RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO Aprova a Norma Procedimental NP Uso da Rede de Internet sem Fio. A PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UFTM, nomeada pela Portaria nº 882 de 11 de dezembro de 2012, publicada no Diário Oficial da União DOU no dia 12 subsequente, no uso de suas competências delegadas por meio da nº 29, de 07/10/2015, da Reitora, publicada no DOU em 19/10/2015, RESOLVE: Art. 1º Instituir os procedimentos para o uso da rede sem fio no âmbito da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Art. 2º Fica aprovada a Norma Procedimental nº Uso da Rede de Internet sem Fio, em anexo, como parte integrante da presente. Art. 3º As unidades envolvidas no processo e descritas na Norma Procedimental se tornam responsáveis pela sua execução e seu acompanhamento, bem como a exigência de cumprimento dos procedimentos e apresentação dos documentos necessários. Parágrafo único. A Pró-Reitoria de Planejamento poderá, a qualquer tempo, a pedido ou por iniciativa própria, rever os procedimentos normatizados, bem como verificar sua aplicação e seu cumprimento. Art 4º A Norma Procedimental, ora aprovada, deverá integrar o Manual de Procedimentos da UFTM. Carla Costa Figueiredo Pró-Reitora de Planejamento da UFTM A original encontra-se assinada e arquivada na Proplan

2 /6 1. FINALIDADE Disciplinar o uso da rede sem fio disponibilizada nas dependências da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades administrativas e acadêmicas da UFTM e a comunidade universitária que necessite fazer uso da rede sem fio e, em especial: Departamento de Tecnologia da Informação DTI; 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Não há fundamentação legal específica para a utilização desta norma. 4. CONCEITOS BÁSICOS - Usuário Membro da comunidade interna (docente, discente e técnico-administrativo) que utiliza alguma conexão Wi-Fi. - Visitante Membro da comunidade externa que deseja ter acesso à rede sem fio Wi- Fi/UFTM. - Cliente Equipamento da rede sem fio que é operada pelo usuário final. É qualquer dispositivo com interface de rádio apropriada para viabilizar a comunicação com um AP. - Conta de uso São aquelas diretamente supervisionadas pelo administrador da rede, para monitorar e registrar dados relativos aos recursos utilizados, tais como: tempo de conexão à rede, endereços acessados via Internet, utilização do link e correlatos.

3 /6 - Access Point - AP Equipamento que possibilita a interconexão de clientes de uma rede sem fio com uma rede cabeada por meio de ondas de rádio. - Redes sem fio Wi-Fi Termo utilizado para descrever redes locais sem fio baseadas nos padrões IEEE É o tipo de rede mais empregado pelos computadores que têm algum tipo de interface de rede sem fio. - Rede sem fio Wi-Fi /UFTM 5. NORMAS É a rede sem fio com administração e autenticação centralizadas e que tem como objetivo oferecer acesso à rede da UFTM e a Internet NORMAS GERAIS A utilização da rede sem fio da UFTM é permitida para servidores, discentes e pessoas que tenham vínculo formal com as atividades desenvolvidas na Universidade O uso da rede sem fio disponibilizada nas dependências da UFTM deve ser feito de maneira adequada, dentro da ética e dos bons costumes requeridos para uma Instituição Federal de Ensino A rede sem fio é complementar à rede cabeada já existente na UFTM, sendo adequada sua utilização em curto intervalo de tempo ou para suprir áreas sem infraestrutura de rede cabeada A transferência de grandes arquivos deve ser feita pela rede cabeada, evitando-se assim, manutenção do sistema decorrente de sobrecargas e tráfego intenso Ao solicitar acesso à rede sem fio, o usuário torna-se reponsável pelo uso correto da rede O acesso à internet para os discentes deverá ocorrer fora dos horários de aula ou, durante a aula, com a autorização expressa do professor e exclusivamente para assuntos relacionados ao conteúdo abordado.

4 / Os visitantes poderão ter acesso à rede Wi-Fi/UFTM desde que o uso seja condizente com o ambiente acadêmico e em conformidade com o disposto nesta normatização Em qualquer caso, deverá ser observado o disposto na NP , referente ao Uso da Rede de Computadores e Internet na UFTM O DTI possui um sistema de monitoramento da rede sem fio, podendo intervir e interromper acessos, a qualquer tempo, se detectado o uso indevido ou para proceder a reparos na rede A conta do usuário que não agir em conformidade com o estabelecido nesta NP poderá ser suspensa ou cancelada, conforme o caso DO ACESSO À REDE SEM FIO A solicitação de cadastro do usuário para acesso à rede sem fio será feita por meio do Os discentes deverão informar seu nome completo, pessoal, curso matriculado e número do Registro Acadêmico Discentes menores de idade deverão entregar Termo de Autorização de Uso da Internet (Formulário 8.1) assinado pelos pais ou responsáveis no Departamento de Registro e Controle Acadêmico - DRCA Os docentes e técnico-administrativos deverão informar seu nome completo, e- mail pessoal institucional (domínio uftm.edu.br), unidade a qual está vinculado (setor, seção, divisão, serviço, etc) e número do Siape O visitante que desejar ter acesso á rede sem fio da UFTM deverá solicitar ao responsável pela unidade em que se encontra o envio do informando seus dados pessoais: nome completo, número do CPF e do RG, empresa/órgão que representa e motivo da visita O processo de autenticação se dará por meio do protocolo, que solicitará o e a senha cadastrada A conta para utilização da rede sem fio da UFTM é pessoal e intransferível, sendo de responsabilidade do usuário sua correta utilização A validade da conta dos discentes será de 6 (seis) meses a partir do prazo de

5 /6 cadastro. Ao fim do prazo, é de responsabilidade do usuário solicitar a reativação da conta, pelo Independentemente do prazo de validade do cadastro, a conta do discente será automaticamente cancelada sempre que o vínculo com a Instituição for extinto A validade da conta dos docentes e dos técnico-administrativos está condicionada à extinção do vínculo do servidor com a UFTM A conta do visitante terá validade apenas no período e que ele estiver nas dependências da UFTM DO SUPORTE TÉCNICO O suporte técnico aos usuários da rede Wi-Fi/UFTM se dará exclusivamente por meio eletrônico Dúvidas, sugestões e problemas de configuração deverão ser esclarecidos através do DAS PROIBIÇÕES E PENALIDADES É proibido utilizar dispositivos para redistribuir o acesso à rede sem fio a terceiros (Access Points). O DTI é a unidade responsável e único habilitado para realizar a configuração e instalação de equipamentos que possam prover acesso à rede Fica expressamente vedada a utilização da rede Wi-Fi/UFTM para acesso a Web, para fins particulares e que não estejam relacionadso exclusivamente com as atividades acadêmicas ou administrativas O usuário que violar as normas desta NP ou que fizer uso indevido da rede será bloqueado e notificado por , podendo acarretar a suspensão de sua conta por 30 (trinta) dias Em caso de reincidência, a conta do usuário será cancelada de forma permanente, respeitando-se o contraditório e a ampla defesa. 6. PROCEDIMENTOS GERAIS 6.1. Cabe ao USUÁRIO:

6 / Cabe ao DTI: a) solicitar, por , o cadastramento de sua conta para acesso à rede sem fio Wi-Fi/UFTM; b) informar seus dados no ato da solicitação; c) se menor de idade, entregar Termo de Responsabiladade assinado pelos pais ou responsáveis no DRCA; d) utilizar a rede sem fio de acordo com esta normativa; e) solicitar a reativação da conta ao fim de seu prazo de validade. a) instalar o AP; b) proceder ao cadastramento/recadastramento do usuário, quando solicitado; c) monitorar, constantemente, o uso da rede sem fio; d) notificar o usuário que violar as normas desta NP; e) aplicar as penalidades de suspensão e/ou cancelamento da conta do usuário infrator, conforme o caso. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7.1. Aplica-se subsidiariamente a essa Norma Procedimental a NP , que regulamenta o Uso da Rede de Computadores e Internet na UFTM O usuário é responsável civil, penal e administrativamente por qualquer atividade realizada na sua conta de acesso Ao acessar a rede Wi-Fi/UFTM o usuário concorda com as disposições desta NP e se responsabiliza pelos danos decorrentes de sua utilização, respondendo por quaisquer ações judiciais ou extrajudiciais que resultem de violação de direitos ou de prejuízos causados a outrem, assumindo os ônus que se originarem destas ações A instalação do AP se dará de forma a atender a maior quantidade de usuários Equipamentos eletrônicos que gerarem interferência na rede Wi-Fi (micro-ondas, telefones sem fio, AP s não autorizados, entre outros) serão detectados e as unidades e servidores envolvidos notificados para verificação Os casos omissos serão resolvidos pelo DTI Esta norma entra em vigor em.

7 /6 8. FORMULÁRIOS 8.1 TERMO DE AUTORIZAÇÃO DE USO DA INTERNET

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 17 DE 20 DE JULHO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Procedimental NP 50.03.015 Utilização de Serviços Gráficos.

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede de Dados

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 4 DE 29 DE JUNHO DE 2015, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM Estabelece normas para realização de Estágio Pós- Doutoral

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA SUMÁRIO 1 - DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 3 2 - DOS USUÁRIOS... 3 3 - DAS RESERVAS... 4 4 - DA UTILIZAÇÃO... 5 5 - DA SEGURANÇA... 6 6 - DA DISCIPLINA... 7

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas para utilização dos Laboratórios da Faculdade Catuai, visando um melhor

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática 1 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Dispõe sobre a utilização e gerenciamento dos laboratórios de informática do UNIVEM/FUNDAÇÃO. CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA Seção I Composição e função

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Normatiza o uso do correio eletrônico institucional em atendimento à Resolução nº 34/2011- CS/IFB O REITOR PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 03/2012 (consolidado com o Provimento CRE/RJ nº 01/2015) Disciplina a utilização do Sistema de Informações

Leia mais

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA RESOLUÇÃO FACULDADE UNEB - DirGeral nº2/2011 T Í T U L O I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas

Leia mais

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho Everton Gonçalves Dias ARACAJU JANEIRO DE 2012 TÍTULO I - DOS HORÁRIOS

Leia mais

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES:

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES: REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATORIOS DE INFORMATICA E DA INTERNET NA FACULDADE REDENTOR POR PARTE DE PROFESSORES E ALUNOS 1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso.

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso. Regulamento do NPC Artigo 1º O Núcleo de Produção de Comunicação (NPC) se constitui dos laboratórios de Rádio, TV, Fotografia, Informática para produção de Jornalismo Impresso e Digital, e duas Ilhas de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO xxxxxxxxxxx AEROPORTO INTERNACIONAL xxxxxxxxxxx ANEXO I

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO xxxxxxxxxxx AEROPORTO INTERNACIONAL xxxxxxxxxxx ANEXO I CONDIÇÕES ESPECIAIS ANEXAS AO TERMO DE CONTRATO N.º 08-2011-xxx-xxxx PARA UTILIZAÇÃO DE FACILIDADES DE TELECOMUNICAÇÕES PASSAGEIROS COM GRATUIDADE I - DOS CUSTOS MENSAIS E DAS UTILIZAÇÕES DAS FACILIDADES:

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a o acesso e a utilização do serviço VIVO Torpedo Lembrete (doravante VIVO Torpedo Lembrete ),

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS NORMAS GERAIS DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS DOS CURSOS DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO, CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DA PONTIFÍCIA

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD As disposições abaixo regulam a utilização do serviço Vivo Redes Sociais ( Serviço ), desenvolvido pela Myriad e ofertado pela TELEFÔNICA BRASIL S/A, doravante

Leia mais

PRO-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS ESTUDANTIS

PRO-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS ESTUDANTIS PRO-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS ESTUDANTIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DIVISÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO SEÇÃO DE REGISTRO DE INFORMAÇÃO Sistema Integrado de Administração de

Leia mais

www.tech4safe.net CONTRATO DE ADESÃO Definições e Objeto São partes neste contrato o USUÁRIO e a TECH4SAFE.

www.tech4safe.net CONTRATO DE ADESÃO Definições e Objeto São partes neste contrato o USUÁRIO e a TECH4SAFE. CONTRATO DE ADESÃO Definições e Objeto São partes neste contrato o USUÁRIO e a TECH4SAFE. USUÁRIO é a pessoa física ou jurídica que se utiliza dos produtos e serviços oferecidos pela TECH4SAFE, empresa

Leia mais

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA

Leia mais

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 A Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, por meio da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN/IFG), torna

Leia mais

Os requisitos são estabelecidos pela Resolução do Conselho Universitário n.º 001/2013:

Os requisitos são estabelecidos pela Resolução do Conselho Universitário n.º 001/2013: PROGRAMA PROGRAMA DE INCENTIVO À EXTENSÃO PIEX/FSA E D I T A L N.º 02/2013 A Fundação Santo André torna público o Edital N.º 02/2013 referente à abertura de 02 vagas para atuar junto ao REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Julho de 2011 Sumário 1. Apresentação...3 2. Definições...3 3. Público alvo...4 4. Credenciamento...4

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015.

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. O CONSELHO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1 Aprovar as

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

PORTARIA CAPES Nº 193, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA CAPES Nº 193, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA CAPES Nº 193, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011 Fixa normas e procedimentos para a apresentação e avaliação de propostas de cursos novos de mestrado e doutorado. O Presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 195/2011 Institui a Norma de Segurança dos Recursos de Tecnologia da Informação - NSRTI, do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível Biblioteca Mercedes Silva Pinto Manual da Biblioteca Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível REGULAMENTO COMPLETO DA BIBLIOTECA I. Regulamento do Uso

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO

CONTRATO DE LICENÇA DE USO CONTRATO DE LICENÇA DE USO *Atenção: ISTO É UMA LICENÇA, NÃO UMA VENDA. Este contrato de licença de uso de um sistema representa a prova de licença e deve ser tratado como propriedade valiosa, fundamentado

Leia mais

RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010

RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010 RESOLUÇÃO COTEA nº 03, de 25 de fevereiro de 2010 Normas de Utilização do Laboratório de Interpretação e Dança e do Laboratório de Musicalidade do Curso de Teatro. O Colegiado do Curso de Teatro do Departamento

Leia mais

Resolução Nº 034/2012-ConEPE/UnP Natal-RN, 10 de setembro de 2013.

Resolução Nº 034/2012-ConEPE/UnP Natal-RN, 10 de setembro de 2013. Resolução Nº 034/2012-ConEPE/UnP Natal-RN, 10 de setembro de 2013. Aprova o Regulamento das atividades desenvolvidas pelas Ligas Acadêmicas de Medicina na Universidade Potiguar. A Presidente do Conselho

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD/DIRPS

Leia mais

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos UNIÃO DA VITÓRIA PR SUMÁRIO CAPÍTOLO I - Departamento de Informática e Laboratórios de Computação Dos Laboratórios de Computação e Seus Fins... 2 Da Estrutura

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral.

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CADASTRO DE BLOQUEIO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING OFERECIDO PELA GERÊNCIA DE DEFESA E PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR PROCON/MA, NOS TERMOS DA LEI 9.053/2009,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010. Institui o procedimento de Notificação de Investigação Preliminar NIP e altera a redação do art. 11 da Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

EDITAL N.º 196/2012 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO

EDITAL N.º 196/2012 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO EDITAL N.º 196/2012 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO A REITORA DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e considerando o que dispõe a alínea

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais

Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais Universidade CEUMA REITORIA Gerência de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Núcleo de Relações Internacionais EDITAL Nº 13/GPG/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE BOLSAS DE EDUCAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES

Leia mais

Resolução 02/07 CCE-UFPR ESTABELECE NORMAS PARA A CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CORREIO ELETRÔNICO (EMAILS) NO DOMÍNIO UFPR.BR

Resolução 02/07 CCE-UFPR ESTABELECE NORMAS PARA A CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CORREIO ELETRÔNICO (EMAILS) NO DOMÍNIO UFPR.BR Resolução 02/07 CCE-UFPR ESTABELECE NORMAS PARA A CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CORREIO ELETRÔNICO (EMAILS) NO DOMÍNIO UFPR.BR Considerando: 1. A Delegação do COPLAD-UFPR através da Resolução 20/06-COPLAD. 2.

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior My English Online Inscrição no Curso Manual de Utilização para usuários dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Sumário Manual do Candidato...2 1. Objetivo do Manual :...2 2. Siglas e

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015 ABERTURA A Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV DIREITO SP) torna pública a abertura das inscrições

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS O presente termo de Compromisso é firmado entre a Coordenação do Curso de Letras das FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS, a UNIDADE CONCEDENTE

Leia mais

EDITAL Nº 104/2015 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO

EDITAL Nº 104/2015 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO O VICE-REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no exercício da Reitoria, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, de acordo com os termos do Processo

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE CURTA DURAÇÃO 2º SEMESTRE/2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE CURTA DURAÇÃO 2º SEMESTRE/2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE CURTA DURAÇÃO 2º SEMESTRE/2015 ABERTURA A Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV DIREITO SP) torna pública a abertura das inscrições para os

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico RESOLUÇÃO CONSU Nº. 07/2012 DE 28/08/2012. Aprova o Regulamento Atividades complementares dos cursos de graduação da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - Facitec. O DIRETOR DA FACULDADE DE CIÊNCIAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA "Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus

Leia mais

Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS. Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE

Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS. Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE Coordenação-Geral de Suporte ao Desenvolvimento e Segurança de Sistemas - CGSDS Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPE Documentação de Serviços de Interoperabilidade Versão 1.2 Índice

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

REGULAMENTO E DISPOSIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA FIDELIDADE T- Maki RESTAURANTE JAPONÊS

REGULAMENTO E DISPOSIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA FIDELIDADE T- Maki RESTAURANTE JAPONÊS REGULAMENTO E DISPOSIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA FIDELIDADE T- Maki RESTAURANTE JAPONÊS DO PROGRAMA DE FIDELIDADE O Programa de Fidelidade T-Maki Restaurante Japonês objetiva identificar, reconhecer e valorizar

Leia mais

o Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Ensino,

o Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Ensino, Internet: wwwufpi.br Resolução N 190/11 CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA UFPI Estabelece Normas para a Participação de Docentes em Regime de Dedicação Exclusiva "DE", em atividades Esporádicas,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

NORMA PROCEDIMENTAL CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 20.01.005 1/10 1. FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a concessão de bolsas de extensão universitária destinadas a discentes da UFTM, oriundas de recursos financeiros da própria instituição.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE Fixa normas para execução do Programa Bolsa Extensão da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO da Universidade Federal do Paraná, órgão normativo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO AD REFERENDUM Nº 41/2014, DE 10 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação do regulamento

Leia mais

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA EDITAL N º 26 /PROPPI/2015 CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO PERÍODO DE EXECUÇÃO: JULHO A DEZEMBRO/2015

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o funcionamento do Museu do Judiciário Catarinense. O DIRETOR-GERAL JUDICIÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando

Leia mais

EDITAL N.º 45/2014 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO

EDITAL N.º 45/2014 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO EDITAL N.º 45/2014 CADASTRO DE RESERVA PARA REMOÇÃO A PEDIDO A REITORA DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e considerando o que dispõe a alínea

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CRIAÇÃO DE WEBSITE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CRIAÇÃO DE WEBSITE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CRIAÇÃO DE WEBSITE 1. DOS SERVIÇOS: 1.1 O presente contrato tem como objeto a formulação do conjunto de páginas eletrônicas e gráficas, aqui denominado simplesmente

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 Define políticas, normas e procedimentos que disciplinam a utilização de equipamentos, recursos e serviços de informática do Unilasalle. O Reitor

Leia mais

provedores de identidade

provedores de identidade Política de uso da Comunidade Acadêmica Federada (CAFe): provedores de identidade DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Julho de 2011 Sumário 1. Apresentação...3 2. Definições...3 3. Público alvo...4

Leia mais

TCE-Login. Manual Técnico

TCE-Login. Manual Técnico TCE-Login Manual Técnico Índice 1. Introdução... 3 2. Características... 3 3. Usuários Envolvidos... 3 4. Utilização do TCE-Login... 4 4.1. Gerar um Novo Usuário... 4 4.2. Efetuar Login... 5 4.3. Lembrar

Leia mais