Tradução para a língua portuguesa do M.D. Anderson Symptom Inventory head and neck module (MDASI-H&N)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tradução para a língua portuguesa do M.D. Anderson Symptom Inventory head and neck module (MDASI-H&N)"

Transcrição

1 Artigo Original Tradução para a língua portuguesa do M.D. Anderson Symptom Inventory head and neck module (MDASI-H&N) Translation of the M.D. Anderson Symptom Inventory - head and neck module (MDASI-H&N) to Brazilian Portuguese RESUMO ABSTRACT 1 Karine Azevedo São Leão Ferreira 2 William Nassib William Jr. 3 Tito R. Mendonza 4 Miako Kimura 5 Luiz Paulo Kowalski David I. Rosenthal 7 Charles S. Cleeland Introdução: Pacientes com câncer de cabeça e pescoço (CCP) apresentam diversos sintomas durante o curso de sua doença, sejam decorrentes do câncer ou do tratamento. Entretanto, esses sintomas são raramente avaliados de forma rotineira, resultando em identificação tardia, piora da qualidade da vida, com impacto significativo na capacidade funcional dos pacientes e nos custos da assistência. Há diversos instrumentos genéricos disponíveis para avaliar múltiplos sintomas em pacientes com câncer e, ao menos, dois específicos para pacientes com CCP (o Head and Neck Distress Scale [HNDS] e o M. D. Anderson Symptom Inventory - Head&Neck [MDASI-H&N]). Infelizmente, nenhum desses instrumentos foi traduzido ou validado para o português do Brasil. Objetivo: Apresentar a tradução da versão brasileira do MDASI- H&N, uma ferramenta simples, de auto-relato, validada na língua inglesa, específica para avaliar a presença e intensidade de múltiplos sintomas em pacientes com CCP e o impacto desses sintomas na vida diária. Métodos: Foi realizada tradução e retrotradução do MDASI-H&N, considerando os padrões internacionalmente recomendados, sendo as versões finais comparadas e avaliadas por comitê de pesquisadores brasileiros e do hospital M. D. Anderson Cancer Center. Resultados: O instrumento traduzido é apresentado nessa publicação e, atualmente, passa por processo de validação clínica no Brasil. Conclusão: Por ser um instrumento padronizado internacionalmente e racionalmente estabelecido, recomenda-se que, após sua validação em português, o MDASI-H&N seja adotado como a ferramenta padrão-ouro para avaliação sintomática de pacientes de cabeça e pescoço em protocolos clínicos conduzidos no Brasil e na prática clínica diária. Descritores: Neoplasias de Cabeça e Pescoço. Sinais e Sintomas. Avaliação da Deficiência. Atividades Cotidianas. Introduction: Head and neck cancer (HNC) patients present multiple symptoms during the course of their disease, either as a result of cancer itself or its treatment. Nonetheless, these symptoms are rarely systematically assessed, leading to delays in their identification, quality of life deterioration, thus resulting in significant impact on patient functional capacity and costs of health care. Generic instruments for symptom evaluation in cancer patients are available, and two have been specifically designed for HNC (the Head and Neck Distress Scale [HNDS] and the M. D. Anderson Symptom Inventory - Head&Neck [MDASI-H&N]). Unfortunately, none of these tools have been translated to or validated in Brazilian Portuguese. Objective: To describe the Brazilian Portuguese version of the MDASI-H&N, a simple, selfreporting tool, which was originally developed and validated in English. It was specifically designed to assess the occurrence and severity of multiple symptoms, the overall symptom burden, and the interference of these symptoms with daily life. Methods: Translation and back-translation of the MDASI-H&N to Brazilian Portuguese were performed. The final versions were compared and contrasted by a committee composed of investigators from Brazil and from M. D. Anderson Cancer Center. Results: The translated instrument is presented herein. It is currently undergoing clinical validation in Brazil. Conclusion: Since the MDASI-H&N is an internationally standardized and rationally designed instrument, we strongly recommend that, after the clinical validation in Portuguese, this tool be adopted as the gold-standard instrument for symptom evaluation in HNC patients participating in clinical studies in Brazil, as well as in routine clinical practice. Keywords: Head and Neck Neoplasms. Signals and Symptoms. Disability Evaluation. Activities of Daily Living. INTRODUÇÃO Pacientes com câncer freqüentemente relatam sintomas decorrentes da doença em si ou relacionados à toxicidade dos tratamentos oncológicos. Esses sintomas, quando não identificados e tratados precocemente, estão associados à 1,2 3 redução da sobrevida, da qualidade de vida e da capacidade 4 funcional destes indivíduos. A prevalência, a intensidade e a percepção da importância e impacto dos sintomas na qualidade de vida e atividades diárias apresentam grande variabilidade entre pacientes e são fortemente influenciadas pelo estádio da doença e do tratamento. Estudo avaliando a importância atribuída pelos pacientes com câncer de cabeça e pescoço (CCP) aos sintomas antes e após tratamento radioterápico verificou que antes da radioterapia, a capacidade para deglutir alimentos e líqüidos foi considerada a habilidade que o paciente menos gostaria de perder, seguida pela voz. Após o término da radioterapia, estar sem dor 1) Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Pesquisadora visitante do Department of Symptom Research, the University of Texas M.D. Anderson Cancer Center, Houston, Texas, Estados Unidos. 2) Médico Residente do Department of Thoracic/Head and Neck Medical Oncology the University of Texas M.D. Anderson Cancer Center, Houston, TX, Estados Unidos. 3) Professor Doutor do Department of Symptom Research, the University of Texas M.D. Anderson Cancer Center, Houston, TX, Estados Unidos. 4) Professora Livre-Docente do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. 5) Professor Livre-Docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Diretor do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Otorrinolaringologia do Hospital A. C. Camargo, São Paulo. ) Professor Associado do Department of Radiation Oncology, the University of Texas M. D. Anderson Cancer Center, Houston, Texas, Estados Unidos. 7) Professor Doutor. Diretor do Department of Symptom Research, the University of Texas M.D. Anderson Cancer Center, Houston, TX, USA. Instituições: University of Texas M.D. Anderson Cancer Center e Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Otorrinolaringologia do Hospital A. C. Camargo Correspondência: Karine Azevedo São Leão Ferreira, Rua Coronel Camisão, 409 apto São Paulo, SP. Brasil. e Recebido em: 27/12/2007; aceito para publicação em: 21/03/2008; publicado on-line em: 15/05/2008. Conflito de interesse: nenhum. Fonte de fomento: nenhuma. Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 37, nº 2, p , abril / maio / junho

2 5 foi o principal aspecto priorizado pelos pacientes. Os sintomas mais prevalentes em pacientes com câncer de cabeça e pescoço (CCP), independente da modalidade de tratamento, são problemas com muco ou secreções e presença de inflamação e feridas na faringe ou boca, alteração no paladar, dificuldade para deglutir/mastigar, xerostomia, dor e fadiga. A freqüência dos sintomas varia a depender do tipo de tratamento recebido. Pacientes submetidos apenas à radioterapia referem, principalmente: xerostomia, alterações na 3 saliva, dor e dificuldades para deglutir, abrir a boca e comer. Esses sintomas são mais prevalentes em pacientes submetidos à radioterapia convencional que à conformacional. Nos pacientes submetidos à radioterapia conformacional, observa-se maior incidência de dor, perda do apetite (inapetência), dificuldade para deglutir, falar e comer, alteração no 7 paladar e olfato e alterações dentárias. A depressão também é 8 observada entre pacientes em radioterapia. Entre os brasileiros com câncer de cabeça e pescoço, estudo realizado com pacientes atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo verificou que os sintomas mais prevalentes foram dificuldade para mastigar e deglutir, dor e diminuição no fluxo salivar. Esses sintomas foram relatados pelos pacientes até um ano após o tratamento, estando associados à piora da qualidade de vida 9 relacionada à saúde. Assim, a avaliação regular dos sintomas é fundamental para assegurar a identificação e o tratamento precoce, bem como a manutenção e promoção da qualidade de vida dos pacientes com CCP. Os sintomas geralmente apresentam-se concomitantemente, devendo ser investigados por instrumentos de avaliação dos múltiplos sintomas. Essa avaliação pode ser objetiva ou subjetiva. A primeira refere-se à avaliação dos sintomas realizada pelo profissional de saúde e, dentre os instrumentos aplicados, destaca-se o Critério Comum de Toxicidade do 10 National Cancer Institute (NCI), que tem sido largamente utilizado em protocolos clínicos. A avaliação subjetiva é realizada pelos instrumentos de autorelato, também denominados patient-reported outcomes (PRO), que avaliam a percepção do paciente sobre o seu tratamento ou condição clínica. PRO são medidas de qualquer aspecto do estado de saúde do paciente, as quais são relatadas diretamente pelo paciente, sem a interpretação das 11 respostas pelo médico ou qualquer outra pessoa. Dentre as medidas de PRO, estão as de avaliação de sintomas e as de qualidade de vida. Essas medidas de sintomas podem ser genéricas (utilizadas para mensurar sintomas de qualquer grupo de indivíduos) ou específicas (utilizadas para mensurar sintomas em grupos específicos de doenças, faixa etária, gênero etc.). Os instrumentos genéricos, embora sejam úteis para fazer comparações entre indivíduos com diferentes doenças, não apresentam a especificidade necessária para determinar o 12 verdadeiro impacto, seja dano ou benefício, de tratamentos. Assim, os instrumentos específicos deveriam ser preferencialmente utilizados em ensaios clínicos e para avaliar resposta terapêutica na prática clínica diária. Estão disponíveis atualmente vários instrumentos genéricos 13 para avaliação de múltiplos sintomas, mas eles diferem em número de sintomas avaliados, nível de medida (ordinal, nominal, contínua etc.) e o período de avaliação a que se referem (ex. as últimas 24 horas, a última semana, o último mês etc.). Os mais freqüentemente utilizados são: Symptom Distress Scale, Memorial Symptom Assessment Scale, Rotterdam Symptom Checklist, Edmonton Symptom Assessment e, mais recentemente, o MD Anderson Symptom Inventory (MDASI). O Inventário de Sintomas do M.D. Anderson (MDASI-core) tem sido identificado como um provável padrão-ouro para a avaliação de sintomas por pacientes em ensaios clínicos e na prática clínica diária, devido às suas propriedades psicométricas; por avaliar a intensidade dos sintomas em uma escala semi-contínua de 0 a 10; por avaliar os sintomas nas últimas 24 horas; por ser de auto-relato; por ter-se mostrado válido para avaliação de sintomas por entrevista via telefone e por meio de sistema interativo de avaliação de sintomas via telefone (IVR - Interactive Voice Response); e por conter itens que avaliam o impacto dos sintomas nas atividades de vida diária, humor, trabalho, habilidade para caminhar, 13 relacionamentos e aproveitamento da vida. O MDASI requer, em média, apenas cinco minutos para o seu preenchimento. A versão original em inglês foi elaborada e 14 validada por Cleeland et al. (2000), tendo demonstrado ser válida e confiável para mensuração de múltiplos sintomas e interferência destes na vida de pacientes com câncer. Além disto, o MDASI foi traduzido e validado em diversas línguas e culturas, mostrando-se sensível, válido e confiável. Até o momento, apenas dois instrumentos foram especificamente desenvolvidos para aplicação em pacientes com CCP: o 19 Head and Neck Distress Scale (HNDS) e o Head&Neck MD. Anderson Symptom Inventory (MDASI-H&N). O HNDS foi elaborado a partir do Cancer Disease and Treatment Concern Scale (CDTCS), com o acréscimo de 15 itens específicos, tendo mostrado-se válido e confiável. Entretanto, não avalia o impacto desses sintomas na vida diária do paciente, considera os sintomas no período de um mês e utiliza uma escala de - pontos (0 a 5), que é menos precisa que a de 11 pontos (0 a 10) 20 devido ao nível da medida. O MDASI-H&N foi desenvolvido a partir do MDASI-core (instrumento-base genérico), acrescido de nove itens específicos para pacientes com CCP (vide descrição detalhada na seção Resultados ). Os sintomas são avaliados numa escala de 11-pontos, levando-se em conta os sintomas apresentados nas últimas 24 horas e a interferência destes na vida do indivíduo. Dessa forma, o MDASI-H&N pode ser considerado uma melhor alternativa em comparação ao HNDS. No Brasil, infelizmente nenhum desses instrumentos está disponível para a avaliação de múltiplos sintomas em pacientes com CCP. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi realizar a tradução do Head&Neck MD. Anderson Symptom Inventory (MDASI-H&N) para o português do Brasil, visando disponibilizar para clínicos e pesquisadores um instrumento simples, rápido e que pode ser utilizado regularmente. MÉTODOS A tradução e adaptação do MDASI-H&N foram realizadas 21 seguindo normas internacionalmente recomendadas. O MDASI-H&N foi traduzido para o português por dois brasileiros com fluência em inglês e português, sendo geradas duas versões independentes (V1 e V2). Essas duas versões foram avaliadas pelos pesquisadores brasileiros que elaboraram uma terceira versão (V3). A terceira versão foi então submetida à retrotradução para o inglês (back-translation), realizada por um médico com fluência em português e inglês, que desconhecia o instrumento original em inglês e o objetivo da tradução, sendo produzida uma versão em inglês. A equivalência semântica da versão original em inglês, da versão em inglês resultante da back-translation e da terceira versão em português foi julgada por um comitê formado por uma equipe multidisciplinar (enfermeiro, médico, psicólogo e dentista) conhecedora do tema pesquisado e da finalidade do instrumento e dos conceitos a serem analisados. O trabalho dos juízes consistiu em detectar possíveis divergências nas traduções, cabendo-lhes comparar os termos e palavras entre si, verificando se os itens da escala referiam-se ou não aos conceitos mensurados no instrumento original. A partir dos pareceres dos juízes, foi elaborada a versão final do instrumento (V4). A avaliação da equivalência semântica foi realizada sob coordenação dos pesquisadores que elaboraram o MDASI 110 Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 37, nº 2, p , abril / maio / junho 2008

3 original, com a participação da pesquisadora principal, no Department of Symptom Research, University of Texas MD Anderson Cancer Center, Houston, Texas. Tabela 1. Distribuição dos itens do MDASI-head&neck nas subescalas. RESULTADOS A partir da retrotradução e da avaliação dos juízes, resultou a versão brasileira final do MDASI-cabeça e pescoço (figura 1), a qual está sendo submetida à avaliação das suas propriedades psicométricas em estudo em andamento. A concordância semântica entre a versão 3 em português e a versão original foi de 100% para a maioria dos itens, exceto para os itens 5, 21 e 28. No item 21 na versão 3 (em português) constava a palavra inflamação a qual foi removida, sendo mantida apenas a palavra ferida na versão 4. No item 5 a palavra em inglês upset foi traduzida como aborrecimento na versão 1 e como estresse na versão 2, sendo que na versão 3 foram incluídas ambas as palavras, mas após a backtranslation e a avaliação dos juízes, na versão 4 foi mantida apenas a palavra aborrecimentos. No item 28, o termo enjoyment of life da versão original, foi traduzido para o português, nas versões 1, 2 e 3 como prazer de viver. Na back-translation o termo foi traduzido para o inglês como pleasure of life. Apesar de esse termo não ser idêntico ao da versão original, o comitê de juízes julgou haver equivalência semântica entre eles, sendo mantido na versão 4 o termo prazer de viver. O comitê de juízes não julgou necessária a remoção de nenhum dos 28 itens da versão original em inglês. Assim, a versão brasileira do MDASI-head&neck (MDASI-H&N) incluiu 28 itens, sendo nove para avaliação de sintomas gerais, seis para avaliação da interferência dos sintomas com a vida e nove itens específicos, que avaliam os seguintes sintomas: problemas com muco ou secreções (catarro) na boca ou garganta, dificuldade para deglutir/mastigar, engasgamento com alimentos ou líquidos, dificuldade para falar ou alteração na voz, dor/irritação/queimação na pele, alteração no paladar, feridas na garganta ou boca e alterações nos dentes ou gengiva figura 1. Os sintomas e sua interferência são avaliados em escala tipo Likert de 0 a 10 e referem-se às últimas 24 horas, sendo que quanto maior o valor atribuído pelo paciente, maior a intensidade do sintoma ou sua interferência com as atividades da vida. O MDASI H&N não permite calcular um escore geral, mas um escore para os itens de sintomas e um para os de interferência com a vida, conforme apresentado na tabela 1. O princípio para determinar os escores das sub-escalas e escore total do instrumento é apresentado abaixo. Valores mais altos nas escalas de sintomas e de interferência com a vida representam, respectivamente, maiores níveis percebidos de intensidade e de interferência. O escore (E) é formado pelo somatório do valor das alternativas assinaladas em cada questão/item que compõe a escala, dividido pelo número de respostas. O valor das alternativas varia de 0 a 10: E= q1+q2+q3...q /n n sendo que n é o número total dos itens que compõem a escala ou do item individual. As propriedades métricas da versão original em inglês foram testadas, tendo demonstrado ser válida e confiável para mensuração de múltiplos sintomas e da sua interferência na vida dos pacientes (alfa de Cronbach= 0,88 para sintomas em geral; 0,83 para os nove itens específicos para câncer de cabeça e pescoço e 0,92 para os seis itens de interferência com a vida). DISCUSSÃO Os sintomas em pacientes com câncer, apesar de altamente prevalentes, muitas vezes não são tratados. As maiores barreiras para o adequado controle dos sintomas seriam decorrentes do comportamento e atitudes de profissionais e pacientes. Dificuldades para a avaliação da dor e relutância do paciente em relatar a presença da dor têm sido descritas por cerca de 75% dos oncologistas e 77% dos radiologistas como as principais causas para o inadequado controle desse 22,23 sintoma. Muitas vezes, os pacientes hesitam em relatar a presença desses sintomas até que a sua intensidade seja 24 insuportável, sendo necessário atendimento de emergência ou hospitalização, o que resulta em aumento dos custos e piora da qualidade de vida desse pacientes e seus familiares. Sob o ponto de vista do paciente, uma das justificativas para esse comportamento é o temor da reação do profissional de saúde ou por considerar que o profissional está ocupado 19 demais para despender tempo com o controle do seu sintoma. No que se refere aos profissionais de saúde, estes raramente incluem a avaliação dos sintomas como parte da rotina nos seus 25 serviços. Geralmente, atribuem menor freqüência e intensida- 2 de aos sintomas do que os pacientes, o que também pode resultar em sub-tratamento. No Brasil, provavelmente os profissionais e pacientes apresentam crenças semelhantes e essa avaliação também é rara; ademais, a disponibilidade de instrumentos validados também é pequena. Como os pacientes com câncer geralmente 27 apresentam mais que três sintomas simultaneamente, seria logisticamente inviável a utilização regular de diferentes instrumentos específicos para avaliar cada sintoma apresentado. Entretanto, instrumentos que avaliam múltiplos sintomas não estão validados para pacientes brasileiros com câncer. Nesse cenário, a disponibilização no Brasil de instrumentos específicos para a avaliação diária de múltiplos sintomas em pacientes com câncer seria certamente uma ferramenta bastante útil para todos os profissionais de saúde e para pesquisa clínica e potencialmente resultaria em identificação 28 precoce e tratamento dos sintomas, redução dos custos; melhoraria da qualidade de vida e da assistência aos pacientes com câncer; definição de prognóstico, visto que o aumento de 1 sintomas está associado com menor sobrevida ; e demonstração da efetividade e controle da toxicidade de tratamentos 29 oncológicos. O impacto dos sintomas na qualidade de vida não é igual para todos os sintomas. Em pacientes com câncer de mama, por exemplo, a fadiga tem sido descrita como o principal preditor de 30 funcionalidade e qualidade de vida geral ; já em pacientes com câncer de pâncreas, não apenas a fadiga, mas principalmente a 31 dor estaria associada à redução da qualidade de vida. Assim, instrumentos desenvolvidos para cada tipo de câncer devem ser preferencialmente utilizados, uma vez que poderiam potencialmente identificar os sintomas que apresentam maior impacto na qualidade de vida dos pacientes com subtipos tumorais específicos, sua variação conforme o estádio da doença e/ou tratamento e, mesmo, associação com a sobrevida. O clínico ou pesquisador, antes de selecionar o instrumento a ser utilizado para avaliar múltiplos sintomas, deve verificar se Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 37, nº 2, p , abril / maio / junho

4 este é clinicamente e cientificamente consistente, se foram adequadamente desenvolvidos, envolvendo a participação de pacientes e clínicos e se tiveram suas propriedades psicométricas avaliadas. Caso contrário, não é possível assegurar a sua confiabilidade (habilidade para produzir escores consistentes e reproduzíveis/replicáveis) ou validade (ser capaz de medir o que pretende medir). Além disso, o instrumento deveria ser responsivo a mudanças (por exemplo, ser capaz de medir o impacto da cirurgia ou da radioterapia). Finalmente, além da confiabilidade, validade e responsividade, deveria ser considerada a utilidade clínica do questionário, devendo, nesse tópico, ser considerada a dificuldade para responder os itens e o tempo necessário para o 32 preenchimento. Dessa forma, a versão brasileira do MDASI-HN encontra-se agora traduzida e, após a sua validação (atualmente em andamento), será certamente uma ferramenta muito útil para clínicos e pesquisadores na identificação da ocorrência de múltiplos sintomas, permitindo seu tratamento precoce e, conseqüentemente, melhora da qualidade de vida do doente. Por ser um instrumento padronizado internacionalmente e racionalmente estabelecido, recomendamos que seja adotado como a ferramenta padrão-ouro para avaliação sintomática de pacientes de cabeça e pescoço em protocolos clínicos conduzidos no Brasil. REFERÊNCIAS 1. Palmer JL, Fisch MJ. Association between symptom distress and survival in outpatients seen in a palliative care cancer center. J Pain Symptom Manage. 2005;29(): Teunissen S, de Graeff A, de Haes H, Voest E. Prognostic significance of symptoms of hospitalised advanced cancer patients. Eur J Cancer. 200;42(15): Graff P, Lapeyre M, Desandes E, Ortholan C, Bensadoun RJ, Alfonsi M, Maingon P, Giraud P, Bourhis J, Marchesi V, Mège A, Peiffert D. Impact of intensity-modulated radiotherapy on health-related quality of life for head and neck cancer patients: matched-pair comparison with conventional radiotherapy. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 2007;7(5): Dodd M, Miaskowski C, Paul S. Symptom clusters and their effect on the functional status of patients with cancer. Oncol Nurs Forum. 2001;28(3): Sharp H, List M, MacCracken E, Stenson K, Stocking C, Siegler M. Patients' priorities among treatment effects in head and neck cancer: evaluation of a new assessment tool. Head Neck. 1999;21(): Rosenthal DI, Mendoza TR, Chambers MS, Asper JA, Gning I, Kies MS, Weber RS, Lewin JS, Garden AS, Ang KK, S Wang X, Cleeland CS. Measuring head and neck cancer symptom burden: the development and validation of the M. D. Anderson symptom inventory, head and neck module. Head Neck. 2007;29(10): Fang FM, Tsai WL, Chen HC, Hsu HC, Hsiung CY, Chien CY, Ko SF. Intensity-modulated or conformal radiotherapy improves the quality of life of patients with nasopharyngeal carcinoma: comparisons of four radiotherapy techniques. Cancer. 2007;109(2): Kelly C, Paleri V, Downs C, Shah R. Deterioration in quality of life and depressive symptoms during radiation therapy for head and neck cancer. Otolaryngol Head Neck Surg. 2007;13(1): Andrade F, Antunes J, Durazzo M. Evaluation of the quality of life of patients with oral cancer in Brazil. Pesqui Odontol Bras. 200;20(4): NCI. Commom terminology criteria for adverse events (CTAE): version 3.0. Bethesda: Department of Health and Human Services (USA). National Institute of Health. National Cancer Institute; [ c i t a d o F e v., 2 0 ]. D i s p o n í v e l e m : 11. Bren L. The importance of patient-reported outcomes...it's all about the patients. FDA Consum. 200;40(): Fallowfield L. Quality of life: a new perspective for cancer patients. Nat Rev Cancer. 2002;2(11): Kirkova J, Davis MP, Walsh D, Tiernan E, O'Leary N, LeGrand SB, Lagman RL, Russell KM. Cancer symptom assessment instruments: a systematic review. J Clin Oncol. 200;24(9): Cleeland CS, Mendoza TR, Wang XS, Chou C, Harle MT, Morrissey M, Engstrom MC. Assessing symptom distress in cancer patients: the M.D. Anderson Symptom Inventory. Cancer. 2000;89(7): Ivanova MO, Ionova TI, Kalyadina SA, Uspenskaya OS, Kishtovich AV, Guo H, Mendoza TR, Novik A, Cleeland CS, Wang XS. Cancerrelated symptom assessment in Russia: validation and utility of the Russian M. D. Anderson Symptom Inventory. J Pain Symptom Manage. 2005;30(5): Mystakidou K, Cleeland C, Tsilika E, Katsouda E, Primikiri A, Parpa E, Vlahos L, Mendoza T. Greek M.D. Anderson Symptom Inventory: validation and utility in cancer patients. Oncology. 2004;7(3-4): Wang XS, Wang Y, Guo H, Mendoza TR, Hao XS, Cleeland CS. Chinese version of the M. D. Anderson Symptom Inventory: validation and application of symptom measurement in cancer patients. Cancer. 2004;101(8): Lin CC, Chang AP, Cleeland CS, Mendoza TR, Wang XS. Taiwanese version of the M. D. Anderson symptom inventory: symptom assessment in cancer patients. J Pain Symptom Manage. 2007;33(2): Jones HA, Hershock D, Machtay M, Chalian AA, Weber RS, Weinstein GS, Schumacher K, Kligerman MM, Berlin JA, Rosenthal DI. Preliminary investigation of symptom distress in the head and neck patient population: validation of a measurement instrument. Am J Clin Oncol. 200;29(2): McDowell I, Newell C. Measuring health: A guide to rating scales and questionnaires. 2 ª ed. New York: Oxford University Press; Assessing health status and quality-of-life instruments: attributes and review criteria. Qual Life Res. 2002;11(3): Von Roenn JH, Cleeland CS, Gonin R, Hatfield AK, Pandya KJ. Physician attitudes and practice in cancer pain management. A survey from the Eastern Cooperative Oncology Group. Ann Intern Med. 1993;119(2): Cleeland CS, Janjan NA, Scott CB, Seiferheld WF, Curran WJ. Cancer pain management by radiotherapists: a survey of radiation therapy oncology group physicians. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 2000;47(1): Ward SE, Goldberg N, Miller-McCauley V, Mueller C, Nolan A, Pawlik-Plank D, Robbins A, Stormoen D, Weissman DE. Patient-related barriers to management of cancer pain. Pain. 1993;52(3): Porzio G, Valenti M, Aielli F, Verna L, Ricevuto E, Rispoli AI, Cannita K, Marchetti P, Ficorella C. Assessment and treatment of symptoms among Italian medical oncologists. Support Care Cancer. 2005;13(11): Basch E, Iasonos A, McDonough T, Barz A, Culkin A, Kris MG, Scher HI, Schrag D. Patient versus clinician symptom reporting using the National Cancer Institute Common Terminology Criteria for Adverse Events: results of a questionnaire-based study. Lancet Oncol. 200;7(11): Silveira MJ, Kabeto MU, Langa KM. Net worth predicts symptom burden at the end of life. J Palliat Med. 2005;8(4): Strasser F, Sweeney C, Willey J, Benisch-Tolley S, Palmer JL, Bruera E. Impact of a half-day multidisciplinary symptom control and palliative care outpatient clinic in a comprehensive cancer center on recommendations, symptom intensity, and patient satisfaction: a retrospective descriptive study. J Pain Symptom Manage. 2004;27(): Bezjak A, Tu D, Seymour L, Clark G, Trajkovic A, Zukin M, Ayoub J, Lago S, de Albuquerque Ribeiro R, Gerogianni A, Cyjon A, Noble J, Laberge F, Chan RT, Fenton D, von Pawel J, Reck M, Shepherd FA; National Cancer Institute of Canada Clinical Trials Group Study BR.21. Symptom improvement in lung cancer patients treated with erlotinib: quality of life analysis of the National Cancer Institute of Canada Clinical Trials Group Study BR.21. J Clin Oncol. 200;24(24): Arndt V, Stegmaier C, Ziegler H, Brenner H. A population-based study of the impact of specific symptoms on quality of life in women with breast cancer 1 year after diagnosis. Cancer. 200;107(10): Müller-Nordhorn J, Roll S, Böhmig M, Nocon M, Reich A, Braun C, Noesselt L, Wiedenmann B, Willich SN, Brüggenjürgen B. Healthrelated quality of life in patients with pancreatic cancer. Digestion. 200;74(2): Pusic A, Liu JC, Chen CM, Cano S, Davidge K, Klassen A, Branski R, Patel S, Kraus D, Cordeiro PG. A systematic review of patient-reported outcome measures in head and neck cancer surgery. Otolaryngol Head Neck Surg. 2007;13(4): Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 37, nº 2, p , abril / maio / junho 2008

5 Figura 1. Versão em português do Brasil do M. D. Anderson Symptom Inventory - Head&Neck (MDASI-H&N). Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 37, nº 2, p , abril / maio / junho

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total?

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? Sim Robson Ferrigno Declaração Essa apresentação não possui

Leia mais

PORTUGUESE VALIDATION OF THE SYMPTOM INVENTORY OF THE M.D. ANDERSON CANCER CENTER

PORTUGUESE VALIDATION OF THE SYMPTOM INVENTORY OF THE M.D. ANDERSON CANCER CENTER DOI: 10.1590/S0080-623420140000700006 Validação do Inventário de Sintomas do M.D. Anderson Cancer Center para a língua portuguesa * PORTUGUESE VALIDATION OF THE SYMPTOM INVENTORY OF THE M.D. ANDERSON CANCER

Leia mais

Luciana Castaneda¹, Thiago Camargo², Tiago Plácido ³

Luciana Castaneda¹, Thiago Camargo², Tiago Plácido ³ Artigo Original Ligação entre o MDASI-H&N e a CIF Artigo submetido em 27/9/10; aceito para publicação em 7/1/11 Ligação entre o M.D. Anderson Symptom Inventory-Head and Neck Module e a Classificação Internacional

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

Adaptação cultural do questionário de avaliação de resultados em ritidoplastia: facial outcome evaluation

Adaptação cultural do questionário de avaliação de resultados em ritidoplastia: facial outcome evaluation Artigo Especial Adaptação cultural do questionário de avaliação de resultados em ritidoplastia: facial outcome evaluation Cultural adaptation of rhytidectomy outcome evaluation questionnaire: facial outcome

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES LOCALMENTE AVANÇADOS TRATADOS COM RADIOQUIMIOTERAPIA É MELHOR DO QUE NAQUELES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA TOTAL?

A QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES LOCALMENTE AVANÇADOS TRATADOS COM RADIOQUIMIOTERAPIA É MELHOR DO QUE NAQUELES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA TOTAL? A QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES LOCALMENTE AVANÇADOS TRATADOS COM RADIOQUIMIOTERAPIA É MELHOR DO QUE NAQUELES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA TOTAL? SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CANCER DE CABEÇA E PESCOÇO SÃO

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu CURRICULUM VITAE Dados Pessoais Nome Cintia Mendonça de Abreu Formação Universitária Graduação Instituição Faculdade de Medicina - Universidade Federal de Goiás Conclusão 17/11/1995 Pós-Graduação Residência

Leia mais

Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS

Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS HEAD AND NECK CANCER TREATMENT IN ELDERLY PATIENTS OVER 80 YEARS OLD 1,4,6 TERENCE PIRES DE FARIAS 5 GABRIEL MANFRO 1,2,3

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida

HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida Dr Marco Broitman Unidade de Medicinas Tradicionais SMS São Paulo Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Hospital Estadual Mário Covas de

Leia mais

Pagamento por Desempenho. Stephen Stefani Praga, 2010

Pagamento por Desempenho. Stephen Stefani Praga, 2010 ISPOR Brasil Programa 13:30. Abertura. Dr. Marilyn Dix Smith/ Dr. Stephen Stefani 14:00. Produção técnico- cienefica das operadoras: resumo de trabalhos apresentados na ISPOR. Dr. João Paulo Reis Neto

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Quimioterapia. Radioterapia. Efeitos Colaterais. Qualidade de vida.

PALAVRAS-CHAVE Quimioterapia. Radioterapia. Efeitos Colaterais. Qualidade de vida. Efeitos colaterais da terapia antitumoral em pacientes submetidos à químio e à radioterapia ANTITUMOR THERAPY: SIDE EFFECTS IN PATIENTS UNDERGOING CHEMO-AND RADIOTHERAPY Emilia Angela Loschiavo Arisawa

Leia mais

METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO?

METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO? METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO? Raphael Colturatto Camargo R3 Hospital de Câncer de Barretos Curitiba 20/06/2012 Metástases ósseas são manifestações comuns de doenças malignas que podem causar

Leia mais

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo TUMOR DE HIPOFARINGE Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC Mário Sérgio R. Macêdo Anatomia Epidemiologia, Quadro Clínico, Diagnóstico e Estadiamento Tratamento Anatomia Epidemiologia O sítio mais

Leia mais

A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS:

A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS: BIOÉTICA ANA BERNARDO SEARA CARDOSO A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA REALIDADE PORTUGUESA Resumo da dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

TÍTULO DA MESA: AVALIAÇÃO DE COMPORTAMENTOS CONTRAPRODUCENTES NO TRABALHO

TÍTULO DA MESA: AVALIAÇÃO DE COMPORTAMENTOS CONTRAPRODUCENTES NO TRABALHO TÍTULO DA MESA: AVALIAÇÃO DE COMPORTAMENTOS CONTRAPRODUCENTES NO TRABALHO COORDENADOR DA MESA: Elizabeth do Nascimento, bethdonascimento@gmail.com, (31)84633740, Universidade Federal de Minas Gerais TÍTULOS

Leia mais

Influência do tratamento de radioterapia na qualidade de vida dos doentes com cancro de mama

Influência do tratamento de radioterapia na qualidade de vida dos doentes com cancro de mama Influência do tratamento de radioterapia na qualidade de vida dos doentes com cancro de mama Fátima Monsanto 1, Cristina Lança 1, Ana Cravo e Sá 1, Carina Marques Coelho 1, Elisabete Carolino 2 1. Área

Leia mais

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Conclusões científicas Tendo em conta o relatório de avaliação do PRAC sobre o RPS para

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 018 / 2009 Assunto: Utilização do teste do copo para confirmar posicionamento de sonda nasogátrica 1. Do fato Enfermeiro solicita informações sobre checagem de posicionamento de

Leia mais

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O CELLA A Flórida utiliza o CELLA (Comprehensive English Language Learning Assessment, Avaliação Abrangente do Aprendizado de Língua Inglesa)

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Nefrectomia citorredutora

Nefrectomia citorredutora Nefrectomia citorredutora no câncer de rim metastático Gustavo Lemos Junho 2012 Carcinoma de células renais 1/3 metastáticos no diagnóstico 20 a 30% dos Ptscom tumor localizado irão desenvolver metástases.

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA THALES FREDERICO RIBEIRO FONSECA O SIGNIFICADO DAS VIVÊNCIAS E PERCEPÇÕES DE PACIENTES

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Hayala Cristina Cavenague de Souza 1 Marina Pasquali Marconato Mancini 2 Francisco Louzada Neto³ Gleici

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP PODE A RADIOQUIMIOTERAPIA SUBSTITUIR A DISSECÇÃO LINFONODAL ESTENDIDA NO CÂNCER GÁSTRICO? André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP http://www.cancerresearchuk.org/home/

Leia mais

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 5 Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 avaliação de qualidade de vida (QV) de crianças visa detectar as A maiores satisfações ou alegrias e

Leia mais

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO?

BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO? HÁ ESPAÇO PARA HÁ ESPAÇO PARA BRAQUITERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO? BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO? Dra. Anne Karina S. Kiister R3 - Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE-SP) Braquiterapia Da palavra

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro*

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Fabiana Floriano, Luis Eugênio de Souza, Madalena de Passos, Breno Amaral, Augusto Conti e Isaac de Matos Jr. *Projeto

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

Fatores sócio econômicos interferem no prognóstico do Glioblastoma Multiforme

Fatores sócio econômicos interferem no prognóstico do Glioblastoma Multiforme Fatoressócio econômicosinterferemnoprognósticodo GlioblastomaMultiforme Jose Carlos Lynch 1, Leonardo Welling 3, Cláudia Escosteguy 4, Ricardo Andrade2,CelestinoPereira2 Abstract Objective: This is a retrospective

Leia mais

Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita

Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de estômago. Mariana Morsch Beier R2 Radioterapia - Hospital Santa Rita EPIDEMIOLOGIA A estimativa do biênio 2012-2013 para o Brasil é

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA DE CARVALHO, P. E.; SALVADOR, C. A.; MIRANDA, T. T.; LOPES, J. Resumo: O acidente vascular

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 256/2013 Solicitante Dr. Carlos Renato de Oliveira Corrêa Juiz de Direito São Domingos do Prata Data: 19/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0610.13.002372-0

Leia mais

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios?

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? JUMARA MARTINS RADIOTERAPIA UNICAMP 2012 Introdução

Leia mais

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO O FUTURO DA PRÁTICA DA ONCOLOGIA EM PORTUGAL: BASEADA NO ÓRGÃO VERSUS ENTIDADE NOSOLÓGICA CASE STUDY: TUMORES NEUROENDÓCRINOS PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO Inês Lucena Sampaio Assistente Hospitalar

Leia mais

Resultados do Tratamento Cirúrgico Versus Quimioradioterápico em Tumores Iniciais da Orofaringe

Resultados do Tratamento Cirúrgico Versus Quimioradioterápico em Tumores Iniciais da Orofaringe Artigo Original Resultados do Tratamento Cirúrgico Versus Quimioradioterápico em Tumores Iniciais da Orofaringe Results of Surgical Treatment Versus Chemoradiation Therapy in Oropharyngeal Early Tumors

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Uso de sumários humanos nos idiomas português e inglês no modelo Cassiopeia

Uso de sumários humanos nos idiomas português e inglês no modelo Cassiopeia Uso de sumários humanos nos idiomas português e inglês no modelo Cassiopeia Jésyka Milleny Az. Gonçalves, Marcus Vinicius C. Guelpeli Departamento de Sistemas e Computação Universidade Universidade Federal

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

TIC Saúde 2013 Pesquisa sobre o uso das TIC em estabelecimentos de saúde no Brasil

TIC Saúde 2013 Pesquisa sobre o uso das TIC em estabelecimentos de saúde no Brasil TIC Saúde 2013 Pesquisa sobre o uso das TIC em estabelecimentos de saúde no Brasil Latam Healthcare IT Summit São Paulo, 04 de abril de 2013 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO

RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO Artigo Original RETALHOS ÂNTERO-LATERAL DA COXA E RETO ABDOMINAL EM GRANDES RECONSTRUÇÕES TRIDIMENSIONAIS EM CABEÇA E PESCOÇO ANTEROLATERAL THIGH AND RECTUS ABDOMINUS FLAPS IN LARGE TRIDIMENSIONAL HEAD

Leia mais

Journal of Public Health

Journal of Public Health Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 34 NÚMERO 2 ABRIL 2000 p. 178-83 Revista de Saúde Pública Journal of Public Health Aplicação da versão em português do instrumento abreviado

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA

Leia mais

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material Data: 31/01/2013 Nota Técnica 07/ 2013 Número do processo: MANDADO DE SEGURANÇA nº 145120844231, impetrado por Luiz Ernesto Bernardino Alves Filho contra ato do Secretário de Saúde de Juiz de Fora Medicamento

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO Raniele Ramalho de SOUZA 1*, Sara Fonte Boa de OLIVEIRA 1,

Leia mais

Gaia, PORTUGAL. Porto, PORTUGAL RESUMO

Gaia, PORTUGAL. Porto, PORTUGAL RESUMO Comparação dos efeitos secundários agudos da Radioterapia por Intensidade Modulada com a Radioterapia Tridimensional Conformada no carcinoma de Próstata A V Pereira 1, D Fonte 2 and L Alves 3 1 Curso de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU PERCEPTION OF STUDENTS PERFORMANCE OF TEACHERS OF SCIENCE

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento NÚMERO: 014/2015 DATA: 17/12/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Processo de Gestão da Medicação Segurança do doente; segurança na medicação; processo de gestão da medicação Direções Clínicas

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Conheça suas opções:

Conheça suas opções: Conheça suas opções: Guia para pacientes com progressão de doenças graves Em Massachusetts, todos os pacientes com progressão de uma doença grave têm o direito legal de ser informados sobre o seu problema

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

DOR E SONO durante a hospitalização para tratamento do cancro

DOR E SONO durante a hospitalização para tratamento do cancro DOR E SONO durante a hospitalização para tratamento do cancro Ananda Fernandes (amfernandes@esenfc.pt),( LuisBatalha, Ana Gonçalves, Catarina Campos, Armando Oliveira, Manuel Brito PTDC/CS-SOC/113519/2009

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais