Resumo. Palavras-chave: Mamíferos; Unidades de Conservação; Serra do Espinhaço; Conservação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Palavras-chave: Mamíferos; Unidades de Conservação; Serra do Espinhaço; Conservação."

Transcrição

1 40 MAMÍFEROS REGISTRADOS EM TRÊS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA SERRA DO ESPINHAÇO: PARQUE NACIONAL DA SERRA DO CIPÓ, PARQUE NACIONAL DAS SEMPRE VIVAS E PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO ROLA- MOÇA. Karla Patrícia Gonçalves Leal 1, 4 ; Isaura Ribeiro Batista 2 ; Fernanda Lira Santiago 1, 5 ; Claudia Guimarães Costa 3, 5, 6 ; Edeltrudes Maria Valadares Calaça Câmara 3, 4, 5, Bióloga, 2- Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas PUC Minas Betim, 3- Mestre em Zoologia, 4- Bicho do Mato Meio Ambiente, 5- Museu de Ciências Naturais PUC Minas. 6- Av. Dom José Gaspar, 290, Bairro Coração Eucarístico, BH-MG. Resumo O presente trabalho apresenta os resultados de pesquisas científicas com mamíferos de pequeno, médio e grande porte amostrados em três unidades de conservação do Estado de Minas Gerais, todas inseridas na porção mineira da Cadeia do Espinhaço, são elas: Parque Nacional da Serra do Cipó, Parque Nacional das Sempre Vivas e Parque Estadual da Serra do Rola Moça. Foram registradas 70 espécies de mamíferos, sendo 50% representados pelos de pequeno porte (roedores e marsupiais). Dentre os animais amostrados, 21,4% se encontram na lista de ameaçados do Estado e 11,4% na lista das espécies brasileiras. Os dados aqui apresentados são de extrema importância para o conhecimento da mastofauna que habita a Serra do Espinhaço, fornecendo subsídios para as estratégias de conservação e manejo, não só deste grupo, mas para toda a biota regional. Palavras-chave: Mamíferos; Unidades de Conservação; Serra do Espinhaço; Conservação. INTRODUÇÃO A Serra do Espinhaço representa um dos mais significantes blocos de vegetação nativa do Cerrado brasileiro (Machado et al., 2004), além de possuir em sua extensão áreas de Mata Atlântica e uma das maiores formações de Campo Rupestre do Brasil (AMDA, 2007). Devido ao reconhecimento de sua importante riqueza biológica e

2 41 histórica, a porção mineira do Espinhaço foi considerada pela UNESCO (2005) como Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço (RBSE). Dentro da RBSE estão localizadas 11 unidades de conservação (UC s) de proteção integral, entre Parques Nacionais, Estaduais, Municipais e Estações Ecológicas, e outras 27 unidades de uso sustentável (AMDA, 2007; UNESCO, 2005). No Brasil, a criação de UC s se deve ao reconhecimento da rápida destruição de ecossistemas tropicais e do papel que estas podem desempenhar na proteção da biodiversidade remanescente (BENSUSAN, 2006). O conhecimento da ocorrência das espécies ao longo de sua área de distribuição é informação essencial para a sua conservação. A falta deste conhecimento resulta na ausência ou ineficiência de dados sobre o que se pretende conservar e quais locais devem ser alvos prioritários destes esforços (FONSECA e AGUIAR, 1995). Muitas espécies endêmicas de algum Bioma ou região só foram capturadas em trabalhos realizados em UC s, confirmando o valor destas para a manutenção e preservação da biodiversidade (BONVICINO, LINDBERGH e MAROLA, 2002). Atualmente alguns estudos estão sendo realizados em diferentes Unidades de Conservação ao longo da Cadeia do Espinhaço, mas nem todas estas informações já se encontram disponíveis para a comunidade científica (CÂMARA et al., relatório técnico não publicado; BONVICINO et al., 2005). Dentro deste contexto, considerando a ausência de integração de estudos realizados ao longo da Serra do Espinhaço e a importância desta informação para o conhecimento da diversidade e distribuição da mastofauna de Minas Gerais, o presente trabalho apresenta os resultados obtidos em estudos realizados em três unidades de conservação do Estado, todas inseridas na RBSE: Parque Nacional das Sempre Vivas, Parque Nacional da Serra do Cipó e Parque Estadual da Serra do Rola-Moça.

3 42 METODOLOGIA Área de estudo O presente trabalho apresenta resultados de pesquisas realizadas em três Unidades de Conservação (UC s), os Parques Nacionais da Serra do Cipó (PARNA Cipó) e das Sempre Vivas (PARNA Sempre Vivas) e o Parque Estadual da Serra do Rola-Moça (PESRM), localizadas no Estado de Minas Gerais. Estas UC s estão inseridas na Serra do Espinhaço, reconhecida pela UNESCO (2005) como a sétima Reserva da Biosfera no Brasil. A cadeia do Espinhaço se estende do município de Ouro Branco em Minas Gerais, a região da Chapada Diamantina, na Bahia, funcionando como um divisor entre os biomas Cerrado e Mata Atlântica (UNESCO, 2005). O Parque Nacional da Serra do Cipó (PARNA Cipó) está localizado a 90 km de Belo Horizonte com uma área de ha., abrangendo os municípios de Jaboticatubas, Santana do Riacho, Morro do Pilar e Itambé do Mato Dentro, com coordenadas 23 K E / N (CÂMARA e MURTA, 2003). O PARNA Cipó está inserido no bioma Cerrado e apresenta as suas diferentes fitofisionomias características, com o predomínio de campos rupestres (IBAMA, 2004). O estudo nesta UC foi realizado no período de 2001 a 2003, com um esforço de captura de armadilhas/noite. O Parque Nacional das Sempre Vivas (PARNA Sempre Vivas) possui ha e está localizado nos municípios de Bocaiúva, Olhos d Água, Buenópolis e Diamantina, com coordenadas 23 K E / ,000 N. A vegetação do Parque ainda se encontra bastante preservada, com uma paisagem típica do Cerrado, apresentando formações savânicas, floresta estacional semidecidual, floresta paludosa, mata ciliar, veredas, campos hidromórficos e campos rupestres (IBAMA, 2004). No

4 43 PARNA Sempre Vivas o estudo foi realizado em 2005 e 2006 e o esforço de captura foi de armadilhas/noite. O Parque Estadual Serra do Rola Moça (PESRM) é a menor das UCs com ha, localizada nos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho, com coordenadas 23K E / N. O Parque está inserido em zona de transição entre os domínios da Mata Atlântica e do Cerrado com um modelo de organização natural das paisagens pouco definido, apresentando formações vegetais abertas e florestais (CÂMARA, 2000). No PESRM o esforço de captura foi de armadilhas/noite. Levantamento de Mamíferos Os resultados utilizados neste estudo foram obtidos através de amostragens sistemáticas de pequenos mamíferos não-voadores e de observações ocasionais de mamíferos de médio e grande porte através de evidências diretas e indiretas nas áreas, durante o período de 1998 a O estudo de pequenos mamíferos foi realizado com armadilhas tipo gaiola, de arame galvanizado, e/ou Shermann, ambas de captura viva, instaladas nas diferentes fitofisionomias de cada UC, sendo utilizados diferentes tipos de iscas para atrair os animais. Para o inventário de mamíferos de médio e grande porte foram utilizadas diversas metodologias tais como busca por evidências diretas e indiretas, estações de pegadas e armadilhas fotográficas (ver CÂMARA, GUIMARÃES - FILHO e TALAMONI (1999); CÂMARA, 2000; CÂMARA et al., 2002 e LEAL, 2006). O arranjo taxômico da espécies listadas neste estudo seguiram o proposto por Wilson e Reeder (2005), exceto Cerradomys subflavus, que segue Weksler, Percequillo e Voss (2006) e os primatas seguindo Rylands e colaboradores, 2000 (tabela 1).

5 44 RESULTADOS Foram registradas 70 espécies de mamíferos de nove ordens e 22 famílias listadas abaixo (tabela 1). Tabela 1 Espécies de mamíferos registradas em três unidades de conservação localizadas na porção mineira da Serra do Espinhaço, Parque Nacional da Serra do Cipó, Parque Nacional das Sempre Vivas e Parque Estadual da Serra do Rola-Moça (Legenda: * = espécie ameaçada de extinção, no país (Machado et al., 2005); # = espécie ameaçada de extinção no Estado de Minas Gerais (Machado et al, 1998). Espécies Parque Nacional da Serra do Cipó DIDELPHIMORPHIA Parque Nacional das Sempre Vivas Parque Estadual da Serra do Rola-Moça Didelphidae Caluromys philander Didelphis albiventris Didelphis aurita Gracilinanus agilis Marmosops incanus Metachirus nudicaudatus Micoureus demerarae Monodelphis americana Monodelphis domestica Philander frenatus PILOSA Myrmecophagidae Myrmecophaga tridactyla (#) Tamandua tetrdactyla (*, #) CINGULATA Dasypodidae Cabassous unicinctus (#) Cabassous tatouay (#) Dasypus novemcinctus Dasypus septemcinctus Euphractus sexcinctus Priodontes maximus (*, #) PRIMATES Cebidae Callithrix geoffroyi Callithrix penicillata Cebus robustus (*) Atelidae Alouatta caraya Phitecidae Callicebus nigrifrons CARNIVORA Canidae Cerdocyon thous Chrysocyon brachyurus (*, #) Lycalopex vetulus (#)

6 45 Procyonidae Nasua nasua Procyon cancrivorus Continuação tabela 1 Espécies Parque Nacional da Serra do Cipó Parque Nacional das Sempre Vivas Parque Estadual da Serra do Rola-Moça Mephitidae Conepatus semistriatus Mustelidae Eira barbara Galictis cuja Lontra longicaudis (#) Felidae Leopardus pardalis (*, #) Leopardus tigrinus (*, #) Panthera onca (*, #) Puma yagouaroundi Puma concolor (*, #) PERISSODACTYLA Tapirus terrestris (#) Tapiridae ARTIODACTYLA Tayassuidae Pecari tajacu (#) Cervidae Mazama americana Mazama gouazoubira Ozotocerus bezoarticus (#) RODENTIA Cricetidae Akodon cursor Calomys tener Nectomys squamipes Necromys lasiurus Oecomys concolor Oligoryzomys eliurus Oryzomys intermedius Cerradomys subflavus Oryzomys scotti Oxymycterus sp. Oxymycterus delator Oxymycterus roberti Pseudoryzomys simplex Rhipidomys mastacalis Thalpomys lasiotis

7 46 Erethizontidae Coendou prehensilis Caviidae Cavia aperea Hydrochoerus hydrochaeris Kerodon rupestris Dasyproctidae Dasyprocta azarae Dasyprocta leporina Cuniculidae Cuniculus paca Echimydae Thrichomys apereoides Trinomys albispinus Trinomys moojeni Trinomys setosus Sciuridae Sciurus aestuans LAGOMORPHA Leporidae Sylvilagus brasiliensis DISCUSSÃO Cerca de 50% das espécies registradas nas três Unidades de Conservação são pequenos mamíferos não-voadores, o que pode ser justificado pelo longo período de amostragem deste grupo de forma sistemática nestas áreas. Além disso, as ordens Rodentia e Didelphimorphia compreendem aproximadamente 46% da fauna de mamíferos do Brasil (REIS et al., 2006). Portanto, a continuidade dos estudos nas unidades de conservação citadas neste estudo pode resultar no registro de outras espécies menos abundantes, já amostradas em outras áreas ao longo da Serra do Espinhaço. Em um estudo realizado no entorno da Usina Hidrelétrica de Irapé, no Vale do rio Jequitinhonha a montante do PARNA Sempre Vivas, foram registradas quatro espécies até o momento não amostradas nas unidades de conservação citadas neste trabalho (Thylamys karimii, Thylamys velutinus, Phylomys blainviille, Wiedomys pyrrhorhinos).

8 47 Outro aspecto relevante observado neste estudo foi o registro de espécies mais comuns na Mata Atlântica, como Callicebus nigrifrons, Monodelphis americana e Didelphis aurita no PESRM. Essa unidade de conservação está inserida em uma área de transição entre os biomas do Cerrado e Mata Atlântica, fato que justifica o registro destas espécies no local. Além disso, o registro de Puma concolor no PESRM reforça a importância da criação e manutenção de corredores de vegetação que visem à conexão entre fragmentos florestais. Um problema comum em áreas reduzidas e isoladas é a explosão populacional de predadores de médio porte devido a ausência de condições ambientais que sustentem a permanência de grandes predadores (ROCHA-MENDES et al., 2005). Os roedores, Kerodon rupestris e Trinomys albispinus, considerados endêmicos de Caatinga, foram registrados em áreas com predomínio de solo litólico. Além disso, T. albispinus, também foi amostrado em florestas estacionais semideciduais do Cerrado no PARNA Sempre Vivas. Estes estudos ampliam a área de distribuição e os biomas de ocorrência das duas espécies (LEAL et al., 2006). O registro de oito espécies incluídas na lista de ameaçadas do Brasil (MACHADO et al., 2005) e 15 na lista de Minas Gerais (MACHADO et al., 1998), reforça a importância da manutenção e conservação de áreas protegidas como locais de refúgio tanto da fauna quanto da flora da Cadeia do Espinhaço. A criação de novas unidades de conservação deve considerar o conjunto já existente de áreas protegidas, incluindo a sua representatividade, a conectividade e o uso dos recursos naturais na comunidade local. Um planejamento mal elaborado pode criar ou agravar problemas derivados da fragmentação de habitat e da insularização (BENSUSAN, 2006). Portanto, é de extrema importância o conhecimento da fauna que estas áreas abrigam.

9 48 Embora exista a necessidade de investigar mais detalhadamente a mastofauna da região, principalmente daquelas de maior porte, os dados aqui divulgados são uma importante fonte de embasamento e direcionamento para ações conservacionistas a serem desenvolvidas na região da Serra do Espinhaço, além de contribuir significativamente para o conhecimento desta fauna para o Estado de Minas Gerais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMDA Associação Mineira de Defesa do Ambiente. A agonia da Serra do Espinhaço - documentário mostra os riscos de seus cursos d'água Disponível em: < Acesso em: 27 Março BENSUSAN, N. Conservação da Biodiversidade em áreas protegidas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 176 p BONVICINO, C. R.; LEMOS, B.; WEKSLER, M.. Small mammals of Chapada dos Veadeiros National Park (Cerrado of central Brazil): ecologyc, kariologyc, and taxonomic considerations. Brazilian Journal of Biology. n. 65, v. 3, p BONVICINO, C. R.; LINDBERGH, S. M. ; MAROLA, L.S. Small non-flying mammals from conserved and altered areas of Atlantic Forest and Cerrado: comments on their potential use for monitoring environment. Brazilian Journal of Biology. v. 62, v.4b, p CÂMARA, E. M. V. C.; FILHO, P. E. G.; TALAMONI, S. A. Mamíferos das áreas de proteção especial de mananciais da Mutuca, Barreiro e Fechos na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. BIOS Cadernos do departamento de Ciências Biológicas da PUC Minas. v. 7, n.7, p , CÂMARA, E. M. V. C. Ecologia de Pequenos Mamíferos não voadores em três áreas de vegetação no Parque Estadual Serra do Rola-Moça, Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pósgraduação em Zoologia de Vertebrados, Belo Horizonte. CÂMARA, T. & MURTA, R.. Mamíferos da Serra do Cipó. Belo Horizonte: PUC Minas, Museu de Ciências Naturais. 129p CÂMARA, E. M. V. C.; OLIVEIRA, L.C.; OLIVEIRA, P.A.; PERINI, H.A; MANATA. F.P. ; OLIVEIRA, V.B. Comunidade de mamíferos não-voadores do Parque Nacional da Serra do Cipó, MG, Brasil. In: CONGRESSO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 3. Fortaleza

10 49 FONSECA, G. A. B. ; AGUIAR, L. M.. Enfoques interdisciplinares para a conservação de biodiversidade: a experiência do Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo de Vida Silvestre da UFMG. In: FONSECA, G. A. B.; SCHMINK, M; PINTO, L. P. S.; BRITO, F. (Eds). Abordagens interdisciplinares para a conservação da biodiversidade e dinâmica do uso da terra no novo mundo. Conservation International do Brasil, UFMG, University of Florida FONSECA, G.A.B.; HERMANN, G.; LEITE, Y.; MITTERMEIER, R.; RYLANDS, A. ; PATTON, J. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. Occasional papers in Conservation Biology. 38 p IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Listagem de Unidades de Conservação Federais Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/siucweb/listauc.php>. Acesso em: 27 Março, LEAL, K. P. G. Estudo da fauna de mamíferos não-voadores do Parque Nacional das Sempre Vivas f. Monografia (conclusão de curso) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Belo Horizonte. LEAL, K. P. G. ; PAULA, T. P. ; COSTA, C. G.; Santiago, F. L.; Câmara, E. M. V. C.. Nova ocorrência de Trinomys albispinus (Rodentia: Echymidae)para o Estado de Minas Gerais, Brasil.. In: CONGRESSO SUL AMERICANO DE MASTOZOOLOGIA, 1. Gramado, RS p. 93. MACHADO, A.B.M.; FONSECA, G.A.B; MACHADO,R.B.; AGUIAR, L.M.S. ; LINS,L.V. Livro Vermelho das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas p. MACHADO, R.B., M.B. RAMOS NETO, P.G.P. PEREIRA, E.F. CALDAS, D.A. GONÇALVES, N.S. SANTOS, K. TABOR E M. STEININGER. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Relatório técnico não publicado. Conservação Internacional, Brasília p. MACHADO, A.B. M.; MARTINS, C. S., DRUMMOND, G. M. Lista da fauna brasileira ameaçada de extinção: incluindo as listas das espécies quase ameaçadas e deficientes de dados. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas MMA Ministério do Meio Ambiente. Corredores ecológicos experiências em planejamento e implementação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente p. REIS, N. R. et al. (Eds.). Mamíferos do Brasil. Universidade Estadual de Londrina, ROCHA-MENDES, F.; MIKICH, S. B.; BIANCONI, G. V. ; PEDRO, W. A.. Mamíferos do município de Fênix, Paraná, Brasil: etnozoologia e conservação. Revista Brasileira de Zoologia. v.22, n. 4, p , 2005.

11 50 RYLANDS, A. B.; SCHNEIDER, H.; LANGGUTH, A.; MITTERMEIER, R. A.; GROVES, C.P. ; RODRIGUES-LUNA, E.. An assessment of the diversity of New World primates. Neotropical Primates 8 (2):61-93 p, UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. UNESCO reconhece nova reserva da biosfera no Brasil: Serra do Espinhaço/MG Disponível em: <http://www.unesco.org.br>. Acesso em: 20 out WEKSLER, M.; PERCEQUILLO, A. R. ; VOSS R. Ten new genera of oryzomyine rodents (Cricetidae: Sigmodontinae). American Museum of Natural History. n WILSON, D. E. ; REEDER, D. M. Mammal Species of the World. Johns Hopkins University Press, 2, 142 pp Disponível em: <http://nmnhgoph.si.edu/msw/>. Acesso em: 20 fev AGRADECIMENTOS Este trabalho é resultado do esforço conjunto de diversas Instituições, pesquisadores e alunos. Portanto, os autores gostariam de agradecer ao fotógrafo Roberto Murta, aos estagiários do laboratório de mamíferos do Museu de Ciências Naturais PUC Minas, à Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, ao Fundo de Incentivo à Pesquisa (FIP PUC Minas), à Fundação Biodiversitas, ao Instituto Estadual de Florestas (IEF) e ao IBAMA pelo apoio e logística nos Parques.

ENDEMISMO ESTADO DE CONSERVAÇÃO MATA ATLÂNTICA IBAMA SC RS PR SP MG RJ ES PONTOS REGISTROS AER. Didelphimorphia Didelphidae

ENDEMISMO ESTADO DE CONSERVAÇÃO MATA ATLÂNTICA IBAMA SC RS PR SP MG RJ ES PONTOS REGISTROS AER. Didelphimorphia Didelphidae Anexo 3.09 - Lista de Espécies de Mamíferos Ocorrentes na APA Serra Dona Francisca e Região Nordeste de Santa Catarina, Nomes Populares, Métodos de Registro pela, Registros em Bibliografia, Ambientes Ocupados,

Leia mais

Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco campanhas do PMMT, UHE Belo Monte, Pará

Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco campanhas do PMMT, UHE Belo Monte, Pará 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco

Leia mais

LEVANTAMENTO DE MASTOFAUNA OCORRENTE NA FAZENDA CANABRANA, MUNICÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS.

LEVANTAMENTO DE MASTOFAUNA OCORRENTE NA FAZENDA CANABRANA, MUNICÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS. LEVANTAMO DE MASTOFAUNA OORRE NA FAZENDA ANABRANA, MUNIÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS. Guedes, E.A.; Sousa, V.M.; Siqueira, R..; Melo, R.S.; Teixeira, T.M. RESUMO Durante dois períodos compreendidos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL VALEC MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) DAS OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DA FERROVIA OESTE LESTE (EF 334), ENTRE FIGUEIRÓPOLIS (TO) E ILHÉUS (BA) VOLUME

Leia mais

DE MAMÍFEROS TERRESTRES NA. Nilton C. Cáceres Jorge J. Cherem Maurício E. Graipel

DE MAMÍFEROS TERRESTRES NA. Nilton C. Cáceres Jorge J. Cherem Maurício E. Graipel DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DE MAMÍFEROS TERRESTRES NA REGIÃO SUL DO BRASIL Nilton C. Cáceres Jorge J. Cherem Maurício E. Graipel A região sul do Brasil é uma das menos conhecidas quanto à distribuição de

Leia mais

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG.

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. RELATÓRIO ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. PRINCÍPIO 3: PROTEÇÃO DA VIDA SILVESTRE Roberto de Lara Haddad Camila Schlieper de Castilho Dezembro

Leia mais

DIVERSIDADE DE MAMÍFEROS DO PARQUE NACIONAL DE UBAJARA (CEARÁ, BRASIL)

DIVERSIDADE DE MAMÍFEROS DO PARQUE NACIONAL DE UBAJARA (CEARÁ, BRASIL) Mastozoología Neotropical / J. Neotrop. Mammal.; 7(2):95-100 SAREM, 2000 ISSN 0327-9383 DIVERSIDADE DE MAMÍFEROS DO PARQUE NACIONAL DE UBAJARA (CEARÁ, BRASIL) Patrícia Gonçalves Guedes 1, Shirley Seixas

Leia mais

Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI

Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI SILVA, Luan Gabriel de Lima (Bolsista do PIBICV/UFPI); LIMA, Rogério Nora (Orientador. Departamento de Biologia da

Leia mais

PLANO DE MANEJO. Mastofauna do Parque das Neblinas

PLANO DE MANEJO. Mastofauna do Parque das Neblinas PLANO DE MANEJO Mastofauna do Parque das Neblinas foto: C. Tófoli RELATÓRIO TÉCNICO Responsável Técnico: Cristina F. de Tófoli Auxiliar Técnico: Daniel Pereira Munari ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS...

Leia mais

Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica.

Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica. Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica. Autores: Rogério Martins Rosaria Montero Velasco Heloísa Aparecida de Oliveira Geraldo Batista de Oliveira

Leia mais

Guia para identificação de pegadas

Guia para identificação de pegadas Guia para identificação de pegadas Apoio: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Programa ABC na Educação Científica - Mão na Massa Coordenador do Programa ABC na Educação Científica - Mão

Leia mais

Mamíferos terrestres de floresta de araucária no município de Três Barras, Santa Catarina, Brasil

Mamíferos terrestres de floresta de araucária no município de Três Barras, Santa Catarina, Brasil Biotemas 9(2): 29-46, 1996 Mamíferos terrestres de floresta de araucária no município de Três Barras, Santa Catarina, Brasil 1 Jorge José Cherem 2 Diego Miguel Perez 1 Laboratório de Mamíferos Aquáticos

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil

Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil Biotemas, 20 (3): 81-96, setembro de 2007 ISSN 0103 1643 Mamíferos em rodovias de Santa Catarina 81 Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil

Leia mais

BOL MUS BIOL MELLO LEITÃO (N SÉR ) 19:59-74 MARÇO DE 2006 59 A coleção de mamíferos do Museu Elias Lorenzutti em Linhares, Estado do Espírito Santo, Brasil Ricardo Lorenzutti¹ & Antonio de Padua Almeida²*

Leia mais

Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO

Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO ARTIGO ORIGINAL Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO Guilherme Rodrigues Araújo 1, Paulo Machado e Siva 2, Dieferson da Costa Estrela 2, André

Leia mais

Mastofauna terrestre da Reserva Biológica Estadual do Sassafrás, Doutor Pedrinho, Santa Catarina, Sul do Brasil

Mastofauna terrestre da Reserva Biológica Estadual do Sassafrás, Doutor Pedrinho, Santa Catarina, Sul do Brasil Biotemas, 27 (3): 123-129, setembro de 2014 ISSNe 2175-7925 123 http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n3p123 Mastofauna terrestre da Reserva Biológica Estadual do Sassafrás, Doutor Pedrinho, Santa

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E OCORRÊNCIA DE MAMÍFEROS NA MATA ATLÂNTICA DO SUL DA BAHIA

DISTRIBUIÇÃO E OCORRÊNCIA DE MAMÍFEROS NA MATA ATLÂNTICA DO SUL DA BAHIA DISTRIBUIÇÃO E OCORRÊNCIA DE MAMÍFEROS NA MATA ATLÂNTICA DO SUL DA BAHIA Raquel Teixeira de Moura Instituto de Estudos Sócio-Ambientais do Sul da Bahia/ Universidade Federal de Minas Gerais Caixa Postal

Leia mais

Anexo Fotográfico Fauna

Anexo Fotográfico Fauna Anexo Fotográfico Fauna Herpetofauna: Armadilhas-de-interceptação-e-queda instaladas na Fazenda do Sr. Adão, Alvorada de Minas, MG (Autoria: Bruno V.S. Pimenta) Estação de Amostragem 2, mata da Fazenda

Leia mais

Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT

Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT ARTIGO Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT Danilo José Vieira Capela ¹*, Luciano Moreira Ceolin ¹, Camila da Veiga Coutinho¹, Stefani Gabrieli

Leia mais

MAMÍFEROS DO VALE DO TAQUARI, REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

MAMÍFEROS DO VALE DO TAQUARI, REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL MAMÍFEROS DO VALE DO TAQUARI, REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Carlos Benhur Kasper 1 Maria Júlia Feldens 2 Fábio Dias Mazim 3 Adilson Schneider 4 Cristina Vargas Cademartori 5 Hamilton César Zanardi

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados Diversidade de mamíferos em diferentes fitofisionomias do Cerrado do Parque Nacional Grande Sertão

Leia mais

Mastofauna terrestre de algumas áreas sobre influência da Linha de Transmissão (LT) 230 KV PE / PB, CIRCUITO 3

Mastofauna terrestre de algumas áreas sobre influência da Linha de Transmissão (LT) 230 KV PE / PB, CIRCUITO 3 REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 4- Número 2-2º Semestre 2004 Mastofauna terrestre de algumas áreas sobre influência da Linha de Transmissão (LT) 230 KV PE / PB, CIRCUITO 3

Leia mais

MCFI-1 72 75 56 168 189 - MCFI-2 180 150 56 168-24 MCCR-1 53 40 - - - - MCFD-1 150 150 - - 126 120 MCFD-2 53 35 - - - - BBSR-1 84 103 - - 144 54

MCFI-1 72 75 56 168 189 - MCFI-2 180 150 56 168-24 MCCR-1 53 40 - - - - MCFD-1 150 150 - - 126 120 MCFD-2 53 35 - - - - BBSR-1 84 103 - - 144 54 175 Amostragem de Pequenos Mamíferos Terrestres Armadilhas do tipo gaiola, Tomahawk e Sherman foram utilizadas para a captura de pequenos roedores e marsupiais. Foram estabelecidas 18 linhas de transecção

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva

O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva 1) Introdução O Brasil possui 652 espécies de mamíferos, distribuídas em

Leia mais

b. Mastofauna (1) Introdução

b. Mastofauna (1) Introdução b. Mastofauna (1) Introdução Em relação aos mamíferos, o cerrado possui uma fauna particular, contendo táxons endêmicos (PÁDUA, 1992), táxons de distribuição abrangentes e táxons da fauna atlântica e amazônica.

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

MAMÍFEROS NÃO VOADORES ENCONTRADOS EM TRÊS ÁREAS DO PARQUE ESTADUAL DO ESPINILHO, BARRA DO QUARAÍ, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

MAMÍFEROS NÃO VOADORES ENCONTRADOS EM TRÊS ÁREAS DO PARQUE ESTADUAL DO ESPINILHO, BARRA DO QUARAÍ, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL BIODIVERSIDADE PAMPEANA ISSN 1679-6179 PUCRS, Uruguaiana, 9 (1): 44-49, dez. 2011 MAMÍFEROS NÃO VOADORES ENCONTRADOS EM TRÊS ÁREAS DO PARQUE ESTADUAL DO ESPINILHO, BARRA DO QUARAÍ, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

Leia mais

Mamíferos de Guarapuava, Paraná, Brasil

Mamíferos de Guarapuava, Paraná, Brasil ISSN 1517-6770 Mamíferos de Guarapuava, Paraná, Brasil Luiz Gustavo Eckhardt Valle 1,2 ; Huilquer Francisco Vogel 3 ; Bruno Minoru Sugayama 3 ; Rafael Metri 4 ; Janaina Gazarini 5 & Claudio Henrique Zawadzki

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE?

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? Após uma série de pesquisas no Parque Municipal Arthur Thomas, a 10 kms do centro de Londrina - uma área de 85 hectares de floresta de Mata Atlântica cercada pela zona urbana

Leia mais

A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre

A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre o sucesso evolutivo desse grupo, existem três características

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES Programa 23 Programa de Monitoramento de Mamíferos Terrestres Relatório Semestral EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

G e o l o g i a M i n e r a ç ã o e A s s e s s o r i a L t d a. E-mail : geominas@terra.com.br Fone 55 65 3682-7603 Fone Fax 3682-3273

G e o l o g i a M i n e r a ç ã o e A s s e s s o r i a L t d a. E-mail : geominas@terra.com.br Fone 55 65 3682-7603 Fone Fax 3682-3273 329 2.5. MASTOFAUNA 2.5.1. Introdução Inventariar a fauna de vertebrados de qualquer ecorregião tropical é uma tarefa extensa e laboriosa, não sendo diferente com os mamíferos. Classe Mammalia é uma das

Leia mais

Carla Deonisia Hendges 1 * Carlos Henrique Salvador 2 Murilo Anzanello Nichele 3

Carla Deonisia Hendges 1 * Carlos Henrique Salvador 2 Murilo Anzanello Nichele 3 Biotemas, 28 (3): 121-134, setembro de 2015 ISSNe 2175-7925 121 http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n3p121 Mamíferos de médio e grande porte de remanescentes de Floresta Estacional Decidual no Parque

Leia mais

Registros de mamíferos não voadores em estudos de avaliação ambiental no sul do Brasil

Registros de mamíferos não voadores em estudos de avaliação ambiental no sul do Brasil Registros de mamíferos não voadores em estudos de avaliação ambiental no sul do Brasil Resumo Jorge J. Cherem Servidão Adélia C. Cherem, 20, Córrego Grande Florianópolis, SC, Brasil, 88.037-080. jjcherem@ig.com.br

Leia mais

Fauna de mamíferos assoociada à mata ciliar... MOURA, S. L. de

Fauna de mamíferos assoociada à mata ciliar... MOURA, S. L. de 49 (1) Graduada em Ciências Biológicas pela PUC-SP; graduanda em Tecnologia em Gestão Ambiental no Instituto Federal de E- ducação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, câmpus São Roque SP. Correspondência:

Leia mais

MAMÍFEROS DO TOCANTINS

MAMÍFEROS DO TOCANTINS MAMÍFEROS DO TOCANTINS Giovanni Salera Júnior Email: salerajunior@yahoo.com.br Palmas - Tocantins Outubro de 2004 Salera Júnior, Giovanni. Catalogação Mamíferos do Tocantins. Giovanni Salera Júnior. Palmas.

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =)

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =) 7 ANO AULA DE CIÊNCIAS Professora Andressa =) MAMÍFEROS 7 ANO MAMÍFEROS Atualmente cerca de 5500 espécies conhecidas de mamíferos no mundo Brasil, 2006: 652 espécies conhecidas de mamíferos nativos 609

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

Sonia Aparecida de SOUZA 2, 3 ; André Luis Teixeira De LUCCA 2 ; Ernesto Pedro DICKFELDT 2 ; Paulo Roberto de OLIVEIRA 2

Sonia Aparecida de SOUZA 2, 3 ; André Luis Teixeira De LUCCA 2 ; Ernesto Pedro DICKFELDT 2 ; Paulo Roberto de OLIVEIRA 2 IMPACTOS DE ATROPELAMENTOS DE ANIMAIS SILVESTRES NO TRECHO DA RODOVIA SP 215 CONFRONTANTE AO PARQUE ESTADUAL DE PORTO FERREIRA PORTO FERREIRA, SP (NOTA CIENTÍFICA) 1 IMPACTS ROADKILLS MORTALITY OF WILD

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

Monitoramento de Fauna e Flora

Monitoramento de Fauna e Flora CASA DA FLORESTA Resumo dos Resultados Monitoramento de Fauna e Flora Ano 2011 VERACEL CELULOSE S/A - BA Piracicaba, Dezembro de 2011 Monitoramento de Fauna e Flora nas Áreas da Veracel Celulose S/A -

Leia mais

MAMÍFEROS E AVES COMO INSTRUMENTOS DE EDUCAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL EM CORREDORES DE BIODIVERSIDADE DO CERRADO, BRASIL

MAMÍFEROS E AVES COMO INSTRUMENTOS DE EDUCAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL EM CORREDORES DE BIODIVERSIDADE DO CERRADO, BRASIL Mastozoología Neotropical, 15(2):261-271, Mendoza, 2008 SAREM, 2008 ISSN 0327-9383 Versión on-line ISSN 1666-0536 MAMÍFEROS E AVES COMO INSTRUMENTOS DE EDUCAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL EM CORREDORES DE

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS. 270. BASTOS NETO et al.

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS. 270. BASTOS NETO et al. Mamíferos de fragmento florestal periurbano.269 Revista Brasileira de ZO OCIÊNCIAS 11(3): 269-276, dezembro 2009 ISSN 1517-6770 Mamíferos de um fragmento florestal particular periurbano de Juiz de Fora,

Leia mais

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS 122 Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS Joana Pinto Santos 1, Marcela Barcelos Sobanski 2 1 Analista em Infraestrutura de Transportes

Leia mais

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES DIAGNÓSTICO NACIONAL 1 Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas - Universidade Federal de Lavras SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO 3 PESSOAL

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

Introdução. 1. Tamanho do fragmento

Introdução. 1. Tamanho do fragmento 5 MAMÍFEROS Marcus Vinícius Vieira Deborah Maria de Faria Fernando Antônio dos Santos Fernandez Stephen Francis Ferrari Simone Rodrigues Freitas Denise de Alemar Gaspar Raquel Teixeira de Moura Natalie

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG Bárbara Cristina Leite Flávia Ferreira dos Santos Jasmine Cardozo Moreira RESUMO:

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

AHE Belo Monte. Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu. Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte.

AHE Belo Monte. Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu. Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte. AHE Belo Monte Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte Relatório Final EQUIPE Coordenadora: Maria Aparecida Lopes, Ph.D. Bolsistas:

Leia mais

Mamíferos de médio e grande porte da Reserva Biológica Augusto Ruschi, Espírito Santo

Mamíferos de médio e grande porte da Reserva Biológica Augusto Ruschi, Espírito Santo Copyright abr-jun 2014 do(s) autor(es). Publicado pela ESFA [on line] http://www.naturezaonline.com.br Gatti A, Segatto B, Carnelli CC, Moreira DO (2014) Mamíferos de médio e grande porte da Reserva Biológica

Leia mais

CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS

CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS Fernanda Góss Braga Os mamíferos nos Campos Gerais A região dos Campos Gerais abriga cerca de Mamíferos são animais pertencentes à 54% do total de mamíferos terrestres

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS

RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS LEVANTAMENTO E ESTIMATIVAS POPULACIONAIS DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE PORTE NUM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM ÁREA URBANA NO SUDESTE DO BRASIL Dissertação apresentada

Leia mais

Marsupiais do Quaternário da região da Serra da Capivara, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil

Marsupiais do Quaternário da região da Serra da Capivara, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil Marsupiais do Quaternário da região da Serra da Capivara, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil Filipe Armando Motta (UFRGS), Ana Maria Ribeiro (FZBRS/Departamento de Paleontologia) E-mail: filipe.motta00@gmail.com

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL KLAUDIA BITENCOURT

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL KLAUDIA BITENCOURT UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E DA REGIÃO DO PANTANAL KLAUDIA BITENCOURT MASTOFAUNA TERRESTRE DO PARQUE ESTADUAL DO PROSA, CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL CAMPO GRANDE MS 2008 KLAUDIA

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

TATIANE CARMO BRISTOT

TATIANE CARMO BRISTOT PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL TATIANE CARMO BRISTOT LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE PORTE EM

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Gatos do Mato RS ---------------------------------------------------

Gatos do Mato RS --------------------------------------------------- Projeto Gatos do Mato RS --------------------------------------------------- Monitoramento e Conservação dos Pequenos Felinos Silvestres em Fragmentos de Mata Atlântica na Região do Vale do Taquari, Sul

Leia mais

3 PROGRAMA DE COMPENSAÇÃO PELA EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA

3 PROGRAMA DE COMPENSAÇÃO PELA EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA 3 PROGRAMA DE COMPENSAÇÃO PELA EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA 3.1 ÁREAS PARA CONVERSÃO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO 3.1.1 - Justificativa O Brasil possui uma das biotas mais notáveis do planeta, mas ela

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Threatened mammals in Atlantic Forest. Adriano Paglia UFMG

Threatened mammals in Atlantic Forest. Adriano Paglia UFMG Threatened mammals in Atlantic Forest Adriano Paglia UFMG Quantas espécies de mamíferos ocorrem na Mata Atlântica? Fonseca et al. 1996 524 espécies de mamíferos no Brasil 248 (47,3%) na Mata Atlântica

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo Monitoramento de Biodiversidade Por Paulo Henrique Bonavigo CDB Convenção da Diversidade Biológica (Eco 92). Metas de Aichi 2020. 5 objetivos estratégicos A. Tratar das causas fundamentais de perda de

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Mamíferos do campus da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Mamíferos do campus da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Mamíferos do campus da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Tiago Gomes dos Santos 1,6 ; Marcia Regina Spies 2 ; Katia Kopp 3 ; Rafael Trevisan 4 ; Sonia Zanini Cechin 5 1 Programa

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Lista de mamíferos para o estado da Bahia

Lista de mamíferos para o estado da Bahia Lista de mamíferos para o estado da Bahia Ordens Famílias Gêneros Espécies Didelphimorphia 1 11 17 Pilosa 2 4 5 Cingulata 1 5 7 Primates 3 6 15 Lagomorpha 1 1 1 Chiroptera 9 55 107 Carnivora 6 18 22 Perissodactyla

Leia mais

FAUNA AMEAÇADA DE EXTINÇÃO NOS PARQUES ESTADUAIS FORNO GRANDE E PEDRA AZUL, ES.

FAUNA AMEAÇADA DE EXTINÇÃO NOS PARQUES ESTADUAIS FORNO GRANDE E PEDRA AZUL, ES. FAUNA AMEAÇADA DE ETINÇÃO NOS PARQUES ESTADUAIS FORNO GRANDE E PEDRA AZUL, ES. Franciane Lousada Rubini de Oliveira Louzada¹, Alexandre Rosa dos Santos². Aderbal Gomes da Silva¹, 1 Universidade Federal

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Para que servem os inventários de fauna?

Para que servem os inventários de fauna? Para que servem os inventários de fauna? Luís Fábio Silveira, Beatriz de Mello Beisiegel, Felipe Franco Curcio, Paula Hanna Valdujo, Marianna Dixo, Vanessa Kruth Verdade, George Mendes Taliaferro Mattox

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES AVALIAÇÃO DA RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE ESPÉCIES DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Documento para discussão no GT estratégia para conservação

Documento para discussão no GT estratégia para conservação UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA Preparado por The Nature Conservancy do Brasil e Associação Caatinga com base em informações fornecidas pelo IBAMA (DEUC, Programa RPPN e Superintendências do PI e RN),

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Mamíferos terrestres não voadores da Ilha de Santa Catarina, sul do Brasil

Mamíferos terrestres não voadores da Ilha de Santa Catarina, sul do Brasil Mamíferos terrestres não voadores da Ilha de Santa Catarina, sul do Brasil Maurício E. Graipel * Jorge J. Cherem Alfredo Ximenez Laboratório de Mamíferos Aquáticos, Dep. Ecologia e Zoologia, Universidade

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais