FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013"

Transcrição

1 FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013

2 ESTRUTURAÇÃO Esta apresentação está dividida em três etapas: 1ª. Regulamento Geral do PRODAV Visão geral, definições e divisão de direitos sobre conteúdos audiovisuais 2ª Suporte Automático à Produção e à Programação 3ª Suporte Seletivo às Atividades Audiovisuais Visão Geral PRODAV 01/2013 PRODAV 02/2013 PRODAV 03/2013 PRODAV 04/2013 PRODAV 05/2013

3 REGULAMENTO GERAL As condições para aplicação de recursos do FSA em ações do Programa de Apoio do Desenvolvimento da Indústria Audiovisual (PRODAV) entre 16/12/13 e 31/12/16 serão regidas por um Regulamento Geral (RG), a ser revisado anualmente pela Sec. Executiva do FSA. Dissociação entre PRODAV e televisão: aplicabilidade do RG a todas as ações do FSA; e Convergência de conceitos da legislação regulatória de acesso condicionado e da legislação de fomento (a uniformidade como meta da ANCINE): poder dirigente, espaço qualificado, produtora brasileira etc. Objetivos gerais do FSA (destaques) induzir: (i) o crescimento nacional do mercado de televisão por assinatura e de vídeo por demanda, com fortalecimento das programadoras brasileiras; e (ii) a integração entre cinema/televisão/internet para maior circulação dos conteúdos brasileiros independentes. primeira norma a contemplar serviços não lineares.

4 REGULAMENTO GERAL Objetivos específicos do FSA (destaques) induzir: (i) o fortalecimento das programadoras brasileiras e a implantação de novos canais de televisão e de plataformas de VOD; (ii) a organização de núcleos de criação em empresas audiovisuais e empresas especializadas no desenvolvimento de roteiros/projetos/formatos (em especial os relativos a obra seriadas); (iii) opré licenciamento de conteúdos audiovisuais independentes; (iv) a organização das grades de programação dos canais, estimulando procedimentos públicos/isonômicos de seleção de conteúdos independentes;e (v) a redução das barreiras de acesso de produtoras e programadoras brasileiras a recursos financeiros.

5 REGULAMENTO GERAL Modalidades de financiamento do FSA: apoio não reembolsável; equalização de encargos financeiros; participação em projeto (investimento como aquisição de direitos sobre resultados comerciais); participação em fundo; repasse (em decorrência de convênios/contratos de repasse) e compra pública. distinção entre doação, patrocínio, investimento, coprodução e empréstimo. Beneficiário Direto e Indireto: Beneficiário Direto: pessoas físicas e jurídicas responsáveis pela execução dos projetos financiados pelo PRODAV (produtoras brasileiras independentes, programadoras brasileiras, distribuidoras brasileiras de obras audiovisuais que atuem no mercado de salas de exibição etc.); e Beneficiário Indireto: empresas habilitadas a uma conta automática do PRODAV; empresas que proponham investimentos seletivos em projetos de terceiros; e gestores de fundos de investimentos com participação do FSA.

6 REGULAMENTO GERAL Sistemasde financiamento: automático e seletivo: Sistema automático: aquele em que a seleção das ações financiadas é feita pelo beneficiário indireto, em face de seu desempenho e práticas comerciais anteriores. precedente da Rio Filme; por meio de sistema de recepção de propostas; mediante participação em projeto (exceção: 67.2b do RG); e não aberto até 28/1/14. Sistema seletivo: aquele em que a seleção das ações financiadas está a cargo de técnicos credenciados, sem participação de empresas, mediante critérios públicos pré estabelecidos. por meio de chamadas públicas (edital).

7 REGULAMENTO GERAL Disciplina, no capítulo DIREITOS SOBRE OS CONTEÚDOS AUDIOVISUAIS, a contratação, gestão e transferência de direitos sobre os conteúdos audiovisuais brasileiros produzidos, comercializados ou distribuídos com recursos do PRODAV (item 126.1): condiciona quaisquer projetos que utilizem recursos do FSA; lacuna quanto à aplicação a projetos que utilizem recursos do FSA unicamente para desenvolvimento; só pode ser livremente pactuado o que estiver expresso no RG (lógica similar à da Deliberação 95/10): item 12.6; os tópicos passíveis de livre pactuação, entretanto, estão condicionados à manutenção da obra como conteúdo brasileiro independente, isto é, à manutenção do poder dirigente (128) pela produtora brasileira independente;

8 REGULAMENTO GERAL O exercício do poder dirigente por autores brasileiros e produtoras brasileiras independentes é o elemento que define a obra audiovisual como conteúdo brasileiro independente (item 128.1). (i) O conjunto das produtoras brasileiras independentes de uma obra deve ter o domínio dos direitos patrimoniais majoritários sobre tal obra para que esteja caracterizado seu poder dirigente; (ii) Em coproduções internacionais, a condição de conteúdo independente é definida pelo poder dirigente conjunto das produtoras associadas, garantida a proporcionalidade entre as prerrogativas da produtora brasileira e suas obrigações econômicas, respeitado o disposto em acordo de coprodução e na parceria constituída (divisão de direitos patrimoniais, prerrogativas de organização artística/comercial etc.) itens e 128.6; inovação em relação ao conceito de poder dirigente em coproduções da legislação de acesso condicionado (em que só é independente a coprodução internacional em que 51% dos direitos patrimoniais pertençam à produtora brasileira independente);

9 REGULAMENTO GERAL Presume se (admite se prova em contrário)queopoderdirigente não pertenceà produtora brasileira independente quando essa última: (i) Sofrer constrangimento financeiro ou faculdade de veto de terceiro sobre aspectos comerciais inerentes aos direitos patrimoniais; critério com maior carga de subjetividade; (ii) Licenciar, gratuitamente ou a preço vil, osdireitosdecomunicaçãopúblicaou exploração comercial, relativos ao segmento de destinação inicial da obra audiovisual; ou (iii) Licenciar todos os direitos de comunicação pública e exploração comercial da obra audiovisual em território brasileiro para o mesmo grupo econômico, por período superior a sete anos. primeira norma a mencionar prazo de 7 anos, oficiosamente praticado pela Ancine como limite para licenças semelhantes de obras que pretendem cumprir cota de conteúdo independente em pay tv;

10 REGULAMENTO GERAL Rol taxativo de pontos que podem ser livremente pactuados pelos agentes (mantido o poder dirigente com a produtora independente): (i) Quaisquer direitos sobre a obra depois de quinze anos de sua primeira exibição comercial; (ii) As licenças de uso, comunicação pública ou exploração comercial da obra sete anos após a emissão de seu CPB; licença de uso: autoriza a utilização privada; licença de comunicação pública: autoriza a exibição/transmissão pública da obra em determinado segmento; licença de exploração comercial: autoriza a comercialização de licenças de uso, comunicação pública ou adaptação para obra derivada; ou a exploração de suas marcas/elementos em outros produtos, em certo segmento de mercado. (iii) As licenças de adaptação audiovisual da obra dez anos após a emissão do CPB;

11 REGULAMENTO GERAL Rol taxativo de pontos que podem ser livremente pactuados pelos agentes (desde que mantenha a classificação da obra como conteúdo brasileiro independente ): (iv) Os direitos relativos à reprise dos conteúdos pela licenciada durante o período de comunicação pública licenciado; (v) Os preços de venda ao consumidor de licenças de uso da obra audiovisual (bilhetes de cinema, licenças de vídeo doméstico ou por demanda, assinaturas de TV ou VOD; (vi) Os preços das licenças sobre obra já produzida quando o adquirente for de grupo econômico diverso do pré licenciado;

12 REGULAMENTO GERAL REGULAMENTO GERAL Rol taxativo de pontos que podem ser livremente pactuados pelos agentes (desde que mantenha a classificação da obra como conteúdo brasileiro independente ). (vii) Os preços das licenças, adquiridas ou não com financiamento do FSA, sobre obra produzida sem financiamento público; possibilidade (de uso de recursos do FSA para adquirir licença) sem correspondente em edital. (viii) Os preços das licenças sobre novas temporadas de obra audiovisual produzida originariamente com recursos do FSA; e (ix) As licenças firmadas antes da vigência do Regulamento Geral. os itens (vii), (viii) e (ix) reforçam o fato de que licenças sobre obra produzida com recursos do FSA devem obedecer o Regulamento Geral. a gestão dos direitos referentes a formatos e jogos eletrônicos será tratada em chamadas/regulamentos específicos.

13 REGULAMENTO GERAL REGULAMENTO GERAL Normas sobre a titularidade dos direitos patrimoniais sobre obras produzidas, comercializadas ou distribuídas com recursos do FSA: Regra: devem pertencer a autores brasileiros ou a produtoras brasileiras independentes; Ressalva: empresas que não sejam produtoras independentes poderão deter direitos patrimoniais em percentual não mais que proporcional ao seu investimento em uma obra; Direitos sobre a obra poderão ser transferidos ou comercializados antes de transcorridos quinze anos da sua primeira exibição comercial se: (i) a obra permanecer brasileira e independente (poder dirigente); ese (ii)atransferência das cotas do produtor responsável for feita de forma onerosa; apenas transferências para outra produtora independente são admitidas; após 15 anos, depreende se que a obra pode ser transferida para quaisquer terceiros, sem interferência alguma.

14 REGULAMENTO GERAL REGULAMENTO GERAL Normas sobre a distribuição de receitas de exploração comercial (da obra produzida, comercializada ou distribuída com recursos do FSA): Regra: o rendimento cabe aos detentores de direitos patrimoniais sobre a obra, proporcionalmente asuascotas; Receitas oriundas do investimento próprio ou de terceiro poderão ser mais vantajosas que as oferecidos aos detentores de direitos patrimoniais se: (i) não envolverem a alienação de direitos patrimoniais; não afetarem o retorno do FSA; adequarem se às exigências de retorno do FSA (Seção VIII do Cap. IV do Regulamento); e sua contabilidade (e a da exploração da obra) estiver disponível para auditoria do FSA; (ii) tal retorno estiver limitado ao principal investido (sem correção); limita a autonomia negocial da produtora independente; e operações de mútuo estariam abarcadas? (iii) o investimento não representar geração de dívida para a produtora; inclui operações de mútuo? (BNDES Procult).

15 REGULAMENTO GERAL Normas aplicáveis a todas as hipóteses de licenciamento adiante especificadas ( Estatuto do Licenciamento para o PRODAV ): (i) até que transcorridos 15 anos contados da primeira exploração comercial de uma obra, não se pode transferir (alienar), mas tão somente licenciar (permanecendo titular) direitos de uso, comunicação pública, adaptação, exploração comercial de conteúdos e de seus elementos integrantes; e (ii) Quaisquer contratos envolvendo tais transferências (o Regulamento pretende abarcar cessões e licenças) devem ser enviados ao FSA. de acordo com o Estatuto do Licenciamento, tal obrigação não se resume a transferências que possam interferir no retorno financeiro do FSA.

16 REGULAMENTO GERAL Normas sobre o pré licenciamento de obras financiadas pelo FSA: pré licenciamento: caracterizado pelo pagamento por uma licença pelo menos três meses antes da emissão do CPB da obra. Parâmetros normativos dessas licenças: (i) Devem ser pagas com recursos próprios ou de terceiros (ao menos até as proporções e valor mínimos estabelecidos no Regulamento); depreende se que o valor excedente pode ser pago com incentivo fiscal. (ii) Sua exclusividade não pode exceder 24 meses da data de emissão do CPB (passível de extensão por outros 12 meses no caso de temporada adicional de obra seriada); (iii) Licenças simultâneas para todos os segmentos não podem viger por mais de 24 meses contados da data de emissão do CPB (passível de extensão por outros 12 meses no caso de temporada adicional de obra seriada);

17 REGULAMENTO GERAL Parâmetros normativos dessas licenças: (iv) Deve haver previsão do retorno financeiro do FSA (em se tratando de participação em projeto); indício de que se aplica a projetos de desenvolvimento. (v) Devem prever o canal de exibição eaprevisão aproximada de faixa de horários de veiculação da obra no primeirosegmento de exibição; pergunta às produtoras: prejudica a negociação com programadoras? (vi) Devem ser elaboradas de acordo com o disposto (adiante) sobre obras derivadas e novas temporadas; a obra viabilizada com recursos do FSA contamina as demais. (vii) Os contratos de pré licenciamento deverão observar os valores/proporções mínimas especificados no item 62 do Regulamento (relativo a suporte automático, mas aplicável a qualquer pré licenciamento relativo ao FSA).

18 REGULAMENTO GERAL Parâmetros normativos dessas licenças: (viii) A aquisição de direito de preferência para renovação dos direitos já licenciados segue possível, desde que atenda às seguintes condições: 1. Devem ser adquiridos onerosamente (valor adicional de pelo menos 20% do valor da licença), sendo que o montante pago pela aquisição do direito de preferência poderá ser deduzido do valor relativo à futura renovação da licença (se disposto em contrato); 2. Em caso de exercício desse direito, a eventual renovação dos direitos licenciadosdeve seronerosa e compatível com práticas de mercado; 3. Em caso de exercício desse direito, a eventual renovação dos direitos licenciados deve limitar se a 24 meses para cada segmento, de forma simultânea (item d do RG); e 4. O prazo de exercício do direito de preferência fica limitado ao prazo da própria licença, durante o qual eventuais propostas de terceiros deverão ser comunicadas à licenciada, a qual deverá exercer seu direito de preferência em trinta dias contados dessa comunicação.

19 REGULAMENTO GERAL Normassobreobras derivadas e novas temporadas de obrasfinanciadaspelofsa: (i) Poder dirigente: da produtora brasileira independente, mesmo que a obra derivada ou nova temporada não receba financiamento do FSA; necessidade de planejamento da produtora (a obra original contamina as demais); (ii) O pré licenciado poderá receber direito de preferência para novas temporadas, desde que: 1. Tal direito seja adquirido onerosamente (valor adicional de pelo menos 20% do valor da licença), sendo que o montante pago pela aquisição do direito de preferência poderá ser deduzido do valor relativo à aquisição desse direito de preferência (se disposto em contrato), inclusive para reduzir o valor mínimo de licença exigido no caso de investimento do FSA;

20 REGULAMENTO GERAL Normas sobre obras derivadas e novas temporadas de obras financiadas pelo FSA: Opré licenciado poderá receber direito de preferência para novas temporadas, desde que: 2. Em caso de exercício desse direito, a eventual renovação dos direitos licenciados deve limitar se a 24 meses para cada segmento, de forma simultânea (item d do RG); 3. O prazo de exercício do direito de preferência deverá ser exercido em trinta dias contados da data em que o produtor responsável comunicar formalmente uma oferta; e 4. As normas de retorno financeiro estabelecidas pelo FSA e incidentes sobre a nova obra ou temporada baseada em obra em que o FSA investiu sejam observadas.

21 REGULAMENTO GERAL Normas sobre licenciamento de marcas, imagens e elementos de obras financiadas pelo FSA; (i) A propriedade das marcas, imagens e elementos dessas obras deve permanecer com o detentor dos direitos patrimoniais, devendo ser comercializadas por meio de licenças (vedada sua transferência); (ii) As normas relativas ao licenciamento de obras financiadas com recursos do FSA também se aplicam ao licenciamento de seus elementos (item 131); e (iii) os contratos envolvendo o licenciamento desses elementos devem observar as normas do FSA referente a retorno financeiro. Normas sobre licenciamento de obras já produzidas com recursos do FSA; (i) as normas de retorno financeiro estabelecidas pelo FSA devem estar expressas em contratos de licenciamento dessas obras; e (ii) O licenciamento realizado para o grupo econômico pré licenciado deverá observar, entre outros, as mesmas condições já expostas aplicáveis ao prélicenciamento de obras financiadas pelo FSA, assim como as aplicáveis a obras derivadas e novas temporadas.

22 SUPORTE AUTOMÁTICO MÓDULOS DE APLICAÇÃO Ações Financiadas e selecionadas pelo beneficiário indireto (titular da conta automática) em face de seu desempenho e práticas comerciais MÓDULOS Produção TITUL.ARIDADES DA CONTA AUTOMÁTICA Produtoras brasileiras independentes (fazer menção ao funcionamento do PAR) Programadoras brasileiras independentes de canais de Programação televisão, atuantes no serviço de acesso condicionado ou no serviço de radiodifusão Distribuição Distribuidoras brasileiras que atuem no mercado de salas de exibição Empacotamento Empacotadoras de canais de televisão

23 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Habilitação do beneficiário à conta automática Requerimento pela empresa ao módulo correspondente à sua atividade. Publicação das Obras e Canais de Referência no site da ANCINE. Como obra de referência entende se a obra classificada como brasileira independente constituinte de espaço qualificado, com CPB emitido a menos de 7 anos e CRT emitido para o segmento de mercado correspondente ao licenciamento. Já os canais de referência serão aqueles classificados como canais brasileiros de espaço qualificado e que atendam a todas as obrigações da Lei nº12.485/11 e demais regulamentos da ANCINE. Não serão consideradas como obras de referências, as obras publicitárias, as obras de cunho institucional ou promocional, as obras jornalísticas, os conteúdos pornográficos, os conteúdos pedagógicos e os programas de entretenimento do tipo programas de auditório.

24 ETAPAS SUPORTE DE FUNCIONAMENTO AUTOMÁTICO SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Comprovação do Licenciamento e Cálculo da Pontuação do Beneficiário Apresentação de documentação comprobatória durante o primeiro trimestre de cada ano Considerados os licenciamentos a título oneroso (2 exercícios anteriores) das obras de referência nos segmentos de salas de exibição; TV aberta, TV por assinatura, VOD e Vìdeo Doméstico. Módulo empacotamento: comercialização de canais brasileiros de espaço qualificado. Proposição de Investimento. Prazo de 2 anos Apresentado pelo beneficiário direto (produtora ou programadora) Deverá constar o pré licenciamento e requerimento do titular da conta automática Contratação do Investimento Contrato: Firmado direto com o produtor responsável e FSA Condições Gerais e comprovação de pré licenciamento*

25 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Aportes Máximos do FSA do Suporte Automático Classificação do Projeto Unidade Valor máximo Longa metragem de ficção ou animação Título R$ ,00 Telefilme de ficção Título R$ ,00 Documentário Título R$ ,00 Obra seriada de animação Minuto R$10.000,00 Obra seriada documental (até 13 capítulos) Capítulo R$ ,00 Obra seriada documental (mais de 13 capítulos) Capítulo R$75.000,00 Obra seriada de ficção (até 13 capítulos) Capítulo R$ ,00 Obra seriada de ficção (de 14 a 26 capítulos) Capítulo R$ ,00 Obra seriada de ficção (mais de 26 capítulos) Capítulo R$ ,00 Programação de Canal de Televisão Projeto R$ ,00 Obs.: Obras seriadas de ficção e documentais com capítulos e episódios com mais de 45 minutos: ampliação do valor máximo em 50% Obs2: Aporte máximo por obra seriada: R$ ,00 (por temporada)

26 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Adiantamento Os beneficiários indiretos com saldo insuficiente poderão apresentar ao FSA proposição de investimento de forma antecipada, em face de expectativa de créditos futuros, limitado a 50% dos valores máximos de aporte do FSA e R$ por ano por produtor responsável. Pré licenciamento: comprovação da pré licença para os segmentos de TV Aberta ou por assinatura no mercado nacional. Para projetos de longa metragem, obrigatório apenas nos módulos de programação e empacotamento. Entende se caracterizado o pré licenciamento quando o pagamento pela licença é efetivado ao menos três meses antes da emissão do CPB da obra.

27 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO (PRÉ LICENCIAMENTO) Paraosegmentodemercadodetelevisão(mercadonacionaldetvabertaoutv por assinatura): o pré licenciamento deverá observar as seguintes proporções mínimas calculadas sobre o total dos itens financiáveis: Documentários (longa ou telefilme) 5% Ficção ou animação (longas metragens) 7% Demais casos 15% O licenciamento para o mesmo grupo econômico da comunicação pública ou exploração comercial em outros segmentos deverá observar as seguintes proporções mínimas sobre os percentuais acima estabelecidos: Vídeo por Demanda VOD 1/3 Segundo segmento de mercado (TV Aberta ou por Assinatura no Brasil) Licença regional de exploração comercial da obra no mercado externo 50% 10%

28 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Respeitado o valor mínimo de R$25.000,00, os percentuais mínimos estabelecidos nas disposições anteriores receberão os seguintes ajustes: A) Redução cumulativa, calculada de forma sequencial, seguindo os seguintes parâmetros: Licenciamento para programadora com sede nas regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste 50% Licenciamento para programadora com sede na região sul ou nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo 30% Licenciamento para TV estatal, educativa ou cultural 30% Programadora privada cujo grupo econômico não envolva prestador de serviços de telecomunicações, cabeça de rede nacional privada de TV aberta ou programadora internacional 15% B) Redução de 70% para os casos de licenciamento para comunicação pública em canal de doze horas enquadrado como canal brasileiro de espaço qualificado (nos termos do 4º do art. 17 da Lei nº /2011 ); E C)Redução de 90% para os casos de licenciamento para tv comunitária ou universitária.

29 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO No caso de licença, sem exclusividade no segmento, haverá redução suplementar de 20%, conforme tabela abaixo: LICENÇA EXCLUSIVA NÃO EXCLUSIVA SITUAÇÃO DA PROGRAMADORA LOCALIZAÇÃO DA SEDE DA PROGRAMADORA BRASIL N NE CO S MG ES SP RJ TV Comunitária ou Universitária 90% Canal de 12 horas (Art. 17, 4, Lei nº ) 70% TV Estatal, Educativa ou Cultural 65% 51% 30% TV ligada a cabeça de rede nacional, teles, estrangeiras 50% 30% 0% Outras TVs privadas 57,5% 40,5% 15% TV Comunitária ou Universitária 92% Canal de 12 horas (Art. 17, 4, Lei nº ) 76% TV Estatal, Educativa ou Cultural 72% 61% 44% TV ligada a cabeça de rede nacional, teles, estrangeiras 60% 44% 20% Outras TVs privadas 66% 52,4% 32%

30 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Licenças sobre canais de televisão: deverá garantir o equilíbrio econômicofinanceiro da operação do canal. O prazo mínimo do contrato de licenciamento deverá ser de 36 meses, contados do inicio da execução do projeto de programação, para compromisso de oferta do canal. O licenciamento do canal pela empacotadora não poderá envolver transferência de direitos sobre quaisquer receitas, bens ou serviços do canal ou da programadora responsável.

31 Execução e Controle do Projeto SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Após a contratação, será aberta conta bancária específica de titularidade do beneficiário direto para depósito e movimentação dos recursos. Prazo para conclusão da obra e depósito legal: Em regra, 30 meses para animação e 18 meses nos demais casos (contados do primeiro desembolso). Obras realizadas por adiantamento, o prazo é de 12 meses (todos os formatos) Prazo para projeto de programação: 12 meses. Itens Financiáveis Itens NÃO Financiáveis Aquisição de direitos artísticos Gerenciamento do projeto Contratação de equipe, inclusive encargos sociais. Aquisição de insumos e locação de espaços, equipamentos e serviços para a produção audiovisual Serviços de laboratório e pós produção Gerenciamento do projeto de programação ou remuneração do programador Despesas financeira e tributárias Copiagem, relativa à distribuição comercial Agenciamento, comercialização e divulgação Despesas de custeio do produtor ou programadora Despesa anteriores ao enquadramento do projeto Aquisição de licenças sobre conteúdos Obs: Em projetos de programação são financiáveis a despesas de produção (conforme acima) e contratação de serviço de transporte de sinal por satélite (limitado a 20 % do total investido pelo FSA no projeto de programação)

32 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Retorno do Investimento (Financeiro e não financeiro) Participação do FSA sobre os rendimentos econômicos da obra audiovisual Doação de cópia da obra para a Cinemateca (Depósito Legal) Autorização à ANCINE do uso de imagens, marcas, textos e documentos da obra Autorização de reprodução e distribuição da obra para ações promocionais do FSA e ANCINE, nos termos de regulamento específico Fixação das marcas determinadas pela ANCINE Cessão de espaços para veiculação de mensagens publicitárias de utilidade pública e promoção da atividade audiovisual, na programação do canal (somente nos projetos de programação ou também nos canais licenciantes?)

33 SUPORTE AUTOMÁTICO ETAPAS DE FUNCIONAMENTO Retorno Financeiro (todos os suportes) Receita Bruta de Distribuição (RBD) e receita de pré licenciamento Participação sobre a Receita Líquida do Produtor (RLP) Participação sobre receitas de licenciamento de marcas, imagens e elementos e obras derivadas. Prazo de Retorno Financeiro da data da contratação até 7anosapós a primeira exibição ou oferta pública da obra audiovisual. O FSA terá participação de 5% da RLP obtida por novas temporadas ou longas adicionais de uma mesma franquia (cumulativo?)

34 SUPORTE SELETIVO PRODAV 01/2013 Investimento em projetos de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão Período de Inscrições: de 17/02/2014 fluxo contínuo enquanto houver disponibilidade de recurso. Modalidade de Seleção: Concurso Objetivo: projetos de produção independente de obras audiovisuais brasileiras, destinadas ao mercado de televisão, no formato de obra seriada de ficção, documentário e animação e de telefilmes documentários. Valor total disponível: total de R$ ,00 (cinquenta milhões de reais), dos quais R$ ,00 (cinco milhões de reais) serão reservados para telefilmes documental. Quem pode buscar os recursos: produtoras brasileiras independentes com registro atualizado na Ancine. É vedada, por via de regra, a alteração da empresa proponente. Condições de Elegibilidade: Obras constituintes de espaço qualificado Pré licenciamento obrigatório (permitida a participação de programadoras que não tenham sede no Brasil) Conteúdos brasileiros independentes

35 SUPORTE SELETIVO Participação em outras linhas de desenvolvimento do FSA: 1(uma) linha por projeto,, excetuando se a linha de Suporte Automático. Limitação de Investimento: 10% dos recursos disponíveis por proponente ou grupo econômico 25% dos recursos disponíveis por programadora ou emissora (total de projetos licenciados) Regionalização: 30% dos recursos disponíveis para produtoras do Norte, Nordeste e Centro Oeste 10% dos recursos disponíveis para produtoras do Sul, Minas Gerais ou Espirito Santo. Limite de Investimento em relação ao orçamento do projeto: 100% dos itens financiáveis do projeto. Itens financiáveis: aqueles listados nos itens e do Edital. Projetos de Coprodução Internacional: Base de cálculo total de itens financiáveis de responsabilidade da parte brasileira

36 SUPORTE SELETIVO Reconhecimento provisório obrigatório quando da contratação Obs: obrigatoriedade de consularização do contrato de coprodução, conflitando com a dispensa prevista na IN 106. Prazo de Contratação: 120 dias para apresentação das condições de contratação, da publicação da decisão Prazo de Conclusão: contado do desembolso da 1 parcela do investimento do FSA 30 meses para obras seriadas ou animação 18 meses para obras seriadas de ficção e documentário 12 meses para telefilmes documentais Obs: prazo de conclusão de obras seriadas acréscimo de 6 meses, no caso de obras com mais de 13 e até 26 episódios e de 12 meses no caso de obras com mais de 26 e até 52 episódios Retorno do Investimento: Prazo de Retorno Financeiro: até 07 anos contados da Data da Exibição

37 SUPORTE SELETIVO PRODAV 02/2013 Apoio ao Comissionamento de Conteúdos O Comissionamento, modalidade de financiamento em participação em projeto, consiste no procedimento de seleção realizado pelas programadoras de televisão para aquisição de serviços de produção, de direitos sobre conteúdos audiovisuais a serem produzidos ou coproduzidos e de licenças para a comunicação de conteúdos audiovisuais independentes já produzidos ou a produzir (pré licenciamento). Importa ressaltar que o investimento do PRODAV se limitará aos conteúdos de ficção, animação e documentários que se enquadrarem na definição de obras de referência (item 3.1) e que: (i) se encontrem em qualquer etapa de produção (mas não concluídas); (ii) que sejam brasileiras nacionais ou em coprodução internacional de acordo com o art. 1º, V da MP /01 (se internacional, deve ser reconhecida provisoriamente pela Ancine antes da contratação do investimento); e (iii) cujo projeto inscrito na Ancine não tenha captado nem capte recursos pelo art. 1º da Lei do Audiovisual.

38 SUPORTE SELETIVO Período de Inscrições: De 15/01/2014 até a data de término dos recursos disponíveis. Modalidade de Seleção: Participação em projeto (investimento do FSA na aquisição de direitos sobre resultados comerciais de projeto) Valor total disponível: R$ ,00 (trinta milhões de reais) Quem pode buscar os recursos: empresas programadoras de TV aberta ou TV por assinatura com registro regular na Ancine (embora os contratos de investimento decorrentes dessa seleção sejam selecionados entre o FSA e a produtora brasileira independente proponente do conteúdo selecionado). Condições de Elegibilidade: Obras constituintes de espaço qualificado Pré licenciamento obrigatório a programadora fica responsável pelo repasse do valor relativo à aquisição da licença e fica obrigada a exibir a obra dentro de 12 meses contados da emissão do CPB da obra audiovisual. Conteúdos brasileiros independentes

39 SUPORTE SELETIVO Participação de um projeto de produção contemplado na proposta de programação apresentada em outras linhas (seletivas) de desenvolvimento do FSA: vedado para outras linhas seletivas, mas não para os sistemas de suporte automático do PRODAV. Quem pode inscrever o projeto de cada produção inserida na proposta de programação apresentada pela programadora: apenas a empresa produtora responsável pelo projeto perante a Ancine. Limitação de Investimento: Por programadora (ou grupo econômico): R$10 milhões; e cada programadora deve apresentar 1 proposta de programação por canal, com limitação de investimento do FSA de R$8 milhões por canal. Por projeto de obra audiovisual apresentado: conforme módulo de suporte automático do Regulamento Geral PRODAV, sendo que o aporte do FSA poderá contemplar 100% dos itens financiáveis (definidos no item 4.3 do Edital) dos projetos de obras audiovisuais.

40 SUPORTE SELETIVO Regionalização: 7% dos recursos disponíveis para produtoras do Norte, Nordeste e Centro Oeste 3% dos recursos disponíveis para produtoras do Sul, Minas Gerais ou Espirito Santo. Limite de Investimento em relação ao orçamento do projeto: 100% dos itens financiáveis do projeto. Itens financiáveis: aqueles listados nos itens e do Edital. Projetos de Coprodução Internacional: Base de cálculo total de itens financiáveis de responsabilidade da parte brasileira Reconhecimento provisório obrigatório quando da contratação Obs: obrigatoriedade de consularização do contrato de coprodução, conflitando com a dispensa prevista na IN 106. Etapas: 1ª apresentação pela programadora de proposta de programação: consulta prévia (contendo, entre outros, dados de programação e de pré licenciamento de cada obra comissionada), incluindo descritivo da forma como seleciona conteúdos independentes, assim como análise pelo FSA de seu enquadramento;

41 SUPORTE SELETIVO 2ª processo de seleção pública pela programadora das propostas de projetos de obra independentes e inscrição de projeto de programação, após o que ocorrerá análise técnica dos projetos, etapa em que serão eliminados os projetos cuja documentação não estiver conforme e em que serão selecionadas propostas; 3ª decisão de investimento; 4ª contratação do investimento Prazo de Contratação: 120 dias para apresentação das condições de contratação, da publicação da decisão 5ª da execução do projeto de programação Prazo de Conclusão: contado do desembolso da 1 parcela do investimento do FSA 30 meses para obras seriadas ou animação 18 meses para obras seriadas de ficção e documentário 12 meses para telefilmes documentais Observação: as programadoras que comprovarem a observância de procedimentos isonômicos e públicos de seleção de projetos e conteúdos poderão ser dispensadas da etapa de consulta prévia e enquadramento. Retorno do investimento: Conforme determinado no item 3 acima.

42 SUPORTE SELETIVO PRODAV 03/2013 Propostas de Núcleos Criativos para o desenvolvimento de Carteira de Projetos Período de Inscrições: De 15/01/2014 a 10/03/2014. Modalidade de Seleção: Concurso Objetivo: desenvolvimento de Carteira de Projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas, e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente, destinadas aos segmentos de comunicação eletrônica de massa por assinatura (TV paga), radiodifusão de sons e imagens (TV aberta), salas de exibição, e vídeo por demanda (VOD), e realização de pesquisas qualitativas elaboradas por institutos de pesquisa, Valor total disponível: R$ ,00 (dezoito milhões de reais) Número mínimo de projetos que pretende beneficiar: 18 Núcleos Criativos com o desenvolvimento de até 90 projetos Quem pode buscar os recursos: produtoras brasileiras independentes com registro atualizado na Ancine. É vedada, por via de regra, a alteração da empresa proponente. Observação: É vedado o apoio financeiro ao desenvolvimento de projetos de obras audiovisuais do tipo programas de variedades; e programas do tipo reality show, quando a empresa produtora brasileira independente proponente do projeto não for detentora dos direitos patrimoniais integrais sobre a marca e o formato da obra audiovisual a ser desenvolvida.

43 SUPORTE SELETIVO Condições de Elegibilidade: Para o segmento de televisão: obras constituintes de espaço qualificado (projeto ou formato de obra seriada) Para o segmento de salas de exibição: projeto de longa metragem do tipo ficção ou animação; Para o segmento de vídeo por demanda: projeto de obra seriada de ficção ou animação Observação: Serão aceitas despesas com a realização de episódios piloto ou webisódios, desde que haja extrapolação dos limites de apoio financeiro. Participação em outras linhas de desenvolvimento do FSA: vedado à proponente e a empresas de seu grupo econômico. Limitação de nº de propostas pelo proponente (ou seu grupo econômico): 1 proposta de Núcleo Criativo, contendo, no mínimo, o desenvolvimento de 5 projetos. Limitação de apoio financeiro por projeto: R$ ,00 (um milhão) por Núcleo Criativo; Cada Núcleo Criativo se comprometerá a apresentar o mínimo de 5 projetos desenvolvidos.

44 SUPORTE SELETIVO Regionalização: 30% dos recursos disponíveis para produtoras das regiões N/NE/CO; 10% para produtoras da região Sul, de Minas Gerais e do Espirito Santo Limite de Investimento em relação ao orçamento do projeto: 100% dos itens financiáveis do projeto, sendo que a remuneração de direitos autorais não poderá exceder 50% do valor do apoio financeiro e sendo que a contemplação de episódio piloto fica condicionada à satisfação dos itens do Edital. Itens financiáveis: aqueles listados nos itens e do Edital. Prazo de Contratação: 90 dias após a data de divulgação dos resultados Prazo de Conclusão: 18 meses contados da data de recebimento dos recursos investidos pelo FSA A empresa proponente poderá alterar a composição da Carteira de Projetos até o limite de 50%, comprometendo se com a manutenção do número de projetos da Carteira conforme proposta contemplada, o qual não poderá ser inferior a 5 (cinco) projetos. Da renovação do suporte ao Núcleo Criativo:

45 SUPORTE SELETIVO A renovação do suporte está condicionada à apresentação dos Projetos Desenvolvidos dentro do prazo pré estabelecido e de nova proposta de Desenvolvimento de Carteira de Projetos. Se contemplada, a proponente terá o prazo de 18 meses para o desenvolvimento da segunda Carteira de Projetos. A Linha Núcleos Criativos operará com a meta de renovação de 50% das propostas contempladas na Chamada Pública anterior. Retorno do Investimento: Previsto no item 3 acima

46 SUPORTE SELETIVO PRODAV 04/2013 Apoio Financeiro para realização de Laboratórios Regionais de Desenvolvimento de Projetos Período de Inscrições: De 15/01/2014 a 31/03/2014. Modalidade de Seleção: Concurso Objetivo: investimento em propostas de desenvolvimento de projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente, por meio de laboratórios de desenvolvimento (incluídas despesas com episódio piloto): Valor total disponível: R$ ,00 (dez milhões de reais) Número mínimo de projetos que pretende beneficiar: 58 Quem pode buscar os recursos: produtoras brasileiras independentes com registro atualizado na Ancine. É vedada, por via de regra, a alteração da empresa proponente. Condições de Elegibilidade: Para o segmento de televisão: obras constituintes de espaço qualificado (projeto ou formato de obra seriada) Para o segmento de salas de exibição: projeto de longa metragem do tipo ficção ou animação;

47 SUPORTE SELETIVO Para o segmento de vídeo por demanda: projeto de obra seriada de ficção ou animação Observação: Serão aceitas despesas com a realização de episódios piloto ou webisódios, desde que haja extrapolação dos limites de apoio financeiro. Participação em outras linhas de desenvolvimento do FSA: vedado à proponente e a empresas de seu grupo econômico. Limitação de nº de propostas pelo proponente (ou seu grupo econômico): 1. Limitação de apoio financeiro por projeto: R$ ,00 por obra seriada de animação ou ficção; R$40.000,00 por obra seriada de documentário e formato; e R$70.000,00 por obra não seriada de longa metragem, de ficção e de animação. Regionalização: 30% dos recursos disponíveis para produtoras das regiões N/NE/CO; 10% para produtoras da região Sul, de Minas Gerais e do Espirito Santo.

48 SUPORTE SELETIVO Limite de Investimento em relação ao orçamento do projeto: 100% dos itens financiáveis do projeto, sendo que a remuneração de direitos autorais não poderá exceder 50% do valor do apoio financeiro e sendo que a contemplação de episódio piloto fica condicionada à satisfação dos itens do Edital. Itens financiáveis: aqueles listados nos itens e do Edital. Prazo de Contratação: 90 dias após a data de divulgação dos resultados Prazo de Conclusão: 18 meses contados da data de recebimento dos recursos investidos pelo FSA Retorno do Investimento: Previsto no item 3 acima.

49 SUPORTE SELETIVO PRODAV 05/2013 Apoio financeiro ao desenvolvimento de projetos Período de Inscrições: De 17/02/2014 a 15/04/2014. Modalidade de Seleção: Concurso Objetivo: investimento em propostas de desenvolvimento (incluídas despesas com episódio piloto): I em TV paga ou aberta: projeto de obra seriada ou de formato de obra seriada nos gêneros ficção, animação, documentário ou formato dos tipos programa de variedades ancorado por apresentador e reality show; II em cinemas: projeto de obra não seriada de longa metragem nos gêneros ficção e animação; e III em VOD: projeto de obra seriada nos gêneros ficção e animação. Valor total disponível: R$ ,00 (cinco milhões de reais) Número mínimo de projetos que pretende beneficiar: 26 Quem pode buscar os recursos: produtoras brasileiras independentes com registro atualizado na Ancine. É vedada, por via de regra, a alteração da empresa proponente. Condições de Elegibilidade: Para o segmento de televisão: obras constituintes de espaço qualificado (projeto ou formato de obra seriada)

50 SUPORTE SELETIVO Para o segmento de salas de exibição: projeto de longa metragem do tipo ficção ou animação; Para o segmento de vídeo por demanda: projeto de obra seriada de ficção ou animação Observação: Serão aceitas despesas com a realização de episódios piloto ou webisódios, desde que haja extrapolação dos limites de apoio financeiro. Participação em outras linhas de desenvolvimento do FSA: vedado à proponente e a empresas de seu grupo econômico. Limitação de nº de projetos pelo proponente (ou seu grupo econômico): 2. Limitação de apoio financeiro por projeto: R$ ,00 por obra seriada de animação ou ficção; R$70.000,00 por obra de documentário e formato; e R$ ,00 por obra não seriada de longa metragem, de ficção e de animação. Regionalização: 30% dos recursos disponíveis para produtoras das regiões N/NE/CO; 10% para produtoras da região Sul, de Minas Gerais e do Espirito Santo.

51 SUPORTE SELETIVO Limite de Investimento em relação ao orçamento do projeto: 100% dos itens financiáveis do projeto, sendo que a remuneração de direitos autorais não poderá exceder 50% do valor do apoio financeiro e sendo que a contemplação de episódio piloto fica condicionada à satisfação dos itens do Edital. Itens financiáveis: aqueles listados nos itens e do Edital. Importante: estão excluídos dos itens I, II e III projetos listados no itens e do Edital (ex.: só está incluído o desenvolvimento de programas de variedade e reality cuja detentora de todos os direitos sobre a marca e o formato for a proponente); e o apoio financeiro do FSA implica que todos os direitos patrimoniais sobre a marca, formato, obra e elementos derivados deve ser de empresas produtoras brasileiras independentes. Prazo de Contratação: 90 dias após a data de divulgação dos resultados Prazo de Conclusão: 18 meses contados da data de recebimento dos recursos investidos pelo FSA Retorno do Investimento: Previsto no item 3 acima.

52 CONCLUSÕES Comentar principais situações induzidas pela Ancine com a promulgação do Regulamento Geral e de novas Chamadas Públicas.

53

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DO PRODAV NOÇÕES SOBRE O REGULAMENTO GERAL DO PRODAV O PRODAV é um programa de ação governamental organizado com base nos recursos do Fundo Setorial do

Leia mais

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento MERCADO AUDIOVISUAL Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento Índice Apresentação I. PERFIL DOS AGENTES ECONÔMICOS II. III. VOCAÇÕES DE PRODUÇÕES REGIONAIS LINHAS DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO

Leia mais

Perguntas freqüentes - FAQ

Perguntas freqüentes - FAQ Perguntas freqüentes - FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2008 COMERCIALIZAÇÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

1. Posso inscrever meu projeto de curta ou média-metragem nesta Chamada?

1. Posso inscrever meu projeto de curta ou média-metragem nesta Chamada? CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 05/2013 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento - Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção

Leia mais

Perguntas freqüentes FAQ

Perguntas freqüentes FAQ Perguntas freqüentes FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODAV 01/2008 PRODUÇÃO PARA TELEVISÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 01/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO REGULAMENTO GERAL

PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO REGULAMENTO GERAL PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO Versão atualizada em 27/02/2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES (ITENS 1 A 9) 4 CAPÍTULO II OBJETIVOS E METAS (ITENS 10

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 02/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de aquisição de direitos de obras audiovisuais cinematográficas de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES

CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES A Fish TV, Programadora registrada na ANCINE Agência Nacional de Cinema, visando agregar à sua grade de programação conteúdos de produtoras independentes

Leia mais

Os recursos investidos deverão ser aplicados exclusivamente na produção das obras audiovisuais.

Os recursos investidos deverão ser aplicados exclusivamente na produção das obras audiovisuais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 04/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1 1. Onde posso encontrar as chamadas públicas da Linha de Produção de Conteúdos destinados às TVs Públicas? As Chamadas Públicas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BOX BRAZIL Nº 001/2014

CHAMADA PÚBLICA BOX BRAZIL Nº 001/2014 Box Brazil Avenida Ipiranga, nº 6681 Tecnopuc, prédio 99A, 15º andar, sala 1501A - Bairro Partenon Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 90619-900 Tel.: (55) 51 3021.6161 e-mail: projetos@boxbrazil.tv.br

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual em projetos de comercialização de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014

EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014 EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014 A ALIANÇA CARAJÁS DE CULTURA, ESPORTE E TECNOLOGIA, através do coletivo audiovisual, LABIRINTO CINEMA CLUBE torna

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos III analisar e emitir parecer sobre os requerimentos de reconhecimento provisório de obras audiovisuais produzidas em regime de coprodução Internacional

Leia mais

Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais

Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais O Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais visa incentivar a venda de obras audiovisuais brasileiras a compradores internacionais, em todas as janelas

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 Suplementação regional

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 Suplementação regional CONTRATO DE INVESTIMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE E A PRODUTORA [NOME], SOB A INTERVENIÊNCIA DA DISTRIBUIDORA [NOME], PARA OS FINS QUE ESPECIFICA. BANCO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.454, DE 13 DE MAIO DE 2002. Dispõe sobre remissão da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica -

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS 1. Sobre a Sétima A SÉTIMA quer ajudar os realizadores, artistas, coletivos de audiovisual, distribuidoras e produtoras, que não

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO O Banco do Brasil torna público o concurso Prêmio CCBB Contemporâneo, que visa selecionar trabalhos inéditos de artistas brasileiros

Leia mais

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora ABAR, Agosto de 2013 Agenda Contexto do mercado de TV por Assinatura Panorama econômico

Leia mais

1º Edital Petrobras de Festivais de Música

1º Edital Petrobras de Festivais de Música 1º Edital Petrobras de Festivais de Música REGULAMENTO OBJETIVOS DO EDITAL O apoio previsto neste regulamento tem como objetivos promover: 01. a formação de público para os diversos segmentos da música

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: SHOW DE PRÊMIOS CAMPO DAS OLIVEIRAS PERÍODO DE VIGÊNCIA: 10/07/2015 À 30/12/2015

REGULAMENTO PROMOÇÃO: SHOW DE PRÊMIOS CAMPO DAS OLIVEIRAS PERÍODO DE VIGÊNCIA: 10/07/2015 À 30/12/2015 REGULAMENTO PROMOÇÃO: SHOW DE PRÊMIOS CAMPO DAS OLIVEIRAS PERÍODO DE VIGÊNCIA: 10/07/2015 À 30/12/2015 DADOS DA PROMOTORA DA PROMOÇÃO NOVA PÁTRIA PLANO DE ASSISTÊNCIA FAMILIAR LTDA Rua: Barão de Jacareí,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea"

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea" EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PREÂMBULO A Fundação Bienal de São Paulo convoca interessados

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2013-2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2013-2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO A ANCINE, na condição de secretaria-executiva do Fundo Setorial do Audiovisual, e o BRDE, como seu agente financeiro, fazem

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Mais cinemas para mais brasileiros.

Mais cinemas para mais brasileiros. Mais cinemas para mais brasileiros. ...NUM CINEMA PERTO DE VOCÊ! O Brasil já teve uma grande e descentralizada rede de salas de cinema. Em 1975, eram quase 3.300 salas, uma para cada 30 mil habitantes,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015)

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015) CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015) 1. Onde posso encontrar as chamadas públicas da Linha de Produção de Conteúdos destinados às TVs Públicas? As

Leia mais

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA Instituto Cultural São Francisco de Assis Centro de Promoção da Criança e do Adolescente São Francisco de Assis Estrada João de Oliveira Remião, 4444 Lomba do Pinheiro - Porto Alegre RS www.franciscanos-rs.org.br

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS Promoção a ser realizada por GUARENAS INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Incentivos Fiscais ao Esporte

Incentivos Fiscais ao Esporte Incentivos Fiscais ao Esporte Lei nº 11.438/06 (Lei Federal de Incentivo ao Esporte) José Ricardo Rezende Advogado e Profissional de Ed. Física Autor do: Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009-DPPG

EDITAL Nº 01/2009-DPPG EDITAL Nº 01/2009-DPPG A Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 CONTRATO DE INVESTIMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE E A PRODUTORA [NOME], PARA OS FINS QUE ESPECIFICA. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL

Leia mais

2. QUEM PODE PARTICIPAR

2. QUEM PODE PARTICIPAR EDITAL 1. Edital Instituto Walmart 1.1. Este edital é uma iniciativa do Instituto Walmart com o objetivo de identificar, reconhecer e estimular o desenvolvimento de projetos por organizações da sociedade

Leia mais

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V artigo 14 do Estatuto aprovado pelo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

3. DA ABERTURA, DIA, HORA E LOCAL

3. DA ABERTURA, DIA, HORA E LOCAL Cotação Prévia de Preço n 003-2012 Convênio 11.778 FBB Maior percentual de desconto Cotação prévia de Preços na modalidade maior percentual de desconto para contratação de empresa para intermediação de

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

Regulamento 2015. Objetivos

Regulamento 2015. Objetivos Regulamento 2015 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 20ª edição do festival

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS EDITAL DE CONVOCAÇÃO - PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS A Diretora das Faculdades Integradas Barros Melo torna público o PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS a serem produzidos pelo BAM

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/ Pesquisa-ação em iniciativas educacionais

Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/ Pesquisa-ação em iniciativas educacionais MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE POLÍTICAS CULTURAIS - SPC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO - DEC CHAMAMENTO PUBLICO N 01/2011 Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/

Leia mais

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ( CDURP

Leia mais

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Acesso Público Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Sumário Definição e objetivos 4 Comitê 5 Política de aprovação 7 Premissas para seleção 8 Critérios de avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO B.CHECKIN ZELO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO B.CHECKIN ZELO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO B.CHECKIN ZELO BANCO BRADESCO CARTÕES S.A., instituição financeira com sede no núcleo administrativo denominado Cidade de Deus, sem número, prédio prata, 4º andar, Vila Yara, Cidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EDITAL DE CONCURSO Nº 02, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EDITAL DE CONCURSO Nº 02, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EDITAL DE CONCURSO Nº 02, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 O Ministério da Cultura - MinC, por meio da Secretaria do Audiovisual SAV, torna público o Concurso de

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Regulamento 2014. Objetivos

Regulamento 2014. Objetivos Regulamento 2014 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 19ª edição do festival

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP Versão: 05/2013 Proc. SUSEP 15414.004330/2012-21 CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP SUMÁRIO I - INFORMAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM. O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM. O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM 1. Condições gerais 1.1. REALIZADORA: CLARO S/A, empresa

Leia mais

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM 4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM REGULAMENTO 1. Tipos de projetos beneficiados 2. Leis de incentivo à cultura 3. Categoria especial Acessibilidade 4. Cronograma do Edital 5. Valores de investimento 6. Inscrição

Leia mais

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO 11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO REGULAMENTO DATA E LOCAL Artigo 1º O LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD- GO 2ª EDIÇÃO ocorrerá simultaneamente

Leia mais

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3 1. Critérios Eliminatórios E1 E2 E3 E4 E E6 Critérios Eliminatórios Projeto não foi selecionado por meio do Edital INCRA/DD/DDA Nº 01/2013 para compor a carteira de projetos do INCRA Entidade está enquadrada

Leia mais

Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo. 16º Concurso de Roteiro Capixaba

Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo. 16º Concurso de Roteiro Capixaba 1 Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo 16º Concurso de Roteiro Capixaba A GALPÃO PRODUÇÕES, empresa privada com sede à Rua Professora Maria Cândida da Silva, nº 115 - Bairro República Vitória - Espírito

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

REGULAMENTO. A decisão da comissão julgadora será incontestável.

REGULAMENTO. A decisão da comissão julgadora será incontestável. REGULAMENTO 1 - OBJETIVOS A 11ª Mostra Nacional de Audiovisual Universitário realizada em Mato Grosso visa: a) identificar, reunir, exibir e discutir a produção audiovisual e cinematográfica realizada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal;

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal; RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014 Edital n.º 001/2013 - CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA, no uso de suas atribuições e de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 931/2010 Dispõe sobre incentivo fiscal para a realização de projetos culturais no Município de Juranda, Estado do Paraná, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais