GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PROJETO DE GESTÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ DE USO SUSTENTÁVEL E PROTEÇÃO INTEGRAL MACAPÁ-AP,

2 SUMÁRIO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DOS RECURSOS ENTIDADE PROPONENTE METODOLOGIA DE EXECUÇÃO AÇÕES A DESENVOLVER (METAS) ORÇAMENTO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS METAS JUSTIFICATIVA DOS RECURSOS SOLICITADOS AVALIAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS EQUIPE DA CGUC: ANEXOS

3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Até o início da década dos anos 90, o Brasil contava com uma dezena de instrumentos políticos de proteção à natureza, complexos e desarticulados, trazendo graves conseqüências no que diz respeito à gestão das áreas protegidas, isto, ocasionava desperdícios de recursos e oportunidades. Essa situação fez despertar uma reflexão sobre a necessidade de se instituir um sistema mais integrado para criação e gerenciamento das áreas protegidas, o que foi efetivado somente no ano 2000 com a aprovação da Lei que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Atualmente, o modelo de proteção da natureza está praticamente centrado em dois dispositivos legais: Código Florestal (Lei 4.771, de 1965) e o SNUC (Lei 9.985, de 2000), apesar da existência de outros, de importância relevante, tais como o Plano Nacional de Áreas Protegidas (PNAP), instituído recentemente pelo Decreto nº 5.758, de 2006, que inclui as terras indígenas e remanescentes de quilombolas. A Constituição do Estado do Amapá, no capítulo IX, garante a proteção dos ecossistemas e uso dos recursos naturais (Art. 310), também assegura a participação popular em todas as decisões relacionadas ao meio ambiente e o direito à informação sobre essa matéria (Art. 313, inciso IV). Ainda no Art. 313 e inciso IX, a Constituição preconiza que o Estado deve assegurar o livre acesso às informações básicas sobre o meio ambiente. A Lei complementar nº. 0005, de 18 de Agosto de 1994, instituiu no âmbito do Estado do Amapá, o Código de Proteção ao Meio ambiente, e entre seus princípios básicos estabelecidos, está o princípio da exploração e utilização racionais dos recursos naturais de modo não comprometer o equilíbrio ecológico (Art. 2º, inciso II). O Código Ambiental estabelece dentre os objetivos, o de compatibilizar o desenvolvimento econômico social com a preservação da qualidade ambiental e do equilíbrio ecológico; devendo ser seguido os critérios, padrões de qualidade ambiental e normas relativas ao uso e manejo dos recursos naturais. 2 JUSTIFICATIVA O estado do Amapá é o mais preservado da federação brasileira, com mais de 97% de sua cobertura vegetal intacta. Em sua base territorial estão contempladas sete Unidades de Conservação federais, cinco estaduais, duas municipais e quatro RPPNs, que somadas as áreas indígenas alcançam 76% da área do estado preservada. Com destaque para o maior parque de floresta tropical do planeta com 3,8 milhões de hectares, montanhas do Tumucumaque. E 33 bacias hidrográficas. Das Unidades de Conservação Estaduais destacam-se, APA da Fazendinha, criada em 31 de dezembro de 2004, pela Lei n.º 0873, com uma área de 136,592 ha e o objetivo de conciliar a permanência da população local, a proteção do ambiente e o desenvolvimento de atividades econômicas por meio do uso racional de recursos naturais. Reserva Biológica do Parazinho foi criada em 21 de janeiro de 1985, pelo Decreto Territorial (E) nº 5. Essa UC é uma ilha integrante do arquipélago do Bailique, município de 3

4 Macapá, situada na foz do rio Amazonas. Ela tem uma área aproximada de 111,32 ha, porém, de acordo com levantamentos georreferenciados realizados pela SEMA, essa área deve ser alterada para aproximadamente 707,00 ha, uma vez que a REBIO vem sofrendo variações nos seus limites devido à sedimentação causada pelo rio Amazonas. Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru, criada pela Lei Estadual n.º 0392, de 11 de dezembro de 1997, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru tem o objetivo de promover a conservação e o uso sustentável da biodiversidade. Ela possui uma área de ha, que abrange terras dos municípios de Laranjal do Jari, Mazagão e Pedra Branca do Amapari. Está situada, aproximadamente, a 200 km de Macapá. Área de Proteção Ambiental do Rio Curiaú (APA do Curiaú) está amparada pela Lei Estadual n.º 0431, de 15 de setembro de Ela possui uma área de ha e um perímetro de 47,3 km. Situa-se no município de Macapá. Cerca de 180 famílias vivem na unidade ou em seu entorno. Ao todo são seis comunidades, denominadas Curiaú de Fora, Curiaú de Dentro, Casa Grande, Curralinho, Extrema e Mocambo. Há, ainda, duas comunidades ribeirinhas ao norte da APA, chamadas Pescada e Pirativa. Das quatro Unidades de Conservação que serão atendidas pelo projeto, apenas duas possuem Conselhos Consultivos já formados: APA da Fazendinha e APA do Curiaú. Porém, ambas as acumulam problemas na gestão dos seus conselhos, desarticulados e com baixa frequência dos seus membros. Tornando-se um gargalo para uma gestão participativa e de qualidade dessas Unidades. Nessas serão realizadas atividades de reativação e fortalecimento dos conselhos, e criação de um plano de gestão participativo com os conselheiros e equipe gestora das Unidades. Nas demais Unidades, será construído o processo de criação dos Conselhos Consultivos, atendendo as resoluções CONAMA e tornando-se assim, um espaço legitimo de participação da sociedade civil e estratégico para gestão Unidades. O SNUC, através de uma de suas diretrizes (Art. 5º, Inciso III) garante a participação das populações locais nos processos de gestão das Unidades de Conservação. Neste sentido, é de fundamental importância a participação das comunidades residentes (se houver) e do entorno na construção dos instrumentos e mecanismos de controle e inclusão social (Conselho Gestor e Plano de Manejo). Estes podem ser interpretados como uma oportunidade para a construção coletiva de pactos sociais com base em informações sólidas sobre a área protegida e o entorno, possibilitando o exercício da cidadania. A elaboração do Plano de Manejo é uma determinação do SNUC, e tem como finalidade atender os objetivos gerais de uma unidade de conservação, estabelecendo o zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais, inclusive a implantação das estruturas físicas necessárias para gestão da unidade. O Art. 20, do Decreto nº , de 22 de Agosto de 2002, estabelece as competências do Conselho de Unidades, que além de elaborar o seu regimento interno, deverá esforça-se para compatibilizar os interesses dos diversos segmentos sociais e também opinar, propondo diretrizes e ações para integrar e aperfeiçoar a relação com a população do entorno, e interior da unidade, conforme o caso, enfim tem um papel fundamental para o desenvolvimento da gestão. De acordo com o Art. 3º da Lei de Educação Ambiental, incumbe às instituições educativas e aos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente-SISNAMA, promover ações de 4

5 educação ambiental de forma integrada aos programas de conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente, portanto, o projeto visa colocar em evidência esta incumbência junto à população. 3. OBJETIVOS 3.1 OBJETIVO GERAL Contribuir para a proteção e conservação dos recursos naturais das Unidades de Conservação do Estado do Amapá de Uso Sustentável e de Proteção Integral, assegurando às populações tradicionais/ribeirinhas, as condições e meios necessários para a satisfação de suas necessidades materiais, sociais e culturais. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Realizar o fortalecimento das UCs e do Órgão Gestor (SEMA), por meio da aquisição de materiais permanentes e reforma de base física. 2. Criar/Fortalecer os Conselhos Gestores das Unidades de Conservação do Estado do Amapá, bem como realizar ações de fiscalização, controle e monitoramento no interior das mesmas. 3. Diagnosticar demandas de Educação Ambiental, georreferenciamento, Políticas e Normas e Gestão Integrada por meio de visitas técnicas. 4. DOS RECURSOS Os recursos são oriundos do pagamento de medidas compensatórias, com saldo remanescente de exercícios anteriores, em cumprimento ao Art. 36 da Lei nº /2000 que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC e dos Artigos 31 a 33, do Decreto Federal nº / ENTIDADE PROPONENTE Secretaria de Estado do Meio Ambiente SEMA CGC / Av. Mendonça Furtado nº 53- Centro CEP Macapá AP Fone: (96) / /

