ASSÉDIO SEXUAL E AS RELAÇÕES COM RECURSOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSÉDIO SEXUAL E AS RELAÇÕES COM RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 123 ASSÉDIO SEXUAL E AS RELAÇÕES COM RECURSOS HUMANOS Celina Onelli Canalli; Gisele Dias Pereira; Milena Braga Faloppa Acadêmicas do Curso de Administração do Centro Universitário UNISEB. Resumo A história da humanidade está repleta de comportamentos indesejáveis de poderosos ou não e desrespeito ao próximo materializados na prática de sexo não consentido pelo menos, não oficialmente. Com a participação cada vez mais frequente da mulher no mercado de trabalho e com a postura de ser independente, diversos tipos de discriminações e agressões têm ocorrido. Dentre elas podemos citar o assédio sexual. No ambiente de trabalho, geralmente, o assédio sexual é cometido por pessoas que estão em nível hierárquico superior ao da vítima. Identificar a agressão é muito delicado, portanto, até que se determine tal ameaça, a vítima sofre calada, prejudicando seu estado psicológico e seu desenvolvimento no trabalho. Os casos de assédio sexual denunciados têm sido levados à justiça onde, hoje, há legislações que defendem qualquer pessoa assediada. Evitar injustiças é o desafio das empresas, sejam elas causadas por percepções equivocadas ou por atos de má-fé que podem até destruir carreiras. A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica e exploratória. Como resultados, foi constatada uma porcentagem maior de mulheres como vítimas das agressões, uma grande parcela de homens de nível hierárquico superior como assediadores, além daa promulgação tardia de Leis que criminalizam os atos. Palavras-Chave: Ambiente de trabalho, Assédio Sexual, Vítimas. Abstract The history of mankind is filled with undesirable behaviors of powerful or not and disrespect to others embodied in the practice of non-consensual sex - at least not officially. With the increasingly frequent participation of women in the labor market and the posture of being independent, different types of discrimination and assaults have occurred. Among them we can mention sexual harassment. On the desktop, generally, sexual harassment is committed by people who are at higher hierarchical level than the victim. Identify aggression is very delicate, so until it is determined that threat, the victim suffers silent, damaging their psychological state and their development at work. The reported cases of sexual harassment have been brought to justice where, today, there are laws that defend harassed anyone. Avoid injustice is the challenge for companies, whether caused by misperceptions or acts of bad faith that can even destroy careers. The methodology used was a literature search and exploratory. As a result, we observed a higher percentage of women as victims of aggression, a large portion of men escalated as stalkers, plus daa late enactment of laws that criminalize acts. Keywords: Work Environment, Sexual Harassment Victims.

2 Introdução O tema assédio sexual não é novidade. Desde os tempos mais remotos, os mais fortes dominam os mais fracos e os homens sempre foram tratados com superioridade, eis que sempre houve a subordinação das negras escravas pelos senhores de engenho, das domésticas pelos filhos e chefes de família. Com a inserção da mulher no mercado de trabalho mostrando sua independência e habilidade, aumentou, também, sua exposição ao risco. Além disso, a mídia, as escolas e o trabalho começaram a discutir abertamente e com frequência as questões sexuais. Segundo o Dicionário Aurélio, assédio significa insistência impertinente, perseguição, sugestão ou pretensão constantes em relação a alguém. Além dessa definição, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) conceitua o assédio como atos de insinuações, contatos físicos forçados, convites impertinentes. Com base nisso, assédio sexual é qualquer tentativa por meio de condutas reprováveis, indesejáveis e rejeitáveis de obter favores sexuais e prejudicar a atividade da vítima. Há algumas décadas, as raras ocorrências eram registradas como perturbação da tranquilidade ou constrangimento ilegal, até que, em meados da década de 70, os Estados Unidos legislaram a primeira Lei sobre assédio sexual. Posteriormente, em 2001, o então Presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso promulgou a Lei brasileira. Caracterizado por chantagem e intimidação, brincadeiras ofensivas, comentários, provocações verbais, o assédio sexual pode ser praticado tanto por mulheres como homens, de nível hierárquico igual, inferior ou superior. As organizações, principalmente o Departamento de Recursos Humanos, para prevenir ou punir, devem tomar algumas medidas e se atentar para não julgar incorretamente o que é ou não assédio sexual. O objetivo da pesquisa é mostrar os princípios do assédio sexual no âmbito laboral, as consequências, tanto para os praticantes quanto para as vítimas, como identificar a agressão, como combatê-lo e ainda a Lei que ampara as vítimas. A metodologia utilizada é bibliográfica e exploratória 2. Quadro Teórico 2.1. Assédio Sexual Os fatos relacionados ao tema assédio sexual datam dos tempos mais remotos da história da humanidade. Há muito tempo, eventos como ofensa pública, insultos, companhias

3 125 não desejadas, principalmente com mulheres, eram preocupantes. O que muita gente pergunta é o porquê de elas serem as principais vítimas do assédio sexual e mais comumente no ambiente de trabalho. A resposta consiste no fato de terem ampliado a participação laboral. Freitas (2001) observou que há algum tempo, a mulher que trabalhava fora de casa era mal vista até pela própria família. Ela afirma que, com o passar dos anos, a necessidade de complementação da renda familiar obrigou-as a trabalhar e a maior participação das mulheres no mercado de trabalho trouxe consigo conflitos e mal estar implícito devidos, principalmente, ao mundo machista em que vivemos. Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de 08 de março de 2013, revelam que 52% das mulheres economicamente ativas no mundo todo já foram assediadas sexualmente no ambiente laboral. No Brasil, a situação é ainda pior, com 40% (dados de 2012). A cultura brasileira abre espaço para esta prática ser mais comum. [...] a nossa musicalidade verbal e corporal diverte-se com um gingado cheio de graça e sinuoso; as referências eróticas da nossa linguagem diária e a beleza sensual de nossas danças divertemnos, (FREITAS, 2001, p. 16). Para os brasileiros, a sinuosidade, a linguagem com entrelinhas, as conversas ambíguas, os olhares são comuns, diferentemente dos Estados Unidos, por exemplo, onde estes atos podem gerar processos judiciais. Nós, brasileiros, somos mais do contorno do que do confronto, (FREITAS, 2001, p. 16). Porém, a mulher brasileira sabe diferenciar bem o que é uma cantada e uma proposta indecente, não precisa que ninguém defenda a honra ofendida, ela, por si só, dá a resposta afiada, dissimulada ou graciosa. Por mais que este tema seja mais frequente no âmbito do trabalho e entre homens superiores assediando mulheres, não são os únicos modos para acontecer o assédio sexual. Ele pode ocorrer, também, contra os homens, embora estes reajam com mais facilidade devido aos estereótipos culturais, entre pessoas do mesmo sexo e em qualquer local. Restringir-nosemos, aqui, apenas ao assédio sexual no trabalho. O assédio sexual no local de trabalho consiste em insinuações constantes, de natureza sensual ou sexual, sem que o assediado as deseje. É uma forma de obrigação. Para Freitas (2001, p. 14), [...] é como se estivéssemos diante de uma situação que só apresenta duas alternativas: a cruz ou a espada. Isto ocorre porque o elemento que pratica o ato dispõe de formas de penalizar o assediado, tais como ameaça de demissão, caso este não aceite a chantagem. Na maioria dos casos, o praticante é um superior hierárquico.

4 126 A questão da obrigação e da conduta sexual indesejada é o que distingue a prática de outras relações amistosas, nas quais há reciprocidade. O assédio consiste sempre numa conduta sexual não desejada, portanto não é possível considerar como tal o flerte ou a paquera. Nada impede que, nesse convívio diuturno, colegas de trabalho tenham, entre si, um relacionamento amoroso, fruto de paixões espontâneas nascidas justamente pelo conhecimento do temperamento, personalidade e caráter do companheiro de labor, (PAMPLONA FILHO, 2006, p. 67). Lippmann (2001), afirma que as simples intenções de sedução do companheiro de trabalho, inferior ou superior hierárquico, feitas sem insistência e sem ameaça não constituem assédio. O Ministério da Saúde do Brasil, em uma cartilha sobre o assunto divulgada em 2008, destacou que uma simples paquera, a aproximação para um relacionamento amoroso ou mesmo sexual, a proposta sexual feita sem insistência, meros elogios, a cantada dentro de uma festa da organização depois que um colega bebeu além da conta, caso de proposta sexual que haja acordo entre as partes não são considerados assédio sexual. Para caracterizar um assédio sexual o ato deve ser, por exemplo, abuso verbal ou comentário sexista sobre a aparência física, frases ofensivas de duplo sentido, alusões grosseiras, humilhantes ou embaraçosas, elogios atrevidos, convites insistentes para almoços ou jantares, exibição de material pornográfico, apalpadas, fricções ou beliscões ofensivos, etc. Lippmann (2001) diz que há três elementos que separam o flerte do assédio: a chatice, a insistência e o uso do poder como forma de coerção. Pamplona Filho (2006) diz que não há unanimidade quanto aos elementos definidores, porém, o básico para ser configurado um assédio sexual é que haja agente e destinatário, conduta de natureza sexual, rejeição ao agente e reiteração da conduta. Existem dois tipos de assédio sexual, definidos por Pamplona Filho (2006): 1-Assédio Sexual por Chantagem: é o tipo criminal previsto pela Lei /2001. É aquele em que o agente exige a prática e/ou a aceitação da conduta sexual indesejada, ameaçando a vítima a perder algum benefício. No assédio sexual por chantagem, o assediador também pode pretender que a vítima pratique algum ato de natureza sexual com a promessa de algo em troca. Justamente em função desta barganha de natureza sexual, é que esta forma de instigamento é conhecida como assédio sexual quid pro quo, que quer dizer, literalmente, isto por aquilo. Ele é consequência direta de um abuso de poder;

5 127 2-Assédio Sexual por Intimidação: que envolve incitações sexuais inoportunas, solicitações sexuais ou outras manifestações da mesma índole, verbais ou físicas, com o efeito de prejudicar a atuação de uma pessoa ou de criar uma situação ofensiva, hostil, de intimidação ou abuso no ambiente em que é intentado. Esta forma viola o direito a um ambiente laboral sexualmente sadio, daí ser conhecido como Assédio Sexual Ambiental. Ele não é consequência do abuso de poder e, também, não é reconhecido pela Lei Legislação Atualmente, devido ao assunto ser tão universal a ponto de a maioria dos países apresentarem expressões próprias para identificá-lo, como observado por Pamplona Filho (2006), o assédio sexual é considerado um crime, pois contém componentes de extrema violência moral, na medida em que provoca insegurança profissional na vítima, existindo, portanto, Leis para punir quem pratica tal ato. Nos Estados Unidos, país onde o assédio sexual atingiu dimensões presidenciais, o delito foi reconhecido em 1977, inclusive com a criação de um órgão governamental que é responsável pela fiscalização de qualquer forma de discriminação e assédio sexual nas relações de emprego, na Europa, em 1991 com diferentes disposições jurídicas em cada país e, no Brasil, em Em solo brasileiro, apenas o assédio sexual praticado no ambiente de trabalho é reconhecido pela justiça. De acordo com a Lei número , de 15 de maio de 2001, assédio sexual consiste em constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função. A pena pode ser de um a dois anos. Como punição, há a previsão para a pena de ausência de liberdade, porém, o assediador só é preso se houver violência ou grave ameaça à vítima. Do contrário, há as penas alternativas, como prestação de serviços à comunidade, doações de cestas básicas a instituições de caridade, dentre outras. A situação é muito difícil, fere a honra do assediado, o constrange, provoca tristeza, revolta e indignação. Por isso, muitas pessoas, principalmente as do sexo feminino, preferem ficar caladas, aguentar o assédio ou até mesmo ceder às pressões com medo de perder o emprego. Mas, há soluções para o problema. O Ministério da Saúde do Brasil sugeriu alguns meios de denunciar o agressor:

6 128 Romper com o silêncio; Dizer claramente não ao assediador; Contar para os colegas o que está acontecendo; Reunir provas, como bilhetes, presentes e outras; Arrolar colegas que possam ser testemunhas; Reportar o acontecido ao setor de recursos humanos; Caso o assediador seja o gestor, o melhor a fazer é deixar a empresa. Caso a vítima seja atendida, ela possui o direito a transferência de setor sem perder o salário ou ser rebaixada de cargo. Outra alternativa seria o diálogo. Caso isto ainda não resolva o problema, a situação deve ser levada à Justiça. Robbins (2011) acredita que em muitos casos denunciar a agressão não resolve, pois a organização pode responder de maneira negativa ou inútil. Robbins (2011, p. 410) mostrou em um estudo que quem sofre assédio sexual apresenta menor satisfação no trabalho reduzindo o nível de produtividade e comprometimento com a organização. O caso apontou também que a agressão debilita a saúde física e mental da vítima, concluindo então que o assédio sexual é significativa e substancialmente associado a muitos danos. O Ministério da Saúde, na cartilha divulgada em 2008, apontou as seguintes consequências causadas nas vítimas que sofrem o ato: Estresse Emocional; Sentimento de culpa; Perda do poder de concentração; Transtornos de adaptação; Ansiedade; Insegurança; Baixa auto-estima; Perda de produtividade; Falta de motivação Relações do assédio sexual com os Recursos Humanos Embora haja a justiça para julgar os casos de assédio de sexual, não se podem descartar as ações das organizações, principalmente do Departamento de Recursos Humanos, para evitá-los ou puni-los.

7 129 É possível, para evitá-los, disseminar políticas contra este tipo de prática definindo o que é o assédio sexual e quais as punições que o assediador terá cometendo tal ato, assegurando que as vítimas que denunciarem não sofrerão nenhum tipo de punição, criar meios de formalizar reclamações, assegurando a tranquilidade dentro das organizações, instituir um Código de Ética ou de Conduta, organizar seminários conscientizando os funcionários sobre o que caracteriza o assédio sexual e como deve ser evitado e, para puni-los, adotar sanções trabalhistas como a ruptura do contrato por justa causa e tornar públicas tais sanções mesmo que dentro da empresa para que sirvam de exemplo para os outros colaboradores. (Robbins, 2011) Além disso, é necessário que os gestores tenham muita atenção. Em outro estudo apontado por Robbins (2011), os pesquisadores observaram que 70 por cento dos gestores julgaram não perceber nenhuma prática que configura o assédio sexual. Analisar as atitudes e tomar os devidos cuidados também é de suma importância, pois hoje, qualquer atitude, elogio, observação ou até um simples convite para um almoço podem ser interpretados incorretamente, causando danos ao indivíduo e à imagem da empresa. [...] apenas é necessário que pessoas e organizações se conscientizem que o assédio sexual não é definitivamente uma brincadeira de mau gosto, nem uma birra pessoal, nem uma tara incontrolável, nem um ato inconsequente, muito menos uma cantada infeliz (FREITAS, 2001). 3. Metodologia Este estudo apresenta uma pesquisa bibliográfica (fonte secundária) que consiste em levantar toda a bilbiografia sobre o tema abordado e ainda fazer com que o pesquisador fique de frente com tudo que já foi escrito sobre o assunto. (MARCONI; LAKATOS, 2009). Foi apresentada, também, a pesquisa exploratória, cujo objetivo é dar direcionamento e conhecimento ao tema que será abordado no trabalho, tendendo a ser flexível, pois nem sempre o pesquisador tem uma definição clara do que investigará. (GIL, 2010). Assim, as fontes de pesquisa deste trabalho foram a internet e referências bibliográficas, conseguindo levantar no total doze materiais para alimentar a pesquisa. As palavras utilizadas nas buscas foram: assédio sexual e a sua relação com o departamento de recursos humanos e demais palavras relacionadas ao tema abordado encontrados nas seguintes fontes: Ministério da Saúde, Planalto do Governo para consulta de

8 130 Leis, autores renomados na área de comportamento organizacional e recursos humanos e Organização Internacional do Trabalho. 4. Resultados Baseando-se no quadro teórico apresentado, nos artigos e dados pesquisados, são resumidos os seguintes resultados: As vítimas do assédio sexual são na maioria do sexo feminino; Os assediadores são na maioria dos casos homens de nível superior hierárquico, não descartando a hipótese de serem vítimas também; O assédio sexual só foi reconhecido como crime no mundo recentemente; A cultura brasileira abre maior espaço para o assédio; O diálogo ou a justiça são algumas das formas de resolver o problema; É possível as organizações dominarem o tema criando métodos de prevenção e punição. Com a presença frequente da mulher no mercado de trabalho, sua exposição ao risco aumentou e ela passou a ser presa fácil de seus colegas, principalmente superiores, que aproveitam de seu poder para satisfazer os seus desejos sexuais com mais facilidade. Os casos de assédio sexual no passado eram raramente identificados pelos tribunais no mundo todo, porém a frequência dos acontecimentos aumentou ao longo dos anos, e apenas recentemente com a maior divulgação e discussão do assunto gerando polêmicas foram criadas Leis que amparam as vítimas e condenam os criminosos. Embora mundialmente o assédio sexual seja praticado com frequência, a cordialidade dos brasileiros, a beleza e a sensualidade das mulheres tupiniquins e a linguagem aberta a duplas interpretações facilitam insinuações indesejáveis, tornando o tema mais comum. Para solucionar o problema, o modo mais simples seria o diálogo. Ele evita o envolvimento de mais pessoas e diminui o constrangimento entre as partes. Porém, a situação é difícil, a vítima se sente envergonhada e amedrontada tornando o diálogo mais árduo, impossibilitando a realização. Uma segunda opção é a denúncia na própria organização. A justiça é outro meio facilitador e menos constrangedor, porém algumas pessoas não o utilizam com receio da exposição e da perda do emprego. Portanto, para que essas situações não ocorram, as organizações devem implementar as práticas de prevenção que auxiliam os funcionários, tornando mais claros os direitos. Além

9 131 disso, as empresas devem impor políticas de punição aos assediadores como forma, também, de expor aos demais as possíveis consequências do fato. 5. Conclusões O assédio sexual tornou-se um tema frequente no mundo todo. É constante a mídia noticiar lastimáveis fatos ocorridos no ambiente de trabalho, nas ruas, nas escolas, principalmente com mulheres sendo vítimas. O porquê disso apresenta como respostas a conquista cada vez maior de independência por parte daquelas que no passado e até hoje são vistas como o sexo inferior, pelo mundo machista habitado por sete bilhões de pessoas e pelo comportamento daqueles que se vangloriam de poderes para satisfazerem necessidades sexuais. No Brasil, devido à cultura predominante de mulheres sensuais e linguagem ambígua, muito se confunde casos em que há assédio sexual e aqueles em que há reciprocidade, diferente de outros países, como os Estados Unidos, por exemplo, onde alguns gestos, aceitos pelos brasileiros, podem gerar processos na Justiça. É tudo uma questão de cultura. A obrigação e a conduta sexual indesejada é o que distingue a prática de outras relações amistosas, correspondidas por ambas as partes. As vítimas muito sofrem por serem obrigadas a se relacionar com os assediadores para evitar consequências indesejadas e, na maioria das vezes, preferem ficar quietas ao invés de denunciar. Isto fere a honra, provoca constrangimento e pode até destruir a carreira profissional, que antes parecia sólida. Para acabar com o problema, aconselha-se dialogar com o agressor, porém muitas vezes a vítima não é capaz por sentir-se constrangida, reprimida ou por ter medo de ser demitida. As organizações devem desenvolver um papel de suma importância para prevenir a ocorrência de assédio sexual no ambiente laboral. Workshops, seminários, políticas informando em que consiste o assunto, o que fazer para evitá-lo nas relações com os colegas e como denunciar são algumas maneiras que as organizações podem utilizar. É do feitio das empresas, também, punir os acusados. Primeiramente, deve haver provas. É necessário, além de provas, que os casos sejam avaliados com muita atenção para não confundir relações recíprocas, como simples cantadas, com o assédio. Caso as organizações não solucionem os problemas, a situação deve ser levada a justiça. Depois de muito tempo com poucos casos reconhecidos judicialmente, foram criadas Leis pelo mundo todo para amparar aqueles que sofrem o assédio sexual e punir merecidamente aqueles que o praticam, seja em lugares sociais, seja no ambiente de trabalho, como

10 132 comumente ocorrido e como é reconhecido no Brasil. Mas, vale ressaltar que as vítimas devem possuir provas e coragem, pois são poucas as que recorrem aos tribunais. Portanto, o assédio sexual, embora seja um assunto que coloca medo em muita gente, felizmente hoje é passível de combate. Bastam o bom senso e a iniciativa para que mais carreiras não sofram avalanches. Referências ALVES, Gabriel Alexandrino. O assédio sexual na visão do Direito do Trabalho. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/4476/o-assedio-sexual-na-visao-do-direito-dotrabalho>. Acesso em 25 abril ARCOVERDE, Letícia. No Brasil, 40% já sofreram assédio sexual, diz pesquisa. Disponível em: <http://www.valor.com.br/carreira/ /no-brasil-40-ja-sofreram-assediosexual-diz-pesquisa>. Acesso em: 27 abril BRASIL. Ministério da Saúde. Assédio Violência e Sofrimento no Ambiente de Trabalho: Assédio Sexual. Cartilha proferida pelo Núcleo de Relações de Trabalho (NRT/CGRH), Brasília, Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/cartilhasexual.pdf>. Acesso em: 26 abril BRASIL. LEI N Altera o Decreto-Lei n o 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Código Penal, para dispor sobre o crime de assédio sexual e dá outras providências. Disponível em: < >. Acesso em 27 abril COSTA, Leonor; SANTOS, Adriana Rosa dos. Assédio Moral e Sexual no Trabalho. Cartilha elaborada pela Subcomissão Gênero, com a participação da Comissão de Ética do Ministério do Trabalho e Emprego, Brasília, Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/data/files/8a7c812d32b088c70132d9aab506149c/assediomora lnotrabalho.pdf>. Acesso em: 28 abril FREITAS, Maria Ester de. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.41, n.2, p 8-19, abr./jun., Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/ouvidoria/images/stories/pdf/maria_ester_de_freitas.pdf>. Acesso em: 27 abril GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, LIPPMANN, Ernesto. Advogado discute valor de indenização por assédio sexual após nova lei. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2001-mai- 20/fica_punicao_assedio_sexual_lei_10224>. Acesso em: 25 abril.2013.

11 133 MARCONI Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Assédio sexual: questões conceituais. [S.I]: [s.n], Disponível em: <http://www.eft.org.ar/pdf/eft2006_15pp59-80.pdf>. Acesso em: 27 abril ROBBINS, Stephen P.; JUDGE, Timothy A.; SOBRAL Filipe. Comportamento Organizacional teoria e prática no contexto brasileiro. 14. ed. São Paulo: Pearson, SOUZA, Marcelle. 52% das mulheres já sofreram assédio no trabalho; falta de provas dificulta condenações. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/empregos/ultimasnoticias/2013/03/08/52-das-mulheres-ja-sofreram-assedio-no-trabalho-falta-de-provasdificulta-condenacoes.jhtm>. Acesso em: 25 abril.2013.

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 Assédio Sexual No Local de Trabalho Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 No início de tudo está a questão de Gênero Desde que nascemos, recebemos uma grande carga cultural que destaca - e distancia

Leia mais

Assédio Moral e Sexual no Trabalho

Assédio Moral e Sexual no Trabalho A MISSÃO DA SCHIMITD Zelar pela proteção e bem estar de nossos clientes, oferecendo sempre soluções inovadoras para atender suas necessidades, visando aliar soluções qualidadeà preçoscompetitivos. de Assédio

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Conceito: É toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que, intencional e freqüentemente, fira a dignidade e a integridade física

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. MAURO PASSOS) Dispõe sobre o assédio moral nas relações de trabalho. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É proibido o assédio moral nas relações de trabalho. Art. 2º

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Como se livrar da humilhação

Como se livrar da humilhação 1 Como se livrar da humilhação Casos de assédio moral triplicam na Justiça em quatro anos. Veja o que fazer para evitar problemas no trabalho e não prejudicar sua carreira Andrea Giardino Há três anos,

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Versão 1.0 RES nº 101/2014, 09/12/2014 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Conceitos... 3 4. Referências... 4

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Cartilha Assédio Moral, Sexual e Discriminação José Roberto Arruda Governador Paulo Octávio Vice-Governador Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Antônio Gomes Presidente

Leia mais

Assédio Moral e Sexual no Trabalho - Campanha de Prevenção - SEEB

Assédio Moral e Sexual no Trabalho - Campanha de Prevenção - SEEB 4 Assédio Moral e Sexual no Trabalho Campanha de Prevenção Sindicato dos Bancários de Santa Maria e Região 2 Expediente Assédio Moral e Sexual no Trabalho é uma publicação do Sindicato dos Bancários de

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO FERRAZ, Neila Borges 1 RESUMO O presente trabalho apresenta uma abordagem sobre o Assédio moral no ambiente de trabalho, tendo como a principal finalidade analisar

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

Conceituando a violência

Conceituando a violência Conceituando a violência A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Violência como o uso de força física ou poder, em ameaça ou na prática, contra si próprio, outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL

O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL APRESENTAÇÃO Para contribuir com o desenvolvimento das pessoas em uma organização e torná-las ainda mais produtivas, é preciso um

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 6.504, DE 2013 Institui e estabelece a criação da campanha anti-bullying nas escolas públicas e privadas de todo país, com validade em todo Território Nacional.

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

Zoação e violência não são brincadeiras.

Zoação e violência não são brincadeiras. Zoação e violência não são brincadeiras. Ministério Público do Estado de Minas Gerais Expediente Ministério Público do Estado de Minas Gerais Procurador-Geral de Justiça Corregedor-Geral do Ministério

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS É possível matar alguém só com palavras? A humilhação, gesto, palavras ofensivas no ambiente de trabalho ou qualquer outro

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 2. REAÇÃO A UMA PROVOCAÇÃO INJUSTA 3. OFENSAS FÍSICAS 4. OFENSAS VERBAIS 5. BRIGAS FORA DA EMPRESA 5.1. Em frente ao estabelecimento empresarial

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.369, DE 2003 Dispõe sobre o assédio moral nas relações de trabalho. Autor: Deputado MAURO PASSOS Relator: Deputado VICENTINHO

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 CONCEITO Dano Moral Assédio Moral 2 Assédio Moral no Trabalho Conduta sem conotação sexual, ligada ao abuso de poder e caracterizada por práticas de humilhação e

Leia mais

Código de Ética Versão 1.0 Maio de 2015

Código de Ética Versão 1.0 Maio de 2015 Código de Ética Versão 1.0 Maio de 2015 Sumário 1 Introdução... 4 2 Condutas não toleradas nos princípios da empresa... 5 2.1 A transparência e ética fundamentam a sua relação com o mercado... 5 2.1.1

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro,

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, Ana Dantas A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, um grupo ou uma comunidade, que cause ou

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: análise dos casos registados Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Publicado em Outras Vozes, nº 7, Maio de 2004 A WLSA Moçambique concluiu

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) 1 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) Acrescenta inciso IV ao 1º e 3º ao art. 241 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 Estatuto

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

ASSÉDIO SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO RESUMO

ASSÉDIO SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO RESUMO ASSÉDIO SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Letícia Lelis Diniz leticia_lelis@hotmail.com Lívia Garcia Alves de Souza liviagasouza@gmail.com Luan Rodrigues da Conceição luan@unisalesiano.edu.br Marcelo Rangel

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego. Assédio Moral e Sexual no Trabalho

Ministério do Trabalho e Emprego. Assédio Moral e Sexual no Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego Assédio Moral e Sexual no Trabalho 2013 Assédio Moral e Sexual no Trabalho Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo André Peixoto Figueiredo Lima

Leia mais

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal Previna-se Denuncie Sinttel-DF Assédio Moral é crime Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal 2 Sua dignidade é o seu maior patrimonio O Sinttel-DF está muito preocupado com

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Tema: Governança Corporativa e Compliance: como aplicar em empresas de médio porte. Palestrante: Carlos Alberto de Moraes Borges

Tema: Governança Corporativa e Compliance: como aplicar em empresas de médio porte. Palestrante: Carlos Alberto de Moraes Borges Tema: Governança Corporativa e Compliance: como aplicar em empresas de médio porte Palestrante: Carlos Alberto de Moraes Borges Estrutura da apresentação A visão de Governança Corporativa e Compliance

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR COLABORADOR(ES): ANTÔNIO CARLOS MARQUES, LUCIANE MARIA ALVARES SATURNINO

TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR COLABORADOR(ES): ANTÔNIO CARLOS MARQUES, LUCIANE MARIA ALVARES SATURNINO TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS AUTOR(ES):

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais