NORMA PROCEDIMENTAL CRACHÁ DE IDENTIFICAÇÃO 1. FINALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA PROCEDIMENTAL CRACHÁ DE IDENTIFICAÇÃO 1. FINALIDADE"

Transcrição

1 /8 1. FINALIDADE Regulamentar a obrigatoriedade do uso do crachá de identificação nas dependências da Universidade Federal do Triângulo Mineiro UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores, clientes, acompanhantes, voluntários, visitantes, estagiários, prestadores de serviço, representantes comerciais, autoridades e outras pessoas que necessitam entrar nas dependências físicas da UFTM. 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de CONCEITOS BÁSICOS - Colaboradores Pessoas diretamente vinculadas à UFTM (servidores, professores, residentes, discentes, entre outros). - Crachá Documento de identificação que permite o controle de acesso, circulação e saída de pessoas de todos os ambientes físicos da Instituição. - Usuário 5. NORMAS Todas as pessoas portadoras de crachás que necessitam ter acesso à Universidade OBRIGATORIEDADE DE USO É obrigatório o uso do crachá de identificação por todas as pessoas (exceto clientes internados e militares fardados, quando em serviço), em todas as dependências físicas da UFTM. Observações: - o crachá deverá ser posicionado no peito, em local visível (quando for o caso,

2 /8 com a foto) e sem nada para encobri-lo parcial ou totalmente; - é proibido o empréstimo e/ou a troca de crachás, ou seja, cada pessoa deve portar o seu próprio crachá; - se o colaborador e o discente forem flagrados utilizando crachá de outra pessoa, os dois deverão ser exemplarmente punidos pela chefia imediata ou responsável superior; - o crachá deve ser apresentado, no caso de colaboradores, com a foto voltada para a frente, e, para as demais pessoas, com a caracterização do tipo de visita (acompanhante, visitante, representante comercial, religiosos, etc), também voltado para a frente; - Todas as regras desta Norma aplicam-se aos colaboradores da FUNEPU e a outras entidades que mantêm vínculo com a Instituição CATEGORIAS DE CRACHÁS/ CARACTERIZAÇÃO CATEGORIA DESTINATÁRIO CARACTERIZAÇÃO COLABORADORES Professores Verde Professores Substitutos Cinza Técnicos-Administrativos Azul Residentes Amarelo Aposentados Professor Verde Téc. Administr. Azul DISCENTES Graduação/ Pós-Graduação Amarelo CEFORES Amarelo CIM Amarelo FUNEPU Funcionários Própria TERCEIRIZADOS Empregados Própria VISITAS Acompanhantes Azul Visita clientes/ servidores Vermelho Representantes comerciais Verde Prestadores de serviço Marrom Religiosos e Pastoral da Saúde Amarelo DIVERSOS Estagiários Azul Claro Provisórios Laranja Voluntários Verde Claro 5.3. EMISSÃO DOS CRACHÁS a) A emissão / reemissão dos crachás ficará a cargo do Departamento de Recursos Humanos DRH. b) O primeiro crachá de identificação será fornecido gratuitamente pela Instituição aos colaboradores, discentes e voluntários.

3 /8 c) Em caso de perda/extravio será ser cobrada uma taxa de R$ 10,00 (dez reais), para fazer face aos custos de reemissão de um novo crachá. Observações: - nos casos de perda ou extravio, o servidor deverá comunicar o fato imediatamente ao DRH, para que sejam tomadas as providências cabíveis; - para ter acesso às dependências da Instituição, o servidor deverá solicitar o Cartão de Acesso Provisório (assinando a Ficha Controle de Crachás - FCC), a qual deverá ser entregue quando de sua saída. d) Ficam isentas de pagamento somente as reemissões ocasionadas por motivo de alteração no cargo / função ou na lotação do servidor. Obs: Antes da entrega do novo crachá, o antigo deverá ser recolhido e destruído pelo DRH RESPONSABILIDADE SOBRE O CONTROLE DOS CRACHÁS É de responsabilidade das pessoas / unidades a seguir, processar o controle dos crachás. Procedimentos para o controle: a) - Entrega de Crachá: somente poderá ser realizado mediante a assinatura do Termo de Recebimento do Crachá TRC. Obs: Havendo descumprimento das regras contidas nesta Norma Procedimental e/ou nas Regras Básicas de Acesso na UFTM, o infrator estará sujeito às punições previstas na legislação pertinente a cada um deles. b) - Recolhimento do Crachá: - Colaboradores No ato do desligamento / término do curso, antes do acerto final ou entrega do certificado de conclusão do curso, recolher o crachá. Obs: O setor responsável deverá recolher o crachá e encaminha-lo protocolado para o DRH. - Visitantes / Acompanhantes Por ocasião da saída do visitante / acompanhante, obrigatoriamente, o crachá deverá ser entregue na Portaria correspondente ao acesso do mesmo.

4 / Usuários É de exclusiva responsabilidade dos usuários controlar o uso de seus próprios crachás, os quais, OBRIGATORIAMENTE, deverão ser devolvidos quando do desligamento da Instituição Departamento de Recursos Humanos DRH É de responsabilidade do DRH controlar todos os crachás dos colaboradores, docentes, voluntários e estagiários Departamento de Controle e Registro Acadêmico DRCA É de responsabilidade do DRCA controlar todos os crachás dos discentes de graduação e residentes CEFORES Centro de Formação Especial em Saúde É de responsabilidade do CEFORES controlar todos os crachás dos discentes do CEFORES Central de Idiomas Modernos CIM É de responsabilidade da CIM controlar todos os crachás dos discentes da CIM Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PRORPPG É de responsabilidade da PRORPPG controlar todos os crachás das pessoas matriculadas nos programas de Pós-Graduação da Instituição Visitantes (representantes comerciais, prestadores de serviços, visitantes a clientes internados e a servidores, religiosos, autoridades, acompanhantes e outras pessoas que necessitam ter acesso às dependências da UFTM). a) Divisão de Serviços Gerais DSG controlar todos os crachás disponibilizados na recepção e nas portarias do HE. b) Departamento de Materiais e Atividades Gerais DMAG controlar todos os crachás do complexo da Universidade (disponibilizados nas portarias e/ou recepções), exceto do Hospital Escola FISCALIZAÇÃO DO USO DO CRACHÁ O porteiro somente permitirá o acesso às dependências físicas da Instituição às pessoas portadoras de crachá, exceto: emergências do PS, clientes comprovadamente a serem internados e militares fardados em missão oficial no Hospital.

5 /8 a) O crachá dos colaboradores deverá ficar posicionado no peito, em local visível, com a foto voltada para frente de forma a não ser coberta parcial ou totalmente. Obs: O uso do crachá pelo colaborador, não lhe concede o direito de autorizar o acesso de seus familiares e/ou outras pessoas nas dependências da Instituição. b) O crachá dos visitantes deverá ficar dependurado no pescoço, voltado para a frente com a respectiva categoria (representantes comerciais, acompanhantes, religiosos, etc) de cada um deles No caso de autoridades jurídicas (Juizado de Menores, Juizado da Vara da Infância e Juventude, Conselhos Tutelares, etc), Casas de Apoio e policiais não fardados, solicitar suas identidades funcionais, verificando se eles estão em missão oficial, neste caso, solicitar a apresentação dos respectivos mandados ou documentos comprobatórios. a) Estando a serviço de sua instituição, terá acesso a qualquer hora, de acordo com o horário de funcionamento do setor interno do Hospital (onde deseja ir); b) Não estando a serviço de sua instituição, obedecerá as mesmas condições dos visitantes, em geral. Obs: estando a serviço ou não, eles deverão receber o crachá de visitante (exceto militares fardados) e obedecer às regras previstas para este caso O caso de utilização do crachá provisório é excepcional, cabendo o uso deste somente pelos colaboradores da Instituição, o que deverá ser observado pelos porteiros Caberá às chefias colaborar na fiscalização do uso do crachá por todos os colaboradores da UFTM. 6. PROCEDIMENTOS GERAIS 6.1. DO DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DRH a) Emitir e reemitir todos os crachás dos colaboradores, discentes, voluntários e estagiários. Obs: As fotos deverão ser tiradas no Serviço de Fotografia da Instituição. b) Entregar os crachás para os setores solicitantes (DRCA, CEFORES, CIM, PRORPPG), mediante protocolo. c) Entregar os crachás para os colaboradores, voluntários e estagiários, mediante assinatura destes no Termo de Recebimento do Crachá - RTC.

6 /8 d) Punir os colaboradores que desrespeitarem esta Norma Procedimental, inicialmente, com uma advertência por escrito, e, posteriormente, conforme determina a legislação de servidor público. e) Recolher os crachás das pessoas desligadas da Instituição, conforme item 5.4.1, os quais deverão ser destruídos. f) Bloquear imediatamente o acesso (no sistema Catracas Eletrônicas ) dos crachás das pessoas desligadas da Instituição e dos crachás perdidos ou extraviados. g) Trimestralmente, verificar a quantidade e o uso correto do controle dos crachás provisórios nas portarias onde foram distribuídos DO DRCA, CEFORES, CIM E PRPG a) Solicitar ao DRH emissão / reemissão de crachás para os discentes matriculados, informando o número de matrícula, identidade e o tipo sangüíneo de cada um deles. Obs: Orientar os interessados a procurarem o Serviço de Fotografia. b) Entregar os crachás para os discentes mediante a assinatura destes no TRC. c) Recolher os crachás dos discentes desligados da Instituição, os quais deverão ser encaminhados para o DRH devidamente protocolizado. Obs: A entrega do diploma ou certificado deverá estar vinculada à devolução do crachá DA RECEPÇÃO E / OU PORTARIA a) Proceder de acordo com a Norma Procedimental NP de Controle de Acesso nas Dependências Físicas da UFTM e as normas (item 5.5.) mencionadas nesta NP. b) Processar de forma rígida o controle do uso dos crachás provisórios, comunicando todas as irregularidades à DSG (Hospital) ou ao DMAG, (demais setores), os quais (DSG e DMAG) deverão se posicionar a respeito junto ao DRH. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta norma entra em vigor em 05/01/07.

7 /8 8 FORMULÁRIOS 8.1. REGRAS BÁSICAS DE ACESSO NA UFTM - RBA REGRAS BÁSICAS DE ACESSO NA UFTM Caberá aos colaboradores da UFTM atender às seguintes regras e procedimentos: O acesso às dependências na UFTM somente será permitido às pessoas que estiverem portando o crachá posicionado no peito, em situação visível e sem nada para encobri-lo parcial ou totalmente. Todos os colaboradores terão o respectivo acesso pelas portarias estabelecidas na Norma Procedimental de Controle de acesso às dependências da UFTM, da qual todos devem ter conhecimento. Em caso de perda ou extravio do crachá, deve-se comunicar o fato, imediatamente, ao DRH. Exibir ao porteiro / vigilante de serviço, quando solicitado, qualquer volume que estiver portando. Ter ciência de que o controle (catracas) das portarias é em benefício da segurança pessoal e Institucional. O uso do crachá não concede ao colaborador o direito de autorizar o acesso de seus familiares e/ou de outras pessoas nas dependências da Instituição. O crachá é de uso pessoal e intransferível. O colaborador deve zelar por sua guarda e conservação, bem como arcar com o custo de R$ 10,00 (dez reais), em caso de reposição por motivo de danificação ou extravio. É imprescindível o respeito aos funcionários das portarias no cumprimento de sua missão. Entregar o crachá, imediatamente, quando do desligamento da Instituição. TERMO DE RECEBIMENTO DO CRACHÁ Declaro ter recebido o crachá de identificação em perfeitas condições de uso, o qual será usado em conformidade com as regras básicas de acesso na UFTM, que são do meu conhecimento, a partir deste momento. Data Matricula Assinatura

8 / FICHA CONTROLE DE CRACHÁS - FCC FICHA CONTROLE DE CRACHÁS ENTREGA: - HORA NOME COMPLETO EMPRESA. INSTITUIÇÃO OU LOTAÇÃO TELEFONE / RAMAL OU CELULAR DEVOLUÇÃO: - HORA ASSINATURA TIPO ENTREGA: - HORA NOME COMPLETO EMPRESA. INSTITUIÇÃO OU LOTAÇÃO TELEFONE / RAMAL OU CELULAR DEVOLUÇÃO: - HORA ASSINATURA TIPO ENTREGA: - HORA NOME COMPLETO EMPRESA. INSTITUIÇÃO OU LOTAÇÃO TELEFONE / RAMAL OU CELULAR DEVOLUÇÃO: - HORA ASSINATURA TIPO ENTREGA: - HORA NOME COMPLETO EMPRESA. INSTITUIÇÃO OU LOTAÇÃO TELEFONE / RAMAL OU CELULAR DEVOLUÇÃO: - HORA ASSINATURA TIPO TIPO: (1) Provisório (2) Representantes Comerciais (3) Prestadores de Serviços (4) Religiosos (5) - Outros

RESOLUÇÃO Nº 011, DE 04 DE JUNHO DE 1997, DO DIRETOR DA FMTM.

RESOLUÇÃO Nº 011, DE 04 DE JUNHO DE 1997, DO DIRETOR DA FMTM. Nº 011, DE 04 DE JUNHO DE 1997, DO DIRETOR DA FMTM. Aprova a Norma Procedimental NP nº 50.03.003 - O DIRETOR DA, com base no que se encontra disposto no artigo 11 inciso X do Regimento da FMTM, RESOLVE:

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS 30.01.007 1/11 1. FINALIDADE Normatizar e disciplinar os procedimentos para um efetivo controle de entrada, circulação e saída de pessoas / bens materiais pelas portarias do Hospital de Clínicas -HC da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO 1 - Definições: 1.1- o sistema de controle de acesso abrange a identificação, a permissão e o registro de entrada e saída de pessoas e veículos no âmbito das unidades acadêmicas

Leia mais

NORMA E PROCEDIMENTO

NORMA E PROCEDIMENTO Página 1/ 7 1. FINALIDADE Estabelecer e disciplinar os procedimentos de utilização do crachá nas dependências do Centro de Pesquisa René Rachou - CPqRR. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores, pesquisadores,

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL MANOEL VICTORINO

CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL MANOEL VICTORINO CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL MANOEL VICTORINO 1.FINALIDADE Normatizar e disciplinar os procedimentos para um efetivo controle de entrada, circulação e saída de pessoas / bens materiais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 12, de 7 dez. 2011, p. 7-11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal do Supremo Tribunal

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES 30.01.004 1/06 1. FINALIDADE Disciplinar procedimentos para a utilização e o controle de alojamentos da UFTM oferecidos aos médicos residentes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Divisão de Serviços Gerais DSG, Departamento

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES 30.01.006 1/13 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para controlar a entrada de visitas aos clientes internados e de seus respectivos acompanhantes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores, clientes,

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS Procedimentos 1. Introdução Este documento visa regulamentar o controle de acesso e permanência de pessoas e veículos nas dependências dos Órgãos da SECRETARIA

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS

NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS NORMAS E PROCEDIMENTOS Código Versão A-RHU-08 4 Emissão Atualização 22 / 08 / 2003 30 / 07 / 08 CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS OBJETIVO Normatizar o controle de acesso dos colaboradores,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA N 003/2010, DE 29 DE ABRIL D E 2010

RESOLUÇÃO DA REITORIA N 003/2010, DE 29 DE ABRIL D E 2010 RESOLUÇÃO DA REITORIA N 003/2010, DE 29 DE ABRIL D E 2010 O Reitor do Centro Universitário de Sete Lagoas, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas, RESOLVE: Regulamentar, a partir desta data,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM 50.05.002 1/12 1 FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a prestação de serviços voluntários na UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 04/2010 Dispõe sobre procedimentos para expedição e uso do

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Faculdade PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DO ACESSO E DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI NOVEMBRO DE 2014 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA NO CAMPUS CAPIVARI Este manual tem

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz.

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. Revisão: julho/2007 Fl. 01 de 03 1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. 2 Procedimentos 2.1 O acesso de pessoas nas dependências

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 03/2012 DO CONSELHO DIRETOR Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia. O CONSELHO DIRETOR DA, no uso da competência prevista nos arts. 14, do Estatuto,

Leia mais

Normas e Procedimentos da Portaria

Normas e Procedimentos da Portaria Normas e Procedimentos da Portaria 1- Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais da portaria, visando proteger a integridade da FECAP e de seus usuários. Fixação de critérios

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO

SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO Capítulo I Dos Princípios Gerais Art. 1º O presente Regulamento visa disciplinar e normalizar o Serviço de Atendimento das Bibliotecas São Camilo Campus I e Campus II, no

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário campus São Carlos

Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário campus São Carlos Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário campus São Carlos A partir de 16/05/2011, o sistema de acesso ao RU/UFSCar campus São Carlos será informatizado, passando a ser obrigatória a utilização

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

Controle de portaria e acesso

Controle de portaria e acesso Pág.: 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos relativos ao controle de acesso de pessoas, veículos e equipamentos às dependências e às áreas de proteção ambiental sob o domínio da COPASA MG.

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Bibliotecas da UCB possui um acervo com mais de 200.000 volumes possibilitando o acesso dos usuários aos livros, sistemas de consulta,

Leia mais

EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A 5ª TURMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA - CEEO - VAGAS REMANESCENTES

EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A 5ª TURMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA - CEEO - VAGAS REMANESCENTES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO DESPORTO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO ACRE EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A

Leia mais

NORMA DE TELEFONIA FIXA, MÓVEL E RÁDIO COMUNICAÇÃO NOR 203

NORMA DE TELEFONIA FIXA, MÓVEL E RÁDIO COMUNICAÇÃO NOR 203 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO COD. 200 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TELEFONIA FIXA, MÓVEL E RÁDIO COMUNICAÇÃO COD: NOR 203 APROVAÇÃO: REDIR nº 14/2009, de 16/11/2009 NORMA DE TELEFONIA FIXA, MÓVEL E RÁDIO

Leia mais

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013.

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. REGIMENTO DA BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY 1. ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES A do Hospital Pelópidas Silveira IMIP/SES/SUS está sob a gerência

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Direção da UNIESP estabelece normas disciplinando o funcionamento da Biblioteca, no ano de 2013/1. CAPÍTULO I DO USO DA BIBLIOTECA Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada

Leia mais

1 HORÁRIO DE ATENDIMENTO DAS BIBLIOTECAS DO SB/UEL

1 HORÁRIO DE ATENDIMENTO DAS BIBLIOTECAS DO SB/UEL 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E EMPRÉSTIMO As bibliotecas do Sistema de Bibliotecas da Universidade Estadual de Londrina (SB/UEL) são responsáveis

Leia mais

PROJETOS DE CURSOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO DE CURSOS. Normas e Procedimentos NP10

PROJETOS DE CURSOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO DE CURSOS. Normas e Procedimentos NP10 PROJETOS DE CURSOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO DE CURSOS Normas e Procedimentos NP10 I - INTRODUÇÃO A Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo- FUSP e a Universidade de São Paulo USP, têm

Leia mais

IDENTIDADE ESTUDANTIL POLÍTICA DE ACESSO AOS CAMPI

IDENTIDADE ESTUDANTIL POLÍTICA DE ACESSO AOS CAMPI IDENTIDADE ESTUDANTIL POLÍTICA DE ACESSO AOS CAMPI ÍNDICE POLÍTICA DE ACESSO AOS CAMPI FAQ 3 6 POLÍTICA DE ACESSO AOS CAMPI (Aluno/Colaborador/Terceiros) I. A CARTEIRA 3 4 5 A apresentação da Carteira

Leia mais

Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário da UFSCar campus São Carlos

Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário da UFSCar campus São Carlos Pró Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis ProACE COMUNICADO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO Novo Sistema de Acesso ao Restaurante Universitário da UFSCar campus São Carlos ProACE Pró Reitoria de Assuntos

Leia mais

Normas e Procedimentos para Emissão de Carteira Estudantil (Cartão Identidade Institucional) nos Cursos Profissionalizantes da FOP/Unicamp

Normas e Procedimentos para Emissão de Carteira Estudantil (Cartão Identidade Institucional) nos Cursos Profissionalizantes da FOP/Unicamp A OBJETIVO... 2 B ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 C CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 D PROCEDIMENTOS 1.DA EMISSÃO DO CARTÃO PROVISÓRIO...3 2.DA EMISSÃO DA PRIMEIRA VIA DO CARTÃO DEFINITIVO... 6 3.DA RE-EMISSÃO DO CARTÃO

Leia mais

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS RESOLUÇÃO DA VRG Nº 03/2008 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE ATENDIMENTO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARIO OSORIO MARQUES DA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º783/2007. (publicada no DOE nº 194, de 11 de outubro de 2007) Define as políticas para o uso

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DA BIBLIOTECA KOSHITY NARAHASHI São Paulo 2010 SEÇÃO I DA COMPETENCIA Artigo 1º - À Biblioteca compete planejar, coordenar,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO

RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO Aprova a Norma Procedimental NP 70.01.005 Uso da Rede

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 45/2015 Aprova o Edital do Processo Seletivo do Programa de Integralização de Créditos para a Conclusão do Curso Superior de Teologia Vestibular 1º semestre de 2016 O REITOR

Leia mais

Regulamento da Biblioteca:

Regulamento da Biblioteca: Regulamento da Biblioteca: Professor Paulo Petrola CAPÍTULO I Do Regulamento Art. 1º O presente Regulamento normaliza o funcionamento da Biblioteca. CAPÍTULO II Do Funcionamento Art. 2º A Biblioteca funciona

Leia mais

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2014 CONSULTA E EMPRÉSTIMO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DAS FINALIDADES Art. 1º -

Leia mais

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever a metodologia para o Controle de Acesso, Entrada e Saída de Clientes Dentro ou Fora do Ambiente Housing., bem como a metodologia para o recebimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenador: Prof. Dr. Antônio Corrêa de Lacerda Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Regina Maria d Aquino Fonseca Gadelha Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA Art. 1º Este regulamento fixa normas e procedimentos para o serviço circulação das coleções pertencentes às bibliotecas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. Normas para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação stricto sensu expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras. O CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO DIRETORIA DE GESTÃO E APOIO AO ENSINO REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS NAS DEPENDÊNCIAS DA DA USP Os eventos acadêmicos, científicos ou comemorativos nas dependências da FOUSP devem ser coordenados por servidores não-docentes, docentes, alunos

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL VISITAS TÉCNICAS E TRABALHOS DE CAMPO

NORMA PROCEDIMENTAL VISITAS TÉCNICAS E TRABALHOS DE CAMPO 20.01.006 1/16 1. FINALIDADE Regulamentar as normas, critérios e procedimentos para visitas técnicas e trabalhos de campo dos alunos da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Comunidade acadêmica da UFTM. 3. FUNDAMENTAÇÃO

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Normas de Funcionamento da Biblioteca Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Inscrição de Usuários: Para inscrever-se na Biblioteca

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO

Leia mais

D - PROCEDIMENTOS. b. Por alteração de dados (nome/foto)

D - PROCEDIMENTOS. b. Por alteração de dados (nome/foto) (Cartão Universitário Inteligente) no Colégio Técnico de Limeira A OBJETIVO... 2 B - ÂMBITO DE APLICAÇÂO... 2 C - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 D - PROCEDIMENTOS 1. DA EMISSÃO DO CARTÃO PROVISÓRIO... 3 2.

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2º SEMESTRE 2015 PORTARIA N.º 015 - Reitoria da UNOESTE, de 01 de julho de 2015 A Reitora da Universidade do Oeste

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT DA BIBLIOTECA Art. 1 A missão da Biblioteca Dr. Luiz Flávio Gome s é disponibilizar a informação, apoiando as atividades de ensino,

Leia mais

EXTRATO DO EDITAL Nº 49/2012-UEPA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

EXTRATO DO EDITAL Nº 49/2012-UEPA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ EXTRATO DO EDITAL Nº 49/2012-UEPA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ IV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO BELÉM - PA A Reitora da Universidade do Estado

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Programa de Estágio Pedagógico Voluntário da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE,

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Estabelece procedimentos para o uso do espaço físico das Bibliotecas das Faculdades Ponta Grossa e dos serviços prestados pelas mesmas. CAPÍTULO I COMPOSIÇÃO E FINALIDADE Art.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS Capítulo I Da Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normalizar o serviço de circulação de obras da Biblioteca UAB de Águas Lindas,

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 007 DE 13 DE JANEIRO DE 2011

RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 007 DE 13 DE JANEIRO DE 2011 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 007 DE 13 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre a segurança e o controle de acesso aos Edifícios "Minas", "Gerais", Centro de Convivência e Central de Água Gelada da Cidade Administrativa

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma UNIVERSIDADE CEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS UNICEUMA BIBLIOTECA PRESIDENTE JOSÉ SARNEY Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma 2014 Normatizar procedimentos padrão para a disponibilização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 005, DE 27 DE MAIO DE 2002, DO DIRETOR DA FMTM. Institui no âmbito da FMTM, o serviço voluntário não remunerado. O DIRETOR

Leia mais

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade

Leia mais

CHAMADA PUBLICA 002/2014 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE

CHAMADA PUBLICA 002/2014 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE CHAMADA PUBLICA 002/2014 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE TURMA 2015 O Curso de Especialização em Divulgação da

Leia mais

PrA - Dir.UnUCET01/2006

PrA - Dir.UnUCET01/2006 UIlVERSIDADE EStIDUIlDE GIIAS Unidade Unhersitária de Ciências Exatas e Tecnolúgkas BR 153 KM 98 -Campus Henrique Santillo -Bairro Arco Verde- Portaria Conjunta PrA - Dir.UnUCET01/2006 o Conselho Acadêmico

Leia mais

NORMAS DO XIII CURSO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTROLOGIA. TURMA A e B (QUINTA-FEIRA)

NORMAS DO XIII CURSO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTROLOGIA. TURMA A e B (QUINTA-FEIRA) NORMAS DO XIII CURSO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTROLOGIA TURMA A e B (QUINTA-FEIRA) 1. DATAS: 26 de fevereiro; 26 de março; 23 de abril; 28 de maio; 02 de julho; 13 de agosto; 23, 24 e 25 de setembro;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA NOVA VENÉCIA 2013 SUMÁRIO 1 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA... 2 CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

Relação de Documentos Exigidos para: Registro de Representante Comercial Autônomo (RCA):

Relação de Documentos Exigidos para: Registro de Representante Comercial Autônomo (RCA): Relação de Documentos Exigidos para: Registro de Representante Comercial Autônomo (RCA): a) Fotoc. autenticada do CPF; b) Fotoc. autenticada da Carteira de Identidade; c) Fotoc. autenticada da Quitação

Leia mais

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará REITORIA EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Estabelece as normas e fixa

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB Coordenação de Logística Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB Divisão

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo artigo 98, inciso II da Constituição Estadual,

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo artigo 98, inciso II da Constituição Estadual, PORTARIA N.º 11-R, DE 23 DE ABRIL DE 2003. Publicada no DIO 24/04/2003. Estabelece normas para o controle de identificação e procedimentos para o acesso às dependências da Secretaria de Estado da Fazenda

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. Wladimir de Rezende Pinto Missão: Promover o desenvolvimento humano e social através da difusão de conhecimento, da formação ética, da competência

Leia mais

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda.

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Portaria Conjunta CGA/CPM - 1, de 27-11-2012 Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Os Coordenadores da Coordenadoria Geral de Administração

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Instrução Normativa n o 03/2013 PROGRAD

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Vide Instrução Normativa STJ/GDG n. 26 de 18 de dezembro de 2015 (Alteração = art. 12) RESOLUÇÃO STJ N. 2 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre os serviços de telecomunicações do Superior Tribunal de

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE 2011 (Publicada no D.O.E. de 18/10/11 Seção I, pág. 99) (Republicada no D.O.E. de 10/01/12 Seção I, pág. 78) Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP.

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA OBJETIVO DO MANUAL Este Manual

Leia mais