SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação: 2 Poda: 2 Irrigação: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO INVERNO 3 Irrigação: 3 Adubação: 3 Limpeza: 3 Poda: 3 Dicas: 3 CUIDADOS COM O GRAMADO 3 ESMERALDA 3 Clima: 3 Tolerância ao frio: 3 Resistência à seca: 3 Resistência ao pisoteio: 3 Fertilidade do solo: 4 Resistência a invasoras: 4 Tolerância a insetos: 4 SÃO CARLOS 4 Clima: 4 Tolerância ao frio: 4 Resistência à seca: 4 Resistência ao pisoteio: 4 Fertilidade do solo: 4 Resistência a invasoras: 4 Tolerância a insetos: 4 PRETA 4 ADUBOS PARA FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO 5 N= Nitrogênio 5 P= Fósforo 5 K= Potássio 5 FORMULAÇÃO RELACIONADA A FASES E TIPOS 5 Fase de Crescimento/Brotação e Plantas de Folhagens: 5

3 Fase de Floração e Plantas Floríferas: 5 Fase de Frutificação e Plantas Frutíferas: 5 CUIDADOS 6 CONTROLE DE ERVAS DANINHAS 6 Dicas: 6 CONTROLE DE INSETOS E PRAGAS 6 Dicas: 6 CONTROLE DE DOENÇAS 7 Causas: 7 Dicas: 7

4 CUIDANDO DO SEU JARDIM CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO Adubação: Por conta do tempo mais propenso às chuvas, as plantas consomem mais facilmente os nutrientes do solo, utilizando todo o potencial do adubo. É necessário o acréscimo de adubo adequado e tratamento do solo em volta das plantas. A maioria das espécies vegetativas estavam em dormência no inverno e agora estão em intensa atividade, então é uma boa época para se fazer uma adubação. Formulação sugerida: NPK Irrigação: Se a região em que você vive for chuvosa, a frequência de irrigação pode ser muito espaçada. Mas se o verão de sua região for muito seco, a rega deve ser feita constantemente e preferencialmente pela manhã e no final da tarde, para que as plantas não sofram queimaduras. As plantas que ficam expostas ao sol necessitam principalmente de mais regas. As plantas de interiores devido ao fato do ar ficar muito seco, também necessitam de regas adicionais. Poda: Não se recomenda podas no verão por conta do início da fase de brotação natural nas plantas e por conta da abundância de luz. Contudo, as chamadas podas de formação precisam sempre ser feitas para a eliminação de galhos secos e excedentes. CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA Adubação: A primavera é a época perfeita para o replantio de espécies. A troca do substrato e seu fortalecimento com adubos e fertilizantes aperfeiçoa o crescimento radicular e dá novo ânimo à planta. Deposite-a em um vaso sempre maior que o anterior para que as raízes possam crescer sem amarras até o próximo período de dormência e mantenha a terra sempre umedecida. Formulação sugerida: NPK Irrigação: As regas devem ser mais abundantes, devido aos dias mais quentes e longos, mas cuidado para não encharcar, principalmente os vasos. GRAMOTERRA PAISAGISMO 1

5 Poda: Os galhos que estiverem secos precisam ser podados, pois eles impedem a circulação homogênea da seiva pela planta e dificultam a formação de novos brotos. Alguns arbustos e flores suportam podas de limpeza. Não são todas as espécies vegetativas que podem ser podadas, pois após o período de dormência estão começando a brotar. Ao podar e retirar folhas e galhos certifique-se de reforçar a adubação, pois demandam maior fortalecimento. CUIDANDO DO SEU JARDIM Limpeza: Tome cuidado com as folhas secas mesmo em espécies decíduas, retirando qualquer vestígio de tom cinza da flor, arbusto ou árvore. Se o terreno ou vaso estiver muito cheio de restos secos, retire-os para que a umidade natural da primavera não transforme este ambiente em criadouro de fungos. CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO Limpeza: Elimine insetos e ervas daninhas que provavelmente invadiram canteiros e vasos durante o inverno. Folhas e galhos secos devem ser eliminados com uma poda de limpeza. Aproveite também para dar manutenção aos canteiros já formados, escarificando o solo para favorecer a aeração ou oxigenação das raízes. Adubação: Nos vasos e jardineiras use um ancinho para revolver a terra superficialmente. Sempre que possível, prefira ingredientes orgânicos para fazer a adubação. Formulação sugerida: NPK Poda: O certo é fazer apenas uma poda de limpeza, retirando folhas amareladas e galhos secos para favorecer a penetração dos raios solares entre os galhos da planta. Essa poda de limpeza é especialmente indicada para as cercas vivas. Para podar folhas mortas, faça um corte na extremidade do pecíolo, exatamente onde a haste da folha encontra o ramo. Irrigação: Com o final do verão e a diminuição do calor, a quantidade de água das regas deve ser diminuída, pois a evaporação no outono é menor. Por outro lado, as plantas estarão entrando num período no qual as chuvas diminuem e o solo passa a ficar mais ressecado. GRAMOTERRA PAISAGISMO 2

6 CUIDANDO DO SEU JARDIM CUIDADOS DO JARDIM NO INVERNO Irrigação: Manter a frequência de regas é muito importante, mas não regue em excesso. Desta maneira, você evita a proliferação de fungos e apodrecimento das raízes. Adubação: Adube o solo com ingredientes orgânicos. Mexa na terra para aumentar sua oxigenação. Esta dica vale para vasos, canteiros e áreas de fácil manejo. Formulação sugerida: NPK Limpeza: Ao limpar o jardim, retire as folhas mortas e galhos secos. Poda: Não faça podas drásticas. Evite podar as espécies que florescem no inverno para, assim, não atrapalhar a vinda de folhas novas. Dicas: A maioria das plantas se adapta ao inverno, mas sofrem com a queda brusca da temperatura. Antes de comprar plantas para o jardim, analise se venta muito no local e quanto tempo à área recebe sol. CUIDADOS COM O GRAMADO ESMERALDA Clima: Grama de clima quente. Adapta-se bem a áreas ensolaradas e semi sombreadas. Tolerância ao frio: Tem ótima tolerância ao frio. Pode ficar amarela após geadas, mas recupera-se após aumento da temperatura. Resistência à seca: Grama extremamente resistente à seca. Entra em estado de dormência podendo até ficar na cor marrom amarelado, recuperando-se facilmente deste estado após normalização de chuvas ou irrigação. Resistência ao pisoteio: Altamente resistente ao pisoteio. Após o dano sua recuperação é relativamente boa nos meses quentes. GRAMOTERRA PAISAGISMO 3

7 CUIDANDO DO SEU JARDIM Fertilidade do solo: Grama rústica que se adapta bem a solos pobres. Crescimento lento, porém abundante, que exige baixa frequência de corte. É uma grama de baixo custo de manutenção. Resistência a invasoras: Boa resistência quando propriamente mantida. Um gramado denso competirá contra a presença de inços. Tolera aplicações de herbicidas seletivos. Tolerância a insetos: Boa tolerância a insetos. SÃO CARLOS Clima: Grama de clima quente formando um gramado denso e bonito. Adapta-se melhor em áreas ensolaradas. Tolerância ao frio: Ótima resistência ao frio. Mantém-se verde sob baixas temperaturas. Com boa resposta de recuperação após geadas. Resistência à seca: Baixa resistência à seca, mantem-se melhor quando os gramados são sadios e com vigor. Resistência ao pisoteio: Apresenta menor tolerância ao uso intenso por pisoteio. Sua recuperação a danos é lenta e gradativa. Fertilidade do solo: Grama rústica que se adapta bem a solos pobres. Crescimento lento, porém abundante, que exige baixa frequência de corte. É uma grama de baixo custo de manutenção. Resistência a invasoras: Quando propriamente mantida, forma um gramado denso, impedindo o surgimento de ervas daninhas. Tolerância a insetos: Razoável tolerância a insetos, com rápida recuperação a danos foliares após tratamento de controle. PRETA Não necessita de poda, porém seu cultivo deve ser feito em terra enriquecida e de boa drenagem e irrigada frequentemente. É bastante utilizada em sombra e indicada somente a bordadura e forração, pois na suporta o pisoteio. GRAMOTERRA PAISAGISMO 4

8 ADUBOS PARA FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO FUNÇÃO DE NPK N= Nitrogênio O nitrogênio estimula o crescimento das plantas como o crescimento de folhas, brotações, galhos e na produção de clorofila dando uma força para parte vegetativa da planta. Portanto as plantas especificamente de folhagens precisam mais de nitrogênio. CUIDANDO DO SEU JARDIM P= Fósforo Estimula a floração e frutificação, sendo também importante para o crescimento e fortalecimento das raízes. K= Potássio Fortalece a estrutura celular das plantas conferindo-lhes maior poder de resistência à seca e doenças. FORMULAÇÃO RELACIONADA A FASES E TIPOS Fase de Crescimento/Brotação e Plantas de Folhagens: A formulação mais adequada é a que o nitrogênio predomina como o NPK ou o NPK Podendo intercalar as fórmulas, ou seja, uma vez pulverizar com a nitrogenada outra com uma fosfatada, tendo em vista que o fósforo favorece o desenvolvimento do sistema radicular. Fase de Floração e Plantas Floríferas: Nesta fase é fundamental um maior percentual de fósforo, elemento básico das boas floradas tendo com formulação o NPK ou o NPK Fase de Frutificação e Plantas Frutíferas: Nesta fase o nutriente fundamental é o potássio. Obtendo a mesma formulação que as floríferas. GRAMOTERRA PAISAGISMO 5

9 CUIDANDO DO SEU JARDIM CUIDADOS CONTROLE DE ERVAS DANINHAS Plantas daninhas são todas as plantas que não são do nosso interesse, mas nascem espontaneamente nos jardins. Essas plantas nascem, crescem e se reproduzem, competindo por água, nutrientes e luz, prejudicando a planta de interesse. Dicas: Arranque as plantas daninhas inteiras, de preferência manualmente. E não as deixem picadas sobre o solo, elas podem se reproduzir; Procure regar o jardim após arrancar as plantas daninhas; Cubra a terra com palha ou folhas secas; Se for pegar terra de outro local, não pegue da superfície do solo; Evite a utilização de esterco ou húmus de procedência desconhecida na superfície do solo; CONTROLE DE INSETOS E PRAGAS Algumas plantas tendem a ser mais infestadas e suscetíveis por determinados insetos que outras. A planta pode estar com muito stress por plantá-la em local inadequado, falta de nutrientes, sem a devida adubação, quantidade inadequada de regas, entre outros fatores. E o ambiente pode estar em desequilíbrio. Dicas: Verifique se a planta está na condição adequada de iluminação, regas, adubação, entre outros; Ver quais são os insetos predominantes da sua região, procurando usar plantas que não são atacadas por esses insetos; Se forem poucos os insetos, procure mata-los manualmente; Não manter os insetos que não estão atacando a planta e nem representam riscos pode ser prejudicial, pois esses insetos podem ser os predadores naturais dos insetos-praga; GRAMOTERRA PAISAGISMO 6

10 CUIDANDO DO SEU JARDIM Se nenhuma das dicas resolverem é recomendável à substituição da planta por outra mais resistente ao inseto; CONTROLE DE DOENÇAS Caso ocorram doenças nas suas plantas, verifique se a planta está sendo cuidada da melhor forma. A maioria das doenças de plantas é causada por fungos, que são favorecidos por altas umidades e calor. Causas: Excesso de água na rega ou falta de sol; Má drenagem; A doença está no ambiente; Planta muito sensível; Planta estressada se tornando enfraquecida; Por insetos transmissores; Dicas: Regue corretamente; Pode e elimine as plantas e ramos doentes; Evite compactar a terra e mantenha o solo coberto por pedrisco; Adube corretamente as plantas; Deixe sua planta na luz certa; Evite plantas que não se adaptam a região; GRAMOTERRA PAISAGISMO 7

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE JARDINAGEM PARA O PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA

ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE JARDINAGEM PARA O PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE JARDINAGEM PARA O PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA Os jardins dos prédios que compõem o patrimônio do Poder Judiciário devem ser padronizados - respeitando o clima e

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

CUIDADOS COM AS PLANTAS

CUIDADOS COM AS PLANTAS 10 Além da nutrição e do meio de cultivo adequado diversas condições também são essenciais à vida dos vegetais. Cabe que cada espécie carece de condições climáticas adequadas para o seu desenvolvimento.

Leia mais

Sistema Laminar. Ecotelhado

Sistema Laminar. Ecotelhado Sistema Laminar Ecotelhado 2 Especificação O Sistema Modular Laminar Ecotelhado é o conjunto dos seguintes elementos: Membrana Ecotelhado de Proteção Anti-Raízes Membrana Ecotelhado de Retenção de Nutrientes

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos.

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos. MANEIRAS DE ECONOMIZAR ÁGUA NA IRRIGAÇÃO: TÓPICO I: IRRIGAÇÃO PARA PAISAGISMO RESIDENCIAL. Agora vamos iniciar as maneiras de economizar água de irrigação. 1 Se você já tem um sistema instalado: 1.1. Faça

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

Seleção Hydrangea macrophylla Magical

Seleção Hydrangea macrophylla Magical Seleção Hydrangea macrophylla Magical Magical Four Seasons Especialmente selecionadas Mudança sasonal de cor Qualidade excecional As quatro estações das Magical As Hydrangeas macrophylla Magical são um

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas Curso de Jardinagem Índice Capítulo 1... 3 Capítulo 2... 7 Capítulo 3... 10 Capítulo 4... 14 Capítulo 5... 17 Capítulo 6... 20 Capítulo 7... 23 Capítulo 8... 27 Capítulo 9... 30 Estações do ano e o Jardim...

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

BIOLOGIA. BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL

BIOLOGIA. BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL 1 BIOLOGIA BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL 11 TABELA DE CONVERSÃO SUL Hemisfério Sul Oeste Coordenadas Coord. 1 2 3 4 5 6 7 H 14 11 8 40 12 57 56 G 21 18 20 50 47 17 F 24

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar?

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar? Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS FERAS O que é poda? Piracicaba - SP Agosto - 2011 Conceito de Poda O que podar? Ramos Poda

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Como crescer soja em Moçambique

Como crescer soja em Moçambique Como crescer soja em Moçambique A soja é uma excelente safra de levantar em sua fazenda A soja é muito nutritivo e é um bom substituto para a carne. Ela pode ser feita em vários tipos diferentes de alimentos,

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Trabalhos de Outubro

Trabalhos de Outubro Trabalhos de Outubro Em casa, no jardim ou na sua horta, saiba tudo o que tem de fazer este mês para ter flores, plantas e árvores bem cuidadas Além de plantar tulipas, violetas e coníferas, é tempo de

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali Javali A4 Regiões Litorâneas A3 http://pt.wikipedia.org/wiki/javali https://meadd.com/seviero/43049322 O javali tem uma grande distribuição geográfica. Aparece em parte da Europa e Norte da África (juntamente

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

C on struç ão e J ardin s

C on struç ão e J ardin s C on struç ão e J ardin s Volume X Jardins um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Tecnico não pode ser reproduzido ou distribuido sem a expressa autorizacao de. 2 Índice Conceito

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas Giovani Theisen Soja em terras baixas» Manejo do solo e rotação» Implantação da cultura» Fixação biológica de nitrogênio» Manejo de pragas Soja requer

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia.

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. Tecnologia EM na Vida Cotidiana Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

Minifúndio de varanda

Minifúndio de varanda Início Composteira Este canteiro Minhocas Pássaros Minifúndio de varanda para quem planta alface em vaso abril 19, 2009 Minhocário e compostagem em apartamento Posted by administrador under Minhocas Tags:

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O que é a compostagem Como produzir compostos orgânicose biofertilizantes com resíduos Preparo do Bokashi Como aplicar

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas.

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas. BIOMAS TROPICAIS Os ecossistemas tropicais se encontram entre as latitudes 22 graus Norte e 22 graus Sul. Os ecossistemas predominantes na maioria das áreas tropicais são as florestas tropicais e as savanas.

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 23/09/2015 10:29:04 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 2 23/09/2015 10:29:04 Talvez você já conheça algumas opções terapêuticas disponíveis contra o câncer,

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Sistema Hidromodular. Ecotelhado

Sistema Hidromodular. Ecotelhado Sistema Hidromodular Sistema Hidromodular Objetivo O Sistema Hidromodular tem como objetivo proporcionar a laje, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio com a

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Jardins. aula 6. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Gilberto Elkis

Jardins. aula 6. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Gilberto Elkis www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 6 Por Gilberto Elkis Jardins Passeando por um belo jardim de 2 mil m ², o paisagista Gilberto Elkis conta segredos de sua criação e dá dicas valiosas de como ter

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

Calagem e Adubação para Gramados Ornamentais

Calagem e Adubação para Gramados Ornamentais Calagem e Adubação para Gramados Ornamentais Regina M. M. de Castilho Professor Assistente Doutor Departamento de Fitotecnia - Unesp / Ilha Solteira castilho@agr.feis.unesp.br Caroline de Moura D Andréa

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

Este guia pertence a:

Este guia pertence a: Nota Introdutória A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova pretende com a elaboração deste manual prático de compostagem, sensibilizar a população para a importância que a compostagem doméstica pode ter na

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão Estações do Ano Procedimentos com ArteVerão Faixas de Verão (3º Dia) Leia o livro da turma No Verão. Discuta brevemente as coisas que acontecem no verão. Depois distribua folhas de papel branco para que

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais