RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº / Fiscalização nº 307/2010 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 442/ Plenário Objeto da fiscalização: Implantação da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia - PE Funcional programática: H / Implantação da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia no Estado de Pernambuco Tipo da obra: Edificação - Hospitais Período abrangido pela fiscalização: 15/05/2009 a 09/07/2010 DO ÓRGÃO/ENTIDADE FISCALIZADA Órgão/entidade fiscalizada: Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia - Hemobras/MS Vinculação (ministério): Ministério da Saúde Vinculação TCU (unidade técnica): 4ª Secretaria de Controle Externo Responsável pelo órgão/entidade: nome: Romulo Maciel Fillho cargo: Presidente da Hemobras período: a partir de 08/10/2009 Outros responsáveis: vide rol no anexo 1 - volume 2 às folhas 614/650 PROCESSOS DE INTERESSE - TC nº / TC nº /2010-9

2 RESUMO Trata-se de auditoria realizada na Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia - Hemobras/MS, no período compreendido entre 02/06/2010 e 09/07/2010. A presente auditoria teve por objetivo fiscalizar as obras de implantação da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia - PE. A partir do objetivo do trabalho e a fim de avaliar em que medida os recursos estão sendo aplicados de acordo com a legislação pertinente, formularam-se as questões adiante indicadas: 1 - A previsão orçamentária para a execução da obra é adequada? 2 - O procedimento licitatório foi regular? 3 - A formalização do contrato atendeu aos preceitos legais e sua execução foi adequada? 4 - O orçamento da obra encontra-se devidamente detalhado (planilha de quantitativos e preços unitários) e acompanhado das composições de todos os custos unitários de seus serviços? 5 - Os preços dos serviços definidos no orçamento da obra são compatíveis com os valores de mercado? Para a realização deste trabalho, foram utilizadas as diretrizes do roteiro de auditoria de conformidade. Foram seguidas as diretrizes do roteiro de auditoria de conformidade, sendo utilizadas as seguintes técnicas de auditoria: - Análise documental; - Pesquisa em sistemas informatizados; - Confronto de informações e documentos; - Comparação com a legislação, jurisprudência do TCU e doutrina; - Conferência de cálculos e - Inspeção física. A análise documental deteve-se aos processos administrativos da Licitação nº 01/2010 e do Contrato nº 25/2010, relativas ao bloco B01 e B17. Devido à característica do empreendimento, que inclui diversos editais e contratos não concomitantes, selecionaram-se os editais de licitação referentes a objetos de significativa materialidade e que já estivessem com o processo de licitação concluso. Seguindo a mesma metodologia de seleção dos editais, para a análise dos orçamentos-base de cada edital, selecionaram-se os serviços mais relevantes dentro da parte A da curva ABC da planilha orçamentária. A inspeção física ao canteiro de obras da fábrica da Hemobrás, em Goiana-PE, foi realizada no dia 30/06/2010. As principais constatações deste trabalho foram:. Descumprimento de determinação exarada pelo TCU;. Sobrepreço decorrente de itens considerados em duplicidade;. Existência de preços diferentes para o mesmo serviço;. Deficiência na apresentação das informações constantes da planilha orçamentária do Edital / Contrato / Aditivo;. Cláusulas contratuais em desacordo com os preceitos da Lei 8.666/93;. Ausência de cadastramento de contrato no SIASG; O volume de recursos fiscalizados alcançou o montante de R$ ,21. O valor corresponde à soma do Contrato nº 25/2010, no valor de R$ ,81, com o Convênio nº 1/2009 firmado com a Agência Desenvolvimento Econômico de Pernambuco S.A.- AD Diper no valor de R$ ,45, e mais R$ ,95 acrescidos no 1º Termo Aditivo do citado convênio. A previsão para execução de toda a planta fabril, segundo a Hemobrás é de 540 milhões de reais.

3 O benefício potencial dessa fiscalização é evitar, no âmbito das demais licitações previstas pela Hemobras para a construção de sua unidade fabril, a realização de procedimentos licitatórios contendo as inadequações relatadas neste trabalho, as quais podem gerar prejuízos à Administração. As propostas de encaminhamento para as principais constatações contemplam alerta a órgão/entidade, audiência de responsável e determinação a órgão/entidade.

4 S U M Á R I O Título Página 1 - APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO Deliberação Visão geral do objeto Objetivo e questões de auditoria Metodologia Utilizada VRF Benefícios estimados ACHADOS DE AUDITORIA Descumprimento de determinação exarada pelo TCU. (IGC) Sobrepreço decorrente de itens considerados em duplicidade. (IGC) Existência de preços diferentes para o mesmo serviço. (IGC) Deficiência na apresentação das informações constantes da planilha 15 orçamentária do Edital / Contrato / Aditivo. (OI) Cláusulas contratuais em desacordo com os preceitos da Lei 8.666/ (OI) Ausência de cadastramento de contrato no SIASG. (OI) CONCLUSÃO PROPOSTA DE ENCAMINHAMENTO ANEXO Dados cadastrais Projeto básico Execução física e financeira Contratos principais Convênios Editais Histórico de fiscalizações Deliberações do TCU Anexo Fotográfico 34

5 1 - APRESENTAÇÃO Este relatório versa sobre a fiscalização realizada nas obras de construção da unidade fabril da Hemobrás, localizada no município de Goiana - PE, destinada à produção de medicamentos hemoderivados. Este trabalho resultou de determinação contida no Acórdão n.º 442/ TCU - Plenário. O empreendimento auditado recebe recurso do Programa de Trabalho n.º H , intitulado "Implantação da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia no Estado de Pernambuco". Importância socioeconômica A Hemobrás, empresa integrante do Sistema Único de Saúde, criada pela Lei n em dezembro de 2004, com recursos da União e do Estado de Pernambuco (sócio minoritário), tem como finalidade primeira fracionar o plasma humano excedente visando à produção nacional de medicamentos, os chamados hemoderivados. Todavia, a produção desses medicamentos ainda não foi iniciada porque depende da construção de uma planta industrial. Segundo a Hemobrás, para essa finalidade, existe no Brasil grande disponibilidade de plasma excedente (aquele que não é utilizado para transfusão, o qual corresponde a aproximadamente 65 % do plasma coletado) da ordem de mais de litros anuais. Entretanto, consoante informa a Hemobrás, na atualidade, grande parte do plasma coletado é desperdiçado por inadequação das formas de armazenamento e pela ausência de tecnologia para transformá-lo em medicamento. A obra, objeto do presente levantamento de auditoria, refere-se à construção da fábrica para a produção desses medicamentos, os quais servirão, prioritariamente, para o atendimento de pacientes do SUS portadores de coagulopatias. Atualmente, o plasma brasileiro é enviado ao exterior para voltar ao país na forma de medicamentos (albumina, imunoglobulina, fator VIII e IX). Na visão da Hemobrás, a construção da fábrica de hemoderivados propiciará ao Brasil a autosuficiência em produção de medicamentos derivados do plasma sanguíneo, permitindo significativa economia de recursos, além de gerar empregos e promover o desenvolvimento regional. 2 - INTRODUÇÃO Deliberação Em cumprimento ao Acórdão 442/ TCU - Plenário, realizou-se auditoria na Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia - Hemobrás/MS, no período compreendido entre 02/06/2010 e 09/07/ Visão geral do objeto Em outubro de 2007, a Hemobrás celebrou três contratos de transferência de tecnologia com o Laboratoire Français du Fractionnement e des Biotechnologies - LFB. Dentro das atividades previstas nesses contratos, constava o fornecimento dos projetos básico e executivo da fábrica a ser construída. Página 1

6 Sua fábrica de hemoderivados será construída em Goiana, município da Zona da Mata Norte de Pernambuco, a 63 quilômetros do Recife, às margnes da BR O empreendimento, que será o maior da América Latina no setor, terá um investimento de R$ 540 milhões e será composto de diversas edificações, sendo os blocos B01 e B17 os primeiros a serem licitados pela Hemobrás. Os projetos básicos e executivos de engenharia, referentes às áreas de manipulação, produção e armazenamento dos hemoderivados, estão sendo elaborados pelo Laboratoire français du Fractionnement et des Biotechnologies - LFB, vencedor de Concorrência Internacional 01/2006, destinada à contratação de empresa especializada para transferir tecnologia à Hemobrás para a produção de hemoderivados a partir do fracionamento industrial do plasma. Segundo a estatal, o projeto básico de engenharia fez parte do escopo do contrato de transferência de tecnologia devido ao fato da produção dos medicamentos hemoderivados ser um segredo industrial, no qual usualmente cada fabricante dispõe de ajustes e configurações próprias em seus processos produtivos. Assim, os projetos de engenharia, segundo a Hemobrás, dependeriam da solução que viesse a ser adotada como resultado da concorrência internacional. Alguns serviços que independem da tranferência de tecnologia foram licitados separadamente. Ainda de acordo com a Hemobrás, a decisão de iniciar o empreendimento com a construção da câmara fria (Bloco B-01) se justifica pela necessidade de se dispor de um local adequado para armazenamento do plasma coletado nos bancos de sangue distribuídos pelo país. Atualmente, parte do plasma se perde devido às condições impróprias de armazenamento. O Bloco B-01, bem como os serviços de drenagem e pavimentação já haviam sido objeto de licitação e contração, entretanto, devido a vícios detectados por ocasião do Levantamento de Auditoria realizado em 2009, no qual foi proposto anulação dos Editais e dos Contratos de ambos os serviços, bem como a inserção da obra no Anexo VI da Lei Orçamentária Anual LOA 2010, a Hemobrás decidiu anular tanto os Editais das Concorrências nº 05/2008 e nº 01/2009, quanto os Contratos nº 10/2009 e nº 14/2009, referentes à execução do Bloco B-01 e aos serviços de drenagem e pavimentação, respectivamente. Na período em que foi realizada a presente fiscalização, os trabalhos relativos à execução do Bloco B- 01 estavam sendo retomados Objetivo e questões de auditoria A presente auditoria teve por objetivo fiscalizar as obras de implantação da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia - PE. A partir do objetivo do trabalho e a fim de avaliar em que medida os recursos estão sendo aplicados de acordo com a legislação pertinente, formularam-se as questões adiante indicadas: Página 2

7 1 - A previsão orçamentária para a execução da obra é adequada? 2 - O procedimento licitatório foi regular? 3 - A formalização do contrato atendeu aos preceitos legais e sua execução foi adequada? 4 - O orçamento da obra encontra-se devidamente detalhado (planilha de quantitativos e preços unitários) e acompanhado das composições de todos os custos unitários de seus serviços? 5 - Os preços dos serviços definidos no orçamento da obra são compatíveis com os valores de mercado? Metodologia utilizada Foram seguidas as diretrizes do roteiro de auditoria de conformidade, sendo utilizadas as seguintes técnicas de auditoria: - Análise documental; - Pesquisa em sistemas informatizados; - Confronto de informações e documentos; - Comparação com a legislação, jurisprudência do TCU e doutrina; - Conferência de cálculos e - Inspeção física. A análise documental deteve-se aos processos administrativos da Licitação nº 01/2010 e do Contrato nº 25/2010, relativas ao bloco B01 e B17. Devido à característica do empreendimento, que inclui diversos editais e contratos não concomitantes, selecionaram-se os editais de licitação referentes a objetos de significativa materialidade e que já estivessem com o processo de licitação concluso. Seguindo a mesma metodologia de seleção dos editais, para a análise dos orçamentos-base de cada edital, selecionaram-se os serviços mais relevantes dentro da parte A da curva ABC da planilha orçamentária. A inspeção física ao canteiro de obras da fábrica da Hemobrás, em Goiana-PE, foi realizada no dia 30/06/ VRF O volume de recursos fiscalizados alcançou o montante de R$ ,21. O valor corresponde à soma do Contrato nº 25/2010, no valor de R$ ,81, com o Convênio nº 1/2009 firmado com a Agência Desenvolvimento Econômico de Pernambuco S.A.- AD Diper no valor de R$ ,45, e mais R$ ,95 acrescidos no 1º Termo Aditivo do citado convênio. A previsão para execução de toda a planta fabril, segundo a Hemobrás é de 540 milhões de reais Benefícios estimados O benefício potencial dessa fiscalização é evitar, no âmbito das demais licitações previstas pela Hemobras para a construção de sua unidade fabril, a realização de procedimentos licitatórios contendo Página 3

8 as inadequações relatadas neste trabalho, as quais podem gerar prejuízos à Administração. 3 - ACHADOS DE AUDITORIA Descumprimento de determinação exarada pelo TCU Tipificação do achado: Classificação - grave com recomendação de continuidade Justificativa de enquadramento (ou não) no conceito de irregularidade grave da LDO - A irregularidade, por si só, não se enquadra no inciso IV do 1º do art. 94 da Lei nº /2009 (LDO/2010), pois, apesar de configurar fato materialmente relevante, não há, com base nos elementos nos autos, como se mensurar a potencialidade do prejuízo ao erário. Entretanto, o ato contraria princípios da Administração Pública, notadamente o da Legalidade e da Publicidade, pois é dever do gestor agir com a maior transparência possível especificando claramente os serviços a serem contratados Situação encontrada: A planilha orçamentária presente na Concorrência nº 01/2010, referente à construção do complexo industrial da Hemobrás, não estava acompanhada da composição de custos unitários de todos os serviços licitados. Essa irregularidade havia sido identificada no Levantamento de Auditoria que originou o Relatório de Fiscalização nº 93/2009, tendo sido objeto, inclusive, de determinação por parte deste Tribunal, no Acórdão 3031/2009 Plenário. Confira-se: " [...] 9.2. determinar à Hemobrás que, em relação às obras de construção da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia: abstenha-se de promover licitações de obras e serviços de engenharia com base em editais que: [...] não possuam as composições de todos os custos unitários dos serviços previstos na planilha orçamentária; [...]" Tal determinação, todavia, foi descumprida, visto que no atual Levantamento de Auditoria a irregularidade ainda persiste, constituindo, portanto um achado. A presente constatação fica evidente a partir da análise dos itens mais relevantes do orçamento. Verifica-se a ausência da composição de custo unitário em, aproximadamente, 80% do valor da planilha. Trata-se, regra geral, dos serviços relativos ao sistema de HVAC (Heating, Ventilating, and Air Conditioning), instalações elétricas, hidráulicas, de incêndio, colocação de divisórias e assentamento de tubulações, com destaque para os serviços de HVAC, que representa cerca de 38% de todo o orçamento. Cabe salientar que parcela significativa desses serviços, devido às especificidades da obra, não se encontra nos sistemas referenciais de preços (SINAPI ou SICRO). Página 4

9 Da mesma forma que no ano anterior, as planilhas de composições de preços unitários elaboradas pela Pharmako - empresa contratada pelo LFB para elaborar o orçamento - foram divididas em custo de mão-de-obra e custo de material. A simples separação do valor total do custo unitário em mão-de-obra e material, por si só, não representa uma composição de custos. Faz-se necessário o conhecimento da tipificação dos insumos - mão de obra, equipamentos e materiais - com os seus respectivos coeficientes de produtividade e quantitativos em cada serviço, para que se possa dispor de uma composição de preços unitários. Com efeito, a ausência dessas composições impede juízo crítico acerca da adequação do orçamento aos preços de mercado, bem como torna insegura a apropriação de preços, uma vez que não se tem conhecimento dos parâmetros utilizados na sua elaboração. Esse é, aliás, o entendimento deste Tribunal: " [...] o orçamento do custo de obras objeto da licitação deve conter a discriminação das composições dos custos unitários dos serviços e fornecimentos, bem como respectivos quantitativos levantados na elaboração do projeto e que comporão o custo global da obra ou serviço, servindo de parâmetro para contratação, devendo estar acessível a todos os possíveis interessados; (Acórdão 2012/2007 Plenário, Rel. Min. Augusto Sherman Cavalcanti, DOU ). [...]" No mesmo sentido, também é o Acórdão 1387/2006, item 9.1.5, TCU-Plenário. Cabe salientar que a irregularidade não abrangeu todos os serviços. A Hemobrás demonstrou a composição de custos unitários para aproximadamente 20% do orçamento, atendendo parcialmente a determinação desta Corte e ao disposto no art. 7º, 2, inciso II, da Lei 8.666/1993. Desses 20%, 10% tiveram comparação direta com o SINAPI, 7,5% apresentaram insumos cotados de acordo com o SINAPI e para os 2,5% restantes foram utilizados outros sistemas de referência como, por exemplo, Revista Construção e Mercado-PINI e Sistema ORSE. Conclui-se que a falta de composição unitária da maior parte do orçamento licitado é considerada uma irregularidade grave por ofensa ao Estatuto das Licitações (art. 7º, 2, inciso II, da Lei 8.666/1993), e torna-se mais grave porque já havia determinação à Hemobras por parte desta Corte (item do Acórdão 3031/2009-P). Note-se ainda que devido às peculiaridades da obra em análise, já se esperava que nem todos os serviços selecionados na amostra teriam referências em sistemas de preços usualmente adotados em edificações. Por exemplo, no Bloco B-01, que contém uma câmara fria a -35ºC, na qual será armazenado o plasma, os equipamentos e serviços presentes no sistema de Heating, Ventilating, and Air Conditioning (HVAC) são bem específicos. Página 5

10 Ante a impossibilidade de a equipe obter referências para esses serviços, a análise se limitou em verificar se o gestor apresentou os registros das cotações de preços junto a fornecedores especializados e se houve justificativa para as composições adotadas. Quanto à pesquisa de mercado, que é uma exigência legal para todos os processos licitatórios, consta no processo elementos que comprovam que a Pharmako realizou pesquisa para os seguintes serviços: "Sistema HVAC"; "Elétrica Hidráulica Incêndio HVAC Tubulações"; "Divisória e forro"; "Automação"; "Estrutura Metálica"; "Mesa Pantográfica". Ao todo, os serviços cotados corresponderam a aproximadamente 80% do orçamento contratado. Dentre os serviços acima relacionados, não há razões que justifiquem a falta de composições de custos unitários para itens como instalações elétricas, estrutura metálica, forro e divisória, os quais deveriam ser quantificados com base nos projetos e a composição dos preços detalhada como determina a Lei a jurisprudência do TCU. Apesar de haver documentos que comprovam que foi realizada pesquisa de preços prévia à licitação, percebem-se falhas na metodologia adotada para coleta das cotações. A principal delas refere-se ao número reduzido de fornecedores pesquisados, em alguns casos a cotação ficou restrita a um único fornecedor. Além disso, não ficou claro, em algumas propostas, se os valores orçados continham ou não o BDI. Com o resultado final da licitação, tudo indica que o orçamento da Pharmako foi superestimado, bem acima de uma margem de erro tolerável. Para se chegar a essa conclusão, basta observar o desconto apresentado pelo Consórcio vencedor do certame licitatório. O desconto obtido pela Administração girou em torno de 32,10%, calculado para uma amostra de 78,8% dos serviços cuja referência foi cotações no mercado (R$ 18,3 milhões em R$ 23,2 milhões). Acrescente-se a isso o fato de que alguns descontos superam os 60%, como é o caso do serviço "PLC COM PROTOCOLOS ABERTOS PARA AUTOMAÇÃO, COMPATÍVEL COM CFR 21 Part 11" cotado em R$ ,56 e contratado por R$ ,45. Apesar de não constituir incumbência da Comissão Especial de Licitação - CEL a elaboração do orçamento, tendo em vista a complexidade dos diversos serviços licitados, caberia a ela verificar a pertinência das propostas apresentadas. Nas atas de julgamento, não consta qualquer menção à magnitude dos descontos. Essa matéria deveria ter sido abordada no momento do julgamento das propostas visto que os preços oferecidos pela TEP/SQUADRO/MENDES JR. poderiam ser inexequíveis. É natural que os licitantes usem o orçamento da administração como parâmetro para a elaboração de suas propostas. Desse modo, para se evitar propostas destoantes da realidade de mercado, o orçamento Página 6

11 deve detalhar todos os custos unitários da contratação e suas estimativas devem ter uma margem mínima de incerteza. Quando a Administração não dispõe de um sistema de referência amplo como o SINAPI ou o SICRO, ela deve recorrer a pesquisas junto aos fornecedores. As consultas às empresas devem ser avaliadas tecnicamente e o gestor deve ser capaz de identificar aquelas fora de mercado e excluí-las da tomada de preço, de modo a aumentar a confiança do orçamento proposto. Além disso, verificou-se que a Hemobrás também não exigiu das licitantes a apresentação das composições de custo unitário, conforme relatado com maiores detalhes no Achado Deficiência na apresentação das informações constantes da planilha orçamentária do Edital/Contrato/Aditivo, tal conduta agrava o descumprimento da determinação do TCU, pois torna ainda mais árdua a comparação entre os preços contratados e os de mercado Objetos nos quais o achado foi constatado: (IG-C) - Contrato 25/2010, 03/06/2010, Contratação de empresa especializada para execução das obras de Construção e Instalações dos Blocos 01 (incluindo Câmara Fria a - 35 C), 17 e utilidades no terreno da fábrica da Hemobrás., Tep - Tecnologia em Projetos de Engenharia Causas da ocorrência do achado: Falhas na elaboração das planilhas orçamentárias Critérios: Acórdão 1387/2006, item 9.1.5, TCU-Plenário Acórdão 3031/2009, item , TCU, Plenário Lei 8666/1993, art. 7º, 2º, inciso II Lei 12017/2009, art. 112 Súmula 258/2010, TCU Evidências: Planilha Orçamentária do Edital da Concorrência 01/2010 (Anexo 1 - Principal - folhas 50/87) Conclusão da equipe: Por todo o exposto, caberia propor audiência dos responsáveis da Hemobrás para que apresentem razões de justificativas pela ausência de composições de custos unitários nas planilhas orçamentárias da Concorrência nº 01/2010, bem como lhes dar ciência a respeito do 1º do art. 58 da Lei nº 8.443/92, o qual dispõe que aquele que deixar de dar cumprimento à decisão do Tribunal, salvo motivo justificado, ficará sujeito à multa prevista no caput do mesmo artigo Sobrepreço decorrente de itens considerados em duplicidade Tipificação do achado: Classificação - grave com recomendação de continuidade Justificativa de enquadramento (ou não) no conceito de irregularidade grave da LDO - A irregularidade não se enquadra no inciso IV do 1º do art. 94 da Lei nº /2009 (LDO/2010), por Página 7

12 não configurar fato materialmente relevante, já que, o sobrepreço encontrado no Contrato n 25/2010 devido à duplicidade de serviços é de 1,24%. Além disso, a obra encontra-se em estágio inicial de mobilização, portanto há tempo hábil para correção da irregularidade apontada Situação encontrada: No processo de fiscalização do Fiscobras/2009 (TC /2009-6), que realizou levantamento de auditoria nesta mesma obra, relata-se que o Bloco B-01 já foi objeto de licitação, Contrato nº 10/2009, decorrente da Concorrência nº 05/2008, cujo vencedor do certame foi o Consórcio TEP/SQUADRO. Também foram licitados os serviços relativos à urbanização, pavimentação e drenagem do terreno, Concorrência 01/2009. Na ocasião, foi apontada uma série de indícios de irregularidades nas contratações. Com receio de grave prejuízo ao erário, foi proposto anulação dos editais e contratos, bem como a inserção da obra no Anexo VI da Lei Orçamentária Anual LOA Paralelamente às medidas tomadas pelo TCU, o consórcio PHY, desabilitado na Concorrência para construção do Bloco B-01, requeria na 6ª Vara Federal da Secção Judiciária do Distrito Federal anulação da Concorrência nº 05/2008. Em 24 de julho de 2009, a Juíza Federal da 6ª Vara/DF concedeu mandado de segurança para anular a concorrência justificando excessivo formalismo diante de pequenas falhas, acarretando restrição à ampla concorrência. Considerando as discussões tanto no TCU como na Justiça Federal, a Hemobrás anulou o edital de licitação e contrato de ambas as concorrências. Em 28 de agosto de 2009, a Hemobrás comunicou a esta Corte de Contas que procedeu a anulação das concorrências 05/2008 e 01/2009 e efetuou demais medidas saneadoras. Em 09 de dezembro de 2009, o plenário do TCU prolatou o Acórdão 3031/2009-PL, determinando, entre outras coisas, que a Hemobrás apresentasse no prazo de 15 dias, em relação aos contratos advindos dos Editais nº 05/2008 e 01/2009 as medições, pagamentos e notas fiscais referentes aos serviços porventura realizados e pagos. Em atenção a essa determinação, constante no item do Acórdão supra, a Hemobrás informou a esta Corte de Contas, mediante o ofício nº 0616/2010-PJ, de 17 de maio de 2010, que efetuou pagamento da primeira e única medição realizada no âmbito do Contrato nº 10/2009, conforme critérios e determinações do Acórdão nº 3031/2009-PL do TCU, deixando a cargo do Consórcio o direito de pleitear, administrativamente ou judicialmente, qualquer diferença que achasse cabível. Cabe salientar que para os serviços de pavimentação e drenagem não houve medição alguma. Portanto, considerando que já foram medidos e pagos serviços para o Bloco B-01 ora licitado, coube à equipe de auditoria verificar se os quantitativos desses serviços já executados foram excluídos da nova licitação. Nessa linha, confrontou-se a planilha integrante do atual contrato com a medição realizada Página 8

13 no Contrato nº 10/2009. Tomando por base os quantitativos de serviços contratados na licitação anterior (Contrato nº 10/2009) e a planilha da medição do B-01 informada pela Hemobras, verifica-se que o orçamento-base do Contrato nº 25/2010 não sofreu todos os ajustes devidos para compensar os serviços já executados. Conforme se depreende da comparação entre os projetos executivos da Forma de Fundação do Contrato n 10/2009 e do Contrato nº 25/2010, números dos desenhos 381-B01-C e 381-B01- C , repectivamente, não se constatam alterações significativas nos projetos. Portanto, a identificação dos serviços contratados em duplicidade foi realizada mediante comparação do quantitativo que restava executar (Contrato nº 10/2009) com o quantitativo presente no orçamento ora contratado (Contrato nº 25/2010). Todo serviço no orçamento atual que excedesse o valor residual não executado no contrato anterior foi considero indevido, exceção àqueles que pela sua própria natureza são perenes, como por exemplo, refeição, transporte, mobilização e desmobilização. Exemplificando o colocado no parágrafo anterior, o item Aço CA-50/CA-60 - Fundações Especiais do B-01, teve quantitativo de ,20 Kg previsto no contrato anterior, sendo que desse total 72,49% foram executados. Portanto, teríamos um quantitativo residual a ser executado para esse serviço de 6.909,19 Kg. Entretanto, o mesmo serviço, para a mesma parte da estrutura da obra, foi contratado agora na quantidade de ,00 Kg, ou seja, um excedente de ,81 Kg. Considerando que o custo do Aço CA-50/CA-60 foi R$ 6,28 e o BDI da contratada foi de 27,0%, chega-se a um sobrepreço de R$ ,01. Assim, tal prática configura-se em sobrepreço decorrente de duplicidade de serviços contratados, podendo ocasionar enriquecimento sem causa da Contratada e prejuízo ao Erário. Seguindo a metodologia acima exposta, foi possível identificar 15 serviços com quantitativos divergentes ao esperado, sendo que dois desses serviços apresentavam quantitativo menor que o valor residual. Conclui-se que, conforme apresentado em tabela ao final do achado, o sobrepreço total calculado devido à duplicidade de serviços, já considerando o valor negativo dos dois serviços contratados em quantidade inferior ao necessário, montou R$ ,76 (trezentos e quarenta mil, novecentos e vinte oito reais e setenta e seis centavos). Página 9

14 Página 10

15 SOBREPREÇO DEVIDO À DUPLICIDADE DE SERVIÇOS Item Descrição Un. Qtd. Inicial (Contrato Anterior) Qtd. Medida (C.A.) Qtd. que Executar Qtd. Inicial (Contrato Atual) Qtd. Duplicidade P.Unitário Sobrepreço (Sem BDI) Sobrepreço (BDI de 27%) GERAL 1.0 Serviços Gerais 1.2 Canteiro de obras m² 628,29 90,00% 62,83 628,29 565,46 156, , , Ligação provisória dos pontos de fornecimento e pontos de utilização de energia elétrica e água, com posterior remoção após a conclusão da obra un 1,00 50,00% 0,50 1,00 0, , , ,03 Sub-Total , ,51 PRÉDIO B Fundações superficiais 1.1 Lastro de concreto magro, com espessura de 5 cm m³ 59,14 8,50% 54,11 56,67 2,56 319,47 816, , Formas comuns m² 2.317,70 29,20% 1.640, ,23 287,30 24, , , Aço CA-50 / CA-60 kg ,20 72,49% 6.909, , ,81 6, , , Concreto usinado fck 25 MPa m³ 299,25 29,20% 211,87 306,52 94,65 310, , ,41 Sub-Total , ,76 PRÉDIO B Fundação profunda 1.1 Estaca Ø 40 cm para 50 tf, com comprimento de 18 m un 6,00 56,83% 2,59 162,00 159,41 95, , , Aço CA-50 / CA-60 kg 108,90 100,00% - 107,00 107,00 6,28 672,17 853, Concreto usinado - fkc 20 MPa m³ 18,49 59,20% 7,54 22,38 14,84 292, , , Fundações superficiais 2.1 Arrasamento das estacas un - 21,00 21,00 14,70 308,70 392, Escavação manual m³ 103,51 50,00% 51,76 88,05 36,30 16,88 612,66 778, Nivelamento e compactação do terreno m² - 107,80 107,80 1,71 184,34 234, Lastro de concreto magro, com espessura de 5 cm m³ 6,89 3,00% 6,68 5,39 (1,29) 319,47 (413,17) (524,73) 2.5 Formas comuns m² 255,56 8,60% 233,58 137,48 (96,10) 24,14 (2.319,90) (2.946,27) 2.6 Aço CA-50 / CA-60 kg 1493,80 12,80% 1.302, ,00 164,41 6, , ,66 Sub-Total , ,49 SOBREPREÇO - TOTAL B00 / B01/ B , ,76 Página 11

16 Objetos nos quais o achado foi constatado: (IG-C) - Contrato 25/2010, 03/06/2010, Contratação de empresa especializada para execução das obras de Construção e Instalações dos Blocos 01 (incluindo Câmara Fria a - 35 C), 17 e utilidades no terreno da fábrica da Hemobrás., Tep - Tecnologia em Projetos de Engenharia. Estimativa do valor potencial de prejuízo ao erário: , Causas da ocorrência do achado: Falhas na elaboração das planilhas orçamentárias Efeitos/Conseqüências do achado: Risco de pagamentos em duplicidade. (efeito potencial) Critérios: Acórdão 2556/2007, item b), TCU, Plenário Lei 8666/1993, art. 6º, inciso IX; art. 7º, 4º Evidências: Planilha Orçamentária do Edital da Concorrência 01/2010 (Anexo 1 - Principal - folhas 50/87) Planilha da Primeira e Única Medição - Contrato nº 10/2009 (Concorrência nº 05/2009) (Anexo 1 - Volume 1 - folhas 247/256) Conclusão da equipe: Dessa forma, propõe-se audiência dos responsáveis da Hemobrás para que apresentem razões de justificativa para as inconsistências apontadas neste achado, bem como oitiva da Hemobrás e das empresas participantes do consórcio contratado para que se manifestem, se assim o desejarem, sobre os valores possivelmente inseridos em duplicidade na planilha orçamentária Existência de preços diferentes para o mesmo serviço Tipificação do achado: Classificação - grave com recomendação de continuidade Justificativa de enquadramento (ou não) no conceito de irregularidade grave da LDO - A irregularidade não se enquadra no inciso IV do 1º do art. 94 da Lei nº /2009 (LDO/2010), por não configurar fato materialmente relevante, já que, o sobrepreço encontrado no Contrato n 25/2010 devido a existência de preços diferentes para o mesmo serviço é de 0,45% Situação encontrada: Entre os serviços mais representativos, dentre aqueles em que há referência de mercado, foi possível identificar, em partes distintas da planilha contratada, um mesmo serviço com preços diferentes. A Tabela ao final do achado lista sete serviços com essa irregularidade, não sendo exaustiva. A irregularidade não se apresenta tão grave porque o preço mais oneroso do serviço com mais de um preço encontra-se abaixo da referência de mercado. Como exemplo, cita-se o serviço Aço CA-50 / CA-60 com referência de mercado de R$ 6,49. Apesar de constar na planilha contratada dois preços (R$ 6,00 e R$ 5,05), os mesmos não apresentavam Página 12

17 sobrepreço. Não obstante a ausência de sobrepreço, a equipe fez uma simulação para esses seis serviços considerando a hipótese de a Administração tê-los contratado pelo menor preço apresentado. A economia seria de R$ ,30 (cento e vinte e quatro mil, quinhentos e seis reais e trinta centavos), valor já considerando o BDI de 27,0% adotado pela contratada. O risco que surge da prática configurada nessa irregularidade é que, caso haja aditamento de serviços com custos diferentes o valor utilizado for o mais caro. Além disso, afronta ao disposto no art. 43, inciso IV, da Lei 8.666/1993. Portanto, há que se exigir que um possível aditamento contratual de um serviço com mais de um preço na planilha seja feito pelo mais vantajoso à Administração, sob pena de se configurar jogo de planilha. A presente irregularidade cabe à Comissão de Licitação Especial-CEL, pois ela tem função de receber, examinar e julgar as propostas do certame. Página 13

18 MESMO SERVIÇO - COM PREÇOS DIFERENTES Descrição do Serviço Unidade Preço-Maior Preço-Menor Serviço pelo Preço-Menor Qtd. Preço (R$) Sub-Total (R$) Qtd. Preço (R$) Sub-Total (R$) Qtd. Preço (R$) Sub-Total (R$) Aço CA-50 / CA-60 kg ,0 6, , ,0 5, , ,0 5, ,8 Concreto usinado fck 25 MPa m³ 593,0 299, ,9 661,9 296, , ,9 296, ,2 Alvenaria de blocos de concreto de 14 x 19 x 39 cm, incluindo blocos canaleta onde m² 4.317, ,6 311,8 necessário 37,25 27, , ,0 27, ,4 Escoramentos m³ 780,9 8, , ,6 8, , ,5 8, ,7 Tinta emborrachada em paredes externas m² 312, , ,2 sobre fundo selador 19,56 18, , ,2 18, ,8 Cabo unipolar flexível, condutor de cobre, isolação PVC - 70 C anti-chama, classe 750 V, seção 50,0 mm². Referência: m 2.060, , ,0 Pirastic da Pirelli. 14,14 13, , ,0 13, ,8 Verniz à base de resina acrílica m² 404, , ,0 emulsionada em água 13,36 11, , ,8 11, ,0 TOTAIS , , ,8 (98.036,5) ECONOMIA CASO TODOS OS SERVIÇOS FOSSEM CONTRATADOS PELO MENOR PREÇO APRESENTADO (APLICANDO O BDI de 27,0%) ( ,30) Página 14

19 Objetos nos quais o achado foi constatado: (IG-C) - Contrato 25/2010, 03/06/2010, Contratação de empresa especializada para execução das obras de Construção e Instalações dos Blocos 01 (incluindo Câmara Fria a - 35 C), 17 e utilidades no terreno da fábrica da Hemobrás., Tep - Tecnologia em Projetos de Engenharia Causas da ocorrência do achado: Inobservância de cuidados/falhas no exame das propostas dos licitantes Efeitos/Conseqüências do achado: Prejuízos gerados por aquisição ou contratação sem escolha da proposta mais vantajosa (efeito potencial) Critérios: Lei 8666/1993, art. 43, inciso IV Evidências: Planilha orçamentária da TEP/SQUADRO/MENDES JR. (Anexo 1 - Volume 1 - folhas 178/246) Conclusão da equipe: Dessa forma, propõe-se audiência dos responsáveis para que apresentem razões de justificativa para as inconsistências apontadas neste achado Deficiência na apresentação das informações constantes da planilha orçamentária do Edital / Contrato / Aditivo Tipificação do achado: Classificação - outras irregularidades Situação encontrada: A equipe, ao analisar as planilhas do orçamento-base e da proposta vencedora do certame, verificou os seguintes indícios de irregularidades: 1) adoção de composições de custo unitário inadequadas no orçamento-base; 2) ausência da composição de custos unitário da proposta vencedora. Abaixo segue descrição desses indícios de irregularidades. 1) Composições de Custo Unitário Inadequados Conforme já exposto, apenas 20% do valor do orçamento vieram acompanhados da composição de custos unitários, sendo 10% com referência direta do SINAPI e 7,5% elaboradas, pela Hemobrás, por meio da combinação entre insumos, produtividade e serviços com referência no SINAPI. Para os 2,5% restantes, foram utilizados outros sistemas de referências como, Revista Construção e Mercado-PINI e Sistema ORSE. Em relação às composições dos serviços adotadas a partir das premissas da Hemobrás, ou seja, nos 7,5% do valor do orçamento, identificaram-se alguns serviços com inconsistências em suas composições que oneraram o custo do orçamento. É o caso, por exemplo, do item intitulado Página 15

20 "LIMPEZA FINAL DA OBRA". A composição desse item foi obtida pela combinação do serviço de referência do SINAPI de código 9537 (9537 LIMPEZA FINAL DA OBRA) acrescido da mão de obra de um servente. Entretanto, o serviço do SINAPI já considera um servente ou operário não qualificado. Portanto, a composição apresentada está com duplicidade de pagamento de mão de obra, fato que gera um sobrepreço de 603,5% para o custo do serviço. A magnitude do sobrepreço não se deve apenas à mão de obra em duplicidade, mas também, a irrazoabilidade do coeficiente de produtividade aplicado ao servente adicional. O orçamentista da Hemobrás considerou que um servente levaria 1h para limpar 1m². Entretanto, para efeito de comparação, o serviço de referência do SINAPI adota 0,14h para 1m². A impropriedade descrita acima (duplicidade de mão de obra) foi também constatada para os seguintes serviços: "ENVELOPE PARA PASSAGEM DE CABOS ELÉTRICOS, CONTEMPLANDO ESCAVAÇÃO, NIVELAMENTO E COMPACTAÇÃO DO FUNDO DA VALA, LANÇAMENTO DE ELETRODUTO SECO, LANÇAMENTO E COMPACTAÇÃO DE AREIA, EXECUÇÃO DE PLACA DE CONCRETO, INSTALAÇÃO DE AVISO E LANÇAMENTO E COMPACTAÇÃO DE TERRA", sobrepreço de 11,53%; "BOTA FORA DE TERRA EXCEDENTE E DE ENTULHO", sobrepreço de 10,7%. Outra inconsistência também presente nas composições refere-se a ausência de detalhamento de seus insumos devido à precificação do serviço estar baseada em percentual do orçamento da obra. Por exemplo, o serviço "ABERTURA E FECHAMENTO DE PAREDES E LAJES PARA PASSAGEM DE INFRAESTRUTURA DE INSTAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÃO DE AVISO E LANÇAMENTO E COMPACTAÇÃO DE TERRA" teve o custo orçado em 3% do valor das instalações. O mesmo foi detectado para: "ABERTURA E FECHAMENTO DE PAREDES E LAJES PARA PASSAGEM DE INFRAESTRUTURA E DUTOS DE HVAC", orçado em 3% do valor das instalações HVAC; "ABERTURA E FECHAMETO DE PAREDES E LAJES PARA PASSAGEM DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS", orçado em 3% do valor das tubulações; "ABERTURA E FECHAMENTO DE PAREDES E LAJES PARA PASSAGEM DE TUBULAÇÕES E INFRAESTRUTURA DE SISTEMAS DE COMBATE E PROTEÇÃO A INCÊNDIO", orçado em 3% do valor das tubulações de incêndio. Na prática, equivale a definir a unidade do serviço em uma verba, configurando ausência de detalhamento do orçamento. Também é digna de nota a cobrança em duplicidade de encargos sociais. Como exemplo, pode-se citar o serviço "VALA PARA ASSENTAMENTO DE TUBOS, LARGURA 0,50m ALTURA 0,80m PARA TRÁFEGO LEVE E 1,20m PARA TRÁFEGO PESADO 0,15m DE BRITA 1 E 0,20m DE AREIA" que considerou o valor total da mão de obra para servente não qualificado em R$ 6,75 (adotando coeficiente de 1,3 para servente) para depois aplicar o percentual de 123,90% de encargos sociais. Todavia cabe salientar que o valor de R$ 6,75 já incorpora os encargos. Com isso, o serviço passou a apresentar um sobrepreço de R$ 8,36, ou seja, 49,4% em relação ao valor de R$ 25,29 (material+mão de obra). Cabe salientar que o custo que aparece na planilha orçamentária para esse serviço é de R$ 29,27. Página 16

21 Em que pese a existência dos sobrepreços apontados acima, alguns desses serviços não são materialmente relevantes no orçamento global. Além disso, o desconto dado em outros serviços foi capaz de compensar o sobrepreço encontrado, não sendo detectado sobrepreço no valor global ofertado. Entretanto, observa-se que na elaboração das composições dos serviços, para os quais não foi possível apontar sistema de referência oficial de preço, o gestor foi negligente ao ajustar as composições às peculiaridades da obra auditada, não apresentou justificativas para as composições e adotou critérios duvidosos na elaboração de tais composições. Avalia-se que essas falhas, que decorrem da falta de preocupação com planejamento, podem ter ocasionado distorções nas propostas dos licitantes com reflexo no aumento de custo na aquisição de alguns serviços contratados. 2) Ausência da Composição de Custo Unitário da CONTRATADA No edital da Concorrência, item 12.12, havia previsão de que a contratada fornecesse, quando solicitada pela administração, a composição de custos unitários e globais, nos seguintes termos: "12.12 A empresa deverá quando solicitada, pela Comissão Especial de Licitação, apresentar planilha demonstrando a composição de custos unitários e globais de sua proposta comercial." Entretanto, quando solicitado pela equipe de auditoria, por meio do Ofício nº 001/307/2010, de 2 de junho de 2010, item 2.10, tal expediente não foi fornecido pela Hemobrás, nem mesmo quando da reiteração da solicitação feita no Ofício nº 003/307/2010, de 7 de julho de 2010, item i.5. A despeito desses ofícios, a Hemobras assim se pronunciou : " 2. No tocante a documentação requisitada no item i.5, salientamos que a Planilha demonstrando a composição de custos unitários e globais, somente seria pedida na licitação em caso de diligenciamento, isto é, na hipótese que fosse verificada inexequibilidade nas proposta das licitantes habilitadas ou caso as propostas apresentassem valor global superior ao limite estabelecido, consoante art. 48, inciso II, da Lei nº 8666/93. Haja vista tal situação não ter acontecido, o documento em questão não foi requisitado por parte da CEL. Registra-se, conforme dispõe o subitem do Edital, a referida planilha só seria apresentada pela licitante em face da requisição por parte da CEL, ao contrário do Orçamento Detalhado (subitem 12.3 do Edital) que foi apresentado por todas as licitantes." Dessa forma, o julgamento das propostas foi realizado com base em planilhas sintéticas, prejudicando o critério de aceitabilidade de preço unitário. A ausência das composições de custos unitários dos licitantes decorre, em parte, de culpa da Administração, pois ela foi omissa em não apresentar no Edital da Concorrência nº 01/2010 a planilha analítica de todos os custos unitários estimados pela administração para execução dos serviços. Essa prática prejudica o processo de elaboração das propostas das concorrentes, visto que o orçamento Página 17

22 da Administração deve servir de base para cálculos constantes nas propostas apresentadas. Além disso, assim procedendo, a comparação de preços das propostas dos licitantes com os do orçamento-base pode ser feita com base em parâmetros não equivalentes, pois não se sabe exatamente a composição dos serviços confrontados. Conclui-se que o procedimento adotado pela Contratada, com a anuência Hemobras, não reflete a boa técnica orçamentária, prejudicando a transparência da apropriação de seus custos. Com isso, A CELEBRAÇÃO DE UM EVENTUAL TERMO ADITIVO AO CONTRATO nº 25/2010 OFERECE RISCO PARA A ADMINISTRAÇÃO, POIS NÃO É CLARA A FORMAÇÃO DOS PREÇOS, ESPECIALMENTE NO CASO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS NOVOS. Entende-se que tais falhas ocorreram em virtude da não exigência das composições de custo unitário ainda na fase de análise das propostas. De toda forma a Hemobrás deverá, ao firmar aditivos, atentar para a necessidade de observar o 6º do art. 112 da Lei 12017/2009, a fim de que seja mantido o desconto oferecido, pela contratada, na apresentação da proposta Objetos nos quais o achado foi constatado: (OI) - Contrato 25/2010, 03/06/2010, Contratação de empresa especializada para execução das obras de Construção e Instalações dos Blocos 01 (incluindo Câmara Fria a - 35 C), 17 e utilidades no terreno da fábrica da Hemobrás., Tep - Tecnologia em Projetos de Engenharia Causas da ocorrência do achado: Falhas na preparação do orçamento da obra e da proposta vencedora da licitação Efeitos/Conseqüências do achado: Risco de aquisição ou contratação de equipamentos por preços maiores que o de mercado (efeito potencial) Critérios: Lei 8666/1993, art. 6º, inciso IX, alínea f; art. 7º, 2º, inciso II Evidências: Planilha Orçamentária do Edital da Concorrência 01/2010 (Anexo 1 - Principal - folhas 50/87) Planilha orçamentária da TEP/SQUADRO/MENDES JR. (Anexo 1 - Volume 1 - folhas 178/246) CD com as cotações feitas pela Pharmako (Anexo 1 - Principal - folhas 7/8) Conclusão da equipe: Diante do exposto, cabe alertar a Hemobrás para que amplie suas fontes de pesquisas de preços para os serviços não constantes em sistemas de custos usualmente utilizados na elaboração de planilhas orçamentárias a serem licitadas. Cabe alertá-la também, que inclua nos editais das próximas licitações exigência para que sejam apresentadas as composições de custo unitário das proponentes e disponibilize sua composição de custos unitários juntamente com o orçamento sintético quando da divulgação do edital. Página 18

23 3.5 - Cláusulas contratuais em desacordo com os preceitos da Lei 8.666/ Tipificação do achado: Classificação - outras irregularidades Situação encontrada: O item do Edital de Concorrência nº 01/2010 e Cláusula Primeira, Subcláusula Única, do Contrato nº 25/2010 previram que a empresa ou consórcio contratado deveria prestar garantia, na modalidade de seguro garantia, correspondente a 10 % do valor do contrato. A Lei nº 8.666/93 estabelece que: "Art. 56. A critério da autoridade competente, em cada caso, e desde que prevista no instrumento convocatório, poderá ser exigida prestação de garantia nas contratações de obras, serviços e compras. 1º Caberá ao contratado optar por uma das seguintes modalidades de garantia: I - caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos seus valores econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda; II - seguro-garantia; III - fiança bancária. 2º A garantia a que se refere o caput deste artigo não excederá a cinco por cento do valor do contrato e terá seu valor atualizado nas mesmas condições daquele, ressalvado o previsto no parágrafo 3º deste artigo. 3º Para obras, serviços e fornecimentos de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis, demonstrados através de parecer tecnicamente aprovado pela autoridade competente, o limite de garantia previsto no parágrafo anterior poderá ser elevado para até dez por cento do valor do contrato". O art. 6º da mesma Lei classifica obras de grande vulto como: "V - Obras, serviços e compras de grande vulto - aquelas cujo valor estimado seja superior a 25 (vinte e cinco) vezes o limite estabelecido na alínea c do inciso I do art. 23 desta Lei". O art. 23, por sua vez, estabelece: "Art. 23. As modalidades de licitação a que se referem os incisos I a III do artigo anterior serão determinadas em função dos seguintes limites, tendo em vista o valor estimado da contratação: I - para obras e serviços de engenharia: a) convite - até R$ ,00 (cento e cinqüenta mil reais); b) tomada de preços - até R$ ,00 (um milhão e quinhentos mil reais); c) concorrência: acima de R$ ,00 (um milhão e quinhentos mil reais)". Assim, obras de grande vulto seriam aquelas orçadas em valores superiores a R$ ,00. Entretanto, o orçamento da obra, constante no Anexo VII do Edital de Concorrência nº 1/2010, Página 19

24 acrescido de um BDI de 22,02%, estimado pela Administração, foi de R$ ,72. Esta também não apresentou parecer técnico aprovado pela autoridade competente que comprovasse ser a obra de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis, na forma estabelecida no art. 56, 3º, da Lei nº 8.666/93. Sobre o assunto, aduz ainda Marçal Justen Filho em Comentários a Lei de Licitações e Contratos, 12 ª edição, pg. 663/664 que "Admite-se que a garantia seja exigida em montante de até dez por cento sobre o valor do contrato em situações especiais, nas quais as peculiaridades do contrato produzirem uma ampliação do risco e insucesso. A exigência de garantia proporcionalmente mais elevada deverá constar do texto do edital, após ser aprovada pela autoridade competente, fundamentada em manifestação técnica. Portanto, deve haver comprovação não apenas lógica da ampliação do risco. A Lei impõe a demonstração com os dados científicos objetivos das causas que acarretam a exigência da ampliação da garantia." Este Tribunal, inclusive, já se manifestou a respeito desse fato: "[PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO] 16. A primeira delas, consistente na exigência, contida no item 19.1 do Termo de Referência, de que a contratada deva oferecer como garantia o correspondente a 10% do valor global do objeto contratado, não só não conta com previsão legal, vez que tal percentual somente pode ser aplicado em obras, serviços e fornecimentos de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis, demonstráveis através de parecer tecnicamente aprovado pela autoridade competente, nos termos do 3º do art. 56 da Lei 8.666/93, como também restringe indevidamente a competitividade, vez que algumas empresas poderiam não ter condições de oferecer tal garantia com recursos próprios ou seriam sobremodo oneradas. [ACÓRDÃO] retire a exigência relativa ao estabelecimento de garantia no valor correspondente a 10% do valor anual do contrato, vez que a lei (art. 56, 3º, da Lei 8.666/93) só permite a utilização desse percentual em situações específicas, às quais o certame sob análise não se enquadra;"acórdão113/2009-p. Desta forma, não havendo comprovação de que a obra se caracteriza como de grande vulto, na forma estabelecida na Lei nº 8.666/93, só se poderia exigir uma garantia equivalente a 5 % do valor do contrato. Obviamente, no presente caso não cabe alteração das cláusulas do Edital da Licitação nº 01/2010 e do Contrato nº 25/2010, pois isso violaria as condições licitadas, perante as quais, as demais empresas apresentaram suas propostas. No entanto, cabe alerar a Hemobrás, no sentido de impedir tal ocorrência em futuras licitações Objetos nos quais o achado foi constatado: (OI) - Contrato 25/2010, 03/06/2010, Contratação de empresa especializada para execução das obras de Construção e Instalações dos Blocos 01 (incluindo Câmara Fria a - 35 C), 17 e utilidades no terreno da fábrica da Hemobrás., Tep - Tecnologia em Projetos de Engenharia. Página 20

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO Relatório preliminar, sujeito a alterações pela unidade técnica (não tramitar para o relator antes da RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 000.787/2009-4 Fiscalização nº 385/2009 DA FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4101/2004-4 Ano Orçamento: 2002 UF: RJ Nome do PT: Manutenção de Serviços Administrativos -

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4096/2004-2 Ano Orçamento: 2003 UF: RJ Nome do PT: Funcionamento de Cursos de Graduação - No

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 12255/2005-3

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 03/2011 Obras e Serviços de Engenharia

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 03/2011 Obras e Serviços de Engenharia RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 03/2011 Obras e Serviços de Engenharia 1. INTRODUÇÃO Em atenção ao preceituado no item nº 09 do PAINT/2011, devidamente aprovado ad referendum pelo Reitor da UNIFAL-MG, em 27/12/2010

Leia mais

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015.

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 2015. REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Este documento visa responder às solicitações formuladas

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 10698/2005-3 Ano Orçamento: 2004 UF: RS Nome do PT:

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: CE Nome do programa de trabalho: Implantação, Aparelhamento e Adequação de Unidades de Saúde

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO PROCESSO Nº 51402.000225/2011-35 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 009/2012 Trata o presente de Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4525/2005-6 Ano Orçamento: 2005 UF: PR Nome do PT: Recuperação de Trechos Rodoviários - Divisa

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: SP Nome do programa de trabalho: Ampliação da Capacidade da SE Tijuco Preto (SP) - (3º Banco

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário ACÓRDÃO Nº 1.081/004 - TCU - Plenário 1. Processo TC-006.936/004-.. Grupo I - Classe V: Levantamento. 3. Entidade: Companhia Energética do Amazonas CEAM. 4. Interessado: Congresso Nacional. 5. Relator:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V Tribunal de Contas da União Assunto: Levantamento de Auditoria Colegiado: Plenário Classe: Classe V Sumário: Fiscobras 2001. Obras de construção de contornos rodoviários no corredor Leste/BR- 259/ES. Irregularidades.

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA:

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA: CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: Contrato. Obras e serviços de engenharia. Faturamento em nome de fornecedor/fabricante que não participou da licitação.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO TOCANTINS RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO TOCANTINS RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014 RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014 Impugnante: TELEFONICA BRASIL S/A, CNPJ 02.558.157/0001-62. Assunto: Impugnação do Edital Pregão Presencial nº 04/2014 que trata da contratação de empresa

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 008.175/2009-7 Fiscalização nº 144/2009 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 345/2009 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : NÚCLEO ESTADUAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE/PE CÓDIGO UG : 250029 RELATÓRIO Nº : 189831 UCI EXECUTORA : 170063 Chefe da CGU-Regional/PE, RELATÓRIO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a:

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a: Observe, quando da contratação de empresas para realização de obras e/ou prestação de serviços, o disposto na Lei 8.212/91, que determina a exigência da Certidão Negativa de Débito da empresa na contratação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : MAPA/CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 208220 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Chefe da CGU - Regional/PE,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Ref.: Processo nº 08008.000216/2014-11 Interessado: DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Objeto: Contratação de empresa especializada na prestação de serviços copeiragem. Brasília, 27 de junho de 2014. RESPOSTA

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009 1) Qual é a função a ser cotada? Encarregado ou líder de turma? Tal pergunta se dá, uma vez que no termo de referência se fala em encarregado

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros Primeira

Leia mais

JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015

JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015 JUSTIFICATIVA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº003/2015 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº001/2015 O B J E T O: Contratação de serviços para manutenção de servidor e firewalls Linux para servidores de aplicação, controle

Leia mais

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO OBJETIVOS CONHECER AS PRINCIPAIS FALHAS POR ÁREAS DA GESTÃO PREVENIR A OCORRÊNCIA FUTURA DESSAS FALHAS APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 08/2006 Comentários sobre Auditoria do TCU nos gastos com Cartões Corporativos Núcleo Trabalho, Previdência e Assistência Social Elisangela M. S. Batista 15/Mar/2006 Endereço na Internet:

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 003.757/2014-5 Fiscalização 88/2014 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Despacho de 27/1/2014 do Min. Valmir Campelo (TC 001.081/2014-4)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL Romulo Maciel Filho 10/09/2015 Antecedentes 03/2001 Sanção da

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 006.064/2009-9 Fiscalização nº 259/2009 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 345/2009 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2003 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2003 UF: BA Nome do programa de trabalho: Construção da Barragem Poço do Magro no Estado da Bahia - No

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 19 de outubro de 2015. ASSUNTO: ENCAMINHAMENTO AO PRESIDENTE: DECISÃO DA PREGOEIRA EM RELAÇÃO AO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 044.367/2012-0 Fiscalização 1363/2012 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 2.382/2011 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais;

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais; INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010 Estabelece normas, sistematiza e padroniza procedimentos operacionais dos órgãos municipais. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS 1. GERAL - O contrato contém todas as cláusulas essenciais e necessárias, define com precisão

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Manutenção do Canteiro de Obras

Manutenção do Canteiro de Obras EPI Sinalização de Obra Manutenção do Canteiro de Obras Medicina do Trabalho OBRIGATÓRIO Apresentar o detalhamento de todos os custos unitários constantes da Planilha de Quantidades. Mobilização e

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 Trata-se de impugnações interpostas pelas licitantes abaixo relacionadas,

Leia mais

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência:

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: Autor: André Pataro Myrrha de Paula e Silva Analista Jurídico do Ministério Público de Minas Gerais Uma prática que tem se tornado comum por

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A Processo: TOMADA DE PREÇOS N.º 004/2007 Assunto: Recorrente: JOY ENGENHARIA COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA. JULGAMENTO RECURSO ADMINISTRATIVO PROPOSTA COMERCIAL Os membros da Comissão Permanente de Licitação

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO:

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO: SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO: Impugnação ao Edital oferecida pela empresa QATIVE TECNOLOGIA E EVENTOS LTDA. DECISÃO DA COMISSÃO PERMANENTE

Leia mais

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO Referência: PA Nº 4419AD/2015 CONCORRÊNCIA Nº 03/2015 Interessado: Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão Assunto: Parecer acerca de esclarecimentos ao Edital da Concorrência nº 03/2015 Objeto: A presente

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Processo nº.: E-12/0 Autuação: 29/01 Concessionária: PROLAGOS Assunto: Seguro Garantia - 2014 Sessão Regulatória: 26 de agosto de 2014 RELATÓRIO O presente Processo Regulatório foi iniciado em razão da

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 011.385/2011-1 Fiscalização nº 479/2011 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 564/2011 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 8657/2007-0 Ano Orçamento: 2007 UF: PI Nome do PT: CONSTRUÇÃO DA BARRAGEM RANGEL REDENÇÃO DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 190674 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/PE, Em atendimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº : 201109414 UNIDADE AUDITADA :225001 - CIA.DE ENTREPOSTOS E ARMAZENS

Leia mais

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR Objeto da Concorrência

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2012 Licitações e Contratos

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2012 Licitações e Contratos RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 05/2012 Licitações e Contratos 1. INTRODUÇÃO Em atenção ao preceituado no item nº 11 do PAINT/2012, devidamente aprovado ad referendum pelo Reitor da UNIFAL-MG, em 28/12/2011

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6602/2004-8 Ano Orçamento: 2003 UF: SP Nome do PT: Obtenção de Próprios Nacionais Residenciais

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 029.758/2010-6 Fiscalização nº 1084/2010 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 2.435/2010 - Plenário Objeto da fiscalização: Construção

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

ESCLARECIMENTO nº 01

ESCLARECIMENTO nº 01 ESCLARECIMENTO nº 01 PROCESSO Nº 149/2010 PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2010 Segue esclarecimento formulado por licitante e a respectiva resposta, com base na informação prestada pela área gestora (DETIN):

Leia mais

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014 Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe Orientações para Processos Licitatórios 1 A Lei 8666, estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório ainda não Apreciado pelo TCU IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6924/2004-1 Ano Orçamento: 2004 UF: AM Nome do PT: Revitalização

Leia mais

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Jeferson Alves dos Santos # O que analisar? - Superfaturamento sobrepreço, super quantidade e subqualidade. - O que contratar? = características da obra - Com

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009 RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009 Trata-se de procedimento licitatório, modalidade Concorrência, cujo objeto é a contratação de empresa do ramo da construção civil para execução

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

1.2 A abertura da Sessão Pública do RDC em comento estava prevista para o dia 27.11.2014, com prazo para apresentação de impugnação até 20.11.2014.

1.2 A abertura da Sessão Pública do RDC em comento estava prevista para o dia 27.11.2014, com prazo para apresentação de impugnação até 20.11.2014. fjbanco DOBRASIL USI/CESIN - 2015/406 Brasília, 03 de março de 2015. À JS INSTALAÇÕES LTDA Sr.(a) Representante, RDC PRESENCIAL 2014/11656 (9549) - Impugnação - Referimo-nos à Impugnação ao Edital em epígrafe,

Leia mais

Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP.

Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP. Número: 00225.000218/2013-52 Unidade Examinada: Município de Turmalina/SP. Relatório de Demandas Externas n 00225.000218/2013-52 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção

Leia mais

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia Matriz de Procedimentos Obras e Serviços de Engenharia Escopo: Dois processos de maior materialidade executados nos anos de 2011 e 2012. Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - RESUMIDO TC 002.824/2014-0 Fiscalização 58/2014 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Despacho de 4/2/2014 do Min. Valmir Campelo (TC 000.948/2014-4) Objeto

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 004.750/2014-4 Fiscalização 85/2014 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 3.143/2013 - Plenário Objeto da fiscalização: Implantação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 03/2013

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 03/2013 PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 03/2013 Considerando o posicionamento enviado pela área técnica desta CGU-PR, segue abaixo a resposta ao Pedido Esclarecimento nº 01 PE nº 03/2013: QUESTIONAMENTO 01:

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA - SESSÃO: 06/05/14

PRIMEIRA CÂMARA - SESSÃO: 06/05/14 PRIMEIRA CÂMARA - SESSÃO: 06/05/14 12 TC-038280/026/11 Órgão Público Concessor: Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente Fundação Casa - SP. Entidade(s) Beneficiária(s): Fraternidade

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 Referência : Correio eletrônico, de 17/9/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1693/2014.

Leia mais

RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO

RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO As solicitações das Declarações e Especificações Técnicas 01 DO OBJETO (pagina 01 do Edital) Locação de impressoras multifuncionais novas (comprovadamente, com o máximo

Leia mais