Apresentação ao Grupo de Trabalho criado no âmbito do Despacho n.º 9224/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação ao Grupo de Trabalho criado no âmbito do Despacho n.º 9224/2011"

Transcrição

1 Apresentação ao Grupo de Trabalho criado no âmbito do Despacho n.º 9224/2011 A promoção e captação de investimento estrangeiro, a internacionalização da economia portuguesa e a cooperação para o desenvolvimento. Pedro Sampaio Nunes Lisboa, 5 de Agosto de 2011

2 Sumário 1. O rápido aumento das matérias-primas agrícolas e energéticas representam uma nova e importante ameaça à já muito debilitada economia nacional, podendo pôr em risco a sua recuperação. No entanto essa situação, devidamente gerida, pode transformar-se numa oportunidade para que Portugal, em conjunto com os outros membros da CPLP, lidere a substituição progressiva do petróleo pelos biocombustíveis, única alternativa actualmente viável a essa substituição, tornando-se no hub de entrada no mercado europeu. 2. Na actual decisão de rever, com o sentido de tornar mais eficiente, a coordenação entre os organismos existentes de apoio à internacionalização da economia nacional, uma área da tutela conjunta entre a Economia e os Negócios Estrangeiros, é pertinente fazer uma avaliação das oportunidades existentes concretas para a economia nacional, das debilidades e ameaças que a afectam no futuro próximo e das possibilidades, também concretas, de poder resolvê-las no curto e médio prazo. 3. Nesse sentido a presente apresentação procura fundamentar as afirmações anteriores, e tenta apontar os apoios existentes nacionais e internacionais - para as viabilizar. Dessa análise, deveria resultar uma estruturação dos serviços que de forma expedita e eficaz, que possa permitir aos agentes económicos canalizar capacidade para materializar esse potencial. 2

3 Sumário (2) As ameaças sobre a economia e a oportunidade de lhes fazer frente 4. A evolução estrutural das cotações das matérias-primas energéticas e alimentares, representam hoje uma das principais ameaças à retoma económica do país. 5. A soma dessas duas categorias de bens representa cerca de um terço do valor das importações, e em conjunto representam o valor do saldo da balança comercial, sendo que o valor da factura energética aumentou 40 % em relação ao período homólogo do ano anterior, e esse valor arrisca-se a aumentar no futuro. 6. A única alternativa comercialmente viável existente hoje em dia á crescente dependência do petróleo, são os biocombustíveis - seja o bioetanol à base de cana sacarina para a substituição da gasolina, seja o biodiesel para substituição do gasóleo à base de oleaginosas - que têm a vantagem acrescida de em simultâneo produzirem proteínas para o circuito alimentar. 7. A produção nacional de matérias-primas para o biodiesel substitui directamente importações de diesel, vai estimular a agricultura nacional, utilizar as infrastruturas subutilizadas de regadio e de silagem e produzir em paralelo produtos alimentares. 8. A produção nos PALOP em parcerias entre empresas nacionais e empresas desses Países, pode cobrir totalmente as necessidades da economia nacional, substituindo as importações actuais ou fazendo o hedging da factura energética e alimentar, e aumentando assim a exportação dos produtos transformados pela capacidade instalada de refinação, já hoje o principal produto de exportação. 3

4 Sumário (3) A cooperação com os PALOP como solução para a segurança energética e alimentar 7. Mas isso apenas substitui cerca de 10 % das necessidades nacionais. A melhor alternativa para a sua produção é nas amplas disponibilidades de terrenos na África Subsaariana e no Brasil., servindo Portugal como certificador das condições de sustentabilidade da produção desses biocombustíveis e de processador da ultima transformação. Para esse objectivo todas as agências de cooperação multilateral dispõem de fundos e recursos para apoio ao investimento, havendo que os listar, identificar ie ter uma estratégia para captar esses apoios, inclusive pela existência de uma rede informal de funcionários dos PALOP. Um novo instrumento da diplomacia económica, sem consumo de recursos 9. A necessidade de melhorar a eficácia e a eficiência dos parcos recursos actualmente existentes para a diplomacia económica obrigam a repensar a melhor coordenação entre os organismos existentes e a ser criativo sobre novos instrumentos. A diáspora de portugueses com sucesso pelo Mundo, possibilita encarar com uma nova perspectiva uma rede de consulados honorários, sem custos para o erário público, que complemente e alimente a acção das nossas embaixadas na representação dos interesses económicos e comerciais do País. 4

5 1. A balança comercial do País 5

6 Exportações e exportações de Portugal 6

7 2. O regime fiscal 7

8 Estrutura fiscal das diferentes formas de energia Fonte DGEG Gasóleo rodoviário Electricidade Gás natural - Indústria Situação 100 % de imposição fiscal 4,8 % de imposição fiscal 0 % de imposição fiscal actual Directiva Possibilidade redução Taxa IVA normal Taxa IVA normal Taxação Biocombustíveis 1-0,5 /MWh 0,3 0,15 /GJ Conclusão: A fiscalidade, principal instrumento da politica energética, está hoje em infracção ao direito comunitário, dando os sinais errados aos consumidores. Produz uma perda fiscal de mais de 1,3 mil milhões de euros, e subsidia por essa via as matérias-primas fósseis importadas, como o gás natural e o carvão. 8

9 Incorporação de biocombustíveis O Governo Português decidiu, na estratégia definida na RCM 21/2008, antecipar o objectivo comunitário de incorporação de 10 % de biocombustíveis em 2020 para Para assegurar esse objectivo foi decidido utilizar um mecanismo de certificados de incorporação de biocombustíveis, que defende a industria nacional, e transmite imediatamente para o consumidor o eventual aumento decorrente de um custo ainda mais elevado da produção de biocombustíveis em relação ao custo do combustível mineral. A elevada fiscalidade associada aos combustíveis líquidos permite diluir esse diferencial de custo para um impacto insignificante ao nível do custo final do combustível, e manter a eleveda receita fiscal dela decorrente. Por outro lado enquanto os biocombustíveis substituem directamente as importações de crude e derivados de crude, a alternativa de um maior apoio à geração renovável eléctrica, substitui a importação de carvão e de gás natural, sem impacto directo nas importações de petróleo, com a agravante de carecer, face ao elevado nível de geração renovável intermitente já existente, de elevados investimentos em armazenamento dessa energia, que irão fazer aumentar ainda mais o sobrecusto existente. 9

10 Natureza do ISP O ISP é um imposto específico, que à semelhança dos análogos que incidem sobre o tabaco ou o álcool para consumo humano, se destina a desincentivar o consumo do produto sobre o qual incide e a estimular alternativas. O ISP é o principal instrumento utilizado para internalizar as externalidades ligadas à segurança de abastecimento e à mudança climática, sobretudo depois de se ter decidido passar a cobrar generalizadamente os custos das SCUT s. Com um regime adequado de ISP poder-se-á: Maximizar a agregação de valor nacional, Dar um incentivo para se atingir os 10 % de incorporação, pela utilização de B100 em frotas cativas, Simplificar enormemente o mecanismo de incorporação. Dar uma vantagem competitiva ao sector de transportes nacional, promovendo um transporte muito mais limpo. O ISP aplicado aos combustíveis é de 0,36441 por litro para o gasóleo rodoviário. 10

11 3. O custo de evitar uma tonelada de CO2. Quanto custa ao consumidor e ao erário público e qual o valor de importações evitadas. 11

12 Emissões evitadas pelo biodiesel A emissão específica do biodiesel (FAME) é de 74 g/km A emissão específica do gasóleo mineral é de 210 g/km, (ver gráficos a seguir) o que significa que para um consumo médio de 7 litros/100 Km: 1 litro de FAME produz em ciclo de vida cerca de 1 Kg de CO2 e 1 litro de gasóleo mineral produz cerca de 3 Kg de CO2, Conclusões: 1. 1 litro de biodiesel evita 2 Kg de CO2 eq., o que é consistente com os valores do Anexo V da Directiva 28/2009 para o girassol e a colza 2. Para se evitar 1 tonelada de CO2 eq. são necessários 500 litros ou 0,86x500=0,43 toneladas de biodiesel. 12

13 O biodiesel é o combustível com menor CO2, metade do obtido pelo carro eléctrico em ciclo completo de vida - IST 13

14 Emissões de GEE por km e por tecnologia em ciclo de vida Confirmação pelo modelo GREET Emissões de GEE / Km para um veículo médio Gasolina CNG LPG Diesel E85 BD20 Diesel Híbrido Eléctrico BD100 Fonte: Laboratório Nacional de Argonne USA GREET model Gramas/CO2 equivalentes / km 14

15 Custos de produção do biodiesel e do gasóleo O valor de venda máximo de FAME estabelecido por Portaria de acordo com o DL 49/2009 é de 0,86 por litro. O valor de venda do gasóleo sem taxas é de 0,60 por litro, de acordo com o Oil Bulletin da Comissão Europeia de Valor de venda teórico de um litro em euros, sem perequação: Valor de produção ISP IVA Total Biodiesel : 0,86 0,36 0,20 1,42 Gasóleo: 0,60 0,36 0,20 1,17 15

16 Sobrecusto actual do FAME sobre o gasóleo O diferencial do preço final entre os dois preços é 1,42/1,17= 1,21, pelo que o sobrecusto do FAME sobre o gasóleo é de 21 %. O valor de venda do biodiesel é semelhante ao da gasolina e com muito menos emissões dos vários poluentes. A fórmula de incorporação obrigatória do biodiesel no gasóleo conduz a que esse diferencial seja distribuido em perequação por toda a venda de combustíveis, pelo que para uma percentagem de incorporação de 10 % o aumento da margem dos 21 % será de 2,1 % do preço final de venda dos combustíveis, e para os actuais 5 % é de 1, 05 %. Por cada tonelada de CO2 evitado, são necessárias 0,43 toneladas de FAME litros com um custo real de de 430 euros, que são comercializados a 600 euros, originando 300 euros de receita fiscal. O custo da tonelada de CO2 evitada pelo FAME é de 130 euros [500x (86-60)], mas substitui directamente a importação de 260 euros de gasóleo importado. A incorporação de 10 % representa um agravamento de 2,1 % do preço final de venda ao publico e representa uma poupança de 1,5 milhões de toneladas de CO2. 16

17 Emissões evitadas pela energia eólica A emissão específica de CO2 da energia eólica em ciclo de vida completo é de 20 g/kwh (ver gráficos seguintes) A emissão específica de CO2 do parque eléctrico português foi de 354,36 g /kwh no ano de o que significa que um kwh eólico evita 354,36-20=334 g de CO2 nas condições actuais do parque gerador. Conclusões: 1. 1 kwh de energia eólica evita 334 g de CO2 eq. 2. Para se evitar 1 tonelada de CO2 eq. são necessários 3 MWh de energia eólica. 17

18 Emissões de GEE em diversas formas de geração eléctrica Fonte IPCC 18

19 EEmissões de GEE em diversas formas de geração eléctrica Fonte Siemens 19

20 Custos de geração da energia eólica O valor aquisição do MWh eólico de acordo com a ERSE é actualmente de 91,07 para um valor de referência de geração de 50 (sendo que o valor efectivo do mercado ibérico é de 32,6 desde o princípio do ano) rifas%202010_dezembro_final.pdf Valor de venda teórico de um MWh em euros sem perequação: Produção e comercialização UGS Redes IVA* Total Eólica: 93,3 29,4 38,5 10,1 171,3 Térmica: 59 29,4 38,5 7,6 134,8 20

21 Sobrecusto actual da energia eólica O sobrecusto da energia eólica sobre a média do mercado, tal como previsto pela ERSE na sua proposta de tarifas para 2010 era de 80 % (91,07/50). De facto a média do preço da pool desde o principio do ano foi de 32,6 /MWh, pelo que o sobrecusto poderá ser 91,07/32,6= 279 % a manter-se esse valor de mercado. No entanto os parques mais recentes serão pagos a cerca de 70 /MWh, pelo que para esses o valor será inferior. O diferencial pela estimativa da ERSE é de 41,07. De acordo com a ERSE o custo total da PRE seria de M com um sobrecusto de 605 M, para um custo de geração de referência de 50 /MWh. Como o valor de mercado está em 34,6 /MWh, esse sobrecusto deverá ser bastante superior. Por cada tonelada de CO2 evitado são necessários 3 MWh de energia eólica, comercializadas a 134,8 x3=404,4 euros, mas com um custo real de 171,3 x3=513,9 originando uma receita fiscal de 22,8 euros, num sector com um défice de M. O custo da tonelada de CO2 evitada pela energia eólica é de 123 euros (3x 41), que substitui a importação de 6 de carvão e de 7 de gás natural. Para se ir alem da percentagem actual de potência eólica são necessáros pesados investimentos de armazenagem hidráulica e em capacidade térmica de reserva, que aumentarão significativamente o custo desta forma de energia. 21

22 Emissões evitadas pela energia fotovoltaica A emissão específica de CO2 da energia eólica em ciclo de vida completo é de cerca de 100 g/kwh (valor intermédio entre os gráficos do IPCC e da Siemens) A emissão específica de CO2 do parque eléctrico português foi de 354,36 g /kwh no ano de o que significa que um kwh fotovoltaico evita 354,36-100=254 g de CO2 nas condições actuais do parque gerador. Conclusões: 1. 1 kwh de energia fotovoltaica evita 254 g de CO2 eq. 2. Para se evitar 1 tonelada de CO2 eq. são necessários 4 MWh de energia fotovoltaica. 22

23 Custos de geração da energia fotovoltaica O valor aquisição do MWh fotovoltaico de acordo com a ERSE é actualmente de 344,77 para um valor de referência de geração de 50 (sendo que o valor efectivo é de 32,6 desde o princípio do ano) rifas%202010_dezembro_final.pdf Valor de venda teórico de um MWh em euros: Produção e comercialização UGS Redes IVA* Total Fotovoltaica : 344,8 29,4 38,5 24,8 437,5 Térmica: 59 29,4 38,5 7,6 134,8 23

24 Evolução do sobrecusto PRE (valores ocorridos) Fonte ERSE - valor estimado para

25 Valor dos produtos de petróleo importados em 2009 (M ) A importação de gasóleo foi de 1,3 Mton e de 486,4 M Fonte: DGEG 25

26 4. Manter os objectivos e liderar o cluster dos biocombustíveis com os outros PALOP s 26

27 Consumo total de energia nos transportes EEA-30 I/3 carga e 2/3 passageiros (Mtoe) 27

28 Sector dos transportes público e de carga rodoviário Segundo a tipologia do consumo nos Países da EEA, cerca de um terço do gasóleo consumido no mercado nacional diz respeito ao sector dos transportes de carga rodoviário. Isso equivale a cerca de toneladas por ano em Portugal toneladas de B100 representa: uma diminuição de 2,8 Mton CO2, a redução de 500 M de importações de gasóleo (importação de 1 Mton de gasóleo em 2009) e de 300 M de importações de crude (importação de 600 kton de crude em 2009) A estimulação da produção agrícola nacional, com a produção concomitante de alimentos Uma vantagem competitiva para o sector profissional dos transportes Para isso será necessário fazer retornar o ISP à sua função inicial de Imposto sobre os Produtos Petrolíferos, de modo a desincentivar a utilização de petróleo e a estimular as alternativas. A fim de assegurar a neutralidade fiscal haverá que cumprir com os requesitos da Directiva 2003/96/CE de 27 de Outubro de 2003, produzindo um ganho fiscal superior a mil milhões de euros anuais. Em alternativa poder-se-ia manter o ISP para a incorporação até ao limite previsto na Norma EN 590, e prever um programa de B100 com isenção total de ISP. 28

29 HVO Atacar com determinação a dependência petrolífera, dando competitividade às frotas de transporte publico e de carga 1ª fase 2ª fase Carro eléctrico Transporte urbano Transporte urbano B7 B7 Transporte de carga Transporte de carga B100 B100 29

30 Liderar a redução das emissões e da dependência petrolífera com um programa faseado e multiplo Através das RCM 1 (PNALE II) e 21/2009 o Governo antecipou as metas da União Europeia de 2020 para 2010, criando um forte movimento de investimento no sector; Os biocombustíveis, embora tenham sido inicialmente contestados e responsabilizados pelo aumento dos preço dos alimentos, revelam-se como a única alternativa actual à dependência do petróleo e aos riscos ambientais associados à exploração em profundidades muito elevadas; Por outro lado uma produção sustentável de biocombustíveis (lípidos) conduz a um aumento considerável da fracção alimentar (proteinas) da mesma matéria-prima; Por essa razão a manutençaõ dos objectivos anteriormente fixados permitem satisfazer um programa de incorporação genérica até ao limite da EN 590, e promover em complemento um programa de B100 exprimental para frotas captivas de transportes publicos ou de carga que queiram aderir, com isenção de ISP; Em complemento o carro eléctrico ir-se-á desenvolver capturando inicialmente o nicho dos transportes urbanos ligeiros. O projecto de HVO permitirá conquistar percentagens de incorporação genéricas muito mais elevadas, libertando para a exportação derivados petrolíferos valorizados em Portugal. 30

31 Emissões evitadas No anexo V da Directiva 2009/28/CE são fixados os valores típicos e por defeito de redução dos gases de efeito de estufa dos vários tipos de biodiesel: biodiesel de girassol 58 % 51 % Pelo que podemos usar o valor de 58 % para a redução dos gases de efeito de estufa (CO2 equivalente) que para o diesel mineral são 2,68 Kg por litro e sendo a densidade do diesel 0,85 faz com que as emissões de CO2 por tonelada de diesel sejam de 3 toneladas de CO2 equivalente.. Pelo que as emissões evitadas de GEE s por tonelada de diesel mineral substituído podem ser calculadas em 0,58 x 3= 1,74 tonelada de CO2 equivalente, pelos valores da Directiva ou de 2 toneladas pelo método dos consumos específicos. Assim 1,6 Mton x 1,74 = 2,8 Mton GEE s evitadas por ano. Caso esse programa fosse limitado inicialmente a um volume exprimental para o diferencial entre os 10 % e o limite actual da EN 590 ter-se-ia uma redução substancial de GEE s, com o aumento apenas de 2,1 % do custo final dos combustíveis. 31

32 5. A produção nacional de matérias-primas 32

33 Áreas passíveis de serem, anualmente, ocupadas na produção de cereais e de oleaginosas na Zona de Influência de Alqueva Cultura Produtividade média (t/ha) Milho Trigo mole de regadio Trigo mole de sequeiro em rotação com oleaginosas Girassol de regadio Girassol de sequeiro Colza Área (ha) Total de cereais e oleaginosas ton ton Fonte: Adaptado de EDIA / ESAB 2008 Nota: As áreas apresentadas correspondem às áreas máximas de expansão das culturas referidas tendo por base a prática de rotações de culturas. 33

34 Utilização dos grãos de girassol e colza - Produção de energia e de alimentos Produção de Ao fomentar a produção de biodiesel a partir de girassol ou colza obtemos necessariamente: 40% de combustível & 60% para a alimentação girassol ou colza Grão Unidade extractora Industria alimentar 32% 42% Óleo de girassol ou colza 58% - 48% Farinhas de girassol e colza Molhos, Tofu, farinha, substituto de carne, sobremesas, outros produtos Refinaria Rações Indústria química Indústria alimentar Indústria Biodiesel Biodiesel como um substituto e complemento de diesel Indústria alimentar Margarina, óleo de cozinhar, maionese, bolos, biscoitos, pastel, creme de café, outros produtos alimentares Vários óleos de girassol ou colza Indústria química Tinta, pintura, graxa, óleos, outros produtos Indústria de cosméticos e detergentes Sabão, detergentes, cosméticos Rações Fazenda de Gado Gado Matadouro Carne, produtos de carne Plásticos, Cosméticos, Pintura, Tinta, outros produtos Fonte: PWC Massas, Comida de bebé, Farinha, Cereais, outros produtos 34

35 35

36 Promotor FirstForce 36

37 37

38 38

39 Rentabilização das infrastruturas de rega do Alqueva Substituição de importações de petróleo por produção nacional Falsa polémica Food vs Fuel 39

40 5. A disponibilidade de terras aráveis e o seu impacto nos custos do biodiesel 40

41 A área de plantação de matérias primas na UE não é suficiente, e será necessário recorrer à importação A principal limitação ao desenvolvimento de mercados locais na Europa reside no seu limitado potencial para a produção de oleaginosas Para cumprir os objectivos, se as previsões da Comissão Europeia se confirmarem, ter-se-á que utilizar Matérias Primas importadas. ÁREA DE CULTIVO NECESSÁRIA PARA CUMPRIR OS OBJETIVOS (1) 8,4 Mil. Ha 100% colza ÁREA DE CULTIVO POTENCIAL NA UE 2010 (2) 7,15 Mil. Ha 188 Mil. t Consumo diesel fóssil en 2010 (UE) 11,1 Mil. t 12,1 Mil. t Diesel fóssil sustituído segundo o objectivo 5,75% (2010, UE) Biodiesel necessário para a substituição (objectivo 5,75%, 2010, UE) PRODUÇÃO DE SEMENTES NECESSÁRIA PARA CUMPRIR OS OBJECTIVOS (1) 29,4 Mil. T 100% colza (1)Considerando distribuição proporcional do objectivo entre BD e BE, e que se cobre com soja equivalente PRODUÇÃO DE SEMENTES POTENCIAL NA UE 2010 (2) 19,5 Mil. t (2)Segundo Prospects for agricultural markets European Commission. DG for Agriculture, Julho

42 A terra arável disponível actual e potencial no Mundob assegura o crescimento da produção do feedstock Taking these data at face value, and in relative terms, there is greatest potential for agricultural expansion in Sub-Saharan Africa and in South and Central America, which together form over 70% of the global potential increase. LAND RESOURCE POTENTIAL AND CONSTRAINTS AT REGIONAL AND COUNTRY LEVELS FAO Rome,

43 Área arável disponível em Angola e Moçambique Portugal consome cerca de 1,5 milhões toneladas de gasolina e 5 milhões de toneladas de gasóleo. Com uma produção média de 6 tonelada de bioetanol de cana sacariana por hectare, bastarão cerca de hectares para cobrir a totalidade do consumo nacional de gasolina e 5 milhões de hectares para cobrir a totalidade do consumo de diesel. Ora Angola tem 50 milhões de hectares de área arável por cultivar e Moçambique 40 milhões. Fonte: FAO 43

44 A McKinsey publicou em Junho de 2010 um relatório que demonstra o tremendo potencial deste sector para África Africa's collective GDP, at $1.6 trillion in 2008, is now roughly equal to Brazil's or Russia's. While Africa's increased economic momentum is widely recognized, less known are its sources and likely staying power. Among the key findings: Africa's growth acceleration was widespread, with 27 of its 30 largest economies expanding more rapidly after All sectors contributed, including resources, finance, retail, agriculture, transportation and telecommunications. Natural resources directly accounted for just 24 percent of the continent's GDP growth from 2000 through Key to Africa's growth surge were improved political and macroeconomic stability and microeconomic reforms. Future economic growth will be supported by Africa's increasing ties to the global economy. Rising demand for commodities is driving buyers around the world to pay dearly for Africa's natural riches and to forge new types of partnerships with producers. And Africa is gaining greater access to international capital; total foreign capital flows into Africa rose from $15 billion in 2000 to a peak of $87 billion in Africa's economic growth is creating substantial new business opportunities that are often overlooked by global companies RMGI projects that at least four groups of industries-consumerfacing industries, agriculture, resources, and infrastructure-together could generate as much as $2.6 trillion in revenue annually by 2020, or $1 trillion more than today. Today the rate of return on foreign investment in Africa is higher than in any other developing region. Early entry into African economies provides opportunities to create markets, establish brands, shape industry structure, influence customer preferences, and establish long-term relationships. Business can help build the Africa of the future. 44

45 A Agriculura representa prospectivas brilhantes em África Source: MacKinsey 45

46 Da área disponível no Mundo com elevado potencial agrícola, a maior parte está em África 46

47 Dos Países com elevado potencial agrícola, Angola e Moçambique situam-se em lugar de destaque 47

48 De entre as várias actividades agrícolas, os biocombustíveis, pesticidas, fertilizantes e sementes terão as maiores margens 48

49 Dos países produtores de petróleo, Angola apresenta a economia menos diversificada. A agricultura é a prioridade 49

50 Os preços dos produtos alimentares têm vindo a cair de forma sustentada em termos reais ( ) 50

51 Evolução do preço do petróleo e de outras commodities O preço do crude cresceu o dobro dos produtos agrícolas Fonte: IMF 51

52 Prospectiva de crescimento dos preços de petróleo (forte correlação com o preço do biodiesel) Fonte: IEA WEO

53 Área cultivada, evolução e prospectiva do preço do girassol Fonte: FAPRI

54 Área cultivada, evolução e prospectiva do preço da colza Fonte: FAPRI

55 Área cultivada, evolução e prospectiva do preço da soja Fonte: FAPRI

56 As zonas de melhor potencial para a cultura da soja, sem irrigação Fonte: FAO 56

57 Correspondem às zonas da fome no Mundo e permitirão resolvê-la, criando emprego e riqueza nessas regiões Fonte: World Economic Forum Global map of hunger 57

58 6. Conclusões 58

59 Conclusões 1. Uma das mais promissoras áreas de internacionalização da economia portuguesa passa pela minimização do impacto negativo do aumento das matérias-primas alimentares e energéticas, e pela substituição dessas matérias-primas por outras produzidas em solo nacional, na África lusófona e no Brasil. 2. A única alternativa actualmente existente aos produtos petrolíferos para o sector dos transportes são os biocombustíveis, que podem ser utilizados sem perda de garantia na maior parte das frotas em qualquer percentagem. Não implicam nem mudança de rede de distribuição nem de motorizações. O carro eléctrico irá desenvolver-se a partir das frotas urbanas de veículos ligeiros. 3. Parte da matéria-prima necessária pode ser produzida em solo nacional, com a criação de emprego, riqueza e alimentos correspondente, e a parte remanescente nos PALOP s, que dispõem de condições excepcionais de terras, água, e mão-deobra disponível, contribuindo desse modo para criar emprego e produção local alimentar abundante. 4. Para facilitar esse processo é necessário identificar os organismos e os fundos disponíveis para o financiamento multilateral nessa área (IFC, BEI, BAD, BIRD, FED,etc.) e montar uma estrutura de rastreio dos funcionários que os gerem. 5. Por outro lado é essencial a criação de uma estrutura de rastreio dos funcionários e nacionalidade portuguesa que trabalham nesses organismos, coordenando a sua acção com as linhas de actuação da diplomacia portuguesa. 59

Transportes mais limpos a que custo? Bioetanol e Biodiesel. Pedro de Sampaio Nunes

Transportes mais limpos a que custo? Bioetanol e Biodiesel. Pedro de Sampaio Nunes Transportes mais limpos a que custo? Bioetanol e Biodiesel Pedro de Sampaio Nunes 1 21 de Abril de 2009 Sumário Os Biocombustíveis são a resposta imediata à carência de petróleo e às emissões de GEE no

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ),

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ), L 123/42 DIRECTIVA 2003/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 8 de Maio de 2003 relativa à promoção da utilização de biocombustíveis ou de outros combustíveis renováveis nos transportes O PARLAMENTO

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

POLITICA ENERGÉTICA PORTUGUESA DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POLITICA ENERGÉTICA PORTUGUESA DE BIOCOMBUSTÍVEIS Lisboa, Outubro 2009 POLITICA ENERGÉTICA PORTUGUESA DE BIOCOMBUSTÍVEIS Objectivos: 1. Enquadramento legislativo sobre o sector dos Biocombustíveis a nível Europeu. 2. Compilação de algumas preocupações

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis Seminário Internacional sobre Politicas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa 20 de Junho de 2011 FLAD Lisboa Portugal A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA É necessária urgentemente uma reforma para travar o avanço de biocombustíveis insustentáveis e para promover as soluções corretas para descarbonizar

Leia mais

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010

Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Seminário Os cereais regados na área de influência de Alqueva Elvas, 22 de Abril de 2010 Constituição de uma Reserva Estratégica de Água Garantia de Abastecimento de Água Alteração do Modelo Cultural

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Prio Foods SGPS. Apresentação Institucional Janeiro 2011

Prio Foods SGPS. Apresentação Institucional Janeiro 2011 Prio Foods SGPS Apresentação Institucional Janeiro 2011 2 Índice O Nosso Negócio Agricultura Extracção Biocombustíveis Comercialização de Óleo Alimentar Trading & Logística Novos Projectos 5 9 15 19 23

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 Macro-tendências 1 Compromisso Global com temáticas relacionadas

Leia mais

Biocombustíveis em Portugal Perspectiva de uma companhia distribuidora GALP ENERGIA

Biocombustíveis em Portugal Perspectiva de uma companhia distribuidora GALP ENERGIA Biocombustíveis em Portugal Perspectiva de uma companhia distribuidora GALP ENERGIA Enquadramento Europeu Ponto de Situação e Perspectivas ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO EUROPEU PRINCIPAIS VECTORES POLÍTICA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Comparação dos preços dos combustíveis entre Julho de 2008 e Janeiro de 2011 No passado mês de Dezembro, bem como já no corrente ano, foram muitos os Órgãos

Leia mais

Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia

Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia Biocombustíveis & Sustentabilidade Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia Impacto do Sector dos Transportes UE Dependência do petróleo: Cerca de metade do petróleo consumido

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

Projecto de Lei PROMOVE A SUSTENTABILIDADE DOS BIOCOMBUSTÍVEIS

Projecto de Lei PROMOVE A SUSTENTABILIDADE DOS BIOCOMBUSTÍVEIS Grupo Parlamentar Projecto de Lei PROMOVE A SUSTENTABILIDADE DOS BIOCOMBUSTÍVEIS Exposição de motivos: A queima de combustíveis fósseis para a produção de energia (electricidade, indústria e transportes)

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. DADOS GERAIS 3. A CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTOS NACIONAL 4. O IMPACTO DAS RENOVÁVEIS NA FACTURA DE ELECTRICIDADE E

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português Coimbra, 3 de Julho 2008 Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Guilherme Machado Conteúdo 1. Energia e Ambiente: Duas faces da mesma

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Fall Newsletter ANSEME

Fall Newsletter ANSEME Newsletter ANSEME Grupo de Trabalho Presidência da União Europeia 12 e 13 de A Presidência da União Europeia promoveu um Grupo de Trabalho que decorreu nos dias 12 e 13 de para discussão da possibilidade

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Sumário Executivo: WWF-Brasil

Sumário Executivo: WWF-Brasil Sumário Executivo: O Impacto do mercado mundial de biocombustíveis na expansão da agricultura brasileira e suas consequências para as mudanças climáticas WWF-Brasil Um dos assuntos atualmente mais discutidos

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Apresentação da Versão para Discussão Pública Fevereiro 2008 Coordenação : Apoio : Forte inversão da intensidade energética

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

A eficiência energética nos combustíveis e transportes

A eficiência energética nos combustíveis e transportes A eficiência energética nos combustíveis e transportes Workshop Quercus Eficiência Energética Desafios e oportunidades para Portugal 6 de Março 2015 Agenda 1. Enquadramento 2. Desafios 3. A Galp e a mobilidade

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEL. Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal

ENERGIA RENOVÁVEL. Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal ENERGIA RENOVÁVEL Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal I - Caracterização geral Descrição: Indicador referente à produção de energia (biocombustíveis, energia elétrica e calor) a partir

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Sumário Introdução Desafios da mitigação de Gases de

Leia mais

Recomendações de políticas Portugal RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS 2013 - PORTUGAL

Recomendações de políticas Portugal RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS 2013 - PORTUGAL 2013 Recomendações de políticas Portugal 1 KEEP ON TRACK! O progresso no sentido de atingir os objectivos para 2020 deve ser cuidadosamente monitorizado para garantir que o real desenvolvimento acompanha

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Tópicos O paradigma da Mobilidade Eléctrica Vs Veículos a combustão Infra-estrutura de carregamento Enquadramento

Leia mais

GPL AUTO Autogás: Um combustível alternativo e competitivo que melhora a qualidade do ar C OMPETITIVO A LTERNATIVO D ISPONÍVEL

GPL AUTO Autogás: Um combustível alternativo e competitivo que melhora a qualidade do ar C OMPETITIVO A LTERNATIVO D ISPONÍVEL GPL AUTO Autogás: Um combustível alternativo e competitivo que melhora a qualidade do ar ESTUDO RECENTE DEMONSTRA QUE A SUBSTITUIÇÃO DO GASÓLEO OU DA GASOLINA POR GPL PODE SER FEITA, A CUSTOS COMPETITIVOS,

Leia mais

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica 1 Mudanças Climáticas Uma Questão Empresarial Estratégica 2 O aquecimento global é o maior problema que a humanidade enfrenta atualmente. As empresas devem incorporar esta questão à visão estratégica dos

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais