MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 005, DE 27 DE MAIO DE 2002, DO DIRETOR DA FMTM. Institui no âmbito da FMTM, o serviço voluntário não remunerado. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições regimentais e considerando as disposições contidas nas leis nºs 9.394, de 20 de novembro de 1996, e 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, RESOLVE: Art. 1º Fica instituído, no âmbito da FMTM, o serviço voluntário não remunerado, prestado por pessoa física sem vínculo empregatício, destinado à aquisição e ao aprimoramento de conhecimentos profissionais, técnicos e científicos e de assistência social a fim de proporcionar aos pacientes do Hospital Escola um atendimento mais humano, permitindo ao mesmo tempo maior disponibilidade de equipe saúde para suas funções técnicas. Art. 2º O serviço voluntário não gera obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou quaisquer outras afins, entre o prestador de serviço voluntário e a FMTM. Art. 3º A prestação de serviço voluntário deverá ser requerida em formulário específico e o exercício dar-se à mediante celebração de termo de adesão entre a FMTM e o candidato, no qual deverão constar o objeto e as condições de seu exercício. Art.4º Integram esta Resolução os termos de Adesão constantes do Anexo I, que se refere à aquisição e ao aprimoramento de conhecimentos profissionais, técnicos e científicos, e do Anexo II, que se refere ao serviço voluntário de assistência social. Art. 5º Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução vigorará a partir de sua assinatura. Edson Luiz Fernandes Diretor da FMTM

2 ANEXO I TERMO DE ADESÃO Nº... AO SERVIÇO VOLUNTÁRIO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO - FMTM E O(A) SR. (A)......, NA FORMA ABAIXO: Aos... dias do mês de... do ano de dois mil e...a FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO - FMTM, Autarquia Federal, sediada nesta cidade de Uberaba - MG, na Rua Frei Paulino, nº 30, inscrita no CGC/MF sob o nº / , neste ato representada por seu Diretor, Prof. Edson Luiz Fernandes e o(a) Senhor(a)..., brasileiro(a), (estado civil), (profissão), portador(a) da Cédula de Identidade nº... SSP/..., CPF nº..., residente e domiciliado na... Uberaba - MG, resolvem celebrar o presente Termo de Adesão ao serviço voluntário não remunerado e sem vínculo empregatício, instituído pela Resolução nº 005, de 27 de maio de 2002, com respaldo na Lei nº 9.394, de 20 de novembro de 1996, e 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, mediante as cláusulas e condições a seguir estabelecidas: CLÁUSULA PRIMEIRA Constitui objeto deste Termo de Adesão a prestação de serviço voluntário destinado à aquisição e ao aprimoramento de conhecimentos profissionais, técnicos e científicos. CLÁUSULA SEGUNDA O serviço voluntário não gera obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou quaisquer outras afins entre o prestador de serviço voluntário e a Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. CLÁUSULA TERCEIRA O presente Termo vigerá pelo prazo de... meses, a contar da data de sua assinatura, podendo ser alterado ou prorrogado, havendo interesse dos partícipes. CLÁUSULA QUARTA O prestador de serviço voluntário obriga-se especialmente a: I exercer com zelo e dedicação as atividades a serem desenvolvidas; II observar as normas legais e regulamentares da Instituição; III zelar pela economia do material e a conservação do patrimônio público; IV guardar sigilo profissional sobre assuntos da Instituição; V elaborar relatórios de atividades semestral e final; VII observar prioritariamente o interesse do serviço público e a conveniência da administração; VII cumprir sua jornada dentro do horário de funcionamento da unidade organizacional de lotação; VIII cumprir o plano de trabalho preestabelecido; IX apresentar apólice de seguros de acidentes pessoais no ato da assinatura do Termo de Adesão O prestador de serviço voluntário será responsabilizado civil, penal e administrativamente pelos atos praticados em desacordo com a presente norma e regulamentos vigentes, bem como em relação ao Código de Ética da categoria profissional a que pertencer.

3 CLÁUSULA QUINTA Caberá ao chefe da unidade responsável pela prestação de serviço voluntário: I selecionar o prestador de serviço; II propiciar ao prestador de serviço condições e facilidades para o desenvolvimento das suas atribuições; III proporcionar ao prestador de serviço experiências práticas mediante efetiva participação na rotina profissional, planos, programas e projetos, resguardada a correlação entre as atividades desenvolvidas e a sua área de formação profissional; IV supervisionar o serviço; V avaliar o desempenho do prestador de serviço a cada semestre e no término do contrato; VI encaminhar ao Departamento de Recursos Humanos os relatórios de atividades elaborados pelo prestador de serviço e as respectivas avaliações; VII controlar, supervisionar e encaminhar mensalmente a freqüência do prestador de serviço ao Departamento de Recursos Humanos; CLÁUSULA SEXTA Para o pleno e fiel cumprimento das disposições legais e das normas estabelecidas, compete ao Departamento de Recursos Humanos: I receber os documentos de identificação do prestador de serviço; II providenciar a formalização do Termo de Adesão e a confecção do crachá; III - encaminhar o prestador de serviço para a unidade onde deverá ser voluntário; IV receber os relatórios periódicos e final das atividades dos prestadores de serviço; V proceder ao desligamento dos prestadores de serviço voluntário. Ao término da prestação de serviço voluntário, constatando-se que foram atendidas todas as exigências estabelecidas neste Termo, o Departamento de Recursos Humanos expedirá Certificado de Prestação de Serviço Voluntário, que conterá a descrição das atividades desenvolvidas, a carga horária e as assinaturas do responsável pela unidade que supervisionou o serviço e do dirigente do DRH. Não será expedido o Certificado quando o prestador de serviço descumprir qualquer das cláusulas do Termo de Adesão. CLÁUSULA SÉTIMA Ocorrerá o desligamento do prestador de serviço voluntário: I automaticamente, ao término do prazo previsto no Termo de Adesão; II a qualquer tempo, no interesse da Administração; III a pedido do prestador de serviço; IV por insuficiência do aproveitamento do prestador de serviço e/ou do uso inadequado das dependências da Instituição; V em decorrência do descumprimento, por parte do prestador de serviço, de quaisquer das obrigações assumidas por ocasião da assinatura do Termo de Adesão; VI pelo não comparecimento do prestador de serviço, sem motivo justificado, por 5 (cinco) dias, consecutivos ou não, no período de um mês. E, por estarem de acordo, assinam as partes o presente instrumento, em 03 (três) vias de igual teor e forma. Uberaba,... de... de... FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIR0 PRESTADOR(A) DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO

4 SENHOR DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO O(A) abaixo-assinado (a)..., munido dos documentos relacionados a seguir, requer a Vossa Senhoria autorização para prestar serviço voluntário, nos termos das Leis n.º 9.394, de 20 de novembro de 1996, e 9.608, de 18 de fevereiro de 1998,... (função área serviço) nos seguintes dias e horários Nestes termos, Pede deferimento. Uberaba,... de... de Documentos necessários a solicitação do serviço voluntário: I comprovante de escolaridade e registro no Conselho, se profissão regulamentada; II fotocópia da Carteira de Identidade; III fotocópia do CPF IV certidões negativas de antecedentes criminais expedidas pelos Cartórios Criminais; V comprovante de residência; VI regularidade militar; VII visto de permanência e diploma devidamente revalidado, se estrangeiro. IX - apólice do seguro de acidentes pessoais a ser apresentada no ato da assinatura do Termo de Adesão.

5 Da DADP/DRH Para: Unidade organizacional Considerando o requerimento do(a) Sr.(a) para realizar serviço voluntário nessa unidade organizacional, solicitamos a manifestação quanto a disponibilidade para atender o pedido do requerente. Organizacional. Em de de Assinatura da diretora da DADP Do(a): Para: Diret. Administr./Diret. Clínica/Conselho Departamento O(a) requerente as necessidades desta unidade organizacional. (atende / não atende) Justificativa Em de de Carimbo e assinatura do responsável Do(a): Para: as considerações do Sr. Diretor da FMTM Dir. Adm./Dir. Clín./Cons. Depto. Diante da análise realizada pelo (a) Unidade organizacional o presente requerimento. (deferimos/indeferimos) Em de de Clín/Chefe Depto. Carimbo e assinatura Dir. Adm/Dir. Despacho: Face aos pareceres das unidades pertinentes a (deferimos/indeferimos) prestação de serviço voluntário, pelo requerente e encaminhamos a solicitação ao DRH para conferência da documentação e formalização do Termo de Adesão ao Serviço Voluntário. Em de de Assinatura do Diretor da FMTM

6 ANEXO II TERMO DE ADESÃO Nº... AO SERVIÇO VOLUNTÁRIO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO - FMTM E O(A) SR. (A)..., NA FORMA ABAIXO: Aos... dias do mês de... do ano de dois mil e..., a FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO - FMTM, Autarquia Federal, sediada nesta cidade de Uberaba - MG, na Rua Frei Paulino, nº 30, inscrita no CGC/MF sob o nº / , neste ato representada por seu Diretor, Prof. Edson Luiz Fernandes e o(a) Senhor(a)..., brasileiro(a), (estado civil), (profissão), portador da Cédula de Identidade nº...ssp/..., CPF nº..., residente e domiciliado na... Uberaba - MG, resolvem celebrar o presente Termo de Adesão ao serviço voluntário não remunerado e sem vínculo empregatício, instituído pela Resolução nº 005, de 27 de maio de 2002, com respaldo na Lei nº 9.394, de 20 de novembro de 1996, e 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, mediante as cláusulas e condições a seguir estabelecidas: CLÁUSULA PRIMEIRA Constitui objeto deste Termo de Adesão a prestação de serviço voluntário destinado à assistência social a fim de proporcionar aos pacientes do Hospital Escola um atendimento mais humano, permitindo ao mesmo tempo maior disponibilidade da equipe de saúde. CLÁUSULA SEGUNDA O serviço voluntário não gera obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou quaisquer outras afins entre o prestador de serviço voluntário e a Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. CLÁUSULA TERCEIRA O presente Termo vigerá pelo prazo de... meses, a contar da data de sua assinatura, podendo ser alterado ou prorrogado, havendo interesse dos partícipes. CLÁUSULA QUARTA O prestador de serviço voluntário obriga-se especialmente a: I exercer com zelo e dedicação as atividades a serem desenvolvidas; II observar as normas legais e regulamentares da Instituição; III zelar pela economia do material e a conservação do patrimônio público; IV guardar sigilo profissional sobre assuntos da Instituição; V observar prioritariamente o interesse do serviço público e a conveniência da administração; VI cumprir sua jornada dentro do horário de funcionamento da unidade organizacional de lotação; VII cumprir o plano de trabalho preestabelecido; VIII apresentar apólice de seguros de acidentes pessoais no ato da assinatura do Termo de Adesão

7 O prestador de serviço voluntário será responsabilizado civil, penal e administrativamente pelos atos praticados em desacordo com a presente norma e regulamentos vigentes, bem como em relação ao Código de Ética da categoria profissional a que pertencer. CLÁUSULA QUINTA Caberá ao chefe da unidade responsável pela prestação de serviço voluntário: I selecionar o prestador de serviço; II propiciar ao prestador de serviço condições e facilidades para o desenvolvimento das suas atribuições; III proporcionar ao prestador de serviço experiências práticas mediante efetiva participação na rotina profissional, planos, programas e projetos, resguardada a correlação entre as atividades desenvolvidas e a sua área de formação profissional; IV supervisionar o serviço; V avaliar o desempenho do prestador de serviço a cada semestre e no término do contrato; CLÁUSULA SEXTA Para o pleno e fiel cumprimento das disposições legais e das normas estabelecidas, compete ao Departamento de Recursos Humanos: I receber os documentos de identificação do prestador de serviço; II providenciar a formalização do Termo de Adesão e a confecção do crachá; III - encaminhar o prestador de serviço para a unidade onde deverá ser voluntário; IV proceder ao desligamento dos prestadores de serviço voluntário. Ao término da prestação de serviço voluntário, constatando-se que foram atendidas todas as exigências estabelecidas neste Termo, o Departamento de Recursos Humanos expedirá Certificado de Prestação de Serviço Voluntário, que conterá a descrição das atividades desenvolvidas, a carga horária e as assinaturas do responsável pela unidade que supervisionou o serviço e do dirigente do DRH. Não será expedido o Certificado quando o prestador de serviço descumprir qualquer das cláusulas do Termo de Adesão. CLÁUSULA SÉTIMA Ocorrerá o desligamento do prestador de serviço voluntário: I automaticamente, ao término do prazo previsto no Termo de Adesão; II a qualquer tempo, no interesse da Administração; III a pedido do prestador de serviço; IV por insuficiência do aproveitamento do prestador de serviço e/ou do uso inadequado das dependências da Instituição; V em decorrência do descumprimento, por parte do prestador de serviço, de quaisquer das obrigações assumidas por ocasião da assinatura do Termo de Adesão; E, por estarem de acordo, assinam as partes o presente instrumento, em 03 (três) vias de igual teor e forma. Uberaba,... de... de... FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIR0 PRESTADOR(A) DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO

8 SENHOR DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO O abaixo-assinado..., munido dos documentos relacionados a seguir, requer a Vossa Senhoria autorização para prestar serviço voluntário, nos termos das Leis n.º 9.394, de 20 de novembro de 1996, e 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, (função área serviço) nos seguintes dias e horários Nestes termos, Pede deferimento. Uberaba,... de... de Documentos necessários a solicitação do serviço voluntário: I comprovante de escolaridade e registro no Conselho, se profissão regulamentada; II fotocópia da Carteira de Identidade; III fotocópia do CPF IV certidões negativas de antecedentes criminais expedidas pelos Cartórios Criminais; V comprovante de residência; VI regularidade militar; VII visto de permanência e diploma devidamente revalidado, se estrangeiro. IX - apólice do seguro de acidentes pessoais a ser apresentada no ato da assinatura do Termo de Adesão.

9 Da DADP/DRH organizacional Para: Unidade Considerando o requerimento do(a) Sr.(a) para realizar serviço voluntário nessa unidade organizacional, solicitamos a manifestação quanto a disponibilidade para atender o pedido do requerente. Organizacional. Em de de Assinatura da diretora da DADP Do(a): Para: Diret. Administr./Diret. Clínica/Conselho Departamento O(a) requerente as necessidades desta unidade organizacional. (atende / não atende) Justificativa Em de de Carimbo e assinatura do responsável Do(a): Para: as considerações do Sr. Diretor da FMTM Dir. Adm./Dir. Clín./Cons. Depto. Diante da análise realizada pelo (a) Unidade organizacional o presente requerimento. (deferimos/indeferimos) Em de de Clín/Chefe Depto. Carimbo e assinatura Dir. Adm/Dir. Despacho: Face aos pareceres das unidades pertinentes a (deferimos/indeferimos) prestação de serviço voluntário, pelo requerente e encaminhamos a solicitação ao DRH para conferência da documentação e formalização do Termo de Adesão ao Serviço Voluntário. Em de de Assinatura do Diretor da FMTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM 50.05.002 1/12 1 FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a prestação de serviços voluntários na UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB

RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB RESOLUÇÃO N.º 030-2013/CS - IFB Institui normas para o Programa de Prestação de Serviço Voluntário no âmbito do Instituto Federal De Brasília. O Presidente do Conselho Superior do INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI)

RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI) RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI) Cria o Programa Institucional de Serviços Voluntários da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO Termo de Compromisso que entre si celebram e o(a) (Pessoa Jurídica)... e o(a) estudante... com a interveniência da Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 679, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 679, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 679, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Prestação de Trabalho Voluntário. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 674, DE 19 DE MAIO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 674, DE 19 DE MAIO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 674, DE 19 DE MAIO DE 2009 REVOGADA pela Resolução n. 679, de 17 de novembro de 2009 Institui o Programa de Prestação

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PORTARIA N 1370/2004 PGJ.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PORTARIA N 1370/2004 PGJ. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PORTARIA N 1370/2004 PGJ. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 837/2008 (republicada no DOAL nº 9267, de 03 de junho de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESOLUÇÃO N. 024/08

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESOLUÇÃO N. 024/08 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA RESOLUÇÃO N. 024/08 Sistematiza o processo de participação de Docentes de outras IES e Bolsistas Recém-Doutores e Recém-Mestres em atividades

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº TRF2-PTP-2013/00423 de 6 de junho de 2013

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº TRF2-PTP-2013/00423 de 6 de junho de 2013 JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO PORTARIA Nº TRF2-PTP-2013/00423 de 6 de junho de 2013 Dispõe sobre a prestação de serviço voluntário nas atividades de conciliação no âmbito da Justiça

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO

SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO Sr(a) Chefe de Departamento, Curitiba, de de. Eu,, aluno(a) regularmente matriculado(a) no Curso de matrícula nº, solicito estágio não remunerado no Departamento de, Laboratório

Leia mais

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011.

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Estabelece critérios e normas para credenciamento de professores para prestação de serviço voluntário nos cursos da UNIR. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

ANEXO III DA PORTARIA Nº 0946, DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 TERMO DE COMPROMISSO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

ANEXO III DA PORTARIA Nº 0946, DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 TERMO DE COMPROMISSO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO ANEXO III DA PORTARIA Nº 0946, DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 TERMO DE COMPROMISSO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO Pelo presente instrumento, de um lado, (NOME DA CONCEDENTE), inscrita no (TIPO E NÚMERO DO DOCUMENTO),

Leia mais

I - DO PÚBLICO DO DNS E DA CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA

I - DO PÚBLICO DO DNS E DA CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA REGIMENTO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA APRIMORAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR DO DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE PTAP-NS/DNS (ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE)

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, A INSTITUIÇÃO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA S/S LTDA - CENECT - E O ESTAGIÁRIO O MUNICÍPIO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA REITORIA NUSAU NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA EDITAL n.º 003/2011/DESC

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA REITORIA NUSAU NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA EDITAL n.º 003/2011/DESC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA REITORIA NUSAU NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA EDITAL n.º 003/2011/DESC A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UNIR), por meio do DEPARTAMENTO

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 027/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E A FACULDADE MONTES BELOS FMB, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA, VISANDO A CONCESSÃO

Leia mais

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 Institui e regulamenta o programa de serviço voluntário no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 016/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 0654. Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ.

RESOLUÇÃO Nº 0654. Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RESOLUÇÃO Nº 0654 Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais conferidas

Leia mais

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Institui e regulamenta o Programa de Serviço Voluntário no âmbito do Ministério Público do Estado do Piauí. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2011 CRIA O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO. O DEFENSOR PÚBLICO-GERAL DO ESTADO DE MATO

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO A Direção da SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde torna públicas as normas a seguir, que regem o Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições:

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições: CONVÊNIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO PROFISSIONAL, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, COM A LEI Nº 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

PORTARIA-CONJUNTA Nº 280/2013

PORTARIA-CONJUNTA Nº 280/2013 Publicação: 08/04/13 DJE: 05/04/13 PORTARIA-CONJUNTA Nº 280/2013 Dispõe sobre serviço voluntário no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Minas Gerais, para atendimento de demandas afetas à Copa das

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E A ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA mantenedora da UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP Pólo de Passo Fundo 038/2012 PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO,

Leia mais

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO DO NAE - NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO AO EGRESSO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O presente Regulamento dispõe sobre a estrutura e modo

Leia mais

Manual de Estágio Não Obrigatório

Manual de Estágio Não Obrigatório Manual de Estágio Não Obrigatório Faculdade Antonio Meneghetti Recanto Maestro, 2010 1 Introdução A lei nº 11.788/2008 define estágio como o ato educativo escolar, supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 - Alterado os 4º, 6º, 7º e 8º pelo Ato-PGJ n. 30-2015, art. 1º. - Alterado o artigo 7º e o anexo III pelo Ato-PGJ n. 34-2015, arts. 1º e 2º. ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 Institui e regulamenta

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DO ESTUDANTE* Nº /

TERMO DE COMPROMISSO DO ESTUDANTE* Nº / MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CML 1ª RM HOSPITAL CENTRAL DO EXERCITO (Hospital Real Militar e Ultramar - 1769) TERMO DE COMPROMISSO DO ESTUDANTE* Nº / CONCEDENTE RAZÃO SOCIAL: Hospital Central

Leia mais

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000 TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR FADEC/EMPRESA TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR QUE ENTRE SI CELEBRAM, DE UM LADO A FACULDADE DECISÃO E DE OUTRO LADO, A EMPRESA, VISANDO À REALIZAÇÃO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Convênio n 07/2014/MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E O CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DE BRASÍLIA UNICEUB, POR INTERMÉDIO DA, VISANDO A CONCESSÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CONCEDENTE: SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE, organização filantrópica inscrita no CNPJ sob o nº 17.209.891/0001-93, situada na Avenida Francisco

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA O Município de IPÊ RS, através do presente Edital, comunica a

Leia mais

PORTARIA-R N.O 541/2011, de 22 de julho de 2011

PORTARIA-R N.O 541/2011, de 22 de julho de 2011 'N~TlIUIQ r[otmal Dl tduca(ao.cltne," e 1t;C:;NOLOG," PAIS RICO E PAIS SEM POanEZA PORTARIA-R N.O 541/2011, de 22 de julho de 2011 o Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA Capítulo I - Do Conceito Art. 1º - O Estágio não obrigatório do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) é aquele

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 4 DE 29 DE JUNHO DE 2015, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM Estabelece normas para realização de Estágio Pós- Doutoral

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR EM EXERCÍCIO, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR EM EXERCÍCIO, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: Page 1 of 5 RESOLUÇÃO N o 670/99-CAD CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia / /. Regulamenta o Serviço Voluntário na UEM e revoga a Resolução

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP REGULAMENTO DE APRENDIZAGEM EM ATIVIDADES VETERINÁRIAS DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP REGULAMENTO DE APRENDIZAGEM EM ATIVIDADES VETERINÁRIAS DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP Decreto Estadual nº 3909, publicado no Diário Oficial do Estado do Paraná em 01/12/08 Campus Luiz M eneghel Bandeirantes CNPJ 08.885.100/0004-05 REGULAMENTO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 16/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 16/2014/CM PROVIMENTO N. 16/2014/CM Cria o Serviço Voluntário do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sob a denominação Programa Judiciário Voluntário. O Conselho da Magistratura do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Procuradoria-Geral de Justiça Gabinete do Procurador-Geral de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Procuradoria-Geral de Justiça Gabinete do Procurador-Geral de Justiça MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Procuradoria-Geral de Justiça Gabinete do Procurador-Geral de Justiça RESOLUÇÃO Nº 022 de 20 de maio de 2014 Institui e regulamenta o serviço voluntário no

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

EDITAL. EDITAL DIR N o 04/2015

EDITAL. EDITAL DIR N o 04/2015 EDITAL DIR N o 04/2015 PROCESSO SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DOCENTES PARA ATUAÇÃO JUNTO AOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS, GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS, GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DIREITO,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD EDITAL Nº 01/14/CEAD/PRE/UFCG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD EDITAL Nº 01/14/CEAD/PRE/UFCG UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD EDITAL Nº 01/14/CEAD/PRE/UFCG SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA TUTOR A DISTÂNCIA DO PROJETO ALUNO INTEGRADO

Leia mais

EDITAL. EDITAL DIR N o 15/2013

EDITAL. EDITAL DIR N o 15/2013 EDITAL DIR N o 15/2013 INSCRIÇÃO DE VOLUNTÁRIOS PARA ATUAÇÃO NA TABULAÇÃO DE DADOS DA PESQUISA DE OPINIÃO DESEMPREGO EM SANTA ROSA. O Diretor Geral das Faculdades Integradas Machado de Assis, mantidas

Leia mais

PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015

PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015 PORTARIA Nº 27, DE 14 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a adesão de instituições de ensino e programas de residência ao Projeto Mais Médicos para o Brasil enquanto das instituições supervisoras. O SECRETÁRIO

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014.

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 105, parágrafo único, III, da Lei Orgânica do Distrito Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e a COPACOL. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA - 2014 Hospital Unimed Unidade Contorno

PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA - 2014 Hospital Unimed Unidade Contorno PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA - 2014 Hospital Unimed Unidade Contorno DESCRIÇÃO DO PROGRAMA OFERTADO O Hospital Unimed Unidade Contorno, pertencente à rede de Serviços Próprios da Unimed-BH, abre inscrições

Leia mais

EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015

EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015 EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público,

Leia mais

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009.

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. ALTERA O MODELO DE CERTIDÃO DE TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - CTC, DISCIPLINA PROCEDIMENTOS QUANTO À SUA EXPEDIÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Rio de Janeiro,... de... de... Do: Professor de Estágio Supervisionado da UNISUAM Ao(à): Sr(a) Diretor(a) do(a)... Assunto: Apresentação de Estagiário Senhor(a) Diretor(a): Apresentamos

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº. 01/2011 de 25 de março de 2011

DELIBERAÇÃO Nº. 01/2011 de 25 de março de 2011 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DELIBERAÇÃO Nº. 01/2011 de 25 de março de 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL EDITAL DE SELEÇÃO PARA BENEFÍCIÁRIOS DE BOLSA DE ESTUDO DO COLÉGIO AGRÍCOLA CEDUP VIDAL RAMOS 2014. N.º 002/2014 O Prefeito

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba REQUERIMENTO DE MATRÍCULA EM ESTÁGIO Aluno (a): regularmente matriculado(a) no período do Curso de Ciências Contábeis do CESVALE, requer matrícula na Disciplina de Estágio Curricular Supervisionado. Área

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA FELLOWSHIP DO HOSPITAL PACINI DF TÍTULO I - DO FELLOWSHIP CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO.

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA FELLOWSHIP DO HOSPITAL PACINI DF TÍTULO I - DO FELLOWSHIP CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA FELLOWSHIP DO HOSPITAL PACINI DF TÍTULO I - DO FELLOWSHIP CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. Art. 1º. O programa FELLOWSHIP constitue modalidade de ensino

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

II celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino;

II celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino; REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICO E TECNOLÓGICO NO ÂMBITO DA EAD / IFPR ADAPTADO EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.788/08 E RESOLUÇÃO DO CONSUP 02/03/ 2013. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E

Leia mais

EDITAL 04/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR VOLUNTÁRIO ÁREA DE CONHECIMENTO: FUNDAMENTOS E FARMACOTÉCNICA HOMEOPÁTICA

EDITAL 04/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR VOLUNTÁRIO ÁREA DE CONHECIMENTO: FUNDAMENTOS E FARMACOTÉCNICA HOMEOPÁTICA EDITAL 04/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR VOLUNTÁRIO ÁREA DE CONHECIMENTO: FUNDAMENTOS E FARMACOTÉCNICA HOMEOPÁTICA O Departamento de Farmácia da Universidade Federal dos Vales

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ Conselho Superior

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ Conselho Superior Deliberação CSDP nº 18/2015, de 20 de novembro de 2015. Alterada, em partes, pela Deliberação CSDP nº 05/2016, de 26 de fevereiro de 2016 Aprova a regulamentação do serviço voluntário no âmbito da Defensoria

Leia mais

N o DE VAGAS PREVISTO* I Salvador Inglês 15 Francês 01 Espanhol 05 Italiano 02 V Santo Antônio de Jesus Inglês 06 Espanhol 01

N o DE VAGAS PREVISTO* I Salvador Inglês 15 Francês 01 Espanhol 05 Italiano 02 V Santo Antônio de Jesus Inglês 06 Espanhol 01 EDITAL UNEB Nº 051/2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público, a abertura das inscrições para Seleção Pública Simplificada para

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

Nome do curso: Pedagogia

Nome do curso: Pedagogia Nome do curso: Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo 1º - O ESTÁGIO SUPERVISIONADO, previsto na Lei nº 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 20 de dezembro de 1996, visa a complementar

Leia mais

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba TERMO DE CONVÊNIO

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba TERMO DE CONVÊNIO TERMO DE CONVÊNIO TERMO DE CONVÊNIO que celebram entre si, de um lado a Empresa doravante denominada UNIDADE CONCENDENTE e do outro lado, o CENTRO DE ENSINO SUPERIOR VALE DO PARNAIBA CESVALE, visando a

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO CONVÊNIO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO E O CENTRO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO - UPF 081/2006 - SEPLAN O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de direito público,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO Normas e Procedimentos 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A UNIVESP instituiu, por deliberação de seu Conselho de Curadores, o PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP, com as características

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO MODELO PARA FOTOCÓPIA MANUAL DE ESTÁGIO 2005 AO ESTAGIÁRIO: Multiplique a carta abaixo e entregue ao responsável pela Escola CARTA DE APRESENTAÇÃO O Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG tem como

Leia mais

Regulamento para as Atividades Acadêmicas Científico- Culturais para os Cursos de Licenciatura e Bacharelado* CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Regulamento para as Atividades Acadêmicas Científico- Culturais para os Cursos de Licenciatura e Bacharelado* CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Regulamento para as Atividades Acadêmicas Científico- Culturais para os Cursos de Licenciatura e Bacharelado* CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. º - As Atividades Acadêmicas Científico-Culturais

Leia mais