Manual básico para oficina de compostagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual básico para oficina de compostagem"

Transcrição

1 Manual básico para oficina de compostagem Adaptação do Manual Básico de Compostagem USP RECICLA Henrique Cerqueira Souza MSc Engenheiro Agronomia Agricultor Agroflorestal Nelson Araujo Filho Técnico Ambiental Agricultor Agroflorestal Bahia, maio de 2015

2 Roteiro 1. O que são os resíduos sólidos urbanos 2. O que são resíduos orgânicos 3. O que é compostagem 4. Qual a importância da compostagem 5. Pra que serve o composto orgânico 6. Principais parâmetros da compostagem 7. Fases da evolução da pilha de compostagem 8. Como montar e monitorar uma pilha de compostagem 9. Tabela: Problema - Causa - Solução 10. Bibliografia

3 1. O que são resíduos sólidos urbanos Resíduos sólidos urbanos são os materiais descartados em função do uso e consumo dos diversos produtos pelos indivíduos e organizações humanas, habitualmente é chamado de lixo. Lixo é definido como sujeira, imundice, coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor. No entanto, na nova abordagem ambiental passa a ser tratado como resíduo para que tenha a destinação correta através da reciclagem ou da disposição em aterros sanitários tecnicamente planejados. Os resíduos urbanos são formados tanto pelos domicílios como pelo comércio e pequenas indústrias domiciliares. Podem ser sólidos como papeis, plásticos, madeiras, restos de comidas e podas etc., como podem ser líquidos como os esgotos. Segundo o IBGE, no Brasil é gerado por volta de 162 mil toneladas de resíduos urbanos todos os dias. Grande parte desses resíduos é destinada aos lixões causando diversos problemas ambientais, além de representar um grande desperdício de materiais que poderiam ser aproveitados através da reciclagem ou da compostagem. De todo os resíduos produzidos, 80% pode ser reciclados ou compostado, ou seja, efetivamente lixo que deve ser descartado fica em apenas 20%. De todo os resíduos produzidos, 60% é resíduo orgânico que pode ser compostado. Ou seja, a indústria da compostagem tem uma imensa fonte de matéria prima para fabricar adubo orgânico. Os resíduos sólidos urbanos são formados por quatro grupos de materiais: Secos inorgânicos recicláveis. São produtos das indústrias que não são reconhecidos pelos fungos e bactérias, ou seja, não podem ser digeridos pelos microrganismos. Só são recicláveis através da coleta seletiva para voltar às indústrias. Exemplo: plásticos, garrafas pet, vidros, latas etc. em/o-que-fazer-com-osresiduos-solidos/

4 Secos inorgânicos não recicláveis. São também produtos da indústria, mas que não são recicláveis em função de ainda não existir tecnologias para isso. Exemplo: tintas, tecidos sintéticos, bolsas, higiene pessoal, etc. /cidade/secretarias/servicos/not icias/?p= Secos inorgânicos perigosos. São também produtos da indústria e por serem extremamente perigosos ao meio ambiente, aos animais e ao homem devem ser obrigatoriamente recolhidos e destinados corretamente. Exemplo: pilhas de eletrônicos, medicamentos, vasilhas de agrotóxicos etc. /ibama-regulamenta-cadastro-paratransporte-de-residuos-perigosos/ Molhados orgânicos que não servem para compostagem. Mesmos que sejam reconhecidos e digeridos por fungos e bactérias, as carnes, peixes, frangos, ossos, comidas gordurosas, manteigas, óleos não devem ser utilizados em compostagem, pois contém grande de Nitrogênio e gordura. Esta grande quantidade de Nitrogênio favorece ao apodrecimento e a atração de animais e insetos nocivos tais como ratos, moscas bactérias patogênicas. E a gordura prejudica a compostagem, pois dificulta a interação da água com os resíduos a serem decompostos.

5 hhttp://ffemagazine.com/swissrestaurant-wants-leftovers-plate/ Molhados orgânicos que servem para compostagem. São reconhecidos e digeridos por fungos e bactérias e devem ser utilizados em compostagem. Exemplo: resto de podas, resto de comida, papel, papelão, etc. ciclar.htm 462/unidade-municipalde-compostagem.aspx 2. O que são resíduos orgânicos É um resíduo biológico que é reconhecido pelos microrganismos e toda cadeia de animais em condições ambientais, pode ser digeridos pelos fungos e bactérias. Esses resíduos são principalmente resultado do consumo alimentar e de podas ou restos de agricultura e pecuária.

6 Os resíduos orgânicos compostáveis podem ser de dois tipos. Resíduos orgânicos compostáveis ricos em Carbono, também chamados de resíduos secos. Exemplo: palhas, madeiras, serragens, gramas secas, folhas secas, galhos, papéis, papelões etc. Resíduos orgânicos compostáveis ricos em Nitrogênio, também chamados de molhado. Exemplo: frutas, verduras, cascas de ovos, borras de cafés, pães, massas, sacos de chás etc. 3. O que é compostagem É um processo controlado de decomposição de resíduos orgânicos por ação de microrganismos na presença do oxigênio, é chamada de decomposição aeróbia. Importante distinguir compostagem de apodrecimento. A compostagem ocorre por ação de alguns tipos de bactérias e fungos na presença de Oxigênio, reação aeróbica, tem cheiro agradável, cheiro de terra vegetal. Já o chamado apodrecimento ocorre por ação de outros tipos de bactérias na ausência de Oxigênio, reação anaeróbica, tem cheiro desagradável e são atrativas de insetos e animais nocivos. dulos&v=capitulo&c= s.com/2011/09/22/compo stagem-aproveitamentodo-lixo-organico-2/

7 4. Qual a importância da compostagem Além de proteger o meio ambiente, contribui para eliminar os lixões e para reduzir os custos com transporte dos resíduos, alongar a vida útil aterro sanitário e, ainda, produz composto orgânico. Transforma um grande problema numa bela solução que gera trabalho e renda. domestica.com.br/compo stos-organicos/ 5. Pra que serve o composto orgânico O composto orgânico que pode ser utilizado para adubar e enriquecer o solo. Devolve ao solo os componentes removidos pelo cultivo agrícola, melhorando as condições para novos cultivos. Pode e deve, também, ser usando em vasos, jardins e hortas domésticas. 6. Principais parâmetros da compostagem Tamanho das partículas Devem ter um tamanho entre 2 a 4 cm para permitir uma boa aeração e maior ação dos microrganismos. Quando os resíduos são grandes a aeração aumenta, mas diminui a área de contato para ação dos microrganismos, tornando o processo muito lento. Quando os resíduos são muito pequenos pode ocorrer compactação, impedindo a entrada de ar, o que prejudica a compostagem. Mistura na proporção de 30/1 de Carbono (secos) e Nitrogênio (molhados ) Para que ocorra a compostagem deve-se assegurar um mistura na proporção de 30 (trinta) parte de Carbono com 1(uma) parte de Nitrogênio, na presença de Oxigênio (ar) e água. Na prática, significa montar pilhas de compostagem misturando 3 (três) partes de secos (C) (três baldes, três carrinhos, três caminhões etc.) para 1 (uma) parte de molhado (N) (um balde, um carrinho, um caminhão etc.) e, depois, acompanhar e manejar a pilha para controlar a temperatura, a aeração e a umidade.

8 Aeração É a entrada de ar de forma natural na pilha de copostagem. O ar oferece Oxigênio para o desenvolvimento dos microrganismos para que possam promover a decomposição da matéria orgânica (processo aeróbio). Ser ar (Oxigênio) pode ocorrer o apodrecimento em lugar de compostagem. A aeração é garantida pelo tamanho das partículas entre 2 a 4 cm. Tanto partículas muito pequenas como grande quantidade da água prejudicam a aeração das pilhas. Sem aeração o material ao invés de compostar, apodrece. Umidade A umidade deve ficar em tono de 50% do peso do material em compostagem. Se a quantidade de água ficar abaixo de 40%, compostagem será lenta. Se a quantidade de água ficar acima de 60%, a compostagem será prejudicada pela falta de oxigênio e ocorrerá produção de gases com mau cheiro, o material apodrece e produz chorume. Para verificar a umidade, deve ser apanhado um punhado do material em compostagem, espremido na mão para observar a presença da água. Se a mão não ficar molhada, significa que o material está seco e deve ser regado. Se escorrer água por entre os dedos, significa que o material está encharcado. Deve-se revolver ou espalhar para secar a pilha ou, também, incorporar mais material seco. Se a mão ficar úmida, sem escorrer, a umidade estará boa para o processo de compostagem. Chorume E um líquido escuro de cheiro desagradável resultado da decomposição de resíduos orgânicos sem aeração, na ausência de Oxigênio (processo anaeróbico). Este produto não é nocivo, apenas por ser rico em nutrientes acabam atraindo insetos indesejados como moscas e dando uma aparência ruim ao local da compostagem. O chorume é produzido quando a quantidade de água é maior que a necessária ou quando tem grande volume de material molhado rico em Nitrogênio. Temperatura A compostagem começa com a temperatura ambiente. Com o desenvolvimento dos microrganismos, a temperatura começa a se elevar devendo chegar ao patamar desejado para a compostagem que é entre 60 e 70º C. Esta temperatura é importante para eliminar os microrganismos patogênicos (que causam doenças) e sementes. Depois de um tempo, a temperatura começa a baixar e se estabiliza em trono de 30 C, quando começa o processo de humificação. Para medir a temperatura pode ser usado um termômetro para leitura direta ou enfiar uma barra de aço, tipo vergalhão, na pilha e deixa passar 5 minutos, Quanto retirar a barra, pega-se na ponta da barra para avaliar a temperatura,

9 Se for suportável, não tiver a sensação de queima, temperatura está boa. A relação C/N, a aeração e umidade estão boas. Se a barra estiver fria, não estará ocorrendo a compostagem. Pode ser falha na composição C/N ou muita umidade ou muito seca. Estas condições não favorecem as atividades dos microrganismos. Se a barra estiver muito quente, com temperatura insuportável ao toque com a mão, a pilha deve ser molhada ou revolvida para abaixar a temperatura para o patamar de compostagem, ou seja, entre 60º e 70º C. 7. Fases da evolução da compostagem A temperatura é o principal indicador do processo de compostagem, pois reflete as condições dos parâmetros e a ação dos microrganismos. O processo de compostagem se desenvolve em quatro fases de temperatura: 1ª fase mesófila, a temperatura vai aumentando gradativamente em função do desenvolvimento das bactérias e fica entre 30º a 40º C e dura de 3 a 4 dia. Esta fase é curta porque ocorre apenas a degradação de parte dos residos molhados. 2ª fase termófila, a temperatura fica entre 60º a 70º C, é a fase de degradação de todo o material da compostagem. Nesta temperatura ocorre a morte das bactérias patógenas (nocivas, causadoras de doenças). Também ocorre a diminuição da do volume do material em função da perda de água. É a fase mais longa, dura em torno de 60 dias. 3ª fase resfriamento, é quando a grande parte do material já foi degradada, diminui a quantidade de microrganismo e a temperatura começa a cair. 4ª fase maturação, a temperatura é a ambiente e começa a humificação. É quando começa a aparecer os insetos como formiga, centopeia, besouro, aranha, minhocas etc. que transformam o composto em húmus. Esta fase dura em torno de 30 dias. pot.com.br/2013/08/o-que-ecompostagem.html

10 8. Como montar e monitorar uma pilha de compostagem Modelos de compostagem Existem muitas formas de fazer compostagem. A escolha depende do local, da quantidade e do tipo de material disponível (seco e molhado). Numa residência, por exemplo, pode ser feito num engradado, num balde furado, num tonel rotativo, num recipiente de telado entre outros modelos. Num local com grande produção de resíduo utiliza-se o método de pilhas de compostagem que pode ter várias formas, pode ser em área coberta ou descoberta ao tempo e, ainda, pode ser revolvida manualmente ou com máquinas ou tratores. No caso de um piloto, para iniciar, é bom optar por pilhas cônicas e expostas ao tempo e revolvidas ou manualmente ou com retroescavadeira. Observação importante A compostagem é um processo complexo que envolve reações químicas, físicas e biológicas. Ela só terá pleno controle em laboratório, onde todos os parâmetros são bem dimensionados e controlados. Na prática de campo, sempre será uma ação experimental em função de não se ter as medidas e os controles exatos dos parâmetros. Todo o sucesso da compostagem em campo depende da experiência da pessoa que está fazendo e observando todos os parâmetros da compostagem no dia a dia. Essa experiência depende exclusivamente da dedicação e gosto pelo trabalho. Passo a passo para montar e monitorar uma pilha de compostagem 1. Selecionar o material para não deixar misturados com materiais inorgânicos ou outros que não servem para compostagem. 2. Se o material for grande, inapropriado para compostagem, deve ser triturado para ficar com partículas em torno de 2 a 4 cm. 3. Em função da quantidade de material e espaço disponível definir a forma e tamanho e quantidade de pilhas de compostagem a serem montadas. 4. Sugere-se para um piloto de compostagem, que a pilha seja comprida, em forma trapezoidal, com a largura da base em torno de 1,5 m e altura com até 1.5 m.

11 5. Sequência para montar a pilha de compostagem: a. Fazer uma camada de aproximadamente 30 cm de altura e 1,5 m de largura, com o material de poda de jardim (seco, rico em Carbono). b. Regar cada camada seca que for sendo colocada. c. Depois colocar uma camada de aproximadamente 10 cm da altura com material de cozinha (molhado, rico em Nitrogênio) cobrindo toda a camada anterior. mpostagem-na-empasacompleta-nove-meses-e-evitaque-158-toneladas-de-detritosigam-para-o-aterro/ mpostagem-na-empasacompleta-nove-meses-e-evitaque-158-toneladas-de-detritosigam-para-o-aterro/ d. Repetir a sequência conforme a disponibilidade de material até alcançar a altura recomendada de 1,5 m. e. Após alcançar a altura de 1,5 m, começar a fazer outra pilha.

12 6. Medir a temperatura no 4º dia para ver se se encontra ente 30º e 40º C. x Se a temperatura estiver subindo, o processo está bom. Significa que os parâmetros estão bons (tamanho das partículas, proporção entre C/N, umidade e aeração). Se a temperatura não estiver subindo, significa que pode estar faltado água ou material molhado. Deve-se acrescentar água ou material molhado. om/agricultura/o-que-e-humus-eos-seus-beneficios-para-o-solo 7. O primeiro revolvimento da pilha deve ser feita entre 4 e 7 dias com o objetivo de favorecer a aeração, aumentar os contatos entre o material seco e com o molhado, reduzir a umidade se tiver em excesso e controlar a temperatura.

13 8. Medir a temperatura a partir do 4º dia e controlar para ficar entre 60º e 70º C. Se a temperatura estiver baixa, molhar ou acrescentar material molhado e revolver a pilha. Se a temperatura estiver acima de 70º C, acrescentar material seco e revolver a pilha. 9. O segundo revolvimento da pilha deve ser feito entre 25 e 30 dias após a montagem da pilha de compostagem. 10. O terceiro revolvimento da pilha deve ser feito após 60 dias após a montagem da pilha de compostagem, ou antes, a depender das condições da compostagem. 11. Um quarto revolvimento da pilha pode ser feito a partir da avaliação dos parâmetros da compostagem. 12. Medir a temperatura a partir do 60º dia da montagem da pilha para acompanhar a redução da temperatura que deve cair até ficar em torno de 30º C. 13. A humificação, que é a ação dos pequenos insetos do solo, a microfauna, começa a acontecer quando a temperatura da pilha abaixa aos 30º C. O material torna-se composto orgânico em torno de 30 dias e pode ser utilizando na agricultura e jardinagem.

14 9. Tabela: Problema, Causa e Solução Problema Causa Solução Processo lento. Cheiro podre. Cheiro de amônia. Temperatura muito baixa. Temperatura muito alta. Pragas. Moscas. Germinação de sementes na fase de maturação. Muito material seco e pouco material molhado. Umidade em excesso. Compactação. Tamanho das partículas grandes. Muito material molhado e pouco material seco. Pilha muito pequena. Umidade insuficiente. Aeração insuficiente. Falta de material molhado. Clima frio. Pilha muito grande. Arejamento insuficiente. Presença de restos de carne ou de restos de comida com gordura. O cheiro podre proveniente do excesso de umidade ou falta de oxigenação pode atrair mosca. Presença de sementes do próprio material de compostagem. Adicionar material molhado e revolver a pilha. Revirar a pilha, adicionar material seco. Colocar material com partículas maiores e revirar a pilha. Ou diminuir o tamanho da pilha. Evitar colocar grande quantidade de óleos ou cinza. Picar os resíduos antes de adicionar à pilha ou reduzir o tamanho do material durante o reviramento. Adicionar material molhado e revolver a pilha. Aumentar o tamanho da pilha ou isolar a lateral para aumentar a temperatura. Adicionar água quando revirar ou cobrir a parte superior da pilha. Revirar a pilha. Adicionar material molhado. Aumentar o tamanho da pilha ou isolar com material a exemplo de palha. Diminuir o tamanho da pilha. Revirar a pilha. Retirar estes tipos de alimentos e cobrir com uma camada de solo, folhas ou serragens e revirar a pilha para aumentar a temperatura. Revirar a pilha, adicionar materiais secos e porosos como folhas secas, serragens ou palha e fazer cobertura sobre a pilha. Retirar toda vegetação.

15 10. Bibliografia Malvestio, Anne Caroline et all. Manual Básico de Compostagem conhecendo resíduos. USP. em 24/4/2015. Oliveira, Emídio Cantídio Almeida et all. Compostagem. USP ESALQ, Programa de Pós-graduação em Solo e Nutrição de Plantas. 0efhb2adn37yaw.pdf em 24/4/2015. Massukado, Luciana Miyoko e Schalch, Valdir. Avaliação da qualidade do composto proveniente da compostagem da fração orgânica dos resíduos sólidos domiciliares. em 24/4/2015.

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

O que é compostagem?

O que é compostagem? O que é compostagem? Consideraremos compostagem como um processo de decomposição da matéria orgânica encontrada no lixo, em adubo orgânico. Como se fosse uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Introdução Atualmente os resíduos sólidos gerados na sociedade tornaram-se um grande problema para a administração pública. Existe um entrave entre a geração dos

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ NOTA TÉCNICA Compostagem de Resíduos Sólidos Urbanos 1. Definição De acordo com a NBR 13591:1996, a compostagem é um processo de decomposição biológica da fração orgânica biodegradável dos resíduos, efetuado

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009 Valorização Orgânica VALNOR Fórum Eco-Escolas 2009 RESÍDUOS UM PROBLEMA PRESENTE E FUTURO Quantidade de LIXO que se produz Cada Português produz cerca de 1,2Kg de lixo por dia! No SISTEMA VALNOR entram

Leia mais

Minifúndio de varanda

Minifúndio de varanda Início Composteira Este canteiro Minhocas Pássaros Minifúndio de varanda para quem planta alface em vaso abril 19, 2009 Minhocário e compostagem em apartamento Posted by administrador under Minhocas Tags:

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos Leandro Kanamaru Franco de Lima Classificação de resíduos sólidos Resíduos sólidos, segundo a NBR 10.004 (ABNT,

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS Mudar o Presente, Garantir o Futuro O conteúdo do seguinte Projecto é da exclusiva propriedade da Futuramb Gestão Sustentável de Recursos. Caso pretenda

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto

Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Responsabilidade e Sustentabilidade em Foco! Caio Gonzales Elaine Ascêncio Maria Angélica Faria Manuela Claro Thacilla Wemoto Organograma Empresarial Diretoria de COMPRAS Diretoria FINANCEIRA Diretoria

Leia mais

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO

HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO HORTICULTURA EM MODO BIOLÓGICO A COMPOSTAGEM O composto é uma substância semelhante ao solo, resultante da decomposição de matérias orgânicas. A compostagem é uma maneira natural de reciclar as plantas,

Leia mais

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA Vicente

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO COMPOSTAGEM ISSN 1517-8862. Nº 50, dez.2001, p.1-10

COMUNICADO TÉCNICO COMPOSTAGEM ISSN 1517-8862. Nº 50, dez.2001, p.1-10 ISSN 1517-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agrobiologia Ministério da Agricultura, Peduária e Abastecimento Caixa Postal 74505 - CEP 23851-970 - Seropédica, RJ Fone (0xx21)2682-1500

Leia mais

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA Maria Urbana Corrêa Nunes Pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Avenida Beira Mar, 3250, Caixa Postal 44, CEP: 49025-040, Aracaju/SE.

Leia mais

TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL

TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL Este folheto indica a maneira de preparar uma solução imunizadora para tratamento de madeira roliça de Eucalipto e

Leia mais

A sua respiração é feita através da pele, daí a necessidade do seu espaço se encontrar sempre húmido.

A sua respiração é feita através da pele, daí a necessidade do seu espaço se encontrar sempre húmido. A minhoca pertence ao filo Annelida. Este filo é constituído aproximadamente por 8700 espécies, agrupados em 3 classes: Polychaeta, Oligochaeta e Hirundinea. Consomem diariamente, aproximadamente metade

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC

AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC ARTIGO AVALIAÇÃO DE CINCO TIPOS DE MINICOMPOSTEIRAS PARA DOMICÍLIOS DO BAIRRO PINHEIRINHO DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC SALVARO, Elisangela; BALDIN, Schirlei; COSTA, Marcel Madeira; LORENZI, Eduardo Smania;

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de aula 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO: POPULARIZANDO

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO Nayhana Lara Chaves e Carvalho¹; Túlio da Silva Brum¹; Jussara Aparecida de Oliveira Cotta*¹; Evaneide Nascimento

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na

A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na COMPOSTAGEM DOMÉSTICA GUIA PRÁTICO O que é a compostagem? A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica. Consiste na decomposição dos resíduos domésticos por acção de microrganismos que

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

Hospedagem Sustentável. www.hotelbuhler.com.br

Hospedagem Sustentável. www.hotelbuhler.com.br Hospedagem Sustentável www.hotelbuhler.com.br Lixo Mínimo Alternativas simples, de baixo custo e grande eficácia para administrar e gerenciar a produção e o manejo de resíduos sólidos. Lixo.S. m. 1. Aquilo

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011/2012 RECURSOS SÓLIDOS LIXO VIVO ATITUDE LOCAL POR UMA AÅÇO GLOBAL

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011/2012 RECURSOS SÓLIDOS LIXO VIVO ATITUDE LOCAL POR UMA AÅÇO GLOBAL CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011/2012 RECURSOS SÓLIDOS LIXO VIVO ATITUDE LOCAL POR UMA AÅÇO GLOBAL Joinville-SC 2012 1.1NOME DA AABB: AABB JOINVILLE 1.2TÍTULO: LIXO VIVO ATITUDE LOCAL POR UMA AÅÇO GLOBAL

Leia mais

Este guia pertence a:

Este guia pertence a: Nota Introdutória A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova pretende com a elaboração deste manual prático de compostagem, sensibilizar a população para a importância que a compostagem doméstica pode ter na

Leia mais

O Solo e a Nossa Saúde

O Solo e a Nossa Saúde O Solo e a Nossa Saúde A formação de lixo não é de hoje; Quantidades excessivas de lixo desde a Idade Média; Essa grande quantidade de lixo acaba gerando doenças e fazendo mal a nossa saúde; Atualmente,

Leia mais

Documentos 89. Uso da Compostagem em Sistemas Agrícolas Orgânicos

Documentos 89. Uso da Compostagem em Sistemas Agrícolas Orgânicos ISSN 1677-1915 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 89 Uso da

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues SOLO O que é solo? Formação do solo Horizontes do solo Evolução da Ocupação do Solo O que é o Solo? Solo é um corpo de material

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DA COMPOSTAGEM DE PODA DE ÁRVORE NO CAMPUS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CESUMAR

ANÁLISE DA VIABILIDADE DA COMPOSTAGEM DE PODA DE ÁRVORE NO CAMPUS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CESUMAR ANÁLISE DA VIABILIDADE DA COMPOSTAGEM DE PODA DE ÁRVORE NO CAMPUS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CESUMAR Rebecca Manesco Paixão 1, Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹, Thaise Moser Teixeira 2 RESUMO:

Leia mais

b) Nesse solo, a água é absorvida mais lentamente e ele se mantém úmido.

b) Nesse solo, a água é absorvida mais lentamente e ele se mantém úmido. Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- IDENTIFIQUE o tipo de solo, de acordo com as características abaixo: a) Tipo de solo que retém pouca água; raramente as plantas conseguem se desenvolver nele.

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. A presença de pus ou de vermelhidão ao redor do umbigo sugere infecção e deve ser avaliada pelo profissional de saúde.

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

O que é o lixo? Pastilha elástica

O que é o lixo? Pastilha elástica O que é a INOVA-EM? A INOVA-EM é a empresa responsável pela qualidade da água que chega às nossas torneiras, pelo tratamento das águas que vão para o saneamento, pela recolha do lixo, limpeza urbana, manutenção

Leia mais

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes

AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes AULA 10 : Produção de Compostos Orgânicos e Biofertilizantes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O que é a compostagem Como produzir compostos orgânicose biofertilizantes com resíduos Preparo do Bokashi Como aplicar

Leia mais

MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS

MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS MINI APOSTILA PRÁTICA: COMPOSTEIRAS PARA ESPAÇOS MÍNIMOS Elaborada por Marina Oliveira Alves Pereira Estagiária USP Recicla (2011-2012) 2011 0 Sumário Introdução..................................................2

Leia mais

Conscientizando a Comunidade Escolar em Relação ao Lixo

Conscientizando a Comunidade Escolar em Relação ao Lixo Conscientizando a Comunidade Escolar em Relação ao Lixo Autores: Ângela da Silva Ruiz Aline Pimentel Meneghetti Andressa Reina Cordioli Breyla Cristina Gonzales Erico Manoel Valquilha Rosilene Aparecida

Leia mais

Caderno de Prova. www.concursosnobrasil.com.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012. http://comcap.fepese.org.br.

Caderno de Prova. www.concursosnobrasil.com.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012. http://comcap.fepese.org.br. COMCAP Companhia Melhoramentos da Capital Edital 01/2012 http://comcap.fepese.org.br Caderno de Prova maio 27 27 de maio das 14:10 às 17:10 h 3 h de duração* 25 questões F06 Gari Confira o número que você

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado

Leia mais

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável)

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) Baseia-se na utilização de técnicas químicas e metodologias que reduzem ou eliminam o uso de solventes e reagentes ou geração de produtos e sub-produtos

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE LIXO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho FUNDACENTRO PRESIDENTE Humberto Carlos Parro DIRETOR EXECUTIVO José Gaspar

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Objectivo do Projecto Orgânica Verde. Público-alvo. Ficha Técnica:

Objectivo do Projecto Orgânica Verde. Público-alvo. Ficha Técnica: 1 Ficha Técnica: Conteúdos: Cá a Godinho e Graça Gonçalves Design e coordenação do trabalho de ilustração: Cá a Godinho Ilustração: Cá a Marques Paginação: António Peleja Promotor: Parceria e Co-financiamento:

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Objectivos pedagógicos

Objectivos pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios O capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, chama a atenção para o facto

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata SOMOS UM GRUPO BEM GRANDE DE COMPANHEIROS E CADA UM DÁ A MÃO AO OUTRO. O CTA - Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata é uma organização não

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃOBÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Políticas Públicas, Consumo Sustentável & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos O CETEA/ITAL (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens do Instituto de Tecnologia de Alimentos), há mais

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

Prática: Cordados (esqueletos)

Prática: Cordados (esqueletos) Prática: Cordados (esqueletos) Autores: Emerson Batista Machado e Priscila Barbosa Peixoto Co-responsável pela revisão e/ou alteração: Alípio Rezende Benedetti Introdução Preparo de esqueletos: Esqueletos

Leia mais

Casas de Banho de Composto Orgânico

Casas de Banho de Composto Orgânico Casas de Banho de Composto Orgânico O que é uma casa de banho de composto orgânico e como construí-lo? Módulo para poupança de água e gestão descentralizada dos dejetos humanos Tamera, SolarVillage Valerio

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

02/13 972-09-05 782259 REV.0. Fritadeira Inox 2,5L. Manual de Instruções SOMENTE SOMENTE PARA USO PARA DOMÉSTICO

02/13 972-09-05 782259 REV.0. Fritadeira Inox 2,5L. Manual de Instruções SOMENTE SOMENTE PARA USO PARA DOMÉSTICO 02/13 972-09-05 782259 REV.0 Fritadeira Inox 2,5L SOMENTE SOMENTE PARA USO PARA DOMÉSTICO USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Fritadeira a óleo Britânia. Para garantir

Leia mais

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral Cólera Introdução: A cólera se originou provavelmente na Índia e em Bangladesh, espalhando para outros continentes a partir de 1817. A descoberta da bactéria que a provoca foi feita por Robert Koch em

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de LIXO O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de várias maneiras. Uma das formas mais comuns de classificar

Leia mais

FRITADEIRA MEGA FRY INOX

FRITADEIRA MEGA FRY INOX 02/13 973-09-05 782264 REV.0 FRITADEIRA MEGA FRY INOX SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Fritadeira Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO RIO DO VENTO

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO RIO DO VENTO COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO RIO DO VENTO Maria Wilza da Silva; Abigail de Souza Pereira; Maria de Fátima de Souza Escola Municipal Centro Educacional Rio do

Leia mais

HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Raquel Alves de Oliveira, Vânia Galindo Massabni ESALQ - USP Eixo: 03 Ciências Agrárias Resumo O presente trabalho trata a respeito do projeto desenvolvido

Leia mais