6 6. METODOLOGIA DE EXECUÇÃO Haverá planejamento prévio e detalhado de cada ação a ser desenvolvida com a participação de toda equipe técnica e gestores das Unidades de Conservação da SEMA. Após detalhamento das ações haverá uma grande mobilização nas comunidades de entorno das Unidades e socialização dos objetivos de todas as oficinas, bem como os resultados esperados, com vistas ao nivelamento de informações e tomada de novas decisões. Na interação comunitária serão priorizadas abordagens equilibradas, com conversações e debates, através de reuniões pontuais, seminários, palestras, etc., de modo a favorecer a troca de informações, participação das comunidades residentes e do entorno das UCs, buscando de forma criativa e legal garantir a mediação de possíveis conflitos de cunho social, econômico e ambiental que possamos enfrentar. Serão adotadas e adaptadas metodologias já conhecidas (FOFA, ZOP, DOP, Diagrama de Venn...), visando atender as necessidades e especificidades de cada público, respeitando as limitações impostas pelas condições de campo, técnicas e institucionais, valorizando as diversidades de saberes acumulados pelas comunidades. Garantindo assim a promoção da proteção e conservação da biodiversidade das Unidades de Conservação, e o fortalecimento do uso racional dos recursos naturais e da conservação da área do entorno e zona de amortecimento. 7. AÇÕES A DESENVOLVER (METAS) Meta Descrição das Atividades Valor da Meta 01 Fazer a aquisição de materiais permanentes para as UCs, bem como para o Órgão Gestor. R$ ,00 02 Fortalecer os Conselhos Gestores das UCs Estaduais e criar onde não existem. R$ ,40 03 Fortalecer a gestão e monitoramento das UCs. R$ ,00 04 Realizar visitas técnicas nas UCs, com o objetivo de diagnosticar demandas de Educação Ambiental, georreferenciamento, Políticas e Normas e Gestão R$ 7.650,00 Integrada. TOTAL R$ ,40 6

7 8. ORÇAMENTO DATA INICIAL PROJETO DE GESTÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ DE USO SUSTENTÁVEL E PROTEÇÃO INTEGRAL Abril/2011 DATA FINAL Dezembro/2011 PROPONENTE: Secretaria de Estado do Meio Ambiente RECURSO: Compensação Meta Fazer a aquisição de Materiais Permanentes para as UCs, bem como para o Órgão Gestor (R$) ,00 ITEM DESCRIÇÃO P. TOTAL (R$) 1.1 Relação de materiais anexa R$ ,00 Meta Fortalecer os Conselhos Gestores das UCs Estaduais e criar onde não existem. (R$) ,40 ITEM DESCRIÇÃO P. TOTAL (R$) 2.1 Material de Consumo (relação anexa) R$ 2.570, Serviços de Consultoria (Descrição Anexa) R$ , Diárias R$ Meta 03 Fortalecer a Gestão e o Monitoramento das UCs. (R$) ,00 ITEM DESCRIÇÃO P. TOTAL (R$) 3.1 Fazer a aquisição de combustível para as UCs. R$ , Reforma do telhado da Base Física da APA da R$ ,00 Fazendinha 3.2 Diárias R$ ,00 Meta Realizar visitas técnicas nas UCs, com o objetivo de diagnosticar demandas de Educação Ambiental, Georreferenciamento, Políticas e Normas e Gestão Ambiental Integrada. (R$) 7.650,00 ITEM DESCRIÇÃO P. TOTAL (R$) 4.1 Diárias R$ 7.650,00 7

8 9. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS METAS Ano Meta Descrição Metas/Atividades das Fazer a aquisição de materiais permanentes para as UCs, bem como para o Órgão Gestor. Fortalecer os Conselhos Gestores das UCs Estaduais e criar onde não existem. Fortalecer a gestão e monitoramento das UCs. Realizar visitas técnicas nas UCs, com o objetivo de diagnosticar demandas de Educação Ambiental, georreferenciamento, Políticas e Normas e Gestão Integrada JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 10. JUSTIFICATIVA DOS RECURSOS SOLICITADOS Meta 01: Fazer a aquisição de materiais permanentes para as UCs, bem como para o Órgão Gestor. 1.1 Materiais permanentes (planilha anexa). A aquisição de materiais permanentes para as unidades garantirá condições razoáveis para a realização das tarefas de fiscalização, monitoramento, controle, além de propiciar melhora significativa na logística das bases físicas. Meta 02: Fortalecer os Conselhos Gestores das UCs Estaduais e criar onde não existem Criação de Conselhos Consultivos Reativação dos Conselhos já existentes Capacitação dos gerentes das UCs Sensibilização e mobilização social Produção de Material Educativo e/ou de Divulgação das UCs. É o espaço legal que garante o exercício da cidadania, participação e o controle social da gestão, por meio de discussão, avaliação e proposição de ações e políticas que visem o aprimoramento da administração das unidades de conservação. 8

9 Meta 03: Fortalecer a gestão e monitoramento das UCs Aquisição de Combustível 3.2 Reforma do Telhado da APA da Fazendinha 3.2 Diárias O combustível e as diárias propiciarão a continuidade no trabalho de gestão das UCs sem interrupção, garantindo a integridade, segurança e perenidade dos recursos da biodiversidade. A reforma do telhado da base física da APA da fazendinha é necessária para a preservação do patrimônio público e continuidade do trabalho de gestão daquela Unidade de Conservação. Meta 04: Realizar visitas técnicas nas UCs, com os objetivos de diagnosticar demandas de Educação Ambiental, georreferenciamento, Políticas e Normas e Gestão Integrada. 4.1 Diárias Pretende-se com a ação interagir com as comunidades residentes e do entorno, buscando identificar potencialidades de geração de renda, problemas socioeconômicos, legais, estruturais, normativos, educacionais, etc., com vistas a uma ação eficiente do Órgão Gestor Estadual. Destaca-se que a meta pretende inclusive levantar tais demandas nas duas UCs municipais das quais a SEMA realiza a gestão compartilhada. 11. AVALIAÇÃO As equipes responsáveis pela execução das ações emitirão relatório detalhado dos trabalhos desenvolvidos, apontando resultados, sugestões e ações futuras necessárias. Os relatórios serão apresentados pelas equipes executoras, em reuniões ampliadas, aos técnicos da CGUC, com fins de avaliação e tomadas de decisões. Cópias dos relatórios poderão ser disponibilizados no site da SEMA, bem como encaminhados aos membros da Câmara Técnica de Compensação Ambiental. 12. PRESTAÇÃO DE CONTAS As prestações de contas dos recursos empregados serão feitas a Câmara Técnica de Compensação Ambiental, pelo setorial da SEMA, responsável pela realização de pagamentos e aquisição de bens e serviços, podendo as mesmas serem disponibilizadas no site da Secretaria, sem prejuízo aos aspectos de transparência e com publicação em diário oficial. Além de publicação de relatórios trimestrais de prestação de conta. 13. EQUIPE DA CGUC: 1. GILVANO CHAVES TEIXEIRA MORAES Coordenador de Gestão de Unidades de Conservação 2. VALDA MARIA QUEIROZ BARROSO Gerente do Núcleo de Unidade de Conservação de Proteção Integral 3. EUDIMAR DOS SANTOS VIANA Gerente do Núcleo de Unidade Conservação de Uso Sustentável 4. SÉRGIO AUGUSTO DE AVIZ CUNHA Gerente do Núcleo de Acesso aos Recursos da Biodiversidade 5. JOSÉ VICENTE LOBATO DE OLIVEIRA Chefe de Unidade de Conservação de Uso Sustentável 6. SÉRGIO DO CARMO MONTEIRO CAVALCANTE - Chefe de Unidade de Conservação de Uso Sustentável 7. WELITON VIDEIRA DOS SANTOS Chefe de Unidade de Conservação de Uso Sustentável 9

10 8. JOSÉ MARIA TELES DAMASCENO - Chefe de Unidade de Conservação de Uso Sustentável 9. MAMEDE LEAL SIQUEIRA - Chefe de Unidade de Conservação de Uso Sustentável 10. MARIO JOSÉ FERREIRA DOS SANTOS - Chefe de Unidade de Conservação de Proteção Integral 11. KELIANE DA CRUZ CASTRO - Chefe de Unidade de Conservação de Proteção Integral 12. JORGE VASCONCELOS DIAS - Chefe de Unidade de Conservação de Proteção Integral 13. JORGE VITOR - Chefe de Unidade de Conservação de Proteção Integral 14. ROMULO CESAR DA TRINDADE Chefe de Unidade de Conservação de Proteção Integral 10

11 14. ANEXOS META: 01 RELAÇÃO DE MATERIAIS PERMANENTES PARA AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ITEM MATERIAL QUANT. P. UNITARIO TOTAL 01 GPS (Garmim 60 Csx) 04 R$ 1.950,00 R$ 7.800,00 02 Radio de Comunicação (Wolk Toc) (Intelbrás twin 9,6 Km) 06 R$ 550,00 R$ 3.300,00 Máquina filmadora portátil digital com Cartão de Memória de 4 03 GB 04 R$ 1.600,00 R$ 6.400,00 04 Câmera Fotográfica Digital 03 R$ 650,00 R$ 1.950,00 05 HD externo (500 GB) 02 R$ 330,00 R$ 660,00 06 Impressora Laser Multifuncional 05 R$ 1.300,00 R$ 6.500,00 07 Notebook Core 2 Duo, 4 GB de Ram 04 R$ 2.450,00 R$ 9.800,00 08 Carregador de Pilhas 05 R$ 30,00 R$ 150,00 09 Data show (Projetor Panasonic Pt 1b78u 3000 lumens) 02 R$ 3.800,00 R$ 7.600,00 10 Bebedouro 02 R$ 480,00 R$ 960,00 11 Balde de 20 litros 23 R$ 13,00 R$ 299,00 12 Binóculo Camuflado zoom de 20 a 50x 04 R$ 500,00 R$ 2.000,00 13 Botijão de Gás de 13 kg 02 R$ 120,00 R$ 240,00 14 Cadeiras de polipropileno 15 R$ 35,00 R$ 525,00 15 Caixa Amplificada de 175 watts 03 R$ 780,00 R$ 2.340,00 16 Capa de Chuva na cor verde 50 R$ 35,00 R$ 1.750,00 17 Carotes de 200 l para combustível 02 R$ 210,00 R$ 420,00 18 Carotes de 50 l para combustível 11 R$ 70,00 R$ 770,00 19 Carotes de 100 l para combustível 03 R$ 120,00 R$ 360,00 20 Colchão de Solteiro 08 R$ 290,00 R$ 2.320,00 21 Corda grossa de prolipropileno (metro) 250 R$ 2,50 R$ 625,00 22 Corda de pano (metro) 100 R$ 2,50 R$ 250,00 23 Jogo de panelas 01 R$ 90,00 R$ 90,00 24 jogo de talheres 02 R$ 12,00 R$ 24,00 25 Jogo de Copos 02 R$ 6,00 R$ 12,00 26 Nobreak para computador 03 R$ 450,00 R$ 1.350,00 27 Extensões com entrada tripolar 04 R$ 20,00 R$ 80,00 28 Extintor de Incêndio CO2 - tám. Médio com suporte na Parede 04 R$ 180,00 R$ 720,00 29 Fogão de 4 bocas e forno com acendedor elétrico 01 R$ 380,00 R$ 380,00 30 Freezer de uma porta 01 R$ 1.400,00 R$ 1.400,00 31 Garrafa térmica / água 12l 04 R$ 130,00 R$ 520,00 32 Garrafa térmica de Café 1l 02 R$ 20,00 R$ 40,00 33 Grampeador grande para papelão 04 R$ 105,00 R$ 420,00 34 Kit de Ferramentas 04 R$ 150,00 R$ 600,00 35 KIT Completo p/ Roçadeira OS 280 marca still 01 R$ 50,00 R$ 50,00 36 Lanterna de Cabeça Grande de 4 elementos 06 R$ 120,00 R$ 720,00 37 Lanternas Grandes tipo refletores de 4 elementos 08 R$ 70,00 R$ 560,00 38 Lençol para cama de Solteiro 20 R$ 20,00 R$ 400,00 39 Lima para facão 10 R$ 11,00 R$ 110,00 40 Liquidificador 02 R$ 95,00 R$ 190,00 11

12 41 Lixeiras para banheiro 08 R$ 15,00 R$ 120,00 42 Mangueira de Plástico (expessura 3x4) 130 R$ 5,00 R$ 650,00 43 Memória para Máquina Fotográfica Digital de 4 GB 04 R$ 60,00 R$ 240,00 44 Microfone Sem Fio 04 R$ 80,00 R$ 320,00 45 Panela de Pressão de 4,5 l 02 R$ 55,00 R$ 110,00 46 Paquimetro de Alumínio ou Inox 04 R$ 97,00 R$ 388,00 47 Pen Drive de 8 GB 04 R$ 80,00 R$ 320,00 48 Peula com cabo de madeira 02 R$ 55,00 R$ 110,00 49 Purificador de Água 01 R$ 80,00 R$ 80,00 50 Colete salva-vidas 20 R$ 60,00 R$ 1.200,00 51 Bota de borracha cano longo Tamanhos 36, 39, 40, R$ 32,00 R$ 640,00 52 Terçado Grandes e médios 15 R$ 20,00 R$ 300,00 53 Draga 05 R$ 30,00 R$ 150,00 54 Pá 10 R$ 25,00 R$ 250,00 55 Tela de projeção com tripé portátil 01 R$ 545,00 R$ 545,00 56 Arquivo para pasta suspensa com 04 gavetas 01 R$ 250,00 R$ 250,00 TOTAL GERAL R$ ,00 META: 02 IMPLANTAÇÃO E FORTALECIMENTO DE CONSELHOS GESTORES Discriminação Quantidade Valor total MATERIAL DE CONSUMO E EXPEDIENTE Papel A4 2 resmas R$ 29,00 Alfinete para painel de moderação 1 cx R$ 5,50 Barbante de algodão 2 rolos R$ 3,60 Bolinhas pretas adesivas 1 estojo R$ 4,90 Borracha 15 R$ 6,00 Caneta 40 R$ 20,00 CLIPs 03 1 cx (com 50 unidades) R$ 1,50 Cola líquida 90 gr 2 R$ 2,00 Fita crepe fina 4 R$ 11,00 Fita crepe larga 2 R$ 8,00 Giz de cera 05 cxs R$ 10,00 Lápis pretos n R$ 15,00 Apontador 5 R$ 4,00 Papel Kraft (madeira amarela), 30 fls R$ 15,00 Bloco de papel para FlipChart 1 R$ 28,00 Pasta plástica com grampo 40 R$ 48,00 Bloco para anotação 40 R$ 60,00 Pincel Atômicos azul 12 R$ 26,40 Pincel Atômicos preto 12 R$ 26,40 Pincel Atômicos vermelho 12 R$ 26,40 Pincel fino compactor 5 estojos (com 6 unidades) R$ 25,50 Reabastecedor Pincel azul 1 R$ 4,00 Reabastecedor Pincel preto 1 R$ 4,00 Reabastecedor Pincel vermelho 1 R$ 4,00 Tarjeta Retangular Pequena 21 x 10 cm AMARELA 500 R$ 13,60 Tarjeta Retangular Pequena 21 x 10 cm 500 R$ 13,60 Fonte Pagadora 12

13 BRANCA Tarjeta Retangular Pequena 21 x 10 cm 500 VERDE R$ 13,60 Tesoura 2 R$ 3,60 Cartucho de tinta p/ impressora Brother MFC- 8860DN) 1 - Painel de moderação 1 R$ 114,40 Extensões 2 R$ 31,60 Flipchart 1 R$ 64,00 VALOR TOTAL R$ 642,60 MATERIAL PERMANENTE Tela de projeção com tripé portátil 1 R$ 545,00 Notebook 1 - Impressora 1 - Data-show 1 - Arquivo para pastas suspensas com 04 1 R$ 250,00 gavetas Nugan VALOR TOTAL R$ 795,00 SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA JURÍDICA Serviços de impressão gráfica e reprografia para confecção de folder e banners 100 folders e 02 banners R$ 300,00 Confecção de camisas manga curta 50 R$ 1.000,00 VALOR TOTAL R$ 1.300,00 SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA FÍSICA Moderador 3 dias de reunião R$ 2.800,00 VALOR TOTAL R$ 2.800,00 ALIMENTAÇÃO 01 café da manhã diário para 40 pessoas - Coffee Break (3 dias) R$ 1.500,00 Almoço 01 almoço diário para 40 pessoas (3 dias) - R$ 2.000,00 Lanche 2 lanches diários para 40 pessoas (3 dias) - R$ 1.500,00 Cozinheira 3 dias de serviço - R$ 210,00 VALOR TOTAL R$ 5.210,00 HOSPEDAGEM Diárias 3 diárias (conselheiros) R$ 2.420,00 5 diárias (gerente do NARB) R$ 510,00 VALOR TOTAL R$ 2.930,00 RECURSOS FINANCEIROS/TOTAL GERAL MATERIAL DE CONSUMO E EXPEDIENTE R$ 642,60 MATERIAL PERMANENTE R$ 795,00 SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA JURÍDICA R$ 1.300,00 SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA FÍSICA R$ 2.800,00 ALIMENTAÇÃO R$ 5.210,00 HOSPEDAGEM R$ 2.930,00 TOTAL GERAL R$ ,60 Obs. Este é o valor para uma única UC. MATERIAL DE CONSUMO E EXPEDIENTE R$ 2.570,40 X 4 UC's MATERIAL PERMANENTE R$ 795,00 SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA JURÍDICA R$ 5.200,00 X 4 UC's SERVIÇO DE TERCEIRO/PESSOA FÍSICA R$ ,00 X 4 UC's ALIMENTAÇÃO R$ ,00 X 4 UC's DIÁRIAS R$ 5.860,00 X 2 UC's 13

14 TOTAL GERAL R$ ,40 Obs. Valor para as 4 UC's META: 03 COMPRA DE COMBUSTÍVEL PARA AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES OLEO OLEO CONSERVAÇÃO DIESEL 2 T GASOLINA PERÍODO RDS do Iratapuru 1800 litros 108 litros 2700 litros 9 meses REBIO do Parazinho 2400 litros 96 litros 2400 litros 9 meses APA do Curiú 1800 litros 72 litros 1800 litros 9 meses APA da Fazendinha _ 72 litros 1800 litros 9 meses Totais 6000 litros 313 litros litros 9 meses Preços Parciais R$ ,00 R$ 4.176,00 R$ ,00 _ PREÇO TOTAL R$ ,00 Obs. Ao dividir-se a quantidade total prevista pelo período anual, obtêm-se a quantidade prevista de combustível/mês/semana. Ex. 2700:9=300/4=75 Gasolina (litro) R$ 3,00 Oleo Diesel R$ 2,25 Oleo 2 t (litro) R$ 12,00 META: 03 MEMÓRIA DE CALCULO DE DIÁRIAS PARA FISCALIZAÇÃO E MONITORAMENTO UNIDADES CONSERVAÇÃO Diárias/Mês PERÍODO TOTAL RDS do Iratapuru 20 9 meses 180 REBIO do Parazinho 60 9 meses 540 APA do Curiú 30 9 meses 270 APA da Fazendinha _ 9 meses _ Totais meses 990 CUSTOS TOTAIS R$ ,00 9 meses R$ ,00 Obs. O valor da diária é de R$ 102,00. META: 04 MEMÓRIA DE CALCULO DE COMBUSTÍVEL PARA AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES CONSERVAÇÃO Diárias/Mês PERÍODO TOTAL RDS do Iratapuru 30 1 mês 30 REBIO do Parazinho 30 1 mês 30 APA do Curiú 30 1 mês 30 APA da Fazendinha _ 1 mês _ Totais 90 1 mês 90 CUSTOS TOTAIS R$ 9.180,00 1 mês R$ 9.180,00 14

15 15

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP)

2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP) 2ª Reunião Ordinária da Comissão Estadual de Florestas Públicas do Amapá (COMEF/AP) Ana Euler (Diretora-Presidente - IEF) Marcos Almeida (Coordenador - CARF/IEF) Euryandro R. Costa (Gerente de Núcleo NCRFO/CARF/IEF)

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015

MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015 MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015 FASES: REGIONAIS / MACRORREGIONAL JOGOS ESCOLARES BOM DE BOLA Compete ao Município Sede: 1. DOS RECURSOS HUMANOS 1.1. Constituir a

Leia mais

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROPONENTE Secretaria Estadual do Meio Ambiente INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual Operacional do PROESF Fase 2 Revisão 1 Volume 4 SUMÁRIO

Manual Operacional do PROESF Fase 2 Revisão 1 Volume 4 SUMÁRIO !!! SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1 LINHAS DE AÇÃO FINANCIÁVEIS: COMPONENTE III... 4 2 LISTA POSITIVA... 11 2.1.1 INDICADORES DE DESEMPENHO FEDERAL COMPONENTE III. 13 2.1.2 INDICADORES DE GATILHO DA FASE 2 PARA

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01

RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01 RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01 Fortalecimento da Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas na Amazônia Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil - TNC Brasil

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO. 2.IDENTIFICAÇÃO DA INSTUIÇÃO PROPONENTE Proponente: GOVERNO DO ESTADO DO ACRE

ANEXO I PROJETO BÁSICO. 2.IDENTIFICAÇÃO DA INSTUIÇÃO PROPONENTE Proponente: GOVERNO DO ESTADO DO ACRE ANEXO I PROJETO BÁSICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Música, Comunidade, Polícia e Família Início (mês/ano): Término (mês/ano): Dezembro/2008 Dezembro/2009 2.IDENTIFICAÇÃO DA INSTUIÇÃO PROPONENTE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO

ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO 1 IDENTIFICAÇÃO Título: ANJOS DA ENFERMAGEM: EDUCAÇÃO E SAÚDE ATRAVÉS DO LÚDICO Data de realização: Local de realização: IESUR Horário: será definido conforme cronograma Carga horária: definido conforme

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Secretaria de Estado de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos

Secretaria de Estado de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos Projeto Papo Legal de Prevenção às Drogas- Mães contra o Crack Curitiba, Novembro de 2011 Entidade Proponente: Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO...

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

CUIDANDO DO CUIDADOR: Conscientização para a Implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador do SUS na Macrorregião Missioneira

CUIDANDO DO CUIDADOR: Conscientização para a Implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador do SUS na Macrorregião Missioneira 1 CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CUIDANDO DO CUIDADOR: Conscientização para a Implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 1 DADOS CADASTRAIS. Convenente. Concedente. Nome Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento

PLANO DE TRABALHO 1 DADOS CADASTRAIS. Convenente. Concedente. Nome Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento PLANO DE TRABALHO (Anexo a Instrução Normativa CAGE Nº 01/2006) 1 DADOS CADASTRAIS Convenente Órgão/Entidade Proponente Associação Parque Tecnológico de Santa Maria CNPJ 10.639.521/0001-47 Endereço Rua

Leia mais

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Conceito O conceito de Desenvolvimento Sustentável foi endossado pela ONU a partir do Relatório Nosso Futuro Comum: O desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. UF: RS 95599-000 Nome do Responsável: Jorge Luis de Souza Fonseca CEP: Função: PREFEITO. Endereço:

PLANO DE TRABALHO. UF: RS 95599-000 Nome do Responsável: Jorge Luis de Souza Fonseca CEP: Função: PREFEITO. Endereço: PLANO DE TRABALHO 1. DADOS CADASTRAIS Órgão/Entidade Proponente: MUNICÍPIO BALENEÁRIO PINHAL C.N.P.J.: 01.611.339/0001-97 Endereço: AVENIDA ITÁLIA Nº 3100 CENTRO Cidade: BALNEÁRIO PINHAL UF: RS CEP 95599-000

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO PROJETO GERAÇÃO DE RENDA COM USO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS Mafra, outubro de 2008. SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 JUSTIFICATIVA... 3 3 CARACTERIZAÇÃO DO PÚBLICO ENVOLVIDO... 4

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Roteiro para elaboração de Projeto Proposta

Roteiro para elaboração de Projeto Proposta . Capa: - Título do projeto - Nome da instituição proponente - Linha de ação a ser apoiada. Roteiro para elaboração de Projeto Proposta. Identificação da instituição proponente e responsável legal - devem

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 INTRODUÇÃO A Política Estadual de Educação Ambiental tem como princípios

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR(A) PARA O PROGRAMA

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS EDITAL PARA SELEÇÃO DE TÉCNICOS BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 04 de Dezembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto que

Leia mais

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA 1. Plano de Comunicação interna 1.1 Aspectos estruturantes 1.1.1 Objetivo O objetivo maior do plano de comunicação interna é fortalecer a gestão do Programa Arpa, a coesão entre parceiros e agentes diretamente

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Por uma política de saúde do trabalhador do SUS na Secretaria Municipal de Divinópolis/MG Marília Fraga Cerqueira

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada na área de eventos para a realização da Reunião Executiva do Proinfantil,

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas I SAPEG Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas O Objetivo do I SAPEG é dar início a um processo de Gestão Territorial para a região do Escudo das Guianas. Esta CARTA ABERTA é um dos produtos do

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

SUS Patrimônio da Sociedade Brasileira

SUS Patrimônio da Sociedade Brasileira Projeto do Evento: SUS Patrimônio da Sociedade Brasileira Data do Evento: 18.12.2008 Novembro, 2008 Manaus/ AM 1 Nome do Evento: Comemoração dos 20 anos do SUS em Manaus Tema: SUS Patrimônio da Sociedade

Leia mais

ANEXO 5 - PLANILHA DETALHADA DE CUSTOS

ANEXO 5 - PLANILHA DETALHADA DE CUSTOS O evento deve ser realizado em estabelecimento hoteleiro 4 estrelas, conforme classificação do Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem do Ministério do Turismo, localizado na região

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos APRESENTAÇÃO O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos municípios no processo de seleção de demanda, na elaboração e na execução do Projeto de Trabalho Social - PTS junto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/14

PLANO DE AÇÃO 2013/14 Tema Diagnóstico (situações a melhorar) Objetivo(s) Meta(s) Ações e Atividades Previstas Sensibilizar a comunidade escolar para a necessidade crescente de reutilização de materiais; PLANO DE AÇÃO 2013/14

Leia mais

MATERIAL DE EXPEDIENTE

MATERIAL DE EXPEDIENTE MATERIAL DE EXPEDIENTE Almofada para carimbo, cor azul, nº 04 Almofada para carimbo, cor preta, nº 04 Almofada para carimbo, cor vermelha, nº 04 Apagador para quadro branco Barbante Caixa para arquivo

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 INTRODUÇÃO

1 IDENTIFICAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO Título: PROJETO SOCIAL ABRIGO CRISTÃO Data de realização: às terças e quintas-feiras Local de realização: dependência da Igreja de Ariquemes Horário: das 17:30 às 18:30 às terças e quintas-feiras

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Elinar Maria Stracke

Elinar Maria Stracke CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA, CARGOS E VENCIMENTOS DOS TRABALHADORES DO SUS DE URUGUAIANA-RS. Elinar

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Biodiversidade e Áreas Protegidas Anael Aymoré Jacob Coordenador do Bioma Amazônia - DIREP/ICMBIO Convenção

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

ANEXO 5 - PLANILHA DETALHADA DE CUSTOS

ANEXO 5 - PLANILHA DETALHADA DE CUSTOS Período: 5 a 6 de de 204 EVENTO ÁREAS NECESSÁRIAS O evento deve ser realizado em estabelecimento hoteleiro 4 estrelas, conforme classificação do Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

Estação Ecológica do Caiuá

Estação Ecológica do Caiuá Estação Ecológica do Caiuá Programa Voluntariado nas Unidades de Conservação do Paraná Relatório anual das Atividades Desenvolvidas pelos Voluntários da Estação Ecológica do Caiuá/Período de 2007 No ano

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais