processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia"

Transcrição

1 O que significa produção? Produção pode ser definida como: processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia Pode também ser definida: atividade económica orientada para a obtenção de bens adequados à satisfação das necessidades do homem

2 Quais os fatores de produção? (elementos básicos ) Tradicionalmente consideram se dois fatores (clássicos): a terra e os recursos naturais fator passivo; o trabalho fator ativo. Como fator derivado dos anteriores obtemos o capital conjunto de bens fabricados pelo homem e utilizados para elaboração de outros bens. As teorias modernas consideram um quarto fator de produção, a atividade empresarial, que se encarrega de gerir, ajustar e distribuir os restantes de modo a que um investimento mínimo de matéria prima, energia e dinheiro permita obter uma produção máxima.

3 Quais as funções básicas de um sistema de produção? (todas as atividades que estão relacionadas com a produção de bens e serviços, desempenho, trabalho) As três funções básicas de um sistema de produção: Sistema de produção Finanças Produção Marketing

4 Quais as funções básicas de um sistema de produção? (todas as atividades que estão relacionadas com a produção de bens e serviços, desempenho, trabalho) Tipos de operações Produção de bens Movimentação e armazenagem Entretimento e comunicação Aluguer, permuta e empréstimos Sistemas produtivos Indústrias, construção civil, estaleiros, minerações, agropecuárias. Correio, hotelaria, transportadoras, entrepostos. Estações de TV e rádio, clubes, estúdios de cinema, jornais. Bancos, seguradoras, locadoras de bens.

5 O mundo do trabalho População total População ativa Empregados Desempregados À procura do 1º emprego População não ativa Estudantes Donas de casa Reformados Inválidos Os que vivem de rendimentos População ativa: Conjunto de indivíduos que exerce uma profissão remunerada ou que se encontram desempregados em idade ativa.

6 Setores de atividade económica A população ativa distribui se por 3 sectores de atividade económica: Setor primário atividades económicas ligadas à exploração dos recursos naturais; Setor secundário atividades que transformam matérias primas noutros produtos; Setor terciário atividades ligadas à prestação de serviços.

7 Setor primário Setor primário Engloba as atividades que extraem recursos diretamente da natureza sem qualquer transformação. Atividades incluídas no setor primário Exploração da terra/solo: Pecuária; Silvicultura; Horticultura; Floricultura. Exploração do sub solo: Mineração; Pedreiras; Águas. Exploração dos rios e do mar: Pesca; Salicultura; Aquicultura.

8 Setor secundário Setor secundário Inclui as atividades que transformam matéria prima em produtos acabados ou semi acabados. Atividades incluídas no setor secundário: - Indústria; - Construção civil; - Obras públicas; - Fornecimento de gás, água e eletricidade.

9 Setor terciário Setor terciário Engloba o comércio e os serviços e inclui actividades que não produzem bens mas prestam serviços. Atividades incluídas no setor terciário: - Saúde; - Educação; - Banca; - Seguros; - Transportes; -Turismo.

10 Evolução da distribuição da população pelos setores de atividade económica Percentagem 100% 80% 60% 40% 20% 0% 27% 26% 26% 34% 41,5% 20% 24% 29% 48,5% 56% 33,5% 39% 34,5% 53% 50% 44% 40% 32,5% 19,5% 17% 4% Anos Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário

11 As profissões Qualquer sistema produtivo necessita de recursos humanos para por em prática a sua atividade. Portugal, à semelhança de outros países desenvolvidos, desenvolveu um documento que classifica as profissões. CPP (Classificação das Profissões Portuguesas) Destina se, essencialmente, a fins estatísticos, mas tem também amplo sentido na definição de perfis profissionais, na regulamentação e na acreditação de profissões.

12 As profissões A CPP está organizada a partir de grandes grupos:

13 As profissões

14 As profissões

15 As profissões

16 As profissões

17 Produção artesanal vs produção industrial Principais características da produção artesanal: a matéria prima é transformada utilizando as mãos e ferramentas rudimentares; produção de objetos à medida das necessidades individuais; não existe trabalho de equipa, um só artesão realiza todo o processo; é feita uma peça de cada vez; os objetos são produzidos em oficina que se encontra organizada ou adaptada aos hábitos do artesão; o espaço de trabalho não foi concebido com preocupações ergonómicas nem de acordo com normas de higiene e segurança no trabalho.

18 Produção artesanal vs produção industrial Principais características da produção industrial: o trabalho encontra se organizado em várias fases ou etapas e dividido por equipas especializadas, responsáveis por uma determinada etapa no processo de fabrico ou montagem; utilização de máquinas e ferramentas, automáticas ou automatizáveis, durante todo o processo de transformação ou montagem; produção de objetos em série, podendo os mesmos ser adaptados à medida das necessidades individuais do cliente; os objetos são produzido em fábrica ao longo de linhas de montagem ou células de produção; o espaço de trabalho encontra se organizado em função de tarefas específicas e características do operário respeitando normas de higiene e segurança no trabalho; capacidade de produção de objetos altamente diversificados.

19 Higiene e segurança no trabalho A utilização de qualquer espaço de trabalho implica cuidados especiais, por exemplo: o espaço deve ser arejado ou ventilado; deve possuir uma iluminação adaptada ao tipo de trabalho a executar; deve apresentar informação visível e de fácil compreensão sobre os cuidados a ter na utilização dos seus equipamentos (máquinas/ferramentas); deve ter boas condições de segurança e higiene; deve ter sinalização adequada dos vários espaços.

20 Higiene e segurança no trabalho Sinais de segurança: Sinais de obrigação

21 Higiene e segurança no trabalho Sinais de segurança: Sinais de obrigação

22 Higiene e segurança no trabalho Sinais de segurança: Sinais de proibição

23 Higiene e segurança no trabalho Sinais de segurança: Sinais de perigo

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo. Definição de Economia

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo. Definição de Economia ECONOMIA Prof. M.Sc. João Artur Izzo Definição de Economia Economia é a ciência social que estuda a produção, a circulação e o consumo dos bens e serviços que são utilizados para satisfazer as necessidades

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA Prof. Esp. Claudimar Fontinele ATIVIDADE ECONÔMICA PRIMÁRIA OU SETOR PRIMÁRIO DA ECONOMIA Denomina-se como Setor

Leia mais

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo ECONOMIA Prof. M.Sc. João Artur Izzo Definição de Economia Economia é a ciência social que estuda a produção, a circulação e o consumo dos bens e serviços que são utilizados para satisfazer as necessidades

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produção e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Quanto à propriedade Estatais Privadas

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL PREENCHENDO A MATRIZ FINANCEIRA

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL PREENCHENDO A MATRIZ FINANCEIRA ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL PREENCHENDO A MATRIZ FINANCEIRA Introdução A matriz financeira está dividida em 3 partes (cada parte numafolha diferente do Excel): Hiperligações Pressupostos Viabilidade

Leia mais

Turismo ANÁLISE SETORIAL

Turismo ANÁLISE SETORIAL Turismo ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 TURISMO O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho recente dos setores: Alojamento; Agências de viagem, operadores turísticos, outros serviços

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional SÉRIE ESTATÍSTICA Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950-361 Madalena do Pico. Telefone: 292623661. Fax: 292623666. Contribuinte: 512051534. Web: www.ep-pico.com. E-mail: escolaprofissionalpico@gmail.com

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional SÉRIE ESTATÍSTICA Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950-361 Madalena do Pico. Telefone: 292623661. Fax: 292623666. Contribuinte: 512051534. Web: www.ep-pico.com. E-mail: escolaprofissionalpico@gmail.com

Leia mais

Clique para editar o estilo do. título mestre

Clique para editar o estilo do. título mestre 1 AS EMPRESAS Empresas são unidades de produção nas quais se combinam diversos fatores produtivos para o fornecimento de bens e/ou serviços. 2 EMPRESAS SÃO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS As organizações são unidades

Leia mais

Gráfico1 - População residente com 15 ou mais anos, segundo o grupo etário, perante o grupo socio-económico. Menos de 15 Anos

Gráfico1 - População residente com 15 ou mais anos, segundo o grupo etário, perante o grupo socio-económico. Menos de 15 Anos O Instituto Nacional de Estatística (INE), disponibiliza os dados do Censos 2011. Relativamente ao concelho de Manteigas e concretamente à freguesia de Santa Maria, fizemos uma síntese da informação que

Leia mais

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sectores da Economia Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sector Primário O sector primário está relacionado com a produção através da exploração de recursos da natureza.

Leia mais

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico Economia dos Recursos Naturais Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística.

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. ANEXO 1 Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. 1. Qualificação da população activa portuguesa Gráfico 1.

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional INQUÉRITO FORMADORES EPP

ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO (E.P.P) Secção de Inserção e Orientação Profissional INQUÉRITO FORMADORES EPP SÉRIE ESTATÍSTICA Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950-361 Madalena do Pico. Telefone: 292623661. Fax: 292623666. Contribuinte: 512051534. Web: www.ep-pico.com. E-mail: escolaprofissionalpico@gmail.com

Leia mais

Estatísticas. Caracterização dos desempregados registados com habilitação superior - dezembro de 2014

Estatísticas. Caracterização dos desempregados registados com habilitação superior - dezembro de 2014 Estatísticas Caracterização dos desempregados registados com habilitação superior - dezembro de 2014 ÍNDICE DE QUADROS Secção I 1. Desempregados por nível de ensino Quadro 1.1 - Desempregados registados

Leia mais

Relatório Estatístico Anual dos Contratos Públicos

Relatório Estatístico Anual dos Contratos Públicos Relatório Estatístico Anual dos Contratos Públicos 213 Informação reportada no Relatório Estatístico Anual enviado à Comissão Europeia (art.º 472.º do CCP) e Data: 9jun15 Índice 1. Síntese da informação

Leia mais

Economia Alimentar. Agentes e Circuito Económico

Economia Alimentar. Agentes e Circuito Económico Economia Alimentar Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Assunto: Acordo Económico e Comercial Global entre o Canadá, por um lado, e a União Europeia e os seus Estados-Membros, por outro

Assunto: Acordo Económico e Comercial Global entre o Canadá, por um lado, e a União Europeia e os seus Estados-Membros, por outro Conselho da União Europeia Bruxelas, 14 de setembro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0206 (NLE) 10973/16 ADD 13 WTO 195 SERVICES 20 FDI 16 CDN 12 ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia Contabilidade Analítica 4º semestre Conceição Gomes, Nuno Arroteia 2. Conceitos fundamentais da contabilidade analítica 2 2.1. DEFINIÇÃO DE CUSTO 3 Custo Está incluído no conceito de gasto. Conceito de

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO...

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO... Economia do Brasil INTRODUÇÃO A economia de um país pode ser dividida em setores (primário, secundário e terciário) de acordo com os produtos produzidos, modos de produção e recursos utilizados. Estes

Leia mais

APRESENTAR as novidades do sector. CONTACTAR com potenciais clientes. VENDER ACONSELHAR

APRESENTAR as novidades do sector. CONTACTAR com potenciais clientes. VENDER ACONSELHAR ÂMBITO A Exponor Feira Internacional do Porto em parceria com a ARAN- Associação Nacional do Ramo Automóvel vai organizar na Exponor nos dias 8 a 11 de Junho 2017 a 1ª edição do AUTO Business - Salão de

Leia mais

6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS

6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS 6.4 O CONSUMO DOS RECURSOS NATURAIS E OS SEUS IMPACTOS O consumo dos recursos naturais e os seus impactos A crescente pressão sobre o consumo é provocada por: Aumento populacional Exigência dos padrões

Leia mais

Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais

Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais As Escolhas no Ensino Secundário: Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais Cursos Artísticos Especializados Cursos Científico Humanísticos Cursos

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 17 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

Administração de Produção Prof. Vilmar da Silva A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem

Administração de Produção Prof. Vilmar da Silva A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem Objetivo: Evidenciar que a produção não se faz somente na área afim, é o resultado de toda uma linha de esforço Até 1950 Via de a regra área

Leia mais

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Sistemas Econômicos 2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Um sistema econômico pode ser definido como a forma na qual uma sociedade está organizada em termos políticos, econômicos e sociais para desenvolver as atividades

Leia mais

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s)

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) http://www.mte.gov.br/ NR 01 Disposições Gerais 02 Inspeção Prévia 03 Embargo ou Interdição TEMA 04 Serviços Especializados em Eng. de Segurança

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO CTS, MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO Podemos dividir a economia em três setores: Setor primário Setor secundário Setor terciário CTS, MERCADO E SISTEMA

Leia mais

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva.

O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização de produção (fabril) a avaliar a sua posição competitiva. : Ao preencher o questionário é importante ser honesto e objectivo. Respostas

Leia mais

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação Área de Educação e Formação 212 - Artes do espectáculo Área de Educação e Formação 213 - Audiovisuais e produção dos media Adereços 380 Cenografia 400 Cenotecnia 380 Conjuntos Instrumentais 180 Figurinos

Leia mais

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas "INVESTIMENTOS", "GASTOS" e "RENDIMENTOS"

MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação constante nas folhas INVESTIMENTOS, GASTOS e RENDIMENTOS Presidência do Conselho de Ministros Secretaria de Estado do Desporto e Juventude Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. MAPA SÍNTESE O presente mapa é preenchido automaticamente com a informação

Leia mais

Índice. Indicadores Emprego

Índice. Indicadores Emprego NUT III Península de Índice População Residente Empregada Setor Primário (%)...3 População Residente Empregada Setor Secundário (%)...3 População Residente Empregada Setor Terciário (%)...4 População em

Leia mais

Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro

Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro As obrigações legais previstas no artigo 2.º do Decreto-Lei nº 8/2007, de 17 de Janeiro, devem ser cumpridas através da entrega da Informação Empresarial Simplificada,

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com ORÇAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO Orçamento do Custo de Produção

Leia mais

9º ano e agora? Joana Pais Rodrigues França - Psicóloga

9º ano e agora? Joana Pais Rodrigues França - Psicóloga 9º ano e agora? Joana Pais Rodrigues França Psicóloga Cursos do Ensino Secundário C. Profissionais C. ArtísticoEspecializados C. CientíficoHumanísticos Joana Pais Rodrigues França Psicóloga Junho 017 Cursos

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 7º aula

GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 7º aula GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE 7º aula Prof. Alexandre Gonçalves alexandre.goncalves@uninove.br ARRANJO FÍSICO - LAYOUT Planejar o arranjo físico de uma certa instalação significa tomar decisões

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2008 18 de Novembro de 2008 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2008 foi de 7,7. Este valor

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006 15 de Fevereiro de 2007 A TAXA DE DESEMPREGO DO 4º TRIMESTRE DE 2006 FOI DE 8,2 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2006 foi de 8,2. Este valor

Leia mais

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal passou do 14º para o 5º lugar do ranking do desemprego

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São José do Rio Preto 4 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 Linha Risco Beneficiários (1) Finalidade Limites (R$) Juros Prazo/Carência CUSTEIO Pronaf Custeio Grupo "A/C" (2) /FCO Assentados da Reforma Agrária

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Empresa Deve: Ser organizada: padronização administrativa (planejamento e controle) Ter qualidade: atender a necessidade dos consumidores (prazo, preço,

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE 2015 G4-10 NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES Discriminados por contrato de trabalho e género - por região (2015) (em número) 2 CGD,SA

Leia mais

Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90

Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90 Informação à Comunicação Social 16 de Maio de 2000 Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90 Encontra-se disponível um documento de trabalho com cerca de 50 páginas sobre este

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

Classificação de acordo com a aplicabilidade... Custo Pleno ou Integral Classificação de acordo com a aplicabilidade... Custo Pleno ou Integral Também

Classificação de acordo com a aplicabilidade... Custo Pleno ou Integral Classificação de acordo com a aplicabilidade... Custo Pleno ou Integral Também 10/06/2016 Associação aos produtos têm comportamentos que variam... Identificação e registro Ocorrências ao longo do tempo Alterações de valor nos períodos... Quanto à sua aplicação Custo Pleno ou Integral

Leia mais

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? 1 - CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos Duração de 3 anos 10º, 11º e 12ºanos Sujeitos a 4 eames nacionais:

Leia mais

FABRICO DE MOBILIÁRIO E DE COLCHÕES ANÁLISE SETORIAL

FABRICO DE MOBILIÁRIO E DE COLCHÕES ANÁLISE SETORIAL FABRICO DE MOBILIÁRIO E DE COLCHÕES ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 FABRICO DE MOBILIÁRIO E DE COLCHÕES O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho recente do setor de fabrico de mobiliário

Leia mais

Prof. Francisco C. E. Mariotti

Prof. Francisco C. E. Mariotti Prof. Francisco C. E. Mariotti A RECEITA PÚBLICA Receitas públicas são os recursos previstos em legislação e arrecadados pelo poder público com a finalidade de realizar gastos que atenda as necessidades

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO 2011 SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO/10 OUTUBRO/11 NOVEMBRO/11 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 15.737 100,0 17.831 100,0 18.600 100,0

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 A CONTABILIDADE Conceitos de Contabilidade Objetivos da Contabilidade Produtos da Contabilidade Atributos da Informação Contábil Usuários

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Professor: Graduação: Valmir Gonçalves Carriço www.professorvalmir.com.br / valmir.carrico@anhanguera.com Engenheiro Industrial Mecânico UNISANTA Universidade Santa Cecília Pós Graduação: Engenheiro de

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

www.professoravanucia.blogspot.com A importância da Indústria A Indústria é um dos três setores de atividade da economia. Os outros dois são os serviços e a agropecuária. As atividades agrícolas, o comércio

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Organização da Disciplina. Gestão Empresarial. Aula 1. Classificação das Empresas. Conceito de Empresa

Organização da Disciplina. Gestão Empresarial. Aula 1. Classificação das Empresas. Conceito de Empresa Gestão Empresarial Aula 1 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Organização da Disciplina 1. Administração: conceito e teorias 2. Gestão empresarial na

Leia mais

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera 1 Introdução Ø A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção

Leia mais

Indicadores para avaliação do PDM em vigor

Indicadores para avaliação do PDM em vigor para avaliação do PDM em vigor Primeiro Objectivo Desenvolver, Diversificar e Modernizar a base produtiva Segundo Objectivo Reforço das Acessibilidades Intra-concelhias e Promover o Desenvolvimento Equilibrado

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS Saúde e Seguranca Ocupacional Prof. Carlos William de Carvalho 1 NR-1 Disposições Gerais Determina a aplicabilidade de todas as normas regulamentadoras, assim como os direitos e

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nota metodológica da série retropolada 2002-2009 PIB dos Municípios - Referência 2010 (versão para informação e comentários) Versão 1 outubro

Leia mais

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar

Administração de Serviços. Prof. Marcos Cesar Administração de Serviços Prof. Marcos Cesar A importância dos Serviços na Economia: Grécia Clássica - Importância a educação dos jovens. Serviços deixado de lado, sociedade agrícola e escravocrata. Idade

Leia mais

Índice. Indicadores Emprego

Índice. Indicadores Emprego Índice População Residente Empregada Setor Primário (%)... 3 População Residente Empregada Setor Secundário (%)... 3 População Residente Empregada Setor Terciário (%)... 4 População em idade ativa por

Leia mais

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.)

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.) IIIº RECENSEAMENTO EMPRESARIAL 2007 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE Av. Amilcar Cabral, CP 116 Praia; Telef: 261 38 27/261 39 60; Fax: 261 16 56; Email: inecv@ine.gov.cv QUESTIONÁRIO ESPECIFICO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE DO SECRETÁRIO REGIONAL Observatório do Sistema Educativo e Cultural da RAM EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

Leia mais

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1 CEM01 Sistemas de Informação para Gestão CEM01 Sistemas de Informação para Gestão SI nas Organizações António nio Lencastre Godinho agodinho@mail.islagaia.pt Tel.: 939 381789 O conceito de Sistema no contexto

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC CAMPINAS Manufatura: definições e Modelos Manufatura de bens: como sendo um sistema que integra seus diferentes estágios, necessitando para isso de

Leia mais

Profa. Daciane de Oliveira Silva

Profa. Daciane de Oliveira Silva Profa. Daciane de Oliveira Silva O fenômeno da produção NECESSIDADES HUMANAS ABASTECIMENTO DAS NECESSIDADES EMPRESAS PRIMÁRIAS, SECUNDÁRIAS TERCIÁRIAS T. SETOR ORGANIZAÇÃO Produzir, é, portanto, uma necessidade

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

Atividades produtivas nacionais

Atividades produtivas nacionais Atividades produtivas nacionais Atividades produtivas O trabalho que cada um desenvolve na sua profissão é muito importante, pois contribui não só para a riqueza do país, mas também para o seu bem-estar.

Leia mais

LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO

LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO LISTAGEM DE LEGISLAÇÃO Divisão de Higiene e Segurança no Trabalho Rua de João Gago, 4-2º

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 27 de Maio 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos dos prédios

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA DECLARAÇÃO ANUAL 0 Nº DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUS- TRIAL OU AGRÍCOLA, ENTIDADES

Leia mais

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Mossoró/RN 2014 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende auxiliar

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produçã e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Empresas como sistemas Empresas como

Leia mais

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Fundamentos da adm. de operações A administração de operações pode ser definida como o campo da administração responsável

Leia mais

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica 6. Em 2001 a taxa de actividade em Mondim de Basto ascendeu a 35,8%, valor este, ligeiramente inferior à média registada na NutIII-Tâmega e Região Norte. No concelho registou-se um acréscimo na taxa de

Leia mais

O BNDES Apresentação Institucional Políticas Operacionais

O BNDES Apresentação Institucional Políticas Operacionais O BNDES Apresentação Institucional Políticas Operacionais 1 Aspectos institucionais Focos de apoio financeiro Formas de atuação Novas Políticas Operacionais do BNDES Políticas Operacionais e a Indústria

Leia mais

Canais de Distribuição

Canais de Distribuição LOGÍSTICA DE ABASTECIMENTO Canais de Distribuição Gestão em Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL DEFINIÇÃO A logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o

Leia mais

Gestão de Infra-Estruturas Reguladas. Luís Moura

Gestão de Infra-Estruturas Reguladas. Luís Moura Gestão de Infra-Estruturas Reguladas Luís Moura Agenda 1 ÂMBITO DE ACTIVIDADE 2 PRINCIPAIS CATEGORIAS DE FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS 3 COMPETÊNCIAS E BEST PRACTICES 4 QUALIFICAÇÃO 5 PRINCIPAIS

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores -MIEEC

Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores -MIEEC Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores -MIEEC SESSÃO ESPECIAL"DAMOS ASAS AO TALENTO!" PAULO PORTUGAL pportugal@fe.up.pt 15 de Julho 2017 O QUE FAZ UMENGºELETROTÉCNICO E DE COMPUTADORES?

Leia mais

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho

Leia mais

Anexo IV Tabela das Áreas de Actividades

Anexo IV Tabela das Áreas de Actividades Actividades Relacionadas com o Património Cultural 101/801 Artes Plásticas e Visuais 102/802 Cinema e Audiovisual 103/803 Bibliotecas e Património Bibliográfico 104/804 Arquivos e Património Arquivistico

Leia mais

CEC- Centro Educacional Cianorte

CEC- Centro Educacional Cianorte CEC- Centro Educacional Cianorte A Industrial e Evolução dos Sistemas de Produção Professor: João Claudio Alcantara dos Santos O que é indústria? É o conjunto de atividades econômicas que têm por fim a

Leia mais

GEOGRAFIA DAS INDUSTRIAS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

GEOGRAFIA DAS INDUSTRIAS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA GEOGRAFIA DAS INDUSTRIAS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão O QUE É UMA INDÚSTRIA? INDÚSTRIA É A ATIVIDADE POR MEIO DA QUAL OS SERES HUMANOS TRANSFORMAM

Leia mais

Gestão de Obras. Sumário

Gestão de Obras. Sumário Gestão de Obras Capítulo 5 Sumário Descrever equipamentos Classificação Selecção Abordar aspectos relacionados com a gestão de equipamentos Processos básicos de gestão Atribuição de custos Rendimentos

Leia mais