoca Método e sistema de criação INTRODUÇÃO A criação de minhocas é uma das melhores opções para o

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Introdução Atualmente os resíduos sólidos gerados na sociedade tornaram-se um grande problema para a administração pública. Existe um entrave entre a geração dos

Leia mais

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Organograma Empresarial Diretoria de COMPRAS Diretoria FINANCEIRA Diretoria

Leia mais

O que é compostagem?

O que é compostagem? O que é compostagem? Consideraremos compostagem como um processo de decomposição da matéria orgânica encontrada no lixo, em adubo orgânico. Como se fosse uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho FUNDACENTRO PRESIDENTE Humberto Carlos Parro DIRETOR EXECUTIVO José Gaspar

Leia mais

Tecnologia EM na Pecuária Bovina

Tecnologia EM na Pecuária Bovina Tecnologia EM na Pecuária Bovina Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar na Pecuária Bovina. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações na

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na

A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na COMPOSTAGEM DOMÉSTICA GUIA PRÁTICO O que é a compostagem? A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na decomposição dos resíduos domésticos por acção de microrganismos que

Leia mais

Este guia pertence a:

Este guia pertence a: Nota Introdutória A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova pretende com a elaboração deste manual prático de compostagem, sensibilizar a população para a importância que a compostagem doméstica pode ter na

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO COMPOSTAGEM ISSN 1517-8862. Nº 50, dez.2001, p.1-10

COMUNICADO TÉCNICO COMPOSTAGEM ISSN 1517-8862. Nº 50, dez.2001, p.1-10 ISSN 1517-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agrobiologia Ministério da Agricultura, Peduária e Abastecimento Caixa Postal 74505 - CEP 23851-970 - Seropédica, RJ Fone (0xx21)2682-1500

Leia mais

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Minifúndio de varanda

Minifúndio de varanda Início Composteira Este canteiro Minhocas Pássaros Minifúndio de varanda para quem planta alface em vaso abril 19, 2009 Minhocário e compostagem em apartamento Posted by administrador under Minhocas Tags:

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

Compostagem de Resíduos para Produção de Adubo Orgânico na Pequena Propriedade

Compostagem de Resíduos para Produção de Adubo Orgânico na Pequena Propriedade ISSN 1678-1945 Compostagem de Resíduos para Produção de Adubo Orgânico na Pequena Propriedade 59 Aracaju, SE Dezembro, 2009 Autores Maria Urbana Corrêa Nunes Pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ NOTA TÉCNICA Compostagem de Resíduos Sólidos Urbanos 1. Definição De acordo com a NBR 13591:1996, a compostagem é um processo de decomposição biológica da fração orgânica biodegradável dos resíduos, efetuado

Leia mais

Compostagem Caseira. por José Furtado

Compostagem Caseira. por José Furtado Compostagem Caseira por José Furtado 1 O que é compostagem Compostagem é o processo de decomposição aeróbica de matéria orgânica (restos de frutas, verduras, jardinagem, poda, etc). Se auxiliamos este

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Ligados na Pilha Compostagem em escolas

Ligados na Pilha Compostagem em escolas A compostagem ( transformação limpa e sem cheiro do lixo em adubo), ajuda a reduzir o volume de rejeito, além de melhorar a qualidade do que pode ser reciclado. O adubo produzido é o melhor fertilizante

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009 Valorização Orgânica VALNOR Fórum Eco-Escolas 2009 RESÍDUOS UM PROBLEMA PRESENTE E FUTURO Quantidade de LIXO que se produz Cada Português produz cerca de 1,2Kg de lixo por dia! No SISTEMA VALNOR entram

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

Circular. Técnica. Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças. Tipos de fertilizantes orgânicos ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças. Tipos de fertilizantes orgânicos ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 65 Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças Circular Técnica Brasília, DF Julho, 2008 Autores Ronessa B. de Souza Eng a. Agr a., DSc. Embrapa Hortaliças Brasília, DF E-mail:

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo

Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Implantação e manejo de minhocário de baixo custo Engenheiros Agrônomos: Gheysa Julio Pinto Fernando Teruhiko Hata Núcleo/Incubadora Unitrabalho UEM unitrabalho@uem.br (44) 3011-3893 ou 3011-3785 Introdução

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA Maria Urbana Corrêa Nunes Pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Avenida Beira Mar, 3250, Caixa Postal 44, CEP: 49025-040, Aracaju/SE.

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

COMPOSTAGEM Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Temperatura

COMPOSTAGEM Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Temperatura COMPOSTAGEM COMPOSTAGEM O QUE VAMOS VER? Esquema da compostagem O que influencia a compostagem? Microrganismos Aeração Umidade Relação Carbono/Nitrogênio (C/N) Materiais Temperatura O QUE VAMOS VER? Vantagens

Leia mais

Sistema Laminar. Ecotelhado

Sistema Laminar. Ecotelhado Sistema Laminar Ecotelhado 2 Especificação O Sistema Modular Laminar Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Membrana Ecotelhado de Proteção Anti-Raízes Membrana Ecotelhado de Retenção de Nutrientes

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Ciclo da matéria orgânica

Ciclo da matéria orgânica FICHA CATALOGRÁFICA Este manual é parte integrante do Programa de Tecnologias Sustentáveis do Projeto No Clima da Caatinga, patrocinado pela Petrobras e realizado pela Associação Caatinga. O Projeto tem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA RELAÇÃO CARBONO/NITROGÊNIO NO TEMPO DE FORMAÇÃO DE UM COMPOSTO ORGÂNICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA RELAÇÃO CARBONO/NITROGÊNIO NO TEMPO DE FORMAÇÃO DE UM COMPOSTO ORGÂNICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA E DA RELAÇÃO CARBONO/NITROGÊNIO NO TEMPO DE FORMAÇÃO DE UM COMPOSTO ORGÂNICO Bárbara Camacho Gonçalves (G, Engenharia Ambiental), UTFPR Câmpus de Campo Mourão, bah_camacho@hotmail.com

Leia mais

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata SOMOS UM GRUPO BEM GRANDE DE COMPANHEIROS E CADA UM DÁ A MÃO AO OUTRO. O CTA - Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata é uma organização não

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS

MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS Elaborada por Marina Oliveira Alves Pereira Estagiária USP Recicla (2011-2012) 2011 0 Sumário Introdução..................................................2

Leia mais

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 CONTROLAR VAI COBRAR R$ 250 MILHÕES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Empresa que fazia a inspeção veicular em São Paulo, a Controlar foi extinta no final de janeiro. Seus sócios

Leia mais

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001%

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% ÁGUA Distribuição da água no planeta Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% Distribuição da água no mundo 70% agricultura 22% indústria

Leia mais

CARTILHA PARA AGRICULTORES COMPOSTAGEM. Produção de fertilizantes a partir de resíduos orgânicos APOIO

CARTILHA PARA AGRICULTORES COMPOSTAGEM. Produção de fertilizantes a partir de resíduos orgânicos APOIO CARTILHA PARA AGRICULTORES COMPOSTAGEM Produção de fertilizantes a partir de resíduos orgânicos APOIO Organizadores Profª. Drª. Valdirene Camatti Sartori - UCS/CCAB/IB Profª. Drª. Rute T. da Silva Ribeiro

Leia mais

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos Leandro Kanamaru Franco de Lima Classificação de resíduos sólidos Resíduos sólidos, segundo a NBR 10.004 (ABNT,

Leia mais

ANEXO 11: TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE ADUBAÇÃO ORGÂNICA

ANEXO 11: TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE ADUBAÇÃO ORGÂNICA ANEXO 11: TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE ADUBAÇÃO ORGÂNICA 1. O que são os compostos orgânicos? São materiais orgânicos (vegetais ou animais), que passaram por um processo fermentativo, de decomposição controlada,

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

Compostagem. Doméstica. Pequeno Guia da Compostagem Doméstica

Compostagem. Doméstica. Pequeno Guia da Compostagem Doméstica Doméstica 1 Pequeno Guia da Doméstica A situação actual dos resíduos Os resíduos sólidos urbanos [RSU] são hoje em dia um grave problema uma vez que a sua produção tem crescido aceleradamente sem que se

Leia mais

MANUAL DE HORTAS VERTICAIS. Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço

MANUAL DE HORTAS VERTICAIS. Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço MANUAL DE HORTAS VERTICAIS Passo a passo sobre como plantar temperos, ervas e verduras em pouco espaço Comunidade Dois Palitos, Embu das Artes Julho de 2012 Equipe: Fernanda (Brasil), Lucas (Brasil), Ketty

Leia mais

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA Vicente

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO Nayhana Lara Chaves e Carvalho¹; Túlio da Silva Brum¹; Jussara Aparecida de Oliveira Cotta*¹; Evaneide Nascimento

Leia mais

Nematóides. Número aproximado de solo) Biomassa (libras/acre) Animais. mais numerosos no solo. 100 mil 50 milhões. Auxiliam

Nematóides. Número aproximado de solo) Biomassa (libras/acre) Animais. mais numerosos no solo. 100 mil 50 milhões. Auxiliam Nematóides Animais mais numerosos no solo Auxiliam outros microrganismos na decomposição da matéria orgânica Número aproximado (porção de solo) 100 mil 50 milhões Biomassa (libras/acre) 50-100 Macro e

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO) 1- Leia o texto a seguir e responda: EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (6 ANO) Além de diminuir a poluição ambiental, o tratamento do lixo pode ter retorno econômico e social. a) Cite duas formas de se obterem produtos

Leia mais

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto Composto Orgânico COMPOSTO ORGÂNICO A quantidade de esterco produzida pelas criações é muito pequena. Não chega para toda a terra que se deseja estercar. Mas é possível aumentar essa quantidade, ajuntando-se

Leia mais

Compostagem Doméstica e hortas biológicas

Compostagem Doméstica e hortas biológicas CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR Compostagem Doméstica e hortas biológicas PROCESSOS NATURAIS QUE COMEÇAM NA SALA DE AULA. ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S. MIGUEL Índice 001. Conhecer é a melhor forma

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais