Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente"

Transcrição

1 7

2 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das florestas e bosques, muito perto de locais que ficam, no Inverno, cobertos de neve. Podem ser encontradas a crescer em ramos de árvores cobertosdemusgoounasuabaseondeosoloé composto praticamente por folhas mortas. Estas orquídeas têm flores grandes comparadascomotamanhodaplantaesão delicadamente coloridas. O vegetal é composto por pseudobolbos com cerca de 3cm de diâmetro. As flores desenvolvem-se na base aparecendo lateralmente aos pseudobolbos. Quando a floração termina, as folhas desenvolvem-se podendo atingir os 15cm de comprimento. Na estação do crescimento aparecem também os novos bolbos. Quando o crescimento termina, as folhas caiem e as plantas entram num período de repouso. Se a planta já desenvolveu novos e gordos bolbos, os velhos e encarquilhados podem ser removidos pois têm tendência a apodrecer. Nessa altura limpam-se as raízes e os novos bolbos e a planta é colocada num local fresco e arejado, semriscodeserafectadapelageada,atéà nova floração. Assim que aparecem os novos botões,aplantavoltaaserplantadaeinicia um novo ciclo. Muitas plantas produzem duas ou três flores por pseudobolbo maduro. São plantas que se multiplicam facilmente e os novosbolbossódemoram2a4anosaflorir. Se tivermos variedades diferentes de Pleiones, podemos ter plantas floridas durante 9mesesdoano. Não gostariam de experimentar? 8

3 Condições de Cultivo TEMPERATURA A maior parte das Pleiones gostam de locais frescos com temperaturas mínimas até aos 3ºC no Inverno. Algumas, como por exemplo a Pleione maculata, gostam de temperaturas um pouco mais altas(mínimas no Inverno acima dos13ºc). LUMINOSIDADE Gostamdeboaluzmasnecessitamdeser protegidas do sol directo que lhes pode queimar as folhas. Numa estufa, deve colocar-se rede de ensombreamento. Em casa, não devem ser expostas em janelas viradas a Sul. No Verão podem ser colocadas no exterior se não houver riscos de geada. De início coloque-as à sombra, mas depois de aclimatadas podem receber alguns raios de sol desde que o substracto seja mantido fresco. REGAS As Pleiones gostam de ter os substractos húmidos durante a época de crescimento(entre Fevereiro e Outubro). Mesmo as Pleiones de floração de Outono têm o mesmo ciclo, a diferençaéqueumatemafloraçãonoinícioe asoutrasnofinaldociclo. Após o período de repouso, em que é mantida seca, as Pleiones devem ser regadas novamente quando aparecem os novos rebentos. Asregasdevemsermuitoreduzidasnoinícioe depois vão aumentando à medida que a planta vai crescendo. Quando as folhas começam a desenvolver-se deve-se regar todas as semanas ou quando o substracto estiver seco. Devemos usar água limpa e fresca, de preferência água da chuva. Nos meses mais quentes, as Pleiones gostam de ser borrifadas nas folhas. Isto aumenta a humidade, especialmente se a planta estiver numa estufa. A partir de Outubro, reduzem-se as regas. Quando as folhas secarem, suspendem-se as regas. Os bolbos entram em dormência e devem ser mantidos completamente secos. FERTILIZAÇÃO As Pleiones gostam de uma fertilização moderada. Devemos utilizar um quarto da dose recomendada pela marca. De Abril a Agosto devemos dar um substracto de crescimento(com altoníveldeazoto)eapartirdesetembroeatéà entrada em dormência, aplicamos um substracto rico em Potássio. A partir de Outubro a fertilização deve parar totalmente. 9

4 MUDANÇAS DE SUBSTRACTO Devemos mudar as nossas Pleiones para um substracto novo todos os anos a partir de Janeiro. Os bolbos devem ficar meio enterrados. Nessa altura a planta está ainda em repouso mas temos de ter cuidado para não danificarmos algum rebento ou nova flor que esteja a aparecer. Se alguma nova flor for partida, a planta só dará flores novamente no ano seguinte. Noperíododedormênciaamaiorpartedas raízes da planta morrem. Ao serem colocadas num novo substracto, devem ser cortadas até 2cm de comprimento para melhor estabelecimento da planta no novo substracto. VASOS AsPleionespodemsercultivadasdeumatrês pseudobolbos num pequeno vaso ou em maior quantidade numa taça ou vaso maior. Se plantar uma única planta num vaso, tenha em atenção para ter pelo menos 9cm de profundidade de maneiraaalojarosistemaderaízesdasplantas durante o Verão. Um recipiente de 15cm de diâmetroésuficientepara5a7pseudobolbose umataçacommaisde30cmalojacercade30 bolbos apertados. Todos os vasos e recipientes deverão ter buracos no fundo e nos lados para uma boa drenagem. Se só tiverem buracos no fundo devemos colocar os vasos sobre gravilha ou leca para assegurar a saída da água de rega em excesso.aacumulaçãodeáguanovasoprovocao apodrecimento das raízes e a consequente morte da planta. LOCAL DE VERANEIO AsPleionesgostamdeterasraízessempre frescas,oquepodeserdifícildeconseguircom temperaturas altas num vaso de plástico. Existem várias maneiras de manter os vasos mais frescos. Umadelasécolocarosvasosnumtabuleiroou canteiro com o mesmo substracto ou areia simples eenterrarosvasosparaosmantermaisfrescos. SUBSTRACTO Ao cultivar Pleiones, devemos utilizar um substracto que permita uma boa drenagem mas, ao mesmo tempo, que retenha alguma humidade para ajudar no crescimento das plantas. Um exemplo de substracto para Pleiones pode ser obtido misturando três partes iguais de casca de 10

5 Pinheirofinaelimpamudardemodoaretirar o pó excessivo, musgo de esfagno morto cortado em pedaços pequenos(1cm) e Perlite. Devemos misturar os três materiais húmidos de maneira a que a mistura fique homogénea. Se estiverem secos, o musgo tem atendênciaa ficar todo à superfície. DESCANSO DE INVERNO É essencial que os pseudobolbos sejam mantidos secos durante este período. Humidade no ar não é geralmente um problema mas deixá-los num substracto húmido significa morte certa. Se opta por deixar os pseudobolbos no substracto, tenha em atenção queestesnãodevemcongelarequeageadaos mata com facilidade. Podem ser colocados num local exterior protegido ou até num frigorífico. Seostirardosubstracto,corteasraízesaté aumcomprimentode1,5-2cmecoloque-os numa caixa arejada e num local abrigado onde não apanhem geada ou temperaturas abaixo dos 5 graus centígrados. Tape-os com uma folha de jornal e vigie periodicamente para se certificar que não estão a apodrecer. Pode também polvilha- los com um pó anti-fungos. Assim que os pseudobolbos mostrem rebentos ou novas flores, coloque-os de novo em vasos. PROPAGAÇÃO Pleiones felizes produzem geralmente mais do que um pseudobolbo novo todos os anos. Um maiorqueiráflorirnoanoseguinteeoutroou mais, de menor tamanho, que precisarão de crescer mais tempo para florir. Produzem também bolbosmaispequeninos bolbilhos àvoltada base do pseudobolbo maior ou até perto da cicatriz deixada pela queda das folhas. Esses bolbilhos demorarão três a quatro anos até atinjam o tamanho para florir. Deverão ser plantados em tabuleiros ou vasos comunitários (nunca sozinhos). Se tiver variedades diferentes, não os misture ou coloque uma etiqueta identificadora. Os bolbos são praticamente iguais. 11

Seleção Hydrangea macrophylla Magical

Seleção Hydrangea macrophylla Magical Seleção Hydrangea macrophylla Magical Magical Four Seasons Especialmente selecionadas Mudança sasonal de cor Qualidade excecional As quatro estações das Magical As Hydrangeas macrophylla Magical são um

Leia mais

Trabalhos de Outubro

Trabalhos de Outubro Trabalhos de Outubro Em casa, no jardim ou na sua horta, saiba tudo o que tem de fazer este mês para ter flores, plantas e árvores bem cuidadas Além de plantar tulipas, violetas e coníferas, é tempo de

Leia mais

Casas de Banho de Composto Orgânico

Casas de Banho de Composto Orgânico Casas de Banho de Composto Orgânico O que é uma casa de banho de composto orgânico e como construí-lo? Módulo para poupança de água e gestão descentralizada dos dejetos humanos Tamera, SolarVillage Valerio

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

Frio» Recomendações gerais

Frio» Recomendações gerais No domicílio Antes do Inverno, verifique os equipamentos de aquecimento da sua casa; Se tiver lareira mande limpar a chaminé, se necessário; Mantenha a casa arejada, abrindo um pouco a janela/porta para

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Pedro Miranda Soares Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Tal como todos os equipamentos mecânicos, o Ar Condicionado necessita da sua manutenção

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

Menu: Entrada: Salada de Verão. Prato Principal: Arroz colorido acompanhado de Pasteis de legumes com molho de tomate. Sobremesa:

Menu: Entrada: Salada de Verão. Prato Principal: Arroz colorido acompanhado de Pasteis de legumes com molho de tomate. Sobremesa: Menu: Entrada: Salada de Verão Prato Principal: Arroz colorido acompanhado de Pasteis de legumes com molho de tomate Sobremesa: Gelado rápido de morango Bom Apetite! Salada de Verão: (para 4 pessoas) Salada:

Leia mais

(9 coisas que deves saber sobre as árvores)

(9 coisas que deves saber sobre as árvores) (9 coisas que deves saber sobre as árvores) 1 Não cortes os ramos maiores das árvores! 2 Usa as regras de 1/3 nas podas. 3 Como fazer um corte de poda. 4 A importância da turfa. 5 Onde as raízes realmente

Leia mais

Colheita, secagem e montagem de material de herbário

Colheita, secagem e montagem de material de herbário Colheita, secagem e montagem de material de herbário 1. Colheita de material Para iniciar a colheita do material de herbário, é necessário levar para o campo: livro de campo (para fazer as anotações necessárias

Leia mais

O painel solar que aqui te deixamos é muito simples e fácil de ser produzido em casa. Por tal motivo, mão à obra!

O painel solar que aqui te deixamos é muito simples e fácil de ser produzido em casa. Por tal motivo, mão à obra! Vamos aproveitar a energia do sol - Parte II - Painel Solar Ao abrirmos a torneira da água quente raramente nos lembramos que tal implica um consumo de energia, normalmente obtida através do uso de combustíveis

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE Uma vez que o golfe é um jogo auto regulado, todos os golfistas devem ter um bom entendimento do fundamental das Regras, tal como consta neste Guia. Contudo, este Guia não

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

Como crescer soja em Moçambique

Como crescer soja em Moçambique Como crescer soja em Moçambique A soja é uma excelente safra de levantar em sua fazenda A soja é muito nutritivo e é um bom substituto para a carne. Ela pode ser feita em vários tipos diferentes de alimentos,

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

49 Produção de Plântulas

49 Produção de Plântulas 132 Produção de plântulas em latas e caixas de papelão 49 Produção de Plântulas Introdução Plântulas de árvores (mudas) são produzidas com os seguintes métodos: 1. nos viveiros em sacos de polietileno

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

FRD-2892 507 MANUAL DO USUÁRIO FRITADEIRA FRD-2892 PREZADO CLIENTE A fim de obter o melhor desempenho de seu produto, por favor, leia este manual do usuário cuidadosamente antes de começar a usá-lo,

Leia mais

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES IMPORTANTES As instruções de segurança devem sempre ser seguidas para reduzir riscos. É importante ler com cuidado todas as

Leia mais

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58 Produto Pilha de zinco-ar Nome do modelo IEC Nominal Nominal Diâmetro Altura Peso Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

TEMPERAR CHOCOLATE Temperar em mesa fria

TEMPERAR CHOCOLATE Temperar em mesa fria TRABALHAR CHOCOLATE Devido à natureza polimórfica capacidade de cristalizar em diferentes formas e medidas da manteiga de cacau, o chocolate deve ser temperado ou pré-cristalizado. A temperagem ou pré-cristalização

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar.

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar. CUIDADOS GERAIS Leia atentamente as etiquetas da roupa. Respeite sempre as indicações dos fabricantes das máquinas de lavar. Dissolva bem os detergentes para que não causem nódoas e utilize detergentes

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

11. Adaptações das plantas ao factor água HIDRÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS HIDRÓFITAS HELÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS Observações:

11. Adaptações das plantas ao factor água HIDRÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS HIDRÓFITAS HELÓFITAS XERÓFITAS MESÓFITAS Observações: 11. Adaptações das plantas ao factor água No decurso da evolução, as plantas vasculares colonizaram grande parte da superfície terrestre, tendo-se adaptado a uma grande diversidade de habitats, nomeadamente

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.03 29112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha Os Grandes Biomas Terrestres PROF Thiago Rocha Bioma: Uma comunidade de plantas e animais, com formas de vida e condições ambientais semelhantes. (Clements, 1916) Florestas tropicais A área de ocorrência

Leia mais

COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS LAVAGEM CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3

COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS LAVAGEM CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3 CASA/ZONA DE LAVAGEM DA ROUPA/TEXTO DE INTRODUÇÃO: ANEXO 3 www.anivec.com/?q=pt/gabtecnico - www.ginetex.net COMPREENDER OS SIMBOLOS DE CONSERVAÇÃO DE TEXTEIS A etiqueta de conservação do seu vestuário

Leia mais

Prevenir a erosão... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses... 201 Restaurar a terra estragada...

Prevenir a erosão... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses... 201 Restaurar a terra estragada... Prevenir a erosão..................................................... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses............................................... 201 Restaurar

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

Melhorar cobertura florestal

Melhorar cobertura florestal 47 - Importância da Cobertura Florestal 127 7 Melhorar cobertura florestal 47 Importância da cobertura florestal Porquê proteger áreas naturais? Existem muitas razões pelas quais deveríamos proteger a

Leia mais

NEWSLETTER TESTES RÁPIDOS O ESSENCIAL RECEBER ENCOMENDA DE TESTES RÁPIDOS. Testes Rápidos

NEWSLETTER TESTES RÁPIDOS O ESSENCIAL RECEBER ENCOMENDA DE TESTES RÁPIDOS. Testes Rápidos NEWSLETTER TESTES RÁPIDOS O ESSENCIAL Testes Rápidos Os testes rápidos são o mais recente meio de diagnóstico in vitro, que através de uma única gota de sangue permite fazer um diagnóstico exacto em menos

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Para prevenir ferimentos ou danos, antes de usar o aparelho leia e siga atentamente a todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES As instruções

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC.

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidade de Teto Índice Airgenic Unidade de Teto Modo de Usar Paginas 3 4 Regulagens do Equipamento Pagina 5 Falhas e Soluções Pagina 6 Limpeza

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA A VIOLETA AFRICANA (Saintpaulia) O gênero Saintpaulia conta com 6 espécies, denominadas habitualmente violetas africanas em homenagem ao barão Walter von Saint Paul St Claire, quem

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti PIBID-UFRN Geografia 6º ano O ESTADO DE TEMPO O ESTADO DE TEMPO VARIA: 11H 30M AO LONGO DO DIA

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

CUIDADOS COM AS PLANTAS

CUIDADOS COM AS PLANTAS 10 Além da nutrição e do meio de cultivo adequado diversas condições também são essenciais à vida dos vegetais. Cabe que cada espécie carece de condições climáticas adequadas para o seu desenvolvimento.

Leia mais

A Reprodução da Galinha

A Reprodução da Galinha A Reprodução da Galinha Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls A reprodução da galinha 2 Rascunho

Leia mais

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro Dicas de Prevenção e Preservação Tenha em conta Nunca comece uma reparação, por muito pequena que seja, sem antes desligara tomada do equipamento;

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias, depois do banho, até que o cordão do umbigo seque e caia. Isso leva

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA Modelo TS-558 PRANCHA ALISADORA Para prevenir ferimentos ou danos, antes de usar o aparelho leia e siga atentamente a todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES As instruções

Leia mais

www.philco.com.br Manual de Instruções 01/14 1079-09-05 799996 REV.1 www.philco.com.br/faleconosco.aspx

www.philco.com.br Manual de Instruções 01/14 1079-09-05 799996 REV.1 www.philco.com.br/faleconosco.aspx www.philco.com.br 01/14 1079-09-05 799996 REV.1 Manual de Instruções www.philco.com.br/faleconosco.aspx INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de um aparelho da linha Philco. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Construção de aglomerados de pedra e/ou lenha

Construção de aglomerados de pedra e/ou lenha O que são, e para que servem? Os aglomerados de pedra e/ou lenha são pequenos amontoados constituídos por pedras, areia, troncos e tubos de PVC e são utilizados como abrigos para répteis, anfíbios, pequenos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

PROJETO OLIVOPAMPA. Olivicultura Brasileira. Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009

PROJETO OLIVOPAMPA. Olivicultura Brasileira. Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009 PROJETO OLIVOPAMPA Olivicultura Brasileira Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009 Áreas de Atuação OlivoPampa Produção e venda de mudas de oliveiras; Produção de azeitonas de mesa; Processamento

Leia mais

Reciclagem de Lixo. 38 Introdução a Reciclagem. Saneamento ecológico. Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem

Reciclagem de Lixo. 38 Introdução a Reciclagem. Saneamento ecológico. Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem Reciclagem 38 - Introdução a Reciclagem 99 5 Reciclagem de Lixo 38 Introdução a Reciclagem Neste capítulo vamos tratar dois tipos de reciclagem: a reciclagem de nutrientes através de saneamento ecológico,

Leia mais

Quintal Gratuito. Guia prático para quem tem vontade de plantar e nenhum dinheiro para investir!

Quintal Gratuito. Guia prático para quem tem vontade de plantar e nenhum dinheiro para investir! Quintal Gratuito Guia prático para quem tem vontade de plantar e nenhum dinheiro para investir! Quintal gratuito! Gostas de jardinagem? Queres plantar os teus próprios legumes? Não tens dinheiro para investir?

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Aquecimento Global

Leia mais

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica Como racionalizar energia eléctrica Combater o desperdício de energia eléctrica não significa abrir mão do conforto. Pode-se aproveitar todos os benefícios que a energia oferece na medida certa, sem desperdiçar.

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

MT-1 / MT-2. Mantas eléctricas Cobertores eléctricos. Instrucciones de uso Instruções de utilização

MT-1 / MT-2. Mantas eléctricas Cobertores eléctricos. Instrucciones de uso Instruções de utilização MT-1 / MT-2 Mantas eléctricas Cobertores eléctricos Instrucciones de uso Instruções de utilização P INSTRUÇÕES IMPORTANTES CONSERVAR PARA UMA UTILIZAÇÃO POSTERIOR 1.- Aplicações e recomendações Este aparelho

Leia mais

Manual de I Manual de I nstruç nstruçõesões

Manual de I Manual de I nstruç nstruçõesões Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de um aparelho da linha Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não jogar fora

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769)

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) 1 ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) Marco Antonio de Almeida Leal Luiz Carlos Santos Caetano José Márcio Ferreira INTRODUÇÃO Atualmente existem várias atividades

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

O meu guia para... Cuidar do meu sistema compressor de nebulização

O meu guia para... Cuidar do meu sistema compressor de nebulização O meu guia para... Cuidar do meu sistema compressor de nebulização Como limpar e manter o seu nebulizador Alguns nebulizadores são reutilizáveis e duram 12 meses. Outros são descartáveis e só é possível

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil ÍNDICE DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO 2. CONSTRUÇÃO 3. INSTALAÇÕES 4. COBERTURA 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

Minifúndio de varanda

Minifúndio de varanda Início Composteira Este canteiro Minhocas Pássaros Minifúndio de varanda para quem planta alface em vaso abril 19, 2009 Minhocário e compostagem em apartamento Posted by administrador under Minhocas Tags:

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

Olha ali a Siriema! Vamos pedir ajuda a ela! Avisamos, sim! Então venham comigo, e tomem nota!

Olha ali a Siriema! Vamos pedir ajuda a ela! Avisamos, sim! Então venham comigo, e tomem nota! Olha ali a Siriema! Vamos pedir ajuda a ela! Avisamos, sim! Então venham comigo, e tomem nota! Oi crianças, o que fazem aqui, longe do caminho de casa? Oi Siriema! Existem muitas espécies de plantas no

Leia mais

AquaPi / Ez-Pi. Manual do usuário

AquaPi / Ez-Pi. Manual do usuário AquaPi / Ez-Pi Manual do usuário Introdução O AquaPi da Kibron (Fig. 1) é o primeiro e único tensiômetro operado a bateria e robusto o bastante para operação no campo ou in-situ. O EZ- Pi é o mesmo instrumento

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. A presença de pus ou de vermelhidão ao redor do umbigo sugere infecção e deve ser avaliada pelo profissional de saúde.

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

A MIXIE RESPONDE TOP 10 DÚVIDAS DO ONLINE

A MIXIE RESPONDE TOP 10 DÚVIDAS DO ONLINE A MIXIE RESPONDE TOP 10 DÚVIDAS DO ONLINE DICA DA MIXIE - MARÇO 2014 1 SOCORRO! AS NATAS FICARAM LÍQUIDAS. O QUE FAZER? Use sempre natas indicadas para bater, ou seja, com pelo menos 35% de gordura. Quanto

Leia mais

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes RECEITAS Fitness COOKIE FIT de Cacau 1 xícara (chá) de farinha de amêndoas* 2 colheres de sopa de manteiga ghee ou óleo de coco 1 ovo 1/4 de xícara de chá de cacau em pó 1 colher de sopa de essência ou

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

ML-800 PRANCHA ALISADORA

ML-800 PRANCHA ALISADORA ML-800 PRANCHA ALISADORA INTRODUÇÃO A ML-800 Milano NKS é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para entender todas as funções deste aparelho e utilizá-lo com segurança, leia atentamente as recomendações

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO 1/5 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO Caro Cliente, Agradecemos a sua preferência pelo nosso Pavimento Par-ky com folha de madeira natural. É essencial que leia estas instruções cuidadosamente antes de iniciar

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Como cultivar moscas Drosophila melanogaster e hydei

Como cultivar moscas Drosophila melanogaster e hydei Como cultivar moscas Drosophila melanogaster e hydei Gonçalo Pereira INTRODUÇÃO As rãs flecha são insectívoras e por isso necessitam de presas que se movam, a dieta base é normalmente a mosca da fruta

Leia mais

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão Estações do Ano Procedimentos com ArteVerão Faixas de Verão (3º Dia) Leia o livro da turma No Verão. Discuta brevemente as coisas que acontecem no verão. Depois distribua folhas de papel branco para que

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais