ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG."

Transcrição

1 RELATÓRIO ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. PRINCÍPIO 3: PROTEÇÃO DA VIDA SILVESTRE Roberto de Lara Haddad Camila Schlieper de Castilho Dezembro 2015

2 APRESENTAÇÃO A Fazenda do Bugre, localizada no município mineiro de Prata, atua na atividade de pecuária e encontra-se em processo de certificação para obtenção do selo RAS - RainForest Alliance. O IPÊ Instituto de Pesquisas Ecológicas, organização sem fins lucrativos com mais de 20 anos de atuação na conservação da biodiversidade brasileira coordenou as atividades desenvolvidas para atender o Princípio 3 do referido selo, o da Proteção da Vida Silvestre. A proposta de trabalho foi orientada para o levantamento preliminar dos mamíferos de médio e grande porte, considerando sua importância para o equilíbrio dos ecossistemas e a oferta de serviços ecossistêmicos associados. O grupo abrange espécies carismáticas e que apresentam extensa área de vida, favorecendo a conservação em cascata de outras espécies silvestres no mesmo território. Notadamente são espécies que figuram como ameaçadas de extinção pela perda de habitat, introdução de espécies exóticas, caça ilegal, atropelamentos em estradas e rodovias entre outros fatores. A equipe técnica foi composta pelos seguintes profissionais: Eng. Agrônomo Roberto de Lara Haddad, coordenador de projetos do IPÊ, com mais de 10 anos de experiência em trabalhos com mastofauna e graduado em Manejo de Espécies Ameaçadas pela Universidade de Kent, Reino Unido. Bióloga Camila Schlieper de Castilho, Ph.D. pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pós-doutorada em planejamento ambiental e ecologia da paisagem pela Universidade de São Paulo. Atua desde 2000 na pesquisa e conservação de mamíferos silvestres. OBJETIVO A proposta teve por objetivo gerar conhecimento sobre a mastofauna de médio e grande porte presente na Fazenda do Bugre e entorno, com o envolvimento de seus colaboradores, que permita a certificação RAS por oferecer subsídios para a condução da atividade produtiva em harmonia com a vida silvestre, ensejando uma produção mais sustentável.

3 Objetivos específicos da proposta foram: - Gerar uma lista de espécies de mamíferos de médio e grande porte - Acessar o conhecimento do colaboradores com a fauna local. - Identificar espécies problemáticas exóticas invasoras - Identificar espécies silvestres emblemáticas em potencial METODOLOGIA O levantamento de mamíferos de médio e grande porte foi realizado entre os dias 7 e 12 de Dezembro de 2015, utilizando-se um conjunto de métodos, descritos a seguir. Entrevistas com os colaboradores foram realizadas para acessar o conhecimento da fauna local adquirido na vivência da fazenda. As entrevistas são informais e as informações fornecidas são confrontadas com detalhes técnicos que permitem aos pesquisadores confirmarem ou não a presença de determinadas espécies. Ao todo, quatro colaboradores foram entrevistados. Transectos a pé, a cavalo ou de carro foram realizados para observação direta da fauna ou observação de rastros e vestígios. Os transectos foram distribuídos no interior da fazenda em estradas, trilhas e ao longo de cursos de água, bem como no entorno da fazenda, principalmente em estradas vicinais. O esforço aproximado foi de 30 horas de percursos diurnos e noturnos. Armadilha fotográfica foi instalada em três locais distintos da fazenda, em consideração as informações fornecidas pelos colaboradores e potencial de registro evidenciado pelos pesquisadores. Em cada ponto a máquina permaneceu ativa por 14, 19 e 39 horas, respectivamente. Ao todo, o esforço de amostragem com armadilha fotográfica foi de 72 horas. RESULTADOS O resultado do levantamento de mamíferos de médio e grande porte encontrase na Tabela abaixo, que descreve a taxonomia das espécies, o tipo de registro e a categoria de ameaça frente as listas vermelhas oficiais do Estado de Minas Gerais, do Brasil-MMA e Internacional-IUCN. Na sequência a Figura mostra a localização das armadilhas fotográficas e dos registros de fauna na Fazenda e no seu entorno e a legenda correspondente para a espécie registrada.

4 Ordem Nome Comum Nome Científico Tipo de Registro Didelphimorphia Gambá Didelphis sp. Pegada, relato Listas de Animais Ameaçados Minas Gerais Brasil - MMA Internacional - IUCN Xenarthra Tamanduá-bandeira Myrmecophaga tridactyla avistamento, pegada, relato Em perigo Vulnerável Vulnerável A2c Cingulata Tatupeba Euphractus sexcinctus atropelado Tatu-galinha Dasypus sp. pegada, relato MAMÍFEROS Carnivora Cachorro-do-mato Cerdocyon thous avistamento, relato Lobo-guará Chrysocyon brachyurus pegada, relato Vulnerável Vulnerável Raposinha-do-campo Lycalopex vetulus relato Vulnerável Vulnerável Vulnerável A2+3cd Onça-parda Puma concolor relato Criticamente em perigo Vulnerável Irara Eira barbara pegada, relato Mão-pelada Procyon cancrivorous pegada, relato Quati Nasua nasua relato Rodentia Paca Cuniculus paca pegada, relato, armadilha fotográfica Capivara Hydrochaeris hydrochaeris relato Ouriço-cacheiro Coendou prensilis relato Primata Macaco-prego Sapajus sp. relato Artiodactyla Veado-catingueiro Mazama gouazoubira pegada, relato, avistamento Cateto, caititu Pecari tajacu relato Em perigo Javali Sus scrofa pegada, relato, avistamento Espécie exótica Perissodactyla Anta Tapirus terrestris relato, pegada Criticamente em perigo Vulnerável Vulnerável A2cde+3cde

5 01 Cachorro-do-mato; Tamanduá-bandeira 09 Veado 17 Cachorro-do-mato AF1 Paca 02 Tatu 10 Veado 18 Veado; Tatu AF2 Sem registros 03 Paca 11 Mão-pelada; Paca; Irara 19 Veado; Javali AF3 Anta; Veado 04 Tatu 12 Anta 20 Anta 05 Lobo-guará; Paca 13 Tamanduá-bandeira 21 Tatu 06 Gambá 14 Veado 22 Tamanduá-bandeira 07 Tamanduá-bandeira 15 Veado 23 Veado 08 Javali 16 Tatu 24 Veado

6 Ao todo, foram levantadas dezoito espécies silvestres de mamíferos de médio e grande porte (> 1 kg peso vivo) e uma espécies exótica invasora Sus scrofa popularmente conhecida como javali europeu ou java-porco, distribuídas em oito Ordens. O levantamento representou 40% das espécies de mamíferos de médio e grande porte reconhecidas para o Cerrado (N=45), conforme dados do Ministério do Meio Ambiente. A Ordem carnívora foi a mais representativa no levantamento com 40% das espécies registradas. A raposinha-do-campo, Lycalopex vetulus foi a única espécie endêmica do Cerrado registrada no levantamento. Os mamíferos ameaçados de extinção identificados no levantamento são sete ao todo (~ 40%), sendo que três espécies (anta, raposinha-do-campo e tamanduá-bandeira) são listadas nos três níveis estadual, nacional e internacional. Para o Estado de MG, a anta e a onça-parda são categorizadas como Criticamente em Perigo de extinção e o cateto como Em Perigo de extinção, categorias de maior relevância para a conservação das espécies. O conhecimento da fauna pelos colaboradores da Fazenda do Bugre foi considerado muito bom. Os locais apontados pelos colaboradores como bastante utilizados pela fauna foram amostrados utilizando-se outros métodos e foi confirmada a presença das espécies relatadas. Foram exemplos disto o local da armadilha fotográfica que registrou a Paca, do açude onde foi registrada as pegadas de Anta e Tamanduá-bandeira, bem como a toca onde foi avistado o Javali. Os colaboradores também mostraram conhecimento confiável na identificação da fauna a partir de pegadas, confirmadas pelos pesquisadores. Todas as pegadas apontadas como pertencendo a uma espécie de fauna foram confirmadas em campo em todas as ocasiões, um acerto de 100%. Os relatos sobre as espécies, fornecidos durante as entrevistas, foram confirmados em campo pelos pesquisadores através dos outros métodos utilizados (transectos e armadilha fotográfica), com exceção das espécies onça-parda, quati, capivara, cateto, ouriço, macaco-prego e raposinha-docampo. Estas espécies relatadas para a Fazenda foram aceitas no levantamento, após confrontadas com detalhes técnicos durante as entrevistas e confirmadas com a distribuição publicada na literatura de mamíferos para o município de Prata- MG e o bioma Cerrado. A espécie exótica Javali teve um indivíduo adulto avistado repousando em uma toca, todavia a presença da espécie foi registrada por meio de rastros em abundância pela Fazenda, com sinais claros de grupos numerosos de animais, fato também relatado pelos colaboradores.

7 Na safra anterior houve danos econômicos à lavoura de milho relatados pelos colaboradores e pelo proprietário da Fazenda e foi constatada a necessidade de investimentos em cerca eletrificada para a nova safra que se encontra em andamento. Em termos de predação de animais na Fazenda foi relatado a predação de aves de postura no quintal da residência dos colaboradores, provavelmente por canídeos domésticos ou silvestres, além de um bovino jovem (bezerro) provavelmente por onça-parda, embora não confirmada. A Fazenda possui uma política de proibir a caça, embora haja relatos de colaboradores sobre atividade de caça no entorno e nas fazendas adjacentes. Não foram observados animais silvestres em cativeiro nas dependências da Fazenda. Um espécime de Tatupeba foi encontrado atropelado na estrada próximo a Fazenda. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Fazenda do Bugre apresenta uma boa cobertura de vegetação nativa do Cerrado e uma paisagem no entorno favorável a reprodução e dispersão da fauna entre as propriedades adjacentes. A diversidade de mamíferos de médio e grande porte foi positiva em função do esforço amostral empregado. O resultado é uma lista preliminar que deverá ser acrescida de mais espécies com o monitoramento da fauna. A presença de espécie endêmica e espécies ameaçadas de extinção reforçam a necessidade de a Fazenda conduzir atividades que promovam a proteção da fauna silvestre. Neste sentido, a adoção de uma espécie emblemática poderá ser orientada para as seguintes espécies: a Anta brasileira (Tapirus terrestres), o Tamanduábandeira (Myrmecophaga tridactyla) e a Raposinha-do-Campo (Lycalopex vetulus). Espécies carnívoras com potencial de predação dos animais de produção da Fazenda como a onça-parda e o lobo-guará ensejam conflito, portanto sugerese cautela na eventual adoção de tais espécies como emblemáticas. Espécies carismáticas, embora não ameaçadas de extinção, como o veado catingueiro, a paca, o macaco-prego, entre outras levantadas na Fazenda podem ser boas opções caso sejam frequentemente avistadas, por exemplo. Os colaboradores da Fazenda demonstraram condições de identificar a mastofauna local e se mostraram sensibilizados para a proteção da biodiversidade. Em anexo a este documento, segue um modelo de planilha de monitoramento de fauna que poderá ser utilizado pelos colaboradores na vivência da Fazenda.

8 Considerando a presença da espécie exótica Javali, o seu potencial de dano biológico no ecossistema do Cerrado e de dano econômico aos proprietários rurais, medidas de controle e erradicação deverão ser objeto de estudo ante qualquer ação, em consonância a legislação ambiental vigente e na disponibilidade de dados populacionais e de distribuição da espécie na fazenda e seu entorno. O manejo do Javali em território nacional é regulamentado. Os procedimentos para o manejo podem ser encontrados em: A proteção da fauna silvestre frente a caça e atropelamentos nas estradas poderá ser melhorada. Orienta-se a fixação de placas indicativas de proibição da caça no perímetro da Fazenda e de presença ou passagem de vida silvestre nas estradas vicinais, bem como o limite de velocidade no acesso a Fazenda. Sugere-se também reforçar o comprometimento dos colaboradores com a política da Fazenda de proibir a caça e animais silvestres em cativeiro. Frente a predação de animais domésticos por espécies silvestres sugere-se a adoção de galinheiros telados e estábulos fechados, em que as aves e outros animais (ovinos e suínos por exemplo) permaneçam protegidos durante a noite, período que corresponde a maior atividade dos predadores. A iluminação próxima a estes estabelecimentos, a presença de cães de guarda e cerca elétrica também são medidas preventivas. Animais domésticos (gatos e cachorros) com ou não comportamento feral (animais de vida livre) que tenham o habito de caçar representam grande ameaça a biodiversidade por se tratarem de predadores eficientes e por carregarem patógenos que podem acometer a fauna silvestre. Neste sentido, sugere-se também que a Fazenda adote uma política de animais domésticos (pets) entre os colaboradores que procure o controle populacional (castração), a alimentação adequada e a sanidade dos animais (vacinação periódica). Por fim, sugere-se a adoção de uma medida indireta de proteção a fauna silvestre que consiste na proteção e recuperação das APP-Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal, através do seu cercamento contra a entrada de animais domésticos, especialmente bovinos e equinos, evitando processos erosivos e afugentamento da fauna silvestre. A Fazenda do Bugre por meio de seu proprietário e com a motivação de seus colaboradores tem condição de iniciar uma articulação local entre proprietários e comunidades adjacentes para uma ampla proteção da fauna silvestre e também como medida coletiva no esforço de controle e erradicação do Javali, que se entende por um problema regional.

9 FICHA FAUNA FAZENDA BUGRE (exemplo) ESPÉCIE: Tamanduá-Bandeira TIPO REGISTRO: Pegada/visual/vocalização/carcaça LOCAL: Piquete 5/ na sede / próximo a represa quanto mais detalhado melhor. HORA OU PERÍODO DO DIA: 7h ou manhã/tarde OBSERVAÇÕES: com filhote/em grupo/ - quanto mais detalhado melhor. Qualquer observação que quiser! DATA: dia/mês/ano NOME: ou apelido

10 FICHA FAUNA FAZENDA BUGRE ESPÉCIE: TIPO REGISTRO: LOCAL: HORA OU PERÍODO DO DIA: OBSERVAÇÕES: DATA: NOME:

11 Tamanduá-bandeira registrado por rastros Paca registrada por armadilha fotográfica Armadilha fotográfica instalada no local onde foram registrados Anta e Tamaduá-bandeira através de rastros Anta registrada através de rastros Toca onde foi avistado Javali durante transecto Lobo-guará registrado através de rastros

12 Mão-pelada registrado por rastros Veado registrado por rastros Local de passagem bastante utilizado pela fauna Tatupeba encontrado atropelado no entorno da Fazenda

Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco campanhas do PMMT, UHE Belo Monte, Pará

Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco campanhas do PMMT, UHE Belo Monte, Pará 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 12.3.8 1 Lista de espécies de mamíferos registrados durante as cinco

Leia mais

Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT

Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT ARTIGO Uso de Passagens de Fauna no Trecho Ferroviário entre Aparecida do Taboado/MS e Rondonópolis/MT Danilo José Vieira Capela ¹*, Luciano Moreira Ceolin ¹, Camila da Veiga Coutinho¹, Stefani Gabrieli

Leia mais

Guia para identificação de pegadas

Guia para identificação de pegadas Guia para identificação de pegadas Apoio: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Programa ABC na Educação Científica - Mão na Massa Coordenador do Programa ABC na Educação Científica - Mão

Leia mais

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG Bárbara Cristina Leite Flávia Ferreira dos Santos Jasmine Cardozo Moreira RESUMO:

Leia mais

O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva

O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva O USO DO HABITAT E MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS NÃO- VOADORES NO PARQUE ESTADUAL DO ARAGUAIA, MT. Sérgio Gomes da Silva 1) Introdução O Brasil possui 652 espécies de mamíferos, distribuídas em

Leia mais

A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre

A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre A seguir serão comentadas informações sobre algumas das espécies de mamíferos do Estado do Paraná. Para que possamos compreender um pouco mais sobre o sucesso evolutivo desse grupo, existem três características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS 122 Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS Joana Pinto Santos 1, Marcela Barcelos Sobanski 2 1 Analista em Infraestrutura de Transportes

Leia mais

LEVANTAMENTO DE MASTOFAUNA OCORRENTE NA FAZENDA CANABRANA, MUNICÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS.

LEVANTAMENTO DE MASTOFAUNA OCORRENTE NA FAZENDA CANABRANA, MUNICÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS. LEVANTAMO DE MASTOFAUNA OORRE NA FAZENDA ANABRANA, MUNIÍPIO DE AUGUSTO DE LIMA, MINAS GERAIS. Guedes, E.A.; Sousa, V.M.; Siqueira, R..; Melo, R.S.; Teixeira, T.M. RESUMO Durante dois períodos compreendidos

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

PLANO DE MANEJO. Mastofauna do Parque das Neblinas

PLANO DE MANEJO. Mastofauna do Parque das Neblinas PLANO DE MANEJO Mastofauna do Parque das Neblinas foto: C. Tófoli RELATÓRIO TÉCNICO Responsável Técnico: Cristina F. de Tófoli Auxiliar Técnico: Daniel Pereira Munari ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS...

Leia mais

Dê passagem. para a. Alex Bager e Liana John

Dê passagem. para a. Alex Bager e Liana John Dê passagem para a Alex Bager e Liana John No nosso Brasil de muitos milhões de carros, caminhonetes, caminhões e ônibus, aprendemos logo cedo a atravessar as ruas com cuidado. Mesmo quando estamos na

Leia mais

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES DIAGNÓSTICO NACIONAL 1 Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas - Universidade Federal de Lavras SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO 3 PESSOAL

Leia mais

CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS

CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS CAPÍTULO 12 MAMÍFEROS DOS CAMPOS GERAIS Fernanda Góss Braga Os mamíferos nos Campos Gerais A região dos Campos Gerais abriga cerca de Mamíferos são animais pertencentes à 54% do total de mamíferos terrestres

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

Para que servem os inventários de fauna?

Para que servem os inventários de fauna? Para que servem os inventários de fauna? Luís Fábio Silveira, Beatriz de Mello Beisiegel, Felipe Franco Curcio, Paula Hanna Valdujo, Marianna Dixo, Vanessa Kruth Verdade, George Mendes Taliaferro Mattox

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ETNOCONHECIMENTO DA MASTOFAUNA NA SERRA DOS MONTES ALTOS, BAHIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ETNOCONHECIMENTO DA MASTOFAUNA NA SERRA DOS MONTES ALTOS, BAHIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ETNOCONHECIMENTO DA MASTOFAUNA NA SERRA DOS MONTES ALTOS, BAHIA Rosinete de Barros Dias¹; Kamila Santos Barros² ¹Graduanda do Curso de Ciências Biológicas da Universidade do Estado

Leia mais

MCFI-1 72 75 56 168 189 - MCFI-2 180 150 56 168-24 MCCR-1 53 40 - - - - MCFD-1 150 150 - - 126 120 MCFD-2 53 35 - - - - BBSR-1 84 103 - - 144 54

MCFI-1 72 75 56 168 189 - MCFI-2 180 150 56 168-24 MCCR-1 53 40 - - - - MCFD-1 150 150 - - 126 120 MCFD-2 53 35 - - - - BBSR-1 84 103 - - 144 54 175 Amostragem de Pequenos Mamíferos Terrestres Armadilhas do tipo gaiola, Tomahawk e Sherman foram utilizadas para a captura de pequenos roedores e marsupiais. Foram estabelecidas 18 linhas de transecção

Leia mais

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE?

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? Após uma série de pesquisas no Parque Municipal Arthur Thomas, a 10 kms do centro de Londrina - uma área de 85 hectares de floresta de Mata Atlântica cercada pela zona urbana

Leia mais

Monitoramento de Fauna e Flora

Monitoramento de Fauna e Flora CASA DA FLORESTA Resumo dos Resultados Monitoramento de Fauna e Flora Ano 2011 VERACEL CELULOSE S/A - BA Piracicaba, Dezembro de 2011 Monitoramento de Fauna e Flora nas Áreas da Veracel Celulose S/A -

Leia mais

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO 2013 A FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA Criada em 1990, a Fundação Grupo Boticário

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL VALEC MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) DAS OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DA FERROVIA OESTE LESTE (EF 334), ENTRE FIGUEIRÓPOLIS (TO) E ILHÉUS (BA) VOLUME

Leia mais

Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO

Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO ARTIGO ORIGINAL Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO Guilherme Rodrigues Araújo 1, Paulo Machado e Siva 2, Dieferson da Costa Estrela 2, André

Leia mais

Gatos do Mato RS ---------------------------------------------------

Gatos do Mato RS --------------------------------------------------- Projeto Gatos do Mato RS --------------------------------------------------- Monitoramento e Conservação dos Pequenos Felinos Silvestres em Fragmentos de Mata Atlântica na Região do Vale do Taquari, Sul

Leia mais

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. C.N.P.J. 13.094.626/0001-56 / www.ipram-es.org.br

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. C.N.P.J. 13.094.626/0001-56 / www.ipram-es.org.br BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO Monitoramento e Atendimento a Fauna Atingida por Rejeito no Rio Doce Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos C.N.P.J. 13.094.626/0001-56 / www.ipram-es.org.br

Leia mais

JGP. Levantamento Fotográfico PLANO DE MANEJO DA APA GUARIROBA ASPECTOS DA FAUNA. Legenda: Fotos 01 a 03:

JGP. Levantamento Fotográfico PLANO DE MANEJO DA APA GUARIROBA ASPECTOS DA FAUNA. Legenda: Fotos 01 a 03: Fotos 01 a 03: Buritis e fragmentos de Cerrado amostrados durante o levantamento de fauna. Fotos 04 a 06 : Foram amostrados diversos ambientes como lago, fragmentos de cerrado e campos antrópicos. Fotos

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Disciplina: Manejo de Fauna e Flora Professores: Adriano Oliveira e Ronei Baldissera MANEJO DE FAUNA Prof. Dr. Ronei

Leia mais

Sonia Aparecida de SOUZA 2, 3 ; André Luis Teixeira De LUCCA 2 ; Ernesto Pedro DICKFELDT 2 ; Paulo Roberto de OLIVEIRA 2

Sonia Aparecida de SOUZA 2, 3 ; André Luis Teixeira De LUCCA 2 ; Ernesto Pedro DICKFELDT 2 ; Paulo Roberto de OLIVEIRA 2 IMPACTOS DE ATROPELAMENTOS DE ANIMAIS SILVESTRES NO TRECHO DA RODOVIA SP 215 CONFRONTANTE AO PARQUE ESTADUAL DE PORTO FERREIRA PORTO FERREIRA, SP (NOTA CIENTÍFICA) 1 IMPACTS ROADKILLS MORTALITY OF WILD

Leia mais

Projeto. Governo Inves2mentos de 133 bilhões em logís2ca Pesquisa. Conheça o Projeto Malha. Pesquisa veterinária com animais atropelados

Projeto. Governo Inves2mentos de 133 bilhões em logís2ca Pesquisa. Conheça o Projeto Malha. Pesquisa veterinária com animais atropelados CENTRO BRASILEIRO UDOS EM ECOLOGIA RADAS Linearidades Projeto Conheça o Projeto Malha Governo Inves2mentos de 133 bilhões em logís2ca Pesquisa 1 Pesquisa veterinária com animais atropelados O SILEIR O

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA REALIZAR LEVANTAMENTO DE FLORA E FAUNA, ANALISAR A ADEQUABILIDADE À SOLTURA DE ANIMAIS SILVESTRES E DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS PARA SUBSIDIAR O ESTABELECIMENTO

Leia mais

Apêndice B. Animais silvestres mencionados neste livro. Nome científico Nome comum Alimentação Hábitat

Apêndice B. Animais silvestres mencionados neste livro. Nome científico Nome comum Alimentação Hábitat Apêndice B Apêndice B Animais silvestres mencionados neste livro MAMÍFEROS Cebus apella Macaco Prego Frutas, sementes de palmeiras, Floresta, capoeira insetos, pequenos vertebrados e néctar Alouatta spp.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL KELLE CRISTINA NEVES AVALIAÇÃO DA RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE ESPÉCIES DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES Programa 23 Programa de Monitoramento de Mamíferos Terrestres Relatório Semestral EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 5ª EDIÇÃO: JAN/FEV/MAR 2015 Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 Claudio Maas (atual presidente) e Yara Barros (diretora de

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Mamíferos; Unidades de Conservação; Serra do Espinhaço; Conservação.

Resumo. Palavras-chave: Mamíferos; Unidades de Conservação; Serra do Espinhaço; Conservação. 40 MAMÍFEROS REGISTRADOS EM TRÊS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA SERRA DO ESPINHAÇO: PARQUE NACIONAL DA SERRA DO CIPÓ, PARQUE NACIONAL DAS SEMPRE VIVAS E PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO ROLA- MOÇA. Karla Patrícia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

TATIANE CARMO BRISTOT

TATIANE CARMO BRISTOT PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM ECOLOGIA E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL TATIANE CARMO BRISTOT LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE PORTE EM

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO. Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP

ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO. Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP Outubro, 2014 Área de Alto Valor de Conservação - AAVC O conceito de AAVC foi desenvolvido pelo FSC para ser aplicado inicialmente no

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

BOL MUS BIOL MELLO LEITÃO (N SÉR ) 19:59-74 MARÇO DE 2006 59 A coleção de mamíferos do Museu Elias Lorenzutti em Linhares, Estado do Espírito Santo, Brasil Ricardo Lorenzutti¹ & Antonio de Padua Almeida²*

Leia mais

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental Dra. Renata Cardoso Vieira Tipologia de Estudos EIA /RIMA laudo de fauna monitoramento de fauna resgate de fauna IN 146/2007 IBAMA Licenciamento

Leia mais

PROTOCOLO MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO E GRANDE PORTE. Fabrício Pinheiro da Cunha CENAP/ICMBio Bolsista PROBIO II

PROTOCOLO MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO E GRANDE PORTE. Fabrício Pinheiro da Cunha CENAP/ICMBio Bolsista PROBIO II PROTOCOLO MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO E GRANDE PORTE Fabrício Pinheiro da Cunha CENAP/ICMBio Bolsista PROBIO II Atibaia São Paulo Fevereiro 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 7 2. DESENHO

Leia mais

Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica.

Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica. Praxis investigativa dos alunos do Ensino Médio e Fundamental sobre os mamíferos da Mata Atlântica. Autores: Rogério Martins Rosaria Montero Velasco Heloísa Aparecida de Oliveira Geraldo Batista de Oliveira

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015

INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015 INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015 Destaque: FILHOTES CATARINENSES A cada dia mais espécies tornam-se ameaçadas de extinção, e os zoológicos

Leia mais

Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI

Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI Riqueza de mamíferos terrestres não voadores no Parque Nacional da Serra da Capivara PI SILVA, Luan Gabriel de Lima (Bolsista do PIBICV/UFPI); LIMA, Rogério Nora (Orientador. Departamento de Biologia da

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

AHE Belo Monte. Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu. Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte.

AHE Belo Monte. Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu. Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte. AHE Belo Monte Descrição e análise da fauna e flora da região do médio-baixo rio Xingu Mamíferos Terrestres de Médio e Grande Porte Relatório Final EQUIPE Coordenadora: Maria Aparecida Lopes, Ph.D. Bolsistas:

Leia mais

Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA

Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA Principais etapas do planejamento de um EIA PLANEJAMENTO caracterização das alternativas caracterização preliminar ao empreendimento do ambiente identificação

Leia mais

Volume 18, janeiro a junho de 2007

Volume 18, janeiro a junho de 2007 Volume 18, janeiro a junho de 2007 IDENTIFICAÇÃO DE RASTROS DE ANIMAIS, EDUCAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DA FAUNA LOCAL NO ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DE TERRA RONCA (GO) Christian Niel Berlinck1 Luanne

Leia mais

1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010

1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010 1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010 1.1. Vegetação Nas áreas da Veracel Celulose S/A já foram plaqueadas e identificadas mais de 5000 árvores, abrangendo diversas fitofisionomias, como áreas

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 mil km de cursos d água desprotegidos 13,7% de vegetação

Leia mais

Composição e diversidade de mamíferos de médio e grande porte no Cerrado do Brasil central

Composição e diversidade de mamíferos de médio e grande porte no Cerrado do Brasil central Biota Neotrop., vol. 10, no. Composição e diversidade de mamíferos de médio e grande porte no Cerrado do Brasil central Adriana Bocchiglieri 1,4, André Faria Mendonça 2, & Raimundo Paulo Barros Henriques

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER MANEJO Controle de predação

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies

Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies Page 1 of 8 Natureza 17/07/2012 08h00 - Atualizado em 17/07/2012 17h41 Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies Armadilhas fotográficas captaram movimentação durante 25 dias.

Leia mais

Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil

Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil Biotemas, 20 (3): 81-96, setembro de 2007 ISSN 0103 1643 Mamíferos em rodovias de Santa Catarina 81 Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 19-09-2013 SEÇÃO I PÁG 76-77 RESOLUÇÃO SMA Nº 89, DE 18 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais para as Reservas Particulares

Leia mais

4ª CHAMADA. 1. Introdução

4ª CHAMADA. 1. Introdução 4ª CHAMADA UNIVERSIDADES E COMUNIDADES NO CERRADO Dotações para pesquisas sobre temas relevantes para o uso sustentável da biodiversidade do Cerrado e das áreas de transição para os biomas vizinhos 1.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados Diversidade de mamíferos em diferentes fitofisionomias do Cerrado do Parque Nacional Grande Sertão

Leia mais

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas.

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas. NOT. TEC. 02001.000088/2016-51 CGAUF/IBAMA Brasília, 21 de janeiro de 2016 Assunto: Análise do Plano apresentado pela empresa SAMARCO em atendimento à notificação 8261/E. Origem: INTRODUÇÃO Ementa: Análise

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Re-certificação de Propriedade Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Re-certificação Propriedade A. C Agro Mercantil Ltda Cultivo: café (Coffea

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006

PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006 PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006 Tipo de processo: Licenciamento Ambiental ( X ) Auto de Infração ( ) 1. Identificação Empreendimento

Leia mais

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN Resultados e próximos passos Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Criação

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Vista geral do fragmento florestal presente no módulo M1. Foto 02: Vista do interior do transecto de amostragem no Módulo M1. Foto 03: Detalhe da vegetação arbórea dentro do Módulo amostral M1.

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

MAMÍFEROS DO TOCANTINS

MAMÍFEROS DO TOCANTINS MAMÍFEROS DO TOCANTINS Giovanni Salera Júnior Email: salerajunior@yahoo.com.br Palmas - Tocantins Outubro de 2004 Salera Júnior, Giovanni. Catalogação Mamíferos do Tocantins. Giovanni Salera Júnior. Palmas.

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS NA REGIÃO DE PONTA GROSSA/PR

ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS NA REGIÃO DE PONTA GROSSA/PR 0. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS

Leia mais

Fauna de mamíferos assoociada à mata ciliar... MOURA, S. L. de

Fauna de mamíferos assoociada à mata ciliar... MOURA, S. L. de 49 (1) Graduada em Ciências Biológicas pela PUC-SP; graduanda em Tecnologia em Gestão Ambiental no Instituto Federal de E- ducação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, câmpus São Roque SP. Correspondência:

Leia mais

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle O javali asselvajado NORMA e medidas de controle O JAVALI é um porco selvagem, originário da Europa, Ásia e norte da África. Foi introduzido em diversas regiões do mundo como animal de criação para consumo.

Leia mais

ENDEMISMO ESTADO DE CONSERVAÇÃO MATA ATLÂNTICA IBAMA SC RS PR SP MG RJ ES PONTOS REGISTROS AER. Didelphimorphia Didelphidae

ENDEMISMO ESTADO DE CONSERVAÇÃO MATA ATLÂNTICA IBAMA SC RS PR SP MG RJ ES PONTOS REGISTROS AER. Didelphimorphia Didelphidae Anexo 3.09 - Lista de Espécies de Mamíferos Ocorrentes na APA Serra Dona Francisca e Região Nordeste de Santa Catarina, Nomes Populares, Métodos de Registro pela, Registros em Bibliografia, Ambientes Ocupados,

Leia mais

RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS

RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS RONALD SOUZA MONTEIRO DE BARROS LEVANTAMENTO E ESTIMATIVAS POPULACIONAIS DE MAMÍFEROS DE MÉDIO E GRANDE PORTE NUM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM ÁREA URBANA NO SUDESTE DO BRASIL Dissertação apresentada

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2013. Patrocínio: Execução: INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ

RELATÓRIO ANUAL 2013. Patrocínio: Execução: INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ RELATÓRIO ANUAL Patrocínio: Execução: INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ 01 APRESENTAÇÃO O Relatório do Instituto Felinos do Aguaí é um veículo de prestação de contas publicado anualmente, que apresenta os resultados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

b. Mastofauna (1) Introdução

b. Mastofauna (1) Introdução b. Mastofauna (1) Introdução Em relação aos mamíferos, o cerrado possui uma fauna particular, contendo táxons endêmicos (PÁDUA, 1992), táxons de distribuição abrangentes e táxons da fauna atlântica e amazônica.

Leia mais

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08 SUMÁRIO: OBJETIVOS:... 2 I DAS DEFINIÇÕES:... 3 II DOS PROCEDIMENTOS:... 3 III INSTRUÇÕES:... 4 ANEXO 1... 6 EXEMPLO DE CROQUI DE REPRESENTAÇÃO DA ÁREA A SER RECUPERADA... 6 ANEXO 2... 7 ENDEREÇO DO DEPARTAMENTO

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI FUNAI - CGGAM Coordenação Geral de Gestão Ambiental Fundação Nacional do Índio Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Relação Animal x Cativeiro

Relação Animal x Cativeiro Relação Animal x Cativeiro Criatório científico de Animais Silvestres Departamento de Veterinária Universidade Federal de Viçosa Casa 01 Vila Secundino, Campus Universitário Cep 36571-000. Tel : 0XX31

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

O Instituto de Pesquisa, Administração e Planejamento de São José dos Campos - IPPLAN - torna pública, a presente ERRATA DA COTAÇÃO DE PREÇO 01/2013

O Instituto de Pesquisa, Administração e Planejamento de São José dos Campos - IPPLAN - torna pública, a presente ERRATA DA COTAÇÃO DE PREÇO 01/2013 ERRATA COTAÇÃO DE PREÇO 01/2013 O Instituto de Pesquisa, Administração e Planejamento de São José dos Campos - IPPLAN - torna pública, a presente ERRATA DA COTAÇÃO DE PREÇO 01/2013 1. NO ANEXO I: TERMO

Leia mais